Ex.

º Senhor Presidente do Conselho Executivo do Agrupamento de Escolas de Ovar Os professores abaixo assinados, analisando o actual contexto criado pela publicação do Decreto Regulamentar 1-A/2009, consideram que:

A necessidade de alterações sucessivas do Modelo de Avaliação sentida pelo Governo, na sequência das enormes manifestações de descontentamento levadas a cabo pela quase totalidade da classe docente, mais não é que um reconhecimento inequívoco da inaplicabilidade desse Modelo e da sua inadequação pedagógica. Apesar de designado por Modelo de Avaliação ele não o é efectivamente. As alterações pontuais que foram introduzidas não alteraram a filosofia e os princípios que lhe estão subjacentes. Não tem cariz formativo, não promove a melhoria das práticas, centrado que está na seriação dos professores para efeitos de gestão de carreira. As alterações produzidas pelo Governo mantêm o essencial do anteriormente proposto, nomeadamente, alguns dos aspectos mais contestados como a existência de quotas para Excelente e Muito Bom, desvirtuando assim qualquer perspectiva dos docentes verem reconhecidos os seus efectivos méritos, conhecimentos, capacidades e investimento na Carreira. Outras alterações como as que têm a ver com as classificações dos alunos e abandono escolar, são meramente conjunturais, tendo sido afirmado que esses aspectos seriam posteriormente retomados para efeitos de avaliação. A implementação do Modelo de Avaliação imposto pelo Governo significa a aceitação tácita do ECD, que promove a divisão artificial da carreira em categorias e que a esmagadora maioria dos docentes contesta. Considerando os aspectos supracitados, os Professores e Educadores do Agrupamento de Escolas de Ovar, reafirmam o seu mais veemente protesto e desacordo perante o Modelo de Avaliação de Desempenho introduzido pelo Decreto Regulamentar n.º 2/2008 e simplificado pelo Decreto Regulamentar 1-A/2009.

Assim, os professores, abaixo assinados, reafirmam a sua vontade em manter a contestação e a “suspensão” deste modelo de avaliação, no presente ano lectivo, para que o Ministério possa dar resposta e corrigir todas as limitações, arbitrariedades e injustiças. Não reconhecem nele qualquer efeito positivo sobre a qualidade do ensino/aprendizagem, não prestigiando, também, a escola pública. Escola E.B. 2,3 António Dias Simões, 15 de Janeiro de 2009