Instituto Politécnico de Santarém Escola Superior de Educação

Planificação Semanal

Trabalho desenvolvido no âmbito da Unidade Curricular Organização e Gestão Curricular Curso de Educação Básica, lecionada pelo docente Ramiro Marques 3º Ano-1º Semestre

Discentes: Carla Paulino nº 100234037 Verónica Ferreira nº 100234036

Índice
Introdução ..................................................................................................................................... 4 Planificação Semanal..................................................................................................................... 8 Conclusão .................................................................................................................................... 30 Referências Bibliográficas ........................................................................................................... 32 Anexos ......................................................................................................................................... 35

“O desenvolvimento profissional docente inclui todas as experiências de aprendizagem natural e aquelas que, planificadas e conscientes, tentam, directa ou indirectamente, beneficiar os indivíduos, grupos ou escolas e que contribuem para a melhoria da qualidade da educação nas salas de aula. É o processo mediante o qual os professores, sós ou acompanhados, reveem, renovam e desenvolvem o seu compromisso como agentes de mudança, com os propósitos morais do ensino e adquirem e desenvolvem conhecimentos, competências e inteligência emocional, essenciais ao pensamento profissional, à planificação e à prática com as crianças, com os jovens e com os seus colegas, ao longo de cada uma das etapas das suas vidas enquanto docentes” (Day, 1999, p. 4) (Marcelo,2009,p.10)

Introdução
No âmbito da Unidade Curricular de Organização e Gestão Curricular foi proposto ao presente grupo um trabalho de construção de uma Planificação Semanal. A planificação que poderemos designar por planificação educacional é uma tarefa central do professor/educador e do sistema educativo. Esta é uma tarefa bastante complexa e diversificada. Segundo Zabalza (1994, citado por Escudero), a planificação é uma atividade mental do professor que usando um conjunto de processos psicológicos básicos, visualiza o futuro, constrói um inventário de fins (objetivos/competências) e também de meios (estratégias), conseguindo desta forma construir um “marco de referência que guie as suas acções” (p.2). Acrescentando ainda, o planeamento é “… um processo através do qual os professores aplicam e põem em prática os programas escolares, cumprindo sempre a importante função de os desenvolver e adaptar às condições do cenário de ensino – características da população escolar e do meio envolvente, do estabelecimento de ensino, e dos alunos das diferentes turmas…” (Januário, 1992). A planificação exige a relação entre vários “mediadores”(Zabalza, 1994), que servem de instrumentos de orientação da ação do professor. Estes mediadores são: Currículo Nacional de Competências do Ensino Básico-Competências Essências (atualmente revogado através do Diário da Républica, Despacho n.º 17169/2011), Programas e Metas Curriculares do Ensino Básico. A relação referida deve ser acompanhada da respetiva contextualização (Agrupamento, escola e turma). Como podemos verificar quando se referem à planificação como “ o elo de ligação entre as pretensões, imanentes ao sistema de ensino e aos programas das respetivas disciplinas, e a sua realização prática. É uma atividade diretamente situada e empenhada na realização do ensino que se consuma na sequência: Elaboração do plano- realização do plano- controlo do plano- confirmação ou alteração do plano, etc.” (Januário, 1992, p.9) Não podemos esquecer que a planificação é muito diversificada, porque podem ser construídas planificações de vários tipos (planificações a longo prazo, promotoras de um percurso comum, dos docentes, relacionadas com os programas disciplinares e construídas ao nível do agrupamento ou da escola por um período anual; planificações a médio prazo ao nível da escola,

