You are on page 1of 8

Página 1 20 O ASSASSINATO ritual maçônico Do Czar Nicolau II O assassinato do czar foi cometido por homens sob o comando de forças

ocultas: e por um organização que, em sua luta contra o poder existente recorreu ao Cabbalism antiga em que era bem versado. Governo revolucionário de Kerensky havia negociado com sucesso uma abdicação do Czar pacífica em 15 março de 1917. Quando os bolcheviques chegaram ao poder seis meses depois, Leon Trotsky, comissário de Lênin da Guerra, não estava satisfeito até que o imperador e toda a sua família foram assassinados. Para deixar os Romanov viva representaria um perigo para a Revolução Bolchevique deve chamar o povo russo para o seu regresso. 2 Na literatura conspiração muito, aqueles que vêem uma conspiração judaica por detrás das revoluções catastróficas de nosso século, a alegação de que um judeu ordenou que o Czar mortos: Em 17 de julho 1918 em Ekaterinenburg, e na ordem de Cheka de Trotsky, a comissão de execução comandada por um judeu chamado Yourowsky, assassinado a tiro ou por baioneta o Czar, a Czarina, filho do czar, os quatro grã-duquesas, Dr. Botkin, o criado, o servo mulher, o cozinheiro eo cão. 3 Os membros da família imperial em mais próxima sucessão ao trono foram assassinados na seguindo noite. O Grand Dukes Mikhailovitch, Constantinovitch, Vladimir Paley eo Grande Duquesa Elizabeth Ferodorovna foram jogados em um poço no Alapaievsk, na Sibéria. O Grão-Duque Michael Alexandrovitch foi assassinado em Perm com sua suíte. 4 Será que um judeu como um judeu, ou um judeu como maçom matar o Czar? Esta distinção é importante, pois subseqüente acontecimentos da história mostram moderna. Se um judeu como judeu eram culpados deste crime, como foi acreditado por todos os antiSemitas, incluindo Hitler, o perigo de um holocausto judeu era real. Mas, se um judeu como um pedreiro matou o família real, sua condição de judeu não tinha nada a 521 ver com os assassinatos. Qualquer Mason poderia ter realizado o ato. Mas, então, tinha qualquer Mason cometeu este crime, a Fraternidade Gentile anti-semita não teria sido capaz de fazer o seu bode expiatório judeus. Terroristas ou assassinos culto?

Foi o assassinato do czar Nicolau II e sua família realizado por terroristas? Ou foram os autores membros de um dos cultos maçônico-satanistas discutido anteriormente neste livro? Uma breve comparação de Terroristas maçônicos e satanistas vai nos ajudar a considerar esta questão. Primeiro, os terroristas, que matam indiscriminadamente, têm um duplo objectivo. Um deles, eles desejam trazer atenção mundial para uma causa específica. Dois, eles esperam para polarizar um governo para ganhar concessões para sua causa ou ideologia. Satanistas, por outro lado, o homicídio passional e por uma razão diferente. Os assassinatos que cometem fazem parte de um ritual, o qual pode ou não ser maçônico. O assassinato ritual exige documentação ou por a escultura de símbolos ocultos na carne do corpo da vítima ou a pintura, geralmente com o sangue do vítima, dos símbolos nas paredes que cercam a cena do crime. Satanistas geralmente agem isoladamente ou em grupos distintos, muito pequenas, responsáveis para nenhuma política formal. Terroristas, por outro lado, são muitas, e são controlados por um conjunto maior, tal como um estado. Alguns são controlados pela Maçonaria em si, como anarquistas de Bakunin e niilistas. Que a Maçonaria tenha autorizado e contratados esses serviços de terroristas é confirmada por uma declaração encontrada na ata do grau 33 Supremo Conselho da Maçonaria Mizraim em Paris em meados de 1800: "É necessário para que possamos adquirir os serviços de agentes corajoso e ousado, que será capaz de superar tudo obstáculos no caminho de nosso progresso ". 5 Página 2 O czar e sua família real não foram mortos por terroristas. Que os assassinos eram mais confidencial, mais exigentes - muito apaixonada e ritualística na sua atribuição, indica que eles eram satanistas. Nós vai discutir no final deste capítulo a mensagem simbólica pintado na parede acima dos corpos que estavam não só satânico, mas cabalístico, indicando os assassinos poderiam ter sido maçons em uma missão. Símbolos de assassinato ritual maçônico Símbolos maçônicos são deixados na cena de assassinatos rituais por várias razões: (1) para mostrar a hierarquia no Maçonaria que este era um maçom 522

assassinato; (2) para alertar todos os maçons a seguir o código de silêncio maçônico, ou sofrer um destino semelhante; (3) para documentar a natureza ritual do assassinato para completar iniciação em um maior grau maçônico, ou (4) para provar ao Maçônica pagador que o "homem de sucesso" realizado sua tarefa. Um assassinato recente, que levou os sinais de envolvimento maçônico ocorreu junho de 1982, em Londres, Inglaterra. A vítima foi Roberto Calvi, um banqueiro italiano e Grande Oriente Mason, que aparentemente era ritualmente assassinado pelas mãos da Maçonaria Inglês. Uma fotografia do seu corpo é reproduzido em David A. Yallop do livro Em Nome de Deus (páginas 212 e 213). A imagem, de número 59, mostra o seguinte Símbolos maçônicos: 1. Calvi foi pendurado de Blackfriars de Londres Bridge. Blackfriar era o nome da pousada em que Calvi pertencia na Itália. 2. Ele estava pendurado ao lado de uma saída de esgoto para indicar a opinião dos assassinos dele. 3. Um cabo de reboque maçônico, usado para levar o iniciado ao redor da sala, durante as cerimônias de iniciação no Graus azuis, era em torno de seu pescoço, indicando que ele foi levado da Itália para Londres pelo maior grau Maçons. O cabo de reboque também está "definido no ritual maçônico como representando o corte da garganta." " 4. Pedreiro tijolos foram encontrados nos bolsos. Stephen Knight em seu livro A Irmandade também registra a presença das mesmas pistas maçônicos ou mensagens no corpo de Calvi e o significado da localização do corpo: Há muitos rumores sobre a morte [de Calvi]: a Máfia, com quem Calvi tinha conexões, tinha assassinou; assustado e desesperado, ele tinha cometido suicídio, ele havia sido ritualmente feito até à morte por maçons, um maçônico [sic] "cabo de reboque" em torno de seu pescoço e seus bolsos cheios simbolicamente com pedaços de alvenaria, o local do assassinato ter sido escolhido para o seu nome - em Itália, o logotipo da Fraternidade é a figura de um Blackfriar. 7 O que tinha Calvi feito para trazer um fim tão horrível sobre si? Ele cometeu um imperdoável pecado. Calvi roubou vários britânicos banqueiros maçônicos e outros cerca de 1,3 bilhões de dólares, de acordoção de registros bancários. Esquema de Calvi começou em 1963, quando ele criou o primeiro de muitos empresas de fachada. Naquele ano, ele formou uma empresa em Luxemburgo chamado

523 Compêndio. O nome foi mudado mais tarde para Banco Ambrosiano Holdings e foi usado para desviar dinheiro de um banco que estava destinado a controlar. Em 1971, Calvi tornou-se diretor-gerente do Banco Ambrosiano em Milão, Itália. A partir de então e até sua morte, logo após a Guerra das Malvinas, o "Cavaleiro", como ele foi carinhosamente chamado por seus amigos, estava envolvido com um grupo de maçons italianos em um labirinto de desonesto operações. Yallop dá uma visão geral: Capacidade [de Calvi] para sonhar esquemas tortuosos para lavagem de dinheiro da Máfia, exportar liras ilegalmente, sonegação de impostos, ocultar os atos criminosos de comprar ações em seu próprio banco, o aparelhamento da Milão Exchange, por suborno, por corrupção, por perverter o curso da justiça, arranjar uma prisão ilegal Página 3 aqui, um assassinato ali - sua capacidade de fazer tudo isso e muito mais coloca o cavaleiro em um criminoso muito especial classe. 8 Pouco antes da Guerra das Malvinas começou na primavera de 1982, Calvi abriu uma filial do Banco Ambrosiano na Argentina. Yallop nos informa que "Calvi desviou milhões de dólares, parte dele vindo de bancos britânicos para ... comprar Exocets para a Argentina. " 9 Não é agradável para britânicos banqueiros maçônicos para refletir que a British soldados foram mortos por mísseis Exocet franceses comprados pela Argentina, com dinheiro roubado de sua própria bancos por Grande Oriente Maçom Calvi. 10 Só se pode concluir a partir da simbologia maçônica e em torno do corpo de Calvi, assassinato que Calvi foi feito para alertar outros maçons em sua posição de não roubar de seus irmãos maçônicos. Um segundo exemplo notório de símbolos maçônicos deixadas na cena do assassinato ritual é examinado por Stephen Knight em Jack the Ripper:. A Solução Final Jack, o Estripador supostamente era um pervertido sexual que estupradas e depois assassinado brutalmente cinco prostitutas no East End de Londres, de agosto a novembro, 1888. O corpo mutilado de cada mulher foi fotografada pela Scotland Yard e as provas selado para 100

anos. Knight, um jornalista britânico, tinha conexões na Scotland Yard e em 1975 foi autorizado a estudar a fotos. Ele disse que os corpos das vítimas "têm semelhanças marcantes com o outro - e extraordinária paralelos com os assassinatos rituais da maçonaria. "" Por exemplo, estômagos das mulheres foram cortadas e suas entranhas pendurada no seu ombro esquerdo. Suas gargantas foram cortadas a partir da esquerda para a direita. Dois triângulos de carne, uma do lado direito para cima, o outro de cabeça para baixo, foram cortadas de ambos os lados de suas bochechas. "Tudo o Jack, o Estripador de vítimas ", diz Knight," foram despachadas de acordo com um ritual antigo maçônica. "' 2 Finalmente, a última vítima foi morto em Mitre Square, onde apenas os alojamentos mais importantes cumpridos. 13 (ver "maçônica Juramentos" em Apêndice 4). 524 O que essas mulheres feito para incitar crimes tão cruéis? Stephen Knight nos dá um breve histórico da agitação política na Inglaterra, antes que ele responde à pergunta: Foi um período em que a Inglaterra era perigosamente instável. Muitos acreditavam que a revolução era apenas além do horizonte. As prostitutas tinham aprendido em primeira mão de um segredo das forças mais potentes na Governo britânico havia se esforçado para manter por quase quatro anos. O próprio primeiro-ministro Acredita que se o segredo saiu, o próprio trono estaria em perigo. Em uma era de feroz anti-católica sentimento, o príncipe Albert Victor Christian Edward, neto da rainha Vitória e herdeiro presuntivo o trono, tinha ilegalmente casado e pai de uma criança por um católico romano plebeu. 14 Para esconder a vergonha de um escândalo em potencial, o médico real, maçom Sir William Gull, comprometido a esposa do príncipe para um hospício, onde morreu em 1928. Quatro anos após a esposa era cometido, os cinco prostitutas aprendidas do segredo e planejava chantagear o Mason mais poderoso Inglaterra - o rei. Sir William Gull decidiu que "a única maneira segura de silenciar as mulheres era eliminar eles. E a maneira correta de executá-los era como traidores da nação .. seriam mutilados de acordo às penalidades estabelecidas no maçônica [sic] ritual. " 15 Cavaleiro faz uma forte defesa que "Jack, o Estripador, não era um homem, mas três, dois assassinos e um cúmplice "16 Todos os três homens -. real do médico, o cocheiro real, eo artista real - diz ele, foram

Maçons comandado por um rei maçônica para livrar-se de chantagistas. Outro exemplo notável de assassinato ritual maçônico ocorreu em meados dos anos 1970, e é discutido pelo Dr. John Coleman em Atualização sobre Sociedades Secretas (1984) e O Futuro da América Latina (1985). Coleman era um oficial da inteligência britânica em Angola e Rodésia durante as revoluções comunistas Grand Orient nesses dois países nos anos 1970. Em muitas ocasiões, ele interrogado revolucionários em ambos os países e descobriu que eles foram treinados profissionalmente na Escola de Economia de Londres, que ensina Milner, Marx e Engels. No auge das atrocidades cometidas pelos rebeldes, Dr. Coleman visitaram a Estação de Missão em Elam Angola. Não houve sobreviventes. Ele viu os restos mortais de 13 (um número maçônico sagrado) branco missionários que haviam sido agredidos até a morte. Uma mulher de 55 anos de idade, tinha um machado enterrado em sua cabeça. A de três anos de idade menina foi preso ao 525 Página 4 o chão de terra com uma baioneta através de seus templos. "Todas as vítimas", diz Coleman, "suportou os sinais de Assassinato ritual maçônico - todos os símbolos estripado e cabalística esculpidas por todo o corpo - e os lábios nariz cortado. "'7 Assassinos como os que mataram os missionários angolanos são frequentemente membros de um degenerado maçônica Apresentar como a Ordo Templi Orientis (OTO). Nos Estados Unidos, tais foram Charles Manson e David Berkowitz, que ritualmente assassinado suas vítimas durante os anos 1960 e 1970. Outro assassino tais na América foi auto-proclamado satanista Richard Ramirez, conhecido como "Night Stalker". Como Manson e Berkowitz, Ramirez saiu cabalístico-maçônicos símbolos na cena de seus crimes. Devemos lembrar que um dos requisitos de um OTO iniciar é aprender as artes de magia negra da cabala judaica. 18 Albert Pike, em Morals and Dogma, diz que "todas as associações maçônicas devem [ao Cabala] seus segredos e seus símbolos. " 19 Enciclopédia Mackey da Maçonaria nos informa que a Cabala ensina magia branca e negra, feitiços e encantamentos, realizado com símbolos e ocultismo

numerologia. 20 Na época o czar Nicolau II foi assassinado, a OTO maçónica supostamente está em operação em Rússia desde 1905. Temos documentado que o maçom Dr. Gerard Encausse (Papus), Grão-Mestre da Mizraim, Memphis e Martin maçonaria na França, encomendado lojas Martinistas na Rússia em dois ocasiões, quando ele visitou lá na virada do século 19. Há todas as razões para acreditar Papus que teria estabelecido Lojas da OTO na Rússia. Os assassinatos rituais e símbolos maçônicos cortar para os corpos de vítimas durante o Terror Vermelho bolchevique sugerem a presença e operação de OTO inicia nas fileiras dos bolcheviques. Maçom Mikhail Bakunin, um anarquista russo e satanista, era um estudante da cabala. 21 Muitos os soviéticos estavam cheios de discípulos de Bakunin. Não é difícil imaginar a mão dos satanistas chegando a derrubar o Czar e sua família - os satanistas que entendeu cabalístico simbologia. Sion, a Cabala, e do assassinato do czar O assassinato do czar e sua família foi um assassinato ritual maçônico. Na parede onde a família imperial foi morto era uma inscrição misteriosa escrita com o sangue do assassinado. Consistia de cabalísticos três letras "L" com uma linha traçada abaixo deles. (Veja 526 fotografia no Apêndice 2, fig. 12). Na foto os personagens aparecem como se inverteu e escrita da direita para a esquerda. Este não é o caso, no entanto, e é explicado por a posição assumida pelo escritor que ficou de costas para a parede com o braço direito esticado para baixo formando as letras da esquerda para a direita na estilo cabalística verdade. Quando a presença desses símbolos ocultos na cena do assassinato do Czar primeiro se tornou conhecido no Década de 1920, muitos livros foram publicados explicar as três letras "L": Kircher, Oedpus aegyptiacus; Lenain, La Science Cab balistique; Dee, Monas Hieroglyphcia; H. Krumrath, Anfiteatro de sapiência eternel Hotel; . e Franck, La Cabbale Esses estudos concluíram que havia dois possíveis significados para a inscrição: Primeiro: "Aqui, o Rei foi golpeado no coração na punição de seus crimes", em segundo lugar: "Aqui o rei era sacrificou para trazer a destruição de seu reino. " E o que dizer da linha traçada sob a três "L's"? Na "ciência" mágico da linha horizontal é o símbolo do princípio passivo. De acordo com a interpretação cabalística, a linha desenhada sob três "L"

letras indica que aqueles que mataram o rei o fez, não por vontade própria, mas em obediência a superiores comando. 22 Que "comando superior" podem ter vindo do Priorado de Sion. Sion gostaria que o Família Romanov eliminada porque não eram de extração Santo Graal. "Em obediência à ordem superior", estes assassinos realizado um ritual de magia negra em obediência a um degenerar organização oculta. Em resposta a esta ordem, os assassinos comemorou seu ato por um inscrição cabalística em cifra, uma inscrição que pertencia ao rito, talvez o rito de um cabalista e degenerar Loja Maçônica, como o gentio OTO maçons Philippe, Papus, e Rasputin pertencia a tal enclave um oculto quando eles eram os conselheiros ocultos do malfadado Czar Nicolau II. Papus foi um íntimo de Claude Debussy, Grão-Mestre do Priorado de Sião, que odiava Ordem realeza russa, e queria esmagar o movimento sionista. Página 5 O Priorado de Sião era bem versado na cabala. Quem escreveu esta inscrição cabalística na cena do crime do assassinato do Czar também foi educado nos símbolos secretos deste livro judaico. É esta prova, então, que o assassino era um judeu realizar um assassinato ritual? Não, o contrário. Esmagadora evidência sugere ele era um maçom. De que nacionalidade é irrelevante. 527