˜ o Pervasiva na Educac ˜ o e mobUS, Beneficios da Computac ¸a ¸a ` Aprendizagem Um Sistema M´ ovel no Auxilio a

Ricardo B. D. d’Oliveira1 , Diego P. Costa2 ˜ es e An´ Grupo de Aplicac ¸o alise Geoespaciais (GANGES) Universidade Salvador – CEP 41.950-275 – Salvador – BA – Brasil
2 1

Senai – CETIND – CEP 42.700-000 – Lauro de Freitas – BA – Brasil
richardtrle@gmail.com, diegopassoscosta@computer.org

Resumo. A computac ¸a ovel vem ganhando maior destaque no cen´ ario tec˜ o m´ nol´ ogico, tornando-se uma tecnologia acess´ ıvel, desta forma, diversos setores podem ser beneficiados, pois esta tecnologia permite a criac ¸a arios ˜ o de cen´ ub´ ıquos. Este artigo tem como objetivo mostrar que o uso dos tablets, smartphones e pda’s em sala de aula pode ser ben´ efico atrav´ es da computac ¸a ˜o sens´ ıvel ao contexto.

˜o 1. Introduc ¸a
˜ o de dispositivos m´ A utilizac ¸a oveis vem crescendo. O uso de tais dispositivos tornou-se parte do cotidiano nos mais variados contextos, do comercial ao acadˆ emico. Tais dispositivos tinham o uso restrito ao mercado executivo, entretanto, seu uso tˆ em-se popularizado significantemente, isso aconteceu devido a alguns fatores, dentre eles: (i) maior poder ˜ o, (ii) dispositivos com prec de compra da populac ¸a ¸ os mais acess´ ıveis, e (iii) a expans˜ ao industrial tecnol´ ogica. Sendo apenas computadores com um poder de processamento reduzido, mas possuidores de alta portabilidade, os dispositivos m´ oveis s˜ ao indicados para tarefas dinˆ amicas, como troca de mensagens, leitura de textos. Enquanto os desktops e lap˜ o de imagens, v´ tops s˜ ao indicados para tarefas duradouras tais como edic ¸a ıdeos, textos, desenvolvimento de software. ˜ o dos dispositivos m´ A popularizac ¸a oveis permite imaginarmos um cen´ ario ub´ ıquo, onde todos os usu´ arios estejam interligados em seus respectivos equipamentos. ˜ o de uma rede, onde tarefas, atividades e Esses dispositivos tamb´ em permitem a criac ¸a ˜ o de probproblemas computacionais possam ser repartidos, a fim, de facilitar a resoluc ¸a lemas. ´ reas de conhecimento, Em sala de aula acontecem atividades das mais variadas a esforc ¸ os cient´ ıficos tem o intuito de diminuir a repetitividade no ensino. Durante o rotineiro processo da aprendizagem, alunos compartilham tarefas, dessa forma os desafios s˜ ao resolvidos de forma dinˆ amica, quando h´ a uma soma dos esforc ¸ os individuais de cada aluno. Por essa raz˜ ao pretende-se com um sistema sens´ ıvel ao contexto auxiliar no aprendizado, tornando a sala de aula em uma experiˆ encia pervasiva, onde dispositivos computacionais estejam conectados por rede sem-fio ou por bluetooth para proporcionar´ a aos alunos a dinamicidade em sala de aula com o uso do sistema a ser proposto.
____________________________________________________________________________________________________ Anais do 23º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2012), ISSN 2316-6533 Rio de Janeiro, 26-30 de Novembro de 2012

´ Sensibilidade ao contexto n˜ ao e amplamente conhecida. flexibilidade e agilidade no processo convencional de ensino e aprendizado. data. imagem. Trabalhos Relacionados Pesquisa. Neste artigo discutiremos duas destas proposic ¸o ˜ o de aplicac ˜ es e servic A criac ¸a ¸o ¸ os tanto com o SOCAM. desprezando agregac ˜ o de orientada a servic ¸ os para troca de informac ¸o ¸a dispositivos pr´ oximos). o que permitir´ a o advento da Ubiquidade. ˜ o pervasiva requer sistemas que fac a computac ¸a ¸ am uso eficiente do hardware.23º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2012) _____________________________________________________________________________________________________ ˜ o Te´ 2. sistemas s˜ ˜ es s´ Na computac ¸a ao aliados as informac ¸o ocio-ambientais ˜ es contextuais). 2005] ao contexto para construc ¸a ˜ o do KnowleMobiLe segue a mesma motivac ˜ o do trabalho proposto. a qualquer preferir sistemas os quais disponibilizem leitura. ambos middlewares provˆ compreendem-se da componentizac ¸a em as bases para o de˜ es sens´ senvolvimento de aplicac ¸o ıveis ao contexto. 2005] Em ˜ es ser˜ breve essas aplicac ¸o ao uma tendˆ encia. sendo uma ferramenta ˜ o ub´ de uso geral. usabilidade e customizac ¸a momento e em qualquer lugar.[Weiser 1991] Alguns aspectos da ubiquidade j´ a s˜ ao vivenciados. e como fios el´ etricos. leitura de not´ ing. mas ambos diferem em seu modelo _____________________________________________________________________________________________________ @CBIE 2012. ponente de software robusto). assim como n˜ ao inclui a noc ¸a ıqua existente (ele faz uso da arquitetura ˜ es contextuais. Por´ em. a necessidade do usu´ ario em ˜ o. ˜ o pervasiva. explorando abordagens sens´ ıveis ˜ o do conhecimento. entre outros). hora. 2011] Com a premissa de que tecnologias m´ oveis proveem uma nova perspectiva para o aprendizado. t´ ecnicas e esforc ¸ os sobre ambientes de aprendizagem pervasivos j´ a foram levantados. tais informac ˜ es s˜ (informac ¸o ¸o ao fruto de dados relevantes ao sistema (local.[Burrell and Gay 2002][Sheng and Benatallah 2005][Raento et al. o KnowleMobiLe n˜ ao se restringe a apenas um dom´ ınio. quanto com o ConBus ˜ o. ˜ o pervasiva (hardware) j´ Os aspectos f´ ısicos da computac ¸a a existem. esses computadores se tornar˜ ao invis´ ıveis a percepc ¸a comum. Por´ ˜ o e nos nidade de criar sistemas que auxiliem a em difere na aplicac ¸a conceitos. desktop ou dom´ ınio de aplicac ¸a ¸o m´ oveis. Rio de Janeiro-RJ .[Chia et al. Fundamentac ¸a orica Mark Weiser definiu a ubiquidade como sendo v´ arios computadores em uma ˜o sala.[Wang and Wang 2011] ˜ es no aux´ ˜ o e prototipagem de sistemas Existem algumas proposic ¸o ılio a construc ¸a sens´ ıveis ao contexto. Wang e Wang prop˜ oe uma plataforma baseada na arquite´ usar o conceito e o processo de websertura orientada a servic ¸ os cujo objetivo e vices. a criac ¸a ıcias e e-mails se tornaram tarefas rotineiras a v´ arios usu´ arios. h´ justificando que com a proliferac ¸a ario m´ ovel de computac ¸a a uma oportu` aprendizagem. O projeto MOBIlearn por exemplo tem como objetivo construir um ambiente virtual de aprendizado com o uso de dispositivos m´ oveis. texto. a internet bank˜ o de documentos. podendo ser aplicac ˜ es web. 3. ˜ es mas v´ arias aplicac ¸o j´ a foram criadas. integrando o ambiente de aprendizagem ub´ ıquo.[Syvanen et al. solucionando os problemas de extensibilidade. v´ ıdeo. A concepc ¸a ¸a ˜ o do cen´ ˜ o.[Burrell and Gay 2002] Seu ˜ o varia. ´ facilmente explic´ e a raz˜ ao dessa poss´ ıvel tendˆ encia e avel. a atual e mais difundida consiste em usar Middlewares (um com˜ es.

˜ o visual quanto a alg´ Com o decorrer do assunto. o resultado do exerc´ ıcio e analisar´ a o desempenho da turma e quais as dificuldades individuais de cada aluno. que ˜ es matem´ em sala de aula esteja sendo ministrado o assunto tipos de gr´ aficos de func ¸o aticas para o aprendizado da Matem´ atica Elementar. Tendo isto em vista proporemos uma arquitetura do sistema para o aux´ ılio ao ˜ ensino e educac ¸ ao a distˆ ancia fazendo uso dos dispositivos m´ oveis. aqui e sens´ ıvel ao contexto que faz uso de dispositivos m´ oveis que ir˜ ao auxiliar o aprendizado e tornando o ambiente em sala uma experiˆ encia ub´ ıqua. Com a expans˜ ao tecnol´ ogica e os menores prec ¸ os. a Figura 1 ilustra uma arquitetura preliminar ˜ o servir´ do sistema. sua arquitetura usa o padr˜ ao OWL (Onthology Web Semantic. ´ constitu´ ˜ o. essas ferramentas ˜ o de cursos que s˜ possibilitam a criac ¸a ao disponibilizados online. dependˆ encia e representac ¸a antica dos servic ¸ os sens´ ıveis ao contexto. representar e compartilhar informac ¸o ´ descrito semanticamente.23º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2012) _____________________________________________________________________________________________________ ´ um modelo contextual. Os principais programas de ensino fazem uso das ferramentas de gerenciamento de conte´ udo (CMS). Considerando. um sistema Para fazer uso desta crescente tecnologia.g. ˜ o de aplicac ˜ es O ConBus foi criado para lidar com trˆ es problemas na criac ¸a ¸o ˜ es de baixo m´ oveis sens´ ıveis ao contexto: (i) a complexidade em chamadas de func ¸o ˜ o do ciclo de vida do software. Por se tratar de uma ˜ o e eventuais modificac ˜ es ocorrer˜ arquitetura preliminar.: armazenar. um padr˜ ao de linguagem de web semˆ antica) para driblar os problemas rela˜ o.1. o contexto e transformando o desenvolvimento em uma unidade independente.[de S´ a 2010] 4. 4. Joomla. entre outros. Rio de Janeiro-RJ . independendo da infraestrutura de rede _____________________________________________________________________________________________________ @CBIE 2012. tal ilustrac ¸a a como base para o desenvolvimento.[Gu et al. Arquitetura do Sistema ˜ o discutir´ Esta sec ¸a a a arquitetura do sistema. por exemplo. O SOCAM (A Service Oriented Context-Aware Middleware) e formal que faz uso de ontologias. O Sistema Proposto Sens´ ıvel ao Contexto ˜ o a distˆ Os atuais sistemas de aux´ ılio ao ensino ou educac ¸a ancia funcionam baseado no modelo cliente/servidor. como Moodle. O modelo contextual usado pelo ConBus e Valor:Chave. Plone. sua validac ¸a ¸o ao de acordo com o progresso do projeto. assim como eventuais ex´ enviado diretamente ao dispositivo do professor que erc´ ıcios. e (iii) a manutenc ¸a ˜o constitu´ ıdo por servic ¸ os orientados a objeto. Com o uso das ontologias. ´ proposto o mobUS. mobUS. submiss˜ ao de trabalhos. 2005] O modelo contextual usado pelo SOCAM compreende-se em um vocabul´ ario para ˜ es contextuais em um barramento (e. por´ em o ConBus n˜ ao faz uso de orientac ¸a ´ o modelo a objeto na modelagem contextual. assim como a grade curricular. n˜ ao s´ o computadores convencionais se tornaram acess´ ıveis. que possibilO sistema e ıdo pelo protocolo de acesso e comunicac ¸a itar´ a que dispositivos m´ oveis se comuniquem. compreens˜ ˜ o semˆ cionados com a classificac ¸a ao. como tamb´ em os celulares smartphones. um sistema pervasivo). O middleware e ´ n´ ıvel. (ii) reuso. tanto a representac ¸a ebrica das ˜ es b´ func ¸o asicas s˜ ao exibida ao aluno no dispositivo m´ ovel. por´ em grande parte dessas ferramentas exigem seu manuseio atrav´ es de um computador.

Courant and Hirsbrunner 2003] O sistema proposto proporcionar´ a meios de auxiliar o ensino. tornando o ambiente estudantil automatizado. ´ um sistema que provavelmente ser´ O m´ odulo de aprendizagem virtual e a portado para o dispositivo m´ ovel. criando ˜ o de sala de aula. (iii) criac ¸a odulos de interac ¸a ¸a odulos de ˜ o ad-hoc. aperfeic ¸ oando ainda mais o cen´ ario acadˆ emico e estudantil. mas que tamb´ em poder´ a executar em computadores con˜ o com sistemas gerenciadores de vencionais. A parte do sistema m´ ovel constitui do middleware para sensibilizac ¸a ˜ o (respons´ e dos m´ odulos de comunicac ¸a avel pela conex˜ ao e transmiss˜ ao de dados entre ˜ o com o usu´ ˜ o de dados tanto da os outros dispositivos). entre outros) atrav´ es de um plugin que ser´ a provido. com a modificac ¸a cen´ ario f´ ısico de ensino e aprendizado. (vi) criac ¸a odulo ˜ o web. Rio de Janeiro-RJ . e (vii) preparac ˜ o da unidade de teste. Arquitetura preliminar do sistema dispon´ ıvel. Por´ em existe a necessidade de um ou mais dispositivos com acesso a rede sem-fio. o que n˜ ao causa ˜ o j´ ´ um recurso difundido. (v) criac ˜ o do m´ ˜ o com usu´ ˜ o do m´ interac ¸a ¸a odulo de interac ¸a ario. (ii) implementac ¸a ¸a ˜ o dos m´ ˜ o centralizado. Wordpress. por´ em n˜ ao existe tecnologia em software fac ¸a total proveito desta infraestrutura. Esse sub-sistema possibilitar´ a a integrac ¸a conte´ udo (tais como Moodle. onde um n´ umero maior ˜ es de ensino possam us´ de instituic ¸o a-lo. os demais aparelhos devem ter pelo menos bluetooth. Dentre os trabalhos futuros est˜ ˜ o da uma nova prospecc ¸a ao: (i) criac ¸a ˜ o da aplicac ˜o plataforma de desenvolvimento sens´ ıvel ao contexto.23º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2012) _____________________________________________________________________________________________________ Figura 1. (iv) criac ˜ o dos m´ m´ ovel. Devido a interoperabilidade do sistema. Smartphones) nos provˆ e meios para usufruirmos de um ambiente pervasivo. Considerac ¸o A atual infra-estrutura (Wi-Fi. Internet. preocupac ¸a a que e ˜ o ao contexto. ele tamb´ em pode ser expansivo. de interac ¸a ario e o de aquisic ¸a intranet quanto da internet.[M. O avanc ¸ o e a difus˜ ao tecnol´ ogica (onde os dispositivos possuem mais performance e acessibilidade) tamb´ em nos permite criar uma arquitetura onde a figura de ˜ o do atual processamento central (a de um servidor) seja opcional. Joomla. ˜ es Finais e Trabalhos Futuros 5. interativo e motivador. de comunicac ¸a ¸a _____________________________________________________________________________________________________ @CBIE 2012. pretende-se tamb´ em quebrar dogmas. fazendo a aprendizagem se tornar mais dinˆ amica. Bluetooth.

pages 896 –901. (2003). Interacting with Computers.. Architecture for a fulldynamical interaction in pervasive computing. A. Refˆ erencias Burrell. IEEE Computer Society. (Communications. W. DC. In Granular Computing (GrC). M. K. _____________________________________________________________________________________________________ @CBIE 2012. Lawrence Erlbaum Associates. M. Contextuml: A uml-based modeling language for model-driven development of context-aware web services development.. The Computer for the 21st Century. (2010).. A service-oriented middleware for building context-aware services. and Hirsbrunner. Syvanen. Y. Master’s thesis. and Toivonen. 28(1):1 – 18. In Advanced Information Networking and Applications (WAINA). (2011). (2005). 2011 IEEE International Conference on. coment´ arios e sugest˜ oes. Context-aware mobile learning with a semantic service-oriented infrastructure. G. Computers. (2005). WMTE 2005. 2. and Benatallah..-H. Pung. IEEE. Scientific American.. A. Y. S. Q. Gu. In Human-Computer Interaction Theory and Practice Part II – Proceedings of HCI International 2003. (2002). M. Oulasvirta. In Wireless and Mobile Technologies in Education. and Zhang. Wang.. 2011 IEEE Workshops of International Conference on. Tiong. Q. Beale. page 3 pp. Sharples. Contextphone: a prototyping platform for context-aware mobile applications. H. Washington. Sheng. USA. Journal of Network and Computer Applications. Tsai. Weiser. M.. and Lonsdale. Universidade Federal de Goi´ as. ICMB ’05. B. Gostar´ ıamos de agradecer tamb´ em aos revisores anˆ onimos pela criticas. (2005). M. P... Design of an soa-based ubiquitous learning environment. D. pages 38–42. B. (2005). K. 4(2):51 – 59. Courant. Ahonen. and Wang. Petit. A. R. Chia. (1991). Le Peutrec. H. J. C. Vol. pages 206–212. S. and Gay. R.. pages 697 –702. and Kanagasabai. In Proceedings of the International Conference on Mobile Business. M.-S. M. Pervasive Computing. Supporting pervasive learning environments: adaptability and context awareness in mobile learning.. Raento. (2011). T. 14(4):301 – 312. E-graffiti: evaluating real-world use of a context-aware system. ˜ o de sensores de S´ a. and Network).23º Simpósio Brasileiro de Informática na Educação (SBIE 2012) _____________________________________________________________________________________________________ Agradecimentos N´ os gostar´ ıamos de agradecer a CNPq pelo financiamento de bolsas de pesquisa. R. Z. IEEE International Workshop on. Conbus: Uma plataforma de middleware de integrac ¸a ˜ es m´ para o desenvolvimento de aplica´ co oveis sens´ ıveis ao contexto. P. F.. Rio de Janeiro-RJ . 2005.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful