R

-
THE
DISCOVERY OF ABYSSINIA
_ .. • • • • •
BY THE PORTUGUESE IN 1520
.
A Facsimile if the Relation Entitled
. CARTA DAS NOVAS
VIERAM A EL REY NOSSO SENHOR
DO DESCOBRIMENTO DO PRES.TE JOHAM
[LISBON 1521]
With (m Introduction and English Translation and Notes
by
HENRY THOMAS
and a Transcription into Modern Portuguese
by
ARMANDO CORTESAO
LONDON
I 1S
PRINTED BY ORDER OF THE TRUSTEES
1938
Sold at
THE BRITISH MUSEUM and by
BERNARD QJJARITCH LTD. u Grafton Street, London, W.1
OXFORD UNIVERSITY PRESS, Amen House, Warwic.k Square,
London, E.C.4, and II4 Fifth Avenue, New York, U.S.A.
KEGAN PAUL, TRENCH; TRUBNER & Co. LTD.
38 Great Russell Street, London, W.C.1
H.M. STATIONERY OFFICE, Adastral House, Kingsway, London, W.C.2
BRITISH LIBRARY OF INFORMATION, 270 Madison Avenue,
New York, U.S.A.
Printed in Great Britain by w. LE w r s, M. A., at the Cambridge University Press
PREFATORY NOTE
A
the beginning of November, 1935, the British Museum
received a "Catalogue of Valuable Books, Manuscripts,
Autograph Letters, etc.", which were to be sold by
auction in London by Messrs Sotheby and Co. on December
9-11 of that year. Lot 592 was a Carta das novas que vieram a el
Rey nosso Senhor do descobrimento do preste ]obam [Lisbon, Germao
Galharde, 1521 ], stated to be "the earliest account of Abyssinia,
and apparently unknown''.
The National Library is so rich in relations of early voyages
and discoveries that there was every temptation to try to add this
attractive item to its collection. U nfortunatdy the sale was to take
place at the end of the year, when the Library's funds were too
depleted to permit the making of an adequate bid, especially as
the attention focused on Abyssinia at that time seemed likely to
cause the book to realize a high price. An appeal for help was
made to the "Friends of the National Libraries ". It met with a
ready and sympathetic response in the form of an offer to guarantee
a considerable proportion of what the British Museum regarded
as a reasonable price, and a suitable bid was accordingly authorized.
To the general surprise, the Carta Jas novas was secured for less than
the amount guaranteed. The "Friends of the National Libraries ''
therefore generously paid the whole of the purchase price, and
offered the book as a gift to the Trustees of the British Museum
early in January, I 936.
The copy which has now found a permanent and easily ac--
cessible home in the British Museum Library is the only one so
far recorded. Little is known of its history. Its former owner, in
whose possession it had been for some years, can. no longer recall
where it was acquired, and can give no further information about
it than that it was one of four pamphlets contained in a volume
with a number on the binding, indicating that it had figured in
V
an earlier sale. The inclusion of the Carta Jas novas in a tract
volume helps to account for its having survived so long in corn;
plete obscurity. . .
'The importance and unique character of the text have induced
the Trustees to undertake its publication in facsimile. N eith.er of
the two highly placed officials from whose reports it was composed
was a man of pronounced literary ability. The Lisbon editor did
less than he might have done towards eliminating ambiguities,
notably those arising from the indiscrimirtate use of the third per"'
sonal pronoun, though the context usually makes the meaning
clear. The compositor was not above the average of his time. The
combined effort of all four, expressed in black letter, with strange
spelling and punctuation, is not always easy reading. Hence the
Trustees accepted an offer by Dr A. Cortesao, the learned author
of Cartografia e cart6grafos portugueses dos seculos XV e XVL of a tran ....
scription into modern Portuguese, which is printed herewith. For
the benefit of English readers with little knowledge of Portuguese,
an English translation is provided. Neither the transcriber nor
the translator, however, hopes to have solved all the problems the
text presents. Some of them still await the attention of specialists
in various branches ofknowledge.
C::ONTENTS
An early Portuguese representation of the Red Sea district,
from· sheet eleven of the Portolaho of Fernao V az
Dourado, circa I 570. (British Museum Add. MS.
3 I 3 I 7) Frontispiece
Prefatory note page v
Introduction 1x
Facsimile of the Carta das novas que vieram a el Rey nosso
Senhor do descobrimento do preste Joham [Lisbon, I 52 I] 3
Transcription into Modern Portuguese 3 3
English translation 63
Notes 95
Sketch map of the Red Sea and Gulf of Aden to illustrate
the Carta das novas 99
INTRODUCTION
T
HE discovery of Abyssinia by the Portuguese in I 520,
first made known in print through the Carta das novas que
vieram a el Rey nosso Senhor do descobrimento do preste joham
reproduced herewith in facsimile, definitely solved a problem
which had puzzled Europe for centuries.
From the beginning of the twelfth century there grew up- the
legend of a Presbyter or Prester John, a priest ... king of fabulous
wealth, who ruled over a vast and powerful Christian State some ...
where in Asia. In various forms the legend was widespread
throughout Europe during the next two centuries, the supposed
location of the Prester John's extensive dominions varying from
time to time with the changing views about the Far East. By the
fourteenth century the distant Christian State had been recognized
nearer home as Abyssinia. Its exact situation and extent were still
unknown, but it fitted the legend in one important particular: it
had received Christianity in the fourth century, though it had
been cut off from Christian Europe by the spread ofMohammed ...
anism into North Africa in the seventh century, and had remained
isolated ever since. By the fourteenth century the Prester John had
become a real if inaccessible person, the Emperor of Abyssinia.
The persistence of the legend must have been due in part at least
to some form of religious contact between the churches, main ...
tained in spite of the Mohammedan barrier; but we do not find
Abyssinia and Europe attempting to establish political connexions
till the fifteenth century, when each was hoping for the other's as"'
sistance against the threatening power of the Turks. In 1427 two
emissaries from the Prester John had reached the King of Aragon.
It would have been natural for Aragon, with its Mediterranean
interests, to follow up this opening. Yet the next move came from
a country facing the Atlantic, as part of the campaign of discovery
conducted by Prince Henry the Navigator, son ofKingJohn I of
lX
Portugal and his English consort Philippa, daughter of John of
Gaunt. The Prince's·exploration ofthe·west coast of Africa, and
his attempts. to get into touch with the Prester John, were-all part
- of the Portuguese plan to reach India by sea. The Prince knew
vaguely where Abyssinia was. According . to the late King
Manuel ofPortuga1, he had established contact with the country,
by the only known route through the hostile lands of the Nile
valley, not later than 1446, and a few years afterwards he had
received Abyssinian emissaries in Lisbon.
Later in the century the Prince's explorations were continued .
in both directions by King John II. An attempt by two of his
agents to reach Abyssinia by the overland route failed because they
had not the linguistic equipment necessary for crossing the inter.;
vening Mohammedan countries. In 1487, the year in which
Bartolomeu Dias successfully accomplished his voyage of dis.-
covery to the Cape of Good Hope, the King sent another pair,
Afonso de Paiva and Pedro da Covilha, who both knew Arabic,
on a mission to the Prester John. They succeeded in crossing fi:om
the Mediterranean to the Red Sea. Afonso de Paiva soon died in
those parts. Pedro da Covilha, after wandering for several years
as far afield as India, landed on the Abyssinian coast, and reached
the Prester John's court in 1494. He was never allowed to return
home. Married and with a family, he was found in Abyssinia by
the Portuguese embassy, described in the Carta das novas, which
was sent to the Prester John in 1520.
The discovery of the sea route to India by V asco da Gama
in 1497, at the beginning of King Manuel I's reign, rendered
unnecessary any further attempt to get into touch with Abyssinia
by the difficult overland route. The establishing of Portuguese
settlements in India, and the rapid extension of the ·Portuguese
possessions there by energetic Governors in the early years of the
sixteenth century, provided bases, relatively near at hand, from
which to send envoys or to dispatch expeditions to the Red
Goa, captured by the great Governor Afonso de Albuquerque in
r 5 ro and made the Portuguese became the natural
base for such operations.
X
. .
The presence of their fleets. Arabian and ·.;_dJoining seas
brought the Portuguese into contact with. the Turks.·'f}Vo .. years
after.· Albuquerque .. captured G.oa,the ()tt()l11:J.n SpltaJ:?- Se11rn I,
'' tbe Grim", began his ruthless reign of eighty ears, during which
he vanquished the·Persia.ns 'and ·overran Arabia, Syria and Egypt,
ending up as head of the Mohammedan world. Even before
Se1Im,s time, the Abyssinians had realized their danger, and were
desirous of contracting an alliance with the Portuguese, to secure
the help of their fleets, while the Portuguese reciprocated, to gain
supplies for their expeditions, and men to supplement the limited
armed forces carried in their ships.
All this is clearly expressed in the letter appended to the Carta das
novas, where the text appeared for the first time in print. This
well ... known letter, although it did not reach Lisbon till 1514, as
stated in the heading, was written and dispatched five years earlier,
one year before Selim became Sultan. The two Portuguese envoys
who, according to the letter, bore the message "we need supplies
and men'' to the Abyssinian court, reached there in r 508, in
which year the eleven,year,.old Lebna Dengel Dawit II, known
to Europeans as David II, succeeded his father as Emperor. The
very favourable reply, with its offer of military and matrimonial
alliances, was written for the youthful Emperor by the regent,
O!!een Helena, in conjunction with the and sent
by the ambassador Matthew, an Armenian related to the
perial family by marriage. The fear expressed in the reply that
Matthew might be robbed by the "Moors" was justified. He left
for Portugal in I 509, and on reaching Dabhol, to the south ofBom,.
bay, in rsro, he was detained and relieved of the presents he was
taking to King Manuel, among other things. By the intervention
of the Governor Albuquerque he was eventually released, and his
goods were restored to him.
In Goa, some thought that Matthew was an impostor and a
Turkish spy, to which his Armenian origin lent colour. The sus..-
picion that he was not a genuine ambassador did not leave him till
he landed again in his own country in I 520, as will be seen from
the beginning of the Carta das novas. He was, however, honourably
.
