F UNÇÕES

DE VÁRIAS VARIÁVEIS

1a Edição - 2.007

SOMESB
S OCIEDADE M ANTENEDORA DE E DUCAÇÃO S UPERIOR DA B AHIA S/C LTDA .
W ILLIAM O LIVEIRA
P RESIDENTE

S AMUEL S OARES
S UPERINTENDENTE A DMINISTRATIVO E F INANCEIRO

G ERMANO TABACOF S UPERINTENDENTE DE E NSINO, P ESQUISA E E XTENSÃO P EDRO DALTRO G USMÃO DA S ILVA S UPERINTENDENTE DE D ESENVOLVIMENTO E P LANEJAMENTO ACADÊMICO

FACULDADE DE T ECNOLOGIA E C IÊNCIAS – E NSINO A D ISTÂNCIA
R EINALDO DE O LIVEIRA B ORBA
D IRETOR G ERAL

FTC-E A D

M ARCELO N ERY D IRETOR ACADÊMICO R OBERTO F REDERICO D IRETOR DE D ESENVOLVIMENTO M ERHY
E I NOVAÇÕES

M ÁRIO F RAGA D IRETOR C OMERCIAL

J EAN C ARLO N ERONE
D IRETOR
DE

T ECNOLOGIA
E

A NDRÉ P ORTNOI
D IRETOR A DMINISTRATIVO F INANCEIRO

R ONALDO C OSTA
G ERENTE DE D ESENVOLVIMENTO E I NOVAÇÕES

J ANE F REIRE G ERENTE DE E NSINO
L UÍS C ARLOS N OGUEIRA A BBEHUSEN
G ERENTE DE S UPORTE T ECNOLÓGICO

O SMANE C HAVES C OORD. DE T ELECOMUNICAÇÕES E H ARDWARE J OÃO J ACOMEL C OORD. DE P RODUÇÃO DE M ATERIAL D IDÁTICO

M ATERIAL D IDÁTICO
P RODUÇÃO ACADÊMICA
J ANE F REIRE G ERENTE DE E NSINO A NA PAULA A MORIM
S UPERVISÃO

P RODUÇÃO T ÉCNICA
J OÃO J ACOMEL C OORDENAÇÃO C ARLOS M AGNO B RITO A LMEIDA S ANTOS
R EVISÃO
DE

T EXTO

G ECIARA DA S ILVA C ARVALHO
C OORDENADOR DE C URSO

J ONES G ARCIA DA R EVISÃO DE C ONTEÚDO

M ATA

PAULO H ENRIQUE R IBEIRO DO N ASCIMENTO
AUTOR ( A )

A DRIANO P EDREIRA C ATTAI PAULO H ENRIQUE R IBEIRO DO N ASCIMENTO
E DIÇÃO
EM

LATEX 2ε

E QUIPE A LEXANDRE R IBEIRO, A NGÉLICA J ORGE , B RUNO LEMOS C EFAS G OMES, C LAUDER F ILHO, DANILO B ARROS D IEGO D ORIA A RAGÃO, FÁBIO G ONÇALVES, F RANCISCO F RANÇA J ÚNIOR , H ERMÍNIO F ILHO, I SRAEL DANTAS, LUCAS DO VALE , MARCIO S ERAFIM , MARIUCHA P ONTE , RUBERVAL DA F ONSECA E TATIANA C OUTINHO.
Copyright c 2.007 FTC-E A D Todos os direitos reservados e protegidos pela lei 9.610 de 19/02/98. É proibida a reprodução total ou parcial, por quaisquer meios, sem autorização prévia, por escrito, da FTC-E A D - Faculdade de Tecnologia e Ciências - Ensino a distância. www.ead.ftc.br

Sumário
Bloco 1: Cálculo Diferencial e Integral em Várias Variáveis
Tema 1: Diferenciabilidade
Funções Reais de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.2 1.3 1.4 1.5 1.6 1.7 1.8 1.9 1.10 1.11 1.12 1.13 1.14 1.15 1.16 1.17 1.18 Gráfico de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . As Curvas de Nível . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1.3.1

7
7
7 8 9

Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10

Gráfico de Funções de Duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 10 Vizinhança de um Ponto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Conjunto Aberto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Ponto de Fronteira ou do Bordo. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Conjunto Fechado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Ponto de Acumulação . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 Limite de uma Função . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Propriedades Operatórias dos Limites . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Funções Contínuas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Interpretação Geométrica . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 O Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 25 As Derivadas Direcionais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Funções Implícitas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 Plano Tangente e Reta Normal . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Máximos e Mínimos de Funções Reais de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 31 1.10.1 Exercício Proposto . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19

Limites e Continuidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15

Funções Diferenciáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23

1.16.1 Derivada de uma Função Implícita . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29

1.18.1 Critério para Identificar os Extremantes Locais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 1.18.2 Valores Máximos e Mínimos Absolutos de Funções de Duas Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 32 1.18.3 Multiplicadores de Lagrange . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 33 1.18.4 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35

Tema 2: Integração
2.1 2.2 2.3 2.4 2.5

38

Integrais Duplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 38 Funções Integráveis. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Volume, Soma de Riemann e a Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 2.2.1 Propriedades da Integral Dupla . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Integrais Iteradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Integrais Duplas sobre Regiões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 2.4.1 2.5.1 2.5.2 2.6 2.6.1 Propriedades . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Região do Tipo I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Região do Tipo II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 46
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

Cálculo de Integrais Duplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 43

Integrais Duplas em Coordenadas Polares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 44

3

2.7

Massa, Centro de Massa e Momento de Inércia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 2.7.1 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49

Integrais Triplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 49 2.8 2.9 Integrais Iteradas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 50 Integrais Triplas sobre Regiões . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 2.9.1 2.9.2 2.9.3 2.9.4 2.10 2.11 2.12 2.13 Regiões do Tipo I . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 51 Regiões do Tipo II . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Regiões do Tipo III . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 52 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53

Volume . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 53 Massa, Centro de Massa e Momento de Inércia . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 Mudança de Variáveis em Integrais Duplas e Triplas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 55 Integrais Triplas em Coordenadas Cilíndricas e Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57

2.11.1 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 54 2.12.1 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 56 2.13.1 Coordenadas Cilíndricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 57 2.13.2 Coordenadas Esféricas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 2.13.3 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60

Bloco 2: Funções Vetoriais
Tema 3: Análise Vetorial
3.1 3.2

62
62

Integrais de Linha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 Integral de Linha em Campos Escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 62 3.1.1 3.2.1 3.2.2 3.2.3 3.2.4 3.2.5 3.2.6 3.2.7 3.2.8 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 63 Campos Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 O Gradiente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 O Divergente . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64 O Rotacional . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Integrais de Linha de Campos Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 65 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 67 Campos Conservativos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 68 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Integrais de Linha em Campos Vetoriais . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 64

Tema 4: Teoremas de Green, Stokes e Gauss
4.1

71

Relações entre as Integrais de Linha e de Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 O Teorema de Green. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 4.1.1 4.1.2 4.2 4.3 4.4 4.5 4.2.1 4.3.1 4.4.1 4.5.1 4 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 73 Um Pouco de História . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 76 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 Exercícios Propostos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81 Dispositivo Prático para o Cálculo do Fator . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

Campos Conservativos em Domínios Simplesmente Conexos . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 74 Superfícies Parametrizadas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 78 Área de uma Superfície . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 79 Integrais de Superfície de Campos Escalares . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 81

FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

. . . . O Teorema de Stokes . . . . . . . . . . . . . .1 Exercícios Propostos . . . .O Teorema de Gauss . . . . . . . . . 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4. . . . . . . . . . .7 83 84 86 86 FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 5 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4. . . . . . . . . . . . . .8 Um Pouco da História das Funções de Várias Variáveis . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .7. . . . .6 4. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

no espaço euclidiano representado em coordenadas cartesianas. Além disso.A PRESENTAÇÃO Caro aluno. neste caso. generalizaremos o conceito de função real de variável real para funções escalares. bem como nestes últimos (e vice-versa). generalizamos o conceito de integral definida de uma função real de variável real para funções escalares. as funções vetoriais de variáveis reais que. Veremos que. consideraremos. podem ser vistas como uma generalização das funções escalares. Além destas. Através do operador diferencial (nabla) conseguiremos estabelecer transformações entre os diferentes tipos de funções. serem convertidas entre si. h3 } e suas combinações. podendo. num dado ponto do espaço. no espaço). será necessário generalizar o conceito de integral definida para estabelecer o processo de integração de funções de mais do que uma variável real. no que toca à forma do gradiente. porém. muitas vezes. Isto leva à introdução de alguns fatores {h1 . as coordenadas. funções reais de mais do que uma variável real. Do mesmo modo. divergente e rotacional nesses sistemas de coordenadas. bem como ao aparecimento do Jacobiano no estabelecimento de uma medida de integração nas integrais iteradas ou múltiplas. tendo como referência as funções vetoriais. necessário fazer um revisão dos conceitos de derivada parcial. também. introduzindo as integrais de linha e de superfície. DA D ISCIPLINA Este material foi elaborado para servir como referência aos estudos da disciplina Funções de Várias Variáveis. Nos temas a seguir. Gauss e Stokes. estão relacionadas entre si. Prof. . ou seja. generalizaremos as integrais conhecidas. recorrendo aos teoremas de Green. introduzindo o conceito das integrais duplas e triplas. Também veremos que as integrais de linha e de superfície de funções vetoriais estão diretamente ligadas a integrais iteradas de funções escalares. ainda. com o fim de descrever vetores que variam de ponto a ponto no espaço. do curso de Licenciatura em Matemática da FTC-E A D . os versores não são imutáveis como no caso cartesiano e. portanto. De um modo análogo. h2 . que nos permitem “organizar” e “sistematizar” o processo de diferenciação para funções de mais do que uma variável real. Paulo Henrique Ribeiro do Nascimento. O resultado final é animador. tendo o cuidado de que. O mesmo acontece em coordenadas curvilíneas ortogonais. quando trabalhamos no plano e três. as funções vetoriais são transformadas numa “lista” de várias funções escalares (duas. mais uma vez. Tornar-se-á.

f : R2 (x .BLOCO 01 Cálculo Diferencial e Integral em Várias Variáveis TEMA 01 Diferenciabilidade Funções Reais de Várias Variáveis Uma função real com n variáveis é uma relação do tipo f : D → R. y ) = ln y −1 (b) f (x . y ) → R → 2x + 3y g : R3 → (x . y . f (x1 . y ) = 4x 2 − 1 (d) f (x . . portanto. A g é uma função real de três variáveis onde Dom(g ) = R3 e seu contra-domínio é R. Como x 2 + y 2 = 0 ⇔ x 2 = 0 e y 2 = 0. xn ) (mais simples) para representar funções reais de n variáveis e. também. o seu denominador não pode ser zero. . Observe que f é uma função linear. y ) = x3 x −y x 3 + 3y x2 + y2 3x + y (f) f (x . z ) → x2 3y + y2 + z2 A f é função real de duas variáveis onde Dom(f ) = R2 e seu contra-domínio é R. Observe que h é uma função racional. uma função racional e. A representação gráfica do seu domínio é. . o seu domínio Dom(f ) é o conjunto: Dom(f ) = {(x1 . . Logo. Usamos. para todo (x . A h é uma função real de três variáveis onde Dom(h) = R3 \ {(0. uma função polinomial. ou seja. z ) → R x 2 + y + 3z h : R3 \ {(0. (c) Temos. portanto: y x FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 7 . Dom(f ) = R2 \ {(0. Observe que g é. . y ) = (a) f (x . Como. pois não existem restrições nesta relação de igualdade. novamente. xn ) ∈ Rn . x 2 + y 2 + 1 > 0. Determine e represente geometricamente os domínios das seguintes funções: 3y 2 − 1 x2 + y2 + 1 x −y (e) f (x . . . y ) = x2 − y (c) f (x . . xn ) ∈ R}. portanto. 0)} e seu contra-domínio é R. . . a notação y = f (x1 . Por exemplo. com D ⊂ Rn = R × R × . uma função cujo domínio D é um subconjunto de Rn e seu contra-domínio é R. segue que x = 0 e y = 0. 0. . . 0)} → R (x . seu denominador não pode ser zero. (b) f é uma função racional e. neste caso. ER 1. também. . Dom(f ) = R2 . y . y ) = Solução: (a) Observe que Dom(f ) = R2 . 0. 0)}. × R. y ) ∈ R2 . .

ou melhor. y ) ∈ R 2 . ou seja. f (a). x 2 + y 2 ≤ −1 ou x 2 + y 2 ≥ 1}. todo o plano exceto a 1a bissetriz. y ) ∈ R2 . De fato. portanto: (e) A condição x x −y > 0 é equivalente a x − y > 0 e y − 1 > 0 ou x − y < 0 e y − 1 < 0. x2 + y 2 = 1 é a equação padrão de uma elipse com 4 centro na origem e comprimentos dos eixo maior e menor. o conjunto dos pares ordenados que possuem ordenada menor do que o quadrado da abscissa. 8 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Lembre-se que x 2 + y 2 = 1 é a equação de uma circunferência de raio 1 e centro na origem do sistema cartesiano. respectivamente.2 Gráfico de uma Função Dada uma função f : D → R. 4 y todo (x . y ) ∈ R2 . x 2 − y > 0} = {(x . ∈ R2 . a ∈ D }. y = x }. y ) ∈ R2 . A representação gráfica do seu domínio é. y ) = arcsec(x 2 + y 2 ) x y x O domínio da função é dado por Dom(f ) = {(x . y ). y −1 y 0 0 ⇒ x −y y −1 > > y y < > x 1 . Portanto.y (d) Neste caso. Dom(f ) é a região do plano formada pela circunferência e por seu exterior. −1 ≤ y x x2 x2 + y 2 ≤ 1 . y ) ∈ R2 . ∈ R2 . y ) ∈ R2 . Esta região do plano é: x y x −y > 0 = {(x . x 2 + y 2 ≥ 1}. seu gráfico é o conjunto graf(f ) = {(a. Analisemos estas funções para alguns valores de n. ou seja. como x 2 + y 2 ≤ −1 não ocorre seja qual for o par (x . a representação gráfica do domínio de f é: (g) O domínio da função é dado por Dom(f ) = (x . (f) Neste caso Dom(f ) = {(x . y ) ∈ y −1 2 R . x 1. y < x 2 }. Dom(f ) é a região do plano formada pela elipse e por seu interior. Esta região do plano é: x y x −y y −1 < < 0 0 ⇒ y y > < x 1 . y ) ∈ R2 . x − y = 0} = {(x . Como + y 2 ≥ 0. o domínio pode ser reescrito como Dom(f ) = Lembre-se que (x . y < x e y > 1 ou y > 1 e y > 1} e sua representação gráfica é: O domínio da função é o conjunto Dom(f ) = (x . Dom(f ) = {(x . temos que Dom(f ) = {(x . D ⊂ Rn . y ). (g) f (x . y ) ∈ R2 . y ) ∈ R2 . A representação gráfica do seu domínio é a região do plano que se situa abaixo do gráfico da parábola y = x 2 . para 4 4 x2 + y2 ≤ 1 . iguais a 2a = 4 e 2b = 2.

y ) → f (x . Nota 1. As curvas de nível de uma função são um recurso auxiliar para o esboço de gráficos. (x . 1. Considere. isolando-se o z desta equação. é o conjunto dos elementos do domínio de f que possuem imagens iguais a k . com x = 0. y ) = k }. y ) = de nível. x y Solução: A curva de nível é o conjunto dos pontos (x . a esfera x 2 + y 2 + z 2 = 9 de centro na origem e raio 3 é uma superfície do R3 que. portanto. ou seja. não é possível. Dada a função f (x . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 9 . y ) ∈ R2 . Para valores de n > 2. y ) ∈ R2 . o gráfico é uma curva do R2 . f (x . a representação gráfica. D ⊂ R 2 . A representação gráfica é: y Para encontrarmos as curvas de nível tomamos a equação 2 = k . o domínio da função é Dom(f ) = {(x . y ) = y em z = 3. determine e represente graficamente o seu domínio e as suas curvas −1 y Solução: Temos que x 2 −1 = 0 e. a circunferência de centro na origem e raio igual a três unido ao seu interior. y ) e uma constante k ∈ R. sua representação gráfica é: x ER 3. y ). y ) ∈ R2 que satisy fazem a 3 = ⇒ y = 2x . D ⊂ R. também. Para uma função de duas variáveis reais (n = 2) f : D → R. Sendo assim. tem-se z = ± 9 − x 2 − y 2 . ER 2. claramente. claramente. a curva de nível de f em z = k é o conjunto {(x . y ) = − 9 − x 2 − y 2 e observe que seus domínios são iguais a Dom(f ) = Dom(g ) = {(x .Funções reais de uma variável real (n = 1) f : D → R. ou seja. x 2 + y 2 ≤ 9}. as funções f (x . x = ±1}. Determine e esboce a curva de nível da função f (x . 0). ser entendido como a intersecção do gráfico de f com o plano (paralelo a xOy ) de equação z = k. x −1 com x = −1 e x = 1. agora.3 As Curvas de Nível Dados uma função z = f (x . y ) ∈ R2 . O gráfico de f é a semi-esfera superior (z ≥ 0) e o gráfico de g é a semi-esfera inferior (z ≤ 0). que é equivalente a y = k (x 2 − 1). x2 y . todo o plano exceto as retas de equação x x = −1 e x = 1. não é gráfico de uma função z = f (x . trata-se da equação de uma x reta excluindo-se o ponto (0. ou seja. Pode. De fato. Por exemplo. y ) o gráfico é uma superfície do R3 . y ) = 9 − x 2 − y 2 e g (x .

0) e (1. 1) (b) (0. Para k = 0. O domínio da função é Dom(f ) = R 2 . 0. 0) e (1. 2 y se k < 0 a equação não tem solução.4 Gráfico de Funções de Duas Variáveis Para esboçarmos o gráfico de uma função de duas variáveis f . para qualquer k < 0 a curva de nível correspondente é o conjunto vazio. 0) (c) (−1.1 Exercícios Propostos EP 1.y Para cada k = 0 temos uma parábola y = k (x − 1). 0). iii. A representação gráfica das curvas de nível é dada na figura ao lado. ou seja. deveremos determinar: i. Seja f (x . y ) = x 2 + y 2 i. Como x 2 ≥ 0 e y 2 ≥ 0. 0.1. a equação x 2 + y 2 = k é a de uma circunferência de centro na √ origem do sistema xOy e raio k . 0). as suas curvas de nível. 3) (b) (1. se k = 0 (intersecção com o plano xOy ) a equação x 2 + y 2 = 0 tem como solução o par (0. x 2 + y = k . o domínio de f . 0) e (1. ou seja. −1) EP 1. se k > 0. Esboce o gráfico das seguintes funções: (a) f (x . excluindo-se os pontos (−1. Determine a equação da curva de nível que passa pelo ponto: (a) (−1. Seja f (x . y ) = y 2 − x 2 (d) f (x . 0). o eixo das ordenadas exceto os pontos (−1. 0). 10 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA √ k x k >0 . ii.2. 0) 1. ii. 0) (c) (0. temos que. As curvas de nível são obtidas da equação f (x . as interseções com os planos coordenados. y ) = k . y ) = 1 − y 2 (c) f (x . excluindo-se os pontos (−1. Determine a equação da superfície de nível que passa pelo ponto: (a) (1. temos y = 0. A representação gráfica é: 2 x k>0 1. y ) = x 2 − 2x 3 + 3xy . y ) = ln x2 + y2 9 (a) f (x . y . −2. y ) = x 2 + y 2 (b) f (x . ER 4. ou seja.3. z ) = x 2 + y 2 − z .

y ) é uma superfície de revolução em torno de Oz . da figura: z x y (b) f (x . a curva de nível é uma reta paralela ao eixo Ox no plano z = 1. O domínio é Dom(f ) = R2 ii. ou seja. pelas figuras: y z z x x y Concluímos que o gráfico é um parabolóide de revolução. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 11 . a origem do sistema xOy ). Graf(f ) ∩ xOz : Fazendo y = 0 na equação z = x 2 + y 2 obtemos z = x 2 . Graf(f ) ∩ y Oz : Fazendo x = 0 na equação z = x 2 + y 2 obtemos z = y 2 . y ) = 1 − y 2 i. y ) = k .Como todas as curvas de nível são circunferências com centros em (0. 1 − y 2 = k . respectivamente. 0). xOz e y Oz é dada. temos y = 0. As curvas de nível são obtidas da equação f (x . que é a equação de uma parábola obtida em xOz . 1 − k < 0) a curva de nível correspondente é o conjunto vazio. z = 1 e x variando em R. A representação gráfica das interseções com os planos xOy . Então. Logo para k > 1 (isto é. k = 1. obtemos y = ± 1 − k . iii. Graf(f ) ∩ xOy : Já foi obtido e corresponde à curva no nível z = 0 (no caso. concluímos que o gráfico de f (x . que é a equação de parábola obtida em y Oz . Interseções com os planos coordenados. Isolando-se a variável y √ nesta equação.

y assume dois valores (y = ± 1 − k ). é uma diretriz. Intersecções com os eixos coordenados Graf(f ) ∩ xOy : z = 0 ⇒ 1 − y 2 = 0 ⇒ y = ±1. as retas de equação y = −1 e y = 1. de equação z = 1 − y 2 . k < 1 x x √ − 1 − k. Então. 1) x y 12 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . z (0. Representação gráfica: y 1 z 1 z x −1 x y Portanto. com x variando em R e z = k . ou seja. Graf(f ) ∩ y Oz : Fazemos x = 0 e temos z = 1 − y 2 . ou seja. que é a equação de uma parábola no plano y Oz . a reta de equação y = 0 e z = 1. Graf(f ) ∩ xOz : y = 0 ⇒ z = 1 − 02 = 1. podemos concluir que o gráfico é de uma superfície cilíndrica de geratrizes paralelas ao eixo Ox tal que a parábola do plano y Oz . A representação gráfica das curvas de nível é dada na figura: y y √ 1 − k. 0. k < 1 iii.√ k < 1. a curva de nível é constituída de duas retas paralelas a Ox no plano z = k .

obtemos z = −x 2 .k <0 y k < 0 então −k > 0 e. Neste caso. ou seja. k > 0 podemos reescrever a equação y 2 − x 2 = k como y2 − k z √ k . assim. que é equivalente a x = y ou x = −y . com focos sobre o eixo Ox . A figura ao lado representa graficamente os traços sobre os planos coordenados xOz e y Oz . O gráfico de funções z = f (x . y 2 − x 2 = k . O domínio da função é Dom(f ) = R2 . Intersecções com os planos coordenados Graf(f ) ∩ xOy : Já foi obtido e corresponde à curva no nível z = 0. z z x y O gráfico da função é. (c) f (x . y ) que possuem apenas uma variável independente (x ou y ) são de superfícies cilíndricas. k k uma hipérbole. assim. que é a equação de uma parábola de vértice na origem do plano xOz e foco sobre o semi-eixo negativo das cotas.Nota 2. Graf(f ) ∩ xOz : Fazendo y = 0 na equação z = y 2 − x 2 .k >0 x2 = 1 e. A representação gráfica da curvas de nível obtidas é dada na figura ao lado: iii. para cada valor de k . y ) = y 2 − x 2 i. podemos reescrever a equação x2 y2 y 2 − x 2 = k como − = 1. temos. As curvas de nível são obtidas da equação f (x . Logo para k = 0 temos x 2 = y 2 . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 13 . y ) = k . ii. também. uma hipérbole k com focos sobre o eixo Oy . um parabolóide hiperbólico (sela). Graf(f ) ∩ y Oz : Fazendo x = 0 na equação z = y 2 − x 2 . temos. √ −k . obtemos z = y 2 . porém. Os pontos que satisfazem essas equações correspondem às bissetrizes dos quadrantes ímpares e dos pares do plano xOy . que é a equação de uma parábola de vértice na origem do plano y Oz e foco sobre o semi-eixo positivo das cotas. respectivamente. portanto.

o domínio é Dom(f ) = R2 \ {(0. 0)} 9 x2 + y2 9 = k . que é equivalente a z = 2[ln |x | − ln(3)]. 9 x2 + y2 9 e −3 3x −1 1 y Graf(f ) ∩ y Oz : Fazendo x = 0 na equação z = ln obtemos z = 2 ln |y |. 9e e y √ ek Podemos perceber que o seu eixo maior está sobre o eixo Ox e é √ sempre três vezes maior que o seu eixo menor que está situado sobre 3 ek x o eixo Oy . Como e k > 0 para todo k . Como x2 + y2 9 x2 + y 2 > 0. o da seguinte superfície: 14 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Graf(f ) ∩ xOz : Fazemos y = 0 na equação z = ln obtemos z = ln z z x2 + y2 9 e x2 . ou seja. então a curva de nível em z = k é formada por elipses cuja equação 9 x2 y2 padrão é k + k = 1. que é equivalente a ii. ln 2 x + y 2 = e k . As curvas de nível são obtidas da equação f (x . + y 2 = 1. y ) = ln i. portanto. A representação gráfica da curva de nível é dada pela figura ao lado: iii. A representação gráfica dos traços obtidos com os planos coordenados xOz e y Oz é feita na figura ao lado: O gráfico é. y ) = k .z x y (d) f (x . Intersecções com os planos coordenados x2 Graf(f ) ∩ xOy : Fazemos z = 0. ou seja. que é a 9 equação de uma elipse.

z ) = x 2 + y 2 + z 2 . y . 0. Determine e represente graficamente as superfícies de nível da função f (x . se k > 0. Então: se k < 0. de modo análogo. . . o conjunto vazio. 0). então a superfície é esférica de centro em (0. em particular. Dada uma função z = f (x1 . . . Seja a equação x 2 + y 2 + z 2 = k . 0. xn ) a superfície de nível de f em z = k é definida. às curvas de nível para n = 2. claramente. 0) e √ raio k . se k = 0. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 15 . então a superfície de nível é o ponto (0. então a superfície de nível é. as funções reais de duas ou três variáveis. z y A representação gráfica das superfícies de nível é dada pela figura ao lado: x Limites e Continuidade Aqui estudaremos o limite e a continuidade de funções reais com n variáveis. ER 5.z y x Nota 3.

Nota 4. r ) ⊂ A. . uma vizinhança de a = (a1 . centrado em a = (a1 . ||x − a|| < r }. a2 . o interior de uma esfera de raio r e centro em a. é um conjunto de pontos que satisfazem (x1 − a1 )2 + (x2 − a2 )2 < r que é equivalente a (x1 − a1 )2 + (x2 − a2 )2 < r 2 . Um subconjunto A ∈ Rn é um aberto do Rn se. x2 ) Assim sendo. também. 2). de raio 3. x2 ) ∈ R2 . nas disciplinas ligadas à álgebra. Graficamente. B (a. r ) = {x = (x1 . Este conceito é muito utilizado no estudo dos limites de uma função real com n variáveis reais. y x 1. . . n ≥ 2. Os subconjuntos próprios (∅ e o Rn ) são. por exemplo. r ) ⊂ A. x3 ) ∈ R3 .5 Vizinhança de um Ponto A bola aberta ou vizinhança de centro em a = (a1 . x2 . de raio r > 0. (x1 − 1)2 + (x2 − 2)2 < 9}. 1 2 x1 z Analogamente. a) = ||x − a|| = (x1 − a1 )2 + . abertos. Utilizaremos. B (a. ou seja. r ) é o interior de um círculo de raio r . são uma generalização dos intervalos abertos em R. a3 ) é: B (a. topologia e análise. (x1 −a1 )2 +(x2 −a2 )2 +(x3 −a3 )2 < r 2 }. para todo a ∈ A. a norma euclidiana d (x . ∃r > 0. r ) = {x = (x1 . Os conjuntos abertos do Rn . Os conjuntos abertos são demasiadamente importantes e tratados. a2 ) e é chamado de disco aberto de centro em a e raio r . . x1 x2 x A vizinhança do ponto (1.6 Conjunto Aberto Um dos principais conceitos da Matemática é o que apresentaremos agora. também. uma vizinhança do ponto a ∈ R2 . aqui. . an ) ∈ Rn e de raio r > 0 é dada por B = B (a. cuja representação gráfica é o disco da figura ao lado. 16 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . . A ⊂ Rn é aberto ⇔ ∀ a ∈ A. r ) = {a ∈ Rn . existe r > 0 tal que B (a. y (x1 . x2 r B (a. + (xn − an )2 .1. é o conjunto {x ∈ R2 . (x1 − a1 )2 + (x2 − a2 )2 < r }.

. |b − b1 |. temos que a1 < a < a2 e b1 < b < b2 . (d) VERDADE. Verifique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas. temos 0 < r < r . então ∂ A = {(0. r ). (e) Seja a ∈ Rn e r > 0. a2 ) × (b1 . . . . O conjunto A = {(a1 . não está contida em A. a2 ) × (b1 . r ). . O vazio e o próprio Rn são também fechados. (a) FALSO. (a) Se a ∈ Rn e r > 0. 0. O ponto a é um ponto de fronteira ou do bordo de A se toda vizinhança de a intercepta A e o seu complemento Rn ⊂ A. (a) O conjunto A = {(a1 . pois. B (a. x2 ) ∈ Rn . . (c) FALSO. Denota-se o conjunto dos pontos de fronteira ou do bordo de A por ∂ A. para todo r > 0. (c) Considere A = Rm . m < n.1 Teorema. r ) é um aberto do Rn . . . |a − a2 |. γ > er = γ . . O conjunto A = Rm não é um aberto em Rn . r ) ⊂ B (a. Assim. (b) A = R é um aberto de R2 .8 Conjunto Fechado Um conjunto A ⊂ Rn é dito fechado em Rn se ∂ A ⊂ A. . (b) FALSO. . b ). Verifique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 17 . . (e) VERDADE. não está contida em A. x1 > 0}. Justifique sua resposta. |x − a| = r }. B (a. Se a ∈ B (a. Um conjunto A ⊂ Rn é um aberto do Rn se A ∩ ∂ A = ∅. r ) ⊂ A. . pois. . A bola B (a. ER 7. Se considerarmos = min{|a − a1 |. pois. para todo r > 0. (d) A = (a1 . Justifique sua resposta. an )} é um aberto do Rn . 0) ∈ Rn e de raio r . não está contida em A. . a bola centrada em (a1 . Se r = r − |a − a|. se (a. . an )} não é um aberto do Rn . 1. |b − b2 |}. B (a. temos que B ((a. para todo r > 0. (c) Se A = {(x1 . . A é um aberto em Rn . temos que |a − a| < r .ER 6. . De fato. x2 ∈ R} 1. A = (a1 . x2 ). Um importante resultado é formulado a partir dos conceitos vistos e sua prova deverá ser vista em um livro de análise matemática. r ) = {x ∈ Rn . b2 ) é um aberto em R2 .7 Ponto de Fronteira ou do Bordo Considere A um subconjunto do Rn e a ∈ A. am . B (a . . r ). an ) e de raio r . . O conjunto A = R não é um aberto do R2 . a bola centrada em (a1 . 1. b2 ) é um aberto em R2 . então ∂ B (a. |x − a| ≤ r } é aberto. r ). b ) inA. (b) O conjunto F = {x ∈ Rn . r ). a bola centrada em a ∈ R e de raio r .

. a2 ) ∈ R2 . x2 ) ∈ Rn . r > 0} e ∂ W ⊂ W . 1) é ponto de acumulação de A. a2 ≤ a1 }. 1) é um ponto de acumulação de A. então: (2. Justifique sua resposta. x2 ∈ R} 1. ∂ W = {(x1 . a2 ) ∈ R2 . 1) (2. x2 . x1 + x2 + x3 ≥ r 2 . ∂ B (a. |x − a| = r } ⊂ B (a. 2) (1. então A não é fechado. . x2 . r ) ∩ A = ∅.ER 8. Observe que o conjunto dos pontos de acumulação de A é 2 {(a1 . então ∂ A = {(0. x2 ). −2) ∈ A. −2) temos que (2. (c) Se A = {(x1 . para A = {(a1 . (a) Se a ∈ Rn e r > 0. Verifique se as seguintes afirmações são verdadeiras ou falsas. O conjunto dos pontos de acumulação de A é {(a1 . a2 ) ∈ R2 . 1) x Pontos de acumulação de A x 2 Agora. x3 ) ∈ Rn .9 Ponto de Acumulação Se A é um subconjunto do Rn e a = (a1 . r ) = {x ∈ Rn . 2) não é ponto de acumulação de A. dizemos que a é um ponto de acumulação de A se toda vizinhança B de a é tal que B ∩ (A \ {a}) = ∅. 2 2 2 (b) O sólido W = {(x1 . (1. Por exemplo. r > 0} é fechado. mas não é ponto de acumulação de A. y y 2 x −1 18 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA x Pontos de acumulação de A . (1. r ). x3 ) ∈ 2 2 2 Rn . De fato. a2 > a1 } ∪ (2. y y (1. . se A = {(a1 . x1 > 0}. a2 < a1 }. an ) ∈ Rn . x1 + x2 + x3 = r 2 . pois existe r > 0 tal B (a. a2 ≥ a1 }. a2 ) ∈ R2 . De fato. .

Sabendo que f (x . ∀ (x . a norma usual ||x − a|| = |x − a| = (x − x0 )2 + (y − y0 )2 + (z − z0 )2 e a notação (x . (x . y ) = c . y ) = 1. y0 ) ∈ R2 . para todo (x . x ∈ B (a. y ) − (2.0) lim f (x . o sinal de f (x .1 Exercício Proposto 1 . y ) = x e g (x .10 Limite de uma Função Considere f : D ⊂ Rn → R uma função e a um ponto de acumulação de D .y0 ) Dado > 0. y ) é o mesmo de L. Dizemos que L ∈ R é o limite de f (x ) em a se. (x . temos que (x − 2)2 ≤ (x − 2)2 + (y − 1)2 e |x − 2| + 3|y − 1| ≤ (x − 2)2 + (y − 1)2 + 3 (x − 2)2 + (y − 1)2 ≤ 4 (x − 2)2 + (y − 1)2 ≤ 4||(x . dada uma função f (x .z0 ) lim f (x .y )→(x0 . y . y ) = x0 e lim g (x . para todo (x . y ) > 0. δ) ∩ A ⇒ |f (x ) − L| < ). existe δ > 0 tal que. Nota 5. y ) − (2. y ). y ) = c . ainda. 1)|| < δ ⇒ |x + 3y − 5| < 4δ = . (x . y ) = L. a = (x0 . (x . y . se (x . ou. y ) ∈ V \ {(x0 . y0 )}. y ) ∈ R2 e (x0 . z ) = L. y ) ∈ R2 . que |f (x ) − L| < . y ) ∈ {(x . y ) − 5| = |x + 3y − 5| = |x − 2 + 3(y − 1)| e.y0 ) lim f (x . (x .y )→(2. prove os seguintes limites EP 1. Para uma função f : D ⊂ R2 → R consideraremos x = (x . y ) = L.y0 ) lim f (x . y ) = (1. y ) = y . 0 < ||x − a|| < δ ⇒ |f (x ) − L| < . y ) = y0 .3.1. se x ∈ B (a. y ) = 4 e. então (x .y )→(x0 . y )−(1. c ∈ R. 4 . Prove que (x . |x − 2 + 3(y − 1)| ≥ |x − 2| + 3|y − 1|.z )→(x0 . z0 ). ∃ δ > 0. a norma usual ||x − a|| = |x − a| = (x − x0 )2 + (y − y0 )2 e a notação lim f (x . 1)||. temos f (x . Como |x − 2| = |y − 1| = (y − 1)2 ≤ (x − 2)2 + (y − 1)2 . 2) se (x .y0 ) lim f (x . [Conservação do sinal]Se lim f (x .y )→(x0 . g (x . (b) (a) (x . De modo geral. para todo > 0. z ).1) lim (x + 3y ) = 5 Solução: Observe que |f (x .y )→(x0 .) . y ) = 1. considere δ = 1. |(x .2) g (x .y )→(x0 .y .y )→(x0 . x →a lim f (x ) = L ⇔ (∀ > 0. ∃ δ > 0. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 19 .y0 ) 1. (x . Por exemplo.10. para todo (x . a = (x0 . y0 ).y )→(1. ER 9. de acordo com a desigualdade triangular. para f (x .y0 ) Para uma função f : D ⊂ R3 → R consideraremos x = (x . então. Simbolicamente. y0 . x →a lim f (x ) = L ⇔ (∀ > 0.2 Teorema. então existe uma vizinhança V de (x0 .y )→(1. y ) = (1. y ) = 1. 0)| < 1. y ) = 4x temos 1}. Segue que ||(x . Dados f (x . y ) = x2 + 2 .y0 . δ) ∩ A. 2) lim .3 Teorema. y0 ) tal que. y ) ∈ R2 .

Calcule lim 3x 2 − 2y 3 . (x . y0 ). para isso.2) lim 2y 3 3 = (x . ||x − a|| < δ ⇒ |f (x ) − f (a)| < ) . y )] = L1 · L2 .y0 ) lim f (x . x →a Nota 7. que (x0 . Se lim f (x . x −3 3 lim (x . As propriedades do limite para as funções de duas ou mais variáveis são análogas às do limite de funções de uma variável e as provas seguem da definição. eliminar a indeterminação por cancelamento de fatores.y )→(1. xy − 1 (x .y )→(1. y0 ) é. Observe. y ) = L2 .y )→(x0 . y ).y )→(1. Em alguns casos.y0 ) (x . xy − 1 1 · (−1) − 1 −1 − 1 2 Nota 8. De forma equivalente.y )→(x0 . y0 ). Dizemos que f : D ⊂ Rn → R é contínua em a ∈ D se.y )→(x0 . aqui. ER 11. a função f (x . com domínio em D ⊂ R2 e (x0 .y )→(1. (b) lim f (x ) = f (a). ∃ δ > 0. então: (x . y ) = L1 e lim g (x . y0 ) ∈ R2 um ponto de acumulação de D .4 Definição.−1) lim 3x 2 y − 2y 3 3 · 12 · (−1) − 2 · (−1)3 −3 + 2 1 = = = . y ) = f (x0 .12 Funções Contínuas > 0.y0 ) lim lim [f (x . claramente. mesmo quando o ponto não pertence ao domínio da função. g (x . y ) · g (x .y )→(1. existe δ > 0 tal que 1. se (x . y ) e g (x . Calcule lim 3x 2 y − 2y 3 . para todo ||x − a|| < δ. ER 10.y )→(1. podemos calcular o valor do limite de uma função racional bastando.y0 ) (a) (b) (c) (x . y )] = L1 + L2 .11 Propriedades Operatórias dos Limites Considere as funções f (x .2) Solução: (x . y ) é contínua em (x0 .y )→(x0 .2) (x . y ) L1 = .y )→(1. |f (x ) − f (a)| < .2) lim 3x 2 − 2y 3 = x −3 (x . temos que uma função f : D ⊂ Rn → R é contínua em a ∈ D se x →a (a) lim f (x ) existe. y ) ± g (x .y )→(x0 . y ) L2 Nota 6.y0 ) lim f (x . um ponto do domínio da função e que o limite deve existir.1. Simbolicamente: f : D ⊂ Rn → R é contínua em a ∈ D ⇔ (∀ > 0. 1−3 −2 2 1. [f (x .2) x2 − x− (x .y0 ) (x . L2 = 0. temos que. 20 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA .2) lim lim 3 · 12 − 2 · 23 3 − 16 13 = = . Análogo ao que foi visto no curso de Cálculo I.−1) Solução: (x .y )→(x0 .y )→(1.

y0 ). Claro que. x →x0 x →x0 Vamos mostrar que este limite não existe apresentando duas curvas que passam por (1. y ) ∈ C2 . então z →L1 (x . y (x )) = L ou lim f (x (y ).ER 12. As funções contínuas num ponto a têm as mesmas propriedades operatórias já descritas para os limites. L1 = f (x0 .y )→(−2. y →y0 Nota 11. 0) e são tais que FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 21 .y )→(0. seja o mesmo. Para que este limite exista devemos ter que os limites. y ) ∈ C . Calcule (x .6 Proposição. y (x )) = x →x0 L1 .1) lim x 2 − 3y . y )) = L2 . então lim f (x . y ) é continua em (x0 . onde (x . podemos pensar que. y ) = L. em qualquer uma das direções. se f é uma função racional e a pertence ao seu domínio (isto é. 1. 4 ) Solução: (a) lim (x .0) lim (x − 1) · y . com L1 = L2 .y )→(−1. y ) ∈ C1 e lim f (x . (x − 1)2 + y 2 lim Solução: Temos. ER 13. 2 x +y (b) lim sen x ·y −1 (x . dada por uma função contínua y = y (x ) (ou x = x (y )) tal que C ⊂ {(x0 . y (x )). onde (x . π x ·y −1 (x . x →x0 ER 14.y )→(x0 .1) lim 2(y + 1)2 · (x 3 − 1) . De forma análoga.0) lim (x − 1)2 + y 2 = 0.y )→(1. Determine: (a) (x . Determine (x . y (x )) não existe.y )→(−1.y )→(1. se existem duas curvas C1 e C2 tais que lim f (x .y0 ) f (x .1) x 2 − 3y (−2)2 − 3(1) 1 = =− . que (x . −12 2(y + 1)2 · (x 3 − 1) 2(y + 1)2 · (x − 1) · (x 2 + x + 1) 2(y + 1)2 · (x 2 + x + 1) = = = (1 − x ) · y 2 (1 − x ) · y 2 −y 2 Nota 9. (1 − x ) · y 2 Solução: 2 (x .5 Proposição. não anula o denominador da função). y0 )} está contido no domínio de f e y0 = y (x0 ) (ou x0 = x (y0 )). y0 ).y )→(1. Se f (x .y )→(x0 . y (x )) = L2 . então para toda curva C . e g (z ) é uma função de uma variável real tal que existe lim g (z ) = L2 . Se lim (x . y ) = L . Dada a curva C de equação y = y (x ). π ) 4 1.y0 ) f (x . aqui.y )→(0.y0 ) lim g (f (x .0) x −1=0e (x . y ) = lim f (x . x · y2 (b) x +y lim sen .y )→(x0 . usaremos a notação lim (x . 2 2 x ·y (−2) · 1 2 = sen π 0+ 4 π 0· −1 4 π = sen − 4 √ 2 =− . então f é contínua em a. temos: x →x0 lim f (x . onde (x .1) lim 2(1 + 1) · [(−1)2 − 1 + 1] = −4.y )→(−2. Nota 10.

0) lim (x − 1) · y . lim− = ∞ e lim+ = −∞.y )→(0. para (x . (x . 0)). y ) ∈ C1 . x2 · y está definida para todo (x .y )→(2. y ) ∈ R2 .y )→(2. da importân(x − 1)2 + y 2 cia de se conhecer o domínio da função: os valores (x . devem pertencer a D . Então. y →2 2 − y y →2 2 − y y →2 2 − y FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . para (x . y →0 2(x − 1)2 2 Desta forma. Portanto. y ) = (0. a função f não é contínua. 0) Solução: A expressão racional é contínua para todo (x . as curvas C1 : x = 0 e C2 : y = x 2 .y )→(1.0) lim f (x . y ) ∈ C temos que 22 (x . aqui.y )→(0.2) lim f (x . x −y 1 é D = {(x . 4 + (x 2 )2 x →0 x 2 Desta forma. y ) = (x − 1) · y é D = R2 −{(1.0) lim f (x .y )→(0. Então. y ) = (0. 0).os limites sobre elas são diferentes (análogo ao que se faz para funções de uma variável. y ) ∈ C1 . y ) = (0. x −y Solução: O domínio da função f (x . 0) se (x . a função f (x . y ) = Considere a curva C : x = 2. caso exista. y ) = lim (x − 1)2 1 = .0) lim x2 · y e. Observe que as curvas citadas contêm o ponto (0. que não existe limite neste ponto e a função. por conseguinte. Considere.2) lim 1 . y ) ∈ C2 (x . 0). Considere. Lembre-se. Observe que essa curva contém o ponto (2. 0)}. 0). por exemplo. Observe que as curvas citadas contêm o ponto (1. y ) = (0.0) lim f (x . as curvas C1 : y = 0 e C2 : x = 1. Determine os pontos de descontinuidade da função f (x . temos que (x . x4 + y2 ER 16. y ) x4 + y2 Para o ponto (0. 2) e que para (x . portanto. 0) vamos mostrar. temos que (x . De fato. usando os limites laterais). por exemplo. Calcular. y ) = lim df r ac 02 · y 04 + y 2 = 0 x →0 e para (x . x = y }. y ) = lim 1 1 1 não existe.0) lim f (x . se (x .y )→(1. temos que não existe (x . Temos que o domínio da função f (x .y )→(1. como no exemplo anterior. y ) = x2 · y x4 + y2 0 . y ) de cada uma das curvas C1 e C2 consideradas. temos que não existe (x . y ) = lim x →1 (x − 1) · 0 =0 (x − 1)2 + 02 e para (x . (x − 1)2 + y 2 ER 15. é descontínua. y ) = lim x2 · x2 1 = . . y ) ∈ C2 (x .

y ) = f (x . apenas. r (x . 1. y ) é diferenciável em (x0 . y ) em (x0 . y0 ) · (x − x0 ) + (x0 . y0 ) · ∆y = (x0 . −1). y ) tende a (x0 . y ) (x0 . y ) = 2x + 3y e o ponto (1. dizer que lim = 0 significa (x .−1) d [(x . ∂x ∂y ii. y ). y ).y )→(x0 . −1) = 2 e (1.y )→(1. y ) − z1 tende a zero “mais rápido” do que (x . y0 ) ∂x ∂y r (x . y0 ) se as seguintes condições são verdadeiras: i. que a função de mais de uma variável possuísse derivadas parciais. aqui. Se f (x . ∂x ∂y ∂x ∂y (x −x0 ) (y −y0 ) ER 18. y0 ) é de um plano que passa por ∂x ∂y r (x . y0 ) e (x0 . y0 ) · ∆y . y0 )] ER 17. ∂x ∂y ii. y ) = 2x + 3y é diferenciável em (1. y ) é diferenciável em (x0 . y0 ) · ∆x + (x0 . Dizemos que f (x . y0 ). y ) = f (x . A equação z1 = 1. y0 )] é para representar a distância entre os pontos (x . y0 ) · (x − x0 ) + (x0 . −1). y0 ) ∂x ∂y (x . −1) = 3. se fosse análoga a das funções de uma variável. (x0 . f (x0 . lim ∂f ∂f (x0 . y ) = 2x + 3y − (2 − 3) − 2 · (x − 1) − 3(y + 1) = 0. y0 ) o gráfico de f (x . y ). o que não é o caso. para todo (x . y ) ∂f ∂f = 0. y ) e (x0 . Portanto.7 Definição. para r (x . próximo de (x0 . y0 ) · (y − y0 ) + f (x0 . Determine a equação do plano tangente e a diferencial neste ponto. y )− (x0 . y0 ) é df (x0 . y0 ) · ∆x + (x0 . O plano tangente à superfície f (x . A diferencial (ou diferencial total) de f (x . y ).13 Interpretação Geométrica ∂f ∂f (x0 . (x . mais próximo desse plano. y ) = 0. y0 . ainda.8 Definição. d [(x . y0 ). y0 ) = ∂f ∂f ∂f ∂f (x0 . y0 )). Existem ii. y ). y0 ) · (y − y0 ) + f (x0 . (x0 . y0 ) · (y − y0 ) + f (x0 . y ) em (x0 .−1) lim r (x . ou seja. Seja a função f (x . Esta condição. y0 ) · (x − x0 ) + (x0 . Restringiremos o estudo da diferenciabilidade. para funções reais de duas variáveis reais definida numa vizinhança de (x0 . então i. Logo.y )→(1. requereria. y0 ). Verifique se a função f (x .Funções Diferenciáveis As funções de mais de uma variável são diferentes das funções de uma variável quando falamos de diferenciabilidade. y0 )] que f (x . y ) está. A notação d [(x . y0 ). Solução: Temos que i. ∂f ∂f (1. (x0 . Temos que r (x . y0 ). FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 23 .y0 ) d [(x . y0 )] 1. (x0 . y ) − z1 . y0 ) tem equação z1 = ∂f ∂f (x0 .

Solução: O plano tangente à superfície f (x , y ) = 2x + 3y é z = 2(x − 1) + 3(y + 1) − f (1, −1) = 2x + 3y , ou seja, é ela própria. Observe que a superfície é um plano. A diferencial no ponto é dada por df (1, −1) = 2 · ∆x + 3∆y . 1.9 Proposição. Se f (x , y ) é diferenciável em (x0 , y0 ), então é contínua em (x0 , y0 ). Prova: Devemos mostrar que
(x ,y )→(x0 ,y0 )

lim

f (x , y ) = f (x0 , y0 )

que é equivalente a
(x ,y )→(x0 ,y0 )

lim

f (x , y ) − f (x0 , y0 ) = 0.
(x ,y )→(x0 ,y0 )

Portanto, como f (x , y ) é diferenciável, temos (y − y0 ) + r (x , y ).

lim

f (x , y )− f (x0 , y0 ) =

∂f ∂f (x0 , y0 )·(x − x0 )+ (x0 , y0 )· ∂x ∂y lim

Como (x − x0 ) → 0, (y − y0 ) → 0 e r (x , y ) → 0, quando (x , y ) → (0, 0), temos que

(x ,y )→(x0 ,y0 )

f (x , y ) −

f (x0 , y0 ) = 0.
ER 19. Verifique se a função

f (x , y ) =
é diferenciável em (1, 0).

(x − 1) · y (x − 1)2 + y 2

; ;

se (x , y ) = (1, 0) se (x , y ) = (1, 0)

1

Solução: A função em questão, apesar de possuir derivadas parciais em (1, 0), não é diferenciável em (1, 0), pois não é contínua neste ponto. No exercício a seguir veremos que uma função pode ser contínua sem que seja diferenciável neste ponto. ER 20. Verifique se a função f (x , y ) =

x 2 + y 2 é diferenciável em (0, 0).

Solução: Verifique que a função não possui derivadas parciais neste ponto e, assim, pode-se concluir que não é diferenciável, apesar dela ser contínua neste ponto. Nota 12. Esboce o gráfico da superfície do exercício anterior e conclua que era de se esperar que esta função não fosse diferenciável em (0, 0), pois, neste ponto, ocorre o vértice do cone, onde não existe plano tangente à superfície. 1.10 Teorema. Se f (x , y ) possui derivadas parciais em todos os pontos de uma vizinhança de (x0 , y0 ) e as derivadas parciais são contínuas em (x0 , y0 ), então f (x , y ) é diferenciável em (x0 , y0 ). ER 21. Verifique se a função f (x , y ) =

x é diferenciável em (−1, 0) (x − y + 1)2 + y 2

Solução: Observemos, inicialmente, que o domínio da função f (x , y ) é D = R2 \ {(−1, 0)} e, para todo ponto (x , y ) ∈ D , temos que ∂f (x − y + 1)2 + y 2 − 2x · (x − y + 1) ∂ f x [−2(x − y + 1) + 2y ] (x , y ) = e (x , y ) = − . 2 + y 2 ]2 ∂x [(x − y + 1) ∂y [(x − y + 1)2 + y 2 ]2 24
FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

Como

∂f ∂f (x , y ) e (x , y ) são funções racionais de mesmo domínio D , então são funções contínuas neste ∂x ∂y

domínio. Concluímos que f (x , y ) é diferenciável em todo o seu domínio. Nota 13. Uma função racional é diferenciável em todos os pontos do seu domínio. Considerando-se que dx = ∆x e dy = ∆y , podemos, para a diferencial de uma função no ponto (x0 , y0 ), escrever ∂f ∂f df (x0 , y0 ) = (x0 , y0 ) · dx + (x0 , y0 ) · dy . ∂x ∂y ER 22. Calcule o diferencial da função f (x , y ) = cos(3xy ) + y e determine a equação do plano tangente ao π ponto , −1 . 2 Solução: As derivadas parciais de f são: contínuas em todo ponto pertencente ao R2 . Portanto, df π ∂f , −1 = 2 ∂x Temos que f π ∂f , −1 ·dx + 2 ∂y π −3π 3π −3π 3π , −1 ·dy = −3·(−1) sen − sen +1 = 3 dx + 1 − dy . 2 2 2 2 2 ∂f ∂f (x , y ) = −3y sen(3xy ) e (x , y ) = −3x sen(3xy ) + 1 e são ∂x ∂y

π π , −1 = cos − 1 = −1 e, portanto, a equação do plano tangente é: 2 2

z = −1 + 3 · x −

π 3π 3π + 1− (y + 1) = 3x + 1 − y − 3π. 2 2 2

1.14

O Gradiente

Inicialmente, relembremos dois conceitos importantes visto na disciplina de Álgebra Linear. Dados dois vetores u = (x1 , x2 , . . . , xn ) e v = (y1 , y2 , . . . , yn ), o produto escalar (ou produto interno) de u por v é dado por
n

u · v = x1 · y1 + x2 · y2 + . . . + xn · yn =
e, se u e v são vetores não nulos, então

i =1

xi · yi

u · v = |u | · |v | · cos(θ),
sendo θ o ângulo por eles formado. Trabalharemos, a partir deste ponto, com o espaço R2 , visto que podemos trabalhar, de modo análogo, com funções de mais de duas variáveis. O propósito disto se deve a questão de melhor visualização. 1.11 Definição. Se f (x , y ) é diferenciável em (x0 , y0 ), então seu vetor gradiente em (x0 , y0 ) é definido por

f (x0 , y0 ) =

∂f ∂f (x0 , y0 ), (x0 , y0 ) . ∂x ∂y π . 2

ER 23. Calcule o gradiente de f (x , y ) = cos(x 2 · y ) − x no ponto 1, Solução: Temos que

∂f ∂f = −2xy sen(x 2 · y ) − 1 e = x 2 sen(x 2 · y ) ∂x ∂y
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

25

Portanto, ∂f π 1, ∂x 2 Segue que = −2 · π π ∂f π · sen − 1 = −1 − π e 1, 2 2 ∂y 2 = − sen π 2 = −1

f 1,

π 2

= (−π − 1, −1).

1.15

As Derivadas Direcionais

Vimos que, se f (x , y ) é diferenciável em (x0 , y0 ) e u é um vetor não nulo, então ∂f ∂f ∂f (x0 , y0 ) = a · (x0 , y0 ) + b · (x0 , y0 ), ∂u ∂x ∂y em que (a, b ) = u ◦ =

u é o versor de u . Temos, então, que |u |

i.

∂f (x0 , y0 ) = ∂u

f (x0 , y0 ) · u ◦
∂f (x0 , y0 ) = | f (x0 , y0 )| · |u ◦ | · cos(θ) = | f (x0 , y0 )| · cos(θ). ∂u
1

ii. Se

f (x0 , y0 ) = 0, então

Na expressão acima, fixando o ponto (x0 , y0 ) e variando o vetor unitário u ◦ , observamos que o gradiente e, conseqüentemente, seu módulo, permanecem constantes. A variação das derivadas direcionais dependem apenas do cos(θ). Como cos(θ) ∈ [−1, 1], então, num só ponto (x0 , y0 ), encontramos derivadas direcionais de todos os valores, que vão desde −| f (x0 , y0 )| até | f (x0 , y0 )|. A maior derivada direcional é | f (x0 , y0 )| e ocorre para cos(θ) = 1 ⇒ θ = 0, ou seja, ocorre se u tem mesma direção e mesmo sentido que f (x0 , y0 ). Então, o gradiente aponta para a direção e sentido em que o crescimento da função é maior. A menor derivada direcional ocorre para cos(θ) = −1 ⇒ θ = 180◦ , ou seja, se u tem a direção do gradiente e sentido contrário a ele. A derivada direcional é nula se, e somente se, cos(θ) = 0, ou seja, se θ = 90◦ . Isto é, se u é ortogonal a f (x0 , y0 ). Como a derivada direcional na direção da tangente à curva de nível é nula. Então, o gradiente é ortogonal à tangente à curva de nível. Ou, mais simples, o gradiente é normal à curva de nível. ER 24. Dada a função f (x , y ) = cos(x 2 · y ) − x e o ponto 1, π . Determine: 2

(a) Um vetor unitário na direção em que f (x , y ) cresce mais rapidamente neste ponto e a respectiva taxa de variação de f . (b) Um vetor unitário na direção em que f (x , y ) decresce mais rapidamente neste ponto e a respectiva taxa de variação de f . (c) Vetor(es) unitário(s) na direção em que f (x , y ) permanece(m) constante(s) e a respectiva taxa de variação de f neste ponto. 26
FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA

Solução: (a) O vetor unitário na direção em que f (x , y ) cresce mais rapidamente neste ponto é o versor π u ◦ na direção de f 1, e, pelo exemplo anterior, 2

u=

(−π −

−π − 1 1)2

+

(−1)2

,

(−π −

−1

1)2

+

(−1)2

=

−π − 1 −1 √ ,√ . π 2 + 2π + 2 π 2 + 2π + 2

Segue que ∂f π 1, ∂u 2 =

f (1,

π |= 2

π 2 + 2π + 2.

(b) O vetor unitário na direção em que f (x , y ) cresce mais rapidamente neste ponto é o versor u1 na π direção de f 1, . Assim, 2 π+1 1 u1 = √ ,√ . 2 + 2π + 2 2 + 2π + 2 π π Segue que ∂f π 1, ∂ u1 2 =− π 2

f 1,

=−

π 2 + 2π + 2.

(c) São os versores ortogonais ao versor u (ou u1 ).

u2 =

−1 π+1 √ ,√ 2 + 2π + 2 2 + 2π + 2 π π

e u3 =

1 −π − 1 √ ,√ . Segue que: 2 + 2π + 2 π π 2 + 2π + 2 =− ∂f π 1, ∂ u2 2 = 0.

∂f π 1, ∂ u2 2

ER 25. A superfície de um rio se encontra no plano X OY e o seu leito é representado pela parte do gráfico da função f (x , y ) = z = −5 + x 2 que se encontra abaixo desse plano. Se um barco está situado na superfície do rio no ponto (1, 1) em que direção (e sentido) deve se deslocar para que

(a) A profundidade da água aumente mais rapidamente;

(b) A profundidade permaneça a mesma.

Solução: (a) Na direção e sentido de − f (1, 1) = −(2, 0) = (−2, 0). (b) Nas direções ortogonais ao gradiente, ou seja, nas direções e sentidos dos vetores (0, 2) e (0, −2). Podemos trabalhar com funções com mais de duas variáveis, de modo análogo ao que fazemos com funções de duas variáveis. ER 26. A densidade de massa de certo corpo (dada em g /cm3 ) é variável e, em cada ponto (x , y , z ) do corpo, é igual a f (x , y , z ) = 4x 2 + y 2 + 16z 2 . Consideremos o ponto P0 (1, 2, −1). Determine:

(a) A taxa de variação da densidade em P0 , na direção de P0 para a origem. A densidade cresce ou decresce nesta direção?

(b) A direção e o sentido em que a densidade cresce mais no ponto P0 e o valor da taxa.
FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS

27

4 4 As funções de duas variáveis f1 (x . y . 28 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . −2. y . 0 − (−1)) = (−1. 1. 2y . y . 0). 6 6 6 (b) Direção de f (P0 ) = (8. 0 − 2.√ 6 6 6 u= Logo e f = (8x . y . y ) do domínio de f . −32). z ) = C se F (x . z ) = 0. (0. para todo (x . 4. y ) = 1− x2 y4 − e f2 (x . f (x . Aqui.12 Definição. Sejam as funções F (x . uma função de 3 variáveis. z ). 1. x2 y2 Portanto. ∂u ∂f Nota 14. 0. 4 4 Vamos considerar uma elipsóide E cuja equação é Explicitando a variável z desta. y .√ . ∂u 6 6 6 6 A densidade decresce. 32z ) ⇒ f (P0 ) = (8. Geometricamente. a equação de E pode ser 4 4 escrita como F (x . y ) e a constante C ∈ R. 4. temos: z =± 1− x2 y4 − . pois ∂f (P0 ) < 0. temos que o gráfico de f é parte da superfície de nível C de F . z ) = ∂u −8x −4y −32z √ − √ + √ que é a “função derivada direcional na direção do vetor u ” dado acima. y ) é dada implicitamente pela equação F (x . se fizermos F (x .Solução: (a) O vetor (0 − 1. esta é a equação da superfície de nível 0 de F (x . y )) = C .16 Funções Implícitas x2 y2 + + z 2 − 1 = 0. O versor na direção deste vetor é −1 −2 1 √ . ∂f −8 −8 −32 −48 (P0 ) = √ + √ + √ = √ . ou seja. −32). utilizamos o teorema da conservação do sinal aplicado à função contínua (x . y . z ) = + + z 2 − 1. 1) possui a direção e sentido de P0 para a origem. z ) e z = f (x . Dizemos que f (x . y . y ) = − 4 4 1− x2 y4 − 4 4 são dadas implicitamente pela equação de E e o gráfico de cada uma destas é parte do elipsóide. A taxa de variação (ou derivada direcional) é: ∂f (P0 ) = | f (P0 )| = ∂u 64 + 16(−32)2 = √ 1184.

y0 ) = − ∂F ∂F ∂x ∂y (x0 . −1) = − e (0. y0 . z0 ) ∂ f ∂f ∂y (x0 . −1. y )) = C temos que a função de duas variáveis h(x . ∂F (0. z ) é diferenciável em (x0 . y . 1) = −2 ∂y ∂F (0. também. z ) = C . 1) = 2 ∂x ∂F (0. por essa razão. y ) diferenciável em (x0 . resolver este exercício considerando que na equação z 3 +cos(x )z 2 + y 2 z +sen(2x ) = 3. −1. A derivada de F em relação a y segue de modo análogo. z0 ) + (x0 . y0 . z0 ) + (x0 . y0 ). y0 . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 29 . 1) = 6 ∂z z ou z 3 + cos(x )z 2 + y 2 z + sen(2x ) são funções de x e y . y0 ) = − ∂ x e (x0 . y ) dada implicitamente pela equação ∂x ER 27. temos: 3z 2 ∂z ∂z ∂z ∂z ∂z ∂z + 2 cos(x )z + 2y z + y 2 = 0 ⇒ 3 · 12 + 2 cos(0)1 2 + 12 =0 ∂y ∂y ∂y ∂y ∂y ∂y ∂z ∂z ∂z ⇒ 3 · 12 + 2 cos(0)1 + 2 + 12 =0 ∂y ∂y ∂y ∂z 2 1 ⇒ =− =− ∂y 6 3 De modo análogo. y0 . Logo. y0 . Temos ∂F = − sen(x )z 2 + 2 cos(2x ) ⇒ ∂x ∂F = 2y z ⇒ ∂y ∂F = 3z 2 + 2 cos(x )z + y 2 ⇒ ∂z Portanto. y0 . Então. y0 . y ) = F (x . f (x . y . dada implicitamente pela equação F (x . Determinar z 3 + cos(x )z 2 + y 2 z + sen(2x ) = 5. z0 ) =⇒ (x0 . z0 ) ∂z ∂z A demonstração dessa propriedade é apenas uma aplicação da regra da cadeia e.y0 ) ∂F ∂F (x0 . y0 . z0 ) e (x0 . y0 ) = − ∂ x . Além disso. ∂F ∂x ∂x ∂x ∂y ∂x ∂z ∂x ∂x (x0 . −1.1.16. vamos mostrar apenas a derivada de F em relação a x . z0 ) (x0 . f (x . −1. z0 ) = 0. y0 . Na equação F (x . h(x . ∂x 3 ∂y 3 Podemos. z0 ) ∂z 0 1 0 ∂z (0. ∂z f (x0 . y ) = C . 1) para z = z (x . ∂z 1 ∂z 1 (0. calculamos a derivada em relação a x . y . ∂F (x0 . z0 ) ∂h ∂F ∂x ∂F ∂y ∂F ∂f ∂f (x0 . tal que ∂F F (x . y . z0 ) (x0 . ou seja. Solução: Seja F (x . usando a regra da cadeia. z ) = z 3 + cos(x )z 2 + y 2 z + sen(2x ). y0 . y . temos.1 Derivada de uma Função Implícita Seja a função z = f (x . y0 ) = (x0 . Fixando x e derivando em relação a y . y0 . −1) = . y )) é constante. suas derivadas são iguais a zero.

e. z ) ou y = f (x . z − z0 ) é tal que F (P0 ) · (Q − P0 ) = 0. Nestas condições. o plano tangente a S em P0 é o plano que passa neste ponto cujo vetor normal é F (P0 ). y0 . ∂x ∂y ∂z ∂F (P0 ) ∂y (y − x0 ) + z0 ∂F (P0 ) ∂z Da última equação. (P0 ). y0 )(x − x0 ) + (y − x0 ) + z0 . se o gradiente de F é não nulo. então o vetor Q − P0 = (x − x0 . numa vizinhança deste ponto. y − y0 . (P0 ) ∂x ∂y ∂z . temos: Equação Vetorial (x . Assim. z − z0 ) é ortogonal a F (P0 ). y ) e esta função também possui derivadas parciais contínuas. então. ∂x ∂y z= Substituindo as derivadas de f (x . assim.1. y . y . z ) = P0 + t · 30 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA ∂F ∂F ∂F (P0 ). z0 ). Portanto. se a derivada de F em relação a z for não nula. y − y0 . y . temos: ∂F (P0 ) z = − ∂x (x − x0 ) − ∂F (P0 ) ∂z Segue que. a superfície de nível de F (que passa em P0 ) coincide com o gráfico de uma função de duas variáveis z = f (x . Reta Normal a uma Superfície Nas mesmas condições citadas definimos a reta normal a S em P0 : reta que passa neste ponto na direção de F (P0 ). y ) em função das derivadas de F (x . o plano tangente tem equação ∂F ∂F (x0 . Ocorre o análogo se a derivada de F em relação a x ou a y é não nula em P0 . z ) é um ponto qualquer do plano tangente. teremos funções x = f (y . y ). como sendo o plano tangente ao gráfico da função f em P0 . z ). definimos o plano tangente à superfície S . o vetor Q − P0 = (x − x0 .17 Plano Tangente e Reta Normal Plano Tangente a uma Superfície Existe um resultado (Teorema da Função Implícita) que nos garante que. Então. temos que se Q = (x . se a função F (x . z ) possui derivadas parciais contínuas e sua derivada em relação a z não se anula no ponto P0 = (x0 . Isto é. ∂F ∂F ∂F (P0 )(x − x0 ) + (P0 )(y − y0 ) + (P0 )(z − z0 ) = 0.

√ 2 O plano tangente tem equação 1 1 2 1 (x − 1) + (y − 1) + √ z − √ 2 2 2 2 A reta normal tem equação vetorial 1 (x . Analogamente. 1. y0 ) são iguais a zero ou se f não é diferenciável em (x0 . para todo x ∈ V ∩ U . se existe uma vizinhança V de x0 . f (x0 ) ≥ f (x ). f (x0 ) ≤ f (x ). 2 2 2 1. Dizemos que x0 é ponto de mínimo (ou mínimo absoluto) de f . f (x0 ) ≤ f (x ).√ . se existe uma vizinhança V de x0 . y . Seja z = f (x . z ) = 1. Determinar as equações do plano tangente e da reta normal à superfície + + z 2 − 1 = 0 em 4 4 1 P0 = 1. z ) = gradiente no ponto P0 . y . x0 é ponto de máximo (ou máximo absoluto) de f . f (1.√ . Geometricamente.18 Máximos e Mínimos de Funções Reais de Várias Variáveis As definições de máximo e de mínimo para funções de várias variáveis são as mesmas que no caso de funções de uma variável. 1. Seja f : U ⊂ R n → R e x0 ∈ U . • o ponto (1. tal que. . F (x . √ . . 2 x2 y2 + + z 2 − 1. pois. y ) ∈ R2 . y ) = 1 + (x − 1)2 + (y − 2)2 . Assim. y0 ) ∈ U . y0 ) e fy (x0 . . y ) definida num conjunto aberto U ⊂ R2 . se para todo x ∈ U . f (x0 ) ≥ f (x ). 2 2 2 =0 = Solução: Façamos F (x . 2) é de mínimo para a função f (x . Dizemos que x0 é ponto de mínimo local (ou relativo) de f . y0 ) ∈ U é um ponto crítico de f se as derivadas fx (x0 . y . x0 é ponto de máximo local (ou relativo) de f . 1.Equações Paramétricas x = x0 + t · = y0 + t · = z0 + t · ∂F (P0 ) ∂x ∂F (P0 ) ∂y ∂F (P0 ) ∂z y z x2 y2 ER 28. Analogamente. tal que. √ 2 +t · 1 1 2 . para todo (x . Determinemos o 2 2 1 1 2 .13 Definição. Por exemplo. 4 4 1 F 1. se para todo x ∈ U . 2) = 1 ≤ f (x . Um ponto (x0 . z ) = x y . 1. para todo x ∈ V ∩ U . um ponto é crítico de uma função num ponto quando o gráfico da função nesse ponto não tem plano tangente ou o plano tangente é horizontal. y ) = x 2 + y 2 − 2x − 4y + 6. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 31 . ou seja. 2z .

18 Teorema. então f (x0 ) = 0. y0 ) é ponto de sela de f . y0 ) > 0 e fxx (x0 . 1 ≥ 1 − x 2 − y 2 e 1 ≥ 1 − x 2 − y 2. (c) Se H (x0 . y0 ) = 0. ou seja. fxy . y0 ) = 0. 1. y0 ). 0) é de máximo para a função g tal que g (x . y0 ) > 0). para se determinar um valor máximo ou mínimo absoluto para uma função contínua f em um conjunto fechado e limitado D .18. Sejam (x0 . como podemos identificar o maior ou menor valor que uma função assume? Esses valores são importantes para resolvermos alguns problemas de otimização. y0 ) < 0 (ou. y0 ) = 0. Seja f : U ⊂ R2 → R uma função com derivadas segundas contínuas numa vizinhança de (x0 . Segue que. como identificar localmente os pontos de máximo e de mínimo. y0 ) fxy (x0 . g (0. sendo o domínio de g o conjunto Dom(g ) = {(x . y0 ) · fyy (x0 . fyy e fyx para representar. y0 ) e fx (x0 . Se f : U ⊂ Rn → R é diferenciável em x0 e x0 é ponto de mínimo local ou de máximo local de f .• o ponto (0. f : U ⊂ R2 → R uma função com derivadas segundas contínuas numa vizinhança de (x0 .16 Definição. Nota 15. y0 ) = fy (x0 . . anteriormente. as derivadas parciais ∂ 2f ∂ 2 f ∂ 2 f ∂ 2f de segunda ordem . Então f atinge um valor máximo absoluto f (x1 .15 Teorema. 1. y0 ) = fxx (x0 . Então (a) Se H (x0 .17 Teorema. y0 ) < 0. 1. para algum ponto (x1 . y2 ) de D . y1 ) e (x2 . y0 ) − fxy (x0 .2 Valores Máximos e Mínimos Absolutos de Funções de Duas Variáveis Vimos. y0 ). Observe que utilizamos a notação fxx . respectivamente. y0 ) fyy (x0 . y1 ) e um valor mínimo absoluto f (x2 . para todo (x . y0 ) = fxx fyx fxy fyy (x0 . e .1 Critério para Identificar os Extremantes Locais Com o determinante a seguir somos capazes de determinar se um dado ponto x0 do domínio da função é um ponto de máximo. (b) Se H (x0 . x 2 + y 2 ≤ 1}.14 Teorema. y0 ) < 0). y0 ) um ponto interior do conjunto U . então (x0 . O teorema a seguir é conhecido como de Weierstrass e é um importante resultado. y ) = 1 − x 2 − y 2 . y2 ). 1. y0 ) > 0 (ou. 2 ∂y 2 ∂x ∂y ∂x ∂y ∂x 1. então f possui ponto de mínimo e ponto de máximo em U . temos que. 1. Seja f uma função contínua em um conjunto fechado e limitado D ⊂ R2 . y0 ) é ponto de máximo local de f . Se f : U ⊂ Rn → R é contínua e U é compacto. pois. de mínimo ou de sela.18. O determinante H (x0 . então (x0 . 0) = 1. y0 ) 2 = fxx (x0 . então (x0 .y0 ) fyx (x0 . 1. y ) ∈ R2 . fyy (x0 . y0 ) é ponto de mínimo local de f . fyy (x0 . O Teorema nada diz no caso em que H (x0 . y ) ∈ Dom(g ). y0 ) é chamado Hessiano de f em (x0 . Mas. y0 ) > 0 e fxx (x0 . f (x0 . temos que: 32 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA .

dá: F (x . y . Desta última relação. O volume passa. e este método se torna inaplicável. ou seja ∂x ∂y A solução é obtida. a equação dF = ∂F ∂F dx + dy = 0.• Determinar os valores de f nos pontos críticos de f em D . onde df . de onde se conclui que x = y e que K = 3x 2 . indicando que a função F não depende de z . y . ou seja. x +y ∂F ∂F e . z ) = 0 a condição subsidiária. para se livrar do termo em dz na expressão do diferencial da função cujos máximos se procura. z ) = xy z e g (x . para área dada. z ) = 0 seria dada por xy + y z + zx − K = 0. é o cubo. então. z . Lagrange descobriu uma maneira genial de simplificar o problema: o método dos multiplicadores de Lagrange. em lugar desta última. Os “métodos usuais” que mencionamos acima consistem em procurar os “pontos críticos”. Se não houvesse vínculos isto seria o mesmo que impor df = 0. o problema clássico de construir uma caixa de papelão com a forma de paralelepípedo que tenha máximo volume para uma área de papelão dada. Por exemplo. z ) = xy z (volume do paralelepípedo de arestas x . Logo.3 Multiplicadores de Lagrange O método dos multiplicadores de Lagrange é utilizado para resolver problemas de máximos e mínimos “relativos”. No problema citado acima. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 33 . igualando a zero as derivadas parciais ∂F ∂x ∂F ∂y = = y2 {K − 2xy − x 2 } (x + y )2 x2 {K − 2xy − y 2 } (x + y )2 Igualadas a zero. também. A receita para achar os pontos de máximo é igualar a zero todas as derivadas parciais. levada a equação xy + y z + zx − K = 0. respectivamente. digamos. os pontos em que todas as derivadas parciais da função a maximizar se anulam. Seja f (x . 1. temos. ∂x ∂y ou seja. • Estabelecer os valores de f na fronteira de D . • O maior e o menor valor encontrado são. y . y )) = xy K − xy . obtemos as equações 2xy + x 2 = K e 2xy + y 2 = K . o diferencial da função f . A solução decorre. x = z . O método de Lagrange oferece uma técnica mais eficiente e simétrica para eliminar a dependência em z . z (x . segue que: K − xy z= x +y que. y . y ) = f (x . y e z ) com a condição de que xy + xz + y z = k (a área total das faces é fixa e igual a 2k ). ou seja. agora. em função de x e de y . y . z ) a função da qual queremos saber os máximos e mínimos e g (x . é dado por df = ∂f ∂f ∂f dx + dy + dz ∂x ∂y ∂z Uma vez eliminado z por meio do vínculo. teríamos f (x . Vamos discutir este problema. Esta condição é denominada vínculo ou condição subsidiária. a ser uma função só de x e y . imediatamente. ou seja.18. usando a condição de área fixa para eliminar. o paralelepípedo de volume máximo. à qual se aplicam os métodos usuais. y . temos. não aparece mais o diferencial dz . quando as condições subsidiárias são muitas ou muito complicadas. o valor máximo e mínimo absoluto. pode ser formulado assim: determinar o máximo da função f (x . O problema se complica.

adicionalmente. v ) a função cujos pontos de máximo queremos localizar. Mas isso dá ∂f ∂g ∂f ∂g as condições +λ =0e +λ = 0. Trata-se. Portanto. podemos escrever df = ∂f ∂g +λ ∂x ∂x dx + ∂f ∂g +λ ∂y ∂y dy + ∂f ∂g +λ ∂z ∂z dz Mas. agora. em que λ1 e λ2 são coeficientes a determinar. que +λ = 0. Se houver n condições subsidiárias gi = 0. v ) = 0 e h(x . Assim. y ) = (0. agora. segue que y = z . y ) = 0}. temos a condição dada. na expressão ∂f ∂g anterior. mais precisamente. Das duas últimas. 0). ∂x ∂y ∂z ∂f ∂f ∂f dx + dy + dz ∂x ∂y ∂z Seja λ um número qualquer. z ) = 0. e sejam g (x . y0 ). um df independente de z e podemos ∂z ∂z localizar seus pontos de máximo impondo que df = 0.Considere o diferencial da função f df = e. o método dos multiplicadores de Lagrange para uma função real de duas variáveis reais. em que V = {(x . então. igualam-se a zero as derivadas parciais da função f + λ1 g + λ2 h. de um cubo. Adicionemos a df a quantidade λ dg . y . analogamente. y . Formalizemos. Seja f (x . impondo que o coeficiente de dz . 34 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . z . Logo. temos de igualar a zero as derivadas parciais da função f + λg . y0 ) = λ g (x0 . Com isso. df = df + λ dg . y . u . notamos que ∂x ∂x ∂y ∂y o conjunto das equações que determinam os pontos de máximo (bem como o valor de λ) é obtido da seguinte maneira: igualam-se a zero as derivadas parciais da função f + λg .19 Teorema. y ) uma função com derivadas parciais contínuas em U tal que g (x . mesmo neste caso muito simples. Logo. y . z ) = xy z . é vantajoso usar o método dos multiplicadores de Lagrange. z . z . para algum valor real λ. como λ é indeterminado. portanto. Então. seja nulo. Seja f (x . v ) = 0 condições subsidiárias. que df + λ dg = 0. y . ou seja. y ) ∈ V . ou. Note que não foi sequer necessário calcular λ. y ) uma função diferenciável num conjunto aberto U e g (x . Como. temos dg = ∂g ∂g ∂g dx + dy + dz = 0. Logo. o vínculo é g (x . Voltemos ao problema do paralelepípedo e vamos resolvê-lo pelo método de Lagrange. Uma condição necessária para que (x0 . como g (x . igualem-se a zero as derivadas parciais da função f + i λi gi Os λi são denominados multiplicadores de Lagrange. que é zero. y ) ∈ U . y0 ) ∈ V seja extremante local de f em V é que f (x0 . A generalização é imediata. para todo (x . de valor a ser determinado posteriormente. z ) = xy + y z + xz − K = 0. u . u . Um cálculo simples leva a ∂f ∂g +λ ∂x ∂x ∂f ∂g +λ ∂y ∂y ∂f ∂g +λ ∂z ∂z Das duas primeiras temos = = = y z + λ(y + z ) = 0 xz + λ(x + z ) = 0 xy + λ(x + y ) = 0 y z + λ(y + z ) = xz + λ(x + z ). temos. g (x . y . 1. A função cujos máximos procuramos é f (x . podemos determiná-lo. de onde segue que x = y . x = y = z .

5m/s .5. 15ohms /s e V = 26v olts e estiver diminuindo 0. 1cm3 /s e a temperatura diminui à razão de 0. y ) 12x √ + y + 3−15 y lim f (x . (d) O comprimento c .3) (b1 ) f(3. (b) Determine o máximo erro no cálculo da área da superfície e no cálculo de volume de uma caixa aberta retangular com altura 25m.4. O raio é de 8cm e aumenta na razão de 0. com erro máximo de 0. y ) = 4y 3 + (a1 ) f(2. onde P é a pressão. y ) = 8y + x + 15 − x 2 y 3 √ 12 √ (c) f (x . resolva os seguintes problemas: (a) Determine a quantidade de estanho numa lata cilíndrica fechada com 7. EP 1. largura 30cm e comprimento 70cm. a largura l e a altura h de uma caixa variam com o tempo. y ) = 12y 2 + 7xy + √ x √ 5 (b) f (x . y ) = 3 sen(x ) + cos(y 2 ) + 5y EP 1.−2) (a3 ) (b3 ) (x . Supor k = 10. 25m/s .18. s ) = 5r + r s 2 + 2s + 1 (d) f (x . l = 3m e h = 10m. b ).2) (x . calcule o indicado. V = I · R . todo ponto (a. y ) = 1 − x 2 − y 2 . para a função g (x . Nesse instante. Usando a Regra da Cadeia. onde c e l estão aumentando a uma taxa de 0.1) (a2 ) f(−1.9. determine as taxas nas quais o volume e a área da superfície estão variando. EP 1.4 Exercícios Propostos EP 1. 3cm em cada dimensão. A resistência R está aumentando devagar com o aumento de calor do resistor. ao passo que h está diminuindo à taxa de 0. Construa o gráfico de f (x . 04cm/s .0) (b2 ) f(6.8. t ) = (f) f (x . sendo: (a) f (x . Justifique (analiticamente) porque. Dadas as funções abaixo.y )→(1. y ) = 5x − 13y − x 2 y + 7 (b) f (x .7. resolva os seguintes problemas: (a) A altura de um cone é de 14cm e aumenta na razão de 0.6. Use a lei de Ohm.1. no instante em que o volume do gás for 400cm3 e estiver com temperatura de 40 graus e em que o volume aumenta à razão de 0. EP 1. A certo instante as dimensões da caixa são c = 5m. 018g r aus /s . Dê o conjunto domínio e calcule as derivadas parciais de 1a e 2a ordem de cada uma das funções: 24 (a) f (x . y ) EP 1. Determine a taxa de variação do volume em relação ao tempo. y ) = x 2 + y 2 − 2x − 4y + 6 (utilize o winplot) e justifique porque f não tem ponto de máximo absoluto. Usando diferencial. DADO : V = π r 2 h. se a espessura da folha de estanho for de 0. V é o volume. (b) A voltagem V de um circuito elétrico está decrescendo à medida que a bateria se descarrega. y ) = 4x + 3 + 3 y + y 3 t + + x2 2 t x √ 5 (e) f (r . (c) A lei do gás ideal é dada pela fórmula PV = kT .03 cm. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 35 . Construa o gráfico de g (utilize o winplot) e comprove o resultado. 03cm/s . para achar como a corrente I está variando no momento em que R = 30ohms e estiver aumentando 0.y )→(−3. Encontre a taxa de variação da pressão em relação ao tempo. a2 + b 2 = 1 é ponto de mínimo de g .6) lim f (x . T é a temperatura e k é a constante de proporcionalidade. 25v olts /s . 5cm de diâmetro e 15cm de altura.

com tampa. Determine a variação aproximada da diagonal deste retângulo. cujo volume é de 2744cm3. C porém. 4u . 8cm/s e que foi a leitura incorreta com ρ = 12. (a) f (x . Determine as dimensões da caixa de tal maneira que o custo seja mínimo. Interprete o sinal do resultado: a potência é reduzida ou aumentada? (d) O período T em segundos para oscilações de um pêndulo simples que tem ρcm de largura é dado pela ρ fórmula T = 2π . classifique os pontos críticos em máximo. foi feita a leitura de E = 17.m. sabendo que a temperatura T em qualquer ponto (x .11. Sabendo que E = 18v olts e C = 6 ampères. y ) = 60x + 100y − x 2 − y 2 − xy . determine o valor da variação da potência se V é aumentada de 0. 2 2 Supondo que toda a produção da indústria seja vendida. (e) Determine a temperatura mínima num disco de raio igual a 1 centrado na origem. y ) do plano é dada por T (x . encontre a variação do período T .10. denotados por A e B . sabendo que o lado x foi aumentado 0. com tampa. Supondo que todas as paredes serão feitas com o mesmo material e terão a mesma espessura. por cm2 para o fundo e tampa. (f) Determine a temperatura máxima num disco de raio igual a 2 centrado na origem. y ) = 3y 2 + x 2 − x − 7. 85cm/s 2. sendo que a quantidade de material para a sua fabricação deve ser mínima. (c) f (x . y ) do plano é dada por T (x . de 64cm3 de volume. (b) Deseja-se construir uma caixa retangular. 985 voltas e C = 6. y ) = 9xy + 7xy 2 − 3x 2 y EP 1. gastando a menor quantidade de material em sua construção. Sabendo que ρ = 13cm e g 2 g = 9. (c) Determine três números positivos cujo produto seja 100 e cuja soma seja mínima. onde g é a constante de aceleração da gravidade. Se V = 12v olts e R = R 6ohms . y ) = 3x 2 + y 2 − 18x + 6y − 3xy + 27 (a) Deseja-se construir uma caixa retangular.m. 125 ampères. sabendo que a temperatura T em qualquer ponto (x . 005cm e o lado y diminuído 0. determinar as dimensões do tanque. 95cm e g = 9. 002ohms . y ) = −y 2 − x 2 − 2x + 2y + 8. (e) Seja um retângulo com lados x = 3cm e y = 4cm. 36 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . O custo do material a ser usado é de 1u .m. determinar a variação da resistência. determinar a produção de tal modo que o lucro seja máximo. (f) A resistência de um circuito elétrico é dada por R = E ohms . O lucro da indústria pela venda de x unidades 3 3 do produto A e y unidades do produto B é dado pela função L(x . 004cm. EP 1. mínimo ou sela. por cm2 para o outro par de lados opostos. 015v olts e R é aumentada de 0. (d) Deseja-se construir um tanque com a forma de um paralelepípedo para estocar 270m3 de combustível. (g) Uma indústria produz dois produtos.(c) A potência consumida numa resistência elétrica é dada por P = V2 watts . y ) = −2y 2 x − 4x 2 y + 24xy (b) f (x . por cm2 para um par de lados opostos e 2u . Dadas as funções abaixo.

(b) = (x + 15) 5 − 2xy 3 . (b) 3y − 2x 2 + x = 0. (b1) 27.6 (a1) -34. y = 4cm e z = 2cm FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 37 . 62π cm3 /s .Gabarito 1.2 (a) z = x 2 + y 2 + 2. 4) são pontos de sela. 1.1 (a) 3y − 2x 2 + x = 0. s ) ∈ R2 . 0) são pontos de sela e (1. (d) = −tx −2 + 2x . (b) z = x 2 + y 2 − 5. = 18t 4 . ∂y 2 ∂x∂y ∂y ∂x ∂x 5 ∂x2 25 −1 −3 ∂f ∂2f ∂2f ∂2f ∂f ∂2f = 8 − 3x 2 y 2 . (6. = = 0 e Dom(f ) = {(x . = = −x −2 e Dom(f ) = {(x . (b) (0. 0007di nas /cm2 /s .7 (a) = 7y − 12x 2 . 0002cm. y = 0}. 6) é ponto de mínimo. = 18x 2 . x > 0}. 1. 1.11 (a) x = y = z = 14cm (b) x = 8cm. (d) dT = 0. (b) = −0.8 ∂x ∂x2 ∂y ∂y 2 ∂x∂y ∂y ∂x ∂v ∂I ∂P (a) = 3. (b2) -82. = 24y + 7x . t ) ∈ R2 . = −3 sen(x ). 063ohms . 0). s = . (0. = = 7 e Dom(f ) = {(x . (c) (6. (c) dP = 0. x ≥ . = 2r s + (2s + 1) 2 .380cm3 ∂t ∂t ∂t 2 e dA = 120cm . 1. (c) 3xy − 2x 3 + x 2 − 6 = 0. x = 0. 1. −3/7) é de mínimo. 052watts . y ) ∈ R2 . = 2r − (2s + 1) 2 . 0102π s . = −6x 2 y . (f) ∂r 2 ∂s ∂s2 ∂r ∂s ∂s∂r 2 ∂f ∂2f ∂f ∂2f ∂2f ∂2f = 3 cos(x ). (e) dD = −0. = −6t −3 + x −1 . (0. = −4(4x + 3) 2 . 219π cm3 . = y 3 + 24y −3 .10 (a) (0. 01266 ampères/s. (b) dv = 1. (a3) -52. y ) ∈ R2 . (c) = −0. = −4y 2 cos(y 2 ) − 2 sen(y 2 ). 0). = = 2s e Dom(f ) = (r . (c) −3 −5 ∂f ∂2 f ∂f z = x 2 + y 2 . (b3) 854.9 (a) dv = 4. = = −6xy 2 e Dom(f ) = R2 . = −2y sen(y 2 ) + 5. (a2) 2. (e) = 25r 4 + s 2 . ∂x2 ∂t ∂t2 ∂x∂t ∂t∂x ∂r 2 2 2 2 −1 −3 ∂ f ∂f ∂ f ∂ f ∂ f −1 = 100r 3 . (c) = 2(4x + 3) 2 . −9/7) e (3. 12) e (2. 1. = (x + 15) 5 − 2y 3 . ∂y 3 ∂y 2 9 ∂x∂y ∂y ∂x 4 ∂x ∂2f ∂f ∂2 f ∂2 f ∂2 f ∂f = 2tx −3 + 2. = = 0 e Dom(f ) = R2 . t = 0}. 0). 1. ∂y ∂y 2 ∂x∂y ∂y ∂x ∂x ∂x2 ∂f 1 −2 ∂2f −2 −5 ∂2f ∂2f −3 ∂f = y 3 − 12y −2 . (f) dR = 0. ∂x ∂x2 ∂y −9 4 ∂2f ∂2 f ∂2f ∂f 1 ∂2f −4 = 24.

para cada x fixo entre 0 e 2 temos uma região onde se calcula a área. b ] × [c . usando integral de uma variável. y ). y ) é positiva. o volume do sólido poderia ser definido como sendo a “soma” de todos os A(x ). z ) ∈ R3 : 0 ≤ f (x . com R = [0. y . estaremos interessados em desenvolver uma teoria que nos dê a medida do volume de um sólido qualquer. d ] e suponha que f (x . y ). se a função possuir uma expressão mais complicada. Aqui. z z y x x y Assim. por exemplo. das pirâmides. Então 1 z z= 1 1 − y4 .x = 2 2 0 1 y xy 5 5 1 0 0 =x− 1 y A(x ) = 0 x (1 − y 4 ) dy = xy − x . Lembrando que o gráfico desta função é um subconjunto do R3 . dos prismas. f (x . por exemplo. porém. Nosso objetivo é o de calcular o volume deste sólido. Por exemplo.x = 2 2 z z= 3 3 − 3y 4 . facilmente. Então. com planos paralelos ao plano xz . Comecemos por abordar este problema pensando no sólido a seguir: Considere uma função de duas variáveis f . Vamos denotá-la por A(x ). a função f : R → R. considere o sólido S = {(x . y . dos cones e das esferas. uma boa definição do volume de S parece ser 2 2 1 V = 0 A(x ) dx = 0 0x (1 − y 4 ) dy 2 dx = 0x − x 2x 2 dx = 5 5 2 = 0 8 5 Veja que outro tipo de “fatiamento” poderia ter sido feito. definida em um retângulo fechado R = [a. y ) ∈ R }. y ) = x (1 − y 4 ). dos cilindros. (x . y ) ∈ R } de várias maneiras. para todo (x . Somar em x é integrar. Teríamos obtido o mesmo valor? E. Poderíamos pensar em calcular o volume da superfície S = {(x .TEMA 02 Integração Integrais Duplas Até agora sabemos calcular o volume de alguns sólidos. (x . com algumas restrições. 5 Assim. y ) ∈ R . 1]. ainda assim isto 38 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . z ) ∈ R3 : 0 ≤ f (x . 2] × [0. Podemos “fatiar” o sólido com planos paralelos ao plano y z .

1] e a função f (x . para todo (x . y ) ∈ Q ∩ R Verifique se f é integrável. de acordo com o teorema: 2. um exemplo de função não integrável. Assim. yi ) · A(Ri ) = 0. yi ) ∈ Q × Q . O resultado é o seguinte: 2. a seguir. poderíamos usar este método? Estas e outras questões serão abordadas devidamente a seguir. então f é limitada em R . também. yi ) ∈ R2 \ Q2 . Solução: Tomemos uma partição qualquer de R e em cada Ri e escolhamos (xi . y ) = 1. uma conseqüência da definição nos dá uma forma de encontrar funções não-integráveis. logo. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 39 . Daremos uma definição formal de integral dupla e suas propriedades.1 Teorema. Discutiremos em que situações podemos calcular o volume de S da forma acima e veremos algumas outras aplicações da integral dupla. ou seja. Por exemplo. Se f é uma função integrável em R . ER 29. Considere o retângulo R = [0. 1] × [0. temos: n i =1 f (xi . restringiremos este cálculo ao gráfico de funções contínuas. isto é. nem sempre é possível. y ) = (x − y ) (x + y )3 não é limitada em [0.funciona? E. existe M > 0 tal que |f (x .1 Funções Integráveis Uma questão natural quando necessitamos integrar é: que funções de uma variável real são integráveis? Assim. 1] × [0. por um raciocínio simples.. Entretanto. que nos questionemos: quais funções de duas ou mais variáveis são integráveis? Vejamos. 2. ao escolhermos (xi . a função f (x . então f é integrável em R . definida num retângulo. se o domínio da função for outra região que não um retângulo. O resultado acima é útil no seguinte aspecto: se uma função de duas variáveis não é limitada em R então ela não é integrável em R . Dessa forma. y ) ∈ R . f não é integrável. é natural. y )| < M . A definição de integral dupla não é muito simples de se manipular. se (x . Entretanto. o limite não existe.2 Teorema. yi ) · A(Ri ) = 1. 1] (mostre como exercício). y ) ∈ Q ∩ R 0. se (x . não é integrável. O fato de se calcular o volume de um sólido delimitado pelo gráfico de uma função positiva. utilizando-se o método anterior. Se f é uma função contínua em um retângulo R . Portanto. temos n i =1 f (xi .

então: 40 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . yi ) · A(Ri ). a soma obtida parece ser uma boa aproximação do volume procurado do sólido. então. Escolhendo-se um ponto qualquer (xi . onde A(Ri ) indica a área do retângulo Ri . yi ) · A(Ri ). para todo (x . b ] × [c . se a função f é positiva e integrável em um retângulo R . Para motivar a definição de integral dupla em um retângulo R . yi ) · A(Ri ). Vamos calcular o volume de um sólido do tipo z x b a c d y y yi Ri S = {(x . queremos que A(Ri ) seja uma valor muito pequeno. y ) e (x . montemos o paralelepípedo de base Ri e altura f (xi . d ] e suponha que f (x . yi ) de Ri . Soma de Riemann e a Integral Dupla No curso de Cálculo I vimos que a integral definida de funções de uma variável era aplicada para o cálculo de áreas de certas regiões planas. 2. y . yi ) · A(Ri ). y ) ∈ R2 . Aqui. a diagonal d (Ri ) dos retângulos e façamos max d (Ri ) ir para zero. vamos tentar calcular o volume de um sólido particular usando a mesma idéia que tivemos para funções de uma variável. Portanto. y ) dA.2. Considere a região abaixo do gráfico de uma função f de duas variáveis. z ) ∈ R . y ) dA = R max d (Ri )→0 lim i =1 f (xi . o volume de S pode ser obtido por: V (S ) = R f (x . Se os retângulos Ri forem suficientemente pequenos. Então. temos a seguinte definição: 2.1 Propriedades da Integral Dupla Se f e g são funções integráveis em R e c é constante. A soma de todos os valores destes volumes é: n 3 Uma partição da região R xi x i =1 f (xi . 0 ≤ z ≤ f (x . Assim. y ) é positiva.2 Volume. Neste caso. Consideremos. y ) ∈ R } dividindo o retângulo R em pequenos retângulos Ri (esta divisão é chamada de “partição” de R ).3 Definição. que terá volume f (xi . definida num retângulo fechado R = [a. diz-se que f é integrável em R . yi ). A integral dupla de f sobre R é: n f (x . se tal limite existe. veremos que a integral dupla determinará a medida do volume de alguns sólidos (regiões do espaço).2. Na verdade. nossa intuição nos diz que o volume de S pode ser encontrado calculando n A(Ri )→0 lim i =1 f (xi .

calcular a área de cada fatia e depois o volume. y ) ∈ R }. a área da fatia é dada por d A(x ) = c f (x . para se calcular o volume de um sólido vimos que poderíamos “fatiá-lo”. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 41 . y ) dx dy = a f (x . novamente. ∀ (x . y ) ≥ 0. poderemos calcular o volume de muitos sólidos. Mas. y ) dA ≤ R g (x . y ) ≤ g (x . R c · f (x . y ) em R . fixando y entre c e d poderíamos. Lembre-se de que toda função contínua é integrável e. 0 ≤ z ≤ f (x . R [f (x . y ) dA = R c c f (x . b ] × [c . y . fazendo d d b A(y ) dy = c c a f (x . que é denominado teorema de Fubbini. d ]. Estas integrais são chamadas de integrais iteradas e. z ) ∈ R3 . Então. y ) e (x . y ) dy dx . a região S = {(x . nos diz que se f é uma função integrável. ao eixo x ou ao eixo y . y ) dA + R g (x . paralelamente. d ] e considere. o volume de S é b b d A(x ) dx = a a c f (x . y ) dA sempre que f (x . Solução: 2 1 0 3 x 2 y dx dy = 1 2 x3 y 3 3 2 dy = 0 1 9y dy = 27 e 2 3 0 1 2 x 2 y dy dx = 0 3 x2 y2 2 2 3 dx = 1 0 3x 2 27 dx = 2 2 O que obtivemos anteriormente não é uma mera coincidência. porém. ela não é uma forma muito prática de se calcular. y ) ∈ R = [a. pensemos num caso particular. y ) dy dx . y ) dA = c · R f (x .1. Seja f (x . Para cada x fixo entre a e b . se escreve apenas b a 2 3 0 d d b f (x . y ) dy dx ou c 3 0 1 2 f (x . O resultado. y ) + g (x . b ] × [c . y )] dA = R f (x . usualmente. y ) dy . a ordem a qual fazemos a integração nos dá resultados idênticos. Entretanto. y )] dA 3.4 Teorema. y ) dx dy . também. Verifique se 1 x 2 y dx dy = x 2 y dy dx . y )] dA 2. Entretanto. [de Fubini] Se f é integrável em R = [a. R f (x . assim. então d b b f (x .3 Integrais Iteradas A definição de integral dupla pode ser natural. por enquanto. y ) dx dy c a ER 30. 2. 2.

Sugestão: como são funções contínuas nos respectivos retângulos. y ) = 1 sobre D é. 2] × [0. z ). y ) = 1 e R = [1. É importante notar que. Visualize o sólido S da figura anterior. se f (x .Nota 16. 2. Como F (x . (b) f (x . D está contida num retângulo R . não importa qual retângulo tomamos. se o objetivo fosse calcular o volume do sólido limitado pela superfície f (x . y ) = 0 quando (x . 42 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Defina a função f (x . não temos a continuidade de F em R . definimos o volume do sólido S = {(x . 1] x +y ER 32. se (x . dizemos que Se f é contínua em D e se o bordo da região D é “bem comportado”. y ) dA. y ) uma função definida em D . 2] × [0. y ) ∈ R ⊂ D . A integral dupla de f (x . o domínio da região de integração da função f não é um retângulo. então f é integrável em D . aplique o Teorema de Fubini. y ) ∈ D } e 0 ≤ z ≤ f (x . o volume deste sólido. Como calcular a integral dupla sobre essas regiões? Por exemplo. Ele parece um “cilindro” de base D e altura 1. ER 31. y ) dA = D R F (x . aliás. Assim. (a) f (x . quase um século antes. 3]. y ) = 0 . Mas o que é bordo “bem comportado”? Pensemos no seguinte caso: f (x . então ela contribui em nada no cálculo da integral. como fazer? Tome uma região D limitada do R 2 . Esboce o gráfico das funções abaixo usando o Winplot e calcule as integrais duplas. mesmo f sendo contínua em D . y ) dA. (x . entretanto a versão para funções contínuas era conhecida pelo matemático francês Augustin-Louis Cauchy. y ) como sendo V (S ) = D f (x . em geral. muito freqüentemente. por definição. y ) = 4 − x 2 − y 2 sobre a região x 2 + y 2 = 1. y ) ∈ D Se a integral dupla sobre R existe.4 Integrais Duplas sobre Regiões Nem sempre e. y ) é positiva e é integrável em D . y ) = 1 em D . y . Observe que as descontinuidades ocorrem no bordo (ou fronteira) de D (veja a figura acima). Explique o que está acontecendo. e f (x . Da mesma forma que fizemos antes. O teorema acima foi provado em 1907 pelo matemático italiano Guido Fubini (1879-1943). y ) = 2y 2 − 3xy 3 e R = [1. y ) . Assim. Calcule as seguintes integrais iteradas 1 0 0 1 (x − y ) dy dx e (x + y )3 1 0 0 1 (x − y ) dx dy (x + y )3 e responda se contradiz o Teorema de Fubini. definimos a integral dupla de f em D por f (x . se (x . isto é. y ) ∈ D F (x .

FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 43 . a b x 2.2 Região do Tipo II Região do plano entre gráficos de funções contínuas de uma variável real y definidas num intervalo [c . Dizemos que D tem área se f (x . se R = [a. que regiões são deste tipo e como calcular a integral dupla? Veremos que são mais comuns dois tipos destas regiões e como podemos calcular as integrais duplas. 2. Mais explicitamente. então f é integrável em D e vale f (x . Suponha que f (x . d ]. c ≤ y ≤ d e h1 (y ) ≤ x ≤ h2 (y )}. y ) dy dx = a g1 (x ) f (x . então. vale para a integral dupla sobre D uma outra propriedade muito útil para determiná-la: 2. y ) dA + D2 f (x . As regiões com as quais iremos trabalhar são as que possuem área e um bordo “bem comportado”. d ] contém D . D = Z × Z ∈ [0.5. só que não sabemos se D “tem área”.1 Propriedades Além das mesmas propriedades vistas para integração num retângulo R . são regiões do tipo: D = {(x . b ]. d ]. Por exemplo. afinal. são regiões do tipo: D = {(x . pois existem conjuntos do plano que “não têm área”. y ) dy dx . Neste caso. y ) dA. Mas. d g2 (x ) g1 (x ) em que g1 e g2 são duas funções contínuas em [a. y ) = 1 é integrável em D e define-se a área de D por A(D ) = D 1 dA.É natural pensar que o volume deve ser 1 · A(D ).5 Proposição.5. Mais explicitamente. Se D = D1 ∪ D2 e D1 ∩ D2 tem área nula. y ) dA = D D1 f (x . em que h1 e h2 são funções contínuas em [c .1 Região do Tipo I Região do plano entre gráficos de funções contínuas de uma variável real y x definidas num intervalo [a. y ). 1] não tem área.4. 1] × [0. y ) é integrável em D1 e em D2 . y ). então f é integrável em D . y ) dA = D a c F (x . Isto não é estranho. duas regiões limitadas do plano. 2. 2. a ≤ x ≤ b e g1 (x ) ≤ y ≤ g2 (x )}. b ]. pelo Teorema de Fubini. c temos que: b d b g2 (x ) f (x .5 Cálculo de Integrais Duplas Vimos que Se f é contínua em D e se o bordo da região D é “bem comportado”. b ] × [c .

x ≤ y ≤ 1} (Desenhe a região e perceba que também podemos escrevê-la na forma D = {(x . 0 ≤ x ≤ y }). Solução: Temos. x 2 ≤ y ≤ 2x }. V (S ) = D (x 2 + y 2 ) dA. a integral proposta é igual à integral dupla de f (x . 0 ≤ x ≤ 1. ER 33. y ). y ) = sen(y 2 ) em D = {(x . Solução: 1 1+x 2 1 (x + 2y ) dA = D −1 (x + 2y ) dy dx = x2 −1 xy + y 2 1+x 2 1 x2 dx = −1 (−3x 4 − x 2 + 2x 2 + x + 1) dx = 32 15 ER 34. Calcular a D (x + 2y ) dA. Então. teremos problemas. em que D = {(x . 0 ≤ x ≤ 2. y ). A região é D = {(x . y x 44 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . e o volume V (S ) é dado pela integral dupla 2 0 1 1 0 2x (x 2 + y 2 ) dy dx = x2 216 . y ) dx dy . que descobrir a região de integração (no plano y xy ). y ). (x − 1)2 + y 2 = 1}. y ) dx dy = c h1 (y ) f (x .6 Integrais Duplas em Coordenadas Polares z Considere o problema de calcular o volume do sólido que está sob o parabolóide z = x 2 + y 2 . y ). Mas. 2 2. acima do plano xy e dentro do cilindro x 2 + y 2 = 2x . Encontre o volume do sólido S que fica abaixo do parabolóide z = x 2 + y 2 . acima da região no plano xy e delimitada pelas superfícies y = x 2 e y = 2x . 35 x ER 35. Solução: Se tentarmos calcular a integral do modo como ela aparece. sabendo-se que D é a região limitada pelas parábolas y = x 2 e y = 1 + x 2 . Então sen(y 2 ) dA = D 0 1 0 y sen(y 2 ) dx dy = 0 1 x sen(y 2 ) dy = 0 0 y 1 y sen(y )2 dy = 1 [1 − cos(1)]. Calcule 0 sen(y 2 ) dy dx . 0 ≤ y ≤ 1.Também podemos calcular a integral dupla fazendo d b d h2 (y ) f (x . neste caso. y ) dA = D c a f (x .

1 ≤ x 2 + y 2 ≤ 4. y ). temos: a 2π 1 dr dθ = R 0 0 1 dr dθ = 2π a. pois. Por exemplo: D1 = {(x . este pode ser quando mudamos o sistema de coordenadas uma vez que o valor da integral iterada não é modificada. Portanto. então as regiões D1 e D2 passam a ser. A integral dupla de f em Da é 1 dx dy = π a2 . y ) em coordenadas polares. 0 ≤ r ≤ 1. y ) dx dy = D R f (r cos(θ). R1 = {(r . note o que ocorre com f (x . Será. θ). 0 ≤ θ ≤ 2π} e R2 = {(r . Para se calcular a integral dupla de f (x . multiplicar f por um fator de correção. V (S ) = π 2 2 cos(θ) 0 −π 2 r 2 r dr dθ = 4 π 2 −π 2 cos4 (θ) dθ = 8 0 π/2 1 + cos(2θ) 2 2 dθ = 2 3θ sen(4θ) + sen(2θ) + 2 8 π 2 0= 3π 2 ER 36. 0 ≤ y } são tipos regiões circulares. Em coordenadas polares. 1 ≤ x 2 + y 2 ≤ 4. substituindo-se x = r cos(θ) e 2 2 y = r sen(θ) na equação x 2 + y 2 = 2x . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 45 . Nota 17. θ) : − V (S ) = π 2 2 cos(θ) 0 −π 2 r 2 dθ dr ? Antes de responder. 0 ≤ θ ≤ π} que são retângulos! π π ≤ θ ≤ . Calcule D (3x + 4y 2 ) dA. Da pois é a área da região Da . y ). y ) = 1 definida em Da disco de centro na origem e raio fixado a. 0 ≤ y }. porém. agora. √ 2 1 y θ V (S ) = 0 1 − √ 1−(x −1) (x 2 + y 2 ) dy dx 1 − (x − 1)2 )3 dx 1−(x −1)2 x = 0 2x 2 2 1 − (x − 1)2 + ( 3 O cálculo desta integral é muito trabalhoso e uma pergunta natural é: existe uma forma mais simples de obtê-la? A resposta é: pode existir um modo mais fácil. então. além de descrever a região e escrever a função f (x .Esta é uma região do Tipo I e. em que D = {(x . temos que r 2 = 2r cos(θ). 1 ≤ r ≤ 2. 0 ≤ r ≤ 2 cos(θ)}. y ) em coordenadas polares devemos. r sen(θ))r dr dθ. x 2 + y 2 ≤ 1} ou D2 = {(x . então. Se fizermos x = r cos(θ) e y = r sen(θ). que A região D passa a ser R = {(r . y ). A fórmula acima pode ser provada diretamente da definição de integral (soma de Riemann) e o fator r aparece quando se escreve A(Ri ) em função de r e θ. continuar com o cálculo do volume da região descrita no início do texto usando a fórmula em coordenadas polares. θ). respectivamente. se existir um modo. O que vale é a fórmula f (x . Vamos.

7. onde D é a região limitada por y = 0. EP 2. y ). Calcule as seguintes integrais duplas: (Sugestão: escreva D de forma conveniente e esboce a região D) (a) D xy dx dy . x 2 ≤ y ≤ √ x} (b) D √ (x 2 − 2xy ) dx dy . y ). 1] x +y R π } 6 (c) EP 2. Faz-se um buraco cilíndrico de raio b passando pelo centro de uma esfera de raio a. As respostas contradizem (x + y )3 EP 2. onde D = {(x . onde R = {(x . (a) Calcule o volume do buraco. 1 1 0 EP 2. y = x 2 e x = 1. Calcule as seguintes integrais duplas: (a) R (2y 2 − 3xy 3 ) dx dy . 1 ≤ x ≤ 2. onde R = [1.3. D (d) 46 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA .5. onde D = {(x . y ). onde R = {(x . y = 1 EP 2.6. Expresse esse volume em termos da altura h do anel. (b) Calcule o volume do sólido em forma de anel que restou. x = 1. 2] × [0. Determine o volume do sólido limitado pela superfície z = x e z = 0.2. Observe que esse volume depende apenas de h e não do raio a ou do raio b ! EP 2.4. Determine o volume do sólido contido no primeiro octante limitado pelo cilindro z = 9 − y 2 e pelo plano x = 2. 0 x −y dy dx e (x + y )3 1 0 0 1 x −y dx dy . Calcule as integrais iteradas o Teorema de Fubini? Explique. y ≤ x ≤ y 3 } x cos(y ) dx dy .1. x ≤ y ≤ 2 − x } (c) D e ( x /y ) dx dy . y ).Solução: (3x + 4y 2 ) dA = D 0 π 1 2 (3r cos(θ) + 42 sen2 (θ))r dr dθ = 0 π r 3 cos(θ) + r 4 sen2 (θ) 2 1 dθ = 15π 2 2.6. 1 ≤ x ≤ 4. Observe que esta fórmula dá o volume da esfera quando a = b . 0 ≤ x ≤ 1. 1 ≤ y ≤ 2. 0 ≤ y ≤ 1 dx dy .1 Exercícios Propostos EP 2. onde D = {(x . Use integral dupla para calcular a área interior à lemniscata r 2 = 2a2 cos(2θ) e exterior à circunferência de raio a. x 2 + y e os planos x = 0. 0 ≤ y ≤ 3} (b) R x sen(y ) dx dy . 0 ≤ x ≤ 1. y ).

1) e (1. (c) S é a região do primeiro octante limitada pelo cilindro x 2 + z 2 = 9 e pelos planos x = 0.10. Determine o volume do sólido S em cada um dos seguintes casos: (a) S é limitado pelos planos x = 0. Escreva as duas integrais iteradas correspondentes à integral dupla a região do plano limitada pelas curvas y = −x 2 + x + 2 e x − 2y + 1 = 0. y ) dx dy . EP 2. x = 0 e z = 0. Calcule as seguintes integrais. onde D é a região limitada pelas espirais r = θ e r = 2θ. 0) e raio 1. em que D é D (a) 0 3y e x2 dx dy (b) 0 y cos(x ) dx dy y2 2 (c) 0 arcsen(y ) cos(x ) 1 + cos2 (x ) dx dy EP 2. y = 0. Determine o volume do sólido S em cada um dos seguintes casos: (a) S é limitado superiormente pelo parabolóide z = x 2 + y 2 e sua projeção no plano xy é a região limitada por x = y 2 e x 2 = y . com 0 ≤ θ ≤ 2π. onde D é a região limitada por y = x − 6 e y 2 = x . x2 + y2 (x 2 + y 2 ) dx dy . (4.13. com a > 0. onde D é a região do primeiro quadrante limitada pela circunferência de centro (0. (c) R 1 dx dy . invertendo a ordem de integração: 1 3 3 9 1 π 2 f (x . 2). Determine o volume da região interior à esfera x 2 + y 2 + z 2 = 4a2 e exterior ao cilindro x 2 + y 2 = 2ax . (d) D EP 2. (g) D (x 2 tg(x ) + y 3 + 4) dx dy . onde R é o disco de centro na origem e raio 5. onde R é a região interior à cardióide r = 1 + sen(θ) e exterior à circunferência r = 1. (b) S é a região do primeiro octante limitada pelo cilindro x 2 + y 2 = 1 e pelos planos y = x .8. x 2 + y 2 ≤ 2} EP 2. z = 0 e x + y + z = 1. y = 0. EP 2. onde R é a região do primeiro quadrante limitada pelas circunferências x 2 + y 2 = 4 e x 2 + y 2 = 25. (b) R xy dx dy .11. (c) S é limitado pelos cilindros x 2 + y 2 = r 2 e x 2 + z 2 = r 2 . (b) S é limitado superiormente por z = xy e sua projeção no plano xy é o triângulo de vértices (1.(e) D 4y 3 dx dy . 1). onde D = {(x . EP 2. z = 0 e x + 2y = 2. y ). FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 47 . (f) D xy dx dy .12. Calcule as integrais: (a) R x dx dy .9.

Sendo assim. y ) dA = a r sen(θ)(K r )r dr dθ = 3a . . y ) ao centro (origem) é x 2 + y 2 . Seja uma lâmina ou placa fina plana cujo formato é uma região D limitada do plano. A densidade de cada ponto de uma placa semicircular é proporcional à distância ao centro do círculo. então a massa total de D deve ser “a soma das massas em cada ponto (x . onde r é a distância da partícula a esta reta. analogia a um sistema finito de partículas temos que o centro de massa da lâmina é o ponto (x . então o centro de massa seria o ponto (0. Quando a função densidade é constante (ρ(x . primeiramente. (3a)/2π).2. Encontre o centro de massa da placa. y ) dA Nota 18. y ) é chamado de centróide da lâmina (ou da região D). o ponto (x . y ) dA. Calculemos. Estendendo este conceito a uma placa de formato D com densidade de massa ρ(x . i = 1. y ) dA já que ρ(x . respectivamente: Ix = D y 2 ρ(x . . temos que as definições dos momentos de inércia com relação aos eixos x e y são. y ) dA pode ser interpretado como a massa do elemento de área dA. . é a soma m = m1 + m2 + . Solução: Vamos colocar a placa na parte superior do circulo de raio a. y ) é uma função contínua em D que representa a densidade superficial de massa. portanto.7 Massa. A distância de (x . também. . O momento de inércia polar (ou com relação à origem) é definido por I0 = Ix + Iy = D (y 2 + x 2 )ρ(x . y ) dA . y ) de D ”. Fazendo. y ) dA. y ) = k ). 48 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . O momento de inércia de uma partícula de massa m com relação a uma reta é dado por m2 . y ) = 1 M D x ρ(x . . a densidade ρ(x . (4a)/2π). para alguma constante K . + mk . faz sentido definir a massa de D como M= D ρ(x . y ) dA e Iy = D x 2 ρ(x . Observação: se 2π a densidade fosse constante. Centro de Massa e Momento de Inércia A massa total de um sistema de k partículas cuja massa de cada partícula é mi . y ) é ρ(x . 1 M D y ρ(x . Se ρ(x . Logo. temos que x = 0 e y = 3 K π a3 π 0 0 y ρ(x . o centro de massa é o ponto (0. y ). . Nas fórmulas de momento de inércia não troque x por y ! ER 37. a massa π a M= D K x 2 + y 2 dA = 0 0 (K r )r dr dθ = K π a2 . k . y ) = K x 2 + y 2 . 3 1 M D Como a região é simétrica com relação ao eixo y .

. se diz que f é integrável em P . zi ) de Pi . Para cada i = 1. Encontre a massa. O domínio destas funções são subconjuntos do R3 e não podemos mais visualizar seus gráficos. yi . q ]. A integral tripla de f sobre P é n z Pi y f (x . yi . a densidade em cada ponto é proporcional ao quadrado da sua distância à origem. . mas. (b) D é o triângulo de vértices (0. −1 ≤ x ≤ 1. y ). assim como fizemos para funções de duas variáveis. [c . y ) = x 2 . y . Claro que não podemos desenhá-lo. p ≤ z ≤ q } e f (x . (e) D = {(x . Neste caso. d ] × [p . y ) = y . (d) D é a região limitada pela parábola y 2 = x e a reta y = x − 2 e ρ(x . Pn que chamamos de partição de P . . em que V (Pi ) é o volume do paralelepípedo Pi . y ). 0 ≤ y ≤ sen(x ). Vamos nomeá-los de P1 . zi ) · V (Pi ). . n. zi ) e base Pi . . 3) e ρ(x . y . . zi )V (Pi ). y . escolha um ponto (xi . Iy e I0 das lâminas descritas nos ítens (c) e (d) do exercício anterior. . 1). y ) = x + y . 2. b ] × [c . (2. i =1 se tal limite existe.15. nos seguintes casos: (a) D = {(x . com funções de três variáveis f (x . z ) dV = P max{d (Pi )}→0 lim f (xi . Podemos formar “paralelepípedos” de “altura” f (xi . o centro de massa e os momentos de inércia de uma lâmina de formato D e densidade (x .16. b ]. Determine a massa e o centro de massa da lâmina que ocupa a região D e tem densidade ρ.1 Exercícios Propostos EP 2. EP 2. EP 2. podemos definir integrais de funções de três variáveis. 0 ≤ y ≤ 1} e ρ(x . yi . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 49 . q ] = {(x . yi . (0. y ) = xy . y ) = xy . d ] e [p . seu x “volume” é f (xi . . Integrais Triplas Trabalharemos.6 Definição. 0 ≤ x ≤ π} e ρ(x . 0). y . z ).7. visto que são subconjuntos do R4 . (b) D a região interior a circunferência x 2 + y 2 = 1 no primeiro quadrante. Apesar disto. ρ(x . z ).14. y ) para: (a) D a região do primeiro quadrante limitada pela parábola y = x 2 e a reta y = 1. (c) D é a região do primeiro quadrante limitada pela parábola x 2 = y e a reta y = 1 e ρ(x . z ) uma função definida em P . agora. Considere o paralelepípedo P = [a. y ) = 3. a ≤ x ≤ b . Determine os momentos de inércia Ix . c ≤ y ≤ d . P2 .2. Divida P em pequenos paralelepípedos dividindo os intervalos [a.

também. z ) dz dy dx = a c p a p c = ER 38. z ) dV p f (x . Solução: Se P = [0. 2. também usamos as integrais iteradas? A ordem com que se fazem as integrações deve ser levada em consideração? E quantas integrais iteradas temos? 2. então [f (x .Propriedades São válidas para a integração tripla as mesmas propriedades operatórias que valem para integrais duplas. y . y . 1] × [−1. então f é integrável em P . z ) dz dy dx = f (x . q ]. y . z ) dy dx dz f (x . e. z ) dz dx dy c b q d = c b d q f (x . z ) dV . z )] dV = P P f (x . é devido a Fubini. d ] × [p . então S 1 dV é o volume de P . Será que. onde P = [0. z ) dV = k · P f (x . a ordem com que fazemos o cálculo das integrais. z ) = xy z 2 . 2] × [0. 2] × [0. y . em que P = [0.7 Teorema. z ) dx dy dz = p f (x . também. b ] × [c . z ) = xy z 2 . y .8 Integrais Iteradas Assim como fomos capazes de calcular uma integral dupla para funções de duas variáveis definida num paralelogramo usando integrais iteradas. sempre que f (x . Note que. y . também. Calcule P f (x . y . portanto. y . y ). pois o seu resultado não se altera. não importará. Assim. que é (b − a) · (d − c ) · (q − p ). y . Porém. Calcule p x sen(y z ) dx dy dz . y e z . z ) dV . z ) = 1 (que é contínua e. capazes de calcular a integral tripla de uma função definida num paralelepípedo P usando as integrais iteradas e. então: q d c d q p a a b b q b a d b a p c q d f (x . se f (x . integrável). y . y . z ) dV ≤ P P g (x . z ) + g (x . 1]3 é o cubo de lado 1 e arestas sobre os eixos x . z ) dV s = p f (x . z ) dV k · f (x . [de Fubini] Se f é uma função integrável em P = [a. teremos 6 combinações possíveis. 50 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . 1] × [−1. y . z ) dy dz dx f (x . para calcular integrais triplas. então: xy z 2 dV = P 0 3 2 −1 0 1 xy z 2 dx dy dz = 0 3 2 −1 yz2 dy dz = 2 3 0 3z 2 27 dz = 4 4 Poderíamos obter este resultado por mais 5 diferentes maneiras. z ) dV + P g (x . temos que: se f é contínua em P . Este resultado. y . y . y . se f e g são funções integráveis em P e k ∈ R. y . 3] e f (x . Que tal você treinar um pouco e fazer algumas delas? ER 39. y ) ≤ g (x . y . assim como antes. y . seremos. como estamos trabalhando com três variáveis. principalmente. y . 3] e f (x .

não iremos discutir aqui o que significa ser “bem comportado”. Como fizemos para integrais duplas. z ) dV = S c u1 (x . z ) dV = S a u1 (x . z ) dV . y ) ∈ D . isto é. z ) dz dy dx ou d h2 (y ) h1 y u2 (x . z ) dz dx dy Atenção: Muito cuidado com a ordem de integração! FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 51 .y ) f (x .y ) f (x . e f (x . defina a função F (x . y . y . mas não em S . Novamente. y . E que tipo de regiões S são estas? Lembre que estamos no R3 e tais regiões são sólidos do espaço. ela nem sempre existe. parecido com o que apresentamos para integrais duplas. z ) dV = S P F (x . y . (x . y .9. Vamos destacar os tipos de regiões S que aparecem com maior freqüência. z ) = x sen(y z ) é positiva em P e a integral tripla resultou em um número positivo. y . A questão é saber quando esta integral existe e como calculá-la! Aliás. z ) sobre S como: f (x .1 Regiões do Tipo I Regiões em que S = {(x . z ). Definimos a integral tripla de f (x . z ) em S e assumindo valor 0 em pontos que estão em P . o que vale é que se f é contínua em S e se o bordo da região S é “bem comportado”. a integral fica b g2 (x ) g1 x u2 (x . y . Encontre um exemplo. Assim. 2. z ) uma função definida em S . y . y ) ≤ z ≤ u2 (x . y )}. y . Como antes.y f (x . quando a segunda integral existe. você pode encontrar isto feito em [BC HS ]. 2. 2 Observe que a função f (x . S está contida num paralelepípedo P . então f é integrável em S . em que u1 e u2 são funções contínuas em D e D é a projeção de S no plano xy (Ver gráfico). y .Solução: 1 1 0 0 1 1 1 0 x sen(y + z ) dV P = 0 x sen(y + y ) dx dy dz = 0 sen(y + z ) dy dz 2 1 1 1 1 1 = − cos(y + z ) dz = [− cos(z + 1) + cos(z )] dz 2 0 2 0 0 1 1 1 = − sen(z + 1) + sen(z ) = [− sen(2) + sen(1) + sen(1) − sen(0)] 2 2 0 sen(2) = sen(1) − . mas. z ) em P como sendo igual a f (x . y . y .y ) f (x . u1 (x .9 Integrais Triplas sobre Regiões Seja S uma região limitada do R3 .

z ) f (x . Projetando S no plano xz temos um disco D2 de raio 2 e centro na origem (pois. dependendo da forma da região D . √ D − y − x2 ≤ z ≤ y − x 2. z ) dy dx dz ou b h2 (x ) h1 (x ) w2 (x . podem-se ter dois tipos de integração. Vamos tentar escapar disto vendo S de outra maneira. dependendo da forma da região D : q g2 (z ) g1 (z ) w2 (x . y ) está nesta região D . então − Assim. y . Para (x . Projetando S no plano xy temos a região D limitada pela parábola y = x 2 (z = 0) e a reta y = 4 e. d g2 (y ) g1 (y ) v2 (y . dois tipos de integração.3 Regiões do Tipo III São regiões do espaço com a característica do conjunto S = {(x .z ) f (x . z ) ∈ D . Então 4 x 2 + z 2 dV = S D2 x 2 +z 2 x 2 + z 2 dy dA = D2 (4−x 2 +z 2 ) x 2 + z 2 dA = 0 2 0 2π (4−r 2 )r dθ dr = 128π 15 52 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . y .9. em que w1 e w2 são funções contínuas em D que é a projeção de S no plano xz . z ) dV = S p v1 (y . z ).z ) f (x . em que S é a região limitada pela parábola y = x 2 + z 2 e pelo plano y = 4. em que v1 e v2 são funções contínuas em D e D é a projeção de S no plano y z . Da mesma forma que antes.z ) f (x . se (x .z ) f (x . y .z ) f (x . z )}. z ) dy dz dx . z ) dV = S c v1 (y . w1 (x . z ) dV = S p w1 (x .2. x 2 + z 2 dV = S √ y −x 2 y −x 2 2 4 x 2 + z 2 dz dA = 2 √ − x2 √ y −x 2 y −x 2 x 2 + z 3 dz dy dx Entretanto. z ). Calcule S x 2 + z 2 dV . z ) ≤ y ≤ w2 (x .z ) f (x . v1 (y . z ) dx dy dz 2. y .z ) f (x . y . z ) = x 2 + z 2 ev2 (x . (x . y . y . z ) ≤ z ≤ v2 (y .2 Regiões do Tipo II S = {(x . z ) = 4. Solução: Pode-se descrever esta região de várias formas. a primeira integral que temos que calcular é um pouco complicada (vai ser necessário fazer uma mudança de variável). z ) dx dz dy ou q h2 (z ) h1 z v2 (y . ER 40. z ) dV = S a w1 (x . z ) em D2 temos que y varia entre v1 (x . y . no máximo x 2 + z 2 = 4). y . Pode existir.9. z )}. também. (y . z ) ∈ D . y .

as regiões do Tipo I. A(D ) = D 1 dA Podemos usar a integral tripla para calcular volume de sólidos. em que S é limitado pelo cilindro y 2 + z 2 = 9 e os planos x = 0. têm que ser. y ) dA FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 53 . Compare D 0 1 dz dA com D u (x . u (x . Não esqueça que na integração dupla ou tripla a cada vez que se integra com relação a uma determinada variável ela deve desaparecer. O resultado de integração dupla ou tripla é sempre um número! 2. Então. y . A área de uma região D é. y ) ∈ D . z ) = z e S sólido limitado pelos 4 planos z = 0. II e III.10 Volume Vimos que a integral dupla pode ser usada para o cálculo de áreas. x = 0. y = 0 e x + y + z = 1 (que sólido é este?) (b) f (x .9. e é só entender S como uma região do Tipo I . y = 3x e z = 0 no primeiro octante. 0 ≤ z ≤ f (x . O volume de S é dado por V (S ) = S 1 dV quando tal integral existe. y . S EP 2.y ) dA = D f (x . para regiões com bordo “bem comportado”. e o que sobra é apenas função das variáveis restantes. (x . z ) = z . Só que já tínhamos definido o volume de certos sólidos.y ) EP 2. Portanto.y ) 1 dV = S D 0 1 dz dA = D [z ]0 f (x . Assim.4 Exercícios Propostos f (x .17. estamos fazendo uma integral definida. Calcule (a) f (x . z ). 2.Nota 19. y ) dA. y . Seja S uma região limitada do R3 (significa que S está dentro de um paralelepípedo). o volume é dado pela integral tripla da função constante igual a 1. possuem volume e este pode ser calculado usando a integral tripla. São iguais? Por quê? 2. y ) ≥ 0 integrável em D .18. y )} como sendo V (S ) = D f (x . Definimos o volume do sólido S = {(x . Lembrando: Seja f (x . y ) dA.8 Definição. por definição. f (x . z ) dV e veja o gráfico de S usando o winplot nos casos a seguir. pois. y . Será que são iguais? Bom.

z = 0 e x = 1. Seja S o sólido limitado pelo cilindro parabólico x = y 2 e pelos planos x = z . z ) = 1 M S x ρ(x . y . 1 M S z ρ(x . para 0 ≤ t ≤ . y . z ) dV e o centro de massa de S é o ponto de coordenadas (x .11. z = 7 4k S zk dV = 5 14 que não dependem de k . y . y 2 ≤ x ≤ 1. z ) no ponto (x . 1 M S y ρ(x . z ) de um fio delgado com função densidade ρ(x . z ) dV Iz = S (x 2 + y 2 )ρ(x . y . ρ(x . Um cabo delgado é dobrado na forma de um semi-círculo x 2 + y 2 = 4 para x ≥ 0. determine a massa e o centro de massa do cabo. considerando que a densidade é constante. y = π 2 cos(t ) e z = 3t . z ) dV . z ). y . Se a densidade linear é uma constante K . y . y . z ) dV ER 41. z ) são simétricas com relação ao plano xz .19.20. y . (a) Calcule o volume de S . −1 ≤ y ≤ 1. 2 54 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . A região é a função V (x . y . z ) que tem o formato de uma curva γ no espaço R3 . se a densidade é uma constante K . que pode ser descrito como uma região do R3 do Tipo I. z ) dV . y . EP 2. y e z . (b) Determine a massa e o centro de massa de um fio no espaço com o formato da hélice x = 2 sen(t ). k · V (S ). simplesmente. Considere um sólido S .11 Massa. (a) Escreva as fórmulas que determinam o centro de massa (x . y . z ). 1 1 x 1 1 1 (a) V (S ) = S 1 dV = − dz dx dy = −1 x dx dy = −1 y2 0 y2 −1 (1 − y 4 ) dz = 4 .2. Centro de Massa e Momento de Inércia De forma análoga ao que fizemos para lâminas planas. a massa de S é M= S ρ(x . podemos calcular a massa e o centro de massa de sólidos usando integrais triplas. Então. y . y = 0. 5 (b) Como a densidade é constante k em S (isto é. Podemos calcular os momentos de inércia de S com relação aos eixos x . respectivamente. Calculando as outras.1 Exercícios Propostos EP 2. então a segunda coordenada do centro de massa é 0. II ou III e cuja função densidade é ρ(x . Solução: Projetando S no plano xy temos a região S = {(x . z ) = k ) a massa de S será. y . (b) Encontre o centro de massa de S . 2. z ) dV . temos que x= 5 4k S xk dV = 5 5 . 0 ≤ z ≤ x }. y . por: Iy = S (x 2 + z 2 )ρ(x .

y . w ) = (x (u . Mas a integral em Dxy (dx dy ) é igual à integral em Duv (dudv )? Vejamos o que acontece com as áreas dos retângulos Dxy e Duv . y (u . mas. y . y (u . Isto é semelhante ao que se faz com integrais de funções na reta b d d f (x ) dx = a c f (x (t ))x (t )dt = c f (x (t )) dx dt . z ) dx dy dz Dxyz = O que viria no lugar do 2? Já vimos que. y e z são definidos. v . w ). por Ix Iy Iz = γ (y 2 + z 2 )ρ(x . y . z ) ds Determine os momentos de inércia do fio da questão anterior item (b). v ). y .21. a integração será. v )|dudv . 3]. uma mudança de coordenadas em R2 ou R3 é uma transformação ϕ contínua e injetora no interior da região. com certeza.12 Mudança de Variáveis em Integrais Duplas e Triplas Vimos que em integrais duplas ou triplas quando mudamos para coordenadas polares. cilíndricas ou esféricas temos que multiplicar a função por um fator de correção (r ou ρ2 sen(φ)?. Se um cabo com densidade linear ρ(x . z ) ds (x 2 + z 2 )ρ(x . v . 4] × [1. Seria 2 o fator de correção de uma integral para a outra? Na verdade. Transformamos Dxy em Duv = [3. z (x . no caso da mudança para as coordenadas polares e cilíndricas aparece r e no caso da mudança para as coordenadas esféricas. y ) dx dy = Dxy Duv f (x (u . v )) e em R3 . w ). Em geral. y .EP 2. Entretanto. z (u . 2A(Dxy ) = A(Duv ). y . Então. v . o que vale é o seguinte: Para integrais duplas f (x . v ) = (x (u . v . em relação aos eixos x . w ). D (x + y )7 dA. 2. se rotacionarmos os eixos. ϕ(u . Uma fórmula análoga ao caso de integral no intervalo é: f (x . z ) tem o formato de uma curva γ do espaço. v . w ). v . v ))2dudv dw Duvw f (x . de modo que o retângulo fique paralelo aos novos eixos. respectivamente. dt As mudanças de variáveis para integrais duplas (polares) e para integrais triplas (cilíndricas e esféricas) são muito utilizadas. y (u . a mudança mais conveniente para calcular a integral não é nenhuma destas. ρ2 sen(φ)? Para responder a essa pergunta vamos calcular a integral pelas retas x + y = 4. às vezes. w )). y (u . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 55 . Iy e Iz . z ) ds γ = = γ (x 2 + y 2 )ρ(x . façamos u = x + y e v = y − x (ou x = (u − v )/2 e y = (u + v )/2). x + y = 3. ). Sendo assim. Em R2 . v ). seus momentos de inércia Ix . y (u . mas a área de Dxy é 1. y (u . v ). y ) dx dy Dxy = Duv f (x (u . escrevemos ϕ(u . A área de Duv é 2. v ))|J ϕ(u . em que D é a região limitada x −y Observa-se que teríamos algum trabalho se integrássemos na região requerida pela questão (veja figura). v ))2dudv f (x (u . mais simples. y − x = 3 e y − x = 1.

y ). 0). Façamos x = √ √ 3 cos(θ) e y = 2 sen(θ). v . Calculando o Jacobiano obtemos J ϕ(u . v . ou seja. Portanto. w ))|J ϕ(u . z (u . em que D é o trapézio de vértices em (1. −1). v ) = Dxy (x + y )7 = (x − y ) u7 dudv = 2v Duv 4 3 1 2 u7 dv du 2v x2 y2 + = 1. Atenção: Nas fórmulas aparece o módulo do Jacobiano! 1 . EP 2. y ) J ϕ(u . ou seja. ou seja.23. ou seja. nas respectivas regiões de integração. v . 0). 3 2 A melhor mudança de coordenadas. y . D x +y EP 2. Determine o volume da região limitada pelo plano z = 0 e pelas superfícies z = x 2 + y 2 e Solução: O volume pode ser determinado se calcularmos a integral dupla V (S ) = Dxy x 2 + y 2 dx dy A região de integração Dxy é o interior de uma elipse. y . y (u . x2 y2 + ≤ 1}. respectivamente. cilíndricas e esféricas são. Calcule a integral SUGESTÃO: Use a transformação u = x + y e v = x − y . z ) dx dy dz = Dxy z Duv w f (x (u . w ) é o Jacobiano da transformação. v ) é o Jacobiano da transformação. (2. r e φ sen(ϕ). portanto. Dxy = {(x . Verifique que. ou seja. w ) = 0. aqui. θ)| dr dθ e J θ(r . w )|dudv dw . em que r varia de 0 a 1 e θ de 0 a 2π. em que J ϕ(u . Logo 2 Voltemos.12. J ϕ(u . v . v . de fato. v . Duv ou Duvw . r . 2π 1 0 V (S ) = 0 3r cos(θ) + 2r sen(θ)|J ϕ(r . −2) e (0. θ) = 2 2 √ √ 3 cos(θ) − 3r sen(θ) √ √ 2 sen(θ) 2 cos(θ) = √ 6r 2. v ) = = ∂(u . w ) Estas fórmulas são válidas quando os jacobianos são diferentes de zero. v . ao exemplo. z ) = ∂(u .1 Exercícios Propostos e x −y dA. os Jacobianos das transformações para coordenadas polares. v ) = 0 ou J ϕ(u . 2 3 ER 42. (0. ∂x ∂u ∂y ∂u ∂z ∂u ∂x ∂v ∂y ∂v ∂z ∂v ∂x ∂w ∂y ∂w ∂z ∂w J ϕ(u .em que J ϕ(u .22. não é exatamente a polar. 56 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . mas quase isso. w ). v ) Para integrais triplas ∂x ∂u ∂y ∂u ∂x ∂v ∂y ∂v = ∂x ∂x ∂y ∂y · − · ∂u ∂v ∂u ∂v f (x . ∂(x . w ). w ) = ∂(x . v .

temos x 2 + y 2 dV = S 0 2π 0 2 2 r 2 r dz dr dθ = r 16π . z ). z ). z ). Se D pode ser descrita em coordenadas polares. 0 ≤ r ≤ 4 cos(θ). z )r dz dr dθ. em que S é a região interior ao cone z 2 = x 2 + y 2 para z entre 0 e 2. compreendida entre os planos z = 0 e z = y + 6. r sen(θ). Calcule S x 2 + y 2 dV . 0 ≤ r ≤ 4. z ) dV = S Dxy u1 (x . Usando coordenadas cilíndricas. y .2. Solução: Note que x 2 + y 2 dV = S D 2 √ x 2 + y 2 dz dA. = = = r cos(θ) r sen(θ) z S = {(x .1 Integrais Triplas em Coordenadas Cilíndricas e Esféricas Coordenadas Cilíndricas Sabemos que um ponto P (x . temos as seguintes parametrizações: D1 D2 = {(r . 0 ≤ z ≤ r sen(θ) + 6 . então u2 (x . Seja D a região do espaço que corresponde ao interior ao cilindro x 2 + y 2 = 16 e exterior ao cilindro x 2 + y 2 − 4x = 0. y ) ≤ z ≤ u2 (x . z ) em coordenadas cartesianas pode. 0 ≤ θ2π. Solução: Temos D x dx dy dz = D1 x dx dy dz − D2 dx dy dz . 2 2 FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 57 . y . y )}. Esta é a fórmula utilizada para o cálculo de integrais triplas em coordenadas cilíndricas. z ) dz dx dy = u1 (r cos(θ). y ) ∈ D . ser escrito em coordenadas cilíndricas (r . u1 (x . isto é.13 2. em que x y z Suponha que S é uma região do tipo I . θ. Calcule D x dx dy dz . 0 ≤ z ≤ r sen(θ) + 6} π π = (r . z ). 5 ER 44. y . θ. y )f (x . Em coordenadas cilíndricas. também. x 2 +y 2 em que D é o disco de centro 0 e raio 2. θ.r sen(θ)) f (r cos(θ). y .r sen(θ)) f (x .y ) Dr θ u2 (r cos(θ). em que D1 é a região compreendida entre os planos e interior ao cilindro maior e D2 é a região compreendida entre os planos e interior ao cilindro menor. − ≤ θ ≤ . ER 43.13. (x .

y . como devemos fazer? y x Vimos que se usássemos coordenadas cilíndricas teríamos que multiplicar a função por um fator de correção (r ). aproximadamente. z ) Um ponto P do espaço pode ser escrito tanto em coordenadas cartesianas (x .Então 2π 4 0 0 4 0 6+r sen(θ) x dx dy dz D1 = 0 2π r 2 cos(θ) dz dr dθ = 0 2π (6r 2 cos(θ) + r 3 sen(θ) cos(θ)) dr dθ = 0 (128 cos(θ) + 64 sen(θ) cos(θ)) dθ = 0 4 cos(θ) 0 4 cos(θ) 0 0 6+r sen(θ) e x dx dy dz D2 = = = = = = π 2 −π 2 π 2 r 2 cos(θ) dz dr dθ −π 2 π 2 r 3 cos(θ) sen(θ) + 6r 2 cos(θ) dr dθ π 2 −π 2 128 cos θ dθ + π 2 4 −π 2 64 cos3 θ sen(θ)) dθ 32 32 −π 2 π 2 −π 2 (1 + cos 2θ)2 dθ 1 dθ + 64 π 2 −π 2 cos 2θ dθ + 16 π 2 −π 2 (1 + cos 4θ) dθ 32π + 0 + 16π + 0 = 48π Portanto. o volume não é preservado através desta mudança de coordenadas. α1 ≤ θ ≤ α2 . que é mais facilmente descrita em coordenadas esféricas. β1 ≤ φ ≤ β2 . temos que o volume da região é. x 2 + y 2 + z 2 ≤ a2 }. θ). ρ2 sen(φ)∆ρ∆θ∆φ (e não apenas ∆ρ∆θ∆φ. θ φ r Se quisermos calcular uma integral tripla sobre uma região S . é razoável que este seja o fator de correção quando se passa de coordenadas cartesianas para esféricas 58 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Qual é o fator de correção no caso de coordenadas esféricas? A esfera de raio a é o conjunto Sa = {(x . Portanto. 2. Gostaríamos de estabelecer alguma relação entre o volume de um “pedaço” da esfera. Portanto. em que a1 ≤ ρ ≤ a2 .13. a] × [0.2 Coordenadas Esféricas z P (x . 4 3 π a . z ) como em coordenadas esféricas (ρ. z ). φ. y . y . D x dx dy dz = 0 − 48π = −48π. π] × [0. Sabemos que o volume de uma esfera de raio a é dado por V = Considerando que ∆ρ. Em coordenadas esféricas passa a ser o paralelepípedo [0. sendo que x y z = = = ρ sen(φ) cos(θ) ρ sen(φ) sen(θ) ρ cos(φ). mas o volume do paralelepípedo 3 2 é 2π · a. 2π]. ∆φ e ∆θ são as variações das respectivas coordenadas e supondo que são pequenos.

vale que f (x . 0 ≤ θ ≤ Sendo assim. z ) dV = Sxy z Sρθφ f (ρ sen(φ) cos(θ). 1) e raio 1). 3 2 y dx dy dz D = 0 π 2 π 3 2 0 (ρ sen(ϕ) sen(θ))p 2 sen(ϕ)d ρ dθd ϕ ρ4 4 2 0 0 π 2 π 3 = 0 0 sen2 (ϕ) sen(θ) 2 dθd ϕ = 4 π 2 π 2 π 3 sen2 (ϕ) sen(θ) dθd ϕ −1 + 1 dϕ 2 = = 4 0 π 2 0 π 2 sen (ϕ)(− cos(θ)) 2 π 3 0 2 0 0 dϕ = 4 0 sen (ϕ) π [1 − cos (ϕ)]d ϕ = 2 FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 59 . Seja D a região do primeiro octante limitada pela esfera x 2 + y 2 + z 2 = 4 e pelos planos y = 0 e √ y = 3x . D Solução: Em coordenadas esféricas a parametrização de D é: D = (ρ. Esta é a fórmula de integrais triplas em coordenadas esféricas. y . ϕ). Calcule S z dV sendo S a região interior ao cone z 2 = x 2 + y 2 . π π .numa integração. o ângulo φ é π . Segue que. 2π π 4 2 cos(φ) 0 z dV S = 0 2π 0 (ρ cos(φ))ρ2 sen(φ)d ρd φ dθ 2π = 0 = 4 0 π 2 ρ4 4 0 5 cos ϕ 5 π 4 2 cos(φ) sen(φ)d φ dθ = 0π 4 π 4 04 cos4 φ sen(φ)d φ dθ 0 dθ = 0 8π √ (2 2 − 1) 5 ER 46. que se dá quando z = 1. Atenção Não se esqueça do fator de correção quando fizer a mudança de variáveis nas integrais: cilíndricas: r . ρ sen(φ) sen(θ). Logo. nossa região. Então. em que Sxyz indica a região descrita em coordenadas cartesianas e Sρθφ ?indica a região em coordenadas esféricas. com z positivo. que é o interior de um “sorvete” é: 4 Sρθφ = {(ρ. Solução: A equação x 2 + y 2 + z 2 = 2z em coordenadas polares é ρ cos(φ). Calcule y dx dy dz . e limitada pela esfera x 2 + y 2 + z 2 = 2z (esfera de centro em (0. θ.0 ≤ ϕ ≤ . 0 ≤ θ ≤ 2π. 0. ER 45. ρ cos(φ))ρ2 sen(φ)d ρ dθd φ. De fato. A intersecção do cone com a esfera se dá quando z = 1 e x 2 + y 2 = 1. θ. 0 ≤ ρ ≤ 2 cos φ}. O ângulo φ varia de 0 até o encontro da esfera com o cone. φ). esféricas: ρ2 sen(φ). 0 ≤ ρ ≤ 2.

(c) E x 2 dx dy dz . EP 2. a] × [0. (b) E y dx dy dz . limitada pelo plano xy e pelo plano z = x + 2.27. EP 2. 0 ≤ y ≤ 2z . em que D é limitada pelos planos x = 0. EP 2. EP 2. acima do plano z = 0 e abaixo do cone z 2 = 4x 2 + 4y 2 . pela função ρ(x . y = 0 e x = 1. em que E é a parte da bola unitária x 2 + y 2 + z 2 ≤ 1 contida no primeiro quadrante. em que E é a região entre os cilindros x 2 + y 2 = 4 e x 2 + y 2 = 1. 3).24. y + z = 1 e x + z = 1.28. (b) E y 2 dx dy dz . Determine os momentos de inércia de um cubo de densidade constante k e aresta L se um dos seus vértices é a origem e três de suas arestas estão sobre os eixos coordenados. em que D é limitada pelo parabolóide x = 4y 2 + 4z 2 e pelo plano x = 4. y dx dy dz .3 Exercícios Propostos EP 2. 60 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . a] × [0. y .13. EP 2. Calcule as integrais: (a) B (x 2 + y 2 + z 2 ) dx dy dz .2. (1. a] cuja densidade é dada EP 2.31.26. z ). Determine a massa e o centro de massa do cubo Q = [0. em que E é a região limitada pelo cilindro x 2 + y 2 = 4 e pelos planos z = −1 e z = 2. 0). em que D = {(x . 0). 0 ≤ x ≤ z + 2}. em que B é a bola unitária x 2 + y 2 + z 2 ≤ 1. z ) = x 4 + y 2 + z 2 .30. em que D é a região abaixo do plano z = x + 2y e acima da região no plano xy limitada pelas curvas y = x 2 . em que E é o sólido limitado pelo cilindro x 2 + y 2 = 1.25. D (b) (c) D xy dx dy dz . 2. (d) D z dx dy dz . 0. 0 ≤ z ≤ 1. (e) D x dx dy dz . em que D é o tetraedro sólido com vértices (0. Calcule as seguintes integrais: (a) E (x 2 + y 2 ) dx dy dz . Determine a massa e o centro de massa do sólido S limitado pelo parabolóide z = 4x 2 + 4y 2 o pelo plano z = a(a > 0). 0) e (0. Calcule as integrais triplas: (a) D y z dx dy dz . 0. 0. y = 0. z = 0. Calcule as integrais iteradas: 1 z 0 y (a) 0 xy z dx dy dz π 2 0 0 √ 4−x 2 (b) 0 z sen(y ) dx dz dy EP 2. y . (0. se S tem densidade constante k .29. Determine o volume da região R limitada pelos parabolóides z = x 2 + y 2 e z = 36 − 3x 2 − 3y 2 .

(b) 16/3. 1 dx dy . (c) 1/10. 3π).3 (a) γ 1 m − y ρ(x . 3 √ 2.25 (a) 7/5. (a) Calcule D (x 2 raios r e R .15 (a) 2/3 e (0. Seja f contínua em [0. EP 2.30 π a2 /8 . z ) = (7a/12. Calcule o volume da região limitada pelo elipsóide x2 y2 z2 + 2 + 2 = 1.7 (a) 1/12.(c) E x 2 + y 2 + z 2 dx dy dz . (b) 6 e (3/4. 2. 2. 2. 0.17 2. 2. (c) e 4 /2 − 2e . (b) 2 13k π. (d) Ix = 189/20.4 V (S ) (2 2 − 1) 2.19 2. 0).27 Ix = Iy = Iz = kL5 .24 (a) 1/48. z ) ds .32 π a2 . 3 1 − − Iy = 1/16 e Iz = 13/80.26 m = a/5 e (x . y . 2.23 2. 0 < r < R . (g) 8π. 1/2) 2. 3/4) (d) 27/2 e (8/5.16 (c) Ix = 1/10. 2. z ) ds .20 (a) → = x x ρ(x .22 2. (b) −19/42. 8 4 16 15 2 2 √ 1 − cos(1) 1 (d) . 2.9 (a) 1/6 (b) 1/3 (c) 16r 3 /3 2. 1). proporcionalidade. (0. y . y = v 2 e z = w 2 para calcular o volume da região limitada pela √ √ √ superfície x + y + z = 1 e pelos planos coordenados. 0) e (0. em que E é a região interior ao cone φ = π e à esfera ρ = 2.31 (b) p /30. 1/2).35. (e) 500/3. 3/2). (x 2 + y 2 + z 2 )n/2 D em que D é a região interior às esferas com centros na origem e raios r e R .28 (a) 24π.10 2. 0. (b) 0. (0. 2 a b c EP 2. 0 < r < R . Mostre que 1 f (x + y ) dx dy = R 0 uf (u )du . (c) 1/6 e (4/7. onde m = γ √ ρ(x .8 (a) 6/35 (b) 31/8 (c) (11 5 − 27) 2.21 2. 2 2. Use a transformação x = u 2 .6 − e . Determine a massa de um hemisfério sólido H de raio a se a densidade em qualquer ponto é proporcional a sua distância ao centro da base. 2 6 √ (2 2 − 1) (b) sen(81)/4.33. (c) 4π(2 − 3). y .34.11 (a) (e 9 − 1)/6. onde D é a região entre os círculos com centros na origem e + y 2 )n/2 EP 2. 7a/12. y .29 162π. 7a/12).36. 2. (c) 2π. 2. Gabarito √ −585 15 27 4 √ 1 1 (b) (2 − 3) (c) ln 2. EP 2. 2. 2. onde k é a constante de FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 61 . 2a/3). 6 EP 2. 1] e seja R a região triangular com vértices (0. (f) 1/8. (c) . (b) 5/28.18 2. → = y m 2.5 V (S ) = 36 2. z ) ds → = z γ 1 m γ z ρ(x . y . Iy = 1269/28 e Iz = 1917/35. z ) ds . Para que valores de n a integral tem limite quando r → 0+ ? E quando R → ∞? (b) Faça uma análise semelhante para a integral tripla 1 . (1.32. (e) 16π/3. (d) 1/12.

ti ]. culminando com os resultados dos teoremas de Gauss. bem como consideraremos algumas das suas aplicações mais comuns. b ] tal que γ (t ) é contínua e que γ (t ) = 0 .1 Integral de Linha em Campos Escalares Definiremos uma integral semelhante à integral simples. Dividindo-se o intervalo [a. Ela foi descoberta no início do século XIX para resolver problemas envolvendo escoamento de fluidos. Vamos tomar uma função f de duas variáveis cujo domínio D contém a curva γ. . o mesmo acontecendo entre integrais de superfície e integrais triplas. 62 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . mas a qual é feita sobre uma curva γ. Lembre-se que isto quer dizer que γ(t ) = (x (t ). Assim. Veremos como integrais de linha podem ser transformados em integrais de superfície e vice-versa. temos os correspondentes pontos na curva Pi = γ(x (ti ). A integral de linha ao longo de γ é: ∞ f (x . aproximadamente. . b ]. a curva γ fica dividida em sub-arcos de comprimentos s1 . y (t )) está contido em D . s2 . Green e Stokes. multiplicando pela variação γi e somando tudo temos ∞ i =1 f (x (ti ). Vamos denotar por si o comprimento de cada um desses arcos. eletricidade. se f é uma função contínua. magnetismo. .BLOCO 02 Funções Vetoriais TEMA 03 Análise Vetorial Trabalharemos. b ] em n subintervalos [ti −1 . . y (t )). etc. 3. o tamanho do vetor tangente. y (ti )). y (t )) a x (t )2 + y (t )2 dt . sn . A imagem do intervalo [ti −1 . y ) ds = lim γ n→∞ f (x (ti )y (ti ))∆si i =1 quando tal limite existe. aqui. ti ] é o pedaço da curva (arco) que vai de Pi −1 a Pi . y ) ds = γ f (x (t ). Integrais de Linha 3. y (ti )) · ∆si .1 Definição. o limite acima sempre existe e a seguinte fórmula é valida b f (x . integrais de linha e integrais de superfície. Assim ∆si ≈ x (ti )2 + y (ti )2 e. para todo t ∈ [a. Mas o comprimento de um pequeno arco da curva é. Calculando f em Pi . em que t ∈ [a. − → Considere uma curva γ(t ) = (x (t ).

escrever a integral de linha numa forma mais sintética b a f (γ(t )) · |γ (t )| dt . z (t )) tal que − → γ (t ) é contínua e que γ (t ) = 0 . então b f (x . Calcule γ y sen(z ) ds . 6. Note que comprimento de uma curva nada mais é que a integral de linha b L(γ) = γ 1 ds = a |γ (t )| dt . Calcule as integrais de linha para (a) f (x . em que o ponto inicial de γ1 coincide com o ponto final de γn .1. y . y . z ER 47. + γn f ds . 0 ≤ t ≤ 2π. y (t ). em que γ é a hélice circular de equação x (t ) = y (t ) z (t ) Solução: 2π cos(t ) sen(t ) . Importante! A integral de linha não depende da parametrização de γ. = = t x y y sen(z ) ds = γ 0 sen(t ) sen(t ) sen2 (t ) + cos2 (t ) + 1 dt = √ 2 0 2π √ sen2 (t ) dt = π 2. De forma análoga. γ é a união finita de curvas γi . −1) e (4. 9). 1.Nota 20. Ainda. . Podemos.1 Exercícios Propostos EP 3. Denota-se por −γ a curva que tem os mesmo pontos de γ. também.1. Se temos uma curva “lisa por partes”. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 63 . Nota 21. y (t ). isto é. define-se a integral de linha para funções f de três variáveis. y . .2. y ) = xy + ln(x ) para γ o arco da parábola y = x2 de (1. As integrais de linha γ f ds e −γ f ds são iguais? EP 3. 1 ≤ i ≤ n. 3. se f (x . mas com orientação contrária. z ) = x 2 z para γ o segmento com extremidades (0. z ) é contínua numa região que contém uma curva γ(t ) = (x (t ). 1) a (3. então definimos a integral de f ao longo de γ por f ds = γ γ1 f ds + γ2 f ds + . temos que. z ) ds = γ f (x (t ). z (t )) a x (t )2 + y (t )2 + z (t )2 dt . 5). também. (b) f (x .

Nesta situação chamamos de f o potencial de F . Um campo de vetores F é chamado conservativo se ele é um campo gradiente de alguma − → − − → → função f . z ) k . Este é um típico exemplo de um campo de vetores. se F = f . (x . − → Um campo de vetores do R2 é uma função F de uma região D do R2 que a cada ponto (x .2. y .1 Integrais de Linha em Campos Vetoriais Campos Vetoriais O vento possui uma direção. y . São muitos os exemplos de campos vetoriais. . y ) = ∂f ∂f ∂f − → ∂f − → (x . y . em cada instante temos um vetor que representa o vento para cada ponto de uma região. y .3 O Divergente − → − → − → Dado um campo vetorial F (x . z ) = (x . Q e R são funções de D em R . isto é. y . − → Nota 23. z ). principalmente na Física. também. o gradiente de f é um campo que a cada ponto (x . y ). y .3. y ) = (x . Outro exemplo é um campo de força em que a cada ponto associa-se um vetor. y . z ) j + (x . y ) j . então o divergente de F é − → ∂P ∂Q div F = + . y ) i + Q (x . z ) i + Q (x . − → em que P e Q são funções de D em R e um campo de vetores do R2 é uma função F de uma região D do R3 − → que a cada ponto (x . z ) j + R (x . z ) do R3 − → − → − → − → F (x . Utiliza-se.2. y ) do R2 . y ) i + Q (x . com derivadas parciais.2 O Gradiente Dada uma função f : D ⊂ R2 → R. ∂x ∂y ∂x ∂y Se a função está definida no R3 . o divergente e o rotacional. com derivadas parciais. z ) = P (x . z ) = − → ∂f ∂f ∂f ∂f − → ∂f − → ∂f (x . y .2. f : D ⊂ R3 → R. ∂x ∂y 64 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . z ) associa um vetor F (x . z ). y . y . y . Podemos escrever − → − → − → F (x . y . em que P . mas os mais importantes são o gradiente. ∂x ∂y ∂z ∂x ∂y ∂z Nota 22. y ) = P (x . y ) = P (x . 3. ou seja. y ) j . o gradiente de f é um campo que a cada ponto (x . z ) k . y . y ) i + (x . ∂x ∂y ∂z = → ∂ − → ∂ − → ∂ − i + j + k ∂x ∂y ∂z com versão análoga para o caso R2 . 3.2 3. z ) i + (x . (x . y . z ) ∈ D associa o vetor − → f (x . (x . Assim. um sentido e uma intensidade. y ) j definido em D tal que P e Q possuam derivadas − → parciais em D . y ) associa um − → vetor F (x . y ) ∈ D associa o vetor − → f (x . a notação: − → = ∂ ∂ ∂ .

y . se F (x . t ∈ [a. Vamos assumir que um objeto de massa M está localizado na origem de R3 (M pode ser a massa da Terra e a origem seu centro). simbolicamente. criamos pequenos arcos na curva γ(t ) : γ([ti −1 .− → − → − → − → Analogamente. Queremos calcular o trabalho realizado pela − → força F quando a partícula se desloca de γ(a) até γ(b ). y (t )). y . o deslocamento de Ai −1 = γ(ti −1 ) a Ai = γ(ti ) é. z ). y . então o rotacional de F é dado por: − → rot F = ∂R ∂Q − ∂y ∂z − → i + ∂P ∂R − ∂z ∂x − → i ∂ ∂x P − → j + ∂Q ∂P − ∂x ∂y − → k. z ) j + R (x . z ) j + R (x . y . − → − → − → − → Se rot F (x . − → Se F é uma força constante e se a partícula se desloca sob um segmento de reta AB . Ela está sob − → − → − → a ação de um campo de forças F (x . R ). y . y ) j . y . y ) i + Q (x . y ) j . z ) i + Q (x . b ] em pequenos subintervalos [ti − 1.4 O Rotacional − → − → − → − → Dado um campo vetorial F (x . y ) = P (x . Podemos citar como exemplo importante a Lei de Gravitação de Newton: a intensidade da força gravitacional mM entre dois objetos de massa M e m é F = g 2 .5 Integrais de Linha de Campos Vetoriais Considere uma partícula que se move no plano ao longo da curva γ(t ) = (x (t ).2. . z ) = −G (x . 2 + y 2 + y 2 )3 ( x Este é um exemplo de campo conservativo. z ) k definido em D tal que P . y . ∂x ∂y ∂z Nota 24. então a força gravitacional que está agindo em m é − → mM F (x . y . y . y ) i + Q (x . z ) i + Q (x . Q e − → R possuam derivadas parciais em D . y . ou ainda. ti ]. Se o objeto de massa m está no ponto (x . Note que o divergente é uma função de D em R (conjunto dos números reais) e é o que chamamos de campo escalar. Q e R possuam derivadas parciais − → ∂P ∂Q ∂R div F = + + . z ) = P (x . Q . z ) k tal que P . ( x2 mM + y 2 + y 2 )3 3. ele pode ser expresso como o “produto interno”: − → − − → → ∂ ∂ ∂ div F = · F = ( . ti ]). então o trabalho W − − → → é dado pelo produto escalar W = F · AB . z ) = G − → é um potencial para F (verifique!). y . z ). Se estamos com intervalos pequenos. em que r é a distância entre os objetos e g é a constante r gravitacional. z ) = P (x . y ) = P (x . Simbolicamente. Dividindo-se o intervalo [a. ∂x ∂y ∂z 3. pois f (x . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 65 . então dizemos que rot F = ∂Q ∂P − ∂x ∂y − → k. como um “produto vetorial” ou o determinante de uma matriz − → − − → → rot F = × F = − → j ∂ ∂y Q − → k ∂ ∂z R . ) · (P . b ].2. y .

y (t ). aproximadamente. Solução: γ γ − − → → Fd r = b 2π P dx + Qdy + Rdz = a 0 [cos(t )(− sen(t )) + sen(t )(cos(t )) + t 1] dt = 2π 2 . b No caso R2 temos: a b [P (x (t ). y (t ))x (t ) + Q (x (t ). y (ti )) · Ai −1 Ai = P (x (ti ). y (t )) · x (t ) + Q (x (t ). y (t ). sen(t )). para t entre 0 e partindo de (1. z (t )) · x (t ) + Q (x (t ). 0) até (0. − → −−→ −− Wi ≈ F (x (ti ). podemos escrever que: − − → → Fd r = b P dx + Qdy + Rdz ou a γ γ − − → → Fdr = b P dx + Qdy . desde que não se inverta a orientação da curva. y (t ). Aplicando-se o teorema do valor médio. z (t )) · z (t )] dt . y (t ). Calcule entre 0 e 2π. em que ∆xi = x (ti ) − x (ti −1 ) e ∆yi = y (ti ) − y (ti −1 ). Assim. 1) e partindo de (0. t ).2 Definição. y (t )) (ou γ(t ) = (x (t ). 1) temos: W = γ − − → → Fdr = π 2 [cos (t )(− sen(t ))−cos(t ) sen(t )(cos(t ))] dt = 0 2 π 2 0 2 cos3 t −2 cos (t ) sen(t ) dt = 3 2 π 2 0 =− 2 3 66 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Se também a variação de F ao longo do arco γ([ti −1 . um deslocamento ao longo do segmento Ai −1 Ai . para t ER 48.− → aproximadamente. dy = y (t ) dt e dz = z (t ) dt . y (ti ))∆yi . Sejam γ(t ) = (x (t ). ti ]) for muito pequena. − → − → − → ER 49. a Importante Não é difícil provar que a integral de linha não depende da particular parametrização da curva. y (ti ))∆xi + Q (x (ti ). A integral de linha de F ao longo de γ é: − − → → Fdr = b a γ − → F (γ(t )) · γ (t ). podemos dizer que o trabalho total é n n W ≈ i =1 Wi ≈ P (x (ti ). z (t )) · y (t ) + R (x (t ). y (t )) · y (t )] dt [P (x (t ). 0). y (ti ))x (ti )∆ti + Q (x (ti ). y (t ))y (t ) dt Pode-se fazer um raciocínio análogo para o caso de R3 . 0) até (0. em que F = x i + y j + z k e a curva é a hélice γ(t ) = (cos(t ). uma definição razoável para o trabalho é: b W = a P (x (t ). − − → → − → − → − → − → F d r . Solução: Partindo de (1. Calcule o trabalho realizado pelo campo de força F = x 2 i − xy j quando uma partícula se move π ao longo da curva γ(t ) = (cos(t ). y (ti )∆ti . o trabalho neste trecho será. No caso R3 temos: a Usando a notação dx = x (t ) dt . sen(t ). z (t )) uma curva diferenciável por partes e F − → um campo contínuo cujo domínio contém esta curva. 1) até 2 (1. podemos pensar que é quase constante. i =1 Assim. − → 3.

1) a (1. 2. Calcule a integral de linha. para 0 ≤ t ≤ 1. 6). onde F = (x 2 + y ) i − 7y z j + 2xz 2 k e γ é a curva ligando o ponto (0. 1). no exercício anterior. sen(2t )). 2. que as integrais são diferentes. de (0. 3) a (1. 0. o que temos é − − → → − − → → que Fd r =− F d r (verifique isto!). Calcule γ (1. Como se explica isso? As curvas são as mesmas (traço e sentido). γ consiste dos segmentos de reta de (0. t ) e 0 ≤ t ≤ 1. 4). A integral de linha não depende da parametrização. 1) até (1. γ é o segmento de reta de (1. só que foram parametrizadas de formas diferentes.Partindo de (0. z 2 dx − z dy + 2y dz . 0. no sentido horário. desde que não se inverta sua orientação. γ é dada por x = 2t . xy 4 ds . na primeira estamos percorrendo no sentido anti-horário. 1). 1) a (0. 3) e de − → − − → − → − → − → F · d →.3. 3. 1. Em geral. 0) a r FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS (g) γ (h) γ (1. Observe. Calcule as seguintes integrais de linha ao longo da curva indicada: (a) γ x ds . γ é o arco da parábola y = x 2 de (−2. x 3 y 2 z ds . para t entre 0 e π. 0) W = γ − − → → Fd r = π 2 0 [sen (t )(cos(t )) − sen(t ) cos(t )(− sen(t ))] dt = 2 π 2 0 2 sen3 t 2 sen (t ) cos(t ) dt = 3 2 π 2 = 0 2 3 Nota 25. 2 (e) γ (f) γ xy 2 z ds . y = t 2 e z = t 2 . 4) a (1. 3. 3 cos(t )) para? ?0 ≤ t ≤ π . 2). γ(t ) = (2t .2. 1). 2. γ −γ − → − → − → ER 50. pois. 0. Considere o campo F = x 2 i − xy j e a curva γ(t ) = (cos(2t ). γ(t ) = (t 3 . nos seguintes casos: 67 . 3 sen(t ).6 Exercícios Propostos EP 3. γ é a semi-circunferência positiva x 2 + y 2 = 16 para x ≥ 0. xy z ds . (b) γ (c) γ (d) γ xy dx + (x − y ) dy . EP 3. γ consiste dos segmentos de reta de (0. 0) a (3. (x − 2y 2 ) dy . 0) e de (2. 1. enquanto na segunda. 1.4. 0) a (0. Solução: W = γ − − → → Fd r = π π 0 [cos2 (2t )(−2 sen(2t )) − cos(2t ) sen(2t )(2 cos(2t ))] dt 4 cos3 t 6 2π 0 = 0 −4 cos2 (2t ) sen(2t ) dt = =− 2 3 As respostas dos exercícios anteriores são iguais. 0) a (2.

D − → Seja f uma função potencial de F e γ : [a. y ) = x 2 y i − xy j e γ : − (t ) = t 3 i + t 4 j . Calcule γ − → − F · d → nos seguintes casos: r − → − → − → − → − → → (a) F (x . pois 3 2 Solução: Sendo. portanto f (γ(b )) − f (γ(a)) é uma diferença de potencial. y . 0. y ) de classe C 1 cujo domínio D contém a curva γ. z ) = sen(x ) i + cos y j = xz k e γ : − (t ) = t 3 i − t 2 j + t k . (b) γ é composta dos segmentos de reta de (0. y ) (ou f (x . b ] em R2 . 1). (c) γ é o segmento de reta de (0. por exemplo. t 3 ). γ(b )) − → − − → → pertencentes a D e F é conservativo. ainda. o Teorema Fundamental do Cálculo e. z ). r − → − → − → − → − → − → − → → (b) F (x . t 2 . y . 1. γ − − → → F d r = 0. onde existe f tal que f = F . então γ − − → → Fdr = γ → f d − = f (γ(b )) − f (γ(a)). b ] → Rn um caminho. r A função f é chamada potencial de F em D e. 0. 0) a (1.7 Campos Conservativos Para funções de uma variável temos o Teorema Fundamental do Cálculo.5. O que mostramos acima pode ser escrito da seguinte forma: − → − → − → Se F é um campo contínuo em D . 3. y . z )) é um tipo de “derivada” da f . f (x . y . e uma função f (x .3 Proposição. Verifique se o campo F (x . y . e se γ : [a.(a) γ(t ) = (t . 1). que pode ser escrito como: b a f (x ) dx = f (b ) − f (a) que usamos com freqüência. chamado de campo gradiente. depois a (1. γ(a)) e (b . b ] ⊂ D → Rn é uma curva com extremidades em dois pontos (a. 0. Queremos obter um resultado semelhante para funções de duas ou três variáveis. 0 ≤ t ≤ 1. 1) é conservativo. z ) = − → f = F. r 3. 68 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . 1. − → x3 y2 + + z . EP 3. y .2. temos que o campo F é conservativo. z ) = (x 2 . Tomemos uma curva γ de [a. Calculando − − → → fd r = a b − → ∆ f (γ(t ))γ (t ) dt = a b γ ∂ f dx ∂ f dy + ∂ x dt ∂ y dt b dt = a d f (γ(t )) dt = f (γ(b )) − f (γ(a)) dt Note que aplicamos a Regra da Cadeia. lisa por partes. r Além disso. 0). b ] → R2 (ou R3 ) é uma curva lisa por partes contida em D . O gradiente de uma função f (x . 0 ≤ t ≤ 1. Então γ − − → → Fd r = γ → f d − = f (γ(b )) − f (γ(a)). 0) a (1. ou conservativo. podemos fazer os mesmos cálculos para funções de três variáveis f (x . então F d r não depende do caminho γ. se γ é um caminho fechado. − → ER 51. 1. Se γ : [a. 0) e depois a (1.

onde P e Q são funções C 1 . π e γ2 o segmento 2 ligando os pontos de coordenadas (−2. Note que. y ) e γ é uma curva qualquer ligando A a X tome f (x .y ) − − → → F d r = lim 1 h→∞ P (x + th. 0) a (0. 0) a (0. ∂x ∂y ∂P ∂2f ∂ 2f ∂Q = = = ∂y ∂x ∂y ∂x ∂y ∂x FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 69 . poderíamos definir f da seguinte forma: se X = (x . − → − → − → ER 52. por hipótese. naturalmente. para D em R2 . então f = F . mostramos que ∂f = Q. isto é: ∂f ∂f =Pe = Q. 4) · (−2 sen(t ). 2 sen(t )) para t em . y ) j nas condições acima especificadas. mas. existe uma curva lisa por partes contida em D . ∂x ∂y Usando uma idéia já conhecida para funções reais. Então. em um − → − → aberto conexo D . 0) dt + 2 0 (y . Mostre que rot F = 0 . analogamente. y ) = P (x . γ1 (t ) = (2 cos(t ). y ) j um campo conservativo. y ) i + Q (x . y ) 0 Uma outra questão é: será que sempre existe uma curva ligando A a X em D ? Um conjunto D é dito conexo se. 2). para dois pontos de D . 1) dt = Uma questão que. y ) = y i + (x 2 + y 2 ) j e dois π caminhos ligando os pontos (−2. temos uma idéia da prova.Nota 26. y ) 1 (x . − → − → Queremos encontrar uma função f tal que ∆ f = F . 2 cos(t )) dt = − − − → → Fd r = 2 −2 −π 2 (2 cos(2t ) + 8 cos(t ) − 2) dt = π + 8 8 . apenas. Mas. − → − → − → ∂f ∂f Solução: Como F é conservativo. y ) = lim = lim h→∞ h→∞ h ∂x h e. − → − → − → Não é verdade que todo campo é conservativo. 2). do seguinte fato: − → − → Se F é um campo contínuo num domínio aberto conexo. x 2 ) · (1. y ) = γ − − → → Fd r . Note que o valor da integral de linha de um campo gradiente sobre uma curva só depende do ponto inicial e final da curva e não da particular curva. pode aparecer é: se tivermos um campo cujas integrais ao longo de curvas não dependem particularmente de curvas. em seguida. y ) dt = P (x . Desta forma. y ) = P (x . existe uma “bola” (disco ou esfera) de centro P contida em D . Segue que =Pe = Q . os de (0. y 2 ) · (0.y ) (x . e somente se. − − → → Fd r =− π −π 2 π γ1 (2 sen(t ). Lembramos que um subconjunto D do R2 ou R3 é dito aberto se. para todo ponto P de D . y ) i + Q (x . 0) e (0. resumidamente. então o campo é conservativo? − → − → − → Para responder a essa pergunta vamos considerar um campo F (x . B ) a integral de linha de F é a mesma ao longo de qualquer curva lisa ligando A e B contida em D . ∂y (x +h. a integral não depende da particular curva e. então F é conservativo se. y ) − f (x . teríamos que ∂f f (x + h. Por exemplo: seja F (x . definido em D ⊂ R2 . para − → cada par de pontos (A. dos pontos finais e iniciais. 0) e. 3 e γ2 (0. Seja F (x .

então − → rot F = ∂Q ∂P − ∂x ∂y − → − → k = 0 Nota 27. para campos em R 3 .8. verifique que − − →→ div r ot ( F ) = 0. Procure um exemplo de um campo não-conservativo. − → EP 3. ∂y ∂x − → − F · d →.4 (a) −11/15.2.5 (a) 70 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . r (b) Analise o valor de γ EP 3. (b) 1. verifique se F é conservativo no R2 e. (f) 3 35. Verifique que a integral γ (5. − → − → Será que podemos concluir que quando rot F = 0 o campo é conservativo? 3.12. em que γ é uma curva simples e fechada.11. 0) a EP 3. (d) 17/3. 1).8 Exercícios Propostos 2x sen(y ) dx + (x 2 cos y − 3y 2 ) dy . isto é. Tomando uma função f de classe C 2 (lembra o que isto quer dizer?) verifique que r ot ( f ) = 0 . em que γ é uma curva ligando (−1.3 (a) (10 10 − 1)/54. Nem todo campo é conservativo. (c) 48. em caso afirmativo. também. − → − → EP 3.e.6 25 sen(1) − 1. Este exercício já foi proposto no texto sobre campos e é válido. Quando o campo é conservativo só existe um potencial para este campo? Como são todos os potenciais de um campo conservativo? − → − − →→ EP 3. Se F é um campo de classe C 2 . (e) 9 13π/4. 3.7. EP 3. (c) −1. (b) 1638. (g) 16/11. −19/143. as funções P . x2 + y2 (a) Mostre que ∂P ∂Q = . Seja F (x . (h) 77/6.9.6. 3. − → − → − → − → − → −y i + x j EP 3.10. Q e R são de classe C 2 . (b) 6/5 − cos(1) − sen(1). y ) = (3x 2 + 2xy . é independente do caminho e calcule o seu valor. Se F (x . y ) j = . y ) i + Q (x . 4. y ) = P (x . x 2 + 3y 2 ). 3. − → determine a função potencial de F . Gabarito √ √ √ 3.

4. ∂ D = γ1 + γ2 + . A orientação para o nosso teorema deve ser tal que. Então. além de sua utilidade teórica. Seja um campo vetorial − → − → − → F (x . Seja D uma região fechada e limitada de R2 cuja fronteira ∂ D é formada por um número finito de curvas simples. . consideravelmente. y ) = P (x . duas a duas disjuntas. temos que orientar estas curvas convenientemente. fechadas e lisa por partes. b ]. ao caminharmos sobre a curva.TEMA 04 Teoremas de Green. fechadas. 4. servem para diminuir. b ] → R2 (ou γ : [a. Para compreendê-lo. Stokes e Gauss Relações entre as Integrais de Linha e de Superfície As relações entre as integrais de linha e de superfícies são dadas pelos teoremas de Green. Esse é o resultado contido no teorema de Green no plano. pode-se escrever − − → → (rot F ) · k dA = D ∂D − → − F · d→ r em que a integral de linha é a soma de integrais sobre as curvas componentes da fronteira de D . isto é. o trabalho para o cálculo de certas integrais.1 O Teorema de Green O Teorema de Green nos dá uma relação entre integrais de linha sobre curvas fechadas e integrais sobre regiões limitadas pela curva. Formalmente. Stokes e Gauss que. Vejamos. Para isso. y ) j de classe C 1 (as derivadas parciais de P e Q são contínuas) em um aberto que contém D . No Teorema iremos calcular a integral de linha sobre as curvas da fronteira de D . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 71 . Uma curva é chamada de simples se ela não se auto-intercepta entre o ponto inicial e final. . As regiões que vamos considerar nas hipóteses do Teorema de Green são regiões planas fechadas e limitadas cuja fronteira (ou bordo) é composto por um número finito de curvas simples. b ] → R3 ) é fechada se γ(a) = γ(b ). precisamos estabelecer algumas definições e convenções. + γn . y ) i + Q (x . Uma curva γ : [a. duas a duas disjuntas orientadas no sentido que deixa D à esquerda das curvas. agora. ∂Q ∂P − ∂x ∂y D dA = ∂D − → − F · d→ = r P dx + Q dy ∂D ou. a região fica sempre à esquerda. como é possível relacionar integrais de linha com as integrais duplas e vice-versa. uma curva γ é simples se γ(t ) é diferente de γ(s ) para todo t e s pertencentes ao intervalo [a.1 Teorema (de Green). lisa por partes.

2 2 Solução: − → − − → − → − → F · d →. Nota 28. Portanto. Solução: Claramente poderíamos calcular diretamente esta integral: x 2 y dx + xy 3 dy = γ 0 1 x 2 0 dx + 0 1 1 y 3 dy − 1 0 x 2 1 dx − 1 0 0 y 3 dy Usando o Teorema de Green: A região é o quadrado D . em que γ é o círculo de raio 3 centrado na origem orientado no sentido anti-horário. 1) e (0. 0). logo se chega a integrais complicadas. Calcule γ x 2 y dx + xy 3 dy sendo γ o bordo do quadrado de vértices (0. 1). vale que ∂Q ∂P − ∂x ∂y D 1 1 0 x 2 y dx + xy 3 dy = γ dA = 0 y 3 − x 2 dx dy = − 1 12 Podemos.A prova deste Teorema é bem complicada e não cabe a este curso. em que F (x . ER 55. temos que ∂Q ∂P − ∂x ∂y D dA = ∂D − → − F · d→ = − r P dx + Q dy + γ π 2 −π 2 2t cos(0) dt 72 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . também. Usa-se a notação γ P dx + Q dy quando se trata de integrais de linha de curvas fechadas. 0) e raio 3. Calcule γ π π percorrido de − a . onde D é o disco de centro (0. O Teorema de Green nos permite passar de integrais de linha complicadas para integrais de linha mais simples de se calcular. P dx + Q dy = ∂D ∂Q ∂P − ∂x ∂y D dA = D (7 − 3) dx dy = 36π. as funções P e Q possuem derivadas parciais contínuas em D e a curva está orientada de forma a deixar a região à esquerda. ER 54. utilizar o Teorema de Green quando uma das integrais envolvidas é muito difícil de calcular. y ) = 2x cos y i + (7xy − x 2 sen(y )) j e γ é o gráfico de y = cos x r Usando o Teorema de Green. Solução: Verifica-se que ao se tentar calcular diretamente a integral de linha proposta. ER 53. Calcule γ (3y + e sen(x ) ) dx + (7x + y 4 + 1) dy . Então. 0). (1. (1. usaremos o Teorema de Green como alternativa. Vamos ver alguma aplicações para entender melhor o Teorema de Green. orientado positivamente (anti-horário).

∂Q ∂P − = 0 (verifique!). 2π P dx + Q dy = γ 0 1 [−r sen(t )(−r sen(t )) + cos(t )(r cos(t ))] dt = 2π r2 4. não se esqueça de verificar todos os itens da hipótese. 1). orientado positivamente (sentido horário). γ é a cardióide r = 1 + cos(θ) orientada positivamente. onde γ consiste do arco da parábola y = x 2 de (0. (1.Portanto. 0) a (2. γ é a curva x 6 + y 6 = 1. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 73 . uma curva fechada. sentido anti-horário. − → − → − → −y i + x j ER 56.1 Exercícios Propostos EP 4. sendo γ1 (t ) = (r cos(t ). vai concluir que a integral de linha ∂x ∂y Solução: Temos que é zero. γ (e) (f) γ 2xy dx + x 2 dy . 1) e (0. 0) a (1. Calcule a integral de linha de F (x .1. simples. lisa por x2 + y2 partes qualquer. Usando o Teorema de Green. percorrida uma vez no sentido anti-horário. com y maior ou igual a 0 e orientada positivamente. 0) orientada positivamente (sentido horário). O aluno. 2π]. 1) e do segmento √ x de reta de (1. calcule as seguintes integrais de linha: (a) γ x 2 y dx + xy 3 dy . r sen(t )). em que γ é o quadrado com vértices (0. Errado! O campo em questão não está definido na origem! Não podemos usar o Teorema de Green desta forma. apressado. (1. 1) a (0. Pelo Teorema de Green 0= D ∂Q ∂P − ∂x ∂y dA = ∂D P dx + Q dy = γ P dx + Q dy + γ1 P dx + Q dy Portanto.1. (d) γ x 2 y dx + y 2 dy . − → − F · d→ = r π 2 γ −π 2 2t cos(0) dt − π 2 ∂Q ∂P − ∂x ∂y D π 2 dA = 0 − D 7y dx dy cos x 0 = − −π 2 7 7 y dx dy = − 4 7 (1 + cos 2x ) dx = − π 4 −π 2 Cuidado! Ao usar o Teorema de Green. que contém a origem no seu interior. xy dx + 2x 2 dy . γ consiste do segmento de reta unindo (−2. (b) γ (x + 2y ) dx + (x − 2y ) dy . (c) γ (y + e ) dx + (2x + cos y 2 ) dy . 0). 0) e da semi-circunferência x 2 + y 2 = 4. 0). assim. onde γ é a fronteira da região limitada pelas parábolas y = x 2 e x = y 2 percorrida no sentido anti-horário. para t em [0. Tomemos um círculo γ1 de centro na origem e raio r que está no interior da curva γ (sempre existe?). temos uma parametrização de γ1 no sentido anti-horário e. y ) = sobre γ.

orientado positivamente. então a resposta à nossa pergunta é sim! Uma região D (de R2 ou R3 ) é dita simplesmente conexa se é conexa e se toda curva fechada. dessa forma. 0). 3 2 (a) −1/12. 74 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Finalmente. (b) −1/6. as quais ele distribuiu entre seus amigos. onde F (x . Este trabalho contém uma forma equivalente do que hoje conhecemos como Teorema de Green. então F é conservativo. Green ingressa na Universidade de Cambridge como um aluno de graduação. Em 1828 ele publicou. 0) e de (0. (g) π. se prova que rot F = 0 . Deixamos a seguinte pergunta sem resposta: podemos concluir − → − → que quando rot F = 0 . (f) 0. que foi pouco notado. Willian Thomson (Lord Kelvin) descobre uma cópia do trabalho de Green. Basta γ calcular para ver isto. ou seja.(g) γ (xy + e x ) dx + (x 2 − ln(1 + y )) dy . quando consideramos regiões D sem “buracos”. cinco anos depois de sua morte. seu trabalho mais importante: “An Essay on the Application of Mathematical Analysis to the Theories of Eletricity and Magnetism”.2 Campos Conservativos em Domínios Simplesmente Conexos − → No texto sobre Campos Conservativos vimos que se um campo F é conservativo. com recursos próprios. γ consiste do segmento de reta de (0. Podemos. 16 1 √ −1 . Seu trabalho foi a base para os trabalhos de Thomson. Se − → − − → → rot F = 0 . lisa por partes. e dos segmentos de reta de ( 2. no R2 . 0) a ( 2. percebe sua importância e o republica em 1846. a resposta é não. (e) 0. Em 1846. é a que não tem “buracos”. então ele tem um poten− → − → cial e. Ele trabalhava em tempo integral na padaria de seu pai desde os 9 anos de idade e aprendeu sozinho Matemática e Física com livros de biblioteca. não é só aplicar o Teorema de Green usando a região interior à curva e concluir que a integral de curvas fechadas dá sempre 0? Calma! − → − → − → − → −y i + x j − → Considere o campo F = cujo domínio é R2 \ {(0. O problema é o tipo de domínio do campo que tem um “buraco”. Apenas 100 cópias foram feitas. 0)}. (d) 0. mas que x2 + y2 − − → → F d r = 2π para qualquer circunferência centrada na origem percorrida no sentido anti-horário. Intuitivamente. y ) = (y 2 − x 2 y ) i + xy 2 j e γ consiste do arco de circunferência x 2 + y 2 = 4. não basta ver que o rotacional é zero para concluir que o campo é conservativo! Entretanto. aos 40 anos. simples. 0) a (π. Seja F um campo de classe C 1 definido num aberto simplesmente conexo D do R2 . (h) − → − − → − → − → F · d →. Então. o campo é conservativo. facilmente. que toda integral de linha do campo sobre uma curva fechada é zero? Afinal. aplicar o Teorema de Green para obtermos o resultado acima. 0) a (2. Green foi o primeiro a tentar formular uma teoria matemática para a eletricidade e o magnetismo. contida em D pode ser contraída continuamente a um ponto sem sair de D . uma região assim.2 Um Pouco de História O Teorema de Green é assim chamado devido ao cientista inglês George Green (1793-1841).2 Teorema. temos o seguinte resultado: − → 4. Stokes. 2). de r γ √ √ √ √ (2. 4. ou seja. que o formulou e provou. Rayleigh e Maxwell sobre a teoria de eletromagnetismo. assim. (c) 1/3. E. É fácil ver que rot F = 0 . (h) π + 4. 0) e do arco da curva 2 y = sen(x ).1. 2) a (0.

y ) é conservativo se. y ). z )). Nos dois exercícios a seguir. y ) = é conservativo. x2 + y2 Solução: Alguns podem responder que não é conservativo. 2 − → − → − → (x 2 + y 2 )(x i + y j ) ER 58. devemos observar que em campos cujo domínio não é simplesmente conexo. x2 + y2 − 1 Seu domínio é o conjunto D = {(x . temos que ∂Q ∂P − ∂x ∂y D − → plesmente conexo. se o rotacional é nulo. Agora. rot F e D é simplesmente conexo. Verifique se o campo F (x . um campo definido em um domínio D − → e suponha que as derivadas parciais de P e Q sejam contínuas. y . Verifique que o rotacional do campo é nulo (lembre que se não fosse. y . que se F é conservativo em um conjunto simplesmente conexo. z ). 1o caso: tome uma curva γ fechada de forma que o disco de centro (0. z ). Mas a resposta é sim. y ) = é conservativo. não implica que ele não seja conservativo. então − → − → rot F = 0 . temos que considerar outra região. também.3 Proposição (para campos em R2 ). Seja F (x . orientada no sentido anti-horário. 0) e raio 1 esteja contida na região interior a γ. e somente se. − → − → − → x i +y j ER 57. Seja F (x . 0) e raio 1 não está contido na região interior a γ. y )). nada podemos dizer. Leia as hipóteses do teorema: quando o domínio for simplesmente conexo. y . Então F (x . apesar deste fato. Tome a curva γ como sendo uma circunferência de centro em (0. = e D é simplesmente conexo. Q (x . y ). pois o domínio R2 \ {(0. Aplicando o Teorema de Green. y . y ) = (P (x . então podemos dizer que. um campo definido em − → um domínio D e suponha que as derivadas parciais de P . então o campo é conservativo. para FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 75 . para aplicarmos o teorema de Green. e somente ∂P ∂Q se.4 Proposição (para campos em R3 ). Então F (x . Isto se deve ao fato de que F (x . Verifique se o campo F (x . Q e R sejam contínuas. R (x . ∂x ∂y − → 4. O domínio do campo que deve ser simplesmente conexo para que o resultado valha. 0)} não é simln(x 2 + y 2 ) . Atenção! Não existem “campos simplesmente conexos”. x 2 + y 2 > 1}.Atenção! − → É válido. orientada no sentido anti-horário. Agora. y ) = dA = 0 = − → → ∂D F · d − = r γ − → − F · d→ r 2o caso: tome uma curva γ fechada. y ) é conservativo − → se. Se o domínio não for simplesmente conexo. Q (x . z ) = (P (x . 0) e raio r > 1 e que contenha γ no seu interior. o campo não poderia ser conservativo!). de forma que o disco de centro (0. sim. Para mostrar que este campo é conservativo vamos calcular a integral de linha deste campo sobre toda curva fechada e ver que é zero usando o teorema de Green. Podemos enunciar o teorema anterior para campos do R2 e do R3 da seguinte forma: − → 4.

2. − → − → − → (a) F (x . os vértices de um polígono são (x1 . (2. y1 ) ao ponto (x2 . − → − → − → − → (g) F (x . F d r = 0 para qualquer curva lisa por partes fechada em D . y ) = − → (a) Verifique que F é conservativo em qualquer região simplesmente conexa que não contém a origem e − − → → calcule F d r . 0 ≤ t ≤ 2π. Em caso afirmativo. . 0. y ) = (3x 2 − 4y ) i + (4y 2 − 2x ) j . y1 ). y . mostre que: γ x dy − y dx = x1 · y2 − x2 · y1 .4. y . Sendo assim. EP 4. − → EP 4. z ) = x i + y j + x k . − → − → − → − → (e) F (x . onde γ é uma curva fechada contida na referida região. Calcule γ − → − F · d → para: r − → − → − − → → (a) F (x . + (xN −1 yN − xN yN −1 ) + (xN y1 − x1 yN )] 2 (c) Determine a área do pentágono de vértices (0. 3). .6. 0). Determine se os campos são conservativos. k ) = y z i + (y 2 + xz ) j + xy k . . Mostre que sua área é dada por: A= 1 [(x1 y2 − x2 y1 ) + (x2 y3 − x3 y2 ) + . . γ (b) Considere uma curva γ fechada. y ) = (2x − 3y ) i + (2y − 3y ) j . (x2 . 1. temos que − − → → Fdr = 2π 0 γ r2 √ [r cos(t )(−r sen(t )) + r sen(t )(r cos(t ))] dt = 0 r2 − 1 4. y ) = (x 2 + y ) i + x 2 j . − → − → − − → → (d) F (x . − → − → − → (b) F (x .5. . e mostre que γ −− →→ F r = 2π. − − → → e somente se. determine um potencial. Mostre que para um campo F contínuo num domínio aberto conexo tem-se que é conservativo se. − → − → − → − → (f) F (x . y . y . r Note o sinal negativo por causa da orientação. (xN .1 Exercícios Propostos −y x . y .3. . 1). EP 4. 1). − → − → − → (c) F (x . (b) No sentido anti-horário. z ) = xy i − y j + k . Determine o trabalho realizado pelo campo de forças F (x . y2 ). y2 ). (a) Se γ é o segmento de reta ligando o ponto (x1 . Considere o campo vetorial F (x . − → − → − → − → (h) F (x . 0) a (1. 0 ≤ t ≤ 2π. γ − → − → − → EP 4. r EP 4. y ) = x i + (y + 2) j ao mover um ponto − → − → → ao longo da ciclóide − (t ) = (t − sen(t )) i + (1 − cos(t )) j . onde γ é o segmento unindo (0. contornando a origem. 1). 2) e (−1. . yN ).2. z ) = zx i + xy j + y z k . (1. y . z ) = y i + x j + k .7. z ) = y z i − z 2 j + x 2 k .a região R indicada vale que 0= D ∂Q ∂P − ∂x ∂y dA = ∂D − → − F · d→ = r − → → γ2 F · d − − r − → → γ F · d− . x2 + y2 x2 + y2 − → EP 4. 76 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . (0.

y .11. onde γ é a circunferência a2 = x 2 + y 2 . com y e z maiores ou iguais a 0. percorrido uma vez no sentido horário. x 2 + z 2 = 4. − → EP 4.2) (1. 0. z ) = xy i − y j + k . y ) = x i + xy j é nulo ao longo de qualquer − → circunferência com centro no eixo das abscissas.9. (d) γ y dx + z dy + x dz . sendo γ a intersecção das superfícies z = x 2 + y 2 e z = 2x + 2y − 1. percorrida uma vez em sentido a b anti-horário.− → − → − − → → (b) F (x . y ) = cxy i + x 6 y 2 j . ±1). 0) a (2.13. 4 − x 2 ). ligando (−2. 0) até a reta x = 1 sobre a curva γ. 0) ao ponto (−1. sendo γ a intersecção das superfícies z = xy e 1 = x 2 + y 2 . Pode-se concluir que F é conservativo? − → − → − → EP 4. Determine todos os valores possíveis da integral (2. y ) = y i + (x 2 + y 2 ) j . Calcule: (a) γ x dx + y dy + z dz .8. percorrida uma vez no sentido horário. − → − → − → x2 y2 (d) F (x . 0. (b) γ 2y dx + z dy + x dz . onde − = x i + y j . Prove que o trabalho realizado pelo campo F (x . orientada de modo que sua projeção no plano Oxy seja percorrida uma vez no sentido horário. − → − → − → EP 4. sendo γ a fronteira da região limitada por x = 0. gráfico da função y = ax b . (c) dint γ y dx + z dy + x dz . Determine um valor − → de c em termos de a e de b para que o trabalho realizado por F seja nulo. Mostre que F é conservativo. (x + y ) dx − (x − y ) dy . Considere o campo F (x . c > 0. t 3 ). atuando sobre uma partícula que se move do ponto (0. Suponha que g é de classe C 1 . 0). onde γ é o quadrado de vértices (±1. 0). y ) = g (|− |)− . onde γ(t ) = (t . y = 1 e y = x 2 . 2).10. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 77 . orientada de modo que sua projeção no plano Oxy seja percorrida uma vez no sentido horário. de (0. Calcule: (a) γ 2x dx + (z 2 − y 2 ) dz . |x | + |y | √ √ y dx + x dy . com a > 0 e b > 0. percorrida uma vez do ponto (1. r r r EP 4. √ − → − → − → (c) F (x . x2 + y2 dx + dy . onde γ é o arco circular dado por x = 0. orientada de modo que sua projeção no plano Oxz seja percorrida uma vez no sentido horário. 2. onde γ é o arco de circunferência γ(x ) = (x . sendo γ a intersecção das superfícies 1 = x 2 + 4y 2 e 1 = x 2 + z 2 . EP 4. 0 ≤ t ≤ 1. percorrida uma vez no (b) γ (c) γ (d) γ sentido horário. y ) = (x + y ) i + (x − y ) j . t 2 . Um campo de vetores F em R2 é chamado de radial (ou central) se existe uma função g : R → R tal − → − → − → − → → → → que F (x . onde γ é a elipse de equação 2 + 2 = 1. 0) a (0. 0. sendo γ a intersecção das superfícies x + y = 2 e x 2 + y 2 + z 2 = 2x + 2y .12. EP 4.0) − y dx + x dy x2 + y2 sobre um caminho que não passe pela origem.

− → − → − → → Por exemplo. y = y (u . 4].4. π]. v ) = ((2+sen(v )) cos(u ). temos a equação vetorial de S que descreve as coordenadas dos pontos de S de forma vetorial. onde (u . y ). No caso ii. temos. Já no caso i. 1] × [0.3 Superfícies Parametrizadas Uma curva é uma “linha” do plano ou do espaço que pode ser vista como um segmento deformado. se fixamos v = v0 . v ) = 2 cos(u ). v ) ∈ D = {(u . com (u . v ) ∈ [0. Uma superfície é uma região do espaço que pode ser vista como uma região plana deformada. u + cos(v )). se z = f (x . z = ções: i. z ) do R3 tais que x = x (u . √ a2 − x 2 − y 2 e observe as parametriza- a2 − u 2 − v 2 . v ) em [0. φ) = a cos(θ) sen φy . temos. 4.. Uma questão natural é: a parametrização de uma superfície é única? Ou seja. v ) = 2 sen(v ) são equações paramétricas de S . uma parametrização de S . em que D = [0. as curvas coordenadas são os meridianos e os paralelos. Identifique as curvas coordenadas. Note que. φ) = a sen(θ) sen φ e z = z (θ. Nota 29. Considere a parte superior da esfera x 2 + y 2 + z 2 = a2 . Construindo-se o gráfico da superfície (parte superior de uma esfera) com o Winplot utilizando as parametrizações obtidas. v ) = u 2 . temos que as curvas coordenadas são cortes por planos paralelos aos planos x = 0 e y = 0. v ). y = y (u . y = y (u . que é uma parte da anterior. u 2 + v 2 ≤ ii.1 Exercícios Propostos EP 4. z (u . com (u . variando v . Observe as curvas coordenadas. v ). Como no caso das curvas. como se diz. v ) em D = R2 descreve o r cilindro infinito de raio 2. v ) e z = z (u . v ) = u sen(v ).3. só existe uma maneira de descrever os pontos de uma superfície S usando duas variáveis? A resposta . Estas curvas são chamadas de curvas coordenadas.. 4] × [0. exatamente pelo tipo de parametrização usada. tomando x = x (u . a curva r (u . temos outra superfície. Analogamente. ou seja. y . ou. v ). v ). com (u . (2+sen(v )) sen(u ). podemos observar uma diferença. usando coordenadas esféricas x = x (θ. y (u . Um outro exemplo é a superfície parametrizada dada por r (u . a equação vetorial − (u . para (u . para (u . v ) pertence a D . com eixo no y . v ) = u cos(v ). 78 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . De fato. y = v e z = f (u . v ) em D . v ) = v e z = z (u . no plano uv . é chamado de superfície parametrizada S . Use o winplot para esboçar o gráfico das seguintes superfícies parametrizadas. 2π] × [0. 2π](tente construir usando o software winplot). v ). O conjunto dos pontos (x .14. 4] × [0. y = y (θ. Se mudamos a região D e tomamos D = [−1. deixando u = u0 constante e fazendo v variar. v ) = 2 cos(u ) i + v j + 2 sen(v ) k . v0 ). v ) = u . Estas equações são chamadas de equações paramétricas de S (ou apenas uma parametrização de S ). v ) = a2 . As equações x = x (u . π]. v ) = v e z = z (u . y )? Quais são superfícies conhecidas? (a) x (u . uma reta e na superfície uma curva. O gráfico deste não fica tão bom como no caso ii. φ) = a cos φ. onde (x . Note que é como se pegássemos a região plana D e a deformássemos criando S . Quais destas superfícies são gráficos de funções de duas variáveis f (x . r (u0 . y ) pertence a D que é o domínio de f (D é uma região do plano xy ) uma parametrização do gráfico de f (que está no R3 ) é x = u . Gráficos de funções de duas variáveis são sempre superfícies parametrizadas.

0. Se S é uma superfície. y (u . π] × [0. 4] × [0. y (u . v ) = 2 + 4u + 5v . 2π] × [0. . nos parece que um valor que pode ser chamado de “área da superfície” é: − → − → | X u × X v | du dv D Portanto. v ) = u sen(u ) cos(v ). v ) = u sen(v ) . v ) em [0. 2]. 1. a superfície do cilindro. v ) = sen(u ) sen(v ). os quais possuem coordenadas: − → Xu = Cada paralelogramo tem área − → − → − → − → | X u ∆u × X v ∆v | = | X u × X v |∆u∆v − → − → v No nosso caso: X u = (1. com (u . y (u . com (u . v ) = (x (u . v ) ∈ D = [0. por exemplo. 0). v ) = sen3 v . y (u . z (u . v ) = sen(u ) cos(v ). 2π] × [1. π] 4. podemos pensar em cobrir nosso telhado com pequenos paralelogramos. v ) = u sen(v ). isto é: − → − → | X u × X v |∆u∆v Intuitivamente. Mesmo assim. tão pequenos que são quase planos. Entretanto. com (u . v ) em [0. v ) = 1 + 2u . 2π] (e) x (u . . ∂u ∂u ∂u − → e Xv = ∂x ∂y ∂z . z (u . v ) = u . π] × [0. X v = 0.2] (d) x (u . v ) em [0. v ) = sen3 (u ) cos3 (v ). v ). Assim. Temos dois vetores que extraímos de cada curva coordenada que são tangentes a estas curvas. v ) = cos(u ) + ln(tg (v /2)). conhecemos fórmulas para calcular a área de algumas superfícies. temos o problema de calcular a área destes pequenos pedaços de planos. z (u . a área do telhado é. com (u . 5] × [0. ∂v ∂v ∂v Portanto. 2 ∂x ∂y ∂z . v )). para uma superfície parametrizada S qualquer. y ) ∈ [0. A fim de calcular a área deste telhado. 2π] (f) x (u . 4 Tomemos uma parametrização de S : X (u . vamos 4 dividi-lo em pequenos pedaços Si . v ) em [−3. v ) = −u + 3v . v ) em [0. v2 du dv . 6. z (u .4 Área de uma Superfície Até aqui. em que x = x (u . z (u . y = v2 y (u . v ). com (u . v ) = u cos(u ) cos(v ). é razoável encontrar a medida da − → − → − → sua área. z (u . v ) = u . Assim. 4 Podemos concluir que. como. como fizemos acima. . y (u . y (u . v ) = 2 − . 7].(b) x (u . 1 . a área do telhado é 2 0 0 5 1+ Deixamos como exercício o cálculo desta integral. v ) = cos3 (u ) cos3 (v ). v ) = v e z = z (u . para (u . podemos concluir que quanto menor a partição mais próximos estamos da área “real” do telhado. a soma das áreas de cada pequeno paralelogramo. − 2 − → − → v e X u × X v = 0. do cone ou da esfera. O paralelogramo X u × X v = 0 deve FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 79 . 5] × [0. O plano tangente pode ajudar. v ) = u cos(v ). como calcular a sua área? Partiremos do seguinte exemplo: o telhado de uma estrutura tem o formato da superfície S dada por z = y2 2− para (x . 2]. temos alguns problemas. aproximadamente. (c) x (u .

z = a sen(v ). com cada Sk superfície lisa parametrizada. y ) ∈ D .5 Definição. z ). em torno do eixo z e calcule sua área. Portanto. 80 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . Usando coordenadas polares 2π 3 A(S ) = D 1 + (2x )2 + (2y )2 dA = 0 0 r 1 + 4r 2 dr dtheta = 2π 1 2 (1 + 4r 2 )3/2 8 3 3 = 0 √ π (37 37 − 1) 6 ER 60. a superfície que queremos é o conjunto dos pontos S = {(x . Resumidamente. . v ) ∈ D ⊂ R2 . . em que (u . A área de S é dada pela integral − → − → | X u × X v | du dv . Às vezes S não pode ser descrita globalmente usando apenas uma parametrização. Calcule a área de parte do parabolóide z = x 2 + y 2 que está abaixo do plano z = 9. (x . então uma parametrização natural é x = x .ser conhecido e. aquela que temos não satisfaz as condições (não é globalmente lisa). se S = S1 ∪ S2 ∪ . Podemos. duas − → − → − → a duas disjuntas. 0 ≤ x 2 + y 2 ≤ 9}. Uma superfície como esta chamaremos de superfície lisa parametrizada. y ). Nota 31. Solução: O plano intercepta o parabolóide na circunferência x 2 + y 2 = 9. Solução: Uma parametrização para a superfície: x = (b + a cos(v )) cos(u ). z = x 2 + y 2 }. y ) (não precisamos trocar o nome das variáveis) e a área da superfície é: A(S ) = D 1+ ∂f ∂x 2 + ∂f ∂y 2 dA ER 59. + A(Sn ). a integral referida tem que existir. região do R2 . y ) ∈ D . Se pudermos dividir S em pedaços e calcular a área de cada um. . Seja S uma superfície lisa parametrizada dada por x = x (u . também. v ) e z = z (u . z = 9. em que D = {(x . v ). v ). y . 0. y = y (u . basta. temos que ter uma região limitada e fechada D cuja fronteira é composta de um número finito de curvas lisas por partes. para (x . somá-las. Nota 30. Logo. Determine uma representação paramétrica da superfície S : toro obtido pela rotação da circunferência no plano xz . além disso. y = y e z = f (x . ∪ Sn . então A(S ) = A(S1 ) + A(S2 ) + . com parametrização tal que X u × X v = 0 . no final. então. Às vezes. nos restringiremos a superfícies parametrizadas S as quais certas condições são satisfeitas. Desta forma. y ). 4. ou seja . . A(S ) = D 1 + (2x )2 + (2y )2 dA. com o que foi visto. no interior de D e biunívoca. y = (b + a cos(v )) sen(u ). simples e fechadas. A definição de área de superfície não depende da parametrização de S . concluir que se a superfície é o gráfico de uma função f (x . 0) e raio a < b . com centro (b . D quando esta existir.

15.4.Segue que − → i − sen(u )(b + a cos(v )) −a cos(u ) sen(v ) − → j cos(u )(b + a cos(v )) − → k 0 − → − → |X u × X v | = = = Então −a sen(u ) sen(v ) a cos(v ) − → − → − → |a cos(u ) cos(v )(b + a cos(v )) i + a sen(u ) cos(v )(b + a cos(v )) j + a sen(v )(b + a cos(v )) k | a(b + a cos(v )) 2π 2π 0 A(S ) = 0 a(b + a cos(v )) du dv = 4π 2 ab . v ). v ))| X u × X v (u . Seja S um superfície parametrizada lisa com domínio D . Seja f (x . 0 ≤ t ≤ 2π. √ − → − → − − → → − − → → − − → → Um cálculo simples mostra que | X u × X v | = E · G − F 2 . z ) = xy .16. Solução: A superfície S é a união de 3 superfícies: o cilindro e as duas “tampas”. y .6 Definição. z (u . 4. definida em S . Calcule a massa da superfície S que é a fronteira da região limitada pelo cilindro x 2 + z 2 = 1 e pelos planos y = 0 e x + y = 2. é interessante termos um modo prático de obtê-lo. Calcule a área da parte da superfície z = 4 − x 2 − y 2 limitada por 0 ≤ z ≤ x 2 + y 2 .5 Integrais de Superfície de Campos Escalares 4. S1 e S3 .1 Exercícios Propostos − → − → → EP 4. respectivamente. sendo a densidade f (x . A integral de superfície de f em S é a integral dupla − → − → f (x (u . FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 81 . y . G = X v ∗ X v e F = X u ∗ X v . − → − → De fato.5. quando f (x . z ) uma função real contínua. a massa procurada é: xy dS = S S1 xy dS + S2 xy dS + S3 xy dS . 4. Atenção: − → − → Note a presença do fator | X u × X v |. que chamaremos de S2 . y (u . Então. z ) = 1 a área de S é dada pela integral de | X u × X v |. (veja o desenho). ER 61. onde E = X u ∗ X u . r EP 4.1 Dispositivo Prático para o Cálculo do Fator − → − → Como o fator | X u × X v | sempre aparece quando queremos calcular uma integral de superfície de um campo escalar. Determine a área da região limitada pela hipociclóide dada por − (t ) = cos3 t i +sen3 t j . v ). y . 4. v )| du dv D que é denotada por S f dS .

0. S √ 2 xy dS = −2π − π. 82 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . y = 2 − u cos(v ). S1 : x = u . z = sen(u ). Temos que: − → − → Xu× Xv = − → i 1 0 Segue que − − → → j k 0 1 0 0 = (0. 2 − cos(u )]. Temos que: − → − → Xu× Xv = − → i cos(v ) −u sen(v ) Segue que − → j cos(v ) −u sen(v ) − → k sen(v ) = (u . y = 0. 2π] e v ∈ [0. Calcule S x + 1 dS . em que S é a parte de z = x 2 + y 2 limitada por x 2 + y 2 = 2y . para u ∈ [0. 1] × [0. y = v . 4 = −2π ER 62. D1 o disco de raio 1. para (u . Temos que − → − → Xu × Xv = − → i sen(u ) 0 Segue que − → j 0 1 − → k cos(u ) 0 = (− cos(u ). z = v para. −u . − sen(u )) xy dS S = D2 v cos(u ) du dv 2π 2π 0 2−cos(u ) = 0 v cos(u ) dv du (2 − cos(u ))2 cos(u ) du 2 4 cos(u ) − 4 cos2 (u ) + cos3 (u ) du 2 0 = = = 1 2 1 2 0 0 2π 0+4 u sen 2u + 2 4 + sen(u ) − sen3 (u ) 3 2π 0 Portanto. 0) u cos(v ) xy dS S2 = = = = √ 2 D2 √ u cos(v )(2 − cos(v )) 2u du dv 2π 0 0 1 2 cos(v ) cos2 (v ) − dv 3 4 0√ − 2 π 4 2π (2u 2 cos(v ) − u 3 cos2 (v )) du dv S2 : x = cos(u ). v ) em [0. 2π]. 0) xy dS = S1 D1 u · 0 du dv = 0 S3 : x = u cos(v ). z = u sen(v ).Calcularemos cada uma separadamente. −1.

nesta situação temos que: − → − → |X u × X v | = Portanto. dx dy dz T S FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 83 . é fazer a seguinte mudança de coordenadas: u = r cos(θ). Seja T uma região fechada e limitada no espaço. onde v varia em [0. e só se. − → i cos(v ) −u sen(v ) √ − → − → Segue que | X u × X v | = u 2 e. −u sen(v ). neste caso. vamos mostrar duas maneiras de parametrizar a superfície. se − → pode decompor num conjunto finito de superfícies orientáveis. em que (u .6 O Teorema de Gauss O teorema de Gauss. Logo √ √ (u + 1) 2 du dv = 2 D 0 2π 0 1 (r cos(θ) + 1)r dr dtheta = √ 2 0 2π √ cos(θ) 1 + dtheta = 2π 3 2 2a maneira: podemos parametrizar S da forma x = u cos(v ). agora. 1a maneira: temos o gráfico de uma função e então podemos parametrizar da forma x = u . também conhecido como o teorema da divergência. z ) uma função vetorial contínua. Seja F (x . permite-nos relacionar integrais de superfície com os integrais triplos já estudados anteriormente. y = u sen(v ) e z = u . Em coordenadas cartesianas. para r ∈ [0. O mais indicado. então. y = v e √ z = u 2 + v 2 . v ) pertencem à região D (disco de centro (0. Nestas condições.Solução: Inicialmente. 1+ 2 2 u √ 2 + v2 u + v √ 2 + v2 u = √ 2 x + 1 dS = S D √ (u + 1) 2 du dv . podemos n escrever dFx dFy dFz + + dx dy dz = F1 dy dz + F2 dz dx + F3 dx dy . 1) e raio 1). portanto. y . π] e u varia em [0. 2π]. com primeiras derivadas parciais contínuas num dado domínio que contém T . − → j sen(v ) −u cos(v ) − → k 1 0 = (−u cos(v ). → em que − é o versor normal que aponta para fora da superfície S . u 2 = 2u sen(v )). Então. temos que − → ÷ F dV = T S −− →→ F n dA. u ) − → − → Xu× Xv = x + 1 dS S = D π √ √ (u cos(v ) + 1)u 2 du dv = 2 0 3 π 0 2 sen(v ) u 2 cos(v ) + u du dv π = 0 √ 8 sen (v ) cos(v ) + 2 sen2 (v ) dv = 2 3 3 sen4 (v ) sen(2v ) +1− 4 4 = 0 √ 2π 4. v = 1 + r sen(θ). esboce a superfície utilizando o software winplot: Agora. cuja fronteira é uma superfície S orientável ou. Como vimos antes. 2 sen(v )] (pois x 2 + y 2 = 2y se. 1] e θ ∈ [0.

4 ER 64. v ) → ru − (u . 84 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA .Curiosidade! O teorema de Gauss é resultado de ligações entre a divergência de um campo vetorial e o valor da integral de superfície do fluxo definido pelo campo. em particular. podemos utilizar a representação 3 paramétrica da superfície esférica e calcular a integral para a = 2. Temos que. b a 2π 0 2π 0 dz 0 ρ2 ρ dρ dφ cos2 (φ) = 5 4 ba 4 dφ cos2 (φ) = 5 π ba4 . podemos escrever que o integral − → − → − → = 2 cos(u ) cos(v ) i + 2 cos(u ) sen(v ) j − 2 sen(u ) k − → − → − → = −2 sen(u ) sen(v ) i + 2 sen(u ) cos(v ) j − 2 sen(u ) k Segue que. e utilizando o teorema de Gauss. o campo F = 7x i − z k possui a seguinte representação paramétrica: − → − → − → F = 14 sen(u ) cos(v ) i − 2 cos(u ) k . v ) → r v − → Solução: Uma vez que ÷ F = − → · F = 6. pelo teorema de Gauss. v ) = 2 sen(u ) cos(v )− + 2 sen(u ) sen(v )− + 2 cos(u )− . − → − − → − → − → → N = →u × − v = [4 sen2 (u ) cos(v )] i + [4 sen2 (u ) sen(v )] j + [4 cos(u ) sen(u )] k . Verifique o teorema de Gauss na integral S → − → − → (7x i − z k )· − dA. Sendo assim. − − → → F · n dA = S S − − → → F · N du dv = 2π π dv o 0 du [56 sen3 (u ) cos2 (v ) − 8 sen(u ) cos2 (u )] = 64π. a área da superfície esférica é dada por (4 sen3 (u ) = 3 sen(u ) − sen(3u )). r r − → − → − → Na superfície S . Através de um cálculo direto. 0 ≤ z ≤ b e respectivas bases circulares. → r i j k em que 0 ≤ u ≤ π e 0 ≤ v ≤ 2π. 4. Para calcular a integral de superfície. Determine o integral pelo cilindro x 2 + y 2 = a2 . Ele é um importante resultado que a Física utiliza. onde S é a superfície fechada delimitada S ER 63. n 4 vale 6 π23 = 64π. − → Solução: Temos que ÷ F = podemos escrever: 5 x 2 dx dy dz = 5 T 0 − → · F = 5x 2 . (x 3 dx dy + x 2 y dx dy + x 2 z dx dy ). na Eletrostática e na Dinâmica dos Fluidos. → → → − (u . Em coordenadas cilíndricas. onde S é a superfície x 2 + y 2 + z 2 = 4. diretamente. obtém-se: − (u .7 O Teorema de Stokes O teorema de Stokes nos permite transformar as integrais de linha em integrais de superfície e vice-versa.

decomponível num número finito de curvas lisas. então. portanto: ( S − → → × F ) · − dA = n 2π 1 dφ 0 0 ρ dρ(2ρ cos(φ) cos(φ) + 2ρ sen(φ) + 1) = π. É importante não esquecer que o teorema de Stokes se aplica a superfícies abertas. pois só neste caso se estabelece inequívocamente uma curva delimitadora. C − → − F · d→ = r 2π 0 [sen(t ) · (− sen(t ))] dt = −π. O contorno C é a circunferência de raio unitário no plano xy . Considere. Nestas condições. 1 1 1 . − → → − → − → − ER 65. r → em que − é um versor normal a S de acordo com o sentido de circulação em C r Nota 32. constituindo uma − → curva fechada lisa ou. onde S é o parabolóide z = 1−x 2 −y 2 . que é lisa ou. com primeiras derivadas parciais contínuas num dado domínio que contém S . − → N = No ponto de coordenadas − → − → − → − → − − → → w = wx i + wy j + wz k = −2x i − 2y j − k . Do teorema de Stokes se torna evidente que. Obtemos. y . 2 2 2 − → o vetor N aponta para o interior do parabolóide. Podemos. que é o resultado simétrico. ou mudamos o sentido de N ou. escrever: ( S − → → × F ) · − dA = n S ( − − → → × F ) · N dx dy = S (2x + 2y + 1) dx dy . → → → → − (t ) = cos(t )− + sen(t )− ⇒ − (t ) == sen(t )− + cos(t )− → → r i j r i j Logo.7 Teorema (de Stokes). A solução é mais simples se convertêssemos a integral para coordenadas cilíndricas. S uma superfície orientada no espaço. basta recordar que esta é a superfície equipotencial w = 0 do campo escalar w = 1 − x 2 − y 2 − z . Seja F (x . a integral de linha. Sendo assim.4. Verifique o teorema de Stokes para o campo F = y i +z j +x k . Voltamos a encontrar funções cuja integral de linha não depende da trajetória que liga os pontos inicial e final . então a integral ao longo de qualquer circuito fechado é zero. Seja C a fronteira de S . assim. z≥0 Solução: Determinemos. primeiramente. Para determinar a integral de superfície precisamos calcular − → → − → − → − × F = − i − j − k . então. ficamos desde já sabendo que vamos obter o simétrico do resultado pretendido. . Para calcular um vetor normal à superfície. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 85 . se uma função vetorial pode ser escrita como o gradiente de uma função escalar. temos que: ( S − → → × f ) · − dA = n − → − F · d →. Portanto.são as denominadas funções conservativas. Isso significa que − → − → o sentido de N não está de acordo com o sentido de circulação de C . decomponível em um número finito de superfícies orientadas lisas. z ) uma função vetorial contínua. então. como se pretendia. então.

em que S é a S EP 4. z = 1 e F = 2z 2 i + 3x j . Como o mundo físico é multidimensional (isto é. o qual ajudou a fazer com que a diferenciação parcial fizesse parte do cálculo. De várias maneiras. Depois do desenvolvimento do cálculo de uma variável no século XVII.8 Um Pouco da História das Funções de Várias Variáveis Durante o século XVI. EP 4. para o cálculo de várias variáveis.7. Seu trabalho principal foi o Traité de dynamique (1743). 0 ≤ y ≤ 2 e 0 ≤ z ≤ 1. Este aplicou seu conhecimento de cálculo à mecânica.4. finalmente. utilizando o teorema de Gauss. Por isso. Pelo seu trabalho nestas áreas.1 Exercícios Propostos − − → → F · n dA. em que S é o quadrado de limites n − → − → − → 0 ≤ x ≤ 1. Determine. Lagrange também foi o primeiro a desenvolver os métodos de hoje para encontrar máximos e mínimos usando cálculo. Estes resultados mudaram a Astronomia e desempenharam um papel crucial no desenvolvimento da física newtoniana e do cálculo. Também. O astrônomo. muitas das quantidades usadas nestes modelos aplicados eram de várias variáveis. Determine a integral S ( − → → × F ) · − dA por integração direta. Seus principais trabalhos foram sobre as equações de movimento e no entendimento da energia potencial. Ele tinha apenas 19 anos quando inventou estes métodos e até muito mais tarde em sua vida ainda os considerava como seu melhor trabalho em Matemática. matemático e físico alemão Johannes Kepler (1571–1630) contribuiu grandemente através do desenvolvimento das suas três leis do movimento planetário. no qual aplicou cálculo de várias variáveis ao movimento e às propriedades de objetos no espaço. D’Alembert pesquisou nesta área e publicou muitos trabalhos em matemática e física matemática. a integral de superfície superfície do paralelepípedo de limites 0 ≤ x ≤ 3. o cenário estava sendo montado por astrônomos e matemáticos para o desenvolvimento de funções de várias variáveis e. a matemática estava se desenvolvendo para resolver problemas nas ciências físicas. 86 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . usou os trabalhos de Newton. freqüentemente.18. EP 4. é. sua aplicação para resolver problemas em um mundo multidimensional resultou na necessidade de generalização para incluir funções de mais de uma variável e cálculo de várias variáveis. A Astronomia era uma área da ciência que era rica neste tipo de matemática de várias variáveis. Galileu (1564–1642) tentou aplicar a Matemática ao seu trabalho em Astronomia. Publicou Mécanique analytique (1787). montou o cenário para o surgimento da matemática aplicada em várias variáveis. Próximo na linha de refinamento e uso do cálculo de várias variáveis foi Joseph Louis Lagrange (1736– 1813). 4. Seu trabalho ajudou a desacreditar o modelo geocêntrico de Ptolomeu e ajudou a estabelecer a teoria heliocêntrica de Copérnico.19. Foi muito produtivo nesta área aplicada da Matemática.17. Mostre a validade do teorema de Stokes na questão anterior. três dimensões espaciais e o tempo). chamado de fundador da mecânica e Física moderna. O que seriam os análogos da derivada e da integral para funções de mais de uma variável? Jean d’Alembert (1717–1783) desenvolveu e usou o cálculo de várias variáveis para lidar com métodos para resolver equações diferenciais e movimento de corpos considerando a resistência do meio. cinemática e resistência dos materiais. L’Hospital e dos Bernoulli para estender os conceitos de cálculo para várias variáveis. 0 ≤ y ≤ 1. Seu trabalho em otimização em várias variáveis resultou na técnica que agora chamamos de multiplicadores de Lagrange.

da eletricidade e do magnetismo foi publicado em 1828 em um pequeno livro intitulado An Essay on the Application of Mathematical Analysis to Electricity and Magnetism. O trabalho de George Green (1793–1841) sobre os fundamentos matemáticos da gravitação. chamado de Teorema de Gauss. foi selecionado por Napoleão para ir numa expedição ao Egito como consultor técnico em engenharia e pesquisa técnica. Seu famoso tratado sobre este assunto foi intitulado Mécanique celeste. O famoso matemático Augustine Cauchy (1789–1857) construiu sobre os conceitos de várias variáveis no Mécanique céleste de Laplace e no Traité des functions analytiques de Lagrange. Fourier continuou sua pesquisa matemática usando seu entendimento de derivadas parciais e de cálculo de várias variáveis. mas suas anotações não foram publicadas até muitos anos depois. um problema de gravitação mútua que tinha frustrado Euler e Lagrange. na metade da década de 1820. por isso foi dado crédito a outros pelo desenvolvimento e prova deste importante resultado de várias variáveis. algumas vezes. Gauss desenvolveu resultados que estabeleceram a teoria do potencial como um ramo coerente da Matemática. formulou o teorema da divergência como uma ferramenta para tornar integrais de volume em integrais de superfície. Legendre. Por sua habilidade. Laplace generalizou as leis da mecânica para sua aplicação ao movimento e às propriedades de corpos celestes. FUNÇÕES DE VÁRIAS VARIÁVEIS 87 . se sobressaiu ao resolver. Utilizou a matemática nas aplicações de elasticidade e vibrações. Maxwell e outros construíram a teoria atual do eletromagnetismo. especialmente. Também aplicou métodos de transformação para estudar integrais como as que surgiram no cálculo do comprimento de arco. Muito daquele trabalho aparece em seu influente livro Théorie analytique de la chaleur. também incorporou resultados obtidos no final do século XVIII ao seu texto. Rayleigh. Gauss desenvolveu e provou o Teorema da Divergência enquanto trabalhava na teoria de gravitação. As conquistas de Gauss em ciências e. O teorema é. Legendre pôde desenvolver estas equações a partir de seu trabalho avançado em equações diferenciais e cálculo de várias variáveis. À frente daqueles que contribuíram para o cálculo de várias variáveis estava Carl Friedrich Gauss (1777– 1855). Analisou a curva descrita pelas bolas de canhão. Stokes. onde encontrou Laplace. O matemático francês Siméon Poisson (1781–1840) estudou com Lagrange e Laplace. na Matemática. Adrien Legendre (1752–1833) venceu um prêmio de pesquisa da Academia de Berlim com seu trabalho sobre balística exterior. Enquanto trabalhava na teoria do calor. Seu trabalho contribuiu para a análise do sistema solar. fazendo seus trabalhos iniciais em mecânica. Em 1816. Mikhail Ostrogradsky (1801–1862) foi o primeiro a publicar uma prova do teorema da divergência. Em seu livro. A matemática de Green deu a base na qual Thomson. Fourier. em 1822. Seu desenvolvimento de uma teoria de órbitas planetárias foi publicado em 1809. Em 1782. Ostrogradsky deixou a Rússia para Paris. Sylvestre François Lacroix (1765–1843) escreveu um tratado importante sobre cálculo em 1797. resolveu um problema de hidrodinâmica a respeito da propagação de ondas sobre a superfície de um líquido. Poisson e Cauchy. O matemático francês Joseph Fourier (1768–1830) também aplicou cálculo para resolver problemas práticos em ciência. unificou e generalizou muitos métodos para incluir cálculo de várias variáveis. Fourier fez contribuições para o estudo e cálculo de difusão de calor e para a solução de equações diferenciais. Seu tratado expandiu o papel do cálculo de várias variáveis nas ciências. o astrônomo e matemático Pierre-Simon Laplace (1749–1827). por isso precisou e desenvolveu resultados em cálculo de várias variáveis. levando em consideração a resistência do ar e desenvolveu relações para alcance dadas as velocidades iniciais.Colega de Lagrange. O matemático aplicado Carl Jacobi (1804–1851) desenvolveu a teoria de determinantes e transformações em uma ferramenta poderosa para avaliar integrais múltiplas. Posteriormente. Enquanto Lacroix seguiu muitos dos fundamentos estabelecidos por Euler. ainda jovem. foram assombrosas. Usou seus conhecimentos de diferenciação parcial e de integrais de linha para analisar soluções e propriedades das equações diferenciais parciais.

que tem o seu nome. Ele não foi o primeiro a desenvolver o teorema integral que agora chamamos de Teorema de Stokes.18 4. aprendeu matemática lendo papel de parede de um quarto que consistia de páginas de um texto matemático do cálculo diferencial e integral de Ostrogradsky. Seu trabalho influenciou trabalhos posteriores de Albert Einstein em Física e relatividade. meteorologia e física solar. luz. o rotacional.19 6 88 FTC EaD | LICENCIATURA EM MATEMÁTICA . principalmente. som. O físico James Maxwell (1831–1879) usou ferramentas de várias variáveis como a divergência. aplicado e teórico. Trabalhos posteriores de cientistas e matemáticos aplicados no final do século XIX e no século XX refinaram resultados anteriores de várias variáveis e utilizaram estas técnicas em várias áreas de ciência e engenharia. Bernhard Riemann (1826–1866) trabalhou com o físico Wilhelm Weber (1804–1891). 4.Central a este desenvolvimento foi o cálculo de várias variáveis. eletromagnetismo e mecânica. luz. resultado que agora chamamos de Teorema de Green. Ele provou o método de avaliar integrais iteradas.17 4. fluxo e potencial para avançar no entendimento de ótica. ele o aprendeu de Thomson. em 1850. calor. 4. e utilizou os resultados em mecânica e física. Suas contribuições foram em termodinâmica. Gabarito √ π 4. Similarmente. elasticidade.4 2π 2 . Sonya Kovalevsky (1850–1891).16 3π/8. trabalhou em problemas de ciência aplicada em física matemática. Ernst Mach (1838–1916) usou muitas destas mesmas ferramentas para produzir novos resultados em mecânica. eletricidade e magnetismo. Desde então tornou-se conhecido como Teorema de Stokes. Continuou a estudar e contribuir com o cálculo de várias variáveis aplicando resultados em dinâmica e física computacional.15 [173/2 − 27]. e. (d) π. 4. incluiu entre questões de um exame. poucos anos depois.8 (a) 0.6 (c) 9/2. (c) −2π 2. termodinâmica e Física. Ela trabalhou. a matemática russa mais conhecida do final do século XIX. (b) 0. do cálculo de várias variáveis. George Stokes (1819–1903) aplicou o cálculo de várias varáveis para estudar hidrodinâmica. que nasceu em Connecticut e estudou em Yale. gravitação. introduzindo as idéias básicas da geometria diferencial. 4. na teoria de equações diferenciais parciais. O matemático italiano Guido Fubini (1879–1943) avançou ambos os aspectos. Josiah Willard Gibbs (1839–1903). Seu trabalho aplicou Matemática à ciência e à engenharia. 4.

ead.FTC-E A D Faculdade de Tecnologia e Ciências – Educação a Distância Democratizando a educação.ftc.br . www.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful