2012 .EDITORA MULTIFOCO Rio de Janeiro.

Av. Mem de Sá.RJ CEP 20230-152 FOTO DO AUTOR REVISÃO Bibianna Pavim Guilherme Peres Tiago Correa e Mariela Carvalho CAPA E DIAGRAMAÇÃO Insana Loucura .Poemas de um cotidiano incerto CARBONERA. . Jim 1ª Edição Janeiro de 2012 ISBN: 978-85-7961-731-7 Todos os direitos reservados. É proibida a reprodução deste livro com fins comerciais sem prévia autorização do autor e da Editora Multifoco. 126.EDITORA MULTIFOCO Simmer & Amorim Edição e Comunicação Ltda. Lapa Rio de Janeiro .

. Do qual herdei o gene da loucura.Para meu pai.

.

”   C H U C K P A L A H N I U K “Monstros Invisíveis” . “Nossas verdadeiras descobertas vêm do caos. Vêm da nossa ida a lugares que parecem errados. estúpidos e tolos.

. . . . . . . . 21 Passos da vida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 29 Insana loucura. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 35 Um dia frio. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 26 Cada um na sua arte . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 19 Madrugada . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 20 Poetas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . 37 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 16 Meu templo. poemas banais de um cotidiano fértil Ruas escondidas . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 13 Estrada perdida. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 27 Cálculos do presente . . . . . . . . . . . . 32 Insanidade . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 15 Eu e as putas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 36 Sobrevivendo no colapso. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 23 Líquido certo. 24 Destino. . . . . . . . . . . . .sumário 1. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 28 A espera da primavera. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 14 Deixa pra lá. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 17 Conversa fiada. . simples assim. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 30 Estilo distinto . . . . . . . . . . 25 Deslizes de palavras sem graça  . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 18 A morte do amor. 34 Boa companhia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 22 Sai fora! . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . 68 Ela cantava e ele amava. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 60 Hora do rush. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 71 Sem lamentações. . . . . . . . . . . . . . . . 56 Eles são o que são. . . . . . . . . . . . . . . . . . 39 Corrida contra o tempo . . . . . . . . . . . 73 Dirce. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 70 Noite que se apaga . . . . . . . . . . . . . 46 Súplica de uma ninguém . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . amor sem precedentes . . . . . . . . . . . . . . . . 80 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 42 Por aí . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . Sangue da prosperidade . 53 Não mexe com quem está quieto . . 75 Viciado em sacanagem. . 67 Bons amigos. . . . 65 Canja de galinha. . . 47 Poema Banal. . . . . . . . . 77 78 Saudade dos velhos companheiros. . . . . . . . . . . . . . . 43 Escritas sem notas. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 40 Uma ideologia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 58 Aos olhares do crepúsculo . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 48 2. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .Solitário iluminado . . . . . . . . . . . . . . . . . 44 Palavras azedas. . . . . 63 Verão infernal . . . . . . . . . 38 Incerteza. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 41 Vida de sempre. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . momentos de aflições passageiras Último pedido. . . . . . . . . . 69 À procura de Francine. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 120 Má escolha . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 104 Sem preconceito . . . . . . 123 No aguardo de uma cerveja . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . elas e a tão fadada vida Jovem desejo. . . . . . . . . 122 Minha apresentadora favorita. . . . . . . 117 Apenas mais uma noite. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 129 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 127 Artista de sonhos e desabafos. . . . 102 Mais uma noite qualquer. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 125 Um filme ruim. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .110 Demissão . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 101 Cinquenta em diante . . . 100 Universo conspirando contra . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 119 Poeta solitário. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . eu. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 93 Um conselho seguido. . . . . . 112 O Canção nosso de cada dia. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 124 Manhã sem graça. . . . . . . . . . . . . . 87 É dose. . . . 89 Um ser sem valor. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 98 Estamos de acordo. . . . . . 116 Quem sabe ainda haverá uma próxima vez. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 95 Ruivos. . . . . . . . . . . . . . . . . 115 Elas valem a pena. 108 Um sonho pouco provável . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 92 O amargurado. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 96 Sem beatificações . . . . . . . . .3. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 107 Juliana . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 114 Bom relacionamento .

 

poemas banais de um cotidiano fértil

1.

jim carbonera

Ruas escondidas
  Giampietro caminhava sozinho pela rua Noite, severidade, bucolidade O álcool injetado nas veias E a melancolia expressada no rosto   Agora estava parado Comprou um baseado Pagou e pegou Foi embora   O baseado foi acesso Uma punk pediu uma pitada Queria fazer a cabeça Estava louca, tremia-se   Ele se rendeu Forneceu Pediu uma chupada Fodeu   Transaram chapados e loucos Sem rima nem conforto Caídos na sarjeta Suando e gozando   O orgasmo chegou Despediram-se Foram embora Nunca mais se viram Foi o primeiro e último adeus.

13

insana loucura Estrada perdida   A verdade dói. gozo. se perde. não na vida Frases não me confortam. é até sensual Me excito. gostava da viagem Era relaxante e selvagem Diferente de poemas de amor Que passam dor e matam meu humor   Agora paro Abro a porta e saio Vomito e dou um grito De tristeza e rancor. normal. 14 . deslizo   O sol se põe. adormece Continuo a mil. relaxo. com o pé no acelerador Liberdade é o que todos querem E poucos buscam   Estou sentando horas a fio Ligo o rádio e escuto Jerry Lee Lewis Chego ao final da linha Por falta de gasolina Não queria. dirijo. abro a calça Masturbo-me. sem rumo. mas não destrói Mentiras sinceras também servem Palavras bonitas. só na fita. doses de rum me alegram   Palavras ao vento. cheiro de excrementos Fedor de merda.

15 .jim carbonera Deixa pra lá   Poetas são loucos Mas de médico e louco todo mundo tem um pouco Normalmente preferimos a loucura que a medicina   Mas quem se importa com isso? O bispo ou o fisco? Nenhum   Ninguém se importa com nada A não ser que tenha dinheiro envolvido   Quanta lorota Já tá chato Enjoado Disseminado   Ok Parei Cansei Deitei Apaguei.

mas não enrola eu gosto de receber receber uma dose de rum e atenção as putas também gostam de receber receber um tranco e depois ir ao banco   enfim eu e as putas temos gostos parecidos eu as odeio elas também me odeiam e assim vamos vivendo e sobrevivendo. mas não enrola eu e as putas temos gostos parecidos elas gostam de leite e eu também mas o meu leite é nutritivo o delas é denso e fedorento   a vida rola. 16 .insana loucura Eu e as putas   a vida rola. mas não enrola eu gosto de dar dar carinho e afeto as putas também gostam de dar dar prazer e excitação   a vida rola.

jim carbonera Meu templo   Contemplo o templo lendo um livro Leitura boa Sórdida. cruel   Gosto de esquisitices e sujeira O aroma do templo com o tempo  Começa a ficar mais denso Gosto do cheiro É de cevada   As pernas amolecem O corpo agradece Sinto-me bem   Fecho o livro Dou um suspiro Levanto Limpo o rabo Puxo a descarga Volto pro quarto. 17 .

o quê? somos impiedosos como serpentes no ninho prontos para injetar nosso veneno e se alimentar da desgraça alheia.insana loucura Conversa fiada   vivemos no inferno astral somos pó para o universo seres insignificantes que cagam e mijam poluem loucos tentando sair da masmorra dos nossos destinos passamos a vida perguntando por quê. mas por que. o resto é papo furado conversa fiada não leva a nada ou apenas a um último cálice de vinho. por isso vou para o bar lá sim eu posso cantar beber me esbaldar e quem sabe até casar. 18 .

os poemas malditos sobrevivem as poesias de amor resistem o verdadeiro amor está no sexo amor de pica é o que fica..   Dou mais um passo e deixo-me cair Levando comigo a esperança de um amor sem morte.   .   ... espatifa-se...   Respiro fundo e olho para baixo As pessoas estão minúsculas na calçada.jim carbonera A morte do amor   Tomo meu último gole de rum Arremesso a garrafa no chão... a violência move o mundo o sexo é apenas um combustível o combustível da brutalidade. 19 ..Freud já dizia: “O sexo move o mundo” mas para mim.

insana loucura Madrugada   a madrugada é minha vadia  dela faço gato e sapato  não pago proponho um trato:  ela me inspira a escrever e eu a deixo sobreviver. 20 .

jim carbonera Poetas. simples assim   Poetas não são loucos Poetas não são poucos Poetas enganam a mentira E vomitam a bebida na pia   A cada verso de uma estrofe A cada palavra que nos conforte Poetas dançam com a sorte E brindam com a morte   Na madrugada ele fumará Na madrugada ele beberá Poetas mendigando letras E virando escravos de suas facetas. 21 .

22 .insana loucura Passos da vida   A cada passo que a vida dá Eu entorno uma garrafa de chá Não gosto de incomodação Muito menos de pressão Minha vida é apenas escrever  E no pó viver O mesmo pó do qual viemos E para qual voltaremos O trabalho não é meu amigo Trato ele como inimigo Ser mandado é para mico Que brinca e dança no circo Eu aposto alto com a vida Jogando moedas na fonte Não tenho medo de nada De repente só de barata Mas piso nela com força Esmagando sua vida No final. de nada adiantará lutar Irei é para o bar me hidratar Muita cerveja e talvez doses de rum Para quando minha hora chegar Estar alegre a esperar.

23 . não Não venha com lágrimas Engula-as ou tire a roupa   É. exatamente Tire a roupa   No final você é igual a todas outras Uma loba em pele de cordeiro Passando a imagem de santa Enquanto é uma pilantra.jim carbonera Sai fora!   Não me chame de vida Porque eu não te amo Meu negócio é apenas carnal Por isso que sou mau   Prefiro as prostitutas e promíscuas Do que você Puritana e falsa   Não.

24 .insana loucura Líquido certo da pedra tiro leite não gosto é amargo e azedo prefiro apertar a lata de metal e dela tirar  o líquido amarelo  que irá me hidratar e quem sabe  até me fazer vomitar.

jim carbonera Destino   meu corpo falece minha alma padece e nas entranhas do meu destino resta apenas  o último copo de cerveja. 25 .

ele desliza e some entre os dedos pegando carona no esgoto desaguando num rio qualquer lotado de fezes. que com manteiga nas mãos. passamos a vida atrás desse amor que nos roubaram chegamos perto de recuperá-lo e como. poetas crus e banais sem amor com muita dor retratando falácias sem graça das desgraças que circundam nosso ser. infelizes somos nós.insana loucura Deslizes de palavras sem graça  nascemos de ovos sujos de avestruz sozinhos decapitados de amor. 26 .

27 .jim carbonera Cada um na sua arte   músicos compõe pintores pintam poetas escrevem putas trepam atores interpretam médicos operam professores ensinam políticos roubam e apaixonados sofrem.

28 .insana loucura Cálculos do presente   a vela acende subtrai e cai não soma nada apenas põe fogo na casa em meio as cinzas procuro meus pertences os mesmos que um dia ganhei de presente mas não desanimo a vida continua multiplico minhas conquistas são maiores que as minhas derrotas não choro sou viril e desleixado junto o último prato saio e caio tropeço em um último trapo roído pelos ratos igual ao meu sapato do qual um dia calcei e casei mas assim como a minha casa agora é passado sem amargura nem rancor apenas a lembrança de uma vela que acendeu e se apagou.

jim carbonera A espera da primavera o calor é evidente queima meus dentes sensação viril de imitação hostil lá fora o mundo parece chato por isso coço o saco vagabundo do dia artista da noite sem escrúpulos  apenas me masturbo sem hora para acabar esperando apenas a primavera começar para conseguir gozar. 29 .

alma vazia cheia de graça amamos isso e nos sentimos sós. 30 . solidão profunda  e fiel amor burro amargura insólita.insana loucura Insana loucura   minha doce loucura escrevo para ti agora e sempre você que me embriaga e faz de mim seu servo. insana loucura é no bar  onde a encontro onde a exploro. minhas pequenas sereias que me excitam surgem das ilusões que você cria. transo por você jorro meu esperma para você.

jim carbonera ordinária loucura escárnio de vida defeca e peca bebo com loucos regurgito meus sonhos dor de barriga na estrada perdida pela idolatria sórdida. desça daí loucura promíscua me faça dormir e apenas sentir mais uma vez sua presença  sobre mim. 31 .

tem um negrão o Carlão é meu enfermeiro preferido me bate de cinto. transa com as malucas que aqui também  estão internadas eu também me aproveito delas eu pergunto meu nome é Pirulito quer me chupar? 32 .insana loucura Estilo distinto   dizem que sou louco vivo no manicômio meu nome é Pirulito quer me chupar? gosto do meu quarto tem alguns ratos que fazem companhia e comem queijo na pia. não gosto de expulsá-los fazem parte de mim assim como as traças que roem minhas roupas e as deixam furadas. pelo menos não é de pau que nem o Genival esse sim é mau.

33 .jim carbonera e elas sempre dizem sim bando de doidas.   gosto desse lugar é um mundo cruel mas pelo menos aqui tenho os ratos e as traças que posso confiar. os estilos são diferentes cada um carrega sua cruz. aqui. mas e lá fora.  também não é assim? estilos distintos cada um carregando  sua dor seu martírio? então. não sei  se a vida lá fora serve.

  estou preso nele tento gritar mas consigo  apenas vomitar.  luto até o fim.insana loucura Insanidade   a insanidade  toma conta de mim assim.   canso de lutar desisto oro fecho os olhos esperando apenas a morfina chegar. 34 .   mas o final é longe ele tortura arrasa semeia  e faz teia.

converso com ela. Gosto dela. Enquanto a porta à minha frente se abre. bebo um drinque por ela. ela se vai abandonando-me. então.jim carbonera Boa companhia   Solidão é ter a gente como melhor companhia. 35 . Os minutos passam e nada acontece.

insana loucura

Um dia frio
folhas caem no outono. as árvores ficam nuas, exibem-se. olho para elas e cometo voyeurismo. chego em casa e tiro o casaco, acendo a lareira enquanto mais um inverno se aproxima.

36

jim carbonera

Sobrevivendo no colapso
Não faço misericórdias para sobreviver mato estraçalho arranco-te os bagos me arrisco onde há mais perigo. Ajudo a velha negra  atravessar a rua chuto sua bengala roubo o coração de uma  donzela desafortunada apanho bato xingo desacato e tudo isso para não saber aonde chegar.

37

insana loucura

Solitário iluminado
  Acendo a fogueira, rasgo o papel desmaio acordo mijado. Não sei onde andei e aonde estou. O cheiro é forte a fogueira apagou estou só lamentando erros irreparáveis e desejos malignos numa selva de pedras onde o gosto das vitórias é tão grande quanto a amargura das derrotas. Desisto de ficar me remoendo levanto vou à luta mesmo mijado prefiro assim ser um andarilho solitário um vagabundo iluminado e ter como companhia apenas meu coração e minha alma sedentos por vitórias.

38

Sempre com a esperança de uma nova chance. Devemos tomar partido nem que sejamos agressivos. nenhuma certeza é uma certeza. Ou o céu ou o inferno. objetivamos. não seja morno. Uma nova era se instala no universo enquanto escrevo esses versos sem compaixão nem perdão apenas mais uma poesia desajustada igual ao mundo onde vivemos.jim carbonera Incerteza   Na vida. Jesus Cristo já dizia: Seja quente ou seja frio. Uma reencarnação em um corpo alheio. purgatório não. Idealizamos. Ou vai ou racha. deixamos o vento levar nossas cinzas e caímos no esquecimento. 39 . senão eu te vomito. sonhamos mas quando chegamos lá? Qual a recompensa por viver? Morrer? Pois é! Somos pombas lutamos por migalhas de pão.

insana loucura Corrida contra o tempo   a cada passo um compasso ando rápido corro quase morro tô cego surdo mudo não quero saber só vou beber e fazer um bebê gozar e relaxar e quando minha hora chegar vou pedir licença para uma última vez poder cagar. 40 .

jim carbonera Uma ideologia   não deixe  o coração chorar lágrimas de sangue  não valem a pena. 41 .   esqueça o mundo aqueça um cachorro abrace um bêbado valorize-se tenha culhão mate um homem e adote uma árvore.

