You are on page 1of 11

Avaliação Fisioterapêutica do paciente neurológico

História da doença atual Cirurgias Antecedentes pessoais (tabagismo. alergia. estado civil. sexo. Fone. diabetes. Ocupação.Identificação       Nome. alcoolismo. cardiopatia. outros) Antecedentes familiares Diagnóstico clínico . Idade. Endereço. epilepsia.

Exame Físico   Postura adotada no leito/cadeira Alterações:  Contraturas / Retrações musculares / Edemas / Escaras     Atrofias musculares Uso de Próteses/órteses/adaptações Transferências posturais em leito AVD’s:  Dependente/ Parcialmente dependente/ Independente .

calcanhar-joelho)  Tremor intencional (tremor de movimento)  Disdiadococinesia (dificuldade em realizar movimentos rápidos e alternados)   Equilíbrio:  Estático e dinâmico (sentado e em ortostatismo) .    Locomoção Motricidade voluntária Força Muscular (grau 0 a grau 5) Coordenação Motora: Dismetria (erro de medida)  Erro de direção (prova índex-nariz. índex-índex.

cerebelares ou piramidais em fase aguda → Hipotonia .Tônus Muscular “Quantidade de tensão do músculo em repouso”  Hipotonia → Diminuição da tensão  Hipertonia → Aumento da tensão  Inspeção  Palpação  Movimentação passiva (lenta e rápida)  Lesões piramidais → Sinal do canivete Lesões extrapiramidais → Sinal da roda denteada Lesões nervosas periféricas.

 Motricidade Involuntária: Tremores de repouso (por exemplo. Parkinson)  Clônus (reflexos de estiramento repetitivos)  Tiques (movimentos estereotipados e de supressibilidade voluntária)  .

Distonia (contrações musculares sustentadas. contorcidos. “vermiformes”)  . causando posturas anormais ou movimentos contorcidos repetitivos)  Coréia (movimentos abruptos e irregulares)  Atetose (movimentos lentos.

 Reflexos: (miotáticos e exteroceptivos) Ausente  Presente (diminuído/normal/ vivo/exaltado)  Hiper-reflexia    Cutâneo-plantar (Sinal de Babinski ?) Cutâneo Abdominal .

que técnicas e recursos devem ser utilizados)   . Problemas Principais ( o que o paciente precisa melhorar. baseando-se nos problemas anteriormente definidos) Conduta terapêutica ( o que fazer para atingir os objetivos. baseado na sua avaliação) Objetivos a curto prazo( O que o terapeuta vai objetivar no tratamento.

 Escalas de Avaliação Neurológica: Escala Modificada de Ashworth (Espasticidade)  Indice de Barthel (AVD’s)  Medida da Independência Funcional (MIF)  Escala de Deficiência da ASIA (Traumatismos raqui-medulares)  Escala de Coma de Glasgow  .

J. Laurie (2000) . Propedêutica neurológica : do sintoma ao Diagnóstico – MUTARELLI. (2000) Neurologia – CAMBIER. Eduardo G.(2005)   Neurociência :fundamentos para a reabilitação – LUNDYEKMAN.