1) SLOGAN E TITULO Resume o conceito do produto/serviço/empresa e encontra-se presente em todas as peças da campanha publicitária.

Olivier Reboul – “fórmula concisa e marcante, facilmente repetível, freqüentemente anônima, destinada a fazer agir as massas tanto pelo seu estilo quanto pelo elemento de autojustificação, passional ou racional que ela comporta”. Há slogans que não informam características do produto, mas seus apelos emocionais. Em geral, se criamos uma campanha institucional usamos o slogan da marca/empresa; se criamos uma campanha de produto, usamos o slogan do produto. Características do slogan: a) Conciso na forma e rico em significados; b) Repetição – precisa ser repetido, criar nas pessoas a vontade de repeti-lo; c) Ter força expressiva para, por si só, tornar-se percebido, ser memorizado e repetido. Os principais fatores que fazem os slogans serem repetidos são a sonoridade, o ritmo e a forma. Os efeitos sonoros são obtidos por meio da rima, da repetição de sons, algo característico da poesia (ex: “não dá pra não ler”); O ritmo decorre tanto da métrica, a extensão do verso, quanto de efeitos sonoros. Slogans construídos com 7 sílabas poéticas têm maior legibilidade, o que facilita sua assimilação e memorização (ex: “você conhece, você confia” – paralelismo rítmico: duas frases de igual extensão com ritmo de leitura também igual). Os efeitos visuais são obtidos por meio da extensão da frase – concisão – da diagramação, do tipo e do corpo da letra, etc. Por sua vez os efeitos sonoros ligam-se à repetição de sons e ao ritmo. Além dos aspectos sonoros, visuais e formais, relativos à organização frasal nos níveis sintáticos e semânticos, um slogan precisa estar em conformidade com a imagem do produto ou serviço do qual comunica o conceito e também precisa estar em conformidade com os estilos da época em que é criado. A forma mais simples de obter concisão em um slogan é eliminar todas as palavras-ferramentas (preposição, conjunção, artigos, etc) em benefício de palavras plenas (verbo, adjetivo, nomes). O slogan deve satisfazer necessidades do consumidor. A facilidade que o slogan tem de conciliar NECESSIDADE OPOSTAS acaba sendo uma chave de construção de boa parte do que vemos hoje na mídia. Ex: LG – A CARA DO FUTURO Segurança - Aventura 3.2) Título – o que é e para que serve A função do título é, em primeiro plano, transmitir as informações definidas na promessa básica. O título é o lugar da informação mais importante do anúncio, daquilo que precisa ser dito em primeiro lugar. Promessa básica é assunto do título enquanto justificativa e promessa secundária são assuntos do texto do anúncio. Diferenças slogan x título: - O slogan precisa resumir todo o conceito de um produto/serviço da empresa, já o título contém uma informação que deve ser divulgada a respeito do produto/serviço em uma determinada campanha; - O slogan é perene, acompanha o produto ou empresa durante sua vida mesmo quando ocorrem trocas predeterminadas, já o título foca a campanha, só serve para o anúncio do qual faz parte; - O título abre o anúncio, relaciona-se com a imagem e o texto, o slogan fecha o anúncio e relaciona-se com o produto ou marca. Funções do título: - Identificar o público-alvo – o anúncio tem de ser percebido pelo seu público e o título, ao explicar para quem se dirige, cumpre essa missão. Há identificação com o anúncio e com a campanha quando o público-alvo reconhece um desejo, uma necessidade, um problema, uma solução (ex: “impotência tem cura”); - Despertar interesse pela leitura – garantir o impacto e a assimilação da comunicação.

Construção do título: aspecto retórico Considerando o aspecto retórico eles podem ser diretos ou indiretos. Diretos – informam a principal característica do produto; Indiretos – representam um apelo emocional, tratam dos benefícios. Funções de linguagem para a construção de um título: a) Expressiva ou Emotiva – focaliza o emissor, seus sentimentos, desejos. A empresa ou produto pode aparecer em primeira pessoa no título (ex: “se você não comprar, vai doer mais no seu bolso do que no nosso”); b) Diretiva ou Conotativa – voltada para o receptor que aparece citado no título. Influenciar atos, emoções, atitudes (ex: “mostre que você é o bicho”); c) Informacional – focaliza o significado (ex: “Visa Electron é mais dinheiro na mão com menos dinheiro no bolso”); d) Metalingüística – focaliza o código. (ex: revistas falando das próprias revistas); e) Contextual – se relaciona com o contexto, ancora o anúncio em uma situação real em que temos os “este”, “aquele”, “aqui. (ex: “A Tam agradece aos seus passageiros”); f) Poética – utiliza instrumentos poéticos como rima, ritmo, metáfora (ex: “ O amor da sua vida fugiu com outro? Calma, daqui a uma semana ele volta” – Unibanco auto-seguros); g) Interacional – voltada para o canal e que tem como objetivo estabelecer e manter o canal de comunicação aberto (ex: “vire a página” – curso de atualização profissional). Construção do título: aspecto formal a) Título simples – formado por apenas uma frase; b) Título composto – formado por mais de uma frase na mesma página ou página dupla; c) Título seqüencial – formado por mais de uma frase, alocadas em páginas em seqüência. Exemplos de formatos de títulos: - Afirmativo – Renault - elegância não se compra, se conquista; - Título promessa; - Conselho; - Noticioso – Temos vagas para patrão; - Dramatizado – Se você não pode estar com ela no dia dos namorados, eu posso (Correios); - Comparação; - Suspense – Você sabe o que a Abril faz? - Interrogativo – Reparou como as pessoas ficam bonitas dentro de um Suzuki? - Negativo – Salas vips – precisar não precisa. - Testemunhal – Vera Fischer vendendo moda praia. É importante frisar que, tanto o interrogativo como o negativo têm um estigma histórico de títulos problemáticos, beirando o “proibido”. O título e a seleção do público-alvo Título fechado – ex: “para você que gosta de comida congelada” – se dirige a um público específico; Título aberto – não define nada nem a respeito do produto nem para quem está falando, na linha do “seja feliz”. Não provoca interesse por sua extrema abertura. 2) TEXTO A utilização de textos em anúncios é definida pelo problema de comunicação e pelo tipo de produto ou serviço anunciado. Produtos novos, em lançamento, em fase de reposicionamento ou mesmo campanhas institucionais que visam o fortalecimento da marca, na maioria das vezes, requerem informações que complementem o título. Título e imagem são responsáveis por atrair a atenção do leitor para a peça, e o texto é responsável por informar e, por meio da informação, criar convicção sobre o produto ou serviço. Os seguintes elementos norteiam a construção do texto:

Contextualização – prepara o leitor para a decodificação eficaz do texto; Referências – quem, quando, o quê, por quê; Estrutura – organiza as idéias no nível do texto; Aspectos estéticos – a folha de papel, a revista, o tipo e a cor da letra; Outro aspecto a respeito da organização do texto refere-se à tipografia, ou seja, textos com finalidades específicas que geram formatos também específicos. Há 3 tipos principais de textos: a) Texto narrativo: aborda fatos ou acontecimentos, conta histórias reais ou fictícias com progressão emocional. Tem sempre um narrador. Esta estrutura pode ser clássica (completa, trabalha com todos os elementos e apresenta um desenvolvimento com começo, meio e fim) ou moderna (altera a seqüência começo, meio e fim e pode, por exemplo, ser iniciada com um desfecho); b) Texto descritivo: aponta traços característicos do objeto. Faz-se necessário organizar o percurso da caracterização do objeto: do geral para o particular ou do particular para o geral, de cima para baixo, dos aspectos positivos para os negativos ou ao contrário; c) Texto dissertativo: tem caráter argumentativo. Há exposição de idéias e de opiniões acompanhada de apresentação de provas. Cada tipo de texto tem uma finalidade específica e é comum encontrarmos os 3 tipos de texto em um único anúncio em uma mensagem publicitária. Quando pretendemos narrar os fatos, explicando pontos de vista diferentes, a narrativa parece ser o tipo de texto mais apropriado. Se a intenção é apresentar detalhes, pormenores, de modo a obter uma imagem mental de um objeto, a descrição deve ser empregada. E, se pretendemos argumentar e defender idéias, de modo a convencer o leitor/público-alvo, elaboramos uma dissertação. 4.2) O texto na mensagem publicitária Na propaganda, o texto é, acima de tudo, coloquial. Embora tenha como referência a gramática, não se prende ao nível culto da língua, pois consiste em uma manifestação lingüística viva e atual que prioriza os usos e os costumes do público-alvo. 4.3) A estrutura completa em anúncios e outras peças Título, imagem, texto e assinatura são exemplos de anúncios completos. O texto contém apresentação e comprovação de argumentos, além do convite à ação. Na apresentação de argumentos, o texto amplia as idéias desenvolvidas no título. Na comprovação, o texto explica os argumentos apresentados e desenvolve o raciocínio, enumerando as características do produto ou serviço, de modo a tornar os argumentos mais convincentes. Já no convite à ação, há o encerramento do texto, utilizando-se da idéia inicial e trazendo uma “sugestão” para que o público tome uma atitude. Por fim a assinatura deve apresentar o nome da marca, contido ou não no logo e o slogan. Obs.: logotipo pode ser o nome da empresa ou produto escrito de forma não-convencional. Quando associado a uma imagem, sinal ou desenho denomina-se logomarca. Formato sugerido: 1 parágrafo para a ampliação do título, 2 ou 3 para a descrição do produto/serviço (depende da quantidade de informação) e 1 para encerramento. Os jornais são veículos de leitura diária e as revistas semanais, quinzenais ou mensais ficam por mais tempo em uso e são geralmente lidas por mais de uma pessoa, por partes e em momentos diferentes. Isto pode gerar a necessidade de um texto de anúncio de jornal mais curto que traga o mesmo conteúdo dos anúncios de revista com menos palavras. Já os folhetos têm, em geral, títulos em seqüência e têm com primeiro fator de leitura a capa: bom título e boa imagem fazem toda a diferença para que leitor não jogue fora. Assim acontece com a mala-direta, mas esta deve conduzir ao instrumento de resposta. O texto de folheto ou de mala-direta tem a mesma estrutura estudada, mas traz a possibilidade de mais detalhamento, textos mais longos, boxes explicativos, etc. Quando se passa para a mídia externa, especialmente outdoor e busdoor, esses conceitos precisam ser adaptados. No outdoor o título precisa dizer tudo de uma só vez.

4.4) A construção de textos: fatores de textualidade

a) Intencionalidade: objetivo de comunicação, intenção; b) Aceitabilidade: como o redator produz de modo a conferir-lhe credibilidade e veracidade e como o
público-alvo/leitor atribui sentido ao texto, interpretando-o conforme seu repertório;

c) Situacionalidade: referes-se ao lugar e ao momento da comunicação. Na produção da mensagem com
informações contidas no briefing, no conhecimento do produto pelo redator e diretor de arte e quanto a recepção, circunstâncias nas quais o público-alvo entra em contato com as peças de uma campanha (ex: percepção da marca, experiências anteriores) d) Informatividade: grau de previsibilidade da informação contida no texto (+ informatividade – previsibilidade + dificuldade na leitura / - informatividade + previsibilidade – dificuldade de leitura); e) Intertextualidade: diálogo entre textos; f) Coesão: articulações entre os elementos textuais – organização das idéias; g) Coerência: sentido do texto, faz co que texto faça sentido para o público-alvo; Na mensagem publicitária, a relação entre as partes do texto escrito e também a relação entre texto e imagem é um exemplo de coerência. Tanto coerência como coesão devem ser estudadas conjuntamente pois o uso incorreto de um conectivo (coesão) causa problemas de ordem sintática e semântica no nível do parágrafo como também na construção de sentido (coerência).

As principais qualidades do texto escrito: a) b) c) d) e) f) g) clareza: legível; Adequação: repertório adequado ao do receptor; Síntese: conciso; Originalidade: destaca-se dos demais; Correção: utiliza o nível de linguagem adequada para o público-alvo; Estilo: tem identidade e características especiais; Unidade: tem coesão e coerência.

3) A RELAÇÃO ENTRE TÍTULO E IMAGEM NA PROPAGANDA IMPRESSA Podemos classificar as mensagens em verbais, não-verbais e plurissígnicas, isto é, as que são construídas com 2 ou mais tipos de signos, como a mensagem publicitária. No não-verbal o sentido está no todo e não nas partes. A leitura do visual não tem ordem preestabelecida e é dominada pelo movimento: os olhos do leitor passeiam pela imagem e são atraídos pelas informações novas em detrimento das informações conhecidas ou seja, aquelas que já fazem parte do seu repertório. Caracteriza-se pela simultaneidade – os elementos não têm, obrigatoriamente uma relação hierárquica: a leitura se processa a partir da informação nova, sustentada nas informações que já fazem parte do repertório do leitor. E pela desintegração: fragmentação sígnica constitui sua marca estrutural. Na decodificação da imagem não há obediência a uma seqüência linear. A percepção dos elementos que compõem a imagem acontece conforme o interesse e o repertório do leitor. A leitura da linguagem verbal – oral e escrita é convencional e sistematizada. É caracterizada pela linearidade (da esquerda para a direita, uma palavra depois da outra). Nos casos em que os anúncios contêm apenas imagem e assinatura, o logotipo, além de ser uma palavra, pode também ser considerado imagem. Em outros termos, o signo lingüístico ganha características de signos nãoverbal, pois, na combinação com os demais elementos do anúncio, forma uma unidade visual e, sua leitura se processa pela simultaneidade e pela fragmentação.

No caso de anúncios sem título e anúncios sem imagem ou all-type, a comunicação também pode se efetivar. Quando não há título, a responsabilidade é da imagem, e, quando não há imagem a responsabilidade cabe ao título e à visualidade gerada pela diagramação da página. Na relação de complementaridade, não cabe redundância – ex: falar que algo está voando e mostrar um objeto voando. O anúncio perde em força de impacto se a imagem repetir o título ou vice-versa. 5.1) Ancoragem: originalidade e redundância O ato de explicar para que todos entendam da mesma maneira uma foto chama-se ancoragem. Na propaganda, quando fazemos uma legenda para uma foto, estamos incorrendo em erro, ou seja, criamos uma informação redundante com a imagem. Ao contrario disso, a imagem publicitária precisa que o título amplie seu significado. Assim, a diferença entre ancoragem e redundância é a questão-chave para entender como o título se comporta frente a uma imagem no anúncio. 5.2) Variações na relação entre o verbal e o visual na propaganda a) anúncios com estrutura completa – título, texto, imagem e assinatura (logotipo e slogan); b) anúncios com estrutura completa parcial – título, texto – que não contém todas as partes, imagem e assinatura; c) Estrutura sucinta – título, imagem e assinatura; d) Hegemonia da imagem (imagem e assinatura composta por logotipo e slogan e imagem e assinatura composta por logotipo); e) Hegemonia do verbal (anúncio all-type): ausência da imagem. A visualidade atribuída a esse tipo de anúncio advém da diagramação traduzida na escolha dos tipos, espaçamento, cor ou textura das letras e sua distribuição no espaço do anúncio. Bons profissionais de criação podem utilizar os investimentos em propaganda para, além de atingir os objetivos de comunicação da empresa-cliente gerar novas possibilidades e linguagem, aumentando com isso o repertório do receptor – funções sociais da propaganda.