1

FACULDADE SUDOESTE PAULISTA
Instituição Chadad de Ensino S/C Ltda.


ENGENHARIA CIVIL





FELIPE VICENTINI
LUCIANO
MARTA AKIMI YOSHIDA
SILVANO EMMANUEL



RECALQUE E EXEMPLOS DE CÁLCULOS


AVARÉ – SP
2012

2


FELIPE VICENTINI
LUCIANO
MARTA AKIMI YOSHIDA
SILVANO EMMANUEL





RECALQUE E EXEMPLOS DE CÁLCULOS


Este trabalho sobre recalques é para o
seminário eobtenção de nota bimestral na
disciplina de geologia
Professor Fábio Tonin



Avaré
2012

3

SUMÁRIO
1. INTRODUÇÃO.......................................................................................4
2. RECALQUES REPENTINOS E DE GRANDES PROPORÇÕES....5
2.2PRINCIPAIS CARACTERÍSTICAS DE SOLOS COLAPSÍVEIS.....................7
2.3.FENÔMENOS DE COLAPSO......................................................................................8
3. SOLOS ARGILOSOS MOLES OU SOLOS COMPRESSÍVEIS......9
4. CAUSAS DE RECALQUES................................................................ 10
5. RECALQUE DIFERENCIAL...............................................................11
5.1. PREVENÇÃO DOS RECALQUES DIFERENCIAIS.....................12
6. RECALQUE DE FUNDAÇÕES SUPERFICIAIS...............................13
7. ESTIMATIVAS DE RECALQUE..........................................................18
7.1. ESTIMATIVA DA VELOCIDADE DO DESENVOLVIMENTO DO RECALQUE.19

8. MODOELO MECÂNICO DE TERZAGHI...........................................19
9. CONCLUSÃO...........................................................................................20
10. REFERÊNCIAS.....................................................................................21





4

1.Introdução
Recalque, na área da Engenharia Civil, significa um fato que ocorre quando uma
edificação sofre um rebaixamento devido ao adensamento do solo(diminuição dos seus
vazios) sob sua fundação. É um desnivelamento de uma estrutura, piso ou terrapleno, devido à
deformação do solo.
Todos os tipos de solos, quando submetido a uma carga, sofrem recalques,
inevitavelmente, em maior oumenor grau, dependendo das propriedades de cada solo e da
intensidade do carregamento. Os recalques geralmente tendem a cessar ou estabilizar após um
certo período de tempo, mais ou menos prolongado, e que depende das peculiaridades
geotécnicas dos solos. Por exemplo, recalques em solos arenosos, podem se estabilizar em
poucas horas ou dias, já o recalque em solos argilosos moles tendem a cessar ou estabilizar
somente após algumas décadas.
Os recalques podem ocorrer tanto em solos que suportam edificações com fundações
rasas(sapata, radiers, etc) quanto com fundações profundas(estaca, broca, tubulões, etc), a
depender das condições geotécnicas do terreno onde as fundações serão implantadas.
No Estado de São Paulo, há certos tipos de solos com
característicasgeotécnicaspeculiares que merecem atenção especial em relação a ocorrência de
recalques diferenciais das fundações, podendo se tornar um grave problema para o sistema
estrutural das edificações(pilares, vigas, lajes e alvenaria), principalmente para as moradias
construídas com fundações rasas.
A ocorrência de recalques em solos colapsíveis e argilosos moles e seus consequentes
danos causados aos mais diversos tipos de edificações é de relativa notoriedade para a
comunidade em geral, talvez em razãodestes tipos de fenômeno ocasionarem apenas perdas
materiais e transtorno social, exemplo do que ocorreu em 31/01/1995 no interior do Estado
de São Paulo, na cidade de Araraquara, quando a Defesa Civil catalogou danos estruturais
provocados por recalques em solos colapsíveis em cerca de 4 mil edificações.
O aparecimento de trincas e fissuras generalizadas nas alvenarias das construções,
decorrentes de recalques diferenciais em solos colapsíveis, exige reparações muitas vezes
incompatíveis com o baixo custo dessas moradias, inviabilizando economicamente sua
recuperação estrutural. Em solos argilosos moles, em virtude da elevada magnitude dos
recalques diferenciais, a exemplo dos edifícios de Santos-SP, o fator econômico também pode
5

se tornar um obstáculo para a recuperação total ou parcial dos edifício de modo a garantir as
mesmas condições de funcionalidade e desempenho estrutural antes da ocorrência dos
recalques.

2. Recalques repentinos e de grandes proporções em solos colapsíveis
São chamados colapsíveis os solos que, quando submetidos a um determinado tipo de
carregamento(por exemplo, peso de uma construção) e umedecidos por infiltração de água de
chuva, vazamentos em rede de água e de esgoto ou ascensão do lençol freático sofrem uma
espécie de colapso da sua estrutura. Este tipo de recalque é chamado de “colapso“ e o solo é
classificado como “colapsível“. Os colapsos de solo podem ocasionar notáveis trincas e
fissuras nas alvenarias das construções, podendo causar inclusive sérios danos e
comprometimento estrutural nas edificações e sua posterior interdição.
As regiões tropicais apresentam condições ideais para o desenvolvimento de solos
colapsíveis, principalmente em locais onde se alternam estações de relativa seca e de
precipitações intensas ou em regiões áridas e semi-áridas. Os solos colapsíveis ocorrem em
algumas regiões do território brasileiro(particularmente na região centro-sul do país) e em
grande parte do Estado de São Paulo.


6

Os solos certificadamente colapsíveis, a argila porosa vermelha da cidade de São
Pauloe os sedimentos cenozoicos distribuídos em vasta área do interior paulista. Em algumas
cidades importantes do interior paulista já foram comprovadas cientificamente as ocorrências
de solos colapsíveis, que estão associadas com as características geotécnicas peculiares dos
solos arenosos das formações geológicas de superfície do Grupo Bauru.

Cidades do interior paulista com ocorrência de solos colapsíveis(pontos vermelhos)e
distribuição da formação geológica do grupo Bauru (Fonte: Modificado de Paula e Silva,et
al.,2003)

2.1.Alguns Indicativos da presença de solos colapsíveis
- baixos valores do índice de resistência a penetração
1
( geralmente NSPT menor 4 golpes)
- granulometria aberta (ausência da fração de silte)
- baixo grau de saturação( menor 60%)
- grande porosidade, geralmente maior que 40%
No caso particular dos solos do interior paulista originários das formações geológicas
do Grupo Bauru, observa-se que tais solos são predominantemente constituídos por areia fina
7

argilosa, vermelha ou marrom escura, com uma estrutura bastante porosa nos horizontes
superficiais. Alguns resultados de ensaios de sondagens de simples reconhecimento(SPT)
indicam que nos primeiros metros(menor que 6 metros) o índice de resistência à penetração

é muito baixo,(geralmente NSPT menor que 4 golpes) ocorrendo um ligeiro crescimento com
o aumento da profundidade. Além disso, o nível da água é normalmente profundo, sendo
raramente encontrado nos furos de sondagem, resultando em um solo não saturado.

1
O Ns
PT
ou índice de resistência à penetração é obtido a partir da cravação de um amostrador de padronização
internacional, onde, a cada metro, o mesmo é cravado no terreno através do impacto de uma massa metálica de
65 kg caindo em queda livre de 75 cm de altura. Desta forma, o valor do NSPT será a quantidade de golpes
necessários para fazer penetrar os últimos 30 cm do amostrador padrão no fundo do furo. Despreze-se, no
entanto, o número de golpes correspondentes a cravação dos 15 cm iniciais do amostrador. As diretrizes para a
execução de sondagens SPT são regidas pela NBR 6484, q qual recomenda que em cada metro do ensaio SPT,
deve ser feita a penetração total dos 45 cm do amostrador ou até que a penetração seja inferior a 5 cm de cada 10
golpes sucessivos. A cada ensaio SPT prossegue-se a perfuração até a profundidade do novo ensaio.

2.2 Principais características geotécnicas de solos colapsíveis
Resultados típicos de sondagem SPT de algumas regiões do interior de São Paulo



8

2.3. Fenômeno do colapso.
Como ocorre o fenômeno do colapso?
Segundo Cintra(1998), são dois os requisitos básicos para o desenvolvimento do
colapso(recalque) em solos naturais: uma estrutura porosa(alto índice de vazios “e“) e a
condição não saturada(baixo teor de umidade ou grau de saturação „S„). Mas para um solo
entrar efetivamente em colapso, duas condições básicas devem ser atendidas: a elevação do
teor de umidade( que ocorre a partir de chuva, tubulação rompida, etc) e a atuação de um
estado de solicitações externas( uma construção residencial, por exemplo), representada pela
carga ou carregamento de colapso. Portanto, os solos suscetíveis ao fenômeno do colapso
apresentam uma grande sensibilidade à ação da água, ou seja, o aumento do teor de umidade
ou grau de saturação do solo é omecanismo deflagrador do colapso.
Nesses solos os grãos são ligados pelos contatos de suas pontas, as quais se mantêm
precariamente unidas por uma fraca cimentação. Quando sobre tais solos atua uma carga
superior ao seu peso de terra, concomitantemente com o aumento do teor de umidade do
mesmo, ocorre a quebra estrutural das ligações de cimentação que mantinham os grãos
unidos.

9

Se, entretanto, não houver aplicação externa de carga(construção, compactação, etc)
sobre o terreno não haverá quebra das ligações cimentantes mesmo que o seu teor de umidade
tenha aumentado, pois apenas o peso próprio do terreno não é suficiente para promover o
colapso. Isso ocorre porque a permeabilidade do solo é suficientemente alta para que a água
infiltre e promova o aumento do teor de umidade, mas sem dissolver ou destruir a cimentação
de seus contatos. Essa é a explicação porque esses solos não sofrem colapso nas condições
naturais, apesar de receberem chuvas desde sua formação.
3. Solos argilosos moles ou solos compressíveis
Solos argilosos moles ou simplesmente denominados de „solos compressíveis„ são
solos que não apresentam resistência satisfatória ou suficiente para suportar as cargas ou
solicitações provenientes do sistema estrutural das edificações(lajes, vigas e pilares) e que são
transmitidas ao terreno por meio dos elementos estruturais de fundação (sapatas, radiers,
brocas, estacas, tubulões, etc).
As fundações diretas ou rasas( sapatas e radiers) são elementos que não apresentam
comportamento satisfatório, em termos de segurança principalmente, quando construídos
sobre solos argilosos moles devido å possibilidade de ocorrência de recalques diferenciais
excessivos e, consequentemente, o comprometimento estrutural da edificação. Alem disso,
ressalta-se que também não é recomendável construir fundações rasas em terrenos mais
resistentes que se encontram, porém, apoiados em camadas subjacentes de solos argilosos
moles. Nestes casos, recomenda-se adotar fundações profundas que atravessem a camada de
solos argiloso mole e fiquem „cravadas„ em solos mais resistentes.
Alguns casos típicos de fundações rasas construídas em terrenos constituídos por solos
argilosos moles são as edificações situadas ao longo da orla de Santos-SP, construídas na
década de 70, quando ainda não havia a prática das fundações profundas. As fundações rasas
foram construídas sobre uma camada de areia compacta com profundidade de
aproximadamente 10 metros, mas que estava apoiada sobre uma camada espesa de argila
mole altamente compressível.
Deste modo, na presença de terrenos formados por solos argilosos moles não é
prudente a adoção de fundações rasas ou diretas para a construção de edificações,
principalmente quando existirem cargas elevadas como as de grandes edifícios, por exemplo.
Nesses casos recomenda-se a utilização de fundações profundas, visando atingir
10

profundidades adequadas com as solicitações, onde camadas de solos suficientemente
resistentes permitam garantir um bom desempenho dos elementos de fundações.

4. CAUSAS DE RECALQUES

•Rebaixamento do Lençol Freáticocaso haja presença de solo compressível nosubsolo, ocorre
aumento das pressões geostáticas nessa camada, independente da aplicaçãode carregamentos
externos.

•Solos Colapsíveis
Solos de elevadas porosidades, quando entram em contato com aágua, ocorre a destruição da
cimentação intergranular, resultando um colapso súbito destesolo.

•Escavações em áreas adjacentes à fundaçãomesmo com paredes ancoradas,podem ocorrer
movimentos, ocasionando recalques nas edificações vizinhas.

•Vibrações
Oriundas da operação de equipamentos como: bate-estacas, rolos-compactadores
vibratórios, tráfego viário etc.

•Escavação de Túneis –qualquer que seja o método de execução, ocorrerãorecalques da
superfície do terreno.



11

5. Recalque diferencial
A diferença entre os recalques de dois elementos de uma fundação denomina-
serecalque diferencial. O recalque diferencial impõe distorções aos elementos estruturais das
edificações de tal forma que, dependendo de sua magnitude, poderão gerar fissuras ou trincas
na mesma.


A Torre de Pisa, é um exemplo clássico de obra que promoveu um grande
adensamento do solo sob suas fundações gerando um elevado nível de recalque diferencial.
Outro exemplo bastante citado no Brasil são os prédios na orla da cidade de Santos.


Recalques diferenciais na Torre de Pisa, e em edificações construídas sobre sedimentos de
argilas moles na orla de Santos (Fonte: Hachich, 1997).
12



Recalque diferencial específicod/l - é a relação entre o recalque diferencialde
adistância horizontall, entre dois pontos quaisquer da fundação.
Recalque totaldH - corresponde ao recalque final a que estará sujeito umdeterminado
ponto ou elemento da fundação (S1 + Sa).
Recalque admissível de uma edificaçãoé o recalque limite que uma edificação pode
tolerar, sem que haja prejuízo a sua utilização.3.2.
5.1. Prevenção de recalques diferenciais
Pode ser realizada a partir da compactação prévia da compactação da camada do solo
colapsível, ou no caso de camada de solo compressível(solo argiloso mole), a partir do
adensamento prévio das camadas de baixa resistência. Além disso pode adotar fundações
profundas em ambos os casos. Os objetivos principais dos métodospreventivos de
compactação e adensamento prévio das camadas de solos menos resistentes são: diminuir a
porosidade, elevar a resistência, e no caso de solos colapsíveis, minimizar os recalques
primários abruptos e, no caso de solos argilosos moles, diminuir os efeitos nocivos de
recalques secundários( de estabilização mais prolongada) aos sistemas da estruturais das
edificações.


13

EFEITO DE RECALQUES EM ESTRUTURAS
Os efeitos dos recalques nas estruturas podem ser classificados em 3 grupos.
a )Danos estruturais - são os danos causados à estrutura propriamente dita (pilares,vigas e
lajes).
b )Danos arquitetônicos - são os danos causados à estética da construção, tais como
trincas em paredes e acabamentos, rupturas de painéis de vidro ou mármore, etc.
c )Danos funcionais - são os causados à utilização da estrutura com refluxo ou rupturade
esgotos e galerias, emperramento das portas e janelas, desgaste excessivo de
elevadores(desaprumo da estrutura), etc.
Segundo extensa pesquisa levada a efeito por Skempton e MacDonald (1956), na qual
foramestudados cerca de 100 edifícios, danificados ou não, os danos funcionais
dependemprincipalmente da grandeza dos recalques totais; já os danos estruturais e
arquitetônicosdependem essencialmente dos recalques diferenciais específicos.Ainda segundo
os mesmos autores, no caso de estruturas normais (concreto ou aço), compainéis de alvenaria,
o recalque diferencial específico não deve ser maior que:
1:300 – para evitar danos arquitetônicos
1:150 – para evitar danos estruturais

6.Recalques de fundações superficiais:
A ação da deformação do solo sob a ação de forças externas é um problema da maior
importância para projetos de fundações de estruturas. Os fatores que determinam a
durabilidade e bom serviço da estrutura não são propriamente ditos as tensões no solo –
evitando que se atinjam tensões de ruptura -, mas as deformações da basesou recalques
(deslocamentos verticais das fundações).
No quadro abaixo são apresentados os principais tipos de deformações que ocorrem nos solos
e suas causas mais Prováveis

14

Tipos de Deformações e Causas

Recalques Imediatos
O cálculo de recalque para solos não coesivos (solos granulares), solos para os quais a
teoria do adensamento não é aplicada (argilas e siltes não saturados), e o recalque por
distorção de solos argilosos saturados pode-se calcular através da seguinte equação, baseada
na teoria da elasticidade.
CALCULO





Onde:
Tipo de deformação Causa
ELÁSTICA

- Com variação de volume - forças elásticas moleculares das
partículas sólidas e das finas camadas de
água e bolsões de ar encerradas.
- Com distorções de forma - Forças elásticas moleculares, distorções
estruturais.
NÃO- ELÁSTICA

- Com deformação residual
* compactação - Redução de porosidade
* expansão - Ação de forças eletromoleculares
* creep - Cisalhamento das partículas
* puramente residual - Destruição da estrutura, quebra das
partículas.

}
= dz W
Z
c
( ) | | y
E
x Z z
o o v o c A + ÷ A = . .
1
m
s
I
E L B
M
.
1
.
.
tan
2
2
v
u
÷
=
W
s
I
I
E
B q W .
1
. .
2
v ÷
=
15

q = tensão média aplicada
B = menor dimensão da sapata
Es = módulo de elasticidade do solo
M = momento aplicado
L = maior dimensão da sapata
Iw e Im = fatores de influência
= ângulo de rotação da sapata com a horizontal
Valores de Influência para cálculo de RecalquesImediatos

Métodos para cálculo de recalques de sapatas em Areias.
Jorden em (1977) apresentou diversos métodos para cálculo de recalques de
fundaçõessuperficiais em areia, considerando os fatores que afetam esse cálculo. Apresenta-se
a seguir alguns Métodos: Terzaghi e Peck (1948), foi o primeiro método desenvolvido;
considerado por diversos autores como muito conservativo, o processo baseia-se em
determinar a pressão admissível na sapata para a qual ocorra um recalque máximo de uma
polegada (25,4 mm). Um outro método que tem sido muito utilizado é o de Schmertann
(1970)



Sapata flexível - Iw Sapata rígida
Forma
Centro Borda Média Iw Im
Circular 1,00 0,64 0,85 0,79 6,0
Quadrada 1,12 0,56 0,95 0,82 3,7
Retangular:
L/B = 1,5
1,36 0,68 1,15 1,06 4,12
L/B = 2 1,53 0,77 1,30 1,20 4,38
L/B = 5 2,10 1,05 1,83 1,70 4,82
L/B = 10 2,54 1,27 2,25 2,10 4,93
L/B = 100 4,01 2,00 3,69 3,40 5,06

16


MÉTODO DE TERZAHI E PECK (1948).
FÓRMULA

Onde:
S = recalque de 1”
B = largura da fundação (menor dimensão em planta) – ft
qa = pressão admissível (tsf= kg/cm2)
N = número de golpes do SPT ( para areias finas submersas
deve-se usar N corrigido, ou seja : Nc= 15+[(1/2).(N-15)] ).
Cw= fator de correção devido à presença de água:
* Cw = 1,0 para profundidade (Dw) do nível d‟água abaixo da fundação maior que 2B.
* Cw = 2,0 para Dw igual a zero.
Cd = fator de correção devido à [Profundidade (embutimento)
* Cd = 1,0 para D/B=0
* Cd = 0,74 para D/B= 1,0
Metodologia de cálculo:
1- usar o gráfico da Figura 1 para obter qa correspondente a um recalque de 1” (25,4mm).
2 – aplicar correções de qa.
3 – aplicar a fórmula de Terzaghi e Peck.

2
.
1
2
.
. . 3
|
.
|

\
|
+
=
B
B
N
qa C C
S
d W
17

OBSERVAÇÃO
1 - recalque máximo 1”.
2 – não se faz a correção devido a presença de água para profundidadeDw entre 0 e 2,0.
3 – não se considera efeitos de carregamentos anteriores ou pré- consolidação.
4 – alguns autores recomendam usar 2 em lugar de 3 na fórmula, pois a fórmula é
conservativa.

MÉTODO DE D‟APPOLONIA
FÓRMULA

Metodologia de cálculo
1 – tomar N médio na profundidade de
2 –
3 – obter M
4 – Calcular S para a pressão q.
MÉTODO DE SCHMERTMANN (1970).
O método foi proposto para o caso de sapata rígida de dimensões módicas apoiada em areia e
baseia-se nos resultados de ensaios de penetração contínua (CPT).


Onde:
M
B q
S
1 0
. . . µ µ
=
( )
2
1 µ ÷
=
E
M
dh
E
I
P C C S
B
Z
}
A =
2
0
2 1
|
.
|

\
|
A
÷ =
P
p
C
0
1
'
5 , 0 1
|
.
|

\
|
+ =
1 , 0
log . 2 , 0 1
2
t
C
18

p‟o= pressão efetiva do peso de terra;

E = 2.qc
Metodologia de cálculo:
1- dividir o solo em camadas de espessura dh;
2- obter E para cada camada;
3- obter Iz do gráfico da Figura 3;
4 – Calcular C1 e C2 (t: anos);
5 – Calcular o recalque para cada camada e somar.
Quando não se dispõe de resultados de ensaios de cone e apenas de resultados de
ensaios de penetração SPT, pode-se utilizar a correlação empírica entre qc e SPT=N e o
valores de K constante no quadro 4 (Teixeira, 1993).
qc = K.N
Valores do coeficiente de correlação K.


7. Estimativas dos recalques
- Cálculo do recalque por adensamento:

( )
(

̅

̅

̅̅̅̅
)

SOLO K (MPa)
Silte arenoso 0,45
Areia argilosa 0,55
Areia siltosa 0,7
Areia 0,9
Areia com pedregulho 1,1

19

Onde:
Cr= índice de recompressão, Cc = índice de compressão primário, = índice de compressão
secundário

7.1. Estimativa da velocidade de desenvolvimento dos recalques
- Teoria do Adensamento de Terzaghi
- Fator tempo (T) relacionado com a taxa de adensamento (U)
- T= C
v
. t/H
d
2

- Forma aproximada:

T=(p/4).U para U60%
T=-0,933.log(1-U) – 0,085 para U60%

8. Modelo mecânico de Terzaghi
O processo de consolidação é explicado, freqüentemente, com um sistema idealizado
por Terzaghi, onde o solo é representado por uma mola cuja deformação é proporcional à
carga sobre ela aplicada. O solo saturado pode então ser imaginado como uma mola dentro de
um cilindro cheio de água. O cilindro tem um pequeno furo no seu êmbolo, por onde a água
pode sair lentamente representando assim a sua baixa permeabilidade.


Teoria do adensamento de solos de Terzaghi em analogia com um sistema mecânico.
O modelo mecânico de Terzaghi, representado na figura acima, tem seu funcionamento
conforme descrito a seguir.
20

1. O cilindro cheio d'água, e com a mola dentro, estão em equilíbrio e representam o solo
saturado;
2. É aplicado um carregamento sobre o pistão. Nesse momento a água é que sustenta
toda a carga, pois ela pode ser considerada incompressível;
3. À medida que a água é drenada pelo orifício, parte do carregamento passa a ser
suportado pela mola que vai encolhendo e aumentando sua resistência. O solo está
adensando;
4. O sistema volta ao equilíbrio pois a pressão da água foi toda dissipada e a mola, que
representa a estrutura sólida do solo, suporta a carga sozinha. É o fim do adensamento.


9. Conclusão
Concluímos que a realização prévia de uma investigação geotécnica( tema este
abordado enfaticamente na aula de geologia) para conhecer as características do solo que as
fundações atravessarão é imprescindível, não somente para poder estar visando evitar as
ocorrências de recalques indesejáveis e garantir um bom desempenho dos sistemas de
fundações, mas sim evitar danos imensurável ao meio ambiente(a construção civil é o ramo
que mais agride a natureza) e também econômico, pois algumas edificações possuem trincas e
fissuras muito grandes sendo a sua reparação incompatível com o custo destas construções.
E uma investigação detalhada do solo, realizando a sondagem de simples
reconhecimento SPT(StandartPenetration Test) para o dimensionamento adequado dos
elementos de fundação irá garantir um desempenho satisfatórios e é um dos método de
prevenção. E a adoção de fundação profunda irá prevenir a ocorrência de recalques
diferenciais em solos compressível ou colapsível.







21


10. Referências
webgrafia

http://pt.wikipedia.org/wiki/Recalque

http://pt.wikipedia.org/wiki/Mec%C3%A2nica_dos_solos#Compressibilidade
http://www.profwillian.com/sistemas/Apostila_Fundacoes.pdf
https://docs.google.com/presentation/d/1ULPj_X8EglHApGzi_xDnXwzizFha1jZUPLDqfHL
WWiw/edit?pli=1#slide=id.p58
http://www.ufpr.br

Bibliografia
Desastres Naturais, conhecer para prevenir,
Tominaga, L.K.;Santoro, Jair; Amaral, Rosangela do (orgs) – São Paulo:Instituto Geológico,
2009






22

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful