...... • Assessorar análises de composto ambiental e meio ambiente.... O foco central desse Centro serão os processos meteorológicos relacionados ao uso e à conservação dos ecossistemas amazônicos.. é a previsão do tempo e clima. como a previsão dos fenômenos atmosféricos que ocorrem em um determinado instante e lugar. hídrica e das diferentes formas da poluição.. as condições críticas de temperaturas extremas (ondas de calor). Maceió (AL) Campina Grande (PB) e Santa Maria (RS).. nas grandes cidades.. ainda... Pág. a umidade do solo.. Infelizmente. (aula 106) 09 QUÍMICA Termoquímica I . • Pesquisar e avaliar recursos naturais na atmosfera..... Nesse caso.... Pág. tanto nas cidades quanto no campo das paisagens naturais e agropastoris.. Muitos dos sistemas atmosféricos apresentam uma combinação complexa de fenômenos de escalas diferentes. Além da previsão do tempo.. pancada de chuva. (aula 103) 03 GEOGRAFIA A Amazônia – Projetos de Integração . estarão acima. Dentro dessa política. Rio de Janeiro (RJ)... Pelotas (RS).. todas com cursos implantados há mais de 23 anos. Belém (PA). a preci- M Índice FÍSICA Eletrostática . (aula 108) 13 15 Referências bibliográficas .. os fenômenos da atmosfera terrestre e de outros planetas. abaixo ou próximas do valor esperado. O curso na UEA – Implantado em 2006. os eventos críticos de poluição do ar. • Elaborar estudos e relatórios de impacto ambiental..Guia de Profissões Meteorologia eteorologia – de meteoro. Sua função principal será criar elementos para um planejamento mais ágil e racional das políticas públicas de preservação ambiental e de desenvolvimento sustentável para a região. Em todo o Brasil.. Assim... granizo etc são muito importantes para uma vasta gama de atividades humanas e para o entendimento das transformações rápidas do ambiente.... listamse as inundações.. Um dos principais objetivos operacionais da Meteorologia é a previsão do tempo. tendo como foco central a complexidade dos processos interativos entre a atmosfera e o ambiente amazônico em diversas escalas temporais e espaciais. empresas de capital misto e por instituições governamentais.. além de diversas outras atividades atribuídas aos meteorologistas. e a mais conhecida. entendida. as paisagens estão sob intensa pressão ocupacional. com exceção da experiência gaúcha de Santa Maria..... Pág.... já estão sendo executados cursos de pós-graduação (mestrado e doutorado) em clima e ambiente.... aqui.. A ciência atmosférica torna-se cada vez mais presente na consciência dos gestores ambientais..... (aula 104) 05 BIOLOGIA Embriologia II .. • Estudar e pesquisar os fenômenos atmosféricos e suas modificações para solucionar problemas relacionados com o tempo e realizar previsões.. • Introduzir técnicas. tais como: • Dirigir órgãos. seções.... principalmente daqueles fenômenos associados ao tempo severo........ Pág. grupos e setores de Meteorologia em instituições públicas... com foco nos processos físicos. rajadas. se a temperatura... cujo objetivo é a formação de recursos humanos avançados para o setor... Pág.. apenas outras sete cidades oferecem formação na área: São Paulo (SP).. • Dar pareceres técnicos de Meteorologia relacionados com outras ciências. • Interpretar as interações entre oceano e atmosfera nas diversas escalas de tempo e de espaço. as estiagens e a disponibilidade de água potável.. Por exemplo.... 2 .. Os prognósticos ou previsões dos fenômenos do tempo local.... de forma interdisciplinar.... A esfera de atuação dos meteorologistas é constituída por empresas privadas.. ventanias........ A profissão é reconhecida por lei federal e fiscalizada pelo sistema CREA/CONFEA.. (aula 107) 11 GEOGRAFIA Fundamentos de cartografia .. há a determinação da tendência das flutuações climáticas. Esse curso de graduação faz parte de uma rede de pesquisas formada pelo Centro de Estudos Superiores do Trópico Úmido.. • Gerar e interpretar informações meteorológicas e climatológicas para finalidade e agropecuária. animal e vegetal etc. Entre esses fenômenos.... Sua característica mais tradicional... hoje. por um Núcleo de Pesquisas Climáticas e Ambientais da Amazônia. a tendência procura estabelecer as condições das flutuações climáticas do próximo ano ou da próxima estação.. o curso de Meteorologia da UEA tem como objetivo formar profissionais que estejam aptos a mapear tendências e previsões climáticas que possam levar as medidas preventivas para amenizar os efeitos de grandes cheias e secas no ambiente amazônico... A pesquisa científica da atmosfera e as aplicações que dela decorrem definem o universo e a abrangência da Meteorologia.. planejar e dirigir a aplicação da Meteorologia nos diversos campos de atividades humanas. que significa aquilo que está elevado ou contido na atmosfera – é a ciência que estuda. pitação etc.. associados às concentrações de poluentes atmosféricos acima de valores aceitáveis à saúde humana............ a previsão do tempo e do clima é definida para diferentes escalas temporais e espaciais. Pág. em geral referida simplesmente como tendência climática..... além de Manaus. Pág. • Pesquisar. voltadas para a geração de renda e a inclusão social das comunidades interioranas e a consolidação das unidades de conservação em todo o Estado do Amazonas. serviços. em geral associadas a baixos valores de umidade relativa do ar. os fenômenos meteorológicos mais críticos acabam por definir as condições de salubridade e a qualidade ambiental à qual está sujeita a população.......... (aula 105) 07 LITERATURA Realismo e naturalismo II .... Essa rede estratégica é composta... que abriga o Centro de Meteorologia e Hidrologia do Estado do Amazonas..... métodos e instrumental em trabalhos de Meteorologia.... cujas ações serão dirigidas para pesquisas avançadas na área de climatologia e educação ambiental. como tempestades...

realizam-se três experimentos durante os quais se verifica como elas interagem eletricamente. existem partículas elementares dotadas de carga elétrica.. as cargas finais (Q’A e Q’B) e iniciais (QA e QB) dos condutores são tais que: Q’A + Q’B = QA + QB = QA No caso de condutores geometricamente idênticos. – íons positivos e negativos (nas soluções eletrolíticas). que o condutor atingiu o equilíbrio eletrostático. como. As três esferas estão carregadas. só podem ser alterados em situações especiais. Para eletrizá-lo positivamente. (Unesp) Considere uma ampla região do espaço onde exista um campo elétrico uniforme e constante. 1. positivo. com carga equivalente a um excesso de 3 prótons (n = 3): Q = n . Por convenção: qelétron = – e = –1. como ilustra a figura 3: Formulam-se três hipóteses: I. a três suportes. Eletrização por indução Consideremos um bastão eletrizado positivamente. temos. ao serem aproximadas. e o vidro. Processos de Eletrização 1. 10–19C qpróton = + e = +1. devem-se fornecer elétrons a ele. Eletrizar esse corpo significa tornar essa soma diferente de zero. Em seguida. nesse caso.Física Professor Carlos Jennings Aula 103 Eletrostática Nesta aula. 10-19 Q = 4. apenas positiva. uma certa quantidade de elétrons livres de B passará para A. É o caso do elétron (carga negativa) e do próton (carga positiva). que cria. Apenas duas esferas estão carregadas com cargas de mesmo sinal. a carga elétrica Q adquirida pelo corpo é sempre um múltiplo inteiro da carga elementar e: Q = n . Carga Elétrica No estudo da Dinâmica. Condutores eletrizados em equilíbrio eletrostático Quando se eletriza um condutor. estão suspensas. – Corpos eletrizados com cargas de sinais opostos se atraem. por simetria: Q’A = Q’B → Q’A = Q’B = QA/2 a) O que ocorrerá com a intensidade do campo elétrico nos pontos I e II? b) Justifique sua resposta. onde estão os prótons. e = +3 . força de campo elétrico. positiva. ao serem aproximadas. ambos inicialmente neutros. ao serem aproximadas. alteramos a sua quantidade de elétrons. Solução: Se o átomo perdeu 3 elétrons.6 . Analisando os resultados dos três experimentos. dizemos que ele está eletricamente neutro. Para eletrizar um corpo negativamente. ele ficará com excesso de elétrons. Eletrização por contato de condutores Se A estiver eletrizado positivamente. uma vez atingida. em determinado referencial. discutiremos os efeitos produzidos por cargas elétricas em repouso. ou então nula. Eletrização por atrito de materiais diferentes Os corpos atritados eletrizam-se com cargas de mesmo valor absoluto e sinais opostos. outra negativa. então.. negativa. 3 . uma certa quantidade de elétrons livres de A passará para B. como os pontos I e II.8 . devem-se retirar elétrons dele. o que o deixará com elétrons em falta. Ambas são manifestações contrárias da mesma propriedade física. mica. 10–19C Toda partícula dotada de carga elétrica é um portador de carga elétrica. Em qualquer caso. É a força de campo eletrostático ou.6 . por exemplo. Um íon de alumínio Al3+ é um átomo de alumínio que perdeu três elétrons. experimentalmente. também se atraem eletricamente. os portadores móveis de carga se distribuem através dele. que. tem maior afinidade por elétrons que o vidro. simbolizada por e. Essa força pode ser de atração ou de repulsão. seda etc. uma pequena esfera de material isolante e sem carga é introduzida nessa região. 01. vimos que a propriedade física denominada massa faz que dois corpos troquem forças de campo gravitacional e que tais forças são sempre de atração. também se atraem eletricamente. ele se torna um corpo eletrizado denominado íon (positivo ou negativo). III Apenas duas esferas estão carregadas. é atraída por um pente plástico negativamente carregado. De acordo com o Princípio da Conservação da Carga Elétrica. – íons e elétrons livres (nos gases ionizados). Sistema eletricamente isolado É um conjunto de corpos que podem trocar cargas entre si. 10–19C O nêutron é uma partícula não-dotada de carga elétrica. simplesmente. cujo valor é: e = 1.) Pelo fato de Q ser um múltiplo inteiro de e. ficou eletrizado positivamente.6 . a seda fica negativa. ao contrário do condutor. Pode-se afirmar que a carga elétrica da esfera é: a) b) c) d) e) apenas negativa.6. ou seja: qnêutron = 0 Além do próton e do elétron. que: – Corpos eletrizados com cargas de mesmo sinal se repelem. B e C. buscando a situação mais estável possível. indique a hipótese correta. por exemplo. Quando eletrizamos um corpo.6 .10-19C) 3. mas não com outros corpos externos ao sistema. derivada de uma propriedade física denominada carga elétrica. como ilustra a figura 2: Experimento 3: As esferas A e B. suspensa por um fio de nylon. que têm carga +e. mas com cargas de sinais contrários. Aplicação Um átomo tem o número de prótons igual ao número de elétrons. como o pósitron e o píon. cujo símbolo é C. porcelana. 03. potenciais diferentes: em A maior do que em B. 10-19C Atração e Repulsão Verifica-se. Assim. Dizemos. Na Eletrostática. como: – elétrons livres (nos metais e na grafite). aluminizada. A seda. Para testar se elas estão carregadas. o → valor desse campo é E (Figura 1). como ilustra a figura 1: Experimento 2: As esferas B e C. Qual é a carga elétrica Q desse íon? (e=1. ou então nula. interrompe o fluxo de portadores de uma região para outra. e B será eletrizado negativamente.). 3. Princípio da Conservação das Cargas Elétricas Num sistema físico eletricamente isolado. apenas nula. Isolante elétrico é um corpo que. quando se atrita um tecido de seda num bastão de vidro. 2. A. Isso ocorre porque um corpo captura elétrons do outro. Esse déficit de elétrons equivale a um excesso de prótons. A ficará menos negativo. diminuindo o excesso de carga positiva de A e eletrizando B positivamente. Se A estiver eletrizado negativamente. 02. o que implica a existência de duas espécies de cargas elétricas: uma positiva. Perdendo ou ganhando elétrons. por fios isolantes. II. Unidade de carga elétrica No SI. mas não a de prótons (os núcleos atômicos. nos pontos A e B. atraem-se eletricamente. (Cesgranrio) Uma pequena esfera de isopor. duas a duas: Experimento 1: As esferas A e C. a soma algébrica das cargas elétricas de todos os corpos é sempre constante. Condutores e Isolantes Condutor elétrico é um corpo que possui grande quantidade de portadores de carga elétrica facilmente movimentáveis. O campo elétrico induzirá cargas na superfície da esfera (Figura 2). (UFRJ) Três pequenas esferas metálicas idênticas. Qualquer átomo é um corpo eletricamente neutro. não possui quantidade significativa de portadores de carga elétrica facilmente movimentáveis (vidro. 2. . ficando o ponto II no centro da esfera e o ponto I à sua esquerda. Em quaisquer pontos desse espaço. a unidade de medida da carga elétrica é o coulomb. dizemos que a carga elétrica é quantizada. plásticos. por exemplo. Carga elétrica elementar Experiências revelaram que a carga elétrica apresenta-se na natureza com valores múltiplos inteiros de uma carga denominada carga elétrica elementar. apresentaremos um outro tipo de força de interação entre os corpos. Com isso. e (n = 1. ao serem bombardeados por partículas dotadas de altas energias em aceleradores de partículas). Carga elétrica de um corpo eletrizado e quantização da carga elétrica Quando a soma das cargas elétrica de todos os portadores de carga existentes num corpo é igual a zero.

pode-se afirmar que a esfera possui uma carga elétrica total: Essas partículas interagem com forças eletrostáticas (ou elétricas) que formam um par ação-reação. em seguida. b) positiva.|q| Fe = –––––––––– d2 No vácuo. primeiramente. LEI DE COULOMB Consideremos duas partículas em repouso. (Fuvest 90) Uma esfera condutora A. Considerando as situações ilustradas. d) Se um corpo A eletrizado positivamente atrai um outro corpo B.0 . eletrizadas com cargas Q e q e separadas por uma distância d. A esfera A se aproxima. Quando A passa pelo ponto M. na descida. A e B.m2/C2. em seguida. em seguida. O ângulo do fio com a vertical depende do peso da bola e da força elétrica devido à bola vizinha. de peso P . que o da Terra. podemos afirmar que B está carregado negativamente. é presa por um fio isolante que passa por uma roldana. o condutor permanecerá eletrizado negativamente. cada uma delas. Essa marcha de elétrons cessará quando o potencial do condutor reduzir-se a zero.|Q|. elétrons livres do metal passarão a se deslocar para a esquerda. a resultante entre FAC e FBC é nula: 02. Duas bolinhas. que estava neutro. À medida que se acumulam elétrons na extremidade esquerda do condutor. é puxada para cima. Nessa situação. suspensas por fios isolantes. e) Um corpo neutro pode ser atraído por um corpo eletrizado. afastadas. Solução: a) Como a bolinha C está em equilíbrio. eletrizada com carga q. determine: a) a carga final da esfera C. antes de ser ligado à Terra. determine a intensidade R da força eletrostática resultante em cada partícula. (Cesgranrio) Na figura a seguir. de uma esfera B. elétrons dele marchariam para a Terra. idêntica à anterior. eletriza-se negativamente graças à indução eletrostática do bastão. como mostra a figura: 01. a seguir. 109N. o potencial elétrico em A vai diminuindo. A ausência de sinal indica que a bola está descarregada. este voltará à neutralidade elétrica. vai-se acumulando carga positiva na extremidade direita do condutor e. Inicialmente. c) Um corpo carregado pode atrair ou repelir um corpo neutro. em repouso. Ao mesmo tempo. Solução: 02. elas são afastadas por uma distância D. A esfera A toca em B e. e separadas uma da outra por uma distância l = 120cm. igualando-se ao da Terra. c) nula. Sendo K uma constante de proporcionalidade que depende do meio em que as partículas estão imersas. 2. as esferas A e B possuem. respectivamente. na subida. carga +Q. O sinal da carga está indicado em cada uma delas. Uma terceira bolinha C. o condutor. a constante eletrostática do meio vale: K0 = 9. Porém. As bolas podem estar carregadas eletricamente. se a ligação a Terra for cortada antes de se afastar o bastão. (Unicamp) Cada uma das figuras a seguir representa duas bolas metálicas de massas iguais. b) o módulo da força elétrica entre as esferas A e C. Se o bastão estivesse eletrizado negativamente. admitindo que as três esferas são colocadas simultaneamente em contato e. um bastão carregado positivamente é aproximado de uma pequena esfera metálica (M) que pende na extremidade de um fio de seda. e T2. porque cargas negativas buscam potenciais mais altos. Se qualquer ponto do condutor fosse ligado à Terra. se a figura está certa ou errada. com velocidade também constante. Observa-se que a esfera se afasta do bastão. e ele ficaria eletrizado positivamente por indução. em cada caso. Então: 120 – x ––––––– = 2 ⇒ x = 40cm ou x 120 – x ––––––– = –2 ⇒ x = –120cm x Exercícios 01. se o bastão for afastado do condutor. mas neutra e isolada. a uma distância x da bolinha A. Mantida a ligação à Terra. 03. Podemos afirmar que: a) negativa. Se. Calcule a distância x. conforme a figura II. b) Somente corpos carregados negativamente atraem corpos neutros. sabendo que. assim. elétrons livres marcharão da Terra até ele. Em cada vértice de um triângulo eqüilátero. eletrizada positivamente. portanto. com velocidade constante. Indique. Aplicações 1. a atração no fio é T1. o condutor atinge o equilíbrio ele-trostático. o condutor. como mostra a figura I. foi fixada uma partícula eletrizada com a carga positiva q. estão fixas dentro de uma canaleta isolante e lisa. d) positiva ou nula e) negativa ou nula. (FEI) Qual das afirmativas está correta? a) Somente corpos carregados positivamente atraem corpos neutros. a Lei de Coulomb é expressa por: K. encontra-se em equilíbrio dentro da canaleta. a) b) c) d) e) T1 < T2 < P T1 < P < T2 T2 < T1 < P T2 < P < T1 P < T1 < T2 4 . essas duas esferas são encostadas. o potencial em B vai aumentando. estaria num potencial negativo menor. eletrizadas com cargas positivas Q e 4Q. Quando os potenciais em A e B se igualam. e.Se um objeto metálico neutro e isolado ocupar a região entre A e B. (Unirio) Três esferas metálicas iguais estão carregadas eletricamente e localizadas no vácuo. Sendo K a constante eletrostática do meio. enquanto a esfera C tem carga –Q. qualquer ponto do condutor for ligado à Terra (potencial nulo). Desse modo.

c) As atividades econômicas desenvolveram-se sem exigência de vultosos investimentos. Venezuela (Roraima) e Bolívia (Rondônia). metade dos recursos necessários para os projetos agropecuários. mais numerosos. o Grande Norte abrangia largas faixas pouco povoadas adjacentes aos limites do Brasil com sete países vizinhos. desenvolvimento de uma rede urbana.F. Roraima e Rondônia em 1944: a) foi motivada por preceitos geopolíticos de ocupação e controle territorial das áreas de fronteiras da Região Norte do Brasil. em particular. As regiões naturais são limitadas por fronteiras zonais. Essa região é a Amazônia Internacional. Em 1966. o conflito expressou-se pela degradação progressiva dos ecossistemas naturais. o sul do Pará e o oeste do Maranhão.5 milhões de quilômetros quadrados em terras de nove países. No Brasil. que correspondia. em 1991. As regiões de planejamento. gerado pelo extrativismo. A “conquista” da Amazônia As políticas territoriais para a Amazônia. pelo controle da terra e pelo acesso aos recursos naturais e florestais existentes nesses territórios. Sob essa política de incentivos. abandonar projetos incentivados tornou-se negócio altamente lucrativo! As políticas que orientaram a “conquista da Amazônia” geraram um conflito entre dois tipos de ocupação do espaço geográfico. uma região natural. posseiros e grileiros. na Floresta Amazônica e nas largas faixas de transição entre esses domínios. 5 . Nas “fronteiras mortas”. Nos Estados de Tocantins. mas uma região de planejamento. (Sudam). na sua maior parte. O novo povoamento consistia numa ocupação areolar. multiplicaram-se os latifúndios com áreas superiores a 300 mil hectares. em geral. a Sudarn passou a aprovar somente megaprojetos. o SPVEA era extinto e. implantação de redes de transportes e de comunicações. e) foi motivada por conflitos fronteiriços entre o Brasil e os países vizinhos. como recurso energético. Sob a coordenação da Sudam. portanto. no seu lugar. consistia numa ocupação linear e ribeirinha. localizada em território brasileiro.Geografia Professor Paulo BRITO Aula 104 A Amazônia – Projetos de integração O ecossistema da floresta equatorial – associado aos climas quentes e úmidos e assentado. Com o SPVEA. assentada na circulação fluvial e na rede natural de rios e igarapés. áreas de soberania formal. O planejamento regional para a Amazônia ganhou novo impulso após a transferência da capital federal e a construção da Rodovia Belém-Brasília. o Grande Norte deveria ser povoado por excedentes populacionais gerados no Nordeste e no CentroSul. as bases militares funcionam como signos essenciais da soberania nacional.2 milhões de quilômetros quadrados. Na condição de fronteira demográfica. ao contrário. à porção da Amazônia Internacional. o exercício da soberania exige a apropriação nacional do território. concentraram se no Mato Grosso e sobre o eixo da Belém. assegurando o direito aos incentivos. No Mato Grosso e em Rondônia. As rodovias de integração – a Belém–Brasília. contudo. d) foi motivada por conflitos entre os governos estaduais do Amazonas e do Pará e o governo federal pela apropriação do excedente econômico gerado pela exploração extrativista da borracha. Mato Grosso. O desmatamento e a formação de pastagens extensivas era classificado como benfeitoria. b) a criação de Fernando de Noronha e a do território federal de Roraima. nos últimos trinta anos. o Grande Norte deveria atrair volumosos investimentos transnacionais e nacionais voltados para a agropecuária. concebiam a região como espaço de fronteira. Na condição de fronteira do capital. agropecuários e minerais. (UFPA) A definição das fronteiras internas no Brasil esteve associada à expansão do povoamento. várias motivações. são consideradas espaços de soberania formal. b) O desenvolvimento das atividades mineradoras esteve relacionado às empresas estrangeiras com alta capacidade de investimentos. O planejamento regional na Amazônia foi deflagrado em 1953. a transnacional norte- 01. Não era. a devastação antrópica atinge formações de cerrados. ou seja. Os incentivos totalizavam. b) foi motivada por movimentos separatistas que tiveram como base a estruturação e a organização da(s) sociedade(s) local(is). são delimitadas por fronteiras lineares. Na Amazônia. Instalações do Exército brasileiro foram implantadas em lauaretê (AM). Os projetos florestais e agropecuários. As áreas pouco povoadas e caracterizadas pelo predomínio de paisagens naturais. Tocantins e pelo oeste do Maranhão. mas não efetiva. A região de planejamento perfaz superfície de 5. pois a sua delimitação decorria de um ato de vontade política do Estado. e) a extinção dos territórios e a criação do Estado de Tocantins. na faixa de fronteira com a Colômbia. devido às baixas altitudes regionais. do Pará e do Maranhão. da Floresta Amazônica e da Mata dos Cocais. O planejamento em ação Carajás e Manaus A Amazônia Oriental é constituída pelos Estados do Pará. por faixas de transição entre ecossistemas contíguos. abrangendo o Tocantins. Carajás. de um lado. no Estado de Mato Grosso e em torno do eixo de transportes formado pela BelémBrasília e pela E. 02. com a criação da Superintendência do Plano de Valorização Econômica da Amazônia (SPVEA). (Fuvest–SP) Entre as últimas alterações da divisão regional oficial do Brasil. ou cerca de 61% do território nacional. Um “arco da devastação”. Desse modo. mas não efetivas do Estado brasileiro. especialmente quando adjacentes às fronteiras políticas. que abrange cerca de 6. principalmente. assinale a afirmação correta: a) A integração da Amazônia à economia nacional baseou-se nas atividades agrícolas e minerais que promoveram o desenvolvimento sustentável da Região. ainda. No fim da década de 1950. em glebas gigantes. o estabelecimento de políticas territoriais coerentes associou-se à centralização política iniciada com a Revolução de 1930 e desenvolveu-se no quadro da industrialização acelerada do pós-guerra. A lei que criou a Sudam redefiniu a Amazônia Brasileira. O empreendimento de “conquista” envolve. que passava a se denominar Amazônia Legal. que definem rigorosamente a área de exercício das competências administrativas. no interior da bacia fluvial amazônica – permite delimitar uma região natural. Essas áreas concentram-se. crescimento econômico.Brasília. e) A inexistência de institutos de pesquisa na região comprometeu a exploração de seus recursos minerais. A legislação vigente nesse período determinava que a devolução dos recursos públicos recebidos por projetos cancelados não envolveria juros ou correção monetária. criava-se a Superintendência para o Desenvolvimento da Amazônia. sob o regime militar. ao controle da terra e/ou do acesso de recursos ou. Amapá. num triplo sentido. a Brasília–Acre e a Cuiabá. as disputas pela terra configuraram um “arco de violência” nas franjas orientais e meridionais da Amazônia. (Fuvest–SP) Considerando o desenvolvimento econômico da Amazônia. c) a extinção do Distrito Federal e a criação do território federal de Tocantins. c) foi motivada por conflitos entre diferentes grupos sociais. um conjunto de políticas territoriais. Até 1985. Os projetos privados viabilizavam-se por meio de mecanismos de renúncia tributária e concessão de empréstimos subsidiados. assinala os vetores da ocupação recente do Grande Norte. onde se descortinam manchas de florestas com babaçu. 03. O empreendimento da “conquista da Amazônia” tinha a finalidade de construir as bases para o exercício do poder nacional nas faixas de fronteiras. grosso modo. certamente. surgiu a Amazônia Brasileira. Ela abrange as mais extensas áreas de modificação antrópica das paisagens naturais. podem-se destacar: a) a extinção dos territórios federais e a criação do Distrito Federal. mais de 900 projetos foram aprovados pela Sudam. A criação dos territórios federais do Amapá. d) A abundância de água não foi aproveitada. De outro lado. que apresenta notáveis sobreposições com o “arco de violência”. Os projetos minerais e industriais concentraramse em Belém e seus arredores e na Zona Franca de Manaus (ZFM).Santarém – destinavam-se a orientar os fluxos migratórios para a “terra sem homens”. polarizada pelos núcleos urbanos em formação e pelos projetos florestais. Guiana Francesa (Amapá). O povoamento tradicional. a mineração e a indústria. A consolidação do poder de Estado sobre tais espaços solicita a sua “conquista”: povoamento. Desde a década de 1970. a Amazônia Legal transformou-se em vasto cenário de investimentos incentivados por recursos públicos. a estratégias geopolíticas de ocupação e organização territorial. a Transamazônica. d) a extinção do território de Roraima e a criação do território de Rondônia. Esse conflito expressou-se. em ambiente econômico inflacionário. como tensão social envolvendo índios. Em meados da década de 1970. Do ponto de vista do Estado contemporâneo. Na condição de fronteira política. Essas faixas configuravam “fronteiras mortas”. a definição dos limites político-administrativos estaduais teve. manifesta-se com intensidade nos cerrados. ou seja.

2. a ocupação tumultuosa das terras que margeiam a BR-364. o Estado brasileiro desencadeou uma operação destinada a implantar um vasto programa de desenvolvimento regional baseado nos fantásticos recursos naturais daquela província mineral. como contrapartida. Acre. Nos dois meses seguintes. no Rio Tocantins – atraíram significativos fluxos migratórios e geraram o surgimento de diversos novos núcleos urbanos. associando cada região ao papel econômico que lhe coube na divisão territorial do trabalho. Gerenciado pela CVRD. sob o influxo de projetos oficiais de colonização. até então. 1. Ji Paraná e Ariquemes. a descoberta de ouro aluvional provocou um intenso. estão as instalações de extração dos minérios. com o objetivo de controlar militarmente a região. com a expansão acelerada dos bairros de palafitas. Ao longo da ferrovia. e) Jari / Meridional / Jari e Tocantins. em meio a pesquisas de campo no Pará. Durante a fase derradeira da ocupação de Rondônia. No entanto o Projeto prevê uma área de 6. Esses projetos beneficiam-se dos vastos excedentes regionais de mão-de-obra. (UFF–RJ) Com o agravamento do desemprego e da fome. na falta de adequado planejamento dos impactos ambientais. defender fronteiras. Então. cuja raiz era o interesse de Washington de controlar fontes de suprimentos de matérias-primas industriais escassas. o Porto de Itaqui. O projeto de pavimentação da BR-319 (Porto Velho/ Manaus) e a Hidrovia do Madeira preparam a conexão entre a metrópole da Amazônia Ocidental e o vetor de ocupação estabelecido em Rondônia. foi projetada para servir de residência à mão-de-obra temporária: os trabalhadores braçais que construíram os dois núcleos e as estradas de acesso. acentuou-se o problema dos desequilíbrios regionais no Brasil. 1. indígenas. quando o governo federal sancionou a demarcação definitiva da reserva dos ianomâmis. Manaus agregou à sua função tradicional de porto fluvial as funções de pólo industrial e comercial. Contudo. os fluxos migratórios impulsionaram o crescimento espontâneo do povoado de Rio Verde. Ao longo do seu eixo. O eixo em implantação tem inegável significado econômico.500km de extensão por 160 km de largura. de ferro-gusa e ferro-liga. formada pelos acordos de cooperação técnica entre os Estados Unidos e o Brasil. mas efêmero fluxo migratório para Roraima. divergências entre os sócios e um certo desinteresse da transnacional pelas jazidas de ferro provocaram a dissolução do consórcio. assinale a alternativa que apresenta informações corretas sobre a área. A febre do garimpo foi cortada abruptamente em 1991. o terminal ferroviário de carga e os núcleos urbanos da Serra dos Carajás.01. iniciado no fim da década de 1960 com a Zona Franca. O Projeto Ferro Carajás é a ponta de lança do PGC. que é parte da formação de Carajás. A metrópole da Amazônia Ocidental A Amazônia ocidental é constituída pelos Estados do Amazonas. foram aprovados diversos projetos de instalação de indústrias siderúrgicas primárias. Steei para a exploração dos minérios de Carajás. na porção (II) dos vales dos rios (III). para o Japão. empresários e fazendeiros. Guiana. Venezuela e Colômbia. era lançado o Programa Grande Carajás (PGC). ao longo do desenvolvimento industrial brasileiro. Mas. através de 890 quilômetros. interligando-se às rodovias da Venezuela. Além disso. (Puccamp–SP) Sobre a Floresta Amazônica. 4 d) 3. c) Calha Norte / Setentrional / Solimões e Amazonas. Assinale a opção que apresenta a numeração na ordem carreta: a) 1. o reconhecimento de diversas clareiras sinalizou a presença da maior reserva de minério de ferro do mundo. foi projetada para abrigar os funcionários da CVRD. posseiros e índios. com a finalidade de descobrir reservas de manganês. a) A floresta tem muito a oferecer para o extrativismo. d) Marabá / Oriental / Xingu e Tocantins. (FGV–SP) O Projeto (l) consiste na instalação de bases militares. Caçoaí. na confluência dos rios Negro e Solimões. exibe paisagens naturais pouco modificadas pela intervenção antrópica. A década de 1970 também assinalou o avanço da fronteira agrícola através do Mato Grosso e. II e III do texto acima são: a) Calha Norte / Meridional / Solimões e Madeira. 3. Os camponeses. 3. em poucos anos. tendem a gerar inúmeros focos de poluição do ar e dos rios. em Rondônia. 6 . A produção industrial do enclave amazonense pode encontrar mercados na Venezuela e na região do Caribe. A “corrida do ouro” para Roraima foi facilitada pela pavimentação da BR-174. aparecem núcleos industriais nas are as de Marabá (PA). um dos geólogos brasileiros contratados pela Companhia Meridional de Mineração. No coração do PGC. 1 americana U. Os termos que melhor preenchem a seqüência carreta das lacunas l. ao longo das fronteiras com a Guiana Francesa. Os empregos diretos e indiretos gerados pelas indústrias e pelo comércio do enclave provocaram intenso êxodo rural e um crescimento urbano explosivo da capital. b) Jari / Oriental / Jari e Amazonas. 2 e) 4. 03.F. casas flutuantes e ocupações. largas faixas de devastação. O novo eixo destinase a projetar a influência da Zona Franca para os países vizinhos. em função da opção pelo uso de carvão vegetal para queima nos fornos siderúrgicos. freqüentemente. ativando os fluxos de comércio do Brasil com as economias dessa área. Ali. nas proximidades do Porto de Itaqui. nos núcleos instalados junto à rodovia. Considere o desenvolvimento desigual ocorrido no Brasil e numere a coluna da direita de acordo com a da esquerda. desconsiderase a capacidade dos ecossistemas. 4. a concentração fundiária expulsou os pequenos agricultores das melhores terras. demandam empregos. foi formado um consórcio entre a CVRD e a U. Algumas bases já foram instaladas. teve forte impacto sobre a organização do espaço amazonense. mas pode acarretar novos desastres ambientais. só podia ser atingida por via fluvial ou aérea. que já abriga mais de 20 mil habitantes. O crescimento urbano acelerado de Porto Velho foi explicado. ele produz cerca de 35 milhões de toneladas anuais de minério. Rondônia e Roraima. em grau menor. A metrópole regional de Manaus. no topo da serra. a sua população cresceu à taxa média anual assombrosa de 9. na porção central de Roraima e nas proximidades de Manaus. que.6%. principalmente. A construção dessa estrada e a concomitante implantação do imenso reservatório da Hidrelétrica de Balbina desfiguraram a reserva indígena Waimiri Atroari. através do Rio Amazonas. Carajás. Paraupebas. devido ao fato de Amazônia ser o “pulmão do mundo”. Essas obras de infra-estrutura viária têm a finalidade de criar um longo corredor de exportação para os produtos agrícolas de Rondônia e Mato Grosso. planejado para 5 mil habitantes. 3 b) 2. Assim. que indicava o incomensurável potencial mineral da área. Na década de 1980. 4. 1. Com esse corredor de exportação. Na sua maior parte. embrionariamente. 02. nos limites das reservas indígenas. o helicóptero que conduzia o geólogo pousou numa clareira da Serra Arqueada. a soja cultivada em Mato Grosso chega ao mercado europeu a custos bastante inferiores àqueles proporcionados pelos portos de Santos ou Paranaguá. A transnacional atuava numa moldura mais ampla. d) O horizonte orgânico dos solos da floresta é bastante profundo devido aos nutrientes orgânicos advindos das espécies florestais. ele descobriu uma extensa camada superficial de hematita. Uma trama de conflitos fundiários passou a envolver fazendeiros. portanto as queimadas não têm a importância que lhes é atribuída.S. A Vila de Carajás. onde se localizam os grandes veios auríferos. Mas o isolamento físico do enclave de Manaus está sendo rompido em outra direção. a implantação dos núcleos industriais previstos deve acarretar a aceleração do desflorestamento. As grandes obras de infra-estrutura construídas em poucos anos – a E. Ao lado do núcleo de Paraupebas. 3. b) O mais grave problema dessa área é conseqüência do desmatamento. inicialmente atraídos pelas grandes obras de infra-estrutura que. nos projetos de colonização originais. 4 c) 2. O empreendimento. em São Luís. desempenha importantes funções industriais e comerciais. o inchaço da periferia de Manaus. Em 1967. por intermédio da sua subsidiária Companhia Meridional de Mineração. No contexto das políticas territoriais definidas pelo regime militar. surgiram. 2. como Vilhena. os familiares e suas roças de milho e de arroz foram empurrados para terras de difícil acesso. Suriname.S. Em 1970. c) O desmatamento não interfere na evapotranspiraçao. O esvaziamento demográfico das várzeas e a decadência da pequena agricultura ribeirinha tradicional tiveram. nas proximidades das reservas de matérias-primas e nas áreas da Baixada Maranhense. capaz de receber graneleiros de até 280 mil toneladas. exportadas. O PGC assinalou uma inflexão na economia e na organização do espaço geográfico do leste do Pará e no oeste do Maranhão. Com o tempo. A descoberta dos minérios da Serra dos Carajás deve-se a Breno Augusto dos Santos. no sopé da serra. A BR-174 foi a primeira rodovia pavimentada a alcançar Manaus. situados nas proximidades da via de circulação. combater o contrabando de ouro e exercer ações nos conflitos entre garimpeiros. deflagrou um ambicioso plano de pesquisas na Amazônia. Steei. hoje. que conecta Manaus a Boa Vista e atravessa a fronteira setentrional do País. Sob controle da então estatal CVRD. Tais desequilíbrios tiveram sua origem no processo que estabeleceu o papel de cada região na divisão territorial do trabalho. e) A decantada biodiversidade dessa floresta é mais um dos mitos sobre essa Região. Sete anos depois. e a Hidrelétrica de Tucuruí. Manaus tomou-se um enclave industrial localizado em pleno centro da Amazônia ocidental.

a mesoderme delimita uma parte da cavidade. d) alantóide. d) cório e placenta. à musculatura dos apêndices ou membros. NEURULAÇÃO Após a gastrulação. e a notocorda é uma estrutura maciça localizada logo abaixo do tubo neural. • Formação dos folhetos embrionários ou germinativos. mesoderme e endoderme. somente. c) âmnio e placenta. Organogênese em anfioxo O esquema seguinte representa a fase inicial da organogênese: a neurulação. b) âmnio e alantóide. Arquêntero e blastóporo Sendo o blastóporo um orifício que comunica o intestino primitivo (arquêntero) com o exterior. aos ossos. que darão origem a todos os tecidos e órgãos. inicia-se a neurulação. UEA (DESAFIO) A parede do intestino delgado é revestida internamente pelo eptélio de absorção. Além do aumento de volume. inicia-se o processo de gastrulação. mostra cortes transversais em organismos adultos: 01. • Deuterostômios – Aqueles nos quais o blastóporo dá origem ao ânus. • Triploblásticos ou triblásticos: possuem três folhetos embrionários – ectoderme. Nesse processo. Embriologia II 1. diferenciam-se a endoderme e a mesoderme. O texto acima descreve a organização histológica de um trecho do tubo digestório. Os movimentos peristálticos que deslocam o alimento em processos de digestão são produzidos por camadas de músculos lisos. ele pode dar origem tanto aos ânus como à boca – dois orifícios que. comunicam o sistema digestivo com o exterior. dá origem ao sistema nervoso. Os somitos são blocos celulares dispostos lateralmente ao embrião. • Protostômios – Aqueles nos quais o blastóporo dá origem à boca. cujos representantes mais conhecidos são as planárias e as tênias ou solitárias. o blastóporo faz a comunicação do meio extra-embrionário com: a) o celoma. portanto: ovo. c) da endoderma e da ectoderma. dependendo da estrutura em que se transforma o blastóporo. Com os dados apresentados. à musculatura visceral. caracterizada pela formação do tubo neural. (G2) Na gástrula do anfioxo. Na formação das vértebras. Há animais triploblásticos que não apresentam celoma. e) alantóide e saco vitelínico. e) da ectoderma. A notocorda é uma estrutura típica. É importante frisar que não é a notocorda que se transforma em coluna vertebral. ao miocárdio (musculatura do coração). b) saco vitelinico. Esses animais são chamados acelomados. que. a organogênese prossegue da seguinte forma • Ectoderme: dá origem à epiderme e aos seus derivados cutâneos. da mesoderma e da endoderma. formado pela ectoderme. um parasita do intestino humano. sendo o espaço entre a ectoderme e a endoderme completamente preenchido por mesoderme. possuem esses três folhetos embrionários. no adulto. A partir da formação da nêurula. originando os tecidos especializados do adulto. O tubo neural. 04. Os animais que apresentam celoma são chamados celomados. O controle desses movimentos é realizado por terminações nervosas. GASTRULAÇÃO Terminada a formação da blástula. A seqüência do desenvolvimento embrionário até a formação da glástrula é. ou intestino primitivo. São os demais animais. pois o celoma só é verdadeiro quando completamente revestido pela mesoderme. as vértebras envolvem o tubo neural. que forma os somitos. Esses três folhetos é que sofrerão processo de diferenciação e originarão todos os tecidos e órgãos do organismo. a notocorda. três outras características da gastrulação são muito importantes. a seguir. Após a neurulação. é tomada como eixo. os folhetos embrionários irão diferenciar-se em orgãos. cujo representante mais conhecido é a lombriga (Ascaris lumbricoides). que possuem apenas a ectoderme e a endoderme. ao qual pertencem não só o anfioxo. d) da ectoderma e da mesoderma. 02. • Diploblásticos ou diblásticos: possuem apenas dois folhetos embrionários – ectoderme e endoderme. diferencia-se o tubo neural. Todos os cordados são celomados. Em outros animais. aos músculos lisos. caracterizando a organogênese. Da mesentoderme. O isolamento quase total dos embriões em relação ao meio externo impede que recebam nutrientes do ambiente. são os vermes. Os animais que possuem esses três folhetos são denominados triblásticos. gástrula. 03. (UEA) Répteis e aves produzem ovos dotados de uma casca que dificulta a perda de água por evaporação. delimita uma cavidade denominada celoma. d) a cavidade amniótica. blástula. Assim. c) o trofoblasto. 2. que caracteriza um grande grupo animal: o grupo dos cordados. Existem os animais diblásticos. podemos considerar dois tipos de animais. mórula. (UEA) Certos anexos embrionários bem desenvolvidos em embriões de répteis e aves estão presentes também em mamíferos. 7 .Biologia Professor JONAS Zaranza Aula 105 folhetos embrionários continuam a diferenciar-se. ela apenas serve de eixo ao longo do qual se diferenciam as vértebras. • Formação do blastóporo. somente. os Após a neurulação. ao endocárdio (tecido que reveste internamente o coração) e ao endotélio dos vasos sangüíneos. os moluscos e os artrópodes. e também às estruturas sensoriais. A mesoderme. ao pericárdio (membrana que envolve o coração). posteriormente. são praticamente vestigiais e com funções diferentes das que desempenham em ovos de répteis e aves. ao sistema genital. estará formada a gástrula. O celoma é uma cavidade inteiramente delimitada pela mesoderme. e) placenta. É o caso dos nemátodas. são os equinodermos e os cordados. • mesoderme – o intermediário. às vértebras. Folhetos embrionários Os folhetos embrionários que podem ser identificados no final da gastrulação são três: • ectoderme – o mais externo. um orifício de comunicação do arquêntero com o exterior. é correto afirmar que os tecidos citados são originados embrionariamente a partir: a) da endoderma. somente. Isso permite o desenvolvimento dos embriões em ambiente terrestre. Esses animais são chamados pseudocelomados. Como exemplo. aos rins. e) o arquêntero. Enquadram-se nas características apresentadas acima: a) âmnio e cório. A mesoderme dá origem aos somitos e à notocorda. Neurulação em anfioxo Da ectoderme. somente. Ao fim desse processo. • endoderme – o mais interno. que apresenta no seu interior o canal neural. parasitas do intestino do homem. estudaremos a organogênese em anfioxo. como todos os vertebrados aqui representados pelos anfíbios. desaparece. b) a blastocele. durante o qual as células continuam a se dividir. formação do celoma e da notocorda. São as esponjas e os cnidários. O esquema. aos músculos estriados ou voluntários. • Mesoderme: dá origem à derme. Nestes. É o caso dos platelmintos. no entanto. • Formação do arquêntero. b) da endoderma e da mesoderma. sendo a outra parte delimitada pela endoderme. O anexo embrionário que garante a nutrição do embrião até a eclosão é: a) cório. e passa a ocorrer aumento do volume do embrião. c) âmnio. Nem todos os animais.

02. É bem desenvolvida não somente em peixes. o estomodeu. com placenta bem desenvolvida. Uma dessas evidências refere-se à 8 . como regra geral. portanto. Essa cavidade contém o líquido amniótico. pode-se verificar que tal processo evolutivo. ectodérmica. cujas funções são proteger o embrião contra choques mecânicos e contra a dessecação. capaz de evitar o dessecamento. 3. e com desenvolvimento embrionário semelhante ao dos répteis. o alantóide é reduzido. permitir a troca de gases e sintetizar os leucócitos do feto. ectodérmica e mesodérmica. Foi o que aconteceu com o conceito de placenta. Vesícula vitelínica Durante a evolução dos grupos animais. d) à semelhança dos mamíferos placentários. b) Aparecimento de ovo com casca. pois da sua formação participam tecidos tanto do feto como da mãe. cório e alantóide. do tipo telolécito. sem placenta. entre os quais o homem. Âmnio é uma membrana que envolve completamente o embrião. significado no processo de nutrição do embrião da maioria dos mamíferos. mesodérmica e endodérmica. nesses animais. A placenta. estão representados pelos demais mamíferos. por exemplo. A função do alantóide nos répteis e nas aves é armazenar excretas nitrogenadas e participar das trocas gasosas. A excreta nitrogenada eliminada por embriões desses animais é o ácido úrico. ANEXOS EMBRIONÁRIOS 1. pois. é a melhor explicação para a expansão e o domínio dos répteis durante a era mesozóica. O termo placenta é aplicado para qualquer tipo de órgão formado pelo íntimo contato entre tecido materno e tecido fetal e que serve como transporte de nutrientes da mãe para o feto. Placenta Os mamíferos surgiram na face da Terra há cerca de 200 milhões de anos. ectodérmica e endodérmica. (G2) Nos vertebrados. de origem: a) b) c) d) e) mesodérmica. em qualquer campo do conhecimento humano. abrese para a formação da boca. Sobre esses animais. insolúvel em água e pouco tóxico. c) permitir o fluxo direto de sangue entra a mãe e o filho e a eliminação dos excretas fetais. nesse caso. A natureza dos tecidos da mãe e do feto que entram na formação da placenta varia de grupo para grupo animal. a quantidade de vitelo no ovo teria diminuído. Nos mamíferos. grupo que possui. podem sofrer alterações ao longo do tempo. Nos equinodermos e cordados. mas que não fazem parte do corpo desse embrião. e) permitir o fluxo direto de sangue do filho para a mãe. 6. permitir a troca de gases e sintetizar as hemácias do feto. ao nascer. Com isso. na Austrália. e um novo orifício. 5. e existem fortes evidências sugerindo que evoluíram a partir de um grupo de répteis.• Endoderme: a endoderme dá origem às fendas branquiais. a vesícula vitelínica. os primeiros vertebrados que surgiram foram os peixes. aos pulmões e às diferentes partes do sistema digestório e suas glândulas anexas. por ser um órgão formado pela interação entre os tecidos materno e fatal. o blastóporo dá origem ao ânus (animais deuterostômios). pode ser considerado como qualquer órgão de troca de substâncias entre mãe e filho. pulmão e cérebro são. No Brasil. Nos anfíbios. respectivamente. como certos peixes e anfíbios. Os conceitos. delimitando uma cavidade denominada cavidade amniótica. ricos em vitelo. dentre outros. atualmente. • Eutheria (eutérios) ou placentários verdadeiros: mamíferos vivíparos. o representante mais conhecido é o gambá. lobo-da-tasmânia. A vesícula vitelínica é uma bolsa que abriga o vitelo e que participa do processo de nutrição do embrião. seus embriões alimentam-se. Supõe-se que os primeiros mamíferos eram ovíparos. alguns mamíferos tornaram-se vivíparos com o embrião desenvolvendo-se dentro do útero da mãe e recebendo alimento através de uma estrutura denominada placenta. e) Abundância de alimento nos ambientes aquáticos abandonados pelos anfíbios. Os eutérios. já está completamente formado. seus embriões livram-se dos excretas nitrogenados através da placenta. e o jovem. o cório une-se à parede uterina. Cório ou serosa é uma membrana que envolve o embrião e todos os demais anexos embrionários. com ovos sem vitelo (alécito). d) permitir a troca de gases e nutrientes e a eliminação dos excretas fetais dissolvidos. participa dos processos de trocas gasosas entre o embrião e o meio externo. Já vimos que. como único anexo embrionário. que costuma ser citada como exemplo de anexo embrionário. a seguir. onde estão representados pelo canguru. encontrandose o vitelo dentro de células grandes (macrômeros) não envolvidas por qualquer estrutura própria. ectodérmica. uma vez que existem mamíferos ovíparos e. mas em muitos outros grupos animais. âmnio. Nos ovos de répteis e aves. ao nascer. derme. portanto. de vitelo acumulado no ovo. Os anexos embrionários são: vesícula vitelínica (saco vitelínico). eles não produzem leite para a alimentação dos filhotes. Nos atuais mamíferos viventes. essa membrana fica sob a casca. os ovos são pobres em vitelo. Nesses animais. É uma membrana que delimita uma estrutura saculiforme denominada saco do alantóide.Alantóide O alantóide é um anexo que deriva da porção posterior do intestino do embrião. garantindo proteção contra os predadores naturais. Nos mamíferos. 4. 3. no interior dos quais ocorre o desenvolvimento embrionário. os mamíferos atuais podem ser agrupados em três subdivisões: • Prototheria (prototérios) ou Monotremata (monotrêmatos): mamíferos primitivos que botam ovos e não possuem placenta . juntamente com o alantóide. a placenta é um órgão formado pela interação entre a mucosa uterina da mãe e os anexos embrionários cório e alantóide. e essas duas estruturas formam a placenta. é formada por tecidos da mãe (parede do útero) e por tecidos derivados do corpo do embrião (cório). ou placentários verdadeiros. com placenta rudimentar. e) à semelhança dos mamíferos placentários. endodérmica e mesodérmica. provavelmente. A vesícula vitelínica não tem. (Fuvest) O ornitorrinco e a equidna são mamíferos primitivos que botam ovos. O ovo é completamente desprovido de vitelo (alécito). endodérmica e ectodérmica. Nos mamíferos eutérios. exclusivamente. é correto afirmar que a) diferentemente dos mamíferos placentários. incluindo o aparecimento dos dinossauros e sua ampla distribuição em diversos nichos do ambiente terrestre? a) Prolongado cuidado com a prole. embora os ovos sejam ricos em vitelo. não está completamente formado. com placenta pouco desenvolvida e com ovos oligolécitos e mamíferos vivíparos com placenta desenvolvida.Ovos telolécitos com desenvolvimento embrionário semelhante ao dos répteis. O jovem. a placenta não é considerada um anexo embrionário verdadeiro. 04. b) proteger o feto contra traumatismos. o cório. a placenta humana tem por funções: a) proteger o feto contra traumatismos. mamíferos vivíparos. coala. b) diferentemente dos mamíferos placentários. falta a vesícula vitelínica típica. c) Vantagens sobre os anfíbios na competição pelo alimento. 01. mesodérmica. Com base nesses critérios. Na maioria dos mamíferos. • Metatheria (metatérios) ou marsupiais: mamíferos vivíparos. 03. 2. é reduzida. podendo ser armazenado no interior do ovo sem contaminar o embrião. juntamente com o cório. que ocorrem na AustráliaA maioria dos metatérios ou marsupiais vive. (Fuvest) Qual das alternativas. ocorreu. mas também em répteis e em aves. semelhanças no desenvolvimento embrionário. portanto. com ovos telolécitos. Os prototérios ou monotrêmatos estão representados por apenas dois gêneros viventes: a Echidna (équidna) e o Ormihorhynchus (ornitorrinco). d) Extinção dos predadores naturais e conseqüente explosão populacional. É o anexo embrionário mais externo ao corpo do embrião. c) diferentemente dos mamíferos placentários. com ovos grandes. uma vez que o alimento seria fornecido pela mãe. seus embriões realizam trocas gasosas diretamente com o ar. responsável pela eliminação de gás carbônico e de excretas fetais. não deve ser assim considerada. Em algum momento da evolução. eles apresentam autofecundação. Ovos oligolécitos. Introdução Anexos embrionários são estruturas que derivam dos folhetos germinativos do embrião. A placenta não é encontrada exclusivamente nos mamíferos. endodérmica. (Fuvest) Em condições normais. A placenta.

(FGV) Sobre o romance Memórias Póstumas de Brás Cubas. 4. Caricaturista – Para manter-se. publica O Cortiço. Brás Cubas – Narrador. Ali. Infância e adolescência – Da infância à adolescência. Leônie e Pombinha – Assumem um romance homossexual. a) b) c) d) e) O Mulato O Cortiço Luzia-Homem Quincas Borba Dom Casmurro 04. Casa de Pensão (1884. Dona Plácida – Apoiava os encontros proibidos entre Brás e Virgília. Estréia – Em 1879. vai para o Colégio D. MACHADO DE ASSIS MEMÓRIAS PÓSTUMAS DE BRÁS CUBAS a) Época – Século XIX. Era o início de uma tendência nova na Literatura Brasileira: escrever histórias para retratar multidões. abandona a família para viver com Rita Baiana. revela uma das preocupações do autor. d) Personagens: 1. 02. Botelho – Vive de chantagem. romance naturalista) 5. Cristiano Palha – Pseudo-amigo de Rubião. Vai terminá-lo no Recife. Realismo e Naturalismo II 1. Romance de folhetim – Seguindo a moda iniciada no Romantismo. Pedro II – Aos dezesseis anos (1879). Quincas Borba – Cachorro. 7. Eulália – Última namorada de Brás. b) O nascimento do filho do protagonista com Virgília redime a tristeza de Brás Cubas. 12 de abril. mesclando as lembranças do narrador ao seu estado permanente. de Machado de Assis. as mulheres são reduzidas a três condições: primeira. Uma lágrima de mulher. é bem recebido na Corte e tomado como marco do Naturalismo no Brasil. 5. romance romântico) 2. Aluísio lança O Mulato. Uma Lágrima de Mulher (1880. amante de Brás Cubas. romance naturalista) 3. Deolindo – Criança que Rubião salva da morte. 6. publica Casa de Pensão. concluídos os estudos primários. Rio de Janeiro – Em 1876. 2. intensificada pela constante relação entre o SER e o PARECER. Zig-Zag e A Semana Ilustrada). Suicida-se em 25 de dezembro de 1895. e) o conflito travado entre os protagonistas Capitu e Bentinho é intensificado pelas personagens secundárias. onde já se encontra o irmão mais velho. A crítica especializada vê na 2. O Cortiço (1890. Matricula-se na Imperial Academia de Belas Artes. defunto-autor. em Jacuacanga. enriquecendo-a como expressão literária. Pedro II. ALUÍSIO AZEVEDO Nascimento e morte – Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasce em São Luís (MA). O Mulato (1881. (Desafio da TV) Desistindo de montar um enredo em função de pessoas. 9. O Mulato – Em 1881. Duelo com Bilac – Raul Pompéia e Olavo Bilac travam uma polêmica acirrada nos meios de comunicação da época. b) o foco narrativo em primeira pessoa acentua o aspecto ambíguo da obra. romance-síntese do Realismo-Naturalismo no Brasil. longe da agitação paulista. 3. em 14 de abril de 1857. O Mequetrefe. pelo assunto de que trata: o preconceito racial. segunda. 6. Quincas Borba – Mendigo e filósofo. mas. revela interesse pelo desenho e pela pintura. c) Narrativa – Terceira pessoa (narrador onisciente). 2. d) a abordagem psicológica das personagens. 3. Sofia – Esposa de Cristiano Palha. (FGV) Sobre o romance Dom Casmurro de Machado de Assis. d) Personagens: 1. é correto afirmar que: a) Marca o início do Romantismo na literatura brasileira. O Ateneu é publicado primeiramente em folhetim: os capítulos são exibidos em seqüência ao público leitor. 6. não só pela crua linguagem naturalista. Caiu no vestibular 01. prostituindo-se (Leônie e Pombinha). b) Cenário – Rio de Janeiro. sobretudo. Obra máxima – Em 1890. b) Cenário – Rio de Janeiro. começa a moldar o romance que lhe dará fama: O Ateneu. o autor atinou com a fórmula que se ajustava ao seu talento: ateve-se à seqüência de descrições de cenas coletivas e de tipos psicologicamente primários. Lobo Neves – Esposo de Virgília.Literatura Professor João BATISTA Gomes Aula 106 maranhense. Argentina. dirigido por Abílio César Borges. Bertoleza – Escrava fugida. Motivo: o romance O Ateneu. usadas e aviltadas pelo homem (Bertoleza e Piedade). 4. faz caricaturas para os jornais da época (O Fígaro. d) Personagens: 1. Aluno Interno – Aos dez anos. é matriculado como aluno interno no Colégio Abílio. 2. embarca para o Rio de Janeiro. Aos 17 anos. Rubião tem por ela uma paixão doentia. Livro de uma Sogra (1895. Rita Baiana – Prostituta independente. depois. (Desafio do Rádio) No romance. Jerônimo – Português. apenas NÃO se pode afirmar que: a) o narrador em primeira pessoa acentua sua inocência mediante a trama injusta que o envolveu. amiga-se com João Romão. 5. a) b) c) d) e) A Normalista Luzia-Homem O Cortiço Memórias Póstumas de Brás Cubas O Mulato 3. escreve cenas de romances. Desde cedo. 5. ainda estudante secundarista. decepcionado com os frutos colhidos na profissão de escritor. Virgília – Noiva e. c) O contato de Brás Cubas com a filosofia do Humanismo é-lhe facultado pelo amigo Quincas Borba. 9 . o que o auxilia na aquisição da técnica que empregará mais tarde ao caracterizar as personagens de seus romances. terceira. d) Marcela era realmente apaixonada por Brás Cubas. Minas Gerais. nasce Raul D‘Ávila Pompéia. Estela – Esposa de Miranda. Quincas Borba – Filósofo rico. Artur Azevedo. publica seu primeiro livro. Fim de carreira – Em 1895. herdeiro do filósofo Quincas Borba. hoje Escola Nacional de Belas Artes. c) o tempo é evidentemente trabalhado. encerra a carreira de romancista e ingressa na diplomacia. apenas de objeto. romance naturalista) O CORTIÇO a) Época – Século XIX. enfeixando todas as características dos dois movimentos literários. em 21 de janeiro de 1913. algmas cenas se passam em Barbacena. onde só estudavam os filhos de famílias abastadas. Miranda – Aspira ao título de barão. Albino – Sujeito afeminado e fraco. típico dramalhão romântico. b) Cenário – Rio de Janeiro. Estado do Rio. João Romão – Dono do Cortiço.o 4 da Academia Brasileira de Letras. Rubião – Herói. O livro faz sucesso. Aglomerações – Em 1884. personagem esférica (de grande densidade psicológica). romance que causa escândalo na sociedade 03. Direito em São Paulo e no Recife – Inicia o curso de Direito em São Paulo. são as que se independem do homem. c) Narrativa – Terceira pessoa (narrador onisciente). município de Angra dos Reis. RAUL POMPÉIA Nascimento e morte – Em 1863. OBRAS 1. a novela Uma Tragédia no Amazonas. publica seu primeiro romance. apenas de sujeito. Marcela – Primeira namorada de Brás. Pompéia vem provando que é intelectual precoce. Autor aos 17 – Desde o internato no Colégio Abílio. A partir desses “bonecos” que conserva sobre a mesa de trabalho. e) As personagens femininas do romance têm a ingenuidade das heroínas românticas. romance naturalista) 4. 3. 4. Aluísio estuda em São Luís e trabalha como caixeiro e guarda-livros. Aluno do Colégio D. deputado. 7. c) Narrativa – Primeira pessoa (narrador = personagem). bastante significativas ao contexto. de objeto e de sujeito simultaneamente (Rita Baiana). QUINCAS BORBA a) Época – Segunda metade do século XIX. 8. É o fundador da Cadeira n. Falece em Buenos Aires.

Advogado. defendendo as idéias abolicionistas e republicanas. Acusado de exibicionismo sensual. Veste-se simples e bem. Morre cedo na história. educa e seduz Maria do Carmo. Conta apenas 32 anos de idade. na cidade de Aracati (CE). Canções sem Metro (1881. Caminha demite-se e. DOM CASMURRO Características das personagens principais Bento – Personagem principal da história. publica Judite e Lágrimas de um Crente. um pouco fugitivos. como tudo. trata Bentinho com “extremos de mãe e atenções de servo. Não fala claramente nem seguido. Nessa época. olhos claros. A Normalista (1891. os pés. Personagens – Pe. Mulher forte. 5. Bom-Crioulo – Em 1895. narra-se a história de Lenita e Barbosa. novela) 2. que Pompéia é homossexual. romance) – História de homossexualismo entre marinheiros. 2. Vem o desafio para um duelo de espadas em praça pública que não se consuma por interferência da platéia. Escândalo amaoroso – Em 1888. tenta “atar as duas pontas da vida”. Glória se torna viúva. Dava-se bem com a família de Bentinho. OBRAS 1. Sua obra (densa. romance) – História de João da Mata. Depois de formado. É ajudado várias vezes por D. Depois de velho. Egbert – Único amigo sincero de Sérgio no Ateneu. o próprio Pompéia. Escobar – Esbelto. A Carne – Deixa apenas um romance famoso: A Carne. 4. declaro que sou um homem de honra”. pela Faculdade de Direito do Recife. Alexandre (herói) e Crapiúna (vilão) expõe o drama de famílias que são obrigadas a migrar para a cidade por causa da seca. É três anos mais velho que Bento. O discurso inflamado à sepultura de Floriano Peixoto. Seis anos depois (1883). Deseja fazer do filho um padre. Suicídio na noite de Natal – Depois do episódio do duelo. lança seu romance de maior sucesso: A Normalista. e falece em Santos (SP). Aristarco – Dono e diretor do Colégio Ateneu. é promovido a segundotenente. Tem mania de expressar-se por superlativos. 10 . Sérgio – Narrador. poema em prosa) 3. que lhe atribui o apelido de Tartaruga. Bilac resolve insinuar. devido a uma antiga promessa. quando se transfere para Belém. 8. o romance Dona Guidinha do Poço. MANUEL DE OLIVEIRA PAIVA Nascimento e morte – Manuel de Oliveira Paiva nasce em Fortaleza. Gosta de ressaltar os defeitos das pessoas. 3. madura e religiosa. torna-se deputado pela Assembléia Provincial e batalha no jornalismo. na velhice.o de novembro de 1890. c) Narrativa – Primeira pessoa (narrador= personagem). 6. Uma Tragédia no Amazonas (1880. DOMINGOS OLÍMPIO Nascimento e morte – Nasce em Sobral (CE). mas. Tio Cosme – Um homem gordo e pesado. O Ateneu (1888. em 1952. em 18 de setembro de 1850. Órfão – Órfão de mãe. Luzia-Homem – Seu primeiro romance (única obra de sucesso). Antes de morrer. INGLÊS DE SOUSA Nascimento e morte – Herculano Marcos Inglês de Sousa nasce em Óbidos (PA). Coronel Pimenta (avô de Clarinha). Sérgio. Prudente de Morais. Pádua – É o pai de Capitu. É também viúvo e vive ali desde que D. boca fina e olhos curiosos. político. exceto com José Dias. É um tipo de empregado da casa. Obra póstuma – Graças à crítica Lúcia Miguel Pereira. de acordo com o depoimento de Bento. vem à luz. amiga e namorada de Bento desde criança. Gloria. consegue penetrar no âmago das pessoas e saber o que se passa com elas. Homem prestativo. José Dias – É magro. Personagens – Margarida (Guidinha). os jornais da época passam a ignorar Pompéia. OBRAS 1. publica seu segundo romance de sucesso: Bom-Crioulo. que cria. com apenas 31 anos. olhos claros e grandes. retardando a sua decisão de mandá-lo para o Seminário. ambientado no sertão cearense. É exímio jogador de gamão. Amaro mata Aleixo. com a mulher e duas filhas. com o romance O Coronel Sangrado (1877). é um imitador. muda-se para a casa de seu tio. As Jóias da Coroa (1962. A seguir. Luzia-Homem. ADOLFO CAMINHA Nascimento e morte – Adolfo Ferreira Caminha nasce em 29 de maio de 1867. É morena. Américo – Adolescente que incendeia o Colégio Ateneu. costas abauladas. porém tratado com a consideração de parente. Caminha vai para a casa de parentes. Antônio Morais (vive o conflito entre a vocação sacerdotal e o instinto sexual). Inteligente e amigo. colabora nos jornais Gazeta de Notícias e O País. Tuberculose – Atormentado pelas dificuldades financeiras e debilitado pela tuberculose. A Normalista – Em 1891. onde passa a viver como funcionário público. Data (25 de dezembro de 1895) e assina (Raul Pompéia). com a aparência de Escobar. ambientado no interior paulista. Bom-Crioulo (1895. chupado. jornalista – Bacharelase em 1873. data de 1903.o de janeiro de 1897. A história de Luzia (heroína). Prima Justina – Quadragenária. Major Quim (esposo de Guida) e Secundino. ralismo no Brasil. publica Vôos Incertos (poemas). em 1892. ganha o apelido de Dom Casmurro. levado e inteligente. livros de contos. de “cigana oblíqua e dissimulada”. com cenas de sexo explícito. em 1861. pernas e braços curtos. regressa a Fortaleza e envolve-se em um rumoroso escândalo: rapta a esposa de um alferes. Fortunata – A mãe de Capitu. deseja tê-lo perto de si. Ezequiel – Quando pequeno. elogiando o morto. segue para o Rio de Janeiro. muito pressionado de todos os lados. b) Cenário – Rio de Janeiro (um colégio interno só para homens). D. em 28 de dezembro de 1853. em 1. O sorriso é instantâneo. Amaro (o Bom-Crioulo) ama Aleixo. Quando moço. um grumete. deita-se numa poltrona e dá um tiro de revólver em cima do coração. 6. homem baixo e grosso de corpo. Em 1890. torna-se esbelto e. Bento Alves – Adolescente com quem Sérgio se envolve. É inteligente e interessado por Arqueologia. em 6 de setembro de 1918. Nele. como as mãos. o narrador. reside no Ceará até 1879. expondo-os aos olhos alheios. seria o próprio Raul Pompéia. que logo se incorpora à lista das obras de valor do Naturalismo brasileiro. escreve: “Ao jornal A Notícia e ao Brasil. narrador que. sem publicar nenhum livro. O narrador ressalta-lhe o dom do “bom comer”: gosta de uma mesa farta e bem variada. em 1. Contista – Em 1887. D. e trata a vida como se fosse uma grande ópera. a fala. tem a respiração curta e os olhos dorminhocos. magra e pálida. onde advoga. 4. romance póstumo) O ATENEU a) Época – Século XIX.obra a própria vida do autor.” Aproximou-se da família de Dona Glória dizendo-se médico. Obra-máxima – O Missionário (1891). trágica e pouco apreciada na época) é repleta de descrições de perversões e crimes. na imprensa. Ceará. ao mesmo tempo. no Rio de Janeiro. Naturalismo – Adolfo Caminha é considerado um dos principais representantes do Natu- 7. com um princípio de calva e tem uns cinqüenta e cinco anos. romance ambientado na selva amazônica. Sanches – Protetor de Sérgio e iniciador de sua sexualidade. Iniciador do Naturalismo – É tido como inaugurador do Naturalismo no Brasil. Poeta – Em 1886. Glória – Mãe de Bentinho. Falece em 7 de outubro de 1906. “olhos de ressaca”. JÚLIO RIBEIRO Nascimento e morte – Júlio Ribeiro nasce em Sabará (MG). 5. Morre no Rio de Janeiro. que o matricula na antiga Escola de Marinha. em Fortaleza. Morre no Rio de Janeiro. em 16 de abril de 1845. Padre Cabral – Amigo de todos. Ou seja. romance) 4. mas depois confessou a mentira. Capitu – Vizinha. que se apaixona por Carolina. Falece no Rio de Janeiro (RJ). o romancista é duramente atacado pela crítica especializada da época. 2. conselheiro sensato. no Rio de Janeiro. morre precocemente. Enciumado. é uma agressão ao presidente da República. d) Personagens: 1. Clarinha (mulher por quem o padre se apaixona).

Como a temperatura final é igual à temperatura inicial. ou seja. outras propriedades podem ser determinadas. a solução de nossos problemas. C2H2(g) + 2. quando o gás realiza trabalho sobre o meio (ex- TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (UFRS 2005) Se necessário. c) 250. na câmara de combustão de um motor de automovel. energia. sem definição. um estudante dissolveu 1. é o ramo da química que estuda o calor envolvido nas reações químicas baseandose em princípios da Termodinâmica. apenas caracterizando-a. Assinale a alternativa que representa. havendo uma igualdade entre o calor e o trabalho trocados em cada ciclo. e não é capaz de fornecer detalhes dela. pode ocorrer a formacão de monóxido de carbono. Transformação adiabática: Nessa transformação.5 O2(g) → 2 CO2(g) + H2O(g) ΔH0 = –1255 kJ Assinale a alternativa que indica a quantidade de energia. 01. for insuficiente para a queima do n-octano. e a energia interna diminui. a energia interna do sistema não varia. baseada no comportamento médio de grandes grupos de partículas. Por exemplo. ou seja. Considerando essas informações.Química Professor Pedro CAMPELO Aula 107 pansão). A área interna do ciclo é numericamente igual ao trabalho total trocado com o meio exterior. o trabalho realizado é graças à variação de energia interna. U > 0: temperatura do sistema aumenta. a temperatura inicial do gás. Transformação isométrica: como o volume do sistema se mantém constante. a temperatura final e Ti. Para a aplicação do primeiro princípio de Termodinâmica.275 kJ e) –255 kJ c) –5. uma vez que alguns dados sejam conhecidos. d) 300. T < 0 ⇒ volume aumenta Parte do calor que o sistema troca com o meio externo está relacionada com o trabalho realizado e o restante. Q < 0 ⇒ U < 0: temperatura diminui se o sistema cede calor. a) 2C8H18(l) + 17O2(g) → 16CO(g) + 18H2O(l) ΔH0 = –6. o meio realiza trabalho sobre o sistema. (G1–CFTMG 2004) Ao preparar uma solução de hidróxido de sódio. Observe o gráfico a seguir. ao expandir. e a energia interna aumenta. A termodinâmica é baseada em leis estabelecidas experimentalmente: A Lei Zero da Termodinâmica determina que. um gás necessita receber calor do meio para manter sua temperatura. Todo o calor trocado com o meio externo é transformado em variação da energia interna. Essa lei é a base para a medição de temperatura. quando a temperatura aumenta. Apesar de todos nós termos um sentimento do que é energia. uma transformação cíclica é representada por uma curva fechada. naturalmente.414 kJ. também chamada de Termoquímica. corretamente. mas. Ocorre uma elevação de temperatura. pois ela depende unicamente da temperatura do sistema. devem-se respeitar as seguintes convenções: Q > 0: calor recebido pelo sistema. A Primeira Lei da Termodinâmica fornece o aspecto quantitativo de processos de conversão de Temoquímica I A Termodinâmica química. d) 2C8H18(l) + 17O2(g) → 16CO(g) + 18H2O(l) ΔH0 = –10. endotérmica. É bastante conhecido o fato de que uma substância é constituída de um conjunto de partículas denominadas de moléculas. na fórmula do trabalho t = p. o sistema realiza trabalho sobre o meio. A partir de uma visão macroscópica para o estudo do sistema. completou o volume para 1. a energia não pode ser criada nem destruída.0 mol dessa base em água. Uma abordagem mais elaborada. Quando o ciclo é percorrido no sentido horário. no sentido anti-horário. e todos os estados pelos quais o sistema passa podem ser considerados como estados de equilíbrio. pode ser representada pela fórmula U = 3/2 . b) 2C8H18(l) + 17O2(g) → 16CO(g) + 18H2O(l) ΔH0 = –11. mas somente transformada de uma espécie em outra. Transformação Cíclica: Denomina-se transformação cíclica ou ciclo de um sistema o conjunto de transformações sofridas pelo sistema. Parte desse calor foi utilizada para realizar um trabalho W. PROCESSOS TERMODINÂMICOS Sempre que uma ou mais propriedades de um sistema variam. 11 .376 kJ. c) 2C8H18(l) + 17O2(g) → 16CO2(g) + 18H2O(l) ΔH0 = –6. Podemos dizer que a energia interna do sistema é uma função de estado.0 kJ 02. PRINCÍPIOS DA TERMODINÂMICA De acordo com o princípio da Conservação da Energia. é muito difícil elaborar uma definição precisa para ela. também.(V2 – V1). a temperatura e o volume são inversamente proporcionais. Logo. Por exemplo. é correto afirmar que a concentração da solução formada e a dissolução da base são. Um processo de quaseequilíbrio (quase-estático) é aquele em que o desvio do equilíbrio termodinâmico é infinitesimal. Consideremos um sistema recebendo uma certa quantidade de calor Q. ocorre um abaixamento de temperatura. que não requer o conhecimento do comportamento individual dessas partículas.410 kJ b) –6.414 kJ. é chamada de Termodinâmica estatística. (PUC-Rio 2007) A combustão completa do etino (mais conhecido como acetileno) é representada na equação a seguir. quando dois corpos têm igualdade de temperatura com um terceiro corpo. A expressão Q = U + W representa. com a variação da energia interna do sistema.n.R. na forma de calor. Em verdade. As propriedades de uma substância dependem. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (Uel 2006) Se o suprimento de ar. não há realização de trabalho. o sistema não troca calor com o meio externo. O perfil da reação genérica A → B. considerando o rendimento dessa reação igual a 80%. é igual a a) 100. indica que a energia de ativação do processo.00 0. e) 400. W < 0: volume do sistema diminui. T2 – T1 = 0 ⇒ U2 – U1 = 0 TRANSFORMAÇÕES TERMODINÂMICAS PARTICULARES Transformação isotérmica: Como a temperatura do sistema se mantém constante. o volume diminui. o sistema cede calor e recebe trabalho. que é liberada na combustão de 130 g de acetileno. diz-se que ocorreu uma mudança de estado. onde n é o número de mols do gás. Num diagrama p x V. Na expansão adiabática. 03. o sistema recebe calor e realiza trabalho. considere um gás sofrendo uma expansão isotérmica conforme mostra as figuras.50 1. cujo enunciado pode ser: A variação da energia interna de um sistema é igual à diferença entre o calor e o trabalho trocados pelo sistema com o meio exterior. adote g=10m/s2. nele representado. Contudo ela não trabalha com modelos da microestrutura da substância. LEIS DA TERMODINÂMICA A termodinâmica permite determinar a direção na qual vários processos físicos e químicos irão ocorrer. analíticamente. Transformação isobárica: Numa transformação onde a pressão permanece constante. O caminho através de sucessivos estados pelo qual passa o sistema é definido como processo.508 kJ. Numa expansão adiabática. Uma forma fácil de saber o sinal sem ter que decorar essa tabela é usar as fórmulas. R é a constante dos gases. através do método da termodinâmica clássica.942 kJ 2CO (g) + O2 (g) → 2CO2 ΔH0 = –566. U < 0: temperatura do sistema diminui. o sinal é positivo (volume aumenta).(Tf – Ti). de tal forma que seus estados final e inicial são iguais. de uma maneira fácil e direta. Q < 0: calor cedido pelo sistema. Ela permite abordar. b)150. uma substância altamente poluidora do ar atmosférico. Dados: 2C8H18 (l) + 25O2 (g) → 16CO2 (g) +18H2O(l) ΔH0 = –10.020 kJ 04. endotérmica. em kJ.50 1. pois.00 mol mol mol mol × × × × L–1 L–1 L–1 L–1 e e e e exotérmica. A quantidade de calor que o gás recebe é exatamente igual ao trabalho por ele realizado. o primeiro princípio da termodinâmica. A área sombreada sob a curva é numericamente igual ao trabalho realizado. O primeiro princípio da Termodinâmica estabelece uma equivalência entre o trabalho e o calor trocados entre um sistema e seu meio exterior. Tf. a variação da energia interna é nula. e o restante provocou um aumento na sua energia interna U. Muitos processos reais podem ser aproximados com precisão pelo processo de quase-equilíbrio. W > 0: volume do sistema aumenta. Também permite determinar as relações entre as diversas propriedades de uma substância. a) b) c) d) 0. a) –12. eles têm igualdade de temperatura entre si. e. se V2 > V1. a equação termoquímica de combustão incompleta do n-octano. a Física aceita a energia como conceito primitivo. respectivamente.550 kJ d) –2. Se não há variação de temperatura. calor e entropia e as leis que governam os processos de conversão de energia. exotérmica. Ela. U > 0 ⇒ temperatura aumenta. Se o sistema recebe calor: Q > 0 ⇒ U > 0: temperatura aumenta se o sistema recebe calor.0 litro e notou que o recipiente usado para a dissolução ficou muito quente. a variação da energia interna é nula. do comportamento dessas partículas. e) 2C8H18(l) + 9O2(g) → 16C(g) + 18H2O(l) ΔH0 = –6.414 kJ. o sinal do trabalho será positivo. TERMODINÂMICA A Termodinâmica é a parte da Termologia (Física) que estuda os fenômenos relacionados com trabalho. Durante a compressão adiabática. desenvolveu-se a chamada Termodinâmica clássica.

. Bromo: Br2 (l).0. Tais valores. 03. e) III é correta. A Terceira Lei da Termodinâmica estabelece um ponto de referência absoluto para a determinação da entropia. Carbono: C (gr) (grafite). só é possível calcular o valor do ΔH se forem conhecidas as entalpias absolutas dos reagentes (HR) e dos produtos (HP): ΔH = HP – HR. com meio mol de oxigênio gasoso para formar um mol de água líquida. Por exemplo. A variação de entalpia (ΔH) nesse processo. foram determinadas condições de referência para determinação da entalpia das substâncias. b) +958.7kJ/mol 2HgO(s) → O2 (g) + 2Hg(l) ΔH=+181. a produção de etanol vem aumentando. já que representam o calor perdido ou recebido pelo sistema durante a transformação.0 kJ/mol. A transição da água no estado sólido para o estado líquido é um processo que absorve calor.8 kJ Sobre o carbeto de cálcio e sua obtenção. Podemos observar o seguinte exemplo: quando um sistema formado por água líquida é colocado em um congelador.4kJ/mol Os estados físicos dos reagentes e produtos: substâncias no estado sólido provocam variações de entalpia maiores do que no estado líquido. representado pelo estado derradeiro de ordem molecular máxima e mínima de energia.0kcal/mol 1C(d) + O2(g) → 1CO2(g) ΔH = –94. (CH4 (g)). em equação: 1HgO(s) → 1/2 O2 (g) + 1Hg(l) ΔH=+90.mol–1) = –394 H2O (l) → ΔH0r (kJ.7kJ/mol Que também pode ser representada por: 1HgO(s) + 90. importante produto orgânico industrial. VARIAÇÃO DE ENTALPIA A variação de entalpia (ΔH) é representada por uma proporção com um número fixo de mols. 40 Dessas afirmações. em decorrência disso. Exemplo: A entalpia de formação da água. Outro exemplo poderia ser: quando um mol de hidrogênio gasoso reage.5kJ/mol de energia calorífica. ele perde calor para esse ambiente e. em kJ. a unidade da entalpia é o Joule por mol. b) –353.. na sua forma mais abundante. ambos gasosos: H2 (g) + 1/2 O2 (g) → H2O(l) ΔfH0 = –285. CaO(s) + 3 C(s) → CaC2(s) + CO(g) ΔH0 = +464. há liberação de calor. é igual a –277. há uma absorção de calor. Fósforo: P (vermelho). por sua vez. à temperatura de 298K e 1atm.mol–1) = –286 a) +1368. agora familiar: “A energia do Universo é constante”. é igual a Dados: C2H6O (l) → ΔH0r (kJ. impulsionada pelo aumento da frota de carros bicombustíveis. é igual a –889. é fabricado pela redução da cal (CaO) pelo carvão. Nitrogênio: N2 (g). transição da água no estado líquido para o estado sólido é um processo que libera calor. nas mesmas condições. é arbitrada como sendo zero. é igual a a) –1406. existem dois tipos de reação: Reações exotérmicas: ΔH<0. (UFRS 2006) Considere as seguintes entalpias de formação a 25°C. d) +46. somente a) I e II são corretas. é a energia liberada ou absorvida pela reação de formação de compostos. d) +639. Reações endotérmicas: ΔH > 0. tem entalpia igual a zero (0). é endotérmico. b)–240. A entalpia-padrão de combustão completa do etanol.01.7 kJ de energia do ambiente.8 kJ de energia para o meio ambiente. e estas. é igual a 183 kJ. em condições PTN. Outro exemplo disso é: quando um mol de óxido de mercúrio sólido se decompõe. c) +402. significa que foi medida na temperatura de 298 K e pressão de 1 atm.mol–1) = –278 CO2 (g) → ΔH0r (kJ. convencionou-se que toda substância simples. Exemplo: 1HgO(s) → 1/2 O2(g) + 1Hg(l) ΔH=+90. ocorre a liberação de 285. Por esse motivo. por exemplo. a 25 °C e 1 atm: H0f H2O(l) = –286. Cloro: Cl2 (g). A unidade da variação de entalpia no SI é kJ/mol.2kJ/mol Quanto ao sinal do ΔH. No Sistema Internacional de Unidades. é a forma mais usada para expressar o conteúdo calorífico de uma substância química. por ser renovável.2kJ/mol Estado alotrópico de reagentes e produtos: cada estado alotrópico tem um valor de entalpia distinto. no estado físico e alotrópico mais estável a 25°C e 1 atm).8kJ/mol Que também pode ser representada por: 1/2 O2(g) + H2(g) → H2O(l) + 285. quando 10g de CaO reagem com carbono em excesso. conforme a equação não-balanceada: Mg(s)+H2O(l) → Mg(OH)2(aq)+H2(g) Conhecendo-se as entalpias de formação das substâncias. (Fatec 2007) O carbeto de cálcio. à pressão constante.5kJ/mol A equação acima indica que a entalpia de combustão do metano. Exemplos: Hidrogênio: H2 (g). Entalpia de combustão – Refere-se à energia liberada na combustão de um mol de um composto. libera 285. Um exemplo disso: se um pedaço de gelo for deixado sobre a mesa à temperatura ambiente. reduz o impacto da emissão de gás carbônico causado na queima da gasolina. A quantidade de calor liberada. d) –402. Ou.0 kJ/mol H0f Mg(OH)2(aq) = –925.8kJ/mol FATORES QUE INFLUENCIAM O VALOR DO ΔH Quantidade de reagentes e produtos: o valor do ΔH de uma reação varia em função da concentração de cada um de seus participantes.7kJ/mol → 1/2 O2(g) + 1Hg(l) O processo exotérmico é aquele que ocorre com liberação de calor.. ENTALPIA DE FORMAÇÃO A entalpia de formação ou calor de formação (ΔfH0) de um composto químico é a variação da entalpia da reação de formação desse composto a partir das espécies elementares que o compõem. Atualmente. 04. Exemplo: 1H2(g) + 1/2 O2(g) → 1H2O(l) ΔH=–285. d) II é correta. desde que todos os participantes da reação estejam no estado-padrão. ENTALPIA Entalpia é a grandeza física que descreve a energia interna total de um sistema. TRANSFORMAÇÕES ENDOTÉRMICAS E EXOTÉRMICAS O processo endotérmico é aquele que ocorre com absorção de calor. Oxigênio: O2 (g). Enunciada como “A entropia de uma substância cristalina pura na temperatura zero absoluto é zero”. A obtenção de carbeto de cálcio é endotérmica. É extremamente valioso para o químico conhecer os valores de entalpia para substâncias individuais. (G1–CFTMG 2005) Os soldados em campanha aquecem suas refeições prontas. determinaram-se as entalpias de formação e combustão das substâncias. Exemplo: ΔHc 1CH4 (g) + 2O2 (g) → 1CO2 (g) + 2H2O(l) = –889.5kcal/mol ENTALPIA PADRÃO Teoricamente. ele receberá calor do ambiente. A entalpia de formação das espécies químicas elementares.. O carbeto de cálcio pode ser usado para fabricar acetileno. c) –46. expressas em kJ.. 02. existe o metal magnésio que se combina com água e forma hidróxido de magnésio.. ou seja. A entalpia pode ser definida pela função de estado introduzida por Josiah Willard Gibbs: H = U + PV onde U é a energia interna do sistema. à pressão constante.. Exemplo: 1C(gr) + O2(g) → 1CO2(g) ΔH =–94. Dados: massas molares (g/mol): O . com o uso do calorímetro. pois isso facilita muito o cálculo teórico do ΔH nas milhares de transformações químicas existentes. no estado líquido. Esses dados permitem concluir que a entalpia correspondente à combustão completa de um mol de metanol a 25°C. só é possível obter valores de ΔH. a alta temperatura. Dentro dessa. ocorre a absorção de 90.. são impossíveis de ser obtidos na prática. e) +240. *e) –1368. A Segunda Lei da Termodinâmica determina o aspecto qualitativo de processos em sistemas físicos. Experimentalmente. como a combustão.2 kJ/mol) é válida para cada meio mol de O2.. Por exemplo. isto é. Quando a entalpia de formação é omitida na equação química da reação. no estado padrão (ou seja. para cada um mol de H2 e para cada um mol de H2O. Enunciada por Clausius da seguinte maneira: “A entropia do Universo tende a um máximo”.8kJ/mol 1H2(g) + 1/2 O2(g) → 1H2O(g) ΔH=–241. maiores do que no estado gasoso. energia. Hélio: He (g). c) +353. Ou. 1/2 O2(g) + H2(g) → H2O(g) ΔH = –241.0... 16 Ca . A reação de formação de composto consiste na formação do composto em questão a partir dos seus elementos na sua forma mais estável.. c) I é correta. em kJ.mol–1. a proporção da entalpia (–241.7 kJ. CaC2.. formada por hidrogênio e oxigênio. mas não podem ocorrer na direção oposta. (FGV 2007) No Brasil. O aumento da concentração provoca um aumento proporcional da variação de entalpia. em um mol de mercúrio líquido e em meio mol de oxigênio gasoso. na reação termoquímica a seguir. Exemplo: ΔHF 2C(gr) + 3H2(g) + 1/2O2 g → C2H5OH(l) = –277. os processos ocorrem numa certa direção. II. 12 . ocorre a solidificação da água.7kJ/mol A equação acima indica que a entalpia de formação do etanol. III. entretanto. É o princípio da conservação da energia e da conservação da massa. e isso provocará a fusão do gelo. Iodo: I2 (s). contidas em uma bolsa plástica com água. em equação: 1/2 O2(g) + H2 (g) → H2O(l) ΔH=–285. é exotérmico... A partir daí..5 kJ/mol Significa que a formação de 1 mol de água (6. Entalpia de formação – Refere-se à energia liberada ou absorvida quando um mol de um composto se forma a partir de substâncias simples no estado padrão (as quais têm entalpia-padrão igual a zero). É extremamente útil na análise termodinâmica das reações químicas.0. Flúor: F2 (g). Assim. expressa em kJ.. são feitas as seguintes afirmações: I. e PV é o produto da pressão pelo volume. é equivalente à entalpia da reação de hidrogênio diatômico com oxigênio diatômico.1023 moléculas=18 gramas ). a partir das espécies elementares hidrogênio e oxigênio.0.5 kJ. Enxofre: S (rômbico). b) I e III são corretas. (C2H5OH(l)). O uso do álcool como combustível.02 . é: a) –639.

01. Em cada momento da evolução da humanidade. Hoje. e o hemisfério voltado para o poente é denominado oriental. II e III. Por mais primitivo que seja. satélites. o eixo das ordenadas corresponde aos meridianos. no Hemisfério Sul. a latitude é o arco de um meridiano entre o Equador e o paralelo de um lugar. em graus.Rio de Janeiro. pois produzem uma trama de linhas que servirão de referênciais para o registro dos eventos que se quer cartografar. Os paralelos “são linhas imaginárias que circulam a Terra no sentido leste-oeste” (IBGE.] Todo produto cartográfico é sempre útil e válido para uma determinada aplicação. a longitude é a distância entre dois lugares. As linhas imaginárias são chamadas de paralelos e meridianos. de todo ou de parte da superfície terrestre. Técnicas cada vez mais sofisticadas foram agregadas aos conhecimentos da cartografia. radares e GPS representam o que temos de melhor quando o assunto é a representação cartográfica ou a localização de um ponto qualquer na superfície terrestre. determinando a posição dos paralelos especiais. O Circulo Polar Antártico e o Trópico de Capricórnio. de forma eficaz. 17.cit. a) b) c) d) e) são são são são são corretas corretas corretas corretas corretas as as as as as afirmativas afirmativas afirmativas afirmativas afirmativas I e II. Alguns destes paralelos recebem nomes especiais. que faz variar essa inclinação em 40 mil anos. os paralelos aparecem como linhas retas e horizontais (projeção cilíndrica). São eles: o Círculo Polar Ártico e o Trópico de Câncer. Fundamentos de Cartografia. dois pontos colaterais e cinco subcolaterais. 16). de uma paralelo à linha do Equador. com a inclinação do eixo do Planeta e. TEXTO PARA A PRÓXIMA QUESTÃO (UFPR) Na(s) questão(ões) a seguir. para compreendermos melhor essa ciência. Entretanto. apresentada através de mapas. As coordenadas geográficas são um sistema de linhas imaginárias que se cruzam objetivando a localização de qualquer ponto na superfície da Terra. (02) A linha do Equador divide o globo em dois hemisférios. Resposta=01+02+16=19 02. e) O espaço entre o sudeste e o noroeste tem dois pontos cardeais. II. d) O espaço entre o ponto colateral noroeste e o ponto colateral sudeste. Eles servem para delimitar as zonas climáticas da Terra. Latitude. a inclinação do eixo em relação ao plano da eclíptica tem relação com um dos movimentos da Terra. designadas pelos pares de elementos denominados de latitude e longitude. c) A distância leste-oeste é de 180°. divide o globo terrestre em dois hemisférios. “O critério para a determinação desses paralelos está relacionado com o movimento de rotação da Terra. III. Ao contrário dos paralelos. no espaço apropriado. dispomos dos mais precisos e sofisticados meios de representação dos eventos que se manifestam sobre a superfície da Terra. Atlas geográfico escolar. permitem determinar as posições de pontos na superfície terrestre. [. Isso possibilitou não só o conhecimento das novas terras. A diferença de inclinação entre o eixo da órbita e o eixo da Terra é de 23° 27’. O hemisfério voltado para o pólo norte é denominado boreal. o homem sempre buscou registrar cenas do quotidiano. Sistemas de coordenadas terrestres. (16) O Brasil é um país tropical porque a maior parte do seu território está situada entre as linhas do Equador e do Trópico de Capricórnio. a longitude é o arco de Equador ou de paralelo entre o meridiano de um lugar e o meridiano de Greenwich. p. O hemisfério voltado para o nascente é denominado ocidental.Geografia Professor HABDEL Jafar Aula 108 Fundamentos de cartografia “A palavra cartografia tem origem na língua portuguesa. 12. (Furg 1997) As coordenadas geográficas. Quanto à orientação no globo terrestre. Os valores de latitude variam de 0° (linha do Equador) a 90° (pólos). cujas extremidades são os pólos geográficos. no desenvolvimento dos conhecimentos cartográficos. pela primeira vez. “Os meridianos são linhas imaginárias que cortam a Terra no sentido norte-sul. IV. ao atravessar nosso planeta. determina a posição dos círculos polares. e o eixo das abscissas corresponde aos paralelos. numa correspondência. devendo ser indicada a posição no hemisfério sul (S) ou no hemisfério norte (N)”. Por sua vez. no Hemisfério Norte. vários povos contribuíram. partindo de qualquer direção. ainda. o eixo da órbita (eclíptica). é necessário dominar alguns conceitos fundamentais. nas paredes de cavernas ou gravadas em tábuas de pedra registravam cenas do quotidiano e acumulavam conhecimentos para as futuras gerações. todos os meridianos têm o mesmo comprimento. UFSC. ao tocar a superfície. Em determinadas projeções. simplificada e convencional. sentido horário. Atlas geográfico escolar. com o movimento de translação. um mapa sempre revela uma compreensão do mundo para determinada sociedade. tem dois pontos colaterais e seis pontos subcolaterais. cit. indicando a idéia de um traçado de mapas e cartas. 50.. V. “Os paralelos nos indicam a latitude. onde: I. o qual determina o plano da eclíptica. (op. Mas foi a partir do início da Modernidade que essa ciência tornou-se uma ferramenta primordial para aqueles que queriam dominar o além-mar. Computadores. Paulo A. pode-se afirmar corretamente: a) A representação gráfica da orientação é feita através das coordenadas geográficas. Essas gravuras inscritas nas rochas. como arcos (projeção cônica) ou como circunferências concêntricas que diminuem de diâmetro à medida que nos aproximamos dos pólos (projeção plana polar). I e III. Figura 03: Localização de Brasília. determina a posição dos trópicos. 1994). escreva. Assim. (08) As áreas localizadas ao sul do Trópico de Capricórnio e ao norte do Trópico de Câncer são intertropicais. Desde a pré-história. IV e V. de lutas de animais e de rituais religiosos. Rio de Janeiro. Elas são necessárias. p. e o hemisfério voltado para o pólo sul é denominado austral. é correto afirmar que: (01) Nas coordenadas geográficas. O movimento de rotação determina o surgimento do eixo. em 1839. II e IV. p. Figura 02. num determinado instante do tempo”. que é a distância. (PUCPR) Sobre a orientação. O paralelo inicial foi mais fácil 13 . cartas ou plantas. a latitude é o arco de Equador entre o meridiano de Greenwich e o meridiano do lugar.. ligando um pólo ao outro” (op. b) A distância sudoeste-sudeste é de 180°. tendo sido registrada. 2002). * 03. Hoje. A cartografia como arte e técnica da representação da superfície terrestre vem estruturando-se desde os primórdios da humanidade. entendemos cartografia como a representação geométrica plana. P17). 2002). O plano da órbita (eclíptica). (04) O meridiano inicial. É a mesma diferença entre o plano da órbita e o plano equatorial. mas também o domínio e a exploração das colônias européias.” (Duarte. a soma dos itens corretos. (IBGE. p. O Equador geográfico é a linha que divide o planeta Terra em duas partes exatamente iguais. a latitude é altura de um ponto em relação ao nível médio do mar. o de Greenwich. Figura 01.

04. 8° 30’ a oeste da longitude 15° 30’ Leste. O espaço geográfico: Geografia geral e do Brasil. Indique a única correta. b) A Latitude é um ângulo que tem seu vértice no centro da seção plana da Terra. 14 . O ponto antípoda de B é a) b) c) d) e) 3° de latitude Norte e 2° de longitude Oeste. c) A Rosa-dos-ventos é um aparelho de orientação inventado no século XII. identificar. mapa 2 = paralelos. que é uma localidade da área metropolitana de Londres. (Uel) Para responder a esta questão. a) A Longitude é a figura formada pela junção dos pontos cardeais. que representa parte das coordenadas geográficas. No sistema de fusos horários. localizada a 74° de longitude oeste de Greenwich. uma cidade fictícia. Exercícios 01. A diferença horária entre a cidade de Cabul. mapa 2 = meridianos. 83°30’ longitude leste de Greenwich. foi concebido na Grécia Antiga e visava a facilitar a localização de qualquer ponto na esfera terrestre. na cidade de Nova York. “Escolheu-se. e) O Meridiano de Greenwich divide a Terra em hemisférios Setentrional e Meridional. Figura 03. Igor. Essa distância varia de 0° até 180° para leste e para oeste. a) mapa 1 = longitude. Longitude. considere os mapas a seguir. o meridiano de Greenwich organiza as horas na Terra. (UFES) Por volta das 9 horas do dia 11 de setembro de 2001. mapa 2 = paralelos. é de +9h30min. (08) As localidades mais próximas da linha do Equador são F e A. 02. analise as afirmativas e escreva no espaço apropriado a soma dos itens corretos. 2 e 3 representam. 3° de latitude Norte e 178° de longitude Oeste. (04) As localidades A e E estão situadas na zona intertropical. como o autor intelectual dos ataques. mapa 3 = fusos horários d) mapa1 = paralelos. Ática. precisamos lançar mão de uma rede geográfica. o leste e o oeste. em graus. é correto afirmar: (01) Todas as localidades estão situadas entre o Trópico de Câncer e a linha do Equador. 87° de latitude Sul e 2° de longitude Oeste. mapa 3 = zonas climáticas c) mapa1 = latitude. serve de referência para os fusos horários. orienta o grau de translação da Terra. Com base nas informações acima. a partir do cruzamento entre um paralelo e um meridiano. e a cidade de Nova York. que dá origem à Linha Internacional da Data. Portanto a longitude é a distância. define os graus de latitude. mapa 3 = fusos horários Dois meridianos são destacados: o de Greenwich. Com base nesses dados. com coordenadas iguais a 7°00’ de longitude Leste e 6°50’ de latitude Sul. estabelece a zonalidade climática. mapa 2 = latitude. (PUCRS) Responder à questão com base no gráfico. (G1) As proposições. pois ele (o Equador) é o único que divide a Terra em dois hemisférios exatamente iguais. respectivamente. e o antimeridiano de Greenwich (180°). Já o meridiano de 180°. mapa 3 = zonas climáticas b) mapa1 = meridianos. definido pelo paralelo do lugar considerado. Já o meridiano zero grau teve de ser convencionado. o mundo assistiu atônito aos ataques terroristas às torres gêmeas do “World Trade Center”. (02) As localidades B e C estão situadas na Austrália. é correto afirmar que: Figura 03. já que qualquer um divide a Terra em dois hemisférios exatamente iguais. nos EUA. Coordenadas geográficas. No quadro a seguir.01. Sobre ele. (Ufg) O sistema de coordenadas geográficas. então. 5° 30’ a leste da longitude 7° 30’ Leste. Figura 05. a) b) c) d) e) divide os hemisférios setentrional e boreal. mapa 3 = zonas climáticas e) mapa1 = meridianos. (16) A localidade D está a noroeste da localidade F. Considerando-se as características desse sistema. para início da contagem. o meridiano que passa pela torre do observatório astronômico de Greenwich. a seguir. 68°30’ longitude leste de Greenwich. 03. mapa 2 = longitude. um a leste e o outro a oeste. serve como referência para as datas. leia. 3° de latitude Sul e 4° de longitude Leste. no Hemisfério Sul. P 436. Ela serve como base tanto para a localização de um lugar qualquer quanto permite a representação dos eventos geográficos que ocorrem sobre essa superfície. coordenadas geográficas e cartografia. Varia do paralelo de Greenwich a 180° pala Leste e 180° para Oeste. 135°00’ longitude oeste de Nova York. (UFPR) Na(s) questão(ões) a seguir. a longitude da capital afegã é a) b) c) d) e) 142°30’ longitude oeste de Greenwich. estão indicadas as coordenadas geográficas de diferentes localidades. Os mapas 1. no Afeganistão. 216°30’ longitude leste de Nova York. referem-se à orientação. capital da Inglaterra”. 03. (MOREIRA. colaterais e subcolaterais. que divide o planeta Terra em dois hemisférios. entre um meridiano qualquer e o meridiano de Greenwich. que também divide o planeta em dois hemisférios. adotado atualmente como uma convenção mundial. 2° de latitude Sul e 177° de longitude Leste. 6° 10’ ao sul da latitude 13° 00’ Sul.O anti-meridiano: a Linha Internacional de Data. São Paulo. 2002). A rede geográfica é um sistema de linhas cruzadas (paralelos e meridianos) traçadas imaginariamente na superfície terrestre. (UFPI) O meridiano de Greenwich é essencial para a determinação de uma das coordenadas geográficas. o saudita Osama Bin Laden. Para localizarmos uma cidade ou um local qualquer na superfície da Terra. estaria localizada a ( ( ( ( ) ) ) ) 5° 20’ ao norte da latitude 12°10’ Sul. que se encontra escondido no Afeganistão. d) A altitude é a diferença de nível de um ponto qualquer na superfície terrestre e o nível médio dos mares. 02. Tem-se apontado.

LXIX). A. 07. B. ao corpo do seu cão. EXERCÍCIOS (p. A. E. 10) 01. 5) 01. C. interesseiro. de tal jeito que parecia estar ali dentro o próprio e defunto Quincas Borba. A. fria. A. D. D. Major Siqueira – Mexeriqueiro. 8) 01.. de natureza “humorística”. 05. dinâmico e. Quincas Borba – Destaca-se pelos seguintes atributos: filósofo doido. passou. 6) 01. 4) 01. 07. um cão é elevado à categoria de personagem. astuto. caráter ambivalente. 14) 01. D. 48. Maria Benedita – Tímida. DESAFIO QUÍMICO (p. 10. desequilibrado.º 17 Calendário 2008 DESAFIO HISTÓRICO (p. V) e desejava a sua continuidade através dos tempos como comprova a sua filosofia “borbista”. C. 06. ocioso. 04. como revelam os capítulos LXIX e XLII. 08. C. acomodado. C. bajulador. A. por transmigração. alegre. 03. 03. esquisito. 02. B. Dr. onde se saiu divinamente bem com a anedota do Padre Mendes. 05. DESAFIO GRAMATICAL (p. “ternura sem proporção”. 03. XXXV). C. vaidoso (cap. volúvel. e depois despeitado como se revela no cap. 07. C. 04. 02. 1. Teófilo – Marido de D. passiva. D. 03. astuto e interesseiro. como sugerem as dúvidas de Rubião ao longo da narrativa: “Olhou para o cão. desonesto. Carlos Maria – Vaidoso. B. D. 02. orgulhosa. extravagante (cap. D. C. frívola. A. 04. 8. Casa-se com Carlos Maria. 128. 12. 02. DESAFIO BIOLÓGICO (p. B. 05. 11. personalidade fraca. 08. 05. V). DESAFIO MATEMÁTICO (p. A. megalomaníaco. 15. E. B. EXERCÍCIOS (p. 02. ambicioso (cap. 6. E. 03. C. Rubião – Tem medo da opinião pública. pacata. 02. E. bom. 11. com Rubião. LXIX). ambicioso. 3. XV). XLIX). infeliz e frustrada. 02. torpe. A. Ambicioso. A. T4=1512 X5. DESAFIO MATEMÁTICO (p. E. C. C. 2. antecipando o que se tornaria comum na literatura moderna. “com freqüente alteração de humor”. resignada. revela-se invejosa. ingênuo. 06. 03. a) 84. XXV). B. B. 02. D. 10. CXXX. DESAFIO HISTÓRICO (p. 14) 01. E. B. 240. A. 13. I. 9. 02. ciumento. 04. 09. C. o Humanitismo. vazio. às vezes. A. 07. A. quando surpreendida. 5. E. egocêntrico. 14. 7. no jantar. pelo Major Siqueira: 4. E. APLICAÇÕES (p. 6) 01. D. 15 . dominadora. 12) 01. “ímpetos sem motivo”. C. DESAFIO HISTÓRICO (p. 08. é indeciso. DESAFIO BIOLÓGICO (p. 9) 01. 05. 02. 10. A. C. D. ambiciosa. inicialmente. A. 04. C. D. Depois que morreu. como projeção e prolongamento. conflituoso. 06. 12) 01. DESAFIO HISTÓRICO (p. B. revoltada. 03. E. 09. 03. DESAFIO GRAMATICAL (p. 03. 02. b) 1365.” (cap. C. D. 11) 01. C. 02. por metempsicose. 02. sem iniciativa. 11. tímido (cap. 07. B. D. sensual e dissimulada. EXERCÍCIOS (p.Gabarito do número anterior Aprovar n. Fernanda. Aulas 163 a 198 QUINCAS BORBA Machado de Assis PERSONAGENS — É comum em toda a literatura que só “pessoas” apareçam como personangens de obras literárias. obsessivo. 6400. 04. 03. B. 10) 01. B. B. Tonica – Solteirona quarentona. 8 000 000. E. 06. X. 05. 02. C. influenciável. temperamental e minucioso. DESAFIO QUÍMICO (p. B. sedutora. Fernanda – Casamenteira e um tanto fidalga. 03. parasita. 13) 01. 3) 01. altivo (cap. D. C. lutava contra o pessimismo (cap. C. do filósofo do mesmo nome. era o mesmo olhar meditativo do filósofo. 03. A. 06. 248. O cão olhava para ele. Palha – Esposo de Sofia. A. D. A. E. cautelosa. 04. A. Em Quincas Borba. enquanto esperava que lhe abrissem a porta. influenciável (cap. quando examinava negócios humanos. 7) 01. 02. 03. 04. Sofia – Vaidosa. 02. Camacho – É caricatura do politiqueiro demagogo de frase feita e retórica excessiva. galanteador: é a caricatura do conquistador de frases feitas e lugares-comuns..

São Paulo: Ática. QUÍMICA COVRE. Mato Grosso e Cuiabá. 2000. 2000. CEGALLA. ÁLVARES. Genética. ed.a ed. FERREIRA. et al. 1996. 1985. Beatriz A. Bio. Comunicação em prosa moderna. Química Geral: realidade e contexto. Vol. Física. 3v. Dicionário de questões vernáculas. CUNHA. São Paulo: Atual. São Paulo: Scipicione. Biologia em foco.a ed. Rio de Janeiro: Agir. Sônia Godoy Bueno. Celso. 1996. ed. São Paulo: Saraiva. HOLANDA. Único. SARDELLA. 8. Francisco et alii. (1974) Viagem Filosófica pelas capitanias do Grão-Pará. CARVALHO. vol. São Paulo: Edusp. 1986. Cristóbal de. Domingos Ângelo. 3. Robert Paul. MARCONDES. 1986. Física 3: de olho no vestibular. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. Gaspar de. 1960. Antônio. Matemática. Ciro Flamarion S. Completamente Química: físico-química. Curso de Física. 2001. São Paulo: Brasiliense. 1993. 11. Descobrimento do rio de Orellana. As Faces da Física. Conselho Federal de Cultura. Rio de Janeiro: Nova Fronteira. São Paulo: FTD. Novo dicionário da língua portuguesa. Química: físico-química. Informes de jesuítas en el amazonas: 16601684. 2000. Ricardo. LAMMOGLIA. São Paulo: Moderna. Geraldo José. REIS. 2. Vol. 1994. impr.a ed. CARVAJAL. MARTHO. Domingos Paschoal. Memórias. FÍSICA ALVARENGA.. São Paulo: FTD. São Paulo: Ática. ed. GARCIA. São Paulo: Ática. Física 3: eletromagnetismo. São Paulo: Harbra. São Paulo: Nacional. 2000. BONJORNO.LÍNGUA PORTUGUESA ALMEIDA. Curso de Química: físico-química. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas. Othon M. HISTÓRIA ACUÑA. TIPLER. Luiz Roberto. Wilson et al. 2003. Química Geral: o homem e a natureza. 2. Antônio. 1994. Gilberto Rodrigues. 4. LEVINE. LOPES. Evanildo. 1996. Wanderley. Rio de Janeiro: Larousse do Brasil. José Ruy et al. Martha. RAMALHO Jr. CARRON. LEMBO. Herval. 1979.a ed. Napoleão Mendes de. PARANÁ. Único. 1998. Aurélio Buarque de. FELTRE. Matemática: contexto e aplicações. DANTE. 1941. América pré-colombiana. 1979. São Paulo: Moderna. BIOLOGIA AMABIS. São Paulo: Ática. 3v. José et al. MATEMÁTICA BIANCHINI. São Paulo: FTD. São Paulo: Nova Fronteira. 2000. Rio de Janeiro: Livros Técnicos e Científicos. 1995. Nova gramática do português contemporâneo 3. São Paulo: FTD. São Paulo: Moderna. Lições de português pela análise sintática. BECHARA. 1973. Lindley. Iquitos-Peru. Os Fundamentos da Física. Alexandre Rodrigues. Rio Negro. São Paulo: Moderna. Djalma Nunes. Conceitos de Biologia das células: origem da vida. São Paulo: Livraria Pioneira. HOUAISS. São Paulo: Moderna. GIOVANNI. José Mariano. Beatriz et al. 13. 1999. 2. 2. Curso de Física. São Paulo: FTD. Antropologia. 1986 (Col. Biologia: ciência da vida. 2001. CYNTRA. 2000. Pequeno dicionário enciclopédico Koogan Larousse. 2002. Tudo é História). Antônio. Paul A. 2000. Matemática. São Paulo: Ática. Dicionário de dúvidas da língua portuguesa. A Física. 2. 2002. 1986. CARDOSO. Grupo de Reelaboração do Ensino de Física (GREF). 2. Série Novo Ensino Médio. 2002. . ed. ed. Edwaldo e PACCOLA. Rio de Janeiro: Fundo de Cultura. Vol.a ed. 3. Ayton César. ______ Novo Descobrimento do Grande Rio das Amazonas.