42 .insana loucura Vida de sempre arranje um emprego beije a bunda do patrão coma merda por ele idolatre-o suje suas mãos de sangue ganhe dinheiro pra ele.  acabará numa prisão ou atirado pelo gramado da Redenção. seja um infeliz porém. feliz terás um salário pão feijão.  trabalhe desgraçado não viva da arte não seja vagabundo senão. e quem sabe na próxima eleição não fará mais parte do povão.

  pode ser a última ou quem sabe a penúltima.jim carbonera Por aí   dias felinos sem pai nem mãe caio de boca na minha sopa.   pouco importa vou continuar vagando sem pressa pelo orvalho dessa selva que é de pedra e faz de mim mais um andarilho da solidão. 43 .

insana loucura Escritas sem notas   escrevo para lutar contra meu ostracismo meu sedentarismo   a escrita é boa mesmo sem sucesso algumas pessoas gostam   outras. já cospem   não me preocupo prefiro entrar pelo cano escrevendo do que me obrigar a misturar-me com quem não devo   essa é a lei dos escritores beber e foder   posso estar sendo grosso e ignorante prefiro que ninguém se importe ou se preferir consiga um passaporte pode ser o documento ou o uísque aproveitarei os dois não adianta eu ficar falando e tentando me exibir não sou escritor nem tenho pudor 44 .

45 .jim carbonera sou apenas um cara em busca do nada que bate com os dedos nas teclas do teclado   esperando amanhecer e quem sabe um dia enriquecer.

insana loucura Palavras azedas   Como leite azedo meus dedos cospem as palavras são amargas sofridas verdadeiras.   Sofrimentos que vão e vem como um bumerangue que bate sangra mata.   E pego carona nesse trem que desperta fascínio sem destino desaforado e mal amado.   A vida não é só amor é tédio violência indulgência. 46 .

.. 47 . a sensação de alívio que ela me trás. o amor que se perde pelas sombras...   poeta... não esqueça de mim. me dê a mão. deixe na sua lembrança escreva uma poesia fale do seu amor pela vida diga uma palavra de conforto me faça enxergar. necessito o afago dela assim como. me dê um filho.jim carbonera Súplica de uma ninguém   poeta... a mesma inspiração para escrever use-a para reproduzir não deixe seu legado morrer faça-o viver deixando a madrugada te inspirar escrevendo seus versos e fazendo sexo brincando com cada sílaba e injetando sua semente  da vida...   poeta..   poeta....

insana loucura Poema Banal   minha poesia é rebelde não segue leis nem padrões ela é amarga torta deformada marginalizada minha poesia é corajosa põe a cara pra bater e não quer saber de poder minha poesia é exibida desafia gosta de aparecer e de foder  minha poesia é vagabunda embriaga-se com os artistas janta com os renegados faz amor com os rejeitados minha poesia é desbocada ela inflama transa goza relaxa minha poesia é crua vomita na rua pede esmola pro mendigo e se chapa com o inimigo 48 .

jim carbonera minha poesia é isso simplicidade promiscuidade banalidade realidade autenticidade. 49 .

.

.  momentos de aflições passageiras 2.

.

acocou-se no canto da cela e cagou queria sentir o cheiro da merda da última merda gostou sentiria saudade daquele odor. chegou a hora?”.jim carbonera Último pedido   chovia simplesmente.” caminharam  sentou-se na cadeira as tiras de couro  foram atadas em seus pulsos e ao seu dorso. pensava o quão era engraçado quando o fim estava para chegar começávamos a dar valor  para coisas que antes achávamos repugnante. resolveu não se limpar iria cagado. vamos”. 53 . chovia. perguntou. abriram as grades da sua cela: “Mariano. apreensivo sua hora estava chegando. falou o carcereiro. cigarros passavam pela boca de Mariano estava nervoso. uma porcaria a menos no mundo. “sim. “então.

perguntou o carrasco. o carrasco encaminhou-se para trás do vidro Mariano em pensamento pediu perdão era um homem bom apenas pegou o trem errado o trem da loucura  54 . falou Mariano a esponja úmida agora estava presa em sua careca o padre fez o sinal da cruz e saiu.” “ok. “um último pedido?”. “pronto”. “é possível um gim e uma puta?” “só o gim.” uma dose de gim  foi servida em um copo de vidro o carrasco lhe deu na boca tomou um longo gole acalmou-se.   um padre começou a falar algumas palavras entrou num ouvido e saiu no outro não prestou a atenção.insana loucura seu coração bateu mais forte começou a ficar ofegante com a respiração pesada.

a luz piscou seu corpo estremeceu uma dor forte e súbita o consumiu acabou agora estava em paz.jim carbonera que o levou para a ilha do desconhecido e essa ilha era violenta  transformou seu caráter ninguém jamais entenderia isso. 55 .

insana loucura Não mexe com quem está quieto   Psiu. me da uma chance e eu te mostro o que é um macho de verdade.   Falcone atravessa a rua falando: Vem cá.   Mostra para os teus amigos.   Tira pra fora e deixa eu ver.   Duvido. brancos têm pau de meia-tigela. Falcone vai atrás. o gostosa — grita Falcone. deixa eu te mostrar minha britadeira.   É comigo? Nem te conheço — responde à mulata. sai fora. crioula.   Nem te conheço.  Falcone se aproxima.   A negra para e diz: Vem cá então. eles devem gostar. faz estragos. 56 .   A mulata aperta o passo.   Não se faz de fina.   O negra safada.   A minha britadeira arrebenta até himens de tijolos.

pensa e põe para fora.jim carbonera Mas aqui na rua?   Sim. Levanta sua saia. baixa calcinha e comenta: Até o meu é maior que isso.   Ele para. aqui mesmo.   A negra olha.   Falcone atravessa a rua novamente e volta de onde saiu. 57 . Com a sensação de vergonha estampada no rosto. franze o cenho e sacode a cabeça negativamente.

gosta da fanfarronice quer apenas agitar extravasar com o mundo mostrar o quão alcoolizado consegue ser. passam o semáforo verde e amarelo. Madalena.   uma senhora de cabelo branco e bengala passa atrás dele solta um gracejo para ela diz que sua bengala é maior ri escarra no chão começa a cantar Sandra. nem quando o vermelho pisca ele atravessa fica ali parado. seu amigo chega também bêbado 58 .insana loucura Eles são o que são   os carros aceleram na avenida. canta ainda mais alto faz caretas sorri lhe faltam os dentes o menino deixa uma moeda e vai embora. Rosa. xinga os carros está zureta das ideias. do Sidnei Magal. um jovem para e filma ele com o celular o bêbado fica feliz. o bêbado tenta atravessar de uma calçada para outra mas o trajeto para ele é difícil complicado amarrado.

jim carbonera

pega ele pelo braço e diz algo amargurado ao seu ouvido o bêbado fanfarrão deixa escorrer lágrimas pelos olhos e contornando o braço pelo pescoço do amigo vão embora à procura de outro bar para afogar suas mágoas e esquecer das tristezas que a vida lhes dá.

59

insana loucura

Aos olhares do crepúsculo
  Aos olhares do crepúsculo Eduardo e Linda trepavam de forma hostil Estavam no meio da mata Enquanto Jacó apenas observava E se masturbava   Linda gemia e cuspia A penetração era forte Dolorosa   O vampiro e a jovem, Se movendo de forma uniforme Sem escrúpulo e nem remorso Apenas excitação e ostentação   A vagina de Linda estava aberta Já tinha gozado duas vezes Eduardo estava tarado, animado Só pensava em penetrar Mas o cu não podia entrar Ali era território de Jacó   Eduardo saiu e sentou Jacó entrou Penetrou Linda gritou Seu cu arrombou O lobisomem e a jovem Casal estranho, mas interessante

60

jim carbonera

O vai e vem continuava Jacó delirava Linda suplicava   Para um lobisomem ele era rápido no gatilho Gozou e deitou Eduardo sorriu   Linda lacrimejara, Gostava Queria mais Eduardo entrou em ação   Tesão ainda sobrava Não havia gozado Apenas admirado Linda era fogo da bota Gostava de levar ferro   Menina sem sal era o caralho!  Era fogosa e sinuosa A penetração voltou a ocorrer E não demorou muito Para o final aparecer Eduardo jorrou Seu sêmen transbordou Linda adorou Gozou novamente Relaxou

61

62 .insana loucura Os três agora deitados ao vento Sem lenço e sem documento Sem o sol de dezembro Esperando que um dia A realidade viesse à tona   Vampiro. lobisomem e garota Tudo junto-misturado Apenas se divertindo sem frescura Cada um amando da sua maneira Sem se preocupar com os jovens Que ainda choram Por terem largado a mamadeira.

um gorila passa a roleta ele é preto que nem tição muito parecido com um carvão. que infortúnio. o crioulo roça sua bazuca na bunda de Jacinto ele fica sem jeito apenas sente que é grande e está um pouco dura. com uma mão  segura o corrimão e com a outra arruma a cueca. suas virilhas  estão começando a suar a assar.jim carbonera Hora do rush   o ônibus está lotado Jacinto está de pé voltando do trabalho. pede licença Jacinto deixa o corpo cair para a frente a senhora que está sentada faz cara de mau olhando para seu pau. 63 . pensa.

insana loucura o gorila passa e Jacinto relaxa. desiste de contar volta para sua tristeza interna lembrando apenas que é mais um dia  na vida de um brasileiro. 64 .. olha para fora está recém passando pelo shopping se desanima ainda falta muito para chegar em casa.. o ônibus para na parada sobe mais um dois  três quatro cinco seis sete .

comparava-o à sua esposa: modelo antigo. “horário de pico é foda”. pedia o inverno porém nada mudaria o trânsito continuaria lento o calor maçante e os motobóis se safando.jim carbonera Verão infernal   Verão. adorava aquele carro. torcia que ele se esborrachasse no chão. 65 . acabado demorava para pegar no tranco dava trabalho. costurava os carros de maneira agressiva. uma carroça à frente ajudava ainda mais o trânsito ficar engarrafado.   suava e o trânsito andava como tartaruga. era seu xodó. Porto Alegre 18h42   o calor está insuportável. Luis praguejou palavras de ódio. pensava. ao seu lado passou um motobói. mas o amava.   o calor não aliviava. enquanto Luis suspira dentro do seu Passat 87.

a gordura que se alojava em seu corpo aumentava seu suor ainda mais. imaginando uma ducha gelada um montante de arroz e feijão e sua cama.insana loucura suas axilas transpiravam de maneira incessante.   ligou o rádio e esperou o tempo passar. 66 . para poder deitar e descansar.

e engoliu diversas vezes aquela canja de galinha. gostou quando viu a bela enfermeira. arrastava a mesa de refeição em direção ao senhor que tirava um cochilo. restando-lhe apenas a saudade. Olhou para o lado. Sonhando com uma vida melhor. Normalmente o gosto era sempre o mesmo. 67 . e viu sua vizinha ali dormindo. Deveria estar sonhando para seu final não tardar a chegar. sozinha e sem ninguém. enquanto ela saía porta afora. O velhote já sem dente e com a dentadura sobre o criado-mudo. Tudo isso. Sonhando com um saboroso prato de espaguete. Alimentando-se por sonda. Deixou seus olhos atiçadamente desejarem as nádegas da enfermeira. em especial. A idade e a doença não lhe davam mais potência.   Deu algumas colheradas. alegrava-se com sua canja de galinha e seu sabor: de cura e esperança. A mesa foi posta à frente do seu peito.jim carbonera Canja de galinha   Quando a enfermeira entrou no quarto semi-privativo. depois que abandonasse essa vida e fosse para outra.   Já o velhote. Mas essa. uma taça de vinho e  um pudim de leite. o sabor transmitia um sentimento que deixava a canja mais gostosa. Mas não houve mais que isso.

um ao lado do outro como bons amigos e eu os observava enquanto escrevia esse poema. 68 . olhou para os dois lados foi até o mendigo que fez um afago na cabeça. antes de atravessar a rua. andaram em direção contrária aos carros. estava com pulgas e carrapatos e sarna.insana loucura Bons amigos   o cachorro se coçava. levantou a pata e mijou num poste.

jim carbonera Ela cantava e ele amava   Ele era grande dois metros de altura. Ela cantava rebolava se exibia. Eu apenas observava. homem gosta de sofrer. As pessoas aplaudiam. 69 . O importante é que a serpente era ele que penetrava e acordava no outro dia ao lado dela. Se beijavam se amavam e se amassavam. Não sei o que ele viu nela. não queria nada com nada apenas falava bobagens como sempre. Mulher dengosa e voluptuosa.

  Jimi saiu pelo navio mais de uma hora e nada de sua namorada. ficou com raiva apagou o cigarro e suspirou ao olhar o horizonte.   caminhou até a proa acendeu um cigarro e cuspiu um pigarro imaginou ela transando com algum turista alemão.insana loucura À procura de Francine a maré estava alta Jimi procurava Francine mas o desencontro era evidente a última vez que a viu ela escovava os dentes.   não teve tempo nem de pensar apenas desmaiar com o corpo de Francine boiando dentro do mar. 70 .

  tiro a camisa o cinto a calça.   fico de cueca é preta e amarela caminho apenas com ela.   a polícia me para cuspo no chão sou algemado levado preso. 71 . rasteja caminha fede.   as estrelas iluminando meu caminho enquanto abro sozinho mais uma garrafa de vinho.   o líquido roxo escorre pelo queixo pela camisa mancha minha roupa.jim carbonera Noite que se apaga   a noite paga é uma barata.

  gosto daquilo me acaricio ejaculo.insana loucura estou na cela sozinho sem vinho e de cueca olho pro canto duas lesmas fazem amor um sorriso se desprende do meu rosto.   deito no chão mas não aprendo a lição sou burro beberrão e andarei sempre perdido na minha solidão. 72 .

jim carbonera Sem lamentações   o piano e o saxofone cantavam alegremente notas musicais nadavam pelo ar formando uma bela dupla. negras bundudas gingavam sem parar eram gordas e sensuais gostavam de jazz e de trago enquanto Luizinho apenas as observava. 73 .   Luizinho agora estava de pé dançava e suava pediu uma cerveja para o garçom (o único da casa) bebeu e dividiu com duas negras. o som era eletrizante hipnotizante a música o consumia deixando-o em transe. aquele bar musical era um bom lugar para isso as negras bundudas o divertiam contavam piadas e não deixavam seu astral baixar.   foi ao banheiro mijou e cheirou um pouco de coca voltou a cem por hora acelerado enlouquecido.   havia separado-se há dois meses procurava novas aventuras para esquecer do amor perdido.

  a música acabou e o bar fechou Luizinho voltou para casa acompanhado apenas pelo cansaço estava feliz e renovado na próxima semana teria mais e esperaria apreensivo até lá.   alguns vagabundos abraçavam-se.insana loucura deu um tapa na bunda da preta Carmem ela o beijou rebolou e se esfregou Luizinho gostou. sem preocupações nem tensões. cheiravam a pinga barata e fumavam seus tabacos de palha. 74 .

foi submissa a ele trepam gostoso Romeu fala sussurros ao seu ouvido e mudam de posição todas as noites.   Romeu a beijava muito sempre de língua.   ela não incomoda é silenciosa e apenas olha.   até agora. uma linda boneca inflável. comprou. 75 .   foi amor à primeira vista.jim carbonera Dirce.   sua boca ficava sempre aberta.   tinha a pele macia e fofa cabelos castanhos e lábios grossos. amor sem precedentes   há quatro dias Romeu namorava Dirce.   quando entrou na loja e deu de cara com ela não pensou duas vezes. ela é flexível e faz malabarismos na hora do coito.   ela gostou.

  o único problema é que ela é tímida quando deitam na cama palavras não saem dali. é a mulher que ele ama no momento e quem sabe um dia com quem irá se casar. 76 .insana loucura uma qualidade que Romeu aprecia.   Romeu faz de tudo para que o tempo não desgaste esse relacionamento.   pois Dirce.

  gravou mais uma quantidade de filmes caseiros de todos os tipos e temas possíveis. 77 . quando estava com alguma namorada acabava por perdê-la pois seu vício era maior. muitas vezes o dela próprio e tiveram uma ideia: gravariam suas performances sexuais. Saiu da depressão quando conheceu Palomina um travesti espanhol. porém sua sorte mudou arranjou uma namorada que era atriz de filmes para adultos  assistiam os filmes juntos. ele e Palomina continuam juntos se amando e filmando e agora pensam em adotar um bebê.jim carbonera Viciado em sacanagem   Nícolas era viciado em pornografia de dia e à noite eram filmes e filmes na TV a cabo. que também topava de tudo. Nícolas entrou em depressão chorava e bebia todo dia.   Após três meses de muitos filmes amadores a atriz o trocou por um torneiro mecânico. assinava todos canais de sacanagem e comprava revistas e histórias em quadrinhos sobre o assunto. só conseguia ficar excitado quando via algum filme antes de transar.   passado dois anos.

cerveja. uísque.   mas houve uma briga e não foi comigo meu fígado reclamou em silêncio não escutei ele seu erro foi ter sussurrado deveria ter gritado. gim tudo se misturando e entrelaçando fazíamos uma boa festa juntos eu era o xeique e as bebidas minhas esposas.   as ressacas tomaram força a bílis era expelida a cada dia com mais força mais raiva e em maiores quantidades.   houve uma separação momentânea uma proibição afastei-me deixei de lado meus amigos minhas esposas eles que estiveram comigo durante tanto tempo.   dessa vez escutei seu grito e foi de socorro. 78 .insana loucura Saudade dos velhos companheiros   o álcool era meu amigo cometíamos orgias alcoólicas rum.

jim carbonera   mas também gosto da minha nova turma água. refrigerantes e sucos são mais pacíficos mais calmos.   a loucura deixei de lado por enquanto estou mais zen feliz e saudável não sei por quanto tempo  porque admito: a saudade ainda é forte dos meus velhos e bons companheiros de farra. 79 .

  Seguindo o rastro de sangue subiu as escadas prevendo o pior.   Desesperada e chorando copiosamente correu até o banheiro. Bianca e Roberto com as barrigas perfuradas e as gargantas dilaceradas. 80 . e o delegado/detetive Dino Dog. Analisou a cena do crime.insana loucura Sangue da prosperidade   I   Quando Deise chegou em casa o sangue espalhava-se pelo carpete da sala. foi o encarregado do caso. por pouco não desmaiou e logo soube que o mau havia entrado pela sua porta.   Lá estavam seus filhos. Teve um mal-estar. conversou com profissionais da perícia  e fez algumas perguntas para a mãe.   II   A polícia foi chamada.

  Não foi encontrada nenhuma digital no local e a imprensa e a sociedade cobravam velocidade no caso. Deise era viúva não tinha namorado trabalhava em uma padaria e era uma mulher resguardada. A cena foi típica de filme. Guardava sempre uma garrafa de uísque no armário da sua sala.   Esfregou os olhos e o homem não estava mais lá. 81 .   Voltou para delegacia e tomou um bom trago.jim carbonera Deise respondeu todas as perguntas corretamente sem hesitar nenhuma.    III   A investigação continuava e algumas pistas desencontradas dificultavam o caso.   O delegado acendeu um cigarro olhou através da janela e viu um homem ensanguentado que o observava do outro lado da rua.

Provavelmente.   Sabia que Jair havia entrado pela porta dos fundos. encontrado as crianças na sala e enquanto apunhalava Roberto.   Após quatro dias sem dar andamento ao caso Dino recebeu uma grande notícia: a autópsia havia encontrado em baixo da unha de Bianca um minúsculo pedaço de pele.    IV   O DNA encontrado. sempre deturpavam suas entrevistas. Como responsável pelo caso não tinha como fugir dos repórteres. apontou para Jair Alcântara funcionário de uma borracharia e com passagem pelo Presídio Central por latrocínio.insana loucura O detetive não gostava de falar com a imprensa. o delegado resolveu reconstituir mentalmente o crime.    Antes de interrogá-lo. Bianca tentava salvá-lo. arranhando o rosto do assassino. 82 .

e a atuação foi um desastre.   Mas precisava de prosperidade financeira e para isso. não esboçava nenhum sentimento nem glamour. tentando interpretar um papel.   Negou o crime desde o começo.   V   Jair Alcântara era um homem sério. provavelmente sob recomendação do seu advogado. e para ter certeza necessitava saber a ligação de Jair com a Casa do Reino Vermelho.   Jair foi questionado sobre o DNA encontrado na unha de uma das vítimas e sua relação com a Casa do Reino Vermelho   Admitiu que frequentava e sua vida havia melhorado desde o ingresso na seita. Mas era péssimo ator. 83 .jim carbonera Dino Dog desconfiava do motivo. necessitava do sangue de um casal de irmãos.

insana loucura Um inquérito foi aberto para investigar a seita e descobrir outros casos de assassinatos cometidos pelos membros do Reino Vermelho. 84 .   Jair aguardava o julgamento na cela e relatava que era atormentado todas as noites por espíritos sombrios que lhe cobravam o ritual do sangue prometido.   Já Dino Dog. encontrava-se na sua sala espremendo uma espinha e bebendo boa dose de White Horse.

.  eu. elas e a tão fadada vida 3.

.

mané.   desço encosto no pau.   tô de binóculo em cima da árvore.jim carbonera Jovem desejo   ele não gosta de gente e se acha crente não passa de um putinho mimado que tem um gato e toca violino já está na faculdade e assim mesmo sua mãe o mima. ela abre. esfregar os pratos. bozó. assistindo ela. não deu mais pra ninguém. 87 .   vive para o filho: esse bocó. ele neste momento está no seu quarto escutando música clássica enquanto sua mãe lava a louça. e não sai dali. tiro ele pra fora e bato na porta. espanta-se com aquilo. dá um grito.   ela até que é gostosa desde que perdeu o marido.

jatos de porra mancham sua mão.   volto pra casa de saco vazio assoviando e cantando esperando a pureza chegar para tentar me endireitar.insana loucura sacolejo meu mastro aperto o saco e peço uma caridade. 88 . não demora muito para o clímax chegar. ela sorri encosta nele aperta e até belisca sinto prazer fecho os olhos deixo acontecer. duro. ela lambe seus dedos engole meu sêmen dá um sorriso e fecha a porta.   ela massageia para frente para trás deixando ele rijo.

serei Heleno. vagina.jim carbonera É dose   ressaca boa e barata.”                                                                                 e aquela loira sentada com aquele almofadinha?. este é um belo bar. Moisés me atende: “o que vai querer.   “Moisés.” “e você tem cara de Heleno. “por que me chama de Moisés?” “você tem cara de Moisés. cu e boca tudo sendo violentado ela deve gostar. bêbados e cafetões. 89 . meu chapa?”. manda mais uma dose”. penso comigo.”   bebo e observo as pessoas entrando e sentando. o que será que ela faz com ele? será que ele tem carro? será que ele tem dinheiro?   chego à conclusão que ele deve fodê-la bem. será que vale a pena? não sei. mas é o que sinto nesse momento.” “saindo agorinha mesmo. digo.” “ok. “gim com tônica.   saio de casa e vou para o bar. mulheres gostosas e sinuosas. pergunta.

  vou até ela. o almofadinha está de costas.”   pisco para a loira.insana loucura “Moisés!” “diga.   o almofadinha olha abismado levanta-se e me dá um soco no rosto caio chuta o meu estômago. chupo meu dedo do meio.   chego ao seu lado e beijo sua boca beijo babado forte e caliente com a língua e tudo. Heleno.” “outra dose. ela sorri.   continuo deitado a loira passa e deixa cair sobre meu corpo um papel era um guardanapo seu número de telefone estava anotado nele. 90 .   Moisés pula o balcão e segura ele colocando-o para fora. ela sorri.

” “manda mais uma dose.” 91 .jim carbonera levanto e digo: “Moisés!” “diga Heleno.

insana loucura Um ser sem valor   O sol acabava de se pôr enquanto eu fumava meu Marlboro sentado no banco da praça e observava uma mamãezona dar de mamar para seu filho. deixei eles pra lá e toquei o cigarro fora. grande e cheio de leite. Pensamentos promíscuos  surgiam na minha cabeça. 92 .   Passei à frente da mamãe e larguei um sorriso ao vento. Não deu resultado fui ignorado e retornei para minha insignificância da onde nunca deveria ter saído.   Era um belo seio. Com esforço.

falei. ninguém gosta de ninguém você gosta de andar através do lago. quero que se explodam. o lago da amargura.   comentou comigo que a vida passava voando   e eu o perguntei: e os pássaros? será que são felizes?   estou pouco lixando.   então o que é isso?   não interessa. ele respondeu. hipócritas. para ser mais exato.   não. era pintor mas dizia que atacava em todas as frentes da arte. ele disse. 93 .jim carbonera O amargurado   certa vez. as pessoas são lixo pra mim.   rebeldia? questionei. fui apresentado para um artista amargurado e com deficiência na perna esquerda.   qual lago? perguntou.

insana loucura pode ser.   notei uma moeda caindo do seu bolso. ele brandou. se abaixou para pegar e tomou um chute na bunda. não ganham nada?   não sei por mim os bons que se explodam.   gostei dele. jeito interessante de se portar. ele é mau. caiu.   sou realista. você é rebelde e amargurado. cinismo. pouco importa vou indo nessa continuar andando e valorizando apenas a minha vida.   e os bons? eu disse. pessoas cínicas ganham o mundo. falou sorrindo. um pivete saiu correndo de patinete. 94 . isso sim me convém. será que é cínico? se perguntou.   é.   e assim ele sumiu no horizonte mancando e odiando o mundo.

os anos passaram e não soube mais nenhuma notícia dela. você escreve bem. era uma gordinha baixinha muito simpática e com longos cabelos loiros. pediria uma grana emprestada. mas acabei me formando. ficávamos conversando depois das aulas.  95 . dizendo: “Rino. explore-a. você é de peixes e todo pisciano tem dom para a arte. me pergunto como ela está. na época da faculdade eu cursava turismo.” depois que o semestre terminou a vi raras vezes. pois resolvi seguir seu conselho e aqui estou penando para conseguir dinheiro para um pedaço de pão.jim carbonera Um conselho seguido   lamentavelmente. das poucas coisas que realmente valeram a pena foi conhecer minha professora de História da Arte.   hoje.   se a visse. porém é uma escrita que flui. nunca gostei. um pouco indecente. me incentivava a seguir o rumo artístico.

96 . não fazíamos sexo nem amor. ela me amava. tinha pernas grossas e eu adorava mordê-las mesmo que apanhasse depois. porém quando isso acontecia trocávamos acusações xingamentos mas acabávamos sempre com nossos pentelhos alaranjados entrelaçados uns aos outros. estava mais pra lá do que pra cá e Larrana almoçava à minha frente. nos curtíamos muito.   sua bunda era grande e larga. nos víamos raramente. era ruiva assim como eu. eu sabia que no fundo. realizávamos verdadeiras batalhas campais. nos batíamos éramos egoístas e individualistas um com o outro.insana loucura Ruivos   bebia saquê em um restaurante japonês. queríamos apenas saber do nosso prazer e quanto mais isso acontecia mais excitado ficávamos. pelo menos parecia isso. ela me procurava só quando precisava de grana emprestada.

comendo graciosamente se fortificando para quando chegássemos em casa estivesse pronta para mais uma batalha campal.jim carbonera notei um assanhamento do meu obelisco o que me fez sair desse devaneio. continuava ali. 97 .   já Larrana.

A beijo ela cospe no meu olho a beijo de novo outra cusparada dou-lhe uns tapas puxo seus cabelos e rasgo sua roupa a possuo 98 .insana loucura Sem beatificações   Ela apenas observa eu a amo estou com rosas na mão as entrego ela joga na minha cara não aceita manda eu ir embora não quer mais me ver me chama de canalha cafajeste broxa chuta minha canela sinto dor reclamo ela bate na mina cara seguro seus braços a deito no sofá ela se debate caímos no chão continua xingando com palavras de baixo calão.

chora de prazer meu leite escorre por cima da sua bunda a chupo um pouco e ela também chega aos “finalmentes”. Só assim. para nosso relacionamento continuar a mil.jim carbonera ela esperneia-se sente dor e tesão cede abre as pernas penetro com força sua xoxota está úmida ela me bate me chama de estuprador macho viril manda eu comer ela com violência mando ver fodo sem perdão bem fundo encosto no seu útero ela pede que a possua por trás coloco devagar seu buraco é apertado ela gosta. 99 . Foi uma bela atuação de ambos.

disse ela. 100 . perguntou. mas quando somos colocados na parede não temos escolha. Ou seguimos as regras ou perdemos o sexo matinal. As palavras entravam em um ouvido e saíam pelo outro. Larrana falava da sua mãe. nada mal. Vou comprar o ar-condicionado de presente para a minha mãe. eu disse. cadê o cartão? Qual cartão?. disse irritada. não sou um cara vaidoso. Acabei de falar. gostou? É. falei.   Escutou o que falei?. Passava um seriado americano.   Enquanto isso.   Merda!.   Fui para outra peça da casa e liguei a tevê. não entendi bulhufas. Assim fica bom para ambos: ela satisfaz suas vontades com o cartão e eu disfarço que presto atenção. o de crédito.   Pronto.insana loucura Estamos de acordo   Larrana havia acabado de fazer minhas unhas.   Porcaria. Sim amor. questionei.   Então ela veio com essa. respondi. pensei   Busquei e entreguei a ela com um sorrisão no rosto.

jim carbonera Universo conspirando contra   Quando houve o estouro da garrafa de champanhe vibrei. Fizemos amor. Ela levantou os braços e me serviu uma taça. Contas a pagar não faltavam e por enquanto tinha que me contentar com isso. mas a caixa de correspondência continuava cheia. continuávamos transando. Os dias passavam e nada de surpresas o bebê não veio. 101 . um beijo doce. pois era a única coisa a chegar. queríamos ter um filho e não conseguíamos. Ninguém se propunha em ir ao médico. Brindamos e bebericamos nos beijamos. Então.

vou até ela rebolo um pouco desço até o chão tiro ela para dançar bailamos sem parar deixo a mão dela escorregar aperta meu martelo que está à procura de um prego a música acaba as luzes acendem é intervalo a coroa tem classe é de luxo vou ao banheiro seguido por ela entro em um dos sanitários ela me agarra me suga me chupa me estupra caio sentado na privada suado descabelado 102 . ela está sozinha. gosto de coroas. sou exibido. está sentada ao fundo do salão. acima dos cinquenta. uma senhora lança um olhar. gosto de me mostrar. internacional.insana loucura Cinquenta em diante   danço uma salsa cubana a banda é boa.

103 .jim carbonera a coroa deixa cair uma nota no meu colo é de cinquenta reais arruma sua roupa beija minha testa e sai. a banda volta a tocar uma coroa lança um olhar está sentada ao lado do palco.. volto para o salão e ela não está mais lá..

entre. água?. prefiro puro.   abro a garrafa despejo o líquido em dois copos. agora segurando uma garrafa do bom e velho Natu Nobilis. contigo. 104 . posso ficar aí com o senhor? senhor? desculpa.   me deixa mais calma. ela responde. diz.   ela saiu e logo voltou. não. e daí?. sugiro. estou com medo. é. sim sim. eu também. eu digo. abrindo a mão.   batem na porta era a vizinha.   pois não?. ela diz.insana loucura Mais uma noite qualquer   era tarde da noite e a tormenta regia a orquestra lá fora. pergunto. um minuto. eu estava apenas fumando com o rádio ligado escutando Allman Brothers.

jim carbonera mulher de fibra essa. aqui comigo. não se preocupa. é. quer um cigarro. ela pulou e um pouco do uísque derramou do copo. só bom dia e boa noite.   fumamos. Rino. e você? danço e sirvo. estará protegida. acontece. eu digo. 105 .   nunca conversamos. legal. faz o que da vida? respiro e escrevo. você é muito cavalheiro. garçonete? simpático você. sim. eu disse. e você é gostosa. tenho muito medo de relâmpagos. enchi nossos copos novamente. um trovão soou lá fora.   segura minha mão enquanto lentamente as palavras saem de sua boca.

acendi um cigarro e esparramei o corpo sobre o sofá. ela era boa de cama trazia a experiência do trabalho.   acordei. liguei o rádio e rodou o mesmo CD.   olhei pela janela o sol regia a orquestra lá fora. 106 . levantei e ela não estava mais lá.   deitamos e dormimos.insana loucura brindamos bebemos e nos beijamos.   transamos ali mesmo.

com gemidos. fomos liberados retornando de onde paramos.jim carbonera Sem preconceito   minha cabeça dói sinto cheiro de merda noto que há uma ponte acima de mim.   ao meu lado. não me importo foi apenas mais uma noite de trago. a polícia chegou e estragou tudo. ela segura meu cabelo. 107 .   não ejaculei. uma putinha está deitada é gorda e suja tem abundantes pelos pubianos encaracolados e grossos. fomos para delegacia e duas horas depois.   algumas pessoas param olham falam frases que não compreendo sirenes tocam a puta acorda meu pau tá dentro dela.

assim como a minha alma. ela dizia. dizem que: boca fechada não entra mosca deveria ter seguido esse ditado. mas assim é melhor ninguém colocará o olho em você. ela continuava.   não apostaria nisso.insana loucura Juliana você tá horrível. vamos ser felizes para sempre. eu dizia. apesar da minha pica não ser só sua meu coração é. nenhuma vadia nos atrapalhará.   Juli.   isso é culpa minha. eu respondia.   como você é poético. nascemos um para o outro e assim será até a eternidade. meu picão tem certa fama por aí algumas amigas suas já vieram até perguntar se era verdade o tamanho do bichano. não deveria ter falado desse detalhe para elas tinha que ter ficado de boca fechada. Juli falava. 108 .

eu te amo. 109 . beijando docemente meus lábios e enrolando seus braços no meu pescoço enquanto deitados Juli sussurrava.jim carbonera e assim ela finalizava.

  Uma vez por semana ela trazia a neta de quinze anos.   Apenas a observava. deveria ter sido uma negra exuberante.   Ela era sarará não tinha o pivô e suas varizes deixavam suas pernas parecidas com um mapa rodoviário.   Eu era vagabundo. era uma mulatinha fogosa usava short curto e blusa colada realçando os bicos dos seios. 110 .insana loucura Um sonho pouco provável   A velha empregada lavava a louça da manhã enquanto eu almoçava. pois mesmo velha seu bundão ainda mostrava certo talento no gingado ao caminhar. ficava em casa mamando em alguma lata de cerveja fumando alguns cigarros e tentando escrever alguns poemas.   Quando jovem.

jim carbonera Quando a preta velha trazia a ninfetinha junto eu acrescentava  mais uma ocupação masturbando-me no banheiro.   Fui sacudido dos meus pensamentos com a preta velha recolhendo meu prato. meu tarugo endurecia e eu corria para o banheiro. Sua avó era esperta.   A negrinha servia de musa inspiradora. Descascava algumas bananas até meu esperma decolar. sabia a neta safada que tinha e se ela deixasse a gente se aproximar ambos cairiam na tentação como dois vulcões entrando em erupção.   Nunca consegui chegar muito perto da ninfeta. levantei da mesa e me dirigi ao quarto pensando como transformar meus sonhos em realidade.   Logo que a via. 111 .

tô tonto conto minha história para o garçom que a trata com desdém. bebo.   não tô nem aí.   vou para o bar peço uma dose de absinto e suco de limão.   puxo um papo com o vizinho ao lado ele ri e se engraça pergunta se eu sou gay. eu digo. nem de graça ele fica chateado e vai embora.   misturo os dois. ele é um gordinho salafrário que usa a calça enfiada no rego.   mando o chefe às favas ele retruca e me despede. tomo mais quatro doses. 112 .insana loucura Demissão   o trabalho é chato canibal me tratam como um animal.

é o vizinho do bar me bate com um taco quase desmaio ele rouba minha carteira e meu relógio some na escuridão.jim carbonera saio do bar a passos largos.   fico de pé e sigo meu caminho amanhã é um novo dia à procura de outro emprego. vou para casa mas sinto uma dor nas costas. 113 .

114 .insana loucura O Canção nosso de cada dia das tripas faço coração desenterro uma garrafa de vinho Canção compro um maço de cigarros fumo atravesso um beco ele é escuro sombrio aperto o passo não vejo nada só algumas baratas escuto um assovio é um putinha ela é magra raquítica topo um programinha faço amor de camisinha beijo a sua boca me despeço regresso vivendo no excesso ecoando uma canção sobre a tal liberdade de expressão.

eu a esperava assistindo televisão e fumando um charuto de baixa qualidade. alguém tinha que sustentar nossos vícios e o escolhido foi ela.  transávamos na cozinha. À noite.jim carbonera Bom relacionamento   Apesar da idade avançada. Geci gostava de sacanagem usava calcinha fio dental e eu cueca samba-canção. Durante o dia. Enquanto Geci ralava seus três buracos por aí. ela saía para trabalhar. 115 . armário e banheiro.

ela que se fodesse só não dava um pé na bunda dela. eu retrucava. já!”   “não enche.   não dei bola. mulher”. Larrana me censurava: “unha roída não tá com nada. 116 .”   o lance é relevar enquanto nos tratarem como reis. deve parar com isso.   tínhamos acabado de tomar café e ela continuava matraqueando. está bom.   todos gostamos de sermos paparicados mesmo que em algum momento elas encham o saco e digam: “não faça isso. enquanto isso. não coma aquilo. porque seu café era gostoso e quando acordávamos me chamava de benzinho e isso fazia eu deixar ela ficar mais tempo comigo. mas gostava de tê-las na boca.insana loucura Elas valem a pena   minhas unhas estavam roídas sentia vergonha delas.

o porteiro tocou e liberei sua entrada. fiquei feliz em saber que era ela. gostei daquilo. ela sabia da minha tara por botas.”   “quem é?”. sentia saudade daquele pelos ruivos. “uma das suas piranhas”. 117 .   certa noite. perguntei. estou na frente do seu edifício. desde que começamos esse relacionamento de interesses. ligou e disse: “abra a porta.   olhei o celular e não identifiquei o número. copulamos ali mesmo.   estava frio e coloquei um roupão abri a porta e ela me beijou.   fui arrastado para trás e jogado no sofá ela abriu seu sobretudo e estava apenas de lingerie e botas. sua lingerie era vermelha com lacinhos e topinhos e suas botas eram pretas. não consegui  falar uma palavra sua língua se multiplicava na minha boca estava mais afiada do que das outras vezes.jim carbonera Quem sabe ainda haverá uma próxima vez   Larrana havia sumido por um longo tempo o maior de todos. respondeu.

insana loucura dormimos abraçados e não nos cobramos nada.   ela ligou para um táxi e se encaminhou para ir embora.   “vou embora”.   “sentirei saudades”.”   levantou e começou a se vestir.   o sol da manhã entrava pela janela do quarto. falei. estou indo amanhã à tarde. eu vou embora para sempre. perguntei. pagou minha passagem.”   levantei e esfreguei os olhos. não perguntei por que ela sumiu e nem ela perguntou o que eu tinha feito durante esse tempo. disse ela. caminhei até a cozinha e preparei um café forte. me deu um beijo e disse: “poderíamos ter dado certo. “não quer café?”. 118 . é árabe.”   observei ela entrando no elevador enquanto eu fechava a porta. enquanto continuava falando:   “conheci um cara. “não.

119 .jim carbonera Apenas mais uma noite   dançando na noite  ela soltou um sorriso   pisquei me aproximei conversei a beijei   ficamos nos acariciando o tempo passou a festa acabou nos despedimos e nunca mais nos vimos.

insana loucura Poeta solitário   havia tempos que eu observava aquele poeta dentro do bar.   os trocados que ganhava gastava tudo ali no bar e apenas com bebida. era um sujeito excêntrico. estourando na parede atrás de mim. simpatizava com ele.   depois de mais de um ano eu e ele se cruzando pelo bar do Mané mandei o garçom pagar um uísque duplo para ele. ficava horas a fio bebendo sozinho. nunca comia nada. escrevendo e na miséria. perguntei certa vez para o garçom onde estavam as companhias do poeta e ele dizia que o poeta odiava gente vivia com uma tartaruga. ele frequentava diariamente o bar do Mané. indecente não tinha um dente e parecia demente. o copo passou zunindo ao lado do meu ouvido. me xingou de bastardo burguês 120 .

121 .jim carbonera e gritou que não precisava da caridade de ninguém.   nunca mais o incomodei e compreendi: há pessoas que nascem. vivem e morrem para serem solitárias.

rapidamente  a dona do canto do teto enrola o Sr. Mosquito com fios que saem  do seu orifício anal. se delicia e volta a voar. suga meu sangue. mas a sua direção é errada bate em uma teia de aranha  e fica preso.insana loucura Má escolha estou deitado  observando o teto. o sono chega bocejo viro de lado e começo a sonhar. sinto-me vingado. cansa descansa retorna a decolar. dona aranha deixa a refeição para mais tarde. bate as asas  por algum tempo. 122 . um mosquito pousa na minha perna.

dou uma piscada pra ela tirando uma onda. saio do meu banheiro e uma bicha me olha e lambe os lábios. 123 . sento na privada e me recomponho. volto a andar entre as lojas frouxo e enfraquecido um dia ainda conhecerei essa apresentadora de TV. até tenhamos um caso.jim carbonera Minha apresentadora favorita   estou no banheiro de um shopping tocando uma punheta e pensando nela. ela se derrete. ela ficará com nojo mas minha esperança é que fique com tesão e quem sabe. serei honesto. me acabo deixo os jatos brancos que saem da pica acertarem a parede. falarei das minhas aventuras pensando nela. bato mais rápido. na apresentadora da TV. enquanto isso não acontece continuo caminhando entre consumidores e consumidos.

” “ótimo. fui ao banheiro fiz meu trabalho coloquei Bom Ar e regressei para o quarto. fechei a janela e calcei a porta  voltei para o computador e digitei as palavras. respondi. só não sei se vai longe com eles. convi dou esse alguém. “quem sabe”.   o conto que saía não era dos melhores. perguntou a voz. tá a fim de uma cerveja?”. gosto dos seus poemas.insana loucura No aguardo de uma cerveja   a porta do quarto bateu foi um grande susto. “quem sabe.   as semanas passaram e até hoje aguardo a bebida prometida.”   continuei teclando. daqui a pouco tô passando aí. 124 . “é você mesmo.   o telefone tocou era alguém: “Rino?”.

nenhuma contratação do meu time.   sorri pra ela ela sacudiu a cabeça num sinal de reprovação. se duvidar. fui até a cozinha e mordi uma maçã quase quebrei os dentes.   uma senhora velha.jim carbonera Manhã sem graça   abri a porta do apartamento para pegar o jornal de baixo do capacho. foi uma boa sensação. suspeitava que estava com cárie. 125 . lembrei que havia marcado dentista para o dia seguinte. estava só de cueca e a vizinha do apartamento ao lado chegava no mesmo instante. mas o sono não voltou liguei o rádio escutei algumas notícias do dia e refleti sobre a vida. meias-calças e peitos grandes não cheguei a ejacular.   voltei para o quarto e toquei um pouco a pingola pensei em pernas depiladas.   fechei a porta e olhei o caderno de esportes. setenta anos.   tentei dormir.

126 .insana loucura manhã chata pra burro monotonia total.   abri as persianas do quarto abanei para a vizinha da janela da frente que estendia roupa e liguei a televisão. a manhã passava lentamente como um calvário.

Eu havia conseguido um lugar bem no meio da fileira de poltronas lugarzinho apertado. Havia um contingente grande de pessoas comendo pipoca e tomando refrigerante. realmente o que fui fazer naquele lugar? Assisti mais de uma hora de filme e comecei a sentir um desconforto abdominal. bruxas. mas com um bom ângulo para a tela. de magos. O filme começou era um filme infanto-juvenil. Remexia-me de um lado para outro na cadeira 127 .jim carbonera Um filme ruim   O cinema estava lotado era o quarto dia desde a estreia do filme. duendes. Tomava uma cerveja e comia Doritos. entre tantas outras coisas místicas. Eu me perguntava o que fazia ali odeio esse tipo de filme odeio o público que gosta desse tipo de filme odeio atores mirins odeio virgens existenciais então.

Limpei a bunda e saí com as pernas moles indo em direção a outro lugar que não fosse para aquela maldita sala de cinema.insana loucura a barriga começou a grunhir e meus vizinhos. Foi uma felicidade só. a olhar de canto de olho para mim. Alívio e suor escorriam pelo meu rosto. Corri para o banheiro fora do cinema e liberei a diarreia. Levantei e pedi licença pisei em alguns pés perdi o equilíbrio e deixei um peido intestinal para trás. 128 .

Que o artista.jim carbonera Artista de sonhos e desabafos Estaria louco. amigos. pai. Isso não é profissão. Sorrisos irônicos são jogados ao léu quando nos apresentamos como músicos. Você terá a melhor profissão do mundo e será o sonho de toda mãe e pai para casar com a sua querida filha. A profissão de cantor de bares e botequins (profissão?) não é reconhecida. vindo de uma sociedade e de um país onde os maiores corruptos e indecentes são responsáveis pelas nossas leis. não me surpreende que o artista seja considerado vagabundo. Onde leis (leis?) pífias incentivam a cultura e a educação. então isso é profissão. 16. eu? Sonhos que não perduram. amigos de amigos. 17 anos que matam inocentes. Onde prendemos o policial que matou o ladrão e absolvemos as crianças (crianças?) de 15. Que o artista. Em um mundo formado por imbecis e hipócritas. poetas. fotógrafos. Pressão externa: Mãe. irmãos. Onde quanto mais ignorantes. Mas já está se sustentando? Ahhh. 129 . Agora. apareça cantando em programas de auditórios em rádios e televisões. melhor. seja considerado sonhador.. pintores. não seja reconhecido como. Olhamos apenas para o bolso. Onde matamos por um par de tênis. sociedade em geral. Não me surpreende isso. escritores. A não ser que a mídia esteja em cima de você..

Não sejamos valorizados?! Ah. com certeza agora temos uma vida digna. assistirmos tv. voltarmos para a casa às 19h30. Bruno Barreto. Transam com ela. Paulo Coelho. sem graça. Lobão. Uma profissão. A arte está aí para dar cor à vida e não para ser julgada. Raul Seixas. Charlie Chaplin. Michelangelo. Sorriem e choram por ela. O que seria do planeta sem vocês. Seu coração. Anita Malfatti.  Médicos infelizes por serem médicos. Pedro Juan Gutiérrez. Seu universo. Seu corpo. vale a pena. Um planeta sem brilho. Marilyn Monroe. Uma vida valorizada. Cazuza. Engenheiros infelizes por serem engenheiros. Será? 130 . Di Cavalcanti. Walter Salles. trabalharmos. Charles Bukowski. Sua esposa. pois amanhã começa tudo de novo. Aleijadinho. morno. Shakespeare. Advogados infelizes por serem advogados. Mas quem sabe se acordarmos às 8 da manhã. Embebedam-se por ela. Manoel de Barros. fizermos sexo com a esposa (quando não estivermos cansados) e depois dormir. Augusto dos Anjos. Ja ck Kerouac.insana loucura Um salve para Machado de Assis. Porém é um belo título. Mário Quintana. Os artistas fazem da arte sua moradia. jantarmos. Leonardo da Vinci. Amedeo Modigliani. entre outros. Sua alma. Stephen King.

Pois mesmo sem dinheiro no bolso. 131 . a dor e a cura. sem títulos e fama continuaremos a sermos insanos felizes. vá para a faculdade. que gostariam de ter a liberdade para agirem de forma visceral. Somos guiados pelos nossos sonhos. Ele é o bem e o mal. O artista está à frente do seu tempo. sua liberdade de expressão.jim carbonera Os artistas estão aí para quebrar a rotina. São iluminados pela inveja dos hipócritas. vocês não se orgulhem de nós. porque fazemos o que amamos. Mas se você quer continuar sendo infeliz para realizar os sonhos dos outros. a solidão e a multidão. da nossa cura. da nossa arte. Faz da arte sua prisão. E quem sabe depois da nossa morte. do nosso jeito. faça psicologia e continue infeliz.