Tratamento de metais Conceitos Básicos 002

Ensaio por Ultra-som
Formando Paulo Teixeira

Formador Jorge Pedro

10/09/2012

............................................ 11 Vantagens:................................................................................................................................................................................................................ 11 Desvantagens: ......................... 3 Desvantagens e Vantagens END ................................................................. 9 Efeito Piezelétrico............................................................................ 3 Desvantagens ......................................................................... 11 Métodos de ensaio .......................................................................... 8 Ondas Creeping .................... 11 Vantagens e desvantagens dos Ultra-Sons............................................................................................................................................................................................................. 6 O que é um Ultra-Som? .......................... 9 Tipos de transdutores ......................... 8 Como se geram as ondas?.....................................................................................................Índice Introdução ........................................................................................................ 7 Ondas de Rayleigh ................................................................................................................................................. 6 Tipos de ondas ......................... 5 Objectivo ................................................................. 9 Transdutores angulares ........................................................................................................................................................................... 9 Transdutores Duplo-Cristal ............................... 15 Anexos………………………………………………………………………………………………………………......................................................................................................................................................................... 6 Desenvolvimento ...... 11 A constante evolução ...................................................... 10 Acoplantes ........................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................ 12 HST (Higiene e Segurança no Trabalho) .... 3 Perguntas Frequentes .......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 8 Ondas de Lamb .................................................................................................................................... 7 Ondas Transversais ....... 14 Webgrafia ....................................................................................................................................................... 7 Ondas longitudinais .................................. 16 2 ............................... 9 Transdutor normal.......................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................................... 3 Vantagens ................................................................................................................................................................................................................. 14 Conclusão ................... 15 Glossário ........................................................................................................................................................................................................ 12 Procedimento Ensaio Ultra-Sons ......................................................................................................................................................................................................................................................................

constantes elásticas e estados de tensão e deformação. se justificável economicamente e assim podem ser usadas mesmo que apresentem diferenças entre unidades e/ou lotes. 3 . distribuição de correntes parasitas e energia armazenada. inclusões. Vantagens   São feitos diretamente nas peças que são colocadas em serviço. porosidades e delaminação. Desvantagens e Vantagens END Desvantagens    Envolvem medidas indirectas das propriedades. como condutividade e expansão térmica. Propriedades eléctricas e magnéticas. como tamanho do grão. de simples curiosidade de laboratório até se tornar uma ferramenta indispensável largamente utilizada na indústria moderna em todo o mundo. como condutividade elétrica. espessura e descontinuidades dos materiais como trincas. Propriedades mecânicas.Introdução A arte de inspecionar sem destruir evoluiu. tais como o tamanho. Pode haver discrepâncias quanto à interpretação dos resultados mesmo com o julgamento por pessoas capacitadas ou com experiencia em serviço. Uma característica marcante dos END é que raramente medem diretamente a propriedade de interesse. Propriedades estruturais e composição. O valor dessa propriedade geralmente é obtido a partir da sua correlação com uma outra grandeza que é medida durante a realização do teste. São usados para a determinação de algumas propriedades dos materiais e para a detecção de possíveis descontinuidades em peças e produtos industriais. Propriedades térmicas. São considerados ensaios não destrutivos aqueles que quando realizados em peças acabadas ou semi-acabadas não interferem nem prejudicam no seu uso futuro ou processamento posterior. Geralmente qualitativos e raramente quantitativos. forma. Propriedades de absorção e reflexão como reflexão e refração de Raio-x e vibrações mecânicas sonoras ou ultra-sónica. As propriedades ou características típicas medidas nos END são:       Propriedades geométricas. permeabilidade magnética. Ser realizados em cada peça produzida. A definição de qualidade é variável. segregação e teor de elementos da liga. como dureza. não deixando duvidas à sua funcionalidade.

de forma que a avaliação é feita nas peças como um todo. Os custos dos END são baixos. Ultra-Sons. Não há perda da peça ou de suas condições de serviço. Partículas Magnéticas. Equipamento devidamente calibrado. Líquidos Penetrantes. que testam e qualificam as peças rapidamente e de forma quase automática. os seguintes itens devem ser considerados como elementos fundamentais para os resultados destes ensaios:     Pessoal treinado e qualificado. Permitem inspecções repetidas numa mesma peça ao longo do tempo. os ensaios não destrutivos são largamente utilizados na indústria aeronáutica. Aumentar o lucro dos fabricantes. dos esforços gerados sobre ele e dos tipos de descontinuidades passíveis de serem detectadas pelo método. Prevenir acidentes e a perda de vidas humanas e a paralisação de serviços básicos. 4 . permitindo acompanhar a evolução do desgaste ou dano. pode-se garantir que as principais razões para o uso dos END são:    Garantir a qualidade dos produtos e a reputação dos fabricantes. conseguindo uma correlação destes com as condições de serviço. Inspecção Visual. Não é necessário paragem e desmontagem de peças. Normas e critérios de aceitação perfeitamente definidos Em face à complexidade em manter todo o avião em condições de realizar vôos a todo momento com índice de falhas zero. Pouca ou nenhuma preparação é necessária para a maioria dos END.      Ser feitos em toda a produção ou em todas as regiões críticas. São sensíveis a diferentes propriedades ou regiões do material ou peça. Alguns equipamentos são portáteis. Vejamos quais os END mais utilizados:        Radiografia (Raios-X e Raios Gama). Mas para se obter resultados satisfatórios e válidos. Muitas peças podem ser examinadas em simultâneo ou sequencialmente. Existem diversos métodos de inspeção que são aplicados em função do tipo de material inspecionado. Termografia Eddy Currents (correntes parasitas). Assim. Procedimento qualificado para conduzir o ensaio.

Serve para abordar e esclarecer alguns pontos sobre o assunto em estudo. Deformações. Inclusões. Cada método é adequado para a detecção de defeitos em particular e pode ser adaptado à concepção de um componente ou como uma medida de controlo de qualidade. que dividem funções entre os mais diversos sectores da Industria Aeronáutica. principalmente na Industria Aeronáutica. Laminação. Qualidade Vs Produção Todos os END têm como objectivo. Este teste pode ser realizado no momento da produção ou quando o componente está em serviço. 5 . Qual demora mais tempo a realizar: Raios-X ou Ultra-Sons? O Raios-X é o que requer mais tempo para se realizar devido à:    Preparação do ensaio. Microtrincas superficiais. Disponibilidade do equipamento e de energia. Porosidade. inalação de partículas durante a sua aplicação. Quais os riscos para a Saúde e que Equipamentos de Protecção Individual (EPI) usar em um ensaio por Partículas Magnéticas? Os principais riscos para os profissionais envolvidos neste END são o choque elétrico. Trincas superficiais e internas. bata e óculos) e seguirem as instruções dos fabricantes quanto à preparação e manuseio dos materiais utilizados neste método de ensaio. devendo os mesmos utilizarem material adequado de proteção(luvas. entre outros. Produção Vs Manutenção Os END são responsáveis pela inspeção de um componente de forma a não torná-lo impróprio para o serviço.Perguntas Frequentes As Perguntas Frequentes é um sistema usado para tirar dúvidas. Quando há dificuldade de acesso às peças a inspecionar. Deslocamentos. Ciclos de fadiga. Perda de material. Proteção do técnico visto ser necessário utilizar rigorosas medidas de segurança contra a radiação. qual o END mais adequado? Quando existe dificuldade de acesso às peças a inspecionar são utilizados END que não exigem contacto físico como a Termografia ou então Líquidos Penetrantes. Que defeitos/descontinuidades são detectáveis com os END? Fissuras. Tensões de impacto. garantir a qualidade das peças inspecionadas mas… quando se realiza determinado ensaio este é somente aplicado em uma amostra de um lote. a exposição à luz ultravioleta e ao manuseio das partículas e concentrados. De todos os END qual é o mais usado na Aeronáutica? Os mais usados actualmente são o Raio-X e os Ultra-Sons. mascara. em forma de perguntas já com a resposta.

Desenvolvimento O que é um Ultra-Som? Um ultra-som é o som que se encontra acima do espectro da audição humana (20 a 20000hz). tamanho e localização nas peças ou equipamentos. Essa revisão foi realizada pelo Comitê Técnico número 135 da Organização Internacional de Normalização. podendo ser refratadas. refletidas e difratadas. Elaborou-se uma tabela em que vem referenciado alguns dos pontos de maior importância dos END. Para consulta a tabela encontra-se em anexo com o nome Tabela END. 6 . de modo que se possa comparar e perceber a finalidade de cada um. tornando possível a percepção de quais os cuidados a ter na montagem do equipamento. A realização deste Ensaio por Ultra-Sons tem como objectivo criar linhas de orientação para futuros trabalhos práticos e escritos. a norma internacional que trata da qualificação e certificação dos profissionais que atuam em ensaios não destrutivos foi revista.) As ondas sonoras seguem muitas das regras físicas da óptica. Assim sendo. a maioria dos equipamentos de ultra-sons usa frequências compreendidas entre 100khz e os 50Mhz. Nota! No último mês de junho de 2012. mas devido ao comprimento de onda ser mais pequeno. permitindo assim avaliar a sua qualidade e admissibilidade. Objectivo O objectivo dos END é detectar e descrever os defeitos/descontinuidades com vista a determinar a sua natureza. Apesar de qualquer som acima de 20khz já se considerar ultra-sons. Os ultra-sons comportam-se de maneira semelhante ao som audível. têm tendência a serem refletidos mais facilmente (serem refletidas por defeitos muito pequenos no material. na própria execução do ensaio e adquirir uma atitude reflexiva sobre a existência de factores que possam ou não influenciar os resultados obtidos. a norma que actualmente rege os END é a norma ISO 9712:2012. e pelo Comitê Técnico 138 da Comunidade Europeia de Normalização. destinado ao desenvolvimento de normas para END (especificamente qualificação e certificação).Qual dos END é o mais preciso na detecção de defeitos/descontinuidades? O ensaio por Liquido Penetrante tem uma sensibilidade de 1 mícron de largura o que o torna o mais preciso na detecção dos defeitos/descontinuidades.

A sua velocidade é também maior. o que as torna particularmente indicadas para a inspecção de soldaduras. líquidos e gases. cada uma com as suas características e. a superfície de uma descontinuidade. como método de ensaio não destrutivo. menor do que a das ondas longitudinais. São utilizadas para a detecção de reflectores que não estejam orientados paralelamente à superfície percorrida pela sonda. para a mesma frequência. 7 . como por exemplo. Acção da onda longitudinal Ondas Transversais Nas ondas transversais ou de cisalhamento. Ondas longitudinais Nas ondas longitudinais ou de compressão. através do conhecimento do tempo de percurso. quando recebidas. a direção de vibração das partículas é perpendicular à direção de propagação. São utilizadas para a detecção de descontinuidades com uma orientação paralela à da superfície percorrida pela sonda. Esta característica torna possível a medição de espessuras. permitem detectar e localizar. a direção de vibração das partículas é paralela à direção de propagação das ondas. com uma velocidade própria. Tipos de ondas Existem várias formas de propagação de ondas. o comprimento de onda das ondas transversais é. na peça. As reflexões. As ondas longitudinais permitem obter uma melhor penetração e uma menor atenuação. bem como a detecção de defeitos do tipo folheamento. os locais reflectores. sobretudo. A velocidade das ondas transversais é aproximadamente metade da das ondas longitudinais. Estas ondas não se propagam em líquidos e gases. velocidade de propagação do som e ângulo de emissão. Por essa razão. As ondas longitudinais propagam-se em sólidos.A utilização dos ultra-sons. Essas ondas reflectem-se ao incidirem numa superfície de separação de dois meios com características acústicas diferentes (interface). baseia-se na transmissão de ondas sonoras de elevada frequência no material da peça a ensaiar.

frequência da sonda e propriedades elásticas. por isso. Acção da onda Rayleigh Ondas de Lamb As ondas de Lamb ou ondas placa. ocorrendo segundo o ângulo crítico. As ondas de Lamb são geradas por ondas longitudinais e poderão ser simétricas ou assimétricas.Acção da onda transversal Ondas de Rayleigh As ondas de Rayleigh ou superficiais propagam-se à superfície e as partículas são animadas de um movimento elíptico. seja muito fina. Apresentam ainda a particularidade de contornarem as diferenças de geometria das peças. sendo. que cobre a peça. quando a geometria é complexa e o objectivo é a detecção de descontinuidades superficiais e subsuperficiais até à profundidade máxima correspondente a metade de um comprimento de onda. Ondas Creeping As ondas Creeping são ondas longitudinais que tangenciam a superfície do material. em função da espessura da chapa. Elas são utilizadas na deteção de descontinuidades superficiais e subsuperficiais. propagam-se em chapas finas com vários modos de vibração. Não é possível gerar ondas transversais ou superficiais em materiais mais finos os que um comprimento de onda. 8 . Estas ondas não se propagam em uma peça mergulhada num líquido. utilizadas com frequência na inspecção. a menos que a camada do líquido.

porem necessitam de maiores cuidados no manuseio. Este emissor pode se apresentar com determinadas formas (circular. são denominados transdutores. Tipos de transdutores Transdutor normal São assim chamados os transdutores monocristal geradores de ondas longitudinais normais à superfície de acoplamento. Como na prática operamos normalmente com diversos ângulos (35°. o sinal elétrico correspondente. 60°. O bloco amortecedor tem função de servir de apoio para o cristal e absorver as ondas emitidas pela face colada a ele. inserindo uma cunha de plástico entre o cristal piezelétrico e a superfície. Cristais piezelétricos são o quartzo. a placa comporta-se como se estivesse sobre pressão e diminui de espessura. Diversos materiais (cristais) apresentam o efeito piezelétrico.Como se geram as ondas? Efeito Piezelétrico As ondas ultra-sónicas são geradas ou introduzidas no material através de um elemento emissor com uma determinada dimensão e que vibra com uma certa frequência. originando o que chamamos de ecos. O cristal piezelétrico pode transformar a energia elétrica alternada em oscilação mecânica e transformar a energia mecânica em elétrica. o sulfato de lítio. o titanato de bário e o metaniobato de chumbo. 70° e 80°) esta solução é mais econômica já que um único transdutor com várias cunhas é de custo inferior. A face de contacto do transdutor com a peça deve ser protegida contra desgastes mecânicos podendo utilizar membranas de borracha finas e resistentes ou camadas fixas de epóxi enriquecido com óxido de alumínio. Transdutores angulares A rigor.Tanto o elemento emissor e receptor. denominado de amortecedor. rectangular). A cunha pode ser fixa. O transdutor emite um impulso ultra-sónico que se propaga no material a inspecionar e reflete nas interfaces. O ângulo é obtido. com a sua parte livre protegida por uma membrana de borracha ou com uma resina especial. como se pode observar na ilustração que se segue. O efeito inverso também é verdadeiro: se aplicarmos dois eléctrodos sobre as faces opostas de uma placa de cristal piezelétrico. Neste último caso temos um transdutor normal que é preso com parafusos que fixam a cunha à carcaça. 9 . 45°. também designados por sondas. no mesmo. Estes transdutores são construídos a partir de um cristal piezoelétrico colado num bloco rígido. diferem dos transdutores rectos ou normais pelo facto do cristal formar um determinado ângulo com a superfície do material. de maneira que possamos carregar as faces eletricamente. surgem em sua superfície cargas elétricas. Se tomarmos uma lâmina de certo formato (placa) e aplicarmos uma pressão sobre o mesmo. Estes ecos retornam ao transdutor e geram. sendo então englobada pela carcaça ou intercambiável.

Possuem sempre uma faixa de inspeção ótima. Esquema de um transdutor normal e de um transdutor angular Transdutores Duplo-Cristal Existem problemas de inspeção que não podem ser resolvidos nem com transdutores rectos nem com angulares. não tendo suas vibrações sido amortecidas suficientemente. Quando se trata de inspecionar ou medir materiais de reduzida espessura. os transdutores duplos não podem ser usados para qualquer distância (profundidade). feixe é concentrado em uma determinada zona do material para a qual se deseja máxima sensibilidade. deve-se calcular o ângulo real de penetração utilizando a Lei de Snell. se o material for outro. somente um transdutor que separa a emissão da recepção pode ajudar.O ângulo nominal. é uma expressão que dá o desvio angular sofrido por um raio de luz ao passar para um meio com índice de refração diferente do qual ele estava. Cada um deles funciona somente como emissor ou somente como receptor. no qual dois cristais são incorporados na mesma carcaça. Neste caso. sob o qual o feixe ultra-sônico penetra no material vale somente para inspeção de peças em aço. O cristal piezelétrico recebe uma “resposta” num espaço de tempo curto após a emissão. Em certos casos estes transdutores duplos são utilizados com “focalização”. a “zona morta” existente na tela do aparelho impede uma resposta clara. Nota! A lei de Snell ou lei de refração. ou quando se deseja detectar descontinuidades logo abaixo da superfície do material. separados por um material acústico isolante e levemente inclinados em relação à superfície de contato. A mudança do ângulo devesse à mudança de velocidade no meio. Devido a esta inclinação. Os transdutores duplo-cristal são o mais indicado e largamente utilizado nos procedimentos de medição de espessura por ultra-som. que deve ser observada. São conectados ao aparelho de ultra-som por um cabo duplo (o aparelho deve ser ajustado para trabalhar agora com 2 cristais). desenvolveu-se o transdutor de duplo-cristal. Para tanto. sendo indiferente qual deles exerce qual função. isto é. Fora desta zona a sensibilidade se reduz. Os cristais são montados sobre blocos de plástico especial de baixa atenuação. 10 .

e permita a passagem das vibrações para a peça. Difícil de aplicar a peças de geometria complexa e/ou de espessuras muito pequenas. dimensão e forma das descontinuidades. Aplicável em inspecções de manutenção. a partir de diversas superfícies. Não exige mais do que uma superfície acessível. do tipo de material. Dificuldade de aplicação em materiais de grande atenuação acústica. portátil. Vantagens e desvantagens dos Ultra-Sons Vantagens:       Elevado poder de penetração que permite a detecção de descontinuidades existentes no interior das peças. da forma da peça. embora seja recomendável a sondagem. Equipamento. geralmente água. A aplicação deste método requer a construção de dispositivos adaptados ao tipo de peça a ensaiar. deve-se usar um líquido que estabeleça uma redução desta diferença. Métodos de ensaio Quanto ao tipo de acoplamento. Atenuação acústica é a capacidade que os materiais têm de atenuar as ondas sonoras e ultra-sonoras.Acoplantes Ao acoplarmos o transdutor sobre a peça a ser inspecionada estabelece-se imediatamente uma camada de ar entre a ponta do transdutor e a superfície da peça. Tais líquidos são denominados líquidos acoplantes e são escolhidos em função do acabamento superficial da peça. o ensaio por ultra-som pode ser classificado em dois grupos:   Ensaio por contato direto: o acoplante é colocado em pequena quantidade entre a peça e a sonda. Sensibilidade elevada na detecção de descontinuidades muito pequenas. numa vasta gama de espessuras e materiais. Ensaio por imersão: a peça e a sonda são mergulhadas num líquido. Desvantagens:    Exige operadores muito experientes. formando uma película. obtendo-se um acoplamento perfeito. normalmente. Por esta razão. das dimensões da área em estudo e da posição para inspeção. em virtude das características acústicas (impedância acústica) muito diferentes do material a inspecionar. 11 . Esta camada ar impede que as vibrações mecânicas produzidas pelo transdutor se propaguem para a peça. Precisão na determinação da localização.

com programas predefinidos para a inspeção de alguns materiais. Utiliza-se o instrumento de medição de temperatura/humidade Testo 625 SN:01932781 onde se obteve os seguintes valores:   Temperatura: 22°C Humidade Relativa: 48% 2. Com a ajuda da Tabela em anexo das Velocidades Ultra-sónicas Longitudinais verifica-se que o Titânio tem como valor de velocidade ultra-sónica longitudinal 6. que têm a capacidade de apresentar vários modos de apresentação para facilitar a vida ao operador do equipamento. Esta nova capacidade de guardar os dados da análise em formato digital é bastante importante principalmente na área da aeronáutica onde é sempre necessária documentação a acompanhar e a demonstrar tudo o que se passou com a peça/material. existem equipamentos que têm ainda a capacidade de fazer o envio em tempo real por Wireless/Ethernet. 12 . visto que são factores que podem influenciar os resultados do ensaio. 3.172 m/s. Antes de qualquer medição retirar sempre qualquer substancia esquisita e /ou estranha que se encontre na superfície da chapa que possa comprometer resultados. Neste momento temos equipamentos que conseguem realizar c-scans em tempo real. dimensão das camadas e estado do núcleo. O material ensaiado é uma placa de Titânio (0. Procedimento Ensaio Ultra-Sons 1. Antes de se dar inicio a qualquer ensaio de Ultra-Som. indicando assim de uma forma visual e sonora a existência de defeitos na estrutura do material a ser analisado. isto é particularmente importante para os materiais compósitos. Exige a utilização de acoplantes. A constante evolução O futuro de equipamentos de ultra-sons já começou há bastante tempo. em alguns casos. mas para se conseguir entender este tipo de informações mais pormenorizada é necessário um operador com alguma experiência. por vezes. à que verificar qual o equipamento necessário e depois tomar nota dos valores de humidade relativa e temperatura do laboratório. Equipamentos atuais conseguem mesmo “ver” o interior dos materiais. dificuldades na interpretação de defeitos superficiais cuja distinção de reflectores atribuídos à geometria é difícil.55mm TA2x0-35mm THK). A capacidade de “ver” é tão boa que é possível ver a direção das fibras. Por isso alguns dos equipamentos têm a capacidade para guardar os resultados dos ensaios em formato digital para posterior análise por parte de outro técnico e.  Apresenta.

utiliza-se o Micrómetro Mitutoyo analógico com precisão de 0-25mm de natureza 0.  Espessura: 0. Está também presente uma tabela com os equipamentos utilizados e seus respectivos números de serie. Aparecerá um ícone no lado direito do display LCD que nos indica se a sonda está bem acoplada ou não sobre o material. Aparecerá no display LCD o Logo da NDT Systems INC e o sistema inicia. (Pode-se dar o caso de se encontrar esse valor já configurado.01mm SN:76238396.59 mm Com apenas duas sondas disponíveis.É necessário saber qual a espessura da placa de titânio para que se possa escolher através da tabela em anexo qual a sonda a utilizar com o equipamento Ultra-Som Nova TG900. Primeiro liga-se a sonda ao cabo e só depois se liga o cabo ao equipamento principal. Sendo assim. 4. e as informações logo disponíveis no display LCD são a opção Velocity (Velocidade) que está colocada logo abaixo da leitura da espessura. para que deste modo não danifique a sonda.) Em um plano de granito é colocada a placa de titânio e aplica-se sobre esta um agente acoplador (gel UTGII02 714-893-2438). O ícone que indica o nível de bateria encontra-se do lado esquerdo do display LCD e mostra o estado actual de carga de bateria. A velocidade que se coloca é 6. que corresponde à do Titânio. Inicia-se novamente o TG900. ao não estar ligada nenhuma sonda aparecerá a seguinte mensagem a sombreado no topo do display LCD “NO PROBE – attach Nova Transducer” (Nenhuma sonda – ligue uma sonda da série Nova). que vai permitir transferir a energia ultra-sónica de alta-frequência da sonda D11R para dentro do material.  Na placa de titânio é esquematizado um mapa de coordenadas para se efectuar as leituras. porque por defeito a máquina memoriza na memória a ultima configuração. Se este não indicar não mais que 20% de energia deve-se substituir as 2 pilhas AA alcalinas recarregáveis. Para configurar a velocidade temos as setas ˄ e ˅ para chegar ao valor pretendido. Inicia-se a configuração do equipamento Medidor de Espessuras por Ultra-sons Nova TG900 SN:1010500.         13 . mas à que respeitar a ordem específica. a C11 (SN:100202) e a D11R (SN:100309).   Premir a tecla ON/OFF durante alguns instantes. É essencial um bom acoplamento para qualificar a integridade das leituras de espessura. Os dados deste ensaio podem ser constatados no anexo Resultados Ensaio Ultra-Sons. Por defeito. A sonda D11R utiliza um cabo desmontável (ML01) para se ligar ao TG900. Premir novamente o botão ON/OFF para desligar o equipamento.172 m/s. consulta-se a Tabela anexa respeitante as sondas e verifica-se que apenas a D11R preenche os requisitos para o ensaio a efectuar.

tornando o próprio ensaio inviável. não-invasivo e atraumático. Existe a hipótese de algum mau funcionamento por parte do aparelho de Ultra-Som ou algum curto-circuito provocado pela má conexão da sonda. É um ensaio seguro. Complementou-se este ensaio com um teste com Líquidos Penetrantes. concluo que a principal razão pelas leituras dadas pelo aparelho podem ter sido ocasionadas pela falta de experiência no manuseio da sonda do aparelho de Ultra-Sons. depois de muito se debater as razões. como também o seu uso sucessivo ter influências nas leituras. As possíveis razões são:   Ter origem na falta de acoplante ou na presença de partículas estranhas na superfície. Conclusão Ao observar os resultados obtidos do Ensaio de Ultra-Sons detecta-se algumas leituras com valores baixos de espessura que se mantiveram constantes. que quase dispensa o uso de EPI´s pela sua simplicidade de execução e fiabilidade de resultados. A existência de interferências eléctricas causadas pelos próprios aparelhos presentes no laboratório e até mesmo dos telemóveis que possam ocasionalmente estar junto da zona de ensaio. por sua vez. O isolamento do Laboratório de Metrologia pode não ser suficiente. pode ser utilizado com intensidades bastante altas. afectam o ajuste (calibração) do instrumento e a fiabilidade da medição. devido à sua proximidade à Serralharia. A temperatura e a humidade relativa podem influenciar tanto nas dimensões como na velocidade ultra-sónica do material que.     Mas. Este efeito normalmente ignora-se quando se dá pequenas alterações nestes factores. Deve-se sempre qualificar as indicações de espessura questionáveis para serem estudadas adequadamente e permitir averiguar qual ou quais as razões para tal ter acontecido.HST (Higiene e Segurança no Trabalho) Como o ultra-som está fora da faixa de frequência audível ao homem. Surge a possibilidade de existir um defeito/descontinuidade interna que surgiu no próprio processo de fabricação da chapa de titânio. colocando de parte a hipótese da existência de um defeito/descontinuidade superficial. podendo ter exercido demasiada pressão desta sobre o material ensaiado. 14 .

a presença de defeitos deve sempre ser evitada. Defeito/Descontinuidade .scribd. fissuras.ufmg. mesmo. inclusões. É um elemento que ocorre em vários minerais. etc 15 .br http://pt. lustroso e resistente à corrosão. constituindo-se em um defeito. uma descontinuidade pode ser considerada como prejudicial para a utilização futura da junta. número atômico 22 com massa atômica 47.br/ http://pt. de acordo com as exigências de qualidade para a ajunta soldada. esta condição depende da aplicação a que se destina o componente.Webgrafia Links: www. ou seja. cor branca metálica. mecânicas ou metalúrgicas do material ou da solda. delaminação.compoende. em geral. sólido na temperatura ambiente. Ex: trincas.br/site/cursos/arquivos/168pdf PDF obtidos através da internet: Modulform Formação Modular – Ensaios Não Destrutivos Ensaios Não Destrutivos por Silvério Ferreira da Silva Junior e Paulo Villani Marques NDT Ultra-Sons http://www. forte. ser reparadas ou. sendo as principais fontes o rutilo e a Ilmenita. substituídas.wikipedia. Atraumático – em que não ocorre trauma. baseado em normas ou até mesmo em um contrato.com. e exigindo ações corretivas que acarretam uma elevação no tempo e no valor final do serviço. aeroespacial e outras.ebah.com. Logo juntas defeituosas precisam. a falta de homogeneidade de características físicas. Trata-se de um metal de transição leve.org/wiki/Ensaio_n%C3%A3o_destr utivo www. Porém.A descontinuidade é considerada como uma interrupção ou uma violação da estrutura típica ou esperada de uma junta soldada. Apresenta inúmeras aplicações como metal de ligas leves na indústria aeronáutica.é um elemento químico de símbolo Ti. Dessa forma.90 u. O titânio é muito utilizado em ligas leves e em pigmentos brancos. A existência de descontinuidades em uma junta não significa necessariamente que a mesma seja defeituosa. Tudo isso.demec.com/ Manual Instruções Português TG900 (aparelho medidor espessuras por ultra-sons) Glossário Titânio . porosidade.

16 .