catálogo

Plantas Ornamentais
Vale do Ribeira - SP

1

Índice

5 6 8 10 12 14 16 18 20 22 24 26 28 30 32 34 36 38 40 42 44 46 48

Apresentação Dracena Tricolor - Dracena marginata Palmeira Triangular - Dypsis decary Cróton - Codiaeum variegatum Rabo de Gato - Acalypha reptans Leia Verde - Leea coccínea Orquídea Bambu - Arundina bambusifolia Pingo de Ouro - Duranta repens Lantana - Lantana camara Pleomele - Pleomele reflexa Dracena Vermelha - Cordyline terminalis Murta - Eugenia sprengelli Lírio da Paz - Spathiphyllum cannifolium Tumbergia Azul - Thunbergia erecta Ixoria Mini - Ixora coccínea Grama amendoim, Amendoim rasteiro - Arahis repens Érica, Cuféia - Cuphea gracilis Quaresmeira rasteira - Schizocentron elegans Vedélia, Mal-me-quer - Sphagneticola trilobata Maranta - Calathea sestosa Maranta Variegata - Ctenanthe oppenheimiana Maranta - Calathea makoyana Grama preta, Grama japonesa - Ophiopogon japonicus

50 52 54 56 58 60 62 64 66 68 70 72 74 76 78 80 82 84 86 88 90 92 94

Periquito - Alternanthera ficoidea Comigo-ninguém-pode - Dieffenbachia sp Amor do Pará - Torenia fournieri Barléria Vermelha - Barleria repens Pileia - Pileia cadierei Dinheiro em penca - Callisia repens Dinheiro em penca - Pilea nummulariifolia Bulbine - Bulbine frutescens Russélia - Russelia equisetioformis Singônio - Syngonium angustatum Azulzinha - Evolvulus glomeratus Hera Roxa - Hemigraphis alternata Lambari Roxo - Tradescantia zebrina Rosinha de Sol - Eptenia cordifolia Pinheiro Budista - Podocarpus macrophyllus Bromélia Imperial - Alcantarea imperialis Jiboia - Epipremnum sp Bromélia - Vriesea sp Helicônias - Diversas variedades Alpínia - Alpinia purpurata / Alpinia zerumbet Bastão do Imperador - Etlingera elatior Bananeiras Ornamentais, Bananinhas - Diversas variedades Antúrio - Anthurium andraeanum

2

3

Apresentação

Desde 2004, o SEBRAE-SP Escritório Regional Vale do Ribeira tem concentrado esforços para promover o fortalecimento da cadeia produtiva de plantas ornamentais no Vale do Ribeira, de grande importância econômica regional e fonte geradora de renda para cerca de duzentos pequenos produtores rurais. Ao longo desses últimos cinco anos, o SEBRAE-SP colocou à disposição dos produtores e produtoras de plantas ornamentais dos municípios de Pariquera-Açu e Iguape, uma série de ferramentas que priorizaram o fortalecimento das organizações dos produtores, representados pela Associação dos Produtores de Plantas Ornamentais do Bairro Conchal - APPOC, do município de Pariquera-Açu, e pela Sociedade Amigos e Produtores do Bairro Itimirim - SAMPI, do município de Iguape. Especificamente em relação a APPOC, o SEBRAE-SP, através do Programa Sistema Agroindustrial Integrado (SAI) apoiou a formação da associação, reunindo e articulando os produtores que atuavam isoladamente no bairro. O trabalho do SEBRAE-SP buscou fortalecer o associativismo e melhorar a qualidade dos produtos para atender o mercado, a partir da utilização de diversas ferramentas de tecnologia e de gestão. Realizaram-se cursos, oficinas, palestras e missões, consultorias em aperfeiçoamento tecnológico e na área de gestão - tanto para as propriedades como para as organizações. Os produtores foram os protagonistas neste percurso, pois apostaram na parceria, comprometeram-se com o trabalho e mostraram todo o empreendedorismo que possuem. Aos poucos, foram aplicando em campo os novos conhecimentos, tornando possível hoje a colheita dos frutos desse cultivo que mistura dinamismo, força de vontade e desejo de melhorar as condições de trabalho e renda nas propriedades. Os produtores de Iguape aperfeiçoaram a produção das flores tropicais de corte através de novas tecnologias aplicadas e alcançaram um resultado aplaudido pelo mercado: maior durabilidade das flores pós-colheita, possibilitando inclusive a busca pelo mercado externo. Os produtores de Pariquera-Açu introduziram novas variedades de espécies para forração e mudas, passaram a comercializar as mudas em substrato e não mais em torrão – prática não recomendada ambientalmente, mas ainda muito comum na região – comprovando a responsabilidade ambiental que assumiram. Outra tecnologia adotada por eles é matrizes em vasos e não mais a campo, o que tem possibilitado o planejamento da propriedade e maior qualidade nas mudas. Todas estas melhorias não seriam conquistadas sem o compromisso e o empreendedorismo dos produtores. E o SEBRAE-SP tem orgulho em ser parceiro desta gente. Este catálogo é um produto do processo de fortalecimento da cadeia produtiva de plantas ornamentais do Vale do Ribeira. Tem o objetivo de apresentar e divulgar a riqueza e a diversidade das espécies tropicais produzidas na região, que são comercializadas em todo o estado e em outras regiões brasileiras. É uma amostra da beleza cultivada na região que concentra o maior remanescente continuo de Mata Atlântica e um relato de sucesso do empreendedorismo dos pequenos produtores rurais.

Legenda: Luminosidade Água Temperatura

Pouca

Média

Muita

4

5

Dracena Tricolor

Dracena marginata

Arbusto de tronco volumoso e espesso nas plantas idosas, ereto, originário de Madagascar. A variedade hortícula “Tricolor” apresenta folhas estreitas e longas, com listras de cor creme-esbranquiçado e róseo-avermelhado, origem do nome popular “dracena arco-íris”, de grande efeito decorativo. Apropriada para cultivo em vasos, em conjuntos ou plantios isolados, a pleno sol, não tolera temperaturas baixas. Multiplica-se facilmente por estacas, cortadas em qualquer época do ano.

6

7

Palmeira Triangular

Dypsis decary

Palmeira de ocorrência natural em Madagascar. Altura máxima do caule em torno de 6 m. Suas folhas são distribuídas em três direções distintas, daí o seu nome popular. Apresenta frutos arredondados, de cor amarelo-esbranquiçado quando maduros. É indicado para áreas de praças, parques e canteiros, onde pode desenvolver-se com todo o seu esplendor.

8

9

Cróton Codiaeum variegatum Grupo de arbustos grandes e semi lenhosos. Excelentes para renques ou conjuntos que não devem ser podados para não prejudicar sua formação natural. sensíveis a geadas. Da Índia. pouco resistentes ao frio. São plantas clássicas de climas tropicais. 10 11 . Exigem solos ricos e de boa drenagem. Malásia e Ilhas do Pacífico.

de folhagem e florescimento decorativo. O aspecto lembra o rabo de um gato. originária da Índia. daí um dos seus nomes populares. 12 13 . curto. irrigado periodicamente. permeáveis. Cultivada a pleno sol como forração. formado no decorrer do ano todo. reptante. disposto acima da folhagem. ereta. de 15 a 20 cm de altura. em canteiros de terra fértil.Rabo de Gato Acalypha reptans Herbácea perene. Inflorescência vermelha. cônico cilíndrico.

originário de Burma. entouceirado. ou em renques ao longo das paredes muros e cercas. ereto. com 2 a 2. com folhagem ornamental. 14 15 .5 m de altura. Tolera podas leves e é sensível a geadas.Leia Verde Leea coccínea Arbusto de textura semi herbácea. isoladamente ou em conjunto. em solos férteis. É cultivado a pleno sol ou meia sombra.

Cultivada a meia sombra ou a pleno sol. de ramagem e florescimento extremamente decorativos. com 1. semi herbácea. entouceirada. Não tolera geadas e floresce mais intensamente em regiões de clima quente e úmido. acompanhando muros ou em grupos formando conjuntos isolados. rizomatosa. em terra rica em matéria orgânica permeável e irrigada periodicamente. ereta. em jardineiras e renques. 16 17 .2 a 2 metros de altura. originária de Burma.Orquídea Bambu Arundina bambusifolia Orquídea terrestre.

de ramagem densa e ornamental.5 m de altura. visando exaltar a coloração dourada da folhagem. a pleno sol e mantido quase sempre podado. Muito utilizado em bordaduras e renques. 18 19 .Pingo de Ouro Duranta repens Arbusto lenhoso. de 1 a 1. principalmente nas folhas jovens. Folhas de cor amarelo dourado. É ótima para trabalhos topiários. que diminui quando se desenvolve a meia sombra. Tolera geadas. obtido por trabalho de seleção hortícola sobre a espécie típica.

5 a 2 m.Lantana Lantana camara Arbusto perene de pequeno porte. Muito visitada por borboletas. prefere solos orgânicos e tolera geadas. branca. de 0. laranja e rosa. Planta bastante utilizada para bordaduras e maciços. com inflorescência densa de pequenas flores nas cores: amarela. 20 21 .

22 23 .Pleomele Pleomele reflexa Planta arbustiva semi lenhosa com altura entre 2 e 3 m. apresenta folhas coriáceas. prefere solos com terra fértil a pleno sol ou a meia sombra. Cultivada em vasos ou canteiros. como planta isolada ou em grupo.

Existem inúmeras variedades. Tolera o frio. É cultivado em vasos. em fileiras junto a paredes ou muros formando conjuntos desenhados. cujas plantas apresentam uma variação muito grande de cores e formas. da Índia. 24 25 . tanto a pleno sol como a meia sombra. de 1 a 2.Dracena Vermelha Cordyline terminalis Arbusto semi lenhoso.5 m de altura com folhas coriáceas e espessas. ereto. Malásia e Polinésia.

prestando-se para ornamentação topiária. em vasos. em renques ou em conjuntos podados com frequência e mantidos como arbustos globosos. lineares e densas. de 2 a 4 m de altura. 26 27 . muito ramificado. É resistente a geadas fortes. com folhas reduzidas. compacto.Murta Eugenia sprengelli Arbusto grande. É cultivado em pleno sol ou meia sombra. nativo do Brasil. lenhoso. podendo ser cultivado desde o extremo sul até os trópicos. de folhagem ornamental.

vigorosa. formada na primavera-verão. ou formando conjuntos densos a meia sombra. não tolera o frio.Lírio da Paz Spathiphyllum cannifolium Herbácea perene. 28 29 . entouceirada. Planta tropical. em terra rica em matéria orgânica. jardineiras e renques. Inflorescência em espádice branco com forte perfume de narciso. mantida sempre umedecida ou dentro da água. rizomatosa. do norte da América do Sul (Venezuela). Cultivada em vasos. de 60 a 70 cm de altura.

densas e ornamentais. folhas simples. muretas. de 2 a 5 m de altura. As flores atraem beija-flores. ao longo de muros. paredes e cercas. espessas. a pleno sol ou a meia sombra.Tumbergia Azul Thunbergia erecta Arbusto de textura semi herbácea. Originário da África tropical. ereto. 30 31 . Apropriado para o plantio isolado ou em grupos na forma de renques. em solo rico em material orgânico e irrigado a intervalos. verde brilhante.

É adequado para bordaduras e renques acompanhando grades. ramificado. com florescimento vistoso. em canteiros a pleno sol. ereto. muros e cercas. exceto no inverno. 32 33 . De 40 a 80 cm de altura. São produzidos no decorrer do ano. com terra fértil e irrigada periodicamente. Há variedades de inflorescência em tons de amarelo e rosa. originário da Malásia.Ixoria Mini Ixora coccínea Arbusto de textura semi herbácea. paredes. É possível também o cultivo em vasos e na forma de maciços densos.

com ramagem prostrada. fina de nós e entre nós destacados. amarelas. de 10 a 20 cm de altura. com efeito decorativo notável pela folhagem sempre verde escura. Não resiste a pisoteio e dispensa podas periódicas. Não tolera geadas. em canteiros a pleno sol. formadas na primavera e verão. Amendoim rasteiro Arahis repens Herbácea reptante. nativa do Brasil. 34 35 . numerosas mas pouco vistosas. perene. Cultivada como forração a maneira de um gramado. ricos em matéria orgânica permeáveis e irrigados periodicamente. Flores pequenas.Grama amendoim.

36 37 . ereta florífera. tenuimente ramificada. enriquecidos com matéria orgânica. em canteiros a meia sombra ou pleno sol. em forrações ou conjuntos. prestandose de forma excelente para a formação de bordaduras. Deve-se evitar que seja podada. É muito utilizada em jardineiras. Cuféia Cuphea gracilis Herbácea perene. de boa drenagem e com irrigações periódicas. Não tolera o frio. nativa do Brasil. Apropriada para plantios entre pedras. de 20 a 30 cm de altura.Érica.

É indicada também para jardineiras ou cuias como planta pendente. Usada como forração tanto em pleno sol como meia sombra. de porte rasteiro com altura máxima de 20 cm. 38 39 . esparsas de coloração arroxeada formadas o ano todo. apresenta folhagem ornamental e flores solitárias. Prefere solos ricos em matéria orgânica e de boa drenagem.Quaresmeira rasteira Schizocentron elegans Planta originária do México.

40 41 . É adequada para revestimentos e taludes ou barrancos. a pleno sol ou meia sombra. nativa de quase toda costa do Brasil. capítulos axilares. de 40 a 60 cm de altura e de folhagem decorativa. formadas durante todo o ano. muito ramificada. É resistente a locais úmidos e inundáveis. Inflorescência com numerosas flores pequenas e reunidas. prostrada. solitários e amarelos. porém sensível a geadas. É cultivada como forração.Vedélia. bem como terrenos secos. Mal-me-quer Sphagneticola trilobata Herbácea perene.

a meia sombra. em canteiros com terra estercada. É bastante rústica e pouco exigente em umidade. acaule. Cultivada em vasos ou em jardineiras. rizomatosa. Pelo porte baixo. de belo efeito decorativo. pode ser empregada como forração. de 20 a 30 cm de altura com folhagem muito ornamental.Maranta Calathea sestosa Herbácea perene. 42 43 . entretanto muito sensível a geadas. nativa do Brasil.

sendo indicadas para regiões quentes.Maranta Variegata Ctenanthe oppenheimiana Herbácea vigorosa. ou em conjuntos isolados. branco e prateado. 44 45 . as folhas são variegatas de verde. arroxeadas na face de baixo. de 70 a 90 cm de altura. perene. Apropriada para vasos e jardineiras. para renques acompanhando paredes. muros. Na variedade hortícola Tricolor. com folhagem ornamental. com terra rica e mantida umedecida. a meia sombra. nativa do Brasil. Não tolera geadas. muretas e grades.

Apresenta folhas marteladas muito ornamentais. 46 47 . também pode ser usada em vasos a meia sombra. Altura de até 20 cm.Maranta Calathea makoyana Planta originária das Américas. Planta cultivada principalmente em canteiros. Prefere solos ricos em matéria orgânica e com boa drenagem.

Não suporta pisoteio. com 20 a 30 cm de altura. verde-escuras. recurvadas.Grama preta. Grama japonesa Ophiopogon japonicus Herbácea estolonífera. porém o cultivo deve ser feito em terra enriquecida com húmus. tanto para a sombra como para pleno sol. Ao contrário do gramado. 48 49 . da China e Japão. perene. finas. tratando-se realmente de uma forração. de boa drenagem. com folhas lineares. não requer corte. É utilizada como bordadura e em substituição a grama. como o nome popular indica. acaule.

apresenta ramagem densa formando uma moita de folhagem muito ornamental. São excelentes para formação de bordaduras e forrações em pleno sol.Periquito Alternanthera ficoidea Planta perene originária do Brasil. Prefere solos ricos em matéria orgânica e úmidos. 50 51 .

É cultivada em vasos em conjuntos isolados ou jardineiras a sombra ou meia sombra. camila Comigo-ninguém-pode Dieffenbachia sp Planta com folhas grandes. 52 53 . Terra sempre úmida e com boa quantidade de húmus. vistosas. Originária possivelmente da Colômbia ou Costa Rica. tropic snow Dieffenbachia sp var.Dieffenbachia sp var. Suas folhas são consideradas venenosas. verdes com manchas esbranquiçadas e caule espesso.

Planta de ciclo anual. Preferem clima ameno. originária da Ásia Central e Europa. 54 55 . de boa drenagem. com folhas lisas.Amor do Pará Torenia fournieri Planta ornamental. no entanto úmidos e a pleno sol. que atinge altura entre 20 a 25 cm. podendo apresentar também várias cores. cerosas e denteadas. São flores geralmente violetas e rosas. caracterizada por caule curto e ramificado. São cultivadas em canteiros férteis.

Barléria Vermelha Barleria repens Herbácea baixa muito ramificada de altura entre 40 a 60 cm. originária da África. Possui folhas coriáceas e bem brilhantes. Pode ser cultivada em vaso como planta pendente ou em jardineiras suspensas bem como canteiros em pleno sol. Não tolera geadas. São muito visitadas por beija-flores. Floresce o ano todo. 56 57 . Suas flores são de coloração vermelha e isoladas.

com altura entre 20 a 30 cm de ramagem tenra e muito ornamental. Originária do Vietnã.Pileia Pileia cadierei Planta perene de crescimento ereto. Cultivada principalmente em jardineiras ou canteiros a meia sombra. 58 59 . Gosta de solos ricos em matéria orgânica e úmidos.

Altura entre 5 a 10 cm. 60 61 . Cultivada a meia sombra é muito usada como forração formando densos canteiros. apresenta folhagem cerosa e abundante.Dinheiro em penca Callisia repens Planta herbácea reptante. Deve ser irrigada periodicamente. preferindo solos ricos em matéria orgânica. originária das Américas. Pouco tolerante a temperaturas baixas.

Dinheiro em penca Pilea nummulariifolia Planta herbácea nativa das Américas. canteiros ou jardineiras precisa de solo úmido e rico em matéria orgânica. com 10 a 15 cm de altura e folhagens ornamentais. Cultivada em meia sombra em vasos. 62 63 .

É tolerante a geadas. Prefere solos férteis e de boa drenagem. Inflorescência racemosa longa com flores amarelas ou alaranjadas. 64 65 . com folhas carnosas e cilíndricas formando um tufo na parte basal. Utilizadas na formação de bordaduras ou em conjuntos isolados.Bulbine Bulbine frutescens Planta herbácea de raízes tuberosas com altura entre 20 a 30 cm.

branca e rosada muito ornamentais. 66 67 . de 80 cm a 1 m. é bastante visitada por beija-flores. Flores de cor vermelha. formando touceiras. Preferem solos de boa drenagem e férteis.Russélia Russelia equisetioformis Arbusto perene originário do México. apresenta ramagem numerosa e pendente. Planta de pleno sol.

Preferem solos ricos em matéria orgânica e sempre úmidos. 68 69 . de folhagem decorativa com altura entre 20 a 60 cm. Usadas principalmente em vasos também podem ser usadas como forrações ou agrupamentos isolados em meia sombra.Singônio Syngonium angustatum Planta originária da Nicarágua.

Plantas produzidas em vasos ou jardineiras também podem ser empregadas como forração a pleno sol. Não toleram frio. Flores pequenas e azuladas produzidas o ano todo.Azulzinha Evolvulus glomeratus Planta semi prostada nativa do Brasil com altura entre 20 a 30 cm. Preferem solos ricos em matéria orgânica e bem drenados. 70 71 . com folhas ovaladas e aveludadas.

Adequada para uso como forração. Não tolera clima frio perdendo parte de suas folhas. também pode ser cultivada em vaso.Hera Roxa Hemigraphis alternata Planta perene. em pleno sol ou a meia sombra. possui folhas brilhantes de cor roxa muito ornamentais. originária da Ásia. com altura entre 15 a 20 cm. 72 73 . Prefere solos ricos em matéria orgânica e de boa drenagem.

Usada principalmente como forração em pleno sol ou a meia sombra.Lambari Roxo Tradescantia zebrina Planta suculenta muito ramificada com tamanho entre 15 a 20 cm. Folhagens muito ornamentais de cor verde arroxeadas com estrias verdes. 74 75 . mantida sempre umedecida. Cultivada em solos ricos em matéria orgânica.

76 77 . apresenta altura máxima de 15 cm. Cultivada como forração ou em jardineiras. folhas e flores ornamentais.Rosinha de Sol Eptenia cordifolia Herbácea suculenta. gosta de solos férteis e com ótima drenagem irrigada com intervalos longos. Flores terminais isoladas de coloração avermelhada formada o ano todo e visitadas por abelhas. rasteira originária da África.

Cultivado geralmente formando renques a meia sombra ou a pleno sol. Prefere solos férteis e mantidos úmidos. Tolera podas e também geadas. originário do Japão e China.Pinheiro Budista Podocarpus macrophyllus Arbusto de grande porte com ramagem ornamental. Inflorescência sem importância ornamental. 78 79 .

Cultivada isolada ou em grupo em pleno sol. acaule.Bromélia Imperial Alcantarea imperialis Planta herbácea. atrativa para os beija-flores. 80 81 . robusta e de folhagem ornamental verde ou avermelhada. Prefere solos de boa drenagem e ricos em matéria orgânica. porém.5 m. É sensível a geadas. É originária do Brasil podendo chegar a 1. Inflorescência pouco ornamental.

É pouco tolerante a geadas e prefere solos ricos em matéria orgânica e sempre úmidos.Jiboia Epipremnum sp Originária das ilhas Salomão apresenta hábito de crescimento ascendente. 82 83 . folhas ornamentais variegadas. Cultivada em pleno sol ou a meia sombra em vasos ou também como forração.

Mantida sob luz direta ou meia sombra prefere solos ricos em matéria orgânica e com excelente drenagem.Bromélia Vriesea sp Planta herbácea perene. Cultivada em vasos ou em jardins como planta isolada ou em grupo. 84 85 . Folhas laminares com as extremidades de roxo ao avermelhado. epífita ou terrestre de folhagem e florescimento decorativos de 60 a 90 cm de altura.

mais precisamente da região noroeste da América do Sul. Aqui no Brasil. local onde. 86 87 . da boa resistência ao transporte e da longa durabilidade após colheita. na Grécia. residiam Apolo e suas Musas. Originalmente incluído na família Musaceae (a família das bananeiras). conforme a região: bananeira-de-jardim. muito vistosas. segundo a mitologia. cerca de 40 espécies ocorrem naturalmente em nosso país e são conhecidas por vários nomes. As helicônias são utilizadas como plantas de jardim ou flores de corte. falsa-ave-do-paraíso e paquevira. bananeirinhade-jardim. tanto no mercado nacional como internacional. situado na região da Beócia. como único representante.Helicônias As helicônias são plantas de origem neotropical. além da rusticidade. entre outros. Sua aceitação como flores de corte tem sido crescente. na maioria das vezes. As razões que favorecem sua aceitação pelo consumidor são a beleza e exoticidade das brácteas que envolvem e Diversas variedades protegem as flores. bico-de-guará. numa referência ao Monte Helicon. de intenso e exuberante colorido e. O nome do gênero foi estabelecido por Lineu. com tonalidades contrastantes. o gênero Heliconia mais tarde passou a constituir a família Heliconiaceae. em 1771.

As folhas são ornamentais também. esta planta também é utilizada como flor de corte. Assim como outros gengibres. Muito rústica. Não é resistente ao frio. Produz inflorescências belíssimas. Deve ser cultivada a pleno sol ou meia sombra. a alpínia é uma planta que combina muito bem com paisagens tropicais.Alpínia Alpinia purpurata / Alpinia zerumbet De porte médio. em hastes eretas. esta planta aprecia solos ricos em matéria orgânica e irrigados regularmente. tomando o cuidado de deixar uma boa parte de rizoma e folhas com cada muda. com flores pequenas de coloração branca e brácteas vermelhas ou róseas. Multiplica-se por mudas que se formam nas brácteas ou por divisão das touceiras. 88 89 .

A folhagem é tipicamente tropical. que dá o nome a planta. caracteriza-se por apresentar brácteas róseas ou avermelhadas. ao frio e a ventos fortes. Multiplica-se pela divisão da touceira e por sementes. plantado isoladamente ou em grupos. sustentadas por uma haste longa e robusta. com flores vermelhas e lábio amarelo. irrigado com frequência. com hastes longas e folhas largas e coriáceas. em solo fértil e rico em matéria orgânica. A inflorescência. Floresce na primavera e verão.Bastão do Imperador Etlingera elatior O Bastão do Imperador é uma espécie de gengibre. Deve ser cultivado a pleno sol. com flores muito chamativas e vistosas. Não é tolerante às geadas. 90 91 . Valoriza jardins tropicais e contemporâneos.

Devem ser cultivadas a pleno sol. isoladas ou em grupos. longas e largas e se partem com a ação do vento. Bananinhas Diversas variedades De aspecto tropical. A inflorescência. Suas folhas são muito grandes. Não são tolerantes às geadas e a ventos fortes. em solo fértil e rico em matéria orgânica. São muito utilizadas como flores de corte.Bananeiras Ornamentais. irrigado com frequência. Multiplicam-se pela divisão do rizoma e mudas. é muito ornamental apresentando brácteas de coloração rósea e vermelha. formada na primavera e verão. devem ser plantadas preferencialmente em locais de clima quente. as bananeiras ornamentais. 92 Musa coccínea Musa velutina Musa ornata 93 .

deve ser plantada sempre à meia-sombra. hoje em dia pode compor maciços e bordaduras em jardins externos também. em substratos ricos em matéria orgânica. com regas frequentes e adubação adequada para florescer. como a fibra de côco misturado com terra vegetal. Utilizada há muito tempo em vasos para decorar interiores. 94 95 . Fez parte de uma moda antiga e teve o brilho renovado recentemente.Antúrio Anthurium andraeanum O antúrio é uma planta tradicional no paisagismo. Exigente quanto à umidade.

Anotações 96 97 .

apoio: realização: 98 99 .

br | twitter.com/sebraesp 100 .www.com.sebraesp.