You are on page 1of 2

O Individualismo e o Direito

Para confirmar a assertiva de que o Direito o resultado da vida social organizada utilizaremos como exemplo a cultura jurdica europia dos sculos XVII e XVIII e a ntida influncia do iderio burgus na sua formao. Para melhor entender-se o equacionamento proposto devemos lembrar que esta foi a poca em que ocorreu o desenvolvimento econmico capitalista, o renascimento, a reforma, o processo de secularizao, a estrutura estatal centralizada, fatores estes, que serviram para justificar os interesses liberal-individualistas ento emergentes. No contexto de todas estas modificaes surgiu um contingente de juristas mercenrios que fabricou o saber justificante, consagrando a existncia de um Direito Privado e criando o Direito Pblico que era inexistente pois at ento o Direito era nico, cabendo a doutrina transferir a autoridade do saber oficializado nas faculdades para a vontade do legislador. Desta forma, a codificao do Direito passa a identifica-lo com a lei e no mais com a idia de justia como ocorria anteriormente, caracterizando o Direito Moderno como um direito estatal, centralizado, escrito, previsvel e normativo. O direito de propriedade pleno e absoluto e a irrestrita liberdade de contratar figuram como fortes instrumentos da teoria individualista no sistema capitalista. As concepes de sujeito de direito e direito subjetivo assim como os princpios-fins da segurana e da certeza jurdicas complementam este sistema de idias. Para fortalecer a hegemonia burguesa, o Direito engessado com o advento do positivismo (a expresso mxima do racionalismo formal moderno) de modo a solidificar a situao vigente, pois a normatizao do direito servira apenas para a sua justificao. Por fim o individualismo faz do ser individual um valor absoluto para legitimar as novas formas de produo de riquezas, pregando uma igualdade especialmente no campo do direito da propriedade e contratual - que alheia s concretas condies sociais e, assim, a sociedade (pelo menos parte dela) muda o Direito e, passo contnuo, modificada em uma relao dinmica e absoluta que discrimina e pune todos aqueles que se oporem aos interesse dominantes.

PEDRO LUCIANO EVANGELISTA FERREIRA Advogado e professor de Criminologia e Direito Penal da Escola da Magistratura e Curso Prof. Luiz Carlos. Mestre em Criminologia e Direito Penal pela UCAM/RJ.