DIODOS DE JUNÇÃO

Diodos

Antônio Padilha L. Bo

TEMAS
(1) Fundamentos de física de semicondutores – Conceitos básicos – Materiais semicondutores (2) O diodo de junção PN – Conceitos básicos e diodo ideal – Modelos de diodos (3) Outros tipos de diodos – Diodos zener – Fotodiodos, LEDs (4) Circuitos com diodos – Limitadores, retificadores, etc

Diodos

Antônio Padilha L. Bo

1 Fundamentos de física de semicondutores

Conceitos básicos – Estrutura atômica e ligações químicas – Materiais condutores, isolantes e semicondutores

Materiais semicondutores – Condutividade em materiais semicondutores – Dopagem

Diodos

Antônio Padilha L. Bo

prótons. Bo .ESTRUTURA ATÔMICA E LIGAÇÕES QUÍMICAS • Estrutura atômica – Nêutrons. elétrons – Camada de valência • Ligações químicas – Ligação iônica • Doação/recepção de elétrons – Ligação covalente • Compartilhamento de elétrons – Ligação metálica • Elétrons livres permeiam toda estrutura metálica Diodos 1 Antônio Padilha L.

Bo .MATERIAIS E CONDUTIVIDADE • • • Condutores – Não oferecem resistência a passagem de corrente elétrica Isolantes – Bloqueiam a passagem de corrente elétrica Semicondutores? Diodos 1 Antônio Padilha L.

SEMICONDUTORES • Condutividade em materiais semicondutores – Estrutura cristalina caracterizada por ligações covalentes • 4 elétrons na camada de valência Diodos 1 Antônio Padilha L. Bo .

SEMICONDUTORES • Condutividade em materiais semicondutores – Condutividade depende da temperatura • Para baixas temperaturas. se comporta como um isolante • Altas temperaturas provocam o surgimento de elétrons livres – Corrente total dada por componente de difusão e deriva Lacunas – Semicondutor intrínseco Diodos 1 Antônio Padilha L. Bo .

gálio – Aumenta a densidade de lacunas – Semicondutor do tipo P (predominância de cargas positivas) Diodos 1 Antônio Padilha L. arsênio.DOPAGEM • Inserção proposital de impurezas na estrutura de silício – Por que? • Obter maior controle da condutividade – Em geral. Bo . antimônio – Aumenta a densidade de elétrons livres – Semicondutor do tipo N (predominância de cargas negativas) • Impurezas aceitadoras – Átomos trivalentes são adicionados – Boro. em pequena proporção – Semicondutor extrínseco – Há dois tipos de dopagem • Impurezas doadoras – Átomos pentavalentes são adicionados – Fósforo. alumínio.

Bo .DOPAGEM Tipo N Tipo P Diodos 1 Antônio Padilha L.

2 O diodo de junção PN ● Conceitos básicos – O diodo ideal – Polarização e comportamento da junção PN em diferentes condições – Exemplos simples de circuitos ● Modelos de diodos – O diodo real – Modelo exponencial – Modelos simplificados Diodos Antônio Padilha L. Bo .

DIODO DE JUNÇÃO PN • Características básicas – O mais simples elemento não-linear – Dois terminais • O diodo ideal Corte Diodos Condução 2 Antônio Padilha L. Bo .

tais como diodos. transistores bipolares de junção (BJT).DIODO DE JUNÇÃO PN • Estrutura – Junção de semicondutores com diferentes dopagens • A estrutura é contínua entre as junção PN – A junção PN é o componente básico de dispositivos eletrônicos. transistores de efeito de campo (FET) Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo .

Bo .POLARIZAÇÃO DE DIODOS • Região de polarização direta Região P Região N Depleção • Região de polarização reversa e de ruptura Região P Região N Diodos Depleção 2 Antônio Padilha L.

criando uma região de depleção (3) Um equilíbrio é estabelecido. uma vez que não há energia para que elétrons ultrapassem a região de depleção Estrutura básica Comportamento na condição de circuito aberto Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo .DIODO DE JUNÇÃO PN • Comportamento na condição de circuito aberto (1) Cargas majoritárias transitam pela junção (2) Cargas próximas à junção são neutralizadas.

Bo . ocorrerá o colapso da região de depleção Comportamento na condição de circuito aberto Comportamento na condição de polarização direta Diodos 2 Antônio Padilha L.DIODO DE JUNÇÃO PN • Comportamento na condição de polarização direta – A região de depleção cria uma barreira de potencial para a condução elétrica – Caso uma tensão de polarização seja aplicada ao diodo. com magnitude suficiente para vencer tal barreira.

DIODO DE JUNÇÃO PN • Comportamento na condição de polarização reversa – Porém. correntes de fuga estarão sempre presentes Comportamento na condição de circuito aberto Comportamento na condição de polarização reversa Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo . ocorrerá o alargamento da região de depleção – Tal alargamento provocará o bloqueio do fluxo de corrente pelo diodo – Contudo. devido a cargas minoritárias nos semicondutores N e P. caso o diodo seja polarizado reversamente.

Bo .DIODO DE JUNÇÃO PN • Limitação de corrente – Circuito externo deve ser projetado de modo a limitar a corrente de condução direta do diodo e a tensão reversa do diodo em corte Diodos 2 Antônio Padilha L.

EXEMPLOS DE CIRCUITOS COM DIODOS • Retificador simples – Pode ser utilizado para transformar tensão CA em CC – Ao considerar que o dispositivo é linear em duas regiões distintas de operação. Bo . podemos analisar o circuito nessas duas diferentes condições Diodos 2 Antônio Padilha L.

ou um terço de um ciclo – A tensão reversa máxima sobre o diodo ocorre quando vS está em seu pico negativo e é igual a 24 +12 = 36V – O valor de pico da corrente no diodo é dado por Diodos 2 Antônio Padilha L.EXEMPLOS DE CIRCUITOS COM DIODOS • Retificador simples para carregar uma bateria – 2θ = 120° é o ângulo de condução. Bo .

Bo .EXEMPLOS DE CIRCUITOS COM DIODOS • Portas lógicas – Considere um sistema de lógica positiva no qual uma tensão próxima de 0 V corresponde a um valor lógico 0 (ou baixo) e uma tensão próxima de +5 V corresponde a um valor lógico 1 (ou alto) Porta OR Porta AND Diodos 2 Antônio Padilha L.

implicando em VB = 0 e V = 0. iniciamos com uma suposição e verificamos sua validade – Para o circuito em questão. Assim. supomos ambos os diodos estejam em condução. D1 está de fato em condução Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo . ou seja. – Pode-se então calcular a corrente I – Assim. I > 0. como I = 1 mA.EXEMPLOS DE CIRCUITOS COM DIODOS • Analisando circuitos simples com diodos – Algumas vezes não sabemos de antemão se os diodos estão em condução – Nesse caso.

por exemplo.EXEMPLOS DE CIRCUITOS COM DIODOS • Analisando circuitos simples com diodos – Em outros casos. tal suposição inicial pode ser falsa – No circuito abaixo. que é incompatível com um diodo em condução – Dessa forma. Bo . porém. ou seja Diodos 2 Antônio Padilha L. deve-se admitir que D1 está em corte e D2 em condução. teremos – Tal suposição resulta em I = –1 mA. caso se considere que ambos os diodos estejam em condução.

Bo .DIODO REAL • Estrutura de um diodo de junção • Característica i-v de um diodo de junção de silício Diodos 2 Antônio Padilha L.

determinada por v < 0 – A região de ruptura.DIODO REAL – A região de polarização direta. Bo . determinada por v > 0 – A região de polarização reversa. determinada por v < –VZK Diodos 2 Antônio Padilha L.

8 V entre os terminais do diodo – Muitas vezes.REGIÃO DE POLARIZAÇÃO DIRETA • Modelo matemático – IS . a corrente é mínima – Para condução plena. Bo . é uma constante • Depende da temperatura e da área de seção do diodo • Magnitude na ordem de 10-15 A para diodos projetados para pequenos sinais – VT . ocorre uma queda de tensão de 0. corrente de saturação ou escala. tensão térmica. considerando uma queda de 0. dependendo do material e da estrutura física do diodo • Queda de tensão no diodo – Caso v = 0.5 V. simplificamos tal efeito.7 V Diodos 2 Antônio Padilha L. também varia com a temperatura • Consideraremos VT = 25 mV na temperatura ambiente – A constante n tem um valor entre 1 e 2.6 ~ 0.

que é aproximadamente 60 mV para n = 1 e 120 mV para n = 2 Diodos 2 Antônio Padilha L. a queda de tensão varia de 2.3nVT. podemos assumir a seguinte relação – Em termos de tensão – Assim podemos obter relações diretas para variações de tensão e corrente – Tais relações nos indicam que para uma variação de uma década na corrente do diodo.REGIÃO DE POLARIZAÇÃO DIRETA • Relação exponencial entre corrente e tensão – Considerando I >> IS . Bo .

Bo .MODELO EXPONENCIAL Diodos 2 Antônio Padilha L.

Bo . são utilizados métodos numéricos Diodos 2 Antônio Padilha L. pode-se encontrar uma solução gráfica • Em geral. muitas vezes dificultando a análise de circuitos com diodos • Exemplo – O circuito representado na figura pode ser descrito por duas pelas seguintes equações – Como o problema é não-linear. a solução do problema não é evidente • Para casos simples (como esse). pois baseado nos conceitos físicos que descrevem o comportamento do dispositivo – Complexidade.MODELO EXPONENCIAL • Características – Precisão.

Bo .MODELO EXPONENCIAL • Análise gráfica – Ao se traçar as duas funções que descrevem o circuito. pode-se encontrar seu ponto de operação Diodos 2 Antônio Padilha L.

MODELO EXPONENCIAL • Método numérico – Exemplo de um método iterativo simples para problemas de pouca complexidade (como esse) (1) Determine valores iniciais adequados (2) While (NOT condição de parada) (3) Calcule a corrente ID (4) Calcule a tensão VD – No caso atual. Bo 2 .1 V para cada década de variação na corrente. teríamos V2 = 0. caso a queda de tensão seja de 0.763 V Iteração 1 Diodos Iteração 2 Antônio Padilha L.

o diodo pode ser representado por – Caso o circuito mantenha-se em torno do ponto de operação Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo .MODELO PARA PEQUENOS SINAIS • Linearização em torno do ponto de operação – A derivada do modelo do diodo em torno do ponto de operação nos fornece uma relação linear entre VD e ID – Assim.

MODELO SIMPLIFICADOS • Linear por partes – A função exponencial é aproximada por duas retas – Equivalente a uma queda de tensão constante e uma resistência interna Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo .

MODELO SIMPLIFICADOS • Queda de tensão constante Diodos 2 Antônio Padilha L. Bo .

3 Outros tipos de diodos ● Diodo zener – Associação de diodos – Características básicas – Regulação de tensão ● Fotodiodos e LEDs – Conceitos básicos Diodos Antônio Padilha L. Bo .

por exemplo. um modelo de queda de tensão constante? • Em paralelo – O que acontece neste caso? Diodos 3 Antônio Padilha L.ASSOCIAÇÃO DE DIODOS • Em série – Diodo ideal • Existe diferença entre um circuito com um diodo ou vários em série? – Diodo real • Mas o que acontece caso consideremos. Bo .

DIODO ZENER • Características básicas – Conhecido também como diodo de ruptura. é um dispositivo projetado para operar na região de ruptura – Ruptura causada pelos efeitos zener (ou breakdown. Bo . V menos elevadas) e avalanche (V mais elevadas) Diodos 3 Antônio Padilha L.

rZ = 20 Ω e IZK = 0.8 V com Iz = 5 mA.DIODO ZENER • Exemplo – Considere que o diodo em questão possui as seguintes características: VZ = 6.2 mA Diodos 3 Antônio Padilha L. Bo .

teremos – Ainda sem carga conectada. variações de 1V na tensão de alimentação produzirão a seguinte variação na tensão de saída Diodos 3 Antônio Padilha L.7 V – Caso não haja carga alguma conectada e a tensão de alimentação for 10 V. obtémse VZO = 6.DIODO ZENER • Exemplo – Primeiramente. Bo . considerando o modelo simplificado de um diodo zener.

5 kΩ. esta irá drenar uma corrente de carga de 6.4 mA. ou seja Confirmando que o diodo está em corte nessa condição Diodos 3 Antônio Padilha L. Se esse for realmente o caso. Portanto. a corrente na carga será de aproximadamente 6. caso seja conectada uma carga de 0. visto que a corrente I que circula por R é de apenas 6. o zener deve estar em corte.4 mA.8 V/2 kΩ = 3.8/0.DIODO ZENER • Exemplo – Conectando-se uma carga 2 kΩ.5 = 13.4 mA (para V+ = 10 V).6 mA. Portanto. a variação na corrente zener será de ΔIZ = –3. Bo . então VO é determinado pelo divisor de tensão formado por RL e R. Isso não é possível. e a correspondente variação na tensão zener (tensão de saída) será então de – Porém.

devido a limitações em termos de potência fornecida e consumo. circuitos integrados mais sofisticados são usados para regulação de tensão – Ex: LM78xx – Limitadores de tensão Diodos 3 Antônio Padilha L. Bo .DIODO ZENER • Aplicações – Regulação de tensão • Deve rejeitar variações na tensão de alimentação e na impedância da carga • Atualmente.

menor tensão ruptura Diodos 3 Antônio Padilha L.FOTODIODOS e LEDs • • Eletroluminescência – Princípio de funcionamento Tipos – Fotodiodos • Detector de luz • Opera com polarização reversa – LEDs • Emissor de luz • Maior tensão de offset. Bo .

segment display • Lanternas. Bo . . CCD.FOTODIODOS e LEDs • Aplicações – Fotodiodos • Células fotovoltaicas • Leitores óticos.. detectores fumaça – LEDs • Luzes indicativas. CMOS. Diodos 3 Antônio Padilha L. Plasma. semáforos – Tecnologias relacionadas • LCD.

Bo .4 Circuitos com diodos ● Exemplos de aplicações – Limitadores – Grampeadores – etc • Retificadores de tensão – Retificador de meia onda – Retificador de onda completa – Filtros para fontes de alimentação Diodos Antônio Padilha L.

Bo .CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos limitadores – Aplicação em circuitos de proteção Diodos 4 Antônio Padilha L.

CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos limitadores – Limitadores positivos – Limitadores negativos Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos limitadores – Limitadores polarizados Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos limitadores – Combinando dois limitadores polarizados Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

Bo .CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos limitadores – Limitadores com diodos Zener Diodos 4 Antônio Padilha L.

CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos grampeadores – Restauradores de tensão CC – Grampeador negativo – Como funciona esse circuito? Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos grampeadores – Restauradores de tensão CC – Grampeador negativo – Como funciona esse circuito? Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

Bo .CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos grampeadores – Grampeador positivo polarizado Diodos 4 Antônio Padilha L.

CIRCUITOS ADICIONAIS COM DIODOS • Circuitos adicionais – O que faz o circuito abaixo? É um dobrador de tensão. Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

Bo . • Passos (1) O transformador proporciona uma tensão adequada e isola o circuito (2) Converte a senoide em uma onda pulsante (3) Tais pulsos ou variações são filtradas pelo circuito subsequente (4) Por fim. para reduzir os efeitos devido a variações na fonte de alimentação e na carga.CIRCUITOS RETIFICADORES Diagrama de blocos básico de uma fonte de alimentação CC. utiliza-se um regulador de tensão Diodos 4 Antônio Padilha L.

CIRCUITOS RETIFICADORES
• Retificador de meia onda
– É o circuito retificador mais simples (ilustrado na figura (a)) – Apenas metade dos semiciclos da senoide é aproveitada – Para o caso ideal, vRMS = 0,5 VS – Caso consideremos um modelo de queda de tensão constante do diodo teremos o resultado mostrado em (d)

– Para se obter uma fonte de tensão negativa, basta inverter o diodo

Diodos

4

Antônio Padilha L. Bo

CIRCUITOS RETIFICADORES
• Retificador de meia onda
– Caso consideremos o modelo linear por partes, teremos

– Daí, como em muitas aplicações rD « R, a tensão durante o semiciclo positivo pode aproximada por

Diodos

4

Antônio Padilha L. Bo

CIRCUITOS RETIFICADORES
• Especificações para diodos em circuitos retificadores
– Dois aspectos básicos devem ser considerados (1) A capacidade de condução de corrente exigida não pode ultrapassar a corrente máxima suportada pelo diodo (2) A tensão de pico inversa (PIV), que representa o valor máximo de tensão que o diodo deve suportar – Devido à região de ruptura – Em relação ao retificador de meia-onda (1) A corrente máxima será dada pela resistência R (2) É fácil ver que

– Para o diodo 1N4007, a corrente máxima suportada é 1A, enquanto a tensão de ruptura encontra-se em torno de 1000V

Diodos

4

Antônio Padilha L. Bo

o semiciclo negativo da onda senoidal é invertido – Circuito utilizando transformador com derivação central • Há uma defasagem de 180º entre as saídas do transformador Diodos 4 Antônio Padilha L.CIRCUITOS RETIFICADORES • Retificadores de onda completa – Ambos semiciclos são utilizados – Para proporcionar uma saída unipolar. Bo .

Bo . requer 4 diodos Diodos 4 Antônio Padilha L.CIRCUITOS RETIFICADORES • Retificadores de onda completa – Um retificador de duas polaridades usando o mesmo circuito – Retificador em ponte • Não exige transformador com tomada central • Contudo.

Bo .CIRCUITOS RETIFICADORES • Retificadores de onda completa – Semiciclo positivo – Semiciclo negativo Diodos 4 Antônio Padilha L.

CIRCUITOS RETIFICADORES • Retificadores de onda completa – E no caso de um transformador trifásico? Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

Bo . em que o diodo é ideal Diodos 4 Antônio Padilha L.CIRCUITOS RETIFICADORES • Filtros para fontes de alimentação – Analisaremos o que pode ser feito considerando um retificador de meia onda – Considerando primeiramente um circuito aberto.

CIRCUITOS RETIFICADORES • Filtros para fontes de alimentação – Agora vamos considerar que uma carga foi acoplada ao circuito Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

CIRCUITOS RETIFICADORES • Filtros para fontes de alimentação – Durante a condução do diodo – Durante o corte do diodo Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

EXEMPLO DE EXERCÍCIO • Projeto de uma fonte de tensão CC – Especificações • Retificação em ponte de diodos • Tensão de saída vO = 12 V • Flutuação máxima do circuito retificador. Bo . vRipple = 1 V • Carga RL = 120 Ohm Diodos 4 Antônio Padilha L.

Bo .EXEMPLO DE EXERCÍCIO • Projeto de uma fonte de tensão CC (1) Tensão vRMS do transformador • A tensão do transformador será a calculada a partir da tensão vO.2 vD0) / sqrt(2) Diodos 4 Antônio Padilha L. a especificação do transformador será vRMS = (vO . e somada às quedas nos dois diodos • Assim.

EXEMPLO DE EXERCÍCIO • Projeto de uma fonte de tensão CC (2) Especificação do capacitor • Quando o diodo não está conduzindo.. pode-se simplificar tal cálculo. Bo . a descarga do capacitor se dá pela seguinte equação • Entretanto. Diodos 4 Antônio Padilha L. Partindo de.

Assim.EXEMPLO DE EXERCÍCIO • Projeto de uma fonte de tensão CC (3) Fusíveis • Em um transformador há mínima dissipação de potência. temos as seguintes relações Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .

a tensão de regulação Diodos 4 Antônio Padilha L. Bo .EXEMPLO DE EXERCÍCIO • Projeto de uma fonte de tensão CC (3) Regulação CC • Uma alternativa para a regulação é baseada em diodos Zener • A ideia é usar um circuito como ilustrado abaixo • em que V+ representa a tensão proveniente do circuito retificador e a resistência associada deve ser escolhida de modo a garantir que a tensão VO seja maior que VZ0.