You are on page 1of 307

Índice

01 - APRESENTAÇÃO ....................................................................................................................................5 Garantia ...................................................................................................................................................6 Contatos...................................................................................................................................................6 02 - TERMOS TÉCNICOS ...............................................................................................................................7 03 - ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS .............................................................................................................13 816 ........................................................................................................................................................13 1319 .......................................................................................................................................................17 1519 .......................................................................................................................................................21 1719 .......................................................................................................................................................25 1723 .......................................................................................................................................................29 2423 .......................................................................................................................................................33 2429 .......................................................................................................................................................37 2623 .......................................................................................................................................................41 2629 .......................................................................................................................................................45 3133 .......................................................................................................................................................49 1933 Tractor ...........................................................................................................................................53 1933 Rígido ............................................................................................................................................57 Curvas de torque e potência dos motores ..............................................................................................61 04 - APLICAÇÕES .........................................................................................................................................66

Tabela de Aplicação ................................................................................................................ 66
05 - LEGISLAÇÃO .........................................................................................................................................69 Órgãos Regulamentadores ....................................................................................................................69 06 - IDENTIFICAÇÃO ...................................................................................................................................71 Identificação do veículo ..........................................................................................................................71 Plaqueta de Identificação .......................................................................................................................72 Número de Identificação do Veículo - VIN .............................................................................................74 07 - INFORMAÇÕES DO PRODUTO ...........................................................................................................77 Pesos .....................................................................................................................................................77 Classificação dos caminhões .................................................................................................................79 Segmentação ........................................................................................................................................79

Índice
Peso bruto por eixo ................................................................................................................................81 Motor Eletrônico .....................................................................................................................................82 Common Rail .........................................................................................................................................84 Controle Eletrônico do Acelerador ..........................................................................................................85 Cuidados com o Sistema de Combustível ..............................................................................................86 08 - INSTALAÇÃO DE IMPLEMENTOS E EQUIPAMENTOS .......................................................................88 Especificações de carga e cálculos ........................................................................................................88 Instalação da Carroceria ao chassi ........................................................................................................93 Cuidados Adicionais .............................................................................................................................100 Tomada de Força Traseira do Motor (1723 / 2623 / 2629) ....................................................................102 09 - ALTERAÇÕES / INSTALAÇÕES NO QUADRO DO CHASSI ..............................................................109 Chassi ..................................................................................................................................................109 Características dos chassi ...................................................................................................................109 Alterações da Distância Entre-eixos..................................................................................................... 112 Instalação do Terceiro Eixo ..................................................................................................................128 Quinta-roda ..........................................................................................................................................136 Sistema de combustível .......................................................................................................................141 10 - CARROCERIAS...................................................................................................................................142 Carga Seca ..........................................................................................................................................142 Furgão..................................................................................................................................................143 Fixações...............................................................................................................................................143 Basculantes .........................................................................................................................................144 Tanque .................................................................................................................................................145 11 - SISTEMA ELÉTRICO...........................................................................................................................146 Normas de segurança e proteção - Medidas de prevenção..................................................................146 Fusíveis e Relés ...................................................................................................................................146 Relés ....................................................................................................................................................159 Lâmpadas - sistema elétrico em 12V....................................................................................................160 Partida do motor com bateria auxiliar ...................................................................................................161 Bateria..................................................................................................................................................163 Alternador ............................................................................................................................................171 Tomada Elétrica ...................................................................................................................................171 Tomada elétrica para reboque e semirreboque ....................................................................................172

Índice
Substituição das lâmpadas ..................................................................................................................175 Manutenção .........................................................................................................................................176 Parachoque alto ...................................................................................................................................176 Parachoque fora de estrada .................................................................................................................177 Conector para instalação de iluminação adicional................................................................................183 Instalação de chave geral.....................................................................................................................184 Extensão/ Redução de chicotes ..........................................................................................................189 12 - SISTEMA DE FREIOS .........................................................................................................................193 Alteração da distância entre-eixos .......................................................................................................193 Válvula Sensível à Carga (LSV) ...........................................................................................................194 Tabelas de Regulagem.........................................................................................................................195 Instalação da Válvula Sensível à Carga (LSV) .....................................................................................198 Instalação de 3º eixo ............................................................................................................................203 Ligações adicionais ao sistema de ar comprimido................................................................................204 Regulagem da válvula sensível à carga (LSV) .....................................................................................205 13 - DESENHOS TÉCNICOS .....................................................................................................................207 816 .......................................................................................................................................................208 1319 .....................................................................................................................................................212 1519 .....................................................................................................................................................215 1719 .....................................................................................................................................................219 1723 .....................................................................................................................................................223 2423 / 2429 ..........................................................................................................................................227 2623 / 2629 ..........................................................................................................................................231 3133 .....................................................................................................................................................235 1933 Tractor .........................................................................................................................................239 1933 Rígido ..........................................................................................................................................242 14 - CIRCUITOS .........................................................................................................................................245 Circuitos Pneumático de Freios............................................................................................................245 15 - CARACTERÍSTICAS DO SISTEMA DE EXAUSTÃO E PÓS-TRATAMENTO DOS GASES DO MOTOR .........................................................................................................................................252 Linha cargo 6x2 e 6x4 ..........................................................................................................................252 16 - DIAGRAMAS ELÉTRICOS ..................................................................................................................260

1 - Apresentação

Os caminhões Ford, vendidos na configuração chassi-cabine, têm necessidade de complementação com a instalação de carrocerias, modificações estruturais ou adaptação de mecanismos operacionais, antes de serem utilizados pelo Cliente. Portanto, cada caminhão exige o trabalho de um ou mais Implementadores.

Como a Ford se aperfeiçoa na fabricação dos caminhões, esperamos que os Implementadores também o façam com seus produtos, para criarem esta mesma imagem de confiança e que possamos, em conjunto, proporcionar plena satisfação ao Cliente.

Para isso, a Ford Caminhões desenvolveu o Manual do Implementador.

Esse Manual fornece subsídios técnicos e detalhes construtivos para a correta execução das complementações e eventuais modificações nos caminhões Ford, contribuindo para que a qualidade dos produtos Ford seja mantida após a complementação dos veículos, além de estreitar o relacionamento entre a Ford Caminhões e os Implementadores.

Sem dúvida, esse Manual contribuirá na qualidade das complementações nos caminhões Ford, atingindo a satisfação dos nossos Clientes.

Ford Caminhões

5

1 - Apresentação

Garantia
O Manual do Implementador contém as instruções para a instalação de carrocerias, modificações estruturais ou adaptação de mecanismos operacionais feitos pelos Implementadores. Lembramos que a inobservância dessas instruções invalidará a Garantia do caminhão, conforme instruções do Manual do Proprietário, Garantia e Manutenção. A garantia Ford refere-se ao conjunto chassi-cabine, ficando a garantia da complementação por conta do Implementador. Além da garantia regulamentar que o Implementador deve oferecer ao Cliente quanto ao uso do seu produto, ele é também totalmente responsável por eventuais danos que causam ao caminhão, durante a construção e instalação da carroceria ou posteriormente, por esta submeter o caminhão a trabalhos fora das características de uso previsto. No caso de alterações no caminhão Ford, os componentes e conjuntos modificados, bem como outros que passam a ficar submetidos às condições de uso diferentes dos originalmente previstos, deixarão de ser cobertos pela Garantia Ford e ficarão sob a responsabilidade da Garantia do Implementador. A fim de manter a segurança de funcionamento e de preservar os direitos decorrentes da garantia, sugerimos que as instruções contidas neste Manual sejam estritamente observadas.

Contatos
Outras informações podem ser obtidas através:

Atendentes especialmente treinados e disponíveis 24 horas por dia, 7 dias por semana. Tel.: 0800 703 3673 Site Ford Caminhões www.fordcaminhoes.com.br

Disk Ford Caminhões

6

2 - Termos Técnicos

Área Efetiva de Frenagem: É a somatória de todas as áreas de contato das lonas e/ou pastilhas com os tambores de freio e/ou discos. Aro de Roda Drop: Aro de roda com o fundo do seu perfil rebaixado e não possui anel desmontável. Semelhante aos aros das rodas dos automóveis. É utilizado obrigatoriamente para pneus sem câmara. Aro de Roda Flat: Aro de roda com o fundo do perfil plano e provido de anel desmontável. É utilizado somente para pneus com câmara. Arrefecimento: Esfriamento, ou seja, redução de uma temperatura elevada em direção à temperatura ambiente. Efeito típico dos radiadores dos motores. Árvore: Elemento mecânico com predominância da dimensão comprimento, destinado a transmitir torque. Pode ter qualquer formato de seção, porém o mais comum é a seção circular. Exemplo: semi-árvore do eixo traseiro de um caminhão. Árvore de Manivelas: Elemento principal do motor constituído por uma sequência de manivelas, que transformam o movimento alternativo do êmbolo em movimento circular. Coleta o conjugado de cada um dos pistões para transmiti-lo ao volante do motor. Conhecido também como: Girabrequim, virabrequim e vara de cambalhotas. Árvore de Transmissão: Conjunto de tubos e juntas normalmente tipo cardã que transmite o torque da saída da caixa de transmissão ao pinhão do eixo trativo. Ao invés de tubos, podem ser também perfis maciços como nas tomadas de força. Aspiração Natural: Motor cujo enchimento dos cilindros, consequente da descida dos êmbolos. É feito pelo ar sob pressão atmosférica do local. Barra Estabilizadora: Evita que o veículo tenha inclinações laterais excessivas, principalmente em curvas ou em manobras um pouco mais bruscas. Bi-trem: É um cavalo mecânico trucado ou traçado que atrela um semirreboque de dois eixos, equipado com quinta roda, que por sua vez atrela outro semirreboque de dois eixos. Bomba Injetora em Linha: Bomba injetora de diesel, provida de um conjunto cilindro-êmbolo para cada cilindro do motor. Bomba Injetora Rotativa: Bomba injetora de diesel provida de um único conjunto de cilindro-êmbolo que se encarrega de todos os cilindros do motor, através de um distribuidor que envia a injeção para cada cilindro específico no momento correto. Caixa de Transmissão Não-Sincronizada: Engates feitos através de luvas de engate. Caixa de Transmissão Sincronizada: Engates feitos através de anéis sincronizadores. Caminhão Toco: Conhecido também como caminhão 4x2, isto é, sem 3º eixo. Caminhão Traçado: Conhecido também como caminhão 6x4, isto é, com 3º eixo tracionado. Caminhão Trucado: Conhecido também como caminhão 6x2, isto é, com 3º eixo morto. Caminhão Tractor: Conhecido também como cavalo mecânico. Caminhão constituído de chassi-cabine e 5ª roda. O seu único uso é tracionar semirreboque.

7

2 - Termos Técnicos
8

Capacidade Total de Carga: É a carga útil que o veículo pode transportar, acrescido do peso da carroceria. Pode ser calculado pela subtração do Peso Bruto Total Homologado pelo Peso em Ordem de Marcha. Capacidade Máxima de Tração (CMT): É o máximo peso que a unidade de tração é capaz de tracionar, indicado pelo fabricante, baseado em condições sobre suas limitações de geração e multiplicação de momento de força e resistência dos elementos que compõem a transmissão. Cardã: Junta com permissibilidade angular para árvore de transmissão, também chamada de junta universal. Constituída de uma cruzeta e dois garfos forjados nos tubos das árvores. Chassi: É o elemento mecânico responsável por toda estruturação do veículo e suas capacidades. É composto por duas longarinas paralelas, interligadas por travessas; em algumas situações o chassi possui suportes ou reforços para o aumento da sua resistência. Cavalo Mecânico: Conhecido também como Caminhão Trator. Centro de Gravidade: É o centro de um corpo para onde convergem todas as forças que atuam sobre ele, e onde elas se anulam. Chassi Plano de Perfil Constante: Chassi cujas longarinas são totalmente retas tanto na face superior como na inferior. Enquanto as outras longarinas só podem ser estampadas, estas podem ser fabricadas por roletes, a partir de tiras de chapa plana de comprimento ilimitado. Chassi Plano: Chassi cujas longarinas possuem a face superior plana no total da sua extensão. Admite viga da carroceria sem recortes. Porém, pode ter estreitamento da altura do perfil das longarinas na parte traseira. Chassi Tipo Escada: Chassi cujas longarinas vistas lateralmente não são planas. Possuem degraus para cima para promover espaço livre para a movimentação dos eixos e degraus para baixo, a fim de propiciar cabine mais baixa. Cilindrada: É o volume disponível para o ar ou mistura ar / combustível quando o pistão se desloca do ponto morto até o ponto morto inferior. Circuito de Alimentação: É formado pelos componentes responsáveis em fornecer o combustível ao circuito de pressurização de combustível, no caso, o de baixa pressão. Círculo de Viragem: É o diâmetro necessário para manobra do veículo. Também é conhecido como raio de giro. Common Rail: Sistema de injeção de combustível que utiliza um duto único onde o combustível é armazenado sob pressão para ser distribuído às unidades injetoras. Compressão: É a relação entre o volume do cilindro e o volume da câmara de combustão. O volume do cilindro é gerado pela área da cabeça do pistão, vezes o curso do pistão. Conjunto Coroa-Pinhão: Atua na variação de torque e velocidade, na mudança de direção e sentido de rotação para as rodas traseiras (longitudinal para transversal). Diferencial (Planetárias e Satélites): Atua na variação da velocidade de rotação entre as rodas trativas nas curvas e manobras, trafegando em retas, com pneus de diâmetros diferentes em cada lado do eixo. Eixo: São estruturas mecânicas de ligação entre as rodas projetadas para uma determinada capacidade máxima de carga, definida por cada fabricante. Eixo Dianteiro: O eixo, em geral, é uma viga de aço forjado, projetada em função da capacidade de carga do veículo, onde se fixam: as rodas, os componentes da suspensão e os componentes de freio.

2 - Termos Técnicos

Eixo Traseiro: Podem ser motrizes ou simplesmente um terceiro eixo. Quando motriz, é composto de uma carcaça de aço estampado e projetado em função da sua capacidade de carga e de tração. Nele encontramos os elementos de tração e outros como: diferencial, par coroa / pinhão, semi-eixos e rolamentos. Neles são fixadas as rodas, componentes da suspensão e compontes de freio. É o único componente do veículo que além de suportar a carga em um caminhão, participa da sua movimentação, possibilitando a variação de torque, velocidade e direção de rotação nas rodas traseiras (trativas). Eixo Traseiro de Dupla Redução: Eixo traseiro que possui, além da coroa e pinhão, mais uma redução por engrenagens. Eixo Traseiro de Simples Redução: Eixo traseiro com a transmissão angular constituída apenas de coroa e pinhão. Eixo Traseiro Flutuante: Tipo de eixo traseiro no qual as ponteiras das carcaças servem de eixo para as rodas quanto a descarga do peso e a tração do veículo é realizada pelas semi-árvores, parafusadas nos cubos de roda. Entalhado: Junta extensível no sentido longitudinal, utilizado obrigatoriamente em todo conjunto de árvore de transmissão, e apenas um por veículo, para ajustar o comprimento de acordo com a movimentação do eixo traseiro em relação à caixa de transmissão. Filtro Secador de Ar do Sistema de Freios: Elimina de forma constante a água condensada e traços de óleo do sistema de ar comprimido. Fixação Budd de Rodas: Sistema americano de fixação das rodas do caminhão ao cubo, no qual nas rodas traseiras, a roda interna é apertada por tuchos intermediários e a externa por porcas rosqueadas sobre o corpo destes tuchos. Neste sistema, a centralização das rodas é feita pelas pontas cônicas dos tuchos e das porcas, introduzidas nos furos também cônicos nas rodas. Fixação DIN ou ISO das Rodas: Sistema europeu onde a fixação das rodas é realizada por porcas de superfície plana, fixando ambas as rodas duplas traseiras em conjunto. A centralização das rodas é garantida pelo furo grande central da roda, encaixando-se com precisão em superfície usinada do cubo de roda. Freio a Ar Comprimido (Pneumático): Sistema de freio operado totalmente a ar comprimido. Freio de Emergência: Utilizado em veículos com sistema pneumático de freios. É acionado em situações de emergência, quando ocorrem falhas no fornecimento de ar para o sistema de freio de serviço. A válvula moduladora do freio de estacionamento e emergência permite a modulação do freio de estacionamento em situações de emergência, impedindo assim, o travamento abrupto das rodas e possibilitando manobras necessárias e seguras até a parada total do veículo. Freio de Serviço a Disco: É composto de um conjunto denominado “pinça”, que acomoda as pastilhas e o pistão hidráulico que as comprime contra o disco de freio, que pode ser sólido ou ventilado. Freio de Serviço a Tambor: É composto por sapatas (lonas) que são comprimidas contra o tambor. Freio Hidráulico Servo-Assistido: Sistema de freio auxiliado por um dispositivo denominado “hydro-booster” (servo) que minimiza o esforço no pedal de freio. Freio-Motor: É uma restrição à saída dos gases de escapamento que provocam uma desaceleração do veículo. Auxilia o freio de serviço quando em condições de utilização muito severa (principalmente declives), poupando as lonas de freio.

9

2 - Termos Técnicos
10

Força de Tração: O torque do motor de um caminhão passa pela embreagem, pela caixa de transmissão e pelo cardã, chega ao eixo traseiro até chegar às rodas. Esse esforço de torção na roda provoca uma força de atrito entre o pneu e o solo. A força que move o caminhão, recebe o nome de Força de Tração, e é contrária ao movimento do caminhão. Lei da Balança: Conjunto de artigos extraídos do Código de Trânsito Brasileiro e de Resoluções do CONTRAN que influem diretamente nos limites de peso e dimensões para os veículos de carga, objetivando segurança no tráfego de veículos e preservação de estradas e vias públicas. Lotação: É a carga útil máxima, incluindo o condutor e os passageiros, que o veículo pode transportar. Portanto, é o Peso Bruto Total menos a tara do caminhão. É uma exigência legal que deve aparecer escrita na lateral do caminhão, no lado do motorista. Mancal de Apoio: Cada conjunto de árvore de transmissão exige mancais de apoio em cada um dos tubos, exceto o último, que é fixado no pinhão do eixo traseiro. Portanto, o número de mancais de apoio será sempre n-1 (número de árvores menos 1). É constituído de um rolamento preso ao tubo da árvore com a pista externa engastada em borracha, e está presa a um suporte fixado numa travessa do chassi. Manga de Eixo: As extremidades móveis do eixo dianteiro que recebem os rolamentos das rodas dianteiras. Nos veículos sem tração no eixo dianteiro, é fixada a viga do eixo dianteiro, através dos pinos mestres. Módulo de Controle Eletrônico (ECM): O processo de injeção é gerenciado pelo ECM do motor, que recebe sinais eletrônicos de vários sensores do motor, como sensor de temperatura, rotação, posição do acelerador e, após processar essas informações recebidas, envia sinais às unidades injetoras. Motor Eletrônico: É um motor a diesel que tem como principais características o gerenciamento eletrônico de injeção de combustível e o monitoramento da interação entre o motor e o veículo. Nos motores eletrônicos, o volume de combustível injetado nos cilindros é determinado por um módulo eletrônico, que leva em conta fatores como o curso de pedal do acelerador (eletrônico), a pressão atmosférica e a temperatura do líquido de arrefecimento, entre outros. A injeção de combustível ocorre através do Common Rail. Overdrive: É o engrenamento que possui a relação de transmissão menor que 1,0:1. Overdrive é a marcha de maior velocidade. Peso Bruto Total (PBT): É o peso máximo que o veículo pode transmitir ao pavimento, constituído da soma da tara mais a lotação. Peso Bruto Total com 3º Eixo: É o peso bruto total com 3º eixo instalado de fábrica ou por Beneficiador. Peso Bruto Total Combinado (PBTC): É o peso máximo que pode ser transmitido ao pavimento pela combinação de um caminhão-trator, mais seu semirreboque, ou do caminhão mais seu reboque. Peso Bruto Total Homologado (PBT Homologado): Capacidade máxima homologada pelo fabricante. É a soma das capacidades de carga total dos eixos dianteiro e traseiro(s). Peso do Veículo em Ordem de Marcha (PVOM): É o peso próprio do veículo, acrescido dos pesos do combustível, das ferramentas e dos acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio e do líquido de arrefecimento. Pino-Rei: Pino de aço, localizado na dianteira inferior do semirreboque para ser acoplado na quinta-roda, suportando todo esforço de tração. Pneu Diagonal (Convencional): Possui lonas dispostas no sentido diagonal que resultam em alta resistência à flexão da lateral do pneu.

2 - Termos Técnicos

Pneu Radial: Possui lonas dispostas no sentido radial, resultando em menor resistência à flexão da lateral do pneu, gerando mais conforto e estabilidade, devido a maior área de contato entre a banda de rodagem e o solo. Pós-Arrefecido: Conhecido também como pós-esfriado. Motor provido de radiador a ar, localizado entre a grade frontal e o radiador d’água, destinado a baixar a temperatura do ar de admissão entre a turbina e o coletor de admissão do motor. Também chamado de Intercooler e Cooler. Potência: É o resultado da multiplicação do torque pela rotação do motor, ou seja, quantas vezes o torque é aplicado numa unidade de tempo. O seu valor é comumente expresso por CV (cavalo vapor) ou KW (quilowatt). Os seus valores são continuamente crescentes até a rotação de potência máxima do motor. Quinta-Roda: Plataforma circular ou elíptica, normalmente de ferro fundido, instalada sobre o chassi do caminhão trator, sobre a qual é apoiada e acoplada a parte dianteira do semirreboque. Reboque: Conhecido também como Julieta. Chassi-carroceria totalmente individual quanto ao peso próprio e o da carga transportada, apenas tracionada por outro veículo com o auxílio de uma lança em “V” móvel na vertical, instalada na sua parte frontal. Reforço na Longarina: O mais comum é em formato “L” invertido. Reforço da aba superior da longarina, zona de compressão no entre-eixos, para evitar flambagem da aba. Refrigeração: Resfriamento, ou seja, redução de temperatura da temperatura ambiente para outra mais baixa. Relação de Transmissão Total: É obtida da multiplicação entre as relações da caixa de transmissão e a (s) relação (ões) do eixo traseiro, e representa o número de rotações resultantes no semieixo para 1 volta no motor. Quanto maior for a relação de redução final, maior será o torque, e menor será a velocidade. Rodas Estampadas: Rodas cuja parte central, estampada em chapa de aço, é soldada ao aro. São fixadas por parafusos ao cubo da roda por sistema Budd ou DIN. Rodas Raiadas: Rodas integradas ao cubo central normalmente fundido, possuindo raios onde se fixam os aros. Rodotrem: É um cavalo mecânico traçado (6x4) que atrela um semirreboque de 2 eixos, que por sua vez atrela uma mesa com quinta-roda também com 2 eixos (Dolly), que também recebe outro semirreboque com 2 eixos. Romeu e Julieta: É o conjunto de um caminhão toco, trucado ou traçado e um reboque. Semiespaçamento de Rodas: Também chamado de off-set. É a distância do centro do perfil do aro até a face da parte central da roda que fica em contato com a outra roda dupla. No caso de rodas duplas raiadas é mais fácil compreendê-lo como metade da distância entre os centros dos perfis dos aros com as rodas montadas no eixo. Semirreboque: Conhecido também como carreta. É um chassi-carroceria que só se locomove apoiado e acoplado a um caminhão trator. Suspensão tipo Balancim: Oferece maior conforto ao rodar. Possui 3 pontos de apoio, 2 feixes de molas semielípticas convencionais em cada lado do chassi, intercalados por uma balança. As extremidades dos referidos feixes são articuladas em suportes dianteiro e traseiro. Suspensão tipo Tandem: Articulação central fixada no chassi com as extremidades das molas apoiadas nos eixos anterior e posterior. Flexionado por meio de 2 feixes de molas semielípticas (um em cada lado do chassi).

11

2 - Termos Técnicos
12

Tara: É o peso próprio do veículo, acrescido dos pesos da carroçaria e equipamento, do combustível, das ferramentas e dos acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio e do líquido de arrefecimento. Taxa de Compressão: É a relação entre o volume do cilindro e o volume da câmara de combustão. O volume do cilindro é gerado pela área da cabeça do pistão vezes o curso do pistão. Tomada de Força: Conhecida como PTO (do inglês Power Take Off), complemento com engrenagens instalado em aberturas das caixas de transmissão (estas aberturas são fechadas com tampas de chapa quando sem tomada de força). As tomadas de força são destinadas ao fornecimento de potência, limitada a valores relativamente baixos para funcionamento de equipamentos, principalmente bombas hidráulicas. Tomada de Força Dianteira: Conhecida como FPTO (do inglês Front Power Take Off), acoplamento de árvore de transmissão na extremidade dianteira da árvore de manivelas do motor e redutor de engrenagens entre longarinas, atrás do parachoque. Tomada de Força Traseira do Motor: Conhecida como RPTO (do inglês Rear Power Take Off), acoplada ao centro da embreagem ou diretamente ao volante do motor, através de uma “cremalheira” especial. Torque: Ação de uma força através de um braço, agindo num ponto, podendo promover rotação ao redor deste ponto ou não. Num motor, o seu valor varia conforme a rotação considerada devido às variações da eficiência de combustão, aspiração, exaustão e atritos internos do motor com a rotação. Transmissão Angular: Conjunto coroa e pinhão cuja relação do número de dentes caracteriza a relação de redução do eixo traseiro. Também altera em 90º a direção da transmissão de tração pela árvore de transmissão longitudinal no caminhão, transformando-a em transversal pelas semiárvores. Trem de Força: Os principais componentes do trem de força são motor, transmissão e eixo-motriz. Treminhão: É o conjunto de caminhão traçado (6x4) e dois ou mais reboques. Turbinado: Motor provido de turbina ou turbocompressor, ou seja, bomba inercial centrífuga que preenche os cilindros com ar pressurizado acima da pressão atmosférica. Se a pressão foi baixa, pode também ser chamado de turbocompensado, e destina-se a compensar a perda de potência do motor, quando funcionando em locais de grande altitude. Unidades Injetoras: O motor possui uma unidade injetora para cada cilindro, e estas unidades, com posição centralizada e vertical, possuem oito orifícios de 140 mícron (0,140 mm) de diâmetro, por onde o combustível é pulverizado à câmara de combustão. Válvula Sensível à Carga (LSV): Localiza-se entre a longarina e o eixo traseiro, e atua variando a pressão do sistema de freio sobre as rodas traseiras, conforme a carga no caminhão durante as frenagens, evitando os travamentos das rodas traseiras. Veículo Articulado: Conjunto de caminhão-trator e semirreboque. Conhecido como cavalo mecânico e carreta. Veículo Conjugado: Conjunto de caminhão com carroceria tracionando reboque.

3 - Especificações Técnicas

816

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB4.5 160 P7-0 Diesel - 04 cilindros em linha 162 cv (119 kW) a 2300 rpm 56,1 kgfm (550 Nm) / 1500 rpm 4.462 107 124 17,3 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FSO-4505 C Manual Mecânica 05 (cinco) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 5,78 : 1 2ª marcha 2,73 : 1 3ª marcha 1,63 : 1 4ª marcha 1 : 1 5ª marcha 0,77 : 1 ré 5,26 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

13

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Sachs Hidráulico Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 330

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução (simples velocidade) Dana 480 3,90:1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Amortecedores Eixo rígido em aço estampado, com barra estabilizadora Feixe de molas semi-elípticas (principal) e parabólicas (auxiliar) Telescópicos, hidráulicos de dupla ação Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas parabólicas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 14 / 90 1 / 12 / 750 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (em polegadas) Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 17,5 x 6 215 / 75R17,5 12PR

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e válvula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 2242,4

14

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8090 Hidráulica, com esferas recirculantes 16,6 - 19,6:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 29 21 38 27 3,90:1 108

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Capacidade Máxima de Tração (CMT) 3.000 5.250 8.250 5110 / 5080 / 5060 11.000 2140 / 2165 / 2180 1000 / 1005 / 1010 3140 / 3170 / 3190

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Simples Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 3,8 4,5 21 2,5 13 11 150 25

15

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Largura externa do chassi K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) 1.270 1.570 / 1.840 / 1.840 6.140 / 7.010 / 7.410 650 3.300 / 3.900 / 4.300 4.220 / 5.090 / 5.490 750 1.780 2.190 865 2.155 1.880 1.670 13,39 / 15,58 / 17,82

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material
N

186 70,9 6,4 LNE 60

L

J

M

K

D

F

I

H

G

A

E C

B

16

3 - Especificações Técnicas

1319

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB4.5 186 P7-0 Diesel - 04 cilindros em linha 189 cv (139 kW) a 2300 rpm 61,2 kgfm (600 Nm) / 1500 rpm 4462 107 124 17,3 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FS-5406 A Manual Mecânica 06 (seis) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 9,01 : 1 2ª marcha 5,27 : 1 3ª marcha 3,22 : 1 4ª marcha 2,04 : 1 5ª marcha 1,36 : 1 6ª marcha 1,00 : 1 ré 8,63 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

17

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 365

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MS 19-235 4,10/5,72 : 1 / 4,88/6,80 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Amortecedores Eixo rígido em aço estampado, com barra estabilizadora (opcional) Feixe de molas semi-elípticas (principal) e parabólicas (auxiliar) Telescópicos, hidráulicos de dupla ação (opcional) Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas semi-elípticas progressivas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus Aço estampado 20 x 7,0 9,00 R20 14PR

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e válvula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 4.144

18

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20.1-23.8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT / PBTC Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 34 / 41 19 / 23 46 / 58 24 / 29 4,10/5,72 : 1 / 4,88/6,80 : 1 107 / 90

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Peso Bruto Total (PBT) com 3º eixo instalado por terceiros Capacidade Máxima de Tração (CMT) 4.300 8.700 13.000 7.925 21.000 23.000 3.349 1.726 5.075

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Dupla Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 20 9 24 3,5 13 11 275 50

19

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Largura externa do chassi K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) 1.508 2.323 8.631 600 4.800 6.523 950 1.900 2.400 864 2.590 2.090 1.830 18,5

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material 230,1 77,1 7,1 LNE 60

N

L

J M K

D

F

I H

G

A

E C

B

20

3 - Especificações Técnicas

1519

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB4.5 186 P7-0 Diesel - 04 cilindros em linha 189 cv (139 kW) a 2300 rpm 61,2 kgfm (600 Nm) / 1500 rpm 4.462 107 124 17,3 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FS-5406 A Manual Mecânica 06 (seis) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 9,01 : 1 2ª marcha 5,27 : 1 3ª marcha 3,22 : 1 4ª marcha 2,04 : 1 5ª marcha 1,36 : 1 6ª marcha 1,00 : 1 ré 8,63 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

21

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 365

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MD 23-235 4,56/6,36 : 1 / 5,38/7,50 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Amortecedores Eixo rígido em aço estampado, com barra estabilizadora (opcional) Feixe de molas semi-elípticas (principal) e parabólicas (auxiliar) Telescópicos, hidráulicos de dupla ação (opcional) Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas semi-elípticas progressivas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus Pneus - Radiais com câmara Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 20 x 7,5 / 22,5 x 7,5 10,00 R20 16PR 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e válvula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 4.843

22

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20.1-23.8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT / PBTC Com CMT 34 / 40 18 / 21 45 / 56 22 / 27 4,56/6,36 : 1 / 5,38/7,50 : 1 98 / 83

* Dados projetados por simulação de performance.

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Peso Bruto Total (PBT) com 3º eixo instalado por terceiros Capacidade Máxima de Tração (CMT) 5.000 9.500 14.500 9.500 / 9.335 22.000 27.000 3.275 / 3.350 1.725 / 1.815 5.000 / 5.165

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Dupla Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 20 9 24 3,5 13 11 275 50

23

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Largura externa do chassi K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) 1.508 1.177 / 2.323 6.245 / 8.631 600 3.560 / 4.800 4.137 / 6.523 950 1.900 2.400 864 2.590 2.090 1.830 14,9 / 18,5

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material 230,1 77,1 7,1 LNE 60

N

L

J MK

D

F

I H

G

A

E C

B

24

3 - Especificações Técnicas

1719

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB4.5 186 P7-0 Diesel - 04 cilindros em linha 189 cv (139 kW) a 2300 rpm 61,2 kgfm (600 Nm) / 1500 rpm 4462 107 124 17,3 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FS-5406 A Manual Mecânica 06 (seis) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 9,01 : 1 2ª marcha 5,27 : 1 3ª marcha 3,22 : 1 4ª marcha 2,04 : 1 5ª marcha 1,36 : 1 6ª marcha 1,00 : 1 ré 8,63 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

25

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 365

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MD 23-245 4,10/5,59 : 1 / 4,88/6,65 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedoes Traseira Tipo Molas Amortecedores Eixo rígido em aço estampado, com barra estabilizadora (opcional) Feixe de molas semi-elípticas (principal) e parabólicas (auxiliar) Telescópicos, hidráulicos de dupla ação (opcional) Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas semielípticas progressivas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus - Radiais com câmara Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 20 x 7,5 / 22,5 x 7,5 10,00 R20 16PR 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo "S" Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e válvula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 4.843

26

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 27 / 32 16 / 19 35 / 43 19 / 24 4,10/5,59 : 1 / 4,88/6,65 : 1 109 / 91

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Peso Bruto Total (PBT) com 3º eixo instalado por terceiros Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 10.000 (legal) / 10.800 (técnico) 16.800 16.000 10.685 / 10.645 / 10.585 23.000 27.000 3.402 / 3.427 / 3.411 1.913 / 1.928 / 2.004 5.315 / 5.355 / 5.415

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Dupla Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 18 9 24 3,5 13 11 275 50

27

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculadane J - Largura externa do chassi K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) 1.508 994 / 2.171 / 2.323 6.062 / 8.019 / 8.631 600 3.560 / 4.340 / 4.800 3.954 / 5.911 / 6.523 1.000 1.900 2.400 870 2.590 2.090 1.830 14,7 / 17,1 / 18,9

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material 260,3 79,5 9,5 LNE 50

N

L

J M K

D

F

I

H

A

E C

B

28

3 - Especificações Técnicas

1723

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB6.7 226 P7 Diesel - 06 cilindros em linha 230 cv (169 kW) a 2300 rpm 83,7 kgfm (821 Nm) / 1500 rpm 6.693 107 124 17,3 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FS-6306 A Manual Mecânica 06 (seis) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 9,01 : 1 2ª marcha 5,27 : 1 3ª marcha 3,22 : 1 4ª marcha 2,04 : 1 5ª marcha 1,36 : 1 6ª marcha 1,00 : 1 ré 8,63 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

29

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 365

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MD 23-245 4,10/5,59 : 1 / 4,56/6,21 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Amortecedores Eixo rígido em aço estampado, com barra estabilizadora (opcional) Feixe de molas parabólicas (auxiliar e principal) Telescópicos, hidráulicos de dupla ação (opcional) Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas parabólicas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus - Radiais com câmara Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 20 x 7,5 / 22,5 x 7,5 10,00 R20 16PR 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo "S" Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 4.843

30

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 37 / 42 19 / 21 50 / 58 23 / 25 4,10/5,59 : 1 / 4,56/6,21 : 1 109 / 98

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Peso Bruto Total (PBT) com 3º eixo instalado por terceiros Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 10.000 (legal) / 10.800 (técnico) 16.800 16.000 10.610 / 10.380 / 10.360 10.490 / 10.260 / 10.250 23.000 32.000 Cabine Simples 3459 / 3604 / 3617 1931 / 2016 / 2023 5390 / 5620 / 5640 Cabine Leito 3533 / 3.677 / 3.684 1.977 / 2.063 / 2.066 5.510 / 5.740 / 5.750

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Dupla Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 18 9 28 3,6 19,5 17,5 275 50

31

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculadane J - Largura externa do chassi K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m)

Cabine Simples 1.508 994 / 2.171 / 2.323

Cabine Leito

6.062 / 8.019 / 8.631 880 3.560 / 4.340 / 4.800 3.674 / 5.631 / 6.243 1.000 1.882 2.400 870 2.590 2.090 1.830 14,75 / 17,10 / 18,96 2.099 2.900

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material 260,3 79,5 9,5 LN50

N

L

J M K

D

F

I H

A

E C

B

32

3 - Especificações Técnicas

2423

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB6.7 226 P7 Diesel - 06 cilindros em linha 230 cv (169 kW) a 2300 rpm 83,7 kgfm (821 Nm) / 1500 rpm 6.693 107 124 17,3 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FS-6306 A Manual Mecânica 06 (seis) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 9,01 : 1 2ª marcha 5,27 : 1 3ª marcha 3,22 : 1 4ª marcha 2,04 : 1 5ª marcha 1,36 : 1 6ª marcha 1,00 : 1 ré 8,63 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

33

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 365

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MD 23-245 4,10/5,59 : 1 / 4,56/6,21 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Feixe de molas semi-elípticas (principal) no eixo trativo e no terceiro eixo Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas parabólicas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus Aço estampado 22,5 x 7,5 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 7.264

34

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 17,4-20,6:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT(km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 26 / 29 19 / 21 33 / 37 23 / 26 4,10/5,59 : 1 / 4,56/6,21 : 1 107 / 89

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6000 17000 (legal) / 18150 (técnico) 24150 23000 15935 / 15855 15755 / 15730 32000 Cabine Simples 3139 / 3174 3926 / 3971 7065 / 7145 Cabine Leito 3732 / 3745 3513 / 3525 7245 / 7270

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Dupla Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 18 9 28 3,6 19,5 17,5 275 / 550 50 / 90

35

3 - Especificações Técnicas

Chassi / Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Distância entre os eixos traseiros K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) O - Largura externa do chassi

Cabine Simples 1.508 2.164 9.696 / 10.203 880 4.800 / 5.307 7.308 / 7.815 1.050 1.788 2.392 1.224 2.590 2.090 1.830 21,06 / 22,46 882

Cabine Leito

1.998 2.846

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material

Longarina
260,3 79,5 9,5 LN38

Reforço
276,7 76,35 6,35

D

F

I H

G A E C J B

N

L

O M K

36

3 - Especificações Técnicas

2429

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB6.7 286 P7 Diesel - 06 cilindros em linha 290 cv (213 kW) a 2300 rpm 96,9 kgfm (951 Nm) / 1500 rpm 6693 107 124 17,3:1 Injeção Eletrônica - Common Rail

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas Eaton FS-6306 B Manual Mecânica 06 (seis) marchas à frente e 01 (uma) à ré 1ª marcha 8,03 : 1 2ª marcha 5,06 : 1 3ª marcha 3,09 : 1 4ª marcha 1,96 : 1 5ª marcha 1,31 : 1 6ª marcha 1,00 : 1 ré 7,70 : 1 (não sinc.)

Relação de transmissão

37

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 395

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MD 23-245 4,10/5,59 : 1 / 4,56/6,21 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Feixe de molas semi-elípticas (principal) no eixo trativo e no terceiro eixo Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas parabólicas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 22,5 x 7,5 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 7.264

38

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 17,4-20,6:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 23 / 25 15 / 17 34 / 39 21 / 24 4,10/5,59 : 1 / 4,56/6,21 : 1 107 / 97

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 17.000 (legal) / 18.150 (técnico) 24.150 23.000 15.935 / 15.855 15.755 / 15.730 35.000 Cabine Simples 3.139 / 3.174 3.926 / 3.971 7.065 / 7.145 Cabine Leito 3.732 / 3.745 3.513 / 3.525 7.245 / 7.270

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Dupla Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 18 9 28 3,6 19,5 17,5 275 / 550 50 / 90

39

3 - Especificações Técnicas

Chassi / Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Distância entre os eixos traseiros K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) O - Largura externa do chassi

Cabine Simples 1.508 2.164 9.696 / 10.203 880 4.800 / 5.307 7.308 / 7.815 1.050 1.788 2.392 1.224 2.590 2.090 1.830 21,06 / 22,46 882

Cabine Leito

1.998 2.846

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material

Longarina
260,3 79,5 9,5 LN38

Reforço
276,7 76,35 6,35

D

F

I H

G A E C N J B

L

O M K

40

3 - Especificações Técnicas

2623

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB6.7 226 P7 Diesel - 06 cilindros em linha 230 cv (169 kW) a 2.300 rpm 83,7 kgfm (821 Nm) / 1.500 rpm 6.693 107 124 17,3:1 Injeção Eletrônica - Common Rail Eaton FTS-16108 LL Manual Mecânica 10 (dez) marchas à frente e 03 (três) à ré Low-Low 20,47 : 1 (--) Low 13,24 : 1 (--) 1ª marcha 8,67 : 1 2ª marcha 6,23 : 1 3ª marcha 4,56 : 1 4ª marcha 3,41 : 1 5ª marcha 2,55 : 1 6ª marcha 1,83 : 1 7ª marcha 1,34 : 1 8ª marcha 1,00 : 1 ré 20,47 / 13,24 / 3,89 : 1 (não sinc.)

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas

Relação de transmissão

41

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 395

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MT 46-145 4,33 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Feixe de molas semi-elípticas de duplo estágio progressivo Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas semi-elípticas progressivas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus Aço estampado 20 x 7,5 10,00 R20 16PR

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo "S" Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 7.264

42

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 45 28 65 36 4,33 : 1 104

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 17.000 (legal) / 20.200 (técnico) 26.200 23.000 14.960 / 14.615 37.000 3.927 / 4.095 4.113 / 4.290 8.040 / 8.385

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Eixo anterior (2º) Eixo posterior (3º) Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 11 11 15 28 3,6 19,5 17,5 275 50

43

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Distância entre os eixos traseiros K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) O - Largura externa do chassi 1.503 1.187 / 2.405 7.490 / 9.848 1.000 3.440 / 4.580 4.987 / 7.345 1.110 1.833 2.550 1.360 2.590 2.090 1.830 18,42 / 20,33 880

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material

Longarina
260,3 79,5 9,5 LN38

Reforço
276,7 76,35 6,35

N

L

O

M K

D

F

I

H

G

A

E C

J

B

44

3 - Especificações Técnicas

2629

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de injeção

Eletrônico
Cummins ISB6.7 286 P7 Diesel - 06 cilindros em linha 290 cv (213 kW) a 2300 rpm 96,9 kgfm (951 Nm) / 1500 rpm 6693 107 124 17,3:1 Injeção Eletrônica - Common Rail Eaton FTS-16108 LL Manual Mecânica 10 (dez) marchas à frente e 03 (três) à ré Low-Low 20,47 : 1 (--) Low 13,24 : 1 (--) 1ª marcha 8,67 : 1 2ª marcha 6,23 : 1 3ª marcha 4,56 : 1 4ª marcha 3,41 : 1 5ª marcha 2,55 : 1 6ª marcha 1,83 : 1 7ª marcha 1,34 : 1 8ª marcha 1,00 : 1 ré 20,47 / 13,24 / 3,89 : 1 (não sinc.)

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas

Relação de transmissão

45

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Eaton Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 395

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MT 46-145 4,33 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Feixe de molas semi-elípticas de duplo estágio progressivo Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas semi-elípticas progressivas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 550 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus Aço estampado 20 x 7,5 10,00 R20 16PR

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 7.264

46

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 47 24 82 37 4,33 : 1 104

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 17.000 (legal) / 20.200 (técnico) 26.200 23.000 14.960 / 14.615 42.000 3.927 / 4.095 4.113 / 4.290 8.040 / 8.385

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Eixo anterior (2º) Eixo posterior (3º) Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 11 11 15 28 3,6 19,5 17,5 275 50

47

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Distância entre os eixos traseiros K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) O - Largura externa do chassi 1.503 1.187 / 2.405 7.490 / 9.848 1.000 3.440 / 4.580 4.987 / 73.45 1.110 1.833 2.550 1.360 2.590 2.090 1.830 18,42 / 20,33 880

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material

Longarina
260,3 79,5 9,5 LN38

Reforço
276,7 76,35 6,35

N

L

O M K

D

F

I

H

G

A

E C

J

B

48

3 - Especificações Técnicas

3133

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de Injeção

Eletrônico
Cummins ISL8.9 330 P7-0 Diesel - 06 cilindros em linha 334 cv (246 kW) a 2100 rpm 132,6 kgfm (1300 Nm) / 1300 rpm 8849 114 145 16,6 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail Eaton FTS-16108 LL Manual Mecânica 10 (dez) marchas à frente e 03 (três) à ré Low-Low 20,47 : 1 (--) Low 13,24 : 1 (--) 1ª marcha 8,67 : 1 2ª marcha 6,23 : 1 3ª marcha 4,56 : 1 4ª marcha 3,41 : 1 5ª marcha 2,55 : 1 6ª marcha 1,83 : 1 7ª marcha 1,34 : 1 8ª marcha 1,00 : 1 ré 20,47 / 13,24 / 3,89 : 1 (não sinc.) Sachs Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 430

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas

Relação de transmissão

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm)

49

3 - Especificações Técnicas

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MT 50-168 3,58 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Molas principais semielípticas com amortecedores de dupla ação Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas semi-elípticas progressivas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 750 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus Aço estampado 22,5 x 8,25 295 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 7.264

50

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBT (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBT Com CMT Partida em rampa (%)* Com PBT Com CMT * Dados projetados por simulação de performance. 77 28 Maior que 70 33 3,58 : 1 95

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Total admissível Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Peso Bruto Total Combinado (PBTC) Capacidade Máxima de Tração (CMT) 65.00 17.000 (legal) / 24.000 (técnico) 30.500 23.000 14.480 / 14.080 57.000 63.000 4.153 / 4192 4.367 / 4.728 8.520 / 8.920

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Eixo anterior (2º) Eixo posterior (3º) Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 20 20 15 29 3,6 25,6 21,6 275 50

51

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Distância entre os eixos traseiros K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) O - Largura externa do chassi 1.503 1.187 / 2.405 7.490 / 9.848 1.000 3.440 / 4.580 4.987 / 7.345 1.110 1.833 2.550 1.360 2.590 2.090 1.830 18,42 / 20,33 880

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material

Longarina
260,3 79,5 9,5 LN38

Reforço
276,7 76,35 6,35

N

L

O

M K

D

F

I

H

G

A

E C

J

B

52

3 - Especificações Técnicas

1933 Trator

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de Injeção

Eletrônico
Cummins ISL8.9 330 P7-0 Diesel - 06 cilindros em linha 334 cv (246 kW) a 2100 rpm 132,6 kgfm (1300 Nm) / 1300 rpm 8.849 114 145 16,6 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail Eaton FTS-16112 L Manual Mecânica 13 (treze) marchas à frente e 02 (duas) à ré Low 17,45 : 1 (--) 1ª marcha 12,05 : 1 2ª marcha 9,52 : 1 3ª marcha 7,60 : 1 4ª marcha 6,07 : 1 5ª marcha 4,84 : 1 6ª marcha 3,83 : 1 7ª marcha 3,05 : 1 8ª marcha 2,44 : 1 9ª marcha 1,99 : 1 10ª marcha 1,57 : 1 11ª marcha 1,25 : 1 12ª marcha 1,00 : 1 ré 23,61 / 9,49 (não sinc.)

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas

Relação de transmissão

53

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Sachs Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 430 mm

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MS 23-165 3,58:1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Feixe de molas parabólicas (principal e auxiliar), com amortecedores de dupla ação Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas parabólicas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 750 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus - Radiais sem câmara Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 22,5 x 7,5 / 22,5 x 8,25 295 / 80R22,5 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo "S" Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 4.843

54

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBTC (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBTC Partida em rampa (%)* Com PBTC * Dados projetados por simulação de performance. 34 41 3,58 : 1 93

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 10.000 (legal) / 10.800 (técnico) 16.800 9.450 9.285 45.150 Cabine Simples 4.137 2.413 6.550 Cabine Leito 4.269 2.446 6.715

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Simples Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 21 17 29 3,6 25,6 21,6 275+275 90

55

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Distância Eixo traseiro à 5ª roda G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Altura do solo à 5ª roda K - Largura externa do chassi L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m) O - Largura externa do chassi

Cabine Simples 1.508 1.029 6.297 1.100 3.760 700 1.100 1.869 2.400 1.250 2.590 2.090 1.830 16,1 870

Cabine Leito

2.079 2.900

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material 260,3 79,5 9,5 LN50

N

L

O M K

D

I H

G A C E F B

J

56

3 - Especificações Técnicas

1933 Rígido

Motor
Marca / Modelo Tipo Potência máxima (cv @ rpm)* Torque máximo (Nm @ rpm)* Cilindrada total (cm3) Diâmetro do pistão (mm) Curso do pistão (mm) Relação de compressão Sistema de Injeção

Eletrônico
Cummins ISL8.9 330 P7-0 Diesel - 06 cilindros em linha 334 cv (246 kW) a 2100 rpm 132,6 kgfm (1300 Nm) / 1300 rpm 8849 114 145 16,6 : 1 Injeção Eletrônica - Common Rail Eaton FTS-16112 L Manual Mecânica 13 (treze) marchas à frente e 02 (duas) à ré Low 17,45 : 1 (--) 1ª marcha 12,05 : 1 2ª marcha 9,52 : 1 3ª marcha 7,60 : 1 4ª marcha 6,07 : 1 5ª marcha 4,84 : 1 6ª marcha 3,83 : 1 7ª marcha 3,05 : 1 8ª marcha 2,44 : 1 9ª marcha 1,99 : 1 10ª marcha 1,57 : 1 11ª marcha 1,25 : 1 12ª marcha 1,00 : 1 ré 23,61 / 9,49 (não sinc.)

Transmissão (Caixa de mudanças)
Marca Modelo Acionamento Marchas

Relação de transmissão

57

3 - Especificações Técnicas

Embreagem
Marca Acionamento Tipo Diâmetro (mm) Sachs Hidráulico servo assistido Disco simples orgânico à seco, com platô acionado por mola diafragma 430 mm

Eixo traseiro Motriz
Marca Modelo Redução Arvin Meritor MS 23-165 3,58 : 1

Suspensão
Dianteira Tipo Molas Amortecedores Traseira Tipo Molas Eixo rígido em aço estampado Feixe de molas parabólicas (principal e auxiliar), com amortecedores de dupla ação Eixo rígido em aço forjado, com barra estabilizadora Feixe de molas parabólicas Telescópicos, hidráulicos de dupla ação

Sistema Elétrico
Alternador (V / A) Bateria (quantidade / V / CCA / Ah) 28 / 80 2 / 12 / 750 / 100

Rodas e Pneus
Rodas Medidas (pol) Pneus - Radiais sem câmara Pneus - Radiais sem câmara Aço estampado 22,5 x 7,5 / 22,5 x 8,25 295 / 80R22,5 275 / 80R22,5

Freios
De serviço De estacionamento Freio-Motor Área efetiva de frenagem (cm2) A ar, tipo “S” Cam com circuito duplo, dianteiros e traseiros a tambor e vávula sensível a carga. A ar com molas acumuladoras e atuação nas rodas traseiras Válvula tipo borboleta no tubo do escapamento, com acionamento eletropneumático 4.843

58

3 - Especificações Técnicas

Direção
Marca/modelo Tipo Redução ZF 8097 Hidráulica, com esferas recirculantes 20,1-23,8:1

Desempenho do Veículo
Relação de redução do Eixo traseiro Velocidade máxima em PBTC (km/h)* Capacidade máxima de subida (%)* Com PBTC Partida em rampa (%)* Com PBT / PBTC * Dados projetados por simulação de performance. 34 41 3,58 : 1 93

Pesos (kgf)
Pesos em ordem de marcha Eixo dianteiro Eixo traseiro Total Pesos - limite máximo especificado Eixo dianteiro Eixo traseiro Peso Bruto Total (PBT) Homologado Carga útil + carroceria Peso Bruto Total (PBT) com 3º eixo instalado por terceiros Capacidade Máxima de Tração (CMT) 6.000 10.000 (legal) / 10.800 (técnico) 16.800 9.530 9.425 23.000 45.150 Cabine Simples 4.084 2.386 6.470 Cabine Leito 4.180 2.395 6.575

Volumes de Abastecimento (l)
Tanque de combustível Reservatório de Arla 32 Óleo do motor Com filtro Sem filtro Eixo traseiro Simples Velocidade Transmissão Sistema de arrefecimento Direção hidráulica 21 17 29 3,6 25,6 21,6 275+275 90

59

3 - Especificações Técnicas

Dimensões (mm)
A - Balanço dianteiro B - Balanço traseiro C - Comprimento total D - Distância da carroceria ao eixo dianteiro E - Distância entre eixos F - Plataforma de carga G - Altura da aba superior da longarina ao solo H - Altura da aba superior da longarina à cabine I - Altura da aba superior longarina à cabine basculada J - Largura externa do chassi K - Largura máxima L - Bitola dianteira M - Bitola traseira N - Raio de giro (m)

Cabine Simples 1.508 2.323 8.631 880 4.800 6.243 990 1.869 2.400 870 2.590 2.090 1.830 18,9

Cabine Leito

2.079 2.900

Chassi (mm)
Altura externa do perfil Largura externa da aba Espessura da chapa Material 260,3 79,5 9,5 LN50

N

L

J M K

D

F

I

H

G

A

E C

B

60

3 - Especificações Técnicas

CURVAS DE TORQUE E POTÊNCIA DOS MOTORES
Motor Cummins Diesel ISB 4,5l 160 P7 - Modelo 816
RPM
800 1000 1100 1200 1300 1400 1500 1600 1700 1800 1900 2000 2100 2200 2300

Torque (kgfm)
40 50 55 55,1 55,1 55 55 55 55 55,1 55,1 55,1 53,1 51,1 49,5

Potência (cv)
46,7 71 85,2 94,3 102,4 110,6 118,7 124,4 132,9 141 150,1 158,2 159,2 160,3 162,3

61

3 - Especificações Técnicas

Motor Cummins Diesel ISB 4,5l 190 P7 - Modelos 1319 / 1519 / 1719
RPM
800 1000 1100 1200 1300 1400 1500 1600 1700 1800 1900 2000 2100 2200 2300

Torque (kgfm)
40 55 60 60 60 60 60 60 60 59,8 59,1 59,2 58,2 58 57,5

Potência (cv)
46,7 79,1 94,3 102,4 111,6 119,7 127,8 136,9 145,0 154,2 160,3 168,4 174,5 182,6 188,7

62

3 - Especificações Técnicas

Motor Cummins Diesel ISB 6,7l 230 P7 - Modelos 1723 / 2423 / 2623
RPM
800 1000 1100 1200 1500 1600 1700 1800 1900 2000 2100 2200 2300 2320

Torque (kgfm)
73,3 73,3 82,1 82,1 82,1 82,1 82,1 82,1 80,3 77,1 74,8 71,8 70,1 69

Potência (cv)
81,8 103,3 127,4 138,1 173,0 185,1 195,8 207,9 214,6 217,2 221,3 222,6 226,6 225,3

63

3 - Especificações Técnicas

Motor Cummins Diesel ISB 6,7l 290 P7 - Modelos 2429 / 2629
RPM
800 1000 1100 1200 1500 1600 1700 1800 1900 2000 2100 2200 2300

Torque (kgfm)
73,3 73,3 87,7 95,1 95,1 95,1 95,1 95,1 95,1 95,1 95,1 95,1 88,5

Potência (cv)
81,8 103,3 135,4 160,9 201,2 214,6 228,0 240,0 253,5 266,9 280,3 283,0 285,6

64

3 - Especificações Técnicas

Motor Cummins Diesel ISL 8,9l 334 P7-0 - Modelos 1933 / 3133
RPM
1000 1100 1300 1500 1600 1700 1900 2100

Torque (kgfm)
130 130 130 130 125,5 121 114 111,7

Potência (cv)
184,6 203,9 240,4 277,9 287,0 294,1 308,3 334,7

65

4 - Aplicações

Tabela de Aplicação 1933R Modelo 1933T 2629 Tipo de Implemento
Plataforma de Guincho

1519

1719

2423

1723

2623

• • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Baú Aluminio

Baú Frigorífico

Baú Isotérmico

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Baú Lonado

Bebidas

Brooks

1319

2429

3133

816

Carga Seca

• •

66

4 - Aplicações

1933R

Modelo

Tanque

• • • • •

• •

Coletor / Compactador

Gás

• • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • • •

Betoneira

Canavieiro / Madereiro

Basculante

Combio / Lubrificação e Abastecimento

Guindaste

1933T

2629

Tipo de Implemento

1519

1719

2423

1723

2623

1319

2429

3133

816

67

4 - Aplicações

1933R

Modelo

Madereiro

• • • • • • • • • • • •

Mineradora

Romeu e Julieta

Cegonheiro

Semi reboque 2 eixos Semi reboque 2 eixos espaçados Semi reboque 3 eixos Semi reboque 3 eixos espaçados

68

1933T

2629

Tipo de Implemento

1519

1719

2423

1723

2623

1319

2429

3133

816

5 - Legislação

Os caminhões Ford, como vendidos pelos Distribuidores, na configuração chassi-cabine, obedecem rigorosamente a todas as legislações, normas e regulamentações nacionais em vigência na data de sua fabricação. Cabe aos Implementadores, quando da complementação dos caminhões com a instalação de carrocerias, modificações estruturais ou adaptação de mecanismos operacionais, também obedecerem a todos os dispositivos normativos dos órgãos competentes. Em vista do grande volume de regulamentações e da impossibilidade de mantermos a atualização contínua quanto às suas modificações, cancelamentos, substituições e efetivações, apresentaremos a título de ilustração, o endereço eletrônico das entidades regulamentadoras, cujas regulamentações são aplicáveis aos caminhões Ford atualmente comercializados no Brasil.

Órgãos Regulamentadores
A regulamentação das características dos caminhões e seu uso no Brasil é realizada pelos seguintes órgãos: • ABNT Associação Brasileira de Normas Técnicas Órgão responsável pela normalização técnica no país, fornecendo a base necessária ao desenvolvimento tecnológico brasileiro. www.abnt.org.br Conselho Nacional do Meio Ambiente Cria legislações destinadas a setores específicos industriais quanto à normalização dos seus produtos, para reduzir danos ambientais. O PROCONVE (Programa de Controle da Poluição do Ar por Veículos Automotores) é um exemplo da sua atuação. www.mma.gov.br/conama/

• CONAMA

• CONMETRO Conselho Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Reúne-se com fins específicos de legislações e solicita ações operacionais pelo INMETRO. www.inmetro.gov.br/inmetro/conmetro.asp • CONTRAN Conselho Nacional de Trânsito. Estabelece as leis de trânsito, incluindo o Código Brasileiro de Trânsito. www.denatran.gov.br/resolucoes.htm

• DENATRAN Tem a função de processar as leis estabelecidas pelo CONTRAN e coordenar o cumprimento pelos DETRAN’s (estaduais) e CIRETRAN’s (municipais). www.denatran.gov.br • INMETRO Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial. Além das normas próprias, utiliza frequentemente as normas ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas. www.inmetro.gov.br

69

5 - Legislação
70

• MINISTÉRIO DOS TRANSPORTES Órgão responsável pelo assessoramento do Estado na execução e formulação da política de transporte do país. www.transportes.gov.br Lei da Balança Conjunto de artigos extraídos do Código de Trânsito Brasileiro e de Resoluções do CONTRAN que influem diretamente nos limites de peso e dimensões para os veículos de carga, objetivando segurança no tráfego de veículos e preservação de estradas e vias públicas. Obs.: o termo “Lei da Balança”, não existe na legislação.

6 - Identificação

Identificação do veículo
Cargo
1. Gravação principal: Face inferior externa da longarina direita do chassi, próximo ao suporte traseiro do feixe de molas dianteiro. 2. Placa de alumínio: Porta, lado esquerdo - identificação geral do veículo. 3. Etiqueta autodestrutível: Compartimento do motor, na parte inferior do assoalho, lado esquerdo (é necessário bascular a cabine). Coluna “A” lado direito. 4. Gravação por corrosão: Parabrisa e vidros das portas.

Importante: Durante a lavagem do compartimento do motor, não remova a etiqueta transparente que protege o código VIN.

Número sequencial do motor
Gravação do número sequencial no lado direito, parte traseira inferior do bloco do motor.

71

6 - Identificação
72

Plaquetas de Identificação
O número de série do veículo, o código do motor e outros dados importantes à sua identificação são encontrados em uma plaqueta de alumínio rebitada. As informações encontradas na plaqueta são:

Fig. 1 – Plaqueta de identificação (todos os modelos) – veículos produzidos a partir de 01.03.2011.

6 - Identificação

Campo A B1 B2 C1 C2 D1 D2 E1 E2 F1 F2 G1 G2 H L M N O P Legenda:

Descrição Número de Identificação - VIN Tara Legal Tara Técnica Lotação Legal Lotação Técnica PBT Legal PBT Técnico PBT com 3º Eixo Legal PBT com 3º Eixo Técnico PBT Combinado Legal PBT Combinado Técnico CMT Legal (Não aplicável) CMT Técnico Código da Cor da Pintura Externa Código da Relação do Eixo Traseiro Distância Entre-Eixos Modelo Carroceria Data de Produção (mês / ano)

PVOM: Peso veículo em ordem de marcha Tara = PVOM+Carroceria Lotação: Carga Líquida PBT: Peso Bruto Total CMT: Capacidade Máxima de Tração

73

6 - Identificação

Localização Para os veículos Cargo, está localizada na porta do lado esquerdo da cabina (motorista), próximo a fechadura da porta

Número de Identificação do Veículo - VIN
O número de identificação do veículo é composto por 17 dígitos: Cargo Dígito Código Campo
1 9 2 B A1 3 F A Y A2 5 E 6 A A3 7 4 8 Y A4 9 7 A5 10 B A6 11 B A7 12 L A8 13 0 14 0 15 0 A9 16 0 17 1

74

6 - Identificação

Identificação do fabricante (dígitos 1, 2 e 3) - Campo A1 1. Área Geográfica: 9 (constante) 2. País: B – Brasil (constante) 3. Fabricante: F – Ford (constante)

Tipo de freio / Classe de PBT (dígito 4) - Campo A2 Código v X Y Z Tipo de Freio Pneumático Pneumático Pneumático Pneumático Classe de PBT 7258 até 8845 kg 11794 até 14968 kg 14969 até 24948 kg 24949 kg e acima Modelo Cargo 816 Cargo 1319 / 1519 Cargo 1719 / 1723 / 2423 / 2429 / 1933 Cargo 2623 / 2629 / 3133

Código do modelo (dígitos 5, 6 e 7) - Campo A3 Código EAD EB1 EB2 EAG EAH EAK EAL EAM EAN EB4 EB5 EB5 Modelo Cargo 816 Cargo 1319 Cargo 1519 Cargo 1719 Cargo 1723 Cargo 2423 Cargo 2429 Cargo 2623 Cargo 2629 Cargo 3133 Cargo 1933 Rígido Cargo 1933 Tractor

75

6 - Identificação

Tipo de motor (dígito 8) - Campo A4 Código S B D E J Cilindros 04 04 06 06 06 Capacidade cúbica (cm3) / Fabricante 4462 – Turbo – 162cv – Euro V / Cummins 4462 – Turbo – 189cv – Euro V / Cummins 6693 – Turbo – 230cv – Euro V / Cummins 6693 – Turbo – 290cv – Euro V / Cummins 8849 – Turbo – 334cv – Euro V / Cummins

Código de verificação (dígito 9) - Campo A5 Dígito de verificação gerado por computador. Ano / Modelo (dígido 10) - Campo A6

Código 2013 2012

Ano D C

Localização da linha de montagem (dígito 11) - Campo A7 Código B Local São Bernardo do Campo

Identificação do tipo de cabina (dígito 12) - Campo A8 Código S L Cabine Simples Leito

Sequência de identificação numérica (dígitos 13, 14, 15, 16 e 17) - somente Cargo - Campo A9 Consiste em 5 algarismos: inicia-se em 00001 seguindo até 99999.

76

7 - Informações do Produto

Pesos
Os pesos definidos para os caminhões, de acordo com a legislação, são: • Peso do Veículo em Ordem de Marcha (PVOM): É o peso próprio do veículo, acrescido dos pesos do combustível, das ferramentas e dos acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio e do líquido de arrefecimento. • Tara: É o peso próprio do veículo, acrescido dos pesos da carroçaria e equipamento, do combustível, das ferramentas e dos acessórios, da roda sobressalente, do extintor de incêndio e do líquido de arrefecimento. • Lotação: É a carga útil máxima, incluindo o condutor e os passageiros que o veículo pode transportar. Portanto, é o Peso Bruto Total menos a tara do caminhão. • Peso Bruto Total (PBT): É o peso máximo que o veículo pode transmitir ao pavimento, constituído da soma da tara mais a lotação. • Peso Bruto Total Homologado (PBT Homologado): Capacidade máxima homologada pelo fabricante. É a soma das capacidades de carga total dos eixos dianteiro e traseiro(s). • Capacidade Total de Carga: É a carga útil que o veículo pode transportar, acrescido do peso da carroceria. Pode ser calculado pela subtração do Peso Bruto Total homologado pelo Peso em Ordem de Marcha. • Peso Bruto Total Combinado (PBTC): É o peso máximo que pode ser transmitido ao pavimento pela combinação de um caminhão-trator, mais seu semirreboque, ou do caminhão mais seu reboque. • Capacidade Máxima de Tração (CMT): É o máximo peso que a unidade de tração é capaz de tracionar, indicado pelo fabricante, baseado em condições sobre suas limitações de geração e multiplicação de momento de força e resistência dos elementos que compõem a transmissão.

77

7 - Informações do Produto

CE c d

L

H

E BD EE ct CT bt BT

S

I

EE - Distância entre-eixos: Distância entre o centro do eixo dianteiro e o centro do eixo traseiro. Nos caminhões com mais de dois eixos, consideramos a distância entre o 1° (eixo dianteiro direcional) e o 2° eixo (1° eixo trativo). BD - Balanço dianteiro: Distância entre o ponto extremo da dianteira e o centro da roda dianteira. BT - Balanço traseiro: Distância entre o centro da roda do último eixo traseiro e o fim da carroceria ou implemento (60% do EE até 3.500 mm máximo). bt - Balanço traseiro do chassi: Distância do centro da roda do eixo traseiro extremo ao término do chassi. ct - Comprimento total do chassi: Distância do extremo dianteiro ao extremo traseiro do chassi. CT - Comprimento total: Distância do extremo dianteiro ao extremo traseiro do caminhão implementado. CE - Cabine eixo traseiro: Distância entre a traseira da cabine e o centro do eixo traseiro. c - Cabine eixo dianteiro: Distância entre o centro do eixo dianteiro e a traseira da cabine. d - Folga da cabine à carroceria: Distância entre a traseira da cabine e o início do implemento ou carroceria. L - Plataforma de carga: Espaço útil destinado à carroceria ou implemento. Quanto maior for a plataforma de carga, maior será a capacidade volumétrica. I - Largura máxima

78

7 - Informações do Produto

H - E - S -

Altura Ângulo de entrada Ângulo de saída

Classificação dos Caminhões
Os caminhões são classificados como: • Simples: que suporta o peso da carroceria e da carga, podendo ser classificado de acordo com o número de pontos de apoio que ele tem como o solo x o número desses pontos que tem tração. - 4x2: 4 pontos de apoio, sendo 2 pontos de tração. Conhecido também como Toco. - 4x4: 4 pontos de apoio e 4 pontos de tração. - 6x2: 6 pontos de apoio, sendo 2 de tração. Conhecido também como Trucado. - 6x4: 6 pontos de apoio, sendo 4 de tração. Conhecido também como Traçado. - 8x2: 8 pontos de apoio, sendo 2 de tração. - 8x4: 8 pontos de apoio, sendo 4 de tração. • Articulado: composto por dois veículos: um caminhão trator, conhecido como cavalo mecânico, e um semirreboque. • Conjugado: combinação de um caminhão e um reboque de dois ou três eixos, conhecido como Romeu e Julieta • Combinado (CVC): combinação de veículo de carga com duas unidades rebocadas do tipo bitrem, rodotrem, etc.

Segmentação
Existem no mercado duas classificações de caminhões, de acordo com sua capacidade de transportar carga em peso: • Classificação pela ANFAVEA - Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (PBT e PBTC/CMT): - Caminhões semileves: 3,5 ton < PBT < 6 ton - Caminhões leves: 6 ton < PBT < 10 ton

79

7 - Informações do Produto

- Caminhões médios: 10 ton < PBT < 15 ton - Tocos, trucados e traçados: CMT < 45 ton - Cavalo mecânico: CMT < 40 ton Caminhões pesados: PBT > 15 ton - Tocos, trucados e traçados: CMT > 45 ton - Cavalo mecânico: CMT > 40 ton • Classificação pelo mercado (PBT) - Caminhões Leves: de 4 a 10 toneladas - Caminhões Médios: de 11 a 16 toneladas - Caminhões Pesados: de 20 a 40 toneladas - Caminhões Pesados (6x4): de 20 a 30 toneladas - Caminhões Extra Pesados: acima de 40 toneladas

80

7 - Informações do Produto

Peso Bruto por Eixo
Os limites máximos de peso bruto por eixo isolado do veículo são:

Peso bruto por eixo isolado de dois pneumáticos: 6 t;

Peso bruto por eixo isolado de quatro pneumáticos: 10 t;

Peso bruto por conjunto de dois eixos direcionais, com distância entre eixos de no mínimo 1,20 metros, dotados de dois pneumáticos cada: 12 t;

Peso bruto por conjunto de dois eixos em tandem, quando a distância entre os dois planos verticais, que contenham os entros das rodas, for superior a 1,20m e inferior ou igual a 2,40m: 17 t;

Peso bruto por conjunto de três eixos em tandem, aplicável somente a semirreboque, quando a distância entre os três planos verticais, que contenham os centros das rodas, for superior a 1,20m e inferior ou igual a 2,40m: 25,5 t;

81

7 - Informações do Produto
82

Motor Eletrônico
Nos últimos 50 anos, os motores de combustão interna, principalmente movidos pelos derivados de petróleo gasolina e diesel, têm sido os principais responsáveis pelo alto índice de emissão de poluentes, o que nesse período vêm ocasionando alterações ambientais, podendo afetar a saúde das pessoas. As primeiras preocupações com emissão de poluentes e fumaça no Brasil, que estabelece requisitos de controle de emissão de gases do cárter de motores veiculares movidos à gasolina, resultaram em 1976 e em 1977 na Resolução CONTRAN nº 510/77, que dispõe sobre a circulação e fiscalização de veículos automotores diesel. O Conselho Nacional de Meio Ambiente - CONAMA - criou em 1986, o Programa de Controle de Poluição do Ar por Veículos Automotores - PROCONVE. Quanto à emissão de poluentes, pela regulamentação brasileira ser baseada na européia, as etapas ficaram conhecidas como EURO. Para atingir os níveis desejados pelo CONAMA, foi necessária a adoção de motores com gerenciamento eletrônico e pacote antirruído. Cronologia da Legislação Euro I Começou a ser exigida em 1º de janeiro de 1996, onde grande parte dos motores passou a ser pós-arrefecido. Euro II Começou a ser exigida a partir de 1º de janeiro de 2000, onde os fabricantes de motores tomaram ações quanto à câmara de combustão e dutos de admissão e escapamento, quanto ao sistema de injeção e, em vários casos, quanto a já mencionada adoção de pós-arrefecimento do ar de admissão do motor, para diminuir a temperatura de entrada de ar no motor e reduzir a emissão de NOX. Euro III Começou a ser exigido em 2005, onde 40% dos veículos diesel tiveram que cumprir as limitações de emissões e ruídos, em 1º de janeiro de 2006, esse percentual passou a 100% dos veículos. Para atender a Euro III, os fabricantes de motores e veículos recorreram a sistemas de gerenciamento eletrônico e sistemas “Common Rail”, entre outros, para atendimento dos limites máximos de emissões. Euro IV A Fase Euro IV (Proconve P6), não foi exigida no Brasil, sendo obrigatória apenas na Europa. No Brasil, passaremos diretamente do Euro III para o Euro V (Proconve P5 ao Proconve P7, respectivamente). Euro V A Fase Euro V (Proconve P7), passou a vigorar em janeiro de 2012, exigindo que os motores a diesel emitam no máximo 0,02 g/kWh de material particulado e 2,0 g/kWh de óxido de nitrogênio (NOx). Para atender a Euro V, os fabricantes de motores tem a disposição 2 sistemas: EGR (sigla em inglês para Recirculação dos Gases de Exaustão), e SCR (sigla em inglês para Redução Catalítica Seletiva).

7 - Informações do Produto

O sistema utilizado nos motores dos caminhões Ford Cargo é o SCR, que consiste na injeção de um aditivo (ARLA 32 – Agente Redutor Líquido Automotivo, solução aquosa à base de uréia), no sistema de exaustão do veículo, onde através de uma reação química é obtida a redução de NOx (óxido de nitrogênio).

Principais componentes do sistema de pós-tratamento: 1 – Reservatório de Arla 32 2 - Unidade Dosadora 3 – EGP 4 – Sensor de NOx 5 – Sensor de Temperatura 6 – Injetor de Arla 32

O sistema de pós-tratamento, consiste em um ciclo onde a unidade dosadora, após o monitoramento dos sensores de NOx e temperatura, irá realizar a injeção no EGP (Processador de Gases de Escape) do aditivo contido no reservatório de ARLA 32, obtendo assim a redução dos níveis de poluentes. Definição Entende-se como motor eletrônico, um motor a diesel que tem como principais características o gerenciamento eletrônico de injeção de combustível e o monitoramento da interação entre o motor e o veículo. Nos motores eletrônicos o volume de combustível injetado nos cilindros é determinado por um módulo eletrônico, que leva em conta fatores como o curso do pedal do acelerador (eletrônico), a pressão atmosférica e a temperatura do líquido de arrefecimento, entre outros. A injeção de combustível ocorre através do Common Rail.

83

7 - Informações do Produto
84

Common Rail
Sistema de injeção de combustível que utiliza um duto único, onde o combustível é armazenado sob pressão para ser distribuído às unidades injetoras. Sua principal característica, é o fato da produção de pressão de combustível e sua injeção serem desacopladas. A pressão de injeção é produzida conforme a rotação do motor e do volume de débito. Com isso, o combustível está sempre pronto no rail (duto único), na pressão para injeção. A principal vantagem desse sistema, em relação aos sistemas convencionais, é que a pressão e o volume de injeção podem ser determinados de forma independente para cada ponto de operação do motor, oferecendo maior grau de liberdade para a formação da mistura. Módulo do Controle Eletrônico No Ford Cargo Diesel Eletrônico, todo o sistema de injeção e combustível é controlado por um computador denominado ECM (Módulo de Controle Eletrônico do Motor), que tem uma eficiência muito maior no controle da injeção de combustível, pois analisa e determina a melhor condição de injeção (quantidade de combustível e tempo, a partir de diversos sensores que monitoram: • Condições de funcionamento do motor (rotação, temperatura, etc.); • Velocidade do veículo; • Exigências de carga; • Solicitações do motorista. Além do sistema de controle eletrônico do motor, e diferentemente dos caminhões convencionais, o Caminhão Ford Cargo Diesel Eletrônico possui também uma bomba de combustível de alta pressão, além da bomba de combustível de baixa pressão. A bomba está diretamente conectada a um tubo e bicos injetores de combustível do motor; neste tubo, o combustível fica armazenado a uma pressão de até 1400 bar, sendo injetado no motor de acordo com o comando do ECM (Módulo de Controle Eletrônico do Motor).

7 - Informações do Produto

Controle Eletrônico do Acelerador
Outra característica do Ford Cargo Diesel Eletrônico é o Controle Eletrônico do Acelerador. Neste sistema, muito mais preciso que o sistema de cabo convencional, o pedal do acelerador é ligado ao Módulo de Controle Eletrônico do Motor por meio de fiação elétrica apenas. A partir da posição do pedal, o Módulo de Controle Eletrônico do Motor determina a melhor quantidade e momento de injeção de combustível, obtendo-se assim: • Melhor economia de combustível; • Menor emissão de poluentes na atmosfera; • Torque mais uniforme em todas as rotações do motor; • Menor nível de ruído; • Funcionamento mais suave, exigindo menos trocas de marcha; • Menos fadiga do motorista. Deve-se observar que o Controle Eletrônico do Acelerador não apresenta partes móveis, portanto não é possível seu “ajuste”. Em caso de funcionamento incorreto, procure um Distribuidor Ford. Além das vantagens descritas acima, o controle eletrônico do motor apresenta algumas características de dirigibilidade diferentes dos caminhões convencionais, em função do rígido controle de emissão de gases poluentes. Por exemplo, durante acelerações, o usuário poderá perceber algo como ruído momentâneo característico do sistema de injeção do motor. Isto é absolutamente normal e não deve causar preocupação. Importante: O Módulo de Controle do Motor deverá ter sua configuração original alterada nos seguintes casos: • Substituição dos pneus originais do veículo por pneus homologados pela Ford, porém de medidas ou fabricantes diferentes dos montados originalmente no veículo; • Substituição da relação do diferencial originalmente montada no veículo (par coroa/pinhão), desde que por outra relação liberada para o veículo; • Qualquer outra modificação realizada pelo Cliente ou Implementador que possa alterar a configuração original do Módulo de Controle do Motor. • Nas condições acima citadas, a nova configuração do Módulo de Controle do Motor deverá ser realizada em um Distribuidor Ford ou em um Posto Autorizado Cummins, e paga pelo Cliente.

85

7 - Informações do Produto
86

Cuidados com o Sistema de Combustível
Combustível Caminhões fabricados a partir de janeiro de 2012, devem sempre ser abastecidos com diesel S50. A utilização de diesel S500 ou S1800, acarretará problemas no sistema de pós-tratamento dos gases de escape, além de ultrapassar os limites estabelecidos de poluentes de acordo com o Proconve P7. Contaminação do Combustível A contaminação do diesel é uma das principais causas de desgaste prematuro em componentes do sistema de injeção, principalmente no sistema Common Rail, como por exemplo: bomba de combustível, injetores, válvulas, etc. Água – possíveis origens: • Na condensação dentro de tanques de armazenamento ou reservatórios de combustível, devido ao efeito da variação de temperatura na umidade do ar; • Na utilização de combustível de qualidade não reconhecida, com potencial de presença de água; • Na limpeza imprópria de tanques de transporte e armazenamento, deixando água em seu interior. Micropartículas – possíveis origens: • Penetração através de tampas mal-vedadas ou respiros abertos. Isso pode ocorrer no armazenamento e no uso; • No uso de filtros inadequados ou saturados, que já não impedem mais a entrada de micropartículas abrasivas; • Na utilização de tanques de transporte e armazenamento corroídos e enferrujados, contaminados com pó. Combustível inadequado – possíveis origens: • Na utilização de um nível de mistura de biodiesel maior que o permitido pela legislação do país ou combustível de baixa qualidade; • Na mistura com produtos não recomendados, como por exemplo: metanol, solvente, etanol, etc; • Utilização de óleo vegetal como combustível. Recomendações: Apresentamos a seguir alguns cuidados que devem ser tomados com o caminhão para impedir que alterações no diesel possam prejudicar os componentes do sistema de injeção de combustível.

7 - Informações do Produto
87

1) Manter o reservatório de combustível cheio durante a noite: à medida que o óleo diesel do reservatório de combustível vai sendo consumido, pode ocorrer a entrada de ar contendo umidade. Como durante a noite a temperatura ambiente diminui, a umidade do ar se condensa nas paredes do reservatório e na superfície do diesel. 2) Drenar diariamente a água do filtro separador de água, antes de ligar o motor; 3) Para caminhões parados por menos de 30 dias, aguardando o recebimento de implementos, deve-se ligar o motor, no mínimo, a cada 15 dias e por um período de no mínimo 15 minutos; 4) Para caminhões parados por mais de 30 dias, além de ligar o motor conforme recomendação acima, deve-se a cada 4 semanas, drenar todo o combustível do reservatório, limpar o reservatório e reabastecer com novo combustível. 5) Os filtros de combustível devem ser substituídos de acordo com a recomendação do Manual do Proprietário; 6) Utilizar sempre filtros de combustíveis originais; 7) Completar o reservatório de combustível somente em postos de confiança e de qualidade.

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos
88

Especificações de Carga e Cálculos
O conjunto da carroceria e a carga nela contida sobre o chassi do caminhão é chamada Carga Útil + Carroceria. Cada modelo de caminhão tem sua capacidade de carga útil + carroceria especificada e legalmente registrada, como característica do projeto. Para os cálculos da distribuição da carga útil + carroceria entre os eixos dianteiro e traseiro(s) do caminhão, consideramos a carga como homogênea (uniformemente distribuída na carroceria), e assim admitimos que o Centro de Gravidade ou CG acha-se no centro do conjunto carroceria e carga. Nesse ponto, todas as forças que atuam no conjunto se convergem e se anulam. Quando o caminhão é beneficiado, o implementador leva em conta o centro de gravidade de todo o conjunto (caminhão + carroceria), para garantir o equilíbrio, a segurança do veículo ao trabalhar e a distribuição de carga por eixo. Os implementos e equipamentos operacionais devem obedecer a capacidade de carga e dimensões de cada modelo de veículo, para atender as necessidades dos Clientes, as legislações e garantir um bom desempenho e longevidade dos caminhões Ford. Os seguintes dados são necessários para os cálculos de cargas: • CT: Capacidade Total (Carga Útil + Carroceria) • CED: Carga útil + Carroceria no Eixo Dianteiro • CET: Carga útil + Carroceria no Eixo Traseiro • PBT: Peso Bruto Total • PBTD: Peso Bruto Total no Eixo Dianteiro • PBTT: Peso Bruto Total no Eixo Traseiro • PVOM: Peso do Veículo em Ordem de Marcha • PVOMD: Peso do Veículo em Ordem de Marcha no Eixo Dianteiro • PVOMT: Peso do Veículo em Ordem de Marcha no Eixo Traseiro

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Veículos 4x2

PVOM + CT = PBT

PVOMD + CED = PBTD

PVOMT + CET = PBTT

Veículos 6x2 e 6x4:

PVOM + CT = PBT

PVOMD + CED = PBTD

PVOMT + CET = PBTT

89

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

A carga útil + carroceria permitida sobre os eixo, é calculada através da diferença entre o peso bruto total e o peso do veículo em ordem de marcha.

As cargas permitidas no eixo dianteiro e traseiro são limitadas pela legislação e pelas cargas técnicas especificadas pela Ford. Sendo assim, para os cálculos, utilize o menor valor.

Cálculo para Veículo Rígido (Toco, Trucado e Traçado)
Para os veículos toco, trucado e traçado, determinamos a distância do Centro de Gravidade ao centro do eixo traseiro, através do seguinte cálculo:

Onde,
• EE: Distância entre-eixos • O: Distância mínima do eixo dianteiro ao início da carroceria • D2: Distância entre o eixo traseiro e o centro de gravidade de CT (CG do implemento)
D2 = CED x EE CT L/2 O L/2

PVOM + CT = PBT

D2 EE BT

PVOMD + CED = PBTD

PVOMT + CET = PBTT

90

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

L/2 O

L/2

PVOM + CT = PBT

D2 EE BT

PVOMD + CED = PBTD

PVOMT + CET = PBTT

Como consideramos que a carga está uniformemente distribuída e o CG se encontra no centro do conjunto carroceria e carga, então o comprimento do implemento será: L = (EE - O - D2) x 2

91

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Cálculo para Veículo Tractor
Para os veículos Trator (Cavalo-Mecânico), o Centro de Gravidade do caminhão se encontra na 5ª roda, e a distância do centro da 5ª roda até o centro do eixo traseiro é definida de fábrica: 700 mm.

PVOM + CT = PBT

700

EE

PVOMD + CED = PBTD

PVOMT + CET = PBTT

Balanço Traseiro
Como o comprimento do balanço traseiro depende do comprimento do implemento instalado no caminhão, tornam-se necessários ajustes no balanço traseiro. O Decreto Lei nº 88.686 do Conselho Nacional de Trânsito limita o Balanço Traseiro ao máximo de 60% da distância entre-eixos, limitado ao valor máximo de 3.500 mm. BT = 60% EE (limitado a 3.500 mm) Nota: Para os veículos com 3º eixo (6x2 e 6x4), considera-se a distância entre-eixos (para o cálculo do balanço traseiro), como a medida entre o centro do eixo dianteiro ao centro do último eixo.

92

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Instalação da Carroceria ao Chassi
As fixações das carrocerias e dos equipamentos operacionais ao quadro do chassi devem ser divididos em dois tipos: Fixação de carroceria flexível e fixação de carroceria rígida.

Fixação de Carroceria Flexível
Referimo-nos a carroceria que, devido as suas características construtivas, apresentam flexibilidade a torção e, portanto, acompanham as movimentações do quadro do chassi original do caminhão. Esta liberdade de torção do conjunto caminhão/carroceria é uma necessidade para garantir a distribuição de peso sobre as várias rodas do caminhão, proporcionando adequada capacidade de tração e de direção, e também frenagem equilibrada e eficiente. São exemplos de carrocerias flexíveis: carga seca, furgão e basculante. Sugerimos dois tipos de fixações para estas carrocerias: grampos de aço e placas de fixação / talas. Grampos de Aço Esta fixação por grampos de aço, cujo diâmetro mínimo deve ser de 16 mm, apresenta o seguinte aspecto:

Viga da carroçaria

Canal de travamento no grampo

Espaçador interno da longarina

Calço inferior

Figura 1 - Fixação por grampos de aço

93

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

O espaçador interno da longarina, tradicionalmente de madeira de lei, pode ter as seguintes construções alternativas em aço:

1

B 2

1 2

1 - 20 / 25mm 2 - Passagem do grampo “U” A - Tipo bloco maciço B - Tipo “U” C - Tipo cantoneira

A

1 C

Figura 2 - Espaçador interno da longarina Nas fixações por grampo “U”, recomendamos os seguintes cuidados: • Os grampos devem ser classe 8.8 (ISO), (equivalente a SAE J 429 grau 5), com diâmetro 16 mm ou acima; • As porcas devem ser autofrenantes ou providas de contraporcas; • Os grampos devem ser montados sempre de baixo para cima, para evitar danos nas roscas, por pedras projetadas pelos pneus; • Devem ser reapertados periodicamente; • Os espaçadores internos de madeira, ou de aço no perfil “U” das longarinas do caminhão, são obrigatórios e devem entrar “justos” (batidos), porém sem deformar as longarinas; • Os calços inferiores, para acomodar a parte curva dos grampos “U”, sem danificar a aba da longarina e distribuir melhor o esforço do grampo na longarina, também são obrigatórios; • Os espaçadores internos das longarinas, quando de madeira, devem ter canal de travamento no grampo e cantos chanfrados, para não interferirem nos chicotes elétricos e tubulações;

94

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos
95

• Se a viga da carroceria for metálica (perfil “U” de aço, sugerimos instalar um isolador de elastômero ou de plástico flexível entre esta viga e a longarina do chassi. Como alternativas, pode-se usar ainda madeira de lei (nunca madeiras moles com pinho), pintura ou adesivo antiderrapante; • Sugerimos a inclusão de um fixador tipo “tala” parafusada na longarina numa das extremidades da viga, para localizar a carroceria. Isto evita a recolocação da carroceria em posição errada por ocasião da eventual remoção para alguma manutenção.

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Placas de Fixação ou Talas
As talas ou talões são fixações utilizadas para carrocerias com vigas metálicas. O implementador pode escolher qualquer uma das três opções de fixação na viga (perfil “U”) da carroceria:
Placa soldada Viga da carroçaria Placa rebitada Placa parafusada

Longarina do caminhão

Figura 3 - Fixação na viga Porém, a fixação da placa na longarina do chassi do caminhão deverá sempre ser parafusada. As furações nas longarinas do caminhão devem obedecer aos seguintes critérios:
Aba da longarina

Mínimo : 32mm Alma da longarina

Ø Máximo : 16mm

Mínimo : 50mm

Figura 4 - Furações na longarina

96

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos
97

Não se admite furações ou qualquer outro tipo de usinagem nas abas e nas áreas da alma a menos de 32 mm (1 ¼ de polegada) da face externa das abas das longarinas. Nas fixações por placas, é recomendado apoiar as vigas da carroceria diretamente nas longarinas do chassi, sem nenhum tipo de material intermediário (isoladores de madeira, elastômero ou plástico), e garantir uma ligeira pressão das vigas contra as longarinas por grampos por pesos sobre a carroceria, durante a execução das furações e aperto dos parafusos. Os parafusos devem ter suas porcas autofrenantes apertados de acordo com a sua classe e diâmetro ,e devem trabalhar apenas à tração, promovendo fixação por atrito entre a placa e a longarina. Se ficarem com pouco aperto ou soltos, trabalharão a cisalhamento e, além de não resistirem, alargarão os furos. Recomenda-se uma placa próxima a cada uma das extremidades da viga da carroceria e placas intermediárias com espaçamentos de aproximadamente um metro ou menos.

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Fixação de Carroceria Rígida
São carrocerias e mecanismos operacionais que apresentam uma estrutura mais rígida, permitindo pouca ou nenhuma flexibilidade à torção. Como exemplo deste tipo de carroceria, temos as carrocerias tanque, betoneiras, porta-containers, etc. O critério seguido nestas fixações é de elementos mais rígidos, como placas ou consoles, sem elemento elástico na região central da carroceria próxima aos suportes das molas traseiras e fixações, que permitam maior grau de liberdade entre a viga da carroceria e a longarina, nas extremidades da carroceria. Estas fixações, com certo grau de liberdade de movimentação das duas partes, são chamadas “consoles”, e a parte elástica pode ser constituída por blocos de elastômero, coxins com parafusos de fixação vulcanizados ou molas helicoidais. Nas carrocerias tanque, costumam-se usar também um mancal na fixação dianteira:

1 4 4 5 6 3 2 2 3 Fixação dianteira Fixações intermediárias e traseira 5 - Parafusos limitadores do movimento 6 - Suporte limitador de movimentos longitudinais 7 - Bucha cilíndrica sólida para limitar o movimento vertical 7

1 - Mancal 2 - Longarina do caminhão 3 - Suporte de montagem 4 - Elemento elástico

Figura 5 - Construção da fixação dianteira, intermediária e traseira com elemento elástico

98

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Ao invés de blocos de elastômero, podemos usar coxins:
1 2

2 5 3 4 4 Fixação dianteira Suporte de montagem intermediário e traseiro 1 - Mancal 2 - Suporte do tanque 3 - Longarina do caminhão 4 - Suporte de montagem 5 - Coxim elástico 3

Figura 6 - Construção da fixação dianteira, intermediária e traseira com elemento coxim Nas plataformas porta-container, fixa-se a parte central com consoles providos de blocos de elastômero, e as extremidades do sobrequadro ficam apenas apoiadas nas longarinas:
1 1

2 3 4 5 1 - Travessa - trava do container 2 - Chassi secundário para container 3 - Bloco de elastômero 4 - Suporte de fixação 5 - Quadro do chassi

Figura 7 - Plataforma porta-container

99

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Cuidados Adicionais
Alguns cuidados adicionais devem ser observados, tanto na fabricação como também na instalação de carrocerias / equipamentos: • Ligações adicionais ao sistema de ar comprimido - Quando necessária, a instalação de ligações adicionais ao sistema de ar do veículo, por exemplo, instalação de acessórios, esta ligação deve ser feita no pórtico 24 da válvula de 4 vias. Importante: Jamais utilize o sistema de freios para ligações adicionais. A válvula de 4 vias está localizada na longarina do lado esquerdo. Caso não seja possível a ligação direta no pórtico 24 da válvula de 4 vias, consulte um Distribuidor Ford. • Solicitação gradual das longarinas - As pontas dianteiras das vigas das carrocerias nunca devem ser cortadas no esquadro. Isto causaria uma concentração de tensões neste ponto da longarina. Para evitar esta concentração de tensões, recorre-se tanto para vigas de madeira como para as de aço, ao recurso de corte inclinado da viga conforme esquema:

Ângulo : 30

Viga de madeira ou de aço da carroçaria

20% da altura da viga

Raio mínimo : 20mm Longarina do caminhão

Se houver algum impedimento para a ponta avançada, pode-se recorrer à construção alternativa:
Viga da carroçaria Ângulo : 30

Longarina do caminhão

Esta solicitação construtiva das extremidades dianteiras das vigas é extensiva para qualquer tipo de carroceria ou mecanismo operacional, e também para qualquer modalidade de fixação da carroceria às longarinas.

100

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

• -

Distância livre entre cabine e carroceria Na linha F, deve-se deixar 10 cm de espaço livre entre o painel traseiro da cabine e a parte mais frontal da carroceria. Porém na linha Cargo, temos várias peças e conjuntos mecânicos para trás do painel traseiro da cabine. Como estes componentes têm dimensões diferentes para os vários modelos, resolvemos chamar a parte mais distante do painel da cabine pelo nome genérico de: componente mais distante da cabine. Portanto, na linha Cargo deve-se deixar 10 cm de espaço livre entre este componente mais distante da cabine e a parte frontal da carroceria. Autoguindastes Para o transporte de unidades pesadas, ou ainda para certos serviços executados pelos caminhões, pode ser de grande utilidade a instalação de um autoguindaste, também conhecido popularmente como “guindauto”, entre a cabine e a carroceria.

• -

Conforme a capacidade do guindaste, haverá a necessidade de um espaço de 0,60 a 0,80 m entre a cabine e a carroceria, e apresentamos abaixo a sua instalação típica:

1

2

3

6

7

4

5

1 - Parte traseira da cabina 2 - Guindaste 3 - Linha de centro do guindaste 4 - Recorte na região do suporte da mola para a linha Cargo 5 - Chassi do veículo 6 - Chapas de fixação 7 - Chassi auxiliar

Figura 8 - Instalação do autoguindaste Para a linha F, as placas de fixação serão retangulares, sem o recorte mostrado no detalhe 4. Caso a fixação seja feita por grampos “U”, parafusos longos ou parafusos tipo estojo, haverá a necessidade de espaçadores dentro do perfil “U” das longarinas, conforme descrito no item Grampos de Aço.

101

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Tomada de Força Traseira do Motor (1723 / 2623 / 2629)
Montagem
A tomada de força traseira do motor é utilizada para operar a bomba hidráulica de diversos tipos de implementos. No caso de coletor/compactador de lixo, a bomba hidráulica vai conectada diretamente na saída da tomada de força traseira; para o caso de Betoneiras, a ligação entre tomada de força traseira e bomba hidráulica é feita através de um eixo cardan. É necessário tomar extremo cuidado durante a montagem e posicionamento da bomba hidráulica, observando os ângulos formado entre a saída da tomada de força traseira, o eixo cardan e a bomba hidráulica.

Flange de saída da tomada de força

Eixo Cardan

Bomba Hidráulica

Transmissão Motor

A junta universal, elemento onde é usada a cruzeta, não pode trabalhar alinhada (ângulo da junta universal igual a 0°), porque os roletes dos rolamentos da cruzeta necessitam do ângulo para realizarem o movimento. Devem ser mantidos os menores ângulos possíveis, permitindo o correto homocinetismo, e evitando que as acelerações e desaceleraçõesda cruzeta cheguem às engrenagens do PTO. Se estas recomendações não forem seguidas, possivelmente haverá excesso de ruído e vibração, diminuindo a vida útil do cardan, a quebra do mesmo, e danos as engrenagens da tomada de força traseira do motor.

102

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Recomendações importantes: Durante a montagem do conjunto, as folgas nas cruzetas e entalhados devem ser mínimas; Cardan deve estar perfeitamente balanceado, tendo como referência a rotação de trabalho, a 1900 rpm; Manutenção e lubrificação do implemento (principalmente cardan), de acordo com especificação do fabricante do implemento e do cardan; Garantir a correta montagem e fixação entre o flange de saída do Repto e o cardan, bem como entre o cardan e a bomba hidráulica.

Montagem Tipo “Z” A montagem tipo “Z” distribui a força exercida de maneira mais uniforme entre os rolamentos da tomada de força e do bomba hidráulica a ser acionado

B

A

Montagem Tipo “W” A montagem tipo “W” exerce maior força em uma área menor e, geralmente, necessita de um ângulo de trabalho das cruzetas maior do que a montagem tipo “Z”.

A

B

No plano vertical, para os tipos de montagem em “Z” e em “W”, o ângulo relativo PTO x Cardan (A) e Cardan x Bomba Hidráulica (B) deve estar entre 5º e 7º (quanto mais próximo de 5º, melhor); além disso, os ângulos A e B devem ser iguais. Importante considerar que as cruzetas do cardan devem estar alinhadas.

103

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

No plano horizontal (vista de planta), não deve existir ângulo de inclinação do cardan em relação ao PTO, e bomba, ou seja, bomba hidráulica perfeitamente alinhada com o PTO.

Frente do Caminhão Tomada de força traseira Bomba Hidráulica

104

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

RELAÇÃO DE TRANSMISSÃO e TORQUE

Relação de transmissão Torque máximo (uso contínuo) Torque máximo (uso intermediário) Sentido de rotação do eixo de saída

1:1 300 Nm 400 Nm Horário

TIPOS DE SAÍDA Flange para acoplamento do spline – modelo 1723

105

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Detalhamento do eixo estriado de saída do Repto - 1723

SEE DETAIL

C
134+0.5 -

181.5+0.5 47.5+0.2 0 0 45-3

Ø100.55+0.1 0.1 A Ø41.5+0.3 -

SEE DETAIL

F

SEE DETAIL

D

SEE DETAIL

E
0 Ø48 -0.3 0.5

0.8

0.8

Ø72+0.3 -

0.009 Ø38.993-0.020

0 Ø55-0.19

10°+ 1° 30.4+ 0.3 23.5 + 0.25 120+ 1 SECTION A-A
6.3

A

Ø35+0.009 +0.020 0.013 A

5+ 0.5 10°+1° -

Ø21.5+0.3 Ø31.65+0.25 -

30°+ 0.5° +0.3 2 0

45°+ 0.5° -

DETAIL E SCALE 2

106

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos

Flange para acoplamento do cardan - modelo 2623 e 2629

ø95.23

40.0º

40.0º
B 86+ 0.3 76+ 0.3 13 + 0.25 0.5

30 + 0.3 4 X Ø 23 + 0.25 40° 40° A + 1.2 4 X Ø 10.8 0 Ø 13 X 0 90° 3° INCL. ANGLE BOTH SIDES Ø 0.13 M D CM

11 + 0.3 SEE DETAIL

B

Ø95.23

115.95 + 0.13 -

Ø55+ 0.3 R 1+0.3 -

1.6

Ø39+ 0.25 Ø55+ 0.25 0 Ø51+0.25 -

Ø72 + 0.3 -

1.6
A 89 + 0.25 -

Ø69.85 + 0.05 0
0.13 A

R5

2X R3+0.3 -

SPLINE DATA SEE NOTE 2

41+0.3 -

D C

D

4 + 0.3 0.5 0 - 0.3

45°

R 0.75 + 0.25 -

0.38
15°

+ 0.13 0

107

8 - Instalação de Implementos e Equipamentos
POSICIONAMENTO RELATIVO NO CAMINHÃO

108

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Chassi
Nos caminhões, o quadro do chassi é o elemento fundamental tanto para o desempenho do trabalho ao qual ele se destina como, também para a sua durabilidade. Ao quadro do chassi, são acoplados todos os demais conjuntos necessários ao caminhão como: motor, transmissão, suspensões, cabine, etc. É o quadro do chassi que recebe também todo o peso da carga a ser transportada e distribui adequadamente para as suspensões dianteiras e traseiras e, finalmente, para cada uma das rodas, na proporção prevista. É muito importante ter-se a percepção de que o quadro do chassi, além da resistência necessária para suportar as elevadas cargas, deve ainda ter a correta flexibilidade (permissibilidade de deformação elástica do conjunto), para continuar mantendo a prevista distribuição de peso da carga para cada uma das rodas, mesmo em condições dinâmicas e em terrenos acidentados com ampla movimentação das rodas. É da falta desta capacidade que o caminhão pode adquirir características comportamentais comprometedoras quanto à segurança, através da não obediência aos esterçamentos das rodas direcionais ou bloqueio prematuro de algumas das rodas nas frenagens, e também quanto à capacidade de deslocamento, por perda de tração (“patinamento e eventual encalhe”) devido à perda de aderência dos pneus ao solo, por inadequada distribuição de carga sobre as rodas. Por outro lado, simultaneamente à pouca carga sobre algumas rodas, teríamos sobrecargas consideráveis em outras, levando a quebra por fadiga, a deformação ou a desgastes prematuros em componentes como: pneus, rodas, rolamentos, molas das suspensões, etc. Por isso, a Ford leva o cálculo e a execução dos seus quadros de chassi extremamente a sério e sugere que sempre que possível não haja nenhuma modificação dos mesmos. Caso a modificação seja realmente necessária, só deverá ser executada por profissional capacitado e experiente em projetos mecânicos estruturais.

Características do Chassi
Todos os caminhões Ford possuem o quadro do chassi formado por longarinas de perfil “U”, reforçadas em alguns modelos, e travessas estampadas fixadas com rebites a frio e parafusos. Em vista das longarinas serem os elementos submetidos aos maiores esforços nos usos normais dos caminhões, e também serem os componentes do quadro de chassi sujeitos a eventuais modificações, concentraremos as nossas atenções aos seus detalhes.

109

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Linha Cargo
Os caminhões da linha Cargo possuem longarinas planas, retas e com perfil “U” de secção constante, como exemplo da ilustração abaixo:

Eixo dianteiro

Eixo traseiro

Figura 4 - Longarina plana O perfil de secção apresenta a seguinte configuração:

largura extrema das abas

altura interna do perfil

espessura da chapa

Figura 5 - Perfil de secção - Linha Cargo 4x2

110

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Para os caminhões Cargo 4x2, temos as seguintes características:
Item Altura interna do perfil (mm) Largura interna das abas (mm) Espessura da chapa (mm) Módulo de resistência à flexão (cm3) Momento de resistência à flexão (kgf.m) Material (ABNT) 816 173,2 64,5 6,4 108,2 6489 LNE 60 1319 215,9 70 7,1 157,3 9439 LNE 60 1519 215,9 70 7,1 157,3 9439 LNE 60 1719 241,3 70 9,5 244,2 12208 LNE 50 1723 241,3 70 9,5 244,2 12208 LNE 50 1933 241,3 70 9,5 244,2 12208 LNE-50

Os caminhões Cargo 6x2 e 6x4 possuem as longarinas providas de reforços em perfil “U”, formando um conjunto cujo perfil de secção possui as seguintes características:

2423/2429 Longarina Altura interna do perfil (mm) Largura interna das abas (mm) Espessura da chapa (mm) Módulo de resistência à flexão (cm3) Momento de resistência à flexão (kgf.m) Material (ABNT) 241,3 70 9,5 244,2 16315 LNE 38 Reforço 264 70 6,35 185,1

2623/2629/3133 Longarina 241,3 70 9,5 244,2 16315 LNE 38 Reforço 264 70 6,35 185,1

111

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Figura 6 - Perfil de secção - Linha Cargo 6x2 e 6x4 • Os reforços “U” das longarinas estendem-se desde a linha de centro do eixo dianteiro (sob a cabine) até o fim das longarinas, em todos os modelos 6x4 e em todas as distâncias entre eixos.

Alteração da Distância Entre-Eixos
Os caminhões Ford normais de produção possuem as distâncias entre-eixos mais convenientes para os usos comuns. Como regra geral, não recomendamos a alteração do entre-eixos. Sugerimos, antes da sua execução, a análise de outras alternativas que possam atender às necessidades do Cliente, como por exemplo, o uso de outro modelo de caminhão Ford, ou outro conceito de carroceria. A solicitação de alteração mais comum é o alongamento do entre-eixos para o transporte de cargas leves e volumosas como: esquadrias de chapa de ferro ou alumínio, fogões, geladeiras, isopor, móveis, etc, com ou sem instalação de 3º eixo. Na maioria destes casos, é mais conveniente o uso de caminhão trator e semirreboque, com as seguintes vantagens sobre o alongado: • Maior área útil da carroceria. • Melhor manobrabilidade. • Possibilidade do uso de um trator com três semirreboques, em substituição a três caminhões alongados.

112

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Garantia de continuidade da operação: no caso de avaria ou necessidade de revisão do trator, bastará acoplar outro trator, eventualmente de terceiro, para continuar o trajeto da carga e continuar com as outras cargas planejadas. • Maior valor e facilidade de revenda após o uso. Para este mesmo uso, pode-se avaliar também o uso de caminhão sem alongamento, porém com reboque (Romeu e Julieta), que também apresenta grande flexibilidade de uso e muitas conveniências. No caso de real necessidade da alteração da distância entre-eixos, deve-se tomar os cuidados abaixo nos retrabalhos dos componentes originais.

Alongamento
Os alongamentos devem ser executados só por empresas com capacidade técnica, levando em conta materiais e cálculos de resistência, tanto estáticos como dinâmicos e posterior execução confiável.

• Retrabalho da Longarina Soldas
O alongamento das longarinas exigirá solda, normalmente, apenas nas suas extensões traseiras, ou em alguns casos até no entre-eixos. É importante lembrar que um perfil soldado apresentará três fases de material, conforme o esquema abaixo: Material original da longarina -> Zona de transição -> Material do eletrodo de solda -> Zona de transição -> Material original da longarina O material do eletrodo, adicionado à longarina, deve ter resistência muito superior ao material original da longarina (variável de LN-28 à LNE-50). Devido a pequena extensão de solda por caminhão, recomendamos utilizar um tipo único de eletrodo para todos os modelos, para evitar enganos. Assim, sugerimos um eletrodo de alto nível de resistência. A escolha do eletrodo e suas características, como diâmetro, amperagem, etc., devem ser feitas com o auxílio do seu fornecedor de confiança (os fabricantes de eletrodo e equipamentos de solda oferecem todas as informações técnicas e treinamentos necessários, recorra a eles).

113

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

As Zonas de Transição são as porções mais críticas das soldas. São constituídas da zona de mistura (solução formada quando em fusão) dos dois materiais: o do eletrodo e o original da longarina e a zona adjacente, constituída do material original da longarina, que pelo eventual aquecimento excessivo pode ter sua composição alterada (provocando redução de resistência por redução do carbono na liga, recozimento e também crescimento de grão: maior susceptilidade à fadiga). Este eventual superaquecimento poderá ser consequência de erros no binômio Amperagem - Velocidade da Solda, portanto, decorrentes do soldador, ou seja, da mão de obra. Sempre que forem executadas soldas elétricas em compontes do chassi e também da carroceria deve-se, previamente, desligar os terminais da bateria, do + B do alternador e + B de eventuais microprocessadores eletrônicos. Importante: Quando realizada solda em um veículo com sistema de combustível controlado eletronicamente, deve-se tomar as seguintes precauções:

• Desconecte os cabos positivo (+) e negativo (-) da bateria antes de realizar qualquer serviço de solda no veículo; • Conecte o cabo de terra do equipamento de solda a uma distância máxima de 0,61 metros (2 pés) da parte sendo soldada; • Não conecte o cabo de terra do equipamento de solda na placa de arrefecimento do ECM ou no próprio ECM; • Serviços de solda em um motor ou em componentes montados em um motor não são recomendados, e podem causar danos ao motor ou aos componentes.

114

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Reforços
Sugerimos que todas as soldas executadas nas longarinas sejam reforçadas internamente por cantoneiras (uma superior e outra inferior) ou com perfil “U”. Em ambos os casos, deve-se deixar um espaço de alguns milímetros (2 a 5) entre as abas da longarina e as abas das cantoneiras ou do “U”.
Solda Cantoneira superior Cantoneira inferior Duas fileiras de rebites

45°

Instalação das cantoneiras rebitadas na alma

Figura 7 - Instalação das cantoneiras rebitadas na alma
Vista do topo ampliada

60

15°

mín

80

30

30° 800 mín.

13 mín

6

Cantoneiras de reforço

Medidas em milímetros Desenho fora de escala

Observações a respeito das Cantoneiras de Reforços:

Figura 8 - Cantoneira de reforço

- Antes da instalação dos reforços, esmerilhar as soldas da longarina até ficarem planas com a superfície de contacto com os reforços, remover a tinta queimada e proteger a área com fundo anticorrosivo de alta aderência e tinta de acabamento; - Espessura das cantoneiras de aproximadamente 6 mm; - Perfil “L” de chapa de aço dobrado a 90º, com raio mínimo de 13 milímetros (preferivelmente raio de curvatura igual ao da longarina). Não usar perfil laminado comercial; - Sugestão de material: LNE-38 (Linha Cargo); Atenção: Fixação só e exclusivamente na alma da longarina. Nunca furar as abas das longarinas.

115

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

- De preferência, fixar com rebites a frio. Eventual alternativa: parafusos cravo ou parafusos de alta resistência (grau 8, norma SAE J-429 ou 10.9 norma ISO), com arruelas cônicas de aço temperado, com porcas autotravantes (autofrenantes) ou puncionadas após torqueadas. - Não recomendamos fixação por solda, porém, se por motivo imprevisível for realizada, deverá ser executada na borda da aba vertical da cantoneira à alma da longarina, em trechos de 40 a 50 mm intercalados por trechos iguais sem solda (as extremidades não devem ser soldadas à longarina), e também preenchidos com solda os furos da fileira mais próxima à dobra da cantoneira, porém com velocidade de solda maior, para evitar o superaquecimento da longarina. É preferível o reforço com perfil “U” com as seguintes características:
Vista do topo ampliada 60

60

15° Raio 13 mín

H
30

30

800 mín. Reforço “U”

Medidas em milímetros Desenho fora de escala

Figura 9 - Reforço “U” As mesmas observações a respeito das cantoneiras de reforço devem ser observadas para os reforços em “U”. A altura “H” do pefil “U” deve ser 4 a 8 milímetros menor que a distância interna entre as abas do perfil “U” da longarina do quadro do chassi do caminhão. Portanto, os reforços montados nas longarinas ficarão com o seguinte aspecto:

Reforço com cantoneiras

Reforço com perfil “U”

Figura 10 - Reforços na longarina

116

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Comprimento das Longarinas
A legislação em vigor referente ao parachoque traseiro dos caminhões já encarroçados, é a Resolução 152, de 29 de outubro de 2003, do CONTRAN, cujo conteúdo técnico apresenta itens relevantes para o alongamento / encurtamento do entre-eixos. Em vista dos Alongamentos da distância entre-eixos exigirem o retrabalho das longarinas, é conveniente planejar-se os novos comprimentos das longarinas de modo a possibilitarem a instalação do parachoque traseiro, sem necessidade de novos alongamentos posteriores.

Furações nas Longarinas
As furações adicionais nas longarinas, só devem ser executadas quando realmente necessárias, e somente na alma da longarina, tomando-se os seguintes cuidados: - Diâmetro máximo do furo: 16 mm (5/8 de polegada); - Distância mínima de 32 mm (1 ¼ de polegada) entre a borda do furo e a face superior da aba da longarina; - Distância mínima entre as bordas de furos vizinhos: 50 mm (2 polegadas).

Aba da longarina 32 mín.

Alma da longarina

máx. 16

50 mín.

50 mín.

Unidade: mm Ilustração fora da escala
Figura 11 - Distância mínima entre os furos

117

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi
118

Linha Cargo
Estes modelos possuem longarinas retas de seção constante e, por este motivo, quando há necessidade de alongamento, deve-se seguir obrigatoriamente o procedimento de deslocamento das suspensões traseiras em conjunto com as travessas entre os suportes, para trás, através de novas furações nas longarinas. Neste caso de alongamento por novas furações para as suspensões traseiras, haverá a necessidade de alongamento das longarinas para trás das suspensões traseiras, exceto no caso de caminhões para caçamba basculante, quinchos e brooks. Este alongamento traseiro, pode ser executado por solda a 90° de extensão do mesmo material, e perfil de mesma dimensão das longarinas originais no comprimento necessário para a fixação do parachoque traseiro. Após as soldas, as longarinas devem ser reforçadas nestas áreas, por cantoneiras. No entanto, este método fica limitado aos valores máximo de alongamento, dependentes do comprimento do balanço traseiro de cada modelo, na sua versão original de fábrica. Portanto, para alongamentos maiores, haverá a necessidade do alongamento por corte e solda na região entre cabine e suportes dianteiros das molas traseiras. Não recomendamos o corte e solda de longarinas entre os suportes das molas traseiras. Mas quando necessário, deve-se seguir o seguinte procedimento: - Escolher o local do corte adequadamente, levando em conta os componentes fixados nas longarinas, interferências com as travessas existentes e a localização de nova(s) travessa(s) adicional(is), inclusive a do suporte do mancal de apoio de eventual árvore de transmissão adicional (levando em conta que o corte será a 45°); - Traçar duas linhas de referência (sugestão: sobre rótulos de papel autoadesivo colados sobre as abas das longarinas), uma de cada lado do local marcado para o corte, a distância medida e anotada, para posteriores medições e controles de alinhamento; - Desligar os terminais da bateria, +B do alternador e eventuais microprocessadores eletrônicos; - Remover o tanque de combustível, árvores de transmissão, fiações, tubulações e mangueiras da região do corte; - Executar o corte a 45°, conforme o esquema:

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

45° Cabina Eixo traseiro

45°

Figura 13 - Corte na longarina (Linha Cargo) Interpor os dois elementos de alongamento do mesmo material das longarinas originais, com o mesmo perfil dimensional das longarinas, conforme medidas no Capítulo de Desenhos Técnicos; Executar a solda nas quatro áreas obedecendo os procedimentos e cuidados para soldagem de alta qualidade; Reforçar as soldas com cantoneiras ou perfil “U”. No caso de cantoneiras centradas na solda, uma deverá ficar deslocada em relação à outra.

Além do alongamento no entre-eixos, haverá também a necessidade do alongamento do balanço traseiro. Este alongamento do balanço, deverá ser feito com perfil “U” do mesmo material, e perfil dimensional de seção das longarinas originais e comprimento necessário para fixação do parachoque traseiro, por solda a 90° (após a solda, as longarinas devem ser reforçadas nestas áreas por cantoneiras ou perfis “U”).

• Travessas do Chassi
Em decorrência do alongamento do quadro de chassi, haverá a necessidade de revisão da localização das travessas, cujos formatos e posições podem ser observados no Capítulo de Desenhos Técnicos. Deve-se seguir as seguintes diretrizes: - É obrigatório manter-se sempre as travessas originais entre os suportes de molas das suspensões traseiras. Portanto, no caso de novas furações nas longarinas, elas se deslocarão com os suportes de molas para o novo local; - A necessidade de mancal de apoio para a árvore de transmissão adicional determinará o local para uma nova travessa;

119

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi
120

- É desejável sempre o quadro de chassi ter uma travessa final de fechamento mais próximo possível das extremidades das longarinas; - A distância entre duas travessas consecutivas em hipótese, alguma poderá ser maior que 1,20 m.

• Árvores de Transmissão
As árvores de transmissão de todos os modelos de caminhões da Ford são de projeto Dana-Spicer. Um conjunto de características técnicas definem a série da junta a ser usada, o diâmetro do tubo, a espessura da parede e o comprimento da árvore. A série da junta é definida em alguns casos por quatro algarismos, agrupados dois, a dois apenas para efeito de tabelamento em ordem de tamanho, porém sem nenhuma expressão de medida dimensional. Frente à necessidade nos alongamentos, algumas árvores de transmissão, podem ser alongadas, trocando-se apenas o(s) tubos(s) e mantendo-se o mesmo número de árvores. Porém, este será o caso, quando as árvores originais forem curtas. No entanto, na maioria dos casos, dependendo também do valor do alongamento, haverá a necessidade de árvores adicionais. Ao realizar um alongamento de uma árvore de transmissão devem ser tomados cuidados com a rotação crítica. A rotação crítica é a rotação onde o eixo entrará em colapso (quebra). Para que não ocorra nenhum acidente grave decorrente do alongamento das árvores de transmissão, a verificação da rotação crítica deverá ser realizada através do cálculo abaixo.

Cálculo da rotação crítica da árvore de transmissão
Rotaçãocrítica = 4,71E6 x 0,75 x D2+d2 L2

Onde: D = Diâmetro maior do tubo em polegadas; d = Diâmetro menor em polegadas; L = Comprimento entre juntas universais tipo traseiro, e ou distância entre junta ao centro de mancal central para árvores dianteiras em polegadas.
Rotaçãomáxima = rotação_máxima_do_motor relação_de_última_marcha

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

A rotação critica calculada com base nas novas dimensões da árvore retrabalhada, deve ser superior no mínimo em 15% à rotação máxima que o veículo submete a árvore de transmissão. Uma observação importante a ser feita, é que uma junta universal, elemento onde é usada a cruzeta, não pode trabalhar alinhada (ângulo da junta universal igual a 0°), porque os roletes dos rolamentos da cruzeta necessitam do ângulo para realizarem o movimento. Os parâmetros tradicionais da indústria automobilística para os ângulos entre árvores contíguas são de 0,5 a 7°. É desejável manter-se ângulos entre 1 à 5°, devido aos efeitos do não homocinetismo da junta universal. Outra característica das juntas universais, é que o movimento circular uniforme recebido da caixa de transmissão, é transformado pela primeira junta universal da árvore em movimento com acelerações e desacelerações senoidais. Com isso, não se deve definir linhas de transmissão com ângulos elevados, e a diferença entre os ângulos das juntas universais de uma mesma linha de transmissão deve ser a menor possível. Se estas acelerações e desacelerações chegassem ao pinhão do eixo traseiro, poderiam provocar: desgastes, quebras por fadiga e ruídos por oscilações dos dentes do pinhão na sua folga entre os dentes da coroa. Para evitar isto, o efeito de uma cruzeta deve ser anulado pela somatória dos efeitos das outras cruzetas, através de defasagem das acelerações, de modo a promover o Homocinetismo do Conjunto. Porém, devido à dificuldade da realização destes cálculos, é solicitado que seja observado o trabalho, sempre que possível, com ângulos baixos, conforme já orientado. E se possível, consultar uma empresa que tenha o conhecimento e condições para a realização desta verificação. Além da complexidade do cálculo do homocinetismo, também a confecção das árvores, exige alta precisão e balanceamento dinâmico com equipamento de extrema sensibilidade. Por estes motivos, aconselhamos os Implementadores a recorrerem a empresas especializadas, que além do cálculo do homocinetismo, já entregam as árvores originais, trocando-lhes os tubos para alterar o comprimento.

• Freios
Os modelos Ford Cargo têm freio a ar comprimido e, portanto, haverá a necessidade de substituição das mangueiras por outras mais compridas. As mangueiras dos sistemas de ar comprimido de todos os caminhões Ford, são de poliamida 12 (satisfazem a norma SAE J844-3B), sendo os de ½ polegada (12 mm para Cargo) e 3/8 polegada (10 mm para Cargo) de parede dupla com trama de poliester, e as de ¼ polegada (6 mm para Cargo) de parede simples, sem trama. Deve-se manter as mesmas conexões originais, e substituir-se apenas as mangueiras originais por outras de mesmas especificações e indicações de cores, mais compridas. Após o trabalho executado, deve-se testar o sistema de freios quanto ao vazamento de ar com o motor funcionando, e à pressão de ar dos tanques no máximo, manter o freio de serviço acionado com a força de “frenagem de pânico” e freio de estacionamento acionado; verificar as conexões quanto ao vazamento de ar com o auxílio de um pincel e solução de sabão em água.

121

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Após o alongamento do entre-eixos, a válvula sensível à carga (LSV) deve ser verificada de acordo com a Tabela de Regulagem, checando os valores do ângulo da haste, através das instruções de Regulagem da Válvula Sensível à Carga, no Capítulo de Sistema de Freios.

• Fiação Elétrica
Em função do alongamento das longarinas, haverá a necessidade de extensão de chicotes. A alteração necessária na fiação elétrica deverá seguir as diretrizes expostas no Capítulo de Sistema Elétrico.

Encurtamento
Também os encurtamentos devem ser evitados, sempre que possível. Antes de realizá-lo, deve-se avaliar outras alternativas, usando outros modelos de caminhão ou outros modelos de carrocerias. Além do custo da alteração, o valor de revenda do caminhão sofrerá alterações. Se o encurtamento for inevitável, deve-se tomar os seguintes cuidados no retrabalho dos componentes do caminhão:

• Retrabalho na Longarina Soldas
O encurtamento das longarinas exigirá solda, normalmente, apenas nas suas extensões traseiras, ou em alguns casos até no entre-eixos. É importante lembrar que um perfil soldado apresentará três fases de material, conforme o esquema abaixo: Material original da longarina -> Zona de transição -> Material do eletrodo de solda -> Zona de transição -> Material original da longarina O material do eletrodo adicionado à longarina, deve ter resistência muito superior ao material original da longarina. Devido a pequena extensão de solda por caminhão, recomendamos utilizar um tipo único de eletrodo para todos os modelos, para evitar enganos. Assim, sugerimos um eletrodo de alto nível de resistência. A escolha do eletrodo e suas características, como diâmetro, amperagem, etc., deve ser feita com o auxílio do seu fornecedor de confiança (os fabricantes de eletrodo e equipamentos de solda oferecem todas as informações técnicas e treinamentos necessários, recorra a eles). As Zonas de Transição são as porções mais críticas das soldas. São constituídas da zona de mistura (solução formada quando em fusão) dos dois materiais: o do eletrodo e o original da longarina, e a zona adjacente, constituída do material original da longarina, que pelo eventual aquecimento excessivo pode ter sua composição alterada (provocando redução de resistência por redução do carbono na liga, recozimento e também crescimento de grão: maior suscetibilidade à fadiga).

122

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Este eventual superaquecimento poderá ser consequência de erros no binômio Amperagem - Velocidade da Solda, portanto, decorrentes do soldador, ou seja, da mão de obra. Sempre que forem executadas soldas elétricas em componentes do chassi e também da carroceria, deve-se, previamente, desligar os terminais da bateria, do + B do alternador e + B de eventuais microprocessadores eletrônicos.

Importante: Quando realizada solda em um veículo com sistema de combustível controlado eletronicamente, deve-se tomar as seguintes precauções: • Desconecte os cabos positivo (+) e negativo (-) da bateria, antes de realizar qualquer serviço de solda no veículo; • Conecte o cabo de terra do equipamento de solda a uma distância máxima de 0,61 metros (2 pés) da parte que está sendo soldada; • Não conecte o cabo de terra do equipamento de solda na placa de arrefecimento do ECM, ou no próprio ECM; • Serviços de solda em um motor ou em componentes montados em um motor não são recomendados, e podem causar danos ao motor ou aos componentes.

Reforços
Sugerimos que todas as soldas executadas nas longarinas sejam reforçadas internamente por cantoneiras (uma superior e outra inferior), ou com perfil “U”. Em ambos os casos, deve-se deixar um espaço de alguns milímetros (2 a 5) entre as abas da longarina e as abas das cantoneiras, ou do “U”.

Solda Cantoneira superior

Duas fileiras de rebites

45°

Cantoneira inferior

Instalação das cantoneiras rebitadas na alma

Figura 14 - Instalação das cantoneiras rebitadas na alma

123

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Vista do topo ampliada

60

15°

mín 30

80

30° 800 mín. Cantoneiras de reforço

13 mín

6

Medidas em milímetros Desenho fora de escala

Figura 15 - Cantoneiras de reforço Observações a respeito das Cantoneiras de Reforço: - Antes da instalação dos reforços, esmerilhar as soldas da longarina até ficarem planas com a superfície de contacto com os reforços, remover a tinta queimada e proteger a área com fundo anticorrosivo de alta aderência e tinta de acabamento; - Espessura das cantoneiras de aproximadamente 6 mm; - Perfil “L” de chapa de aço dobrado à 90º, com raio mínimo de 13 milímetros (preferivelmente raio de curvatura igual ao da longarina). Não usar perfil laminado comercial; Atenção: Fixação só e exclusivamente na alma da longarina. Nunca furar as abas das longarinas. - De preferência, fixar com rebites a frio. Eventual alternativa: parafusos cravo ou parafusos de alta resistência (grau 8, norma SAE J-429 ou 10.9 norma ISO), com arruelas cônicas de aço temperado, com porcas autotravantes (autofrenantes) ou puncionadas após torqueadas; - Não recomendamos fixação por solda, porém, se por motivo imprevisível for realizada, deverá ser executada na borda da aba vertical da cantoneira à alma da longarina, em trechos de 40 a 50 mm intercalados por trechos iguais sem solda (as extremidades não devem ser soldados à longarina), e também preenchidos com solda os furos da fileira mais próxima à dobra da cantoneira, porém com velocidade de solda maior, para evitar o superaquecimento da longarina.

124

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

É preferível o reforço com perfil “U” com as seguintes características:

Vista do topo ampliada 60

60

15° Raio 13 mín

H
30

30

800 mín. Reforço “U”

Medidas em milímetros Desenho fora de escala

Figura 16 - Reforço “U” As mesmas observações a respeito das cantoneiras de reforço devem ser observadas para os reforços em “U”. A altura “H” do pefil “U” deve ser 4 a 8 milímetros menor que a distância interna entre as abas do perfil “U” da longarina do quadro do chassi do caminhão. Portanto, os reforços montados nas longarinas ficarão com o seguinte aspecto:

Reforço com cantoneiras

Reforço com perfil “U”

Figura 17 - Reforços na longarina

Comprimento das Longarinas
A legislação em vigor referente ao parachoque traseiro dos caminhões já encarroçados, é a Resolução 152, de 29 de outubro de 2003 do CONTRAN, cujo conteúdo técnico apresenta itens relevantes para o alongamento / encurtamento do entre-eixos. Em vista dos Alongamentos da distância entre-eixos exigirem o retrabalho das longarinas, é conveniente planejar-se os novos comprimentos das longarinas de modo a possibilitarem a instalação do parachoque traseiro, sem necessidade de novos alongamentos posteriores.

125

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Furações nas Longarinas
As furações adicionais nas longarinas só devem ser executadas quando realmente necessárias, e somente na alma da longarina, tomando-se os seguintes cuidados: - Diâmetro máximo do furo: 16 mm (5/8 de polegada); - Distância mínima de 32 mm (1 ¼ de polegada) entre a borda do furo e a face superior da aba da longarina; - Distância mínima entre as bordas de furos vizinhos: 50 mm (2 polegadas).

Aba da longarina 32 mín.

Alma da longarina

máx. 16

50 mín.

50 mín.

Unidade: mm Ilustração fora da escala
Figura 18 - Distância entre os furos Obs: Se for descoberto algum furo na aba da longarina, de origem desconhecida, este deve ser preenchido com rebite a frio, com certeza de total preenchimento e pressão do material contra as bordas do furo, ou por parafuso cravo com interferência.

126

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Linha Cargo
Como estes modelos possuem longarinas retas de seção constante, qualquer encurtamento só deve ser executado obrigatoriamente por deslocamento das suspensões traseiras, em conjunto com as travessas entre os seus suportes, por novas furações nas longarinas. Jamais haverá necessidade, nem justificativa para o corte e solda no trecho entre-eixos. Nunca cortar o balanço traseiro (porção da longarina atrás do eixo traseiro), antes de analisar o seu comprimento frente às necessidades para fixação do parachoque traseiro, conforme Resolução 152, de 29 de outubro de 2003 do CONTRAN, cujo conteúdo técnico apresenta itens relevantes para o alongamento / encurtamento do entre-eixos.

• Travessas do Chassi
Nos encurtamentos haverá também a necessidade de uma reavaliação prévia, pois as travessas entre os suportes das molas serão deslocados mais para frente. Deve-se seguir as seguintes diretrizes: - É obrigatório manter-se sempre as travessas originais entre os suportes de molas das suspensões traseiras. Portanto, no caso de novas furações nas longarinas, elas irão juntas com os suportes de molas para o novo local; - A necessidade de mancal de apoio para a árvore de transmissão adicional, determinará o local para uma nova travessa; - É desejável sempre o quadro de chassi ter uma travessa final de fechamento mais próxima possível das extremidades das longarinas; - A distância entre duas travessas consecutivas, em hipótese alguma poderá ser maior que 1,20 m.

• Árvores de Transmissão
Com o encurtamento do entre-eixos, haverá também a necessidade de redução do comprimento de uma ou mais árvores de transmissão, dependendo do valor dimensional do encurtamento. Eventualmente, poderá haver a necessidade de eliminação de uma das árvores. Por este motivo, aconselhamos os Implementadores a recorrerem a empresas especializadas no mercado, para o estudo do novo conjunto de árvore de transmissão.

127

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi
128

• Freios
Nos encurtamentos, as modificações nos sistemas de freios é mais simples, pois haverá apenas a necessidade de reduzir o comprimento dos tubos hidráulicos ou das mangueiras dos sistemas de ar comprimido. Além disso, a válvula sensível à carga (LSV) deve ser verificada de acordo com a Tabela de Regulagem, checando os valores do ângulo da haste, através das instruções de Regulagem da Válvula Sensível à Carga, no Capítulo de Sistema de Freios.

• Fiação Elétrica
Em função do encurtamento do chassi, haverá a necessidade de redução de chicotes. A alteração necessária na fiação elétrica, deverá seguir as diretrizes expostas no Capítulo de Sistema Elétrico.

Instalação de Terceiro Eixo
A instalação do 3º eixo, transforma o caminhão original de fábrica de configuração 4x2 em 6x2. As diferenças de operação dos caminhões, devem ser levadas em conta nos projetos dos modelos de 3º eixo e reforços pelo Implementador. A instalação do 3º eixo auxiliar tipo balancim, ou seja, com elemento de interligação (balança) das suspensões do eixo motriz original do caminhão e a suspensão do 3º eixo adicionado, aumenta a capacidade de carga sobre o chassi do caminhão. Conforme visto no Capítulo de Legislação, com a instalação do 3º eixo tipo balancim com rodas duplas (4 pneus) e distância de 1,20 m a 2,40 m entre os eixos traseiros anterior e posterior, a lei permite o máximo de 17 toneladas de peso distribuído entre estes dois eixos. E a diferença máxima permitida, na incidência de peso entre os dois eixos, é de 1,7 toneladas. Outra regulamentação notória, é o Decreto Lei 88.686, de 06 de setembro de 1983, muito importante para a segurança do próprio veículo e, também quanto a terceiros, é a obrigatoriedade de no mínimo 15% do PBT do veículo incidir sobre o eixo dianteiro. O aumento da capacidade de peso no conjunto traseiro, por exemplo de 10 toneladas para o novo valor de 17 toneladas, com a instalação do 3º eixo, não é totalmente revertido para 7 toneladas de carga a mais. Deste valor, deve ser substituído o peso do conjunto de 3º eixo e dos reforços necessários ao chassi. O peso adicionado ao caminhão com a adaptação do 3º eixo é variável para cada projeto. Os projetos para uso em caminhões estradeiros, normalmente são mais leves e para os fora de estrada, mais pesados.

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Recomendamos aos Implementadores, após a instalação do seu 3º eixo em cada modelo de caminhão, medir com precisão, o Peso Total em Ordem de Marcha, o peso incidente nos pneus dianteiros e o peso incidente nos pneus traseiros, antes da instalação da carroceria, para obter esta informação de muita importância para o cliente. Lembramos que esta pesagem (peso em ordem de marcha), refere-se ao tanque de combustível cheio, ferramentas e macaco nos seus lugares, roda(s) sobressalente(s) instalada(s) com o(s) respectivo(s) suporte(s), porém sem motorista. Apenas para referência, podemos informar que a adaptação de 3º eixo balancim, mantendo-se o entre-eixo original e incluindo o alongamento de longarinas, respectivos reforços e parachoque traseiro, conforme Resolução 152, de 29 de outubro de 2003 do CONTRAN, completo com rodas e pneus, adiciona ao peso dos caminhões cerca de 1.700 kgf. Este aumento de peso concentra-se totalmente sobre o conjunto dos eixos traseiros, pois o peso dos reforços das longarinas, mais longos para frente dos eixos traseiros é compensado pelo peso do parachoque traseiro e suas estruturas. Deve-se levar em conta que estes 1.700 kgf podem variar pelo menos 10% para mais ou menos, em função das variações dos projetos e também das distâncias entre-eixos dos modelos de caminhões. Portanto, esta estimativa deve ser substituída pelo valor efetivamente determinado por pesagem do produto no Implementador. Tanto no projeto como na operação, sempre deve ser respeitada a capacidade de carga do eixo trativo do veículo. Os projetos de 3º eixo auxiliar tipo balancim devem levar em conta os seguintes itens:

• Atitude do Caminhão
Esta característica do caminhão é definida pelas medidas da superfície superior das longarinas ao solo, nas verticais dos centros dos eixo dianteiro e do eixo traseiro. Deve-se considerar estas medidas com o chassi/cabine nas condições: em ordem de marcha e com peso bruto total. E estas medidas devem permanecer iguais antes e após a instalação do 3º eixo. A não obediência a este quesito, poderá prejudicar a estabilidade do caminhão e também a dirigibilidade do caminhão, por alterar os ângulos da geometria de direção.

• Conceito de Barras Tensoras
Os eixos auxiliares tipo balancim exigem a localização dos eixos trativo e morto através de barras tensoras.

129

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Estas barras tensoras, devem sempre trabalhar à tração, quando as rodas sofrem esforços com o impacto contra obstáculos do solo. Ou seja, os tensores localizadores do eixo trativo do caminhão devem acoplar- se ao suporte dianteiro da mola deste eixo, e não ao suporte do balancim. Se a barra tensora do eixo trativo for acoplada ao suporte do balancim, ou seja, trabalhando a compressão frente ao impacto da roda nos obstáculos do solo, devido a sua inclinação em relação à horizontal, ela funciona como a vara para o salto em altura do esportista, quando o pneus recebe um esforço para trás por obstáculos no solo, projetando a carroceria e a carga para cima. Isto torna o caminhão desconfortável por elevações consecutivas da carroceria, de um lado e do outro, e eventuais “rabeamentos” em obstáculos menores e até com perigo de tombamento em obstáculos maiores. Também as frenagens sofrem um desequilíbrio entre os eixos, por superaderência das rodas do eixo trativo e bloqueio prematuro das rodas do 3º eixo. Este efeito seria minimizado se os tensores, trabalhando à compressão, fossem colocados na horizontal (no nível), evitando inclinação em relação ao solo, como instalação em suspensões tipo Tandem. Para o 3º eixo com tensores instalados para frente, trabalhando à tração, pode-se evitar eventuais interferências com as câmaras de freio, através de duas possibilidades: Acoplar os tensores ao eixo, com suporte localizado entre o feixe de molas e a carcaça do eixo, ao invés de placa abaixo do eixo; Girar a placa suporte das sapatas do freio, na sua fixação à carcaça do eixo (12 furos de fixação, com 11 parafusos), em 180º no sentido anti-horário, menos um furo (ou seja, girar apenas 5 furos = 150º). Assim, as câmaras do eixo trativo passarão da frente para trás do eixo. Porém, em hipótese alguma, passar o conjunto freio do lado direito do eixo para o lado esquerdo e vice-versa.

Eixo trativo

Eixo auxiliar

Eixo trativo

Eixo auxiliar

Construção não recomendada

Conceito correto de tensores

Figura 20 - Barras tensoras

130

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Posição do Eixo Motriz
Caso seja mantido o mesmo entre-eixos (distância do centro do eixo dianteiro ao centro do eixo motriz) do caminhão, o eixo-motriz deverá ficar rigorosamente na mesma posição original. Ele não poderá sofrer nenhuma translação (deslocamento para frente ou para trás), sob pena do entalhado da árvore de transmissão ficar em cobertura suficiente para o trabalho, ou alcançar o seu fim de curso de fechamento (ambos são destrutivos) nem perder o perpendicularismo em relação às longarinas (o caminhão ficaria andando de lado, causando acidentes por esbarrões laterais), e também o ângulo do pinhão em relação às abas das longarinas, não pode ser alterado, pois do contrário, não satisfaria mais o homocinetismo do conjunto das árvores de transmissão com conseqüências no ruído, desgaste dos dentes e até quebra por fadiga no eixo traseiro motriz.

• Terceiro Eixo O eixo a ser, instalado deve seguir os seguintes requisitos:
- Deve ser obrigatoriamente homologado pelo INMETRO; - Deve aceitar as mesmas rodas dos eixos originais do caminhão: mesmo diâmetro dos parafusos de fixação das rodas, mesmo diâmetro de disposição das porcas de fixação, mesmo diâmetro do furo central guia de centralização das rodas; - As rodas e pneus originais do caminhão instalados no eixo, devem apresentar a mesma bitola do eixo trativo, e as faces laterais dos pneus também devem estar alinhados; - Os componentes dos freios instalados no eixo, devem ser idênticos aos freios do eixo motriz. Mesmo diâmetro de tambor, dimensões das lonas, tipo do material de atrito, perfil do “S” de acionamento, câmaras obrigatoriamente duplas (com “Spring Brake”) e idênticas dimensões, mesmo tipo e comprimento de alavanca.

• Longarinas do Chassi
As longarinas de todos os caminhões Ford passíveis de adaptação de 3º eixo são planas, retas e de secção constante. Isto facilita bastante o trabalho dos Implementadores. Se for mantida a mesma distância entre-eixos original do caminhão, as longarinas terão comprimento suficiente para as fixações das suspensões do 3º eixo, e haverá apenas a necessidade de alongamento das extremidades traseiras das longarinas, para suportar a porção traseira da carroceria e a instalação do parachoque traseiro, conforme Resolução 152, de 29 de outubro de 2003 do CONTRAN. Este alongamento pode ser feito por solda à 90º, observando-se os cuidados com a solda.

131

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Importante: Em toda e qualquer instalação de 3º eixo auxiliar, é obrigatório o reforço das longarinas com perfil “L” invertido ou perfil “U”, conforme esquema:

Reforço “L” invertido

Reforço “U”

Figura 21- Reforços - Material do reforço: igual ao da longarina original; - Espessura da chapa do reforço: 6 mm ou mais, conforme a destinação do caminhão; - Abas superiores encostadas; - Fixação do reforço da alma da longarina por rebites a frio ou parafusos “cravo”. Também as fixações das travessas, suportes de molas, etc., deverão atravessar os reforços; - Os reforços devem estender-se do suporte traseiro da mola dianteira (algema), até o fim da longarina (fixação do parachoque traseiro); - A ponta dianteira do reforço deve ser cortada à 45° (e tangenciar o suporte traseiro da mola dianteira), conforme esquema abaixo:

Longarina

Reforço

Figura 22 - Ponta dianteira do reforço Caso haja necessidade de mudança da distância entre-eixos, esta operação deve ser realizada conforme orientações do item - Alteração da distância entre-eixos-exceto a adição de reforços que não serão necessários, antes da colocação dos reforços das longarinas.

132

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Travessas do Chassi
Quando houver instalação de 3º eixo, sempre haverá a necessidade de revisão da quantidade e localização das travessas. Deve-se seguir à risca as diretrizes expostas no item Travessas do Chassi. Deve-se ficar bem claro que á absolutamente mandatório travessas entre suportes dianteiros das molas do eixo motriz, suportes dos balancins e suportes traseiros das molas do eixo auxiliar. É também conveniente uma travessa entre as extensões inferiores dos suportes dos balancins, na porção abaixo das longarinas.

• Montagem de Componentes
Os reforços das longarinas, travessas, suportes das molas, suportes do balancim, etc., devem ser fixados às longarinas preferivelmente a frio. Caso não haja esta possibilidade, pode-se usar como alternativa, parafusos de corpo estriado (ou recartilhado), instalados com interferência nos furos de todas as peças (2 ou mais) que estiverem por ela sendo unidas. São conhecidos no mercado como “parafuso-cravo” e, após sua instalação, devem receber uma arruela cônica de aço e porca autofrenante, ou travada por puncionamento, após apertada ao torque especificado. Alguns componentes poderão necessitar de parafusos normais para a sua fixação. Neste caso, deve-se usar parafusos da classe ISO 10,9 (ou SAE J-429 frau 8), com cabeça flangeada, instalada de modo que o corpo sólido do parafuso (sem rosca) preencha os furos das peças, conforme esquema:

Arruela cônica de aço

Cabeça flangeada Corpo sólido sem rosca

Porca auto-frenante (também conhecido como autotravante) ou puncionado
Figura 23 - Montagem dos componentes

133

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi
134

• Árvores de Transmissão
Se a instalação do 3º eixo for realizada sem alteração da distância entre-eixos, não haverá nenhuma alteração a ser feita nas árvores de transmissão, e deve-se observar se o eixo motriz está rigorosamente na mesma posição original. Porém, se houver alteração da distância entre-eixos simultaneamente com a instalação do 3º eixo, será necessário seguir as instruções do item 10.4 - Alteração da distância entre-eixos.

• Freios
Para a instalação do 3º eixo, o freio deve seguir obrigatoriamente as seguintes diretrizes: - Os tambores de freio, dimensões das sapatas e lonas, tipo de material de atrito, perfil do “S” Came de acionamento, comprimento e tipo (manual ou automática) da alavanca e dimensões das câmaras devem, ser idênticas as do eixo trativo do caminhão. - É obrigatória a instalação de Câmaras Duplas (Spring Brake) idênticas às aos originais do eixo trativo, também no 3º eixo; - Instalar Tanque de ar adicional (só para o freio do 3º eixo), deve-se verificar normas de tempo de enchimento - CONTRAN; - O comando do freio de serviço para o 3º eixo deve ser tirado da válvula do eixo trativo do caminhão, conforme Capítulo de Circuitos; - O circuito de freio deve ser atualizado conforme orienta o Capítulo de Circuitos, considerando o tipo de suspensão adotada e a instalação de uma válvula “double-check” com “quick-release” incorporada; - Com a instalação do 3º eixo, a regulagem da LSV deverá ser feita, preferencialmente com o acompanhamento da assistência técnica do fornecedor da LSV, visto que com as alterações de suspensão e carregamento, talvez seja necessária a troca da válvula ou de seus componentes a fim de garantir a máxima eficiência do freio para o veículo carregado, e o corte de pressão necessário para evitar o travamento dos pneus / rodas com o veículo vazio. É importante ressaltar que o veículo foi homologado considerando a configuração de fábrica, e que tais modificações no sistema de freios são responsabilidade do usuário. Nota: É necessário atender à norma ABNT NBR 14354 - Veículos rodoviários - Distribuição de frenagem entre os eixos veiculares e requisitos para compatibilidade entre veículos rebocadores e reboques, que garante a correta distribuição de frenagem entre o eixo dianteiro e traseiro, evitando o travamento do freio traseiro.

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Fiação Elétrica
Quando instalado o 3º eixo, o chicote elétrico responsável pela iluminação traseira ficará curto, em função do alongamento das longarinas. A alteração necessária deverá seguir as diretrizes expostas no Capítulo de Sistema Elétrico.

• Rodas
Com a alteração de 4x2 para 6x2, haverá a necessidade da adição de 4 rodas para o 3º eixo. Estas rodas deverão ser idênticas às rodas originais do caminhão. Alertamos para o fato de rodas aparentemente iguais, com mesmas janelas de ventilação, mesmo diâmetro do círculo de porcas e mesmo furo central (portanto, dando montagem e com a mesma aparência), podem ter espaçamento diferente, e portanto, ficarão desalinhadas em relação às rodas do eixo motriz. A figura abaixo esquematiza esta medida do semiespaçamento:

Disco de roda

“IN-SET”

do aro

Aro

Pneu

do aro

Semi-espaçamento ou “OFF-SET”

“IN-SET” + espessura da chapa do disco = “OFF-SET” ou semi-espaçamento

Figura 24 - Medidas do semi-espaçamento

135

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Quinta-roda
O caminhão trator e semirreboque é definido como duas unidades, formando um veículo articulado por acoplamento mecânico, constituído de uma quinta-roda (placa plana com função de receber carga, dar liberdade de giro e tracionar), instalada no caminhão trator, e um pino-rei instalado na face inferior do semirreboque. A Norma ISO 1726 especifica características dimensionais no sentido de garantir intercambiabilidade entre um caminhão trator e um semirreboque acoplado, ambos constituindo um veículo articulado. Segundo o padrão ISO, um caminhão para ter uma boa manobrabilidade deverá atender as dimensões de intercambiabilidade entre o conjunto caminhão trator e semirreboque.

Dimensões de Intercambiabilidade • Altura da Quinta-Roda de Caminhão Trator com Carga
A altura h da quinta-roda em um caminhão trator, carregado acima do plano de referência do piso, deve ficar no limite de 1.150 a 1.300 mm. Para caminhões tratores projetados para tracionar semirreboque com alta cubagem, ou seja, caminhão com carga volumosa, adaptado a conteiners ISO com altura externa de 2,9 m, a altura h, acima do plano de referência do piso da quinta-roda de um caminhão trator com carga, deve estar entre 1.025 a 1.100 mm.

Plano de referência
h

Figura 25- Altura da quinta-roda

• Altura da Quinta-Roda de Caminhão Trator Desacoplado
A altura h acima do plano de referência do piso da quinta-roda de um caminhão trator desacoplado, não deve exceder 1.400 mm. Para caminhões tratores projetados para tracionar semirreboque com alta cubagem, adaptado a conteiners ISO com altura externa de 2,9 m, a altura h, acima do plano de referência do piso da quinta-roda de um caminhão trator sem carga, não deve exceder 1.150 mm.

136

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Raio de Giro Frontal do Semirreboque
O raio de giro frontal do semirreboque, d, não deve exceder a 2.040 mm.

6° L4

1 x 250

w

w2

x

r3

d

Figura 26 - Espaço livre entre caminhão trator e semirreboque

137

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Contorno da Transição do Pescoço
Para garantir intercambiabilidade entre um caminhão-trator e um semirreboque acoplado, ambos constituindo um veículo articulado, são especificadas certas dimensões de intercambiabilidade, incluindo as de contorno da transição do pescoço, assim como dimensões operacionais relativas a valores de ângulos. Essas especificações permitem que o mesmo semirreboque possa ser tracionado por caminhão trator de dois ou três eixos. Os valores adotados são:

Figura 27 - Contorno de transição do pescoço

Dimensões Operacionais • Ângulo de Inclinação do Semirreboque em Relação ao Caminhão Trator
O caminhão trator deve ser construído de modo que os componentes do caminhão trator e semirreboque, exceto os elementos que constituem a articulação, não tenham contato quando o veículo articulado estiver trafegando em linha reta, e quando o ângulo de inclinação do semirreboque relativo ao caminhão não exceder os seguintes valores: w1 = 6º inclinação para frente; w2 = 7º inclinação para trás.

138

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Inclinação Lateral
Quando o reboque se encontrar com inclinação lateral, d , com ângulo máximo de 3º relativo ao chassi do caminhão trator, não pode haver nenhum contato entre o chassi do caminhão trator e o semirreboque. d = 3º (máximo)

Figura 28 - Inclinação Lateral

• Ângulo de Articulação
O ângulo de articulação j, é a projeção do ângulo entre o eixo longitudinal do caminhão trator e o semirreboque no plano horizontal. A articulação do veículo deve ser tal que não haja nenhum contato entre o semirreboque e os pneus, ou entre o parachoque e o parabarro do caminhão trator, levando-se em conta o valor máximo w2 = 7° para todos os ângulos j acima de 25°, para ambos os caminhões tratores de dois ou três eixos. Sob condições de manobra, o ângulo de articulação j deve ser capaz de atingir aos 90°, com o ângulo de inclinação w2 variando de 3 a 7°, com variação de j 25 a 90°.

139

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

• Folga entre Caminhão Trator e Semirreboque
A folga entre o caminhão trator e o Semirreboque é medida através: - A distância entre a parte traseira do rebaixo do Semirreboque e a parte traseira do caminhão trator, l3, para r3 = 2.300 mm, deve ter no mínimo 100 mm. - A distância entre a cabine e o Semirreboque, l4, deve ter no mínimo 80 mm, em uma altura de 250 mm acima da base de acoplamento da quinta-roda. Nota: Estes são alguns itens da norma. Para analisar o texto na íntegra, consulte a norma NBR NM ISO 1726:2003.

Deslocamento da Quinta-Roda
Opcionalmente a quinta roda poderá ser deslocada de sua posição original, soltando-se os parafusos de fixação e deslocando-se a quinta roda para frente ou para trás até coincidir com a furação correspondente. Recoloque os parafusos de fixação. Ao trafegar acoplado com semirreboque, remova os paralamas centrais das rodas traseiras.

Figura 29 - Deslocamento da quinta-roda

140

9 - Alterações / Instalações no Quadro do Chassi

Sistema de combustível Posicionamento do filtro separador de água do combustível
O filtro separador de água de combustível deve estar entre o nível máximo do tanque de combustível e os injetores de combustível do motor, sempre que o tanque estiver posicionado abaixo destes; A montagem do filtro a uma altura superior a do motor está atrelada à adição de um sistema para retirar ou reter o ar da linha.

Linhas de combustível
As linhas de combustível não podem ser danificadas com a movimentação do motor nos coxins; As linhas de combustível devem ser mantidas protegidas de avarias durante a operação do veículo; O roteiro das linhas deve ser o mais direto possível, evitando raios e “barrigas” desnecessárias que podem acumular água; A linha de retorno de combustível deve ser instalada de modo a evitar aquecimento e aeração do combustível que está retornando ao tanque; O material das linhas de combustível deve ser o PA 12 (conforme especificação do combustível atual).

141

10 - Carrocerias

Carga Seca
As carrocerias tipo Carga Seca, muitas vezes chamada também de carroceria aberta, são as carrocerias tradicionais de madeira, hoje também com versões em chapa de aço e em alumínio. É a carroceria mais comum e de uso mais genérico, dentre todos os tipos de carrocerias.

Figura 1 - Carroceria carga seca

Fixações
As carrocerias carga seca de madeira, tendo duas vigas de madeira como base estrutural, devem ser fixadas às longarinas do caminhão por grampos “U”, com as porcas para o lado de cima, para evitar danos às roscas, causados pelas pedras lançadas pelos pneus. Devem ser providas de calço e espaçadores. Nas carrocerias metálicas ou mistas, com vidas metálicas, pode-se usar também placas de fixação ou talas, com isoladores de elastômero, plástico flexível ou pintura antiderrapante entre a viga e a longarina do caminhão. Em carrocerias tipo militar ou para uso fora de estrada, recomendamos talas ou placas junto ao eixo traseiro e coxins elásticos, ou com molas nas extremidades dianteiras das vigas.

Controle de Flexibilidade
As carrocerias com mais de 5 m de comprimento, apresentam flexibilidade excessiva das vigas, não coerente com a flexibilidade das longarinas do caminhão. Por este motivo, devem ser dotados de tensores de aço (um par por cada viga) para o controle desta flexibilidade excessiva.

142

10 - Carrocerias

As carrocerias para caminhões com 3º eixo devem ter dois pares de tensores por cada viga, devido aos seus comprimentos e cargas maiores. No entanto, é muito importante que os tensores sejam regulados para manter as vigas apenas retas, nunca com flecha negativa, ou seja, curvando as vigas para cima. Isto causaria prejuízo à tração, desequilíbrio nas frenagens, interferência na estabilidade e ilegalidade quanto a altura do parachoque traseiro.

Furgão
Qualquer carroceria fechada, com laterais, teto e portas vedadas é chamada Carroceria Furgão. A sua principal característica é proteger a carga, além de reduzir o tempo de carga, por não exigir alinhamentos precisos e amarrações com cordas e lonas.

Figura 2 - Carroceria Furgão

Fixações
Todos os furgões, sejam metálicos ou de fibra de vidro, são construídos sobre duas vigas de aço em perfil “U”. Por este motivo, o método de fixação nas longarinas do caminhão deve ser o das placas ou talas de fixação.

143

10 - Carrocerias

Basculantes
Para a construção e montagem de carrocerias tipo basculante, deve-se considerar as dimensões do veículo e equipamento, observando-se sempre a distribuição de carga por eixo, a fim de que não excedam as especificações do fabricante. A capacidade de carga para as carrocerias basculantes são classificadas pelo seu volume (metros cúbicos). Portanto, ao considerar uma caçamba basculante, devemos sempre definir o material que será por ela transportado.

Figura 3 - Carroceria basculante

Fixação O sobre quadro instalado pelo Beneficiador, servindo de base para o basculamento da caçamba, apresenta flexibilidade semelhante ao quadro de chassi do caminhão. Por este motivo, as fixações podem ser por grampos “U” e uma placa (ou tala) adicional, normalmente na parte traseira das vigas do sobrequadro, para garantir a exata localização da caçamba basculante no chassi do caminhão (garantia do centro de gravidade no local correto). Nesta fixação por grampos, recomendamos o uso de isoladores de madeira de lei, elastômero ou plástico flexível.
Como alternativa, podem ser usadas só placas (ou talas). Neste caso, não recomendamos isoladores de madeira, apenas os elastômeros, plástico flexível ou pintura antiderrapante.

144

10 - Carrocerias

Tanque
As carrocerias Tanque são destinadas ao transporte de líquidos com pesos específicos distintos.

Figura 4 - Carroceria tanque

Fixação
Os tanques têm a sua estrutura rígida, pouco flexível. Por este motivo, sua fixação ao chassi do caminhão deve permitir uma certa liberdade de movimentação. Se a fixação entre o tanque e as longarinas fosse rígida (grampos ou talas em toda extensão), teríamos dois problemas: o chassi do caminhão ficaria enrigecido com prejuízo para a tração, a estabilidade, a distribuição de esforços e equilíbrio nas frenagens, e o tanque teria a sua estrutura submetida a esforços do chassi na tentativa de flexão, que poderiam provocar rachaduras e vazamentos. Assim, sugerimos que a estrutura do tanque seja fixada na região do(s) eixos(s) traseiro(s) por placas ou talas, e nas regiões dianteiras e traseiras por consoles elásticos ou molas.

Placas de Avisos
No caso da carroceria Tanque, existe também legislação específica quanto a quantidade, dimensões, localização e códigos das placas indicativas e informativas da substância transportada.

Segurança Para carroceria Tanque, os tanques de compartimento único (sem divisões estanques), não podem viajar com volume parcial de líquido (1/2 tanque, por exemplo), pois nas subidas, o líquido escorreria para a traseira do tanque e o caminhão ficaria com as rodas dianteiras no ar, e o parachoque traseiro apoiado no solo. Nas frenagens, haveria um impacto da onda de líquido contra a face dianteira do tanque, pela inércia da massa líquida, e também grande sobrecarga no eixo dianteiro. Também nas curvas, o líquido escoaria para o lado externo à curva, com possibilidade de tombar o caminhão.

145

11 - Sistema elétrico
146

Normas de segurança e proteção - Medidas de prevenção
• Ao trabalhar no sistema elétrico, desconectar o polo negativo da bateria (massa); • Para chicotes na cabine, é mandatório o uso de cabos conforme especificação Ford WSS-M22P7-A2 (105ºC); para chicotes externos é mandatório o uso de cabos conforme especificação Ford WSK-1ª348-A4 (150ºC) • Módulos eletrônicos que estão na cabine podem sofrer danos, se não forem desconectados quando submetidos à excessiva temperatura, como ocorre, por exemplo, na secagem de pintura das cabines. Nestes casos, é necessária a retirada do módulo e seu correto armazenamento (lugar seco), podendo acarretar em perda da garantia do componente, devido ao seu mau uso; • Nunca realizar trabalhos de soldas elétricas próximo a sensores, atuadores, módulos, chicotes elétricos, etc; • Não realizar solda no veículo sem desconectar os cabos de bateria e do alternador, tampouco realizá-las com os módulos conectados; • Os conectores dos módulos eletrônicos não devem ser conectados ou desconectados com a bateria conectada, tampouco devem ser utilizadas quaisquer tipos de ferramentas para a remoção dos mesmos. Estas conexões e desconexões devem ser realizadas manualmente, segurando sempre o conector; • Não aplicar jatos de água pressurizados sobre o módulo do motor, ou quaisquer outros que se encontrem instalados na parte externa do veículo; • Exceto procedimento de instalação específico aprovado pela Ford, nunca realizar derivações (compartilhamento de circuitos) nos chicotes ou instalação de chicotes elétricos adicionais;

Fusíveis e Relés
Cargo 8 ton (12V) Posicionada sob o porta-luvas, a central elétrica contém fusíveis identificados pela gravação de seus símbolos na tampa plástica e por sua cor, peculiar a cada capacidade. Para acessar a central elétrica, deve-se soltar os dois parafusos de engate rápido da tampa plástica. Cargo 13 ton e acima (24V) Posicionada no lado direito do painel de instrumentos, acima do porta luvas, a central elétrica contém fusíveis identificados por letras e números na etiqueta colada sob sua tampa, bem como pela sua cor peculiar a cada capacidade. Para acessar a central elétrica, deve-se removar a tampa acima do porta luvas. Nota-se visualmente que um fusível está queimado pelo elemento interno rompido. A capacidade de corrente de cada fusível é identificada pela cor. Na substituição do fusível, deve-se utilizar sempre um outro do mesmo tipo (ação rápida ou lenta), capacidade de corrente (cor) e fabricante)

11 - Sistema elétrico

Se um fusível se rompe com frequência, deve-se primeiramente localizar a falha, depois efetuar a subtituição do fusível.

Identificação dos fusíveis
Fusíveis de ação rápida (mini-fuse) Cor Violeta Bronze Marrom Vermelho Azul Amarelo Transparente Verde Capacidade de correntes (A) 3 5 7,5 10 15 20 25 30 Azul Violeta Verde Amarelo Fusíveis de ação lenta (J-case) Cor Capacidade de correntes (A) 20 30 40 60

Veículos com bateria 24V

Figura 1 - Tabela de fusíveis e relés - 24V

147

11 - Sistema elétrico

Fusíveis - Bateria 24V
Posição J1 J2 J3 J4 J5 J6 J7 J8 J9 J10 J11 J12 J13 J14 J15 J16 20A Capacidade 40A 40A 20A 40A 40A 40A 40A 30A 20A Descrição Relé de ignição = > F37 / 39 / 41 / 43 / - F05 / 09 / 71 F19 / 21 / 23 F64 / 66 / 68 / 70 = > Interruptor de ignição = > F34 / F36 Interruptor principal das luzes = > F28 / 30 / 32 / 34 / 36. F75 = > F38 / 40 Relé do farol alto = > F42 / 44 - F50 / 58 / 60 / 62 - F82 F51 / 53 = > Voltagem do conversor = > F29 / 31 - F33 - 35 - F76 F46 / 48 / 50 F55 / 57 / 59 / 61 Módulo de conforto Acendedor de cigarros Livre Tomada de força Livre Livre Livre Livre Livre

148

11 - Sistema elétrico

Posição F01 F02 F03 F04 F05 F06 F07 F08 F09 F10 F11 F12 F13 F14 F15 F16 F17 F18 F19 F20 F21 F22 F23 F24 F25 F26 F27 F28

Capacidade Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre 3A

Descrição

Interruptor de recirculação do condicionador de ar / ventilador / relé do condicionador de ar Livre Interruptor do freio motor / piloto automático / PTO Interruptor de 2 velocidades do eixo traseiro Livre Espelho elétrico / módulo do conversor de voltagem Módulo de conforto Livre Livre Livre Livre

3A

3A

3A

Iluminação interruptores / tacógrafo

149

11 - Sistema elétrico

Posição F26 F27 F28 F29 F30 F31 F32 F33 F34 F35 F36 F37 F38 F39 F40 F41 F42 F43 F44 F45 F46 F47 F48 F49 F50 F51

Capacidade Livre Livre 3A 3A 3A 15A 7,5A 10A 7,5A 10A 5A 5A 5A 3A 5A 15A 5A 20A 5A Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre

Descrição

Interruptor de recirculação do condicionador de ar / ventilador / relé do condicionador de ar Livre Interruptor do freio motor / piloto automático / PTO Interruptor de 2 velocidades do eixo traseiro Livre Espelho elétrico / módulo do conversor de voltagem Módulo de conforto Livre Livre Livre

20A

5A

15A 10A

150

11 - Sistema elétrico

Posição F52 F53 F54 F55 F56 F57 F58 F59 F60 F61 F62 F63 F64 F65 F66 F67 F68 F69 F70 F71 F72 F73 F74 F75 F76 F77 F78 F79

Capacidade Livre 20A 15A 15A 15A 3A 10A 7,5A 10A 5A 25A 7,5A 7,5A 3A 3A 20A 3A Conversor de voltagem Livre

Descrição

Relé da luz de marcha à ré Relé da luz de estacionamento Relé da luz de freio do reboque e semirreboque Interruptor do pedal do freio / interruptor da luz de freio do reboque e semirreboque Relé auxiliar do sinalizador de direção do reboque e semirreboque, LE Buzina Relé auxiliar do sinalizador de direção do reboque e semirreboque, LD Módulo do sistema de localização e bloqueio Livre ECM - Módulo do Controle Eletrônico do Motor Módulo de transmissão sincronizada Módulo de transmissão sincronizada Livre Grupo de instrumentos / tacógrafo Interruptor de levantamento do eixo traseiro (6x2) / trava do diferencial do eixo traseiro (6x4) / bobina do relé da luz de marcha à ré Interruptor de ignição Coluna de direção / módulo do sistema de localização e bloqueio / tacógrafo / grupo de instrumentos Livre Motor de partida / grupo de instrumentos Livre Coluna de direção / farol baixo Rádio Sistema do ventilador Livre Livre

7,55A 10A 3A 15A

151

11 - Sistema elétrico

Posição F80 F81 F82

Capacidade Livre Livre 5A

Descrição

Sistema de localização e bloqueio do semireboque

Relés - Bateria 24V
Posição R1 R2 R3 R4 R5 R6 R7 R8 R9 R10 R11 R12 R13 R14 R15 R16 R17 R18 R19 R20 20A 20A Relé de iluminação do rádio Luzes sinalizadoras de direção do reboque e semirreboque, LE 20A Luzes de estacionamento do reboque e semirreboque 20A Relé do compressor de ar condicionado 40A Relé da ignição 20A Relé do freio de serviço (velocidade de cruzeiro) 20A Relé do freio de estacionamento (velocidade de cruzeiro) 40A Tipo 40A Descrição Relé da luz de freio do reboque e semireboque Relé do limpador e do lavador do parabrisa Relé das luzes de marcha à ré

152

11 - Sistema elétrico

Posição R21 R22 R23 R24

Capacidade

Descrição Luzes sinalizadoras de direção do reboque e semirreboque, LD

5A

Relé do farol alto

Importante: Jamais utilizar um fusível de capacidade de corrente maior do que a especificada para tentar sanar o problema.

153

11 - Sistema elétrico

Veículos com bateria 12V

CA R G O 1 2 V
FUSE AND RELAYS TABLE - TABELA DE FUSÍVEIS E RELÉS - TABLA DE FUSIBLES Y RELAIS

F65

F67

F69

J01 J06

J02 J07

J03 J08

J04 J09

J05 J10

F71

F57

F59

F61

F47

F49

F51

F53

F55

J13 J14

F63

F38

F40

F42

F37

F39

F41

F43

F44

F45

R20

R21

R22

F29

F31

F33

F35

J11 J12

R15 R17

R16 R18

F32

F34

F28

F30

F36

R13

R14

F20

F19

F21

F22

F23

F24

F25

F26

F11

F13

F15

F14

F16

F17

F10

F12

F18

F27

R08 R11

R19 R09 R12

R01 R04

R02 R05

R03 R06

i
CC45-14A090-AB

Figura 2 - Tabela de fusíveis e relés - 12V Fusíveis - Bateria 12V
Posição J1 J2 J3 J4 J5 J6 J7 J8 J9 20A 40A 30A 40A 40A 20A 20A Capacidade 40A Descrição Relé da ignição => F37 / 39 - F65 / 69 / 71 F19 / 21 / 77 / 73 / 78 Livre Interruptor principal das luzes => F28 / 30 / 32 / 34 / 36, F75 F56 / 58 / 60 / 62 ECM - Módulo de controle eletr/õnico do motor F46 / 48 / 50 / 52 / 54 / 72 F55 / 57 / 59 / 61 Tomada de força Acendedor de cigarros

154

R07 R10

F02

F03

F04

F05

F06

F07

F08

F01

F09

F77 D01

F73

F74

F75 F76

F82 D02

F46

F48

F50

F52

F54

F78

F79

F80 F81

J15 J16

F66

F68

F70

F64

F72

F56

F58

F60

F62

R23

R24

11 - Sistema elétrico

Fusíveis - Bateria 12V
J10 J11 J12 J13 J14 J15 J16 40A F11 / 22 / 24 / 26 / 10 / 12 Livre Livre Livre Livre Livre Livre

155

11 - Sistema elétrico

Posição F1 F2 F3 F4 F5 F6 F7 F8 F9 F10 F11 F12 F13 F14 F15 F16 F17 F18 F19 F20 F21 F22 F23 F24 F25 F26 F27 F28

Tipo Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre Livre 20A 15A 20A

Descrição

Sistema do lavador do para-brisa Bomba injetora do sistema de ureia Motor do limpador do para-brisa / Relé do limpador do para-brisa Livre Livre Livre Livre Livre Livre Interruptor de recirculação do condicionador de ar / ventilador / relé do condicionador de ar Livre Interruptor do freio motor / piloto automático / PTO Interruptor de 2 velocidades do eixo traseiro Sensor de NOX Livre

5A

3A 20A

15A

Bomba injetora do sistema de ureia Livre

7,5A

Relé do sistema de aquecimento Livre

3A

Iluminação interruptores / tacógrafo

156

11 - Sistema elétrico

Posição F29 F30 F31 F32 F33 F34 F35 F36 F37 F38 F39 F40 F41 F42 F43 F44 F45 F46 F47 F48 F49 F50 F51 F52 F53 F54 F55 F56

Tipo Livre 3A

Descrição Iluminação interruptores / grupo de instrumentos / acendedor de cigarros Livre Luzes de estacionamento, LD Livre

5A

5A

Luzes de estacionamento, LE Livre

3A 5A 7,5A 3A 7,5A

Luzes delimitadoras do teto ECM - Módulo de Controle Eletrônico do Motor Farol baixo, LD Bobina do relé do freio de estacionamento Farol baixo, LE Livre Livre Livre Livre Livre

20A

Interruptor de advertência Livre

7,5A

Luzes de cortesia Livre

10A

Rádio Livre

15A

Farol Alto - Lampejador Livre

10A 7,5A 20A

Conector de diagnóstico Relé de luz de marcha-a-ré Relé auxiliar da luz de estacionamento

157

11 - Sistema elétrico

Posição F57 F58 F59 F60 F61 F62 F63 F64 F65 F66 F67 F68 F69 F70 F71 F72 F73 F74 F75 F76 F77 F78 F79 F80 F81 F82

Tipo 10A 7,5A 15A 10A 15A 5A

Descrição Relé da luz de freio do reboque e semirreboque Interruptor do pedal do freio / Interruptor da luz de freio do reboque e semirreboque Relé auxiliar do sinalizador de direção do reboque e semirreboque, LE Buzina Relé auxiliar do sinalizador de direção do reboque e semirreboque, LD Módulo do sistema de localização e bloqueio Livre Livre

3A

Rádio Livre Livre Livre

5A

Bobina do relé da luz de marcha a ré Livre Coluna de direção / módulo do sistema de localização e bloqueio / tacógrafo / grupo de instrumentos Grupo de instrumentos / Tacógraf Motor de partida / grupo de instrumentos Livre

3A 3A 20A

15A

Coluna de direção / farol baixo Livre

20A 3A

Sisema do ventilador Painel de instrumentos / Chave de ignição Livre Livre Livre Livre

158

11 - Sistema elétrico

Relés
Posição R1 R2 R3 R4 R5 R6 R7 R8 R9 R10 R11 R12 R13 R14 R15 R16 R17 R18 R19 R20 R21 R22 R23 R24 20A 40A Relé do farol alto Relé do sistema de aquecimento de ureia (opcional) 20A Relé do limpador e do lavador do para-brisa 20A 20A Luzes de estacionamento do reboque e semirreboque Relé da luz de freio do reboque e semirreboque 40A 20A Relé pós ignição Relé das luzes de marcha à ré 20A 20A Relé do freio de estacionamento Relé do freio de serviço 20A Relé do compressor do ar condicionado (opcional) 20A Relé do farol alto 20A Luzes sinalizadoras de direção, LD Tipo 20A Descrição Luzes sinalizadoras de direção, LE

159

11 - Sistema elétrico

Lâmpadas - sistema elétrico em 12V

Posição Farol - facho baixo Farol - facho alto Luz indicadora de posição dianteira Luz indicadora de direção / posição lateral Luz delimitadora da altura do veículo Luz de ré Luz indicadora de direção traseira Luz de freio Luz indicadora de direção dianteira Luz do teto - cortesia Luz de posição traseira Luz da placa de licença

Tipo H7-24V / 70W H7-24V / 70W W5W-24V / 5W P21 / 5W T4W-24V / 4W P21W-24V / 21W P21W-24V / 21W P21W-24V / 21W PY21W-24V / 21W 10W R10W-24V / 10W R10W-24V / 10W

Importante: Jamais utilizar um fusível de capacidade de corrente maior do que a especificada para tentar sanar o problema.

160

11 - Sistema elétrico

Partida do motor com bateria auxiliar
Nota: Quando da utilização de bateria auxiliar para partida do motor, cuidado com faíscas que possam provocar a ignição dos gases desprendidos pela bateria. Evite o contato do ácido sulfúrico da bateria com a pele, olhos, roupas ou com o veículo. No caso de eventual respingo, lave imediatamente a área atingida com água corrente. Se necessário, procure cuidados médicos. Desligue a chave de ignição e partida, luzes e demais acessórios elétricos. No caso da bateria auxiliar estar montada em outro veículo, ambos não deverão manter contato entre si. Utilize um par de cabos elétricos com bitolas adequadas e garras metálicas em suas extremidades, para interligar as baterias. A voltagem da bateria auxiliar deve ser compatível com a do veículo.

Importante: Ao desligar a bateria, comece sempre pelo polo negativo.

Veículos com bateria 24V

Figura 3 - Partida com a bateria auxiliar - 24V

161

11 - Sistema elétrico

- Conecte o cabo auxiliar no terminal positivo (+) da bateria descarregada; - Conecte o cabo auxiliar no terminal positivo (+) da bateria auxiliar; - Conecte o cabo auxiliar no terminal negativo (-) da bateria auxiliar; - Conecte o cabo auxiliar no terminal do cabo negativo da bateria, cuja extremidade está parafusada na carcaça da embreagem; - Dê partida ao motor do veículo com a bateria descarregada, mantendo sua rotação em regime de marcha-lenta por dois minutos, aproximadamente, antes de ligar consumidores de energia como ventilação forçada, faróis, etc.; - Desconecte, então, os cabos auxiliares dos terminais de ambas as baterias, começando pelo cabo negativo da bateria auxiliar, e depois do veículo.

Veículos com bateria 12V

Figura 4 - Partida com a bateria auxiliar - 12V
- Conecte o cabo auxiliar no terminal positivo (+) da bateria descarregada; - Conecte o cabo auxiliar no terminal positivo (+) da bateria auxiliar; - Conecte o cabo auxiliar no terminal negativo (-) da bateria auxiliar; - Conecte o cabo auxiliar no terminal do cabo negativo da bateria, cuja extremidade está parafusada na carcaça da embreagem;

162

11 - Sistema elétrico

- Dê partida ao motor do veículo com a bateria descarregada, mantendo sua rotação em regime de marcha-lenta por dois minutos, aproximadamente, antes de ligar consumidores de energia como ventilação forçada, faróis, etc.; - Desconecte, então, os cabos auxiliares dos terminais de ambas as baterias, começando pelo cabo negativo da bateria auxiliar, e depois do veículo.

Bateria
A bateria do caminhão é livre de manutenção (não requer adição de água). Para operação adequada da bateria, matenha-a limpa, seca, e assegure-se de que os cabos estejam firmementes colocados aos terminais da bateria. É necessário alguns cuidados especiais e verificação periódica durante toda a sua vida útil. Esta verificação começa no recebimento de um veículo 0 km, abrange os veículos em estoque por período prolongado e deve ser feita também durante a Preparação de Entrega. Mesmo com o veículo desligado, a carga da bateria é consumida por equipamentos que operam em modo “stand by”, tais como: CD Player, relógio, tacógrafo eletrônico e hodômetro digital. Além disso, a bateria sofre descarga espontânea, ou seja, vai perdendo a carga mesmo se desconectada do veículo. Se não houver manutenção de carga da bateria, poderá ocorrer desde a redução de sua vida útil até a completa inutilização. A bateria automotiva é selada do tipo chumbo-ácido, que libera e armazena energia elétrica por meio da reação química entre as placas de óxido de chumbo e ácido sulfúrico (presente na solução da bateria). Enquanto a bateria estiver carregada, com tensão igual ou superior a 12,45 V, os íons sulfato (SO4) se mantêm presentes na solução de ácido sulfúrico e água. Porém, se a tensão for inferior (bateria descarregada), os íons sulfato reagem com o chumbo contido nas placas da bateria, produzindo o sulfato de chumbo (PbSO4) que irá depositar-se nas placas da bateria, quando a mesma permanece por um longo período descarregada, caracterizando o processo de “sulfatação da bateria”.

Importante: Se a bateria não permanecer carregada, o processo de sulfatação causará a cristalização do sulfato de chumbo nas placas da bateria, criando um processo irreversível que irá dificultar ou mesmo impedir que a bateria seja recarregada, diminuindo a vida útil da mesma (falha prematura).

Desligamento da Bateria
Toda vez que for necessário desligar a bateria do veículo, inicie sempre pelo polo negativo (-) e, em seguida, desligue o polo positivo (+). Deve-se tomar cuidado extremo para evitar contato entre os cabos, ou contato destes com peças próximas para evitar curto-circuito. Ao religar os cabos, inicie pelo polo positivo (+) e finalize ligando o negativo (-).

163

11 - Sistema elétrico

Importante: O contato com componentes químicos internos da bateria pode causar danos severos à saúde. Devolva a bateria usada ao revendedor no ato da troca, conforme Resolução Conama 257/99 de 30.06.99. Todo consumidor/usuário final é obrigado a devolver sua bateria usada a um ponto de venda. Não descarte no lixo. Os pontos de venda são obrigados a aceitar a devolução de sua bateria usada e a devolvê-la ao fabricante para reciclagem.

Contato com a solução ácida e com o chumbo
A solução ácida e o chumbo contidos na bateria, se descartados na natureza de forma incorreta, poderão contaminar o solo, o subsolo e a água, causando riscos à saúde e ao meio ambiente. No caso de contato acidental com os olhos ou pele, lavar imediatamente com água corrente e procurar orientação médica

Se houver algum sinal de corrosão sobre a bateria ou terminais, remova os cabos dos terminais e limpe-os com uma escova de aço. O ácido pode ser neutralizado com uma solução de bicarbonato de sódio e água. Instale novamente os cabos após tê-los limpados, e aplique uma pequena quantidade de graxa na parte superior de cada terminal da bateria para evitar novo processo de corrosão.

Importante: Normalmente, as baterias produzem gases explosivos que podem causar ferimentos. Portanto, não aproxime da bateria chamas, faíscas ou substâncias acesas. Ao trabalhar próximo a uma bateria, proteja sempre o rosto e os olhos. Providencie sempre ventilação apropriada. Ao levantar uma bateria de caixa plástica, o excesso de pressão das paredes laterais podem causar o vazamento de ácido, através das tampas de ventilação, resultando em ferimentos e/ou danos ao veículo ou bateria. Levante a bateria com um transportador de bateria ou com as mãos nos cantos opostos. Mantenha as baterias longe do alcance de crianças. Baterias contêm ácido sulfúrico. Evite o contato com a pele, olhos ou vestimentas. Proteja os olhos quando estiver trabalhando próximo à bateria contra possível borrifo da solução de ácido. No caso de contato de ácido com a pele ou os olhos, lave imediatamente com água por no mínimo 15 minutos, e procure assistência médica logo. Se o ácido for ingerido, chame imediatamente um médico.

164

11 - Sistema elétrico

Tensão superficial
Quando a bateria no veículo está descarregada, é comum utilizar-se uma “bateria escrava” (bateria auxiliar) para dar a partida no veículo, e deixar o motor ligado por algum tempo para “carregar a bateria”. Neste caso, a bateria descarregada adquire tensão suficiente para uma próxima partida, estando o motor aquecido. Porém, como não houve armazenamento suficiente de energia (carga) na bateria, esta tensão cessará rapidamente. A esta tensão temporária na bateria, é dado o nome de “tensão superficial” ou “tensão residual”. Importante: Tanto a partida com uso de bateria auxiliar, como a tentativa de recarga com a bateria no veículo, são procedimentos que não conseguem recarregar efetivamente a bateria e, portanto, não impedem o início do processo de sulfatação. Por esta razão, recomenda-se somente recarga fora do veículo.

Verificação da bateria
A condição de carga da bateria deve ser realizada observando-se as recomendações da tabela abaixo:
SITUAÇÃO Ao receber o veículo 0 km da transportadora MODO DE VERIFICAÇÃO Aguardar 24 horas e verificar a tensão

Quando o veículo permanecer em estoque por perío- Verificar semanalmente, aguardando 24 horas sem do superior a 30 dias (sem ligar o motor) dar a partida antes de verificar a tensão Veículo em Show Room Na Preparação de Entrega Aguardar 24 horas sem dar a partida e verificar semanalmente Durante a preparação, antes de dar a partida, verificar a tensão

Em todas as situações acima, é necessário verificar se há sinais de corrosão nos terminais, cabos e bornes da bateria (Figura 102). Neste caso, utilizar uma solução de água e bicarbonato de sódio (proporção de 1:10) ou água fervente, para neutralizar o ataque ácido e remover as incrustações.

165

11 - Sistema elétrico

Se persistir a corrosão, verificar: • Se há vazamento ou evaporação de solução da bateria para os bornes; • Funcionamento do alternador;

Figura 5 - Compartimento completo da bateria nos caminhões com motorização eletrônica 12V

166

11 - Sistema elétrico
Figura 6 - Compartimento completo da bateria nos caminhões com motorização eletrônica 24V

Verificação da tensão

Importante: Os testes de tensão somente avaliam o estado da carga, não indicando a condição da bateria.

Equipamento necessário: Multímetro digital. • Certificar-se de que não tenha sido acionada a partida do veículo nas últimas 24 horas para não haver risco de “tensão superficial” na bateria. Caso contrário, remover a tensão superficial ligando os faróis do veículo por 1 minuto ou aguardar 24 horas; • Ajustar o multímetro para medição de tensão contínua; • Com os faróis desligados, medir a tensão com as pontas de prova nos respectivos bornes da bateria; • Anotar a leitura encontrada;

167

11 - Sistema elétrico

Observar a tabela abaixo:
Tensão da bateria 12,60V a 12,75V 12,45 a 12,59V 12,20 a 12,44V 12,00 a 12,19V Abaixo de 12V % de Carga 100% 75% 50% 25% 0% Condição de carga plena Condição normal Necessita recarga Necessita recarga. Neste caso, há início do processo de sulfatação da bateria (bateria descarregada) Necessita recarga, pois não há carga na bateria. Neste caso, a sulfatação da bateria ocorre em processo acelerado Situação

Nota: Leituras obtidas a 27° C • Se o valor encontrado estiver abaixo de 12,45 Volts, remover a bateria do veículo e proceder à recarga, conforme descrito no item 5. Se estiver igual ou acima de 12,45 Volts, seguir a inspeção periódica indicada no item - Verficação da bateria. Importante: Para os veículos com motorização eletrônica 24V, fazer a verificação da tensão da bateria individualmente, desconectando os bornes de umas das baterias para fazer a medição da tensão na outra bateria, e vice-versa. Uma bateria com tensão abaixo de 12 Volts, indica que está 100% descarregada, apesar de ser possível dar a partida, sob certas condições. Porém, não é recomendado dar a partida no veículo com a bateria nesta condição.

Procedimento de carga
Não carregue uma bateria com o próprio sistema de carga do veículo. Equipamento recomendado: Carregador de baterias tipo Carga Lenta. Este equipamento possui regulagem de amperagem e tensão, impedindo a evaporação da água da bateria pelo respiro durante a carga, além de evitar eventual sobrecarga da bateria, caso a mesma permaneça em carga por tempo acima do recomendado. Nota: Existe no mercado o Carregador de Baterias tipo Carga Rápida, que não é recomendado, pois não possui o controle de tensão, necessário para evitar a evaporação de água da bateria ou sobrecarga da mesma, podendo causar corrosão nas placas e danos irreversíveis à bateria.

168

11 - Sistema elétrico

Cuidado:

Durante o processo de recarga da bateria, é emitido gás hidrogênio altamente explosivo. Portanto, deve-se observar as seguintes precauções de segurança:

- Utilizar óculos de segurança aprovado; - Trabalhar somente em área com ventilação adequada; - Não expor a bateria a faíscas, chamas ou cigarros acesos; - Certificar-se de que o equipamento de carga esteja desligado, antes de conectar ou desconectar os cabos. Capacidade (Ah) significa capacidade nominal da bateria em ampère x hora, descrito na etiqueta da bateria.

Carga com carregador tipo Carga Lenta
• Ajustar a tensão de carga no equipamento para 16V; • Utilizar a corrente máxima de carga, de acordo com a tabela abaixo:
Capacidade nominal da bateria [Ah] (vide especificação na etiqueta na bateria) 78 100 135 150 Corrente máxima de carga = Imáx [Ampères] 19,5 25 33,75 37,5

Nota: Se a capacidade da bateria for diferente da tabela acima, utilize a seguinte fórmula:

lmáx = 0,25 x Capacidade [Ah]

• Aplicar no equipamento, a corrente indicada na tabela acima, adotada como o limite de corrente a ser atingido durante a recarga, ou seja, o carregador não deve permitir que a bateria fique submetida a este valor de corrente durante toda a recarga. Após 4 horas de recarga, este valor irá diminuir automaticamente, à medida que a bateria for aceitando carga, até atingir valor inferior a 0,5 A; • O tempo desta recarga deve ser de 24 horas.

169

11 - Sistema elétrico

Carga com carregador tipo Carga Rápida
Este equipamento não é recomendado para carga de bateria. Porém, em situações de emergência, onde haja somente este equipamento disponível, deve-se utilizar o método a seguir: • A bateria deve ser carregada com uma corrente equivalente a 10% do valor da sua capacidade nominal; - - Exemplo: Bateria de 36 Ah Corrente de carga = 36 x 0,1 = 3,6 A (10% da capacidade nominal da bateria);

• O tempo de carga varia entre 6 e 15 horas, conforme o estado de carga da bateria;
Tensão da bateria (Volts) 12,20 a 12,40 12,00 a 12,19 11,80 a 11,99 11,50 a 11,79 Abaixo de 11,50 Tempo de carga (Horas) 5 8 11 14 Ver nota abaixo *

Neste caso, deve-se recarregar com corrente constante igual a 0,05 x Capacidade (Ah), por um período de 24 horas e, em seguida, retirar do carregador e deixar em repouso por mais 24 horas. O repouso é necessário para a estabilização da tensão da bateria. • Medir a tensão após o repouso e, se necessário, completar a carga utilizando a tabela acima, aplicando uma corrente de recarga de 0,1 x Capacidade (Ah).

Importante: Colocar sempre a quantidade de carga necessária para a bateria.Tempos prolongados de carga, principalmente com corrente constante e tensão maior ou igual a 16V, podem levar a bateria a um estado de sobrecarga, ocasionando perda de água desnecessária no processo.

170

11 - Sistema elétrico

Alternador
Evite avarias no alternador, impedindo que o motor do veículo funcione com os cabos da bateria ou conexões do alternador desligados.

Evite que ocorram inversões nos cabos do alternador, motor de partida e baterias. O aterramento dos terminais causa sérios danos. Após a partida com o motor em marcha-lenta, a luz indicadora de carga poderá permanecer acesa. Neste caso, acelerando o motor, a luz se apagará. Se a luz continuar acesa, procure um Distribuidor Ford. Caso se faça alguma solda elétrica no veículo, deverão ser desligados os terminais da bateria, como também o conector principal do ECU, para evitar danos ao sistema elétrico do veículo. Não reboque o veículo com a bateria removida ou desligada, deixando o motor girar o alternador, e não faça o motor funcionar com o alternador desligado do circuito (conexões removidas).

Tomada Elétrica
Veículos com bateria 24V
A tomada localizada no painel do seu veículo, possibilita conectar qualquer equipamento elétrico que opere em 12V. Ao conectá-los, observe a potência de consumo e o tempo em que permanecerão ligados, principalmente quando o veículo estiver com o motor desligado, pois o alternador não está carregando a bateria, e esta poderá descarregar. Tempo máximo de permanência dos equipamentos ligados, sem afetar a partida do motor:

171

11 - Sistema elétrico

Consumo 20W 60W 90W 120W 160W 180W

Tempo 48 h 16 h. 10 h. e 40 min. 8 h 6 h. 5 h. e 20 min.

Para os valores acima, considera-se a bateria em boas condições de uso, motor do veículo desligado e o consumo de diversos equipamentos ligados ao mesmo tempo, inclusive acendedor de cigarros.

Tomada Elétrica para reboque e semirreboque (somente 24V)

Figura 7 - Localização da tomada elétrica
Na tomada, estão localizados os terminais para iluminação do reboque e semirreboque. Importante: A capacidade dos fusíveis e das lâmpadas não deve ser alterada, exceto quando especificada. A fiação elétrica das novas instalações deve estar conforme especificado. Sempre que possível, utilizar as mesmas cores da fiação elétrica dos terminais da caixa de distribuição.

172

11 - Sistema elétrico

Identificação dos terminais da tomada elétrica do reboque localizada na travessa traseira (7 pinos)

Posição 1 2 3 4 5 6 7

Circuito GD152 CAT17A CAT06 CAT18C CAT09 CAT17B CAT16C

Cor Preto / Azul Branco Amarelo Amarelo / Laranja Verde Branco Cinza / Marrom

Capacidade 24V 75W 63W 168W 63W 75W 84W

Descrição Negativo terra Lanterna de posição lado esquerdo Indicador de direção lado esquerdo Freios Indicador de direção lado direito Lanterna de posição lado direito Lanterna marcha à ré

173

11 - Sistema elétrico

Identificação dos terminais da tomada elétrica do semirreboque localizada atrás da cabine (15 pinos)

9 8 7 6 13 5 15 14

10 1 11 12 2 3 4

Posição 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15

Circuito CAT06 CAT09 A_GD152 CAT17A CAT17B CAT18A CAT16C SBP82 B_GD184C CBP71D VDB25B VDB26B

Cor Amarelo Verde Preto/Azul Branco Branco Amarelo/Laranja Cinza/Marrom Amarelo/Vermelho Preto/Cinza Azul/Laranja Verde/Laranja Cinza/Azul

Capacidade 24V 126 126 75 75 168 84 256 30 -

Descrição Indicador de direção lado esquerdo Indicador de direção lado direito Negativo Terra (pinos 1 a 3 e 5 a 12) Lanterna de posição lado esquerdo Lanterna de posição lado direito Lanternas de freios Lanterna de marcha à ré Positivo constante (expansão) Negativo Terra (expansão) Ignição Linha de comunicação alta Linha de comunicação baixa

174

11 - Sistema elétrico

Substituição das lâmpadas

Para substituir as lâmpadas, solte as porcas de fixação pelo interior do parachoque e retire a tampa do alojamento dos faróis.

Importante: Antes de substituir uma lâmpada, verifique se o fusível correspondete não está queimado. Nunca segure as lâmpadas pelo vidro. Isto é especialmente válido para lâmpadas de halogênio, pois poderá haver diminuição da intensidade de luz, se houver contato manual com o bulbo. Limpe o bulbo com álcool.

175

11 - Sistema elétrico
176

Manutenção
Substituição das lâmpadas do farol, de posição e de direção dianteiras Acesse as lâmpadas do farol por baixo, pelo interior do parachoque.

Parachoque alto
Lâmpada do farol 1. Gire o soquete no sentido anti-horário e puxe-o do alojamento do farol. 2. Substitua a lâmpada (facho alto ou baixo).

Lâmpada de posição do farol 1. Gire o soquete no sentido anti-horário e remova-o do alojamento. 2. Substitua a lâmpada, pressionando-a e girando-a no sentido anti-horário.

11 - Sistema elétrico

Lâmpada do indicador de direção dianteiro 1. Gire o soquete no sentido anti-horário e remova-o da lanterna. 2. Substitua a lâmpada.

Parachoque fora de estrada
Lâmpada do farol 1. Gire o soquete no sentido anti-horário e puxe-o do alojamento do farol. 2. Substitua a lâmpada (facho alto ou baixo).

177

11 - Sistema elétrico
178

Lâmpada da luz de posição 1. Gire o soquete no sentido anti-horário e remova-o do alojamento. 2. Substitua a lâmpada, pressionando-a e girando-a no sentido anti-horário.

Lâmpada do indicador de direção dianteiro 1. Remova a moldura dos faróis, soltando os quatro parafusos Torx (T-25). 2. Solte o conector, apertando a trava e girando-o no sentido anti-horário.

11 - Sistema elétrico

3. Substitua a lâmpada.

Lâmpada do indicador de direção - posição lateral 1. Pressione a aba na base e gire a lente no sentido horário, para removê-la.

179

11 - Sistema elétrico
180

2. Substitua a lâmpada, pressionando-a e girando-a no sentido anti-horário.

Lâmpada delimitadora da altura do veículo 1. Solte os dois parafusos de fixação e remova o corpo da lanterna. 2. Substitua a lâmpada, pressionando-a e girando-a no sentido anti-horário.

11 - Sistema elétrico

Lâmpada da lanterna traseira 1. Remova os quatro parafusos de fixação da lente e remova-a. 2. Substitua a lâmpada (1, 2, 3, 4 ou 5) pressionando e girando-a no sentido anti-horário.).

Lâmpada da luz de cortesia / leitura 1. Puxe cuidadosamente a lanterna para fora. 2. Substitua a lâmpada pressionando e girando-a no sentido anti-horário.

181

11 - Sistema elétrico
182

1. Puxe a lente pela borda externa. 2. Substitua a lâmpada pressionando e girando-a no sentido anti-horário.

11 - Sistema elétrico

Conector para instalação de iluminação adicional

Figura 9 - Conector

Localizado junto ao suporte de interligação do chicote do motor e da lanterna traseira, preso ao ramal principal do chicote do motor, se encontram os cabos isolados para a instalação de iluminação adicional. Por exemplo: baú, semireboque, etc.

Posição 1 2 3 4 5 6

Circuito A-GD152 CAT17A CAT06 CAT18A CAT09 CAT16C

Cor Preto / Azul Branco Amarelo Amarelo / Laranja Verde Cinza / Marrom

Capacidade 24V 75W 63W 168W 63W 84W

Descrição Negativo terra Lanterna de posição Indicador de direção lado esquerdo Freios Indicador de direção lado direito Lanterna marcha a ré

183

11 - Sistema elétrico
184

Instalação de Chave Geral
Segue instruções para a correta instalação da chave geral em todos os veículos Cargo (exceto Cargo 816). É importante salientar que a chave geral é um acessório, disponível no mercado, que inibe a passagem de corrente elétrica para todos os componentes do veículo, exceto o tacógrafo, por ocasião da realização de reparos ou manutenção do veículo.

Procedimento para instalação
• Fixar o suporte com a chave geral na caixa da bateria, utilizando a furação já existente:

• Utilizar cabo de número BC45-14301-AC obtido em uma concessionária Ford, e conectar uma extremidade na chave geral e a outra no borne negativo da bateria;

11 - Sistema elétrico
185

• Utilizar cabo de número BC45-10k701-AC (Motores ISBe6) ou BC45-10k701-BC (Motores ISBe4) ou BC45-10k701-CC (Motores ISL) obtido em uma concessionária Ford, e conectar uma extremidade à chave geral e outra à carcaça da embreagem. Abaixo roteiro do chicote na parte interna da caixa de bateria:

• Abaixo roteiro do chicote da chave geral, passando internamente à longarina, e chegando a carcaça da embreagem:

11 - Sistema elétrico
186

• Esquema da fixação do cabo negativo à carcaça da embreagem nos caminhões equipados com motores ISB, utilizar duas (2) cintas plásticas.

• Esquema da fixação do cabo negativo à carcaça da embreagem nos caminhões equipados com motores ISL, utilizar duas (2) cintas plásticas.

• O roteiro e a fixação do cabo positivo da bateria deverão ser mantidos conforme instalação original do caminhão; • Após o término da instalação, recolocar tampa da caixa de baterias.

11 - Sistema elétrico

Esquema da instalação

187

11 - Sistema elétrico
188

A escolha do fabricante e modelo da chave geral a ser utilizada fica a critério do implementador/cliente, desde que atenda as seguintes características técnicas: - - - - - - - - Tensão nominal: 24V Capacidade nominal: 300A Capacidade de pico: 500A por 20 seg / 2000A por 5 seg Força de abertura (liga/desliga/liga): 5,5 N.m máx Queda de tensão: < 50mV a 500A Temperatura de trabalho: -40°C a + 120°C Aplicação específica para Caminhões e Ônibus Resistência a corrosão: mínimo 168 horas, conforme Norma ASTM B117 / NBR 8094

11 - Sistema elétrico

Extensão / Redução de chicotes
Emendas
Caso exista a necessidade de emendar um cabo, seguir os procedimentos descritos abaixo : • Descascar, retirando a proteção plástica da ponta dos cabos a serem emendados; • Instalar um tubo termoretrátil (contrai-se ao ser aquecido) sobre um dos cabos; • Inserir os cabos sem a proteção plástica, no tubo metálico de união; • Prensar o conjunto (cabos + tubo metálico) com alicate apropriado; • Centralizar o tubo termoretrátil sobre a união feita e aquecer com pistola de ar quente; • Se houver a necessidade de emendar mais de um cabo, proteger cada emenda com tubo termoretrátil.Para garantir a perfeita vedação da emenda contra infiltrações de água, inserir duas cruzetas de adesivo vedante (uma em cada extremidade do tubo termoretrátil) e em seguida centralizar o tubo e as cruzetas sobre o tubo metálico de união. Após, aquecer o conjunto com pistola de ar quente.

Figura 14 - União de cabos com termoretrátil

189

11 - Sistema elétrico
190

Proteção dos circuitos • Como mencionado no item “Medidas de Prevenção”, não podem ser feitas derivações nos chicotes ligados aos módulos eletrônicos, podendo acarretar em perda da garantia do veículo;
• Não aumentar, arbitrariamente, a capacidade de fusíveis instalados pela fábrica.

Encurtamento de chassi
• Quando houver esta necessidade de encurtamento do chassi, dobrar o excesso de comprimento do chicote, criando alças com dobramentos suaves, sem criar “cantos vivos”, prendendo-o com cintas plásticas.

Alongamento de chassi
• Caso exista a necessidade de alongamento de chassi, será necessário confeccionar chicotes de prolongamento, com seus cabos protegidos por tubo de proteção flexível (espaguete ou conduite corrugado) e nas extremidades utilizar os conectores apropriados para cada tipo de aplicação desejada; • Para proceder com as alterações, seguir as recomendações do item “Emendas”.

Conversor de tensão
Para os veículos com sistema elétrico em 24 Volts, existe um conversor de tensão instalado em fábrica que possui as seguintes características técnicas: • Tensão alimentação : 11 V até 35 V. Abaixo do valor mínimo de alimentação, o conversor não funcionará e, qualquer valor acima do máximo especificado poderá acarretar em danos ao componente, não cabendo neste caso, garantia do mesmo; • Carga máxima suportada : 14,3 A . • Para saber se os componentes instalados estão abaixo do valor de 20 A, basta proceder conforme descrição abaixo:

11 - Sistema elétrico

- Somar todas as potências (em Watts ou VA) dos componentes a serem instalados, rádio e tomada elétrica; - Dividir o valor total obtido anteriormente pelo valor de 12V; - Este valor resultante deverá estar abaixo de 14,3A; - Caso esteja abaixo de 14,3A, proceder com a instalação dos componentes de sua necessidade. Se o valor resultante for maior do que 14,3A, não instalar todos os componentes de sua necessidade, eliminar algum que lhe seja conveniente e realizar a operação matemática uma vez mais, até que este valor esteja abaixo de 14,3A;

• O mau uso desta peça poderá acarretar na perda de garantia para a mesma; • Caso ocorra polarização reversa, o veículo está protegido por um fusível (Fusível nº64), que deverá ser trocado; • Segue a tabela com os pinos utilizados na ligação do conversor de tensão:

Pin n°. 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 11 12 13 14 15 Saída Chaveada + 14V Saída Chaveada + 14V Saída Negativa (Terra ou Massa) Saída Negativa (Terra ou Massa) Saída Negativa (Terra ou Massa)

Descrição

Sinal Positivo para alimentação do módulo + 28V (Ligação Tipo 15) Sinal Positivo + 14V (Ligação Tipo 30) Sinal Positivo + 14V (Ligação Tipo 30) Saída Negativa (Terra) Sinal Positivo + 14V (Ligação Tipo 30) Sinal Positivo + 14V (Ligação Tipo 30) Saída Negativa (Terra) Sinal Positivo + 14V (Ligação Tipo 30) Sinal Negativo para Alimentação do Módulo (Ligação Tipo 31 - Terra ou Massa) Sinal Positivo para Alimentação do Módulo +28 V (Ligação Tipo 30)

191

11 - Sistema elétrico
192

• Os pinos nº : 1, 3, 6, 7, 8, 9, 10, 14 e 15 do conversor, já são utilizados. Note que existem circuitos alojados no conector do chicote principal nas posições correspondentes, logo, NÃO deverão ser utilizados em novas ligações; • Utilizar os pinos restantes (nº 2, 4, 5, 11, 12 e 13) de acordo com a tabela acima, conforme necessidade. Nota: Toda ligação do tipo 30, é um sinal positivo direto da bateria. Toda ligação do tipo 31, é um sinal negativo tipo Terra ou Massa e, toda ligação do tipo 15, é um sinal positivo do alternador (após a partida do veículo).

Máxima potência instalada
Para a correta instalação de acessórios eletro/eletrônicos adicionais, através de uma nova “tomada de força”, tomar a seguinte precaução: • Somar a potência, em Watts ou VA, dos acessórios a serem instalados; • Veículos 12V e 24V, não podem ultrapassar o valor de 240 W.Lembramos que o valor do fusível não pode ser alterado; O não cumprimento destas indicações pode acarretar em perda da garantia do veículo.

12 - Sistema de freios

Alteração da distância entre-eixos
No caso de alongamento ou encurtamento da distância entre-eixos, deve-se seguir as seguintes recomendações para o Sistema de Freios:

Alongamento
Os caminhões Ford têm freio a ar comprimido e, portanto, haverá a necessidade de substituição das mangueiras por outras mais compridas.. As mangueiras dos sistemas de ar comprimido de todos os caminhões Ford, são de poliamida 12 (satisfazem a norma SAE J844-3B), sendo os de ½ polegada (12 mm para Cargo) e 3/8 polegada (10 mm para Cargo) de parede dupla com trama de poliéster e as de ¼ polegada (6 mm para Cargo) de parede simples, sem trama. Deve-se manter as mesmas conexões originais e substituir-se apenas as mangueiras originais por outras de mesmas especificações e indicações de cores, mais compridas. Após o trabalho executado, deve-se testar o sistema de freios quanto ao vazamento de ar com o motor funcionando e a pressão de ar dos tanques no máximo, manter o freio de serviço acionado com a força de “frenagem de pânico” e freio de estacionamento acionado; verificar as conexões quanto ao vazamento de ar com o auxílio de um pincel e solução de sabão em água. Após o alongamento do entre-eixos, a válvula sensível à carga (LSV) deve ser verificada de acordo com as Tabelas de Regulagem, checando os valores do ângulo da haste através das instruções de Regulagem da Válvula Sensível à Carga - Tabelas de Regulagem.

Encurtamento
Nos encurtamentos, as modificações nos sistemas de freios são mais simples, pois haverá apenas a necessidade de reduzir o comprimento do tubos hidráulicos ou das mangueiras dos sistemas de ar comprimido. Nota: Não se recomenda emendas no tubo e deve-se atentar para a tensão do cabo. Além disso, a válvula sensível à carga (LSV) deve ser verificada de acordo com as Tabelas de Regulagem, checando os valores do ângulo da haste através das instruções de Regulagem da Válvula Sensível à Carga - Tabelas de Regulagem. Nota: O alongamento e encurtamento da distância entre-eixos deve atender a norma ABNT NBR 14354 - Veículos rodoviários - Distribuição de frenagem entre os eixos veiculares e requisitos para compatibilidade entre veículos rebocadores e reboques, que garante a correta distribuição de frenagem entre o eixo dianteiro e traseiro, evitando o travamento do freio traseiro.

193

12 - Sistema de freios
194

Válvula Sensível à Carga (LSV)
A válvula sensível à carga (LSV), localizada na parte traseira do veículo, é responsável pela manutenção da eficiência do freio de serviço, em toda e qualquer condição de carregamento do veículo, desde que respeitadas a capacidade de carga especificada para este veículo. O veículo sai de fábrica com a válvula devidamente regulada conforme tabelas - Tabelas de Regulagem. A válvula sensível à carga não necessita de regulagem ao longo da vida útil, exceto quando da necessidade de reparos e / ou substituição da mesma, e quando o entre-eixos sofrer alguma alteração de alongamento ou encurtamento. Nestes casos, devem ser obedecidos os valores de regulagem especificados nas tabelas para condição vazio, e atender a norma ABNT NBR 14354 - Veículos rodoviários - Distribuição de frenagem entre os eixos veiculares e requisitos para compatibilidade entre veículos rebocadores e reboques, que garante a correta distribuição de frenagem entre o eixo dianteiro e traseiro, evitando o travamento do freio traseiro. Nota: A válvula sensível à carga deve ser regulada com o veículo na condição “vazio” e sem carroceria, de acordo com o entre-eixo mencionado nas tabelas de regulagem a seguir. Todo veículo equipado com esta válvula, tem na lateral da porta uma etiqueta adesiva com essa tabela, bem como no Manual do Proprietário.

12 - Sistema de freios

Tabelas de Regulagem
Cargo 8 ton
Modelo Distância entre-eixos (mm) 2800 3300 3900 4300 2800 3300 3900 4300 Carga no Pressão de Condição de eixo traseiro carregamento entrada (bar) (kg) Carregado 5250 5250 5250 5250 920 975 985 1055 8,2 8,2 8,2 8,2 8,3 8,3 8,3 8,3 Pressão de saída (bar) 7,4 7,4 7,4 7,4 2,1 2,1 2,1 2,1 Ângulo da haste 30° 30° 30° 30° -50° -50° -50° -50°

816

Vazio sem Carga

Cargo 13 ton
Modelo 13 ton 13 ton Distância entre-eixos (mm) 4800 4800 Carga no Pressão de Condição de eixo traseiro carregamento entrada (bar) (kg) Carregado Vazio sem Carga 8700 1810 10,2 10,2 Pressão de saída (bar) 9,2 2,2 Ângulo da haste 21° -15°

Cargo 15 ton
Modelo 15 ton 15 ton 15 ton 15 ton Distância entre-eixos (mm) 3560 4800 3560 4800 Carga no Condição de eixo traseiro carregamento (kg) Carregado Vazio sem Carga 9500 9500 1800 1800 Pressão de entrada (bar) 10,2 10,2 10,2 10,2 Pressão de saída (bar) 9,1 9,2 2,1 2,0 Ângulo da haste 34° 22° 0° -14°

195

12 - Sistema de freios

Cargo 17 ton
Distância entre-eixos (mm) 3560 4340 4800 3560 4340 4800 Vazio sem Carga Carregado Carga no Condição de eixo traseiro carregamento (kg) 10800 10800 10800 1950 2190 2190

Modelo

Pressão de entrada (bar)

Pressão de saída (bar)

Ângulo da haste

17 ton 17 ton 17 ton 17 ton 17 ton 17 ton

10,2 10,2 10,2 10,2 10,2 10,2

9,0 9,0 9,0 1,9 3,1 3,1

39° 22° 22° 1° -9° -9°

Cargo 6x2
Modelo 6x2 6x2 6x2 6x2 Distância entre eixos (mm) 4800 5307 4800 5307 Condição de carregamento Carregado Carga no Pressão de eixo traseiro entrada (bar) (kg) 17100 17100 3780 3780 10,2 10,2 10,2 10,2 Pressão de saída (bar) 9,3 9,3 9,3 9,3 Ângulo da haste 10° 10° -9° -9°

Vazio sem carga

196

12 - Sistema de freios

Cargo 6x4
Modelo 6x4 26 ton 6x4 26 ton 6x4 26 ton 6x4 26 ton Distância entre eixos (mm) 3440 4580 3440 4580 Carga no Condição de Pressão de eixo traseiro carregamento entrada (bar) (kg) Carregado 20000 20000 4100 4100 10,2 10,2 10,2 10,2 Pressão de saída (bar) 9,1 9,1 4,1 4,1 Ângulo da haste 57° 57° 32° 32°

Vazio sem carga

Modelo 6x4 31 ton 6x4 31 ton 6x4 31 ton 6x4 31 ton

Distância entre eixos (mm) 3440 4580 3440 4580

Condição de carregamento Carregado

Carga no Pressão de eixo traseiro entrada (bar) (kg) 24000 24000 4550 4550 10,2 10,2 10,2 10,2

Pressão de saída (bar) 9,0 9,0 3,7 3,7

Ângulo da haste 55° 55° 31° 31°

Vazio sem carga

Cargo 19 ton
Modelo 19 ton 19 ton 19 ton 19 ton Distância entre eixos (mm) 3760 4800 3760 4800 Condição de carregamento Carregado Carga no Pressão de eixo traseiro entrada (bar) (kg) 10800 10800 2510 2510 10,2 10,2 10,2 10,2 Pressão de saída (bar) 9,0 9,0 3,2 3,2 Ângulo da haste 22° 22° -8° -8°

Vazio sem carga

197

12 - Sistema de freios

Instalação da Válvula Sensível à Carga (LSV)
Caso a válvula utilizada esteja entre as originais utilizadas, deve-se fazer sua ligação considerando as instruções já seguidas pela linha de produção em sua montagem, com veículo vazio e sem carroceria, conforme as seguintes instruções:

Veículos com cabo de aço

• Após fixar a válvula no veículo, puxar o cabo de aço para baixo até que os furos (3 mm) estejam alinhados;

Figura 1 - Fixação da válvula

198

12 - Sistema de freios

• Travar a haste da LSV através do alinhamento dos furos, utilizando-se para isso um pino 3 mm. Consequentemente, a posição relativa do cabo de aço foi determinada. Ou seja, a LSV está regulada conforme definição da engenharia;

Figura 2 e 3 - Alinhamento dos furos e regulagem da válvula • Fixar o cabo de aço no suporte do eixo traseiro, através de parafuso cabeça sextavada;

Figura 4 - Fixação do cabo de aço

199

12 - Sistema de freios

• Detalhe da montagem final da LSV.

Figura 5 - Fixação do cabo de aço Veículos com haste rígida

200

12 - Sistema de freios
201

• Após fixar a LSV e o coxim inferior no chassi e eixo traseiro respectivamente, molhar com água a região da haste rígida, onde haverá contato com o coxim superior;

• Introduzir manualmente a haste rígida no coxim superior até que os furos (3 mm) localizados na LSV estejam alinhados, conforme ilustração abaixo. Garantir que os furos estejam alinhados utilizando o pino de 3 mm;

12 - Sistema de freios
202

• Com o pino travado, fixar a haste rígida no coxim superior, utilizando uma chave de fenda. Torque aplicado: 0,4+0,3 Nm;

• Destravar a haste da LSV retirando o pino Ø 3 mm;

• Montagem final da LSV.

12 - Sistema de freios

Instalação de 3º eixo
Para a instalação do 3º eixo, o sistema de freios deve seguir obrigatoriamente as seguintes diretrizes: • Os tambores de freio, dimensões das sapatas e lonas, tipo de material de atrito, perfil do “S” Came de acionamento, comprimento e tipo (manual ou automática) da alavanca e dimensões das câmaras devem ser idênticas as do eixo trativo do caminhão. Recorrer ao Capítulo 16 - Circuitos; para os circuitos pneumáticos de freios; • É obrigatória a instalação de Câmaras Duplas (Spring Brake) idênticas às originais do eixo trativo, também no 3º eixo; • Instalar o tanque de ar adicional (só para o freio do 3º eixo). Deve-se verificar normas de tempo de enchimento - CONTRAN; • O comando do freio de serviço para o 3º eixo deve ser tirado da válvula do eixo trativo do caminhão, conforme Capítulo 16 - Circuitos; • O circuito de freio deve ser atualizado conforme orienta o Capítulo 16 - Circuitos, considerando o tipo de suspensão adotada e a instalação de uma válvula “double-check” com “quick-release” incorporada; • Com a instalação do 3º eixo, a regulagem da LSV deverá ser feita, preferencialmente, com o acompanhamento da assistência técnica do fornecedor da LSV, visto que com as alterações de suspensão e carregamento, talvez seja necessária a troca da válvula ou de seus componentes, a fim de garantir a máxima eficiência do freio para o veículo carregado e o corte de pressão necessário para evitar o travamento dos pneus / rodas com o veículo vazio. É importante ressaltar que o veículo foi homologado considerando a configuração de fábrica, e que tais modificações no sistema de freios são responsabilidade do usuário. Nota: É necessário atender a norma ABNT NBR 14354 - Veículos rodoviários - Distribuição de frenagem entre os eixos veiculares e requisitos para compatibilidade entre veículos rebocadores e reboques, que garante a correta distribuição de frenagem entre o eixo dianteiro e traseiro, evitando o travamento do freio traseiro.

203

12 - Sistema de freios

Ligações adicionais ao sistema de ar comprimido

Importante: Jamais utilize o sistema de freios para ligações adicionais.

Quando necessária a instalação de ligações adicionais ao sistema de ar do veículo, estas ligações devem ser feitas nos pórticos 24 ou 26 da unidade de tratamento de ar (APU). A unidade de tratamento de ar está localizada na longarina do lado esquerdo. Caso não seja possível a ligação direta em um dos pórticos de acessório da unidade, consulte um Distribuidor Ford.

204

12 - Sistema de freios

Regulagem da Válvula Sensível à Carga (LSV)
Para instalação das novas suspensões, possivelmente com características de carga x deflexão diferentes das suspensões originais, a haste de regulagem da válvula proporcional à carga instalada no eixo traseiro deve ser regulada, conforme as seguintes instruções: 1. Certificar-se de que o veículo esteja carregado com sua capacidade máxima permitida, ou seja, dentro do PBT (Peso Bruto Total); 2. Instalar manômetros nas tomadas de teste posicionadas na válvula LSV, localizada na longarina e na câmara do freio traseiro;

Figura 6 - Tomada de teste localizada na válvula LSV

Figura 7 - Tomada de teste localizada na câmara de freio traseira (LE)

205

12 - Sistema de freios

3. Com a pressão nominal do sistema em aproximadamente 10,2 bar, acionar o pedal da válvula de freio de serviço de maneira que a pressão pneumática de sinal seja igual a 6,5 bar (fazer a leitura em manômetro de teste instalado no pórtico 4); 4. Mantendo o pedal da válvula de freio de serviço acionado, soltar o parafuso (1) do suporte de borracha (2) da válvula sensível à carga, conforme Figura 8:

Figura 8 - Válvula sensível à carga (LSV) 5. Deslocar a haste (3) da válvula sensível à carga, sem utilizar qualquer tipo de lubrificante, graxa ou vaselina (somente água), até que a pressão pneumática de saída seja igual a 6,5 bar (fazer a leitura em manômetro de teste instalado no pórtico 2); 6. Após liberar o pedal da válvula de freio de serviço, reapertar o parafuso (1) do suporte de borracha (2) com torque de 1,5 Nm; 7. Deslocar a haste (3) por 2 ou 3 vezes, de maneira a movimentar o conjunto da válvula. Certificar-se de que os valores de pressão da tabela acima foram mantidos. Caso contrário, reiniciar o procedimento de ajuste a partir do item 5; 8. Retirar os manômetros de teste instalados. Após o trabalho executado, deve-se testar o sistema de freios quanto a vazamento de ar: com o motor funcionando e a pressão de ar dos tanques no máximo, manter o freio de serviço acionado, com a força de “frenagem de pânico” e freio de estacionamento também acionado, verificar as conexões quanto ao vazamento de ar, com o auxílio de um pincel e solução de sabão em água. Recomenda-se ainda o acompanhamento da assistência técnica do fornecedor da LSV, visto que dependendo da variação necessária à calibração, seja preciso trocar-se as hastes de atuação da válvula. É necessário atender a norma NBR 14354 que garante a correta distribuição de frenagem entre o eixo dianteiro e traseiro, evitando o travamento do freio traseiro.

206

13 - Desenhos técnicos

Legenda
EE CT BD BT SD ST RE E PBT VLd VLt VOM Diatância entre eixos Comprimento total Balanço dianteiro Balanço traseiro Deslocamento da suspensão dianteira Deslocamento da suspensão traseira Raio estático Raio de rampa Peso bruto total Vão livre dianteiro Vão livre traseiro Veículo em ordem de marcha

207

13 - Desenhos técnicos

816
75.0º POSIÇÃO PARA GRAMPOS TARGETS FOR CLAMPING

4145-REF

885 1041 1353

75.0º

1010

650-REF 533 361

4330-PLATAFORMA DE CARGA

1780-REF CAIXA DE RODA R560

218 SD (750.VOM) RE 20º SLR362 DLR390 (BD) E (EE) (CT)
DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 388 348 40 ST 548 448 100

(ST) (910.VOM) 12º SLR362 725 705 (BT) (RE)

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3300 3900 4300 CT 6140 7010 7407 BD 1270 1270 1270 BT 1650 1840 1840 PNEU 215R x 17.5 215R x 17.5 215R x 17.5 RE 362 362 362 E 5568 7888 9650 VLD 234 234 234 VLT 178 178 178 α 20° 20° 20° β 12° 12° 12°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME PIRELLI PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

208

209

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

210

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B
552.93 552.93

C
253.60 240.74

D
05.67 05.67

E
01.55 01.55

F
08.74 -0.36

G
-7.74 0.52

1415.6 1412.7

A
VOM GVW

B
1138.9 1138.9

C
253.60 250.74

D
-5.67 -5.67

E
01.55 01.55

F
-2.05 -1.97

G
1.05 -2.85

1415.6 1412.7

A
VOM GVW

B

C
253.14

D
-5.67 -5.67

E
1.55 1.55

F
-0.46 2.56

G
0.55 -3.41

1408.14 1533.0

1412.74 1533.07 257.74

211

13 - Desenhos técnicos

1319
DIÂMENTRO DE GIRO A PAREDE o 18.55 mS 1630 1360 760 720 1060

4450-REF

864 1030 2240

600-RF

6523 PLATAFORMA DE CARGA

750 1900-REF 630 (SD) 950-VOM (RE)

1930 CAIXA DE RODA R664

1358

7.8 (ST) 1080-VOM

α

ß

(RE)

(BD)

(EE) (CT)

(E)

(BT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 472 399 73 ST 602 482 120

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 4800 CT 8631 BD 1508 BT 2323 PNEU 9.00R x 20G 478 RE Steer E 6100 VLD 230 VLT 225 α 15° β 20°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME PIRELLI PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

212

213

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B
1453 1448

C
116.5 116.5

D
4.66 4.66

E
0.8 0.8

F
-3.59 1.04

G
2.66 -1.8

1833 1833

214

13 - Desenhos técnicos

1519
DIÂMENTRO DE GIRO PAREDE A PAREDE o 18.55 m

1630 1360 760

1060

720

4450-REF

864 1030 2240

600-RF

6523 PLATAFORMA DE CARGA

1930 750 1900-REF CAIXA DE RODA R664

1358

630 (SD)
950-VOM

7.8 (ST)
1080-VOM

(RE)

a

b

(RE)

(E) (BD) (EE) (CT) (BT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 457 384 73 ST 586 466 120

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3560 3560 4800 4800 CT 6245 6245 8631 8631 BD 1508 1508 1508 1508 BT 1177 1177 2323 2323 PNEU 10.00R x 20H 275 / 80R22.5 10.00Rx20H 275 / 80R22.5 493 494 484 486 493 494 484 486 RE Steer Tract. Steer Tract. Steer Tract. Steer Tract. E 3240 3340 6100 6200 VLD 230 230 230 230 VLT 225 225 225 225 α 15° 15° 15° 15° β 40° 40° 20° 20°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME PIRELLI PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

215

13 - Desenhos técnicos

216

217

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B
-1.45 -0.86

C
1.35 0.86

2054 2053

A
VOM GVW

B
1449 1448

C
116.5 116.5

D
4.66 4.66

E
0.8 0.8

F
-3.59 1.06

G
2.66 -1.86

1833 1833

218

13 - Desenhos técnicos

1719
1620 1585 760 1060 60

720

4450-REF

870 1030 2240

710

980

540

740

600-RF

750

210 1900-REF 150 630

1930 CAIXA DE RODA

R664

(SD) 1000-REF (EE) (ST) 1080-VOM (RE)

a
(E) 1508(BD) (EE) (CT)

b

(BT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 514 435 79 ST 594 475 119

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3560 4340 4800 CT 6062 8019 8631 BD 1508 1508 1508 BT 994 2171 2323 PNEU 10 R20 16PR 275 / 80R 22,5 10 R20 16PR 275 / 80R 22,5 10 R20 16PR 275 / 80R 22,5 RE 493 486 493 486 493 486 E 3990 5500 7800 VLD 230 230 230 VLT 225 225 225 α 15° 15° 15° β 17° 17° 17°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME GOODYEAR PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

219

13 - Desenhos técnicos

220

221

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B

C
4.19 0.57

2019 -5.09 2022 -1.18

A
VOM GVW

B

C

D

E
0.91 0.91

F

G

1993 0810 116.5 4.66 1993 0804 116.5 4.66

-9.07 7.10 -1.41 -0.12

A
VOM GVW

B

C
116

D
4.67

E
1.57 1.57

F

G

1993 1262

-6.16 3.52 -1.25 0.94

1993 1260 116.5 4.67

222

13 - Desenhos técnicos

1723

1620 1585 760

1060

60 720

4450 - REF 710

870 1030

2240

980

540

740

880-REF

2100-REF 1930 750 1000-REF CAIXA DE RODA

R664

630 (SD) 1000-VOM (RE)
a
b

(ST) 1080-VOM (RE)

(E) (BD) (EE) (BT)

(CT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 519 440 79 ST 599 480 119

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3560 4340 4800 CT 6062 8019 8631 BD 1508 1508 1508 BT 994 2171 2323 PNEU 10 R20 16PR 275 / 80R 22,5 10 R20 16PR 275 / 80R 22,5 10 R20 16PR 275 / 80R 22,5 RE 484 481 484 481 484 481 E 3990 5500 7800 VLD 230 230 230 VLT 225 225 225 α 15° 15° 15° β 17° 17° 17°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME GOODYEAR PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

223

13 - Desenhos técnicos

224

225

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B

C
5.38 1.18

1743 -6.27 1744 -1.76

A
VOM GVW

B

C
142 142

D
4.67 4.67

E
0.59 0.59

F

G

1752 770 1752 768

-2.94 2.24 -0.75 0.11

A
VOM GVW

B

C
142 142

D
4.67 4.67

E
1.37 1.37

F

G

1753 1227 1753 1226

-2.23 0.74 -0.85 0.57

226

13 - Desenhos técnicos

2423 / 2429

DIÂMENTRO DE GIRO PAREDE A PAREDE o 21.06 m

1622

1060

720

4450-REF 720

8401040 2240

880 RF

7306

750

2100 REF 1900 REF 630

2960 CAIXA DE RODA R664

1260

(SD) 1020-VOM (RE)
a

b

(ST) 1100-VOM (RE)

(E) 1224 (BD) (EE) (CT) (BT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 544 564 79 ST 624 524 100

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 4800 5307 CT 9696 10203 BD 1508 1508 BT 2164 2164 PNEU 275 / 80R22.5 275 / 80R22.5 476 476 RE Steer Steer E 8600 10600 VLD 230 230 VLT 225 225 α 17° 17° β 15° 15°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME MICHELIN PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

227

13 - Desenhos técnicos

228

229

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B
1234 1234

C
142 142

D
4.67 4.67

E
0.60 0.60

F
-5.81 -2.21

G
-6.56 0.82

1752 1752

A
VOM GVW

B
1734 1735

C
142 142

D
4.67 4.67

E
0.60 0.60

F
-2.95 -0.38

G
3.70 -1.01

1752 1752

230

13 - Desenhos técnicos

2623 / 2629
DIÂMETRO DE GIRO PAREDE A PAREDE 18.4 m 1622 1060 720

4450 REF

880 1070 2240

680 680

1000 REF

550

4987 PLATAFORMA DE CARGA

750 1900 REF 630 (SD) 1080-VOM (RE)

2050 CAIXA DE RODA R680

842

(ST) 1090-VOM
a
b

(RE)

(E) (BD) (EE) (CT)
DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 590 510 80 ST 593 493 100

1360

(BT)

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3440 4580 CT 7490 9848 BD 1503 1503 BT 1187 2405 PNEU 10.00R x 20H 10.00R x 20H 490 497 490 497 RE Steer Tract. Steer Tract. E 4100 6100 VLD 300 300 VLT 250 250 α 28° 27° β 38° 15°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME MICHELIN PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

231

13 - Desenhos técnicos

232

233

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
CURB GVW

E
-1.04 2.40

D
4.67 4.67

G
2.04 -1.42

g1
3.67 3.69

b2
603.2 608.6

f2
-5.29 -5.19

g2
0.16 0.10

g3
8.80 8.78

1233 1225

A
CURB GVW

B
902 898

C
142 142

D
4.67 4.67

E
1.62 1.62

F
0.22 4.94

G
-0.84 -5.58

b2
603 608

f2
-5.30 -5.20

g1
3.67 3.69

g2
0.16 0.10

g3
8.51 8.78

1471 1471

234

13 - Desenhos técnicos

3133
1622
DIÂMENTRO DE GIRO PAREDE A PAREDE o 20.03 m

1060 60

720

4450-REF

880 1065 2240

680

680

1000-REF

7345

550

750
1900-REF

2050 CAIXA DE RODA R680

2070

470 (SD) 1080-VOM (RE)

(ST)
a
b

1090-VOM (RE)

(E) (BD) (EE) 5260 (CT) 1360 (BT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 580 492 88 ST 588 490 98

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3440 4580 CT 7490 9848 BD 1503 1503 BT 1187 2405 PNEU 275 / 80R22.5 295 / 80R22.5 500 502 500 502 RE Steer Tract. Steer Tract. E 3100 6100 VLD 300 300 VLT 250 250 α 28° 27° β 38° 15°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME PIRELLI PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

235

13 - Desenhos técnicos

236

237

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
CURB GVW

B
865 865

C
158 158

D
4.67 4.67

E
2.05 2.05

F
1.87 6.79

G
-2.86 -7.83

b2
512 520

f2
-5.40 -5.23

g1
3.61 3.69

g2
0.25 0.08

g3
8.59 8.97

1368 1368

A
CURB GVW

E
0.80 4.70

D
4.67 4.67

G
0.20 -3.69

g1
3.67 3.66

b2
512.0 520.0

f2
-5.40 -5.23

g2
0.25 0.08

g3
8.82 8.81

1092 1087

238

13 - Desenhos técnicos

1933 Tractor
1500 máx R2040 máx

R2300 min

R1850

4450-REF

2600

1100-REF

750
354 630 (SD) 990-VOM (RE)
a

293 260 (ST) 1120-VOM
b

(RE)

(E) (BD) (EE) (CT) (BT)

DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 514 435 79 ST 639 520 119

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 3760 3760 CT 6303 6303 BD 1508 1508 BT 1035 1035 PNEU 275 / 80R22.5 295/80R22.5 476 481 489 497 RE Steer Tract. Steer Tract. E 4700 4700 4500 4500 VLD 230 230 243 243 VLT 225 225 241 241 α 16° 16° 18° 18° β 26° 26° 27° 27°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME MICHELIN PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

239

13 - Desenhos técnicos

240

13 - Desenhos técnicos

A
CURB GVW

E
-0.95 0.21

C
1.20 0.17

1439 1438

241

13 - Desenhos técnicos

1933 Rígido
DIÂMENTRO DE GIRO PAREDE A PAREDE o 16.1 m

1622

1060

810 800

720

4450-REF

870 1030 2240

720 667 1069 538 1533

880-RF

6243-REF PLATAFORMA DE CARGA

750

2100-REF 1900-REF 630

1930 CAIXA DE RODA R664

1340

(SD) 990-VOM (RE)
a
b

(ST) 1100-VOM (RE)

(E) (BD) (EE) (CT)
DIM. RELATIVAS AO PESO PESO VOM PBT CURSO SD 514 435 79 ST 639 520 119

(BT)

DIMENSÕES BÁSICAS EM PBT EE 4800 4800 CT 8631 8631 BD 1508 1508 BT 2323 2323 PNEU 275 / 80R22.5 295 / 80R22.5 476 481 489 497 RE Steer Tract. Steer Tract. E 9100 9100 9300 9300 VLD 230 230 243 243 VLT 225 225 241 241 α 16° 16° 18° 18° β 11° 11° 12° 12°

DIMENSÕES RELATIVAS AOS PNEUS CONFORME MICHELIN PARA OUTROS FABRICANTES CONSULTAR ENGENHARIA FORD

242

243

13 - Desenhos técnicos

13 - Desenhos técnicos

A
VOM GVW

B
1175 1176

C
155.8 155.8

D
4.67 -3.69

E
2.09 2.09

F
-5.42 -0.17

G
2.73 -2.07

1294 1294

244

14 - Circuitos

Circuitos Pneumático de Freios
816
8
11 22 21

1 2
4

(DIR)

11

(DIR) 2 13 1 2

12

10

1
16

2 7 5
14

6

3
21 22 23 24 25 26

4

(ESQ)

12

11 22 4/25

11 12

2

2

9
(ESQ) ACES1

11

15

17

21 11 22 12

18

ACES2

1 2 3 4 5 6 7 8

- Compressor - Trocador de calor - APU (filtro secador) - APU (válvula de 4 vias) - Reservatório secundário - Reservatório de acessórios - Reservatório regenerativo - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência 9 - Válvula de duas vias com descarga rápida 10 - Válvula sensível à carga LSV

11 12 13 14 15 16 17 18

- Câmara do freio traseiro - Câmara do freio dianteiro - Válvula de descarga rápida - Filtro do sistema de pós-tratamento - Unidade dosadora - Reservatório primário - Filtro do sistema de pós-tratamento - Pedal do freio

245

14 - Circuitos

1319 / 1519 / 1719 / 1723

10

1 2
11 22 21 3

4

15 (DIR)
2

13

14 (DIR)

8

11
1 11 12

3
2

1

2

2

12

2 18

21 3 22

11 12

3 4
21 22 23 24 25 26 11 22 4/25 3

15 (ESQ)

9

14 (ESQ)

5 16 6 17

7 ACES1 ACES2

1 - Compressor 2 - Trocador de calor 3 - APU (filtro secador) 4 - APU (válvula de 4 vias) 5 - Reservatório secundário 6 - Reservatório de acessórios 7 - Reservatório regenerativo 8 - Reservatório primário 9 - Pedal do freio 10 - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência

11 12 13 14 15 16 17 18

- Válvula de descarga rápida - Válvula de duas vias com descarga rápida - Válvula sensível à carga LSV - Câmara do freio traseiro - Câmara do freio dianteiro - Reservatório de ar Sistema de pós-tratamento - Filtro do sistema de pós-tratamento - Unidade dosadora

246

14 - Circuitos

2423 / 2429

18
11

1 2
11 22 21 3

4

18 (DIR) 18 (DIR)

17 (DIR)
2

14

12
1

15 1 2
11 12 11 12

3
2

2 3
21 3 22 12 11

13

2

2

13

2

4
21 22 23 24 25 26 11 22 4/25 3

17 (ESQ)

10

16 (ESQ)

16 (ESQ)

Reservatório de ar

5 6 8 19 7 ACES1 ACES2 ACES3 20 9

1 - Compressor 2 - Trocador de calor 3 - APU (filtro secador) 4 - APU (válvula de 4 vias) 5 - Reservatório secundário 6 - Reservatório de acessórios 7 - Reservatório regenerativo 8 - Reservatório primário 9 - Reservatório de Ar Sistema pós-tratamento 10 - Pedal do freio 11 - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência

12 13 14 15 16 17 18 19 20

- Válvula de descarga rápida - Válvula de duas vias com descarga rápida - Válvula sensível à carga LSV - Válvula piloto - Câmara do freio traseiro - Câmara do freio dianteiro - Reservatório da carreta - Filtro sistema de pós-tratamento - Unidade dosadora

247

14 - Circuitos

2623 / 2629 / 3133 sem reboque

19

10
11 22 21 3

1 2 4 (DIR)
13 14

15

(DIR)
11
1 2

(DIR)

14

2

3

1

2
11 12 11 12

2
12
21 3 22 12 11

2

2
12

2

3 4
21 22 23 24 25 26 11 22 4/25 3

15

9

(ESQ) 5
16

(ESQ) 8

14

14

(ESQ)

17

6

7 ACES1 ACES2 ACES3 ACES4

18

1 - Compressor 2 - Trocador de calor 3 - APU (filtro secador) 4 - APU (válvula de 4 vias) 5 - Reservatório secundário 6 - Reservatório de acessórios 7 - Reservatório regenerativo 8 - Reservatório primário 9 - Pedal do freio 10 - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência 11 - Válvula de descarga rápida

12 - Válvula de duas vias com descarga rápida 13 - Válvula sensível à carga LSV 14 - Câmara do freio traseiro 15 - Câmara do freio dianteiro 16 - Reservatório de Ar Sistema pós-tratamento 17 - Filtro do sistema pós-tratamento 18 - Unidade dosadora 19 - Reservatório da carreta

248

14 - Circuitos

2629 / 3133 com reboque

10
1 2 3

18 11

1 2
11 22 21 3

4

16

17

(DIR)
2 12

15

(DIR)

16

(DIR)

3
2

1

1

2

11 12

11 12

2

13

2

2
13

2

21 3 22

11 12

3 4
21 22 23 24 25 26 11 22 4/25

14
41 42 43
12 22

11

17

9

22 16 16

(ESQ) 5

3

(ESQ)

(ESQ)

19

8 6
20

7 ACES1 ACES2 ACES3 ACES4
21

1 - Compressor 2 -Trocador de calor 3 - APU (filtro secador) 4 - APU (válvula de 4 vias) 5 - Reservatório secundário 6 - Reservatório de acessórios 7 - Reservatório regenerativo 8 - Reservatório primário 9 - Pedal do freio 10 - Válvula moduladora do freio da carreta/reboque 11 - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência

12 - Válvula de descarga rápida 13 - Válvula de duas vias com descarga rápida 14- Válvula protetora da carreta 15 - Válvula sensível à carga LSV 16 - Câmara do freio traseiro 17 - Câmara do freio dianteiro 18 - Reservatório da carreta 19 - Reservatório de ar sistema pós-tratamento 20 - Filtro sistema de pós-tratamento 21 - Unidade dosadora 22 - Reservatório da carreta

249

14 - Circuitos

1933 com quinta-roda

12
1

13

1 2
11 22 21 3

19 (DIR)
2

2 3

4

17 14
1 2 11 12

18 (DIR)

8

8

3

1

2

2
15

2
16
41 42

9

11

11

21 3 22

11 12

3 4
21 22 23 24 25 26 11 22 4/25 3

43
12 22

19 (ESQ)

10

5

18 (ESQ)

6

20

7 ACES1 ACES2 ACES3
21

1 - Compressor 2 - Trocador de calor 3 - APU (filtro secador) 4 - APU (válvula de 4 vias) 5 - Reservatório secundário 6 - Reservatório de acessórios 7 - Reservatório regenerativo 8 - Reservatório primário 9 - Reservatório da carreta 10 - Resevatório da carreta 11 - Pedal do freio

12 - Válvula moduladora do freio da carreta/reboque 13 - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência 14 - Válvula de descarga rápida 15 - Válvula de duas vias com descarga rápida 16 - Válvula protetora da carreta 17 - Válvula sensível à carga LSV 18 - Câmara do freio traseiro 19 - Câmara do freio dianteiro 20 - Filtro sistema de pós-tratamento 21 - Unidade dosadora

250

14 - Circuitos

1933 com reboque

12 11
1 2 3 11 22 21 3

1 2 4 8

18 (DIR)
2

16

17 (DIR)

13
1

3
2

1

2

11 12

2

14

2 15
41 42 11

21 3 22

11 12

3 4
21 22 23 24 25 26 11 22 4/25 3

43

21

20

12 22

18 (ESQ)

10

5

17 (ESQ)

9

19

6

7 ACES1 ACES2 ACES3

1 - Compressor 2 - Trocador de calor 3 - APU (filtro secador) 4 - APU (válvula de 4 vias) 5 - Reservatório secundário 6 - Reservatório de acessórios 7 - Reservatório regenerativo 8 - Reservatório primário 9 - Reservatório da carreta 10 - Pedal do freio 11 - Válvula moduladora do freio da carreta/reboque

12 - Válvula moduladora dos freios de estacionamento e emergência 13 - Válvula de descarga rápida 14 - Válvula de duas vias com descarga rápida 15 - Válvula protetora da carreta 16 - Válvula sensível à carga LSV 17 - Câmara do freio traseiro 18 - Câmara do freio dianteiro 19 - Filtro do sistema de pós-tratamento 20 - Unidade dosadora 21 - Reservatório de ar sistema pós-tratamento

251

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

Linha Cargo 6x2 e 6x4 Proconve 7 (Euro V)

2

1

7

8

3

4

5

6

1 2 3 4 5 6 7 8

– – – – – – – –

Reservatório de Arla 32 (pág.253) Linhas de fornecimento e retorno entre Reservatório de Arla 32 e Unidade Dosadora (pág.253) Unidade dosadora (pág.254) Linha de injeção de Arla 32 (pág.255) Injetor de Arla 32 (pág.255) Tubo de escape primário e EGP (pág.256) Módulo do sensor de NOx (pág.257) Sensor de NOx (pág.259)

252

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

1. Reservatório de Arla 32 1.1 O reservatório de arla 32 está posicionado próximo da unidade dosadora, minimizando perdas de carga e a criação de bolhas de ar nas linhas de pressão. 2. Linhas de fornecimento e retorno entre Reservatório de Arla 32 e Unidade Dosadora 2.1 As linhas de fornecimento e retorno de arla 32 entre o reservatório e a unidade dosadora possuem diâmetro interno de 6 mm, comprimento máximo 6 m e construídas em Poliamida (PA), Perfluoroalkoxy (PFA) ou Etileno Propileno (EPDM); 2.2 A instalação das linhas é feita de forma a proteger as mesmas contra abrasão, superfícies cortantes e fontes de calor; além disso, o roteiro é curto, a fim de evitar raios, com possível acúmulo de ar nas linhas (vide figura).

Unidade dosadora

Reservatório de Arla 32

Injetores de Arla 32

Escapamento

• Roteiro representado pela linha “vermelha”: possibilidade de queda de pressão e acúmulo de ar dentro da tubulação; • Roteiro representado pela linha “verde”: roteiro original de fábrica.

253

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

3. Unidade dosadora 3.1 A unidade dosadora está fixada no chassi do caminhão levando em conta a posição do reservatório de arla 32: - Unidade dosadora acima do tanque de arla 32: distância máxima 0,8 m; - Unidade dosadora abaixo do tanque de arla 32: distância máxima de 0,3 m. Os pontos de referência para as distância estão mostrados na figura abaixo;
A referência do tanque é a linha que indica a superfície de apoio do suporte Esta referência é válida para todos os modelos de tanque de arla32

Y<0,8m

Unidade dosadora

Y<0,3m

A referência da unidade dosadora é a linha de centro horizontal dos furos de fixação superiores Tanque de arla32

3.2 A unidade dosadora de Arla 32 é montada no chassi do caminhão com a seta de indicação de montagem apontando verticalmente para cima;
Símbolo ISO apontando direção de montagem Z

Paralelo ao eixo Z e "apontando" para cima

254

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

3.3 A unidade dosadora está montada numa posição que não excede 85ºC durante a operação do caminhão, evitando que o arla 32 contido em seu interior não ultrapasse 50ºC; esta mesma posição evita que a unidade dosadora sofra eventuais danos provenientes por excesso de barro, água, pedras, pó, etc; 3.4 A pressão do ar comprimido que alimenta a unidade dosadora está entre 6 e 12 bar no conector de entrada do componente; 3.5 Para garantir que o ar comprimido que abastece a unidade dosadora esteja livre de impurezas (óleo/água), utilizar sempre o filtro ar-óleo especificado pelo fabricante (Cummins). 4. Linha de injeção de Arla 32 4.1 A linha de injeção de arla 32 no tubo de escape primário possue diâmetro interno de 3 mm, comprimento máximo 2 m e construída em Politetrafluoretileno (PTFE); 4.2 A linha possui flexibilidade suficiente para suportar movimentos relativos entre a unidade dosadora e o injetor de arla 32. O roteiro é curto, a fim de evitar reaios que podem acumular ar nas linhas; 4.3 A unidade dosadora está numa posição mais alta que o injetor, de forma que o roteiro da linha seja descendente; 4.4 A tubulação da linha de injeção suporta temperaturas de trabalho de até 150ºC. 5. Injetor de Arla 32 5.1 O injetor de arla 32 está posicionado na vertical em relação ao tubo de escape primário, formando um ângulo de 90º; 5.2 Não há dobra 100 antes e 270 mm depois do injetor (apenas seção reta de tubo). Além disso, a direção de injeção está no mesmo sentido que o fluxo de gases.

100 mm

270 mm

Injeção de Ureia Gases

255

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

6. Tubo de escape primário e EGP 6.1 O comprimento do tubo primário pode variar de 1 a 4 m, dependendo do entre-eixos do caminhão. É importante observar que, trata-se do comprimento total da linha de centro, levando-se em consideração as curvas e dobras do tubo;
A B

A

B Comprimento total da linha de centro ¨L¨ , 1m<L<4m

6.2 O comprimento de tubo (considerando seção reta e curvas) entre o injetor de arla 32 e o EGP foi dimensionado de maneira a propiciar a correta reação química, entre o arla 32 e os gases de escape no EGP;

Injetor de Arla 32

EGP

6.3 O tubo de escape primário é construído em Aço Inoxidável 304 (ou Aço Inoxidável 439), com os diâmetros: Saída do turbocompressor até o flexível 2,5” 2,5” 3,5” 4” Flexível até entrada do EGP 3,5” 3,5” 3,5” 4”

Modelo 816 1319 / 1519 / 1719 1723 / 2423 / 2429 / 2623 / 2629 3133 / 1933

Motor ISB 4 ISB 4 ISB 6 ISL

256

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

6.4 O EGP está dimensionado de maneira a promover a correta catálise da mistura de gases de escape e arla 32. Suas dimensões não podem variar em hipótese alguma; 6.5 A junta entre o tubo primário e o EGP é estanque; evitando vazamento de gases, e queda da eficiência do processo. A configuração abaixo é utilizada para unir as peças do sistema de escapapamento.
Junta Bicone Flare

Gases

7. Módulo do sensor de NOx 7.1 O cabo entre o módulo de NOx e o sensor é fixado de forma que não haja movimentação durante a utilização do caminhão, evitando danos.

Cabo do sensor de Nox com dois pontos de fixação sensor de NOx Módulo do sensor de NOx

257

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

7.2 O conector do módulo de NOx suporta uma temperatura máxima de trabalho de 100ºC

Nesta região a temperatura máxima de operação deve ser 100° C

7.3 Distância entre conector do módulo do NOx e o resistor é dimensionado para garantir o correto balanceamento da linha CAN.

X

258

15 - Características do sistema de exaustão e pós-tratamento dos gases do motor

8. Sensor de NOx 8.1 O sensor de NOx é instalado na parte superior do EGP, sempre na vertical.

Sensor de NOx

Linha horizontal Seção EGP

IMPORTANTE: Códigos de Falha A lâmpada MIL (Malfunction Indicator Lamp), instalada no painel do caminhão, alerta sobre o mal funcionamento do sistema de pós-tratamento dos gases. Esta Lâmpada acende quando ocorre a quebra, instalação deficiente ou mesmo não-instalação do componente. Além da lâmpada acessa, estas falhas serão registradas no módulo eletrônico do motor. Por isto, o alerta de NÃO COLOCAR O MOTOR DO CAMINHÃO EM FUNCIONAMENTO com qualquer dos componentes desinstalados: Tanque de Arla 32, Sensores de Nível e Temperatura do Tanque de Arla 32, EGP, Unidade Dosadora, Sensor de NOx e Sensores de temperatura.

259

1.0.0 Distribuição de Energia & Estratégia de Fusíveis 8 Ton ISB

SDF01 WE 16.0

RD

14401

2.2.0

DO SUBSISTEMA DE CARGA E PARTIDA
+ 15A

CBP75 WA 2.5 YE-GY

14401

CBP75A WA 1.5

YE-GY

14401

F75-02

MINI FUSÍVEL 75 (C)

+

3A

CBP28 WA 0.50 GY-VT

14401

INTERRUPTOR DE LUZ
CN1-2 CN1-3 C2LF18-3 CLF18 WA 2.5 BU-WH 14401 CLS34 WA 2.5 GY 14401 OFF CN1-1 F32-02

5.7.2

PARA LUZES DE ESTACIONAMENTO RELÉ DO FACHO DO FAROL ALTO R05 20A
02 R05-05 05

MINI FUSÍVEL 28 (A)

+

3A

CBP30 WA 0.50 YE-BU 14401

5.7.2

PARA LUZES DE ESTACIONAMENTO

MINI FUSÍVEL 30 (A)

+

5A

CBP32 WA 0.75 GN-VT

14401

5.7.2

PARA LÂMPADAS LADO DIREITO

CLF08 WA

1.5 0.50

YE-VT BK-BU

14401 14401

MINI FUSÍVEL 32 (A)

04 R05-04 R05-01 5.7.2 01 C_GD111AB WA 03 R05-03

5.1.7 1.2.0

PARA INTER. DE MULTIFUNÇÃO (FAROL ALTO) DO TERRA

C2LF18 + 5A CBP34 WA 0.75 VT-BN 14401

PARA LÂMPADAS LADO ESQUERDO

MINI FUSÍVEL 34 (A)

+

3A

CBP36 WA 0.50 BU-BN

14401

5.7.2

PARA LÂMPADAS DO TETO

MINI FUSÍVEL 36 (A)

RELÉ DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO DE ACESSO DO CLIENTE R17 20A
+ 20A SBP56 WA 2.5 VT-RD 14401 R17-05 YE-RD 14401 5.3.1 05 02 CAT17 WA 2.5 WH 14401 04 R17-04 C_GD111AE WA 0.50 BK-BU 14401 03 R17-03

MINI FUSÍVEL 56 (A)

5.7.2 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

+

7.5

SBP58 WA 1.0

F58-02 + 20A SBB03 WA 2.50 BU-RD 14401

PARA INTER. DO PEDAL DO FREIO PARA INTER. DE MULTIFUNÇÃO (BUZINA)

MINI FUSÍVEL 58 (C)

DA DISTRIBUIÇÃO 5.7.2

CBP30G WA 0.50 YE-BU

14401 R17-01 01

+

10A

SBP60 WA 1.5

GN-RD 14401

7.5.0

MINI FUSÍVEL 60 (B)

+

JCASE #3(C)

5A

SBP62 WA 0.75 BN-RD 14401

MINI FUSÍVEL 62 (C)

13.0.0

PARA SISTEMA DE LOCAL. E BLOQUEIO

+

40A

Somente para Brasil

SBB04 WE 4.0 GN-RD 14401

JCASE #4 (C)

+

30A

SBB05 WE 4.0 GY-RD 14401

+

JCASE #5 (C)

3.1.1

PARA ECM

20A

SBP46 WA 2.5

BN-RD 14401

5.4.0

MINI FUSÍVEL 46 (C)

PARA INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA PARA LUZ DE CORTESIA PARA RÁDIO
SBP52A WA 1.5 GN-RD 14401

+

SBB06 WE

4.0

BN-RD

14401 F48-02

+

40A

7.5A

SBP48 WA 1.0 VT-RD

14401

JCASE #6(C)

6.0.0

MINI FUSÍVEL 48 (A)

+

10A

SBP50 WA 1.5

YE-RD

14401

+

40A

14.1.1

SBB07 WE 4.0 WH-RD 14401 F52-02

MINI FUSÍVEL 50 (A)

+

JCASE #7 (C)

15A

SBP52 WA 1.5 GN-RD 14401 S2BP52

SBP52B WA 1.5

GN-RD 14401

5.1.7

MINI FUSÍVEL 52 (C)

PARA INTER. DE MULTIFUNÇÃO (LUZES PISCA)

+

10A

SBP54 WA 1.5 BN-RD 14401

1.4.0

PARA CONECTOR DE DIAGNÓSTICO

MINI FUSÍVEL 54 (C)

+

40A

SBB01 WE 4.0

RD

14401 SBP72A WA 0.50 BU-RD 14401 SBB06A WE 4.0 BN-RD 14401 12.8.0 + 3A SBP72 WA 0.50 BU-RD 14401 S2BP72 SBP72C WA 0.50 BU-RD 14401 SBP72B WA 0.50 BU-RD 14401 10.0.0 10.0.0 15.5.0

RELÉ DA LÂMPADA DE RÉ R15 20A PARA CLUSTER
R15-05 05 02 CAT16 WA 04 R15-04 1.0 0.50 GY-BN BK-BU 14401 14401

B+

JCASE #1 (C)

+

20A

SBB08 WA 2.5 VT-RD 14401

5.7.2 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

JCASE #8(A)

PARA PONTO DE ENERGIA

F72-02

PARA CLUSTER DO INTERRUPTOR DE RÉ PARA TACÓGRAFO
5.7.2 CET47B WA 0.75 BU 14401 R15-01 01

MINI FUSÍVEL 72 (C)

C_GD111BG WA 03 R15-03

+

20A

SBB09 WA 2.5 RD 14401

JCASE #9(A) + 40A SBB10 WE 4.0 YE-RD 14401

12.8.0

PARA ACENDEDOR DE CIGARROS

RELÉ DA LÂMPADA DO FREIO R18 20A
+ 7.5A SBP55 WA 1.0 WH-RD 14401 CCA26D WA 1.0 BU-GY 02 R18-05 05 04 CAT18 WA 1.5 YE-OG BK-BU 14401 14401

JCASE #10(C)

MINI FUSÍVEL 55 (B)

+

10A

SBP57 WA 1.5

RD

14401

F57-02

MINI FUSÍVEL 57 (C)

DO INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO

5.3.1

14401 R18-01 01

R18-04 C_GD111BB WA 0.50 03 R18-03

5.3.1 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

+

15A

SBP59 WA 1.5

BU-RD 14401

MINI FUSÍVEL 59 (C)

+

15A

SBP61 WA 1.5

GY-RD 14401

RELÉ AUXILIAR DA LUZ DE DIREÇÃO LE R01 20A
02 R01-05 05 CAT06 WA 1.5 YE 04 R01-04 C_GD111AC WA 0.50 BK-BU 03 R01-03 14401 14401

MINI FUSÍVEL 61 (C)

5.4.0 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

DO INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA Com A/C
+ 20A CBP77 WE 1.5 WH 14401 11.0.0

5.4.0

CLS21E WA

1.5

BU-GN

14401 R01-01 01

F77-02

PARA SISTEMA DE VENTILAÇÃO
11.0.0

RELÉ AUXILIAR DA LUZ DE DIREÇÃO LD R03 20A
02 R03-05 05 CAT09 WA 04 R03-04 1.5 GN BK-BU 14401 14401

MINI FUSÍVEL 77 (B)

Sem A/C
CLS25E WA 1.5 YE-VT

5.4.0 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

+

3A

CBP65 WA 0.5

WH-OG 14401

DO INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA
14.1.1

5.4.0

MINI FUSÍVEL 65 (A)

PARA RÁDIO

14401 R03-01 01

C_GD111AF WA 0.50 03 R03-03

CDC21B WE 4.0 GY-BN 14401 F67-02 + 5A CBP69 WA 0.75 WH-VT 14401 5.7.2

MINI FUSÍVEL 69 (B)

PARA INTERRUPTOR DA ENGRENAGEM DE RÉ
CBP71A WA 0.50 BU-OG 14401 S2BP71 CBP71B WA 0.50 BU-OG 14401 CBP71C WA 0.50 BU-OG 14401 . 13.0.0 . 15.5.0 . 15.5.0 5.4.0

+

3A

CBP71 WA 0.50 BU-OG 14401

RELÉ LIMPADOR E LAVADOR RELÉ ELETRÔNICO R20 ISO PARA INTERRUPTOR MULTIFUNÇÃO (EMERGÊNCIA) PARA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO DO TERRA 1.2.0 PARA O TACÓGRAFO PARA O CLUSTER PARA MOTOR DO LIMPADOR DO PÁRA-BRISA
7.3.0 14401 R20-04 C_GD111BD WA 0.50 BK-BU 14401 R20-02 VRW25 WA 2.5 BU-GY 14401 R20-05 CBP12A WA 2.5 GN-WH 04 02 05 06 03 08 CRW03 WA R20-06 CRW17 WE R20-03 CRW24A WA R20-08 2.5 1.5 2.5 VT-WH GN-VT GY 14401 14401 14401 7.3.0 7.3.0 7.3.0

MINI FUSÍVEL 71 (C)

DO MULTIFUNÇÃO DO MULTIFUNÇÃO DO MULTIFUNÇÃO

INTERRUPTOR DE IGNIÇÃO
OFF 75
CN-04A

+

CDC33 WE 4.0 C2DC32-4A CDC32 WE 4.0

VT-GN 14401 F37-02 BN-YE 14401 F39-02

5A

CBP37 WA 1.0

WH

14401

3.1.1

PARA ECM
3.1.1

CBP71E WA 0.50 BU-OG 14401

MINI FUSÍVEL 37 (C) CBP39B WA

0.5 VT-WH 14401

+

30 C2DC32-1A
CN-01A

15
CN-03A

3A

CBP39A WA 0.5 VT-WH 14401

PARA BOBINA DO RELÉ DO FREIO DE ESTACIONAMENTO

50
CN-02A

C2DC32-3A CDC35 WE 4.0 BU-WH 14401 C2DC32-2A

MINI FUSÍVEL 39 (C)

C2DC32

CDC21A WE 4.0 GY-BN 14401 F43-02

RELÉ DO A/C R09 20A
+ 5A CBP19 WA 0.75 BN-WH 14401 S2BP19 BU-GY 14401 S2BP21 CBP21B WA 0.50 BU-GY 14401 F23-02 CBP19C WA 0.75 BN-WH 14401 11.0.0 . 3.1.1 CBP21A WA 0.50 BU-GY 14401 3.1.1 CBP19A WA 0.75 BN-WH 14401 R09-05 05 CBP19B WA 0.75 BN-WH 14401 R09-01 01 02 04 CH401 WA R09-04 0.75 1.0 VT-WH BN-YE 14401 14401

MINI FUSÍVEL 19 (B)

11.0.0 11.0.0

+

3A

PARA EMBREAGEM DO COMPRESSOR DO DO A/C PARA INTERRUPTOR DE PRESSÃO

CBP21 WA 0.50

PARA INTERRUPTOR ON-OFF CC/PTO PARA INTERRUPTOR DO FREIO-MOTOR

MINI FUSÍVEL 21 (A)

CH453 WA 03 R09-03

PARA INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO A/C PARA EMBREAGEM DO COMPRESSOR DO DO A/C

CBP19E WA + CDC35A WE 4.0 BU-WH 14401 S2DC35 CDC35B WE 4.0 BU-WH 14401 F78-02 F73-02 20A CBP73 WA 2.5 WH-BN 14401 2.2.0

0.75

BN-WH 14401

11.0.0

PARA MOTOR DE PARTIDA RELÉ DO FREIO DE ESTACIONAMENTO R11 20A CCA28A WA GN-BU 14401 02 R11-02 R11-05 05
04 CMC25A WA 01 03 R11-03

MINI FUSÍVEL 73 (C)

+

3A

CBP78 WA 0.50

GY-BU

14401

10.0.0

PARA CLUSTER DA ECM
3.1.1 RE401J WA 0.50

MINI FUSÍVEL 78 (C)

0.50 GY-BN

14401

DA DISTRIBUIÇÃO
+ 15A SBP11 WA 1.5 BU-RD 14401

1.0.0

CBP39B WA

0.50 VT-WH 14401 R11-01

0.50

WH-VT

14401

3.1.1

DO INTERRUPTOR DO FREIO DE ESTACIONAMENTO

F11-02 SBB10A WE 4.0 YE-RD 14401 F13-02

3.1.1

PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA (T30) RELÉ DO FREIO DE SERVIÇO R12 20A CCA28 WA 0.50 GY-BN 02 R12-02 05 04 14401 CCA26C WA 1.0 BU-GY 03 R12-03 R12-01 01

MINI FUSÍVEL 11 (C)

14401

3.1.1

PARA ECM

R12-05

DO TERRA

1.2.0

C_GD111BA WA

0.50 BK-BU

14401

5.3.1

PARA INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO

RELÉ PÓS IGNIÇÃO R14 40A

+

20A

CBP22 WA 2.5 GN-OG 14401

3.1.1

PARA SENSOR NOX PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA (T15) RELÉ DO AQUECEDOR DE UREIA R24 40A
VE356 WA 04 R24-04 RE356 WA 02 08 R24-08 0.75 VT 14401 1.0 GY-VT 14401

MINI FUSÍVEL 22 (C)

+

R14-06

06 04 02 08 R14-04 R14-08

CDC22 WE 4.0 VT-OG 14401 F24-02

15A

CBP24 WA 1.5

VT-GN 14401

3.1.1

MINI FUSÍVEL 24 (C)

+

7.5A

CBP26 WA 1.0

BU-WH 14401 R24-06 06 3.1.1 3.1.1

R14-02

F26-02

MINI FUSÍVEL 26 (C)

PARA AQUECEDOR DE UREIA DA ECM

DA ECM

3.1.1

CE356 WA

0.75 BU-OG

14401 R24-02

CDC22A WE 4.0

VT-OG

14401 F10-02

+

20A

CBP10 WA 2.5

YE-OG 14401

7.3.0

PARA O INTER. DE MULTIFUNÇÃO SW (LIMPADOR E LAVADOR)

MINI FUSÍVEL 10 (C)

+

20A

CBP12 WA 2.5

GN-WH 14401 S2BP12 CBP12B WA 2.5 GN-WH 14401 7.3.0

MINI FUSÍVEL 12 (C)

PARA MOTOR DO LIMPADOR

C_GD111BF WA

0.50

BK-BN

14401

1.2.0

PARA O TERRA

+

7.5A

CBP38 WA 1.0

GY-BU

14401

F38-02

5.1.7

PARA LÂMPADA DO FACHO DO FAROL BAIXO LD PARA LÂMPADA DO FACHO DO FAROL BAIXO LE

MINI FUSÍVEL 38 (C)

+

7.5A

CBP40 WA 1.0

YE-GN 14401

5.1.7

MINI FUSÍVEL 40 (C)

1.2.0 Estratégia de Aterramento 8 Ton ISB

A_GD111A WA

0.50

BK-BU

14401

3.1.1

PARA INTERRUPTOR INCREMENTO/DECREMENTO

A_GD111

WA

1.0

BK-BU

14401 S2D111A

A_GD111B

WA

0.50

BK-BU

14401

3.1.1

PARA INTERRUPTOR ON/OFF CC/PTO

A_GD111C WA

0.50 BK-BU

14401

11.0.0

PARA INTERRUPTOR COMPRESSOR A/C

A_GD111D WA

0.50

BK-BU

14401

3.1.1

PARA INTERRUPTOR DO FREIO-MOTOR

A_GD111G WA

0.50 BK-BU

14401

3.1.1

PARA INTERRUPTOR DO FREIO DE ESTACIONAMENTO
Com A/C

A_GD111H WA

0.50

BK-BU

14401

11.0.0

PARA INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR (2)
11.0.0

Sem A/C

B_GD111

WA

1.5

BK-BU

14401

14.1.1

PARA MÓDULO RÁDIO

G2D111-A

G2D111-B
A_GD123 WE GND N 4.0 BK-GY 14401 C1-34 A_GD123 WE 4.0 BK-GY 12K510

3.1.1

PARA ECM

1° PONTO DE ATERRAMENTO

B_GD123 WE

2.5

BK-GY

14401 C1-37

B_GD123 WE

2.5

BK-GY

14398 S1D123B

B_GD123A WE

1.5

BK-GY

14398

3.1.1

PARA ECM

J_GD111

WA

2.5

BK-BU

14401

12.8.0

PARA PONTO DE ENERGIA
B_GD123B WE 1.0 BK-GY 14398 C1-03 B_GD123B WE 1.0 BK-GY 14D469
S1D123BB

B_GD123BA WE 1.0 BK-GY 14D469 B_GD123B WE 1.0 BK-GY 14D469 .

3.1.1 1.4.0

PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PARA CABO DE DRENAGEM

C_GD111AB WA

0.50

BK-BU

14401

5.1.7

PARA BOBINA DO RELÉ DO FACHO DO FAROL ALTO

C_GD111A WA

1.0

BK-BU

14401 S2D111CA

C_GD111AC WA

0.50

BK-BU

14401

5.4.0

PARA BOBINA DO RELÉ AUXILIAR DE LUZ DE DIREÇÃO LE

C_GD111AE WA

0.50

BK-BU

14401

5.7.2

PARA BOBINA DO RELÉ DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

A_GD120A WA

0.75 BK-GN

14401

5.7.2 5.7.2

PARA FAROL (ALTO+POS) LD PARA FAROL (BAIXO) LD PARA LÂMPADA DE DIREÇÃO DIANTEIRO LD PARA INDICADOR LATERAL LD PARA LUZ DE CORTESIA

C_GD111AF WA

0.50

BK-BU

14401

5.4.0

PARA BOBINA DO RELÉ AUXILIAR DE LUZ DE DIREÇÃO LD
A_GD120 WA 1.0 BK-GN 14401 S1D120A

A_GD120B WA

0.75

BK-GN

14401

A_GD120C WA

0.50 BK-GN

14401

5.4.0

A_GD120D WA C_GD111 WA 1.0 BK-BU 14401 S2D111C C_GD111BA WA 0.50 BK-BU 14401 A_GD120E WA 3.1.1

0.75

BK-GN

14401

5.7.2 6.0.0

1.0

BK-GN

14401

PARA BOBINA DO RELÉ DO FREIO MOTOR

C_GD111BB

WA

0.50 BK-BU

14401

5.3.1

PARA BOBINA DO RELÉ DAS LUZES DE FREIO DO ACESSO AO CLIENTE

C_GD111BC WA

0.50 BK-BU

14401

11.0.0

PARA INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO A/C

C_GD111B

WA

1.0

BK-BU

14401 S2D111CB

C_GD111BD WA

0.50

BK-BU

14401

7.3.0

PARA RELÉ DO LAVADOR/LIMPADOR

B_GD120A WA

0.75

BK-GN

14401

5.7.2

PARA FAROL (ALTO+POS) LE PARA FAROL (BAIXO) LE PARA LÂMPADA DE DIREÇÃO DIANTEIRO LE PARA INDICADOR LATERAL LE
0.75 BK-GN 14401-INT_WH C1-02 B_GD120FA WA 1.5 BK-GN 15A404

C_GD111BF WA

0.50 BK-BU

14401

1.0.0

PARA BOBINA DO RELÉ PÓS PARTIDA
B_GD120 WA 1.0 BK-GN 14401 S1D120B

B_GD120B WA

0.75

BK-GN

14401

5.7.2 5.4.0

B_GD120C WA

0.50 BK-GN

14401

C_GD111BG WA

0.50 BK-BU

14401

5.7.2

PARA BOBINA DO RELÉ DAS LUZES DE RÉ DO ACESSO AO CLIENTE

B_GD120D WA

0.75 BK-GN

14401

5.7.2

G1D123-B

G1D123-A G1D120-A

G1D120-B

B_GD120F WA

0.75

BK-GN

14401 C1-10

B_GD120FA WA

5.7.2

PARA LUZ INDICADORA DO TETO

GND Q PARA-LAMA DIANTEIRO LD

GND N PARA-LAMA DIANTEIRO LE

D_GD111A WA

1.5

BK-BU

14401

7.5.0

PARA BUZINA PARA MOTOR DA BOMBA DE ÁGUA PARA MOTOR DO LIMPADOR DE PARABRISA

D_GD111 WA

4.0

BK-BU

14401 S2D111D

D_GD111B WA

1.5

BK-BU

14401

7.3.0

D_GD111C WA

2.5

BK-BU

14401

G2D111-C

G2D111-D

7.3.0

GND N

2° PONTO DE ATERRAMENTO

GD176 BE

10.0

BK-WH 10A570

2.2.0

PARA ALTERNADOR

GD116 WA

2.5

BK-VT

14401

GD108 WE BK-VT 50.0 14301 14.1.1

PARA RADIO

G2D116
GND

5° PONTO DE ATERRAMENTO
E_GD111A WA 0.50 BK-BU 14401 10.0.0

G1D147-A
INTERRUPTOR DA TRAVA DA CABINA PARA CLUSTER PARA CLUSTER PARA TACÓGRAFO (1)
GND N BLOQUEIO DO MOTOR 1

G1D176
GND N BLOQUEIO DO MOTOR 2

G1D108-B
GND N BLOQUEIO DO MOTOR 3

G1D108-A
C1-1 C2-1 (-) (+)

BATERIA

E_GD111B

WA

0.50 BK-BU

14401

10.0.0

E_GD111

WA

1.0

BK-BU

14401 S2D111E

E_GD111C WA

0.50

BK-BU

14401

10.0.0

E_GD111D WA

0.75

BK-BU

14401

15.5.0

B_GD147 WE E_GD111E WA 0.75 BK-BU 14401 15.5.0

2.5

BK-VT

14398 S1D147B

B_GD147A WE

2.5

BK-VT

14398

5.7.2

PARA TACÓGRAFO (2)

PARA ACESSO DO CLIENTE

BK-YE 14F416

14303

B_GD147C WE 0.75 BK-VT

BK-VT

14398

11.0.0

PARA COMPRESSOR DO A/C

F_GD111A WA F_GD111 WA 1.5 BK-BU 14401 S2D111F F_GD111B WA

0.75 BK-BU

14401

16.0

GD148 BE

G2D111-E

G2D111-F

1.5

BK-BU

14401

1.4.0

PARA CONECTOR DE DIAGNÓSTICO DATA LINK

A_GD147 BE

16.0

13.0.0

PARA MÓDULO LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO

GD151A WE GD151 WE 2.5 BK-GN 14405 S1D151 GD151B WE

1.5

BK-GN

14405

GND Q

5.3.1

PARA LANTERNA TRASEIRA LE

3° PONTO DE ATERRAMENTO
G_GD111A WA 1.5 BK-BU 14401 11.0.0

Com A/C

1.5

BK-GN

14405

PARA INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR (1)
11.0.0

5.3.1

PARA LANTERNA TRASEIRA LD

Sem A/C

G_GD111 WA

6.0

BK-BU

14401 S2D111G

G_GD111B

WA

2.5

BK-BU

14401

5.4.0

PARA INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA

G_GD111C WA

1.0

BK-BU

14401

12.8.0

PARA LUZ SO ACENDEDOR DE CIGARROS PARA LINHA DE SAÍDA DA UREIA

H_GD111

WA

1.0

BK-BU

14401 C1-38

H_GD111

WE

1.0

BK-BU

14398 S2D111H

H_GD111A WE

1.0

BK-BU

14398 C1-4

H_GD111A WE

1.0

BK-BU 14D469

G1D148 G1D147-B
VIGA TERRA Q

G1D147-C

G1D151
VIGA TERRA N PONTO DE ATER. NA TRASEIRA

3.1.1

G2D111-G
GND N

G2D111-H

H_GD111B WE

1.0

BK-BU

14398 C1-8

H_GD111B WE

1.0

BK-BU 14D469

VIGA TERRA N PONTO DE ATER. NO MEIO

3.1.1

PARA LINHA DE ENTRADA DA UREIA

PONTO DE ATER. NA FRENTE

4° PONTO DE ATERRAMENTO

1.4.0 Diagnósticos de Subsistema 8 Ton ISB

VDB11F

WE

0.75

BN-GN 12K510

3.1.1

DO ECM PINO J2-01

VDB11D VDB12D

WE WE

0.50 BN-GN 14401 0.50 BN-BU 14401 0.75 14401

VDB12F

WE 0.75

13.0.0 13.0.0

PARA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PINO B-8 PARA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PINO B-2

BN-BU 12K510

3.1.1

DO ECM PINO J2-21 FIM DA DRENAGEM 05
VDB11G BN-BU VDB12G BN-GN WE 14398 WE 14398 0.50 0.50 VDB11G WE 0.50

DE401F

DRAIN

0.75 12K510 .

DE401D DRENO

FIM DA DRENAGEM 02
C44-E-06 C44-E-12
BN-BU 14D469 VDB12G WE 0.50

3.1.1 3.1.1
S1D123BB

BN-GN 14D469

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 28 DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 22

DE401GG DRAIN 0.75. 14398

DE401G

DRAIN

B_GD123BA

WE

1.0

C44-E-11

0.75 14D469 .

BK-GY 14D469

3.1.1 DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 23

B_GD123B

WE

1.0

BK-GY 14D469

1.2.0

DO TERRA

RESISTOR C1DB04

DO CLUSTER PINO CN1-32 10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-16 10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-15 10.0.0

VDB11C VDB12C

WE WE

0.50 0.50

BN-GN BN-BU 0.75

14401
S2DB11C

VDB11CA BN-GN

WE 0.50 14401 WE 0.50 14401 DRAIN

VDB11AA WE

0.50 14401 0.50 14401

VDB11EA WE

0.50

VDB11EAA WE 0.50

VDB11FA

WE 0.50

VDB11FA

WE

0.50

VDB11GA

WE 0.50 14398

VDB11J

WE 0.50 14398 WE 0.50 14398

C1DB04-A

CN1-A

S2DB11CA

BN-GN

S2DB11DA

BN-GN

14401 0.50

C11-D-03 C11-D-04

BN-GN

12K510 0.50

S1DB11EAA

BN-GN 12K510 VDB12FA WE 0.50

C11-E-16 C11-E-17

BN-GN VDB12FA BN-BU DE401FA 0.75.

14398 WE 0.50 14398 DRAIN 14398

S1DB11FA

BN-GN

S1DB11GA

BN-GN VDB12J

+

14401
S2DB12C

VDB12CA BN-BU

VDB12AA WE BN-BU

VDB12EA WE BN-BU

VDB12EAA WE BN-BU DE401EAA 0.75.

VDB12GA WE 0.50

14401 DRAIN

12K510 DRAIN

S2DB12CA
DE401CA 0.75 DE401AA DRAIN 0.75 14401 14401

S2DB12DA
DE401EA 0.75 14401

S1DB12EAA

BN-BU 12K510 DE401FA DRAIN

S1DB12FA

BN-BU DE401GA

14398 DRAIN

S1DB12GA

BN-BU DE401J

CN1-B

C1DB04-B
DRAIN 0.75 14398

CN1-C

DE401C DRAIN

14401

S2E401C

S2E401CA

S2E401DA

12K510

C11-D-05

S1E401EAA

0.75 12K510

C11-E-07

S1E401FA

0.75

14398

FIM DA DRENAGEM 07

S1E401GA

FIM DA DRENAGEM 06

DE401H DRENO 0.75

14398

C2DB10-B PIN B B+

DO MÓDULO DO SENSOR NOX

3.1.1

VDB12H

WE

0.50 BN-BU

14398

DO MÓDULO DO SENSOR NOX

3.1.1

VDB11H WE

0.50

BN-GN

14398

C2DB10-J

PINO J - ISO 9141 C22-A-03

PINO C J1939 (+) PINO D J1939 (-)
PINO E

VDB11A

WE 0.50

VDB11A BN-GN

WE

0.50

C2DB10-C C2DB10-D

BN-GN 14B242

14401 WE 0.50 14401 DRAIN

C22-A-04
WE 0.50 14B242 VDB12A BN-BU BN-BU

VDB12A

C22-A-05
DE401A DRAIN DE401A 0.75 0.75 14B242 14401

VDB11E

WE

0.50 BN-GN 0.50 BN-BU

14401 14401 14401

PINO E J1939 BLINDAGEM

15.5.0 DO TACÓGRAFO PINO A-4 15.5.0 DO TACÓGRAFO PINO A-8

VDB12E WE

FIM DA DRENAGEM 01
DE401E DRAIN 0.75

FIM DA DRENAGEM 03

PINO H BAIXO/ALTO SW

GND PINO A F_GD111 WA 1.50 BK-BU 14B242 C2DB10-A WA 1.50 BN-RD 14B242 WA 0.50 GY 14B242 C22-A-01
CONECTOR DE DIAGNÓSTICO (DATALINK) C2DB10

F_GD111B WA 1.50 BK-BU 14401

1.2.0

DO TERRA

VDB10

SBP54

VDB10 WA 0.50 GY 14401 C22-A-09 S2DB10

VDB10A WA 0.50 GY 14401

10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-31

VDB10C WA 0.50 GY 14401

13.0.0 DO T&B PINO A-15

C22-A-02

SBP54 WA 1.50

BN-RD

14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

10.0.0 Subsistema do Cluster 8 Ton ISB

E_GD111A WA 0.75 BK-BU C39-A-08

14401

1.2.0

DO TERRA

C1PL30-01 E_GD111AA WA 0.75 BK-BU 14401-INT_WH C1PL30-02
21

C1-1 14401-INT_WH BU-BN

C1-2

INTERRUPTOR DE TRAVA DA CABINE C1PL30

VDB10A

VDB10 WA

0.50 GY

14401

PARA TACÓGRAFO

15.5.0

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP72 WA

0.50 BU-RD

14401 S2BP72

SBP72A WA

0.50

BU-RD

14401

CPL30A WA 0.75

SBP72C WA

0.50 BU-RD

14401

1.4.0

PARA DIAGNÓSTICO

CLS21A WE CLS25A WE CBP30E WA CLF17C WE CMC25B WA

0.75 BU-GN 0.75 YE-VT

14401 14401 14401 14401 14401

SBP72B WA

0.50 BU-RD

14401

5.4.0 5.4.0 5.7.2 5.1.7 3.1.1

DO INTERRUPTOR DE DIREÇÃO/EMERGÊNCIA LE DO INTERRUPTOR DE DIREÇÃO/EMERGÊNCIA LD DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO DOS FARÓIS (ALTO) DO INTERRUPTOR DO FREIO DE ESTACIONAMENTO

DA DISTRIBUIÇÃO

BU-BN 14401

1.0.0

CBP71E WA

0.50

BU-OG

14401

C39-A-09

0.50 YE-BU 0.75 0.50 WH-OG WH-VT

CBP71EA WA 0.50 BU-OG 14401

C2MC45-A-19

CPL30 WA 0.75

C2MC45-B-04

C2MC45-A-01

C2MC45-A-17

C2MC45-B-01

C2MC45-A-31

C2MC45-A-27

C2MC45-A-28

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP78 WA

0.50 GY-BU

14401 C2MC45-A-04

CN1-19 CN1-1 KL.15 (IGN) KL.30(BAT) CN1-10 VBATT - CARGA DA BATERIA CN1-4 KL50 GND GND CN1-9 CN1-26 C2MC45-A-09 C2MC45-A-26

CN1-17 CN2-1 CN2-2 KL.30(BAT) TRAVA DA CABINE RESTRIÇÃO DE DESBLOQUEADA ENTRADA DO FILTRO DE AR TRANSM+ TRANSMCN2-13 CN2-14

CN2-9 SINAL ENT. EIXO TRAS.

CN1-31 LINHA K ISO9141

CLUSTER
J1939 CN1-32 J1939 CN1-16 J1939 CN1-15

C2MC45-A = CN1 C2MC45-B = CN2

CN2-17 ELEV. EIXO TRAS. 6X2

CN2-18 BLOQ. DIF. EIXO TRAS. 6X4

CN1-27 DIREÇÃO ESQ.

CN1-28 DIREÇÃO DIREITA

CN1-29 ILUMIN. PWM

C2MC45-A-29

CN2-4 FAROL ALTO

CN2-19 FREIO DE ESTAC. PW CN1-12

SINAL DE VELOC. CN2-31

CAN_ALTO CAN_BX BLINDAGEM

SENSOR ANALOG GND P. ALIM. CN1-23 CN1-21

SENSOR P. AR 2 CN1-22

SENSOR P. AR 1 CN1-24

NÍVEL DE COMB. CN1-25
14401

TX CN1-14 ABERTURA DA PORTA RX CN2-10 CN1-13

C2MC45-A-32

C2MC45-A-16

C2MC45-A-15

C2MC45-A-23

C2MC45-A-21

C2MC45-A-22

C2MC45-A-24

DO TERRA

1.2.0

E_GD111B WA

0.50

BK-BU

14401

DO TERRA

1.2.0

E_GD111C WA

0.50

BK-BU

14401

0.75 GN-BU

C2MC45-A-25

C2MC45-B-10

C2MC45-B-19 CLN28B WE 0.75

GN-BU 14401

6.0.0

DA ILUMINAÇÃO INTERNA

VCA38 WA WH-BN 14401

0.75 BN-VT

14401 C11-A-09

RCA37 WA C11-A-10 LCA37 WA C11-A-11

0.75

WH-BU

14401 14398 GN-BU

0.75

0.75

YE-OG

14401

RMC27 WA

C11-A-23

VCA38 WE 0.75

BN-VT

14398

RMC32 WA

RMC27C WE

0.75 WH-BN

14398

C11-A-31 WH-BN 14398

PARA CONECTOR DE DIAGNÓSTICO (DATA LINK) PINO C (J1939+)

1.4.0

VDB11C WE

0.50

BN-GN 14401

0.75 YE-OG 14398 C1CA37-02 VCA38AWE 0.75 BN-VT 14398 C1CA37-03 RMC27B WE 0.75 WH-BN 14398 C1CA37-04 RCA37 WE 0.75 WH-BU 14398 C1CA37-05 VCA38B WE 0.75 BN-VT 14398 C1CA37-06 RMC27A WE 0.75 WH-BN 14398 C1CA37-07

LCA37 WE

PRESSÃO DO AR SNS

RMC32 WE

C1MC32-01 1

PRESSÃO DO AR SNS 1

6.5 P. ABASTEC. 6.6 TERRA 6.7

2

1.4.0

PARA CONECTOR DE DIAGNÓSTICO (DATA LINK) PINO E (BLINDAGEM)

DE401CC WA 1.4.0

0.50 BK

14401

O cabo J1939/11 deve ser carregado para WA devido a conexão do cluster

RMC27 WA

0.75

PARA CONECTOR DE DIAGNÓSTICO (DATA LINK) PINO D (J1939-)

VDB12C WE

0.50

BN-BU

14401

SENSOR DE PRESSÃO DO AR DO FREIO C1CA37

SENSOR DO NÍVEL DE COMBUSTÍVEL C1MC32

S1MC27

C1MC32-02

6.2 P. ABASTEC. 6.3 TERRA 6.4

S1CA38

0.75

11.0.0 Subsistema de Controle de Temperatura 8 Ton ISB Com A/C

6 IN CBP19E WA 0.75 C2H421-06 BN-WH 14401 C2H421-01 1

OUT

2 C2H421-02 5 C2H421-05

CH421 WA 0.75 GY 14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

5.7.2

CBP28E WA

0.50 GY-VT

14401 4 3 C2H421-05

C2H421-04

DO TERRA

1.2.0

A_GD111C WA

0.50

BK-BU

14401

INTERRUPTOR DO COMPRESSOR A/C C2H421
C1-2 C2H435-02 C1-8 SERVO (+) C1-4 SERVO (-) CH424 WA C2H435-08 CH424A WA C2H435-04 0.50 WH-BU 0.50 WH-BU 14401 14401

TERMOSTATO PINO 2

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP77 WA

1.5

WH

14401 C2H435-07

C1-7

VENTILADOR (+)

CH428 WA

1.5

GN-WH

14401

C2H435-05 CH430 WA 1.5 VT-OG 14401 C2H435-01 G_GD111A WA C2H426-A-05 1.5 BK-BU 14401 1.2.0

C1-5 VENTILADOR (MÉDIO) C1-1

VENTILADOR (ALTO)

DO TERRA DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO
CH427 WA BN 1.5 C2H435-06 C1-6 14401

SISTEMA DE VENTILAÇÃO
C2H435

C_GD111BC

WA

0.50

BK-BU 14401

1.2.0

DO TERRA

CBP28J WA C2H426-B-01
C1-5 C2-1

0.50 GY-VT 14401

5.7.2

1) OFF 2) 1 3) 2 4) 3

VENTILADOR (BAIXO)
C2HA11-03 C1-3 C2H435-03 C2HA11-01

4 321

INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR C2H426
C2-4

3

5 C2HA11-05

1

2 C2HA11-02

TERMOSTATO PINO 1

C1-2

C1-3

C1-4

ALTO

MÉDIO

BAIXO

C2H426-B-04 A_GD111H WA C2H426-A-04 0.50 BK-BU 14401 1.2.0

C2H426-A-02

C2H426-A-03

DO TERRA
C2HA11-04

4

INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO A/C C2HA11
14401 5.7.2

CH427A WA CH427C WA CH427B WA

1.5

BN

14401 14401 S2H427

CBP28G WA

0.50

GY-VT

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

0.75 BN 14401 0.75 BN 14401

CH401 WE 0.75

VT-WH 14398

C11-A-25

RELÉ DO A/C R09 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 CBP19A WA 0.75 BN-WH 14401 R09-05 02 04 R09-04 1.0.0 CBP19B WA CH401 WA CH453 WA 01 03 R09-04 0.75 1.0 VT-WH BN-YE 14401 14401

C1E462-01 C1-1 +

05

EMBREAGEM DO COMPRESSOR DO A/C C1E462
B_GD147C WE 0.75 BK-VT 14398 1.2.0

C11-D-08

CH453 WE

1.0

BN-YE 12K510 C1ET46-02

C1-2
2 A/C

C1-1

CH453B WE C1ET46-01

1.0

BN-YE 12K510

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP19C WA

0.75

BN-WH

14401

INTERRUPTOR DE PRESSÃO C1ET46

C11-D-07

DA DISTRIBUIÇÃO

0.75 BN-WH 14401 R09-01

C1-2 C1E462-02

DO TERRA

CH453B WA

1.0

BN-YE

11.0.0 Subsistema de Controle de Temperatura 8 Ton ISB Sem A/C

C1-2

C1-8 SERVO (+) C1-4 SERVO (-)

TERMOSTATO PINO 2

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP77 WE

1.5

WH

14401 C2H435-07

C1-7

VENTILADOR (+)

CH428

GN-WH

WA 1.5 14401 C2H435-05

C1-5

VENTILADOR (MÉDIA)
C1-1

CH430

VT-OG WA 1.5

14401 C2H435-01

VENTILADOR (ALTA)

G_GD111A WA C2H426-A-05

1.5

BK-BU

14401

1.2.0

DO TERRA DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO
C1-6 C2H435-06

CBP28J WA C2H426-B-01
C2-1

0.50 GY-VT 14401

SISTEMA DO VENTILADOR
C2H435

5.7.2

1) OFFC1-5 2) 1 3) 2 4) 3

VENTILADOR (BAIXO)

4 3 21

INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR C2H426
C2-4

C1-3

TERMOSTATO PINO 1

C1-2

C1-3

C1-4

MÉDIO

BAIXO

ALTO

C2H426-B-04 C2H426-A-04

DA DISTRIBUIÇÃO

C2H426-A-01

C2H426-A-03

A_GD111H WA

0.50

BK-BU

14401

1.2.0

DO TERRA

CH427 WA

1.5

BN

14401

12.8.0 Subsistema da Fonte de Energia & Acendedor de Cigarro 8 Ton ISB

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBB09 WA

2.5

RD

14401

CBP30J WA

0.50 YE-BU

14401

5.7.2

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

SBB08 WA

2.5

VT-RD

14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

C2DC17-A-02 C1-2

C2DC17-A-03 C1-3

C2DC17-B-01 PONTO DE ENERGIA 1

21

ACENDEDOR DE CIGARRO C2DC17-A

12 V

AUX 3 C2DC17-B-03 J_GD111 WA 2.5 BK-BU 14401 1.2.0

C1-1 C2DC17-A-01

PARA TERRA

G_GD111C WA

1.0

BK-BU

14401

1.2.0

PARA TERRA

13.0.0 Subsistema de Localização e Bloqueio
8 Ton ISB

C1-1

ANTENA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP62 WA

0.75

BN-RD

14401 GPS Antena C2RT33-A-01 VCC A1

ANTENA C2-1
J1939_H B8 J1939_L B2
VDB11D WE C2RT33-B-08 VDB12D WE C2RT33-B-02 DE401D

0.50 0.50 DRAIN

BN-GN BN-BU 0.75

14401 14401 14401

1.4.0 1.4.0 1.4.0

PARA CONECTOR DATA LINK PARA CONECTOR DATA LINK PARA CONECTOR DATA LINK

ANTENA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP71B WA

0.50

BU-OG

14401

C2RT33-A-03

EXECUTAR/PARTIDA BLOQUEIO 2 A3 A6
FORD ISO9141 A15

CES09 C2RT33-A-06 VDB10C C2RT33-A-15 CRT21 C2RT33-A-07

WA

VT-OG

0.75

14401

3.1.1

PARA ECM

WA WA VDB25

GY BU-BN WA WA

0.50 0.50 GN-OG GY-BU

14401 14401 0.50 0.50 14401 14401

1.4.0 1.4.0 00.0 00.0

PARA CONECTOR DATA LINK PARA BOTÃO DE PÂNICO (PÓS VENDA) PARA PÓS VENDA PARA PÓS VENDA

BOTÃO DE PÂNICO A7
CAN HIGH A8 CAN LOW A16

C2RT33-A-08 VDB26 C2RT33-A-16

MÓDULO DE LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO
C2RT33

Somente para pós-vendas

TERRA A13
C2RT33-A-13

PARA O TERRA

1.2.0

F_GD111A WA

0.75 BK-BU

14401

14.1.1 Subsistema do Rádio 8 Ton ISB

ALTO FALANTE ESQUERDO CAME10

CAME10-02 C1-2

VME07A WA 0.75 WH 14401-INT_WH RME07AWA 0.75 WH-BN 14401-INT_WH

C39-A-04

TERMINAL DO TERRA
VME07 WH B06 SAÍDA DO ALTO FALANTE LE B05 ALTO FALANTE LE + B04 SAÍDA DO ALTO FALANTE LD B03 ALTO FALANTE LD +

B_GD116 WA 2.5

BK-VT

14401

1.2.0

PARA O TERRA

C39-A-01

C1-1 CAME10-01

CAME10-02 C1-2

WA 0.75 14401 C2ME17-B-06 WA 0.75 14401 C2ME17-B-05 VME10 WH-VT WA 0.75 14401 C2ME17-B-04 RME10 WH-OG WA 0.7514401 RME07 WH-BN C2ME17-B-03 C39-A-03

C39-A-02

ALTO FALANTE DIREITO CAME10

VME10A WA 0.75 RME10AWA 0.75

WH-VT 14401-INT_WH WH-OG 14401-INT_WH

C1-1 CAME10-01

RÁDIO
C2ME17

PARA O TERRA

1.2.0

B_GD111

BK-BU WA 1.5 14401 C2ME17-A-08

A8 TERRA

ILUMINAÇÃO A06

CBP30H WA C2ME17-A-06

0.50 YE-BU

14401

5.7.2

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP50

YE-RD

WA 1.5 14401 C2ME17-A-07

A07 KL30

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP65

WH-OG WA 0.50

14401 C2ME17-A-04

A04 KL15

15.5.0 Subsistema do Tacógrafo 8 Ton ISB

CBP71C

WA

0.50

BU-OG 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

SBP72C

WA

0.50

BU-RD 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

C2MC38-A-03

C2MC38-A-01

A-3 Kl.15

A-1 Kl.30 Kl.58d A-2 CBP28F WA C2MC38-A-02 VDB11E WE C2MC38-A-04 CAN_L A-8 C2MC38-A-08 DE401E DRAIN 0.75 14401 1.4.0 VDB12E WE 0.50 BN-BU 14401 1.4.0 0.50 GY-VT 14401 5.7.2

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

CAN_H

A-4

0.50

BN-GN

14401

1.4.0

PARA DLC PINO C (J1939+)

TACÓGRAFO
C2MC38

PARA DLC PINO D (J1939-)

PARA DLC PINO E (BLINDAGEM)

Kl.31a

A-5

E_GD111D WA C2MC38-A-05 E_GD111E WA C2MC38-A-06

0.75

BK-BU

14401

1.2.0

PARA O TERRA

Kl.31

A-6

0.75

BK-BU

14401

1.2.0

PARA O TERRA

ALIMENTAÇÃO DO SENSOR B-1

CCB36 WA C2MC38-B-01 RCB36 WA C2MC38-B-02 VCB35 WA C2MC38-B-03 VMC39 WA C2MC38-B-04

0.50

BU-GY

14401 C11-A-26

CCB36 PP

0.75

BU-GY

14398

SENSOR DE EFEITO HALL C1CB35
C1-1 C1CB35-01 C1-4 C1CB35-04 C1-3 C1CB35-03 C1-2 C1CB35-02

D-5 ENTRA DO SINAL DO EIXO TRASEIRO

SENSOR DE TERRA B-2

0.50

YE-BU

14401 C11-A-27

RCB36 PP

0.75

YE-BU

14398

+ -

SINAL DE VELOCIDADE B-3

0.50

BU-WH

14401 C11-A-28

VCB35 PP

0.75

BU-WH

14398

SINAL DE VELOCIDADE INVERTIDO B-4

0.50

BU

14401 C11-A-29

VMC39 PP

0.75

BU

14398

2.2.0 Subsistema de Carga e Partida 8 Ton ISB

DO TERRA

1.2.0

GD108 BE 50.0

BK-VT 14301

SDC02 WE 50.0

RD 14300

SDF07A

B 4.0

RD 14398

CABO FUSÍVEL (FUSELINK)

SDC16 WE 16.0 S1DF07

RD 14398

SDF07B C1DC38-A G1D108 C1-1 (-) (+) C1DC02 30
SOLENOID

B 4.0

RD 14398

CABO FUSÍVEL (FUSELINK)

C1DC38-B

BATERIA
C2-1
MAGNETIC SWITCH

CBP73 WE 2.5 WH-BN C11-A-34

14398 C1DC38-C

50

MOTOR DE PARTIDA C1DC38

SUPORTE DO TERRA

CBP73 WA 2.5

WH-BN

14401 F73-01

20A

CDC35A WE 4.0 F73-02

BU-WH 14401

MINIFUSÍVEL 73

PARA CLUSTER PINO CN1-04

10.0.0

CBP78 WA 0.50

GY-BU

14401 F78-01

3A

CDC35B WE 4.0 F78-02

BU-WH 14401 S2DC35 14401 SDF08A C1DC14-A SDF08B B 4.0 RD 14398
CABO FUSÍVEL (FUSELINK) CABO FUSÍVEL (FUSELINK)

MINIFUSÍVEL 78
40A

SBB01 WE 4.0 RD J01-01

MOTOR

M

B+

JCASE #1

B 4.0

RD 14398
CABO FUSÍVEL (FUSELINK)

S1DF08

1B+

CAIXA DE DISTRIBUIÇÃO

ALTERNADOR C1DC14
C1DC14-D
31

SDF06A

B 4.0

RD 14398

G

L

C1DC14-B SDF06B C1DC14-C B 4.0 RD 14398

CABO FUSÍVEL (FUSELINK)

S1DF06

CDC06 WE 0.75 C2DC32-4

VT-WH 14398

CDC06 WA 0.75 VT-WH 14401

10.0.0

C11-A-07

PARA CLUSTER PINO CN2-22

TERRA

CN-04

30 OFF

INTERRUPTOR DE IGNIÇÃO C2DC32

GD176 BE

10.0 BK-WH

10A570

1.2.0

DO TERRA

C2DC32-1

CN-01

CN-03

CN-02

50

15

75 CDC35 WE 4.0 BU-WH 14401

C1DF01-B

C2-1 MEGA F1 150A

+

SDF01 WE 16.0

RD

14401

C1-1

SDC14 WE 16.0 C1DF01-A

RD

14398

FUSÍVEL DE PROTEÇÃO PRIMÁRIA

3.1.1 Subsistema de Controle do Motor 8 Ton ISB
SENSOR NOX TERMINAIS DOURADOS C1E827 DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 CBP24 VT-GN WA 1.5 14401 C1-15 CBP24 VT-GN WE 1.0 14398 C1-01 CBP24 VT-GN WE 1.0 14D469 C1E518-34 35 DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 SBP11 BU-RD WA 1.5 14401 C1-14 SBP11 BU-RD WE 1.0 14398 C1-02 SBP11 BU-RD WE 1.0 14D469 C1E518-16 28 SBB05 GY-RD WE 4.0 14401 C11-D-01 SBB05 GY-RD WE 4.0 12K510 DO TERRA 1.2.0 S1D123BB B_GD123B WE 1.0 B_GD123BA WE 1.0 BK-GY 14D469 BK-GY 14D469 C1E518-23 VDB11G BN-GN C1E518-28 WE 0.50 14D469 1.4.0 DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO C C1E827-1 23 22 VDB12G BN-BU C1E518-22 BOMBA DE DOSAGEM TERMINAIS DOURADOS C1E518 DE401G 0.75 DRAIN 14D469 WE 0.50 14D469 1.4.0 DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO D DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO D 1.4.0 VDB12H BN-BU WE 0.50 14398 2 CAN BAIXA 1.4.0 16 34 36 CET05 BU-GN C1E518-36 CET06 GN-BN C1E518-35 WE 0.75 14D469 SOLENOIDE DO SIST. DE AR C1ET05 WE 0.75 14D469 C1-2 C1-1 C1ET05-2 C1ET05-1 TERMINAIS DOURADOS + DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 CBP22 GN-OG WA 2.5 14401 CBP22 C1-36 B_GD123A GN-OG WE 1.5 14398 C1E827-4 BK-GY WE 1.5 14398 C1E827-3 DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO C 1.4.0 VDB11H BN-GN WE 0.50 14398 3 TERRA 4 T30

DO TERRA

1.2.0

1 CAN ALTA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

C1E827-2

C1E170-C J3-3 ALIM. J3-4 +30 ALIM. CE414 C1E170-B-08 VE820 C1E170-B-37 CE415 C1E170-B-18 VE716 C1E170-B-60 YE WE 0.75 12K510 BN-YE WE 0.75 GY WE 0.75 GN-OG WE 0.75

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO E DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO E 1.4.0

DE401H DRAIN 0.75 14D469 FIM DA DRENAGEM WE WE WE 0.75 14398 C1E434-3 0.75 14398 C1E434-5 0.75 14398 C1E434-4 3 RMT ACEL ON/OFF 5 RMT ACEL POS 4 RMT PTO ON/OFF SW

INTER. CONTROLE DO ACELERADOR ON/OFF J2-08 CBP37 WH WA 1.0 14401 CBP37 C11-D-10 WH WE 0.75 12K510 C1E170-B-45 CONTROLE DE POSIÇÃO DO ACEL. J2-37 J2-45 +15 IGNIÇÃO CONTROLE PTO ON/OFF J2-18

12K510 12K510 12K510 C11-E-02 C11-E-08 C11-E-03 VE716 YE WA 0.50 14401 C1E715-B 14401 C1E715-C 14401 C1E715-A B C A SENSOR DE NÍVEL DE ARREFECIMENTO C1E715

CE414 VE820 CE415

GN-OG GY BN-YE

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

NÍVEL DE UREIA & SENSOR DE TEMPERATURA 2 VE834 C1E838-2 GN WE 0.75 14398 VE834 GN WE 0.75 12K510 C1E170-B-49 WE 0.75 12K510 C1E170-B-36

NÍVEL DO LÍQ. DE ARREF. DO MOTOR RETORNO/ENTRADA J2-60 J2-49 SINAL DO NÍVEL DE UREIA CONTROLE PTO J2-36 SENSOR DE TEMP. DE UREIA

C11-D-18 RE454A YE-GN WA 0.50

RMT DECREMENTO 8 RMT INCREMENTO 7

3

VE838 VT-GY C1E838-3 RE838AA BU-OG C1E838-1 RE838AB BU-OG C1E838-4

WE

0.75

C11-E-14 14398 VE838 C11-E-16

VT-GY

VE715A VT-WH WA 0.75

1 C1E838

WE

0.75 14398 ISB - J2 CONECTOR - C1E170-B - TERMINAIS DOURADOS ISB - J3 CONECTOR - C1E170-C - TERMINALS S1E838A POSIÇÃO DO PEDAL 2 - TERRA J2-22 POSIÇÃO DO PEDAL 2 - SINAL J2-25 POSIÇÃO DO PEDAL 2 - ABASTEC. J2-26 RE454 C1E170-B-22 VE702 C1E170-B-25 BU-WH WE 0.75 12K510 C11-D-15 VT-WH WE 0.75 12K510 C11-D-14 VT-GN WE 0.75 12K510 C11-D-13 YE-OG WE 0.75 12K510 C11-D-12 GN-OG WE 0.75 12K510 C11-D-11 LE136 GN-OG VE701 YE-OG VE715 VT-WH WA 0.75 YE-GN WE 0.75 12K510 C11-D-16 VE702 BU-WH WA 0.75 RE454 YE-GN WA 0.75 14401 S2E454 14401 S2E702 14401 S2E715 RE136 VT-GN VE702A BU-WH RE454C YE-GN

RE454B

YE-GN

WA 0.75 WA 0.75

14401 14401 C11-A-08 C11-A-12

RE454B

YE-GN

WE 0.75 WE 0.75 14401

14398 14398 RE401G GN-BU WE 0.75 C11-A-13 C1E434-2

2 TERRA 1 POWER C1E434-1 14398 C1E434-6 CONECTOR DE ESPERA PTO - RMT C1E434 6 INTERRUPTOR RTN

4

WE

0.75 14398

VE715B VT-WH

VE715B VT-WH

RE401G GN-BU WA 0.75

WA

0.75

14401 C2E701-4 14401 C2E701-5 14401 C2E701-6 14401 C2E701-3 14401 C2E701-2

4 5

WA 0.75

RE838A BU-OG

WE

0.75 14398

VE715 C1E170-B-26

VE715C VT-WH

WA 0.75

6

MÓDULO DE CONTROLE DO MOTOR
2150E

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - TERRA J2-28

RE136 C1E170-B-28

WA 0.50

3

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - SINAL J2-35 POSIÇÃO DO PEDAL 1 - ABASTEC. J2-27

VE701 C1E170-B-35 LE136 C1E170-B-27

WA

0.50

2

WA

0.50 14401 C2E701-1

1

C1E750-1 C1-1 SENSOR DE TEMPERATURA EXTERNA C1E750 C1-2 C1E750-2

RE838C BU-OG WA 0.75 14401

RE838C BU-OG C11-A-30

WE 0.75

14398

RE838 BU-OG S1E838

WE

0.75 14398

RE838 C11-E-15

BU-OG

WE

0.75 12K510 C1E170-B-38

J2-38 RETORNO DO SISTEMA DE UREIA

POSIÇÃO DO PEDAL DO ACELERADOR C2E701 OPCIONAL PARA BRASIL UREIA LINHA DE SAÍDA C1E356-A C1-2 H_GD111A C1E356-A-2 +

TERMINAIS DOURADOS VE356A GY-VT WE VE750 GN-BU WA 0.75 14401 VE750 C11-D-19 GN-BU WE 0.75 12K510 C1E170-B-40 J2-40 SENSOR DE TEMP. RETORNO DO AQUECEDOR DO AR J2-44 DE ADMISSÃO SINAL DO AQUECEDOR DO AR J2-54 DE ADMISSÃO J2-50 SENSOR DE TEMPERATURA DE ENTRADA DO CATALISADOR VE356 GY-VT 1.0 14398 WE C44-E-05 VE356 GY-VT WE 1.0 14D469 14401 VE356B GY-VT WE 1.0 S1E356 1.0

14D469 C1-1 C1E356-A-1

BK-BU WE

1.0

14D469

1.2.0

DO TERRA

UREIA LINHA DE ENTRADA C1E356-B C1-1 C1-2 H_GD111B 14D469 + C1E356-B-1 C1E356-B-2

BK-BU WE

1.0

14D469

1.2.0

DO TERRA

SINAL 1 RETORNO 2

C1E710-1 TERMINAIS DOURADOS RE838D BU-OG C1E710-2 WE 0.75 14398

VE710 BN-WH

WE 0.75

14398

VE710 C11-E-04

BN-WH

WE 0.75

12K510

C11-A-33

C1E170-B-50

RE401F GN-BU WA 0.50 C11-D-02 S2E401

SENSOR DE TEMPERATURA DE ENTRADA DO CATALISADOR C1E710

INTER. DE RETORNO J2-41 VE709 GY-OG WE 0.75 14398 VE709 C11-E-05 GY-OG WE 0.75 12K510 C1E170-B-09 J2-09 SENSOR DE TEMPERATURA DE SAÍDA DO CATALISADOR C1E170-B-41

RE401

GN-BU WE

1.0

12K510

RE401

GN-BU

WA 1.0

14401

RE401E

GN-BU WA 0.50

14401

RELÉ DO AQUECEDOR DE UREIA R24 40A DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 CBP26 BU-WH WA 1.0 14401 R06-06 0.75 14401 R06-02 06 VE356 04 R06-04 RE356 08 R06-08 GY-VT VT WA 1.0 14401 14401 14401 14401

SINAL 1 RETORNO 2

C1E709-1 TERMINAIS DOURADOS RE838B C1E709-2 BU-OG WE 0.75 14398 PARA DLC PINO C 1.4.0 VDB11 BN-GN WE 075 12K510 C1E170-B-01 12K510 C1E170-B-21 J2-01 J1939 (+) RELÉ DO AQUECEDOR DE UREIA J2-58 C1E170-B-58 J2-21 J1939 (-) RELÉ DE RETORNO DO AQUECEDOR J2-48 DO TANQUE CE356 BU-OG WE 0.75

12K510 C11-D-32

CE356

BU-OG WA

WA 0.75

02

RE401D GN-BU WA 0.50

VDB12 PARA DLC PINO D 1.4.0

BN-BU

WE 0.75

GN-BU WA 0.50

CCB12 GN CBP21B BU-GY

WE 0.50

14401

6 IN 1

OUT 2 C2CB12-2

SENSOR DE TEMPERATURA DE SAÍDA DO CATALISADOR C1E709

RE356A VT C1E170-B-48

WE

0.75

12K510 C11-D-33
SOLENOIDE DA VÁLVULA DA ÁGUA

RE356A VT

WA 0.75

14401 S2E356

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

C2CB12-6 WA 0.50 14401 C2CB12-1

PARA DLC PINO E

1.4.0

DE401F

DRAIN .

0.75

12K510 FIM DA DRENAGEM

VE352 BN WE 0.75 14398 C44-F-01

C1E352 VE352 BN WE C1-2 C1-1 0.75 14G030 C1E352-1 C1E352-2 TERMINAIS DOURADOS + OPCIONAL PARA BRASIL

RE401J

RE356B VT WE 0.75 14G030

RE356B 0.75 C44-F-02

VT WE 14398

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

5.7.2

CBP28D GY-VT

WA 0.50 14401 C2CB12-4

A_GD111D 4 3 C2CB12-3

BK-BU

WA 0.50

14401

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR DO FREIO-MOTOR C2CB12

VÁLVULA DA ÁGUA J2-14 PARA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PINO A6 13.0.0 CES09 VT-OG WA 0.75 14401 CES09 VT-OG C11-D-29 WE 0.75 12K510 C1E170-B-17 J2-17 SINAL DE LIMITE DE TORQUE DO MOTOR

VE352 WE 0.75 BN 12K510 C1E170-B-14

C11-E-13

C11-A-16

RE356B VT WA 0.75 14401

CCA31 GN-WH CBP21A BU-GY

INTERRUPTOR DA EMBREAGEM C2ES07

.

DA DISTRIBUIÇÃO WA 0.50 14401 DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

1.0.0

WA0.50 14401 C2CA31-6 WA 0.50 14401 C2CA31-1

6 IN 1

OUT 2 C2CA31-2

EMBREAGEM J2-15 CE162 C1E162-1 C1-1 + SOLENOIDE DO FREIO-MOTOR C1E162 RE139 GY-OG WE 0.75 14398 C11-E-09 RE139 GY-OG WE 0.75 12K510 C1E170-B-32 J2-32 RETORNO DE SAÍDA DO ECM CC SET / CC INC J2-19 CC RESUMO / CC DEC J2-30 VT WE 0.75 14398 C11-E-10 CE162 VT WE 0.75 12K510 C1E170-B-55

CES07 BN C1E170-B-15

WE

0.75 12K510

CES07 BN C11-D-26

WA 0.50

14401 C1-2 C2ES07-2

C1-1 RE401C GN-BU C2ES07-1

21

5.7.2

CBP30D YE-BU

WA 0.50

14401 4 3

A_GD111B C2CA31-3

BK-BU

WA 0.50

14401

J2-55 CONTROLE DO FREIO-MOTOR

C2CA31-4

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR ON/OFF CC/PTO C2CA31 VES10 WH C1E170-B-19 C1E170-B-30 WE 0.75 12K510 C11-D-24 12K510 C11-D-25 DAS LUZES DE ESTACONAMENTO VES10 WH WA 0.50 14401 C2E925-2 RES08 GN-BN 0.50 14401 WA C2E925-5 2 5 SET RES IN 6 C2E925-6

C1-2 C1E162-2

RES08 GN-BN WE 0.75

5.7.2

CBP28B 0.50

GY-VT 14401

WA C2E925-4

4 3 C2E925-3

A_GD111A

BK-BU

WA 0.50

14401

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR INCREMENTO/DECREMENTO C2E925

FREIO-MOTOR J2-05 J1 TEMPERATURA DO AR

CCB12 C1E170-B-05

GN

WE 0.75

12K510 C11-D-23 1

SINAL ON/OFF CC/PTO J2-16

CCA25 VT-GY C1E170-B-16

WE 0.75 12K510

CCA25 VT-GY C11-D-41

WA 0.50

14401

3

C2CA25-1

C2CA25-3 INTERRUPTOR DO CONTROLE DE VELOCIDADE

J1 RETORNO DA TEMP. DO AR INTER. FREIO-MOTOR J2-24 TERRA J3-01 C1E170-C-01 A_GD123A BK-GY WE 2.5 12K510 TERRA J3-02 C1E170-C-02 C1E170-B-24

C2CA25

RELÉ DO FREIO DE ESTACIONAMENTO R11 20A CCA28A GY-BN 02 R11-02 05 R11-05 04 DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 CBP39B VT-WH WA 0.50 14401 R11-01 01 03 R11-03

RELÉ DO FREIO DE SERVIÇO R12 20A WA 0.50 14401 R12-05 02 R12-02 05 04 01 CCA26C BU-GY 03 R12-03 1.0 14401 WA 5.3.1 DO INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO

R12-01

C_GD111BA INTERRUPTOR DO FREIO DE ESTACIONAMENTO DO TERRA 1.2.0 A_GD123 BK-GY WE 4.0 14401 C11-D-34 A_GD123 BK-GY WE 4.0 12K510 S1D123A 10.0.0 A_GD123B BK-GY WE 2.5 12K510 CMC25A WH-VT WA 0.50 14401 S2MC25 14401 CMC25 WH-VT WA 0.50 14401 C2MC25-1 C2MC25 PARA CLUSTER CMC25B WH-VT WA 0.50 1 2 C2MC25-2 A_GD111G

BK-BU

WA 0.50 14401

1.2.0

DO TERRA

BK-BU

WA 0.50 14401

1.2.0

DO TERRA

CCA28 GY-BN

WE 0.75 12K510 C11-D-21

CCA28 GY-BN

WA 0.50 14401

5.1.7 Subsistema dos faróis 8 Ton ISB

RELÉ DO FACHO DO FAROL ALTO R05 20A DA DISTRIBUIÇÃO
+ 15A 1.0.0 SBP52A WA 1.50 GN-RD 14401 R05-05 CBP75A WA 1.50 YE-GY 14401 R05-01 01 05 02 04 CLF08 R05-04 WA 1.50 0.50 YE-VT BK-BU 14401 14401

F75-02

C_GD111AB WA 03 R05-03

1.2.0

DO TERRA

MINI FUSÍVEL 75

+

CBP75 WA 2.5 YE-GY 14401 F38-02

7.5A

CBP38 WA 1.0

GY-BU 14401

1.0.0

PARA DISTRIBUIÇÃO DIREITO FACHO PRINCIPAL
0

LUZ DE DIREÇÃO / LUZ / BUZINA C2LF23
ESQUERDO
10 6 L 0 1 R 3 SBP52B WA

+

MINI FUSÍVEL 38 7.5A CBP40 WA 1.0 MINI FUSÍVEL 40

YE-GN 14401

1.0.0

PARA DISTRIBUIÇÃO LAMPEJADOR

INTERRUPTOR DE LUZES
SBB03 WA 2.5 BU-RD 14401 CN1-3 C2LF18-03 OFF CN1-2

H SAÍDA

CN1-1

5.7.2

PARA LUZES DE ESTACIONAMENTO

C2LF18

9 C2LF23-02

2

L SAÍDA

7 C2LF23-04

4

LAMPEJ.

8

C2LF23-08

CLF17 WA

1.50

WH-OG

14401

CLF17C WE S2LF17

0.75

WH-OG

14401

10.0.0

PARA CLUSTER PINO CN2-4
1.50 GN-RD 14401 1.0.0

DIREÇÃO

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

L ENTRADA

BUZINA

CLF18 WA 2.5 BU-WH 14401 C2LF18-02 CLS34 WA 2.5 GY 14401 C2LF18-01

DA DISTRIBUIÇÃO

CLF17B WA

1.50

WH-OG

14401

A_GD120A WA

0.75 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

C1LF24-A-03

C1LF24-A-04

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP38 WA

1.0

GY-BU

14401

C1LF24-A-05

A_GD120B WA

0.75

BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

C1LF24-A-01 1

2

3

4

ALTO BAIXO POS

5

FAROL LD C1LF24-A
12V

CLF17A WA

1.50 WH-OG 14401

B_GD120A WA

0.75 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

C1LF24-B-03

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP40 WA

1.0

YE-GN

14401

C1LF24-B-04

C1LF24-B-05

B_GD120B WA

0.75 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

C1LF24-B-01 1

2

3

4

ALTO BAIXO POS

5

FAROL LE C1LF24-B
12V

5.3.1 Subsistema das Luzes de Freio 8 Ton ISB

12V REV POS PARADA REV

12V

LD LUZ TRASEIRA C1LS19

POS PARADA

LE LUZ TRASEIRA C1LS18

3

2

1 14405

5 MUDANÇA

6 C1LS19-06

3

2

1

5 MUDANÇA

6 C1LS18-06

C1LS19-01

C1LS18-01

GD151B 1.0

BK-GN

WE

1.5

14405

1.2.0

DO TERRA

GD151A BK-GN

WE

1.5

14405

1.2.0

DO TERRA

CCA26B BU-GY C11-A-35

WE

1.0

14398 C44-A-03

CCA26B WE

1.0

BU-GY

14405 S2CA26B

CCA26BA BU-GY

WE

CCA26BB BU-GY

WE

1.0

14405

RELÉ DA LÂMP. DO FREIO DO ACESSO DO CLIENTE R18 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP57 RD WA 1.5 14401 R18-05 CCA26D BU-GY WA 1.0 14401 R18-01 01 05 02 CAT18 WA 1.5 YE-OG 14401 04 R18-04 C_GD111BB WA 0.50 03 R18-03 BK-BU C11-A-03 CAT18A WE 1.5 YE-OG 14398 C1AT10-01 14401 1.2.0 C2-1 LUZ_FREIO_CARRETA_(85W) C2-2 LUZES_TRASEIRAS_(84W) C2-3 LUZES_ESTACIONAMENTO_(120W) C2-4 LUZES_LADO_ESQUERDO_(95W) C2-5 LUZES_LADO_DIREITO_(95W) C2-6 TERRA 12V

DO TERRA

ACESSO DO CLIENTE C1AT10

CCA26B BU-GY

WA

1.0

14401

INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP58 WA 1.0 YE-RD 14401 C2CA26-01 1 2 CCA26 WA C2CA26-02 1.0 BU-GY 14401 S2CA26

C2CA26

5.4.0 Subsistema das Luzes de Direção e Emergência 8 Ton ISB

RELÉ AUX. DE SINALIZAÇÃO E MUDANÇA LE R01 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP59 WA 1.5 BU-RD 14401 R01-05 CLS21E WA 1.5 BU-GN 14401 R01-01 01 03 05 04 02 CAT06 WA 1.5 YE 14401 BK-BU 14401

R01-04 C_GD111AC WA R01-03

0.50

C2-1 LÂMP. DE PARADA DO REBOQUE (85W) C2-2 LÂMP. TRASEIRA (60W) C2-3 LÂMP. DE ESTAC. (120W)

DO TERRA 1.2.0 RELÉ AUX. DE SINALIZAÇÃO E MUDANÇA LD R03 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP61 WA 1.5 GY-RD 14401 R03-05 14401 R03-01 02 05 04 CAT09 WA 1.5 GN 0.50 14401 BK-BU 14401

CAT06 WE C11-A-06 C11-A-05 CAT09 WE

1.5 1.5

YE GN

14398 C1AT10-4 14398 C1AT10-5

C2-4 LÂMP. LATERAL ESQ. (95W) C2-5 LÂMP. LATERAL DIR. (95W) C2-6 TERRA 12V

CLS25E WA

1.5

YE-VT

01

R03-04 C_GD111AF WA 03 R03-03

ACESSO DO CLIENTE C1AT10

DO TERRA

1.2.0

CLS21B WA 1.5

BU-GN 14401 C1LS21-01

CN-01

CN-02

B_GD120 WA C1LS21-02

0.50

BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

LÂMPADA DE SINALIZAÇÃO DE DIREÇÃO FRONTAL LE

CLS21D WA

1.5

BU-GN

14401 C11-A-24

CLS21D WE

1.5

BU-GN

14398 C44-A-05

CLS21D WE

1.5

BU-GN

14405 C1LS18-05 3 2 1 5 MUDANÇA PARADA POS REV 6

GD151A WE C1LS18-06

1.5

BK-GN

14405

1.2.0

DO TERRA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP46 WA

2.5

BN-RD

14401 C2LS57-1 C2LS57-6 C2LS57-2

1 6 2

8 7 4

C2LS57-8 CLS21 WA CLS25 WA C2LS57-7

1.5 1.5

BU-GN YE-VT

14401 14401 S2LS21

CLS21A WE

0.75 BU-GN

14401

10.0.0

PARA O CLUSTER

LÂMP. TRAS. LE C1LS18

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

5.7.2

CBP28A WA

0.50 GY-VT

14401 C2LS57-3

3

5 C2LS57-5

12V

INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA C2LS57
G_GD111B WA 2.5 BK-BU 14401

CLS25D WA

1.5

YE-VT

14401 C11-A-20

CLS25D WE

1.5

YE-VT

14398 C44-A-04

CLS25D WE

1.5

YE-VT

14405

GD151B WE

1.5

BK-GN

14405

1.2.0

DO TERRA

DO TERRA

1.2.0

C1LS19-05 3 CN-01 CN-02 2 1 5 MUDANÇA 6

C1LS19-06

CLS42 WA

0.50 VT-BN

14401

CLS25B WA

1.5

YE-VT

14401 C1LS25-01

A_GD120C WA C1LS25-02

0.50 BK-GN

14401

1.2.0

PARA O TERRA

PARADA POS REV 12V

CLS32 WA

0.50 BN-YE

14401

LÂMPADA DE SINALIZAÇÃO DE DIREÇÃO FRONTAL LD C1LS25

LÂMPADAS TRASEIRAS LD C1LS19

CLS25A WE S2LS25

0.75 YE-VT

14401

10.0.0

PARA CLUSTER

DIREITA FACHO PRINCIPAL INTERMITENTE
0 C2LF23-6 10 6 L 0 H SAÍDA C2LF23-1 1 R 3 CBP71A WA 0.50

ESQUERDA

BUZINA

L SAÍDA

9

2

7

4

L ENTR.

C2LF23 SINAL DE DIREÇÃO / LUZ / BUZINA SW

8 C2LF23-3

DIREÇÃO

INTERM.

BU-OG

14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

5.7.2 Subsistema das Luzes de Estacionamento 8 Ton ISB
CBP28A WA 0.50 GY-VT 14401 5.4.0

PARA INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA PARA INTERRUPTOR DE INCREM./DECREM. PARA INTERRUPTOR DO FREIO MOTOR PARA COMPRESSOR DO A/C PARA INTERRUPTOR DE CIRCULAÇÃO DO A/C PARA TACÓGRAFO
Com A/C

CBP28B WA 0.50 GY-VT 14401

3.1.1

+

3A

CBP28 WA 0.50 GY-VT 14401 S2BP28

CBP28D WA 0.50 GY-VT

14401

3.1.1 11.0.0 11.0.0 15.5.0 11.0.0 11.0.0

MINI FUSÍVEL #28

CBP28E WA 0.50 GY-VT 14401 CBP28G WA 0.50 GY-VT CBP28F WA 0.50 GY-VT + 3A CBP30 WA 0.50 YE-BU 14401 CBP28J WA 0.50 GY-VT 14401 14401 14401

INTERRUPTOR DA LÂMPADA
DA DISTRIBUIÇÃO

MINI FUSÍVEL #30

PARA INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR
Sem A/C

1.0.0

SBB03 WA

2.5

BU-RD

14401 CN1-3 C2LF18-03 OFF

CN1-2 + CLS34 WA 2.5 GY 14401 CN1-1 C2LF18-01 F32-02 5A CBP32 WA 0.75 GN-VT 14401 CBP30J WA 0.50 YE-BU 14401 12.8.0 3.1.1

PARA ILUMINAÇÃO DO ACENDEDOR DE CIGARROS PARA INTERRUPTOR CC/PTO ON-OFF PARA CLUSTER PARA BOBINA DO RELÉ DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO PARA RÁDIO

MINI FUSÍVEL #32 CBP30D WA 0.50 YE-BU 14401

C2LF18 S2BP30 + 5A CBP34 WA 0.75 VT-BN 14401 CBP30E WA 0.50 YE-BU 14401

10.0.0

MINI FUSÍVEL #34 CBP30G WA 0.50 YE-BU 14401 CBP30H WA 0.50 YE-BU 14401 + 3A CBP36 WA 0.50 BU-BN 14401 C39-A-11 S2BP32 CBP32A WA 0.75 GN-VT 14401 12V S2BP34 CBP36A WA 0.50 BU-BN CBP34A WA 0.75 VT-BN CBP34C WA 0.75 VT-BN 14401 14401 POS C11-A-22 PARADA REV LÂMPADA TRASEIRA DIREITA C1LS19 C11-A-21 C44-A-07 CBP32C WA 0.75 GN-VT 14401 CBP32C WE 0.75 GN-VT 14398 CBP32C WE 0.75 GN-VT 14405 5.7.2 14.1.1

MINI FUSÍVEL #36

3 C1LS19-03

2

1

5 MUDANÇA

6 C1LS19-06 GD151B WE 1.5 BK-GN 14405 1.2.0

C1LS19-02

CET47AA WE 0.75 BU

14405

DO TERRA

14401-INT_WH CBP34B WA 0.75 VT-BN 14401 C1LS14-01 1 2 B_GD120D WA 0.75 BK-GN 14401 C1LS14-02 1.2.0

12V REV

DO TERRA
POS PARADA LÂMPADA TRASEIRA ESQUERDA C1LS18

LÂMPADA LATERAL LE
C1LS14 C29-A-01 CBP34C WE 0.75 VT-BN CBP32B WA 0.75 GN-VT 14401 C1LS13-01 1 2 A_GD120D WA 0.75 BK-GN 14401 C1LS13-02 14398 CBP34C WE 0.75 VT-BN C44-A-11 1.2.0 C1LS19-03 14405 CBP36A WA 0.50 BU-BN 15A404 C9LF07-A CBP36AA WA 2.5 BU-BN 15A404 A B C9LF07-B B_GD120FAA WA 2.5 BK-GN 15A404 S9BP36 C9LF06-A CBP36AB WA 2.5 BU-BN 15A404 DA DISTRIBUIÇÃO A B 3 2 1 5 MUDANÇA 6 C1LS19-06 GD151A WE 1.5 BK-GN 14405 1.2.0 C1LS19-02

DO TERRA

DO TERRA

CET47ABWE 0.75 BU

14405

LÂMPADA LATERAL LD
C1LS13 A_GD120A WA 0.75 C1LF24-A-02 2 3 4 ALTO BAIXO POS B_GD120FA WA 1.5 BK-GN 15A404 12V 1.2.0 5 C1LF24-A-05 1 BK-GN 14401 1.2.0

DO TERRA

LÂMPADA DO TETO LD
C9LF07 S9D120BFA

LÂMPADA FAROL DIREITO C1LF24-A

DO TERRA
B_GD120A WA 0.75 BK-GN 14401 1.2.0

C9LF06-B B_GD120FAB WA 2.5 BK-GN 15A404 C1LF24-B-02 2 3 4 ALTO BAIXO POS 12V 5 C1LF24-B-05 1

DO TERRA

1.0.0

CBP69 WA 0.75 WH-VT 14401

C11-A-04

C1ET47-01 CBP69 WE 0.75 1 WH-VT 14398 C1ET47

2

C1ET47-02 CET47

WE 0.75

BU

14398

LÂMPADA DO TETO LE
C9LF06

INTERRUPTOR DE RÉ

LÂMPADA FAROL ESQUERDO C1LF24-B

CET47B WE 0.75 BU C11-A-32

14398 S1ET47

CET47A WE 0.75 BU

14398 C44-A-06

CET47A WE 0.75 BU

14405 S1ET47A

RELÉ DA LÂMPADA DE RÉ DO ACESSO DO CLIENTE
R15 20A SBP55 WA 1.0 WH-RD 14401 R15-05 CET47B WA 0.75 BU 14401 R15-01 01 05

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

02 04

CAT16 WA 1.0 R15-04

GY-BN 14401 BK-BU 14401

C_GD111BG WA 0.50 03 R15-03

1.2.0

DO TERRA

RELÉ DAS LUZES DE ESTAC. ACESSO DO CLIENTE
R17 20A CAT16C WE 1.0 WH 0.50 14401 BK-BU 14401 C11-A-02 1.2.0 C11-A-01 CAT17 WE 2.5 GY-BN 14398 WH 14398 C1AT10-02 SBP56 WA 2.5 VT-RD 14401 R17-05 CBP30G WA 0.50 YE-BU 14401 R17-01 01 05

C2-1 LÂMPADA_FREIO_REBOQUE_(85W) C2-2 LUZES_TRASEIRAS_(60W) C2-3 LUZES_ESTACIONAMENTO_(75W) C1AT10-03 C2-4 LUZES_LATERAL_ESQUERDA_(95W) C2-5 LUZES_LATERAL_DIREITA_(95W)

DA DISTRIBUIÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CAT17 WA 2.5 04 R17-04 C_GD111AE WA 03 R17-03

02

5.7.2

DO TERRA DO TERRA
1.2.0 B_GD147A WE 2.5 BK-VT 14398 C1AT10-06

C2-6 TERRA 12V

ACESSO DO CLIENTE
C1AT10

6.0.0 Subsistema de Iluminação Interior 8 Ton ISB

DO TERRA

1.2.0

A_GD120E BK-GN

WA

1.0

14401

A_GD120EA BK-GN C39-A-12

WA

1.0 14401-INT_WH

CLN28A GN-BU

WA

1.0 14401-INT_WH

CLN28 C39-A-06

GN-BU

WA

1.0

14401 S2LN28

CLN28B GN-BU

WE 0.75

14401

10.0.0

PARA CLUSTER

C9LN28-01 C1-1

C9LN28-02 C1-2 12 3

LÂMPADA DO TETO 1) On C9LN28 2) Off 3) Ctsy C1-3 C9LN28-03

CLN28C C9PP11-01 C1-1
21 2

GN-BU

WA

1.0

14401

LH INTERRUPTOR DE ENTRADA DA PORTA C9PP11

PORTA FECHADA INTERRUPTOR ABERTO

GND N

PORTA ABERTA INTERRUPTOR FECHADO

CHAPA METÁLICA DA CABINA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP48

VT-RD

WA

1.0

14401

SBP48A VT-RD WA 1.0 14401-INT_WH C39-A-07

7.3.0 Subsistema do Limpador e Lavador do Para-brisa 8 Ton ISB

RELÉ DO LAVADOR E LIMPADOR RELÉ ELETRÔNICO R20 DA DISTRIBUIÇÃO DO TERRA
1.0.0 1.2.0 CBP12A WA 2.5 GN-WH 0.50 2.5 14401 R20-04 CN-04 14401 R20-02 CN-02 BU-GY 14401 R20-05 CN-05 BK-BU 15 31 53S 53M I T CRW03 WA 2.5 CN-06 R20-06 CRW17 WE 1.5 CN-03 R20-03 CRW24A WA 2.5 R20-08 CN-08 VT-WH GN-VT GY 14401 14401 CRW24 WA 2.5 GY 14401

CRW10

WA 2.5

BU-GN

14401

CRW08 WA

2.5

VT-OG

14401

C_GD111BD WA VRW25 WA

14401 S2RW24

LIMPADOR RÁPIDO LIMPADOR DEVAGAR
0 5 2 4 8

INTERRUPTOR MULTIFUNCIONAL

C2RW28-01 1 BU ALTO

C2RW28-04 4 RD BAIXO NC GN-BN 5 C2RW28-05 NO GN CBP12B WA 2 C2RW28-02

LAVADOR

LIMPADOR INTERMITENTE

C2LF23

MOTOR DO LIMPADOR DO PÁRA-BRISA C2RW28

14401

2.5

GN-WH

14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

GY

2.5

1

3

7

3 GND BK C2RW28-03

12V

CRW24B WA C1RW07-01 C1-1

M

BOMBA DO LAVADOR C1RW07
D_GD111C WA 2.5 BK-BU 14401 1.2.0

DO TERRA

1.2.0

D_GD111B WA

1.5

BK-BU

14401

C1-2 C1RW07-02

DO TERRA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP10 WA

2.5

YE-OG

14401 S2BP10

CBP10B WA

2.5

YE-OG

14401

CBP10A WA

2.5

YE-OG

14401

7.5.0 Subsistema da Buzina 8 Ton ISB

INTERRUPTOR DE MULTIFUNÇÃO

C2LF23
DIREITO
FACHO PRINCIPAL LAMPEJADOR 0 ESQUERDO C2LF23-10

10

6 L

1 R 3

0

INTERMITENTE

ENTRADA L

SAÍDA H

BUZINA

9 C2LF23-09

2

SAÍDA L

7

4

8

SINAL DE DIREÇÃO / LUZ / BUZINA SW

DIREÇÃO

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP60 WA 1.5 GN-RD 14401

CRH02 WA 1.5 BU-WH

14401

C1RH02-01 C1-1

BUZINA C1RH02
C1-2 C1RH02-02

D_GD111A WA 1.5 BK-BU 14401

1.2.0

DO TERRA

1.0.0 Distribuição de Energia & Estratégia de Fusíveis 13 Ton & Acima

SDF01 WE 16.0

RD

14401

2.2.0

DO SUBSISTEMA DE CARREGAMENTO
+ 10A F75-02

CBP75 WA 2.5 CBP75A WA 1.5

YE-GY YE-GY

14401 14401

MINI FUSÍVEL 75 (C)

+

3A

CBP28 WA 0.50 GY-VT

14401

F28-02

5.7.2

PARA LUZES DE ESTACIONAMENTO

MINI FUSÍVEL 28 (A)

+

INTERRUPTOR DE LUZ
CN1-2 CN1-3 C2LF18-3 CLF18 WA 2.5 BU-WH 14401 C2LF18-2 CLS34 WA 2.5 GY 14401 CN1-1 C2LF18-1

3A

CBP30 WA 0.50 YE-BU 14401

RELÉ DO FACHO DO FAROL ALTO R23 20A
02 CLF08 WA 1.50 YE-VT 0.50 BK-BU 14401 14401

5.7.2

PARA LUZES DE ESTACIONAMENTO
R23-05 05 04 R23-01 01 R23-04 A_GD114AD WA 03 R23-03 5.1.7 1.2.0

MINI FUSÍVEL 30 (A)

+

7.5A

CBP32 WA 1.0

GN-VT

14401

PARA MULTIFUNCIONAL (FAROL ALTO) DO TERRA

5.7.2

PARA LÂMPADAS LADO DIREITO

MINI FUSÍVEL 32 (A)

OFF

+

7.5A

CBP34 WA 1.0 VT-BN

14401

C2LF18

5.7.2

PARA LÂMPADAS LADO ESQUERDO

MINI FUSÍVEL 34 (A)

+

5A

CBP36 WA 0.75 BU-BN 14401

5.7.2

PARA LÂMPADAS DO TETO

MINI FUSÍVEL 36 (A)

RELÉ DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO R17 20A
+ 15A SBP56 WA 1.5 VT-RD 14401 R17-05 14401 14401 5.3.1 5.3.1 05 02 04 CAT17 WA R17-04 A_GD114AG WA 01 03 R17-03 1.5 0.50 WH BK-BU 14401 14401

F56-02

MINI FUSÍVEL 56 (B)

5.4.0 1.2.0

PARA CONECTOR DO REBOQUE DO TERRA

SBP58A WA 0.50 YE-RD + 3A SBP58 WA 0.50 YE-RD

PARA INTER. DA LÂMPADA DO FREIO DO REBOQUE PARA INTER. DO PEDAL DO FREIO PARA MULTIFUNCIONAL (BUZINA)

Somente para caminhões com reboque
DA DISTRIBUIÇÃO
5.7.2

CBP30G WA 0.50 YE-BU 14401 R17-01

MINI FUSÍVEL 58 (C)

+

7.5A

SBP60 WA 1.0 GN-RD 14401

MINI FUSÍVEL 60 (B)

7.5.0

+

5A

SBP62 WA 0.75 BN-RD 14401

F62-02 + 20A SBB03 WA 2.50 BU-RD 14401 SBB04B WE 4.0 GN-RD 14401 F82-02 + 40A SBB04 WE 4.0 GN-RD 14401 JCASE #3(C)

MINI FUSÍVEL 62 (C)

13.0.0

PARA SISTEMA DE LOCAL. E BLOQUEIO

+

15A

SBP82 WA 1.5

YE-RD

14401

MINI FUSÍVEL 82 (C)

13.0.0

PARA SISTEMA DE LOCAL. E BLOQUEIO

JCASE #4 (C)

ISB
+ SBB06B WE 4.0 3.1.1 BN-RD 14401 F74-02 + 30A 3.1.1 SBB05 WE 4.0 GY-RD 14401

PARA ECM
7.5A SBP74 WA 1.0 YE-RD 14401 12.8.0

JCASE #5 (C) 40A

PARA ACENDEDOR DE CIGARROS RELÉ DAS LÂMPADAS DE BACKUP R03 40A

PARA ECM

MINI FUSÍVEL 74 (A)

ISL
SBB06 WE 4.0 BN-RD 14401 F46-02 +

+

20A

SBP46 WA 2.5

BN-RD 14401

JCASE #6(C)

5.4.0

MINI FUSÍVEL 46 (C)

PARA INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA PARA LUZ DE CORTESIA
SBP72A WA 1.5 BU-RD 14401 R03-02 SBP72B WA 1.5 BU-RD 14401 S2BP72 R03-06 06 CAT16 WA 04 R03-04 CET47 WA 08 R03-08 1.5 0.50 GY-BN BU 14401 14401 5.7.2 5.7.2

+

5A

SBP48 WA 0.75 VT-RD

14401

+

40A

SBB07 WE 4.0 WH-RD 14401

F48-02

6.0.0

PARA CONECTOR DO REBOQUE E LÂMPADA TRASEIRA DO INTERRUPTOR DA RÉ

MINI FUSÍVEL 48 (A)

+

JCASE #7 (C) F50-02 + 40A SBB02 WA 4.0 YE-RD 14401 SBB06A WE 4.0 BN-RD 14401 F72-02

15A

SBP50 WA 1.5 YE-RD 14401

11.0.0

PARA CLIMATIZADOR

02

MINI FUSÍVEL 50 (A)

+

10A

SBP72 WA 1.5

BU-RD 14401

JCASE #2(C) 40A

5.1.7

PARA MULTIFUNÇÃO (LUZES PISCA)

MINI FUSÍVEL 72 (C)

RELÉ DAS LÂMPADAS DO FREIO DO REBOQUE R01 40A
CAT18 WA 04 R01-04 1.5 YE-OG BK-BU 14401 14401

+

+

SBB01 WA 4.0 RD 14401 F55-02

15A

SBP55 WA 1.5

WH-RD 14401

Relé usados para caminhões com reboque ou conector de acesso do cliente Relé usados para caminhões com reboque ou conector de acesso do cliente Relé usados para caminhões com reboque ou conector de acesso do cliente Relé usados para caminhões com reboque ou conector de acesso do cliente
PARA INTERRUPTOR DA LÂMPADA DE FREIO DO REBOQUE/ PEDAL DO FREIO
5.3.1 CCA26D WA 0.50 BU-GY

R01-06 14401 R01-02

06

5.4.0 1.2.0

PARA O CONECTOR DO REBOQUE DO TERRA

B+

JCASE #1 (C) 30A

MINI FUSÍVEL 55 (C)

+

15A

SBP57 WA 1.5

RD

14401

02

+

SBB08 WE 4.0 VT-RD 14401

MINI FUSÍVEL 57 (C)

A_GD114BB WA 0.50 08 R01-08

+

JCASE #8(A)

12.0.0

PARA MÓDULO DE CONFORTO

10A

SBP59 WA 1.5

BU-RD 14401

MINI FUSÍVEL 59 (B)

+

10A

SBP61 WA 1.5

GY-RD 14401

RELÉ AUXILIAR DE DIREÇÃO LE R20 20A
02 R20-05 05 04 CAT06 WA R20-04 1.5 YE BK-BU 14401 14401

MINI FUSÍVEL 61 (B)

5.4.0 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

+

40A

SBB10 WE 4.0 YE-RD 14401 + 20A SBP64 WA 2.5 VT-RD 14401 2.5.0 F64-02

PARA INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA PARA CONVERSOR DE TENSÃO PARA TRANSMISSÃO SINCRONIZADA SBP68A WA 0.50 GN-RD 14401
SBP68B WA 0.50 GN-RD 14401 S2BP68 SBP68C WA 0.50 GN-RD 14401 . 15.5.0 . 10.0.0

5.4.0

CLS21E WA

1.5

BU-GN

14401 R20-01 01

A_GD114AE WA 0.5 03 R20-03

JCASE #10(A)

MINI FUSÍVEL 64 (B)

+

7.5A

SBP66 WA 1.0 YE-RD 14401

4.0.0

MINI FUSÍVEL 66 (C)

10.0.0

PARA CLUSTER PARA CLUSTER PARA TACÓGRAFO
CLS25E WA 1.5 YE-VT

RELÉ AUXILIAR DE DIREÇÃO LD R21 20A
02 R21-05 05 04 01 CAT09 WA R21-04 1.5 0.5 GN BK-BU 14401 14401

+

3A

SBP68 WA 0.50 GN-RD 14401

+

20A

CBP11 WA 2.5 BN

14401

+

JCASE #11 (A)

12.8.0

PARA PONTO DE ENERGIA

MINI FUSÍVEL 68 (C)

5.4.0 1.2.0

PARA ACESSO DO CLIENTE DO TERRA

20A

SBP70 WA 2.5 BN-RD 14401

DO INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA

5.4.0

14401 R21-01

MINI FUSÍVEL 70 (C)

A_GD114AI WA 03 R21-03

Somente para Brasil

+

CDC21B WE 4.0 GY-BN 14401 F65-02

7.5A

CBP65 WA 1.0 WH-OG 14401

4.0.0

PARA TRANSMISSÃO SINCRONIZADA

MINI FUSÍVEL 65 (C)

CBP69A WA 0.50 WH-VT 14401 CBP69B WA 0.50 WH-VT 14401

4.3.8 . 4.3.7

PARA INTERRUPTOR DE TRAVA DO EIXO DIFERENCIAL TRAS. PARA ELEVAÇÃO DO EIXO TRASEIRO SECUNDÁRIO PARA INTERRUPTOR MULTIFUNCIONAL (FUNÇÃO DE EMERG.) PARA SISTEMA DE LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PARA TACÓGRAFO PARA SISTEMA DE LOCAL. E BLOQUEIO (MÓD. PARA CLUSTER

Somente para 6x4 Somente para 6x2

+

3A

CBP69 WA 0.50

WH-VT 14401 S2BP69

CBP69C WA 0.50

WH-VT 14401

MINI FUSÍVEL 69 (C)

+

3A

CBP71 WA 0.50 BU-OG 14401 S2BP71

CBP71A WA 0.50 BU-OG 14401 CBP71B WA 0.50 BU-OG 14401 CBP71C WA 0.50 BU-OG 14401 .

5.4.0 13.0.0 . 15.5.0 13.0.0 10.0.0

MINI FUSÍVEL 71 (C)

INTERRUPTOR DE IGNIÇÃO
OFF 75
CN-02

RELÉ DE IGNIÇÃO
R11 40A CDC33 WA 2.5 VT-GN 14401 5A

+

C2DC32-2 CDC32 WA 2.5 BN-YE C2DC32-3 CDC35 WA 2.5 BU-WH 14401 C2DC32-1 14401 S2DC32

R11-06 CDC32A WA 2.5 BN-YE 14401 R11-02

06 04 02 R11-04

CDC21 WE 4.0 GY-BN 14401 F37-02

CBP37 WA 1.0

WH

14401

3.1.1

PARA ECM

CBP71D WA 0.50 BU-OG 14401 CBP71E WA 0.50 BU-OG 14401

MINI FUSÍVEL 37 (C)

DE EXPANSÃO) Somente com reboque

+

30 C2DC32-4
CN-04

15
CN-03

3A

08 R11-08 CDC21A WE 4.0 GY-BN 14401

CBP39B WA 0.5 VT-WH 14401

50
CN-01

F39-02

3.1.1

PARA BOBINA DO RELÉ DO FREIO DE ESTAC. PARA LIMP./LAV. MULTIFUNCIONAL
CBP43A WA 2.5 GY S2BP43 14401

MINI FUSÍVEL 39 (C)

+

15A

CBP41 WA 1.5

BU

14401

F41-02 C2DC32

7.3.0

MINI FUSÍVEL 41 (B)

+

20A

CBP43 WA 2.5

GY

14401

7.3.0

PARA MOTOR DO LIMPADOR DO PARABRISA
RELÉ DO LIMPADOR E LAVADOR RELÉ ELETRÔNICO R2

MINI FUSÍVEL 43 (B)

14401

+

3A

04 CBP19 WA 0.50 BN-WH 14401 3.1.1 BU-GY 14401 S2BP21 BN-YE 14401 CBP21B WA 0.50 CBP21C WA 0.50 BU-GY 14401 BU-GY 14401 14401 14401 14401 CBP21A WA 0.50 BU-GY 14401 3.1.1 3.1.1 15.5.0 2.5.0 12.4.0 12.0.0

06 01 08

F19-02

MINI FUSÍVEL 19 (B)

IBSe PARA INTERRUPTOR ON-OFF CC/PTO ISL PARA INTERRUPTOR DO FREIO-MOTOR Exceto 6x4 e Tractor PARA INTERRUPTOR ALTO/BAIXO (TACÓGRAFO) PARA MÓDULO DE CONVERSOR PARA INTERRUPTOR DO ESPELHO
CBP19C WA S2BP19

DO TERRA DO MOTOR DO LIMPADOR DO PARABRISA

1.2.0 7.3.0

A_GD114BH WA VRW25 WA

0.50

BK-BU

+

3A

CBP21 WA 0.50

2.5

BU-GY

A_GD114BI WA 0.50

MINI FUSÍVEL 21 (B)

R02-04 14401 R02-02 14401 R02-05

02 05

CRW03 WE R02-06 CRW17 WE R02-01 CRW24A WA R02-08

1.5 1.5 1.5

VT-WH GN-VT GY

14401 14401 14401

7.3.0 7.3.0 7.3.0

DO INTERRUPTOR DE MULTIFUNÇÃO DO INTERRUPTOR DE MULTIFUNÇÃO DO INTERRUPTOR DE MULTIFUNÇÃO

BK-BU

+

3A

CBP23 WA 0.50

MINI FUSÍVEL 23 (B)

RELÉ DO A/C R14 20A
CBP19A WA 0.50 BN-WH 14401 R14-05 CBP19B WA 0.50 BN-WH 0.50 0.50 14401 0.50 BN-WH 14401 R14-01 01 11.0.0 11.0.0 11.0.0 05 04 R14-04 CH453 WA 03 R14-03 1.0 BN-YE 14401 02 CH401 WA 1.0 VT-WH 14401

CBP23B WA 0.50 BN-YE S2BP23 CBP23D WA 0.50 BN-YE

11.0.0 11.0.0

PARA O COMPRESSOR DA EMBREAGEM DO A/C DO INTERRUPTOR DE PRESSÃO

DO TERRA

1.2.0

CBP23E WA 0.50 BN-YE

PARA MÓDULO DE CONFORTO
CBP19D WA CBP19E WA BN-WH 14401 BN-WH 14401

PARA INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO A/C PARA SISTEMA DE VENTILAÇÃO INTERRUPTOR DE COMPRESSOR DA EMBREAGEM DO A/C

+

7.5A

CBP73

WA 1.0

WH-BN

14401 S2BP73

CBP73A WA 1.0 CBP73B WA 0.75

WH-BN 14401 WH-BN 14401

F73-02

2.2.0 10.0.0

PARA MOTOR DE PARTIDA PARA CLUSTER DO TERRA
1.2.0 A_GD114AH WA 0.50

RELÉ DA ILUMINAÇÃO DO RÁDIO
R19 20A 02 R19-05 BK-BU 14401 R19-01 01 05 CPM05 WA 04 R19-04 CBP30H WA 03 R19-03 0.50 WH-BU 0.50 YE-BU 14401 14401

MINI FUSÍVEL 73 (C)

14.1.1 5.7.2

PARA RÁDIO DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

RELÉ DO FREIO DE ESTAC.
R07 20A

Com A/C
+ 15A CBP77 WA 1.5 WH 14401 11.0.0

PARA ECM PARA SISTEMA DE VENTILAÇÃO DA DISTRIBUIÇÃO

3.1.1

RE401J WA

0.50

GN-BU 14401 R07-05 05

CCA28A WA 02 04 CMC25A WA 01 03 R07-03 R07-02

0.50 GY-BN

14401

F77-02

MINI FUSÍVEL 77 (B)

11.0.0

1.0.0

CBP39B WA

0.50 VT-WH 14401 R07-01

0.50

WH-VT

14401

3.1.1

DO INTER. DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

Sem A/C
+ CYD03 WA 2.5 BN-YE 14401 F29-02 3A CBP29 WA 0.50 WH-VT 14401

MINI FUSÍVEL 29 (A)

+

15A

CBP31 WA 1.5

BU-OG 14401

12.0.0

PARA MÓDULO DE CONFORTO
A_GD114BA WA 0.50 BK-BU

MINI FUSÍVEL 31 (A)

R09-05

RELÉ DO FREIO DE SERVIÇO R09 20A CCA28 WA 02 R09-02 05 04
14401 CCA26C WA 01 03 R09-03

0.50 GY-BN

14401

3.1.1

PARA ECM

1.4.0 + CDB08 WA 2.5 BN 14401 F33-02 10A CBP33 WA 1.5 WH-BN 14401 1.4.0 YE-GY 14401 14.1.1
MINI FUSÍVEL 33 (A)

ISB
+

ISB PARA DIAGNÓSTICO
15A SBP11 WA 1.5 BU-RD 14401 3.1.1 3.1.1

DO TERRA PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA (T30)

1.2.0

0.50

BU-GY

14401

R09-01

5.3.1

PARA INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO

ISL
SBB10A WE 4.0 YE-RD 14401

F11-02 F13-02

MINI FUSÍVEL 11 (C)

+

10A

CBP35 WA 1.5

PARA RÁDIO

ISL

MINI FUSÍVEL 35 (A)

CTR28 WA 2.5 GY-YE 14401

RELÉ PÓS PARTIDA
R04 40A 3.1.1 + + CME31 WA 2.5 BU-GN 14401 F76-02 C2YD03-1 1 2 3 4 5 C2YD03-7 6 7 C2YD03-8 8 3A CBP76 WA 0.50 BU-BN 14401 14.1.0

ISB

PARA RÁDIO
CDC32B WA 2.5 BN-YE

R04-06 14401 R04-02

06 04 R04-04 02 08 R04-08

CDC22 WE 4.0 VT-OG 14401 F22-02

20A

CBP22 WA 2.5 GN-OG 14401

PARA O SENSOR NOX
3.1.1 3.1.1 3.1.1

MINI FUSÍVEL 76 (A)

MINIFUSÍVEL 22 (C) 7.5A CBP24 WA 1.0
+ +

ISL ISB

VT-GN 14401

RELÉ AQUECEDOR UREIA
R06 40A

LINHA 15 SAÍDA

SAÍDA TERRA

LINHA 15 ENTRADA

LINHA 30 SAÍDA

LINHA 30 SAÍDA

MINIFUSÍVEL 24 (C) 7.5A CBP26 WA 1.0 BU-WH 14401 MINIFUSÍVEL 26 (C)

PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA (T15)
ISL
R06-06 06

+

5A

VE356 WA 04 R06-04 RE356 WA

1.0

GY-VT

14401 14401

CBP38 WA 0.75 GY-BU 14401

F38-02

5.1.7

PARA FACHO DO FAROL BAIXO LD PARA FACHO DO FAROL BAIXO LE

3.1.1 3.1.1

PARA AQUECEDOR UREIA DO ECM

MINI FUSÍVEL 38 (C)

0.75 VT

+

5A

CBP40 WA 0.75 YE-GN 14401

ABASTEC. TERRA

LINHA 30 SAÍDA

LINHA 30 ENTR.

CONVERSOR DE TENSÃO
C2YD03

5.1.7

MINI FUSÍVEL 40 (C)

A_GD114BJ WA

0.50 BK-BU

14401

R06-02 1.2.0

02

08 R06-08

PARA O TERRA
CE356 WA 0.75 BU-OG 14401 3.1.1

SAÍDA TERRA

DO ECM

9

10

11

12

13

14

15

16

C2YD03-10

C2YD03-15

DO FUSÍVEL 64

1.0.0

SBP64 WA 2.5 VT-RD

14401

1.2.0 Estratégia de Aterramento 13 Ton & Acima
A_GD115AA WA 0.50 BK-GY 14401

12.4.0

PARA INTERRUPTOR DO ESPELHO

A_GD138A WA

0.75 BK-WH 15A404

5.7.2

PARA LUZ INDICADORA DO TETO LE

A_GD115AB WA

0.50 BK-GY

14401

12.0.0

PARA INTERRUPTOR DA JANELA DO CONDUTOR

A_GD138B WA

0.75

BK-WH 15A404

5.7.2

PARA LUZ INDICADORA DO TETO LD

A_GD115AC WA

0.50

BK-GY

14401

12.0.0

PARA INTERRUPTOR DA JANELA DO PASSAGEIRO

A_GD138C WA

0.75

BK-WH 15A404

6.0.0

PARA LÂMPADA INTERNA

A_GD115AD WA

0.50 BK-GY

14401

11.0.0

PARA INTERRUPTOR DE RECIRCULAÇÃO DO A/C

A_GD138 WA

0.75

BK-WH 15A404 S9D138A

A_GD138D WA

0.75 BK-WH 15A404

6.0.0

PARA LÂMPADA DE LEITURA LE 01

A_GD115A WA

0.75

BK-GY

14401 S2D115AA

A_GD115AE WA

0.50 BK-GY

14401

11.0.0

PARA INTERRUPTOR DO COMPRESSOR DO A/C

A_GD138E WA

0.75

BK-WH 15A404

6.0.0

PARA LÂMPADA DE LEITURA LE 02

A_GD115AF WA

0.50

BK-GY

14401

11.0.0

PARA INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR (2)

A_GD138F WA

0.75 BK-WH 15A404

6.0.0

PARA LÂMPADA DE LEITURA LD 01

A_GD138G WA

0.75

BK-WH 15A404

6.0.0

PARA LÂMPADA DE LEITURA LD 02

Com A/C ISB
A_GD115BA WA A_GD115 WA 1.0 BK-GY 14401 S2D115A A_GD115BB WA 0.50 BK-GY 14401 0.50 BK-GY 14401 3.1.1

ISL
3.1.1

B_GD138 WA

1.5

BK-WH 15A404

11.0.0

PARA INTERRUPTOR DO FREIO DE ESTACIONAMENTO
11.0.0

PARA REFRIGERADOR DO AR Sem A/C

3.1.1

3.1.1

PARA INTERRUPTOR DE INCREMENTO/DECREMENTO

A_GD115B WA

0.75 BK-GY

14401 S2D115AB

A_GD115BD WA

0.50 BK-GY

14401

G2D138
3.1.1 3.1.1

PARA INTERRUPTOR ON-OFF CC/PTO

TERRA
A_GD115BE WA 0.50 BK-GY 14401 3.1.1 3.1.1

PARA INTERRUPTOR DO FREIO-MOTOR

A_GD115BF WA

0.50

BK-GY

14401

4.3.8

PARA INTERRUPTOR DE BLOQUEIO DO DIF. EIXO TRAS.

SOMENTE 6X4

A_GD115BG WA

0.50

BK-GY

14401

4.3.7

PARA INTERRUPTOR DE ELEVADOR DO SEGUNDO EIXO TRAS.

SOMENTE 6X2

B_GD115A WA

2.5

BK-GY

14401

2.5.0

PARA MÓDULO CONVERSOR

B_GD115 WE

4.0

BK-GY

14401 S2D115B

B_GD115B

WA

2.5

BK-GY

14401

12.0.0

PARA MÓDULO DE CONFORTO - JANELA

B_GD115C WA

1.5

BK-GY

14401

A_GD123A WE 12.0.0

2.5

BK-GY 12K510

PARA MÓDULO DE CONFORTO - SISTEMA DE TRAVA DA PORTA (INTER. DE TRAVA DA PORTA)
A_GD123 WE 4.0 BK-GY 14401

3.1.1

PARA ECM

C11-D-34

A_GD123 WE

4.0

BK-GY 12K510 S1D123A A_GD123B WE 2.5 BK-GY 12K510 3.1.1

PARA ECM

A_GD114AD WA

0.50

BK-BU

14401

5.1.7

PARA BOBINA DO RELÉ DO FACHO DO FAROL
B_GD123AB WE 0.75 BK-GY 14405

A_GD114AE WA

0.50 BK-BU

14401

5.4.0

PARA BOBINA DO RELÉ AUXILIAR DA LUZ DE DIREÇÃO
B_GD123 WE 2.5 BK-GY 14401 C11-B-09 B_GD123 WE 2.5 BK-GY 14398 S1D123B B_GD123B WE 1.0 BK-GY B_GD123A WE 1.5 BK-GY 14398 C44-A-A8 14398 C44-E-03 B_GD123B WE 1.0 BK-GY 14D469 B_GD123A WE 1.5 BK-GY 14405

15.5.0

PARA EIXO TRASEIRO SW PARA SENSOR NOX

A_GD114A WA

1.0

BK-BU

14401 S2D114AA

A_GD114AG WA

0.50

BK-BU

14401

5.7.2

PARA BOBINA DO RELÉ DAS LUZES DE ESTAC.

B_GD123AA WE S1D123BA 3.1.1

1.5 BK-GY

14405

3.1.1

G2D115-A
GND N

G2D115-B

A_GD114AH WA

0.50

BK-BU

14401

14.1.1

PARA BOBINA DO RELÉ DE ILUMINAÇÃO

PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PARA SENSOR NOX

SOMENTE ISB

2° PONTO DE ATERRAMENTO

A_GD114AI

WA

0.50

BK-BU

14401

5.4.0

PARA BOBINA DO RELÉ DE AUXILIAR DA LUZ DE DIREÇÃO

B_GD123A WE

1.5

BK-GY

14398

3.1.1

A_GD114AJ WA

0.50 BK-BU

14401

12.0.0

PARA INTER. DA TRAVA DA PORTA DO CONDUTOR

B_GD123B WE

1.0

BK-GY

14398

3.1.1

PARA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA

SOMENTE ISL

A_GD114AL WA

0.50 BK-BU

14401

12.0.0

PARA INTER. DA TRAVA DA PORTA DO PASSAGEIRO

A_GD114 WA

1.0

BK-BU

14401 S2D114A A_GD114BA WA 0.50 BK-BU 14401 3.1.1 3.1.1 PARA BOBINA DO RELÉ DO FREIO DE SERVIÇO

A_GD120A WA

0.75

BK-GN

14401

5.7.2

PARA FAROL LD (ALTO)

ISB
. 5.3.1

ISL

A_GD120B WA

0.75 BK-GN

14401

5.7.2

PARA FAROL LD (BAIXO)

A_GD114BB WA A_GD114B WA 1.0 BK-BU 14401

0.5

BK-BU

14401

PARA BOBINA DO RELÉ DO FREIO DO REBOQUE A_GD120 WA 1.0 BK-GN 14401 S1D120A

A_GD120D WA

0.75 BK-GN

14401

5.4.0

PARA LUZ LATERAL LD (ALTO)

S2D114AB

A_GD120F WA

0.50 BK-GN

14401

5.4.0

PARA LUZ DE DIREÇÃO FRONTAL LD (ALTO) PARA FAROL LD (POS)

A_GD120H WA A_GD114BH WA A_GD114BI WA 0.50 0.50 BK-BU BK-BU 14401 14401 7.3.0 1.0.0

0.50 BK-GN

14401

5.7.2

PARA RELÉ DO LIMPADOR/LAVADOR

PARA BOBINA DO RELÉ DE IGNIÇÃO

B_GD120A WA

0.75

BK-GN

14401

5.4.0

PARA AUXILIAR DE SINALIZAÇÃO DE DIREÇÃO

A_GD114BJ WA

0.50 BK-BU

14401

1.0.0

PARA BOBINA DO RELÉ DE PÓS IGNIÇÃO

B_GD120B WA

0.75

BK-GN

14401

5.7.2

PARA FAROL LE (BAIXO)

B_GD120 WA

1.0

BK-GN

14401 S1D120B

B_GD120C WA

0.75 BK-GN

14401

5.7.2

PARA FAROL LE (ALTO)

B_GD120D WA B_GD114A WA 2.5 BK-BU 14401 7.3.0 PARA MOTOR DO LIMPADOR DO PARA-BRISA

0.50 BK-GN

14401

5.4.0

PARA LUZ DE DIREÇÃO FRONTAL LE (ALTO)

G1D123-B

G1D123-A

G1D120-A

G1D120-B
B_GD120E WA 0.50 BK-GN 14401 5.7.2

PARA FAROL LE (POS)

B_GD114 WA

4.0

BK-BU

14401 S2D114B

B_GD114B

WA

1.5

BK-BU

14401

7.3.0

PARA MOTOR DA BOMBA DE ÁGUA

GND Q PARA-LAMA DIANTEIRO DIREITO

GND N PARA-LAMA DIANTEIRO ESQUERDO GD176 BE 10.0 BK-WH 10A570

B_GD114C WA

1.0

BK-BU

14401

7.5.0

PARA ALTO-FALANTE DA BUZINA

2.2.0

PARA ALTERNADOR

G2D114-A
GND N

G2D114-B

1° PONTO DE ATERRAMENTO CHAVE DA BATERIA
GD108 WE BK-VT 50.0 10K701 GD108 WE BK-VT 50.0 14301 GD108AA WA 1.50 BK-VT 14401 15.5.0

PARA TACÓGRAFO Somente para caminhões W/Tacógrafo PARA TACÓGRAFO

COM CHAVE DA BATERIA

G1D108-BB

G1D108-BA

GD108A WE 2.50

BK-VT

14398 C03-01

GD108A WA 1.50

BK-VT

14401 S2D108A

GA108AB

WA 1.50

BK-VT

14401

15.5.0

GD116 WA

2.5

BK-VT

14401

GD108 WE BK-VT 50.0 14301 14.1.1

PARA TERMINAL DO MÓDULO RÁDIO

SEM CHAVE DA BATERIA
G1D147 G1D176
GND N ENGINE GND N ENGINE

SDC02

70.0

RD

NBR 14733 14304

G1D108-C G1D108-B
C1-1

G2D116
GND N GND ENGINE

C1DC02-B
(-) (+) C2-1

G1D108-A
(-) C1-1 (+) C2-1

BATERIA GENÉRICA

BATERIA GENÉRICA

3° PONTO DE ATERRAMENTO

CONECTOR COM REBOQUE IN 14405
A_GD184 WA 1.0 BK-GY 14401 S2D184A A_GD184C WA 0.50 BK-GY 14401 A_GD184B WA 0.50 BK-GY 14401 10.0.0

PARA CLUSTER

A_GD152 WE

1.5

BK-BU

14398

C44-C-06
CUSTOMER ACESS

A_GD152 WE

1.5

BK-BU

14405

CORRENTE DE RUÍDO < 1A
A_GD152 WE 1.5 BK-BU 14398 CORRENTE DE RUÍDO < 1A

5.7.2

PARA CONECTOR DO REBOQUE

10.0.0 10.0.0

PARA CLUSTER
5.7.2

A_GD184E WA

0.50

BK-GY

14401

PARA MÓDULO RF PATS

PARA CONECTOR DO REBOQUE/ACESSO DO CLIENTE

PARA CONECTOR DO REBOQUE

CONECTOR COM REBOQUE IN 14398

B_GD152A WE

1.0

BK-BU

14398

4.0.0

PARA MÓDULO DE TRANSMISSÃO SINCRONIZADA

B_GD152B WE

1.0

BK-BU

14398

4.0.0

PARA MÓDULO DE TRANSMISSÃO SINCRONIZADA

B_GD152 WE

1.0

BK-BU

14398 S1D152

B_GD152C WE 0.75

BK-BU

14398

10.0.0

PARA SENSOR DE RESTRIÇÃO DO AR DE ADMISSÃO

B_GD184A WA B_GD184 WA 1.5 BK-GY 14401 S2D115AA B_GD184B WA

0.75 BK-GY

14401

13.0.0

PARA MÓDULO DE BLOQUEIO E DE RASTREIO PARA CONECTOR DATALINK
BK-YE 14F416 14303

B_GD152E WE

0.5

BK-BU

14398

5.7.2

PARA INTERRUPTOR DE ENGRENAGEM DE RÉ

1.5

BK-GY

14401

1.4.0

Somente para Brasil

G2D184-A
GND Q

G2D184-B

SOMENTE 6X4
A_GD151C WE 0.75 BK-GN 14405 4.3.8

CROSS CAR BEAM 4TH POINT

BK-VT

PARA INTER. DO SOLENOIDE DE BLOQ. DO DIF. DO EIXO TRAS.

16.0

16.0

A_GD151 WE

0.75 BK-GN

14405 S1D151

A_GD151A WE

0.75

BK-GN

14405

4.3.7

PARA SOLEN. DE ELEVADOR DO SEGUNDO EIXO TRAS.

SOMENTE 6X2

GD148 BE

GD147 BE

A_GD185A WA

1.5

BK-WH

14401

11.0.0

PARA INTER. DE VELOCIDADE DO VENTILADOR (1)

A_GD151B WE

0.75

BK-GN

14405

SOMENTE 6X2
15.5.0

PARA VÁLVULA SOLENOIDE PNEUMÁTICA

A_GD185 WA

6.0

BK-WH

14401 S2D185A

A_GD185B WA

2.5

BK-WH

14401

5.4.0

PARA INTER. DE EMERGÊNCIA

A_GD151B WE

0.75

BK-GN

14405

EXCETO 6X2, 6X4 E TRACTOR
15.5.0

PARA VÁLVULA SOLENOIDE PNEUMÁTICA

A_GD185C WA

1.0

BK-WH

14401

12.8.0

PARA ACENDEDOR DE CIGARROS
B_GD151 WE 1.5 BK-GN 14405 S1D151B

B_GD151A WE

1.5

BK-GN

14405

5.3.1

PARA LÂMPADA TRASEIRA LE

B_GD185 WA

1.0

BK-GY

14401 C11-B-08

B_GD185 WE

1.0

BK-GY

14398 S2D185BA

B_GD185A WE

1.0

BK-GY

14398

C44-E-04

B_GD185A WE

1.0

BK-GY 14D469

3.1.1

PARA UREIA LINHA DE SAÍDA

B_GD151B WE

1.5

BK-GN

14405

G2D185-A
GND N

G2D185-B
B_GD185 WE 1.0 BK-GY 14398 C44-E-02

B_GD185B WE

1.0

BK-GY

14398

C44-E-08

SOMENTE ISB
B_GD185B WE 1.0 BK-GY 14D469 3.1.1

5.3.1

PARA LÂMPADA TRASEIRA LD

PARA UREIA LINHA DE ENTRADA

B_GD185A WE

1.0

BK-GY 14D469 S1D185BA

B_GD185A WE

1.0

BK-GY 14D469

3.1.1

PARA UREIA LINHA DE SAÍDA

G1D148

G1D152-A
GND N

5° PONTO DE ATERRAMENTO

SOMENTE ISL
B_GD185B WE 1.0 BK-GY 14D469 3.1.1

G1D152-B G1D151-A
GND N

G1D151-B

PARA UREIA LINHA DE ENTRADA

GND Q

PONTO DE ATER.

PONTO DE ATER.

PONTO DE ATER.

1.4.0 Diagnósticos de Subsistema 13 Ton & Acima ISB

DO CLUSTER PINO CN1-32 10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-16 10.0.0

VDB11C VDB12C

WE WE

0.50 0.50

BN-GN BN-BU

14401 14401

VDB11D VDB12D

WE WE

0.50 0.50

BN-GN 14401 BN-BU 14401

13.0.0 DA LOCAL. E BLOQUEIO PINO B-8 13.0.0 DA LOCAL. E BLOQUEIO PINO B-2

VDB11F

WE

0.75

BN-GN 12K510 VDB12F WE 0.75

3.1.1 3.1.1

DO ECM INO J2-01 DO ECM INO J2-21

BN-BU 12K510

VDB11G

WE 14398

0.50

VDB11G

WE 0.50

CBP33 WA 1.50 WH-BN C2DB10-B PIN B B+ 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

BN-BU

C44-E-06

BN-BU 14D469

3.1.1

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 28

VDB12G BN-GN

WE 14398

0.50

VDB12G

WE

0.50

C44-E-12

BN-GN 14D469

3.1.1

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 22

C2DB10-J

PIN J - ISO 9141 C1DB04-A

RESISTOR C1DB04

PINO C J1939 (+) PINO D J1939 (-)
PIN E

VDB11A

WE 0.50 14401

VDB11CA BN-GN

WE 0.50 14401 WE 0.50 14401

VDB11DA

WE

0.50 14401 0.50 14401

VDB11EA WE

0.50

VDB11EAA WE 0.50

VDB11FA

WE 0.50

VDB11FA

WE

0.50

VDB11GA

WE 0.50 14398

VDB11GAA WE

0.50

VDB11J

WE 0.50 14405 WE 0.50 14405

CN1-A

C2DB10-C C2DB10-D

BN-GN VDB12A BN-BU

S2DB11C
WE 0.50 14401 VDB12CA BN-BU

S2DB11CA

BN-GN VDB12DA WE

S2DB11DA

BN-GN

14401 0.50

C11-D-03 C11-D-04

BN-GN

12K510

BN-GN 12K510

S1DB11EAA
VDB12EAA WE BN-BU 0.50 VDB12FA WE 0.50 12K510 BN-BU 12K510

C11-E-16 C11-E-17

BN-GN VDB12FA BN-BU

14398 WE 0.50 14398

S1DB11FA

BN-GN

C44-A-B6 C44-A-B5

BN-GN

14405

S1DB11GAA

BN-GN VDB12J

+

VDB12EA WE

VDB12GA WE 0.50

VDB12GAA WE 0.50 BN-BU 14405

PINO E J1939 PROTEÇÃO

S2DB12C

S2DB12CA

BN-BU

S2DB12DA

BN-BU

14401

S1DB12EAA

S1DB12FA

BN-BU

14398

S1DB12GAA

BN-BU

CN1-B

C1DB04-B

CN1-C

FIM DA DRENAGEM 07

C2DB10-H

PIN H BAIXA/ALTO

SW

3.1.1 GND PIN A CONECTOR DATA LINK C2DB10 C2DB10-A

ISL

DO MÓDULO DO SENSOR NOX
3.1.1 3.1.1
ISB ISL

VDB12H

WE

0.50 BN-BU

14405

DO MÓDULO DO SENSOR NOX
3.1.1
ISB

VDB11H WE

0.50

BN-GN

14405

DO TACÓGRAFO PINO A-8 15.5.0 DO TACÓGRAFO PINO A-4 15.5.0

VDB12E

WE

0.50 BN-BU 0.50 BN-GN

14401 14401

VDB11E WE

B_GD184B WA 1.50 BK-GY 14401

1.2.0

DO TERRA

CAC01B WA 0.50 GN-BU 14401

15.5

DO TACÓGRAFO INTER. ALTO/BAIXO

Somente para 1319, 1519, 1719, 1723, 2423 e 2429 Unidade de linha 6x2 e 4x2 (não Tractor)

VDB10C WA 0.50 GY 14401

10.0.0

DO CLUSTER PINO CN1-31

VDB10 WA 0.50 GY 14401 S2DB10

VDB10B WA 0.50 GY 14401

1.2.0

DO MÓDULO DE CONFORTO PINO A15

VDB10A WA 0.50 GY 14401

13.0

DE LOCAL. E BLOQUEIO PINO A-15

1.4.0 Diagnósticos de Subsistema 13 Ton & Acima ISB

DO CLUSTER PINO CN1-32 10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-16 10.0.0

VDB11C VDB12C

WE WE

0.50 0.50

BN-GN BN-BU

14401 14401

VDB11F

WE

0.75

BN-GN 12K510 VDB12F WE 0.75

3.1.1 3.1.1

DO ECM PINO J2-01 DO ECM PINO J2-21

BN-BU 12K510

CBP33 WA 1.50 WH-BN 14401 C2DB10-B PIN B B+

VDB11G

WE 14398

0.50

VDB11G

WE 0.50

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

BN-BU

C44-E-06

BN-BU 14D469

3.1.1

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 28

VDB12G BN-GN

WE 14398

0.50

VDB12G

WE

0.50

C44-E-12

BN-GN 14D469

3.1.1

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 22

C2DB10-J

PIN J - ISO 9141 RESISTOR C1DB04

PINO C J1939 (+) PINO D J1939 (-)
PIN E

VDB11A

WE 0.50 14401 WE 0.50 14401

VDB11CA

WE 14401 WE 14401

0.50

VDB11EAA WE 0.50

VDB11FA

WE 0.50

VDB11FA

WE

0.50

VDB11GA

WE 0.50 14398

VDB11GAA WE

0.50

VDB11J

WE 0.50 14405 WE 0.50 14405

C1DB04-A

CN1-A

C2DB10-C C2DB10-D

BN-GN VDB12A BN-BU

S2DB11C

BN-GN VDB12CA

C11-D-03 C11-D-04

BN-GN

12K510

BN-GN 12K510

S1DB11EAA
VDB12EAA WE BN-BU 0.50 VDB12FA WE 0.50 12K510 BN-BU 12K510

C11-E-16 C11-E-17

BN-GN VDB12FA BN-BU

14398 WE 0.50 14398

S1DB11FA

BN-GN

C44-A-B6 C44-A-B5

BN-GN

14405

S1DB11GAA

BN-GN VDB12J

+

0.50

VDB12GA WE 0.50

VDB12GAA WE 0.50 BN-BU 14405

S2DB12C

BN-BU

S1DB12EAA

S1DB12FA

BN-BU

14398

S1DB12GAA

BN-BU

CN1-B

C1DB04-B

CN1-C

PINO E J1939 PROTEÇÃO

FIM DA DRENAGEM 07

C2DB10-H

PIN H BAIXO/ALTO SW

GND PIN A

DO MÓDULO DE SENSOR NOX DO MÓDULO DE SENSOR NOX CONECTOR DATA LINK C2DB10

3.1.1 3.1.1

VDB12H

WE

0.50 BN-BU 0.50 BN-GN

14405 14405

VDB11H WE

C2DB10-A

B_GD184 WA 1.50 BK-GY 14401

1.2.0

DO TERRA

CAC01B WA 0.50 GN-BU 14401

15.5

DO TACÓGRAFO INTER. ALTO/BAIXO

Somente para 1319, 1519, 1719, 1723, 2423 e 2429 Unidade de linha 6x2 e 4x2 (não Tractor)

VDB10C WA 0.50 GY 14401

10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-31

VDB10 WA 0.50 GY 14401 S2DB10

VDB10B WA 0.50 GY 14401

12.0

DO MÓDULO DE CONFORTO PINO A15

1.4.0 Diagnósticos de Subsistema 13 Ton & Acima ISL

DO CLUSTER PINO CN1-32 10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-16 10.0.0

VDB11C VDB12C

WE WE

0.50 0.50

BN-GN BN-BU

14401 14401

VDB11D VDB12D

WE WE

0.50 0.50

BN-GN 14401 BN-BU 14401

13.0.0 DA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PINO B-8 13.0.0 DA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PINO B-2

VDB11F

WE

0.75

BN-GN 12K510 VDB12F WE 0.75

3.1.1 3.1.1

DO ECM PINO J2-01 DO ECM PINO J2-21

BN-BU 12K510

VDB11H CBP33 WA 1.50 WH-BN 14401 C2DB10-B PINO B B+ 1.0.0

WE

0.50 BN-GN 0.50 BN-BU

14398 14398

DA DISTRIBUIÇÃO

3.1.1 3.1.1

DO MÓDULO DO SENSOR NOX DO MÓDULO DO SENSOR NOX

VDB12H WE

PINO J - ISO 9141 C2DB10-J

RESISTOR C1DB04 PINO C J1939 (+) PINO D J1939 (-)
VDB11A WE 0.50 14401 VDB11CA BN-GN WE 0.50 14401 WE 0.50 14401 VDB11DA WE 0.50 14401 0.50 14401 VDB11EA WE 0.50 VDB11EAA WE 0.50 VDB11FA WE 0.50 VDB11FA WE 0.50 VDB11HA BN-GN WE 0.50 14398 WE 0.50 14398 VDB11J WE 0.50 14398 WE 0.50 14398 CN1-B

C1DB04-A

CN1-A

C2DB10-C C2DB10-D

BN-GN VDB12A BN-BU

S2DB11C
WE 0.50 14401 VDB12CA BN-BU

S2DB11CA

BN-GN VDB12DA WE

S2DB11DA

BN-GN

14401 0.50

C11-D-03 C11-D-04

BN-GN

12K510

BN-GN 12K510

S1DB11EAA
VDB12EAA WE BN-BU 0.50 VDB12FA WE 0.50 12K510 BN-BU 12K510

C11-E-16 C11-E-17

BN-GN VDB12FA BN-BU

14398

S1DB11FA
WE 0.50 14398 VDB12HA BN-BU

S1DB11HA

BN-GN VDB12J

+

VDB12EA WE

PINO E

PINO E J1939 PROTEÇÃO

S2DB12C

S2DB12CA

BN-BU

S2DB12DA

BN-BU

14401

S1DB12EA

S1DB12FA

S1DB12HA

BN-BU

C1DB04-B

CN1-C

FIM DA DRENAGEM 08 FIM DA DRENAGEM 01

PINO H INTER. BAIXO/ALTO

TERRA PINO A

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 28

3.1.1

VDB12G BN-GN

WE 0.50 14398

CONECTOR DATA LINK C2DB10
C2DB10-A

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 22

3.1.1

VDB11G BN-BU

WE 0.50 14398

DO TACÓGRAFO PINO A-8 15.5.0 DO TACÓGRAFO PINO A-4 15.5.0

VDB12E

WE

0.50 BN-BU 0.50 BN-GN

14401 14401

VDB11E WE

B_GD184B WA 1.50 BK-GY 14401

1.2.0

DO TERRA

VDB10C WA 0.50 GY 14401

10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-31

VDB10 WA 0.50 GY 14401 S2DB10

VDB10B WA 0.50 GY 14401

12.0

DO MÓDULO DE CONFORTO PINO A15

VDB10A WA 0.50 GY 14401

13.0

DO T&B PINO A-15

1.4.0 Diagnósticos de Subsistema 13 Ton & Acima ISL

DO CLUSTER PINO CN1-32 10.0.0 DO CLUSTER PINO CN1-16 10.0.0

VDB11C VDB12C

WE WE

0.50 0.50

BN-GN BN-BU

14401 14401

VDB11F

WE

0.75

BN-GN 12K510 VDB12F WE 0.75

3.1.1 DA ECM PINO J2-01 3.1.1 DA ECM PINO J2-21

BN-BU 12K510

VDB11H CBP33 WA 1.50 WH-BN C2DB10-B PIN B B+ 14401 1.0.0

WE

0.50 BN-GN 0.50 BN-BU

14398 14398

DA DISTRIBUIÇÃO

3.1.1 DO MÓDULO DO SENSOR NOX 3.1.1 DO MÓDULO DO SENSOR NOX

VDB12H WE

PINO J - ISO 9141 C2DB10-J RESISTOR C1DB04 C1DB04-A
CN1-A

PINO C J1939 (+) PINO D J1939 (-)
PINO E

VDB11A

WE 0.50 14401

VDB11CA BN-GN

WE 0.50 14401 WE 0.50 14401

VDB11EAA WE 0.50

VDB11FA

WE 0.50

VDB11FA

WE

0.50

VDB11HA BN-GN

WE 0.50 14398 WE 0.50 14398

VDB11J

WE 0.50 14398 WE 0.50 14398

C2DB10-C C2DB10-D

BN-GN VDB12A BN-BU

S2DB11C
WE 0.50 14401 VDB12CA BN-BU

C11-D-03 C11-D-04

BN-GN

12K510

BN-GN 12K510

S1DB11EAA
VDB12EAA WE BN-BU 0.50 VDB12FA WE 0.50 12K510 BN-BU 12K510

C11-E-16 C11-E-17

BN-GN VDB12FA BN-BU

14398

S1DB11FA
WE 0.50 14398 VDB12HA BN-BU

S1DB11HA

BN-GN VDB12J

+

S2DB12C

S1DB12EA

S1DB12FA

S1DB12HA

BN-BU

CN1-B

C1DB04-B

CN1-C

PINO E J1939 PROTEÇÃO

FIM DA DRENAGEM 01

PINO H INTER. BAIXO/ALTO

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 22
TERRA PINO A

3.1.1

VDB12G BN-GN

WE 0.50 14398

CONECTOR DATA LINK C2DB10
C2DB10-A

DA UNIDADE DA BOMBA DOSADORA PINO 28

3.1.1

VDB11G BN-BU

WE 0.50 14398

B_GD184 WA 1.50 BK-GY 14401

1.2.0

DO TERRA

VDB10C WA 0.50 GY 14401

10.0.0

DO CLUSTER PINO CN1-31

VDB10 WA 0.50 GY 14401 S2DB10

VDB10B WA 0.50 GY 14401

12.0

DO MÓDULO DE CONFORTO PINO A15

10.0.0 Subsistema do Cluster 13 Ton & Acima

DO TERRA

1.2.0

B_GD152C WE 0.75 BK-BU

14398

SENSOR DE RESTRIÇÃO DE ENTRADA DE AR C1E501
RMC27D WE 0.75 WH-BN 14398 C14-B-02 RMC27D WE 0.75 WH-BN 14F502

1 C1E501-01

2 C1E501-02

INTERRUPTOR DE TRAVA DA CABINA LD C1PL35
CPL30A WE 0.75 BU-BN 12K510 CPL30A WE 0.75 C11-E-01 CPL30 WE 0.75 C1-1 C1PL30-01 BU-BN 14398 CPL30A WE 0.75 C14-B-01 BU-BN 14F502 C14-A-01 BU-BN 14F502 C1-1 C1PL35-01 C1-2 C1PL35-02 CPL30 WE 0.75 BU-BN 14401

GY

14398

0.75

21

CE501 WE

C14-A-02

CPL30A WE 0.75 BU-BN 14F502 C1-2 C1PL30-02

CPL30 WE 0.75 BU-BN 12K510

ISL
VDB10C WA RCA21C WA RCA21E WA CLS21A WE CLS25A WE CBP30E WA CLF17C WE CMC25B WA 0.50 0.50 GY BN-GN 14401 14401 14401 14401 14401 14401 1.4.0 4.3.7 4.3.8 5.4.0

ISB
1.4.0

PARA DIAGNÓSTICO

C11-D-06

INTER. DE TRAVA DA CABINE LE C1PL30
1.0.0 SBP68 WA 0.50 GN-RD 14401 S2BP68 SBP68B WA CBP71E WA 0.50 BU-OG 0.50 14401 GN-RD 14401 SBP68A WA 0.50 GN-RD 14401

21

DA ELEVAÇÃO DO EIXO DO INTERRUPTOR DE BLOQUEIO DO DIF.

Somente 6x2 Somente 6x4

0.50 BN-GN 0.75 BU-GN

C11-A-11

DA DISTRIBUIÇÃO

DO INTERRUPTOR DE DIREÇÃO/EMERGÊNCIA LE

0.75 YE-VT 0.50 YE-BU

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

14401

5.4.0 DO INTERRUPTOR DE DIREÇÃO/EMERGÊNCIA LD 1.0.0 DA DISTRIBUIÇÃO (LUZES DE ESTACIONAMENTO 5.7.2) 5.1.7 3.1.1

GY

0.75 WH-OG 14401 0.50 WH-VT 14401

DOS FARÓIS (ALTO) DO ECM (INTERRUPTOR DE FREIO DE ESTACIONAMENTO)

CBP71EA WA 0.50 BU-OG 14401

C2MC45-A-17

C2MC45-B-01

CE501 WA

0.50 C2MC45-A-19 C2MC45-A-01 C2MC45-B-02

C2MC45-A-31

C2MC45-B-17

C2MC45-B-18

C2MC45-A-27

C2MC45-A-28

C2MC45-A-29

C2MC45-B-04

CN1-19 CN1-1 KL.15 (IGN) KL.30(BAT)

CN1-17 CN2-1 KL.30(BAT) TRAVA DA CABINE DESBLOQUEADA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP73B WA

0.75

WH-BN 14401 C2MC45-A-04

CN1-4 KL50 GND GND CN1-9 CN1-26 TRANSM+ TRANSMCN2-13 CN2-14

CN2-2 RESTRIÇÃO DE ENTRADA DO FILTRO DE AR

CN1-31 LINHA K ISO9141

CLUSTER
J1939 J1939 J1939

C2MC45-A = CN1 C2MC45-B = CN2

CN2-17 ELEV. EIXO TRAS. 6X2

CN2-18 BLOQ. DIF. EIXO TRAS. 6X4

CN1-27 DIR. ESQ.

CN1-28 DIR. DIREITA

CN1-29 ILUMIN. PWM

CN2-4 FAROL ALTO

CN2-19 FREIO DE ESTAC. PW CN1-12

C2MC45-B-19

CRT31 YE WA 0.50 C2MC45-A-12 VRT07 VT-BN C2MC45-A-14 VRT23 VT-GY C2MC45-A-13 WA 0.50 WA 0.50

14401 C2PK43-01 14401 C2PK43-03 14401 C2PK43-04 C2PK43-02

1 ENERGIA 3 TX_ENTRADA 4 RX_SAÍDA 2 TERRA

SINAL DE VELOC. CN2-31

SENSOR CAN_ALTO CAN_BX PROTEÇÃO ANALOG GND P. ALIM. CN1-32 CN1-16 CN1-15 CN1-23 CN1-21
C2MC45-A-32 C2MC45-A-16 C2MC45-A-15 C2MC45-A-23 C2MC45-A-21

SENSOR P. AR 2 CN1-22
C2MC45-A-22

SENSOR P. AR 1 CN1-24
C2MC45-A-24

TX CN1-14 NÍVEL DE ABERTURA RX COMB. DA PORTA CN2-10 CN1-13 CN1-25 14401

C2MC45-A-26

C2MC45-A-09

C2MC45-B-13

C2MC45-B-14

C2MC45-B-31

C2MC45-A-25

C2MC45-B-10

MÓDULO RF PATS
C2PK43

DO TERRA

1.2.0

A_GD184B WA

0.50 BK-GY

14401

0.50

DO TERRA

1.2.0

A_GD184C WA

0.50

BK-GY

14401

GN-BU

A_GD184E WA 0.50

BK-GY

14401

PARA TRANSMISSÃO SINCRONIZADA

4.0.0

CCD01 WE 0.75

YE

14398 C11-A-13

VCA38 WE CCD01 WA 0.50 YE 14401 C11-A-29 RMC27

0.75 BN-VT

14398

RCA37 WA

0.75 WH-BU

14401 WA 14398 GN-BU 14401 12.0.0 DO MÓDULO DE CONFORTO “INTERRUPTOR DA PORTA DO MOTOR"

PARA TRANSMISSÃO SINCRONIZADA

4.0.0

RDC02 WE 0.75

GN-BN 14398

C11-A-12

RDC02 WA 0.50 GN-BN 14401

LCA37 WA

0.75 YE-OG

14401

C11-A-35

C11-A-31

0.75 GN-BU

WA

VCA38 WA

0.75

BN-VT

14401

1.2.0 DO TERRA

C1MC32-01

WH-BN 14398

PRESSÃO DO AR SNS 1

ISL
PARA PINO DLC C (J1939+)
1.4.0

ISB
1.4.0

VDB11C WE

0.50 BN-GN 14401

RMC27 WE 0.75

6.5 P. ABASTEC. 6.6 GND 6.7

1

2

SENSOR DE PRESSÃO SENSOR DE NÍVEL DO FREIO A AR DE COMBUSTÍVEL C1CA37 C1MC32

ISL
PARA PINO DLC D (J1939-)
1.4.0

ISB
1.4.0

VDB12C WE

0.50

BN-BU 14401

PARA PINO DLC E (BLINDAGEM)

1.4.0

DE401CC WA

0.50

BK

14401 S1MC27

O cabo J1939/11 deve ser carregado para WA devido a conexão do cluster

C1MC32-02

PARA MÓDULO CONFORTO

12.0.0

RMC32 WE

VCA32 WA

0.75

BU

14401

YE-OG 14398 C1CA37-02 VCA38A WE 0.75 BN-VT 14398 C1CA37-03 RMC27B WE 0.75 WH-BN 14398 C1CA37-04 RCA37 WE 0.75 WH-BU 14398 C1CA37-05 VCA38B WE 0.75 BN-VT 14398 C1CA37-06 RMC27A WE 0.75 WH-BN 14398 C1CA37-07

LCA37 WE

0.75

PRESSÃO DO AR SNS

RMC27C WE

0.75

WH-BN

14398

6.2 P. ABASTEC. 6.3 GND 6.4

S1CA38

11.0.0 Subsistema do Controle de Temperatura 13 Ton & Acima Com A/C

6 ENT. C2H421-06 CBP19E WA 0.50 BN-WH 14401 1

SAÍDA

2 C2H421-02 5 C2H421-05

CH421 WA

0.75 GY 14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

C2H421-01

DA DISTRIBUIÇÃO 5.7.2

CBP28E WA

0.50

GY-VT

14401 4 3 C2H421-03

C2H421-04

DO TERRA

1.2.0

A_GD115AE WA

0.50 BK-GY

14401

INTERRUPTOR DO COMPRESSOR DO A/C
C2H421

1 C2H435-01
PRESSÃO (SAÍDA)

6
SERVO(R+)

CH424 WA C2H435-06 CH424A WA C2H435-05

0.50 WH-BU 0.50 WH-BU

14401 C2HA11-02 14401 C2HA11-05

2 1 5 C2HA11-01

5
SERVO(R-)

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP77 WA

1.5

WH

14401 C2H435-08

8
VENTILADOR (+)

DA DISTRIBUIÇÃO
CH428 WA 1.5 GN-WH 14401 10
VENTILADOR (MÉDIO)

5.7.2

CBP28G WA

0.50

GY-VT

14401

4

3 C2HA11-03

C2HA11-04

C2H435-10 CH430 WA 1.5 VT-OG 14401 C2H435-09 A_GD185A WA C2H426-A-05 1.5 BK-WH 14401 1.2.0

9
VENTILADOR (ALTO)

INTERRUPTOR RECIRCULAÇÃO DO A/C C2HA11

DO TERRA DA DISTRIBUIÇÃO
CH427 WA BN 14401 1.5 C2H435-11 11

CBP28I WA C2H426-B-01
C1-5 C2-1

0.50

GY-VT

14401

5.7.2

SISTEMA DO VENTILADOR 24V C2H435

DO TERRA

1.2.0

A_GD115AD WA

0.50

BK-GY 14401

1) OFF 2) 1 3) 2 4) 3

VENTILADOR (BAIXO)

4 3 21

INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR C2H426
C2-4

2 C2H435-02
SERVO(+)

7
PRESSÃO (ENTRADA)

C2H435-07

C1-2

C1-3

C1-4

ALTO C2H426-A-02 MÉDIO C2H426-A-03 BAIXO C2H426-A-04

C2H426-B-04 A_GD115AF WA 0.50 BK-GY 14401 1.2.0

DO TERRA

CH427A WA CH427C WA

1.5 0.75

BN

14401 14401 C1E462-01 + EMBREAGEM DO COMPRESSOR DO A/C C1E462 CH453B WA 1.0 BN-YE 12K510 C11-D-07 C1-2
2 A/C

BN 14401 14401

S2H427

CH427B WA 0.75 BN

CH401 WE

0.75

VT-WH

14398 C1-1

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP19A WA

0.50

BN-WH 14401 R14-05 05

C11-A-21

RELÉ DO A/C R14 20A
02 04 CH401 WA R14-04 CH453 WA 1.0 1.0 VT-WH BN-YE 14401 14401

C1-2 GND N BLOQUEIO DO MOTOR

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP19B WA

0.50

BN-WH 14401 R14-01 01

03 R14-03 C11-D-08

CH453 WE

1.0

BN-YE 12K510 C1ET46-02

C1-1

CH453B WE C1ET46-01

INTERRUPTOR DE PRESSÃO C1ET46

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP19C WA

0.50

BN-WH 14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP50 WA

1.5

YE-RD

14401

SBP50 WA C29-A-03

1.5

YE-RD 15A404 C9H119-01

1

DO TERRA

1.2.0

B_GD138 WA

1.5

BK-WH 15A404 C9H119-02

2

CLIMATIZADOR C9H119

1.0

DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0

CBP19D WA

0.50

BN-WH

14401

BN-YE

11.0.0 Subsistema de Controle de Temperatura 13 Ton & Acima Sem A/C

1
PRESSÃO (SAÍDA)

6
SERVO(R+)

5
SERVO(R-)

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP77 WA

1.5

WH

14401 C2H435-08

8
VENTILADOR (+)

CH428 WA

1.5

GN-WH

14401

10
VENTILADOR (MÉDIO)

C2H435-10 CH430 WA 1.5 VT-OG 14401 C2H435-09 A_GD185A WA C2H426-A-05 1.5 BK-WH 14401 1.2.0

9
VENTILADOR (ALTO)

DO TERRA

CBP28I WA C2H426-B-01

0.50 GY-VT 14401

SISTEMA DE VENTILAÇÃO 24V C2H435
11 C2H435-11
VENTILADOR (BAIXO)

5.7.2

DA DISTRIBUIÇÃO

1) OFF C1-5 2) 1 3) 2 4) 3

C2-1

4 3 21

INTERRUPTOR DE VELOCIDADE DO VENTILADOR C2H426
C2-4

2
SERVO(+)

7
PRESSÃO (ENTRADA)

C1-2

C1-3

C1-4

ALTO C2H426-A-02 MÉDIO C2H426-A-03 BAIXO C2H426-A-04

C2H426-B-04

A_GD115AF WA CH427 WA

0.50 1.5

BK-GY BN

14401

1.2.0

DO TERRA

14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP50 WA

1.5

YE-RD

14401 C1-3

SBP50 WA

1.5

YE-RD 15A404 C2H435-01

1

DO TERRA 1.2.0

B_GD138 WA

1.5

BK-WH 15A404 C2H435-02

2

CLIMATIZADOR C9H119

12.0.0 Subsistema do Módulo de Conforto 13 Ton & Acima

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBB08 WE

4.0

VT-RD

14401

CBP31 WA

1.5

BU-OG

14401

DO TERRA 1.2.0
1.0.0

A_GD114AL WA

0.50

BK-GY

14401 C3B-B-05

DA DISTRIBUIÇÃO (CONVERSOR DE TENSÃO)

BLOQUEIO DA PORTA LD CAPL 11
CPL11B WA 1.5 GY-BN 14401 C3B-A-02 CPL11A WA 1.5 GY-BN 14A584

C1-4
BLOQUEIO DA PORTA LD/ MOTOR DE DESBLOQUEIO

CAPL11-04

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP23E WA

0.50 BN-YE

14401

M
CPL13B WA 1.5 BN-GN 14401 C3B-A-03 CPL13A WA 1.5 BN-GN 14A584 CAPL11-05

C1-5
BLOQUEIO DA PORTA/ INTERRUPTOR DE DESBLOQUEIO
21

CPL42B WA A20 A23

1.0 1.0

GY-YE

14401 C3B-A-05

CPL42 WA CPL43 WA

SINAL DE IGNIÇÃO
CLN28D WA 0.75 GN-BU 14401 C2PW76-A-14 CLN28C WA 0.75 GN-BU 14401 C2PW76-A-13

ALIM. JANELA

A17 TRAVA PORTA

CPL43B WA

VT-GY 14401 C3B-A-06

1.0 GY-YE 14A584 CAPL11-02 1.0 VT-GY 14A584 CAPL11-03

C1-2 C1-3

C1-2 C1-3

A_GD114AJ WA C1-1

0.50

BK-GY 14A584

C1-1

CAPL11-01

DAS LUZES DE CORTESIA (PORTA DE ENTRADA SW)

6.0.0

A14 INT. LUZ DA PORTA PASSAGEIRO

DAS LUZES DE CORTESIA (PORTA DE ENTRADA SW)

6.0.0

MOTOR DE TRAVAMENTO B9 DA PORTA A13 INT. LUZ DA PORTA MOTORISTA

CPL11 WA C2PW76-B-09

1.5 GY-BN 14401 S2PL11

CPL11A WA

1.5 GY-BN 14401

C3A-A-02

CPL11A WA

1.5 GY-BN

14A584

C1-4
BLOQUEIO DA PORTA LE/ MOTOR DE DESBLOQUEIO

CAPL11-04

M
ISL
PARA DIAGNÓSTICO PINO J
1.4.0

ISB
1.4.0

VDB10B WA

0.50

GY

14401 C2PW76-A-15

A15 KLINE

MOTOR DE DESTRAVAMENTO DA PORTA B10

CPL13 WA C2PW76-B-10

1.5

BN-GN 14401

CPL13A WA S2PL13

1.5 BN-GN

14401

C3A-A-03

CPL13A WA

1.5

BN-GN 14A584 CAPL11-05

C1-5

DO CLUSTER 10.0.0
CPW01 WA 0.50 BN-BU 14401

VCA32 WA

0.75

BU

14401 C2PW76-A-06

A6 SINAL DE VELOCIDADE C5 ALIM. DO INTERRUPTOR C3A-A-05

BLOQUEIO DA PORTA/ INTERRUPTOR DE DESBLOQUEIO
21 C1-2 C1-3

C2PW76-C-05
INTERRUPTOR DE SINAL DE CONTROLE DA JANELA DO CONDUTOR C2PW11 CPW20 WA

TRAVAR SW B8

CPL42 WA C2PW76-B-08

1.0 GY-YE 14401 S2PL42

CPL42A WA

1.0

GY-YE

14401

CPL42 WA

1.0

GY-YE

14A584

C1-2 C1-3

CAPL11-02

A_GD114AJ WA C1-1

0.50 BK-GY 14A584

C1-1

CAPL11-01

CPW01A WA S2PW01

0.50 BN-BU

14401 C2PW11-06

C1-6

DA DISTRIBUIÇÃO (LUZES DE ESTACIONAMENTO 1.0.0 5.7.2)

CBP30A WA

0.50 YE-BU

14401

C1-4

UP DOWN C2PW11-04 C1-6 UP

C1-2

0.50 WH-OG 14401 C2PW76-C-01

C2PW11-02

C1

INT. DE SUBIDA DO VIDRO DO MOTORISTA

DESTRAVAR SW B6

CPL43 WA C2PW76-B-06

1.0

VT-GY

14401 1.0

CPL43A WA S2PL43 GN-OG 14401

1.0

VT-GY

14401

C3A-A-06 CPL43 WA

1.0

VT-GY

14A584

CAPL11-03 5.4.0

LÂMPADAS DE ADVERTÊNCIA C9
C1-5 C2PW11-05 C1-3 A_GD115AB WA C2PW11-03 0.50 BK-GY 14401 CPW19 WA 0.50 VT 14401 C2PW76-A-16 C2PW76-C-09 A16 INT. DE DESCIDA DO VIDRO DO MOTORISTA

CLN30 WA

PARA LUZES DE DIREÇÃO E EMERGÊNCIA

MOTOR DE ELEVAÇÃO DA JANELA DO CONDUTOR
CPW34 WA C2PW76-C-11 CPW35 WA C2PW76-C-12 2.5 GN 14401 C3A-A-04 CPW35 WA 2.5 2.5 BU 14401 C3A-A-01 CPW34 WA 2.5 BU 14A584 CAPW34-01

BLOQUEIO DA PORTA LE CAPL11

MOTOR DE SUBIDA DO VIDRO C11 DO MOTORISTA MOTOR DE DESCIDA DO VIDRO C12 DO MOTORISTA

M
C1-1

C1-2

CAPW34-02

DO TERRA INTERRUPTOR DE SINAL DE CONTROLE DA JANELA DO PASSAGEIRO C2PW13 CPW11 WA
C2PW13-02 CPW01B WA 0.50 BN-BU 14401 C2PW13-06 C1-5 C2PW13-05 C1-3 A_GD115AC WA C2PW13-03 0.50 CPW10 WA

1.2.0

GN 14A584

CAPW34

C1-2

0.50

BU-GY

14401

C2

C2PW76-C-02

INT. DE SUBIDA DA PORTA DO PASSAGEIRO MOTOR DE SUBIDA DA PORTA B12 DO PASSAGEIRO
MOTOR DE DESCIDA A18 DA PORTA PASSAGEIRO

MOTOR DE ELEVAÇÃO DA JANELA DO PASSAGEIRO
WH 14401 C3B-A-01 CPW34 WA 2.5 BU 14A584

DO TERRA 1.2.0

A_GD114AJ WA

0.50

BK-GY

14401 C3A-B-05

CPW40 WA 2.5 C2PW76-B-12 CPW41 WA 2.5 C2PW76-A-18

M
C1-1

CAPW40-01 GY-YE 14401 C3B-A-04 CPW35 WA 2.5 GN 14A584

C1-2

CAPW40-02

0.50

YE-VT

14401 C2PW76-C-06

INT. DE DESCIDA C6 DA PORTA ENERGIA PASSAGEIRO JANELA

CAPW40

DA DISTRIBUIÇÃO (LUZES DE ESTACIONAMENTO 1.0.0 5.7.2)

CBP30B WA

0.50

YE-BU

14401

C1-4

DOWN C2PW13-04

TRAVA PORTA

A9 BK-GY 14401

A1

MÓDULO CONFORTO
DO TERRA 1.2.0
C2PW76

DO TERRA

1.2.0

B_GD115B WA

2.5

BK-GY

14401

DO TERRA

1.2.0

B_GD115C WA

1.5

BK-GY

14401

12.4.0 Subsistema do Espelho 13 Ton & Acima

CPM23B WA

0.50

GY

14401 C2-1

CPM23 WA

0.50

GY

14A584

UP/DN
CN-5

C

CAPM23-05

M2
A
CN-3

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP23D WA

0.50

BN-YE

14401

CN-4

B

CAPM23-04

M1
L/R

CAPM23-03

UNIDADE DO ESPELHO LE CAPM23
+ X2 0 X1 L R L R C1-6 C1-4 C2PM23-06 A_GD115AA WA C2PM23-04

0.50 BK-GY

14401

1.2.0

DO TERRA

Y2 0 Y1 U D U D C1-3 RH LH SELEC. L R L R C1-2 C1-1 C1-5 C1-7 C2PM23-02 C2PM23-01 C2PM23-05 C2PM23-07 CPM21 WA CPM17 WA CPM20 WA CPM16 WA 0.50 YE-VT 0.50 BN-WH 14401 14401 14401 14401 C3B-B-02 C3A-B-02 C3B-B-03 C3A-B-03 CPM17 WA CPM17 WA CPM16 WA CPM16 WA 0.50 BN-WH 0.50 BN-WH 0.50 BN-BU 0.50 BN-BU 14A584 14A584 14A584 14A584 CPM23 WA C2PM23-03 0.50 GY 14401 S2PM23 CPM23A WA 0.50 GY 14401 C3B-B-01 CPM23 WA 0.50 GY 14A584

0.50 BN-WH 0.50 BN-BU

INTERRUPTOR DO ESPELHO C2PM23

UP/DN
CN-5

C

CAPM23-05
CN-4

M2
A
CN-3

B

CAPM23-04

M2
L/R

CAPM23-03

UNIDADE DO ESPELHO LD CAPM23

12.8.0 Subsistema da Fonte de Energia & Acendedor de Cigarro 13 Ton & Acima

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP74 WA

1.0

YE-RD

14401

CBP30J WA

0.50 YE-BU

14401

5.7.2

DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

CBP11 WA

2.5

BN

14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

C2DC17-A-02 C1-2

C2DC17-A-03 C1-3

C2DC17-B-01

21

ACENDEDOR DE CIGARRO C2DC17-A

PONTO 12 V DE ENERGIA
C2DC17-B

1 AUX 3 C2DC17-B-03 CYD04 WA 2.5 BU-OG 14401 2.5.0

C1-1 C2DC17-A-01

DO CONVERSOR DE TENSÃO

A_GD185C WA

1.0

BK-WH

14401

1.2.0

DO TERRA

13.0.0 Subsistema de Localização e Bloqueio 13 Ton & Acima

KIT TRACTOR - NÍVEL 2 (AATAC) 15 PINOS

1723 - WB171’’ or WB189’’ Brasil W/ Sistema TBS
CBP71B WA 0.50 BU-OG 14401

2629 - WB207’’ Brasil W/ Sistema TBS 3133 - WB207’’ Brasil W/ Sistema TBS 1933 - WB189’’ Brasil W/ Sistema TBS
C1-1 SBP82 YE-RD WE 1.5 C44-A-A1 SBP82 YE-RD WE 1.5 C11-A-34 SBP82 YE-RD WA 1.5 14405 14398 14401 1.0.0 SBP62 WA 0.75 BN-RD 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

DA DISTRIBUIÇÃO

ANTENA

NÃO UTILIZADO C1-03 KL_30_(EXP_TBS_MÓDULO) C1-09
C1AT10-B-09 GPS Antena

SINAL DE IGNIÇÃO C1-11 NÃO UTILIZADO C1-12 NÃO UTILIZADO C1-13
CBP71D WE 1.5 CBP71D WE 0.75 CBP71D C11-E-18 WE 0.75 CBP71D BU-OG WA 0.50 1.0.0

C2RT33-A-01

BU-OG 14405 BU-OG C44-A-C3 C1AT10-B-11 VDB25B WE 1.5 GN-OG 14405 CAN-ALTO_(EXP_TBS_MÓDULO) C1-14 C1AT10-B-14 CAN-BAIXO_(EXP_TBS_MÓDULO) C1-15 VDB26B WE 1.5 GY-BU 14405 TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30) C1-04 C1AT10-B-15

14398

BU-OG 12K510 C11-D-27 VDB25B WE 0.50

14401

DA DISTRIBUIÇÃO

VCC A1

ANTENA C2-1
J1939_H B8 J1939_L B2 VDB11D C2RT33-B-08 VDB12D C2RT33-B-02 DE401D WE DRAIN 0.50 0.75 BN-BU 14401 14401 WE 0.50 BN-GN 14401 1.4.0 1.4.0
ISB

GN-OG 14398 C1-38 GY-BU 14398 C1-37

C44-A-C5 VDB26B WE 0.50 C44-A-C6

PARA DLC PINO C
ISL

1.4.0 1.4.0

ISB

LUZES_ESTACIONAMENTO_LE(75W) C1-05 LUZES_LATERIAS_LE_(126W) C1-01 LUZ_FREIO_CARRETA_(168W) C1-07 LUZES_LATERIAS_DIREITA_(126W) C1-02 LUZES_ESTACIONAMENTO_LD(75W) C1-06 LUZ_TRASEIRA_(84W) C1-08
C2RT33-A-03

PARA DLC PINO D
ISL

1.4.0 1.4.0

ISB

FIM DRENAGEM EXECUTAR/PARTIDA BLOQUEIO 2 A3 A6
FORD ISO9141 A15 CES09 C2RT33-A-06 WA

PARA DLC PINO E
ISL

VT-OG

0.75

14401

3.1.1

PARA ECM
1.4.0 VDB10A WA GY 0.50 14401 14401 1.4.0 00.0
ISB

PARA CONECTOR DATA LINK
ISL

C2RT33-A-15 CRT21 WA C2RT33-A-07 VDB25 C2RT33-A-08 VDB26 C2RT33-A-16 WA GY-BU 0.50 14401 S2DB26 WA GN-OG 0.50 14401 S2DB25 VDB26A WA GY-BU 0.50 14401 VDB25A WA GN-OG 0.50 14401 BU-BN 0.50

C1AT10-B

BOTÃO DE PÂNICO A7
CAN ALTO A8 CAN BAIXO A16

PARA BOTÃO DE PÂNICO (PÓS VENDA) PARA PÓS VENDA PARA PÓS VENDA somente para pós-vendas

0.0.0 0.0.0

MÓDULO DE LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO
C2RT33

GND A13 C2RT33-A-13

KIT TRACTOR -NÍVEL 1 (AATAB) 15 PINOS

1723 - WB148’’ 1933 - WB148’’

B_GD184A WA

0.75

BK-GY

14401

1.2.0

PARA O TERRA

NÃO UTILIZADO C1-03 KL_30_(EXP_TBS_MÓDULO) C1-09
C1AT10-A-09 SBP82 WE 1.5 YE-RD 14398 C11-A-34 CBP71D WE C1AT10-A-11 1.5 BU-OG 14398 C11-E-18 CBP71D WE 0.75 BU-OG 12K510 C11-D-27 CBP71D WA 0.50 BU-OG 14401 SBP82 WA 1.5 YE-RD 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

SINAL DE IGNIÇÃO C1-11 NÃO UTILIZADO C1-12 NÃO UTILIZADO C1-13 CAN-HIGH_(EXP_TBS_MÓDULO) C1-14 CAN-LOW_(EXP_TBS_MÓDULO) C1-15
TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30) C1-04 C1AT10-A-14 C1AT10-A-15

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

VDB25B WE 1.5 VDB26B WE 1.5

GN-OG 14398 GY-BU 14398 C11-A-38

VDB25B WA VDB26B WA C11-A-37

0.50 GN-OG 14401 0.50 GY-BU 14401

LUZES_ESTACIONAMENTO_LE(75W) C1-05 LUZES_LATERAIS_ESQ_(126W) C1-01 LUZ_FREIO_CARRETA_(168W) C1-07 LUZES_LATERIAS_DIREITA_(126W) C1-02 LUZES_ESTACIONAMENTO_LD(75W) C1-06 LUZ_TRASEIRA_(84W) C1-08

C1AT10-A

14.1.1 Subsistema do Rádio 13 Ton & Acima

ALTO FALANTE ESQUERDO
CAME10

CAME10-01 C1-1

VME10A WA 0.75 RME10AWA 0.75

WH-VT WH-OG

14A584 14A584

C3A-A-07

TERMINAL DO TERRA
VME07 WH B6 SAÍDA DO ALTO FALANTE LE B5 ALTO FALANTE LE + B4 SAÍDA DO ALTO FALANTE LD B3

B_GD116 WA

2.5

BK-VT

14401

1.2.0

PARA O TERRA

C3A-A-08

C1-2 CAME10-02

ALTO FALANTE DIREITO
CAME10

CAME10-01 C1-1

WA 0.75 14401 C2ME17-B-06 RME07 WH-BN WA 0.75 14401 C2ME17-B-05 VME10 WH-VT WA 0.75 14401 C2ME17-B-04 RME10 WH-OG WA 0.7514401 C2ME17-B-03 C3B-A-08

CBP29 WA

0.50 WH-VT

14401

2.5.0

DO CONVERSOR DE TENSÃO

RELÉ DE ILUMINAÇÃO DO RÁDIO R19 20A 02 R19-05 05 04 R19-04 CBP30H WA 03 R19-03 0.50 YE-BU 14401 5.7.2 DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO

C3B-A-07

VME10A WA 0.75 RME10AWA 0.75

WH-VT 14A584 WH-OG 14A584

ALTO FALANTE LD +

C1-2 CAME10-02

RÁDIO
C2ME17

DO TERRA

1.2.0

A_GD114AH WA

0.50

BK-BU

14401 R19-01 01

DO CONVERSOR DE TENSÃO - PINO 3

2.5.0

CME34 BU-GY WA 1.5 14401 C2ME17-A-08 CBP35 YE-GY WA 1.5 14401 C2ME17-A-07

A8 GND

ILUMINAÇÃO A06

C2ME17-A-06

CPM05 WA

0.50

WH-BU 14401

DO CONVERSOR DE TENSÃO - PINO 7

2.5.0

A7 KL30

DO CONVERSOR DE TENSÃO - PINO 1

2.5.0

CBP76

BU-BN WA 0.50

14401 C2ME17-A-04

A4 KL15

15.5.0 Subsistema do Tacógrafo 13 Ton & Acima

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP21C

WA

0.50 BU-GY 14401

C1CA07-01 C1-01

INTERRUPTOR ALTO/BAIXO Botão de troca do eixo

H 14401

L

INTERRUPTOR ALTO/BAIXO C1CA07

CBP71C

WA

0.50

BU-OG 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

C1-02 C1CA07-02

SBP68C

WA

0.50

GN-RD 14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

0.50 GN-BU

C2MC38-A-03 A-3

C2MC38-A-01 A-1 Kl.30 Kl.58d A-2 CBP28F WA C2MC38-A-02 VDB11E WE C2MC38-A-04 CAN_L 0.50 GY-VT 14401 5.7.2

CAC01 WA

Kl.15

DA DISTRIBUIÇÃO (LUZ DE ESTACIONAMENTO 5.7.2)

PARA DIAGNÓSTICO PINO H

1.4.0

CAC01B WA

0.50

GN-BU

14401 S2AC01 14401

CAN_H

A-4

0.50

BN-GN

14401

ISL
1.4.0

ISB
1.4.0

PARA DLC PINO C (J1939+)

ISL
A-8 VDB12E WE C2MC38-A-08 0.50 BN-BU 14401
1.4.0

ISB
1.4.0

TACÓGRAFO
C2MC38

GN-BU

ISL
FIM DRENAGEM
DE401E DRAIN 0.75 14401
1.4.0

ISB
1.4.0

PARA DLC PINO D (J1939-)

PARA DLC PINO E (PROTEÇÃO)

CAC01A WA

0.50

Kl.31a

A-5

GD108AA WA C2MC38-A-05 GD108AB WA C2MC38-A-06

1.50

BK-VT

14401

1.2.0

PARA O TERRA

PARA O TERRA

1.2.0

A_GD151B WA

0.75

BK-GN

14405 + C1-2 C1CA07-02

CAC01A WA C1-1 C1CA07-01

0.75 GN-BU

14405 C44-A-C2

CAC01A WE

0.75 GN-BU

14398 C11-A-14

Kl.31

A-6

1.50

BK-VT

14401

1.2.0

PARA O TERRA

VÁLVULA SOLENOIDE PNEUMÁTICA C1CA07 ALIMENTAÇÃO DO SENSOR B-1
C44-A-B2 C11-A-19 CCB36 WA C2MC38-B-01 0.50 BU-GY 14401 CCB36 PP C11-A-15 0.50 YE-BU 14401 C11-A-16 0.50 BU-WH 14401 VCB35 PP C11-A-17 0.50 BU 14401 VMC39 PP C11-A-18 0.75 BU 14398 0.75 BU-WH 14398 RCB36 PP 0.75 YE-BU 14398
C1-1 C1CB35-01 C1-4 C1CB35-04 C1-3 C1CB35-03 C1-2 C1CB35-02

0.75

BU-GY

14398

SENSOR DE EFEITO HALL C1CB35
+ -

VCA14 WE

0.75

WH-BN

14405

VCA14 WE

0.75

WH-BN

14398

VCA14 WA

0.50

WH-BN

14401

D-5 ENTRA DO SINAL DO EIXO TRASEIRO

SENSOR DE TERRA B-2

RCB36 WA C2MC38-B-02

C2MC38-D-05 C1CA14-01 C1-1 INTERRUPTOR

DO EIXO 12 TRASEIRO C1-2 C1CA14 C1CA14-02 B_GD123AB WE 0.75 BK-GY 14405

SINAL DE VELOCIDADE B-3

VCB35 WA C2MC38-B-03

SINAL DE VELOCIDADE INVERTIDO B-4
1.2.0

VMC39 WA C2MC38-B-04

PARA O TERRA

Somente para os modelos 1319, 1519, 1719, 1723, 2423 e 2429 Unidade de linha 6x2 e 4x2 (não Tractor)

2.2.0 Partida/Subsistema de Carga 13 Ton & Acima

CHAVE DA BATERIA
G1D108-BB GD108 WE BK-VT 50.0 14301 COM CHAVE DA BATERIA G1D108-BA SDF07A B 4.0 RD 14398 FUSELINK SDC16 WE 16.0 S1DF07 SDF07B GD108 WE BK-VT 50.0 10K701 GD108 WE BK-VT 50.0 14301 B 4.0 RD 14398 FUSELINK RD 14398 SDC02 70.0 NBR 14733 BK 14304 SDC02 WE 50.0 RD 14300

SEM CHAVE DA BATERIA
G1D108-B (-) C1-1 (+) C2-1 C1DC02-B G1D108-A C1-1 (-) (+) C1DC02-A C2-1

C1DC38-A 30
SOLENOIDE

C1DC38-B

INTER. MAGNÉTICO

BATERIA

BATERIA

MOTOR

M

CBP73A WA 1.0

WH-BN

14401 C11-A-28

CBP73A WE 1.0 WH-BN

14398 C1DC38-C

50

CBP73B WA 0.75 WH-BN S2BP73

14401

10.0.0

PARA CLUSTER PINO CN1-04

MOTOR DE PARTIDA C1DC38

G1D108-C

TERRA N MOTOR

TERRA
+ CBP73 WA 1.0 WH-BN 14401 F73-01 7.5A

MINIFUSÍVEL 73

F73-02

SBB02 WE 4.0

YE-RD

14401 F64-02 20A + SBP70 WA 2.5 BN-RD F70-01 SDF08A B+
1B+

14401

MINIFUSÍVEL 70
40A + J02-01 JCASE #2

B 4.0

RD 14398

FUSÍVEL S1DF08

C1DC14-A SDF08B B 4.0 RD 14398

FUSÍVEL

CAIXA DE DISTRIBUIÇÃO

ALTERNADOR C1DC14
C1DC14-D
31

SDF06A

B 4.0

RD 14398

FUSÍVEL

G

L

C1DC14-B SDF06B C1DC14-C B 4.0 RD 14398

FUSÍVEL S1DF06

CDC06 WE 0.75 C2DC32-4

VT-WH 14398

CDC06 WA 0.75 VT-WH 14401

10.0

C11-A-07

PARA CLUSTER PINO CN2-22

TERRA
30 OFF

CN-04

INTERRUPTOR DE IGNIÇÃO C2DC32

GD176 BE

10.0 BK-WH

10A570

1.2.0

DO TERRA

C2DC32-1

CN-01

CN-03

CN-02

50

15

75 CDC35 WA 2.5 BU-WH 14401

+

SDF01 WE 16.0

RD

14401 C1DF01-B

C1-1

SDC14 WE 16.0 C2-1 C1DF01-A

RD

14398

MEGA F1 150A

FUSÍVEL DE PROTEÇÃO PRIMÁRIA

2.5.0 Subsistema do Conversor de Tensão 24V/12V 13 Ton & Acima

PARA RÁDIO PINO CNA-7

14.1.1

CBP35 WA 1.5

YE-GY 14401

CBP11 WA 2.5 BN

14401

12.8.0

PARA PONTO DE ENERGIA

PARA DIAGNÓSTICO

ISB ISL

1.4.0 1.4.0

CBP33 WA 1.5

WH-BN 14401

YE-RD

14401

CBP31 WA 1.5

BU-OG 14401

12.0.0

PARA MÓDULO CONFORTO

PARA RÁDIO PINO CNA-4

14.1.1

CBP76 WA 0.50 BU-BN 14401 F76-01 F35-01 F33-01 J11-01

SBB02 WE 4.0

CBP29 WA 0.50 WH-VT F31-01 F64-02 J02-01 F29-01

14401

14.1.1

PARA PONTO DE ENERGIA

MINI FUSÍVEL 3A #76

MINI FUSÍVEL 3A #23

MINI FUSÍVEL

10A #33

MINI FUSÍVEL 10A #35

CÁPSULA CÁPSULA FUSÍVEL FUSÍVEL
20A #11 40A #02

MINI FUSÍVEL 20A #64

MINI FUSÍVEL

15A #31

MINI FUSÍVEL 3A #29

CAIXA DE JUNÇÃO PASSAGEIRO

F33-02

F76-02

F23-01

CBP23 WA 0.50

BN-YE 14401

14401

S2BP23 CBP23B WA 0.50 BN-YE 14401

CDB08 WA 2.5 BN

PARA RÁDIO PINO CNA-8

14.1.1

CME34 WA 1.5 BU-GY 14401

C2YD03-6

C2YD03-1 1 2

C2YD03-3 3 4 5

C2YD03-7

CTR28WA 2.5

GY-YE

14401

C2YD03-8 7 8

6

LINHA_15_SAÍDA

LINHA_15_ENTRADA

SAÍDA_TERRA

LINHA_30_SAÍDA

ALIMENTAÇÃO_TERRA

LINHA_30_ENTRADA

LINHA_30_SAÍDA

SAÍDA_TERRA

9

10

LINHA_30_SAÍDA

CONVERSOR DE TENSÃO C2YD03

11

12

13

14

15

16

C2YD03-9

C2YD03-10

C2YD03-14

C2YD03-15

DO PONTO DE ENERGIA CNA-8 12.8.0

CYD04 WA 2.5 BU-OG 14401

CYD03 WA 2.5

BN-YE 14401

DO TERRA

1.2.0

B_GD115A WA

2.5

BK-GY

14401

SBP64 WA 2.5 VT-RD 14401

F64-01

F29-02

J11-02

CME31 WA 2.5 BU-GN 14401

3.1.1 Subsistema de Controle do Motor 13 Ton & Acima ISB

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP24

VT-GN

WA

1.0

14401 C3-04

CBP24

VT-GN

WE

1.0

14398 C1-01

CBP24

VT-GN

WE

1.0

14D469 C1E518-34

34

36

CET05 BU-GN C1E518-36

WE 0.75 14D469
SOLENOIDE DO SISTEMA DE AR C1ET05

35 DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 SBP11 BU-RD WA 1.5 14401 C3-07 SBP11 BU-RD WE 1.0 14398 C1-02 SBP11 BU-RD WE 1.0 14D469 C1E518-16 16 28

CET06 GN-BN WE 0.75 C1E518-35

VDB11G C1E518-28

BN-GN

14D469 C1-2 C1-1 C1ET05-2 C1ET05-1 TERMINAIS DOURADOS WE 0.50 14D469 +

TERMINAIS DOURADOS SENSOR NOX C1E827 1.4.0 DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO C DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 CBP22 GN-OG WA 2.5 14401 C3-16 CBP22 GN-OG WE 1.5 14398 CBP22 C1-A3 B_GD123AA GN-OG WE 1.5 14405 C1E827-4 4 T30

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBB05

GY-RD

WE

4.0

14401

SBB05 C11-D-01

GY-RD

WE

4.0

12K510

DO TERRA

1.2.0

B_GD123B

BK-GY

WE

1.0 14D469 C1E518-23

23

22

VDB12G C1E518-22

BN-BU

WE

0.50

14D469

DO TERRA 1.2.0 1.4.0 DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO D DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO C 1.4.0

BK-GY

WE

1.5 14405 C1E827-3 0.50 14405 C1E827-1

3 GND

VDB11H

BN-GN

WE

1 CAN H

C1E170-CA J3-3 ALIM. J3-4 ALIM. +30 CE414 C1E170-BA-08 VE820 C1E170-BA-37 CE415 C1E170-BA-18 VE716 C1E170-BA-60 YE WE 0.75 12K510 BN-YE GY GN-OG

UNIDADE DA BOMBA DOSADORA TERMINAIS DOURADOS C1E518

DE401G

DRAIN

0.75

14D469

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO D 1.4.0 DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO E DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO E

1.4.0 1.4.0

VDB12H DE401H

BN-BU DRAIN .

WE 0.75

0.50 14405 C1E827-2 14405

2 CAN L

FIM DA DRENAGEM

FIM DA DRENAGEM INT. CONTROLE DO ACELERADOR ON/OFF J2-08 CBP37 WH WA 1.0 14401 CBP37 C11-D-10 UREIA NÍVEL & SENSOR DE TEMPERATURA 2 VE834 C1E838-2 GN WE 0.75 14398 VE834 GN WE 0.75 12K510 C1E170-BA-49 WE 0.75 12K510 C1E170-BA-36 WH WE 0.75 12K510 C1E170-BA-45 CONTROLE DA POS. DO ACELERADOR J2-37 J2-45 +15 IGNIÇÃO CONTROLE DO PTO ON/OFF J2-18 WE WE 0.75 0.75 12K510 12K510 12K510 C11-E-02 C11-E-08 C11-E-03 VE716 C11-D-18 RE454A YE-GN WA 0.50 YE WA 0.50 14401 C1E715-B 14401 C1E715-C 14401 C1E715-A B C A SENSOR DO NÍVEL DE ARREFECIMENTO C1E715 CE414 VE820 CE415 GN-OG GY BN-YE WE WE WE 0.75 14398 C1E434-3 0.75 14398 C1E434-5 0.75 14398 C1E434-4 4 RMT PTO ON/OFF SW 5 RMT POS. ACEL. 3 RMT ACEL. ON/OFF

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

WE 0.75

NÍVEL DO LÍQ. DE ARREF. DO MOTOR RETORNO/ENTRADA J2-60 J2-49 SINAL DE NÍVEL DE UREIA J2-36 SENSOR DE TEMP. DA UREIA

DECREMENTO RMT 8 INCREMENTO RMT 7

3

VE838 VT-GY C1E838-3 RE838AA BU-OG C1E838-1 RE838AB C1E838-4 BU-OG

WE

0.75

C11-E-14 14398 VE838 C11-E-16

VT-GY

VE715A VT-WH WA 0.75

1 C1E838 4

WE

0.75 14398 ISB - J2 CONNECTOR - C1E170-BA - TERMINAIS DOURADOS ISB - J3 CONNECTOR - C1E170-CA - TERMINAIS

RE454B

YE-GN

WA 0.75 WA 0.75

14401 C11-A-23 14401 C11-A-22

RE454B

YE-GN

WE 0.75 WE 0.75 14401

14398 C1E434-2 14398 RE401G GN-BU WE 0.75 C11-A-24 C1E434-1 14398 C1E434-6

2 GND 1 PWR 6 INTERRUPTOR RTN CONECTOR DE ESPERA PTO - RMT C1E434

WE

0.75 14398 S1E838A POSIÇÃO DO PEDAL 2 - TERRA J2-22 RE454 C1E170-BA-22 VE702 C1E170-BA-25 VE715 C1E170-BA-26 RE136 C1E170-BA-28 VE701 C1E170-BA-35 LE136 C1E170-BA-27 YE-GN WE 0.75 12K510 C11-D-16 BU-WH WE 0.75 12K510 C11-D-15 VT-WH WE 0.75 12K510 C11-D-14 VT-GN WE 0.75 12K510 C11-D-13 YE-OG WE 0.75 12K510 C11-D-12 GN-OG WE 0.75 12K510 C11-D-11 LE136 GN-OG VE701 YE-OG VE715 VT-WH WA 0.75 VE702 BU-WH WA 0.75 RE454 YE-GN WA 0.75 14401 S2E454 14401 S2E702 14401 S2E715 RE136 VT-GN VE702A BU-WH RE454C YE-GN

VE715B VT-WH

VE715B VT-WH

RE401G GN-BU WA 0.75

WA

0.75

14401 C2E701-4 14401 C2E701-5 14401 C2E701-6 14401 C2E701-3 14401 C2E701-2

4 5

POSIÇÃO DO PEDAL 2 - SINAL J2-25

WA 0.75

RE838A BU-OG

WE

0.75 14398

MÓDULO DE CONTROLE DO MOTOR
2150E

POSIÇÃO DO PEDAL 2 - ABASTEC.

J2-26 J2-28

VE715C VT-WH

WA 0.75

6

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - TERRA POSIÇÃO DO PEDAL 1 - SINAL

WA 0.50

3

J2-35

WA

0.50

2

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - ABASTEC. C1E750-1 C1-1 SENSOR DE TEMPERATURA EXTERNA C1E750 C1-2 C1E750-2 RE838C BU-OG WA 0.75 14401 RE838C BU-OG C11-B-14 WE 0.75 14398 RE838 BU-OG S1E838 WE 0.75 14398 RE838 C11-E-15 BU-OG WE 0.75 12K510 C1E170-BA-38 J2-38 RETORNO SISTEMA DE UREIA

J2-27

WA

0.50 14401 C2E701-1

1

POSIÇÃO DO PEDAL DE ACELERAÇÃO C2E701 VE356A GY-VT 1.0 14D469

OPCIONAL PARA BRASIL UREIA LINHA DE SAÍDA C1E356-A C1-2 B_GD185A WE C1-1 + C1E356-A-1 C1E356-A-2

TERMINAIS DOURADOS VE750 GN-BU WA 0.75 14401 VE750 C11-D-19 GN-BU WE 0.75 12K510 C1E170-BA-40

BK-GY WE 1.0 14D469

1.2.0

DO TERRA

J2-40 SENSOR TEMP. RETORNO DO AQUECEDOR DE ENTRADA DE AR J2-44 VE356 GY-VT WE 1.0 14398 C44-E-05 RE401F GN-BU C11-D-02 WA 0.50 14401 VE356 GY-VT WE 1.0 14D469 VE356B GY-VT S1E356 1.0 14D469 UREIA LINHA DE ENTRADA C1E356-B C1-2 B_GD185B + C1E356-B-2

WE C1-1

SINAL 1 RETORNO 2

C1E710-1 TERMINAIS DOURADOS RE838D BU-OG C1E710-2 WE 0.75 14398

VE710 BN-WH

WE 0.75

14398

VE710 C11-E-04

BN-WH

WE 0.75

12K510

C1E170-BA-50

J2-50 CATALIS. DE TEMP. ENTRADA

SINAL DO AQUECEDOR DE J2-54 ENTRADA DE AR

C11-B-10

C1E356-B-1

BK-GY WE 1.0 14D469

1.2.0

DO TERRA

SENSOR DE ENTRADA DO CATALISADOR C1E710 C44-A-B7 VE709 GY-OG WA 0.75 14405 C1E709-1 TERMINAIS DOURADOS RE838B BU-OG RE838B BU-OG WE 0.75 14405 WE 0.75 14398 C44-A-A7 C1E709-2

INTER. DE RETORNO J2-41 VE709 GY-OG WE 0.75 14398 VE709 C11-E-05 GY-OG WE 0.75 12K510 J2-09 CATALIS. DE TEMP. SAÍDA C1E170-BA-09

RE401 C1E170-BA-41

GN-BU WE

1.0

12K510

RE401

GN-BU

WA 1.0

14401 S2E401

RE401E

GN-BU WA 0.50

14401

RELÉ DO AQUECEDOR DE UREIA R06 40A DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0 CBP26 BU-WH WA 1.0 14401 R06-06 CE356 C11-D-32 BU-OG WA 0.75 14401 R06-02 02 06 VE356 GY-VT WA 04 R06-04 1.0 14401 RE356 VT WA 08 14401 R06-08 0.75

SINAL 1 RETORNO 2

PARA DLC PINO C PARA DLC PINO D

1.4

VDB11

BN-GN

WE 0.75 12K510 C1E170-BA-01 12K510 C1E170-BA-21 12K510 FIM DA DRENAGEM

J2-01

J1939 (+)

RELÉ DO AQUECEDOR DE UREIA J2-58

CE356 C1E170-BA-58

BU-OG WE 0.75

12K510

CCB12 GN CBP21B BU-GY

PARA DLC PINO E

1.4

DE401F .DRAIN

0.75

C1E170-BA-48

C11-D-33 SOLENOIDE DA VÁLVULA DA ÁGUA C1E352 RE356B VT WE RE356B VE352 BN WE C1-1 C1-2 0.75 14G030 0.75 14G030 C44-F-02 0.75 C1E352-1 C1E352-2 TERMINAIS DOURADOS + OPCIONAL PARA BRASIL

WA 0.50 14401

VE352 BN WE 0.75 14398 C44-F-01

VT WE 14398

WA 0.50

14401

SENSOR DE SAÍDA DO CATALISADOR C1E709

1.4

VDB12 BN-BU WE 0.75

J2-21

J1939 (-) RETORNO RELÉ DO AQUECEDOR J2-48 DO TANQUE RE356A VT WE 0.75 12K510 RE356A VT WA 0.75 14401 S2E356 DA DISTRIBUIÇÃO 1.0.0

WE 0.50 14401 C2CB12-6 WA 0.50 14401 C2CB12-1

6 IN 1

OUT 2 C2CB12-2

DA DISTRIBUIÇÃO

5.7.2

CBP28D GY-VT

WA 0.50 14401 C2CB12-4

A_GD115BE 4 3 C2CB12-3

BK-GY

WA 0.50 14401

1.2.0

DO TERRA

RE401D GN-BU

VÁLVULA DA ÁGUA J2-14 PARA LOCALIZAÇÃO E BLOQUEIO PINO A6 13.0.0 CES09 VT-OG WA 0.75 14401 CES09 VT-OG C11-D-29 WE 0.75 12K510 J2-17 SINAL DE LIMITE DE TORQUE DE MOTOR

VE352

BN

WE 0.75

12K510 C11-E-13

C1E170-BA-14

RE356B C11-B-02 0.75

VT WA 14401

C1E170-BA-17

RE401J

GN-BU

INTER. DO FREIO-MOTOR C2CB12

CCA31 GN-WH WA 0.50 INTERRUPTOR DA EMBREAGEM C2ES07
21

DA DISTRIBUIÇÃO RE401C GN-BU WA 0.50 14401

1.0.0

CBP21A BU-GY

14401 C2CA31-6 WA 0.50 14401 C2CA31-1

6 IN 1

OUT 2 C2CA31-2

C1-1 C2ES07-1

EMBREAGEM J2-15

CES07 BN C1E170-BA-15

WE

0.75 12K510

CES07 BN C11-D-26

WA 0.50

14401 C1-2 C2ES07-2

DA DISTRIBUIÇÃO

5.7.2

CBP30D YE-BU

CE162 C1E162-1 C1-1 +

VT

WE 0.75

14398 C11-E-10

CE162

VT

WE

0.75

12K510 C1E170-BA-55

WA 0.50 14401 C2CA31-4

A_GD115BD 4 3 C2CA31-3

BK-GY

WA 0.50 14401

1.2.0

DO TERRA

J2-55 CONTROLE DO FREIO-MOTOR

CC/PTO INTERRUPTOR ON/OFF C2CA31

SOLENOIDE FREIO-MOTOR C1E162 RE139 GY-OG WE 0.75 14398 C11-E-09 RE139 GY-OG WE 0.75 12K510 C1E170-BA-32 CC SET / CC INC J2-19 J2-32 RETORNO SAÍDA DO ECM CC RESUMO / CC DEC J2-30 VES10 WH C1E170-BA-19 RES08 GN-BN C1E170-BA-30 WE 0.75 WE 12K510 VES10 WH C11-D-24 RES08 GN-BN C11-D-25 CBP28B GY-VT WA 0.50 WA 0.50 WA 0.50 14401 C2E925-2 14401 C2E925-5 2 5

C1-2 C1E162-2

SET RES

IN 6 C2E925-6

0.75 12K510

DA DISTRIBUIÇÃO

5.7.2

14401 C2E925-4

4 3 C2E925-3

A_GD115BB

BK-GY

WA 0.50

14401

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR DO INCREMENTO/DECREMENTO C2E925

FREIO-MOTOR J2-05 J1 TEMP. DO AR CC/PTO SINAL ON/OFF J2-16

CCB12

GN

WE

0.75

12K510 C11-D-23 1

C1E170-BA-05 CCA25 VT-GY WE C1E170-BA-16 0.75 12K510 CCA25 VT-GY WA C11-D-41 0.50 14401 C2CA25-3 3

C2CA25-1

J1 RETORNO DE TEMP. DO AR INT. FREIO-MOTOR J2-24 GND J3-01 C1E170-CA-01 A_GD123A BK-GY WE 2.5 12K510 GND J3-02 C1E170-CA-02 C1E170-BA-24

INTERRUPTOR DO CONTROLE DE VELOCIDADE C2CA25

RELÉ DO FREIO DE ESTACIONAMENTO R07 20A CCA28A GY-BN 02 R07-02 R07-05 05 04 1.0.0 CBP39B VT-WH WA 0.50 14401 R07-01 01 03 R07-03

RELÉ DO FREIO DE SERVIÇO R09 20A WA 0.50 14401 R09-05 02 05 04 01 03 R09-03 CCA26C BU-GY 0.50 14401 WA 5.3.1 PARA INTERR. PEDAL DO FREIO R09-02

DA DISTRIBUIÇÃO

R09-01

A_GD114BA BK-BU
INTERRUPTOR DO FREIO DE ESTACIONAMENTO

WA 0.50

14401

1.2.0

DO TERRA

DO TERRA

1.2.0

A_GD123

BK-GY WE

4.0

14401 C11-D-34

A_GD123

BK-GY

WE

4.0

12K510

A_GD123B S1D123A

BK-GY

WE

2.5 12K510 CMC25A WH-VT WA 0.50 14401 S2MC25 14401 CMC25 WH-VT WA 0.50 14401 C2MC25-1 C2MC25 PARA CLUSTER 10.0.0 CMC25B WH-VT WA 0.50 1 2 C2MC25-2 A_GD115BA BK-GY WA 0.50 14401 1.2.0 DO TERRA

CCA28 GY-BN

WE 0.75 12K510 C11-D-21

CCA28 GY-BN

WA 0.50

14401

3.1.1 Subsistema de Controle do Motor 13 Ton & Acima ISB
DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBB05 GY-RD WE 4.0 14401 C11-D-01 SBB05 GY-RD WE 4.0 12K510

C1E170-CA

J3-3 ALIM.

J3-4 +30 ALIM.

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP37

WH

WA

1.0

14401

CBP37 C11-D-10

WH

WE

0.75 12K510 C1E170-BA-45

J2-45 +15 IGNIÇÃO

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP24

VT-GN

WA

1.0

14401

CBP24 C11-B-01

VT-GN

WE 1.0

14398

CBP24 C44-E-01

VT-GN

WE

1.0 14D469 C1E518-34

34

36

CET05 BU-GN C1E518-36 CET06 GN-BN

WE 0.75

14D469
SOLENOIDE DO SISTEMA DE AR C1ET05

SENSOR DE NÍVEL & TEMP. DE UREIA
2 VE834 C1E838-2 GN WE 0.75 14398 VE834 C11-E-14 WE 0.75 14398 VE838 C11-E-16 WE 0.75 14398 VT-GY WE 0.75 12K510 C1E170-BA-36 GN WE 0.75 12K510 C1E170-BA-49 J2-49 SINAL DE NÍVEL DE UREIA 1.0.0 SBP11 BU-RD WA 1.5 14401 SBP11 C11-B-07 J2-36 SENSOR DE TEMP DE UREIA BU-RD WE 1.0 14398 SBP11 C44-E-02 BU-RD WE 1.0 14D469 C1E518-16 16

35

WE 0.75 14D469

+

C1E518-35

C1-1

C1-2

DA DISTRIBUIÇÃO

3

VE838 VT-GY C1E838-3 RE838AA BU-OG C1E838-1 RE838AB BU-OG C1E838-4

28

VDB11G C1E518-28 VDB12G C1E518-22

BN-GN

WE

TERMINAL DOURADO 0.50 14D469

1.4.0

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO C

OPCIONAL PARA BRASIL

1 C1E838 4

WE

0.75

14398 S1E838A

RELÉ DE AQUECEDOR DA UREIA R06 40A

RE838A

BU-OG

WE

0.75

14398

DA DISTRIBUIÇÃO
RELÉ DO AQUECEDOR DE UREIA J2-58
CE356 C1E170-BA-58 BU-OG WE 0.75 12K510

+

1.0.0

CBP26

BU-WH

WA

1.0

14401 R06-06 14401 R06-02

06

CE356 C11-D-32

BU-OG WA

0.75

02

VE356 GY-VT WA VE356 04 R06-04 1.0 14401 C11-B-10 RE356 VT WA 08 R06-08 0.75 14401

GY-VT WE

1.0

14398 C44-E-05

VE356

GY-VT WE

1.0

14D469

LINHA DE SAÍDA DE UREIA C1E356-A C1-2 VE356A GY-VT WE C1-1 B_GD185A BK-GY 1.0 14D469 1.0 14D469 C1E356-A-1 C1E356-A-2 LINHA DE RETORNO DE UREIA C1E356-B C1-1 C1-2 VE356B GY-VT WE B_GD185B BK-GY 1.0 14D469 S1E356 1.0 14D469 C1E356-B-2 C1E356-B-1
+

22 WE

BN-BU

WE

0.50

14D469

DO TERRA
1.2.0

1.2.0

B_GD123B

BK-GY

WE

1.0 14D469 C1E518-23

1.4.0

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO D

23

DO TERRA

DE401G

DRAIN

0.75

14D469

1.4.0

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO E

WE

UNIDADE DA BOMBA DOSADORA TERMINAIS DOURADOS C1E518
1.2.0

FIM DA DRENAGEM

DO TERRA TERMINAL DOURADO NOX SENSOR C1E827 DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 CBP22 GN-OG WA 2.5 14401 CBP22 C11-B-16 GN-OG WE 1.5 14398 CBP22 C44-A-A3 GN-OG WE 1.5 14405 C1E827-4 BK-GY WE 1.5 14405 C1E827-3 0.50 14405 C1E827-1 14405 3 GND 4 T30

C1E750-1 C1-1

SENSOR DE TEMPERATURA EXTERNA C1E750
C1-2 C1E750-2

RE838C BU-OG WA 0.75 14401

RE838C C11-B-14

BU-OG

WE 0.75

14398

RE838 S1E838

BU-OG

WE

0.75

14398

RE838 C11-E-15

BU-OG

WE

0.75 12K510 C1E170-BA-38

J2-38 RETORNO DO SIST. DE UREIA

RELÉ DE RETORNO DO AQUECEDOR DO TANQUE J2-48 TERMINAIS DOURADOS
VE750 GN-BU WA 0.75 14401 VE750 C11-D-19 GN-BU WE 0.75 12K510 C1E170-BA-40 C1E170-BA-48

RE356A

VT

WE

0.75

12K510 C11-D-33

RE356A 0.75

VT

WA

14401 S2E356

DO TERRA DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO C

1.2.0

B_GD123AA

J2-40 SENSOR DE TEMP.

1.4.0

VDB11H

BN-GN

WE

1 CAN H

SINAL 1

C1E710-1

VE710

BN-WH

WE 0.75

14398

VE710 C11-E-04

BN-WH

WE 0.75

12K510 C1E170-BA-50

J2-50 TEMP. DE ENTRADA DO CATALISADOR

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO D 1.4.0 VÁLVULA SOLENOIDE DA ÁGUA C1E352 RE356B VT WE WE C1-2 C1-1 0.75 14G030 14G030 C1E352-1 C1E352-2 TERMINAL DOURADO
+

VDB12H DE401H

BN-BU

WE

0.50 14405

2 CAN L

C1E827-2 DRAIN 0.75 .

RETORNO 2 SENSOR DE TEMPERATURA EXTERNA

TERMINAIS DOURADOS RE838D BU-OG
C1E710-2

WE

0.75

14398

DO CONECTOR DE DIAGNÓSTICO PINO E 1.4.0
RE356B C44-F-02 0.75 VT 14398 WE RE356B C11-B-02 0.75 VT 14401 WA

VÁLVULA DA ÁGUA J2-14

VE352

BN

WE 0.75

12K510 C11-E-13

VE352 0.75

BN 14398

WE C44-F-01

VE352 0.75

BN

FIM DA DRENAGEM

SENSOR DE ENTRADA DO CATALISADOR C1E710 SINAL 1
VE709 GY-OG WA 0.75 14405 C1E709-1 C44-A-B7 TERMINAIS DOURADOS RE838B BU-OG RE838B BU-OG WE 0.75 14405 C44-A-A7 WE 0.75 14398 C1E709-2 VE709 GY-OG WE 0.75 14398 VE709 C11-E-05 GY-OG WE 0.75 12K510 C1E170-BA-09 J2-09 TEMP. DE SAÍDA DO CATALISADOR

C1E170-BA-14

OPCIONAL PARA BRASIL

RETORNO 2

J2 CONECTOR - TERMINAIS DOURADOS 1.4 VDB11 BN-GN WE 0.75 12K510 C1E170-BA-01 VDB12 BN-BU WE 0.75 12K510 C1E170-BA-21 DE401F D . RAIN 0.75 12K510 J3 CONECTOR - TERMINAIS J2-01 J1939 (+)

SENSOR DE SAÍDA DO CATALISADOR C1E709

PARA DLC PINO C PARA DLC PINO D PARA DLC PINO E

1.4

J2-21

J1939 (-)

1.4

FIM DA DRENAGEM
INTER. CONTROLE DO ACELERADOR ON/OFF CONTROLE DE POSIÇÃO DO ACEL.
CE162 C1E162-1 C1-1 + C11-E-10 VT WE 0.75 14398 CE162 VT WE 0.75 12K510 C1E170-BA-55 J2-55 CONTROLE DO FREIO-MOTOR J2-08 J2-37 CE414 C1E170-BA-08 VE820 C1E170-BA-37 CE415 C1E170-BA-18 VE716 C1E170-BA-60 YE WE 0.75 12K510 C11-D-18 RE454A RE139 GY-OG WE 0.75 14398 C11-E-09 RE139 GY-OG WE 0.75 12K510 C1E170-BA-32 J2-32 RETORNO DE SAÍDA DO ECM YE-GN WA 0.50 BN-YE WE 0.75 12K510 GY WE 0.75 12K510 GN-OG WE 0.75 12K510 C11-E-02 C11-E-08 C11-E-03 VE716 YE WA 0.50 14401 C1E715-B 14401 C1E715-C B C A CE414 VE820 CE415 GN-OG GY BN-YE WE 0.75 WE 0.75 WE 0.75 14398 C1E434-3 14398 C1E434-5 14398 C1E434-4 4 RMT PTO ON/OFF SW 5 RMT POS. ACEL. 3 RMT ACEL. ON/OFF

CONTROLE PTO ON/OFF J2-18

SOLENOIDE DO FREIO-MOTOR C1E162

NÍVEL DO LÍQ. DE ARREF. DO MOTOR RETORNO/ENTRADA J2-60

SENSOR DO NÍVEL DE ARREFECIMENTO C1E715 RMT DECREMENTO 8 RMT INCREMENTO 7

C1-2 C1E162-2

VE715A VT-WH

WA 0.75

14401 C1E715-A

RE454B VE715B

YE-GN VT-WH

WA 0.75 WA 0.75

14401 14401 C11-A-23 C11-A-22

RE454B VE715B RE401G

YE-GN VT-WH

WE 0.75 WE 0.75 14401

14398 C1E434-2 14398 RE401G GN-BU C11-A-24 C1E434-1 WE 0.75 14398 C1E434-6

2 TERRA 1 ENERGIA 6 INTER. RTN

GN-BU

WA 0.75

POSIÇÃO DO PEDAL 2 - TERRA J2-22

RE454 C1E170-BA-22 VE702 C1E170-BA-25 VE715 C1E170-BA-26

YE-GN

WE 0.75

12K510 C11-D-16

RE454

YE-GN

WA

0.75

14401 S2E454

RE454C

YE-GN

WA

0.75

14401 C2E701-4

4 5

Somente para Brasil
PARA LOCAL. & BLOQUEIO PINO A6
13.0.0 CES09 VT-OG WA 0.75 14401 CES09 C11-D-29 VT-OG WE 0.75 12K510 C1E170-BA-17

POSIÇÃO DO PEDAL 2 - SINAL J2-25
J2-17 SINAL DE LIMITE DO TORQUE DO MOTOR POSIÇÃO DO PEDAL 2 - ABASTEC. J2-26

BU-WH

WE

0.75 12K510 C11-D-15

VE702

BU-WH

WA

0.75 14401 S2E702

VE702A

BU-WH

WA

0.75 14401 C2E701-5 14401 C2E701-6 14401 C2E701-3 14401 C2E701-2 14401 C2E701-1

CONECTOR DE ESPERA PTO RMT C1E434

VT-WH

WE 0.75 12K510 C11-D-14

VE715

VT-WH

WA 0.75

14401 S2E715

VE715C

VT-WH

WA 0.75

6

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - TERRA J2-28
C1E170-BA-28

RE136

VT-GN

WE

0.75 12K510 C11-D-13

RE136

VT-GN

WA

0.50

3

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - SINAL J2-35
C1E170-BA-35

VE701

YE-OG

WE 0.75

12K510 C11-D-12

VE701

YE-OG

WA

0.50

2

POSIÇÃO DO PEDAL 1 - ABASTEC. J2-27
C1E170-BA-27

LE136

GN-OG

WE 0.75

12K510 C11-D-11

LE136

GN-OG

WA

0.50

1

POSIÇÃO DO PEDAL DE ACELERAÇÃO C2E701

CC SET / CC INC J2-19 CC RESUMO / CC DEC J2-30

VES10 WH

WE

0.75 12K510 12K510

VES10 WH C11-D-24 RES08 C11-D-25 CBP28B GY-VT GN-BN

C1E170-BA-19 RES08 GN-BN WE 0.75 C1E170-BA-30

WA 0.50 14401 C2E925-2 WA 0.50 14401 C2E925-5

2 5

SET RES

IN 6 C2E925-6

RE401D

GN-BU

WA 0.50

14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

WA 0.50 14401 C2E925-4

4 3

A_GD115BB C2E925-3

BK-GY

WA 0.50 14401

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR DE INCREMENTO/DECREMENTO C2E925
C11-D-02 S2E401 RE401 GN-BU WA 1.0 14401

INTERRUPTOR DE RETORNO J2-41
C1E170-BA-41

RE401

GN-BU WE

1.0

12K510

INTERRUPTOR DA EMBREAGEM C2ES07
21

EMBREAGEM J2-15

CES07 C1E170-BA-15

BN

WE

0.75 12K510 C11-D-26

CES07

BN

WA 0.50

14401

C1-2

C1-1 C2ES07-1

RE401C

GN-BU

WA 0.50

14401

C2ES07-2

RELÉ DO FREIO DE ESTACIONAMENTO R07 20A
CCB02 RE401J GN-BU WA 0.50 14401 R07-05 CMC25 WH-VT WA 0.50 14401 CMC25A WH-VT S2MC25 C2MC25-2 WA 0.50 14401 R07-01 05 04 01 CBP39B 03 R07-03 VT-WH WA 0.50 14401 1.0.0 02 R07-02 BU-BN WA 0.50 14401

INTER. DO FREIO DE ESTACIONAMENTO

DA DISTRIBUIÇÃO

1 C2MC25-1 D_GD111C BK-BU

2

DO TERRA

1.2.0

C2MC25 WA 0.50 14401

PARA CLUSTER

10.0.0

CMC25B WH-VT

WA 0.50

14401

FREIO DE ESTAC. SWJ2-11 J2-16 C1E170-BA-16 CC/PTO ON/OFF SINAL C1E170-BA-11

CCB02

BU-BN

WE

0.75

12K510 C11-D-17

J2-05 C1E170-BA-05

FREIO MOTOR

FREIO DE SERVIÇO SW J2-24 C1E170-BA-24

CCA28 GY-BN

WE

0.75

12K510 C11-D-21

MÓDULO DE CONTROLE DO MOTOR
2150
GND J3-01 C1E170-CA-01 GND J3-02 C1E170-CA-02 RE401H GN-BU WA 0.50 5.3.1 CCA26A BU-GY 1.0 14401 WA

RELÉ DO FREIO DE SERVIÇO R09 20A
CCA28 GY-BN 14401 R09-05 02 05 04 C_GD111BA R09-01 01 03 R09-03 BK-BU WA 0.50 14401 1.2.0 R09-02 WA 0.50 14401

DO INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO

DO TERRA

A_GD123A

BK-GY

WE

2.5

12K510

DO TERRA

1.2.0 .

A_GD123

BK-GY

WE

4.0

14401 C11-D-34

A_GD123

BK-GY

WE

4.0 12K510

A_GD123B S1D123A

BK-GY

WE

2.5

12K510

CCB12

GN

WE

0.75

12K510 C11-D-23

CCB12 CBP21B

GN BU-GY

WE 0.50 14401 C2CB12-6 WA 0.50 14401 C2CB12-1

6 IN 1

OUT 2

RE401E C2CB12-2

GN-BU

WA 0.50

14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP28D

GY-VT

WA 0.50 14401 C2CB12-4 4 3

A_GD115BE C2CB12-3

BK-GY

WA 0.50 14401

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR DO FREIO-MOTOR C2CB12

CCB15

BN-GN

WA 0.50 14401

SOMENTE PARA CAMINHÕES SEM REBOQUE

RELÉ DO MOTOR DO FREIO REBOQUE R08 20A
CCB15 1 CCA25 VT-GY WE 0.75 12K510 CCA25 VT-GY WA C11-D-41 0.50 14401 C2CA25-3 3 INTER. CONTROLE DE VELOC. C2CA25 C2CA25-1 CCA29 GN-BU WA 0.50 14401 R08-05 05 04 01 A_GD114BC 03 R08-03 BK-BU WA 0.50 14401 1.2.0 02 R08-02 BN-GN WA 0.50 14401 C2CA31-6 CBP21A BU-GY WA 0.50 14401 C2CA31-1 6 ENT. 1 SAÍDA 2 C2CA31-2 RE401F GN-BU WA 0.50 14401

DA DISTRIBUIÇÃO DO TERRA

1.0.0

R08-01

CCB08B

VT-WH

WA 0.50 14401

5.3.1

DO INTER. DO FREIO REBOQUE

DO INTER. DA LUZ

5.7.2

CBP30D

YE-BU

WA 0.50

14401 C2CA31-4 4 3

A_GD115BD C2CA31-3

BK-GY

WA 0.50

14401

1.2.0

DO TERRA

INTERRUPTOR ON/OFF CC/PTO C2CA31

SOMENTE PARA CAMINHÕES COM REBOQUE

4.0.0 Subsistema de Transmissão Sincronizada 13 Ton & Acima Somente para caminhões 2623, 2629, 3133, 1933

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP66 WA 1.0

YE-RD 14401 C11-A-26

SBP66 WE 1.0

YE-RD 14398

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP65 WA 1.0

WH-OG 14401 C11-A-27

CBP65 WE 1.0

WH-OG 14398

C1ET70-6 CNB-6

C1ET70-5 CNB-5

MÓDULO DE TRANSMISSÃO SINCRONIZADA
C1ET70

CNB-3

CCD01 WE 0.75 C1ET70-3

YE

14398 C11-A-13

CCD01 WA 0.50

YE

14401

10.0.0

DO CLUSTER (CN2-13)

CNB-10

RDC02 WE 0.75 C1ET70-10

GN-BN 14398 C11-A-12

RDC02 WA 0.5

GN-BN 14401

10.0.0

DO CLUSTER (CN2-14)

CNB-7 C1ET70-7

CNB-8 C1ET70-8 SYN_TCM

PARA O TERRA

1.2.0

B_GD152A WE

1.0

BK-BU

14398

PARA O TERRA

1.2.0

B_GD152B WE

1.0

BK-BU

14398

4.3.7 Subsistema de Elevação do Segundo Eixo Traseiro Unidade de linha 6X2 Somente para os modelos 2423 e 2429

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP69C WA 0.50

WH-VT 14401 C2CA21-A-01

1

2

RCA21B WA 0.50 BN-GN 14401 C2CA21-A-02

RCA21C WA 0.50 BN-GN 14401 S2CA21A

10.0

PARA CLUSTER - PIN Cn2-17

DA DISTRIBUIÇÃO (LUZES DE ESTACIONAMENTO 5.7.2) 5.7.2

CBP28H WA 0.50

GY-VT

14401 C2CA21-A-04

4

3 C2CA21-A-03

INTERRUPTOR DO EIXO TRASEIRO SECUNDÁRIO
C2CA21-A

DIFERENCIAL DO EIXO TRASEIRO TRAVA DO SOLENOIDE
BK-GY 14401 + RCA21A WA 0.50 BN-GN 14401 C11-A-09 RCA21A WE 0.75 BN-GN 14398 RCA21A WE 0.75 BN-GN 14405 C1-1 C44-A-A6 C1ET68-A-01 C1ET68-A C1-2 A_GD151A WE 0.75 BK-GN 14405 1.2.0

C1ET68-A-02

PARA O TERRA

A_GD115BG WA 0.50

1.2.0

PARA O TERRA

4.3.8 Sistema de Bloqueio do Diferencial do Eixo Traseiro Unidade de Linha 6x4 Somente para os modelos 2623, 2629 e 3133

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP69B WA 0.50

WH-VT

14401 C2CA21-B-01

1

2

RCA21D WA 0.50 BN-GN 14401 C2CA21-B-02

RCA21E WA 0.50 BN-GN 14401 S2CA21B

10.0

PARA CLUSTER - PIN CN2-18

DA DISTRIBUIÇÃO (LUZES DE ESTACIONAMENTO 5.7.2)

5.7.2

CBP28C WA 0.50

GY-VT

14401 C2CA21-B-04

4

3 C2CA21-B-03

EIXO TRASEIRO INTERRUPTOR DA TRAVA DO DIFERENCIAL
C2CA21-B BK-GY 14401 RCA21F WA 0.50 BN-GN 14401 C11-A-25 RCA21F WE 0.75 BN-GN 14398

DIFERENCIAL DO EIXO TRASEIRO TRAVA DO SOLENOIDE
+ RCA21F WE 0.75 BN-GN 14405 C1-1 C44-A-C2 C1ET68-B-01 C1ET68-B C1-2 C1ET68-B-01 A_GD151C WE 0.75 BK-GN 14405 1.2.0

PARA TERRA

A_GD115BF WA 0.50

1.2.0

PARA TERRA

5.1.7 Subsistema dos Faróis 13 Ton & acima

+

10A

CBP75A WA 1.50 YE-GY 14401

F75-02

MINI FUSÍVEL 75

+

CBP75 WA 2.5 YE-GY 14401 F38-02

5A

CBP38 WA 0.75 GY-BU

14401

5.1.7

PARA FACHO BAIXO LD

+

MINI FUSÍVEL 38 5A CBP40 WA 0.75 YE-GN 14401 MINI FUSÍVEL 40

5.1.7

PARA FACHO ALTO LE

INTERRUPTOR DA LÂMPADA
SBB03 WA 2.5 BU-RD 14401 CN1-3 C2LF18-03 OFF CN1-2 CLF18 WA 2.5 BU-WH 14401 C2LF18-02 CLS34 WA 2.5 GY 14401 CN1-1 C2LF18-01

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

5.7.2

PARA AS LUZES DE ESTACIONAMENTO

C2LF18

RELÉ DO FACHO DO FAROL ALTO R23 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP72A WA 1.50 BU-RD 14401 R23-05 02 05 04 CLF08 WA R23-04 1.50 0.50 YE-VT BK-BU 14401 14401

R23-01 CLF17 WA 1.50 WH-OG 14401

01

A_GD114AD WA 03 R23-03

1.2.0

DO TERRA
SBP72B WA 1.5 BU-RD 14401 1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

INTERRUPTOR MULTIFUNCIONAL C2LF23
CLF17C WE S2LF17 0.75 WH-OG 14401 OFF Sinal de direção esquerdo ON ON Sinal de direção direito OFF

10.0.0

PARA CLUSTER PINO CN2-4

ALTA TENSÃO C2LF23-05

ABASTECIMENTO C2LF23-04 FLASH-TO-PASS C2LF23-07

CLF17A WA

1.50 WH-OG 14401

C11-F-02

CLF17A WA

1.50 WH-OG 13N052 C1LF02-A

FACHO ALTO LD C1LF02 CN-A CN-B

Sinal de direção

1

5

6

4

7 LH

10 14 9

8

12

LIMPADOR
I II J 0

B_GD120C WA C1LF02-B

0.75

BK-GN 13N052 C11-F-01

A_GD120A WA

0.75

BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

BUZINA
C11-G-02

CLF17B WA

1.50

WH-OG

14401

CLF17B WA

1.50 WH-OG 13N052 C1LF02-A

FACHO ALTO LE C1LF02 CN-A CN-B

B_GD120C WA C1LF02-B

0.75

BK-GN 13N052 C11-G-01

B_GD120C WA

0.75 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

L 2

R 3 FL/ AL LH 0

13

16 11

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP38 WA

0.75

GY-BU

14401

C11-F-04

CBP38 WA

0.75 YE-GN 13N052 C1LF04-A

FACHO BAIXO LD C1LF04 CN-A CN-B

A_GD120D WA C1LF04-B

0.75 BK-GN 13N052 C11-F-03

A_GD120B WA

0.75 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP40 WA

0.75 YE-GN

14401

C11-G-04

CBP40 WA

0.75 YE-GN 13N052 C1LF04-A

FACHO BAIXO LE C1LF04 CN-A CN-B

A_GD120D WA C1LF04-B

0.75 BK-GN 13N052 C11-G-03

B_GD120B WA

0.75

BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

5.3.1 Subsistema das Luzes de Freio 13 Ton & Acima

24V

REV POS STOP TURN

24V

LD LUZ TRASEIRA C1LS19

REV POS

5

4

3

1

2 C1LS19-02 5 4 3 1

STOP TURN

LE LUZ TRASEIRA C1LS18

C1LS19-03

2 C1LS18-02

C1LS18-03 CCA26BA WE 0.75 BU-GY 14405 B_GD151B BK-GN WE 1.5 14405 1.2.0

DO TERRA
B_GD151A BK-GN WE 1.5 14405 1.2.0

CCA26B BU-GY

WA

0.75

14401 C11-A-36

CCA26B WE

0.75

BU-GY

14398 C44-A-A2

CCA26B WE 0.75

BU-GY 14405

S2CA26B

CCA26BB BU-GY

WE

0.75 14405

DO TERRA

Kit Tractor - Nível 2 (AATAC) 15PIN 1723 - WB171’’ or WB189’’ Sistema Brasil W/ TBS 2629 - WB207’’ Sistema Brasil W/ TBS 3133 - WB207’’ Sistema Brasil W/ TBS
RELÉ DA LÂMP. DE ESTACIONAMENTO DO REBOQUE R01 40A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP57 RD WA 1.5 14401 R01-06 CCA26D BU-GY WA 0.50 14401 R01-02 02 06 04 R01-04 A_GD114BB WA 0.50 BK-BU 14401 08 R01-08 1.2.0 CAT18 WA 1.5 YE-OG 14401 C11-A-03 CAT18A WE 1.5 YE-OG 14398 C44-C-01

C1-03 C1-09 C1-10 C1-11 C1-12 C1-13 C1-14 C1-15 C1-04

NÃO UTILIZADO
KL30_(EXP_TBS_MÓDULO)

Kit Tractor - Nível 2 (AATAC) 07PIN 1723 - WB171’’ or WB189’’ Sistema W/O TBS 2629 - WB207’’ Sistema W/O TBS 3133 - WB207’’ Sistema W/O TBS 1933 - WB189’’ Sistema W/O TBS
CAT18A C44-C-01 WE 1.5 YE-OG 14405 C1AT10-B-04 C1-01 C1-02 C1-03 C1-04 C1-05 C1-06

TERRA SINAL DE IGNIÇÃO NÃO UTILIZADO NÃO UTILIZADO
CAN-HIGH_(EXP_TBS_MÓDULO) CAN-LOW_(EXP_TBS_MÓDULO)

1933 - WB189’’ Sistema Brasil W/ TBS
CAT18A WE 1.5 YE-OG 14405 C1AT10-B-07

TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30)

TERRA LUZES_ESTACIONAMENTO_(75W) LUZES_LADO_ESQUERDO_(63W) LUZ_FREIO_REBOQUE_(168W) LUZES_LADO_DIREITO_(63W) LUZES_ESTACIONAMENTO_(75W) LUZES_BACKUP_(84W)

C1-05 LUZES_ESTAC_ESQ_(75W) C1-01 LUZES_LADO_ESQ_(126W) C1-07 LUZ_FREIO_REBOQUE_(168W) C1-02 LUZES_LADO_DIREITO_(126W) C1-06 LUZES_ESTAC_DIR_(75W) C1-08

DO TERRA

LUZES_BACKUP_(84W)

24V

C1-07

24V

CONECTOR DO REBOQUE/IMPLEMENTADOR C1AT10-B 15 PINOS

CONECTOR DO REBOQUE/IMPLEMENTADOR 7 PINOS C1AT10-B

Kit Tractor - Nível 1(AATAB) 15PIN 1723 - WB148’’ 1933 - WB148’’

C1-03 NÃO UTILIZADO C1-09 KL30_(EXP_TBS_MODULE)

C1-10 TERRA C1-11 SINAL DE IGNIÇÃO C1-12 NÃO UTILIZADO C1-13 NÃO UTILIZADO C1-14 CAN-ALTO_(EXP_TBS_MODULE) C1-15 CAN-BAIXO_(EXP_TBS_MODULE) C1-04 TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30) C1-05 LUZES_ESTACIONAMENTO_ESQ_(75W)

Somente para caminhões com reboque
INTER. DA LÂMP. DE ESTACIONAMENTO DO REBOQUE

C1-01 LUZES_LADO_ESQUERDO_(126W) C11-A-03 CAT18A WE WA 0.50 14401 1.5 YE-OG 14398 C1-07 LUZES_PARADA_REBOQUE_(168W) C1-02 LUZES_LADO_DIREITO_(126W) C1-06 LUZES_ESTACIONAMENTO_DIR_(75W) C1-08 LUZ_TRASEIRA_(84W)

C1AT10-A-07

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP58A YE-RD

WA

0.50

14401 C2AT18-01

1

2

CCA26A BU-GY C2AT18-02

C2AT18

24V

CONECTOR DO REBOQUE/IMPLEMENTADOR 15 PINOS C1AT10-A
INTERRUPTOR DO PEDAL DO FREIO

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP58

YE-RD

WA

0.50

14401

1

2

CCA26 BU-GY C2CA26-02

WA

0.75 14401 S2CA26

CCA26C BU-GY

WA

0.50 14401

C2CA26-01 C2CA26

3.0.0

PARA A BOBINA DO RELÉ DO FREIO

Todas as outras versões.
CAT18A WE C11-A-03 1.5 YE-OG 14398 C2-1 LUZ_FREIO_CARRETA_(168W) C2-2 LUZES_TRASEIRAS_(84W) C2-3 LUZES_ESTACIONAMENTO_(75W) C2-4 LUZES_LADO_ESQUERDO_(63W) C2-5 LUZES_LADO_DIREITO_(63W) C2-6 TERRA

C1AT10-C-01

24V
ACESSO DO CLIENTE C1AT10-C

Kit Tractor - Nível 1(AATAB) 15PIN 1723 - WB148’’ 1933 - WB148’’
C1-03 C1-09 C1-10 C1-11 C1-12 C1-13 C1-14 C1-15 C1-04 C1-05 CAT06 WE C11-A-06 CAT09 WE C11-A-05 1.5 1.5 YE 14398 C1-01 C1-07 C1-02 C1-06 C1-08

NÃO USADO
KL30_(EXP_TBS_MODULE)

5.4.0 Subsistema das Luzes de Direção e Emergência 13 Ton e Acima

TERRA (SAÍDA) SINAL DE IGNIÇÃO NÃO USADO NÃO USADO
CAN-HIGH_(MÓDULO DE EXP. TBS) CAN-LOW_(MÓDULO DE EXP. TBS)

TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30) LÂMP. ESTAC. ESQ. (75W) LÂMP. LATERAL ESQ. (126W) LÂMP DO FREIO DO REBOQUE (168W) LÂMP. LATERAL DIR. (126W) LÂMP ESTAC. DIR. (75W) LÂMPADAS TRASEIRAS (84W) RELÉ AUXILIAR DE DIREÇÃO LE R20 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP59 WA 1.5 BU-RD 14401 R20-05 14401 R20-01 01 02 05 CAT06 WA 04 R20-04 1.5 YE 14401 BK-BU C11-A-06 14401

C1AT10-A-01 GN 14398

Kit Tractor - Level 2(AATAC) 15PIN 1723 - WB171’’ or WB189’’ Brazil W/ Sistema TBS 3133 - WB207’’ Brazil W/ Sistema TBS 1933 - WB189’’ Brazil W/ Sistema TBS
14398 C44-C-04 CAT06 WE 1.5 YE 14405

C1-03 C1-09

NÃO USADO
KL30_(EXP_TBS_MODULE)

C1AT10-A-02

C1-10 TERRA (SAÍDA) C1-11 SINAL DE IGNIÇÃO C1-12 NÃO USADO C1-13 NÃO USADO C1-14 C1-15 C1-04 C1AT10-B-01 C1-01 CAN-HIGH_(MÓDULO DE EXP. TBS) CAN-LOW_(MÓDULO DE EXP. TBS)

24V

2629 - WB207’’ Brazil W/ Sistema TBS
CAT06 WE 1.5 YE

CONECTOR DO REBOQUE 15 PINOS C1AT10-A

CLS21E WA

1.5

BU-GN

A_GD114AE WA 03 R20-03

0.50

TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30)

DO TERRA

1.2.0

C1-05 LÂMP. ESTAC. ESQ. (75W)

RELÉ AUXILIAR DE DIREÇÃO LD R21 20A DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBP61 WA 1.5 GY-RD 14401 R21-05 14401 R21-01 02 CAT09 WA 04 R21-04 1.5 GN 0.50 14401 BK-BU C11-A-05 14401 CAT09 WE 1.5 GN 14398 C44-C-05 CAT09 WE 1.5 GN

LÂMP. LATERAL ESQ. (126W)

C1-07 LÂMP DO FREIO DO REBOQUE (168W) 05 14405 C1AT10-B-02 C1-02 LÂMP. LATERAL DIR. (126W) C1-06 LÂMP ESTAC. DIR. (75W) C1-08 LÂMPADAS TRASEIRAS (84W)

C2-1 LÂMP DO FREIO DO REBOQUE (168W) C2-2 LÂMPADAS TRASEIRAS (84W) C2-3 LÂMP. ESTAC. (75W) CAT06 WE C11-A-06 C11-A-05 CAT09 WE 1.5 1.5 YE 14398 C1AT10-C-04 GN 14398 C1AT10-C-05 C2-4 LÂMP. LATERAL ESQ. (63W) C2-5 LÂMP. LATERAL DIR. (63W) C2-6 TERRA

CLS25E WA

1.5

YE-VT

01

A_GD114AI WA 03 R21-03

24V

FROM GROUND

1.2.0

CONECTOR DO REBOQUE/IMPLEMENTADOR 15 PINOS C1AT10-B
BU-GN 13N052 CN-01 C1LS21-01 CN-02

24V
Todas outras versões ACESSO DO CLIENTE C1AT10-C

CLS21B WA

1.5

BU-GN

14401

CLS21B WA C11-G-05

1.5

B_GD120D WA C1LS21-02

0.50

BK-GN 13N052 C11-G-06

B_GD120D WA

0.50

BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

LÂMP. DE DIREÇÃO FRONTAL LE C1LS21
CLS21D WE

CLS21D WA

1.5

BU-GN

14401 C11-A-33

CLS21D WE

1.5

BU-GN

14398 C44-A-A5

1.5

BU-GN

14405 C1LS18-01 5 4 3

B_GD151A WE C1LS18-02 1 DIREÇÃO 2

1.5

BK-GN

14405

1.2.0

DO TERRA

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP46 WA

2.5

BN-RD

14401 C2LS57-1 C2LS57-6 C2LS57-2

1 6 2

8 7 4

C2LS57-8 CLS21 WA CLS25 WA C2LS57-7 C2LS57-4

1.5 1.5

BU-GN YE-VT

14401 14401 S2LS21

CLS21A WE

0.75 BU-GN

14401

10.0.0

PARA O CLUSTER LÂMP. AUXILIAR DE DIREÇÃO LE

PARADA
POS

LÂMPADAS TRASEIRAS LE C1LS18

CLS21C WA 1.5 BU-GN 14401

C11-L-01

CLS21C WA 1.5 BU-GN 13A318 C1LS13-01

1 B_GD120A WA 2 3 0.75 C11-L-02 B_GD120A WA BK-GN 0.75 BK-GN 13A318 C1LS13-02 14401 1.2.0

REV

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP28A WA

0.50 GY-VT

14401 C2LS57-3

3

5 C2LS57-5

DO TERRA
24V

INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA C2LS57
CLS25D WA A_GD185B WA 2.5 BK-WH 14401 1.5 YE-VT 14401 C11-A-32 CLS25D WE

AUXILIAR DE SINAL. DE DIREÇÃO LE C1LS13
1.5 YE-VT 14398 C44-A-A4 C1LS19-01 5 CLS25B WA 1.5 YE-VT 14401 C11-F-05 CLS21B WA 1.5 BU-GN 13N052 B_GD120D WA 0.50 BK-GN 13N052 C11-F-06 LÂMPADAS DE C1LS21-01 SINAL. DE DIREÇÃO C1LS21-02 FRONTAL LD C1LS21 CN-01 CN-02 A_GD120F WA 0.50 BK-GN 14401 1.2.0 4 3 1 TURN STOP POS REV 24V C1LS19-02 2 CLS25D WE 1.5 YE-VT 14405 B_GD151B WE 1.5 BK-GN 14405 1.2.0

DO TERRA

DO TERRA

1.2.0

DO TERRA

DO MÓDULO CONFORTO 12.0.0

CLN30 WA

1.0

GN-OG

14401

LÂMPADAS TRASEIRAS LD C1LS19

CLS25A WE CBP71A WA 0.50
Sinal de direção

0.75 YE-VT

14401

10.0.0

PARA O CLUSTER LÂMPADAS AUX. DE SINALIZAÇÃO DE DIREÇÃO

BU-OG

14401

S2LS25 1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO
CLS25C WA 1.5 YE-VT 14401

C11-J-01

CLS25C WA 1.5 YE-VT 13A318 C1LS14-01 1 A_GD120D WA 2 C1LS14-02 3 0.75 C11-J-02 A_GD120D WA BK-GN 0.75 BK-GN 13A318 14401 1.2.0

DO TERRA

Sinal de direção esq.

Sinal de direção dir.

C1-09 KL30 (MÓD. EXP. TBS) AUXILIAR DE SINAL. DE DIREÇÃO LD C1LS14 C2LF23-01 Turn Signal OFF 1 5 6 4 7 LH 10 14 9 8 12

LAVADOR
I II J 0 C11-A-06 CAT06 WE 1.5 YE 14398 C44-C-04 CAT09 WE C11-A-05 1.5 GN 14398 C44-C-05 CAT09 WE 1.5 GN CAT06 WE 1.5 YE 14405 C1AT10-B-03 14405 C1AT10-B-05

C1-01 C1-02 C1-03 C1-04 C1-05 C1-06 C1-07

TERRA LUZES DE ESTAC. (75W) LÂMPADAS LATERAL ESQ. (63W) LÂMPADA DO FREIO DO REBOQUE (168W) LÂMP. LATERAL ESQ. (63W) LUZES DE ESTAC. (75W) LÂMPADA BACKUP (84W)

OFF

ON ON

BUZINA
L 2 C2LF23-02
Esquerda Direita

R 3 C2LF23-03 FL/ AL LH 0

13

16 11

Kit Tractor - Level 2(AATAC) 07PIN 1723 - WB171’’ or WB189’’ W/O Sistema TBS 1933 - WB189’’ W/O Sistema TBS

24V

CONECTOR DO REBOQUE/ IMPLEMENTADOR 7 PINO C1AT10-B

CLS42 WA

0.50 VT-BN

14401

INTERRUPTOR MULTIFUNÇÃO

C2LF23
CLS32 WA 0.50 BN-YE 14401

2629 - WB207’’ W/O Sistema TBS 3133 - WB207’’ W/O Sistema TBS

5.7.2 Subsistema das Luzes de Estacionamento 13 Ton & Acima
CBP28A WA 0.50 GY-VT 14401 5.4.0

PARA INTERRUPTOR DE EMERGÊNCIA
ISL

CBP28B WA 0.50 GY-VT 14401

3.1.1 3.1.1

PARA INTERRUPTOR DE INCREM./DECREM.
ISB

INTERRUPTOR DA LÂMPADA DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0 SBB03 WA 2.5 BU-RD 14401 CN1-3 C2LF18-03 OFF CN1-2 + CLS34 WA 2.5 GY 14401 F28-02 3A CBP28 WA 0.50 GY-VT 14401 S2BP28

CBP28H WA 0.50 GY-VT 14401

4.3.7 4.3.8

PARA ELEVAÇÃO DO SEGUNDO EIXO TRAS. PARA INTER. DE BLOQ.DE EIXO DIF. TRAS.
ISL

SOMENTE 6X2 SOMENTE 6X4

CBP28C WA 0.50 GY-VT 14401

CN1-1

C2LF18-01

MINI FUSÍVEL #28

CBP28D WA 0.50 GY-VT

14401

3.1.1 3.1.1

PARA INTERRUPTOR DO FREIO MOTOR
ISB

C2LF18 + 3A CBP30 WA 0.50 YE-BU 14401

CBP28E WA 0.50 GY-VT 14401 CBP28F WA 0.50 GY-VT 14401

11.0.0 15.5.0 11.0.0 11.0.0 12.0.0 12.0.0 3.1.1 10.0.0 5.7.2 14.1.1 12.8.0

PARA COMPRESSOR DO A/C PARA TACÓGRAFO PARA INTERRUPTOR DE CIRCULAÇÃO DO A/C PARA INTER. DE VELOCIDADE DO VENTILADOR SW (2) PARA INTERRUPTOR DA JANELA DO CONDUTOR PARA INTERRUPTOR DA JANELA DO PASSAGEIRO PARA INTERRUPTOR CC/PTO ON-OFF PARA CLUSTER PARA BOBINA DO RELÉ DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO PARA RELÉ DE ILUMINAÇÃO DO RÁDIO PARA ILUMINAÇÃO DO ACENDEDOR DE CIGARROS

MINI FUSÍVEL #30 CBP28G WA 0.50 GY-VT 14401 CBP28I WA 0.50 GY-VT 14401 7.5A CBP30A WA 0.50 YE-BU CBP30B WA 0.50 YE-BU 14401 14401

+

CBP32 WA 1.0

GN-VT 14401

MINI FUSÍVEL #32

CBP30D WA 0.50 YE-BU 14401 S2BP33 + 7.5A CBP34 WA 1.0 VT-BN 14401 CBP30G WA 0.50 YE-BU 14401 CBP30E WA 0.50 YE-BU 14401

MINI FUSÍVEL #34

CBP30H WA 0.50 YE-BU 14401 5A CBP30J WA 0.50 YE-BU 14401 CBP36 WA 0.75 BU-BN 14401 CBP32C WA 1.0 S2BP32 CBP32A WA 1.0 GN-VT 14401 S2BP34 CBP34A WA 1.0 CBP34C WA 1.0 VT-BN VT-BN 14401 14401 GN-VT 14401 C11-A-08 CBP32C WE 1.0 GN-VT 14398 C44-A-B3 CBP32C WE 1.0 GN-VT 14405

MINI FUSÍVEL #36

+

24V REV POS C11-A-20 PARADA LÂMPADA TRASEIRA DIREITA C1LS19

DO TERRA DO TERRA

1.2.0

B_GD184C WE 1.5 BK-GY 14398 C1AT10-A-10 A_GD152 WE 1.5 BK-BU 14398 C1AT10-A-04 CAT16D WE 2.5 S1AT16D GY-BN 14405

C1-03 C1-09 C1-10 C1-11 C1-12 C1-13

NÃO USADO CBP32B WA 1.0 GN-VT 14401 KL30 (MÓDULO EXP TBS) TERRA (SAÍDA) SINAL DE IGNIÇÃO NÃO USADO NÃO USADO CAN-ALTO (MÓDULO EXP TBS) CAN-BAIXO (MÓDULO EXP TBS) TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30) LUZES_ESTACIONAMENTO_ESQ_(75W) LUZES_LATERAL_ESQ_(126W) LÂMPADA_FREIO_REBOQUE_(168W) LUZES_LATERAL_DIREITA_(126W) LUZES_ESTACIONAMENTO_DIREITA_(75W) LUZ_TRASEIRA_(84W) C1LS14-03 3 CBP32B WA 1.0 GN-VT 13A318

CBP34B WA 1.0 VT-BN 14401

C11-L-03

1.2.0

5 C1LS19-05

4

3

1 MUDANÇA C1LS19-02

2 B_GD151B WE 1.5 BK-GN 14405 1.2.0

C1LS19-04

CAT16 WE 1.5 C11-A-01

GY-BN 14398 S1AT16

CAT16D WE 2.5 GY-BN 14398 CAT16C WE 1.5 CAT17A WE 1.5 GY-BN 14398 WH 14398 C1AT10-A-05 C44-A-B8

C1-15 C1-04 C1-05 C1-01 C1-07 C1-02

CBP34B WA 1.0 VT-BN 13A318

C1-14

DO TERRA

CAT16A WE 2.5 GY-BN 14405 24V

REV 1 B_GD120A WA 0.75 2 BK-GN 13A318 C1LS14-02 C11-L-02 B_GD120A WA 0.75 BK-GN 14401 1.2.0 POS LÂMPADA TRASEIRA ESQUERDA C1LS18

CAT17 WE 1.5 C11-A-02

WH

14398 S1AT17 CAT17B WE 1.5 WH 14398 C1AT10-A-06 C1AT10-A-08

DO TERRA
PARADA

C1-06 C1-08

24V

C11-J-03

Kit Tractor - Nível 1 (AATAB) 15PIN 1723 - WB148’’ 1933 - WB148’’

CONECTOR DO REBOQUE
C1AT10-A

LÂMPADA LATERAL LE
C1LS14 CBP34C WE 1.0 VT-BN 14398 C1-B1 1 2 C1LS13-03 3 A_GD120D WA 0.75 A_GD120D WA 0.75 BK-GN 13A318 BK-GN 14401 C11-J-02 C1LS13-02 1.2.0 CAT16B WE 2.5 GY-BN 14405 CBP34C WE 1.0 VT-BN C1LS18-05 14405

5

4

3

1 MUDANÇA C1LS18-02

2 B_GD151A WE 1.5 BK-GN 14405 1.2.0

C1LS18-04

DO TERRA

DO TERRA

LÂMPADA LATERAL LD
C1LS13

S2BP36

CBP36A WA 0.75 BU-BN 14401 C29-A-04

CBP36A WA 0.75 BU-BN 15A404 C9LF07-A

A

B

A_GD138B WA 0.75 BK-WH 15A404 C9LF07-B

1.2.0

DO TERRA
C11-F-07

CBP32B WA 1.0 GN-VT 13N052 C1LS35-01

CN-01

CN-02

LÂMPADA DO TETO LD
C9LF07

LÂMP. DE POSIÇÃO FRONTAL LD C1LS35 CN-01 CN-02

B_GD120E WA 0.50 BK-GN 13N052 C1LS35-02

A_GD120H WA C11-F-08

0.50 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

C29-A-05 CBP36B WA 0.75 BU-BN 14401 CBP36B WA 0.75 BU-BN 15A404 C9LF06-A A B A_GD138A WA 0.75 BK-WH 15A404 C9LF06-B C11-G-07 1.2.0

CBP32B WA 1.0 GN-VT 13N052 C1LS35-01

B_GD120E WA 0.50 BK-GN 13N052 C1LS35-02

B_GD120E WA C11-G-08

0.50 BK-GN

14401

1.2.0

DO TERRA

DO TERRA

LÂMP. DE POSIÇÃO FRONTAL LE C1LS35

LÂMPADA DO TETO LE
C9LF06

Kit Tractor - Nível 2(AATAC) 15PINO 1723 - WB171’’ or WB189’’ Brasil W/ Sistema TBS
C1-03 NÃO USADO KL30_(EXP_TBS_MODULE) TERRA (SAÍDA)

2629 - WB207’’ Brasil W/ Sistema TBS
CET47 WA 0.50 C11-A-04 BU 14398 1 2 B_GD152E WE 0.50 BK-BU 14398

C1-09 C1-10 C1-11 C1-12 C1-13

1.2.0

DO TERRA

3133 - WB207’’ Brasil W/ Sistema TBS 1933 - WB189’’ Brasil W/ Sistema TBS

NÃO USADO NÃO USADO

INTERRUPTOR DE RÉ
C1ET47

C1-14 CAN-ALTO_(MÓDULO EXP TBS) C1-15 CAN-BAIXO_(MÓDULO EXP TBS) TERRA (TRN+PRK+STP+BKP+KL30)

RELÉ DAS LÂMPADAS DE BACKUP
R03 40A

DO TERRA
CAT16 WA 1.5 GY-BN 14401 CAT16 WE 1.5 C11-A-01 GY-BN 14398 S1AT16 CAT16D WE 2.5 GY-BN 14398 C44-A-B8 CAT16D WE 2.5 GY-BN 14405 S1AT16D

1.2.0

A_GD152 WE

1.5

BK-BU WH

CAT17A WE 1.5

DA DISTRIBUIÇÃO
1.0.0

SBP55 WA

1.5

WH-RD

14401 R03-06 06 04 R03-04 CET47 WA 0.50 02 08 R03-08 CAT17B WE 1.5 CAT16C WE 1.5 GY-BN 14398 ACESSO AO CLIENTE C44-C-02 CAT16C WE 1.5 GY-BN 14405 WH BU 14401

14405 14405 C1AT10-B-04 C1AT10-B-05

C1-04 C1-05 C1-01 C1-07

LUZES_ESTACIONAMENTO_ESQ_(75W) LUZES_LATERAL_ESQ_(126W) LÂMPADA_FREIO_REBOQUE_(168W) LUZES_LATERAL_DIREITA_(126W) LUZES_ESTAC_DIREITA_(75W) LUZES_BACKUP_(84W)

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP69A WA

0.50 WH-VT

14401 R03-02

S1AT17 14405 C1AT10-B-06 C1AT10-B-08

C1-02 C1-06 C1-08

RELÉ DAS LUZES DE ESTACIONAMENTO
R17 20A SBP56 WA 1.5 VT-RD 14401 R17-05 14401 R17-01 01 03

24V

CONECTOR DO REBOQUE
C1AT10-B CAT17 WA 1.5 R17-04 A_GD114AG WA R17-03 WH 0.50 14401 C11-A-02 BK-BU 14401 1.2.0 CAT17 WE 1.5 WH 14398 ACESSO AO CLIENTE C44-C-03 CAT17 WE 1.5 WH 14405

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

02 05 04

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP30G WA

0.50 YE-BU

DO TERRA

CAT16 WE 1.5 GY-BN 14398 C11-A-01 S1AT16

CAT16D WE 2.5

GY-BN 14398 C44-A-B8

CAT16D WE 2.5

GY-BN 14405 S1AT16D

DO TERRA
ACESSO O CLIENTE CAT17 WE 1.5 C44-C-03 ACESSO AO CLIENTE CAT16C WE 1.5 C44-C-02

1.2.0 .

A_GD152 WE

1.5

BK-BU WH

14405 14405 C1AT10-B-01 C1AT10-B-02

C1-01 TERRA C1-02 LÂMPADAS DE ESTAC_(75W) C1-03 LÂMPADAS LATERAL ESQ_(63W) C1-04 LÂMPADA_FREIO_REBOQUE_(168W)

CAT17A WE 1.5

ACESSO DO CLIENTE
C2-1 LÂMP. DO FREIO DO CAT16C WE 1.5 GY-BN 14398 CAT17 WE 1.5 C11-A-02 WH 14398 C1AT10-C-02 C1AT10-C-03 WH 14405 S1AT17 CAT17B WE 1.5 GY-BN 14405 WH 14405

REBOQUE (168W)
C2-2 LÂMP. TRASEIRA (84W) C2-3 LÂMP. DE ESTAC. (75W) C2-4 LÂMP. LAT. ESQ (63W).

C1-05 LÂMPADAS LATERAL DIREITA_(63W) C1-06 LÂMPADAS_ESTAC_(75W) C1AT10-B-06 C1AT10-B-07 C1-07 LÂMPADAS_BACKUP_(75W)

24V

CONECTOR DO REBOQUE
C1AT10-B

DO TERRA Todas outras versões.

1.2.0

A_GD152 WE 1.5 BK-BU 14398 C1AT10-C-06

C2-5 LÂMP. LAT. DIR (63W). C2-6 TERRA

Kit Tractor - Nível 2(AATAC) 07PIN 1723 - WB171’’ or WB189’’ W/O Sistema TBS 2629 - WB207’’ W/O Sistema TBS 3133 - WB207’’ W/O Sistema TBS 1933 - WB189’’ W/O Sistema TBS

24V

ACESSO DO CLIENTE
C1AT10-C

6.0.0 Subsistema de Iluminação Interna 13 Ton & Acima

CLN28C GN-BU

WA

0.75

14401

12.0.0

PARA MÓDULO CONFORTO

CLN28D GN-BU

WA

0.75

14401

12.0.0

PARA MÓDULO CONFORTO

CLN28E GN-BU

WA

0.75 14401

10.0.0

PARA CLUSTER

DO TERRA

1.2.0

A_GD138C BK-WH WA

0.75

15A404

CLN28

GN-BU

WA

0.75

15A404

CLN28 GN-BU C29-A-01

WA

0.75 14401 S2LN28

14401

C9LN28-01 C1-1

C9LN28-02 C1-2

0.75

12 3 1) On 2) Off 3) Ctsy C1-3 C9LN28-03 15A404

CLN28B GN-BU WA

CLN28A GN-BU WA C9PP11-B-01 C1-1
21

LÂMPADA DO TETO C9LN28

0.75 C9PP11-A-01 C1-1
21 2

0.75

14401

2

LH INTERRUPTOR DE ENTRADA DA PORTA C9PP11-B

RH INTERRUPTOR DE ENTRADA DA PORTA C9PP11-A

WA

PORTA FECHADA INTERRUPTOR ABERTO

SBP48A VT-RD

GND N CHAPA METÁLICA DA CABINA

GND N CHAPA METÁLICA DA CABINA

PORTA ABERTA INTERRUPTOR FECHADO

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

SBP48

VT-RD

WA

0.75

14401

SBP48 C29-A-02

VT-RD

WA

0.75

15A404 S9BP48 15A404 C9LN19-02 2 12 12 12 SBP48C C9LN20-02 2 12

15A404

0.75

WA

SBP48B

VT-RD

1 15A404 15A404 C9LN19-01

15A404

0.75

0.75

0.75

A_GD138D BK-WH WA

A_GD138E BK-WH WA

A_GD138F BK-WH WA

S9D138A

A_GD138

BK-WH

WA

0.75

15A404

A_GD138G BK-WH WA

0.75

15A404

LÂMPADA DE LEITURA LE 3 C9LN19 C9LN19-03 C9LN20-01

VT-RD

WA

0.75

1

3 C9LN20-03

LÂMPADA DE LEITURA LD C9LN20

1.2.0

DO TERRA

7.3.0 Subsistema do Limpador e Lavador do Para-brisa
13 Ton & Acima

RELÉ DO LAVADOR E LIMPADOR RELÉ ELETRÔNICO R20 DA DISTRIBUIÇÃO DO TERRA
1.0.0 1.2.0 CBP43B WA 2.5 GY 0.50 2.5 14401 R02-04 CN-04 14401 R02-02 CN-02 BU-GY 14401 R02-05 CN-05 BK-BU 15 31 53S 53M I T CN-06 CN-01 CN-08 CRW03 WE 1.5 R02-06 CRW17 WE 1.5 R02-01 CRW24A WA 1.5 R02-08 VT-WH GN-VT GY 14401 14401 CRW10 WE 14401 S2RW24
Luz de direção esquerda

CRW08 WE

1.5

VT-OG

14401

A_GD114BH WA VRW25 WA

1.5

BU-GN

14401

CRW24 WA

1.5

GY

14401

C2LF23-10

C2LF23-14

C2LF23-09

C2LF23-08

Luz de direção direita

GY

Luz de direção

1

5

6

4

7 LH

10 14 9

8

12

C2LF23-12

14401

C2RW28-05

C2RW28-04 C1-4 BX C1-2 TEMP C2RW28-02 GN CBP43A WA C1-3 KL15 C2RW28-03 YE C1-1 GND BK C2RW28-01

LAVADOR
I II J 0

C1-5 ALTO RD

1.5

OFF

OFF

ON ON

CRW24B WA

BUZINA
C1RW07-01 C1-1 L 2 R 3 FL/ AL LH 0

MOTOR DO LIMPADOR DO PÁRA-BRISA C2RW28

2.5

GY

14401

1.0.0

DA DISTRIBUIÇÃO

13

16 11

M

BOMBA DO LAVADOR C1RW07

DO TERRA

1.2.0

B_GD114B WA

1.5

BK-BU

14401

C1-2 C1RW07-02

INTERRUPTOR MULTIFUNCIONAL C2LF23

C2LF23-13

B_GD114A WA

2.5

BK-BU

14401

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0.0

CBP41 WA

1.5

BU

14401

1.2.0

DO TERRA

7.5.0 Subsistema da Buzina 13 Ton & Acima

INTERRUPTOR DE MULTIFUNÇÃO C2LF23
Sinal de direção esquerdo Sinal de direção direito

Sinal de Direçao
OFF

1

5

6

4

7 LH

10 14 9

8

12

LAVADOR
I II J 0

OFF

ON ON

BUZINA

L 2

R 3 FL/ AL LH 0

13

16 11

C2LF23-16

C2LF23-11

C1RH02-01

DA DISTRIBUIÇÃO

1.0

SBP60 WA 1.0 GN-RD 14401

CRH02 WA 1.0 BU-WH

14401

C1-1

BUZINA C1RH02
C1-2 C1RH02-02

B_GD114C WA 1.0 BK-BU 14401

1.2.0

PARA O TERRA