P. 1
Biofsica Dos Radionucldeos Decaimento Meiavida

Biofsica Dos Radionucldeos Decaimento Meiavida

|Views: 5|Likes:
Published by Karina C. Vargas

More info:

Published by: Karina C. Vargas on Nov 07, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

01/25/2014

pdf

text

original

Disciplina: Medicina Nuclear Prof: M.Sc Karina C.

Vargas

data 22/08/11

Biofísica dos radionuclídeos - Decaimento radioativo - Conceitos de meia vida
Decaimento radioativo
A radioatividade natural foi descoberta por Becquerel em 1896. Apenas em 1934 foi realizada a produção artificial de radionuclídeos (radiação artificial) Esta produção era feita através do bombardeamento de núcleos de B, Mg e Al com partículas α providas de uma fonte de polônio radioativo. Hoje muitos radionuclídeos são produzidos por cíclotrons e mais de 2700 radionuclídeos podem ser produzidos artificialmente. O decaimento pode ocorrer de 6 modos diferentes: • Fissão espontânea; • Transição isomérica; • Emissão α; • Emissão β-; • Emissão β+; • Captura de e-.

Fissão espontânea
É o processo pelo qual núcleos pesados se partem em 2 núcleos menores. A fragmentação do núcleo ainda é acompanhada da emissão de mais 3 nêutrons (1,5 Mev). A probabilidade de ocorrência deste tipo de decaimento é muito baixa e o processo total gera aproximadamente 200Mev de energia. Meia vida varia entre 2. 1017 anos para o 235U e 55 dias para o 254Cf. Fissão provocada Ocorre quando se bombardeia um núcleo pesado com outra partícula. Ex: bombardeamento de 235U com um nêutron (reação em cadeia)

Transição isomérica
Um núcleo pode ter diferentes estados de excitação. Estes estados também se definem pela configuração entre prótons e nêutrons. Estes estados excitados são também chamados de estados isoméricos. Podem ter T1/2 entre pico segundos até muitos anos. Um estado isomérico cuja meia vida é mais longa (mais estável) é chamado de estado metaestável Usa-se a letra “m” representar um nuclídeo que pertença a este estado. Ex: 99mTc A transição isomérica se define pelo decaimento de um núcleo em um estado excitado de energia para um estado mais estável (menor energia) emitindo, para isto, energia na forma de ondas eletromagnéticas (raio γ).

Para que ocorra este decaimento. É mais provável na camada K pela proximidade desta com o núcleo atômico. Se o elétron é capturado da camada K. Ocorre em núcleos com poucos nêutrons. um próton dentro do núcleo é convertido em um nêutron pela captura de m elétron de uma das camadas atômicas com a emissão de um neutrino. Este decaimento ocorre com mais freqüência em núcleos com poucos nêutrons (muitos prótons) e o número atômico aumenta de uma unidade mas o número de massa permanece constante. Este processo resulta na diminuição do número atômico em 1 e conservação do número de massa. um nêutron dentro de um núcleo é convertido em um próton.Decaimento α Ocorre normalmente com os núcleos mais pesados como o de urânio. e um antineutrino. Este decaimento ocorre em núcleos com muitos nêutrons e resulta no aumento de uma unidade no número de prótons mas o número de massa permanece constante. polônio ou radônio. 222 86Rn 218 84Po +α Decaimento βNo decaimento b-. e o excesso de energia é liberado como um elétron energético. 18 9F 18 8O + β+ + υ Captura de eNa captura de elétron.+ υ Decaimento β+ O decaimento β+ também pode ser denominado emissão de pósitrons. 32 15P 32 16S + β. a vacância resultante é preenchida por um elétron de uma camada mais externa. Quando um pósitron perde toda sua energia cinética ele se aniquila com um elétron e suas massas (do pósitron e do eletron) se convertem em dois fótons de rádios γ (energia de 511keV cada) e são emitidos a 180º um do outro. um próton de dentro do núcleo é convertido em um nêutron e o excesso de energia é emitido como um elétron de carga positiva (pósitron) e um neutrino. Possui 2 prótons e 2 nêutrons. A partícula a é basicamente um núcleo de hélio. e por este motivo é carregado positivamente. Quando um átomo decai através de uma partícula alfa o seu número atômico diminui de 2 unidades e seu número de massa diminui 4 unidades. denominado partícula β. Esta passagem do elétron para camada mais interna resulta na emissão de um fóton de raio X característico ou um elétron Auger. .

7.1010 des/s 1mCi = 3.03 mCi 1Gbq = 27.1012 RN Cálculo de massa de uma amostra radioativa Qual a massa de uma amostra de 99mTc com 1mCi de atividade? 99mTc 1mCi M = (3.7.7.107 des/s 1mCi = 3.2.10-5 .10-9g .10-5 .2.107 .2. 99 )/ (3.03 pCi 1MBq = 27.7.10-5/s 131I l = 1.10-6/s Unidades 1Curie (Ci) = 3. Nt 1mCi = 3.1023) M =~ 1. O elemento que compõe a amostra . Nt Nt = 3. Nt Ex: 99mTc l = 3.104 des/s Sistema internacional (SI) 1Becquerel (Bq) = 1 des/s 1Bq = 27.Amostra radioativa Uma quantidade de átomos instáveis que diminuem em quantidade em uma unidade de tempo. A radioatividade depende de 2 fatores: Quantidade de RN.15.9.7.2.107 / 3.03 mCi Determinação da quantidade de nuclídeos Quantos nuclídeos existem em uma amostra de 99mTc com atividade de 1mCi? Rt = l .10-5 Nt = 1. 6.Cada elemento possui uma constante de decaimento λ Rt = λ .

E. Este desaparecimento é similar ao decaimento radioativo. = Rt / M Conceitos: • A toxidade de uma amostra depende da quantidade desta amostra • A distribuição do RN depende da quantidade deste RN • A eficiência de marcação depende da atividade específica (A. O tempo de meia vida é o tempo que uma amostra leva para desintegrar a metade de sua massa. E pode ser calculado através da fórmula: T1/2f = 0.2. • Meia vida específica.Atividade específica Depende da radioatividade e da massa da amostra e pode ser calculada através da fórmula: A.10-5 T1/2 99mTc =~6h Meia vida biológica É o tempo que uma substância demora para que a metade de sua quantidade ou seja excretada ou eliminada de órgãos ou organismos.693 / λbio . • Meia vida biológica. Meia vida física É ó próprio tempo de meia vida do nuclídeo instável. O desaparecimento de um composto no organismo depende de um conjunto de variáveis.E. Com a metade de sua massa também restará metade de sua atividade.693 / λ Ex: T1/2 99mTc = 0.t) A λbio pode ser relacionada com a meia vida biológica.) Conceitos de meia vida Em medicina nuclear existem 3 tipos de meia vida para os radiofármacos: • Meia vida física. e-(λbio.693 / 3. A quantidade Mt da droga presente em um sistema biológico no tempo t pode ser determinado pela fórmula: Mt = Mo . T1/2bio = 0.

Meia vida efetiva O desaparecimento real da substância radioativa depende: Excreção biológica (T1/2b) Decaímento radioativo (T1/2f) λf + λb = λef ou ou .

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->