relacionada com objetivos intermédios ou previsões de avaliação formativa e ou sumativa; planificações a curto prazo ao nível da sala de aula para u m período curto de tempo (semanal ou diária), selecionando por exemplo recursos, conteúdos formas de avaliação, etc.) e singular pois cada docente tem uma forma específica e pessoal de alcançar os objetivos determinados pelas metas curriculares ao qual todos os alunos devem atingir. Mas existem algumas regras que devem ser respeitadas para planificar com qualidade. Mais uma vez percebe-se a importância da planificação na evolução do processo de ensino-aprendizagem com qualidade. A planificação permite que não haja perdas de tempo, confusões na organização dos alunos, ausência de materiais didáticos como recurso, insegurança do docente, ligação de conteúdos interdisciplinares, construção de aprendizagens, marcos de referência para a avaliação e outros mais (Zabalza, 1994). Para a prática de uma planificação de qualidade são utilizados alguns instrumentos, e entre muitos a Taxonomia de Bloom que à vista de muitos profissionais da educação tem sido um dos maiores contributos na sua ação de planificar, identificando e declarando objetivos, estratégias e formas de avaliação ao nível do domínio cognitivo, apesar da Taxonomia de Bloom envolver também objetivos específicos de desenvolvimento no domínio afetivo e psicomotor, o domínio cognitivo é o mais utilizado. A Taxonomia de Bloom (revista em 2001-divisão do conhecimento e do processo cognitivo) permite aos docentes terem um processo orientado das aprendizagens dos seus alunos, pois está organizada por categorias que respeitam uma hierarquia na progressão da complexidade (evoluindo do simples para o complexo e do concreto para o abstrato) e de caraterísticas cumulativas. Após a revisão de 2001 verificou-se que por vezes é muito mais produtivo se for permitida a interpolação das categorias (parte-se de uma categoria mais complexa, através de um estimulo, isto é a aplicação de um conteúdo para adquirir um conhecimento), situação que não acontecia na Taxonomia de Bloom antes de ser revista, pois era impossível passar para a categoria posterior sem adquirir o conhecimento da categoria anterior. As categorias foram renomeadas e adquiriram as seguintes designações: Lembrar, Entender, Aplicar, Analisar, Sintetizar, Criar e Avaliar. A cada categoria correspondem verbos de ação específicos que correspondem aos objetivos cognitivos a alcançar (Ferraz, 2010). Os objetivos devem ser observáveis (Marques,2012).

Para alcançarmos as aprendizagens estabelecidas por vários documentos orientadores da ação do professor/educador é necessário planear, à qual podemos chamar de “Aprendizagem conduzida”, para o podermos fazer é necessário utilizar mais de um instrumento que nos permite alcançar algumas caraterísticas essenciais à planificação. A coerência, a adequação, a flexibilidade, a continuidade, a precisão, a clareza, a riqueza são as características que ajudam nesse processo de planificação com qualidade, para que a planificação contenha essas características é necessário que essa nos responda às seguintes questões: “O que se pretende atingir (para quê? - objectivos); à base
de quê ( o quê? - conteúdos); Como atingir (métodos - estratégias - recursos - meios); Para quem (intervenientes); através de quê (materiais - recursos); Onde (lugar); Quando (tempo); verificação do plano (avaliação - feed-back)”.

E outras também importantes a ser respondidas: “Que pretendo alcançar com o meu
ensino, ou que objectivos gerais lhe estão subjacentes?; Que pretendo alcançar com o ensino destes conteúdos? Que conheço eu destes conteúdos?; Que têm a ver comigo estes conteúdos? Como articular logicamente a sua apresentação?; Como apresentar estes conteúdos de forma acessível aos alunos, e articulando-os com a sua experiência e só seus interesses?; Como problematizar estes conteúdos?; Que dificuldades se colocam?; Que conceitos fundamentais estão em jogo?; Que questões estão na base destes problemas?; Porque é que estes problemas são problemáticos?; Como estimular a adesão dos alunos a estes problemas?; Que materiais utilizar? Como vou utilizá-los? Que procedimentos (estratégias) didácticos?; Como articular as diversas variáveis em jogo?; Que dificuldades se vão deparar na execução?; (Zabalza,1994,p.6)”

A presente planificação com algumas raízes de inspiração da experiência do Estágio Profissional realizado no âmbito da Unidade Curricular de SIPP-1ºc (Seminário de Iniciação à Prática - 1º ciclo, está direcionada para um 1ºano do ensino básico em que o docente decidirá explorar mais as áreas disciplinares do Português e da Matemática (Artigo 3.º d), pois poderá ser visível através da área curricular de Estudo do Meio que definiu- se ser explorada somente a partir da semana exemplificada na planificação situada temporalmente a dois terços do primeiro período letivo. Um dos objetivos desta planificação é respeitar a carga horária mínima de cada uma das disciplinas estabelecida semanalmente bem como a carga horária total a cumprir (Artigo 8.º). Desta forma e seguindo a Matriz Curricular do 1º Ciclo tentámos planificar de acordo com esta, respeitando a carga horária mínima de sete horas para o Português e para a Matemática e o tempo restante distribuído pelas áreas disciplinares obrigatórias

de Estudo do Meio e Expressões (Artísticas e Físico-Motoras), não esquecendo de articular entre si e com as áreas disciplinares as áreas não disciplinares (Área de Projeto, Estudo Acompanhado), incluir ainda a componente das tecnologias da informação e da comunicação e a educação para a cidadania (não sendo uma disciplina isolada obrigatória) transversal a todas as áreas curriculares (Diário da República, 1.ª sérieN.º129, Decreto-Lei n.º139/2012 de 5 de julho, p.3476). Por ser uma Planificação destinada ao primeiro ano, tentámos criar estratégias que desenvolvessem atividades de carater mais interativo e participativo, procurando desta forma construir e enriquecer as relações de afetividade dentro de uma sala de aula, entre professor-alunos e alunos-alunos. A Afetividade é considerada uma das competências básicas de professores e alunos, para que seja possível e alcançável um percurso pedagógico de qualidade construtor de aprendizagens de qualidade em ambos e principais personagens de uma sala de aula, docente e alunos (Amado te al., 2009, p.77).

Planificação Semanal Dia da Semana – segunda-feira – 90min.
Áreas Curriculares Língua Portuguesa/ Estudo Acompanhado Conteúdos
Leitura A consoante “d”; Letra maiúscula, minúscula, de imprensa e manuscrita; Escrita Maiúscula e minúscula em letra manuscrita. Palavra, imagem

Objetivos e Competências
Desenvolver a consciência fonológica e operar com fonemas. Identificar o som da palavra e estabelecer as correspondências som/letra; letra/som.

Estratégias
Apresentar a letra “d” ; Trabalhar no quadro as sílabas CV (consoante/vogal, da, de, di, do, du); Projetar Jogo de cartões (associação de imagem/palavra).

Atividades
Ler em voz alta as sílabas CV (consoante vogal) escritas no quadro; Identificar, associar e corresponder imagem/palavra; Praticar a caligrafia da letra “d” em maiúsculas e minúsculas e as sílabas CV (consoantevogal) no caderno.

Avaliação
Jogo de cartões; Observação direta.

Dia da Semana – Segunda-feira-90min.
Áreas Curriculares Matemática Conteúdos Números e Operações Números naturais: Noção de número natural; Relações numéricas. Operações com números naturais: Adição. Objetivos e Competências Contar até ao número seis: Efetuar contagens progressivas envolvendo os números até seis. Representar na reta numérica. Adicionar números naturais: Saber que o sucessor de um número na ordem é igual a esse número mais um. Utilizar corretamente os símbolos “+”e “=” e os termos “parcela e “soma ou total” e na representação horizontal do cálculo. Estratégias Trabalhar o número seis utilizando como recurso o quadro; Trabalhar os termos da adição; Explicar e exemplificar a composição de uma adição no quadro; Retirar dúvidas através da resolução de exercícios no quadro. Atividades Praticar a caligrafia do número seis no caderno. Resolver exercícios propostos (no caderno e no quadro). Avaliação Observação direta; Registos no caderno.

Efetuar adições envolvendo números naturais até seis, recorrendo a desenhos. Adicionar fluentemente dois números de um algarismo. Composição de uma adição de uma adição em parcelas até chegar a soma ou total. Resolver problemas: Resolver problemas de um passo envolvendo situações de acrescentar.

Dia da semana – Segunda-feira-60min.
Área Curricular Estudo do Meio Conteúdos À Descoberta De Si Mesmo: A sua identificação; O seu corpo. Objetivos e Competências Estratégias Dialogar com os alunos Aprender e sobre o nome próprio, reconhecer a sua identificação pessoal: apelido, a idade, o sexo e o endereço e registar Nome próprio, estes no quadro; apelido/nome de família, sexo, idade e Criar um jogo de endereço; apresentações de todos os elementos da turma; Documento de identificação (cartão Apresentar um bilhete de cidadão); de identidade e o atual cartão de cidadão; Construir um cartaz com todos os cartões de cidadão dos alunos da turma; Atividades Apresentar-se à turma; Preencher um documento com a respetiva identificação pessoal (nome, apelido, sexo e endereço/morada) e arquiva-lo no caderno; Manipular um bilhete de identidade e um cartão de cidadão; Preencher uma cópia do verdadeiro cartão de cidadão com a respetiva fotografia. Avaliação Observação direta; Registos no caderno; Cartaz.

Dia da Semana – Segunda Feira -30min.
Áreas Curriculares Conteúdos Descoberta e organização progressiva de superfícies; Objetivos e Competências Explorar as capacidades de expressão; Estratégias Partilhar fotografias das parecenças familiares. Atividades Desenho livre sobre a família; Ilustrar de forma pessoal Utilização de vários materiais (lápis de cor e canetas de feltro para o contorno) e de suportes. Avaliação Observação direta

Expressão Plástica

Exprimir de forma Desenho de expressão pessoal através da livre; pintura; Explorar várias técnicas. Suscitar a representação de sensações e vivências; Desenvolver a singularidade expressiva

Dia da Semana-Terça-feira-90min.
Objetivos e Competências Áreas Curriculares Língua Portuguesa Conteúdos Leitura A consoante “d”; Letra maiúscula, minúscula, de imprensa e manuscrita; Fronteira de palavra. Letra, palavra, frase; Leitura de palavrasvia direta e indireta. Escrita Maiúscula e minúscula em manuscrita, Palavra, frase, imagem. Desenvolver a consciência fonológica e operar com fonemas. Identificar os sons da palavra e estabelecer as correspondências som/letra; letra/som; Indicar desenhos de objetos cujos nomes começam pelo mesmo fonema. (localizar palavras em diferentes contextos e diferentes suportes); Repetir uma sílaba CV (consoante-vogal) sugerida previamente pelo professor. Conhecer o alfabeto e os grafemas Reconhecer que a mesma letra pode ser representada através de diferentes formas gráficas. Estratégias Atividades Reapresentar a letra Jogo de palavras; “d”; Registar no caderno. Trabalhar no quadro as sílabas CV (consoantevogal), (da, de, di, do, du); Realizar jogo de palavras (leitura e escrita). Avaliação Jogo de palavras; Registo no caderno; Ficha de consolidação.

Conhecimento da ortografia Utilizar a linha de base como suporte da escrita; Usar adequadamente maiúsculas e minúsculas; Escrever corretamente os grafemas que dependem do contexto em que se encontram; Escrever legivelmente, e em diferentes suportes, palavras ou frases de acordo com um modelo e legendas de imagens. Apropriar-se de novos vocábulos

Dia da Semana-Terça-feira-90min.
Áreas Curriculares Matemática Conteúdos Números e Operações Números naturais: Noção de número natural; Relações numéricas. Operações com números naturais: Adição. Objetivos e Competências Adicionar números naturais: Saber que o sucessor de um número na ordem é igual a esse número mais um; Utilizar corretamente os símbolos “+”e “=” e os termos “parcela e “soma ou total” e na representação horizontal do cálculo; Efetuar adições envolvendo números naturais até seis, recorrendo a desenhos; Adicionar fluentemente dois números de um Estratégias Trabalhar o número 6 realizando operações de adição e a composição de uma adição em parcelas até chegar a soma ou total (tendo o quadro como recurso); Atividades Participar na resolução dos exercícios desenvolvidos no quadro; Manipular objetos da vida diária (lápis, marcadores,…), para exercitar a decomposição do número 6; Avaliação Observação direta; Registo no caderno; Ficha de consolidação.

Realizar demonstrações da composição do número 6 através da Registar no caderno manipulação de objetos da vida diária, os exercícios desenvolvidos; lápis e marcadores; Ficha de consolidação. Resolver ficha de consolidação.

algarismo; Composição de uma adição em parcelas até chegar a soma ou total; Decompor o número seis em somas de dois ou mais números de um algarismo. Resolver problemas: Resolver problemas de um passo envolvendo situações de acrescentar.

