P. 1
Epicurismo e Direito

Epicurismo e Direito

|Views: 48|Likes:
Published by Max Rodrigues

More info:

Published by: Max Rodrigues on Oct 17, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

10/17/2012

pdf

text

original

Universidade Católica do Aluno: Caio Fernandes Professor: LUIS MOREIRA SIMOES Disciplina: ÉTICA GERAL E Turma

:

Salvador Rodrigues DE OLIVEIRA PROFISSIONAL 31

Epicurismo

e

Direito

Podendo ser confundido com o hedonismo puro e simples dos apetites desregrados em voga, o epicurismo, aliás, mostra-se uma corrente filosófica muito além dessa visão simplória e combatida, inclusive, quando Epicuro ainda vivia; e possuidor duma considerável semelhança com o direito. Partindo da conceituação de Miguel Reale (1910-2006) em sua obra “Lições Preliminares do Direito” de que o Direito é um conjunto de regras obrigatórias que garante a convivência social graças ao estabelecimento de limites à ação de cada um de seus membros, pode-se analogamente verificar a semelhança com o epicurismo no ponto em que este diz que a justiça não vale de si para si mesma, vez que sua utilidade se encontra no caráter relacional que a mesma sustenta. Isto é, onde há relações humanas, há justiça e, para melhor especificar o ponto que se deseja chegar, há o Direito. Outro ponto a ser considerado em questão de semelhança entre o epicurismo e o Direito é o de que a justiça é a mesma para todos, mas considerando outras circunstâncias determinadas a mesma coisa não se impõe como justa a todos, ou como diria Aristóteles (384 a.C-322 a.C) “igualdade para os iguais, desigualdade para os desiguais”. Ou seja, parte o Direito do pressuposto de que todos são iguais e inocentes até prova irrefutável em contrário, a partir do momento que um dado sujeito configura-se, por exemplo, como culpado de um crime, resta a ele sofrer pena que seria injusta aos outros, de modo que ele, desigual, recebe como conseqüência de seus atos, a desigualdade; desigualdade esta quando comparada aos sujeitos inocentes e, evidentemente, tratamento igual e justo em comparação aos sujeitos semelhantemente culpados e, por conseguinte, criminosos. Assim sendo, em paralelo com o epicurismo, o Direito reforça a ideia epicúrea de que ao passo que não se sofre o mal, há a obrigação de não causar o mesmo a outrem; caso cause, haverá

sua conseqüência que dentro do plano natural é a dor e dentro do plano jurídico é a sanção penal. dentro duma perspectiva jurídica. isto é. pois “o justo goza de uma perfeita tranqüilidade de alma. endossando a ideia de sermos justos. os três pontos epicúreos resultam numa conformidade com o Direito. andar em conformidade com a lei. qual seja prudência. Afinal. saber fazer as escolhas certas de modo a repelir as dores e atrair os prazeres. o injusto está cheio da maior perturbação”. vale o preceito da supervalorização da prudência. Portanto. andar em conformidade com o bem comum. ou ainda no epicurismo. isto é. ser correto e justo.como há em qualquer escolha. . isto é. saber fazer as escolhas certas a fim de alcançar as conseqüências aprazíveis.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->