Sup.∙. Cons.∙. do Gr.∙. 33 do R.∙.E.∙.A.∙.A.∙. da Maç.∙. para o Brasil Grande Inspetoria Litúrgica - 1ª.

Região – RS Excelente Loja de Perfeição Gonçalves Ledo 11 Trabalho sobre a Instrução do Gr.∙. 13º Luis Genaro Ladereche Fígoli Cadastro – 68.677 Setembro 2010

O SIMBOLISMO NO 13º GR.∙.
O Cavaleiro do Real Arco

O Simbolismo no 13º Gr.∙.

Introdução O Cavaleiro do Real Arco, no Rito Escocês, é o maçom que é elevado ao Grau 13. Os trabalhos do Gr.´., como diz o Ritual, “são dirigidos com base nos ensinamentos recebidos nos GGr.∙. imediatamente inferiores... para se conseguir a liberdade religiosa e no aperfeiçoamento da instrução dos povos, bem como, num profundo exame das noções da idealística compatível com as necessidades da Justiça e do progresso”1. Devemos estudar neste Gr.∙. o meio de demonstrar que a Maçonaria harmoniza a honra com o dever. O Grau do Real Arco era tão importante para a Maçonaria que no Act of Union [Ato de União] firmado entre as duas Grandes Lojas rivais – que deram origem a Grande Loja Unida da Inglaterra, em 1813 – ficou estabelecido um solene Landmark: "A Maçonaria Antiga e Pura consiste apenas de três graus, a saber: o Aprendiz, Companheiro e Mestre, incluindo a Suprema Ordem do Sagrado Real Arco." Este Landmark jamais foi alterado e até hoje, nenhum outro grau foi reconhecido oficialmente pela Grande Loja Mãe e todo rito, sistema ou grau adicional da Maçonaria não pode conferir seus graus a um Mestre Maçom até que ele tenha recebido o Grau do Real Arco. Naturalmente, é como deveria ser, porque nenhum homem se torna Mestre Maçom completo até que ele tenha encontrado a Palavra e ela somente pode recebida no Real Arco. A decoração da Loja evoca um subterrâneo sem portas e janelas, cuja comunicação com o exterior é uma pequena abertura quadrangular na abóbada, na forma de escotilha, que se atinge por uma escada, com tampa que representa uma pesada pedra mármore, em cujo centro se vê presa uma grande argola de ferro. Por dentro as paredes são brancas e o pavimento formado de quadrados brancos e pretos. No centro da Loja, sob um pedestal de forma quadrangular, ergue-se uma pirâmide transparente, de três faces, em cada uma das quais está inscrito o tetragrama hebraico2 o nome do Grande Arquiteto do Universo. A abóbada está sustentada por nove arcos, nos quais estão inscritos os nove prováveis nomes de Deus3.4
1

- Ritual do Gr.∙. 13° Cav.∙. do Real Arco - Letras Hebraicas ‫( י‬yod) ‫( ה‬heh) ‫( ו‬vav) ‫( ה‬heh), que formam o tetragrama hebraico:

2

‫ .יהוה‬O tetragrama aparece 6.828

vezes — sozinho ou em conjunção com outro "nome" — no texto hebraico do Antigo Testamento, a indicar, pois, tratar-se de nome muito conhecido e que dispensava a presença de sinais vocálicos auxiliares (as vogais intercalares). Os nomes YaHVeH (vertido em português para Javé), ou YeHoVaH (vertido em português para Jeová), são transliterações possíveis nas línguas portuguesas e espanholas , mas alguns eruditos preferem o uso mais primitivo do nome das quatro consoantes YHVH, já outros eruditos favorecem o nome Javé (Yahvéh ou JaHWeH). Ainda alguns destes estudiosos concordam que a pronúncia Jeová (YeHoVaH ou JeHoVáH), seja correta, sendo esta última, a pronúncia mais popular do Nome de Deus em vários idiomas.
3

- Jod, Jhao, Ehleah, Eliah, Jaheb, Adonai, El-Hanan, Jha e Jobel.

O presidente representa Salomão, o 1° Vig.∙. evoca Hiram, R.∙. de T.∙., o 2 Vig.∙. evoca Adonhiram, o G.∙. Tes.∙. representa Joahben e o G.∙. Sec.∙. interpreta Stolkin. O Gr.∙. evoca a procura pela Palavra Perdida, simbolizando o poder místico que o Verdadeiro Nome de Deus possui. A Palavra Perdida é o chamado Nome Inefável5, cujo conhecimento é capaz de dotar o seu detentor de um poder semelhante ao Demiurgo6 que fez o homem, segundo as tradições gnósticas e cabalísticas7. Apesar do no Gr.∙. ser enfocada uma filosofia de fundo moral, parece-nos muito importante destacar o conteúdo esotérico, pois este revela uma profunda sabedoria iniciática. Este conteúdo iniciático repousa como visto, na alegoria do Nome Inefável de Deus, ressaltando que a verdadeira sabedoria está contida no conhecimento de seu Verdadeiro Nome. Por isso que os trabalhos do Gr.∙. são introduzidos pela leitura em Êxodo, Cap. 6:2-7, nos quais o Senhor promete a Moisés a liberdade do povo de Israel, escravizado pelos Egípcios, mas não lhes revela o nome verdadeiro, apesar das súplicas de Moisés.
2

Falou mais Deus a Moisés, e disse: Eu sou o SENHOR.

3

E eu apareci a Abraão, a Isaque, e a Jacó, como o Deus Todo-Poderoso; mas pelo meu nome, o SENHOR, não lhes fui perfeitamente conhecido.
4

E também estabeleci a minha aliança com eles, para dar-lhes a terra de Canaã, a terra de suas peregrinações, na qual foram peregrinos.
5

E também tenho ouvido o gemido dos filhos de Israel, aos quais os egípcios fazem servir, e lembrei-me da minha aliança.
4

- Ritual do Gr.∙. 13° Cav.∙. do Real Arco - Na Bíblia este termo aparece vindo da palavra grega “anekdiegetos” e também pode ser traduzida como inexprimível e

5

indescritível. A questão do Inefável Nome de Deus aparece inicialmente, na Lenda da Vara de Aarão. Vara de Aarão é o nome dado à vara que usada por Aarão para executar sinais prodigiosos diante de Faraó e que serviu como sinal de escolha para o sacerdócio por D-us quando da rebelião de Corá (Números 17: 8). Deus teria criado a vara no crepúsculo do sexto dia da Criação (Ab. v. 9, e Mek Beshallaḥ, ed. Weiss, iv. 60), e a entregado a Adão quando este foi retirado do paraíso. A vara possuiria o Inefável Nome de Deus gravado. Depois que já tinha passado pelas mãos de Sem, Enoque, Abraão, Isaque e Jacó sucessivamente, a vara tornou-se posse de José. Com a morte de José, os nobres egípcios roubaram alguns dos seus bens, e Jetro apropriou-se de alguns bens pessoais. Porém, não conseguiu retirar a vara do chão, pois mesmo tocá-la representava risco de morrer. Quando Moisés tornou-se agregado de Jetro, Moisés pôde ler o Nome e utilizar a vara, e por tal motivo, casou-se com a filha de Jetro. Anteriormente, este havia feito com que Zípora jurasse que esta se casaria apenas com aquele que dominasse a milagrosa vara (Pirke R. El. 40; Sefer ha-Yashar; Yalḳ. Ex. 168, final). No entanto, a Mishná ressalta (Ab. v. 9), que não se sabia nada da divina origem da Vara, sendo esta origem mencionada na primeira vez em Mekilta (LC) e no Sifre sobre Deut. (Ber. xxxiii. 21, ed. Friedmann, p. 355). Esta suposta origem explica a declaração no Novo Testamento (Heb. 9:4) e é dito que esta vara deve permanecer perdida até que, na idade Messiânica, o profeta Elias a revele (Mek. lc)
6

O Demiurgo é o grande artífice, o criador do Mundo inferior (ou material). É considerado o chefe dos Arcontes possuindo sabedoria limitada e imperfeita. Para os Neoplatónicos é o "Logos" - primeira manifestação do absoluto. Numa interpretação judaica é Jeová; para os cristãos é o Verbo conforme expresso no Evangelho segundo João. Para os maçons é o Grande Arquiteto do Universo. Etimologicamente, Demiurgo é um hibridismo, por conter dois radicais de línguas diferentes: demi, na língua latina, significa meio, metade; urgos, na língua grega, significa trabalho, obra, se o vocábulo tivesse empregado somente radicais na língua grega pura, deveria ser escrito Hemiurgo, pois o prefixo grego hemi corresponde ao prefixo latino demi. Hemi, na língua grega, significa meio, metade. Etimologicamente, o vocábulo Demiurgo significa um meio-criador, um semi-deus.
7

Anatalino, João: Conhecendo A Arte Real: A Maçonaria e suas Influências Históricas e Filosóficas;

6

Portanto dize aos filhos de Israel: Eu sou o SENHOR, e vos tirarei de debaixo das cargas dos egípcios, e vos livrarei da servidão, e vos resgatarei com grandes juízos. O iniciado (em número mínimo de três) faz a profissão de fé dos graus anteriores, repetindo as virtudes anteriores e os trabalhos realizados em cada um deles, salientando que depois de tudo isso, está apto a conhecer o Verdadeiro Nome de Deus. É por isso que se afirma que o objetivo do Gr.∙. é o conhecimento do Nome Inefável, segundo o qual, pela tradição cabalística, confere ao seu detentor a verdadeira Gnose8. E a Gnose se fundamenta na Lenda de Enoch9.

Lenda do Grau Rizzardo da Camino10 nos relata a lenda: As Sagradas Escrituras assim se referem a respeito de Enoque11: “E coabitou Caim com sua mulher, ela concebeu e deu à luz a Enoque. Caim edificou uma cidade e lhe chamou Enoque, o nome de seu filho" (Gênesis 4:17) “Jarede viveu 162 anos e gerou a Enoque". (Gênesis 5- 17) "Andou Enoque com Deus, e já não era, porque Deus o tomou para si" (Gênesis 5:24) "Pela fé Enoque foi trasladado para não ver a morte: não foi achado porque Deus o trasladara. Pois, antes da sua trasladação, obteve testemunho de ter agradado a Deus". (Hebreus, 11:5) A nossa personagem teria sido filho de Jarede e não de Caim; segundo a tradição, viveu no ano 3740 antes da Era Vulgar, e cujo nome significa, em hebraico: "O que muito viu, o que muito sabe", também é conhecido dos muçulmanos com o nome de Adris que significa "sábio".

8

Para os Gnósticos a Gnose é um conhecimento que brota do coração de forma misteriosa e intuitiva. É a busca do conhecimento, não o conhecimento intelectual, mas aquele que dá sentido à vida humana, que a torna plena de significado, porque permite o encontro do homem com sua Essência Eterna. O objeto do conhecimento da Gnose seria Deus, ou tudo o que deriva d'Ele. Para seus seguidores, toda Gnose parte da aceitação firme na existência de um Deus absolutamente transcendente, existência que não necessita ser demonstrada. "Conhecer" significa ser e atuar (na medida do possível ao ser humano), no âmbito do divino.
9

- Convém notar que na Bíblia existem dois personagens com esse nome. Um deles é o primeiro filho de Caim, cujo nome,

inclusive foi dado à cidade que ele construiu. O outro Enoch era filho do patriarca Jared, que o gerou quando tinha 162 anos. Com 365 anos de idade, Enoch foi levado por Deus, presumivelmente com vida, porque a Bíblia diz que “ele andou com Deus” e depois ninguém mais o viu. Este último teria sido a personagem da Lenda Maçônica.
10

- Da Camino, Rizzardo – Loja de Perfeição do 1° ao 33° Graus.

11

- Ou Enoch

As profecias e maravilhosos relatos de Enoque em que o povo acreditava cegamente, assim, como seus devaneios e venturosos sonhos estão registrados nas Sagradas Escrituras antigas, vez que nas da atualidade omitem o livro que leva seu nome. Durante um desses sonhos, conheceu o verdadeiro nome de Deus, que lhe foi proibido de pronunciar, e em outro sonho, foi-lhe mostrado o cataclisma que em breve assolaria a Humanidade, com o nome de Dilúvio. Enoque, então, decidiu preservar de catástrofe o verdadeiro Nome de Deus, fazendo-o gravar em uma pedra triangular de ágata, em certos caracteres místicos. Nada se conhecia a respeito da pronúncia daquele Nome, a não ser ele Enoque, por têlo ouvido do próprio Deus, que o traçou em hieróglifos misteriosos. Fez Enoque gravar em duas Colunas, sendo uma de mármore e outra de bronze, os princípios em que se baseavam as ciências e artes da época a fim de que, também, passassem para a posteridade. Após, fez Enoque construir um templo debaixo da terra, consistindo em nove abóbodas, sustentadas por nove arcos, depositando na mais profunda, o Delta de ágata e na entrada da primeira, duas Colunas, fechando a entrada com uma grande pedra quadrangular, provida de possante argola de metal no seu centro para que pudesse ser removida. Advindo o Dilúvio, todos os habitantes da Terra sucumbiram, exceto Noé e sua família que passaram a constituir a única espécie humana. Das Colunas gravadas por Enoque, apenas a de bronze chegou à posteridade, pois a de mármore foi destruída pelas águas. Nenhum ser humano podia pronunciar o Nome verdadeiro de Deus, antes que fosse revelado a Moisés, no Monte Sinai. O legislador do povo hebreu mandou fazer uma grande medalha de ouro, gravada com o Nome Inefável, colocando-a na Arca da Aliança, tendo, antes, o cuidado de revelar seu significado ao seu irmão Arão. Em uma batalha contra o rei da Síria, em que caíram feridos os que a guardavam, perdeu-se a Arca, ficando abandonada na mata. No entanto, ninguém podia aproximar-se dela sem que um leão que guardava sua chave, o atacasse e o destroçasse. Mas numa oportunidade em que o Grande Sacerdote dos Levitas, acompanhado de seu povo, dirigiu-se ao local onde estava a Arca, com o propósito de reavê-la, notaram que a fera vinha ao seu encontro, mansamente entregando-lhe a chave que trazia em sua boca, permitindo que a Arca fosse dali removida. Esse leão significa para nós o emblema do pensamento que se rebela contra a força, porém permite a entrada da Verdade.

A divisa do Grau 13: In Ore Leonis Verbum Inveni quer dizer: "Achei a palavra na boca do leão", o que indica que devemos proclamar a Verdade e mantê-la como principal qualidade de um povo civilizado. Na época de Samuel apoderaram-se da Arca os filisteus, fundiram a medalha de ouro, construindo com ela um ídolo Para adoração dos pagãos. Ficou, novamente, perdido o nome de Deus, para todos, exceto para os reis de Israel, que tradicionalmente, o pronunciavam e sabiam o depósito sagrado feito por Enoque, ainda que desconhecessem o lugar onde o Delta estava oculto. Transcorreram os anos. Davi, rei de Israel, concebeu o projeto da construção do Templo de Jerusalém e seu filho Salomão o executou. Antes, porém, de consagrar o Templo à Glória do Grande Arquiteto do Universo, quis fazer um esforço supremo para localizar o Triângulo escondido por Enoque. Com tal objetivo, escolheu três Mestres de sua maior confiança cujo valor e perseverança havia demonstrado em muitas outras ocasiões, incumbindo-os de pesquisarem a respeito. Chamavam-se esses três Mestres Eleitos: Adoniram, Stolkin e Joabem, os quais, após penosas viagens e grandes estudos, lograram descobrir a Abóboda em que o Sagrado Delta estava guardado, Desde então a representação gráfica inscrita, representando o Nome verdadeiro do Grande Arquiteto do Universo. Porém, não sabemos pronunciá-lo, porque as águas do Dilúvio destruíram a Coluna de Mármore em que Enoque gravara o Código para decifração daquele Nome Inefável e como devia ser pronunciado por lábios humanos. Essa lenda consta no Manuscrito Graham12, de 1726. O próprio Anderson já se refere, em suas Constituições, sobre o noaquismo da velha Maçonaria, que segundo ele, teria sido originada na construção da Torre de Babel. Por isso ele diz “um maçom é obrigado a observar a lei moral como um verdadeiro noaquita”. Importante salientar, que na maçonaria, as referências à Lenda de Enoch são anteriores as de Hiram13. Esta lenda, que já fez parte da Bíblia, é na verdade um escrito apócrifo, provavelmente produzido por um escritor gnóstico do Século I, filósofo judeu de Alexandria14. O Livro de Enoch e O Livro dos Segredos de Enoch, ambos de inspiração gnóstica, grandemente conhecido pela sua versão em etíope e mais tarde as traduções gregas dos capítulos I-XXXII, XCVII-CI e CVI-CVII, bem como de algumas citações importantes feitas por Georgius Syncellus, o
12

- Ver íntegra no endereço http://www.grupoalianzaempresarial.com/manuscritograham.htm
- Anatalino, João: Conhecendo A Arte Real: A Maçonaria e suas Influências Históricas e Filosóficas; - Idem

13

14

autor bizantino. A Epístola de Judas cita um trecho desta obra. Em Qumram (Manuscritos do mar Morto), foram encontrados na Gruta 4, sete importantes cópias que foram atestadas pela versão Etíope. Estas cópias embora que não idênticas na totalidade foram encontradas em conjunto com cópias do Livro dos Gigantes referenciadas no capítulo IV do Livro de Enoch. As cópias de Qumram foram catalogadas com as referências 4Q201-2 e 204-12 e fazem parte da herança deixada pela comunidade Nazarita do Mar Morto, em Engedi. O Livro de Enoque também é chamado de Primeiro Livro de Enoque. Existem outros dois livros chamados de Segundo Livro de Enoque e Terceiro Livro de Enoque, considerados de menor importância. No Livro dos Segredos, Enoch fala de anjos rebeldes, de como Deus criou o Mundo, tirando o visível do invisível, descreve a geografia do mundo divino e das “terras intermediárias”, de como era Adão (o homem do céu) antes de vir para a terra, etc; bem como a forma pela qual o homem pode recuperar o estado divino que perdeu em consequência do pecado de Adão15. É no Livro de Enoch e não no Livro dos Segredos, que encontramos a Lenda do Gr.∙. 13°.16

A moral e o significado da Lenda do Grau Como diz o próprio Ritual17, “consiste a Moral do Cav.∙. do Real Arco em inteirar-se de que, por maiores que sejam os contratempos e as dificuldades, não devem jamais deter qualquer Irm.∙., nem mesmo afastá-lo do caminho da Perf.∙.”. O ensinamento iniciático do Gr.∙. é claro. Ele nos afirma que há uma chave, uma palavra, um verbo a partir do qual todas as coisas se constroem. Como diz Anatalino “essa palavra, esse verbo é o Inefável Nome de Deus, o verdadeiro e único princípio, imutável, incriado, de onde tudo se originou e para onde tudo um dia retorna”. Diz o Evangelho de São João (1:1- )
1

No princípio era o Verbo, e o Verbo estava com Deus, e o Verbo era Deus. Ele estava no princípio com Deus. Todas as coisas foram feitas por ele, e sem ele nada do que foi feito se fez. Nele estava a vida, e a vida era a luz dos homens. E a luz resplandece nas trevas, e as trevas não a compreenderam

2

3

4

5

O Verbo estava desde o início com Deus, e nada do que foi feito foi realizado sem Ele, e tudo o que foi feito, foi realizado por Ele. Ele Era. Por isso Ele disse “Eu Sou”. Mas todo verbo é uma potência a ser desenvolvida. E todo verbo não tem significado se não tiver acompanhado do predicado. E o predicado é o Cosmos.
15

- Para maiores informações sobre o assunto ver Os Apócrifos da Bíblia de Maria Helena de Oliveira Tricca. - Anatalino, João: Conhecendo A Arte Real: A Maçonaria e suas Influências Históricas e Filosóficas;
- página 123

16

17

O Verbo, transmitido ao homem na forma do seu espírito, o fez criação terrestre. E como o homem aprendeu a articular “eu sou” teve também de perguntar a si mesmo “o que?”. E foi para responder essa pergunta “eu sou o que?” que ele também se viu obrigado a construir um predicado para si mesmo (a razão). Essa é a diferença entre os homens e outras espécies de animais18. Por isso é que “ser é verbalizar”. Ser é dar sentido à existência. Estar vivo é ser vivo. Estar feliz não é ser feliz. Ser é um estado de perfeita organização interior que não pode ser afetado com nenhum acontecimento exterior. Assim, a instrução do Gr.∙. se refere às viagens que o iniciado tem que fazer, a exemplo dos três Mestres, para encontrar a Palavra Sagrada. Simbolicamente, essas viagens equivalem a uma descida dentro de si mesmo a fim de liberar o que existe no interior. Novamente encontramos a evocação gnóstica e alquimista, do “conhece-te a ti mesmo”, como forma de encontrar a pedra mística ou filosofal, que representa aquela energia que fará o homem se integrar com a divindade.

* * Bibliografia: *

Da Camino, Rizzardo: Os Graus Inefáveis do 4° ao 14°; Da Camino, Rizzardo: A Loja de Perfeição de 1° ao 33°; Anatalino, João: Conhecendo A Arte Real: A Maçonaria e suas Influências Históricas e Filosóficas; Pike, Albert - Morals and Dogma of the Ancient and Accepted Scottish Rite of Freemasonry Ritual do Grau; Bíblia Sagrada; Wikipédia

18

- Anatalino, João: Conhecendo A Arte Real: A Maçonaria e suas Influências Históricas e Filosóficas;