XI
received . and well treated by Albuquerque, who sent him on to
Portugal in the fleet that left Goa for home at the beginning of
ISI3. Once out of reach of Albuquerque 's protection, Matthew's
genuineness was again doubted, and he was ill treated on board
ship; but when the long..-delayed fleet arrived in Lisbon early in
I 514, he was ceremoniously welcomed by King Manuel, who did
his best to make amends. The ambassador presented Qgeen
Helena 's letter and the little cross described therein, made from the
wood of the true cross. It was over a year before he left Lisbon, and
he was there long enough to be once more the victim of suspicion.
Meantime, events occurred in the East to influence the character
of the embassy King Manuel sent to the Prester John in return, and
his instructions to the commander of the fleet in which that em..-
bassy sailed. In I 5 ~ 3 the Governor Albuquerque, after an un..-
successful attack on Aden, had led the first European fleet into
the Red Sea. In I 514 Selrrn the Grim had overcome the Persians
and turned his victorious armies southwards. The danger to
Abyssinia, to Portuguese expansion in the East, and to Christi..-
anity, was obvious. When in the spring of 15I5 Lopo Soares was
sent by King Manuel with a strong fleet to India to supersede
Albuquerque as Governor, he had orders to enter the Red Sea,
destroy the Turkish fleet, capture Jidda, the port of Mecca, and
land the embassy at Massawa, for the port of entry to Abyssinia
was the same then as now. The King's ambassador was the
learned and experienced D_uarte Galvao. He took with him
valuable presents for the Prester John, and was accompanied by a
large party, including the priest Francisco .Alvares, and of course
the returning ambassador Matthew.
The fleet reached Goa in the autumn of I515, but it was not till
after another year's preparation that Lopo Soares sailed for the Red
Sea with a powerful armada at the beginning of 1517. The ex..-
pedition was a complete failure. Soares withdrew from before
Jidda without even attacking the Turkish fleet, he did not succeed
in landing either of the ambassadors in Abyssinia, and he suffered
considerable losses. Duarte Galvao, an old man of over seventy,
died in the island of Kamaran, off the Arabian coast, and was
..
Xll
buried there by Francisco Matthew refused to
at any other port than Massawa, which was not found, though
part of the fleet came within a yery short distance of it, and he
carried back toindia ihthe of I5I7, to his great distress
and to the detriment of his naturally hasty temper .
. In the spring of I 5 I 8 another fleet set sail from Lisbon, taking
out a new Governor, Diogo Lopes de Sequeira. By the autumn
it had reached India, and the new Governor had learned of his
predecessor's failure to carry out the King's instructions. He fitted
out a new Red Sea expedition, prepared a new embassy to the
Prester John, and set sail. accompanied by Matthew, in February
of I 520. Of the voyage to Massawa, and ''of the discovery which
the said Captain,.,major made, with his fleet and forces, of the land
of the Prester John'', the Carta das novas tells in detail. Matthew had
at last reached home. King Manuel 's ''Governor of the parts of
India" had met the Emperor David's representative, the "Bar.;
negaes '', and concluded a treaty of alliance with him, and had
sent his embassy to the Emperor himsel£ The puzzle of the Prester
John was definitely solved, though some legendary notions of his
fabulous power and extensive dominions still remained to be dis,
sipated. This was done by Father Francisco Alvares.
Francisco Alvares accompanied the Governor's ambassador,
Rodrigo de Lima, to the Emperor's court, and remained in
Abyssinia for six years. He left the country in the spring of I 526,
and touching at the island of Kamaran on the way home, he re,
covered . the bones of Duarte Galvao and took them back for
burial in Portugal, where he arrived in I527. He described very
fully the embassy, his experiences, and what he saw and learned of
Abyssinia during his stay, in a work entitled Verdadera informafam
das terras do Preste Joam, which was published in r 540. Until I93 5
this was regarded as the earliest printed first,.,hand account of Abys"'
sinia.
1
It must now yield priority to the Carta das novas.
1
Eight years before it appeared, Damiao de G6is had given a second, hand account of the
Abyssinians, based on his recollection of statements by the Prester John's envoys in Lisbon,
in his Legatio Magni Indorum Imperatoris Presbyteri Ioannis, ad Emanuelem Lusitanite Regem, Anno
Domini. M.D.XIII. Item de Indorum fide, ceremonijs, religione &c. [Antwerp,] 1532. As the title
suggests, the account deals mainly with religious matters.
Xlll
Alvaresdeals with a considerable part of Abyssinia, on the basis
of a lengthy acquaintance, in the Verdadera informafam. The Carta
das novas describes a short section -. ··
journ;y. ''twenty leagues'' inland, on the basis of.a few weeks' stay.
But Alvares dismisses cursorily in his first five pages the whole of
the events dealt with at length in the Carta das novas, and these are
nothing less than the first official contacts of the Portuguese and
Abyssinian authorities on the Prester John's own territory, and
the concluding of a treaty of alliance between the two powers.
Such historic events may have lost some of their glamour by I540,
but they were thrilling news when they were first known in
Portugal a year after they bad happened. The reports of the
Governor of India himself and his right..-hand man were received
by the King in Lisbon on April 30, I52I. Their importance
ensured their being at once edited as the Carta das novas, and
printed ''by command ofHis Highness, with privilege''.
The Carta das novas is a thin folio of fourteen leaves, in two quires
signed A (eight leaves) and B (six leaves). It is printed on stout
paper, without water..-mark in the first quire, and with a variety of
the common "band and star" in the second. At some time the
outer margin was cut slantingly in binding; the extreme measure.-
ments of the page are now 285 x I95 mm. The type..-pages are
reproduced as nearly as possible in the original size in the facsimile
herewith. The black letter text--type (20 11. = Io8 mm.) is of the
normal size for a Portuguese folio of the time. The title is printed
in a large type (20 11. c. 200 mm.) below a cut of the armil..-
lary sphere, the whole being surrounded by decorative borders.
The only other decoration consists of four ornamental woodcut
capitals, one of them badly over,.inked.
While it is not possible from the resources of the British Museum
to establish with absolute certainty the identity of the printer, there
can be little doubt that he was Germao Galharde. Born in
France, Galharde, who must have begun life as Germain Gaillard,
migrated to Lisbon and there set up as a printer. His very pro"'
ductive career in the Portuguese capital lasted from I 5 I9 to I 56r.
Although the text..-type, in the mixed form in which it occurs
.
XlV
in the Carta Jas novas, has not been found elsewhere, the larger type,
the various sets of ornamental woodcut capitals, the border .... piece
at the foot ofthe-tide;;;pa.ge, and·the··na.trower"{}f=:-the side .... borders,
haveall been found in productions from Galharde's press .. Both
the side .... borders figure in books printed byGalharde's predecessor
V alentim F ernandes, and the cut of the armillary sphere occurs· on
the title .... pages of books printed by another predecessor, Hermao de
Campos. These two printers, who sometimes worked in con,...
junction, are not recorded as printing after 1518. Much of their
material was used by Galharde, who began printing, as far as is
known, in 1519, and it is reasonable to assume that he inherited all
their stock, and that types, capitals, borders and cut passed into
Galharde's hands, to be used in printing the Carta Jas novas in
1521.
The Carta Jas novas was apparently never reprinted. It is not
mentioned by writers of the time who dealt with the same sub ....
ject-A.lvares, Barros, Castanheda, Correia, G6is, etc.-though
some of them used it. It has not been quoted by scholars or
recorded by bibliographers, and it remained unknown till it was
entered in a salocatalogue ·two years ago. Yet it is an important
text. It is the official account of the final stages in the realization
of a Portuguese ambition after a century of effort. It records, in
the words of two of the protagonists, the contracting of an alliance
which had an important influence on Portuguese policy in the
East. It relates the beginnings of a connexion which contributed
a romantic page to Portuguese history. It provides a check on
the accounts of contemporary writers, as well as a source of new
information. As such it is offered to students of voyages and dis ....
coveries, and of early relations, in a photographic reproduction,
with a modernized transcription and an English translation.
XV
TRANSCRIPTION
INTO MODERN PORTUGUESE
BY
ARMANDO COR TESAO
CARTA- DAS N_QVA-S QUE VIERAM A_
EL REI NOSSO SENHOR DO DESCO-
BRIMENTO DO PRESTE JOÃO
IMPRESSA POR MANDADO DE SUA ALTEZA
COM PRIVILÉGIO
P
OR via do caravelão em que anda Pero Vaz de Vera por
capitão e pilôto, que chegou Índia a esta cidade de
Lisboa em o derradeiro dia do mês de Abril dêste ano de
milguinhentos e vinte e um, vieram novas a El Rei nosso Senhor,
por Lopes de_ seu Conselho e seu
Capitão..-mor e Governador das partes da India-e também por
cartà. do Licenciado Pero Gomes Teixeira-Ouvidor das ditas
partes, que a tudo foi presente em pessoa-do dçg:Q_Qgmento que
o dito Capitão..-mor fez, com sua armada e gentes, dª __ !e,r:ra _do
Rei Cristão e de mui grande poder, o qual, de muitos
anos a-esta parte, sempre por seus capitães e armadas foi procurado
e buscado, para o que agora aprouve a Nosso Senhor abrir e
manifestar o caminho por onde de todo se soube verdadeira certeza.
Prazerá a Êle, por sua misericórdia, que de tão bom comêço,
como agora nisto quis dar, se conseguirá-no acrescentamento de
sua santa fé e destruição da má seita de Mafamede, naquelas
partes e em tôdas outras-aquele fim que Sua Alteza deseja; para
que depois disto se haja por melhor empregado os grandes gastos
e despezas de suas armadas, trabalhos e mortes de seus naturais e
vassalos, que por esta santa emprêsa até agora se fizeram.
E são as seguintes :
[A2a]
P
ARTIU o dito Capitão..-mor da Índia para o Estreito
a treze dias do mês de Fevereiro do ano passado de qui..-
nhentos e vinte, com armada e frota de vinte e quatro velas,
a saber: dez naus grandes, dois galeões, cinco galés, quatro navios
pequenos de vela redonda, duas caravelas latinas e um bergantim;
na qual frota iam por todos mil e oitocentos homens.
33
consigo, na frota, o
qqe a El Rei nosso Senhor o ano de mil
quinhentos e catorze, COJ:Il "s_ya que do dito
Preste trouxe para Sua Alteza-de que no fim desta se porá o
traslado-em que por alguns respeitos houve dúvidas de ser seu
verdadeiro embaixador. E até agora esteve sempre na Índia, por
não poder passar para a terra do dito Preste, por alguns pejos e
impedimentos que houve, o qual Mateus se achou ser seu ver.-
dadeiro embaixador, como em seu lugar se verá.
Partida indo para o Estreito, foram tomar
água a Mete, onde diz que é mui boa aguada. E tomaram.-na
em dois dias; e o Capitão.-mor mandou queimar o lugar.
Aos onze dias do mês de Março se partiu dali, caminho das
portas do Estreito, e entrou na bôca dêle . com tôda a frota aos
dezasseis dias do dito mês. E estando em sêco tomou 1 erónimo de
Sousa, com a sua galé, uma gelva com doze ou treze homens, os
quais deram nova que a Judá eram vindos mil e duzentos homens,
e que seis galés dos rumes vinham para fora, para Zebidi, para
concertarem os rumes que aí estavam com Adem, e as galés virem
a Adem para estarem aí e os outros em sua obediência. Ali esteve
o Capitão.-mor com a frota dois dias e repartiu a gente pelas naus.
Estas galés, com a estada da armada souberam como iam, e
tanto que houveram êste recado, sem mais aguardarem, se foram
pelo mar pequeno, que é por dentro de Camarão, por onde os
mouros navegam, e dizem que a [A 2 b] frota de El Rei nosso
Senhor não pode navegar, quanto ao que até agora se sabe. E o
Capitão--mor com a frota se foi pelo mar maior caminho de 1 udá.
Logo em partindo das portas do Estreito foram ter a umas ilhas
vinte léguas dali, onde lhes deram ponentes com que andaram aí
dois dias. E como lhes serviu o tempo que dobraram estas ilhas,
houveram vista de outras que estão junto de Camarão. E ali lhes
tornou a dar levante, com que foram ter a uma ilha que se chama
Ceibão, dezasete léguas desta outra, que jaz leste e oeste com
Camarão. E passando dela foram ter a um pareei, onde com tem.-
pos contrários estiveram três dias surtos.
Levaram.-se dêste pareei com bom tempo, a vinte e seis dias do
34
dito mês; e andaram sete léguas e logo lhes deu outro contrário,
com que estiveram pousados um dia. E ao outro dia seguinte·
lhes tornou a servir o tempo, com que andaram duasoutrêsléguas
e logo calmou. E deu ... lhes uma trovoada, que durou três ou.
quatro horas, com que fizeram seu caminho. E lhes deu logo por
de avante. E ao outro dia andaram em calma, muitas naus em
cinco braças e outras em três, e outras sem nenhum fundo, tôdas à
fala umas com as outras.
. Desconfiado o Capitão ... mor da ida a Judá e saída do Estreito,
mandou chamar António de Saldanha e todos os capitães e
pilotos, e lhes preguntou o que lhes parecia daqueles tempos.
Disseram todos que eram tempos gerais e que não podiam ir por
diante senão com muito trabalho e risco de perderem aí um mês
todo e não poderem lá chegar; que pois Lopo Soares chegara
naqueles tempos [a] quinze léguas de Judá, e pusera quinze dias
em ir lá, que faria êle que estava dela cem ou cento e vinte e
Por estes respeitos de lhe os tempos não servirem nem darem
lugar para ir a Judá, e por outros,
com 9- P:otª ,Abexia, terra do Preste João. E assentado
na volta, chamou os pilotos mouros e lhes preguntou se lhe sa.;
beriam, dali donde estava, dar caminho para Dalaca, uma ilha
daquela costa. E nenhum dêles se atreveu, a menos. de outra vez
haver vista de Ceibão. E também Pero Vaz de Vera, que já lá fôra,
disse o mesmo.
Fez,.. se o Capitão ... mor à vela na volta [para] Dalaca, com os
ponentes, para haver vista da dita ilha de Ceibão, do que se bem
aga[AJa]stou o embaixador Mateus, porque cuidava que fazia a
volta de todo. E se ia agastado pela ida a Judá-por algumas razões
que tinha apontadas ao Ouvidor Pero Gomes, que ia com êle na
nau São Pedro-muito mais o foi quando viu fazer a volta, porque
não cria que era para o fim que sucedeu, posto que lho afirmassem.
Tanto que houveram vista de Ceibão fez o Capitão ... mor seu
caminho aloeste. E deixando de o contar-que [tudo isto] foi assás
difícil, por errarem o [caminho] e os revezes dos tempos e os muitos
baixos que puzeram o Capitão ... mor em muita desconfiança
de lá poder chegar-estando surto junto duma ilha despovoada
35
determinou de se passar às galés e levar as velas latinas somente,
porque barlaventeavam melhor. E mandou fazer prestes uma
galé para ir e or4enou quem ficasse por capitão da frota que havia
de ficar.
Assentado nisto véspera de Páscoa, para ao outro dia embarcar,
e despedidos os capitães com esta determinação, veio um pouco
de levante com que o Capitão,...mor se fez à vela e tôda a frota com
êle. E êste dia até noite surgiu três léguas. Ao outro dia deu
·Deus tal tempo que a horas de véspera foram tanto avante como
Dalaca, que eram doze léguas donde partiu. E êle e António
de Saldanha iam diante de tôda a frota. Não quis surgir em
Dalaca nem fazer aí demora para não perder tempo. Fazendo
fundamento que tinha o tempo certo para a tomada, e que o que
havia mister para a chegaga era incerto, foi avante e
seguiu tôda a frota. ·
Páscoa, em se querendo pôr o Sol, viram todos uma
bandei!a.p:rçta noSol, assim éomo rabo de galo, e muitos se afir,...
por seu juramento que a viam bulir, indo o Sol em tôda
sua perfeição, e punha,... se por cima duma terra do Preste João.
Chegou o Capitão,...mor a Maçuá, primeiro que todos, a dez
dias de Abril. Mandou cercar a ilha com as galés e com o
gantim; porém, quando êle chegou, havia seis dias que sabiam·
que vinha, porque foi visto no tempo que esteve surto, e tinham
postas suas pessoas e a mais fazenda que puderam em côbro.
todavia alguma fazenda, porém pouca, porque tinham
a terra,.firme e acolheita perto, porque da ilha à terra,.firme não há ·
mais de dois tiros de besta.
[A 3 b] Antes que o Capitão,...mor chegasse à ilha viram
muita quantidade de gelvas e duas naus guzarates surtas. E uma
se fez à vela e fugiam para Suaguém, e [algumas] delas para
Arquico e Dacamim, que são dois lugares do Preste João. Tomou
Jerónimo de Sousa com a sua galé esta nau grande que se fez à
vela e a queimou, e a gente dela tôda fugiu e deixou a nau. Os
mais dos mouros de Maçuá se foram entregar sob a guarda do
Capitão de Arguico, que é daí duas léguas.
O bergantim que o Capitão,.mor mandou de pós as gelvas que
36
iam delongo de terra, tanto que chegou de fronte de Arquico veio ·
a êle uma almadia tom três homens e lançaram,se dentro nêle.
Preguntaram estes homens que j1_omens eram.
yassalos ele El Rei de Portugal.
Foi mui grande prazer em dois [ dêstes três e lhes bei,
com.Qjsjggqviram, os quais não diziam outra coisa
senão " __ Jesus Cristo, Filho de Santa Maria'',
[e que os levassem ao Capitão,
mor. E levaram ... Ihe dois dêstes, dos quais um era cristão e outro
mouro.
Estes homens uma carta do Capitão de Arquico para
o Capitão,..mor e um anel de prata. A qual carta determinou de
lhe escrever tanto que soube, pelos mouros de Maçuá que se acol,
h eram a êle, que vinha aquela frota,. a qual lhe pareceu que não
podia ser senão de cristãos. A carta dizia que muitas graças
fôssem dadas a Deus, que eram que
virà ilha de Maçuá; e que muito
tempo havia que sua vinda era dêles desejada; e que pois era o
senhor do mar que ordenasse da terra o que quisesse, que êles, com
a fé de serem cristãos, não fugiam de suas casas, e queJhe pedia que
lhe mandasse um __ amizade.
O lhe[ s] fez muita honra, e ao cristão mandou dar
de costume e ao __ !llandou dar panos
para se vestir. E __ _de A.rquicq outra _carta em
resposta à sua, dizendoAhe que desejando El Rei nosso Senhor o
exaltamento da fé católica e amizade do Preste João, mandara aos
seus capitães,mores da Índia que com suas armadas e gentes en,...
trassem o Estreito de Meca a fazer guerra aos mouros; e principal ....
mente a descobrir aquele [A 4 a] pôrto e submeter aquelas ilhas
ao senhorio do Preste João, por lhe não obedecerem; e que êle ora
chegara ali para isso e que folgaria muito de se ver com êle; e
também que lhe pedia que mandasse ali vir alguns qa.des do
mosteiro porque folgaria de os ver. E com esta carta e
com uma bandeira de damasco com a cruz de Cristo posta em
um pique, que lhe mandou por sinal de paz e amizade, os des,
pediu e tornou a enviar ao Capitão no bergantim que os trouxe.
37
A '
Este mosteiro de Bisam está dali vinte léguas, do qual o Capitão,...
mor foi informado por estes homens que a êle vieram.
Tanto que o Capitão,...lllOr,gs despediu, mandou por prazer e
e foi .... se em terra para ver a ilha e re,...
partir as cisternas dela pelas naus. E achou tantas e tanta água
nelas que houve por escusado fazer,...se provisão. E tornou .... se para
o galeão em que vinha.
Qgerendo o bergantim, onde iam os dois com a bandeira e
recado do Capitão,...mor, chegar a Arquico, lançou .... se o mouro ao
mar e foi dizer ao lugar como eram cristãos e levavam aquela
bandeira. Vieram logo ter à borda da água duas mil almas e com
grande prazer se lançaram todos ao mar, querendo levar o ber,...
gantim a terra. Saíram dêle os que levavam o recado e tôda a
outra gente se ordenou em modo de procissão, e levaram a ban,...
deira alegria e foram arvorar sôbre as
casas do Capitão de Arquico, a qual ali esteve até à pau
tida do Capitão,...mor e de tôda a frota.
Vindo o Capitão .... mor da ilha e querendo chegar a bordo do
galeão, viu vir na terra,...firme um homem a cavalo e dois a pé
e quatro vacas. Tornou .... se para terra a ver o que queriam. E che>
gando junto de terra desceu .... se o de cavalo e chegou ao batel.
E trazia uma carta de pergaminho estendida, com Nossa Senhora
e seu bento Filho, e dois anjos os quais nomeavam por Miguel e
Gabriel, e os ·Apóstolos; e êles traziam cruzes pequenas aos pes,...
coças, em cordões de couro tão primos e bem feitos como se fôssem
de retrós. E êles bradavam " Cristãos, Cristãos, Jesus Cristo,
Filho de Santa Maria". Foi tanto o prazer em os ver que poucos
dos que aí se acharam se podiam ter a não chorar de prazer. Deu
as vacas de serviço ao Capitão,...mor e entraram [A 4 b] no batel
tão sem medo nem receio como se foram próprios naturais e vas,...
salas dêstes reinos. O Càpitão,...mor os levou consigo para o
galeão, onde lhes mandou dar de comer e lhes deu certas teadas.
E logo ao outro dia seguinte vieram aí uns mouros alarves com
mouro filho dum capitão dum aduar. E o Capitão)nior
lhes fez honra e mercê.
Estes cristãos traziam uma carta do Capitão de Arquico para
38
o Capitão,..mor em que dizia que logo mandara recado ao Barne"'
gaes, para lhe fazer saber de sua vinda; e que também tinha man"'
dado pelos frades de Bisam, os quais não tardariam mais de quatro
dias; e ainda que naqueles dias não fizessem nada, por serem dias
de festa, que por sua vinda o faziam. Preguntou,..lhes o Capitão,
mor que era. Responderam que eram oitavas de Páscoa e
que pascoaram aquele domingo passado, e que haviam de guardar
aqueles oito dias até o outro domingo; e êste dia era terça,..feira das
oitavas de Páscoa.
Preguntaram estes homens a Alexandre de Ataíde, que era
língua, se houveram êles de um homem que se chamava
que fôra ém sua busca. Responderam que não, e lhes
preguntaram que homem era aquele Mateus ou quem o mandara
cá. E por tirar dêles tôda certeza que pudessem saber,
por ver se era verdadeiro embaixador do Preste João, pelas dúvidas
que nisso havia. Disseram que era um homem do Cairo, que
o Preste João se servia muito, e que sempre por seu mandado vinha
àqueles portos buscar muitas coisas, e que também era mercador
da Rainb:1 Helena, mãe do dito Preste, e lhe vinha buscar tôdas as
coisas que havia mister àqueles portos do mar, a saber: Maçuá,
Dacamim e Dalaca; e que o PresteJ oão o mandara com sua em"'
baixada e recados a El Rei nosso Senhor. Então lhes disse o
Capitão,..mor como vinha com êle e o mandou chamar à nau São
Pedro onde vinha.
V eiQ]!.iateus, com o que êles mostraram mui grande prazer e
lhe beijavam a mão. E Mateus, com muitas lágrimas, dava graças
a Nosso Senhor, pois o chegara a tempo que mostrara sua em"'
baixada ser verdadeira; e que ali havia por nenhuns todos os tra,.,
balhos que passara, com outras mui boas palavras. E disse a estes
que dissessem ao Capi,..[Asa]tão de Arquico que mandasse logo
chamar o Barpegaes e os frades, que ainda que fôssem santos
aqueles dias era mui grande serviço de Nosso Senhor virem ver os
cristãos. E êles, mui alegres, se partiram a_ dar estas novas. E ao
outro dia veio muita gente a ver Mateus, e preguntavam por Abu ....
na Mateus, que quer dizer nosso padre Mateus. E todos lhe bei"'
javam a mão e as roupas e lhe faziam outros grandes acatamentos.
39
Diz que o não e nome próprio de homem, mas que
é assim J:l:larechal ou. fronteiro..;mor,
com mando e jurisdição daquela frontana ate defronte de Sua"
quém, que são dali sessenta léguas; e que concinuadamente tem
guerra com um rei mouro que habita aquela terra de entre o de"
serto do Cairo e a terra do Preste João. E ainda se dizia, ao tempo
da chegada da frota, que em um encontro que poucos dias havia
que houveram ambos, mataram ao Barnegaes um seu filho e
seiscentos homens, e que o Preste lhe mandara tomar conta de
como aquilo passara, para se o achasse'em culpa ou que por seu
mau recado se fizera, o depor. E isto se dizia em Arquico.
Foi tão grande o alvoroço na frota de [chegarem a] terra de
cristãos, que ao segundo dia da chegada fugiram três homens da
. galé em que ia por capitão Jorge Barreto, e indo o Capitão.,mor
em terra a ouvir missa na mesquita lho disseram. E chamou logo
o Ouvidor Pero Gomes e disseAho. E o Ouvidor lhe pediu
licençapara ir a Arquico, e que se achasse novas iria atrás dêles.
Foi lá no bergantim e mandouAhe o Capitão.,mor que falasse ao
Capitão sôbre sua vista. FalouAhe o Ouvidor sôbre a vista e
homens. Qganto à vista lhe respondeu que estivesse ali aquela
noite e que ao outro dia se veria com êle [Capitão.,mor], e êle
[C a pitão de Arquico] iria em sua companhia [do Ouvidor].
E quanto aos homens que era escusado ir buscáAos, porque êle
mandaria após êles e que não escapariam. E logo mandou piões
e gente em sua busca, e não quis que lá fôsse o Ouvidor. E logo
naquela noite chegaram presos, que os prenderam daí a quatro ou
cinco léguas.
Ao outro dia se fez prestes e foi ver o Capitão.,mor. Êle ia em
cima duma mula e levava um cavalo adestro diante, e outra gente,
cristãos e mouros, com êle a pe e a cavalo. E foi por terra duas
léguas até [A 5 b J defronte da frota, e o ·ouvidor foi com êle
com os presos.
Tanto que chegou do mar um tiro de besta, esteve quedo e tão
espantado com o tirar da artelharia que tremia. Mandou--o o
Capitão.,mor receber fora por alguns fidalgos e capitães para virem
com êle até o batel. E êle não curou de se mover muito. Foi o
I
Ouvidor dizer ao Capitão..-mor o que passava, e êle mandou levar
três cadeiras em terra e saíu fora. Viram..-se e abraçaram..-se, e
assentaram..-se todos três, a saber: o Capitão..-mor, o dito Capitão
e Mateus. Falaram sôbre sua vinda. Disse o Capitão de Arquico
que vinha ver o Capitão..-mor e todos como a cristãos, e como
homem que havia de fazer o que lhe mandasse, pois que todos
eram cristãos; e que dava graças a Nosso Senhor de
que diziam que

de ir ter ao.
pô_t:tode_Maçuá; e que pois aprouvera a Nosso Senhor de aí os
levar, se guardasse aquela paz e amizade gue êle mandara que
tivessem uns com outros; e que o Barne.gaes seria aí daí a dois ou
três dias, o qual não vinha senão fazer aquela mesma paz e ami"'
zade com êle, e a ver Mateus embaixador. E com isto se despediu,
porque era a calma grande. Deu..-lhe o Capitão..-mor uma espada
e outras peças.
Despedido do Capitão..-mor, cavalgou no cavalo que trazia ades..-
tro e tomou uma lança das suas curtas na e correu e remeteu
a uma mão e a outra, e diz que era prazer de ver quão bem o fazia.
Êste Capitão de Arquico não era o próprio Capitão, senão
outro em seu lugar, porque o próprio Capitão era em casa do
Barnegaes, o qual tanto que houve recado que ali estava o Capitão..-
mor e a frota logo mandou o próprio Capitão para Arquico.
E êste diz que é um homem grande e velho, pessoa assaz honrada
e sisuda, segundo seu parecer.
Os frades que vinham do mosteiro de Bisam chegaram a
Ar quico do dia da vista a três dias. Sabendo o Capitão..-mor de sua
vinda mandou lá o Ouvidor Pero Gomes por terra, em um cavalo
seu, e Alexandre de Ataíde, para virem êle. E ao outro dia
pela manhã vieram com êles até às naus por terra. Os frades eram
nove e vieram a pé, porque segundo sua regra não cavalgam
em besta. Foi..-os o Capitão..-mor receber à borda da água, com
todos os batéis, e trouxoos ao [A 6 a] galeão onde estava. Tinha
mandado aos clérigos e cantores gue vestissem suas sobrepelizes e
com uma cruz os viessem receber a bordo do galeão. Fizeram..-no
assim e os receberam com Benedictus Dominus Deus Israel, cantando
a vozes. E os frades tomaram a cruz nas mãos com tanta reverência
e devoção que diz que, por mau cristão que o homem se aí
estivera daria muitas graças a Deus por o ver.
ç faziam..-lhe grande acatamento. Levou..-os o
· Capitão..-mor consigo para a. sua câmara e de
porque diz que não comem carne nem
pescado. E depois de falarem um pouco se despediu o em..-
baixador do Capitão..-mor e levou os frades para São Pedro, onde
vinha. E aquele dia se tornaram os frades a dormir a Arquico.
Desejando o Capitão..-mor haver tôda informação daquele
mosteiro e vendo que não vinha Fernão Dias, língua, que êle
secretamente lá tinha mandado, mandou lá o Ouvidor, o qual por
muito J o desejar lhe tinha já para isso pedida licença. Deu..-lhe o
Capitão..-mor uma carta para o Capitão de Arquico; e partiu por
mar no esquife do galeão e 4eu a carta ao próprio Capitão de
Arquico, porque já estava aí. E lhe deu o serviço que lhe levava,
e falou com êle sôbre sua ida ao mosteiro. o Capitão pediu ao
principal dos frades que mandasse um dêles com o Ouvidor até
ao mosteiro, para lhe amostrar o caminho; e êle lhe deu um frade
por nome Estêvão. E o Capitão mandou com êle Um seu irmão
e quinze peões. E lhe mandou dar duas mulas em que fôsse êle' e
um português que consigo levava por língua da Arábia, e um
mouro por língua entre arábica e a sua.
Partiu..-se o Ouvidor de Arquico para o mosteiro com sua com..-
panhia, e foram por terra despovoada. E ao outro dia, de horas de
meio..-dia por diante, começaram a achar magotes de gente de pé
e de mulas. Os quais eram do Barnegaes que vinha atrás. O irmão
do Capitão de Arquico, que ia com êle, como chegavam a esta
gente se descia e lhes falava a pé e passava. E antes que chegassem
ao Barnegaes acharam quatro mulas vir adestro, muito gordas e
formosas, e quatro cavalos também adestro, grandes como os
de Andaluzia, mas não muito gordos; [A6b] um pedaço atrás
vinha um bom magote de gente, todos de mulas, onde vinha o
Barnegaes. Antes que chegassem a êles, um tiro de besta, se
desceu o irmão do Capitão de Arquico, com quem ia o Ouvidor,
e foi para êle e lhe falou; e êle [Barnegaes] se não deteve. E tam..-
bém o Ouvidor se desceu de longe; e indo para êle [Barnegaes ],
42
esteve quedo o Barnegaes, chegou a êle [Barnegaes] e lhe beijou a
roupa sôbre o joelho.· E lhe
frota Rei s:nhor ali mandara de Deus
e e que o
estava esperando por-êle para.falarem o que fôsse serviço de Nosso
Senhor e mui desejoso de o ver. que sua vinda
fôsse muito boa, que por ser de tão longe não podia ser senão com
mui grandes trabalhos; e que êle dias havia que esperava por êle,
e por essa razão se movera a vir de suas terras e casa por tais
caminhos quais êle via, [o] que êle [Barnegaes] pouco havia em
costume; e que pois tomara por devoção ir à casa de Bisam, que
fôsse em boa hora e que não se detivesse, porque folgaria de falar
com êle antes que se visse com o E davaAhe gente
que fôsse com êle, e não quis mais que a companhia que levava
de Arquico. Ofereceu,;lhe o Ouvidor um terçado que levava
guarnecido de prata, e um seu pagem o tomou sem êle [Barnegaes]
somente olhar para êle. Ali onde o topou se aparta o caminho·
para o mosteiro e para sua terra; e seriam de Arquico dez ou doze
léguas. E atrás vinha também gente de cavalo e de pé.
O Barnegaes-segundo que o afirma o que é um
homem lançado um pouco por diante, magro; tem os olhos
grandes; vinha em cima duma mula grande, vestido de panos
brancos de linho ou algodão, e em cima trazia um albórnoz
grande e fino.
Despedido dêle o Ouvidor com sua companhia, e indo por uma
ribeira acima, entre serras, acharam em cima duma serra um
campado, onde estava uma horta com hortaliça e uma fonte e
laranjeiras. E acima da horta estava umá cêrca onde estava um
Foi o frade seu companheiro diante até à porta. E
trou com êle dentro o Ouvidor e o português; e o mouro língua
não o deixaram entrar. Veio à porta da igreja um frade velho e
deu....Ihe a beijar uma cruz arvorada em uma haste, assim como cá
se costuma.
[A 7 a] Entraram n;,I,jgrej;;t, a qual diz que e não
tem ossia; porém, em lugar dela, diz que tem .. s.eda
daquelas partes, que atravessa a igreja de parte a parte. E dentro
43
desta está um com quatro esteios de altura.
de mais de homem, coberto de e não chega à parede,
e rem em c!!!!!!:J!Jna cruz. Preguntou o Ouvidor, por acenos, que
aquilo. RespondeuAhe o padre: "Michael", como quem
dizia que era a invocação de Sãº""Miguel. Andou com o padre
derredor da igreja, onde viu muitas pinturas de ·santos, entre as
quais viu pintado a cavalo, com a serpe e mulher e
meninos, assim como cá se pinta. Viu também ali ·
com as tábuas para lançar no chão, quando desceu do Monte
Oreb. As quais pinturas diz que têm tôdas com panos cobertas,
por mais dura, porém que não são muito primas. E viu no mosteiro
sete ou oito frades. E dentro, na cêrca, diz que estavam quinze ou
vinte celas redondas, com seus coruchéus e cruzes em cima. Tinha
dentro figueiras, limoeiros e pecegueiros com pêcegos
limpos da flor, e era em Abril.
Partindo.-se dêste mosteiro para o outro principal foram ter ao
pico duma serra onde acharam uma falda escampada de mais de
tiro de espingarda, na qual acharam um grande restolho de trigo
de pouco segado, e duas eiras. E chegaram a outra eira onde
estavam montes de trigo e palheiros de palha. Chegou ali um
frade vestido de peles curtidas, e em cima um albornoz que lhe
dava pelo chão, porque chovia; e era homem comprido, magro e
velho. PreguntouAhe que queria. Disse--lhe o Ouvidor que era
cristão e vinha naquela frota; e porque ouvira dizer daquela Casa
tomara por devoção ir. a eL( e oferecer.-lhe uma pobre esmola.
Respondeu--lhe que viesse muito em boa hora e que fôsse com o
frade com que vinha, e êle o levaria ao mosteiro; porque êle logo
se iria. Partiu.-se o Ouvidor, e o frade com os dois que com êle
estavam se foram por outro caminho; porém todos chegaram a um
tempo ao mosteiro, e levava--lhe um dos frades o albornoz diante,
dobrado, porque deixara de chover. Êste padre era o principal da
Casa, a que chamam Samara Christus; entrou no circuito do
mosteiro por um cabo de seu aposentamento, por onde tinha
serventia para fora.
[A 7 b] Entrou o Ouvidor pela porta do circuito do mosteiro,
a qual é muito grande. E à entrada da porta estava uma árvore
44
,I
I
1
grande, sem fruto, e derredor dela muita arruda, eao longo da
parede uma grande ramada. Estando aí um pouco se chegaram
derredor dêle alguns padres e obra ,de doze ou quinze moços de
id;1de de dez até treze· ou catorze anos.. Preguntou que moços
eram aqueles. RespondeuAhe o padre que eram orfãos que não
tinham pai nem mãe, e que os criavam ali pelo amor de Deus,
e assim têm por costume o fazerem. E nisto ·deram badaladas no
sino para se ajuntarem os frades, e sendo juntos veio chamar o
Ouvidor o frade seu companheiro e o levou à porta do circuito da
igreja, que é outra cêrca derredor da igreja como crasta. E à en.;
trada desta cêrca lhe disseram que se descalçasse. Fê--lo assim e
entrou descalço. Diz que lhe não pareceu estranho, lembrando,.se
do que dissera .espinheiro que ardia quando se
chegava a ver a visão: € dos pés porque o
lugar em que estás é santo. '' (Exodi, no terceiro capítulo.)
Como foi dentro no circuito chegou à porta da igreja onde
achou sete padres revestidos em capas de brocado de Meca, com
suas travessas diante, da maneira <]Ue se cá costumam, a saber: os
cinco com cruzes arvoradas em hastes, assim como cá, e os dois
com dois retábulos de Nossa Senhora; e o velho que êle achou na
eira, que era o principal dêles, tinha uma capa e um pedaço de
seda lançado ao pescoço, em cruz, sem outra coisa; e afora estes,
outros muitos padres sem nada, nem rezavam. Fez sua oração e
ofereceu um pouco de incenso e o mais que levava.
T omou.;o um padre pela mão-e não dos revestidos-e levou.;o
à igreja, dentro na qual estava outra cortina que a atravessava de
um cabo a outro, como ossia, assim como êle viu na outra igreja,
porém era de seda mais rica que a outra. Ao meio desta cortina
estava um retábulo de pau quadrado, o qual tinha três figuras
tôdas em um compasso de igualdade e idade como elas o são ab
eterno. E a cada um dos cantos, a saber, no de baixo da .mão
estava um leão, e de cima uma águia, e no outro um boi,
e em cima a figura do homem, por onde conheceu ser a Trindade
e os quatro Evangelistas que a afirmavam, porque naquelas
figuras as viu Ezequiel, segundo êle diz no primeiro capítulo e
também São João no quarto capítulo do Apocalipse.
45
[A 8 a] E à mão direita, no canto, estava um altar em que
estava um retábulo com um crucifixo e Nossa Senhora de uma
parte e São.João da outra, ao pé da cruz; e outra imagem de Nossa
Senhora do Pranto, grànde e muito devota e bem pintada, e outras
duas imagens de Nossa Senhora.
E da outra parte, em cima da cortina de seda, estava um pano em.
que estavam Nosso Senhor e os Apóstolos, e outra gente da outra
parte. Preguntou por acenos quem eram aqueles, que êle desco,...
nhecia. ResponderamAhe também por acenos que eram os portu,..
gueses; e o português que ia coín êle assim o entendeu-porque não
deixaram entrar o mouro língua. E dentro da cortina estavam dois
altares, ambos iguais, de quatro esteios, cobertos de panos pretos.
E disseram,.. lhe que um era de Jesus Cristo e outro de Santa Maria.
E por derredor da igreja, de dentro e de fora, estavam pintadas
imagens de santos.
Tem êste mosteiro sacristia, a qual está pegada na igreja, onde
estão muitos ornamentos de capas de seda e doutras sortes. Ao
redor da igreja, em um corredor, viu uma sepultura alta em que
estavam candieiros, como que os acendiam às vezes.
Tem dentro casa de refeitório, onde comem todos juntos. Suas
celas são redondas, cobertas por cima duma palha silvestre boa, à
maneira de coruchéu; e tem cada uma em cima sua cruz grande
de pau.
Tem um sino só, de cobre, e não tem badalo senão quanto de
fora dão nêle.
O mosteiro é cercado de parede de pedra e barro, alta e
grossa.
Tem dentro grandes cisternas porque a água nadível é
pouca.
Vista tôda a Casa, disse o Ouvidor ao padre Samara Christus
que queria falar com êle; e assentou;se o padre fora da igreja, e
derredor dêle cinco ou seis homens velhos, muito magros e fracos,
e homens a seu parecer de boa e santa vida e outros muitos der,..
redor. E fezAhe o Ouvidor estas preguntas, a saber:
u Qgem fôra o edificador daquela Casa e " Respondeu que
Felipe, o qual jazia sepultado naquela sepultura que êle vira.
46
I
Qge quanto tempo havia que fôra edificada: Respondeu que
trezentos e cinqüenta anos.
[A 8 b] "Qgem o instituidor daquela Ordem e seu
meíro Padre: '' Respondeu que Antão.
PreguntouAhe qualdos Apóstolos pregara a fé de Jesus Cristo
naquela terra. Respondeu que São Mateus.
Q:!e onde jazia sepultado r Disse que Em Alexandria.
PreguntouAhe se tinham a Bíblia, e nomeou,Ihe todos os
fetas, porque a tinha diante. Disse que sim.
Preguntou .... lhe se tinham Esdra. Disse que sim.
"Qgantos livros Disse que três.
TornouAhe a dizer que nós tínhamos quatro. E êle-disse que
não tinham mais de três.
Esta pregunta do Esdra diz o Ouvidor que lhe fez porque no
quarto livro, no décimo terceiro capítulo, diz que El Rei Sal ...
manazar cativou dez tribus, as quais passaram pelo rio Eufrates em
terra mui longe, de caminho de um ano, onde hão de guardar seus
mandamentos; e que Deus lhes ha,...de tornar a abrir caminho por
onde possam tornar. Por ventura são estes que·procedem daquela
casta, aos quais Deus, por meio de El Rei nosso Senhor, quer
tornar à Casa Santa. E isto por quanto mundo é descoberto por
Sua Alteza, e não há nova destas dez tribos. E esta gente diz que
tem algum ar e cerimónias· da lei da Escritura, além de ser muito
grande terra.
PreguntouAhe se tinham as Epístolas de São Paulo. Disseram
que sim e as nomearam tôdas-ad Philipenses e Corinthios e todos
os outros nomes, porque em nenhuma linguagem há dêles
ferença. A qual pregunta diz que lhe fez por causa da circuncisão,
porque São Paulo é o que a defende.
Preguntou..-lhe se lhe[ s] pagavam os dízimos. Disse que não.
Q:!e quem os levava: Disse que o Barnegaes, porém que bem
sabiam êles que Deus os mandara dar à Igreja; mas que a êles não
lhos davam. Preguntou,lhe mais que quantos frades haveria na,...
quela serra r Disse que haveria quinhentos. E diz o Ouvidor que
veria cinqüenta.
Preguntou,lhe de que se mantinham. [B1 a] Respondeu que
47
do trabalho de suas mãos, e amostrou..-lhe sua ferramenta, que diz
que era assaz rmm.
PreguntouAhe se se confessavam. Disse que sim, e que tinham
por ordenança fazêAo tanto que cometiam pecado.
PreguntouAhe se sabiam êles que por Deus fôra dado poder a
São Pedro de condenar e absolver, e que êle {) deixara em Roma a
seus sucessores. Respondeu que sim, sabiam. Pois porque não
reconheciam o Papa que estava em Roma, que era seu
Respondeu que era muito longe e havia no meio muitos intervalos
de inimigos.
DisseAhe o Ouvidor que lhe dessem uma carta de obediência
para o Papa e outra para El Rei nosso Senhor. Disse que sim; e
porém logo tornou a dizer que era já noite e que ao outro dia era
sábado, e não haviam de falar com nem fazer nada porque o
guardavam, a honra de Nossa Senhora, assim como ao domingo;
e que não haviam de escrever, nem êle poderia aguardar.
Mandou o padre trazer um livro e deu,o ao Ouvidor, dizendo
que o amostrasse a El Rei nosso Senhor e ao Papa, e que por êle
veriam em que criam, além do que êle vira; e que se recolhesse
porque era noite. O qual livro veio agora com estes recados a Sua
Alteza; e é da grandura de meio quarto de papel pequeno, escrito
em pergaminho de letra de sua língua.
Despediu,se o padre e o Ouvidor se recolheu para uma cela
onde o levaram, em a qual estavam duas tábuas por colchão e uma
pedra à cabeceira, e uma manta para se cobrir, segundo êles o cos..-
tumam para si. E logo veio um frade com água quente e lhe lavou
os pés, e assim ao companheiro cristão que com êle ia.
Mandaram..-lhe para comer pão de trigo e de cevada, e mel e
cebolas, e vinho, mas não de uvas, que estes são os manjares que
usam. E depois de ceia lhe mandaram duas gamelas de farinha e
muitas cebolas e limões que levasse para o caminho, porque não
acharia que comer.
Estes padres são da ordem Santo Antão prill1eiro ermitão.
Comem de seu suor e trabalho de suas mãos. C a..- [ B 1 b ]vam,
roçam, semeam. Têm muitas milharadas pela serra. Têm grande
criação de gado e muitos machos e mulas também de sua criação,
48
que venderão para necessidade de suas mantenças, porque as
esmolas diz que poucas ou nenhumas hão.,de ser; porque pois não
cavalgam em bestas, não as haverão mister para outro uso.
Seus vestidos são teadas grossas de côr amarela. Trazem túnica,
como frades, e sua correia em cima; seu capelo aberto por diante,
e em cima, na cabeça, por fôrro dêle uma cruz; e sua capa em
cima da mesma côr,
São homens que servem a Deus, e que estão com suas orações
por muro e fortaleza da cristandade que jaz daquelas serras para
dentro. E não é de crer ai. Porque onde esta má seita de Mafa.-
mede tanto se estendeu por aquelas partes que chega quasi até à
China, e por as partes de África, começando.-se da Arábia e do
Estreito de Meca, tão vizinha ao Preste João, sem se lhe apegar
de sua vizinhança nem maldade parte alguma, não é sem mui
grande de Deus, pois o Preste João de tôda [a] parte está
tam cercado de mouros; porque da banda do mar do Estreito, na
terra.-firme, tem o Rei de Zeila e Barbara e tôda aquela corda, e
outros reis mouros e senhores a ourela do mar; e da outra parte
tem Mogadoxo e outros reis com quem tem guerra; e da banda do
Cairo, através de Suaquém, que é acima de Maçuá sessenta
léguas, tem um rei mouro que é senhor daquela terra dentre o
Preste João e o Cairo, com que tem guerra o Barnegaes, como
atrás fica dito.
Partiu.-se o Ouvidor do mosteiro ao sábado pela manhã sem
falar a nenhum dêles, somente ao seu companheiro, o frade que
veio um pouco com êle a lhe mostrar o caminho. E chegou ao
domingo à tarde onde estava o Barnegaes, que ainda
se não vira com o Capitão..-mor. então chegara ali Fernão Dias,
língua, com um recado do Capitão.-mor sôbre sua entrevista.
E dizia o Barnegaes que o viesse o Capitão.,mor ali ver, e o
Ouvidor lhe disse que não podia deixar a frota, e que não devia
êle haver por mal ir ver quem vinha tão longo caminho por o ver
e falar com êle. respondeuAhe que assim viera êle de sua casa e
se movera a vir ali de tão longe por o ver, o que nunca fizera, e
que também lho haviam de levar em conta, com ou"' [ B 2 a ]tras
palavras que nisso se passaram, dizendo mais o Ouvidor que as
49
galés nem a frota não podiam' chegar ali, e portanto devia êle ir
lá. Assentou [o Bamegaes] em mandar saber até onde podiam
chegaras galés e aí ir falar, e isto por derradeiro e por os seus
lhe dizerem que não curasse daqueles pontos. E com êste recado
foi o Ouvidor ao Capitão..-mor e a darAhe conta do que passou
em sua ida ao
Antes que o Barnegaes chegasse a Arquico, tanto que o
' Capitão,mor houve recado que vinha-por lho fazer saber o
Capitão de Arguico-mandou António de Saldanha e António
de Brito, que se fôssem para êle; e levaram consigo
trinta alabardeiros e outros tantos espingardeiros, e foram,no topar
uma légua ou duas além de Arquico. E vinham com êle sete ou
oito homens honrados dentre êles. E vinham pelo caminho de
dois em dois e de três em três, em mulas, e cada um seu cavalo
adestro junto consigo, com suas espadas dependuradas nos arções.
Folgou muito de ver António de Saldanha e os que iam com êle,
e assim foram com êle até Arquico. E ali lhe pediu que se não
fôsse para as naus até que não falasse com êle.
Foi António de Saldanha ver a praia e uma aguada que aí
estava, e como o viu veio .... se a sua casa a falar com êle, e lhe disse que
desse suas encomendas ao Capitão,mor, e que logo ao outro dia
o iria- ver, porque não a outra coisa. Foi,se António de
Saldanha para as naus e deu êste recado ao Capitão,mor.
E ao outro dia uns mouros que aí estavam, por verem se podiam
desfazer estas amizades e estorvar tão grande serviço de Deus,
aconselhavam o Barnegaes que não fôsse ver o Capitão,mor, se
não que êlé o viesse ver a Arquico; sôbre que se passaram alguns
recados duma parte e da outra. Vendo isto, o Capitão,mor tornou
a enviar lá António de Saldanha em' uma galé com dez ou doze
fidalgos, e que levasse uma cruz para, se cumprisse, amostrarAha.
E depois de passado com êle suas cortezias, lhe disse António de
Saldanha que vinha ali espantando .... se muito de êle querer que
algum diabo turvasse tão grande serviço de Deus, como era haver.;
se êle de ver com o Capitão,...mor, para se assentar aquela paz e
amizade que El Rei nosso Senhor tanto tempo via que desejava.
[B2b] RespondeuAhe o Barnegaes que o Capitão.,mor o de ....
50
via fazer, lembrandoAhe que Nosso Senhor lavara os pés a seus
discípulos em quinta.-feira de Ceia; e que por êle vir tão poderoso
como vinha, o devia de fazer por aquela humildade. Disse ... lhe
António de que não podia deixar a frota, porém que se
êle quisesse refens que lhos daria. Disse...Ihe o Barnegaes que não
dissesse tal coisa, porque entre cristãos e cristãos não era razão que
houvesse refens. Então mandou António de Saldanha vir o
clérigo com a cruz. E êle [Barnegaes ], tanto que a viu, levantou..-se
mui rejo e lhe pediu por mercê que a mandasse cobrir, porque uma
tamanha coisa como aquela não era para aquelas coisas. E então
lhe pediu que fizesse com [que] o Capitão..-mor fôsse diante das
naus, até onde pudessem ir as galés, e que aí lhe iria falar.
Logo ao outro dia pela manhã se fez prestes o Capitão..-mor com
as galés e navios pequenos e batéis, apercebidos de lanças e
adargas abatidas, e saíu em terra. E o Barnegaes estava largo do
mar um tiro de berço. o Capitão,.,mor saíu com os pagens dos
capitães armados somente por mostra. Pediu o embaixador
Mateus licença ao Capitão,.,mor para lhe ir falar e vir com êle,
porque estava um pouco largo. E foi António de Saldanha com
êle. E [o Barnegaes] se chegou mais com quatro ou cinco homens
principais. E sua gente ficou tôda, e o Capitão de Arquico por
guarda de entre êle. e a sua gente. Mandou o Capitão ... mor estar
tôda a gente em ordem, com piques e lanças, ao longo do mar, e
se foi para êle com os capitães. E a gente se chegou mais para êle
a tiro de besta, e se foi para o Barnegaes. Viram,.,se e abraçaram,.,se
e se assentaram, começando a falar sôbre suas vindas, dizendo o
C a pitão,.,mor:
Como os reis passados de Portugal sempre fizeram a guerra
aos mouros, ganhando ... lhes suas terras nas partes de África, e
sôbre todos El Rei nosso Senhor a continuará mais, porque do
tempo que sucedeu estes reinos até agora sempre a fizera por
mar e por terra, e não se contentando com a fazer aos que tinha
mais perto, com quem continuadamente a tinha, a mandara fazer
à Índia e ao Estreito, onde era a raiz dela; e que sendo sabedor
[B 3 a] por nova, de _9 .João .. era rei. cristianíssimo,
desejando sua amizade_ mandara_ seps peJº __mar a descobrir
51
se havia nêle algum pôrto seu, e também a aos
J:!!Q1!LQtitli_migmde nossa santa fé. No qual descobrimento sub..-
metera muitos reinos e senhorios a seu domínio e senhorio, dando..-
lhe conta de tudo o que Sua Alteza tem na Índia. E
_2._ _ __ __ ins..-
pirada S?:P-tO, man.dara. a o seu
que presente estava, para ambos se ajun..-
tarem-em uma vontade e verdadeira amizade, e se fazer o que fôsse
serviço de Nosso Senhor e maior acrescentamento de sua santa fé.
E posto que alguns outros capitães de El Rei nosso Senhor por seu
mandado trabalhassem para vir àquele pôrto e trazer o dito em..-
baixador, o não puderam fazer até agora, que Deus quiz abrir
aquele caminho, como mais largamente o dito embaixador lhe
poderia dizer. E porque nas coisas mui difíceis mostrava Deus
mais seu poder, assim fôra no abrir daquele caminho, que tão
visto estava sei obra de sua misericórdia, porque todo seu intento
era ir a Judá. Dando..-lhe isso mesmo conta de __ Alteza
enviara seu embaixador com Mateus, com sua embai:x:ada e pre..-
sente para () dito Pre?te e para a Rainha Helena, sua mãe,
[embaixador] E que, querendo êle
conseguir naquele fim e desejo de El Rei nosso Senhor, era ali
vindo por seu mandado, para despejar aquelas ilhas, a saber,
e e ao do _]?reste e a seus
capitães. E que não fazia logo ali fortaleza porque perdera uma
nau no caminho, em que trazia o aviamento para isso. E de como
êle mandava logo ao dito Preste João um embaixador da parte de
El Rei nosso Senhor, e em
nome de S_ua Alteza, em sinal de paz e amizade, com o qual iria
Mateus. ---- -- -- -- -- --
Acabado o Capitão..-mor sua fala, lhe __ a
todo e a cada coisa per si, dando muitas graças a Nosso Senhor
por as suas profecias, que sempre tiveram de se
haverem de ajuntaruns com os oiiti:os. E que tendo o Preste disto
esperança, enviara Mateus, seu errí..- [B jb]baixador,
com a El Rei nosso Senhor. E que o
havia de ser o de Sua Alteza, porque êsse mesmo era o
52
,.

-i
do Preste João, e seu, de fazer a da fé.
que êle, por saber que eram cristãos e andavam em serviço de
Deus, se movera a vir de suas terras por tais caminhos e que fôra
a i.sso movido por Deus', e que não "linh.ª,huscar outra coisa senão ·
e que fôsse em nome de Jesus Cristo e de Maria.
E que quanto ao despejar da terra dos mouros, que com nenhuma
coisa o Preste folgaria mais nem desejava, e que se lhe fôsse necessá.-
ria gente ou qualquer outra coisa o ajudaria com quanto quisesse.
E quanto ao fazer da fortaleza, que a fizesse onde quisesse; que
todo estava a serviço de El Rei nosso Senhor. E que lhe desse logo
os embaixadores para os levar consigo.
AmostrouAhos o Capitão.-mor, e lhe disse que por êle estar de
pressa e os não ter de todo despachados lhos não dava, porém que
os mandaria logo com Mateus, e que ao mosteiro de Bisam poderia
mandar por êles. o Barnegaes deixou mandado ao Capitão de
Arquico que recebesse aqueles homens em sua guarda e lhes desse
todo bom aviamento e despacho, e mandasse que fôssem com êles
ao e tanto que aí fôssem lho fizessem saber para aí mandar
por êles.
Disse.-lhe mais o Capitão.-mor que haviam ambos de fazer um
juramento, a saber, êle em nome de El Rei nosso Senhor, e o
Barnegaes em nome do Preste João, de serem amigos de amigos e
inimigos de inimigos. E que êle fôsse amigo de todos os servidores
e vassalos de Sua Alteza, e inimigo dos infieis da fé de Jesus
Cristo. E que o dito Capitão.-mor e todos os vassalos de El Rei
nosso Senhor assim o seriam de todos os servidores e inimigos do
Preste. E êle respondeu que assim o faria. Mandou o Capitão.-
mor trazer uma cruz por Pero Vaz; e o Barnegaes se alevantou
como a viu, e ambos a tomaram pelo pé, alta, e cada um disse
estas palavras. E disse mais o Barnegaes que aquela paz e amizade
que Jesus Cristo mandara que houvesse entre seus discípulos se
guardasse entre êles pois eram cristãos. E assim se partiram.
Deu...lhe o Capitão .... mor espadas e bedéis e outras
peças. E o Barnegaes viu ai um homem armado em um mui
bom arnês, até escarpes e ulmete, e fê.- lo vir [ B 4 a] perante si, e
pediu [o arnês] Capitão.-mor; e [ êste] mandou .-lho dar. E êle
53
mandou ao Capitão,.mor um cavalo e uma mula e cinqüenta ..
vacas que repartiu pelos capitães.
Recolheu,.se o Capitão,.mor para os batéis e o Barnegaes para
Arquico. Tirou a artelharia da frota, e acertou um falcão de estar
atacado com pelouro, e foi fêste J ter junto da sua gente I do Barne,.
gaes ], e não fez mais que encherem.;se de _pó. Cuidàndo o
Capitão.;mor que fizera algum mal, quisera castigar o Condes,.
tável. E achou que lhe não puseram o fogo, [mas sim] que
fêste] saltou pela bôca da outra artelharia.
E ao outro dia mandou o Capitão.;mor visitáAo a Arquico e
lhe mandou um terçado, e para o Capitão de Arquico e outros
algumas peças. E o Barnegaes lhe mandou dizer que cumpria ir,.
se, se dêle não mandasse coisa por que cumprisse estar ali. E que
se tinha despachados os embaixadores que lhos mandasse; e se
não, que aí ficava o Capitão de Arquico; que faria tudo o que
cumprisse. E que descansasse, porque êles iriam seguros e sôbre
sua cabeça.
Despachou o Capitão,.mor o embaixador Mateus e a Dom
que enviou p9r João, e
a Jorgectê Abreu, de Elvas, que foi por escrivão da embaixada.
E foram com êles Lopo da Gama e Francisco Álvares, clérigo, e
outros, que por todos eram
o carta ao Preste João e à Rainha
Helena e Patriarca, e deu regimento a Dom Rodrigo embaixa.;
dor da maneira que havia de ter com a embaixada que levava.
_ .I:, mandou ao Preste estas coisas, a saber: quarr:o panos de armar,
e umas couraças postas em veludo carmezim, e um capacete e
barbote, e uma espada de oiro, e um punhal, e dois berços de
metal com suas câmaras, e um barril de pólvora, e um mapamundi
com tôdas as terras que El Rei nosso Senhor tem, com suas cruzes
postas e algumas imagens de Nossa Senhora, [R4b] e um tange,.
dor com uns orgãos e um clavicórdio .
. E para a Rainha Helena mandou uma meada de aljofar com
uma cruz de pedraria de rubis.
E ao embaixador Mateus mandou dar algumas coisas, com que
mostrou que ta contente.
54
I
'
'
;
t
I
l
'
E aos frades do mosteiro de Bisam mandou fàzer esmola de
pimenta e incenso, e alguns panos pàra se vestirem e para orna,
meritos da igreja, e uma campana.
Partiram os embaixadores a vinte e oito dias de Abril; e o
Capitão,-mor e António de Saldanha foram um pouco com êles
a cavalo.
E ao outro dia à tarde mandou o Capitão,.mor o Ouvidor
visitá--los a Arquico, e também a ver que não fôsse com êles mais
gente [além] da ordenada. E lhe mandou que assim o dissesse a
Mateus e a Dom Rodrigo de sua parte. êles não levavam mais,
e responderam que cumpririam seu mandado. E assim mandou
o Capitão,.mor ao Ouvidor que dissesse ao Capitão de Arquico
que lhe pedia que fizesse saber ao Barnegaes como partiram aqueles
homens para o fazer saber ao Preste; e que também lhe encomen,
dava seu bom despacho. E o mesmo Càpitão cavalgou e os foi
despachar e aviar, e lhes fez dar algumas bestas que lhes faleciam.
E disse ao Ouvidor que dissesse ao Capitão,..mor que descansasse,
que pois êles eram já na terra do Preste estavam seguros, porque, se
alguma coisa lhes acontecesse, ao Preste tocava e êle havia de dar
disso conta.
Neste mesmo dia mandou o pôr à porta do
Capitão de Arquico uma grande cruz de pau, a qual aí ficava
quando dela partiu o Ouvidor.
Enquanto o Capitão--mor ali esteve vieram muitas vacas,
carneiros, cabras e outros muitos mantimentos a vender em grande
abastança; e as carnes muito baratas, a saber: a vaca a quatro
teadas-que vale na Índia cada teada uma tanga ou sessenta reais-
e a cabeça do carneiro e cabra ateada. E o Capitão,.mor mandou
ao Ouvidor que estivesse [ B 5 a] em terra, por as coisas se não en,.
carentarem. E esteve fora, de fronte da frota, alguns dias primeiros,
até que se assentou o preço.
A terra é de muita criação, porque diz o Ouvidor que na
ribeira que está entre as serras por onde êle foi para o mosteiro,
veria bem sete ou oito mil vacas em fatos; e que assim há muita
caça de veação e gazelas.
Esta ilha de Maçuá tem um muito bom pôrto, todo cerrado.
55
E, segundo afirmam os que o vuam, diz que é melhor que os de
Cartagena e de Modon, e tem muito bom fundo.
Faz em roda mil e douzentas braças e é comprida [a ilha], e nesta
conta a largura no meio, onde é o mais estreito, são duzentas e
quarenta braças, e em um cabo há duzentas e sessenta e em outro
duzentas e cinqüenta.
Achou nela o Capitão,.mor quarenta e nove cisternas, a saber:
dezasseis delas de seis braças em comprido e três de largo, e duas e
meia de alto; e ao tempo de sua chegada estavam todas cheias de
água e fechadas.
A metade desta ilha é fundada sôbre pedra, onde estão estas
cisternas. E a outra metade parece terra ganhada pelos moradores,
e terra que cada vez que quiserem se poderá perder e manter.
Como atrás fica dito, desta ilha .a Arquico há duas léguas, e
está da terra,.firme dois tiros de besta, como dito é. Os m a n t i . ~
mentos que nela há não têm número, e mui baratos; porque uma
vaca, por grande que seja, não vale mais de quatro e cinco teadas,
que valem em Cambaia oito [a J dez vintens. Há nela muitas
gazelas e outras caças, e tantas lebres que as matam os homens a
pé. E escreveu o Capitão,.mor que as matava António Raposo,
que é muito gordo. Tem disposição para todo o que nela quiserem
fazer, e não se fez logo nela a fortaleza por se perder a nau Santo
António em que ia o aviamento para isso, como dito é.
Partiu,.se de Maçuá o Capitão,.mor com tôda a frota, e veio à
ilha de Dalaca e a queimou tôda, além doutras coisas que fez pelo
Estreito, de muito serviço de Deus e de El Rei nosso Senhor,
vindo já para a Índia, onde chegou com tôda a frota e gente que
levou a salvamento e to,. [ B 5 b ]dos, louvores a Nosso Senhor,
vieram muito sãos e melhor dispostos do que quando da Índia
partiram.
O
S mouros daquelas partes foram postos em muita COll-'
fusão, dizendo que pois tão grande frota chegara à ilha
. de Maçuá, que tem tantos baixos e ilhas por muro e
defensão, que lhes parecia mui perto o caminho para sua seita se
começar a destruir, segundo muitos tempos há que o têm. E pois
56
:I'
I
i
l
/
J
1
l
está claro e conhecido que por meio de São Mateus, Apóstolo e
Evangelista de Nosso Senhor Jesus Cristo, foi sua santa fé primei"
ramente denunciada e pregada naquelas partes, e a gentes que,
cercadas dos inimigos como· estão as da terra do Preste João, depois
de serem por êle convertidas, tantos infindos anos estiveram sem
vigerem de todo no verdadeiro reconhecimento da sua Santa Igreja
de Roma, que é cabeça de tôda [a] cristandade e de nós outros
até agora; como por tão grande obra de seu poder vemos que, por
meio de outro foi o que o dito Preste
João enviou com sua embaixada a estes reinos denunciar a El Rei
nosso Senhor o grande desejo que tinha de sua paz e amizade,
para que, ajuntando..,se ambos em uma vontade contra os inimi"
gos da fé, se conseguisse todo acrescentamento dela e universal
perdição da má seita de Mafamede-prazerá a Nosso Senhor,
que por êste caminho e santa romaria que agora se fez, dará
ordem como assim seja, e mui mais cedo do que êles pela ventura
cuidarão, e que em tempo de El Rei nosso Senhor e por sua mão
seja tanto sua santa fé acrescentada naquelas partes e em tôdas
outras, como é seu desejo, que bem se vê pelo que nisso trabalha,
para que seja feito um só curral e um só pastor, e além disso ficar
seu louvor e memória para sempre.
TRASLADO DA CARTA QUE O PRESTE JOÃO ENVIOU
.... .... d;;;;>:;;:.,....-,·.-c-.
A EL REI NOSSO SENHOR POR SEU EMBAIXADOR

Mf\.JEUS NO ANO DE MIL QUINHENTOS E CATORZE
[B 6 a]
E
M nome do Padre e do Filho e do Espírito Santo, três
Pessoas, um Deus só, a salvação e graça de Nosso Senhor
e Redentor Cristo Jesus, Filho de Nc:ssa Senhora Maria a
Virgem, o qual foi parido em Casa deBelem, a graça e benção
sejam sôbre o amado irmão o cristianíssimo Rei Manuel, cavaleiro
dos mares, sujeitador e forçador dos cafres incridos e mouros.
Prospere..,vos o Senhor Cristo e vos dê vitória sôbre vossos inimi..-
gos, e alargue e estenda vossos reinos pelos rogos e devoçõis dos
57
mensageiros do Redentor Cristo, os quatro Evangelistas São João,
Lucas, Marcos e·Mateus, suas santidades e orações vos guardem.
Fazemos saber ao amado irmão que a nós chegaram da vossa
grande e alta casa dois mensageiros. Um se chamava João,
dizendo que era clérigo, e o outro João Gomes; e disseram:
remos mantimentos e gentes. '' E para isto a vós nosso
embaixaqor Mateus, irmão do meu serviço, com licença do
Patriarca Marcos, que nos dá a benção e manda os clérigos a
Jerusalém, padre nosso e de todo meu senhorio, esteio da fé de
Cristo e da Santa E êle enviou por nosso mandado a
um vosso pôrto da India, dizendo que vos daríamos tantos manti""
mehtos como os montes, e assim vos daríamos gentes tantas como
as areias do mar. foi a nós dito que o Senhor do Cairo fazia
armada de navios para mandar contra vossas armadas. E nós vos
daremos tantas gentes que estejam no Estreito de Meca, a saber,
Bebalmandeb, ou para enviardes a Judá ou T or, que façais des..-
terrar estes mouros de sôbre a face da terra-e nós por terra e vós,
irmão, por mar, que nós somos poderosos em a terra; para que os
oferecimentos e ofertas que se apresentam ao Sepulcro Santo não
as dêem mais a comer aos cães. E êste é o tempo achegado da
promessa gue disse Cristo e Santa Maria sua madre, que disseram
que no derradeiro tempo se alevantaria o rei das partes dos francos
e que êste daria fim aos mouros. E êste é o prometimento gue disse
Cristo e sua madre. E todo o que Mateus, nosso embaixador, vos
disser recebei como [de] nossa pessoa, e o crede por..- [ B 6b ]que êle
é o principal que temos; porque se outro que mais soubera ou mais
entendera que êle tiveramos, nós vo,lo enviaramos. E nós quise,
ramos enviar .... vos nossa embaixada pelos vossos que cá enviastes, e
tememo..,.nos de vos não apresentarem as nossas coisas como quere,
mos. E com êste nosso embaixador Mateus vos enviamos uma
,..,.,.__., '
lenho em que foi crucificado Nosso Senhor Jesus Cristo
em Jerusalém, que me foi trazido do dito Jerusalém, de que fiz
duas cruzes: uma nos fica e esta outra vos enviamos com nossa
embaixada. E o dito lenho é preto e leva uma argola pequena de
prata. E quiseramos enviar .... vos muito oiro, mas os mouros por
onde havia de passar o tomanam nestes caminhos. E se vós
58
houverdes por bem-do que nós teremos muito contentamento-
__ dar vossas gfuas para nossos filhos, 2J!.
nossos filhos para vossas filhas, que. será mais razão, não mais,
senão que a salvação e "graça de Nosso Redentor Cristo Jesus e de
Nossa Senhora Santa Maria a Virgem se estenda sôbre vossos esta..-
dos, e sôbre vossos filhos e filhas, e sôbre tôda vossa casa. Amen.
Mais vos fazemos saber que se ordenassemos nossas gentes
· em hostes, que encheriam e abastariam todo o mundo. Mas não
temos nenhum poder no mar, e vós sois poderoso no mar. Cristo
l esus vos queira ajudar, que certo as coisas que tendes feitas na
India são coisas milagrosas. E se quizerdes armar mil naus nós as
abastaremos de mantimentos e daremos aos que nelas vierem tôda
abastança.
Deo
59

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful