You are on page 1of 14

Licenciatura em Economia de grupo Estudo sobre uma cultura Introdução às Ciências Sociais

2009/2010

Carpe Diem | 2009/2010

1

.. (3) e de alguns factos caracterizadores do grupo que estudou...................................... 6 2 Quais as perguntas/respostas.......... em que nos podemos basear para entender o que é uma teoria em Ciências Sociais? ......................................................5 Qual é a ideia em que o autor se apoia para definir uma subcultura e qual o facto mais importante que salienta para interpretar o surgimento da subcultura do grupo estudado? ..................3 Quais os factos (referir 5) em que o autor se apoia para nos dizer como surge uma cultura?.................. quais os procedimentos que são referidos para descrever cada uma destas técnicas e em que locais e lugares aplicou estes procedimentos? ...... Quais os factos (refira em separado 5 comportamentos e 5 significados) em que o autor se apoia para provar a existência neste grupo desta uma visão comum? ... 7 3 Quais as perguntas/respostas................................................... etc)....................................................................................... em que nos podemos basear para entender o que é um método em Ciências Sociais?........ 10 5.................................................. dão conta da heterogeneidade de condições e situações de trabalho do grupo estudado? .....................1 Quais os factos (refira em separado 5 comportamentos e 5 significados) em que o autor se apoia para provar a existência neste grupo de uma visão comum sobre o que são os outros e sobre o modo como lidar com eles quando surgem conflitos?.................... do ponto 1................................................ 5 1............... 3 1.......................... . que o autor descreve........................................2 Quais os factos (refira em separado 4 comportamentos e 2 significados) em que o autor se apoia para concluir sobre as consequências sociais de uma sub .................................cultura fechada sobre si própria............................................. factos................................................... 3 1............. 8 5 Poderemos considerar que o texto de Becker tem uma terceira parte em que o autor desenvolve uma descrição pormenorizada sobre as consequências que a cultura do grupo tem sobre si próprio na relação com o “mundo exterior”.1 Quais os factos (referir 4).... do ponto 1............................................... (2) da metodologia que desenvolveu para recolher informação (dado empíricos..2 Quais as técnicas (referir 2) de recolha de informação que o autor identifica ter usado.............................4 Quais as ideias (referir 6) em que o autor se apoia para definir o conceito de cultura? 5 1............ 10 5.............Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 Índice 1 Considerar que o texto de Becker tem uma primeira parte em que o autor desenvolve uma apresentação geral do seu trabalho que nos dá conta (1) da teoria em que se apoia para explicar a realidade que encontrou........ 3 1.................................... 12 2 .......................... 7 4 Poderemos considerar que o texto de Becker tem uma segunda parte em que o autor desenvolve uma descrição pormenorizada sobre o modo como a cultura do grupo estudado permite que este tenha uma visão comum sobre si próprio e sobre o seu mundo....................

define-se por um comportamento que se afasta do que é normal e de uma certa forma.2 Quais as técnicas (referir 2) de recolha de informação que o autor identifica ter usado.109/110) “Digo-te. que o autor descreve. no Capítulo 3.. dão conta da heterogeneidade de condições e situações de trabalho do grupo estudado? O autor descreve um conjunto de factos que dão conta das diferenças entre o grupo estudado. factos. (2) da metodologia que desenvolveu para recolher informação (dado empíricos. mas mudam quando entram neste meio. 1. (3) Os músicos trabalham numa imensa diversidade de locais.Os músicos gozam de uma vida exótica. Assim. 79. parágrafo 2.” 1. (3) e de alguns factos caracterizadores do grupo que estudou. mas sim trabalham em estúdios de rádio e televisão. são apenas gajos normais. das regras que geralmente não são admitidas num dado grupo. (1) Os locais de trabalho não são fixos (pág. pág. etc). Importa primeiramente definir o que são grupos desviantes. quais os procedimentos que são referidos para descrever cada uma destas técnicas e em que locais e lugares aplicou estes procedimentos? Becker durante um determinado período de tempo estudou a cultura de um grupo desviante. (4) Os músicos são pessoas diferentes (pág. (2) Existem outros ainda que não fazem música. Quando começam.108 2ºParágrafo) “Alguns músicos trabalham principalmente em bares e em cafés concerto…Alguns tocam com grandes orquestras…Outros trabalham regularmente num lugar …”.1 Quais os factos (referir 4). um pouco como na selva.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 1 Considerar que o texto de Becker tem uma primeira parte em que o autor desenvolve uma apresentação geral do seu trabalho que nos dá conta (1) da teoria em que se apoia para explicar a realidade que encontrou. 1º 3 .. os músicos são diferentes de toda a gente. Conforme o escrito no livro “Introdução à Análise dos Fenómenos Sociais”. que provêm de pequenas cidades.

realizei este estudo. ou deveriam ser. pois tem um mundo de escolhas.há ainda outros que tocam com orquestras de reputação nacional ou trabalham em estúdios de rádio e de televisão. foi ouvir e consequentemente anotar as conversas normais dos músicos. é o diálogo entre diversos músicos. é que o mundo dos músicos de jazz é diferenciado do mundo digamos. normal. “ Na sua acepção mais corrente. Este relata que é bem mais fácil ser músico em Chicago. uma pequena cidade universitária. Becker recolheu muitas informações. Alguns tocam em grandes orquestras em salões de baile e clubes nocturnos. 1º linha) “Alguns músicos trabalham principalmente em bares e em cafés – concerto situados em bairros periféricos ou no centro da cidade. Uma das conclusões que o autor retira do estudo. 108.” O autor utiliza duas técnicas. refere-se também ao modo de pensar.” No final da sua pesquisa.” Resulta também de uma ideia consensual entre todos os diálogos. o que possibilitou que um número reduzido de músicos soubesse desse estudo. 109 2ºparágrafo 2º linha) “Este termo é utilizado como substantivo e como adjectivo. (pág.” Ao longo deste tempo. para recolher informação e assim compreender melhor esta cultura. quando. (pág. 1º linha) “A maioria das pessoas que observei não sabia que eu estava a fazer um estudo sobre os músicos”. A técnica mais utilizada. as oportunidades de trabalho também elas inferiores. o que de alguma forma enriqueceu o seu trabalho. e como deve fazer.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 linha. embora pequena comparada com Chicago. e também se aplica a um tipo de pessoa que possui uma qualidade de comportamento. de sentir e de comportamento contrário àqueles que os músicos valorizam. a desviância caracteriza um comportamento que se afasta das normas geralmente admitidas num dado grupo.108. trabalhou como músico em duas cidades. em 1948 e 1949. Este fez poucas entrevistas formais. Outros não trabalham regularmente num lugar. Designa as pessoas que são o oposto de tudo o que os músicos são. sobre o facto de nós (não músicos). 3ºparágrafo “ Já era pianista profissional há alguns anos e pertencia aos meios musicais de Chicago. Citamos na página 107. mas trabalham com orquestras em bailes privados…. 2º parágrafo. são elas a pesquisa e o diálogo entre músicos. que ninguém pode dizer a um músico o que está bem ou mal. sermos leigos (pág. pois não tem conhecimentos 4 . a outra já considerada uma grande cidade. Becker fez uma pesquisa aprofundado do que era ser músico. A segunda técnica utilizada por Becker. uma vez que fez parte de várias orquestras de diferentes tipos.

se manterem fora do círculo dos membros “normais” do grupo. os músicos são diferentes de toda a gente. “ Digo-te. Refere-se a crenças. 1. 1.4 Quais as ideias (referir 6) em que o autor se apoia para definir o conceito de cultura? Importa primeiramente darmos uma definição de cultura. Assim consideramos a pesquisa e os diálogos. pois como possuem a mesma profissão são remunerados de igual maneira e partilham dos mesmos gostos. (5) partilham um conjunto de costumes comuns. 109). neste caso são os próprios músicos. São as pessoas que são julgadas por outros de serem desviantes e de. 3ºlinha) “ Estes exercem uma profissão do sector de serviços e as características da cultura em que participam derivam de problemas comuns dessas profissões. Têm uma linguagem diferente. um comportamento diferente e um aspecto diferente.” (pág. 1ºparágrafo. 106. Então podemos definir cultura. Exemplo disso mesmo é o facto de trabalharem em vários lugares diferenciados. pois não gostamos daquilo que ouvimos. Os Outsiders. como por exemplo a maioria deles trabalha de noite e dorme de dia. como um conjunto de práticas e acções sociais correntes que seguem como um padrão determinado. pois são aqueles que estamos a estudar. (4) utilizam uma linguagem comum. Os músicos jazz em particular. (2) partilham a mesma ameaça externa (pág. pois são muitas fezes citados durante os diálogos. (1) Podemos dizer que os músicos de jazz partilham de uma vida comum. 5 . (3) Possuem condições socioeconómicas e socioculturais idênticas.3 Quais os factos (referir 5) em que o autor se apoia para nos dizer como surge uma cultura? Existem vários factores ao longo do texto que nos leva a considerar que existe uma cultura. técnicas de recolha de informação sobre uma determinada cultura ou subcultura. partindo depois para exemplos do texto. partilham de várias coisas em comum. como o autor descreve na pág. por isso. 108 no 2º Parágrafo.” São influenciados por muitos de nós que não entendemos nada de música (leigos).Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 suficientes para avaliar a sua prestação. Também é importante clarificar o que são Outsiders.

5 Qual é a ideia em que o autor se apoia para definir uma subcultura e qual o facto mais importante que salienta para interpretar o surgimento da subcultura do grupo estudado? Uma subcultura é como o próprio nome indica. valores. Sociedades iguais. uma cultura é um conjunto de pessoas organizadas.105. vivemos mais ao menos as mesmas experiências e dificuldades. segundo Robert Redfield pode ser definida. logo partilham ideias e comportamentos iguais. a definição de cultura parece estar adaptada sobretudo às sociedades homogéneas. uma cultura dentro de outra cultura. somos nós estudantes. Robert Redfield. instituições. diz que (6) na perspectiva antropológica. Hughes.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 comportamentos. não é algo observável no imediato. (pág. (2) uma cultura. Já na página 104. A partir desta podemos retirar algumas ilações. 6 . uma cultura define se por um conjunto de significados que se torna típico dos membros de uma sociedade. variam sem deixarem de ser aceites por todos os restantes membros do grupo de pertença. (4) cultura. caracterizadoras de uma sociedade. logo são uma cultura. linha 17) “Por estas culturas funcionarem dentro da cultura da sociedade global. isto porque decorre de um conjunto de acções que os membros de uma sociedade vão praticando. mas distinguem-se dela. (3) assim. que os faz formar uma subcultura. Na página 103. mas também formamos uma subcultura. sendo estas implícitas em acções e objectos. Numa cultura. Estamos todos inseridos numa cultura. como os limites dentro dos quais os comportamentos convencionais dos membros da sociedade. hábitos.” Um exemplo disso mesmo. (5) Assim. 1. avança com uma definição de cultura. Assim as subculturas estão associadas a ideias essenciais do grupo. ou seja comportamentos e ideias típicas daquele grupo. regras morais que permitem e identificam uma sociedade. existe então um conjunto de pessoas que tem em comum alguma característica. como por exemplo: (1) uma cultura é um acordo mútuo entre pessoas inseridas na mesma sociedade de costumes e ideias. com comportamentos e ideias convencionais. etc. são frequentemente denominadas de subcultura. 2º Parágrafo. linguagem. Partilhamos as mesmas ideias.

