You are on page 1of 15

1 INTRODUÇÃO AO ESTUDO DA ARTROLOGIA

I – INTRODUÇÃO: 1. Conceitos: 1.1 – Artrologia: Grego: Arthron = juntura + logus = estudo.
É a parte da Anatomia que estuda as articulações ou junturas.

1.2 – Junturas:
É o meio de união entre os ossos na constituição d o esqueleto.

II – CLASSIFICAÇÃO DAS JUNTURAS: 1. Junturas fibrosas:
São as junturas por continuidade onde os ossos se unem por um tecido conjuntivo fibroso.

2. Junturas Cartilagíneas:
São as junturas por continuidade onde os ossos se unem por um tecido c artilagíneo.

3. Junturas Sinoviais:
São as junturas por contigüidade onde os ossos estão justapostos, separados por uma fenda a rticular e envolvidos por uma cápsula fibrosa.

III – ESTUDO DAS JUNTURAS FIBROSAS: 1. Suturas:
São junturas fibrosas onde os ossos estão próximos. São encontradas nos ossos do crâ nio. 1.1 – Plana: as margens dos ossos são planas (ossos front ais). 1.2 – Denteada ou Serrátil: as margens dos ossos são em forma de dente de serra (a maioria das junturas dos ossos da cabeça). 1.3 – Escamosa: as margens dos ossos são em forma de escama (osso parietal e osso temporal).

2
2. Sindesmoses:
São junturas fibrosas que unem ossos à distância. Ex: Entre os corpos do radio e ulna / tíbia e fíbula. Entre os arcos e entre os processos das vértebras.

3. Gonfoses:
É o meio de fixação dos dentes nos alvéolos dentários da maxila e mandíbula.

IV – ESTUDO DAS JUNTURAS CARTILAGÍNEAS: 1. Sincondroses:
A união entre os ossos se faz por uma carti lagem hialina . 1.1 – Intra-ósseas: ocorre dentro de um mesmo osso (metáfise dos ossos longos) . 1.2 – Interósseas: ocorre entre ossos diferentes (osso occipital e osso esfenóide) .

3
2. Sínfises:
A união entre os ossos se faz por uma cartilagem fibrosa (fibrocartilagem) . Ex: entre os corpos das vértebras / entre os ossos púbis.

V – ESTUDO DAS JUNTURAS SINOVIAIS : 1. Elementos de uma juntura sinovial: 1.1 – Constantes:
1.1.1 – Superfícies ósseas articulares . 1.1.2 – Cartilagens articulares. 1.1.3 – Cápsula articular: a. Membrana fibrosa. b. Membrana sinovial. 1.1.4 – Líquido sinovial. 1.1.5 – Cavidade articular (espaço).

1.2– Inconstantes:
1.2.1 – Discos: estruturas fibrocartilaginosas em forma de dis co que permitem que duas superfícies ósseas discordantes possam articular entre si (articulação temporal-mandibular).

1.2.2 – Meniscos: estruturas fibrocartilaginosas em forma de meia-lua (disco incompleto). Agem como amortecedores de peso e permitem a estabilização da articulação do joelho.

4

1.2.3 – Orlas: estruturas em forma de anel que ampliam uma das superfícies articulares (articulação da escápula com o úmero / osso coxal com o fê mur).

1.2.4 – Ligamentos: estruturas em forma de fita modelada rica em fibras , que ajudam na fixação dos ossos articulados. Agem limitando determinados movimentos da s articulações. a. Quanto à origem: – Musculares. – Capsulares. b. Quanto à função: – Coesão ou adesão. – Frenadores ou limitadores. c. Quanto à topografia: – Capsulares. – Intra-capsulares. – Extra-capsulares.

5
2. Movimentos das junturas sinoviais: 2.1 – Flexão: diminui o ângulo da articulação, aproximando os ossos articulados. 2.2 – Extensão: aumenta o ângulo da articulação, afastando os ossos articulados . 2.3 – Adução: aproximação dos membros do plano mediano . 2.4 – Abdução: afastamento dos membros do plano mediano . 2.5 – Rotação: os ossos articulados giram em torno do s seus próprios eixos :
2.5.1 – Supinação: rotação lateral. 2.5.2 – Pronação: rotação medial. 2.6 – Circundução: realização de todos os movimentos ao mesmo tempo, descrevendo um segmento de cone .

3. Classificação das junturas sinoviais: 3.1 – Quanto ao número de ossos articulados:
3.1.1 – Simples: entre dois ossos. 3.1.2 – Compostas: entre mais de dois ossos.

6
3.2 – Quanto aos eixos de movimento:
3.2.1 3.2.2 3.2.3 3.2.4 – Monoaxiais: em um eixo. – Biaxiais: em dois eixos. – Triaxiais: em três eixos. – Não axiais: deslizamento.

3.3 – Quanto ao funcionamento:
3.3.1 – Dependentes: dependem da integridade de outra articulação para se movimentar. a. unilaterais. b. bilaterais. 3.3.2 – Independentes: independem da integridade de outra articulação para se movimentar .

3.4 – Quanto à disposição das superfícies articulares:
3.4.1 – Concordantes: superfícies ósseas encaixam perfeitamente. 3.4.2 – Discordantes: superfícies ósseas não encaixam perfeitamente .

3.5 – Quanto à forma das superfícies artic ulares:
3.5.1 3.5.2 3.5.3 3.5.4 3.5.5 3.5.6 – Planas (não axiais): planas. – Gínglimos: em forma de cilindro ou como dobradiça . – Trocóides: em forma de cilindro como pivô . – Selares: em forma de sela. – Condilares: em forma elipsóide . – Esferóides: em forma de esfera.

7

VI – APLICAÇÕES PRÁTICAS: 1. Luxações. 2. Entorses. 3. Lesões de meniscos. 4. Artrites e artroses. VII – EXERCÍCIOS DE FIXAÇÃO: 1. Conceitue juntura ou articulação. 2. Conceitue as junturas fibro sas, cartilagíneas e sinoviais. 3. Quais os tipos de junturas fibrosas? E xemplifique. 4. Quais os tipos de junturas cartilagíneas ? Exemplifique. 5. Cite os elementos constantes e incon stantes das junturas sinoviais. 6. Cite e conceitue os movimentos das junturas sinoviais. 7. Classifique as junturas sinoviais sob os diversos critérios.

8
PRINCIPAIS JUNTURAS DO CORPO HUMANO I – JUNTURAS DA CABEÇA: 1. Entre os ossos do crânio: 1.1 – Internasais: fibrosas suturas planas. 1.2 – Parieto-temporal: fibrosa sutura escamosa. 1.3 – Suturas denteadas ou serreadas . 1.4 – Occipito-esfenoidal: cartilagínea sincondrose. 1.5 – Fontanelas.

9
2. Têmporo-mandibular: sinovial condilar (disco).

II – JUNTURAS DO PESCOÇO: 1. Atlanto-occipital: sinovial condilar. 2. Atlanto-axial: sinovial trocóide (mediana) e sinoviais planas (laterais) . 3. Arcos/ processos espinhosos/ processos transversos: fibrosas sindesmoses. 4. Intercorpovertebral: cartilagíneas sínfise.

10
III – JUNTURAS DO TRONCO: 1. Junturas da coluna vertebral : 1.1 – Arcos/ processos espinhosos/ processos transversos: fibrosas sindesmoses. 1.2 – Intercorpovertebral: cartilagíneas sínfise. 1.3 – Processos articulares: sinoviais planas. 2. Costo-vertebrais: sinovias planas. 3. Costo-transversais: sinoviais planas. 4. Esternocondrais: 4.1 – 1º costela: fibrosa sindesmose. 4.2 – 2º à 7º costela: sinoviais planas. 5. Intercondrais: sinoviais planas. 6. Junturas do esterno: 6.1 – Manúbrio-esternal: cartilagínea sincondrose. 6.2 – Xifoesternal: cartilagínea sincondrose.

11
IV – JUNTURAS DO MEMBRO SUPERIOR : 1. Junturas do ombro: 1.1 – Escápulo-umeral: sinovial esferóide (orla). 1.2 – Juntura esternoclavicular: sinovial plana (disco articular) . 1.3 – Juntura acrômio-clavicular: sinovial plana.

2. Juntura do cotovelo: sinovial gínglimo.

12
3. Juntura do antebraço: 3.1 – Rádio-proximal: sinovial trocóide. 3.2 – Rádio-ulnar média: fibrosa sindesmose. 3.3 – Rádio-ulnar distal: sinovial trocóide.

4. Junturas da mão: 4.1 – Juntura do punho (rádio -cárpica): sinovial condilar. 4.2 – Junturas intercárpicas: sinoviais planas. 4.3 – Junturas carpo-metacarpica: sinoviais planas. 4.4 – Trapézio-metacarpo do polegar: sinovial selar. 4.5 – Junturas metacarpo-falangianas: sinoviais condilares. 4.6 – Junturas interfalangianas: sinoviais gínglimos.

13
V – JUNTURAS DO MEMBRO INFERIOR : 1. Junturas do Quadril : 1.1 – Sacro-ilíaca: 1.2
1.1.1 – Fibrosa sindesmose. 1.1.2 – Sinovial plana. – Interpúbica: sínfise.

1.3 – Coxo-femoral: sinovial esferóide (orla).

14
2. Juntura do joelho: sinovial condilar (meniscos) .

15
3. Juntura da perna: 1.1 – Tíbio-fibular proximal: sinovial plana. 1.2 – Tíbio-fibular média: fibrosa sindesmose. 1.3 – Tíbio-fibular distal: fibrosa sindesmose.

4. Junturas do pé: 4.1 – Juntura do tornozelo (tí bio-társica): sinovial gínglimo. 4.2 – Junturas intertársicas: sinoviais planas. 4.3 – Junturas tarso-metatársicas: sinoviais planas. 4.4 – Junturas metatarso-falangianas: sinoviais condilares. 4.5 – Junturas interfalangianas: sinoviais gínglimos.