You are on page 1of 6

Aula 03 No Pro Tools nós podemos aplicar reverbs, delays, equalizar e etc.

através de plug-ins de processamento de áudio. Estes plug-ins ficam no menu AudioSuite.

Estes plug-ins alteram o arquivo de áudio selecionado no timeline a partir dos parâmetros escolhidos. Observe a imagem do equalizador e entenda as funções comuns aos plug-ins audiosuite.

Se a opção “use in playlist” estiver selecionada assim que processarmos o efeito no arquivo, o mesmo será substituído no timeline por um com o efeito processado. Se a opção não estiver selecionada o arquivo processado será criado na guia de regiões.

O botão “preview” ao acionado nos mostra como soará o arquivo assim que for processado.

O botão “bypass” desabilita o preview do processamento para podermos comparar como soa o arquivo com e sem processamento.

O botão “process” aplica o processamento no arquivo selecionado.

Se tivermos somente alguns poucos canais abertos e cada um com um plug-in insertado não percebemos o computador lento. . devemos utilizar os canais auxiliares do Pro Tools para nos dar suporte nestas situações. para evitar este tipo de problema e deixar o computador trabalhar com folga. Para isto basta clicar na setinha do campo insert e escolher qual processamento vou querer aplicar. Na aula passada. dentro do próprio software ou também como uma rota paralela e interna que pela qual podemos mandar o sinal de áudio. pan e parâmetros de plug-ins. Nos canais auxiliares podemos inserir plug-ins. Podemos colocar até cinco plugins simultaneamente em cada track. Eles são usados apenas como passagem para o áudio quem vem de outros canais. Lembre-se que o plug-in irá afetar todos os arquivos que estiverem na track. É nele que devemos colocar o plug-in. Eles também não suportam arquivos de áudio neles. Então. *É importante lembrar que “tocar” uma sessão com muitos plug-ins insertados nos canais consome muito processamento do computador. Lembre-se. Para que os canais auxiliares recebam o sinal dos canais de áudio precisamos utilizar os “Busses”. Para ficar mais claro observe o procedimento nas imagens abaixo. falei do campo INSERT. Não é possível gravar nada nos canais auxiliares. automatizar volume. onde demonstrei as opções de visualização da janela EDIT.Outra opção que temos para aplicar processamentos aos arquivos da nossa sessão de pro tools é insertar o plug-in de processamento direto na track onde está o arquivo ou região que queremos processar. Basicamente “bus” pode ser descrito como uma conexão interna. Mas em um projeto grande com vários plug-ins insertados em vários canais e todos tocando ao mesmo tempo o computador pode não “aguentar o tranco” e assim funcionar de maneira insatisfatória.

. 3-) Repare que a entrada do canal “aux 1” também está direcionada para o “bus 1-2”. Simples. 4-) Repare que a saída do canal “aux 1-2” está direcionada para o “out 1-2”. A principal diferença entre endereçar o sinal de áudio através de algum “bus” pela guia I/O ou endereçar pela guia “send” é que na segunda podemos dosar melhor a quantidade de processamento que queremos no áudio que está indo para o canal auxiliar. todo o sinal de áudio. Isto quer dizer que este canal auxiliar só recebe sinal que está vindo pelo “bus 1-2”.1-) Repare que no canal “aux 1” eu tenho um equalizador insertado. de qualquer pista da sessão. Qualquer sinal que chegar neste auxiliar será afetado por este equalizador. onde ligamos as caixas de som ou o fone de ouvido. 2-) Repare que a saída do canal de áudio “áudio 1” está direcionada para o “bus 1-2”. Deste modo.Tools possuem. saída física da interface . não? Outro modo de se trabalhar com “Busses” e canais auxiliares com processamentos de áudio atuando em tempo real é possível através dos “Sends” que os canais de áudio dentro do Pro. que estiver direcionado para sair pelo “bus 1-2” irá passar pelo canal auxiliar que tem o equalizador insertado antes de sair para caixas de som.

Agora. plug-ins e saídas físicas da interface nos dão muitas possibilidades de endereçamento. 2-) Agora começa a primeira diferença. A saída principal do canal não está mais direcionada para o “bus 1-2” e sim para o “out 12” que é a saída física da interface de áudio. Repare que do outro jeito não estávamos usando a guia “sends”. É através dele que dosamos quanto do sinal será enviado para processamento no canal auxiliar. para a saída física “out 1-2” e ao mesmo tempo para o caminho interno “bus 1-2” onde ele será afetado pelo equalizador que está insertado no canal “Aux 1” para depois sair pela saída física “out 1-2”. A combinação de busses. onde conectamos os nossos fones de ouvidos 1-) Repare que o equalizador continua insertado no canal “aux 1” 3-) Mais uma novidade. . canais auxiliares.Observe a imagem abaixo e perceba as diferenças. estamos direcionando o “send A” para o “Bus 1-2”. Isto significa que o canal “Audio 1” está indo para dois lugares distintos. Assim que endereçamos a saída “send” para o “bus 1-2” um fader como o que está ao lado irá aparecer. Praticar e experimentar estas possibilidades são a chave para que este conceito comece a fazer parte do nosso cotidiano. Detalhe.

clicar na linha para marcar pontos de automação e movimentar estes pontos para escrever manualmente a automação.Para terminar esta aula quero que vocês recuperem na memória de vocês a imagem abaixo. pan left ou pan right uma linha irá aparecer por cima da track. através da opção e voice. “muta-lo” e aumentarmos ou diminuirmos o tamanho da visualização do canal. Ao alterarmos a visualização para volume. Se clicarmos no retângulo onde normalmente está escrito conseguimos abrir as opções de visualização do canal podemos visualizar as seguintes opções. Através delas temos a opção de habilitar a gravação no canal. mute. . Estas janelas estão visíveis na tela EDIT. Para escrever a automação devemos selecionar a ferramenta grabber . Além destas possibilidades podemos também habilitar o desabilitar o canal para ser reproduzido. solá-lo. Esta linha nos possibilita escrever na tela EDIT alguma automação que queremos realizar. Estas janelas mais a esquerda nos trazem as informações sobre os canais que estão abertos na sessão.

. ele permanece no local onde foi parado. A única diferença é que quando soltamos o botão que estiver controlando a automação. o mesmo volta para o ponto de origem. TOUCH= neste modo a automação começa a ser escrita quando o fader ou algum botão são tocados ou clicados com o mouse.Se quisermos apagar algum ponto de automação devemos utilizar a ferramenta de seleção teclado. Segue abaixo uma descrição dos modos de automação possíveis nas faixas do Pro Tools. LATCH=semelhante ao modo touch. WRITE=neste modo o software escreve a automação durante todo o período que estivermos tocando a track. . OFF= desliga qualquer automação realizada na track READ= apenas toca a automação realiza no canal. Assim que soltamos o botão. selecionarmos o pontos que queremos apagar e apertar a tecla delete do Na opção Auto temos as opções de automação do canal.