Dia da Semana-Terça-feira.
Áreas Curriculares Estudo do Meio Conteúdos À Descoberta De Si Mesmo: A sua identificação; O seu corpo. Objetivos e Competências Identificar caraterísticas familiares transmitidas de gerações anteriores. A sua personalidade. Expressão Físico Motora 30min. Deslocamentos e equilíbrios; Ações motoras básicas de deslocamento; Velocidade de reação simples e complexa; Flexibilidade; Agilidade. Estratégias Dialogar com os alunos sobre as suas parecenças familiares (parecenças com o pai e com a mãe, cor do cabelo, dos olhos...). Percurso composto por várias tarefas de habilidade no solo: Rastejar com o apoio das mãos e dos pés; Rolar sobre si próprio, nos dois sentidos; Cambalhota para frente e para trás. Atividades Partilhar as suas parecenças familiares e a sua personalidade com a turma; Trabalhar no manual. Avaliação Observação direta; Ficha de consolidação no manual.

60min.

Rastejar; Rolar; Dar a cambalhota.

Observação direta.

Dia da Semana-Quarta-feira-90min.
Áreas Curriculares Conteúdos Objetivos e Competências Estratégias Escrever a pequena história no quadro; Atividades Copiar para o computador a pequena história sobre a letra “d”; Avaliação Observação direta.

Leitura Língua Portuguesa
Letra maiúscula, minúscula, impressa, manuscrita, Fronteira de palavra; Letra, palavra, frase; Leitura de palavras - Via direta e indireta. Escrita

Escutar discursos breves para aprender e construir
conhecimentos. Localizar palavras em diferentes contextos, neste caso a letra “d”. Desenvolver a consciência fonológica e operar com fonemas. Identificar os sons da palavra e estabelecer as correspondências som/letra; letra/som.

Maiúsculas e minúsculas; Conhecer o alfabeto e os grafemas Palavra, frase e texto. Reconhecer que a mesma letra pode ser representada através de diferentes formas gráficas. Conhecimento da ortografia Utilizar a linha de base como suporte da escrita; Respeitar a direcionalidade da escrita;

Ler a pequena história em voz alta para os alunos, Ler em voz alta a pequena história Ouvir a leitura sobre a letra “d”. realizada (individualmente); individualmente por cada aluno. Copiar para o caderno a pequena história sobre a letra “d”.

Usar adequadamente maiúsculas e minúsculas; Escrever corretamente os grafemas que dependem do contexto em que se encontram; Escrever legivelmente, e em diferentes suportes; palavras ou frases de acordo com um modelo.

Dia da Semana-Quarta-feira-90min.
Áreas Curriculares Matemática Conteúdos Operações com números naturais: Subtração. Objetivos e Competências Subtrair números naturais: Compreender a subtração nos sentidos retirar, comparar e completar. Estratégias Apresentar e exercitar no quadro a operação de subtração e utilizando desenhos e esquemas para a representar; Oferecer material didático (colares de contas,…) e outros. Atividades Participar oralmente usando o vocabulário adequado (“subtração”, “aditivo”, “subtrativo” e “diferença”) e respeitando as regras de interação; Utilizar corretamente o símbolo “ Avaliação Observação direta; Registo no caderno

- “;

Manipular colares de contas, objetos da vida diária (lápis, marcadores,…); Registar todos os exercícios desenvolvidos no quadro.

Dia da Semana-Quarta-feira-60min.
Áreas Curriculares Estudo do Meio Conteúdos À descoberta de si mesmo O seu corpo. Objetivos e Competências Reconhecer as modificações do seu corpo. Peso e altura. Reconhecer a sua identidade sexual. Diferenças corporais. Estratégias Explicar no quadro o ciclo da vida, para explicar o crescimento. Fazer uma fita métrica em cartolina para medir os alunos, Comparar o crescimento dos alunos ao longo do ano letivo, com a ajuda da fita métrica; Explicar as diferenças de sexo, com a ajuda dos desenhos do manual. Atividades Medição de altura de cada um dos alunos e a respetiva marcação na fita métrica feita de cartolina. Avaliação Observação direta

Dia da Semana-Quarta-feira-30min.
Áreas Curriculares Expressão Musical Conteúdos Experimentação, desenvolvimento e criação musical. Objetivos e Competências Estratégias Desenvolver as Jogo de identificação; capacidades musicais; Identificar sons Desenvolvimento isolados do meio auditivo; próximo da natureza. Aprender a escutar; Relacionar e organizar sons e experiências realizadas; Reconhecer ritmos e ciclos da natureza; Atividades Jogar o jogo de identificação; Escutar, identificar os sons da natureza. Avaliação Observação direta.

Dia da Semana-Quinta-feira-90min.
Áreas Curriculares Língua Portuguesa Conteúdos Leitura A consoante “m”; Letra maiúscula, minúscula, de imprensa e manuscrita; Escrita Maiúscula e minúscula em letra manuscrita. Palavra, imagem. Objetivos e Competências Desenvolver a consciência fonológica e operar com fonemas. Identificar o som da palavra e estabelecer as correspondências som/letra; letra/som. Estratégias Apresentar a letra “m”; Solicitar aos alunos palavras começadas com a letra “m”; Trabalhar no quadro as sílabas CV (consoante/vogal, ma, me, mi, mo, mu); Usar o manual. Atividades Referir palavras começadas pela letra ”m”; Ler em voz alta as sílabas CV (consoante vogal) escritas no quadro; Praticar a caligrafia da letra “m” em maiúsculas e minúsculas e as sílabas CV (consoante- vogal). Avaliação Observação direta; Registo no manual.

Dias da Semana-Quinta-feira-90min.
Áreas Curriculares Matemática Objetivos e Competências Conteúdos Resolução de problemas: Compreensão do problema; Conceção, aplicação e justificação de estratégias. Raciocínio matemático: Justificação Comunicação matemática: Interpretação Expressão Identificar o objetivo e a informação relevante para a resolução de um problema Conceber e pôr em prática estratégias de resolução de problemas, verificando a adequação de outros resultados obtidos e dos processos utilizados. Explicar ideias e processos e justificar resultados matemáticos. Interpretar informação e ideias matemáticas representadas de diversas formas. Expressar ideias e processos matemáticos, oralmente e por escrito, utilizando linguagem e vocabulário próprios. Estratégias Apresentar, discutir e resolver problemas (tendo como recurso o quadro); Pedir explicações de raciocínio matemático; Solicitar o uso progressivo de vocabulário adequado; Incentivar os alunos a discutir ideias matemáticas com a turma; Explicar ficha de consolidação; Corrigir com a turma alguns dos exercícios desenvolvidos na ficha. Atividades Discutir, resolver problemas e registalos no caderno. Resolver ficha de consolidação. Avaliação Observação direta Ficha de consolidação

Dia da Semana-Quinta-feira.
Áreas Curriculares Estudo do Meio 60min. Conteúdos À descoberta de si mesmo. O seu corpo Objetivos e Competências Reconhecer as partes constituintes do seu corpo. Cabeça, tronco e membros; Constituintes dos membros; Representar o seu corpo através de autocolantes, desenhos ou cartazes. Exploração das capacidades de representação gráfica; Suscitar na representação sensações, experiências e vivências; Exprimir de forma pessoal através da pintura. Estratégias Trabalhar as divisões do corpo através de um boneco feito em cartolina e de etiquetas. Atividades Colocar etiquetas nas respetivas partes do corpo humano. Avaliação Realização de uma ficha de consolidação do manual.

Expressão Plástica 30min.

Descoberta e organização progressiva de superfícies. Atividades gráficas sugeridas.

Usar registos gráficos das Ilustrar d e forma diferentes formas do corpo pessoal; humano, para os alunos Contornar formas e ilustrarem à sua imagem. pessoas; Utilizar materiais de técnicas diferentes, como o lápis de cera.

Observação direta

Dia da Semana-Sexta-feira-120min.
Áreas Curriculares Objetivos e Competências Conteúdos Leitura Letra maiúscula, minúscula, impressa, manuscrita; Fronteira de palavra; Letra, palavra, frase; Leitura de palavras - Via direta e indireta. Escrita Maiúsculas e minúsculas; Palavra, frase, imagem. Escutar discursos breves para aprender e construir conhecimentos. Localizar palavras em diferentes contextos, neste caso a letra “m”. Desenvolver a consciência fonológica e operar com fonemas. Identificar os sons da palavra e estabelecer as correspondências som/letra; letra/som; Indicar desenhos de objetos cujos nomes começam pelo mesmo fonema. (localizar palavras em diferentes contextos e diferentes suportes); Repetir uma sílaba CV (consoantevogal) sugerida previamente pelo professor. Conhecer o alfabeto e os grafemas Reconhecer que a mesma letra pode ser representada através de diferentes Estratégias Atividades Avaliação Reapresentar a letra Praticar a caligrafia Realização de “m”; da letra “m” em uma ficha de maiúscula e consolidação Trabalhar no maiúscula e as quadro as sílabas sílabas CV CV (consoante(consoante-vogal) no vogal), (ma, me, caderno. mi, mo, mu); Encontrar a letra Leitura de uma “m” nas palavras de pequena história da uma pequena letra “m”. história (registar no caderno e no quadro).

Língua Portuguesa

formas gráficas. Conhecimento da ortografia Utilizar a linha de base como suporte da escrita; Usar adequadamente maiúsculas e minúsculas; Escrever corretamente os grafemas que dependem do contexto em que se encontram; Escrever legivelmente, e em diferentes suportes; palavras ou frases de acordo com um modelo; legendas de imagens.

Dia da Semana- Sexta-feira-60min.
Áreas Curriculares Matemática Objetivos e Competências Conteúdos Números e Operações Números naturais; Operações com números naturais: Adição; Subtração. Resolução de problemas: Compreensão do problema; Conceção, aplicação e justificação de estratégias. Adicionar números naturais: Composição de uma adição em parcelas até chegar a soma ou total. Decompor o número seis em somas de dois ou mais números de um algarismo. Subtrair números naturais: Compreender a subtração nos sentidos retirar, comparar e completar. Resolver problemas de um passo envolvendo situações de acrescentar. Identificar o objetivo e a informação relevante para a resolução de um problema Conceber e pôr em prática estratégias de resolução de problemas, verificando a adequação de outros resultados obtidos e dos processos utilizados. Estratégias Explicar o enunciado dos exercícios do manual; Corrigir os exercícios. Atividades Resolver exercícios do manual. Avaliação Observação direta; Resolução dos exercícios do manual.

Dia da Semana-Sexta-feira.
Áreas Curriculares Objetivos e Competências Conteúdos Experimentação, desenvolvimento e criação musical. Desenvolvimento auditivo. Aprender a escutar; Dar nome ao que ouve; Relacionar e organizar sons e experiências realizadas. Estratégias Demostrar como se mede a pulsação e o que ela representa; Exemplificar o ritmo da respiração Atividades Avaliação Medir a pulsação e Observação o seu ritmo batendo direta. o pé no chão; Medir o ritmo da respiração batendo o pé

Expressão Musical 45min.

Reconhecer ritmos e ciclos da vida, como a Exemplificar o pulsação e a respiração. ritmo da respiração. Identificar e marcar a pulsação ou ritmo utilizando a precursão corporal. Expressão FísicoMotora 45min. Deslocamento e equilíbrio; Ação motoras básicas de deslocamento Resistência geral; Velocidade de reação simples e complexa; Flexibilidade; Controlo de orientação espacial; Diferentes alturas; Ritmo; Agilidade Diferentes tamanhos. Percurso com vários aparelhos de obstáculos, tanto um pé como com os “ pés juntos”; Saltar de um plano Observação superior para um direta. inferior em um pé e com os “pés juntos”, apoiandose com as mãos; Saltar de um plano inferior para um superior com os “pés juntos”.

Conclusão
Em conclusão do nosso trabalho, podemos verificar a importância da planificação, seja ela diária, semanal ou mensal. A planificação é uma ferramenta essencial para o professor, pois esta permite que seja feita uma preparação antecipada da aula, logo será feita com uma maior clareza. Se pensarmos bem a função desta é de organizar, prever de um modo flexível, interação entre professor e alunos. O professor ao planificar está a colocar no papel de uma forma co figurativa os vários elementos didáticos que serviram de base para o processo de ensino-aprendizagem e também o vai ajudar a que não se sinta tão inseguro e a ter um sentimento de confiança em si próprio. (Robalo, Ana. 2012 p. 178) Podemos ao longo do nosso processo de aprendizagem, no que se refere a planificação, aprender não só a fazer uma planificação, mas também a refletir de forma a criativa diversas maneiras de abordar um tema, um conteúdo, sempre com o objetivo de captar a atenção, a motivação e aprendizagem dos alunos. Perante este contexto, Pacheco (1996, citado por Robalo, Ana. 2012) refere que, “Os professores ao planificarem uma atividade consideram uma série de fatores e tomam várias decisões. Têm que decidir sobre a matéria a abordar, a informação a dar aos alunos, os procedimentos a ensaiar, os livros e materiais a usar ou os exercícios a realizar. Ao tomarem estas decisões devem ter em conta o contexto no qual se trabalha, as capacidades e interesses dos alunos, currículo e outros aspetos como o plano global da escola e as restrições do horário.” (p. 179) Um ponto muito importante e que o professor não deve deixar de ter em atenção é a flexibilidade, pois o planificar uma aula não quer dizer que esta seja seguida rigidamente. Tem que ter em atenção que a planificação é algo suscetível à mudança, não só para ser revista e melhorada mas sim a se adaptar a situações do real dos alunos podendo muitas vezes serem pontuais. (citado por Robalo, Ana. 2012 p. 179) Este trabalho também serviu para que aprendêssemos a trabalhar, a compreender e a refletir sobre os programas e metas de cada uma das áreas curriculares. Visto serem a base da planificação de uma aula e do próprio trabalho. Desta forma podemos considerar que este trabalho realizado foi muito importante e construtivo para o nosso desenvolvimento não só como alunas mas sim como futuras professoras.

Referências Bibliográficas

Amado, J. te al. (2009). O lugar da afetividade na relação pedagógica. Contributos para a formação de professores. Sísifo, Revista de ciências da educação, n.º8, issn 1646-4990. Unidade de I&D de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa. Retirado de

http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/revista%208%20PT%20COMPL.pdf

Diário da República (2012). Decreto-Lei n.º139/2012 de 5 de julho, p.3476). Ministério da Educação e Ciência. Lisboa. Retirado de www.dgidc.min-edu.pt/data/.../DL_n_139_2012_de_5_julho.pdf

Ferraz, A., Belhot, R. (2010).Taxonomia de Bloom: revisão teórica e apresentação das adequações do instrumento para definição de objetivos instrucionais. Gestão & Produção vol.17, nº2.Escola de Engenharia de São Carlos. Brasil

http://www.scielo.br/pdf/gp/v17n2/a15v17n2.pdf

Marcelo, C. (2009). Desenvolvimento profissional docente: passado e futuro. Sísifo. Revista de ciências da educação, n.º8, issn 1646-4990. Unidade de I&D de Ciências da Educação da Universidade de Lisboa. Retirado de

http://sisifo.fpce.ul.pt/pdfs/revista%208%20PT%20COMPL.pdf

Marques, R. (2012). Apontamentos sobre Organização e Gestão Curricular. Retirado de https://sites.google.com/site/ramirodotcom/

Ministério da Educação (2004). Organização Curricular e Programas. Mem Martins:ME. Retirado de

http://www.dgidc.min-edu.pt/ensinobasico/index.php?s=directorio&pid=21

Robalo, Ana. (2012). Mestrado em Ensino dos 1º e 2º Ciclos do Ensino Básico. Escola Superior de Educação João de Deus. Retido de

http://comum.rcaap.pt/bitstream/123456789/2478/1/Relat%C3%B3rio%20de%2 0Est%C3%A1gio%20Profissional%20%20Ana%20Filipa%20Pereira%20Rob.pdf

Januário,C.( 1992). Práticas de Planificação. Coimbra: Universidade de Coimbra. Retirado de: https://estudogeral.sib.uc.pt/bitstream/10316/16188/6/Praticas%20de%20Planifi ca%C3%A7%C3%A3o.pdf

Anexos

DADO

DOMINÓ

DAMASCO

DALIA

DONINHA

DINOSSAURO

DEDO

DENTE

DEDAL

DRAGÃO

DANÇAR

DINHEIRO

_______________________________________________

6_____________________________________________
_______________________________________________

_______________________________________________

6_____________________________________________
_______________________________________________

_______________________________________________

6_____________________________________________
_______________________________________________

_______________________________________________

6_____________________________________________
_______________________________________________

_______________________________________________

6_____________________________________________
_______________________________________________

A minha identificação
O meu nome é: ________________ o meu apelido é: ________________

Sou do sexo: Feminino Masculino

A minha morada é_________ _______________________________.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful