P. 1
Noções Introdutórias de Direito Administrativo.

Noções Introdutórias de Direito Administrativo.

|Views: 54|Likes:
Material de aula digitado Lfg 2011.2.
Material de aula digitado Lfg 2011.2.

More info:

Categories:Types, Business/Law
Published by: Mariana Lopes de Oliveira on Mar 12, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

04/01/2014

pdf

text

original

DIREITO ADMINISTRATIVO: Prof.

Fernanda Marinella:

Bibliografia e Considerações Iniciais - Celso A. B. de Mello (CABM) – Curso de Direito Administrativo. - José dos Santos Carvalho Filho. Manual de Direito Administrativo. - Fernanda Marinela - Maria S. Z. de Pietro. - Jorge Luiz Gasparini. Faleceu nesse último dia 24. Grande doutrinador.

NOÇÕES INTRODUTÓRIAS DO DIREITO ADMINISTRATIVO

Conceito de Direito Nada mais é do que o conjunto de normas impostas coativamente pelo Estado e que disciplinam a coexistência pacífica dos seres em sociedade. Graças ao Direito é que se estabelece o limite e o direito de “A” e onde começa e termina o direito de “B”. Conceito de Direito Posto É o Direito posto, escrito, colocado, vigente naquele momento histórico. Direito posto é o conjunto de normas impostas coativamente pelo estado e que disciplinam a coexistência pacífica dos seres de uma sociedade em um dado momento histórico. Distinção entre Direito Público e Direito Privado CESPE: O direito público é sinônimo de ordem pública. Verdadeiro ou falso? São conceitos sobreponíveis? O direito se divide em ramo do direito público e ramo do direito privado. O Direito Público tem como base a atuação do Estado. Ele se preocupa especialmente com a atuação do Estado porque o estado persegue o interesse público. Cuida especialmente da satisfação do interesse público. Aqui lembramos o direito administrativo, penal, processual, tributário, etc. O Direito Privado traz a preocupação com os interesses particulares, individuais. Tem como base o interesse privado, ele legitima as ações particulares. Obs: na prova discursiva tomar cuidado com termos técnicos. É comum no noticiário dizerem que o servidor X foi demitido ou que o ministro Y foi demitido. Na
1

você percebe que isso não é demissão. eu trago o direito internacional. conceito de ordem pública é mais amplo do que conceito de direito público. Ordem pública são regras inafastáveis pela vontade das partes. entes estrangeiros. Distinção entre Direito Público e Ordem Pública O direito é uno. Se eu trago empresas estrangeiras. etc. não podendo ser modificadas ou afastadas por seu bel-prazer. No Brasil. você erra a questão. É uma regra imodificável. 2 . que se preocupa com relações dentro do território nacional e o direito internacional. No âmbito nacional encontramos o direito administrativo que se preocupa com relações dentro do território. mas a afirmação de que toda regra de ordem pública é de direito público é falsa. Dispensa ou inexigibilidade? Desapropriação por necessidade. Não posso tratar como conceito sobreponível. Essas palavras não são sinônimas. mas é uma regra de ordem pública. toda regra de direito público é também de ordem pública. O ato X foi revogado ou anulado? Cuidado com essas palavras. inafastável. Direito público não é sinônimo de ordem pública. No CC encontram-se impedimentos para o casamento em que o CC diz que o filho não pode se casar com a mãe. Na verdade. que se preocupa com relações com outros entes estrangeiros. Essa regra é inafastável.verdade. por exemplo. pois também existe regra de ordem pública no direito privado. Concurso para provimento de cargo é uma regra inafastável e não pode ser diferente. mas para fins didáticos ele é dividido em ramos. pois não teve punição nenhuma e não houve processo. ela está no direito privado. impedimentos para casamento. A palavra demissão está errada. utilidade ou interesse social? O examinador não perdoa erro desse gênero. Encontramos regras de ordem pública no direito público e no direito privado. para se preencher um cargo público exige-se concurso público. conseqüentemente tem que pagar imposto de renda. Ex: sujeito recebe renda no Brasil. Se utilizálas na prova de forma incorreta. Direito público é o ramo que se preocupa com a atuação do Estado na satisfação do interesse público. No direito privado. incapacidade civil. Distinção entre Direito Interno e Direito Internacional Para fins didáticos o direito foi dividido em direito interno. na verdade noticiava-se uma exoneração. não pode ser modificada pela vontade das partes. empresas estrangeiras e relações internacionais.

quando começou a se definir o que é Direito Administrativo. Essa escola não foi acolhida pela doutrina brasileira. O Direito Administrativo era simplesmente o estudo de leis secas. Segundo o critério do poder executivo. o que nós temos são princípios. Hoje. o estudo de como se aplicam as leis. surgiu no Brasil a chamada teoria exegética ou legalista. O primeiro critério que surgiu foi o critério do serviço público. pois cada país tem uma aplicação diferente dessa disciplina. Concurso da magistratura nada mais é do que o judiciário administrando. que representava toda a atividade do Estado. mas no poder legislativo. Há outras caras do administrativo em outros países. visto que há divergência na definição do objeto. o Direito Administrativo se preocupa tão somente com a atuação do Poder Executivo. Se no Poder Legislativo os parlamentares decidem comprar cadeiras terão que licitar e celebrar contrato administrativo. O serviço público nessa época era toda a atividade do Estado. e se o judiciário administra isso é Direito Administrativo. serviço público é toda a atividade do Estado? Tudo que o Estado faz é serviço público? Eles simplesmente aboliram a atividade industrial e comercial. Para essa teoria o Direito Administrativo estudava o serviço público. Tem como objeto de estudo o Poder Executivo. ou seja. ou escola do serviço público. A teoria exegética foi superada e hoje não há dúvida que mais do que aplicação de lei. Mas aqui várias teorias foram criadas para conceituar o Direito Administrativo. Ocorre que o Direito Administrativo não estuda tão somente o Poder Executivo. Se o Estado estivesse na indústria ou no comércio era serviço público. Cuidado com direito comparado no administrativo. Essa teoria ignorara o Estado em atividade privada. Teoria Exegética (ou legalista) No primeiro momento. Com certeza isso é direito administrativo. Vamos estudar as teorias que caem em prova. Critério do Poder Executivo O segundo critério que surgiu é um dos que mais caem em concurso.Conceito de Direito Administrativo Isso cai em prova de concurso. O que nós estudamos no direito administrativo? No direito penal estuda-se o crime. Critério do Serviço Público Vários outros critérios foram definidos a partir da nova visão principiológica do Direito Administrativo. O CNJ nada 3 .

pois o Direito Administrativo não se preocupa com todas as relações jurídicas do Estado. Esse princípio não é totalmente falso. Os demais critérios foram aceitos. seus objetos. o Direito Administrativo é definido como exclusão. Critério Teleológico Para esse critério a doutrina diz que Direito Administrativo nada mais é do que um conjunto harmônico de regras e princípios. Precisava de complementação e nessa tentativa de complementar outros critérios surgiram. não é o Direito Administrativo. mas precisa ser complementado: o que esse conjunto de princípios estuda? Esse critério foi dito insuficiente. Ele não se preocupa com a atividade de legislar ou de julgar. mas sim o aspecto 4 . seus resultados. Retirando a função legislativa e jurisdicional. É relação jurídica do Estado é direito administrativo. Administrativo se preocupa com a atividade jurídica do Estado e não com a atividade social. como são escolhidas. desde que em atividade de administrar. Segundo esse critério. Quem define a melhor política pública para um Estado? No Brasil quem define se é a bolsa escola ou o programa fome zero a melhor política pública? Quem estuda a melhor política pública. por isso se identifica por exclusão. suas conseqüências. Critério das Relações Jurídicas Segundo esse critério o Direito Administrativo se preocupava com todas as relações jurídicas do Estado. Critério Residual ou Negativo Daí surge o critério residual ou negativo (também já caiu em prova). mas falar só isso é muito pouco.mais é do que atuação administrativa. Hoje cai muito em prova de concurso a questão das políticas públicas. Juntando o conceito anterior com esse ficou melhor. implementadas. O administrativo também estuda o poder judiciário e legislativo. Se todas as relações do Estado estão no Direito Administrativo para que servem os demais ramos do direito público (tributário. Este critério também não foi aceito no Brasil. então o resto é direito administrativo. mas não com todas. pois nós nos preocupamos com algumas relações jurídicas do Estado. encontra a atividade de administrar. mas também não é totalmente verdadeiro. B. de Mello diz que esse conceito é verdadeiro. O Dir. pois ele não estuda o aspecto social do Estado. Ele afirma que a Direito Administrativo é muito difícil de ser definido. por exemplo)? Nós nos preocupamos com as relações jurídicas. Critério de Distinção entre Atividade Jurídica e Atividade Social do Estado Surgiu então o critério de distinção entre atividade jurídica e atividade social do Estado. Isso é verdadeiro? Com certeza procede. Este critério foi dito como insuficiente. mas foram ditos insuficientes. se posso exigir ou não. Esse conjunto harmônico cuida de que? Disciplina o que? Osvaldo A.

Se o estado terá a política A ou B. 5 . por exemplo.jurídico do Estado. Ou seja. A função direta é aquela que não precisa de provocação. Quem vai pagar? A concessionária de serviço ou o estado? Como isso é implementado juridicamente no nosso meio? Isso é papel do Direito Administrativo. mas dito insuficiente. regem as relações jurídicas entre as pessoas e órgãos do Estado e entre este e as coletividades a que devem servir. a separação de José é Maria só acontece no judiciário se ela for provocada. O direito constitucional idealiza e o Direito Administrativo realiza. portanto. Critério da Administração Pública Hely L. pois função direta independe de desta. percebe-se logo que é diferente da função indireta. escolhemos a atividade jurídica do Estado. Formas de Realização da Atividade Administrativa Função Direta Falando em funções do Estado. como é administrada a política escolhida. Esse critério é aceito. Como será o cadastro da família que recebe bolsa escola. O Direito Administrativo não define os fins (objetivos) do Estado. se terá mais educação ou menos educação. mas realiza de forma direta. ele não precisa de provocação para isso. veio o próximo critério. visando sempre ao interesse público. os agentes e a atividade administrativa realizando de forma direta. concreta e imediata os fins desejados pelo Estado. O fiscal apreende a mercadoria sem provocação. quando se fala em função direta. não se preocupa com a função jurisdicional do Estado. O poder público decide desapropriar o imóvel de José. Precisando de complementação. Ex: o poder público pode apreender sem provocação mercadoria transportada sem documentação. concreta e imediata. não escolhemos o Estado Social. O Direito Administrativo não se preocupa com a função indireta. o direito constitucional que estudará. Meirelles conceitua direito administrativo como conjunto harmônico de princípios e regras que disciplina os órgãos. Aqui não escolhemos a melhor política pública. que ficou com a atividade jurídica. quem define os objetivos do Estado é o Direito Constitucional. Disciplinando os órgãos do agente e da atividade administrativa o Direito Administrativo realiza de forma direta. por exemplo. Ex: estatuto do idoso deu a gratuidade do transporte coletivo. concreta e imediata os fins desejados pelo Estado. José dos Santos Carvalho Filho (JSCF) conceitua Direito Administrativo como sendo o conjunto de normas e princípios que. A função indireta é aquela que precisa de provocação.

O Direito Administrativo atua de forma concreta. O que significa fonte e qual é a fonte mais importante para nossa disciplina? A principal fonte do Direito Administrativo é a jurisprudência. Duas considerações importantes: guardar que a palavra lei é utilizada muitas vezes em questão de concurso e pela doutrina no sentido amplo. e todas elas devem ser compatíveis com a CF. que produz efeitos concretos. Essa discussão cai muito em concurso federal. a chamada estrutura escalonada ou hierarquizada. LC. muitas vezes se referindo a toda e qualquer espécie normativa. A função imediata do estado se refere à função jurídica do estado. mas não é a única. Função Imediata O Direito Administrativo realiza de forma imediata os fins do estado. O STF diz que nosso ordenamento jurídico está organizado em uma estrutura de hierarquia. A história de que precisamos ter conceitos prontos se aplica às fontes aceitas para o Direito Administrativo. na base do ordenamento. Não é do Direito Administrativo a função abstrata do estado. Lei: A lei é a primeira fonte do Direito Administrativo. Fontes do Direito Administrativo Na doutrina há discussões sobre quais são as fontes do Direito Administrativo. Na função abstrata lembramos a função legislativa. É nessa ordem jurídica que encontramos o ato administrativo lá embaixo. Escolher política pública não é problema que o Direito Administrativo se preocupa. Se nosso constituinte diz que em determinada matéria cabe lei complementar. é porque ele adjetivou e exige lei em sentido estrito. Essa nomeação nada mais é do que um ato administrativo concreto. Ele se preocupa com a função jurídica do estado.Função Concreta A função concreta do estado é aquela que materializa. Ele afasta a atuação abstrata do estado. Não nos preocupamos com a função legislativa do estado. Aqui se refere à lei como CF. Fonte do Direito Administrativo nada mais é do que aquilo que leva ao surgimento de uma regra de direito administrativo. LO etc. MP. 6 . Já a função mediata traz a função social do estado. Ex: nomeação para o cargo de juiz do estado de SP. Nessa estrutura temos regras hierarquizadas das quais as normas inferiores devem ser sempre compatíveis com as normas superiores.

por exemplo. Por isso a jurisprudência tem papel importante no Direito Administrativo. uma vez consolidada (cristalizada. Para o Direito Administrativo a doutrina muitas vezes representa dor de cabeça. O STF deixa agente um pouco maluco. aplicadas desde 1903. Para constituir uma jurisprudência temos que ter uma orientação. posicionamento pacífico) a 7 . No Direito Administrativo há leis esparsas. Jurisprudência: A falta de codificação gera a divergência. logo abaixo dela. Uma decisão do tribunal é acórdão. pois significa várias decisões em determinado sentido. só posso pensar em jurisprudência quando aquele posicionamento é reiterado. encontramos a LC e a LO. ou seja. A relação de compatibilidade vertical reconhece que as normas inferiores devem ser compatíveis com as normas superiores e todas elas devem ser compatíveis com a CF. que continuam valendo ao lado de leis de 2008. Agora. pois toda hora muda de opinião. mas alerta que tudo deve estar numa pirâmide. mas ainda é uma grande ajuda. por ofender a relação de compatibilidade vertical. adquirindo. Se um ato administrativo contraria uma lei e se a norma inferior deve ser compatível com a norma superior. mas abaixo da CF. daí vem a importância da jurisprudência. Jurisprudência não é sinônimo de acórdão. o STF disse que não vai aprofundar nisso. ele desrespeitou a relação de compatibilidade vertical. Isso dá problema. apesar da diferença entre as matérias e do quórum para aprovação. também será um ato inconstitucional. julgamentos reiterados naquele sentido. pois o momento histórico e o contexto social eram outros. pois nossos autores não se resolvem muito bem. Isso interessa para concurso. Isso acontece porque nós não temos um código como acontece com o direito penal. Ou seja. de forma indireta. A inconstitucionalidade pode ser de forma frontal (direta) ou de forma indireta (por violar a relação de compatibilidade vertical). Na base do ordenamento temos os atos praticados pela atividade administrativa.De forma simples. conseqüentemente é um ato inconstitucional. pois vamos precisar colocar a divergência em alguns pontos. falamos que esse ato é ilegal. na base da pirâmide encontramos os regulamentos e na ralé os atos administrativos (importante observar que é entendimento recente do STF que os Tratados Internacionais de Direitos Humanos estão acima das leis complementares e ordinárias. Doutrina: A doutrina é o resultado do trabalho de nossos estudiosos. assim. a matéria tem muita divergência. O STF chamou de estrutura escalonada e disse que nessa estrutura hierarquizada aplica-se a chamada relação de compatibilidade vertical (tudo que o STF dá nome cai em prova). Mas se ele contrariou a lei. status supralegal). No topo encontramos a CF.

se o STF utilizar SV para fins políticos. é vedado enriquecimento ilícito. infelizmente a SV não vem sendo utilizada com os cuidados necessários. A SV impede que qualquer administrador pratique um ato administrativo contrário à sua redação ou qualquer órgão do Poder Judiciário julgue em sentido contrário. A SV veio a partir da EC 45/04 e só quem pode editar é o STF. A súmula e a jurisprudência são instrumentos de orientação. 8 . Costume não cria crime e nem exime obrigação no Brasil. Conseqüência: isso gera risco de engessar o pensamento do tribunal. Não são regras escritas. A SV 13 que proíbe o nepotismo gera grande controvérsia. verificamos que essa dispensa do advogado foi resultado de apenas duas decisões anteriores. A justificativa que favoreceu a introdução da SV foi a economia. então por questão econômica o STF editou a SV 5 para evitar que o estado indenizasse os servidores demitidos sem observância desse direito. o tribunal edita uma súmula. Costume: O que é costume? Direito consuetudinário cria ou exime obrigações no país? Direito consuetudinário é a prática habitual. específico. Isso nos convenceu à época. É somente fonte. Os princípios gerais nem sempre estão escritos em qualquer regra. salvo a súmula vinculante.jurisprudência. para ser SV ela tem um procedimento próprio. Consolidado. definido na lei 11417/06 (ler a lei). Se pararmos para olhar a súmula que dispensa o advogado no processo disciplinar (SV 5). ninguém pode beneficiar-se da própria torpeza. ele está desobrigado pelo costume? Com certeza não. As SV não se confundem com as demais súmulas. ninguém mais discute o assunto. mas é princípio geral de direito. A maioria dos ministros foram nomeados pelo Lula. A súmula serve como instrumento de orientação. mas infelizmente não é isso que verificamos hoje. O enunciado da SV 13 será estudado. Sujeito tem o costume de não pagar imposto. pois vamos resolver milhões de controvérsias e isso é solução de grandes problemas e convencionalidade ao processo. ele sinaliza para aquele caminho. Princípios Gerais de Direito: Significam regras que estão no alicerce (são as vigas mestras) do nosso direito. A partir da EC 45/04 surgem no Brasil as súmulas vinculantes (ler todas as súmulas vinculantes. O tribunal editando súmula. Com certeza a administração teria que indenizar milhares de servidores pelos processos disciplinares sem observância da defesa técnica. na CF ou em lei. Marinella espera que o STF não continue trilhando esse caminho. acreditando ser ela obrigatória. teremos grandes problemas. pois estão despencando em prova de concurso). tanto se pratica daquela forma que acaba virando regra. Na sua maioria são regras implícitas no ordenamento. Ex: aquele que causar dano a outrem tem que indenizar. Foi muito mal discutida.

Sistemas Administrativos (ou mecanismos de controle) Imaginando que o administrador vá ao seu estabelecimento comercial e ele perceba que você não respeitou regras sanitárias. esse ato é revisto pela própria administração. Sistema do Contencioso Administrativo: Contencioso administrativo surgiu na França. posso ir ao judiciário. Nada impede que a administração revise e controle seus próprios atos. mas no regime de direito privado. A decisão em definitivo vem do judiciário. A regra é a administração. A revisão dos atos administrativos é realizada pela própria administração. O poder judiciário também julga as atividades públicas de caráter privado. O PP resolve interditar e fechar seu estabelecimento no exercício do poder de polícia. Segundo esse sistema. É isso que acontece no Brasil? Esse sistema do contencioso administrativo é o adotado aqui? Quem controla o ato administrativo praticado pelo administrador? Contra atos administrativos cabe recurso administrativo e a própria administração pode rever o ato. CESPE e ESAF gostam do jogo de palavras. mas o regime aplicado é o privado (atividade pública de caráter privado). Nesse sistema. mas nada impede o julgamento pela administração. quem fez foi o Estado. Sistema da Jurisdição Única No sistema de jurisdição única quem decide em definitivo é o poder judiciário. por isso é também chamado sistema francês (caiu no CESPE esse nome). os atos praticados pelo administrador são revistos pelo próprio administrador. então a atividade pública segue o regime privado. Se o estado participa da iniciativa privada quem decide é o poder judiciário. quando o administrador pratica um ato administrativo. Quem pode rever (controlar) esse ato praticado pelo administrador? Sobre quem pode rever os atos administrativos nós encontramos dois sistemas no direito comparado e no Brasil: sistema do contencioso administrativo e o sistema da jurisdição única. excepcionalmente encontra-se a presença do poder judiciário. Aqui nós falamos no sistema de jurisdição única. cuidado. Na jurisdição única predomina o Poder Judiciário. O Poder Judiciário também resolve sobre propriedade privada e repressão penal. mas se a decisão do recurso não é suficiente ou eu ainda me sentir lesado. pois é quem dá a última palavra. É o sistema adotado no Brasil. Na França. o judiciário controla ato administrativo quando tratar-se de ações ou relações ligadas ao Estado ou à capacidade das pessoas. Ou seja. Basta 9 . Nos demais casos. Quem praticou foi o estado.

na verdade. Se falamos em Estado. O que nós temos para definir o contencioso ou a jurisdição única é que prevalece no contencioso administrativo o julgamento pela administração. que é sujeito de direitos e de obrigações. aquele que tem personalidade. Governo e Administração Esse tema cai muito em prova e são conceitos que aparecem bastante. não é separação absoluta. Obrigação jurídica só pode ser do Estado. mas nos dois sistemas há a mistura. mas a última palavra vem do poder judiciário. A responsabilidade civil realmente está no artigo. pois. CF. Se é responsabilidade civil é obrigação e só pode ser da Pessoa Jurídica. portanto. nunca saindo do papel. a regra foi introduzida. mas ela é do Estado. Por isso precisa-se organizar o que é estado. pois ela é natural. O que define o contencioso e o que define a jurisdição única é a predominância. a união. já na jurisdição única prevalece o julgamento pelo poder judiciário. A responsabilidade civil é da PJ. Não há divisão estanque. o DF ou os municípios. Distinção entre Estado.lembrar do processo disciplinar. Já apareceu em prova: o Brasil desde sempre tem como prática a jurisdição única como regime adotado? Com a EC nº 7 de 1977. pois erraremos a questão. não sendo aplicada. Está na moda perguntar em prova: o que é administração no conceito orgânico. Para responder pelos seus atos tem que ter personalidade jurídica. sejam os estados. mas se tornou inoperante. 10 . A AP pode decidir. tentou-se introduzir o sistema do contencioso administrativo. § 6º. governo e o que é administração e identificar onde se usa cada termo. o enunciado está falso. Já caiu no CESPE a questão: a responsabilidade civil da Administração do Brasil está prevista no art. Verdadeiro ou falso? Devemos decorar o art. falamos em PJ. então não posso falar em sistema misto. não é da administração. Não devemos usar os termos inadequadamente. portanto. Quem celebra contrato é a pessoa jurídica. 37. a responsabilidade é do Estado. 37. a mistura aparece nos dois sistemas (já caiu em concurso). Ressalta-se que no Brasil a última palavra é do judiciário e vale aqui a jurisdição única. É possível falar em Sistema Misto de Controle? A doutrina brasileira não admite o reconhecimento do chamado sistema misto de controle. no conceito material e no conceito formal? Estado significa a pessoa jurídica que tem personalidade. CF. A mistura é natural dos dois sistemas.

pois a decisão do executivo é revista pelo judiciário e muitas vezes deve passar pelo legislativo. função administrativa. Para executar e materializar essas funções o estado foi dividido em poderes atrelados a funções do estado. quem está no comando do Brasil. o governo. Para nosso estado ser independente o governo precisa ser soberano. A soberania é condição para que um estado seja independente. O povo que tem um território. Para que o estado seja independente. mas todos que estão no comando do país. Estado de direito significa o estado politicamente organizado e que obedece as suas próprias leis. aqui dentro quem manda sou eu”). O governo significa comando. Não é necessariamente o chefe do executivo. Função típica do poder legislativo: legislar. Para entendermos o que é a Administração devemos analisar as funções do estado. apesar de o estado já ter desrespeitado suas próprias regras sem que fosse responsabilizado por isso. 11 . a direção. Dentro dos elementos do Estado encontramos o povo. Função pública é a atividade exercida em nome e no interesse do povo. nosso governo precisa ser soberano. Funções do Estado Função significa atividade exercida em nome e no interesse de outrem. conseqüentemente tem um governo. jurisdicional e administrativa. Na sua maioria é o chefe do executivo quem comanda. que é estudado em direito constitucional. Ex: recondução do presidente da câmara quando a CF proibia isso já aconteceu. A função típica do poder judiciário é a função jurisdicional. Nosso estado tem algumas funções: legiferante. No estado temos o povo que compõe o estado e o território que é o endereço do povo. Entre as funções do estado encontramos as chamadas funções típicas e as funções atípicas. estão ali porque nós escolhemos. múnus público. Ele que está na direção da PJ. Função Típica (ou principal) Função típica é a função principal (precípua) para qual o poder foi criado. No nosso interesse. O Brasil tem governo soberano e é estado de direito. o território. então representa interesse e atividade em nome do povo. Alguns autores incluem a função de fiscalizar como função típica do legislativo. O estado não pode dispor. solucionar conflitos aplicando a legislação vigente. Soberania nada mais é do que independência na ordem internacional e supremacia na ordem interna (“lá fora faço o que eu quiser. é obrigação. abrir mão. O governo brasileiro é o comando. Não temos governo de uma pessoa. direção. A função principal do Poder Executivo é a de administrar. etc. O governo precisa ter soberania.O nosso estado é composto por alguns elementos. Temos muito a evoluir.

além de funções típicas. segundo alguns autores. 12 . A função jurisdicional é concreta ou abstrata? O controle concentrado de constitucionalidade pela via de ação é controle erga omnes. o judiciário só trabalha se for provocado. O legislativo age de forma abstrata. excepcionalmente pelo controle de constitucionalidade pode ser de forma abstrata. provimento jurisdicional solucionando conflitos. O poder legislativo também tem a função de fiscalizar. resolver lides. ela tem o poder de inovar o ordenamento jurídico. pois transitou em julgado não se discute mais. Sua função é abstrata. Quando se fala em intangibilidade jurídica eu falo também de imutabilidade jurídica ou de impossibilidade de mudança. ela é marcada pela intangibilidade jurídica. Característica que marca essa função. Função típica do poder judiciário Sua principal função é a jurisdicional. Ex: senado federal julgando presidente da república em processo de impeachment. especialmente pelos tribunais de contas. A jurisdição é inerte. também exercem funções secundárias ou atípicas. Somente a função jurisdicional produz a coisa julgada. Câmara de deputados fazendo licitação para comprar cadeiras. Somente ela tem a definitividade. A função legislativa tem uma característica que nenhuma outra tem. que é função de administrar no PJ. Somente ela pode revogar o ordenamento vigente e o substituir por outro. a de solucionar conflitos. No PJ há exemplo de concursos. A função jurisdicional tem uma característica que nenhuma outra tem. São características da função típica de cada um dos poderes. Função típica do poder legislativo Na função principal ou típica o poder legislativo tem a de elaborar leis. função atípica. o faz erga omnes. Via de regra é concreta. Mas uma lei de efeitos concretos não é uma lei de efeitos individuais? Isso é exceção. Concreta direta ou indireta? Indireta. ou então de coisa julgada. CPIs. a regra é que o PL legisla de forma geral. essa não é sua função principal. Tudo é a mesma coisa.Função Atípica (ou secundária) Temos que admitir que esses poderes. como o da magistratura. mas não é situação tranqüila para a doutrina. Características das funções típicas: Não se incluem aqui as funções atípicas. A função de legislar é uma função geral ou individual? O legislador quando elabora uma lei ele faz erga omnes ou faz isso individualmente para cada cidadão? Faz sempre de forma geral. Presidente da república editando MP. essa é a função principal do presidente? Ele está legislando. portanto.

a chamada função de governo ou função política do estado. B. apesar de ser exercida por qualquer um dos poderes. A função administrativa inova o ordenamento jurídico? Quando exercida em função típica não (A MP é função atípica praticada pelo PE). por exemplo). Estado de defesa. é mais do que simplesmente administrar. celebração de paz. sanção e veto do presidente da república. A função típica não inova o ordenamento. Se na via administrativa não posso mais modificar a decisão. mas qualquer lesão pode ser revista pelo PJ. Celso A. essa é sua função típica. Quando pensamos na função do executivo. que não é utilizada para as alternativas anteriores. Coisa julgada administrativa se refere à definitividade em sede administrativa. Segundo a doutrina moderna o estado tem uma quarta função. Os regulamentos autônomos inovam o ordenamento jurídico? Eles são absoluta exceção. de sítio. lembramos que é concreta e direta. o STF fala que só cabe excepcionalmente quando expressamente previsto pela CF. Ex: desapropriação. Função de governo (ou função política do estado): Declaração de guerra. Coisa Julgada Administrativa Coisa julgada administrativa significa que de uma decisão administrativa não cabe mais recurso. A função de administrar produz intangibilidade jurídica? Se o administrador praticou e o judiciário pode rever o ato. de Mello (CABM) defende a função política do estado. Ela só é definitiva na via administrativa.Função típica do poder executivo O PE administra executando o ordenamento vigente. 13 . então elas são incluídas na função de governo do estado. Tudo isso representa uma força política muito grande. Quarta função tem grande cunho político. pois tem grande conteúdo de comando. ela produziu coisa julgada administrativa. Ela produz coisa julgada administrativa. Mas não significa que é definitiva. a decisão administrativa é revisível pelo PJ. Não significa que não posso ir ao judiciário. representa exercício de qual função do estado? Ele está administrando ou legislando? Não. de governo. decretação de estado de defesa. Já caiu em prova de concurso. pois é revisível pelo PJ. Cuidado! Administrar é cuidar das questões rotineiras da administração (cuidar do bem público. celebração de paz e decretação de guerra são situações que não se apresentam todos os dias. não se confundindo com a função de legislar ou de administrar. segundo a doutrina moderna.

Critério material ou objetivo: A expressão administração pública também é utilizada para se referir à atividade de administrar. para melhor precisar o sentido da expressão. Agentes. O nome tem que servir para alguma coisa. exercendo as entidades integrantes a função administrativa descentralizadamente. o instituto tem nome não por acaso. bens. Tais pessoas também se incluem no sentido de Administração Pública. órgãos ou bens públicos. Segundo JSCF o verbo administrar significa gerir. Segundo JSCF os órgãos e agentes integram as entidades estatais que compõem o sistema federativo (União. O adjetivo “pública” pode significar não só algo ligado ao Poder Público. seus bens. Administração Pública em seu sentido orgânico deve ser grafada com iniciais maiúsculas. Outra é o próprio número de órgãos e agentes públicos incumbidos de sua execução. Essa máquina. DF e Municípios). órgãos. no segundo se forma a Administração Indireta.Administração Pública: É expressão utilizada hoje pela doutrina com dois enfoques diferentes e isso está na moda do concurso. devemos dividi-lo sob a ótica dos executores da atividade pública. responsável pelo desempenho das atividades administrativas de forma centralizada. sejam agentes. No primeiro caso temos a Administração Direta. 14 . Mas quando usa como atividade é em letra minúscula. a estrutura e pessoas jurídicas são a máquina administrativa. Se Estado é a pessoa jurídica. exprimindo mais de um sentido. como também à coletividade ou ao público em geral. de outro. enfim uma ação dinâmica de supervisão. É a Administração Pública com que cara? Como máquina administrativa. Entretanto. Critério formal. Exatamente por isso é que. empresas públicas e fundações públicas. de um lado. Segundo JSCF a expressão “administração pública” é de certo modo duvidosa. orgânico ou subjetivo: Vimos que o Estado é a pessoa jurídica e o Governo é o comando. seus agentes e sua estrutura orgânica (órgãos) são o que chamamos de Administração Pública. e da própria atividade. Uma das razões para o fato é a extensa gama de tarefas e atividades que compõem o objetivo do Estado. entidades. sociedades de economia mista. zelar. Deve surgir alguma idéia a partir do nome. São elas as autarquias. Estados. existem algumas pessoas jurídicas incumbidas por elas de execução da função administrativa. é a Administração Pública.

Discorrer sobre o que é estado. A atividade administrativa está nos limites da lei e da norma técnica. os bens. o agente. o que é governo. A questão colocou AP em letras minúsculas. Faça a distinção entre governo e administração pública. É discricionário de índole política. Governo é decisão discricionária. A AP é a máquina. VERDADEIRO. A AP apareceu no critério material. mas com limites na CF. 15 . Juiz federal TRF 4ª região: enquanto governo constitui atividade política de índole discricionária. A estrutura do estado é chamada de AP. tem liberdade. A AP é atividade exercida nos limites da lei ou da norma técnica como critério material. conceituar administração nos dois conceitos. VERDADEIRO. Isso é administração.Questões que apareceram em prova de concurso: CESPE-SE – a administração é o instrumental de que dispõe o estado para pôr em prática as opções políticas do governo. Segunda fase do concurso de juiz: governo e administração são termos que andam sempre juntos. a AP implica atividade exercida nos limites da lei ou da norma técnica. Trinta linhas para responder. a estrutura que tem o estado para por em prática as decisões políticas do governo.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->