You are on page 1of 1

A Hierarquia de Maslow

No período pós-segunda guerra mundial surgiram questionamentos a respeito dos limites e usos das teorias psicológicas existentes. Contestava-se, naquela época, o caráter fortemente experimental e sistemático do Behaviorismo, ou mesmo a organização sistêmica da Psicanálise, por exemplo. Nessa mesma época, o psicólogo estadunidense Abraham Maslow, visando a suplantar as psicologias existentes, desenvolveu a Psicologia Humanista, que focaliza seus estudos sobre o ser humano saudável, mas não sobre dados e estatísticas relativos às mentes enfermas. Em seu livro “Motivação e Personalidade”, Maslow apresentou o conceito de Hierarquia das Necessidades Humanas, segundo o qual, para que uma pessoa esteja em estado de equilíbrio, é preciso que uma série de necessidades motivacionais sejam supridas, umas mais urgentemente que outras. Assim, para efeito de exemplificação, considera-se que um dado indivíduo carece de tudo aquilo que é responsável pela sua manutenção. Em um primeiro instante, todas as motivações, todos os desejos e objetivos desse ente serão direcionados para o suprimento das necessidades fisiológicas, como ar, água, alimento, sono e sexo, independentemente da existência de outras necessidades. À medida que as necessidades fisiológicas são supridas, gradativamente, torna-se perceptível uma necessidade hierarquicamente mais elevada, que é a necessidade de segurança. Nesse estágio o comportamento da pessoa será motivado pela necessidade de proteger-se de riscos ambientais. Assim, o indivíduo buscará estabelecer-se em um local estável, adquirir um lar, obter estabilidade financeira e planejar seus objetivos de vida. Feito isto, o próximo passo será socializar-se em um grupo, obter e dar amor, ou seja, a pessoa buscará fazer amizades, pertencer a grupos de pessoas com quem se identifique e possa dar e receber afeto. Em seguida, surge a necessidade de ganhar prestígio e status na sociedade a que pertence. Nesse nível de necessidade, o indivíduo procura desempenhar atividades que lhes façam sentir-se bem, com eficiência, de forma a conseguir reconhecimento e valorização no meio em que vive. Por fim, cresce a necessidade de auto-realização. Esse estágio corresponde à busca por aperfeiçoar os talentos e habilidades, bem como à aquisição de conhecimentos mais profundos sobre o mundo. Para Maslow, poucas pessoas conseguem suprir, de fato, essa necessidade. Isso se dá porque, à medida que a necessidade por estima é suprida, a maioria dos indivíduos sente-se satisfeita e, logo, não procuram atingir o último grau da hierarquia. Maslow identificou dois padrões dentre os grupos de necessidades hierarquizados. O primeiro diz respeito às necessidades fisiológicas e de segurança e recebe o nome de necessidades primárias ou inferiores, por serem relacionadas a fatores biológicos, instintivos. O segundo padrão está relacionado às demais necessidades, que são chamadas de necessidades secundárias ou superiores, por serem estimuladas por fatores externos, ambientais. Não há, portanto, o objetivo de identificar características restritas a um rol de indivíduos, na teoria de Maslow. Os principais conceitos desenvolvidos são o agrupamento das necessidades humanas, a hierarquização desses grupos e a obrigatoriedade de que um grupo de necessidades inferiores seja suprido para que um grupo superior possa destacar-se. Feito isso, Maslow supõe que o organismo, de uma forma completa, entrará em equilíbrio.