P. 1
Tecnologia de cosméticos aula -01

Tecnologia de cosméticos aula -01

|Views: 62|Likes:
Published by Isabel Lopes

More info:

Published by: Isabel Lopes on Nov 24, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/21/2013

pdf

text

original

Plano de Ensino - TEÓRICA Tecnologia de cosméticos

1- Introdução e Conceitos • 2- Legislação em cosméticos • 3- Adjuvantes em cosméticos • 3.1- Preservantes • 3.2-Corantes • 3.3- Antioxidantes • 3.4- Essências e Perfumes • 4- Pele • 4.1- Histologia, Fisiologia e Bioquímica da pele • 4.2- Funções da pele • 4.3- Classificação das peles. • 4.4- Anexos cutâneos. • 4.4.1- Folículo piloso • 4.4.2- Glândulas sebáceas • 4.4.3- Glândulas sudoríparas • 4.4.4- Unhas • 4.4.5- Outros • • • • • • • 5- Cosméticos para a pele 5.1- Cremes: composição, tipos, preparação, verificação da qualidade 5.2- Loções: composição, tipos, preparação, verificação da qualidade 5.3- Máscaras: composição, tipos, preparação, verificação da qualidade 5.4- Géis: composição, tipos, preparação, verificação da qualidade 5.5- Preparações antisolares e bronzeadores 5.6- Desodorantes e antiperspirantes

Professora Aliana Alano

Plano de Ensino
• • • • • • • • • • • • • • • • 6- Cosméticos para o cabelo 6.1- Pêlo : histologia e propriedades do pêlo. 6.2- Xampus. 6.3- Condicionadores capilares. 6.4- Fixadores capilares. 6.5- Tônicos e emolientes capilares 6.6- Tinturas capilares 6.7- Depilatórios. 6.8- Onduladores e alisantes capilares 7- Produtos para banho. 8- Produtos de higiene oral 9- Produtos decorativos 10- lipossomas 11- nanoparticulas 12- produtos infantis 13- cosmecêuticos - indicações e uso • • • • • • • 14- organização de produção cosmética 14.1 - tipo de construções e instalações 14.2 - tipos de produções 14.3 - área e serviços 15- sistematização e organização da produção cosmética 15.1- ordem de fabricação 15.2 - ordem de embalagem

PRÁTICA
• 1. Apresentação de nomes químicos e comerciais de matérias-primas e ativos utilizados em formulações cosméticas.. 2. Preparação de creme hidratante e creme para massagens 3. Preparação de loção de limpeza e loção tônica 4. Preparação de géis 5. Preparação de desodorantes 6. Preparação de filtro solar. 7. Preparação de xampus e condicionadores 9. Preparação de produtos para banho

• • • • • • •

Avaliação
• • • • • • • • • 1 bimestre Prova teórico- pratico – peso 7,0 -7-04 POPs – 2,0 Trabalhos realizados em sala – 1,0 2 bimestre Prova – peso 5,0-- 16-06 Trabalho – peso 4,0 -23-06 POPs – 1,0 Exame 30-06

Histórico
• Primeiro – egípcios • Na antiga Grécia, usavam-se óleos para banho e outros produtos de embelezamento • Em Roma, fabricavam-se pós para tornar a pele mais alva, carvões para delinear os olhos e pintar cílios e sobrancelhas, carmim para as faces, produtos abrasivos para clarear os dentes etc

•Atribui-se a Catarina de Medici a introdução do uso de perfumes na França. •Entre as inovações da indústria de cosméticos destacam-se: o tubo descartável, em fins do século XIX, e os produtos químicos para ondulação dos cabelos, os xampus sem sabão, os laquês em aerossol, as tinturas de cabelo menos tóxicas, e a pasta de dentes com flúor, no século XX.

Perfumes
• Idade Antiga • Dá-se o surgimento da primeira fórmula conhecida de perfume, e isso ocorreu devido a Deus da à missão a Moséis de produzir um incenso perfumado, isso pode ser constatado numa passagem bíblica. • Idade Média • Os árabes começaram a produzir perfumes para uso pessoal e medicinal. O perfume Chega à Europa, no século XII com as cruzadas. No ano de 1370, originase o primeiro perfume alcoólico, produzido especialmente para a rainha Elizabeth, da Hungria.

Pós faciais
• Idade Moderna • Em 1600 se dá o surgimento dos primeiros perfumes europeus, eram sinônimos de nobreza, pois somente os reis, as rainhas e os membros da corte poderiam usar. • Idade Contemporânea • A perfumaria se desenvolve, e o perfume deixa de ser exclusividade de poucos, ou seja, a classe média passa a ter acesso a esse produto. • É longa a trajetória da maquiagem. Do início – quando as rainhas egípcias aplicavam sombras nas pálpebras e pós no rosto – à atualidade, essa história passou por várias etapas: da repressão à exaltação da beleza na Idade Média, até chegar aos nossos dias, nos quais a maquiagem é intensamente divulgada e propagada pelos meios de comunicação. Além de embelezar, a maquiagem – cosméticos decorativos faciais – tem função primordial de acentuar os traços harmoniosos da face, disfarçar as imperfeições e realçar a personalidade da consumidora.

PÓS FACIAIS Os pós faciais, basicamente, são misturas de substâncias minerais finamente moídas e pulverizadas com a finalidade de alterar temporariamente a tonalidade e uniformizar o seu aspecto, colorindo e perfumando a pele. Na sua composição são utilizados pós de textura ultrafina e ingredientes de toque sedoso que proporcionam efeito uniforme sem deixar aspecto oleoso. A aplicação pode ser feita com pincel ou esponja.

PÓS COMPACTOS São produtos obtidos pela compactação de substâncias minerais, previamente moídas e pulverizadas. Em geral levam os mesmos ingredientes dos pós faciais, com adição de um aglutinante. A compactação é realizada no interior das “canecas” metálicas com o uso de prensas especiais. A pressão de compactação deve ser ajustada para permitir tanto a integridade do produto, como a liberação para uso na esponja aplicadora. SOMBRAS

BASES DE MAQUIAGEM

• • • •

BLUSHES (ROUGE ) MÁSCARA (RÍMEL) BATOM GLOSSES

Coloração dos cabelos
• • • • • • Antigamente Oxido chumbo Lã Vasilha Água Lã ficaria preta

Xampu
O xampu ou shampoo surgiu na Alemanha em 1890, onde até aquele período, as pessoas utilizavam os sabonetes para lavar os cabelos. Somente após a Primeira Guerra Mundial, o xampu começou a ser comercializado em grande escala. Seu nome é proveniente de um modismo indiano presente na Inglaterra, pois “xampu” veio do hindu “champo”, que significa massagear. Contudo, os xampus eram muito parecidos, todos continham tensoativos, uma substância que altera a superfície de contato entre dois líquidos, provocando a limpeza do cabelo. A partir do século XX, diferentes tipos de xampus foram elaborados para cada tipo de cabelo, e também para baratear o preço final do produto, a partir desse período começaram a produzir o xampu através de produtos sintéticos.

Sabonete
• O sabão foi inventado pelo fenícios, seiscentos anos antes de Cristo. Eles ferviam água com banha de cabra e cinzas de madeira, obtendo um sabão pastoso. O sabão sólido só apareceu no século VII, quando os árabes descobriram o processo de saponificação – mistura de óleos naturais, gordura animal e soda cáustica, que depois de fervida endurece. Os espanhóis, tendo aprendido a lição com os árabes, acrescentaram-lhe óleo de oliva, para dar ao sabão um cheiro mais suave. Nos séculos XV e XVI, enfim várias cidades européias tornaram-se centros produtores de sabão – entre elas, Marselha, na França, e Savona, na Itália. Foi da cidade de Savona que os franceses tiraram a palavra Savon, sabão, e o diminutivo Savonnette, sabonete.

Legislação

• Resolução nº 277, de 22 de outubro de 2002 Ementa: Amplia a proibição contida no art. 1º da RE nº 552, de 20 de abril de 2001, a todas as formas farmacêuticas de medicamentos anti-sépticos de uso tópico indicado para uso infantil contendo ácido bórico e da outras providências • Resolução RDC nº 211, de 14 de julho de 2005 Ementa: Ficam estabelecidas a definição e a classificação de produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes, conforme anexos I e II desta resolução. • Resolução RDC nº 215, de julho de 2005. Ementa: Aprova o regulamento técnico de lista de substancias que os produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes não devem conter exceto nas condições e com as restrições estabelecidas, que consta como anexo e faz parte da presente resolução. • Resolução RDC nº 48, de 16 de março de 2006 Ementa: Aprova o regulamento técnico “lista de substancias que não podem ser utilizada em produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes”. • Resolução RDC nº 47, de 16 de março de 2006. Ementa: Aprova o regulamento técnico “lista de filtros ultravioleta permitido para produtos de higiene pessoal, cosméticos e perfumes”.

Evolução do Mercado cosméticos

Crescimento do setor x crescimento da economia

Conceitos básicos e noções gerais
Cosmecêuticos Cosméticos Cosmetologia Cosmetologista Embalagem primária Embalagem secundária Esteticista Garantia de qualidade Material de embalagem Prazo de validade Matéria – prima Produto a granel Produto acabado Produto semi- acabado Produto de higiene pessoal, cosméticos e perfumes Sistema de qualidade

Classificação de produtos
A- Categorias • Produtos de higiene • Cosméticos • Perfumes • Produtos de uso infantil B- Grau de risco • Grau 1 • Grau 2

Exemplo:

Insumos cosméticos inertes e ativos
• Tensoativos • Agentes com propriedades específicas • Estabilizantes • Agentes de atributos estéticos • Veículos Solubilização – água, álcool, óleo em soluções de tensoativos. (tônicos, loções, higienizantes, xampus transparentes) Emulsões - (creme e loções) Suspensões – géis, cremes esfoliantes, xampus com base perolizante e ativos anticaspa) Pós – (pó ou pó compacto)

Categorias cosméticas apresentadas ao consumidor
• Cremes – são emulsões O/A ou A/O de alta viscosidade- ex.: cremes hidratantes, anti-aging, nutritivos, desodorantes, condicionadores para os cabelos... • Loções – média a baixa viscosidade. Ex.: perfumes, colônias, desodorantes, loções hidratantes, higienizantes, higienizantes para a cavidade oral... • Géis- são soluções coloidais.Transparentes ou opacos. Ex. géis para pelo oleosa,géis protetores, géis esfoliantes, géis fixadores,géis para banho... • Leites – o/a ou a/o – baixa viscosidade.ex.: leites de limpeza.

• • • • •

Tônicos Óleos Soluções de tensoativos Sticks aerossóis

Matérias-primas de uso cosmético
 Quanto a origem: • Inorgânicos naturais ou sintéticos • Orgânicos naturais ,sintéticos ou semi-sintéticos  Quanto a constituição química: • Ésteres • Éteres • Aldeídos • Cetonas • Ácidos carboxílicos • Aminas • amidas

• Quanto aos benefícios para pele ou formulações  Tensoativos Agentes de detergência ou limpeza emulsionantes agentes de tratamento, condicionamento ou sobreengordurante Agentes de viscosidade ou de espessamento da formulação Agentes de redução de irritação de pele e olhos.  agentes com propriedades específicas Emolientes Umectantes Agentes de tratamento, condicionamento ou sobreengordurante Abrasivos Agentes de redução de irritação a pele e olhos

Estabilizantes da formulação Espessantes Conservantes Antioxidantes Quelante e sequestrantes Neutralizantes Antiespulmantes Agentes de atributo estético ou de marketing modificadores de caracteres organolépticos Corantes, pigmentos e perolas Perfumes, óleos essencial ou fragrância Veículos ou excipientes

Tensoativo

• As propriedades tensoativas requeridas são: Detergente Umectante Espumante Emulsificante Solubilizante

• Podem ser classificados em: Aniônicos Não iônicos Catiônicos Anfóteros

Aniônicos

     

Sabões de ácido graxos Álcool graxo sulfatado Álcool graxo etoxilado sulfatado Alquil e alquil éter sulfossuccinato Sarcosinatos isetionatos

Não iônicos

Catiônicos
 Compostos quaternários de amônio QACs  Polímeros quaternários

 Álcoois graxo etoxilado e alquil fenóis etoxilado  Óxido de aminas  Alcanolamidas de ácido graxo de coco  Tensoativos derivados de polióis não iônicos  alquilpoliglicosídeos

Anfóteros
 Anfótero betaínico  Anfótero imidazolinico • Seleção e uso de • Propriedades agentes tensoativos biológicas dos o Detergência tensoativos o Umectância o Efeitos o Espumante dermatológicos o Emulsificação o Biodegradação o solubilização o Efeitos toxicológicos

A micela

Umectantes
• • • • • • Polióis Poliglicois ( ou ésteres poliglicólicos) Hidratos de carbono Derivados de ácido carboxílicos Uréia Aminoácidos e proteínas

Emolientes

Espessantes
Agentes de consistência • Álcoois graxo • Monoestearato de glicerila • Ésteres de álcoois e ácido graxos • Ceras naturais e minerais, óleos e gorduras Espessantes • CMC • HEX – natrosol • Vinílicos – PVP • Polissacarídeos: amidos, agar-agar, gomas

Alcalinizantes e neutralizantes
• TEA • NaOH

Acidificantes e neutralizadores
• Ácido cítrico • Ácido fosfórico

Sequestrante
• EDTA • Citrato de sódio

Conservantes
• Contaminação microbiana  Pseudomonas  Enterobacter  Klebsiella  Staphylococcus  Fungos e leveduras • Alteração do produto • Credibilidade do fabricante • Saúde do consumidor

 Requisitos básicos: • Boa solubilidade em água • Boa estabilidade • Ser inodoro e incolor • Ser economicamente viável • Ser atóxico • Ser efetivo a baixas concentrações.

 Exemplos • Ésteres do ácido benzóico com função fenólica ou parabenos • Imidazolidinil uréia • Isotiazolinonas • Álcool benzílico • Álcool etílico • Fenoxetanol • P-clorometaxilenol

Antioxidantes

 Antioxidantes verdadeiros: interrompem as cadeias carboxílicas livres • BHT • BHA • Galatodepropila • tocoferol

 Antioxidantes que atuam sofrendo oxidação (agentes redutores) • Metabissulfito de sódio • Bissulfito de sódio • Vit C • Palmitato de ascorbila  Antioxidantes que atua por mecanismo preventivos • EDTA

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->