P. 1
RESENHA

RESENHA

|Views: 3|Likes:
Published by Tierre Cruz

More info:

Published by: Tierre Cruz on Dec 26, 2012
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

12/26/2012

pdf

text

original

RESENHA: As intervenções do enfermeiro e as complicações em sala de recuperação pós-anestésica

A preocupação com a segurança do paciente cirúrgico veio em 1801 com o planejamento de um local ao lado das salas de operações, onde os pacientes submetidos à cirurgia pudessem ser observados. Posteriormente em 1940, algumas caracteristicas de funcionamento desta unidade já estavam bem definidas, como a atuação de enfermagem especializada com capacidade de reconhecer alterações na evolução pós-anestésica dos pacientes, planejar e implementar cuidados específicos que prevenissem complicações decorrentes do procedimento anestésico cirúrgico. A SRPA é o local destinado a receber pacientes em pós-operatório imediato submetidos às anestesias geral e/ou locorregional, onde são implementados cuidados intensivos, até o momento em que o paciente esteja consciente, com reflexos protetores presentes e com estabilidade de sinais vitais. Sendo as primeiras 24 horas do pósoperatório as que exigem atenção especial dos profissionais, pois o paciente pode apresentar distúrbios pulmonares, cardiovasculares, renais, entre outros, competindo ao enfermeiro prestar assistência segura, racional e individualizada, dando suporte ao paciente durante seu retorno ao estado fisiológico normal após anestesia. Com base nisso, este estudo selecionou os pacientes em SRPA operados no período de janeiro e fevereiro de 2007, de uma instituição hospitalar de grande porte, localizada no município de São Paulo, com 231 leitos, selecionando os pacientes maiores de 18 anos, submetidos a procedimentos cirúrgicos de grande e médio porte segundo o risco cardiológico e com tempo de permanência superior à uma hora neste local e posteriormente caracterizando segundo sexo, idade, classificação de risco anestésico ASA, tipo de cirurgia e tipo de anestesia, e tempo de permanência nesta unidade, além de identificar quais as complicações mais frequentes no período de recuperação pósanestésica relacionando as intervenções de enfermagem realizadas e o esquema da jornada de trabalho dos enfermeiros da SRPA. Após a coleta dos dados, verificou-se uma maior incidência do sexo masculino, ASA II e a comorbidade mais frequente é a HAS. A permânencia do paciente na unidade obteve uma média de 111,6 minutos na SRPA. O tipo de cirurgia mais realizado foi a geral que foram incluídas as abdominais, urológicas e vasculares de grande porte e o tipo de anestesia foi a geral. A incidência de complicações na SRPA está relacionada às condições clínicas pré-operatórias, a extensão e tipo de cirurgia, às complicações cirúrgicas ou anestésicas e a eficácia do tratamento. Como complicações prevalentes em SRPA identificou-se a dor, seguida de hipotermia. Em relação às complicações e o estado físico, segundo ASA, verificou-se que os resultados significativos são relativos a náuseas e vômitos, hipoxemia e hipotermia. As complicações mais frequentes foram dor seguida de hipotermia. Algumas complicações apresentaram relação estatisticamente significante com relação à intervenção de enfermagem realizada, como dor e rotina; dor e oxigenoterapia; dor e medicação e dor e curativo; agitação/ansiedade com a intervenção de enfermagem rotina; agitação/ansiedade com a oxigenoterapia. A complicação hipotensão relacionou-se a intervenção de enfermagem hidratação; exames complementares e observação. A hipertensão apresentou relação estatisticamente significante somente com a intervenção observação. O tremor apresentou relação estatisticamente significante com a colocação de manta térmica e transfusão sanguínea. Náuseas e vômitos relacionaram-se com a intervenção rotina, medicação e SVA. O sangramento respondeu significantemente à

assim como alguns pontos sugestivos de revisão para um próximo estudo. medicação e curativos. Ao final do estudo. Relacionando as complicações com o esquema de jornada de trabalho onde se fixa um enfermeiro por turno na SRPA obteve-se um resultado significativo para dor. A hipoxemia é estatisticamente significante quando relacionada à rotina e à oxigenoterapia. náuseas e vômito.implementação da rotina. foi levantado algumas dificuldades enfrentadas durante a coleta dos dados. manta térmica e medicação. A hipotermia teve uma relação significantemente positiva com rotina. . agitação e sangramento.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->