You are on page 1of 10

Licenciatura em Economia Introdução às Ciências Sociais

A DIFERENÇA NA
INTERACÇÃO SOCIAL

Carpe Diem | 2009/2010

.... em lidarem com ele........... os diferentes membros da família Brown lidam com as diferenças que Christy evidencia e expressa...................................................... Responda dando quatro exemplos.... 8 6 Com base nas respostas que deu às questões atrás colocadas................ ................. identificando-os com alíneas de “a” a “f”..... 6 5 Considere a parte do filme que vai do 50º minuto até ao final e responda: ...... rótulo e desvio.......... 8 2 ...A diferença na interacção social 2009/2010 Índice 1 Considere os primeiros 26 minutos do filme visionado e compare o modo como.... 7 b) Explique como é que essas dificuldades têm ver com a diferença de Christy ...... 5 a) Descreva os comportamentos e os diálogos que dão conta das hesitações de Christy em ser ajudado pela médica ............... ao longo do tempo...... dois de comportamentos e dois de diálogos... que não são do bairro ou da família de Christy... 5 b) Em que medida consegue compreender as hesitações de Christy .......... 6 4 Considerando o que referiu em resposta à pergunta 1 e a parte do filme que decorre entre o 56º e 60º minutos........................... ao longo do tempo e até aos 17 anos.................... os diferentes membros do bairro onde reside a família Brown lidam com as diferenças que Christy evidencia e expressa................. explique porque é que os comportamentos e os diálogos que ocorrem entre Christy e o meio social envolvente são bons exemplos de um problema social de desviância.. ........................... identificando-os com alíneas de “a” a “d”.............. ............. Responda dando seis exemplos......... 4 3 Considere a parte do filme que ocorre entre o 50º e o 56º minuto.............. três de comportamentos e três de diálogos... interacção social.............................. 3 2 Considere os primeiros 35 minutos do filme visionado e compare o modo como........... tanto no que se refere à discriminação negativa como à discriminação positiva? Para responder ponha em evidência as diferenças conceptuais entre lei.. responda à seguinte questão: como é que interpreta as diferenças de avaliação que o pai e a mãe de Christy têm sobre a acção da médica junto de Christy.................. 7 a) Descreva quatro exemplos de comportamentos e/ou diálogos que dão conta da dificuldade dos adultos...................................... norma.

verdade Christy?” o pai responde “como se fosse ele saber”. (a) Quando Christy nasce.” … “ Não podes estar tão apegado a mim toda a vida. acreditando que este é capaz de conviver em sociedade apesar das suas limitações motoras (minuto 22º). “Christy é 3 . Realçando o facto de ele não poder estar tão apegado há mãe “esta era a minha mãe e este era o meu pai. constatando se assim que este também possui capacidades intelectuais. Não reagindo da melhor forma quando se dirigiu para a taberna e o confrontaram com a realidade. quando este sai para o trabalho sem se despedir dele. tratando o como um deficiente mental e não motor. (b) Como podemos observar ao minuto 8 Christy é esquecido pelo pai. Christy. não é bem encarada pelo seu progenitor. como é o caso de Christy. os diferentes membros da família Brown lidam com as diferenças que Christy evidencia e expressa. ao longo do tempo e até aos 17 anos. momento em que a irmã questiona o pai perguntando lhe “quanto é 25% de ¼?” respondendo lhe “25% de ¼? Que pergunta estúpida…” “Claro que existe. explica que se tem de ausentar por uns dias pois vai ser hospitalizada. No entanto a restante família despede se de Christy. Responda dando seis exemplos. requer outros cuidados e outro tipo de mentalidade. Brown encara se com uma realidade que não contava. três de comportamentos e três de diálogos. as diferenças físicas do seu filho. O principal entusiasmo veio da parte do pai.A diferença na interacção social 2009/2010 1 Considere os primeiros 26 minutos do filme visionado e compare o modo como. A partir do minuto 7 Mr. identificando-os com alíneas de “a” a “f”. Eu era a sua filhinha. a família emociona se ao aperceber se que Christy escreveu “Mother”. (c) Ao minuto 10 Mrs. Uma pessoa portadora de paralisia cerebral.” (d) Seguindo se do minuto 15. o facto de ser diferente das outras pessoas por ser portador de uma deficiência motora. (e) Ao visionarmos o filme fomo-nos apercebendo que os irmãos e amigos de Christy tentam integra-lo no grupo mesmo perante as suas incapacidades. Brown em tentativa de diálogo com Christy. (f) A partir do minuto 23º damos conta de uma grande mudança de atitude da família perante as diferenças dele. No conjunto deste diálogo. Com isto a família Brown teve de aprender a viver com as circunstâncias da vida.

Brown. Querendo transparecer com isto que Christy é o culpado de todo o mal naquela família. Para concluir é notório realçar que ao longo destes 26 minutos a família foi se capacitando e evoluindo da sua maneira de pensar e de agir. na constituição das equipas era notória alguma rivalidade. Tem a mentalidade de uma criança de três anos”. é ver como os jovens lidam com Christy. tenham aprendido alguma coisa. perante as dificuldades/diferenças do Christy. Que Deus a ajude! Este garoto é a cruz desta mulher. dois de comportamentos e dois de diálogos. é notória a dificuldade de Mr. identificando-os com alíneas de “a” a “d”. 2 Considere os primeiros 35 minutos do filme visionado e compare o modo como. os diferentes membros do bairro onde reside a família Brown lidam com as diferenças que Christy evidencia e expressa. Apresentando o seguidamente como sendo um elemento da família Brown “este é o meu filho. da senhora que se responsabiliza por Christy enquanto sua mãe está no hospital (minuto 14) não é muito apropriado. c) Ao minuto 29. Christy. Ao longo do filme é peremptório. em lidar com as diferenças/dificuldades do seu filho. Talvez os elementos da equipa adversária. pois o mais normal seria desintegra-lo completamente de todo. Ser deficiente motor não é ser inválido. nem só as pessoas rotuladas como normais são capazes de fazer golos. não é ser incapaz ou ser mais fraco. a) “Ele ficou quieto ao fundo das escadas que nem um imbecil. integrando o nas brincadeiras. as diferenças de comportamento entre os membros do bairro onde Christy e a sua família residem.o como um bebé. Responda dando quatro exemplos. Logo no início do filme. b) O comportamento. ninguém percebe que ele é simplesmente portador de uma deficiência motora e não mental.A diferença na interacção social 2009/2010 um dos nossos” . É evidente na cara de Christy que é conhecedor de todo aquilo que ela lhe esta a explicar. que deram como certo que Christy não iria marcar. fica muito revoltado pois ninguém o entende. d) 4 . Exemplo disso mesmo. todos o acham um “pobre coitado”. No bairro onde Christy reside (grupo de pertença). Por altura da hospitalização de sua mãe. é um génio”. Na nossa opinião o mais interessante. ao longo do tempo. Christy é integrado numa partida de futebol. pois trata . O mais enriquecedor neste momento do filme foi analisar e constatar que Christy é um exemplo de vida para todos nós.

Para concluir. inicialmente recusasse a ir na ambulância dizendo “Não”. ao longo do tempo vai sendo bem integrado no bairro onde reside. Sem que nunca se esqueçam que ele é deficiente motor. a) Descreva os comportamentos e os diálogos que dão conta das hesitações de Christy em ser ajudado pela médica Christy sorri quando lhe é oferecido a oportunidade de poder ver a sua vida mais facilitada. pois foi pressionada pelas amigas “apaixonou-se por um aleijado!”. Esta entrega lhe a carta que ele lhe fez com todo o carinho. Acabando por ir para a clínica. é o centro das atenções por parte dos amigos “Está louca por ti!”. mas Christy ainda magoado responde lhe “não sou nenhum garoto” e “vai te lixar”. Christy como qualquer jovem começa a despertar interesse por Rachel. Já no final do jogo. acompanhando sempre as brincadeiras dos amigos e dos irmãos. Não era de maneira nenhuma a sua ideia. Christy. talvez muito conhecido por nós jovens e que fez parte de algumas brincadeiras nossas de adolescentes. pois mostra se incomodada com a situação. acabando por pedir a Eillen para ir para casa “Eillen.” Eillen não desiste de ajudar Christy. então. é a primeira a fazer rodar a garrafa. No primeiro dia de terapia na clínica Christy repara que nesta só existem crianças com o mesmo problema que ele. Significa então que Rachel. logo requer mais atenção. jogo da garrafa. porque acredita na sua recuperação. mas sem sucesso. 3 Considere a parte do filme que ocorre entre o 50º e o 56º minuto. após se aperceber das condições proporcionadas não reage da melhor maneira. fica com a boca virada no sentido de Christy. No entanto. Esta proporciona lhe a oportunidade de realizar terapia em casa. Christy. Na nossa opinião fê-lo. tornando se bastante mais fácil de o perceber e consequentemente fazendo trabalhos cada vez mais belos. é importante dizer que Christy dentro dos possíveis. continua reagindo mal. Rachel. que com sessões de terapia realizadas em casa de Christy. 5 . começa a decorrer um jogo. bem como na sua capacidade para pintar. Esta por sua vez. logo será sempre comentado. este melhora. mas acaba por aceitar a ajuda. podes vir aqui? Quero ir para casa. terá de dar um beijo a Christy.A diferença na interacção social 2009/2010 Ao minuto 30. Ajuda esta.

acrescenta a mãe de Christy. responda à seguinte questão: como é que interpreta as diferenças de avaliação que o pai e a mãe de Christy têm sobre a acção da médica junto de Christy. Nos vários diálogos entre o minuto 56º e 60º são evidentes as posições da mãe e do pai de Christy em relação acção da médica. por outro lado não compreendemos porque ali todos têm o mesmo problema. No entanto e perante a visualização do filme até compreendemos as suas hesitações. ele tem um dom. Christy é um ser humano como nós. a única diferença e ter uma deficiência motora. embora. embora Christy não queira fazer terapia junto das crianças daquela clínica.A diferença na interacção social 2009/2010 b) Em que medida consegue compreender as hesitações de Christy Achamos que nunca ninguém vai compreender as hesitações de Christy a 100%. “os males do corpo não se comparam com os males do coração”. No mundo onde vivemos devemos saber lidar com as diferenças. não é uma questão de idades mas sim de igualdade. 6 . as crianças tenham o mesmo problema que ele. A mãe de Christy ao contrário do que o pai pensa. 4 Considerando o que referiu em resposta à pergunta 1 e a parte do filme que decorre entre o 56º e 60º minutos. o que não significa que não seja capaz de desenvolver uma capacidade. O pai contesta não conseguindo entender as preocupações da mãe. de facto Christy já não é nenhuma criança. devemos respeitar pois só ele é que sabe o que sentiu. paralisia cerebral. ou seja. tal vimos no filme. e cada um reage a sua maneira perante as situações. porque somos da teoria que só quem passa pelas situações é que sabe o que sente e o porquê das suas reacções. mas como já referi anteriormente. Todos naquela clínica têm o mesmo problema. O contacto com a médica fez com que Christy conseguisse ter uma maior autonomia e também ser compreendido pelos que o rodeiam. Mas no fundo até se compreende a sua reacção pois Christy já era um adulto. acredita que apesar das melhorias físicas do filho ele não se encontra com um equilíbrio psicológico acreditando que este esta apaixonado pela médica e mais tarde poderá vir a sofrer devido a essa aproximação. Cada pessoa é uma pessoa. e estão ali para ser ajudados a ter uma vida mais facilitada. pintar com o pé esquerdo. Se Christy não se sentia bem perante a situação da clínica (crianças).

“a esperança adiada” e “Tormento do coração”. Este. Após ter estado trancado dois dias no seu quarto. Após. médica com uma especialização em paralisia cerebral. em lidarem com ele. Eileen Cole. 7 . encara a visita da médica com algum receio. conseguiu organizar uma exposição na galeria de Peter. Ao longo da sua estadia é notório o seu mau estar. convida Christy para integrar uma nova clínica para doentes com esta doença. deixando todos sem saber o que fazer. Dra. Eileen Cole. tal era o comportamento de Christy. 5 Considere a parte do filme que vai do 50º minuto até ao final e responda: a) Descreva quatro exemplos de comportamentos e/ou diálogos que dão conta da dificuldade dos adultos. sabendo que a pintora era um grande entusiasmo para Christy. pois este mostrava se nervoso/alterado. A Dra. Christy recebe a visita da Dra. Cole levaram o autor das pinturas a jantar fora. Todos ficaram admirados com o trabalho de Christy. que não são do bairro ou da família de Christy. a médica faz lhe ver que ele tem de parar de ter pena de ele próprio. Aquando da partida. tendo uma atitude surpreendente. chegando mesmo a dizer que não queria ir. Depois de alguns momentos de hesitação por parte de Christy para lhe abrir a porta. “eu sempre o compreendi” responde a mãe explicando assim que a esperança que Christy expõe neste momento devido ao seu envolvimento com a médica pode desiludi-lo e acabar com tudo o que ele desenvolveu e aprendeu.A diferença na interacção social 2009/2010 inclusive a própria família. a exposição Peter e a Dra. Christy acaba por aceitar ser internado na clínica. os bombeiros sentiram algumas dificuldades em fazer transportar Christy. “…Não sou nenhum garoto” “Disse que não era nenhum garoto” “Só há garotos na clínica”. Eileen Cole. este afirma não gostar de ser tratado com diferença acabando por regressar a sua casa. Foi nestes momentos que Christy se altera completamente.

norma. Exemplo disso é o facto de o 8 . amigos e até mesmo desconhecidos em lidarem com Christy. É diferente sim. família. Ao longo do filme fomos nos deparando com circunstâncias adversas normalmente a um grupo de pertenças. como já foi referido anteriormente. o restantes habitantes foram se habituando a conviver com as diferenças de Christy. interacção social.A diferença na interacção social 2009/2010 b) Explique como é que essas dificuldades têm ver com a diferença de Christy Ao longo de todo o filme. pois quer queiramos quer não uma pessoa com paralisia cerebral é uma pessoa diferente comparado com outras ditas normais. Christy não gosta de ser tratado como um garoto. com isto queremos dizer que Christy está inserido num meio (bairro – grupo de pertenças) em que as pessoas tem todas capacidades normais. pois ele. tanto no que se refere à discriminação negativa como à discriminação positiva? Para responder ponha em evidência as diferenças conceptuais entre lei. Com isto justificamos o significado de interacção social . existe muitas dificuldades em lidar com ele. Talvez seja nesse sentido que este se sinta mal. explique porque é que os comportamentos e os diálogos que ocorrem entre Christy e o meio social envolvente são bons exemplos de um problema social de desviância. são visíveis as dificuldades de todos. sente pena de ele próprio. e por causa das diferenças de Christy. mas não incapaz de ser e fazer como as pessoas rotuladas normais. ou seja como uma pessoa que não sabe nada da vida. 6 Com base nas respostas que deu às questões atrás colocadas. rótulo e desvio. simplesmente tem dificuldades motoras. Assim Christy é portador de uma característica de um comportamento que se afasta das normas normalmente permitidas num determinado grupo (desvio). Christy é deficiente motor como tal precisa constantemente da ajuda de todos. Assim. No bairro onde a família Brown residia. Não porque seja uma situação voluntária mas sim porque não teve opção de escolha. Algumas vezes porque as pessoas não o percebem outras vezes ele é que não entende as pessoas.conjunto se situações/comportamentos entre indivíduos da mesma sociedade/grupo de pertença (conjunto de pessoas com interesses e ideais comuns e que por isso se associam e exercem determinadas acções com vista a alcançar os seus objectivos). e só Christy marca a diferença.

Assim entendemos por normas/ lei um conjunto de regras e comportamento que reflectem ou incorporam os valores de uma cultura. Assim eles acabaram por respeitar e aceitar a deficiência de Christy. 9 . se depara com o facto de Rachel o ter tratado como uma pessoa diferente só porque tem uma paralisia cerebral. Christy é confrontado com uma situação de desigualdade em que num simples jogo da garrafa em que todos nós adolescentes já tivemos oportunidade de jogar. o caso de duas pessoas que concorrem a um emprego. A sociedade cria um rótulo para as diferenças das diferentes pessoas. Traduzindo isto para o filme visionado por todos. muitas vezes é posto à margem das oportunidades. Podemos justificar isto com um exemplo bastante comum a todos nós. criou um rótulo sobre a diferença de Christy. em que uma delas e um ex-presidiário e outra rotulada como pessoa normal. Mais tarde este escreveu/pintou um postal para se declarar mas Rachel recusou o. muito pela pressão das amigas “ela está apaixonado por um aleijadinho”. Assim os valores aceites pelo bairro são o modelo a seguir para cada um dos seus membros. Hoje em dia estamos habituados a viver numa sociedade de interesses – imagem em que o que importa é a imagem da pessoa e não o conteúdo intelectual do ser humano. respeitando assim um conjunto de normas e de leis fundamentais para vivermos numa sociedade civilizada em que todos se respeitam e são tratados de igual forma. O caso de um expresidiário que após pena comprida e a consequente reabilitação no mundo social. Neste caso a sociedade opta por empregar a pessoa rotulada normal e deixar à margem um ser humano também ele normal. Vejamos.A diferença na interacção social 2009/2010 integrarem nas brincadeiras de adolescentes (futebol e jogo da garrafa).

A diferença na interacção social 2009/2010 Ana Dias Nº33850 Cátia Sousa Nº33855 Joana Fernandes Nº33875 Lauriana Vieira Nº33880 10 .