You are on page 1of 16

Aprovar_29V.

qxp 18/9/2008 11:33 Page 1


Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 2

Guia de Profissões
Psicologia
ntender a mente humana e desen-

E volver o autoconhecimento são algu-


mas das habilidades do psicólogo.
Trata-se do profissional que estuda o com-
portamento humano das mais diversas
formas. É responsável por diagnosticar e
por avaliar distúrbios emocionais e mentais
e de adaptação social, elucidando conflitos
e questões e acompanhando o paciente
durante o processo de tratamento ou de
cura. O mercado de trabalho para esse
profissional é amplo, mas, ao mesmo
tempo, exige aprofundamento e especiali-
zação.
De uma forma geral, o psicólogo diagnos-
tica, previne e trata doenças mentais, esporte, entre outros campos. Em empre- julgamento de alguns casos.
distúrbios emocionais e de personalidade. sas, o psicólogo também pode participar De acordo com o Guia do Estudante, da
Ele observa e analisa as atitudes, os senti- de processos de seleção e de treinamento. Editora Abril, desde 2006 foram extintas as
mentos e os mecanismos mentais do As principais áreas de atuação são a titulações de bacharel e de licenciado. Ape-
paciente e procura ajudá-lo a identificar as Psicologia clínica (atendimento de pacien- nas os estudantes que já estão na univer-
causas dos problemas e a rever comporta- tes em consultórios ou hospitais), Psicolo- sidade poderão optar por elas. A partir de
mentos inadequados. gia escolar (facilitação do processo de então, os cursos passam a ser oferecidos
O profissional poderá atuar na área médica, aprendizagem), Psicologia organizacional com a titulação única de formação de
em recursos humanos e na Psicologia do (envolvimento na relação entre pessoas e psicólogo, com duração de cinco anos. O
locais de trabalho). curso aborda as diversas correntes da
Esse profissional atua em consultórios, em Psicologia. Há disciplinas obrigatórias,
hospitais e nas mais variadas instituições como Neurologia e Antropologia, e optati-
de saúde, como clínicas estéticas e spas, vas, como Psicologia do Excepcional e Pro-
Índice contribuindo, do ponto de vista psicológico,
para a recuperação da saúde das pessoas.
blemas de Aprendizagem. As novas diretri-
zes também passam a valorizar mais as
Em escolas e em instituições, colabora na disciplinas de pesquisa e o estágio (obriga-
orientação educacional. Em empresas, tório) em várias áreas. Para exercer a profis-
MATEMÁTICA participa da seleção e do treinamento de são, é necessário registrar-se no Conselho
pessoal e promove programas de adapta- Regional de Psicologia.
Geometria de posição .............. Pág. 03 ção dos funcionários. São disciplinas do currículo mínimo do
(aula 169) Também elabora, aplica e analisa pesqui- curso: Fisiologia, Estatística, Psicologia
sas de mercado para o departamento de Geral e Experimental, Psicologia do Desen-
FÍSICA marketing. Pode atuar, ainda, em institui- volvimento, Psicologia da Personalidade,
ções judiciárias, presídios, instituições de Psicologia Social, Psicopatologia Geral,
Transmissão de calor ............... Pág. 05 reabilitação e clubes de esporte. Outro Ética Profissional, Psicologia Escolar e
(aula 170) campo, para o psicólogo, é o de atividades Problemas de Aprendizagem, Teorias e
letivas no Ensino Médio, se no curso de Técnicas Psicoterápicas, Seleção e Orien-
LITERATURA graduação tiver feito a opção pela licen- tação Profissional, Psicologia Organizacional
Modernismo III – Autores da Primeira ciatura. Como bacharel, pode dedicar-se à e Comunitária, Psicologia Institucional.
pesquisa e ao magistério no Ensino Supe- Deve-se destacar a diferenciação de alguns
Fase .......................................... Pág. 07 rior, necessitando, para tanto, continuar tipos de profissionais que tratam de
(aula 171) seus estudos em nível de pós-graduação. problemas relacionados com a mente hu-
No Brasil, o psicólogo teve sua profissão mana. Terapeuta é um termo genérico que
HISTÓRIA reconhecida só em 1962. Por isso, ainda pode ser aplicado a psicólogos, psiquiatras
está conquistando novos espaços, tendo e psicanalistas. Os psicólogos têm a forma-
A Guerra Fria ............................ Pág. 09 sua área de atuação crescido muito nesta ção orientada para os aspectos psicos-
(aula 172) última década. Recentemente, várias possi- sociais. São formados em Psicologia e não
bilidades vêm abrindo-se para os psicólo- receitam medicamentos. Os psiquiatras:
BIOLOGIA gos. Por exemplo: o psicólogo do esporte, tratam de quase todas as perturbações
Biologia vegetal II ..................... Pág. 11 (que auxilia o atleta no preparo para as mentais e adotam tanto os métodos
competições), o psicólogo ambiental, (que psicológicos quanto os biológicos. São
(aula 173) estuda as comunidades e cria melhores diplomados em Medicina e fazem residên-
formas para as pessoas viverem na coleti- cia com especialização em Psiquiatria. Já
MATEMÁTICA vidade) e o psicólogo que atua na área de os psicanalistas dão ênfase ao entendimen-
Revisão de Álgebra III ............. Pág. 13 publicidade (pesquisando a população- to da realidade psíquica dos pacientes. Não
alvo do produto e assessorando os publici- costumam receitar medicamentos, preferin-
(aula 174)
tários na confecção da propaganda). Além do associar o tratamento psicanalítico ao
disso, os fóruns têm aberto concursos para psiquiátrico quando houver necessidade. A
Referências bibliográficas ...... Pág. 16 a contratação de psicólogos, o que gera formação varia de acordo com as entidades
uma procura por psicólogos jurídicos, que que cursam, sendo aceitos psicólogos e
elaboram laudos a serem utilizados no psiquiatras.

2
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 3

Matemática
Professor CLÍCIO Freire
P4. Um ponto qualquer de uma reta divide-a em
duas semi-retas.
Aula 169

Geometria de posição
A Geometria espacial (euclidiana) funciona como
uma ampliação da Geometria plana (euclidiana) e
trata dos métodos apropriados para o estudo de Observe que as faixas
objetos espaciais assim como a relação entre de uma rodovia dão a 01. PUC – Dizemos que um conjunto C de pon-
esses elementos. Os objetos primitivos do ponto idéia de uma reta tos do espaço é convexo se, dados os
de vista espacial são pontos, retas, segmentos de pontos A e B quaisquer, pertencentes a C, o
retas, planos, curvas, ângulos e superfícies. Os segmento de reta AB está contido em C. Há
principais tipos de cálculos que podemos realizar conjunto convexo numa das afirmações
Plano
são: comprimentos de curvas, áreas de super-
fícies e volumes de regiões sólidas. Tomaremos
Um plano é um subconjunto do espaço R3 de tal abaixo? Assinale a afirmação verdadeira.
modo que quaisquer dois pontos desse conjunto a) o plano excluído de um dos seus pontos.
ponto e reta como conceitos primitivos, os quais
podem ser ligados por um segmento de reta b) o conjunto dos pontos situados sobre uma
serão aceitos sem definição.
inteiramente contido no conjunto.
Conceitos primitivos câmara de ar de automóvel.
Um plano no espaço R3 pode ser determinado
por qualquer uma das situações: c) a região plana limitada por um quadrilátero.
São conceitos primitivos (e, portanto, aceitos sem
definição), na Geometria espacial, os conceitos a) Três pontos não colineares (não pertencentes d) a superfície lateral de um prisma.
de ponto, reta e plano. Habitualmente, usamos a à mesma reta); e) nenhum dos conjuntos acima.
seguinte notação: b)Um ponto e uma reta que não contém o ponto;
a) pontos: letras maiúsculas do nosso alfabeto. c) Um ponto e um segmento de reta que não 02. ITA – Consideremos um plano a e uma reta
•A contém o ponto; r que encontra esse plano num ponto P e
b)retas: letras minúsculas do nosso alfabeto. d)Duas retas paralelas que não se sobrepõem; que não é perpendicular a a. Assinale qual
e) Dois segmentos de reta paralelos que não se das afirmações é a verdadeira.
sobrepõem; a) existem infinitas retas de a perpendiculares a
f) Duas retas concorrentes; r pelo ponto P.
g)Dois segmentos de reta concorrentes.
b) existe uma e somente uma reta de a perpen-
c) planos: letras minúsculas do alfabeto grego. Planos e retas dicular a r por P.
3
Um plano é um subconjunto do espaço R de tal c) não existe reta de a , perpendicular a r, por P.
modo que quaisquer dois pontos desse conjunto d) existem duas retas de a perpendiculares a r
podem ser ligados por um segmento de reta
passando por P.
inteiramente contido no conjunto.
Duas retas (segmentos de reta) no espaço R
3 e) nenhuma das afirmações acima é verdadeira.
Observação: Espaço é o conjunto de todos os
podem ser: paralelas, concorrentes ou reversas. 03. MACK – O lugar geométrico dos pontos
pontos.
Retas paralelas: Duas retas são paralelas se elas
Por exemplo, da figura a seguir, podemos escrever:
não possuem interseção e estão em um mesmo
médios dos segmentos que unem pontos
plano. de duas retas reversas é:
a) uma elipse. b) uma hipérbole.
c) uma esfera. d) uma reta. e) um plano.

04. MACK – Se r e s são duas retas paralelas a


um plano a, então:
P∈r
Q∈s∩r
a) r e s são paralelas .
Retas concorrentes: duas retas são concorren- b) r e s são perpendiculares .
s⊂αer⊂a
tes se elas têm um ponto em comum. As retas c) r e s se interceptam .
Axiomas perpendiculares são retas concorrentes que
d) r e s são reversas .
Axiomas ou postulados (P) são proposições formam entre si um ângulo reto.
e) nada se pode concluir .
aceitas como verdadeiras sem demonstração e
que servem de base para o desenvolvimento de 05. UFAM – Se a e b são dois planos perpen-
uma teoria. diculares, r a sua interseção e s uma reta
Temos como axioma fundamental: existem infini-
paralela a a , então:
tos pontos, retas e planos.
a) a reta s é paralela ao plano b .
Postulados sobre pontos e retas
Retas reversas: duas retas são ditas reversas b) a reta s é perpendicular ao plano b .
P1. A reta é infinita, ou seja, contém infinitos quando uma não há interseção entre elas: não c) a reta s é paralela à reta r .
pontos. são paralelas. Isso significa que elas estão em d) a reta s intercepta o plano b .
planos diferentes. Pode-se pensar em uma reta r e) nada se pode concluir .
desenhada no chão de uma casa e uma reta s,
não paralela a r, desenhada no teto dessa mesma 06. ITAM – Uma só das seguintes afirmações é
casa. exata. Qual?
P2. Por um ponto podem ser traçadas infinitas
retas. a) um plano paralelo a uma reta de um outro
plano é paralelo a este .
b) um plano perpendicular a uma reta de um
plano é perpendicular a este plano .
c) um plano paralelo a duas retas de um plano é
paralelo ao plano .
d) dois planos paralelos à mesma reta são
paralelos
Reta paralela a um plano: Uma reta r é paralela
e) um plano paralelo a três retas de um mesmo
a um plano no espaço R3 se existe uma reta s
Observe que os eixos se inteiramente contida no plano que é paralelo à plano é paralelo a este plano.
encontram no centro da roda reta dada.
gigante, dando a idéia de feixe 07. UFAM – Duas retas no espaço, perpendi-
de retas. culares a uma terceira:
a) são paralelas.
b) são perpendiculares.
c) podem ser perpendiculares.
d) são coplanares.
P3. Por dois pontos distintos passa uma única Reta perpendicular a um plano: uma reta é
perpendicular a um plano no espaço R3, se ela e) são reversas.
reta.

3
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 4

intercepta o plano em um ponto P, e todo 3. Icosaedro


segmento de reta contido no plano que tem P
como uma de suas extremidades é perpendicular
à reta.
Posições entre planos
1. Planos concorrentes no espaço R3 são planos
cuja interseção é uma reta.
2. Planos paralelos no espaço R3 são planos que
não têm interseção.
3. Diedro: Quando dois planos são concorrentes, Observação – Na tentativa de construir poliedros
dizemos que tais planos formam um diedro. regulares, verificamos, na prática, que não é pos-
sível fazê-lo nem com hexágonos, nem com
01. (CEFET–PR ) Um poliedro convexo possui polígonos que tenham mais do que seis lados.
duas faces triangulares, duas quadrangula- Resumo:
res e quatro pentagonais. Logo a soma dos
ângulos internos de todas as faces será:
a) 3240° b) 3640° c) 3840°
d) 4000° e) 4060°
4. Ângulo diedral: É ângulo formado por dois pla-
02. (CEFET–PR) O número de vértices de um nos concorrentes. Para obter o ângulo diedral,
poliedro convexo de 10 faces quadrangula- basta tomar o ângulo formado por quaisquer
res é: duas retas perpendiculares aos planos concor-
a) 32 b) 12 c) 20 rentes.
Aplicações
d) 15 e) 18 5. Planos normais são aqueles cujo ângulo
diedral é um ângulo reto (90 graus). 01. O número de faces de um poliedro convexo
03. (PUC–SP) Um poliedro convexo tem 3 faces Poliedros de 20 arestas é igual ao número de vértices. De-
pentagonais e algumas faces triangulares. São sólidos do espaço de 3 dimensões cuja termine o número de faces do poliedro.
Qual o número de faces desse poliedro, fronteira é a reunião de partes de planos. Solução:
sabendo-se que o número de arestas é o Sabemos que, sendo dado um poliedro de V
quádruplo do número de faces triangulares? vértices, F faces e A arestas, vale a célebre rela-
a) 4 b) 3 c) 5 ção de Euler:
d) 6 e) 8 V+F=A+2
É dado que A = 20 e V = F. Logo, substituindo,
04. (ITA–SP) Um poliedro convexo tem 13 faces.
De um dos seus vértices, partem 6 arestas; fica:
Relação de Euler
de 6 outros vértices, partem, de cada um, 4 F + F = 20 + 2 ; logo, 2F = 22 e daí conclui-se
Em qualquer poliedro convexo, é válida a rela- que F = 11. Portanto o poliedro possui 11 faces.
arestas, e finalmente, de cada um dos vérti- ção:
ces restantes, partem 3 arestas. O número de V–A+F=2 02. Um poliedro convexo possui 10 faces, sendo
arestas desse poliedro é: V = n.° de vértices; algumas quadrangulares e outras triangulares.
a) 13 b) 17 c) 21 A = n.° de arestas; Ache o número de faces de cada tipo, sabendo
d) 24 e) 27 F = n.° de faces.
que a soma dos ângulos das suas faces é 2520°.
Soma dos ângulos das faces: S
Solução:
05. (PUC–PR) O número de vértices de um polie- S = (V – 2). 360
Sendo x faces quadrangulares e y faces triangu-
dro de 8 faces triangulares e de 4 faces qua- Poliedros de Platão
lares, teremos:
drangulares é igual a: De um poliedro de Platão, exige-se que: x + y = 10
a) 10 b) 12 c) 40 a) Todas as faces sejam polígonos, regulares ou
Sabemos que a soma dos ângulos internos de to-
d) 20 e) 8 não, mas com o mesmo número de lados;
b) Todos os bicos sejam formados com o mesmo das as faces de um poliedro convexo é dada por:
06. (PUC–PR) Se a soma dos ângulos das faces número de arestas. S = (V – 2). 360°, em que V é o número de
de um poliedro regular é 1440°, então o nú- Quantos são os poliedros de Platão? vértices. Logo
mero de arestas desse poliedro é: Só existem cinco tipos de poliedros de Platão, 2520° = (V – 2) .360° ⇒ V – 2 = 7 ⇒ V = 9
regulares ou não, que são: Sabemos, também, pelo Teorema de Euler, que:
a) 12 b) 8 c) 6
1. Tetraedro V+F=A+2
d) 20 e) 4
em que V é o número de vértices, A o número de
07. O número de vértices de um poliedro conve- arestas e F o número de faces.
xo constituído por doze faces triangulares é: Teremos então:
a) 4 b) 12 c) 10 9 + 10 = A + 2, então A = 17
d) 6 e) 8 Outra relação conhecida para os poliedros é: n .
F= 2 . A, em que n é o número de arestas em
08. (CESGRANRIO–RJ ) Um poliedro convexo é 4. Hexaedro
cada face.
formado por 4 faces triangulares, 2 faces
No presente caso, n . F = 4x + 3y, já que são 4
quadrangulares e 1 face hexagonal. O núme-
faces quadrangulares e 3 faces triangulares.
ro de vértices desse poliedro é :
Logo 4x + 3y = 2 . A = 2.17 = 34
a) 6 b) 7 c) 8 Já sabemos que a soma dos ângulos internos de
d) 9 e) 10 um triângulo vale 180°, e a soma dos ângulos
2. Octaedro
09. (CESGRANRIO–RJ) Considere o poliedro internos de um quadrilátero vale 360°. Logo,
regular de faces triangulares que não possui como são x quadriláteros e y triângulos, vem:
diagonais. A soma dos ângulos das faces x . 360 + y . 180 = 2520
desse poliedro vale, em graus:
Simplificando, vem:
a) 180 b) 360 c) 540
d) 720 e) 900 Resolvendo o sistema acima, vem:
5. Dodecaedro y = 14 – 2x
10. (PUC–SP) Quantas arestas tem um poliedro
convexo de faces triangulares em que o 4 x + 3 (14 – 2x) = 34
número de vértices é 3/5 do número de 4x + 42 – 6x= 34
faces? –2x= –8
Daí tiramos x = 4 e, portanto, y = 6.
a) 60 b) 30 c) 25
São, então, 4 faces quadrangulares e 6 faces
d) 20 e) 15
triangulares.

4
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 5

Esse enunciado é conhecido como lei Fourier,


Física expressa pela equação:
KA. (θ – θ )
Professor Carlos Jennings Φ = –––––––––––––
2 1
e
A constante de proporcionalidade K depende da
Aula 170 natureza, sendo denominada, coeficiente de
condutibilidade térmica. Seu valor é elevado
para os bons condutores, como os metais, e
Transmissão de calor baixo para os isolantes térmicos. Exemplos:
A propagação do calor efetua-se por três modos Prata: 0,99cal/s .cm.°C
diferentes: condução, convecção e irradiação. Alumínio: 0,50cal/s .cm.°C 01. (Mack–SP) Uma pessoa que se encontra
Para os três modos de propagação, definimos a perto de uma fogueira recebe calor princi-
Ferro: 0,16cal/s . cm.°C
grandeza fluxo de calor (Φ). palmente por:
Água: 0,0014cal/s .cm.°C
a) convecção do dióxido de carbono;
Seja S uma superfície localizada na região onde
Lã: 0,000086cal/s . cm.°C b) convecção do monóxido de carbono;
ocorre a propagação de calor. O fluxo de calor
Ar seco: 0,000061cal/s .cm.°C c) convecção do ar;
(Φ) através da superfície S é dado pela relação
d) condução;
entre a quantidade de calor Q que atravessa a
Aplicação e) irradiação.
superfície e o intervalo de tempo Δt decorrido.
Q Uma barra de alumínio (K = 0,5cal/s.cm.ºC) está
Φ =–––– 02. (UMC–SP) Na região litorânea, a areia da
Δt em contato, numa extremidade, com gelo em
fusão e, na outra, com vapor de água em ebuli- praia aquece-se mais rápido que a água
ção sob pressão normal. Seu comprimento é do mar durante o dia. À noite, a areia esfria
25cm, e a seção transversal tem 5cm2 de área. mais rápido que a água do mar. Isso
Sendo a barra isolada lateralmente e dados os ocorre porque o calor específico da água é
calores latentes de fusão do gelo e de vaporiza- maior que o da areia. Com base nesses
ção da água (LF = 80cal/g; LV = 540cal/g), deter- dados, podemos explicar a existência da
mine: brisa:
As unidades usuais de fluxo de calor são cal/s e A massa do gelo que se funde em meia hora. a) do mar para a praia à noite;
kcal/s. Como é energia, podemos também usar Solução: b) da praia para o mar durante o dia;
a unidade watt (W), que corresponde ao joule
Dados: c) do mar para a praia durante o dia;
por segundo (J/s).
d) da praia para o mar sempre;
e = 25cm;
CONDUÇÃO e) do mar para a praia sempre.
A = 5cm2;
É o processo de transmissão de calor pelo qual a
energia passa de molécula para molécula sem K = 0,5cal/s.cm.°C 03. (Unitau–SP) Analise os três fenômenos que
que elas sejam deslocadas. Exemplo: aquecen- O fluxo de calor que atravessa a barra é igual a: se seguem e associe, na mesma ordem, o
do-se a extremidade de uma barra metálica, as KA. (θ2 – θ1) 0,05 . 5 .(100–0) tipo de transferência de calor que, princi-
moléculas passam a vibrar com maior intensida- Φ = ––––––––––––– = –––––––––––––––– = palmente, neles ocorre.
e 25
de, transmitindo essa energia adicional às molé- Φ = 10cal/s I. Na parte de cima de um cômodo, o ar é
culas mais próximas, que também passam a
mais quente que na parte de baixo.
vibrar mais intensamente e assim sucessivamen-
II. Quando seguramos uma colher de
te até alcançar a outra extremidade.
metal imersa em uma xícara de chá
Os metais, por exemplo, são bons condutores e quente, sentimos calor na mão.
outras substâncias, como a cortiça, o ar, a madei- III. Ao ficarmos expostos ao sol por
ra, o gelo, a lã, o algodão etc., são isolantes tér- algum tempo, sofremos queimaduras
micos. na pele.
Em meia hora, isto é, em Δt= 1800s, a quantida-
Nos líquidos e nos gases, a condução térmica é a) convecção, radiação, condução;
de de calor recebida pelo gelo e perdida pelo
baixa. Por esse motivo, é que os gases são utili- b) convecção, condução radiação;
vapor será:
zados como isolantes térmicos. c) condução, convecção, radiação;
Q = Φ . Δt → Q = 10 . 1800cal
Lei da Condução Térmica d) condução, radiação, convecção;
Recebendo essa quantidade de calor, o gelo
e) radiação, condução, convecção.
Considere dois ambientes a temperaturas θ1 e θ2, sofre fusão. A massa que se funde será dada por:
tais que θ2 > θ1, separados por uma parede de Q
Q = m . LF ⇒ m = –––– 04. (FAFI–MG) Os alimentos são, muitas
área A e espessura e (figura abaixo) LF
vezes, envolvidos em papel de alumínio
Como LF = 80cal/g, vem:
para depois serem consumidos. No entan-
18000
m = ––––––– ⇒ m = 33,3g to é incorreto afirmar que:
80
a) Ao ser colocado no freezer, a parte menos
CONVECÇÃO
brilhante do papel deve ficar em contato com
É o processo de transmissão do calor, nos líqui-
o alimento.
dos ou nos gases, por efeito das camadas aque-
b) Ao ser colocado no forno a gás, a parte mais
cidas que se chamam correntes de convecção.
brilhante do papel deve ficar em contato com
A experiência mostra que: Na convecção, não ocorre passagem de energia o alimento.
Em regime estacionário, o fluxo de calor por con- de um corpo para outro, mas movimento de c) No forno de microondas, deve-se retirar o
dução num material homogêneo é diretamente partículas, levando consigo a energia de uma papel alumínio.
proporcional à área da seção transversal atraves- posição para outra. Por isso, a convecção não
d) Tanto no freezer, quanto no microondas, não
sada e à diferença de temperatura entre os pode ocorrer no vácuo.
importa qual a face do papel ficará em
extremos e inversamente proporcional à es- A convecção explica, por exemplo, as brisas contato com o alimento.
pessura da camada considerada. marítimas e terrestres; porque os aparelhos de

5
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 6

ar-condicionado devem ser instalados elevados; Por definição, corpo negro é um corpo atérmico
porque os refrigeradores têm o congelador na ideal que absorve toda a energia radiante nele
parte superior. incidente. Decorre daí que sua absorvidade é a
IRRADIAÇÃO = 1 (100%) e sua refletividade é nula (r=0). O
espelho ideal é um corpo atérmico que reflete
É o processo de transmissão pelo qual a energia
não precisa de um meio material para se totalmente a energia radiante que nele incide,

propagar. tendo absorvidade nula (a = 0) e refletividade r=


1 (100%).
Exemplo:
A seguir, alguns exemplos:
Corpo opaco – Um corpo é dito opaco quando a
01. (FAFI–MG) Alguns utensílios de aço inoxi- maior parte da energia incidente é absorvida, isto
dável usados para cozinhar possuem uma
é, quando são mínimas as parcelas de energia
camada de cobre ou de alumínio na parte
inferior. Isso porque o cobre e o alumínio: refletida e refratada. Os corpos de cor escura são
considerados opacos.
a) são melhores condutores de calor do que o
aço inoxidável; Essa energia, que não necessita de um meio Exemplos:
b) são melhores isolantes térmicos; material para se propagar, denomina-se energia 1) As panelas usadas para cozinhar devem ter o
c) possuem maior coeficiente de dilatação;
radiante e é transmitida através de ondas eletro- fundo preto, a fim de absorver maior quantida-
d) possuem menor coeficiente de dilatação.
magnéticas. de de calor.
O corpo que emite a energia radiante é chamado 2) As roupas escuras são mais absorventes do
02. (Uniube–MG) Acendendo-se uma churras-
emissor; o que recebe, receptor. que as claras. Por isso, no inverno, usam-se
queira, observa-se que a fumaça é liberada
através da chaminé para que não incomode As ondas eletromagnéticas são formadas por roupas escuras; no verão, dá-se preferência às
o churrasqueiro. Isso se deve: ondas de freqüências diferentes, chamadas roupas claras.
a) a um regime estacionário de condução de radiação. As mais comuns são:
Corpo transparente – É todo corpo em que
calor;
Freqüências decrescentes – raios cósmicos, grande parte da energia incidente sobre ele é
b) ao fato de o ar frio empurrar o ar quente,
raios γ, raios X, raios ultravioleta, luz visível, raios refratada. Um corpo pode ser opaco para certos
através do fenômeno de convecção;
c) ao fato de a chaminé ser boa condutora de infravermelhos, microondas e ondas de rádio e tipos de radiação e transparente para outros.
calor; TV.
Exemplos:
d) às temperaturas diferentes entre o ar e a cha- Das ondas eletromagnéticas, as que se transfor-
miné, que tendem a se equilibrar; 1) O corpo humano é opaco para a luz visível e
mam mais facilmente em calor, quando absorvidas
e) à radiação de calor que a chaminé produz. transparente para os raios X.
pelo receptor, são as infravermelhas, também
chamadas ondas de calor. 2) O vidro comum é transparente para a luz visível
03. (Fac. Fed. Odont. Diamantina–MG) O calor e opaco para as radiações infravermelhas
Quando o calor radiante incide na superfície de
pode ser transferido de um corpo a outro
um corpo, ele é parcialmente absorvido, parcial- Corpo negro – É um corpo capaz de absorver
por condução, convecção e irradiação. A
alternativa que não tem relação com a mente refletido e parcialmente transmitido. Na todas as radiações incidentes sobre ele. Na
transferência de calor por irradiação é: figura: Qi = parcela incidente; Qr = parcela prática, é impossível conseguir um corpo negro,
a) as paredes de vidro de uma garrafa térmica refletida; Qa = parcela absorvida; Qt = parcela isto é, que absorva totalmente as radiações
são espelhadas; transmitida. incidentes.
b) bombons e chocolates são embrulhados em A garrafa térmica é construída de maneira a evitar
papel ensolarados;
as trocas de calor entre o líquido e o meio
c) é mais agradável usar roupas brancas em
dias ensolarados; externo.
d) uma pessoa sente “uma onda de calor”
quando está em frente a uma lareira;
e) o congelador deve ficar na parte superior das
geladeiras.

04. O amazonense adora comer um peixe Qi = Qa + Qr + Qt


assado com farinha do Uarini. Para isso, Para avaliar que proporção do calor incidente
precisa de um bom braseiro e de uma sofre os fenômenos de absorção, reflexão e
matrinxã gorda. Levando-se em conta o Para impedir a condução e a convecção, a am-
transmissão, definimos as seguintes grandezas
que está escrito acima, podemos afirmar: pola interna é feita de vidro (mau condutor) com
adimensionais.
I) O calor do braseiro chega até o peixe paredes duplas entre as quais se faz vácuo, que,
principalmente por ................................ . Absorvidade Refletividade Transmissividade
pela ausência de moléculas, não conduz o calor.
II) O calor propaga-se através do peixe por Qa Qr Qt
a = –––– r = –––– t = –––– A irradiação é evitada espelhando-se as faces da
............................................... Qi Qi Qi ampola de vidro.
Marque a alternativa que completa correta- Somando as três grandezas, obteremos:
mente, e na ordem apresentada, as lacunas Quando há liquido quente no interior da garrafa,
das afirmativas acima. a+r+t=1 o calor que seria irradiado para fora é refletido
a) condução; convecção; Quando não há transmissão (t=0), o corpo é de- para dentro; caso o líquido seja frio, o calor de
b) irradiação; convecção; nominado atérmico (opaco ao calor). Nesse fora não penetra na garrafa, pois é refletido pela
c) condução; irradiação; caso: superfície do vidro.
d) irradiação; condução;
a+r=1 Finalmente, uma tampa bem ajustada isola a
e) convecção, condução.
As grandezas a, r e t podem ainda ser denomi- garrafa das possíveis correntes de convecção,
nadas, respectivamente, poder absorvedor, pois todas as partes do líquido dentro da garrafa
poder refletor e poder transmissor. estão à mesma temperatura.

6
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 7

5. Remate dos Males (1930)


Literatura 6. Lira Paulistana (póstuma, 1947)
7. O Carro da Miséria (póstuma, 1947)
Professor João BATISTA Gomes Prosa:
1. Primeiro andar (contos, 1926)
2. Amar, verbo intransitivo (romance, 1927)
Aula 171
3. Macunaíma (rapsódia, 1928)
Modernismo III – Autores da Macunaíma (personagens):
Primeira Fase 1. Macunaíma (índio, herói sem caráter).
2. Jiguê (irmão mais novo).
1. MÁRIO DE ANDRADE
3. Maanape (velhinho).
Nascimento e morte – Mário Raul de Mo- 4. Ci, a Mãe do Mato (esposa de Macunaí- 01. (Desafio do Rádio) Mário de Andrade co-
rais Andrade nasce na cidade de São Paulo, ma). meçou na Literatura Brasileira:
na Rua Aurora, no dia 9 de outubro de 1893. 5. Gigante Piaimã (inimigo do herói).
Falece na sua cidade natal, em 25 de fe- a) totalmente modernista;
vereiro de 1945. 2. OSWALD DE ANDRADE b) sob a influência do Simbolismo;
Música – Em 1911, entra para o Conserva- Nascimento e morte – José Oswald de Sou- c) com o livro de poemas Paulicéia Desvairada;
tório Dramático e Musical de São Paulo, di- sa Andrade nasce em São Paulo (capital), d) sob a influência do Parnasianismo;
plomando-se como professor de piano em em 11 de janeiro de 1890. Faleceu em São e) sob a influência do Romantismo;
1917 (ano em que publica o primeiro livro). Paulo, em 22 de outubro de 1954.
02. Identifique a autoria da estrofe seguinte:
Estréia – Em 1917, estréia na literatura com Descendência literária – Descende pelo
Há uma gota de sangue em cada poema, um lado materno do escritor naturalista Inglês de Eu insulto o burguês!
livro de poesias parnasianas inspirado na Sousa (autor de O Missionário). O burguês-níquel
Primeira Guerra Mundial. Direito – Estuda no Ginásio de São Bento O burguês-burguês!
Preparativos para o Modernismo – A partir (1908) e bacharela-se pela Faculdade de A digestão bem-feita de São Paulo!
da primeira obra, Mário de Andrade não Direito do Largo de São Francisco, em 1919. O homem-curva!
deixa mais o palco das atividades literárias e Atividade jornalística – Dirige o jornal O O homem-nádegas!
artísticas, destacando-se, nos anos que se Homem do Povo e funda a revista O Pirralho. O homem que sendo francês, brasileiro,
seguem, como o principal animador do
Depoimento – Sobre a vida de homem de [italiano, é sempre um cauteloso [pouco-a-
movimento que marcaria a história cultural do
letras, ele próprio escreveu: “Literariamente, pouco!
Brasil – a Semana de Arte Moderna, realizada
minha carreira foi tumultuosa. Pode-se dizer
em 1922. a) Mário de Andrade
que se iniciou com a Semana da Arte Mo-
Inciador do Modernismo – No mesmo ano derna, em 1922. Publiquei, a partir daí, Os b) Oswald de Andrade
da Semana (1922), Mário publica Paulicéia Condenados e Memórias Sentimentais de c) Menotti del Picchia
Desvairada, livro de poemas logo acatado João Miramar. Descobri o poeta Mário de An- d) Manuel Bandeira
como marco do Modernismo brasileiro. A drade (meu poeta futurista), do que muito me e) Cassiano Ricardo
parte mais importante da obra chama-se honro. Iniciei o movimento Pau-Brasil, que
Prefácio Interessantíssimo, em que o autor trouxe à nossa poesia e à nossa pintura a sua 03. (Desafio da TV) Dada a estrofe seguinte.
declara a fundação do Desvairismo. latitude exata. Daí passei ao movimento An- Vede como primo
Professor de História da Música – Ainda em tropofágico, que ofereceu ao Brasil dois pre-
Em comer os hiatos!
1922, é nomeado para a cátedra de História sentes régios: Macunaíma, de Mário de
Que arte! E nunca rimo
da Música e da Estética, no Conservatório Andrade, e Cobra Norato, de Raul Bopp. O
divisor de águas de 1930 me jogou do lado Os termos cognatos!
Dramático e Musical de São Paulo. Não
abandona, porém, a literatura, participando esquerdo, onde me tenho conservado com O trecho representa a fala de um poeta:
ativamente da efervescência artística, inteira consciência e inteira razão.”
a) do Simbolismo;
ideológica e até política daqueles anos. Liderança modernista – É um dos organi- b) do Parnasianismo;
Ensaio de teoria poética – Em 1925, publica zadores da Semana de Arte Moderna (1922)
c) do Modernismo;
a obra A escrava que não é Isaura, verdadeira e um dos principais líderes do movimento
modernista. d) do Romantismo;
súmula da teoria poética modernista.
e) da Primeira Fase do Modernismo.
Fim da fase radical – Em 1926, Mário de Pau-Brasil e Antropofagia – Posteriormente
Andrade publica os livros Losango cáqui a 1922, lidera dois movimentos, o Pau-Brasil 04. Pelo conteúdo autobiográfico o trecho de
(poesias) e Primeiro andar (contos), encer- (1924/25) e o da Antropofagia (1928). O pri- poema seguinte pertence a que autor do
rando, segundo os estudiosos de sua obra, a meiro prega a criação de uma poesia primi-
Modernismo?
fase mais radical e experimentalista. tiva e nacionalista, fruto da união de uma
cultura nativa com uma cultura intelectua- Provinciano que nunca soube
Obras importantes – Em 1927, Mário de An-
lizada. Sua proposta é a de unir a floresta e a Escolher bem uma gravata;
drade publica Amar, verbo intransitivo, mar-
escola. O segundo movimento questiona a Pernambucano a quem repugna
cando a sua estréia no romance. Em 1928,
estrutura política, econômica e cultural do A faca do pernambucano;
publica sua obra mais lida e admirada, Ma-
País, entendida como uma herança deixada
cunaíma (rapsódia). Poeta ruim que na arte da prosa
pela colonizador. Em maio de 1928, coloca
“Eu sou trezentos” – Deduz-se dessa frase Envelheceu na infância da arte,
em circulação o primeiro número da Revista
que Mário de Andrade é um autor de múl- de Antropofagia. E até mesmo escrevendo crônicas
tiplas atividades intelectuais. Foi grande poe- Ficou cronista de província;
Trilogia – Entre 1922 e 1934, publica a
ta, ensaísta, folclorista, crítico de arte e de Arquiteto falhado, músico
Trilogia do Exílio formada pelos romances Os
literatura, além de ficcionista.
Condenados (1922), Estrela de Absinto Falhado (engoliu um dia
Morte aos 51 – Mário de Andrade falece na (1927) e A Escada Vermelha (1934). Um piano, mas o teclado
sua cidade natal, em 25 de fevereiro de 1945,
Política e teatro – Paralelamente à sua in- Ficou de fora); sem família,
aos 51 anos de idade.
tensa atividade literária, envolve-se com o Religião ou filosofia.
OBRAS clima de radicalização política dominante no
a) Mário de Andrade
Poesia: Brasil após a Revolução de 1930, ingres-
b) Oswald de Andrade
1. Há uma gota de sangue em cada poema sando no Partido Comunista Brasileiro (então
Partido Comunista do Brasil – PCB). Nesse c) Manuel Bandeira
(1917)
período, escreve três peças de teatro: O d) Menotti del Picchia
2. Paulicéia Desvairada (1922)
3. Losango Cáqui (1926) Homem e o Cavalo (1934), A morta e O Rei da e) Guilherme de Almeida
4. Clã do Jabuti (1927) Vela (1937).

7
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 8

Melhor livro de poesias – Seu livro de 3. O Ritmo Dissoluto (poesias, 1924)


poemas mais elogiado é Pau Brasil (1925), 4. Libertinagem (poesias, 1930)
em que transforma a Carta de Caminha em 5. Estrela da manhã (poesias, 1936)
poesia modernista. 6. Lira dos Cinqüet'anos (poesias, 1940)
Primeiro romancista do Modernismo – Tido 7. Belo belo (poesias, 1948)
como Inaugurador do romance modernista – 8. Opus 10 (poesias, 1954)
Os Condenados (1922) 9. Estrela da Tarde (poesias, 1960)
Obra máxima – Sua obra de maior sucesso é
o romance Memórias Sentimentais de João POEMAS FAMOSOS
Miramar (1927), em que faz mistura de prosa 1. Vou-me Embora pra Pasárgada
e poesia. 2. Os Sapos
MANUEL BANDEIRA 3. Pneumotórax
Neologismo OBRAS
4. Última Canção do Beco
Beijo pouco, falo menos ainda. 1. Os condenados (romance, 1922)
5. Preparação para a Morte
Mas invento palavras 2. Memórias Sentimentais de João Miramar
(romance, 1927) 6. Evocação do Recife
Que traduzem a ternura mais funda
E mais cotidiana. 3. Serafim Ponte Grande (romance, 1933)
4. MENOTTI DEL PICCHIA
Inventei, por exemplo, o verbo teadorar. 4. Pau Brasil (poesias, 1925)
Intransitivo: teadoro, Teodora. 5. O Homem e o Cavalo (teatro, 1934) Nascimento e morte – Paulo Menotti del
6. O Rei da Vela (teatro, 1937) Picchia nasce em São Paulo, SP, em 20 de
Pneumotórax
7. Marco Zero I (romance, 1943) março de 1892. Falece na mesma cidade, em
Febre, hemoptise, dispnéia e suores [noturnos.
A vida inteira que podia ter sido e que não [foi. POEMAS FAMOSOS 23 de agosto de 1988.
Tosse, tosse, tosse. Direito – Cursa a Faculdade de Direito de
1. Canto do Regresso à Pátria
Mandou chamar o médico:
2. Meus Sete Anos São Paulo, publicando durante o curso seu
– Diga trinta e três.
3. Pronominais primeiro livro de poesias, Poemas do Vício e
– Trinta e três... trinta e três... trinta e três...
– Respire. da Virtude (1913).
....................................................................
3. MANUEL BANDEIRA
Fama – A fama literária veio em 1917, com a
– O senhor tem uma escavação no pulmão Nascimento e morte – Manuel Carneiro de
publicação de Juca Mulato (poesia).
[esquerdo e o pulmão direito infiltrado. Souza Bandeira Filho nasce em Recife (PE),
– Então, doutor, não é possível tentar o em 19 de abril de 1886. Falece no Rio de Ecletismo – Além de poeta, sua vocação na-
[pneumotórax? Janeiro (RJ), em 13 de outubro de 1968. tural, é autor de romances, contos e crônicas,
– Não. A única coisa a fazer é tocar um tango de novelas e ensaios, de peças de teatro, de
Estudos iniciais – Transfere-se aos 10 anos
[argentino. estudos políticos e de obras da literatura in-
para o Rio de Janeiro, onde cursa o secun-
Vou-me embora pra Pasárgada dário no Externato do Ginásio Nacional, hoje fantil. Fundou jornais e revistas, foi fazendei-
Vou-me embora pra Pasárgada Colégio Pedro II, de 1897 a 1902, bachare- ro, procurador geral do Estado de São Paulo,
Lá sou amigo do rei lando-se em Letras. editor, diretor de banco e industrial. Fez pin-
Lá tenho a mulher que eu quero Tuberculose – Em 1903, matricula-se na tura e escultura. Foi deputado estadual e fe-
Na cama que escolherei Escola Politécnica de São Paulo para fazer o deral. Foi tabelião e ocupou diversos e altos
Vou-me embora pra Pasárgada curso de engenheiro-arquiteto. No ano se- cargos administrativos. Pertence às Acade-
Vou-me embora pra Pasárgada guinte abandona os estudos por motivo de mias Paulista e Brasileira de Letras.
Aqui eu não sou feliz doença (tuberculose).
Atuação no movimento modernista – Me-
Lá a existência é uma aventura Driblando a morte – Apesar de estar marca- notti del Picchia tem destacada atuação no
De tal modo inconseqüente do para morrer (a tuberculose matava rapi-
Que Joana a Louca de Espanha movimento modernista. Prepara, com Os-
damente na época), Manuel Bandeira apren-
Rainha e falsa demente wald de Andrade, o advento da nova ten-
de a viver com a doença e vai driblando a
Vem a ser contraparente dência literária e artística, sustentando a po-
morte. Assim, vive até os 82 anos, construin-
Da nora que eu nunca tive lêmica com os passadistas, antes e depois
do uma vida de convivência com os amigos,
E como farei ginástica escritores e intelectuais do seu tempo e uma da Semana de Arte Moderna. Em seguida, é
Andarei de bicicleta das maiores obras poéticas da moderna aguerrido defensor da doutrinação “Verde e
Montarei em burro brabo literatura brasileira. Amarelo”, opondo-se ao Oswald de Andrade
Subirei no pau-de-sebo de “Pau- Brasil” e “Antropofagia”.
Estréia – Inicia sua carreira literária em 1917,
Tomarei banhos de mar!
com o livro A Cinza das Horas, poesia sob Juca Mulato – Logo na publicação, Juca Mu-
E quando estiver cansado
Deito na beira do rio influência parnasiana. lato recebe os mais altos elogios de toda a
Mando chamar a mãe-d'água Carnaval – Em 1919, publica seu segundo crítica nacional, conquistando posições aqui
Pra me contar as histórias livro de poemas, Carnaval, em que já expe- e no exterior. Os críticos reconhecem no livro
Que no tempo de eu menino rimenta certas liberdades de composição rít- a técnica parnasiana e a simplicidade moder-
Rosa vinha me contar mica. A obra contém o famoso poema Os nista, revelando a força e a beleza de uma
Vou-me embora pra Pasárgada Sapos, sátira ao Parnasianismo, que vem a
inspiração rara que se transforma em arte
Em Pasárgada tem tudo ser declamado, três anos depois, durante a
literária.
É outra civilização Semana de Arte Moderna, pela voz de Ro-
Tem um processo seguro nald de Carvalho. Juca Mulato e I-Juca Pirama – Entre I-Juca
De impedir a concepção Apelido – Antecipador de um novo espírito Pirama (poema indianista de Gonçalves Dias)
Tem telefone automático na poesia brasileira, Bandeira foi cogno- e Juca Mulato não há apenas a coincidência
Tem alcalóide à vontade minado, por Mário de Andrade, de “São João do nome “Juca”; os dois poemas contém a
Tem prostitutas bonitas Batista do Modernismo”. mais vibrante brasilidade já experimentada
Para a gente namorar
Não participu da SAM – Manuel Bandeira em toda a nossa literatura.
E quando eu estiver mais triste não participa diretamente da Semana, mas OBRAS
Mas triste de não ter jeito colabora nas revistas Klaxon, Antropofagia,
Quando de noite me der 1. Poemas do Vício e da Virtude (poesia,
Terra Roxa e A Revista.
Vontade de me matar 1913)
– Lá sou amigo do rei Obra máxima – A obra mais admirada de
2. Juca Mulato (poesia, 1917)
Terei a mulher que eu quero Bandeira é Libertinagem (poesias, 1930).
3. Moisés (poema bíblico, 1917)
Na cama que escolherei OBRAS 4. Chuva de Pedras (poesia, 1925)
Vou-me embora pra Pasárgada
1. A Cinza das Horas (poesias, 1917) 5. Amores de Dulcinéia (poesia, 1931)
2. Carnaval (poesias, 1919) 6. A Tormenta (romance, 1940)

8
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 9

divisão da Alemanha em dois países, ainda em 49.

História A área ocupada pelo Exército soviético tornou-se a


República Democrática da Alemanha e passou a
integrar o bloco socialista. Sua capital era a parte
Professor Francisco MELO de Souza oriental da cidade de Berlim, também dividida em
duas.
Aula 172 A Revolução chinesa e a Guerra civil da Coréia
O ano de 1949 foi conturbado também no conti-
A Guerra Fria nente asiático. Em outubro, o Partido Comunista
A Guerra Fria foi um período em que a guerra era Chinês, liderado por Mao Tse-tung, tomou o po-
improvável, e a paz, impossível. Com essa frase, der e proclamou o nascimento de mais um país
o pensador Raymond Aron definiu o período em socialista, a República Popular da China. Um 01. (UFG 2006) O lançamento da bomba
que a opinião pública mundial acompanhou o gigante continental com uma população, na atômica sobre Hiroshima e Nagasaki, em 6
conturbado relacionamento entre os Estados época, de mais de 500 milhões de habitantes.Os de agosto de 1945, provocou a rendição
Unidos e a União Soviética. americanos, com a Doutrina Truman, não esta- incondicional do Japão, na Segunda Guer-
A divisão do mundo em dois blocos, logo após a vam alheios ao avanço da esquerda na Ásia e ra. Nesse momento, o mundo ocidental
Segunda Guerra Mundial, transformou o planeta reforçaram a presença militar na bacia do Pacífi- vivia a dualidade ideológica, capitalismo e
num grande tabuleiro de xadrez, em que um jo- co, procurando preservar sua influência no sudes- socialismo. Nesse contexto, o lançamento
te asiático. Dessa forma, a Revolução Chinesa da bomba está relacionado com
gador só podia dar um xeque-mate simbólico no
levou para a Ásia as fronteiras da Guerra Fria. a) o descompasso entre o desenvolvimento da
outro. Com arsenais nucleares capazes de des-
ciência, financiado pelos Estados beligeran-
truir a Terra em instantes, os jogadores, Estados Havia o receio de que o Japão, pela proximidade
tes, e os interesses da população civil.
Unidos e União Soviética, não podiam cumprir com a União Soviética e a China, fosse engolido
b) a busca de hegemonia dos Estados Unidos,
suas ameaças, por uma simples questão de pelo bloco socialista. que demonstraram seu poder bélico para
sobrevivência. Uma das primeiras conseqüências dos aconte- conter, no futuro, a União Soviética.
A paz era impossível porque os interesses de cimentos na China foi a invasão da Coréia do Sul c) a persistência da luta contra o nazifascismo,
capitalistas e de comunistas eram inconciliáveis pelos vizinhos norte-coreanos, de governo pró-so- pelos países aliados, objetivando a expansão
por natureza. E a guerra era improvável porque o viético. Eles queriam reunificar o país sob a da democracia.
poder de destruição das superpotências era tão bandeira do socialismo. A ofensiva, em junho de d) a difusão de políticas de cunho racista asso-
grande, que um confronto generalizado seria, com 1950, desencadeou uma ação enérgica dos Esta- ciadas a pesquisas que comprovassem a
certeza, o último. Hoje, podemos ver isso dos Unidos, que aprovaram na ONU uma ajuda superioridade da civilização européia.
claramente. Mas, na época, a situação se carac- multinacional à Coréia do Sul. Era tudo o que os e) a convergência de posições entre norte-
americanos queriam. Em algumas semanas, sua americanos e soviéticos, escolhendo o Japão
terizava como o equilíbrio do terror.
indústria bélica produzia uma quantidade expres- como inimigo a ser derrotado.
As Características
siva de armamentos para uso na Guerra da Coréia. 02. (UFMG 2005) Entre 1961 e 1973, um total de
Não existe um consenso sobre a data exata do Além disso, Washington estimulou a participação 57.939 norte-americanos morreram no confli-
início da Guerra Fria. Para alguns estudiosos, o do Japão no chamado “esforço de guerra”. A to da Indochina, a mais longa e custosa
marco simbólico foi a explosão nuclear sobre as indústria japonesa passou a produzir o material de guerra externa na história dos Estados Uni-
cidades japonesas de Hiroshima e Nagasaki, em apoio aos soldados no front, como roupas, dos. A Força Aérea dos EUA jogou sobre o
agosto de 1945. Outros acreditam que seu início remédios e alimentos sintéticos. Com isso, o Japão Vietnã uma tonelagem de bombas mais de
data de fevereiro de 1947. Foi quando o presiden- tentou resolver o problema do desemprego por três vezes superior ao que foi jogado na
te norte-americano Harry Truman lançou, no meio de compromissos econômicos com o bloco Alemanha durante a Segunda Guerra.
Congresso dos Estados Unidos, a Doutrina capitalista. No final do conflito, em 53, a rígida KEYLOR, William R. “The twentieth-century
Truman, que previa uma luta sem tréguas contra a world”; an international history. New York: Oxford
divisão entre capitalistas e socialistas na bacia do
expansão comunista no mundo. E há também University Press, 1996. p. 375.
Pacífico estava cristalizada.
estudiosos que lembram a divisão da Alemanha Considerando-se a Guerra do Vietnã, é
Essa batalha estratégica pelo controle do sudeste CORRETO afirmar que
em dois Estados, em outubro de 1949. O surgi- asiático teria desdobramentos dramáticos nos
mento da Alemanha Oriental, socialista, estimulou a) o conflito foi motivado pela intenção do Go-
anos 60, com o envolvimento direto dos Estados verno norte-americano de impedir a expan-
a criação de alianças militares dos dois lados, Unidos na Guerra do Vietnã. são do Comunismo no Sudeste asiático.
tornando oficial a divisão da Europa em dois Nos dias atuais, com uma perspectiva histórica, b) os norte-americanos deram apoio decidido às
blocos antagônicos. Poderia ser esse o marco podemos imaginar a repercussão política e psico- ações de seu Governo no Vietnã e mani-
inicial da Guerra Fria. Não há consenso também lógica provocada pelo surgimento da bomba festaram insatisfação quando suas tropas
sobre quando terminou a Guerra Fria. Alguns atômica soviética, em 1949. Dali em diante, duas foram retiradas de lá.
historiadores acreditam que foi em novembro de potências antagônicas dominavam a tecnologia c) os vietnamitas que enfrentavam o exército
1989, com a queda do Muro de Berlim, um dos de destruição em massa. dos EUA lutavam em condições difíceis, pois
grandes símbolos do período de tensão entre as não dispunham de apoio externo.
A corrida armamentista e o Pacto de Varsóvia
superpotências. Nessa mesma perspectiva, o d) a saída das tropas norte-americanas e a
marco final da Guerra Fria poderia ser a própria Com todo o clima de confronto, americanos e subseqüente derrota das forças locais pró-
dissolução da União Soviética, em dezembro de soviéticos lançaram-se à corrida tecnológica e ao Ocidente levou à divisão do Vietnã.
1991, num processo que deu origem à aperfeiçoamento permanente dos armamentos
03 (UFRS 2004) A Guerra Fria, nos anos
Comunidade dos Estados Independentes. E nucleares, como se poucos deles já não pudes-
1950/60, deu lugar à política de distensão
outros analistas, ainda, consideram que o período sem pôr fim à vida humana na Terra. A corrida entre os EUA e a URSS conhecida como
terminou não em dezembro, mas em fevereiro de armamentista implicava também uma estratégia Coexistência Pacífica. Entre as causas que
1991, quando os Estados Unidos saíram da de dominação, em que as alianças regionais e a contribuíram para essa mudança, NÃO se
Guerra do Golfo como a maior superpotência de instalação de bases militares eram de extrema encontra
uma nova Ordem Mundial. importância. Para fazer frente à OTAN, surgiu, em a) a grande dianteira econômico-militar alcança-
A Criação da OTAN 1955, o Pacto Varsóvia. da pelos EUA nessa época, que obrigou a
Os países liderados por Moscou criaram o Pacto URSS a adotar uma posição defensiva.
Em abril de 1949, diversos países ocidentais, sob em 14 de maio de 1955, uma semana depois da b) a divergência surgida no campo socialista
a liderança dos Estados Unidos, criaram a OTAN, adesão da Alemanha Ocidental à OTAN. No início, entre a URSS e a China.
Organização do Tratado do Atlântico Norte. A integravam o pacto a União Soviética, a Albânia, a c) a recuperação econômica da Europa, que
aliança consagrava, no aspecto militar, a divisão Alemanha Oriental, a Bulgária, a Tchecoslováquia, permitiu maior autonomia política a alguns
da Europa em dois blocos antagônicos. Os a Romênia, a Polônia e a Hungria. A Albânia, países, como a França do governo De Gaulle.
primeiros países a integrar a OTAN foram Estados tradicional aliada da China, sairia do Pacto em d) a relativa equivalência de forças dos blocos
Unidos, França, Grã-Bretanha, Canadá, Bélgica, 1968, por causa do estremecimento de relações que resultou da Guerra da Coréia e do equi-
Dinamarca, Islândia, Itália, Luxemburgo, Holanda, entre Moscou e Pequim. líbrio nuclear alcançado entre as duas
Noruega e Portugal. Em 52, entraram a Grécia e a superpotências.
As bases militares montadas nos países da OTAN
Turquia. Em 55, a Alemanha, e em 82, a e) a expansão da descolonização afro-asiática,
e do Pacto de Varsóvia receberam, no primeiro
Espanha.A situação esquentaria ainda mais em que gerou uma nova realidade política com a
momento, mísseis americanos e soviéticos con- Conferência de Bandung (1955) e o estabele-
agosto de 49, quando a União Soviética faria seu vencionais. Eram foguetes equipados com bom-
primeiro teste nuclear bem sucedido. O antagonis- cimento do Movimento dos Não-Alinhados
bas potentes, não nucleares, do tipo das famosas (1961).
mo na Europa ficou mais evidenciado com a “V-2”, criadas pelo físico alemão Werner Von Braun

9
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 10

e utilizadas por Hitler no bombardeio de Londres, confrontação armada entre os dois países. Essa
em 44. preocupação tinha razão de ser. No início dos anos
O avanço da tecnologia nuclear logo permitiria a 60, a tecnologia nuclear não estava mais limitada
redução do tamanho da bomba atômica: em às duas superpotências: a Grã-Bretanha e a França
1954, a bomba já podia, em tese, ser transportada também já possuíam a bomba atômica.
na ogiva de um foguete. Ganhavam importância, Àquela altura, havia uma clara tendência à prolife-
nessa fase, aspectos como o alcance e o nível de ração dos arsenais nucleares. Por essa razão, e
segurança dos foguetes. ainda sob o impacto da crise dos mísseis de
Em 1957, coube à União Soviética inaugurar a era Cuba, os Estados Unidos, a União Soviética e a
dos mísseis de longo alcance e precisão. Em
Grã-Bretanha assinaram, em 1963, um acordo
outubro, os soviéticos lançaram um foguete que
proibindo testes nucleares. No ano seguinte, os
colocou em órbita o primeiro satélite artificial da
01. (Unesp 2006) Sobre a queda do muro de três países aprovaram o Tratado de Não-Prolife-
história, o Sputnik-1. Tratava-se de um artefato
Berlim, no dia 10 de novembro de 1989, é ração de Armas Nucleares. O objetivo dos
simples, uma esfera de alumínio de 58 centíme-
correto afirmar que acordos era tentar conter a corrida armamentista
tros de diâmetro e 84 quilos, equipado com um
a) o fato acirrou as tensões entre Oriente e Oci- termômetro e um transmissor de rádio. Em no- dentro de certos limites. Apesar disso, a China
dente, manifestas na permanência da divisão vembro de 57, foi lançado o Sputnik-2. Dessa vez, realizou, naquele mesmo ano de 64, seus
da Alemanha. um satélite de meia tonelada com uma célebre primeiros testes atômicos.
b) resultou de uma longa disputa diplomática, passageira a bordo: a cachorra da raça laika, que O Pacifismo na década de 1960
que culminou com a entrada da Alemanha no permaneceu dez dias no espaço ligada a No decorrer da década de 60, os movimentos
Pacto de Varsóvia. instrumentos de medição da pressão arterial, dos pacifistas cresceram rapidamente nos Estados
c) expressou os esforços da ONU que, por meio batimentos cardíacos e de outras reações Unidos e na Europa, tornando-se uma fonte per-
de acordos bilaterais, colaborou para reuni- neurofisiológicas.
manente de pressão sobre os governos. Entre os
ficar a cidade, dividida pelos aliados. O sucesso do projeto Sputnik causou um grande
americanos, o movimento ganhou força com as
impacto, porque pôs em evidência a vantagem
d) constituiu-se num dos marcos do final da manifestações de protesto contra a Guerra do
dos russos na corrida armamentista. Na lógica
Guerra Fria, política que dominou as relações Vietnã. Na Europa, a opinião pública tomava
militar, um foguete que coloca um satélite em
internacionais após a Segunda Guerra Mun- consciência de que o continente seria devastado
órbita da Terra é capaz também de transportar
dial. na hipótese de um confronto nuclear.
ogivas nucleares. Ainda em novembro de 57, a
e) marcou a vitória dos princípios liberais e Esses movimentos pacifistas cresceriam muito
inquietação no Ocidente aumentou com a exibi-
democráticos contra o absolutismo prussiano ção, em Moscou, de mísseis nucleares de curto nos anos 80, articulados com grupos de defesa
e conservador. alcance, os chamados “mísseis táticos”, durante do meio ambiente. Agrupados em partidos políti-
as comemorações do quadragésimo aniversário cos, como o Partido Verde, teriam influência até
02. (Unifesp 2005) “Duas grandes guerras e
da Revolução Russa. A tecnologia disponível no para alterar resultados eleitorais. Mas foi um longo
uma depressão mundial de permeio debili-
final da década de 50 tornou cada vez mais pró- caminho. No início da luta pela paz, na década de
taram o sistema em quase toda parte, ex-
xima a realidade dos mísseis balísticos intercon- 60, os pacifistas organizaram muitas passeatas
ceto nos Estados Unidos... Se, por omissão,
tinentais, chamados de ICBM, a mais temível até alcançar as primeiras vitórias.
permitirmos que a livre iniciativa desapareça
arma inventada pelo homem. Por trás de todo A primeira iniciativa mais concreta de contenção
nos outros países do mundo, a própria
aquele avanço bélico e tecnológico, estava Nikita da escalada armamentista aconteceu em 1968,
existência de nossa democracia ficará
Khruschev, sucessor de Stalin no comando da quando 47 países assinaram o Tratado de Não-
gravemente ameaçada”. União Soviética. Dono de uma personalidade Proliferação de Armas Nucleares, com duração
Essa mensagem, do presidente H. S. carismática, ele tratou de aproveitar as conquistas de 25 anos. Em 72, o presidente norte-americano,
Truman (1947), pode ser considerada como soviéticas para fazer propaganda do regime. E Richard Nixon, e o dirigente soviético, Leonid
um manifesto para gostava de lançar dúvidas sobre a capacidade Brejnev, assinaram em Moscou o Acordo Para
a) neutralizar a opinião pública em relação à dos Estados Unidos de conter o avanço do Limitação de Armas Estratégicas, conhecido
gravidade da crise de 1929. socialismo.
como Salt-1 (em inglês, Strategic Arms Limitation
b) convencer o Congresso a ajudar os países Os EUA criaram a NASA Talks). Pelo acordo, as superpotências podiam
sem capitalismo.
Os americanos, em resposta, aceleraram ao má- proteger um número limitado de alvos essenciais,
c) justificar o início da política da Guerra Fria.
ximo o seu programa armamentista. Era a lógica da como as capitais Washington e Moscou. Assim,
d) obter o apoio dos eleitores para mudar a
Guerra Fria. Com a evolução da tecnologia nuclear, no caso de uma guerra, os dois países sofreriam
Constituição.
o tempo de destruição passou a ser contado em tantas perdas, que o confronto tornava-se
e) alertar sobre os perigos enfrentados pelo segundos. Rapidez, precisão e potência passaram inviável. Era essa a lógica do equilíbrio do terror.
capitalismo no país. a ser uma obstinação dos responsáveis pela O Salt-1 também congelou, por cinco anos, a
03. (FGV 2005) Podemos definir o macartismo indústria de armamentos dos dois países. Em construção de plataformas fixas ou submarinas
como: janeiro de 1958, os Estados Unidos lançaram o de mísseis balísticos intercontinentais. Em 1979,
a) Uma dura campanha de investigações dirigida satélite Explorer. Em outubro, anunciaram a criação
as superpotências assinaram o Salt-2, que, em
da Nasa – National Aeronautics and Space
por parlamentares norte-americanos, voltada a linhas gerais, ratificava o Salt-1.
Administration –, órgão encarregado de coordenar
quem fosse considerado suspeito de subver- No fim dos anos 70, no entanto, o clima era tenso
as pesquisas para o desenvolvimento de foguetes
são ou de colaboração com os países comu- entre Estados Unidos e União Soviética, como
e de artefatos espaciais. Os projetos soviéticos e
nistas. resultado de uma complicada situação internacio-
norte-americanos seguiam duas vertentes
b) Uma campanha anti-semita que se estabele- nal. Diversos fatos politicamente relevantes se
paralelas e complementares. Uma delas era a
ceu nos Estados Unidos após a Segunda pesquisa nuclear, com a fabricação de bombas sucederam na mesma época, como a invasão
Guerra Mundial e que investigava as vincula- cada vez menores e mais potentes. A outra soviética no Afeganistão, a Revolução Sandinista
ções entre os judeus e os dirigentes soviéticos. vertente era a construção de foguetes cada vez na Nicarágua e a Revolução dos Aiatolás no Irã.
c) Uma campanha de investigações que se mais velozes e precisos. Numa demonstração de desconfiança, o senado
voltou contra sindicalistas, intelectuais e cien- A crise dos mísseis norte-americano decidiu não endossar o Salt-2,
tistas e poupou os artistas de Hollywood, os que, apesar de tudo, foi respeitado pelas superpo-
O primeiro momento de grande tensão aconteceu
diretores de cinema e os escritores norte- tências.
em outubro de 62. Aviões de espionagem dos
americanos. Em 1982, teve início uma nova rodada de nego-
Estados Unidos detectaram movimentos que
d) Uma campanha publicitária que procurava ciações, chamada de Start (em inglês, Strategic
indicavam a disposição soviética de instalar mís-
enaltecer o senador Joseph McCarthy, candi- Arms Reduction Talks), para a redução dos
seis em Cuba. O território norte-americano ficaria
dato republicano à Presidência dos Estados vulnerável a um hipotético ataque deflagrado a sistemas de armas estratégicas. O objetivo era
Unidos da América e que era profundamente menos de 200 quilômetros de distância. O mundo reduzir em 50 por cento os arsenais de mísseis
anticomunista. viveu duas semanas de tensão. balísticos intercontinentais. Apesar das conversa-
e) Uma política de aproximação entre os EUA e a O presidente dos Estados Unidos, John Kennedy, ções, foram mantidas, nos dois lados, as pesqui-
União Soviética liderada, na década de 1940, advertiu Khruschev de que seu país não teria sas para a produção de armas cada vez mais
pelo socialista Joseph McCarthy, em virtude da dúvidas em usar armas nucleares contra a iniciativa mortíferas. Surgiram as “armas inteligentes”, fo-
necessidade de derrotar o nazifascismo. russa. O dirigente soviético recuou, mas a opinião guetes equipados com computadores que asse-
pública conscientizou-se da possiblidade real de guravam a eficiência do ataque e da defesa.

10
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 11

organismos do planeta. Sequóias do estado


Biologia norte-americano da Califórnia atingem enormes
tamanhos, com até 80m de altura, 26m de circun-
ferência e peso estimado em 2.500 ton, o
Professor GUALTER Beltrão equivalente ao de 14 baleias-azuis, o maior animal
do planeta. As árvores de uma outra conífera
californiana atingem 110m de altura, tamanho só
Aula 173
superado por certos eucaliptos (plantas angios-
permas) australianos. Também na Califórnia, uma
Biologia Vegetal II árvore de uma terceira espécie de conífera,
batizada de Matusalém, tem mais de 4.600 anos
Gimnospermas e Angiospermas de idade, sendo o ser vivo conhecido mais velho
Fanerógamas. da Terra.
• Vegetais Superiores.
• Sifonógamas (tubo polínico). 01. O pinheiro-do-Paraná é uma Gimnosperma
• Vasculares. que produz todas as estruturas a seguir,
• Flores e Estróbilos.
EXCETO:
• Sementes e Frutos.
Plantas vasculares com sementes nuas: a) raiz; b) caule; c) flores;
gimnospermas d) frutos; e) semente.
• Superiores.
• Adaptadas ao clima frio e seco. 02. Uma característica evolutiva de um pinheiro
• Não possuem frutos. Características gerais das gimnospermas em relação à samambaia é que:
• Possuem sementes.
A grande novidade evolutiva das gimnospermas a) o pinheiro depende da água para a fecun-
• Folhas aciculadas (em forma de agulhas).
em relação às pteridófitas que as antecederam dação;
• Flores (pinha ou cone ou estróbilo ou
foi a semente. Os biólogos concordam que esta
inflorescência). b) o pinheiro produz folhas;
• Exemplos: Pinheiros, Cicas, Sequóias e foi fundamental no sucesso das plantas faneró-
gamas na flora atual do planeta. c) o pinheiro produz sementes;
Gingko- biloba.
• Fecundação simples. d) o pinheiro produz frutos;
• Endosperma primário (n). e) o pinheiro possui vasos condutores.

03. Pinheiros, ciprestes, cedros e sequóias são


gimnospermas que produzem todas as
estruturas a seguir, EXCETO:
a) raiz; b) caule; c) flores;
d) frutos; e) semente.

04. A presença de sementes é uma adaptação


importante de certos grupos vegetais ao
ambiente terrestre. Caracterizam-se por
apresentar sementes
a) Pinheiros e leguminosas.
No sistema de classificação que adotamos, as b) Gramíneas e avencas.
atuais plantas vasculares, com sementes nuas, c) Samambaias e pinheiros.
chamadas informalmente de gimnospermas,
d) Musgos e samambaias.
são distribuídas em quatro filos: Coniferophyta
(coníferas), Cycadophyta (cicas), Gnetophyta e) Gramíneas e musgos.
(gnetófitas) e Ginkgophyta (gincófitas).
Número de espécies de gimnospermas no 05. “Nas coníferas, o nadar dos anterozóides
Brasil e no mundo foi substituído pelo crescer dos tubos
polínicos”. Esta frase se relaciona com:
Semente a) a independência da água para que se dê a
Semente é a estrutura reprodutiva que se forma a fecundação;
partir do desenvolvimento do óvulo. Nas plantas, o b) o aparecimento dos frutos na escala vegetal;
termo óvulo designa uma estrutura multicelular, c) a substituição da reprodução assexuada pela
constituída por tecido diplóide originário do espo-
rófito e pelo gametófito haplóide, que se desen- sexuada;
volve a partir do megásporo. Nos animais, o termo d) o maior desenvolvimento do gametófito nas
óvulo designa o gameta feminino, a célula gimnospermas;
Fonte: George J. Shepherd, 2003. haplóide que irá fundir-se ao gameta masculino
e) o aparecimento de vegetais intermediários
Os mais antigos fósseis conhecidos de gimnos- para originar o zigoto diplóide.
permas datam do final do período Devoniano, No interior do óvulo das plantas, diferencia-se o como as briófitas.
indicando que essas plantas surgiram há, pelo gameta feminino, a oosfera, que será fecundada
por um gameta masculino para originar o zigoto. 06. (Mackenzie) I – Flores femininas e masculi-
menos, 365 milhões de anos. Elas substituíram as
pteridófitas gigantes, tendo sido as principais Em certos óvulos, pode haver mais de uma nas em indivíduos separados.
árvores constituintes das florestas do final do oosfera. Esta é o verdadeiro gameta feminino das II. Presença de óvulo e ausência de ovário
período Carbonífero até o final do período Cretá- plantas e corresponde ao óvulo dos animais. na flor feminina.
ceo, entre 290 e 100 milhões de anos atrás. Ainda Nas gimnospermas, o óvulo desenvolve-se a
hoje, as regiões temperadas do planeta são partir de uma folha fértil, o megasporófilo, como III. Produção de grande quantidade de
cobertas por extensas florestas de coníferas ocorre na selaginela. A diferença é que o megas- grãos-de-pólen.
(pinheiros), o filo mais bem-sucedido do grupo. porângio das gimnospermas, chamado de Binos- As características anteriores, de um vege-
A maioria das espécies atuais de gimnospermas porângio, é envolvido por camadas de tecido do tal, identificam uma:
pertence ao filo Coniferophyta (coníferas), como os megasporófilo, que formam o integumento. Nas
pinheiros e os ciprestes. O termo conífera (do Latim coníferas, os megasporófilos ficam reunidos a) pteridófita; b) briófita;
conus, cone, e do grego phoros, portador) refere- formando os chamados megastróbilos, os c) gimnosperma; d) monocotiledônea;
se às estruturas reprodutivas dessas plantas, que estróbilos femininos. e) dicotiledônea.
são estróbilos geralmente de forma cônica. As No megasporângio, há geralmente um único
coníferas são adaptadas ao frio e habitam vastas megasporócito ou célula-mãe do megásporo, que 07. (Mackenzie) Uma pteridófita pode ser dis-
regiões ao norte da América do Norte e da Eurásia, se divide por meiose originando quatro células, das tinguida de uma gimnosperma pela ausên-
onde formam extensas florestas. A conífera nativa quais apenas uma sobrevive, transformando-se no
brasileira mais conhecida é Araucaria angustiflia megásporo funcional. Este fica retido no interior
cia, na primeira, e presença, na segunda,
(pinheiro-do-Paraná), principal constituinte das do megasporângio e não será liberado da planta- de:
matas de araucárias do sul do País, hoje e quase mãe. a) tecido condutor; b) flor; c) folha;
totalmente extintas pela exploração irracional da O megasporângio das plantas com semente
madeira. contém um tecido nutritivo denominado nucelo d) fruto; e) gametas.
As coníferas estão entre os maiores e mais velhos (do Grego nucella, pequena noz), que envolve o

11
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:33 Page 12

megásporo funcional haplóide. O megásporo A flor, assim como o estróbilo das gimnosper-
divide-se sucessivamente por mitose, originando mas, é um ramo especializado em que há folhas
um megagametófito, ou megaprótalo. O mega- férteis com esporângios, os esporófilos. O ramo
gametófito forma um ou mais arquegônios, nos que contém a flor é denominado pedicelo (do
quais se diferenciam oosferas, os gametas Latim, pediculus, pequeno pé).
femininos. Os arquegônios ficam voltados para No pedicelo, há o receptáculo floral, que é a
uma abertura existente no integumento do óvulo, parte do ramo floral em que se encaixam diversos
a micrópila, por onde penetram os microgame- tipos de folhas especializadas, os elementos
tófitos, que irão formar os gametas masculinos. florais, algumas delas formadoras de esporân-
O zigoto resultante da fecundação da oosfera gios. Os elementos florais que produzem espo-
desenvolve-se em um embrião (o esporófito rângios (esporófilos) são os carpelos ou megas-
diplóide), que fica mergulhado no megagame- porofilos (formam óvulos) e os estames ou
tófito. O conjunto formado pelo jovem esporófito microsporófilos (formam grãos de pólen). O
01. (Uel) Uma característica das gimnospermas, mergulhado no megagametófito e envolto pelo
conjunto de carpelos é denominado gineceu (do
que as diferencia das pteridófitas, é a ocor- integumento é a semente.
Grego gyne, mulher, e oikos, casa) e o conjunto
rência de Ciclo de vida de uma gimnosperma de estames é o androceu (do Grego andros,
O ciclo de vida dos pinheiros do gênero Pinus homem, e oikos, casa).
a) raízes; b) vasos condutores; ilustra bem a reprodução das gimnospermas. Há Além dos elementos férteis, a maioria das flores
c) flores e sementes; d) geração gametofítica; cerca de 90 espécies de Pinus, todas originárias possui elementos estéreis: as pétalas, cujo con-
e) geração esporofítica. do Hemisfério Norte, mas cultivadas em várias junto forma a corola, e as sépalas, cujo conjunto
regiões do Hemisfério Sul, inclusive no Brasil. forma o cálice. O cálice e a corola constituem o
02. (UFRS) A frase a seguir apresenta cinco Os estróbilos femininos desses pinheiros, conhe- perianto (do Grego peri, ao redor, e anthos, flor).
segmentos em maiúsculo. Assinale a letra cidos popularmente como pinhas, são utilizados
Em geral, as pétalas são estruturas delicadas e
tradicionalmente em decorações natalinas. Os
correspondente ao segmento que contém coloridas, enquanto as sépalas são menores,
Pinus caracterizam-se por apresentar folhas em
um erro. mais espessas e de cor verde. Em algumas
forma de agulha (acículas), adaptadas a
espécies, porém, pétalas e sépalas assemelham-
condições de escassez de água.
O pinheiro-do-Paraná (‘Araucaria angustifo- se na cor e na textura, sendo denominadas
lia’), uma espécie NATIVA (a) no Rio Plantas vasculares com flores e frutos: Angios- tépalas; o conjunto de tépalas é o perigônio (do
permas Grego peri, ao redor, e gónos, órgãos genitais).
Grande do Sul, é uma GIMNOSPERMA (b),
• Vasculares. Flores que apresentam sépalas e pétalas distin-
cujo FRUTO (c), o “pinhão”, apresenta • Mais evoluídas. tas são chamadas de heteroclamídeas (do Grego
ENDOSPERMA (d) e EMBRIÃO (e). • Apresentam raiz, caule, folhas, flores, semen- heteros, diferente, e chlamos, túnica, cobertura).
tes e frutos. Flores com tépalas recebem a denominação de
03. (UFSM) As plantas que, ao atingirem a • São sifonógamas (tubo polínico). homoclamídeas (do Grego homos, igual, e
maturidade sexual, formam ramos reprodu- • Fecundação dupla. chlamos, túnica, cobertura).
• Endosperma secundário.
tivos chamados estróbilos masculinos e Polinização
• O primeiro núcleo espermático fecunda a
estróbilos femininos pertencem ao grupo oosfera e forma o zigoto 2n (embrião). O processo de abertura da antera, com liberação
das • O segundo núcleo espermático fecunda os dois dos grãos de pólen, é denominado deiscência
núcleos polares no interior do óvulo formando (do Latim de, saída, e hiscere, abertura). O trans-
a) Angiospermas apenas.
um zigoto 3n (endosperma secundário). Tecido porte do pólen até o estigma da própria flor ou de
b) Gimnospermas apenas. encontrado no interior da semente e que é outras flores, denominado polinização, pode ser
c) Briófitas. responsável pela nutrição do embrião, por realizado por diversos tipos de agentes poli-
d) Pteridófitas. exemplo, água e tecido dentro do coco que nós nizadores: pelo vento (anemofilia), por insetos
comemos nas barraquinhas na Ponta Negra. (entomofilia), por pássaros (ornitofilia), por mor-
e) Angiospermas e Gimnospermas.
• Após a fecundação, o embrião libera um cegos (quiropterofilia), por pássaros (ornitofilia),
04. (UFSM) Analise a citação: “O nadar dos hormônio denominado ácido indolacético, que por morcegos (quiropterofilia), pela água (hidro-
promove o intumescimento do ovário, filia) ou mesmo por seres humanos, quando
anterozóides é substituído pelo crescer do originando o fruto. empregam procedimentos artificiais na polini-
tubo polínico”. As angiospermas são as plantas dominantes no zação de espécies cultivadas.
Em que grupo vegetal esse fenômeno de planeta, formando a maior parte da vegetação. Há As plantas desenvolveram diversas adaptações à
substituição se processou, pela primeira desde espécies de grande porte, como certos polinização. Plantas polinizadas pelo vento, como
eucaliptos da Austrália, cujos troncos atingem
vez? as gramíneas, possuem flores pequenas e discre-
mais de 110m de altura e 20m de circunferência,
tas, sem nenhum tipo de atrativo. Geralmente elas
a) Briófitas. até espécies com menos de 1 mm de compri-
não têm perianto ou este é pouco atraente. As
b) Pteridófitas. mento. Quanto à forma, as angiospermas podem
ser árvores, arbustos, trepadeiras, capins etc. Elas anteras têm filetes longos e flexíveis que oscilam
c) Gimnospermas. vivem nos mais diversos ambientes: no solo, na ao vento, o que facilita a dispersão do pólen por
d) Angiospermas – Monocotiledôneas. água ou sobre outras plantas, em certos casos ocasião da deiscência da antera. Essas flores
como parasitas e em outros apenas como produzem grande quantidade de pólen e têm
e) Angiospermas – Dicotiledôneas.
inquilinas. estigmas desenvolvidos, o que aumenta as
05. (Unirio) A polinização anemófila é uma Os cientistas acreditam que, apesar de sua gran- chances de polinização.
de variedade, as angiospermas atuais são todas Flores polinizadas por animais geralmente têm
característica das:
descendentes de um mesmo ancestral, consti- características que atraem os polinizadores, como
a) monocotiledôneas. b) dicotiledôneas. tuindo, portanto, um grupo monofilético. Há mais corola vistosa, glândulas odoríferas e produtoras
c) gimnospermas. d) pteridófitas. de 235 mil espécies descritas no filo, das quais de substâncias açucaradas (nectários). Seus es-
e) angiospermas. mais de 40 mil ocorrem no Brasil. O filo que tigmas costumam ter tamanho reduzido, e a quan-
engloba as angiospermas é atualmente denomi- tidade de pólen produzida nos estames é relati-
06. (Fatec) Considere as seguintes caracterís- nado Magnoliophyta, embora o termo Antho- vamente pequena. Há flores que produzem dois
ticas dos vegetais: phyta (do grego antho, flor) continue a ser utili- tipos de estames, um grão de pólen fértil, mas
zado. pouco atraente, e outro com pólen atraente e
I. sistema vascular As angiospermas diferem das gimnospermas por comestível. Um inseto polinizador, à procura do
II. grãos de pólen e tubo polínico apresentar flores e frutos, além de certas carac- pólen comestível, impregna-se com o pólen fértil,
III. sementes nuas. terísticas particulares no ciclo de vida. Os mais transportando-o de uma flor para outra.
Dessas, são comuns às gimnospermas e antigos fósseis identificados claramente como
angiospermas datam do início do período
angiospermas Cretáceo e têm cerca de 130 milhões de anos de
a) somente I. b) somente II. c) somente III. idade.
d) I e II apenas. e) I, II e II. A FLOR

07. (UECE) No processo de reprodução de


uma GIMNOSPERMA:
a) não há formação de tubo polínico;
b) os óvulos, de tamanho microscópico, estão
contidos em grandes ovários;
c) os óvulos não estão contidos num ovário;
d) há formação de frutos sem sementes.

12
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:34 Page 13

Substituindo (II) em (I), temos:

Matemática D=a+b+c⇒
Área total de um paralelepípedo retângulo
Professor CLÍCIO Freire Consideremos um paralelepípedo reto-retângulo
cujas dimensões, comprimento, largura e altura
sejam as medidas a, b e c:
Aula 174

Prismas e pirâmides
1. Prismas
Prisma Reto A área total paralelepípedo é a soma das áreas
Um prisma é reto se, e somente se, suas arestas de suas seis faces. Temos, dentre essas faces, 01. ( PUCCAMP–SP ) Usando uma folha de
laterais são perpendiculares aos planos das duas regiões retangulares de área ab, duas de
latão, deseja-se construir um cubo com
bases. área de área bc, Logo a área total A desse para-
lelepípedo é: volume de 8 dm3. A área da folha utilizada
Se um prisma não é reto, então é chamado de
A = 2ab + 2ac +2bc ⇒ A = 2(ab+ac+bc) para isso será, no mínimo:
prisma oblíquo.
Cubo a) 20cm2 b) 40cm2 c) 240cm2
O cubo (hexaedro regular) é um paralelepípedo d) 2000cm2 e) 2400cm2
reto-retângulo cujas arestas têm todas as mes-
mas medidas a.
02. ( PUC–PR ) As três dimensões de um
As medidas de uma diagonal da área total e do paralelepípedo reto retângulo de volume
volume do cubo são feitas pelas fórmulas do 405m3 são proporcionais aos números 1,
Observe que, em todo prisma, a medida de uma paralelepípedo reto-retângulo de arestas a, b e c: 3 e 5. A soma do comprimento de todas
aresta lateral é a própria altura do prisma. as suas arestas é:
Prisma regular
Um prisma é regular se, e somente se, é reto, e a) 108m b) 36m c) 180m
seus polígonos das bases são regulares. d) 144m e) 72m

03. ( ACAFE–SC ) Num paralelepípedo reto,


as arestas da base medem 8 dm e 6 dm,
e a altura mede 4 dm. Calcule a área da
, At = = 2(ab+ac+bc)
V=abc, fazendo a = b = c figura determinada pela diagonal do para-
Medida da diagonal de um cubo cuja aresta lelepípedo, com a diagonal da base e a
Note que, em todo prisma regular, as faces mede a. aresta lateral :
laterais são retângulos congruentes entre si.
⇒ a) 20dm2 b) 24dm2 c) 32dm2
Paralelepípedo Reto-Retângulo Área total do cubo cuja aresta mede a
Todo prisma reto cujos polígonos das bases são d) 40dm2 e) 48dm2
At = 2(a . a + a . a + a . a) ⇒ At = 6a2
retângulos é chamado de paralelepípedo reto- Volume do cubo cuja aresta mede 04. (UDESCO–SC) Aumentando-se de 1
retângulo. V = a . a . a ⇒ V = a3 metro a aresta de um cubo, sua área
Volume de um prisma qualquer lateral aumenta de 164 metros quadra-
dos. Então o volume do cubo original em
metros cúbicos era:
a) 1000 b) 8000 c) 27000
d) 3375 e) 9261

05. Em um prisma hexagonal regular, a altura


mede 5cm, e a área lateral, 60cm2. Calcule,
V= Volume de um prisma qualquer é igual ao em cm3, o volume desse prisma:
Medida de uma diagonal de um paralelepípe- produto da área
do reto-retângulo a) 30 b) 18 c) 36
B= Sua base
Consideramos um paralelepípedo reto-retângulo, H= Sua altura d) 25 e) 12
que tem as dimensões, comprimento, largura e
06. Em um prisma hexagonal regular, o apó-
altura dadas pelas medidas a, b e c. Sejam d e D Aplicações
as medidas de uma diagonal da base e de uma tema da base vale 2 a , e a altura é igual
diagonal do paralelepípedo: 01. Determinar a área total S e o volume V de um ao semiperímetro da base. O volume é:
paralelepípedo retângulo cuja diagonal mede 24a3 48a3
m , sabendo que suas dimensões são a) 288 a3 b) ––––– c) ––––––––
proporcionais a 2, 3 e 4. 7 5
Solução: d) 24a3 e) 36a3
Sendo a, b e c as dimensões, temos:
a/2 = b/3 = c/4 = k ⇒ a = 2k, b =3k, c =4k (I)
07. Um prisma reto tem por base triângulos
Com a diagonal d = m, temos: equiláteros de lado b. Calcule seu volume,
d= m ⇒ d2 = 116 ⇒ a2 + b2 + c2 =116 (II)
sabendo-se que a ara de cada face lateral é
Aplicando o teorema de Pitágoras no triângulo Substituindo (I) em (II), resulta: o dobro de uma das bases.
retângulo A1A8A6 , temos: 4k2+9k2+16k2=116 ⇒ 29k2=116 ⇒ k2=4 ⇒ k=2 2b3 3b2
Substituindo k=2 em (I), temos a=4, b=6 e c=8 a) b3 b) ––––– c) –––––
8 8
A área S é dada por:
2b2 3b3
S = 2 (ab + ac + bc) ⇒ S = 2 (4 . 6 + 4 . 8 + 6 d) ––––– e) –––––
. 8) ⇒ S = 208 8 8
Para o volume V, temos:
V = a . b . c ⇒ V = 4 . 6 . 8 ⇒ V = 192
08. ( PUC–PR ) O volume de um prisma hexa-
Aplicando o teorema de Pitágoras no triângulo Resposta: S = 208 m2 e V = 192m3 gonal regular de altura 4 m é 72m3.
retângulo A5A8A6, temos: Calcule a área total do prisma em m2.
02. Se um cubo tem 5 cm de aresta, qual sua
área S, sua diagonal d e seu volume V? a) 36 b) 36 c) 48
Solução: d) 60 e) 72
S = 6 a2 ⇒ S = 6 . 52 ⇒ S = 150 cm2
d=a ⇒ d = 5 cm
V = a3 ⇒ V = 53 ⇒ V = 125cm3

13
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:34 Page 14

Resposta: S=150cm2, d=5 cm e V=125 cm3

03. Calcule a área da base Ab, a área lateral Al, a


área total At e o volume V de um prisma regular
hexagonal de 5cm de altura e 2 cm de apótema
da base.
Solução:
Cálculo do lado l da base: Volume de uma pirâmide qualquer
O apótema é a altura de um dos 6 triângulos O volume V de uma pirâmide qualquer é igual ao
equiláteros em que a base pode ser dividida, daí: produto da área B de sua base por sua altura H.
a =2 ⇒a=4
01. (PUC–SP) Sabe-se que as arestas de um
Área da base:
paralelepípedo estão em progressão
A área de um hexágono regular é igual a seis
geométrica, que seu volume é 64 cm3 e a
vezes a área de um triângulo equilátero cuja
soma de suas dimensões é igual a 21cm,
medida do lado é igual à do lado do hexágono.
então a área total do paralelepípedo é
Assim:
igual á:
Ab= 6 a2 ⇒ Ab= 3(4)2 ⇒ Ab= 24 cm2
a) 256cm2 b) 252cm2 c) 64cm2 Área lateral
d) 286cm2 e) 168cm2 Al= 6 . Aface lateral ⇒ Al= 6 . (l.h) ⇒ Al= 6 . 4 . 5 ⇒
02 . (UFPA) Num prisma retangular de base Al=120cm2 Aplicações
Área total
hexagonal, a área lateral mede 36m2, e a 02. Calcule o volume da pirâmide PQRS mostra-
At = Al+2Ab ⇒ At=120+2.(24 ) ⇒ At=24 (5+
altura é 3m. A aresta da base é: da na figura abaixo.
2 )cm2
a) 2m b) 4 m c) 6m Volume
d) 8m e) 10m V = Ab . h ⇒ V = 24 . . 5 ⇒ V = 120 cm3
03 . (UFPR) Uma pirâmide quadrangular 2. Pirâmides
regular tem 8m de altura e 10 m de apó- Pirâmide Regular
tema. O seu volume é : Uma pirâmide é regular se, e somente, seu polí-
a) 1152m3 b) 288m3 c) 96m3 gono da base é regular, e a projeção ortogonal
d) 384m3 e) 48m3 de seu vértice sobre o plano da base é o centro
da base. Solução:
04 . (UECE) O perímetro da base de uma
O volume de uma pirâmide é calculado pela
pirâmide hexagonal regular é 6 cm, e sua
fórmula V = (1/3).Sb.h, onde Sb é a área da
altura, 8 cm. O volume dessa pirâmide,
base e h a sua altura (da pirâmide, é claro!).
em cm3, é:
No caso, a altura é h = PS, e a base é o triân-
a) 4 b) 5 c) 6 gulo retângulo RSQ, com o ângulo reto em S.
d) 7 e) 8 Poderemos escrever, pelo teorema de Pitágoras:
05 . Uma pirâmide quadrangular regular Nota: Pitágoras (582–500 a.C.), filósofo e mate-
possui a base circunscrita a um circulo de mático grego.
10πm2 de área, e a altura é igual ao apó- RS2 + SP2 = 82 = 64 (1)
tema da base. A área lateral do sólido SP2 + SQ2 = 102 = 100 (2)
vale: RS2 + SQ2 = 122 = 144 (3)
Necessitamos conhecer os valores das
a) 40
dimensões RS, SQ e SP.
b) 400
Observe que, em toda pirâmide regular, as arestas Vamos aos cálculos necessários:
c) 50
laterais são congruentes entre si, e as faces late- Subtraindo convenientemente as igualdades
d) 50
rais são triângulos isósceles congruentes entre si. acima, vem:
e) nenhuma das alternativas acima é correta
Apótema de uma pirâmide regular (3)–(1): RS2–RS2+SQ2– SP2= 144–64 = 80
06 . Uma pirâmide quadrangular regular tem Simplificando, fica: SQ2–SP2 = 80 ou SQ2 =
Chama-se apótema de uma pirâmide regular todo
todas as arestas iguais e a área da base 80+SP2
segmento de reta cujos extremos são o vértice da
igual a 16cm2. Qual é a sua altura? Substituindo este valor na igualdade (2), vem:
pirâmide e o ponto de um dos lados da base.
SP2 + 80 + SP2 = 100
a) 4 cm b) cm c) 2 cm
2.SP2 = 20
d) 3 cm e) n.d.a.
SP2 = 10, de onde vem, SP= .
07 . (UF OURO PRETO) O volume de uma Substituindo o valor de SP2 na igualdade (1),
pirâmide cuja base é um triângulo equi- vem:
látero de lado 2 dm e cuja altura mede 3 RS2+10 = 64, de onde vem RS= =3
dm, em dm3, é igual a: Substituindo o valor de SP2 na igualdade (2),
a) b) 2 c) 3 vem:
Note que o apótema da pirâmide regular é a 10 + SQ2 = 100
d) 4 e) 5
altura de um triângulo isósceles, que é face SQ2 = 90, de onde vem, SQ = =3 .
08 . (ITA–SP) A área lateral de uma pirâmide lateral da pirâmide. Para o cálculo do volume desejado, vem então:
quadrangular regular de altura 4 m e de Teorema de Pitágoras e a pirâmide regular V = (1/3).Sb.h
área da base 64m2 vale: Em uma pirâmide regular, sejam: A altura h é igual a SP, ou seja, h = SP = .
a) 128m2 b) 64 m2 c) 60 m2 • H a medida da altura; A área da base será a área do triângulo
d) 32( +1)m2 e) 135 m2 • m a medida do apótema da pirâmide; retângulo RSQ e, portanto, igual a:
• r a medida do apótema da base; Sb = (1/2).RS.SQ = (1/2).3 . 3
09 . (UEPG–PR) Calcule a área de um tetra- • b a medida de uma aresta da base; Substituindo, vem, finalmente:
edro regular de aresta igual a 4 cm. • l a medida de uma aresta lateral; V = (1/3). (1/2).3 . 3 .
a) 4 cm2 b) 8 cm2 c) 12 cm2 • R o raio da circunferência circunscrita ao Efetuando os cálculos indicados, teremos V =
d) 16 cm2 e) n.d.a. polígono da base. 15 u.v.
Pelo teorema de Pitágoras, temos: Nota: u.v = unidade de volume.

14
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:34 Page 15

Gabarito do Calendário
número anterior 2008
Aprovar n.º 28

Aulas 169 a 198


DESAFIO FÍSICO (p. 4)
01. C;
02. D;
03. E;
04. E; O ALIENISTA
05. A; Machado de Assis
DESAFIO GEOGRÁFICO (p. 5) Capítulo III
01. C; DEUS SABE O QUE FAZ
02. A;
03. B; 1. Resumo

DESAFIO GEOGRÁFICO (p. 6) D. Evarista, no fim de dois meses, achava-se a


01. E; mais infeliz das mulheres. Tudo porque o marido
02. A; só tinha tempo para os lunáticos. “Ficou amarela,
03. E; magra, comia pouco e suspirava a cada canto”.
DESAFIO BIOLÓGICO (p. 07) Um dia, ao jantar, ensaiou uma reclamação a
01. A; Bacamarte. Ele a interrompeu, dizendo:
02. C; “— Consinto que vás dar um passeio ao Rio de
03. B; Janeiro.”
DESAFIO BIOLÓGICO (p. 08) Ir ao Rio de Janeiro, conhecer a cidade era sonho
01. B; de D. Evarista desde menina-moça. Ia dizer-lhe
02. D; que não iria sozinha, quando ele sugeriu:
03. C;
“— Irá com sua tia”.
EXERCÍCIO (p. 8) Ela falou das despesas, e ele fê-la ver que tinham
01. A; ganho muito. Para fazê-la crer, mostrou-lhe os
PERSCRUTANDO O TEXTO (p. 9) números, o ouro, o dinheiro. Ela entendeu a
01. B; obsessão do marido pelos lunáticos:
02. A; “— Deus sabe o que faz!”
03. E;
04. D; A viagem realizou-se três meses depois. Eis a
05. C; comitiva: D. Evarista, a tia, a mulher do boticário,
06. A; um sobrinho deste, um padre amigo do Alie-
07. B; nista, cinco ou seis pajens e quatro mucamas.
08. D; Crispim Soares, com a viagem da mulher, ficou
09. C;
10. D; triste. Bacamarte não. Nada o consternava fora
11. V, F, F, F e V; da ciência.
12. C; 2. Resumo
13. B;
Cruzado – antiga moeda de ouro, portuguesa;
DESAFIO GRAMATICAL (p. 10)
moeda de quatrocentos réis.
01. E;
02. A; Dobrão – antiga moeda espanhola, de ouro.
03. D; Reproche – exprobração; censura.
04. C; Verossímil – semelhante à verdade; que tem
05. D; aparência de verdadeiro; provável.
EXERCÍCIOS (p. 11 e 12) Capítulo IV
01. B; 02. E; 03. A; 04. D; 05. B; 06. B e E; UMA TEORIA NOVA
07. B; 08. A; 09. C; 10. C; 11. C; 12. B;
1. Resumo
DESAFIO QUÍMICO (p. 11)
01. D; Simão bacamarte vinha estudando uma certa
02. C; idéia nova que, se provada, alargaria as bases
03. E; da psicologia. Expôs sua teoria ao boticário e
04. B; amigo Crispim Soares. O alienista queria ampliar
05. A;
o território da loucura, deixar bem marcados os
06. B;
limites entre a razão e a insânia. “A razão é o
DESAFIO QUÍMICO (p. 12) perfeito equilíbrio de todas as faculdades; fora
01. A;
daí insânia, insânia e só insânia” - dizia ele ao
02. C;
03. D; boticário.
04. B; O vigário Lopes declarou ao alienista que não
chegava a entender a sua teoria. Para que in-
DESAFIO GEOGRÁFICO (p. 13)
01. C; vestigar coisas tão aparentemente equilibradas?
02. C; 2. Vocabulário
03. D;
Bajulador – adulador; que ou aquele que bajula.
DESAFIO GEOGRÁFICO (p. 14) Biltre – homem vil, infame.
01. D;
Caracala – imperador romano de 211 a 217.
02. B;
03. B; Comiseração – piedade, compaixão.
04. B; Domiciano – imperador em Roma de 81 a 96.
Egrégio – insigne; nobre; ilustre.
EXERCÍCIOS (p. 14)
01. A; Fâmulo – criado; servidor.
02. B; Pascal – pensador francês, autor de
03. E; Pensamentos (1670).
Promiscuidade – qualidade do que é
promíscuo; mistura desordenada.

15
Aprovar_29V.qxp 18/9/2008 11:34 Page 16

LÍNGUA PORTUGUESA REIS, Martha. Completamente Química: físico-química. São Paulo:


ALMEIDA, Napoleão Mendes de. Dicionário de questões vernáculas. FTD, 2001.
3. ed. São Paulo: Ática, 1996. SARDELLA, Antônio. Curso de Química: físico-química. São Paulo:
BECHARA, Evanildo. Lições de português pela análise sintática. Rio Ática, 2000.
de Janeiro: Fundo de Cultura, 1960. BIOLOGIA
CEGALLA, Domingos Paschoal. Dicionário de dúvidas da língua AMABIS, José Mariano; MARTHO, Gilberto Rodrigues. Conceitos de
portuguesa. 2. impr. São Paulo: Nova Fronteira, 1996. Biologia das células: origem da vida. São Paulo: Moderna, 2001.
CUNHA, Celso; CYNTRA, Lindley. Nova gramática do português CARVALHO, Wanderley. Biologia em foco. Vol. Único. São Paulo:
contemporâneo 3. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1985. FTD, 2002.
GARCIA, Othon M. Comunicação em prosa moderna. 13. ed. Rio de LEVINE, Robert Paul. Genética. São Paulo: Livraria Pioneira, 1973.
Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1986. LOPES, Sônia Godoy Bueno. Bio. Vol. Único. 11.a ed. São Paulo:
HOLANDA, Aurélio Buarque de. Novo dicionário da língua Saraiva. 2000.
portuguesa. 2. ed. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986. MARCONDES, Ayton César; LAMMOGLIA, Domingos Ângelo.
HOUAISS, Antônio. Pequeno dicionário enciclopédico Koogan Biologia: ciência da vida. São Paulo: Atual, 1994.
Larousse. 2. ed. Rio de Janeiro: Larousse do Brasil, 1979. FÍSICA
HISTÓRIA ALVARENGA, Beatriz et al. Curso de Física. São Paulo: Harbra,
ACUÑA, Cristóbal de. Informes de jesuítas en el amazonas: 1660- 1979, 3v.
1684. Iquitos-Peru, 1986. ÁLVARES, Beatriz A. et al. Curso de Física. São Paulo: Scipicione,
______ Novo Descobrimento do Grande Rio das Amazonas. Rio de 1999, vol. 3.
Janeiro: Agir, 1994. BONJORNO, José et al. Física 3: de olho no vestibular. São Paulo:
CARDOSO, Ciro Flamarion S. América pré-colombiana. São Paulo: FTD, 1993.
Brasiliense, 1986 (Col. Tudo é História). CARRON, Wilson et al. As Faces da Física. São Paulo: Moderna,
CARVAJAL, Gaspar de. Descobrimento do rio de Orellana. São 2002.
Paulo: Nacional, 1941. Grupo de Reelaboração do Ensino de Física (GREF). Física 3:
FERREIRA, Alexandre Rodrigues. (1974) Viagem Filosófica pelas eletromagnetismo. 2.a ed. São Paulo: Edusp, 1998.
capitanias do Grão-Pará, Rio Negro, Mato Grosso e Cuiabá. PARANÁ, Djalma Nunes. Física. Série Novo Ensino Médio. 4.a ed.
Conselho Federal de Cultura, Memórias. Antropologia. São Paulo: Ática, 2002.
MATEMÁTICA RAMALHO Jr., Francisco et alii. Os Fundamentos da Física. 8.a ed.
BIANCHINI, Edwaldo e PACCOLA, Herval. Matemática. 2.a ed. São São Paulo: Moderna, 2003.
Paulo: Moderna, 1996. TIPLER, Paul A. A Física. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e
DANTE, Luiz Roberto. Matemática: contexto e aplicações. São Científicos, 2000, 3v.
Paulo: Ática, 2000.
GIOVANNI, José Ruy et al. Matemática. São Paulo: FTD, 1995.
QUÍMICA
COVRE, Geraldo José. Química Geral: o homem e a natureza.
São Paulo: FTD, 2000.
FELTRE, Ricardo. Química: físico-química. Vol. 2. São Paulo:
Moderna, 2000.
LEMBO, Antônio. Química Geral: realidade e contexto. São Paulo:
Ática, 2000.