em que nos podemos basear para entender o que é um método em Ciências Sociais? A pergunta/resposta em que nos poderemos basear para entender o que é um método em ciências sociais é a 1.” (pág. Por teoria pode ser entendido. 1º parágrafo. como forma de pensar e entender algum fenómeno a partir da observação. em que nos podemos basear para entender o que é uma teoria em Ciências Sociais? As perguntas/respostas que mais nos leva a entender o que é uma teoria é a 1. do ponto 1.105. no facto de que “Estes exercem um profissão do sector de serviços e as características da cultura em que participam derivam de problemas comuns dessas profissões. mas porque a vida de músico o exige.4 e em parte também a 1. 7 .3. Explicamos os factos em que o autor se baseia para definir cultura. linha 3). 2º parágrafo. assim como das suas relações com os outros membros da sociedade” ( pág. linha 12).Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 O autor apoia-se na ideia de que os músicos pertencem a uma cultura/subcultura diferente. 2 Quais as perguntas/respostas. É isso que se sucede nestas respostas. do ponto 1.3. Baseamo-nos. que todos vivem não porque querem. “ Estas pessoas desenvolvem uma concepção delas próprias e das suas actividades desviantes. Estes partilham das mesmas dificuldades das mesmas ideias sobre a música. Tentamos explicar por factos do testo ou até factos implícitos sobre cultura. 3 Quais as perguntas/respostas. Não são mais que (regras) básicas. 106.

os maiores personagens é que são os grandes heróis do mundo da música. também podemos considerar um comportamento o facto de para o grupo um musico que tenha um comportamento mais “doido” e desviante é o mais influente e adorado do grupo “ Sabes. Foi qualquer coisa!»(pág. e os rapazes todos a gritar e a bater palmas. o penúltimo comportamento consiste num elemento do grupo que se tornou mal-educado para o patrão pondo em risco o trabalho dele e dos colegas mas no entanto o resto do grupo não o repreende e acaba por ajuda-lo “Os músicos irão tolerar os comportamentos estranhos de um colega sem 8 . alguém pegou em gasolina do depósito. o segundo comportamento transmite-se na acção de crítica. O gajo que tiver o comportamento mais maluco é o melhor. ( pág. se é feliz assim. isso é com ele. o carro começa a arder. incendiando o carro. espalhou-a à volta do carro e pegou fogo com um fósforo. alguém disse: “Vamos incendiálo”. Que história! O carro a arder. 111)”. Se é assim que quer viver. regressam a casa e entretanto o carro avaria. que não merecia ser tratada assim. Comportamentos: O primeiro comportamento é um exemplo em que após terem terminado de tocar num baile. Mas pronto.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 4 Poderemos considerar que o texto de Becker tem uma segunda parte em que o autor desenvolve uma descrição pormenorizada sobre o modo como a cultura do grupo estudado permite que este tenha uma visão comum sobre si próprio e sobre o seu mundo. um dia vai destruir-se ou então ser destruído por uma delas. e mais pessoas gostam dele. que continue. 110)”.(pág. em que os músicos não criticam a infidelidade de um amigo apesar de não concordarem “O Eddie está sempre a meter-se com gajas. Logo a seguir. Este grupo de músicos fica aplaudindo e a assistir “De repente. 109). Quais os factos (refira em separado 5 comportamentos e 5 significados) em que o autor se apoia para provar a existência neste grupo desta uma visão comum? Na segunda parte do texto de Becker o autor descreve vários comportamentos sobre a cultura dos músicos de jazz sobre a visão que estes têm com o mundo interior e exterior do grupo. tem uma mulher simpática. E no entanto. e zás.

Apenas são diferentes dos outros. o elemento central do código de comportamento entre colegas é a proibição de criticar ou mesmo de tentar influenciar outro músico enquanto este toca (pág. 109) ”.109)”. meu amigo. no entanto. possuir o dom de ser músico “ Este dom não pode ser ensinado.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 tentarem castigá-lo ou impedi-lo. Se o repreendessem. Não consegues tocar jazz em lado nenhum. os músicos são diferentes de toda a gente. utilizada pelos músicos para designar quem não é músico (pág. (pág. iriam contra os seus costumes.116)”. para eles um músico para ser músico tem que ter nascido para a música. 109) ” -segundo significado. Ao longo do texto também encontramos significados que caracterizam este modo de vida dos músicos de jazz. Têm uma linguagem diferente. porque sentes que és muito diferente das outras pessoas. o quarto significado diznos que o grupo considera que cada um tem o seu modo de estar dentro da sua própria cultura não interferindo no seu modo como vê e lida com determinados assuntos. o comportamento incontrolado de um baterista fez com que a orquestra perdesse um trabalho.111)”. é tudo… É difícil sair do mundo da música. por último os músicos acham-se diferentes dos leigos em vários aspectos “Digo-te. (pág. quem não o possui nunca poderá tornar-se membro do grupo (pág. Os músicos consideram que são independentes e que não podem ser influenciados mesmo dentro do grupo de músicos “Na verdade. um comportamento diferente e um aspecto diferente. por último os músicos criam uma hierarquia de estatutos de acordo com o tipo e nível de música que tocam. de seguida para o grupo descrito no texto o jazz é o único género de música que tem prestígio em ser tocada. 9 . No próximo incidente.109)”. os colegas emprestam-lhe dinheiro e evitam castigá-lo. E eu não quero passar a minha vida lutar contra isso(pág. Um primeiro significado consiste na criação de uma característica para explicar as pessoas que não são músicos nem percebem de música “O conjunto de crenças relativo aos músicos e ao seu público é simbolizado pelo uso da palavra «leigo». demonstrando que este grupo necessita de ser diferente de todos os outros grupos de músicos da sociedade “Não há empregos em que possas tocar jazz. tens de tocar rumbas e músicas populares ou outra coisa qualquer. e mesmo furiosos.

Deste texto podemos retirar alguns comportamentos e significados que os próprios músicos atribuem e que Becker utiliza para provar a existência neste grupo de uma 10 . 5. a maneira de viver dos músicos de jazz é diferente da nossa. Eles pretendem demonstrar aos outros que são “diferentes” daí os comportamentos estranhos que eles têm perante a sociedade em geral.” Com esta passagem do texto podemos retirar que os músicos se abraçam mesmo a sua profissão têm de ter comportamentos que os cidadãos com uma rotina normal não têm.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 Estes comportamentos e significados demonstram que os músicos da jazz têm uma visão diferente de estar no mundo do que propriamente o “leigos”. 5 Poderemos considerar que o texto de Becker tem uma terceira parte em que o autor desenvolve uma descrição pormenorizada sobre as consequências que a cultura do grupo tem sobre si próprio na relação com o “mundo exterior”. Quando se trabalha enquanto outras pessoas dormem. fora das situações de trabalho. talvez por isso se justifique alguns comportamentos deles. é difícil manter relações sociais com estas. isto é inevitável já que as condições de trabalho (horário tardio. etc) dificultam a sua participação em actividades sociais fora da sua profissão. Em certa medida.1 Quais os factos (refira em separado 5 comportamentos e 5 significados) em que o autor se apoia para provar a existência neste grupo de uma visão comum sobre o que são os outros e sobre o modo como lidar com eles quando surgem conflitos? Após a leitura do texto de Becker podemos considerar que a vida. ou melhor. Querem ser relembrados pelo próprio talento e as suas desviâncias. como podemos ver existe uma parte no texto em que diz “Alguns músicos alargam este modo de comportamento às suas actividades sociais. A sua profissão exige a cedência a alguns ritmos de vida. grande mobilidade geográfica.

o segundo comportamento dá-nos a indicação da atitude dos músicos perante o publico. de seguida por acharem que são os melhores.117) ”. um terceiro comportamento e também importante referir que os músicos comerciais tocam o que o público deseja “Ouçam. estão a ver? O problema é que não quero que a minha mulher passe vergonha por causa dele. o que na nossa opinião tem lógica pois é para o público que os músicos trabalham. ou seja é o público que lhes aplaude. Por último um quinto comportamento em que por pressões por parte do público. 117) ”. mas é o meu sogro. alguns músicos acabaram por desistir se certos trabalhos “Às vezes o empregador exerce uma pressão tão grande que faz com que um músico pouco habituado a ceder tenha de desistir. desprezo quando estão a trabalhar. no quarto significado podemos referir que eles pensam que por serem diferentes dos restantes cidadãos. por isso toquem alguma música italiana para que ele se mantenha tranquilo. 118) ”. eu sei que não querem tocar essas merdas e não vos quero obrigar a isso. um quarto comportamento é o facto de por vezes os músicos serem “obrigados a realizar a vontade do público. um terceiro significado é que para eles terem que agradar ao público. 11 . pode ser? (pág. e os por último defendem a ideia de que um músico com qualidade nunca consegue arranjar um trabalho com bastante qualidade “Nunca vai haver um trabalho verdadeiramente bom para um músico (pág. para eles não é correcto. o que na nossa opinião é o que deve ser feito. não são obrigados a ter determinadas reacções e comportamentos. Significados: Em primeiro lugar os músicos no seu dia-a-dia acreditam que são melhores que os outros cidadãos envolventes na mesma sociedade que eles. pelo menos durante esse trabalho (pág. reagem/têm comportamentos diferentes dos restantes cidadãos. ou seja.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 visão comum sobre o que são os outros e sobre o modo como lidar com eles quando surgem conflitos. Comportamentos: No primeiro comportamento podemos referir que tanto os músicos de jazz como os músicos comerciais concordam que ambos tocam para leigos (pessoas que não percebem de musica como os próprios músicos).

pois consideram que o auditório. mas novamente meio a brincar. que torna quase impossível que estes interajam directamente. a sua própria linguagem “É preciso usar uma linguagem especial 12 . composto por «leigos». Os músicos são de um certo modo reservado do público. Significados: No primeiro significado salientamos que os músicos utilizam o seu próprio vocabulário. por exemplo as cadeiras. “O Jerry mudou-se para a frente do piano. que o separavam do auditório (pág. colocou duas cadeiras à sua frente. com receio de assim estabelecerem um contacto que depois lhes permitiria pedirem certas músicas ou tentar influenciar a sua performance musical de outra forma qualquer (pág. Trabalham em cima de um palco que constitui uma barreira física.120) ”.” Comportamentos: No primeiro comportamento queremos referir o facto de os músicos se isolarem do público “Os músicos apreciam este isolamento. os músicos estão espacialmente isolados do público. daí a terem determinadas atitudes.Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 5.120) ”. quando se deslocam entre os «leigos» evitam encontrar o seu olhar. Eles tentam sempre manter a distância entre eles e o público.2 Quais os factos (refira em separado 4 comportamentos e 2 significados) em que o autor se apoia para concluir sobre as consequências sociais de uma sub . Os músicos apreciam este isolamento. composto por «leigos». é potencialmente perigoso.119) ”. Como podemos observar numa passagem do texto os próprios músicos preferem manter a distância: “Como regra geral. é potencialmente perigoso (pág.cultura fechada sobre si própria. também é importante referir que pelo facto de se querer isolar do público arranja sempre maneira de colocar um “entrave” entre estes. pois consideram que o auditório. um último comportamento segue-se pelo facto dos músicos evitarem socializar e envolverem se com os leigos/público quando se encontram no meio destes “Normalmente.

Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 (pág. 13 . É preciso usar uma linguagem especial.123)”. vestirse de forma diferente.123) ”. trazer óculos diferentes (pág. por último estes músicos têm rituais e formas de vestir diferente “Existem tantos rituais e cerimónias estúpidas.

Estudo sobre uma cultura de grupo 2009/2010 Ana dias Nº 33850 Cátia Sousa Nº 33855 Joana Fernandes Nº 33875 Lauriana Vieira Nº 33880 14 .