Ordem Rosacruz, AMORC versus Gary L.

Stewart Na segunda-feira 12 de janeiro de 1987 às 23h26, uma nuvem escura desceu sobre a Ordem Rosa-Cruz. Era a transição do Imperator Ralph M. Lewis, filho do Dr. H. Spencer Lewis. O archote e as rédeas da liderança foram transmitidos ao novo Imperator Gary L. Stewart. Esta declaração foi feita: Em 23 de janeiro de 1987, a Diretoria da Suprema Grande Loja da AMORC, Inc., elegeu Gary L. Stewart para o Ofício de Imperator da Ordem Rosacruz, AMORC, sucedendo Ralph M. Lewis. A Instalação formal do novo Imperator ocorrerá no Templo Supremo na cerimônia anual do Ano Novo Rosa-Cruz, sexta-feira, 20 de março de 1987 às 20h. A declaração também afirmava que duas outras eleições haviam ocorrido. Cecil A. Poole reassumiu a Vice-Presidência da Suprema Grande Loja e Christian Bernard foi eleito membro da Diretoria da Suprema Grande Loja no ofício de Supremo Legado. Tudo ocorreu como planejado e, numa cerimônia mística solene, Gary L. Stewart foi devidamente instalado na ocasião e no local designados como Imperator da Ordem Rosacruz, AMORC. Uma entrevista com o Imperator Gary L. Stewart Primeira Parte Com relação aos acontecimentos de 1990, segue-se uma entrevista com o Imperator Stewart feita nos últimos meses. As perguntas aqui formuladas são as mais comumente feitas por aqueles que têm escrito solicitando a posição do Imperator Stewart sobre o que ocorreu. Não haverá editoração e as respostas são do Imperator Stewart na íntegra. 1. P — Imperator Stewart, quando o sr. tomou conhecimento que estava na linha de sucessão para a posição de Imperator? R — Eu soube em 1984 porque Ralph Lewis disse-me que tinha me escolhido mais ou menos na ocasião em que me nomeou Grande Mestre. Quando Raymond Bernard

renunciou da Diretoria em 1986, ele e Christian Bernard já sabiam que Ralph havia me escolhido como seu sucessor. Raymond recomendou que eu ocupasse sua posição na Diretoria e que Ralph deveria tornar pública sua escolha. 2. P — Ralph Lewis chegou a fazer esse anúncio? R — Não. Ralph discordava de tornar pública a escolha, por boas razões. E se ele quisesse mudar de idéia? Mas realmente concordou em colocar-me na Diretoria. 3. P — Com as suas próprias palavras, Imperator Stewart, por que Ralph Lewis o escolheu em lugar de Christian Bernard, ou de qualquer outra pessoa? R — Na mente Ralph não havia competição. Ralph nunca considerou Christian para o Ofício porque não confiava plenamente em Christian e certamente não achava que Christian poderia lidar com os deveres doutrinários e ritualísticos. Entretanto, Ralph realmente queria Christian na Diretoria e o fez um membro ex-officio da Diretoria na mesma ocasião em que fui eleito para ela. 4. P — Por que o sr. suspeita que Ralph Lewis não confiava em Christian Bernard? R — Em 1986, quando Raymond Bernard renunciou da Diretoria, ele e Christian queriam que Ralph e eu fôssemos para a França para uma reunião secreta. Foi então que Ralph disse-me que estava esperando um golpe e supunha que os Grandes Mestres europeus tentariam forçá-lo a renunciar. De qualquer modo, Ralph recusou-se a ir à França por precaução de que algo fosse ocorrer em San Jose durante sua ausência e enviou-me em seu lugar. Christian e Raymond queriam que ocorresse um minigolpe e exigiram que Arthur Piepenbrink e Burnam Schaa fossem demitidos. 5. P — Uma pergunta muito importante, Imperator Stewart, em duas partes: há um rumor de que Ralph adiou sua aposentadoria porque não desejava Bernard e com tudo isso dito, Christian Bernard é agora Imperator da AMORC. O sr. pode me dizer o que pensa a respeito disso? R — Certamente. O Ofício de Imperator é vitalício. Não há aposentadoria e Ralph Lewis nunca considerou aposentar-se. Para responder sua segunda pergunta: o título de Imperator da AMORC é questão de opinião. Para manter aquela posição, ele teve que dissolver a

AMORC e iniciar uma nova AMORC fora do país enquanto os demais estavam envolvidos na confusa apresentação legal orquestrada para que se obtivesse a aprovação das medidas tomadas. Além disso, teve que dissolver a SGL (Suprema Grande Loja) e a Constituição da AMORC e redefinir o Ofício como sendo nada mais que o Presidente Executivo subserviente aos Grandes Mestres. Deve-se também observar que nunca fui removido como Imperator da AMORC. Fui removido como Presidente e Diretor da Corporação. A AMORC gastou 7 meses e 2,5 milhões de dólares em honorários legais para conseguir que o tribunal dissesse que o Presidente (isto é, o Imperator, pois essa palavra foi redefinida para significar Presidente) de uma Corporação poderia ser removido pelo simples voto majoritário da Diretoria, o que já era lei e um ponto que nunca contestei. A questão era se o Imperator poderia ou não ser removido da mesma maneira. De acordo com a Constituição da AMORC, um Imperator somente poderia ser removido após ser condenado por crime envolvendo torpeza moral e, além disso, somente após um Tribunal Rosa-Cruz ter sido constituído. Posteriormente, as Cortes nunca tomaram qualquer decisão relativa aos nossos valores tradicionais, somente em relação aos nossos valores corporativos. De qualquer maneira, Christian é um “Imperator” de uma Corporação formada em 1991. Eu sou o Imperator de uma linhagem Rosa-Cruz manifestada na AMORC de 1915 a 1990 e que agora reside na CR+C, Confraternidade Rosae + Crucis. 6. P — Sendo Imperator, o sr. não viu esse golpe surgindo? R — Eu o desconhecia totalmente, mas fiquei inicialmente ciente desse tipo de coisa em 1982. Eu também sabia que alguma coisa estava ocorrendo, mas não sabia exatamente o que. Suponho que se tivesse me envolvido na intriga política e na atmosfera de desconfiança, poderia ter controlado a situação. Mas fazer isso é contrário à minha natureza tanto como contraproducente ao trabalho de um Imperator. 7. P — Quando o sr. ficou ciente pela primeira vez dos reais problemas nos bastidores em 1990? R — Com relação aos acontecimentos imediatos relativos a 1990, eu meio que esperava que alguma coisa acontecesse, mas não antes de novembro de 1990. Eu previa que as

jurisdições francesa, alemã e nórdica fariam um jogo de independência e que tentariam fazer com que as jurisdições holandesa e portuguesa se juntassem a elas. Mas com relação ao ocorrido em abril de 1990 [referência à ação civil contra o Imperator Stewart], aquilo foi mais um esforço de último minuto que, na minha opinião, tinha a intenção de acobertar o fato de que eu “acidentalmente” descobrira um escoamento maciço infernal das doações feitas para a AMORC e um esquema fraudulento de evasão de impostos e restituição, para alguns oficiais, de uma porcentagem de somas recebidas de alguns de nossos grandes doadores. Em outras palavras, eu repentinamente estava vendo milhões de dólares sendo desviados. Se tivesse aceitado que a defraudação estava realmente ocorrendo, teria ido imediatamente ao FBI. Entretanto, custei a aceitar isso. Mais exatamente, pensei que estava vendo uma enorme incompetência. 8. P — Imperator Stewart, o sr. mencionou numa declaração anterior que a AMORC era vista como uma Corporação e ela gastou US$1,2 milhões com isso. Isto não teria um efeito na situação de seus membros e na redefinição da estrutura da Incorporação e da situação legal da AMORC? R — A questão de membros ou não-membros surgiu como resultado da ação judicial em 1990. Mas, só para que você saiba, o IRS [Internal Revenue Service: Ministério da Fazenda norte-americano] mudou as categorias sem fins lucrativos em 1979. [Ver os Artigos anteriores de Incorporação da AMORC como eram em 1976]. Eles olharam para a AMORC e a viram como um museu e, na época, a admissão ao museu era grátis e assim reclassificaram a AMORC como uma corporação pública beneficente para adaptá-la às novas leis. Eles escreveram uma carta informando à AMORC que era o que eles estavam fazendo e nos informaram que poderíamos contestar a classificação se sentíssemos que estavam errados. Piepenbrink recebeu a carta, coçou a cabeça, deu de ombros e arquivou a carta sem contar para ninguém. Quando fui para a Diretoria em 1986, vi a carta e levantei a questão que estávamos classificados de forma errada pelo IRS e comecei a tomar medidas para corrigir isso. Entretanto, quando 1990 surgiu, foi melhor para a ação judicial sermos uma corporação pública beneficente do que uma ordem fraternal porque se fôssemos uma

ordem fraternal, “Imperator” significaria algo [ver os Artigos de Incorporação da AMORC de 23/04/1990]. De qualquer modo, sob orientação da Diretoria, eles queriam ter certeza de que o Tribunal visse que a AMORC não tinha membros. Só para esclarecer, a quantia de US$1,2 milhões foi quanto dinheiro transferimos de volta à Grande Loja da França e cujo montante seria aplicado para compra de uma propriedade no Canadá onde seria construído um retiro. Os US$1,2 milhões foram somente uma quantia parcial do que Christian gastou, pois ele tinha mais dinheiro que também estava usando. Com relação a quanto custou a Christian para dissolver a SGL e incorporar uma outra naquela propriedade, não faço a mínima idéia. 9. P — Então em essência o sr. está dizendo que, segundo o IRS, a AMORC era reconhecida como não tendo membros e nem era uma organização fraternal desde 1979, tendo sido classificada como uma corporação pública beneficente? R — Correto, mas existe muito mais do que apenas isso. Aos olhos do IRS, a AMORC era basicamente um museu e por isso eles lhe deram a classificação de corporação pública beneficente 501 (c) 3. Se em 1979 a SGL tivesse gastado algum tempo para estudar a carta do IRS e analisado as opções de incorporação ao invés de simplesmente arquivá-la, eles teriam corrigido a classificação. Não havia nenhum propósito por parte da Diretoria de 1979 de estar incorretamente classificada — eles apenas não estavam dando muita atenção e provavelmente simplesmente não entenderam as opções. Entretanto, na reclassificação em 1990, havia um propósito definido para ser classificada como uma corporação pública beneficente e um propósito definido para estipular que não havia membros. Realmente, antes da reclassificação de Christian e companhia, a questão de se a AMORC tinha ou não membros era discutível. Era clamorosamente óbvio que a AMORC tinha membros como estava claramente aparente nas Constituições da Suprema Grande Loja e da Grande Loja. Além disso, o IRS não se importaria menos se houvesse três membros ou um milhão de membros porque ter ou não membros não é a questão no que se refere à classificação. Entretanto, como esses membros se relacionam com a política de tomada de decisão é

relevante. De qualquer modo, de 1986 a 1990 nós estávamos trabalhando para redefinir nossa operação como uma Ordem fraternal de acordo com a classificação apropriada — que seria a 501 (c) 10. Após 1990, a nova AMORC tentou usar a classificação imprópria para vantagens legais e de controle. Mas francamente, em minha opinião, toda esta questão resume-se em fragmentar a mais influente Grande Loja (a Inglesa) e oprimir seus membros. Durante uma reunião de Diretoria em 1991, a nova Diretoria definiu os parâmetros para estabelecer uma Grande Loja. Eles decidiram que não era mais para ser definido pela língua mas por números. Se minha memória me ajuda, acredito que eles disseram que qualquer país com 2000 membros poderia solicitar para se tornar uma Grande Loja. A parte interessante, contudo, é que isto parece somente se aplicar à Jurisdição Inglesa, já que fora dividida em três Grandes Lojas — da América do Norte, Reino Unido (incluindo Gana e Nigéria) e Australásia. O que antes era forte e unificada, é agora diversificada e fraca. Você não encontra tal divisão na jurisdição Francesa ou nas outras. 10. P — Foram os membros alguma vez informados disso antes ou depois de 1990? R — Não que eu tenha conhecimento. Depois de 1990, não sei se os “membros” foram informados sobre a questão de sua afiliação. Entretanto, antes de 1990 não houve tal notificação porque não havia tal questão. Ainda que a AMORC tenha sido erroneamente classificada em 1979, isto não foi feito de forma intencional e todo mundo sabia que nós éramos uma Ordem fraternal e que aqueles que pagavam as mensalidades eram membros da Ordem. 11. P — Vamos agora voltar à enorme incompetência que o sr. descobriu e, por favor, continue com o que aconteceu depois disso. R — Pouco antes da reunião da Diretoria em 1990, Christian [Bernard] propôs que lhe supríssemos com US$1,2 milhões (ou ao redor disso) para que ele pudesse comprar a propriedade em Quebec, aparentemente para construir um retiro Rosacruz. Uma vez que os fundos que ele queria eram fundos investidos aqui em favor da Grande Loja Francesa, concordamos com isso. Ele nos enviou o número da conta bancária suíça da AMORC para

a transferência dos fundos. Em 1990 e antes, eu não sei como são as leis agora, não era permitido aos cidadãos e às organizações francesas terem contas na Suíça. Entretanto, a AMORC mantinha uma conta na Suíça onde membros suíços depositavam suas mensalidades. Duas vezes ao ano, a França enviava seu relatório financeiro e nunca ultrapassava um valor ao redor de $20.000 dólares naquela conta, ou ao menos era isso que eles relatavam. De qualquer modo, aquela era a conta para a qual devíamos transferir o dinheiro; mas cerca de uma hora após ele ter me enviado por fax o número da conta, ele telefonou e disse que havia se enganado e nos dado o número errado. Nós transferimos os fundos para o novo número que mais tarde, quando verifiquei em nossos registros, não era o número que tínhamos registrado como sendo da conta da AMORC. O primeiro número que ele enviou era, de fato, o da conta da AMORC. Eu acho que levei uns dois dias para decidir verificar o que estava acontecendo, afinal de contas, ninguém em seu juízo perfeito vai cometer um erro no número de uma conta bancária. Uma vez que eu era um dos signatários da conta suíça da AMORC e ambas as contas eram no mesmo banco, enviei um telex para o banco pedindo um extrato de ambas as contas. Eles responderam que a conta da AMORC tinha 4 milhões de dólares (nós pensávamos que eram US$20.000), mas não poderiam me fornecer informação a respeito da outra conta, para onde eu enviara 1,2 milhões de dólares, porque não era uma conta da AMORC e nem era eu signatário daquela conta. Eles evidentemente notificaram Christian que eu estava fazendo perguntas porque alguns dias mais tarde quando ele veio a San Jose para a reunião da Diretoria, ele entrou no meu escritório assim que chegou e estava bastante contrariado porque eu tinha tentado “acessar” sua conta (em outras palavras, o homem me confirmou que a outra conta era dele). De qualquer modo, eu disse a ele que ambas, a sua conta e a conta da AMORC, eram ilegais e que ele teria um mês para arrumar toda aquela bagunça. Peter Bindon estava comigo quando tivemos essa conversa. Essa conversa foi ao redor de 18 de março de 1990 e eu soube então que o lixo iria muito em breve bater no ventilador. O que eu só soube muito mais tarde, foi que Christian e Donna [O’Neil] passaram um tempo em San Francisco

contratando o escritório de advocacia. O que eu imaginei que aconteceria é que teríamos a reunião com os Grandes Mestres em Edimburgo e nós decidiríamos expandir a Diretoria da SGL. Era quando eu esperava que alguns GMs [Grandes Mestres] fizessem uma moção para se tornarem independentes, o que não me preocupava muito, porque tínhamos o título de todas as propriedades onde as Grandes Lojas estavam. Eu não teria tido nenhum problema em enviar-lhes notificações de evicção. 12. P — Tem havido muita conversa a respeito de Andorra e da Pensilvânia e sobre por que o sr. enviou dinheiro para lá. Isto parece ser a base ou pelo menos a causa da ação judicial. Imperator Stewart, o sr. poderia descrever, com suas próprias palavras, o que foi tudo isso e esclarecer por que isso era tão importante? R — Certamente... Não está totalmente correto dizer que “eu” enviei dinheiro para Andorra. É mais correto dizer que a Suprema Grande Loja enviou dinheiro para a conta bancária da Suprema Grande Loja em Andorra e que eu fui o oficial que autorizou essa transação. A ação judicial inicial estava tentando sustentar que agi por conta própria, sem a aprovação da Diretoria e da resolução da corporação e que eu estava tentando desviar os fundos. O fato é que a transferência foi feita com o total conhecimento e aprovação de todos os diretores da corporação. Uma transferência de uma conta da AMORC para uma outra da AMORC não requer uma resolução corporativa. Entretanto, se fôssemos gastar aquele dinheiro, seria necessário — e nenhum dinheiro foi gasto. De qualquer maneira, a conta em Andorra era em nome da Gran Logia Suprema (Suprema Grande Loja em espanhol) e os signatários daquela conta eram os oficiais da SGL. A intenção era que após a conta ter sido aberta, a Suprema Grande Loja estabeleceria então um Fundo utilizando parte do dinheiro na conta, cujo montante seria determinado por resolução corporativa, para o propósito de estabelecer a Grande Loja Espanhola na Espanha. A vantagem de ter a Grande Loja Espanhola na Espanha era a de oferecer serviços mais intensos aos membros de todos os países de língua espanhola. Acordos comerciais entre a Espanha e os países da América do Sul permitiriam a importação das monografias em espanhol por aqueles países sem o pagamento de taxas ou impostos. Com

outras vantagens, tais como a impressão, etc. Seríamos então capazes de basear os valores das mensalidades na economia de cada país em vez de tomar como base a economia dos EUA. A vantagem de ter uma conta num banco andorrano era por causa das taxas de juros e pelo fato de que Andorra poderia lidar com muitas moedas que não podíamos lidar nos EUA e em alguns outros países. Como um exemplo, nós não podíamos receber mensalidades de membros de Gana em função de restrições bancárias daquele país. Contudo, acordos bancários de Gana com Andorra permitiriam o câmbio legal. Naturalmente, tudo é um pouco mais complicado do que eu brevemente mencionei aqui, mas você deveria saber que em 1990 a Ordem tinha ao redor de 300 contas bancárias em todo o mundo, como eu estou certo que tem agora. Diariamente, nós transferíamos dinheiro entre as contas o tempo todo. Mais desta vez em particular, bem.... grande propaganda para um golpe. Com relação à Pensilvânia, no encontro anual da Diretoria da SGL em março de 1990, nós unanimemente aprovamos uma resolução corporativa para tornar Nelson Harrison nosso Consultor Financeiro. Nós o tínhamos contratado temporariamente em fevereiro e ele nos ajudou a reorganizar nossas finanças. Através de sua empresa de consultoria (sediada na Pensilvânia) nos estávamos negociando um pacote aprimorado de benefícios para membros que incluiria entre outras coisas, seguro saúde, oferta de cartão de crédito, etc. Em abril, quando estávamos transferindo os US$3 milhões para Andorra, nós também transferimos US$500.000 para ser aplicado como honorários e para financiar o projeto. Sem meu conhecimento naquela época, em fevereiro Burnam Schaa fez um pagamento de US$250.000 dólares para eles. Isto é importante na ação judicial porque fui acusado de ter feito esse pagamento e não foi senão em 1993, quando a AMORC foi processada por fraude de seguro com relação à ação judicial, que a documentação mostrando que Burnam autorizara a transferência apareceu. E também, quando se transferem fundos da Califórnia para a Europa, as diferenças de fuso horário e os horários bancários são tais que os fundos têm que permanecer por uma noite em um banco da costa leste antes que a transferência possa ser completada. Uma vez que, de qualquer forma, estávamos enviando US$500.000

para a Pensilvânia, decidimos também lá deixar por uma noite os US$3 milhões. 13. P — Imperator Stewart, chegamos até aqui e há uma questão que deveria ser respondida. O sr. se surpreendeu quando foi intimado ou já tinha uma idéia ou uma impressão de que seria alvo de uma ação? R — Foi uma surpresa! Eu esperava ir a Fresno na Sexta-feira Santa e lá ficar para a Páscoa. Mas não fui. Eu fui trabalhar pela manhã (o Parque estava fechado) e poucos minutos depois de lá chegar, o fax começou a funcionar com os advogados de Christian notificando-me da intimação para uma audiência naquela tarde. Eles disseram que tentaram me contatar em casa, etc. Mas não o fizeram. De qualquer maneira, o que aconteceu foi que fui capaz de conseguir um advogado para comparecer à audiência e a decisão pela concessão da liminar [Temporary Restraining Order] foi temporariamente adiada para a segunda-feira seguinte. Todos ficaram surpresos com o que aconteceu na segunda-feira. Eles obtiveram a liminar simplesmente porque meus advogados não apareceram. Eu não acho que eles alguma vez pensaram ou realmente planejaram me colocar para fora do Parque. Acho que tudo que realmente queriam era causar muita confusão legal e propagandística para poder atingir seu objetivo. Mas não, não tive conhecimento da ação judicial nem houve em qualquer momento qualquer menção de uma ação judicial até eu ser intimado cerca de quatro horas antes da audiência. No entanto, a ação fora preparada cerca de duas semanas antes que eu fosse intimado, o que foi antes mesmo dos fundos serem transferidos para Andorra, ainda que todos soubessem que isso iria acontecer. 14. P — Se alguém quisesse se aprofundar mais neste assunto além do que o sr. disse até agora, o que lhe sugeriria fazer além de obter suas próprias cópias autênticas do tribunal como aqui fizemos? R — Neste caso em particular, posso somente apresentar o meu lado da história, mas o encorajo a obter todos os lados que você possivelmente possa. Aqueles que estariam informados (experiência em primeira mão) do lado da AMORC dos fatos são: Christian Bernard, Burnam Schaa, Wilhelm Raab, Irving Söderlund, Charles Parucker e Donna O'Neil. Qualquer outra pessoa pode lhe dar, quando muito, versões de segunda mão da

história, posições partidárias ou dizer coisas baseada inteiramente em suas próprias suposições. 15. P — Por que encontramos tamanha relutância em discutir esta situação na AMORC e por que o sr. acha que existe tanto medo associado a isso? R — Acho que o medo que você e outros sentem da AMORC é provavelmente gerado não tanto pela intenção deles de causar medo, mas mais exatamente por alguns poucos tentando esconder sua própria ignorância ou falta de confiança em serem capazes de responder uma pergunta adequadamente e na profundidade que quem faz a pergunta exige. Na minha opinião, a arte do misticismo requer que qualquer pessoa que saiba o suficiente para fazer uma pergunta deveria obter uma resposta completa. Minha resposta aqui não é em relação à relutância da AMORC em discutir a ação judicial e sim em relação às respostas sobre questões doutrinárias que lhe são colocadas pelos seus próprios membros. Esta pergunta foi formulada por alguém que afirmou que muitas pessoas se sentiam intimidadas pelas respostas que recebiam quando perguntas eram feitas. Quanto às respostas sobre a questão da ação judicial, do que tenho visto emanar da AMORC nos últimos poucos anos, as razões vão além da ignorância e da falta de confiança. Como exemplo, em 1992 Kristie Knutsen enviou uma carta para os membros informando que menos de cinco anos antes daquela data a Grande Loja Inglesa atendia cerca de 70.000 membros e que devido à ação judicial, eles perderam a metade dos membros. Na realidade, de cerca de 1980 a 1990, a afiliação à Jurisdição Inglesa permaneceu relativamente constante entre 34.000 e 36.000. Numa época — em 1977-78, acredito, a afiliação elevou-se rapidamente para mais ou menos 70.000, mas isso foi devido à popularidade do advento da Nova Era comercial. Ou em outra carta, ela escreveu que em março (de 1992) a AMORC fez uma moção para ter minha reconvenção [countersuit] contra a AMORC arquivada e que concordei com esse arquivamento sem contestar. Na realidade, eu instruí meu novo advogado em novembro de 1991 para desistir de minha reconvenção porque eu não tinha nenhuma intenção de prosseguir com ela, e em 7 de janeiro de 1992 aquela ação foi arquivada no tribunal por uma moção instigada por mim

mesmo. Ou Wilhelm Raab em cartas para os seus membros da hierarquia dizendo que fui considerado culpado em 80 acusações criminais e que passei um período na prisão. Esses tipos de respostas não são escritos com a intenção de causar intimidação e nem são resultado de ignorância, mas sem dúvida tem o propósito de ganhar simpatia e/ou elevar o estado de ânimo através do uso de informações incorretas. De qualquer maneira, todo Rosa-Cruz é obrigado a procurar a verdade e para isso deve ter acesso ou a uma informação imparcial ou a muitas diferentes interpretações para assim poder, no mínimo, fazer uma escolha consciente. Parece que temos uma nova geração de Rosa-Cruzes que justamente agora se tornam conscientes do que aconteceu para os R+C (Rosa-Cruzes) oito anos atrás, e compreensivelmente, eles querem as informações corretas. O seu site [do Irmão Linda Santucci] na internet pode pelo menos lhes dar os papeis arquivados, decisões do tribunal e entrevistas para atingir esse fim. Ele tem, no mínimo, um valor histórico importante, mas acredito que tem igualmente um valor muito maior também. Os veteranos sabem disso, mas este ponto não pode ser excessivamente enfatizado para aqueles que estão se tornando agora cientes dos acontecimentos. Não é tão importante qual lado (se algum) cada Rosa-Cruz escolhe nesta questão. O que é importante é que eles compreendam todos os lados para assim poderem sepultar quaisquer dúvidas, porque nosso Trabalho não tem relação com disputas e sim com a Busca Espiritual. Posso somente falar por mim mesmo e somente oferecer minha compreensão e minhas opiniões. Espero que todos que leiam o que escrevo compreendam isso. No final, a medida do valor de alguém não é a palavra, mas a ação. 16. P — Algumas pessoas vêem essa ação judicial e as conseqüências resultantes como um “golpe”. O sr. a descreveria dessa maneira? R — Isto é o que foi. Basicamente, foi sobre Oficiais europeus querendo que a Ordem “voltasse” para a Europa. Alguns deles sentiam que nenhum americano poderia jamais ser místico, muito menos Imperator. Eis porque a maior jurisdição da AMORC, a Inglesa, foi dividida em três jurisdições menores. Aliás, essa atitude prevalecia no final dos anos 70, e ao redor de 1982, Ralph pensou que eles poderiam dar-lhe um golpe. Nós conversamos

muitas vezes sobre a possibilidade de haver um golpe e, quando se considera a questão essencial, senti que era mais importante fazer o que era correto do que fazer politicagem da alma. 17. P — Parece haver uma interpretação incorreta do título de “Imperator” com relação à questão legal envolvida na ação judicial. O sr. pode explicar? R — A AMORC, no tribunal, definiu Imperator como sendo uma “palavra Rosa-Cruz significando presidente de uma corporação”. Eles negaram os aspectos “tradicionais” do Ofício, assim efetivamente fazendo do título um cargo nominal. Nós [da OMCE e da CR+C] por outro lado, mantemos a tradição original. 18. P — É verdade que a AMORC foi dissolvida em uma nova corporação? R — Sim e ninguém sabia, nem mesmo o tribunal, que antiga AMORC fora totalmente dissolvida e que uma nova corporação fora formada no Canadá em janeiro de 1991. Só em maio de 1993, quando o tribunal mandou que a AMORC retirasse sua ação da lista de causas pendentes, é que se descobriu isso. A corporação agora em San Jose, a Grande Loja Inglesa, também foi formada em janeiro de 1991. 19. P — Uma pergunta tem surgido sobre as diferenças entre as monografias usadas pela CR+C (Confraternidade Rosae Crucis) e as usadas pela AMORC. Pode nos dar alguma compreensão sobre essas diferenças? R — No que se refere à AMORC, as maiores editorações das monografias originais começaram a acontecer do início a meados dos anos 30 quando a AMORC começou a enfatizar a afiliação de Sanctum no lar em relação à afiliação de Loja. As monografias originais (escritas de 1915 a 1924) foram escritas com a intenção de serem lidas em voz alta para os membros que freqüentavam a Loja e não para serem estudadas em casa (os membros não recebiam cópias das lições, somente o Mestre da Loja as recebia). A afiliação de Sanctum no lar só começou em 1924 e tão somente a título de experiência. Levou cerca de 10 anos para se terminar com a estrutura de afiliação à Loja e substitui-la pela afiliação de Sanctum no Lar. Como resultado, grandes editorações começaram a mudar ostensivamente a linguagem das

monografias para adaptá-las aos membros individuais lendo por si, contrastando com ouvilas do Mestre da Loja. Em outras palavras, naqueles lugares da monografia onde se deveria afirmar: “Agora o Mestre da Loja deverá solicitar uma discussão...”, se tornaria: “Agora, você deve revisar o que acabou de ler e escrever, com suas próprias palavras...”. Infelizmente o trabalho de editoração foi delegado a outros porque H. S. Lewis ainda estava empenhado em escrever novas monografias. Como resultado, as coisas saíram do controle porque os editores não viviam pela lei: “se não está quebrado, não conserte”. Talvez um pouco de arrogância tenha se introduzido de forma sorrateira no processo de editoração, pois não demorou muito para muitos dos pensamentos do Dr. Lewis se tornarem totalmente obscurecidos e mesmo contraditórios. A CR+C [Confraternidade Rosae Crucis] usa as monografias datadas de 1915 a aproximadamente 1934 e você ficaria surpreso em ver quão diferentes elas são em comparação com aquelas editoradas já em 1940. 20. P — Com todas as batalhas legais travadas e com a retirada final das acusações que lhe foram feitas, o sr. possui legalmente os direitos sobre as monografias originais? R — Constitucional e Tradicionalmente, o Imperator tem completo controle sobre tudo o que for doutrinário e ritualístico. Tudo que possuo com relação a isso, pertence de direito ao Ofício que possuo. Foi passado para mim por Ralph e eu o passarei ao meu sucessor quando a hora chegar. Você deve se lembrar que a AMORC de hoje não é a AMORC de 1990 e de antes. As monografias que eles agora usam não são as monografias dos Lewis e estavam sendo preparadas já em 1982 sob a autoridade de Christian. Essas monografias tiveram os direitos autorais registrados pela nova AMORC. As marcas registradas que eles possuem agora foram adquiridas depois de 1990 e muitos dos direitos autorais que declaram possuir, não possuem. As monografias (todos os assuntos doutrinários e ritualísticos) pertencem ao Imperator. Mas lembre-se, não estou usando as mesmas monografias que a AMORC está usando. As que eles usam não haviam sido nem mesmo introduzidas antes de 1990. As monografias escritas pelo Dr. Lewis e aquelas que foram escritas mais tarde por Ralph Lewis nunca foram legadas à Suprema Grande Loja porque a intenção era de que

permanecessem na posse e sob os cuidados do Ofício do Imperator. Isto é, elas são transmitidas de Imperator a Imperator conforme manda a tradição. Esta é provavelmente uma das razões pela qual eu estou publicando as monografias originais enquanto Christian [Bernard] não está. Agora, Christian pode ter tido os direitos autorais de suas monografias registrados pela SGL, pois na França, os direitos autorais são propriedades da instituição que publica e não do autor. Mas o que Christian fez e por que fez, não sei. 21. P — Então por que as monografias da AMORC ainda afirmam que eles detêm os direitos autorais e que elas devem ser devolvidas quando se deixa a Ordem? R — Eu presumo que isso seja afirmado nas novas monografias — como o era nas antigas. Mas, em função da AMORC atual ser uma organização pública beneficente 501 (c) criada para informar o público sobre o Rosacrucianismo, eles não teriam base para se apoiar se alguém decidir conservar as monografias após deixar a Ordem. Se eles se registrassem como 501 (c) 10 — Ordem Fraternal — poderiam impor essa regra. Mas escolheram não se registrar dessa maneira e, por minha vida, não consigo imaginar por que decidiram não ser uma Ordem Fraternal como definida pelo IRS [Internal Revenue Service: Ministério da Fazenda norte-americano]. 22. P — Após a ação judicial de 1990 e a retirada final das queixas contra o sr. datada de 10 de agosto de 1993, o sr. deixou a AMORC como Imperator e, ainda conservando o Título de Imperator, uniu-se a um grupo denominado Ancient Rosae Crucis (ARC)? Por quê? R — Eu realmente nunca estive com a ARC. A ARC foi formada essencialmente para fornecer monografias a aqueles membros da AMORC que saíram devido à situação de 1990. Ela se desenvolveu em uma Ordem em si e a partir de si mesma e fui convidado para ser seu Imperator. Aceitei experimentalmente na condição de que certos critérios fossem atingidos. Nenhum deles foi jamais atingido e quando Paul Walden e Ashley McFadden [marido e mulher] fizeram seus jogos de poder, constatei que eles não tinham nenhuma intenção de fazer qualquer outra coisa a não ser o que queriam, e assim me afastei e iniciei a CR+C, hoje conhecida como Confraternidade Rosae Crucis.

23. P — O que o sr. Walden e sra. McFadden realmente queriam fazer que motivou seu afastamento? R — Paul e Ashley decidiram que queriam controlar a maioria da Diretoria da ARC (aliás, nunca fui membro daquela Diretoria) e acusaram dois membros de serem desleais para com a ARC. Paul convocou uma reunião especial da Diretoria a ser realizada na mesma época em que todos estavam numa reunião da OMCE na Filadélfia e uma vez que aqueles dois membros não apareceram na reunião da ARC, foram excluídos da Diretoria. De qualquer forma, eles iniciaram um jogo de poder que não funcionou tão bem a seu favor. Quase todos se afastaram deles. A ARC tinha cerca de 200 membros na ocasião e perdeu 180 devido a suas ações. Também, como disse, nunca realmente me afiliei à ARC. Concordei em trabalhar com eles e em apoiá-los até a época em que fossem capazes de estabelecer as condições necessárias — o que incluía convocar um tribunal, garantir que iriam servir a todos os membros no mundo todo e sem discriminação e outras coisas similares. Basicamente, a ARC queria ser exclusivamente [norte] americana e predominantemente Cristã. 24. P — Por favor, corrija-me se estiver errado, realmente entendi que o sr. disse que a ARC está agora usando as monografias originais de H. Spencer Lewis? R — A ARC não usa as monografias originais de H. S. Lewis. Eles usam uma mistura de monografias que foram publicadas pela AMORC dos anos 50 aos anos 80 — mas usam principalmente aquelas editoradas e impressas pela AMORC entre 1975 e 1980. Perto de 100 pessoas estavam envolvidas em digitar as monografias para Ashley em disquetes — muitas dessas pessoas estão atualmente no Fórum Rosa-Cruz de Livre-Expressão. 25. P — O que preciso agora é mais sobre o final canadense desta história e o que aconteceu com o “retiro” que foi planejado? R — Eu realmente não sei tanto sobre o final canadense dos fatos, como a compra da propriedade, etc, que ocorreu após o início da ação judicial. Até onde sei, o retiro ainda está lá. No verão de 1990, um membro franco-canadense contatou-me e me enviou uma cópia do registro da escritura, mas não tenho mais esse documento. De acordo com o documento

que me foi enviado, a propriedade foi comprada por uma corporação (não a AMORC) que era controlada por Christian, sua esposa, e alguém mais vivendo em Quebec. Quando vi o documento, lembro-me de ter pensado que alguém estava estabelecendo seu pequeno império pessoal. Achei um pouco hipócrita que fosse eu o processado por desfalque. 26. P — Após quase três anos de comparecimento em tribunais e do envolvimento de todos aqueles advogados, quem se aproximou de quem para o acordo e por quê? R — Os advogados da AMORC se aproximaram de mim. Com relação ao por quê, parece ser porque o tribunal disse para AMORC levar o caso a julgamento ou desistir dele, pois queriam esse caso fora de sua lista de ações pendentes. Mas também parece haver algo mais do que isso. Aproximadamente um mês antes de eu ser contatado pelos advogados da AMORC que diziam querer decidir a questão, um outro escritório de advocacia (Wallace B. Adams de San Francisco) que representava uma das seguradoras da AMORC levou-me de avião para San Francisco e me entrevistou por três dias. Como descobri, eles estavam considerando entrar com uma ação de fraude de seguro contra a AMORC diretamente relacionada à ação judicial que a AMORC havia entrado contra mim. Para tornar curta uma longa história, o escritório de advocacia decidiu entrar com sua ação contra a AMORC, preencheu os formulários iniciais (são documentos públicos) e logo após tudo se ajustou repentinamente. Não conheço os detalhes do acordo entre a AMORC e sua seguradora, mas realmente sei que a AMORC teve que pagá-los para que desistissem da ação. 27. P — Os Tribunais alguma vez fizeram uma observação de que não havia nenhum fundamento para a continuidade da ação, em outras palavras essa ação foi considerada sem fundamento e por quê? R — Eu não me recordo se uma observação como essa foi ou não alguma vez feita no tribunal, ao menos enquanto eu estava presente. Mas não acredito que os Tribunais se preocupassem de uma ou outra forma se a ação continuasse ou fosse abandonada. Eles somente se preocupavam em eliminá-la de sua lista de causas pendentes, pois ela lá estava juntando poeira por três anos (no que se refere ao tribunal, houve muita atividade entre advogados o tempo todo). No que se refere a “não existir fundamento para dar continuidade

à ação”, isto é basicamente o que um arquivamento com prejuízo (dismissal with prejudice*) significa — isto é, eles não podem levantar a questão novamente. O tribunal não ordenou isso, eles apenas endossaram sem julgar o mérito. O arquivamento com prejuízo foi determinado em função do acordo — independentemente de se qualquer uma das partes ainda acredita que a outra era culpada ou não, nós concordamos em não trazer isso à tona novamente. Com relação a se a ação era ou não sem fundamento, sim ela era, mas você não pode realmente dizer que o Tribunal ordenou essa decisão judicial. De qualquer forma, ela era totalmente sem fundamento e no que me diz respeito, esta foi a razão que pela qual a AMORC nunca a levou a julgamento e nunca realmente desejou fazêlo. Pessoalmente, penso que isso é evidente devido ao tipo de processo movido contra mim. Foi uma ação civil, não criminal. [* N.T.: Dismissal with prejudice: Uma declaração que abandona todos os direitos. Um julgamento que exclui o direito de trazer ou manter uma ação com base na mesma reclamação ou causa. Dismissal without prejudice: Uma declaração na qual nenhum direito ou privilégio da parte envolvida são postos de lado ou perdidos. Em um arquivamento, essas palavras mantêm o direito de trazer uma ação subseqüente sob a mesma reclamação. O arquivamento da ação movida contra Gary L. Stewart foi solicitado pela AMORC como “dismissal with prejudice” em 10 de agosto de 1993.] 28. P — Imperator Stewart, houve rumores que uma “comissão interna de revisão” foi convocada em 1993 pela AMORC para rever toda a situação; que a conclusão desta revisão foi que eles, os membros da Diretoria, tiveram que admitir para eles mesmos, a portas fechadas, que as acusações contra o sr., o Imperator, eram sem fundamento e que eles, os membros da Diretoria, haviam lhe expulsado sem justa causa. O sr. pode, por favor, comentar essa afirmação? R — Estou bem certo de que o que você ouviu foi rumor, mas uma vez que eu não estava envolvido com a AMORC naquela ocasião, não posso dizer com absoluta certeza que uma comissão interna de revisão não aconteceu. Entretanto, se aconteceu, esta é a primeira vez que ouço falar sobre isso. Eu educadamente presumiria que a origem de tal rumor, surgindo

daquele período, provavelmente girava em torno das reuniões que os diretores da AMORC tinham com seus advogados devido aos últimos acontecimentos. Os tribunais marcaram a data para o julgamento em junho de 1993; a Companhia de Seguros estava solicitando intervenção no processo por fraude de seguro e estou bem certo de que os advogados da AMORC foram até ela dizendo que não havia nenhum litígio e que um rápido acordo entre todos os envolvidos seria sua melhor opção. Mas com relação a se reunirem com o objetivo de rever se haviam ou não me “expulsado” por justa causa — é só minha opinião — não acredito. Eles já sabiam que suas acusações eram sem fundamento, ao menos de acordo com Christian que fez questão de me dizer no dia anterior em que a ação judicial fora registrada (na sexta-feira, 12 de abril de 1990) que nem ele nem nenhum dos Grandes Mestres pensavam que eu era culpado de qualquer má ação. Quando ele me disse isso, o assunto do desfalque e os outros não tinham vindo à tona e não entendi por que ele estava me dizendo aquilo. Contudo, fazer uma revisão sobre algo que eles já sabiam não faz muito sentido para mim. 29. P — Imperator Stewart, o sr. pode nos dizer algo sobre a cerimônia para a “instalação” de Christian Bernard? R — Eu não tenho nenhum conhecimento direto sobre a cerimônia de instalação, exceto saber que a que eles usaram não foi a mesma que Ralph Lewis escreveu. Por que Christian escolheu não usar o ritual de Ralph, não sei. No que se refere ao ritual usado para Christian, foi-me dito por um dos diretores da Suprema Grande Loja — que ainda serve nessa posição — que Christian tinha pedido a Martin Erler (um estimado Rosa-Cruz alemão, que é o sucessor de Emile Dantinne, ou Sar Hieronymus como ele é mais popularmente conhecido) para executar a instalação. Também me foi dito que sr. Erler rejeitou o convite de Christian. Mas como disse, não tive nenhum conhecimento direto sobre isso e posso somente dizer o que me contaram. Entretanto, independente disso, sou levado a acreditar (pela mesma fonte acima citada) que a cerimônia de instalação finalmente escolhida e utilizada para a instalação de Christian foi uma escrita pelo Grande Mestre alemão da AMORC, Wilhelm Raab. Conforme entendo,

ela foi escrita por Wilhelm, mas deve ser ressaltado que Wilhelm Raab teve um ataque cardíaco na época da instalação e, como resultado, não pode conduzi-la. Foi-me dito que Irving Söderlund instalou Christian em seu lugar. 30. P — É verdade que o sr., Imperator Stewart, excomungou todos os membros da Diretoria no dia 12 de abril de 1990? R — Não, não é verdade — se bem que se não me falha a memória, os diretores votaram excomungar-me mais tarde naquele dia, ou no dia seguinte. Todavia, o que fiz no dia 12 foi tentar reverter a decisão votada mais cedo naquele dia de expandir a Diretoria para incluir os Grandes Mestres e voltar ao padrão da Diretoria de cinco membros. Eu não queria removê-los como Grandes Mestres ou membros — que é o que a excomunhão teria feito — mas mais exatamente, simplesmente removê-los da Diretoria. Eu realmente demiti Burnam Schaa e Warren Russef, mas também não os excomunguei. Constitucionalmente, um membro da Suprema Grande Loja também tem que ser um membro em situação regular da AMORC. Se eu os tivesse excomungado, removendo assim sua afiliação, então, em virtude disso, eles não mais poderiam ser diretores. Foi-me dito que isso seria sustentado no tribunal. Entretanto, decidi não fazer isso porque considerei que tal ação seria um abuso de meu poder desde que minha intenção não era a de retirar a afiliação ou a posição de Grande Mestre de ninguém. Em outras palavras, eu não ia exercer um poder no interesse de uma conveniência. 31. P — Imperator Stewart, no mês passado (novembro de 1998) num Fórum durante a convenção da AMORC no Brasil, o Grande Mestre Charles Parucker disse que uma das razões que a Diretoria tinha para exonerá-lo era que o sr. queria que um neófito dirigisse a Grande Loja Espanhola e que a Diretoria não concordava com essa decisão. O sr. poderia, por favor, comentar essa afirmação e esclarecer isto para todos nós? R — Até onde sei, as razões que eles mencionaram relacionadas à minha exoneração estavam expressas nas queixas registradas na Corte Superior de San Jose na Califórnia e tinham a ver com o alegado desfalque e acusações correlatas. Embora eu tenha tomado conhecimento depois de ter designado o novo Grande Mestre e depois de ter ele sido

aprovado por unanimidade pela Diretoria, que havia alguma discórdia entre alguns dos Grandes Mestres com referência à minha escolha, não acho que esse ponto era uma razão naquela época — uma desculpa, talvez, mas não uma razão. Mais exatamente, eu me inclino a pensar que a suposta afirmação de Charles é mais uma tentativa de justificar ações passadas do que qualquer outra coisa, considerando que todas as alegações registradas na ação judicial foram retiradas. Não obstante, em resposta à afirmação de Charles, o indivíduo a quem ele está se referindo e alegando ser um neófito na ocasião é o Dr. Antônio de Nicolas. Antônio ocupava uma posição permanente como professor de filosofia na Universidade de New York, Stonybrook, antes de deixar essa posição para oferecer seus serviços e habilidades de especialista para a AMORC. Na época, ele já havia passado 30 anos dedicando-se ao Caminho Espiritual e tinha publicado nada menos do que 17 livros sobre uma variedade de assuntos incluindo a disciplina e a prática espiritual, filosofia e poesia. Embora sendo membro da AMORC por somente cerca de um ano quando eu o nomeei Grande Mestre da Grande Loja Espanhola, dificilmente poderia ser dito que ele era um neófito em qualquer outro aspecto exceto pelo tempo que pagava as mensalidades da AMORC. Ele era bem versado no Rosacrucianismo — histórica, filosófica, misticamente e na prática — embora sua experiência prévia na R+C (Rosa-Cruz) não viesse da AMORC ou de qualquer outra organização Rosa-Cruz conhecida popularmente. Mas tampouco Raymond Andrea ou outros dos primeiros Grandes Mestres da AMORC possuíam tal experiência quando foram nomeados para suas posições. Isto é, quando H. Spencer Lewis nomeou Andrea Grande Mestre da Inglaterra, alguns poderiam ter interpretado que ele também fosse um neófito porque ele foi feito Grande Mestre e membro ao mesmo tempo. Ao contrário do que Charles e talvez outros diretores da AMORC possam acreditar ou atualmente praticar, a norma para a nomeação deve ser baseada na qualidade das experiências e na habilidade e não somente pelo número de anos que uma pessoa pagou suas mensalidades. Além disso, você deve considerar que o próprio Dr. Lewis foi nomeado Grande Mestre praticamente ao mesmo tempo em que ele se tornou um Rosa-Cruz — e isto era devido às

suas habilidades. Como declarei acima, ao contrário da alegada afirmação de Charles de que a Diretoria da AMORC não concordava com minha decisão de nomear Antônio como o Grande Mestre Espanhol, eles com certeza concordaram, e eu esperaria que se ele acreditasse ser isso importante o suficiente para até mesmo fazer tal afirmação, ele deveria ter sido consciencioso o suficiente e ter sido mais cuidadoso e justo com relação ao que queria dizer e em que contexto estava falando. Talvez Charles não reconheça a autoridade da Diretoria anterior da AMORC que existia de 1915 até abril de 1990 e que sempre consistiu de 5 membros, mas independentemente disso, foi aquela Diretoria que colocou em vigor a minha nomeação. Eu nomeei Antônio como Grande Mestre no início de março de 1990 e na nossa reunião anual da Diretoria da Suprema Grande Loja que ocorre todo mês de março, por volta do Ano Novo Rosa-Cruz, minha nomeação de Antônio foi unanimemente aprovada pela Diretoria. Naquela época, a Diretoria era composta de mim mesmo, Christian Bernard (que também era um Grande Mestre), Peter Bindon, Warren Russeff e Burnam Schaa — todos os quais aprovaram essa nomeação sem jamais exprimir uma palavra de preocupação ou objeção. Conseqüentemente, dizer que a Diretoria não concordava com minha decisão e que esta foi uma razão para minha “exoneração”, simplesmente não é verdade. Entretanto, alguns dos Grandes Mestres (com, aparentemente, a notável exceção de Christian que já estava na Diretoria e votou a favor de Antônio) não queriam Antônio como Grande Mestre como depois descobri na reunião do Conselho dos Grandes Mestres realizado em Edimburgo no início de abril. Wilhem Raab foi bastante eloqüente sobre isso. Todavia, na ocasião em que adiamos a reunião de Edimburgo em favor de realizar uma reunião especial da Suprema Grande Loja em San Jose com o propósito de expandir a Diretoria para incluir os Grandes Mestres, a questão da nomeação de Antônio surgiu na reunião especial da Diretoria depois que os Grandes Mestres foram eleitos para a Diretoria e solicitaram uma votação para exonerá-lo como Grande Mestre. Mas não acho que a verdadeira razão pela qual quisessem exonerá-lo fosse porque ele era um “neófito”. De

fato, acho que a verdadeira razão pela qual queriam que ele fosse embora era justamente o contrário e era principalmente porque alguns Grandes Mestres estavam com ciúmes (e talvez um pouco intimidados) das experiências e habilidades de Antônio. Antônio fala várias línguas incluindo Latim, no qual a maioria dos antigos textos Rosa-Cruzes foi escrita, é professor de filosofia, bem versado na disciplina espiritual, bem-sucedido nos negócios, etc. Em outras palavras, ele com certeza era (e ainda é) mais do que qualificado e capaz de ser um Grande Mestre. De qualquer forma, como pode ser visto, há muito mais sobre a história do que aconteceu, e cabe a todo Rosa-Cruz que tem interesse nesse assunto, independentemente de sua afiliação, buscar as opiniões e os pontos de vista de todas as pessoas envolvidas. 32. P — O que aconteceu com o Dr. Nicolas? Ele se uniu à CR+C ou permaneceu com a AMORC? R — Ele foi excomungado da AMORC e considerado réu na mesma ação em que eu fui. Está atualmente com a CR+C e eu o reconheço como Grande Mestre mesmo embora esta seja uma posição atualmente não-operante na CR+C. +++ A entrevista continuará à medida que novas perguntas forem feitas e respondidas. Com relação aos acontecimentos de 1990, a seguir está a continuação de uma entrevista com o Imperator Stewart realizada a partir de novembro de 1998. As questões aqui formuladas são as mais comumente feitas por aqueles que têm escrito solicitando a posição do Imperator Stewart sobre o que ocorreu. Não haverá editoração e as respostas são aquelas do Imperator Stewart na íntegra. 1a. P — Imperator Stewart, nós aparentemente estamos na fase ativa do ciclo de 108 anos desde 1909, promovendo a filosofia e a atividade RosaCruz. Pode o sr., por favor, nos transmitir uma compreensão adicional a respeito deste ciclo de 108 anos e o que deveríamos esperar? R — Ralph Lewis abordou este assunto de maneira bastante extensa nas

décadas de 70 e 80. De forma resumida, ele basicamente disse que porque o mundo era então muito menor em que a comunicação e a informação não eram mais acontecimentos isolados; porque a Ordem era mais unificada e universal em relação a certos aspectos da sua tradição do que ela tinha sido no seu passado; e porque aquilo a que nós nos referimos como (um tanto vagamente, eu diria) civilização estava se aproximando de uma encruzilhada muito importante, o papel que o Rosacrucianismo do futuro (conforme definido dentro dos parâmetros da AMORC) representaria com relação a ajudar no desenvolvimento da espiritualidade humana seria determinado mais pela necessidade do que por qualquer outra coisa. Em outras palavras, uma vez que o mundo hoje é tão diferente do que era há um ou mais séculos atrás, nós não podemos definir ciclos de inatividade e atividade da mesma maneira que podíamos no passado. No passado, por exemplo, uma linhagem Rosa-Cruz trabalharia através de seu ciclo em determinada região e concluiria sua missão dentro de um determinado período de tempo. Então, ela descansaria e deixaria sua influência se estabelecer e moldar atitudes e acontecimentos. Ao mesmo tempo, contudo, talvez a 100 milhas de distância (que era uma distância impossível para a maioria das pessoas, há meramente poucos séculos atrás), um excitante “novo” movimento e “do qual nunca se ouvira falar antes” estava começando e se chamava “Rosacrucianismo”... Como se deduz, os ciclos não são fixados como às vezes pensamos sobre eles e muito depende da perspectiva, da necessidade e naturalmente do trabalho de acordo com a Lei Cósmica. Com isto em mente, Ralph tinha a noção de que atuaríamos de acordo com o que fosse necessário quando o tempo chegasse, mas era da opinião de que entrar na “inatividade” significaria pouco mais do que cessar todos os anúncios públicos para afiliação. Novos membros seriam aceitos e trazidos basicamente através de comunicação oral e naturalmente os

membros existentes continuariam ainda indo a Convocações e recebendo os ensinamentos, etc. Acho importante destacar que desde o começo do Rosacrucianismo, nunca houve um período de inatividade no sentido de que o Trabalho tenha cessado ou de que as pessoas foram deixadas sem nenhum suporte. O Rosacrucianismo é motivado por uma missão, e a natureza dessa missão é a de partilhar a Verdade e trabalhar em direção de uma evolução espiritual. Até este objetivo ser atingido, não haverá e nem pode haver cessação de nosso Trabalho e responsabilidade. Acho que se compreendermos isso, estaremos em melhor posição para compreender verdadeiramente o que queremos dizer por um período de inatividade e o que ele acarreta. À luz disto, penso que é imperativo compreender a diferença entre a alma e o veículo (independentemente de se ele se relaciona a um indivíduo ou a uma entidade). Talvez existam muitas pessoas que, por qualquer razão, tenderão a identificar o Rosacrucianismo como o veículo. Isto é, elas pensarão mais em termos da organização do que em termos da linhagem, tradição ou missão, da mesma maneira que algumas pessoas são mais preocupadas com a sua aparência física do que com o seu estado espiritual. Quando isto ocorre, encontramos exemplos de vaidade e arrogância—isto é, “nós somos os melhores” ou “nós somos os únicos VERDADEIROS RosaCruzes...” etc. Contudo, se nos concentramos em nosso Trabalho e Tradições, todas essas outras coisas parecem completamente sem sentido. Também, de uma perspectiva menos arrogante, podemos adquirir uma melhor compressão sobre a questão dos ciclos e o que se pretende que eles signifiquem. Todas as coisas passam por fim pela transição, mas o espírito e alma são eternos e pelas Leis da retribuição e da reencarnação, irão se “reciclar” em manifestação neste estado de existência. Entretanto, a perspectiva é aqui

importante e devemos nos lembrar de que só porque alguma coisa está num estado diferente não significa que não existe ou que não continue a manter uma influência. Com relação ao fechamento do ciclo prestes a chegar (de 1909 a 2017 ou de 1915 a 2023 conforme algumas pessoas o dataram), devemos manter em mente que elas são datas da AMORC especificamente relacionadas à organização da AMORC. Devemos nos lembrar de que a AMORC não foi a primeira e nem nunca foi a única manifestação física Rosa-Cruz, no que poderíamos chamar de ciclo moderno. Houve, por exemplo, atividade documentada na década de 1860 da qual acredito a Fraternidade Rosa-Cruz se desenvolveu. Mas, mais diretamente relacionado com as várias Ordens representadas no Fórum [Rosa-Cruz de Livre-Expressão], as Ordens que representamos se desenvolveram mais ou menos a partir de uma agitada atividade que começou em 1883 com o trabalho de Papus, Péladan, de Guaita e outros mais (que foram inspirados por Charles Nodier, Levi, Pitois, etc.). Certamente existiu uma representação ativa externa do Rosacrucianismo naquela época e que certamente influenciou o Dr. Lewis e a formação da AMORC. A questão é que, independentemente das datas que usemos, o Trabalho continuará como sempre continuou. 2a. P — O que de fato acontece historicamente quando um ciclo ativo se conclui? R. — Perspectiva é uma coisa engraçada. À medida que as coisas estão acontecendo, nós lidamos com tudo de forma rotineira e não prestamos muita atenção. Como exemplo, os impactos dos atuais acontecimentos da política [norte] americana parecerão inofensivos quando comparados ao tratamento que receberão dos futuros historiadores. A vida continua. Mas... olhe dessa forma: se aceitarmos a data de 1883 como o início da atividade

externa Rosa-Cruz, então a AMORC tem estado inativa desde 1991 (que é a data na qual a AMORC se dissolveu e criou duas novas corporações; a data em que seus novos ensinamentos estavam se sendo mais claramente introduzidos; e a data em que uma nova constituição e mudanças “tradicionais” foram colocadas firmemente em vigor). A AMORC ainda continua, mas está continuando diferentemente do que era antes e não está mais trabalhando de acordo com as tradições e linhagens que a originaram— e refira-se de novo somente aos acontecimentos, ensinamentos, constituições e tradições pós 1990. Isso por si só é uma forma de inatividade. 3a. P — Esta foi uma excelente resposta, mas não estou certo de quanto nos ajudará a saber o que significará, especialmente para nós, quando a próxima fase inativa chegar, começando em 2017, daqui a somente 18 anos. O sr. poderia nos dar sua compreensão? R — Só posso falar pela Confraternidade Rosae Crucis (CR+C) e ela irá muito seguramente continuar. Ela foi planejada para funcionar de maneira mais discreta do que outras organizações Rosa-Cruzes funcionaram no passado mais recente. Mas ainda estamos crescendo e nossa força está na nossa descentralização e concentração nas tradições e nos ensinamentos e não na organização exotérica. Mesmo assim, ela está planejada para estabelecer centros no futuro, mas eles serão retiros e lugares onde os irmãos e irmãs (independente de afiliação) poderão ir para inspiração ao invés de serem centros para administração (um tipo de fórum de livre-expressão no mundo real). 4a. P — Gostaria de saber o que acontecerá com os conhecidos ensinamentos dos Lewis? R — Eles permanecerão disponíveis. 5a. P — E sobre as monografias que possamos ter? R — Lembre-se do Fama [Fraternitatis] e das Leis Rosa-Cruzes do século

17. Elas são também as Leis da Confraternidade Rosae Crucis (CR+C) e o espírito que perpetuamos. Resumidamente, o que é feito com as monografias de posse individual será determinado pelo que é necessário ser feito com elas de acordo com juramentos e promessas pessoais. Isso pode ou não significar que elas devam ser devolvidas à organização que as publica. Poderia significar que sejam disponibilizadas para um Rosa-Cruz que delas precisa ou mesmo para alguém que deseje se tornar um Rosa-Cruz. Tudo depende da situação e da compreensão de que os mais profundos ensinamentos Rosa-Cruzes não estão na palavra escrita, mas no espírito inspirado pela palavra escrita. 6a. P — O sr. pode falar resumidamente do direito legal de propriedade e dos direitos autorais dessas monografias? R — O indivíduo possuindo o Ofício de Imperator e que foi selecionado pelos meios tradicionais estabelecidos pelo Pai CR+C e pela tradição praticada tanto pelo Dr. H. S. Lewis como por Ralph Lewis e por mim mesmo e pela pessoa que me seguirá é a pessoa por direito responsável, tanto tradicional como legalmente, pelas doutrinas e rituais da Ordem. Com relação às monografias da Confraternidade Rosae Crucis (CR+C), no sentido legal, eu tenho a propriedade e possuo o direito autoral. Mas, mais importante no sentido tradicional, eu tenho a responsabilidade de garantir que elas sejam perpetuadas, fazendo de mim mais um zelador do que um proprietário. 7a. P — Existirá ainda um Imperator talvez operando em segredo? R — Existirá ainda um Imperator, mas não acho que haverá necessidade de operar secretamente... mas pense sobre isso: mesmo agora, fora do meio Rosa-Cruz, quantas pessoas sabem o que é um Imperator? 8a. P — Poderia ser possível que algum dia cada um de nós estará inteiramente por sua própria conta?

R — Em um sentido bastante importante, estamos sempre preparados para estar por nossa própria conta. Com a iniciação vem a responsabilidade e com a responsabilidade vem a necessidade. Exceto em circunstâncias extremas, a necessidade requer a unidade para melhor perpetuar o Trabalho. Em outras palavras, nós como Iniciados Rosa-Cruzes escolhemos ser uma Ordem. É basicamente dessa forma que se pretendia que a Rosae Crucis trabalhasse. Cada um de nós tem a responsabilidade de guiar outros de mentes afins para o Trabalho, assim como ajudá-los a atingir seus objetivos. Algumas vezes a administração confunde isto, mas embora cada um de nós não ande por aí escolhendo Imperators e similares, nós realmente escolhemos sucessores de acordo com a nossa autoridade em assim fazer. Para alguns, isso significa dizer à nossa família ou aos amigos. Para outros, pode significar algo mais. 9a. P — Poderá alguém ou o Cósmico nomear uma outra pessoa para fundar uma organização mundana para o próximo ciclo ativo em 2125? R — Há uma linhagem tradicional na qual a autoridade é transmitida iniciaticamente... mas 2125? Vamos primeiro nos preocupar com 1999, para que haja um grupo de Rosa-Cruzes em 2125 que irá se preocupar com o que fazer. 10a. P — O sr. é livre para discutir as diferenças entre a OMCE e a MCE da AMORC? R — Eu formei a OMCE em julho de 1990 e a fundei baseado numa linhagem Rosa-Cruz que adquiri fora da AMORC três anos antes de me afiliar a ela. A OMCE é uma Ordem vibrante, tem seus próprios ensinamentos e rituais totalmente sem relação com qualquer coisa que a MCE ou a AMORC tenham jamais feito. Os rituais da OMCE estão baseados no círculo. Não existem rituais na MCE (além de dramas ritualísticos) nem jamais existiram quaisquer ensinamentos. 11a. P — Estava RML consciente da linhagem que o sr. adquiriu fora da

AMORC? R — Sim. Essa é uma das razões pelas quais eu o sucedi como Imperator. A CR+C é baseada na linhagem adquirida do Imperator Ralph M. Lewis assim como algumas outras coisas. Minha posição como Imperator de uma de muitas linhagens Rosa-Cruzes foi adquirida através da linhagem de RML, mas eu também tenho outra linhagem Rosa-Cruz. Talvez, o que você não saiba é que, a despeito do que a AMORC tem sustentado por todos esses anos, ela nunca foi a única Ordem ou Linhagem Rosa-Cruz legítima. 12a. P — O sr. está dizendo que não está fazendo uso da linhagem que adquiriu de RML como Generalíssimo? R — Não no que diz respeito à MCE ou à OMCE. Como tenho dito, a MCE da AMORC não era uma organização autêntica, mas uma de nome somente e que somente existia para ser um grupo honorário de membros selecionados da AMORC. 13a. P — O sr. é livre para discutir a linhagem que adquiriu fora da AMORC? R — Sim... De fato algo disso tem sido mencionado em outras páginas da internet. 14a. P — O sr. disse que a OMCE e a CR+C “reconhecem o Pai Christian Rosenkreutz como sendo o fundador do Rosacrucianismo enquanto a AMORC reconhece Akhenaton”. Harvey Spencer Lewis e Ralph M. Lewis disseram isso ou é uma nova descoberta? R — RML foi o primeiro a esclarecer isso quando salientou a diferença entre a história Rosacruciana alegórica e a história Rosacruciana real. No que se refere ao Rosacrucianismo, ele não existia anteriormente à sua fundação pelo Pai CR+C. Entretanto, nos inspiramos no espírito de escolas de mistério semelhantes. 15a. P — Essa é uma mudança significativa e vindo do sr., o sucessor de

RML, é igualmente significativa. O sr. tentou mudar essa visão enquanto ainda estava na AMORC? R — Sim, é e sobre isso que o golpe de 1990 realmente trata. Um mito se desenvolveu à volta da AMORC e de H. S. Lewis que não foi iniciado por HSL e esse mito criou problemas quando foi interpretado como sendo fato pelos membros. O princípio básico do Rosacrucianismo é a verdade e tentando expressar esse princípio existiram aqueles que lutaram contra ele como Christian [Bernard]. ______________________________ Nota do Redator: Já se fez alusão a parte do material que se segue em vários trechos da entrevista. Nós o colocamos aqui a fim de que não haja nenhuma dúvida quanto ao significado exato do Ofício de Imperator e o que o mesmo significa e representa para o Imperator Gary L. Stewart. O seguinte é uma discussão abrangente dos seus pensamentos sobre a linhagem passada do Dr. H. Spencer Lewis para Ralph M. Lewis, para Gary L. Stewart. [Veja nos 16a - 22a] ______________________________ 16a. P. — Para esclarecer um ponto, por favor, explique por que alguns pensam que o Ofício de Imperator é conferido por autoridade “CÓSMICA” somente. R. — Não estou certo do que você está querendo dizer quando afirma que Imperator é um ofício que só é conferido por autoridade Cósmica. Afirmar isso me parece, implica numa personificação do Cósmico baseada numa definição humana do que nós percebemos que o Cósmico seja—você sabe, uma coisa de Atualidade versus Realidade. No entanto, isto pode não ser o que você está pretendendo dizer. Se nós olharmos a seleção de líderes espirituais comparativamente, veremos que o Dalai Lama da seita gelug-pa do Budismo tibetano é escolhido por

reconhecimento. Isto é, a um grupo selecionado de lamas é designada a tarefa de procurar a mesma personalidade encarnada quando esta renasce no reino terrestre. Para todos os efeitos então, a intenção é que o Dalai Lama seja a mesma personalidade, mas que tenha sido escolhido através do reconhecimento de certos indivíduos que se espera estarem inspirados pela Lei Cósmica. O Papa, por outro lado, é eleito para o seu Ofício pelos Cardeais. Uma vez eleito, ele se torna o vínculo direto para com Deus, e todos os aspectos do Catolicismo são então determinado por ele através deste vínculo de fé. A seleção do Imperator é governada pelas Leis do Rosacrucianismo e é diferente dos dois exemplos acima. Para entender este processo de seleção, considero importante compreender duas Leis fundamentais do Rosacrucianismo. A primeira é que a filosofia mística (mais que definitivamente incluindo o Rosacrucianismo) é uma forma de panteísmo; e a segunda tem a ver com o desenvolvimento de um entendimento sólido do significado de atualidade e realidade. Se fôssemos atribuir ao Cósmico que ele fosse separado e distinto de nós, então estaríamos atribuindo uma concepção antropomórfica ao Cósmico, e, sob esse ponto de vista, suponho que poderíamos argumentar que o Cósmico pudesse “designar” um Imperator. Porém, fazendo isso, tornaríamos necessário haver pouca ou nenhuma base teleológica para a existência humana, o que significaria que teríamos abdicado às nossas liberdades básicas que Deus nos deu. Tudo isso conduziria a um mundo muito fatalista para nós. Ao invés disso, devido às nossas percepções cosmológicas panteístas da natureza das coisas, nós, como seres humanos e Rosa-Cruzes, somos inspirados a procurar e seguir uma busca espiritual porque, em última instância, percebemos que somos parte integral do todo, e é esperado de nós

que demonstremos uma responsabilidade espiritual muito profunda para pelo menos tentarmos nos comportar conforme a Lei Cósmica. Spinoza uma vez escreveu em relação a isto, que: “Como seria possível, se a salvação estivesse disponível ao nosso alcance e pudesse, sem muito esforço, ser encontrada, ser por quase todos os homens negligenciada? Mas todas as coisas excelentes são tão difíceis quanto raras.” Em outras palavras, é da natureza do Cósmico que procuremos voltar para casa. Não é uma questão de atirar um laço e sermos puxados de volta em meio a gritos e chutes. Nós temos que fazer por merecer esse direito. Subseqüentemente, se qualquer aspecto de nossas vidas fosse predeterminado ou préordenado pelo Cósmico, nós não estaríamos em posição de conquistar esse direito. Estas coisas são levadas em conta no que diz respeito à seleção de um Imperator. Eu não escolhi me tornar Imperator, pois essa escolha não foi dada a mim. Minha escolha era aceitar ou rejeitar a seleção. A escolha cabia a Ralph Lewis, e ele levou muitos fatores em consideração, dos quais inspiração Cósmica foi uma grande e importante parte. Mas dizer que o Cósmico “lhe disse” para selecionar a mim, ou a qualquer um, não seria correto. E se eu reivindicasse que fui designado pelo Cósmico e negasse a Lei e Costume Rosa-Cruzes, cujos preceitos são claramente expressos, eu seria culpado de crimes contra o Rosacrucianismo. Se você está pensando que um Imperator necessariamente é um Mestre Cósmico, isso não é verdade. Todos têm o potencial para tornarem-se Mestres, e é isso o que Rosacrucianismo ensina. Um Imperator, por outro lado, é simplesmente uma pessoa que é selecionada para tornar-se o líder espiritual do movimento Rosa-Cruz e a ele é dada a tarefa de perpetuar e

proteger esse Movimento durante o seu mandato (vitalício). Nós temos que controlar nosso saldo bancário e escalar a escada da consecução como todas as outras pessoas. Se, depois de selecionado, eu passasse a reivindicar que tinha alcançado a perfeição, ou que estou aqui porque o Cósmico me selecionou—e, portanto todos vocês têm que escutar o que digo — figuraria na história como o Imperator Idiota. Ao invés disso, vejo minhas responsabilidades como alguém que deve prestar bastante atenção ao que está acontecendo e responder adequadamente. Nosso Trabalho está primariamente no reino terrestre e nossa tarefa é tentar estabelecer uma condição espiritual para o benefício de todas as pessoas. 17a. P. — Não é possível, de acordo com minha compreensão, para um mero mortal—a despeito de seu nível de consecução espiritual — “escolher”, da maneira que o sr. descreve? R. — Todos os humanos têm a liberdade de escolha e essa liberdade pode ser nossa salvação ou nossa perdição. Um Imperator não é diferente, nem é o Rosacrucianismo garantia de salvação e existência perpétua. Temos que perpetuamente fazer por merecer nossa existência, e se não tomarmos cuidado, podemos perdê-la tanto por fatores externos quanto internos. Um bom modo para começar a perder nossa existência é abdicarmos de nosso direito de discutir livremente. Fazer isso conduziria à apatia. A mim foi dada uma incumbência sagrada e pretendo assegurar que a mesma seja passada adiante, quando a hora chegar, em conformidade com a Lei. Um Imperator não está acima da Lei. 18a. P. — Pelo que entendi, o “título mundano” de Imperator (no sentido de Presidente de uma Corporação) não conduz, ou necessariamente tem qualquer coisa a ver com o “ofício Cósmico” de Imperator. A alguns parece, Imperator Stewart, que o sr. possa estar confundindo esses termos, estou errado?

R. — Não, eu não estou confundindo os termos. Sou muito claro quanto à diferença entre um presidente corporativo (qualquer que seja o termo usado) e o Ofício de Imperator. Realmente, o Ofício é uma incumbência sagrada. Mas cada um tem uma visão diferente, e estou meramente oferecendo a minha para consideração. O Conde de Saint Germain uma vez escreveu que os maiores obstáculos, que nos fazem tropeçar ao longo do Caminho, são a arrogância e a indiscrição e, se você pensar nisso — uma, a outra, ou ambas, são o que normalmente constituem a Noite Negra da Alma. A todos nos faria provavelmente algum bem, se pensássemos nisso de vez em quando... 19a. P. — Imperator Stewart, o sr. diz que não escolheu tornar-se Imperator da AMORC, mas para algumas pessoas foi dito que não havia nenhuma evidência de que o Imperator Ralph Lewis o escolheu como o sucessor dele. Muitos não souberam se deveriam ou não dar crédito a essa informação na época. Poderia, por favor, esclarecer este assunto? R. — Muitas coisas aconteceram na época da transição do Imperator Lewis que tenho mantido realmente em sigilo, por várias razões que vou, mais que provavelmente, acabar discutindo com o passar do tempo. Mas além da transição de Ralph em um nível pessoal, creio ser importante discutir a atitude que Ralph teve em relação ao processo de seleção. O pai dele nomeou seu sucessor em seu testamento pessoal, e embora a seleção estivesse clara, Ralph ficou muito desencorajado com a procissão de indivíduos que visitaram Dr. Lewis em seu leito de morte com motivos pelos quais o testamento deveria ser alterado. Como resultado, Ralph não quis recriar aquela condição; e assim, nunca escreveu a sua escolha em seu testamento e, até onde sei, nunca, na verdade, me nomeou especifica e diretamente por escrito em documentos destinados ao público em geral. Ele, de fato, me deu uma carta que assim indicava, e pode ter feito outras referências à mesma em outros lugares, pois ainda há muitos documentos

dele que não vieram à tona, mas até onde sei, ele nunca fez isso. No que diz respeito àqueles que alegam que não há nenhuma evidência de que ele me escolheu, discordo fortemente. Ele me notificou que eu deveria ser seu sucessor em 1985—e prefaciou sua declaração com: “desculpe fazer isto com você...”, mas também declarou reservar-se o direito de mudar aquela escolha, caso assim decidisse. Se essa fosse toda a evidência existente, quer dizer, minha palavra contra a de outra pessoa, então nós estaríamos num beco-sem-saída no que tange este tópico. No entanto, foi nessa época que ele começou a me treinar—ao menos para aquilo que eu entendi estar sendo treinado. Antes disso, eu sempre achei que nos sentávamos para “bater papo” com discussões pouco específicas sobre Spinoza, filosofia em geral, Rosacrucianismo, tendo a mim como um confidente para assuntos gerais. Em junho de 1986, quando Raymond se desligou da Suprema Grande Loja, declarou em sua carta que assim o fazia por duas razões. Uma razão era pessoal, mas a outra foi declaradamente para abrir espaço para mim na Suprema Grande Loja, e ele aconselhou fortemente que Ralph me nomeasse abertamente como sucessor e me desse o título de Vice-Imperator. Raymond também declarou naquela carta que eu deveria ser o último Imperator americano, e que o próximo deveria ser um francês. Em outras palavras, Ralph realmente falou para outras pessoas, sendo Raymond e Christian apenas duas delas, sobre sua escolha de sucessor. Não obstante, Ralph, Cecil Poole e eu discutimos a possibilidade de uma seleção aberta. Enquanto Cecil era favorável a isto, Ralph e eu não o éramos, simplesmente porque isso poderia criar uma situação complicada caso Ralph mudasse de idéia, o que sempre foi sua prerrogativa. Isso também poderia refletir negativamente sobre mim, pois se ele mudasse de idéia, não necessariamente seria porque eu tivesse feito algo errado — talvez, poderia meramente ser, porque alguém

melhor aparecera. O que aconteceu em seguida foi que fui levado às pressas para a França para reuniões com os Bernards, e aproximadamente um mês após a minha volta, Cecil abdicou do cargo de Vice-Presidente da Suprema Grande Loja (mas permaneceu membro) para que eu pudesse tomar seu lugar. Eu, particularmente, não concordei com essa decisão, mas Cecil podia ser bem persuasivo quando queria ser. Mas o ponto principal aqui é que todos sabiam que eu cumpriria os desejos de Ralph sendo ou não o sucessor nomeado quando da sua transição. É basicamente para isso que serve a posição de VP. Pouco tempo depois, Christian foi chamado a San Jose, e nós quatro tivemos uma série de reuniões (Ralph, Cecil, Christian e eu), onde foi decidido que Christian seria transformado em um membro “ex-officio” da Diretoria e seria votado a ingressar quando a próxima vaga estivesse disponível (o que não aconteceu até a transição de Ralph). O propósito era assegurar que houvesse voto majoritário para que eu me tornasse Imperator. Devido às experiências de Ralph em 1939, onde ele enfrentou muitas críticas porque se alegou que a única razão dele ter se tornado Imperator era que ele era filho do pai dele, ele quis evitar recriar aquele tipo de ambiente. Ao invés disso, ele quis que existisse uma condição que demonstrasse unidade pela Ordem, e onde a sua escolha fosse ratificada pela Suprema Grande Loja. Isso de certa forma criou alguns outros problemas (nós os havíamos previsto, no entanto) e espero ter encontrado a solução para meu sucessor. Há quatro pessoas a quem notifico por escrito quem meu sucessor é, e eles sabem o seu nome. Há uma outra pessoa a quem nomeei para instalar o novo Imperator, e só ele/ela e eu mesmo sabemos quem ele/ela é — embora o nome dele/dela esteja num envelope lacrado — mas estou divagando... De qualquer modo, Cecil iniciou uma reunião informal sobre a seleção logo

depois que Ralph morreu, no dia anterior à reunião oficial da SGL, onde disse, sem rodeios, algo do tipo “Gary foi escolhido para ser o próximo Imperator. Alguma objeção?”. Ninguém admitiu para ninguém que havia qualquer objeção, e minha nomeação foi ratificada por unanimidade no dia seguinte. Mas dizer que não há nenhuma evidência de que Ralph me nomeou é, na minha opinião, um pouco incompleto, pois há um par de documentos que claramente indicam sua escolha. O primeiro é uma carta que ele escreveu para mim dizendo que o anel de Imperator que ele usava — e que era o mesmo que o pai dele usara — só deveria ser usado por um futuro Imperator descendente dos Lewis, e que eu teria que mandar fazer o meu próprio anel. Ele também reforçou esse ponto pelo menos cinco vezes, uma vez que o assunto era muito importante para ele e que também era uma condição que o Dr. Lewis havia posto em seu testamento. Quando da reunião da SGL, informei aos outros sobre isso, e acredito que conste do livro de atas. Também, há o Juramento de Imperator escrito especificamente para mim que tive que assinar antes da instalação e que também foi adicionado ao livro de atas. Além disso, Ralph escreveu uma série de cartas dizendo quem ele não nomearia como Imperator, mas isso é uma outra questão. De qualquer maneira, no final das contas, no que diz respeito a mim, a Tradição Rosa-Cruz foi mantida e perpetuada e é isso o que me é também confiado fazer. Pretendo levar a cabo minha responsabilidade como fui treinado, como também fazer tudo em meu poder para assegurar que a integridade do Ofício seja perpetuada. Eu vejo o Ofício como uma responsabilidade que se aceita para Trabalhar, não como um título de realizações obtidas. O fato é que há um bom número de pessoas que conheço, que podem lidar com as responsabilidades do Ofício de forma igualmente efetiva porque têm a atitude correta para com o que é esse

Ofício. É quando as pessoas começam a transformá-lo em algo que ele não é, que nós começamos a ter problemas. Essa é um das razões porque tento passar uma parte grande de meu tempo escutando — é uma forma de conferir e avaliar para ter certeza de que executo minhas obrigações de forma adequada e de que, inadvertidamente, não falho em meus deveres. Finalmente, numa observação pessoal, se as pessoas me reconhecem como Imperator ou não, certamente não vem ao caso. O que importa é que todos o Rosa-Cruzes trabalhem para perpetuar o espírito e ideal do Caminho RosaCruz. Pouco importa que variações do Caminho se escolha seguir, desde que o que haja no coração permaneça puro. 20a. P. — O Imperator Lewis, alguma vez, revelou seus desejos a alguém mais? Caso afirmativo, por favor, seria possível dizer-me quem eram? R. — Além daquelas pessoas acima citadas, não soube, até depois de 1990, que ele havia de fato contado a outras—e uma vez, se entendi bem, em um ambiente semipúblico onde lhe foi perguntado por que eu havia sido selecionado. Dr. John Palo de Nova Iorque contou-me isso. 21a. P. — O Imperator Lewis, alguma vez, tornou seus desejos conhecidos por escrito? R. — Fora aquilo que escrevi acima, não que eu saiba. 22a. P. — Há qualquer evidência escrita que o sr. possua? Caso afirmativo, poderia me dizer onde essa prova escrita está guardada e como seria possível para alguém ver uma cópia dela? R. — Tenho uma ou duas das cartas de Raymond arquivadas em algum lugar, assim como a de Ralph. No momento oportuno, pretendo inclui-las em meu Confessio. Quanto ao Juramento, não tenho uma cópia dele, embora acredite que circularam cópias alguns anos atrás. Creio que o modo mais apropriado para ver cópias do material no momento, ou pelo menos receber confirmação da existência do mesmo, é contatar os

indivíduos diretamente — i.e., pergunte ao Raymond se ele, alguma, vez escreveu tais cartas. Porém, nunca ouvi ninguém afirmar que Ralph não me escolheu como seu sucessor. Apenas que não havia provas de que ele assim o fez — o que é outra coisa completamente diferente e, na minha opinião, uma afirmação deveras evasiva levando-se em consideração a importância do assunto. Não obstante, antes de tornar esses documentos públicos, quero dar-lhes cuidadosa atenção e considerar todos os fatores. Francamente, não pensei muito sobre isso até agora por não achar isso algo tão necessário. 23a. P. — Houve muitas informações errôneas e rumores espalhados para as pessoas, que até mesmo continuam circulando hoje e, neste momento, estou muito contente pelo sr. ter respondido estas perguntas que foram um tanto incisivas. Minhas desculpas se o coloquei numa situação difícil. R. — Nenhuma desculpa é necessária. Você tem o direito de saber o que penso e todo direito de perguntar. Infelizmente, há muitas informações equivocadas circulando sobre todas as pessoas. Isso é o que acontece quando as pessoas brincam de ‘telefone-sem-fio’. É por isso que acho importante que as pessoas empenhem-se em ir à fonte para obter suas informações. Evita-se muita confusão desse modo. +++ Tradução em português da Carta da CR+C do Imperator 23 de outubro de 1993. PARA: Comendadorias da Ordem da Milícia Crucífera Evangélica (O.M.C.E.) Lojas e Capítulos da Confraternidade Rosae Crucis (CR+C) DE: Gary L. Stewart, Cavaleiro Comandante e Imperator

Ref.: Declaração INSTRUÇÕES: Para ser lida aos membros reunidos, antes ou após o Trabalho Ritualístico. Cópias desta carta podem ser distribuídas aos membros presentes que a solicitarem. Embora esta não seja uma declaração confidencial, não a estarei difundindo entre os membros em geral nem deve ela ser publicada em qualquer boletim. Caros irmãos e irmãs: Inicialmente eu havia decidido fazer uma simples declaração comunicando que a ação judicial entre mim e a AMORC estava terminada e agradecendo a todos os irmãos e irmãs que apoiaram tanto o Ofício do Imperator quanto a minha pessoa no decorrer dos eventos dos últimos três anos. Como vocês todos estão bem cientes, pouco falei sobre a questão judicial e, no pouco que realmente falei, jamais critiquei ou ataquei quaisquer indivíduos ou entidades. Mais precisamente, incentivei-os todos, independentemente de suas inclinações, a concentrar suas energias no Trabalho Espiritual. Palavras são inexpressivas a menos que estejam unidas a atos de realização. E se nossas palavras e ações são puras e a Serviço da Luz, então resistimos isentos e livres da fraude e do motivo dissimulado. Na Senda Espiritual a clareza de propósito e de direção é essencial. Para o Rosa-Cruz, a liberdade da Verdade — e a busca de tal liberdade — é apenas um dos muitos aspectos da criação do Movimento. Se não mantivermos tais atributos, se não mantivermos um alto nível de integridade e responsabilidade, então nada temos e nada representamos. Eu mantive silêncio por uma razão crucial — embora existissem outras de menor importância — e assim foi porque nosso Trabalho é por demais importante para degradar-se em função de nosso envolvimento na sujeira de um processo civil de uma Corporação. Por que travar batalhas com indivíduos que nem mesmo compreendem a guerra? Com pessoas que

persistem na publicação de propaganda enganosa? Temos apenas um propósito, que é o de Servir à Luz da Verdade! Outros preferiram defender suas ações; mas a que preço? Não são a mentira, a falsificação e a deturpação da verdade as marcas das trevas da ignorância? Felizmente, no tocante a esta situação, os seguidores de tais procedimentos são a minoria. Mas o que essa minoria conseguiu? Nada além de enfraquecer uma entidade e torná-la vulnerável aos abutres que não têm outro propósito a não ser o de se lançar como aves de rapina sobre os fracos, e que se identificaram com o propósito declarado de destruir por vingança. Os abutres aos quais me refiro são aquela entidade que professa estar “servindo aos ideais do movimento Rosa-Cruz”. Essas Crônicas não valem o tempo gasto para lê-las, e certamente não refletem o pensamento Rosa-Cruz de forma nenhuma. Eu quebrei meu silêncio e ao fazê-lo, rogo para que os leitores desta carta mantenham sua concentração na realização do Trabalho Espiritual, e se recusem a ser perturbados pela emotividade, envolvendo-se em qualquer outra coisa que não seja a pureza de seu próprio Trabalho. Não censurem nem briguem com a AMORC ou com seus assinantes por causa dos atos de uns poucos. Aquela entidade precisa se curar e explorar as possibilidades de sua nova estrutura e novo propósito declarados. Não se rebaixem tornandose envolvidos nas ações professadas pelas “Crônicas Rosa-Cruzes”. Devemos nos perguntar sobre seus motivos e porque eles escolheram apresentar a verdade de forma tendenciosa e injusta. Mantenham-se, de preferência, concentrados no Trabalho Espiritual e permaneçam sem vacilar em sua Obra para o Movimento Rosa-Cruz. Foi por causa da declaração de Kristie Knutson sobre o término do processo, as inferências que ela faz e os boatos resultantes que circularam sobre aquela declaração, que estou elaborando minha própria declaração. Esta será a

última vez que me refiro a este assunto até o julgamento a ser realizado em Dallas em 1994. Então, tornarei públicos todos os documentos, a correspondência trocada com os advogados da AMORC, a Comunicação Mútua e outros itens relativos ao nosso acordo. Primeiro: Knutson declara em sua carta: “Embora não nos seja permitido revelar informações específicas sobre cada acordo, podemos lhes dizer que os acordos foram favoráveis à AMORC e incluíram o recebimento de fundos do Silicon Valley Bank e de vários outros acusados”. Ela declara, e nos leva a crer, que o acordo entre mim e a AMORC fora feito sob uma cláusula de confidencialidade e um manto de sigilo. Não o foi. Tanto eu quanto a AMORC estamos realmente livres para divulgar toda e qualquer informação relacionada ao nosso acordo. Quanto aos boatos gerados por sua declaração de que a AMORC recebera dinheiro de mim como resultado de nosso acordo, são uma inverdade. Nada paguei à AMORC ou a quem quer que fosse, indivíduo ou entidade, com relação ao processo ou ao que foi acordado. Segundo: sobre o boato que, no decorrer da resolução de nossa ação judicial, eu concordei em renunciar o direito que tinha como Imperator ou qualquer associação com o Rosacrucianismo, mais uma vez é uma inverdade. De fato, aconteceu o contrário. Fui escolhido como o sucessor de Ralph Lewis pelo próprio Ralph Lewis, e ele confirmara sua escolha informando-a a um certo número de indivíduos pré-selecionados. Jurei oficialmente e fiz uma promessa pessoal a Ralph Lewis que manteria e defenderia aquele Ofício por toda a vida e que também escolheria meu sucessor no momento adequado. Ainda mantenho, e continuarei a manter, a linhagem de Imperator a mim conferida por Ralph Lewis. Terceiro: quero deixar claro que não busquei um acordo com a AMORC. Eles me pediram um acordo e, tanto quanto eu saiba, a todas as outras partes

no processo. Finalmente, gostaria de apresentar uma breve cronologia dos eventos: a) Sexta-feira, 13 de abril de 1990: o processo judicial começa. b) 25 de abril de 1990: escolho redefinir a guerra e concordo em negociar um acordo. O acordo fracassa; concordo com a Injunção Preliminar, e retiro o Ofício do Imperator da AMORC. c) De abril a novembro de 1990: a AMORC redefine sua estrutura corporativa e nega o status Tradicional do Imperator, redefinindo aquele Ofício como sendo idêntico ao de Presidente de uma Corporação. A Corte sustenta que a Diretoria de uma Corporação tem o direito de destituir um presidente pelo voto majoritário. Considerando que a Corporação afirmou que Imperator significa presidente da Corporação, a AMORC admite a retirada do Ofício Tradicional. d) Entre novembro de 1990 e maio de 1993, tive pouco envolvimento ou conhecimento do processo, exceto pelas questões relacionadas abaixo, que me envolviam pessoalmente. e) Abril de 1991: introduzo o Ofício do Imperator na Ancient Rosae Crucis. f) Novembro de 1991: instruo meu advogado a desistir de minha reconvenção inativa contra a AMORC. g) 07 de janeiro de 1992: Efetiva-se a desistência de minha reconvenção em meu prejuízo (a favor da AMORC). h) Fevereiro de 1993: tomei conhecimento de que a AMORC e o Silicon Valley Bank entraram em acordo. A AMORC desistiu de sua queixa contra o banco e o banco desistiu de sua reconvenção contra a AMORC de conspiração e fraude. (Nota: em 1990, Donna O’Neill escreveu que a AMORC pagara US$600.000 de taxa de empréstimo ao banco, embora toda a questão ainda estivesse em litígio e tecnicamente não devesse ter sido

paga). Knutson agora escreve que a AMORC recebeu dinheiro do banco como resultado do acordo entre eles. De acordo com os documentos do Tribunal, a quantia paga à AMORC foi de US$290.000 — US$ 310.000 a menos do que a AMORC lhes tinha pagado em 1990! i) Em março de 1993, descubro que o julgamento deste caso está marcado para 14 de junho de 1993. j) Em maio de 1993, sou contatado pela firma de advocacia de San Francisco, Wallace B. Adams, que representa a “Insurance Company of North America” (INA), a quem a Suprema Grande Loja (SLG), AMORC Inc. requereu, em outubro de 1990, pagamento de seguro. Eu jamais ouvira falar dessa companhia. Uma vez que a carta de Knutson afirma: “... companhias seguradoras”, assumo que a AMORC tivesse mais de uma. A firma de advocacia me mandou uma passagem de avião em maio de 1993, e passei dois dias discutindo com eles o processo. Enquanto lá estive vi, pela primeira vez, três documentos cruciais que nunca havia visto antes: i. Uma apólice de seguro de responsabilidade criminal contra mim pela AMORC em maio de 1989; ii. Outra apólice de seguro de responsabilidade criminal contra mim em outubro de 1989. Ambas as apólices tinham validade de um ano. (Eu desconhecia qualquer uma das apólices); e iii. Um documento de confirmação por telex enviado a Burnam Schaa pela firma de Dean Whitter, confirmando que eles haviam enviado por telex a soma de US$250.000 para Pittsburgh em fevereiro de 1990, conforme instruções de Schaa. (Muitos de vocês devem se lembrar de minha alegação que, não somente não autorizei a transferência daquela quantia, como nem ao menos dela sabia a não ser semanas mais tarde. Schaa declarou sob juramento que não autorizara a transferência.). No que Irving Söderlund, em nome da SGL, AMORC Inc., requereu o

pagamento do seguro em outubro de 1990, no montante de US$300.000, por “... atos desonestos e fraudulentos de Gary L. Stewart e Nelson Harrison...” com referência à transferência de US$250.000 (feita por Schaa) e uma transferência de US$500.000 (que realmente autorizei), a companhia de seguros começou a questionar a “honestidade” da reivindicação. Através de suas próprias investigações e de conversas comigo, a INA decidiu intervir contra a AMORC no processo e a seguir deu entrada, naquele mesmo mês, nos documentos pertinentes. Eles julgaram que todas as transações conduzidas por mim estavam de acordo com os procedimentos estabelecidos pela AMORC. Antes de ir a julgamento, mas depois de intervenção, a AMORC repentinamente começou a buscar acordos com as partes restantes do processo. Não sei com que outras companhias de seguro a AMORC “fez acordos”, mas conhecendo os eventos com a INA, duvido seriamente que a AMORC tenha recebido algum dinheiro delas. Eu arriscaria dizer que o contrário ocorreu, mas uma vez que o acordo entre eles foi confidencial, eu realmente não sei. k) Em 27 de maio de 1993, recebi um fax dos advogados da AMORC declarando que estavam fazendo acordos com todas as outras partes do processo e que eu era a última parte restante. Eles retirariam a ação contra mim se eu: i. Pagasse US$100.000 à AMORC; e ii. Pagasse suas custas processuais relativas à minha reconvenção. Respondi através de um fax com quinze itens. Entre outras coisas, declarei que estava pronto para ir a julgamento, que não pagaria nenhuma quantia à AMORC, que a AMORC deveria pagar os honorários de meu advogado e que meus três anos de salários não pagos fossem aplicados como se segue:

i. 50% a serem utilizados para o desenvolvimento da AMORC em Gana; ii. 25% a serem utilizados para o desenvolvimento da AMORC na Nigéria; e iii. 25% para aquisições para o Museu Egípcio Rosacruz. Ainda afirmei que eu fosse parte eqüitativa com a AMORC na redação e aprovação de uma declaração geral marcando o fim do processo, e “que um documento fosse publicado pela AMORC esclarecendo que o título “Imperator” como utilizado pela AMORC se refere ao Presidente da Corporação e que ele é subserviente ao Conselho dos Grandes Mestres como declarado... e que eu (Gary L. Stewart) detenho a legítima transmissão do Ofício do Imperator a mim conferido por Ralph Lewis... (o qual, como registrado em Washington D.C., é somente meu enquanto eu viver, não podendo ser transferido a outro sem minha permissão, a qual não dou agora ou em futuro próximo.)”. Concordei em declarar que retirei o Ofício do Imperator da AMORC e não reivindicaria a AMORC. Em 7 de junho de 1993, os advogados da AMORC me telefonaram com uma contraproposta na qual cada um seguisse seu caminho, pagasse as custas dos próprios advogados e não reivindicasse culpa ou responsabilidade à outra parte. Concordei em princípio. Em 18 de junho de 1993, os advogados da AMORC enviaram por fax uma proposta para o comunicado mútuo. Fiz objeção a vários pontos. Entretanto, meu interesse crucial era com a cláusula identificadora: “Rosa-Cruzes, uma Corporação da Califórnia sem fins lucrativos”, usada para identificar a AMORC. Objetei, declarando que o uso, por eles, da palavra “Rosa-Cruz” implicaria que eu não o era. Uma vez que eu era o Imperator de um Movimento Rosa-Cruz, tal admissão de minha parte seria uma inverdade. Além disso, eu entendia que a AMORC era agora uma Corporação Canadense, como ela havia anunciado. Assim sendo, eu queria esse ponto

esclarecido. Em 23 de junho de 1993, os advogados da AMORC responderam. Eles concordaram em não usar a palavra “Rosa-Cruz” e mudaram a cláusula identificadora para “SLG, AMORC Inc”. Mais tarde declararam que “... a Suprema Loja e a Grande Loja Inglesa tornaram-se entidades legais independentes... a Grande Loja Inglesa tornou-se a sucessora interessada legal dos direitos e responsabilidades do processo no início de 1991... Colocado de maneira simples, a Corporação Canadense sem fins lucrativos a que você faz referência é uma nova entidade legal que não tem interesse neste processo.”. Respondi em 29 de junho de 1993, afirmando que entendia que eles estavam dizendo que em janeiro de 1991, a SGL, AMORC Inc. foi dissolvida nos EUA e mudou para o Canadá como uma “nova” Corporação e que também em janeiro de 1991, uma nova Corporação chamada Grande Loja Inglesa da AMORC foi formada. Se nenhuma das entidades existia antes daquela data, quem está legitimamente me acionando? Também declarei que a remoção da SGL, AMORC Inc. para o Canadá era, no meu entender, uma violação da ordem restritiva relacionada à ação que a AMORC movera contra mim e objetei que ninguém fora notificado, muito menos os tribunais. Mais ainda, declarei que nenhuma moção fora feita ante as cortes nomeando a Grande Loja Inglesa como sucessora legal e, subseqüentemente, a despeito do que possa ter sido pretendido, eu não faria nenhum acordo com uma Corporação que nem mesmo existia na época do início do processo. Finalmente, declarei que não assinaria nenhum acordo identificando a SGL, AMORC Inc. como uma Corporação da Califórnia. Eu acrescentei a palavra “Canadense”. Em 9 de julho de 1993, eles responderam, dizendo que eu estava negociando com a SGL, AMORC Inc. e sugeriram remover a “... identificação das partes por referência ao Estado de incorporação ou residência”. Em outras

palavras, a SGL, AMORC Inc. não seria referida como uma Corporação da Califórnia ou Canadense. Como só recebi a carta deles, datada de 9 de julho de 1993, em 25 de julho, devido a um erro tipográfico que eles cometeram no meu endereço, eu a respondi em 28 de julho de 1993, afirmando: “Entendo, pelo seu segundo parágrafo que a entidade com a qual estou atualmente negociando e que iniciou este processo é a SGL, AMORC Inc., a qual era uma Corporação da Califórnia em abril de 1990, e depois se tornou uma Corporação Canadense em janeiro de 1991... se os senhores puderem... me garantir que tal remoção (“da Califórnia” ou “Canadense”) é apropriada perante a corte, não farei objeções.”. Sua carta de 2 de agosto de 1993 me garantiu que tal remoção era apropriada e com esse entendimento, concordei com o comunicado mútuo. l) Em 10 de agosto de 1993, a AMORC abandonou sua ação contra mim em seu prejuízo (a meu favor). Os termos da conclusão são muito simples. Nenhum dinheiro foi trocado, ninguém reivindica culpa ou responsabilidade e ninguém admite qualquer transgressão ou má ação. Tivesse a declaração de Knutson simplesmente afirmado que o processo acabara, a minha declaração teria sido a mesma. Foi devido a implicações e boatos que senti a necessidade de entrar em maiores detalhes para esclarecer a verdadeira natureza da situação. Por favor, não me contatem com relação a este assunto, uma vez que permanecerei em silêncio até o Tribunal. (4) Finalmente, as ações provam a veracidade ou as mentiras das palavras. As ações da AMORC foram: dissolver, realizar nova incorporação e se mudar para fora do país, negar o Ofício do Imperator e redefini-lo como Presidente da Corporação, erradicando, dessa forma, os aspectos tradicionais e fraternais do Movimento Rosa-Cruz. Mas isto não é necessariamente algo ruim. A AMORC redefiniu seu propósito como uma Corporação orientada

ao público, devotada à educação pública do termo “Rosa-Cruz”. Ela não declara ser uma Ordem fraternal. O mundo realmente necessita de organizações como essa e ela deveria ser apoiada em seu trabalho — não criticada ou atacada por inimigos vingativos, como vem ocorrendo atualmente. Mas o mundo também precisa de um veículo fraternal, devotado à perpetuação do Movimento Rosa-Cruz e das Tradições, e tal veículo é a Confraternidade Rosae Crucis (CR+C), que também mantém e perpetua a integridade do Ofício do Imperator. Estou satisfeito que meu Ofício tenha mantido essa integridade a despeito dos ataques de seus inimigos. Com Paz Profunda, Gary L. Stewart IMPERATOR

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful