Cultura e Formação Humana no Pensamento de Antonio Gramsci

Carlos Eduardo Vieira
Universidade Federal do Paraná

Resumo

To man do por base a hi pó te se de que no âm bi to do pen sa men to grams ci a no exis te uma in dis so ciá vel vin cu la ção en tre co nhe ci men to histó ri co, práxis po lí ti ca, luta cul tu ral e for ma ção hu ma na, o ar ti go bus ca ex pli ci tar a sua re fle xão so bre a for ma ção do ho mem em so ci e da de como par te in dis so ciá vel da sua teo ria po lí ti ca. No sen ti do de evi den ci ar a per ti nên cia des sa hipó te se de le i tu ra da obra de Grams ci, pro cu ra expor e inter pre tar as suas idéi as à luz de um pro ce di men to me to do ló gi co his to ri cis ta que, su põe-se, pos si bi li ta si tu ar os pro ble mas teó ri cos, as idéi as pro du zi das no pas sa do, no âm bi to dos seus con tex tos es pe cí fi cos de pro du ção. As con clu sões cha mam a aten ção para uma ques tão po ten ci al men te re le van te no âm bi to da pers pec ti va grams ci a na, ou seja, a pos si bi li da de de, a par tir de Grams ci, pen sar mos uma te o ria da for ma ção hu ma na que evi te a re du ção da com pre en são do pro ces so for ma ti vo ao de sen vol vi men to in te lec tu al do ho mem con ce bi do isola da men te, da mes ma forma que evite a pendu lar in ver são, que en ten de a for ma ção da per so na li da de de for ma de ma si a da men te deter mi nis ta, do ho mem como pro du to pas si vo do meio so ci al. Grams ci pen sa a questão da for ma ção do indivíduo como uma fun ção es tra té gi ca da po lí ti ca de im ple men ta ção do pro je to de uma clas se, na pers pec ti va de se fa zer he ge mô ni ca, como ta re fa de uma van guar da so bre a mi li tân cia, como res pon sa bi li da de dos mais ve lhos peran te os mais jo vens, na pers pec ti va de criar for mas mais avan ça das de civilidade.

Palavras-chave

Grams ci – Cul tu ra – For ma ção Huma na.

Correspondência para: Rua Lord Lovat, 74 – Guabirotuba 81510-520 – Curitiba – PR email: cevieira@educacao.ufpr.br

Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 25, n. 1, p. 51-66, jan./jun. 1999

51

51-66./jun. n.br 52 Educação e Pesquisa. it is as su med. The con clu si ons draw at ten ti on to an is sue that is po ten ti ally re le vant to the Grams ci an pers pec ti ve: the pos si bi lity of bu il ding a the ory of hu man de ve lop ment.Culture And Human Development in Antonio Gramsci’s Thought Carlos Eduardo Vieira Universidade Federal do Paraná Abstract Ba sed on the hypothe sis that the re is an ine vi ta ble lin king in Grams ci’s thought in vol ving histo ri cal know led ge. 25. jan. and hu man de ve lop ment this paper tri es to make ex pli cit Grams ci’s reflec ti on on the de ve lop ment of man in so ci ety as an in trin sic part of his po li ti cal the ory. po li ti cal pra xis. makes it pos si ble to pla ce the o re ti cal pro blems – the ide as pro du ced in the past – wit hin the spe ci fic con texts whe re they were born. In or der to reve al the per ti nen ce of this an gle in the re a ding of Grams ci’s work this pa per will at tempt to ex pound and in ter pret his ide as in view of a his to ri cist met ho do lo gi cal pro ce du re which. p. 1. that avo ids re du cing the un ders tan ding of the de ve lop ment pro cess to the in tel lec tu al de ve lop ment of man con ce i ved in iso la ti on whi le at the same time avo ids es ca ping the ex tre me oppo si te of se e ing the de ve lop ment of per so na lity in an ex ces si vely de ter mi nis tic man ner. He thinks this is the task of a van guard with respect to the po li ti cal ac ti vists. São Paulo.ufpr. Grams ci re gards the is sue of the de ve lop ment of the in di vi du al as a stra te gic func ti on of po li tics for the im ple men ta ti on of the pro ject of a class to be co me he ge mo nic. Cor res pon den ce: Rua Lord Lovat. 74 – Guabirotuba 81510-520 – Cu ri ti ba – PR email: cevieira@educacao. cul tu ral struggle. and man as a pas si ve pro duct of his so ci al en vi ron ment. ba sed on Grams ci. as well as a res pon si bi lity of the el ders to the youn ger ge ne ra ti on in the pers pec ti ve of crea ting more ad van ced forms of ci vi lity. Key words Grams ci – Cultu re – Hu man De ve lop ment. v. 1999 .

São Paulo. p. Em ou tras pa la vras. 25.23-42. Grams ci foi “ins tru men ta li za do” como pen sa dor de ca te go ri as. Con ce i tos como he ge mo nia. Se gun do Pa o lo No sel la (1992. foi um fe nô me no de gran de pro por ção. tam bém. Grams ci e os edu ca do res bra si le i ros: um ba lan ço crí ti co. Dis ser ta ção (Mes tra do) – PUC-SP. a sua pre sen ça as su miu pro por ções di fe ren tes e as mais di ver sas in ter pre ta ções. he ge mo ni as e emer gen tes blo cos his tó ri cos. na apro pri a ção do pen sa men to grams ci a no pela pes qui sa em edu ca ção no Bra sil. na dé ca da de oi ten ta um ter ço das dis ser ta ções e te ses da área aca dê mi co-educacional faz re fe rên cia ao nome e às idéi as de Grams ci.130). Todos. Pa o lo. Os li mi tes das ca te go ri as e a aná li se con cre ta de si tu a ção con cre ta fo ram sa cri fi ca dos em fa vor de es que ma ti za ções ári das. n. Para mais de ta lhes so bre a dis cus são da apro pri a ção do pen samen to grams ci a no pela pes qui sa em edu ca ção no Bra sil. de fór mu las ais tó ri cas de en ten di men to do real. um pro ce di men to teó rico que pri vi le gi ou a com pre en são lógi co-formal dos seus con ce i tos. da Fi lo so fia à Edu ca ção. 1998. As ca te go ri as grams ci a nas. Esse tipo de apro pri a ção – de no mi na da nes se tra ba lho de logi cis ta. mu i to mais que es te ri li zar o pen sa men to de um au tor. em contras te com a pers pec ti va his to ri cis ta adota da por Grams ci –. da His tó ria ao Ser vi ço So ci al. to das re ple tas de ca tar ses. v. re cu sa toda com pre en são abs tra ta.Problemas metodológicos na interpretação das idéias gramscianas A pre sen ça das idéi as grams ci a nas no pla no aca dê mi co e po lí ti co bra si le i ro. es pe ci fi ca men te. re cla ma da in sis ten te men te por Grams ci ao lon go da sua obra. a pon to de Mar co Au ré lio No gue i ra (1988) afir mar que o “grams cis mo veio à luz do dia com a for ça de um vul cão. con tri bu em para a es te ri li za ção do pro ce di men to ci en tí fi co. fo ram in se ri dos nos de ba tes nas mais di ver sas si tu a ções. A re cu sa do lo gi cis mo e a in ten ção de pe ne trar no cer ne me to do ló gi co do - 1. A re cu sa de uma in ter pre ta ção for ma lis ta do pen sa men to grams ci a no – ex ten si va a to dos os pen sa do res que. p. en tre nós. In: Qual com pro mis so po lí ti co?. tor na ram-se ‘grams ci a nos’” (p. NOSELLA. per mi tiu que as suas ca te go ri as fos sem ma ni pu la das e inclu í das nos mais va ri a dos pro je tos in te lec tu a is. pois a au sên cia da pers pec ti va me to do ló gi ca his to ri cis ta pos si bi li tou a trans for ma ção do seu pen sa men to em um mo de lo abs tra to e apli cá vel ge ne ri ca men te. pro cu rei dis cu tir. tor na ram-se oni com pre en si vas. em de tri men to de uma in ter pre ta ção his to ri cis ta que. Educação e Pesquisa. in te lec tu a is orgâ ni cos. é su fi ci en te uma bus ca nas re fe rên ci as bi bli o grá fi cas das te ses e dis ser ta ções dos úl ti mos vin te anos para en con trar mos as evi dên ci as des se fe nô me no. o pro ces so de apro pri a ção do pen sa men to grams ci a no pela pes qui sa em edu ca ção no Bra sil. 51-66. fór mu las abs tra tas. O pen sa men to de Grams ci pe ne trou em to das as áre as das Ciên ci as Hu ma nas: da Psi co lo gia à So ci o lo gia. p. “ins tru men ta li za das” e for ma li za das. por ra zões di ver sas. jan. en con tram-se em dis cus são no âm bi to da pes qui sa em edu ca ção – per ma ne ce atu al e deve ser re i te ra da para evi tar as sim pli fi ca ções teó ri cas que. ou me lhor. No caso es pe cí fi co da pes qui sa em edu ca ção. O his to ricis mo grams ci a no e a pes qui sa em edu ca ção . O his to ri cis mo grams ci a no e a pes qui sa em edu ca ção. Em es tu do con clu í do em 1994. 1994. e. Car los Edu ar do. ais tó ri ca e 1 for ma lis ta dos con ce i tos e das te o ri as. nas dé ca das de se ten ta e de oi ten ta.4). ver: VIEIRA. Bra gan ça Pa ulis ta: Edusf. Em cada uma des sas áre as. 1999 53 . As cate go ri as de aná lise grams ci a na. tor na ram-se. edi fi ca das a par tir do es tu do da re a li da de cul tu ral e his tó ri ca ita li a na. A prin ci pal con clu são des se es tu do resu me-se na se guin te for mu la ção: pre va le ceu. blo co his tó ri co. 1. não bas tan do ser in com pre en di do na sua pro po si ção his to ri cis ta. bem como re i vin di ca dos por di fe ren tes ver ten tes do pen sa men to polí ti co e aca dê mi co bra si le i ro./jun. São Pau lo. de uma ou ou tra for ma.

con siderar a obra de um in te lec tu al como fon te his tó ri ca e. To gli at ti sco nos ci u to. à frag men ta ção e à fal ta de re fe rên ci as cla ras às fon tes. com referências a fatos. que cria 2. na qual ele aju í za. Estu dar as idéi as de um pensa dor con si de ran do o seu con tex to histó ri co es pe cí fi co não sig ni fi ca agre gar à aná li se teóri ca in for ma ções so bre o lugar e o tempo de ori gem das idéi as e dos in te lec tu a is. não sig ni fi ca anular o dado fi lo só fi co. ado tan do o con cei to grams ci a no. pois “deve sem pre vi go rar o prin cí pio de que as idéi as não nas cem de ou tras idéi as. que o ma te ri al só po de ria ser uti liza do de po is de uma apu ra da ela bo ra ção. mas revelou.144-5 54 Carlos Eduardo VIEIRA. Uma evi dên cia do tipo de cri té rio uti li za do na edi ção de 48-51 é a car ta de To gli at ti – es cri ta em abril de 1941 à Di mi trov. um pro du to his tó ri co. p. de 1975.. da for ma como es ta vam or ga ni za dos ori gi nal men te. na mes ma me di da que per mi te problematizar. por meio de um pro ce di men to me to do ló gi co que de no mi nei. ain da que as re cen tes pro du ções no âm bi to da his tó ria das idéi as te nham sido uti li za das como apo io ao lon go da ex po si ção e da in ter pre ta ção das suas idéi as. 1977. 1994. não revisadas. com pre en dê-la como um pro du to cul tu ral his to ri ca men te deter mi na do. So ma-se às difi cul da des refe ren tes à crip to gra fia. Por ou tro lado. so bre tu do. con ti nham as pec tos que não se ri am úte is para o par ti do. a meu ver. mas sim com pre en dê-lo na ra ci o na li da de es pe cí fi ca de que ele é por ta dor por ser ele. minorou a polêmica em torno da tendenciosidade da edição de 48-51. 31 ago. Em síntese.. A chamada edição crítica dos Quaderni . uma vez que. su ple men to da L’Unità. fi lo so fi ca men te. Con tu do. Gi u sep pe. que as fi lo so fi as não são cri a do ras de ou tras filo so fi as. é cons ti tu í da por um con jun to de ca der nos de es tu dos pes so a is. a sua ma i or van ta gem é a pos si bi li da de de com pre en der his to ri ca men te os pro ble mas filosóficos. for mou-se uma in ten sa discus são so bre os cri té ri os uti li za dos por To gli at ti na se le ção das no tas carce rá ri as 2 grams ci a nas. . a estrutura labiríntica dos Quaderni . após ter es tu da do o con jun to dos tex tos car ce rá ri os grams ci a nos.1134). a ques tão do mé to do di a ló gi co de ex po si ção grams ci a no. Cultura e formação humana. A mi nha pers pec ti va do historicismo tem no pen sa men to de Grams ci a sua prin ci pal fon te de re fe rên cia. Ana li sar as idéias de um in te lec tu al con si de ran do o seu con tex to es pe cí fi co de pro du ção é uma op ção me to do ló gi ca. A pri me i ra pu bli ca ção parci al do ma te ri al – em edição pre pa ra da por Pal mi ro To gli at ti e publi ca da na Itá lia en tre 1948 e 1951– ocor reu sem qual quer re vi são dos ori gi na is por par te do au tor. Da for ma como vejo o his to ri cis mo. al guns au tores exi gem mais esse tipo de pro ce di men to do que ou tros e. os acon te ci men tos his tó ri cos. Grams ci é um exem plo de in te lec tu al que deman da esse tipo de pro ce di men to no pro ces so de aná li se das suas idéi as. lí der do Co min tern –. tam bém. que mor reu. com erros próprios da falta de um con trole das fontes. his to ri cis ta . em 1937. pro du zi dos no pe río do em que ele es ta va pre so nos cár ce res fascis tas. p. O con tex to his tó ri co é deter mi nan te do que se pen sou e de como as co i sas fo ram pensa das. a obras e a teóricos nem sempre claras. não se tra ta de um re cur so pe dante e inú til de eru di ção que não al te ra subs tan ti va men te as con clu sões. ló gico. que tem a sua po ten ci a li da de heu rís ti ca in trín se ca. em virtude da criptografia desenvolvida pelo autor para burlar a censura carcerária. entre ou tras. ví ti ma das do en ças con tra í das no cár ce re. A sua obra teó ri ca prin ci pal. ver: VACCA. mas que elas são ex pres sões sem pre re no va das do de sen vol vi men to histó ri co real” (Grams ci. o material contém um conjunto de obstáculos à pesquisa difíceis de serem transpostos sem uma prévia aproximação do intérprete com a ambiência cultural gramsciana.pensamento grams ci a no le va ram-me a pos tu lar uma in ter pre ta ção do seu pen sa men to a par tir das suas es pe cí fi cas mo ti va ções cul tu ra is. Em tor no dessa edi ção. constituídos de notas fragmentadas. os Qu a derni del Car ce re . de for ma cabal. So bre esse as pec to. organizada por Valentino Gerratana.

na sua obra. de blo co his tó ri co. por So rel. pro du zi da em um cam po da ativi da de teóri ca e prá ti ca da vida so ci al no qual o ri gor me to do ló gi co não é uma prer ro ga ti va ne ces sá ria para ha bi li tar um in tér pre te. não re sul tou. o aces so à es tru tu ra ori gi nal dos Qu a der ni . mas sem pre com o in ten to de pen sar e. por Cro ce. Os vá ri os grams cis. Por ou tro lado. mas bas tan te com ple xa ao es tu do. em uma ex plo ra ção con sis ten te das suas pos si bi li da des heu rís ti cas para o es tu do da cul tu ra e dos pro ces sos de for ma ção hu ma na. o an ti-croceano ou o fi ló so fo das su pe res tru tu ras. 1999 55 . Sen do assim. São inú me ros os exem plos de con ce i tos que Grams ci in cor po ra dos seus in ter lo cu to res que as su mem. de he ge mo nia . na base do par ti do po lí ti co ou na uni ver si da de. com isso. já que as suas as ser ções es ti ve ram vin cu la das aos de ba tes polí ti cos. assim. Grams ci pro du ziu te o ri as e con ce i tos para ser vi rem de es tí mu lo ao pen sa men to polí ti co. so bre tu do. Ou tro aspec to que deve ser con si de ra do no pro ces so de in ter pre ta ção das suas idéi as é que gran de parte da pro du ção so bre o lega do teó ri co grams ci a no foi. A meu ver. o de mo cra ta. o le ni nis ta. en con trar inú me ros e con tra di tó ri os grams cis: o lí der polí ti co. o an ti le ni nis ta. assim. com pre en der os sig ni fi ca dos es pe cí fi cos e origi na is dos seus ter mos. pro du zir a ação po lí ti ca./jun. es tu dan do as di ver sas in ter pre ta ções do seu pensa men to. a in ter pre ta ção do pen sa men to grams ci a no exi ge. as sim como Nor ber to Bob bio o de fi niu. 51-66.diá lo gos nos qua is os ar gu men tos dos seus in ter lo cu to res são expos tos. prin ci pal men te. o Grams ci que se quer ou aque le que se pre ci sa. Na ex pres são da fi lo lo gia clás sica. bem como aos em ba tes des sas for ças com o es pec tro mais am plo das ten dên ci as po lí ti cas. às dis pu tas in ter nas das or ga ni za ções polí ti cas de es quer da. da mes ma for ma que o concei to de re vo lu ção pas si va por Cu o co. como já afir mei. não se tra ta de recu sar a uti li za ção do pen sa men to grams ci a no no âm bi to dos de ba tes po lí ti cos. 1. o texto pos si bi li ta pe ne trar na me câ ni ca men tal do seu au tor. ain da que a no men cla tu ra ori gi nal tenha sido man ti da na obra grams ci a na. de tal ma ne i ra que se torna difí cil para o seu in tér pre te ava li ar até que pon to ele ace i ta e até que pon to ele re cu sa as idéias e os con ce i tos tra ta dos. o sta li nis ta. os con ce i tos ganha ram sig ni fi ca dos mui to par ti cu la res. O con cei to de fi lo so fia da prá xis foi pos tu la do ori gi nal men te por Gen tile. sig ni fi ca dos e ob je ti vos heu rís ti cos dife ren tes da que les ple i te a dos por eles. de re for ma éti co-política . p. Não obs tan te. jan. v. uma aten ção es pe cí fi ca so bre as pe cu li a ri da des do seu uni ver so se mân ti co. além dos pro ce di men tos semi o ló gi cos ro ti ne i ros. de que nos fala Li guo ri. Não é di fícil. bus can do. criti ca dos e in cor po ra dos ao iti ne rá rio teóri co grams ci a no. per mi te ao in tér pre te mo vi men tar-se nos di ver sos ní veis de ela bo ra ção do pen sa men to grams ci a no. por Le nin. São Paulo. Con tu do. com pa ran do as no tas nas suas di ver sas versões e. A for ma de apro pri a ção lo gi cis ta aca bou por pro du zir uma in ter pre ta ção que lhe ti ra va mui to da sua po ten ci a li da de teóri ca Educação e Pesquisa. são o re sul ta do de inú me ras in ter pre ta ções das suas idéi as que pro cu ra vam mu i to mais afirmar as suas teses so bre a luta ime di a ta da polí ti ca do que efe ti va men te pro du zir uma in ter pre ta ção em que elas fos sem to ma das no seu con tex to his tó ri co irre du tí vel. reco nhe cer e acom pa nhar a dinâ mi ca e a for ma como Grams ci pro du ziu as suas idéi as. Essa con du ta me to do ló gi ca de apro pri a ção e re or de na men to heu rís ti co dos con ce i tos ge rou uma te o ria po lí ti ca mui to ori gi nal. 25. o in te lec tu al desin te res sa do. cri an do. pro pi ci a da pela edi ção crí ti ca de 1975. n. o cro ce ano. a au sên cia de con tex tu a ção abre es pa ço para todo tipo de “ins tru men ta li za ção” do seu pen sa men to e da sua ima gem. a ex ten si va refe rên cia às suas idéi as na dé ca da de oiten ta. No caso es pe cí fi co da pes qui sa em edu ca ção no Bra sil. até por que nada é mais es tra nho ao pro je to in te lec tu al grams ci a no do que ima gi nar as suas idéi as sen do exa mi na das como fós se is. ao de ba te parti dá rio.

. particularmente na Itália. o livrou de se tornar um tra po engomado (id. no es paço desse artigo. ou seja: considero que. tem nos Quaderni o seu ponto de máxima abrangência e elaboração.. práxis política. 56 Carlos Eduardo VIEIRA. que o man tém como crí ti co ve e men te das in ter pre ta ções natu ra lis tas e po si ti vis 3. o Avan ti e na re vis ta de cul tu ra so ci a lis ta Cit tà Fu tu ra . ao primeiro texto que conhecemos dele. Te o ri ca men te. e de 1919 a 1922. p. nes se pe río do. no âm bi to da pes qui sa edu ca ci o nal. nesse momento. quando se elaborava. na própria expressão gramsciana manifesta muitos anos mais tarde. mas as re fe rên ci as teóri cas ain da se mos tram ecléti cas e as ati vi da des práti cas per ma ne cem sem uma di re ção pre ci sa. é uma fase na qual a op ção po lí ti ca pelo so ci a lis mo já é níti da. de interpretação do pensamento gramsciano pelo ângulo da teoria política – pretendo evidenciar como se inse rem na concepção gramsciana da política as questões da cultura. Oppressi e Opressore. Grams ci foi sen do “la te ra li za do” como fon te de in ter lo cu ção teó ri ca. Porém. de fi ni do por Ma na cor da (1990. o seu instinto contra os ricos. reto mo as suas pri me i ras ini ci a ti vas no sen ti do de con tri bu ir para a re no va ção da cul tu ra so ci a lis ta na Itá lia. a meu ver. Nes ses ter mos. não re tornarei à sua infância. é importante afirmar que – longe de contrariar a tendência que prevalece. a partir da análise da experiência política e intelectual de Gramsci nos anos que antecederam a sua prisão. É um pe río do de in ten sa co la bo ra ção em jor na is e re vis tas do mo vi men to so ci a lis ta ita li a no. no de cor rer da dé cada de no ven ta. no âmbito do pensamento gramsciano. Cul tu ra e For ma ção Hu ma na no Pen sa men to de Anto nio Grams ci. p. in ti tu la da His to ri cis mo. Obviamente. segundo ele. . O projeto intelectual gramsciano. Para de mons trar como as pre o cu pa ções teó ri cas com a cul tu ra e a for ma ção hu mana che ga ram aos Qu a der ni . de 1910. há um ine quí vo co ide a lis mo nas suas po si ções. de mane i ra a si na li zar para a sua con cep ção de cul tu ra como lu gar de sín tese das lu tas en tre os di ver sos pro je tos em dis pu ta na so ci e da de. in ten ci o no pro ce der grams ci a na men te na aná li se das suas idéi as. pe río do mar ca do pe las lu tas ope rá ri as em prol da or ga ni za ção dos Con se lhos de Fá bri ca na ci da de de Tu rim e pela fun da ção do Par ti do Co mu nis ta da Itá lia. Da análise da teoria po lítica gramsciana decorre a hipótese que tem orientado as minhas pesquisas. Cultura e formação humana. Os re sul ta dos com ple tos dos meus es tu dos so bre o pen samen to grams ci a no. é decisivo para compreendermos a sua concepção de formação humana como parte de um processo complexo e con traditório de luta cultural. par ti cu lar men te so bre a sua con cep ção do histo ri cis mo. de fen di da em mar ço de 1999 na PUC-SP.21-32) como os anos do jor na lis mo mi li tan te.. en con tram-se na Tese de Dou to ra do. o processo de elaboração de seu conceito de cul - tura que. poderei simplesmente indicar algumas das possibilidades heurísticas dessa chave teórica de leitura da sua obra. luta cultural e processos de formação humana. as sim como acon te ce com to dos os au to res que so frem apro pri a ções forma lis tas e movi das pe los mo dis mos teóri cos. ex clu í da qual quer pre ten são pu eril de apre sen tar a úni ca in ter pre ta ção pos sí vel da obra de Grams ci.23). 1964. objetivo evidenciar.e. existe uma indissociabilidade entre conhecimento histórico. o instinto que. no qual Grams ci se afir ma como ar ti cu lis ta nos pe rió di cos so ci a lis tas. que es tão ma te ri a li za das nos seus es cri tos e nas suas in ter ven ções pro du zi das em dois pe río do: de 1916 a 1918. contra aqueles que o impediam de estudar. mas con ven ci do da po ten ci a li da de do pen sa men to grams ci a no para os es tu dos dos pro ces sos de for ma ção hu ma na. da cul tu ra e dos pro ces sos de for ma ção hu ma na. tais como Il gri do del Po polo . exposto na correspondência carcerária entre os anos de 1927 a 1929. da luta cultural e da formação humana. 3 O processo de formação do conceito de cultura em Gramsci Preliminarmente. Porém. O pri mei ro perío do. ou melhor.

No con tur ba do ano de 1917. pela corja de sabidos que corresponde a professores acanalhados. p. foi de fi ni do como um pen sa dor com in crus ta ções po si ti vis tas e na tu ra lis tas (id. ele de cla ra que nos anos de uni ver si da de. pos te ri or men te. afir mou que o fi ló so fo napo li ta no Be ne det to Cro ce era o ma i or pen sa dor eu ro peu da atu a li da de. pelos advogadozinhos que conseguiram conquistar um diploma. 51-66. 1964. É um período de um estilo apaixonado. nes se pe río do. Grams ci (1972. Grams ci ab sor ve a crí ti ca ao aca de mi cis mo e ao po si ti vis mo que per me a vam a vida uni ver si tá ria ita li a na. que enfatizava o seu desprezo pelos estudantezinhos que sabem um pouco de latim e his tória. presentes de forma hegemônica no movimento socialista italiano. v. Cre io que o ter mo nos so . que di ver gia de qua se to das as pro po si ções pe da gó gi cas do gru po. Des se pe río do. 1964. 1972. Grams ci es cre veu um ar ti go in ti tu la do Nos tro Marx. n. São Paulo.../jun. que era este: par ti ci pá va mos em tudo ou em par te do mo vi men to de refor ma mo ral e in te lec tu al pro mo vi do na Itá lia por Be ne det to Cro ce” (Grams ci.tas do ho mem e da his tó ria. em 24 de de zem bro de 1917. A crítica veemente dessas vertentes teó ricas. Cro ce e Sal ve mi ni. Em car ta car ce rá ria. Cro ce. jan. formar o há bi to da pes qui sa. universal. A car ta a Lom bar do Ra di ce foi es cri ta em de zem bro de 1917 e foi. 1999 57 . expo en te da pe da go gia idea lis ta ita li a na. sus ten ta das por pers pec ti vas que se mo vi am da an tro po lo gia lom bro si a na ao evo lu ci o nis mo histó ri co spen ce ri a no. isto é. Mar co Au ré lio e Vir gílio. em oposição ao anacronismo teórico de parte dos socialistas e ao ascetismo pedante dos intelectuais acadêmicos. pre va le ce o es co po da di fu são da cul tu ra hu ma nis ta e fi lo só fi ca no âm bi to da clas se ope rá ria. pas san do pelo ima gi na ti vo ma te ri a lis mo vul gar de Achil le Lo ria e Arturo La bri o la. ainda que a sua subs tân cia seja a eco no mia. mu i tos anos mais tar de. Grams ci reve la a in ten ção de pro mo ver no Clu be a dis cus são desin te res sa da das ques tões éti cas e mo ra is. com isso. ele par ti ci pa da fun da ção do Club di vita mo ra le . no cé le bre arti go La ri vo lu zi o ne con tro il Ca pi ta le . sobre o qual ele es cre veu pe din do su ges tões para Lom bar do Ra di ce. p. 1. da mes ma for ma que pro du zia as pri me i ras 4. 25. p.10. pro cu ran do. a partir da or ga ni za ção de as so ci a ções de cul tu ra. jun ta men te com Marx. no tí tu lo do ar ti go. 4 Gramsci via no advento da Revolução Russa um forte contra-exemplo da visão fatalista e etapista da história e da política que sustentava que o socialismo seria resultante de leis naturais. Educação e Pesquisa. en tre ou tros clás si cos. no qual afir ma que em Marx a his tó ria con ti nua sen do um do mí nio das idéi as. Alguns me ses de po is do ar ti go La ri vo lu zi o ne con tro il Ca pi ta le. p.32. Ape sar da dura res pos ta de Ra di ce. p. en quan to Marx. independentes da vontade dos ho - mens. da dis ci pli na e do mé to do nos es tu dos en tre os ope rá ri os so ci a lis tas.239)..134-5). n. pu bli ca da na Ri nas ci ta . 1964. em ses sões que re u ni am jovens in te lec tu a is e operá ri os. ven dedores de quinquilharias (id. ele afirma preferir um cam ponês no movimento socialista a um professor universitário (id. No pla no pro pri a men te da in ter ven ção po lítica. sem pre lon ge da Uni ver si da de. Em con tras te com o fata lis mo e o de ter mi nis mo dessas con cep ções. sig ni fi ca as idéi as de Marx li das à luz do cro ce anis mo. apa re ce como a prin ci pal re fe rên cia teó ri ca de um es tói co jo vem de 26 anos de ci di do pelo so ci a lis mo. com ou tros jovens so ci a lis tas. Na sua car ta. mas atu an te nas re vis tas de cul tu ra. pu bli ca do no pe rió di co so ci a lis ta Avan ti. tan to ele como boa par te dos in telec tu a is da sua épo ca se “ en con tra vam em um ter re no co mum. levou-o a Croce e a seu movimento de reforma intelectual e moral da cultura italiana. colecionadores de preciosidades inúteis. p. e que surgiria primeiro naqueles países em que as estruturas produtivas da sociedade capitalista estivessem já plenamente desenvolvidas.446). cri a ção his tó ri ca e não na tu ral”. 1996. den tro de uma ambiên cia mar ca da pela exal ta ção do pa pel da von ta de mo ral do ho mem na trans for ma ção da his tó ria.265). eram lidos e dis cu ti dos.24) de fi ne o ho mem como “es pí ri to. afir mar as pos si bi li da des do homem como su je i to da sua histó ria. significava ser um europeu mo derno. Ser socialista e cro ceano para Gramsci não resultava em uma contradição. p. No número único da revista Città Futura . Grams ci. de fevereiro de 1917.

que não se res trin gi am ao par ti do. ibid. Cultura e formação humana.300-2).. de ma ne i ra a li vrar as mas sas do des po tis mo dos in te lec tu a is de car re i ra (id. mu i tas das idéi as e pos tu ras grams ci a nas se mo di fi ca ram. A cul tu ra per ma ne ce “um pri vi le gio. no per cur so in te lec tu al grams ci a no. 58 Carlos Eduardo VIEIRA. essa ques tão. 1978.. ri gi da men te dis ci pli na das. p.446). o aces so à cul tu ra pro mo ve ria um novo “modo de ser que de ter mi na ria uma nova for ma de cons ciên cia” (id. Nos anos que se gui ram..apro xi ma ções à sua con cep ção de cul tu ra. É um período mar cado por importantes decisões políticas que repercutiram sobre a sua produção teórica. tam bém. Po rém. uma pre dis po si ção do suje i to. Con tu do. Instruí-Vos. Des se perío do.. .. além das ine vi tá ve is rup tu ras. ibid. de uma for ma mais am pla. A as so ci a ção da idéia da di fu são da cul tu ra à ati vi da de po lí ti ca das or ga ni za ções socialistas o man te ve longe dos ex ces sos do ide a lis mo ita liano. 1972... por que tere mos ne ces si da de de toda vos sa inte li gên cia . p. Para Grams ci. as no vas expe riên ci as per mi tem a Grams ci com pre en der. A difu são da cul tu ra vi sa va pro mo ver a ini ci a ti va e a au to no mia in te lec tu al da clas se ope rá ria..150). ao mo vi men to so ci a lis ta. é inte res san te des ta car.59). o curso universitário pela experiência de organização da classe operária em Conselhos de Fábrica.301). a militância no Partido Socialista pela direção do Partido Comunista da Itália.. Logo. Cro ce. que lu tas sem pelo ob je ti vo de di fun dir a cul tu ra en tre os ope rá ri os e os cam po ne ses po bres. as su mi das no mes mo es ti lo apa i xo na do que mar cou os anos do jor na lis mo mi li tan te. p. Gramsci troca o trabalho nos periódicos socialistas Grido del Popolo e o Avanti pela direção da revista de cultura socialista L’Ordine Nuovo. or ga ni za ção e cul tu ra são cha ves nes se perío do de sua pro du ção in te lec tu al e da sua in ter ven ção po lí ti ca. Essas no vas ex pe riên ci as são de ter mi nan tes para a sua con cep ção de po lí ti ca e de cul tu ra. são exem plos de pro ble mas que per ma ne ce ram ao lon go da sua obra. p. com pre en di dos como par te do pro ces so de afirma ção po lí ti ca da clas se ope rá ria. ca bia a fun ção de ge rar or ga ni za ções. os ter mos dis ci pli na. essas questões foram revistas e ganharam novas dimensões teóricas. de mai or pen sa dor eu ro peu. mas sim uma vi são in te gral da vida. Logo. ibid. a cen tra li da de que as su me a ques tão da cul tu ra e da sua or ga ni za ção no in te ri or da luta pelo so ci a lis mo. O lema do Gri do del Po polo . uma cul tu ra que se ex pres sa va e se difun dia por suas or ga ni za ções. por exem plo. Nos anos de 1919 a 1922. cri ar as ba ses de uma cul tu ra au tô no ma. A orga ni za ção e a dis ci pli na per mi ti ri am ao mo vi men to so ci a lis ta apro pri ar-se da cul tu ra e. A cul tu ra. As or ga ni za ções so ci a lis tas. está en cer ra da a fase evan gé li ca da luta cul tu ral: “do ‘evan ge lho’ pre ci sa mos pas sar à crí ti ca e à re cons tru ção” (id. ele con ce bia a cul tu ra como o úni co bem uni ver sal. o Clube de Vida Moral pela organização da versão italiana do Proletkult soviético. par ti cu lar men te de ques tões que. as sim. Po rém. a sua or ga ni za ção e o seu pro ces so de difu são. 1954. To dos os jo vens de ve ri am ser igua is di an te da cul tu ra” (id. pró pria da fu tu ra cida de ope rária. po de-se ve ri fi car. no âmbito de uma nova experiência jornalística e organizativa. em ní veis dife ren tes de ela bo ra ção. p. O con ta to dire to com a or ga ni za ção e com as lu tas da clas se ope rá ria ita li a na não mo di fi cou a sua in ten ção de con fe rir cen tra li da de ao front cul tu ral na luta po lí ti ca. p. pas sou a ser con si de ra do como a ma i or fi gura da re a ção itali a na (id. ain da que o seu aces so es ti ves se res trin gi do na so ci e da de de clas ses.. per ma ne ce no L’Ordine Nu o vo.144-7). pois o jo vem sar do pres su pu nha que o soci a lis mo não era sim ples men te uma idéia. per ma ne ce ram du ran te toda a sua pro du ção in te lec tu al.. A es co la é um pri vi lé gio e nós [os so ci a lis tas] não que re mos que con ti nue as sim. devi am ocu par-se não so men te da ação po lítica. mas tam bém da ati vi da de cul tu ral (id. con ti nu i da des no seu per cur so in te lec tu al. Nes se pe río do.

p. 1972. os ope rá ri os dei xam de ser con si de ra dos como dis cí pu los. 1996. mu das se um pou co a sua pe da go gia.146) foi re fi na da no âm bi to de uma pers pec ti va que com pre en dia os ope rá ri os e os cam po ne ses não mais como pas si vos recep to res da cul tu ra. Grams ci (1954. 51-66. A aco lhi da de al gu mas te ses do fu tu ris mo – mo vi men to cul tu ral que es ta be le cia a ne ces si da de de se valo ri zar as no vas ten dên ci as so ci a is e cul tu ra is que se abri am di an te das no vas con di ções de desen vol vi men to so ci al – foi de ter mi nan te nes sa re vi são do con cei to. amplia o concei to. de mane i ra a não re pro du zir o pa ter na lis mo de mu i tos mo vi men tos sur gi dos en tre os in te lec tu a is das clas ses al tas e mé dias que se di ri gi ram ao povo. os jo vens inte lec tu a is de i xam de ser os gui as. pro pos ta de di ver sas for mas pela fi lo so fia de Pla tão a Des car tes. jan.. mes mo da queles que não se edu ca ram no sen ti do tra di ci o nal do ter mo. Não se tra ta de uma re tó ri ca po pu lis ta. uma en tre vis ta do pro fes sor so ci a lis ta Anto nio La bri o la so bre a polí ti ca co lonial da Itá lia na Áfri ca na qual. se es ta be le ce ria a pos si bi li da de de um com pro mis so polí ti co en tre os que lu tam pelo socialismo. p. São Paulo. Essas inú me ras pas sa gens não sig ni fi cam uma con ces são ao di le tan tis mo ou uma des va lo ri za ção da cul tu ra sis te ma ti za da em fa vor de uma abs tra ta cul tu ra po pu lar. pró pri as do mun do do tra ba lho. a ree la bo ra ção de sua con cep ção de cul tu ra. em bo ra a crí ti ca ao cul to da tra di ção. do pe río do da ex pe riên cia peda gó gi ca na es co la de pre sos em Usti ca. sem re cu sar a idéia da cul tu ra como um bem uni ver sal. defron tam-se com pro ble mas re a is e pro du zem so lu ções prá ti cas. mas de uma re vi são do con cei to de cul tu ra que. sem pre. to - dos são in te lec tu a is.. te nha sido afir ma da de for ma vi go ro sa. Grams ci cita. que his to ri ca men te fo ram ex clu í das da con cep ção de cul tu ra. ao sen ti men ta lis mo e ao ro man tis mo. La bri o la res pon deu que o fa ria es cra vo e. alu nos. par ti cu lar men te a partir da con si de ra ção das di men sões uti li tá ri as e pro du ti vas da vida. p. 1. v. em bo ra nem to dos te nham tido as mes mas con di ções para ela bo rar com co e rên cia e logi ci da de as suas idéi as. de que os alu nos que ele en si na va na esco la eram se mi-analfabetos. so bre tu do. tais como to dos são fi ló so fos. ou aque la. É nes se novo pe río do da pro du ção grams ci a na que vis lum bra mos. de cima para ba i xo. con si de ran do a sua ca pa ci da de de pen sar. 1999 59 . as lei tu ras de Mar co Au ré lio são “la te ra li za das” e./jun. Tra tan do o ho mem como ho mem e não como cri an ça.28). mas de no tam a sua in ten ção de valo ri zar o conhe ci men to e a en ge nho si da de dos ho mens. n. com os seus des cen den tes. A va lo ri za ção da cul tu ra hu ma nis ta não ce deu. vári as ve zes. À po sição de que to dos já são cul tos. Essa no ção que si na li za para uma con di ção – se não de igual da de. Os con ce i tos de cul tu ra e de ho mem culto pre ci sa ri am ser re vis tos. mas de po ten ci al igual da de di an te do conhe ci men to – não se es go ta na idéia de uma na tu re za ou de uma es sên cia hu ma na ra ci o nal. ca rac te rís ti cos da cul tu ra ita li a na oito cen tis ta. con fron tam-se com a na tu re za e a so ci e da de. de for ma ní ti da. mas sim como crí ti cos e produ to res de co nhe ci men to. pro du zi das em con tex tos di fe ren tes e com diver sos níveis de ela bo ra ção. A idéia de um fu tu ro ba se a do em uma nova no ção cul tural que re co nhe ce no pas sa - Educação e Pesquisa. nos seus es cri tos. como um ho mem”. para os vá ri os se to res po pu la res. 25. A em ble má ti ca afir ma ção em 1916 de que to dos já são cul tos (id. p. so mam-se ou tras idéias. To dos são cultos por que par ti ci pam da vida.Nes se pe río do. in da ga do so bre como edu ca ria um abo rí gi ne papu a no. tal vez. mas in te lec tu al men te de sen vol vi dos (id. de tal for ma que a cul tu ra não re pre sen ta mais algo pro du zi do por um con jun to se le to de in te lec tu a is e de pen den te de deter mi na da ini ci a ti va po lí ti ca para ser dis tri bu í da.469) re to ma inú me ras ve zes essa idéia para di zer: “Então que re is que aque le que era até on tem um es cra vo se torne homem? Come çai a tra tá-lo.

porém. E fal ta a fé por que fal ta a cul tu ra”. Grams ci (1977. assim como se apre sen ta va entre al guns in te lec tu a is fu tu ris tas pró xi mos ao fascis mo. na ex pres são de Grams ci. Cultura e formação humana. gostaria de dis cutir a questão da cultura na sua expressão conceitual mais elaborada na obra gramsciana. de uma ci vi li za ção. Man zo ni. tão em voga nos nos sos deba tes con tem po râ ne os. Pi ran del lo. úni co pla no pos sí vel de ser im ple men ta do na sua con di ção de prin ci pal pre so polí ti co do re gi me fas cis ta. A ri gor. Grams ci deu con ti nu i da de à re fle xão que am plia o con cei to de cul tu ra. No pla no teó rico. da his tó ria. cons ti tu em o cen tro das aten ções grams ci a nas e. uni tá ria e na ci o nal men te di fun di da con cep ção da vida e do ho mem. mas sim como uma pos si bi li da de his tó ri ca que re que ria a afir ma ção de um fato po lí ti co. de certa mane i ra.do não a tra di ção. ime di a ta men te. da eco no mia. um dos úl ti mos es cri tos carce rá ri os. só pode sig ni fi car “uma co e ren te.2185) co me ça por re pro du zir uma idéia do fi ló so fo e his to ri a dor da li teratura ita li a na Fran ces co De Sanc tis: “Falta a fi bra por que fal ta a fé. é pos sível afirmar que a imen sa ma i o ria das no tas dos Qu a der ni dis cu tem. nes se sen ti do. as fun ções de do mí nio e de di re ção da so ci e da de in dus tri al. ou mes mo so bre o Re nas ci men to. Con tu do. ques tões cul tu ra is. isto é. o hu ma nis mo ou o fu tu ris mo. uma con du ta civil e in di vi du al”. a psi co lo gia da clas se ope rá ria. em con tras te com o an ti go hu ma nis mo renas cen tis ta. ou seja. ao inclu ir no seu in te ri or a ques tão do tra ba lho. 60 Carlos Eduardo VIEIRA. p. mu i to me nos. a questão da cultura e da sua organização se apresentaram e se desenvolveram no calor da intensa experiência política gramsciana. pois re co nhe ce ria toda a cul tu ra como um bem uni ver sal. pas so.. não sur ge no pen sa men to grams ci a no como um ro man tis mo às aves sas. ao mesmo tem po que pro mo ve a dis jun ção. uma re li gião la i ca. Essa nova vi são de cul tu ra de ter mi nou uma subs tan ti va mo di fi ca ção na sua con cep ção da táti ca e da es tra té gia do mo vi men to so ci a lis ta. Não se tra ta. .. um modo de vi ver. pró pri as do in dus tri a lis mo. mas sim o front que in clui to das as di men sões de um modo de vida. pois a cul tu ra não é mais o ter ce i ro front. dos pro ces sos téc ni cos e das fun ções pro du ti vas. isto é. um bem que to dos os ho mens de ve ri am usu fru ir livre men te. Dos to i evs ki. mas o es tí mu lo à inova ção e à cri a ção. de pen sar que as aná li ses so bre Dan te. O conceito de cultura nos Quaderni Procurei sinalizar no item anterior como. no âm bi to de sua te o ria polí ti ca. Em uma nota in ti tu la da Re tor no ao De Sanc tis. de um mo vi men to que fos se ca paz de trans for mar. uma clas se ope rá ria ca paz de diri gir. de um proje to de refor ma in te gral da so ci e da de. à aná li se do con cei to de cul tu ra em Grams ci. a partir de 1916. Con ti nua a nota as se ve ran do que cul tu ra. O ma lo gro do pro je to so ci a lis ta na Itá lia e a ascen são do fas cis mo não sig ni fi ca ram o aban do no do pro je to po lí ti co-cultural por par te de Grams ci. Logo. uma fi lo so fia que te nha se trans for ma do pre ci sa men te em cul tu ra. em re la ção à apro pri a ção pri va da da ri que za no âm bi to do ca pi ta lis mo. Nesse momento. ao lado do po lí ti co e do eco nô mi co. isto é. Goet he. a im ple men ta ção des se pro je to depen dia de uma ação po lí ti ca na sua mais pro fun da ra di ca li da de. es cri ta em me a dos de 1934. a partir do significado que o conceito assumiu no interior dos Quaderni. que as suas idéi as repre sen tem uma re du ção da po lí ti ca. ob vi a men te. O so ci a lis mo pro du zi ria cul tu ral men te o que Grams ci de no mi nou de mo der no hu ma nis mo. a uma es pé cie de cul tu ra lis mo. para evi tar as impre ci sões con ce i tu a is. ou seja. de forma autô no ma e ori gi nal. in clu i ria na sua acepção da cul tu ra a ques tão das mo der nas téc ni cas pro du ti vas e dos pro ces sos de pro du ção pró pri os do mun do mo der no ina u gu ra do pela in dús tria. que tenha gera do uma ética.

em uma das úl ti mas no tas dos seus es cri tos car ce rá ri os. o papel do hu ma nis mo. so bre tu do.2350). de mons tra o vi gor desse mo vi men to de re no va ção cul tu ral. Ma qui a vel foi o pen sa dor que se mo veu na con tra-ofensiva da situ a ção po lí ti ca ge ra da no Re nas ci men to. jan. Os dois sig ni fi ca dos do ter mo em Grams ci não cons ti tu em ino va ções do pon to de vis ta semi o ló gi co. p. ibid. 51-66. A meu ver. p. mo vi men to sur gi do na Itá lia en tre os anos de 1300 e 1600 e que teve no Re nas ci men to o seu apo geu. tal vez a mais ela bo ra da. Con tu do. regres si va. esse mo vi men to de re no va ção cul tu ral não ge rou. acom pa nhan do o de sen vol vi men to do con cei to de cul tu ra nos Qu a der ni . está de mons tra do na pas sa gem do Re nas ci men to à Con tra-Reforma. Grams ci pro duz uma aná li se his tó ri ca ao mes mo tem po que con duz uma crí ti ca po lí ti ca à posi ção eli tis ta do pro je to cultu ral que con ti nha aspec tos abso lu ta men te ino va do res.. ape sar dos es forços de ho mens como Ma qui a vel. O de sen vol vi men to da arte. nes se perío do. na Itá lia signi fi cou o flo res ci men to de uma in te lec tu a li da de cos mo po li ta que jama is se vin cu lou às mas sas ita li a nas que es ta vam. São Paulo. cul mi nan do na for ma ção dos Esta dos na ci o na is. A refe rên cia à cultu ra gre co-romana no Re nas ci men to é. p. 25. parti cu lar men te na Tos ca na. O se gun do aspec to que gos ta ria de des ta car não pode ser com pre en di do em termos es tri ta men te se mi o ló gi cos. em segun do lugar.. p. A bur gue sia ita li a na não foi ca paz de ul tra pas sar a sua fase cor po ra ti va e tor nar-se uma clas se poli ti ca men te au tô no ma (id.652). cul tu ra signi fi ca um modo de vi ver que se pro duz e se re pro duz por meio de um pro je to de forma ção.Po de mos ve ri fi car nes sa nota e. O Re nas ci men to fi cou restri to a um mo vi men to ar tís ti co. de pen sar e de sen tir a re a li da de por par te de uma ci vi li za ção e. nas inú meras no tas que dis cu tem a ques tão. pois ul tra pas sa a es tru tu ra for mal do ter mo para se in se rir no âm bi to de uma aná li se so bre o pa pel po lítico de de ter mi na dos mo vi men tos cul tu ra is na his tó ria ita li a na e eu ro péia. pro pon do uma po lí ti ca de apro xi ma ção com o povo. assi mi lou e desen vol veu o me lhor da clas se revo lu ci o ná ria que ha via sido sufocada politicamente” (id. Esse é o ca rá ter rea ci o ná rio do hu ma nis mo ita li a no que pos si bi li tou a reab sor ção do mo vi men to nos mar cos da po lí ti ca vati ca na me di e val e im pe ri al (id. Em es pe ci al. 1999 61 .. no uso grams ci a no do termo. a forma par ti cu lar des se perío do de ex pres sar a nova con cep ção de mun do que se opu nha à con cep ção re li gi o sa e me di e val de vida. A segun da triun fa e isto. No ide al de for ma ção hu ma nis ta – em vir tu de da dis tân cia en tre os inte lec tu a is e aque les que se ocu pa vam imedi a ta men te com Educação e Pesquisa. o que po de mos desta car inici al men te. as pa la vras pa i déia e hu ma ni tas as su mi am es sas sig ni fi ca ções... v. O mo vi men to que se mos trou pro gres sis ta na Eu ro pa. na qual o hu ma nis mo e o Re nas ci men to são con si de ra dos na his tó ria ita li a na como “re a ci o nári os do pon to de vista na ci o nal-popular e pro gres sis tas como ex pres sões do de sen vol vi men to cul tu ral dos gru pos in te lec tu a is ita li a nos” (id. naci o na li zan do-se. pro mo ven do uma res ta u ra ção que. des ta ca do do povo e da na ção. ibid. Isto per mi tiu a absor ção do hu ma nis mo no in te ri or do pro je to va ti ca no. p. pois. já en tre os gre gos e os la ti nos. uma re no va ção no pla no polí ti co e ide o ló gi co. ibid. na Itá lia. ou seja. foi in ca paz de se di ri gir ao povo. “como toda res ta u ra ção.648). na Itá lia. A te má ti ca foi re to ma da a par tir de di fe ren tes ângu los nos Qu a der ni e teve uma ver são. é con ce bi da como pro je to de for ma ção do in di ví duo./jun. é a com pre en são uni tária dos dois sig ni fi ca dos. mas.. 1.1829). se gun do Grams ci.. n. as sim como as mo nar qui as da Fran ça e da Espa nha es ta vam pro mo ven do. No Re nas ci men to ha via duas for ças so ciais em con flito: uma pro gres sis ta e ou tra re a ci o ná ria.. a pre o cu pa ção de Grams ci em afir mar o con cei to em duas di re ções: de um lado. se gun do Grams ci. a cul tu ra sig nifica o modo de vi ver. como ide al edu ca ti vo a ser trans mi ti do para as no vas gera ções. ibid.

prá ti cas e de ter mi na ções. À luz do seu histo ri cis mo. as di ver sas so ci e da des que pro du zem os ho ri zon tes cul tu ra is de for ma ção do in di ví duo em soci e da de. a cul tu ra. con fi gu ra vam o ide al de for ma ção. his to ri ca men te. a luta cul tu ral que. particularmente sobre a formação da intelectualidade meridional ligada à estrutura agrária da península.. con cebia que a ra zão da sua mi sé ria era a exis tência des sa aris to cra cia in dus tri al que in clu ía ope rá ri os e in dus tri a is sem dis tin ção. as necessidades e os limites de uma sociedade na qual o conceito e os conteúdos da cultura refletiam as enormes diferenciações sociais. a reli gião. na qual o tra ba lho e a vida in te lec tu al eram con si de ra dos co i sas abso lu ta men te distin tas. a ação des sa variá vel im por tan te deve ser com pre en di da no in te ri or de um pro ces so mais com ple xo de afirma ção de um de ter mi na do modo de vida. de for ma es que má ti ca. não se re duz a um em bate en tre do mi nan tes e do mi na dos. o tra ba lho. 62 Carlos Eduardo VIEIRA. particularmente a diferenciação no que tange às funções produtivas. que su pu nha uma de ter mi na da for ma de pro du zir e de dis tri bu ir a ri que za so ci al cri a da pelo tra ba lho. as hu ma ni da des em sen ti do am plo. O la tim. Para Grams ci. A cul tu ra de uma épo ca é o re sul ta do do em ba te e da in te ra ção das con cep ções de mun do. não in clu íam ne nhum con ta to com o uni ver so dos co nhe ci men tos que per pas sam o mun do ime di a to da produ ção e do tra ba lho pro du ti vo. astronomia e da música. de 1926. pe las suas am bi ções. já que es te ve sem pre rela ti va men te ar ti cu la da às ca rac te rís ti cas de um de ter mi na do modo de vi ver. a clas se so ci al. Nes sa rela ção en tre os in di ví du os e a so ci e da de. re du ci o nis ta do pró prio con cei to de es tru tu ra so ci al. As di fe ren tes po si ções ocu pa das na es tru tu ra eco nô mi ca da soci e da de deter mi nam re la ci o na men tos dife ren tes dos ho mens com a cul tu ra. Cultura e formação humana. é ne ces sá rio sem pre ter pre sen te que ho mens. Essa concepção permaneceu repercutindo sobre a formação das elites intelectuais italianas. lu tan do pe los seus pro je tos. A cul tu ra é com pos ta de múl ti plas am biên ci as: a fa mí lia. com a so ci e da de. Grams ci com pre en de que essa con cep ção de cul tu ra foi pro du zi da histo ri ca men te e teve o seu pa pel so ci al. é pre ci so cuidado para não com pre en der essa re la ção en tre a cul tu ra – modo de viver e pro ces so de for ma ção – e a es tru tu ra so ci al. en fim. na ex pres são de Grams ci. geometria. a es co la. dialética. ma te ri a li za da em uma rede de as so ci a ções. que in clui liber da de. enquan to esse era or gâ ni co a uma eta pa his tó ri ca. . de ter mi nan do uma di nâ mi ca so ci al per ma nen te e im pre vi sí vel nos seus re sul ta dos. gru pos e clas ses so ci a is se mo vi men tam nes sas es tru tu ras. os pre con ce i tos de toda ordem en tre as re giões ita li a nas são exem plos des sa dinâ mi ca so ci al que não se reduz à po si ção ocu pa da pe los ho mens na es tru tu ra eco nô mi ca da so ci e da de. Não obs tan te. O ideal desinteressado de erudição nas boas artes – fundado sobre os estudos da gramática. de sen vol ve-se a luta so ci al ou. retórica. Nos es cri tos so bre A Qu es tão Me ri di o nal. das ex pe riên ci as e das prá ti cas so ci a is que per pas sam es sas dife ren tes ambiên ci as cultu ra is.as fun ções pro du ti vas na so ci e da de – pre va le ceu o sen ti do con tem pla ti vo e desin te res sa do de cul tu ra.. pode e deve ser com pre en di da es tru tu ral men te. de tal for ma que o con cei to e os efe ti vos pro ces sos de for ma ção. com a na tu re za. Grams ci evi den cia que. A ri gor. o gre go. aritmética. ba se a dos no ide al do ho mem cul to. A ques tão que se abre na aná li se grams ci a na da cul tu ra é a ín ti ma re la ção en tre a cul tu ra e a es tru tu ra so ci al. proje tos. o cam po nês sar do se sen tia mais pró xi mo do pro pri e tá rio de terra que o ex plo ra va do que do ope rá rio se ten tri o nal. os mo vi men tos se pa ra tis tas. con tu do. O me ri di o na lis mo. a região. na ex pres são mais pro pri a men te grams ci a na. cons tran gi men to. a lín gua. nes sa pers pec ti va. os clássicos Trívio e Quadrívio – representou historicamente as possibilidades. con tu do.

so bre ma ne i ra. cer ta men te ele ino va radi cal men te. de tem pos em tem pos. mas sim como uma di nâ mi ca so ci al pro du zi da pela e na luta so ci al. uma nova uni da de con so li dou-se nos sé cu los XVIII e XIX: o ca pi ta lis mo. A nova uni dade oci den tal es ta be le ceu-se so bre três pi la res: “o es pí ri to crí ti co. so bre tu do. o es pí ri to cien tí fi co e o es pí ri to ca pi ta lis ta (talvez se ria me lhor dizer in dus tri al)” (id. Se con si de ra mos que Grams ci não ino va quan do com pre en de a cul tu ra como modo de vi ver e proces so de for ma ção do in di ví duo. uma are te abs tra ta. mas sim na estruturação de uma complexa rede de associações de cultura que permita um movimento promo cional do indivíduo. en fren tan do os ele men tos bi zar ros. Grams ci vê a cul tu ra den tro de uma es tru tu ra hie rar qui za da. No seu pri mei ro Ca der no. jan. es ta va sen do dis pu ta da. tornou mais com ple xa a vida so ci e tá ria. de tal ma ne i ra que o re gi o na lis mo. que não pode mais ser res ta be le ci da. ao não con si - de rar es sas duas di men sões no in te ri or de um ide al de vir tu de. ago ra não mais res tri ta ao oci den te. nos di fe ren tes graus de hi e rar qui za ção des sas ins ti tu i ções e na ques tão do aces so a es sas ins ti tu i ções. com uma eli te di ri gin do-a e. no con cei to e nos con te ú dos da cul tu ra que pre va le ce ram histo ri ca men te. a par tir do ad ven to do in dus tri a lis mo. O re sul ta do des sa luta pode ser ana li sa do. É in te res san te desta car como a pre o cu pa ção de evi den ci ar a ação dos vári os su jeitos so ci a is na his tó ria cul tu ral. 1./jun. como uma al ter na ti va a essa nova uni da de oci den tal. Grams ci ana lisa a cri se do Oci den te e sus ten ta que o ca to li cis mo me di e val re pre sen tou uma uni da de do ociden te que a Re for ma pôs em cri se.. 1999 63 . de cul tu ra. p. por dois pro je tos: o ca pi ta lis mo e o soci a lis mo. baseada em um compromisso político e em um austero empenho individual e social. 25. cer ta men te. A relação entre governantes e Educação e Pesquisa. seja das eli tes in te lec tu a is ou dos de ba i xo. A luta cul tu ral é. A questão a ser enfrentada pela prática política. ampli ou o mer ca do de tro cas e ge rou uma nova re la ção en tre o co nhe ci men to cien tí fi co e a pro du ção a par tir da tec no lo gia. em con tras te com o mun do me di e val e re nas cen tis ta. No âm bi to da or ga ni za ção da cul tu ra – con si de ran do os tipos de asso ci a ções e o diver sos ní veis de hi e rar qui za ção –. fun da men tal men te. ou seja: nos ti pos de ins ti tu i ções gera das. São Paulo. nas for mas como his to ri ca men te a cul tu ra se or ga ni zou. n. nos ho ri zon tes his tó ri cos grams ci a nos. é a ques tão da pro fun da mo di fi ca ção nos pro ces sos pro du ti vos. o tra ba lho pro du ti vo as su me uma po si ção de des ta que na con for ma ção do modo de vi ver e dos pro ces sos de for ma ção hu ma na.83). en tro ni zam um ide al abs tra to de cul tu ra po pu lar. Nes se novo ho ri zon te so ci al. não ocu pam mais a mes ma po sição que ocu pa vam nos pe río dos his tó ri cos ante ri o res. ibid. a famí lia. não está no fato de existir uma elite e uma alta cultura. a re li gião não es tejam su pri mi dos nes sa nova fase ina u gu ra da pela in dús tria. folcló ri cos.. uma luta con tra a pre do mi nân cia de am biên ci as atra sa das que atu am na for ma ção dos ho mens em so ci e da de. também. Grams ci afirma que o dado novo da cul tu ra mo der na. O indus tri a lis mo é uma nova for ma de pro du ção que su põe uma nova uni da de.A partir des sa com pre en são do pro ces so de for ma ção do in di ví duo nas vá rias am biên ci as so ci e tá ri as. v. Mas a igre ja é o fós sil de uma an ti ga uni da de. mági cos. não ge rou na obra grams ci a na con ces sões ao po pu lis mo e ao na ci o na lis mo ro mân ti co que. p. mas que. em es pe ci al da que les se to res das clas ses subal ter nas que his to ri ca men te não eram re co nhe ci dos como pro ta go nis tas da vida cul tu ral. mas. Após dois sé cu los de luta re li gi o sa. Gramsci nos fala de uma cultura da promoção. es tão sen do ge ra dos os pro du tos cul tu ra is e os proces sos de for ma ção. que per me i am o sen so-comum de gran des par ce las da po pu la ção. com os re cur sos da pes qui sa his tó ri ca. que de sen ca de ou no vas de man das so ci a is. A igre ja se apre sen ta como uma pos si bi li da de. 51-66. que. que de man da uma nova for ma de ci vi li da de. no âmbito de um projeto de reforma cultural profunda.

en fim. O grau de hierarquização das associações de cultura denota o quanto é complexa a vida cultural em um determinado período histórico.. um pro ces so de for ma ção que cor res pon de a um modo de vida que tem a sua afir ma ção so ci e tá ria na luta en tre os di ver sos pro je tos polí ti cos que vi sam à di re ção da soci e da de. no sen ti do con fe ri do por Grams ci. da pe que na po lí ti ca do dia-a-dia (id. se na eco no mia a ques tão fun da men tal é a te o ria do va lor. ibid. Com pre en der toda a am pli tu de des sa pers pec ti va da di re ção e da ação po lí ti ca. classes e indivíduos no interior desse sistema.1563). p. mas in telectualmente dirigente – e o povo-nação. são per pas sa dos por essa di nâ mi ca de luta en tre as di ver sas con cep ções de mun do. na pers pec ti va de criar for mas mais avan ça das de ci vi li da de. das ques tões vin cu la das à gran de polí ti ca. por meio dos pro ces sos de forma ção. ou seja. Além disso. a rigor. como ta re fa de uma van guar da so bre a mi li tân cia. o te a tro.. divul ga ção e edi to ra ção da que les pro du tos mais usu al men te con si de ra dos como obras cul turais. a mú sica. na fi lo so fia é a prá xis. bem como a amplitude das suas intervenções sociais são expressões do grau de desenvolvimento so cial. a nor ma ti za ção ju rí di ca do tra ba lho. signi fi ca in ter vir so bre a am biên cia cultu ral. literárias e filosóficas. o ci ne ma. Fa zer polí ti ca. tudo que per pas sa o mun do da pro du ção. O compromisso político entre os que dirigem e os que controlam os dirigentes se produzirá no in terior desse sistema de organizações. tais como as mo da li da des de união ci vil. pri me i ra men te. os vários níveis da estrutura escolar. que deverá estar sintonizado com o objetivo de elevação in telectual do conjunto da sociedade e de identificação e promoção daqueles que se mostrarem mais aptos para as funções de dirigentes e de or ganizadores da cultura. no qual seja pos sível ob ter o seu con sen ti men to ati vo para a re a li za ção de de ter mi na dos fins. a re la ção en tre o tra ba lha dor e as rela ções de pro du ção. o con su mo. Até mes mo aque les as pec tos con si de ra dos como de foro ín ti mo do in di ví duo. A luta ocor re em to dos os do mí ni os da cul tu ra. tais como a téc ni ca de pro du ção.governados permanece. mas. Conclusões Con cluo esse ar ti go reto man do os dois sig ni fi ca dos do ter mo cul tu ra tra ta dos an te ri or men te. Os tipos de revistas e jornais. bem como a correlação de forças estabelecida em cada momento da luta social. Grams ci pen sa a ques tão da for ma ção do indi ví duo como uma fun ção es tra té gi ca da po lí ti ca. ago ra. permitem a visualização da na tureza dos conflitos que ocorrem entre os dife rentes grupos. ou seja. os ins tru men tos de tra ba lho. Tra ta-se. sig nifica educar o ho mem den tro de um con for mis mo posi ti vo e propos to. a re la ção en tre a ciên cia e a tec no lo gia. Para Grams ci. criar as con di ções para a assun ção de deter mi na dos prin cí pi os de civi li da de que se tor nem regra de con du ta. como res pon sa bi li da de dos mais ve lhos peran te os mais jo vens. depen de. como par te da im ple men ta ção do pro je to de uma clas se na pers pec ti va de se fa zer he ge mô ni ca. mas nos marcos de um compromisso político entre a elite governante – que não é economicamente dominante. aque les es tri ta men te éti cos e com por ta men ta is. Cultura e formação humana. tais como a li te ra tu ra.. a re la ção en tre a von tade hu ma na e as re la ções 64 Carlos Eduardo VIEIRA. àque las prá ti cas e te o ri as que es tão vincu la das mais ime di a ta men te às for mas de pro du zir. as características e o nível de homogeneidade ideológica dos partidos políticos.. de uma per cep ção am pliada da po lí ti ca que a si tue para além da que las ações que tri vi al men te se cos tu mam clas si fi car como prá ti cas po lí ti cas. isto é. . a quantidade de aca demias científicas. o tempo de di ca do à pro du ção. à fun da ção de no vos Esta dos e não das con ver sas de cor re dor. a se xu a li da de. no sen ti do mais pro pri a men te grams ci a no. no âm bi to da pro du ção. das in tri gas parla men ta res. além das suas tira gens. mes mo que isto repre sen te toda uma gama de sa cri fí ci os.

Cri ti ca Mar xis ta. La cit tà fu tura . Pa o lo et al. Gi useppe Lom bar do. Anto nio. So ci e tà in dustriale e for mazione umana nel pen siero di Grams ci.. VIEIRA. 1987. Tu rin: Ei naudi. Turim: Viglon go.. RADICE. Fi ren ze: La Nu o va Italia. 25.materiais que cons ti tu em a es tru tu ra pro du ti va da so ci e da de. 1992. ibid. La forma zi o ne dell’uomo: scrit ti di pe da go gia. 1972. Gi u sep pe. Brescia: La Scu ola. 1992. 5. NOSELLA. BROCCOLI. Anto nio Grams ci 1926-1937: la linea d’ombra dei rapporti con il comin tern e il parti to. Bragança Pa ulista: Edusf. Scrit ti gi ovanili (1914-1918). o am bi en te so ci al em geral” (id.ed. BORDIGA. Il pensi e ro pedagogico dell’idealismo : anto lo gia dagli scritti di Genti le. ________. Paler mo: Sel le rio. O princí pio educa ti vo em Grams ci. RA GAZ ZI NI. 1967. Ange lo. Be ne det to. 1953. 1958. 51-66.). Roma: Isti tuto Grams ci. Car los Edu ar do. a questão de mocrática e a esquer da no Bra sil. o de ter mi nan te é a re la ção en tre o Estado e a so ci e da de civil. Roma: Riu ni ti. Te o ría e histo ria de la historiografía. O his to ri cis mo grams ci a no e a pesqui sa em educa ção. Quaderni del car cere. na po lítica. jan. p.. _______. Grams ci e os educadores bra si le i ros: um balan ço crí ti co.23. Qual compro mis so po lítico?. v. In: ROSSI. São Pau lo. _______. BOBBIO.). MANACORDA. La construzione del Parti to Comu nis ta (1923-1926). 1999 65 . _______. Mar co Auré lio. Antonio Grams ci e l’educazione come ege monia.129-52. Rio de Ja neiro: Paz e Terra. _______. p. São Paulo: Brasi li en se./jun. 1954. 1990. Roma: Ri u ni ti. Grams ci e a Améri ca La ti na. 1996. L’ordine nu ovo (1919-1920). isto Referências Bibliográficas é. Ma rio. _______. n. p. p. Educação e Pesquisa. 1975. Mi lano: Il Saggi a to re. A escola de Gramsci. Con selhos de fábri ca. 1994. To rino: Eina u di. Bu enos Ai res: Imán. NOGUEIRA. a in ter ven ção do “Estado (von tade cen tra li za da) para edu car o edu ca dor. 1. _______. 1950. 2000 pa gine di Grams ci. Marco Aurélio (orgs. Turin: Ei naudi. 23-42. Grams ci e la cul tu ra con tem po ra nea. 1978.868). Pa o lo. Dall’ in dividuale al so ci a le. Dis sertação (Mestra do) – Pon ti fí cia Universidade Cató li ca de São Paulo. 1977. Saggi su Grams ci . Car los Nel son. Porto Ale gre: Artes Mé dicas. 1964. Pietro (org. Porto Ale gre: Artes Mé dicas. 1981. 1990. São Paulo. Mi lano: Feltri nel li. Ama deo. 1972. In: COUTINHO. Roma: Ri u ni ti. Il fon da men to teorico del lo sto ricismo grams ci a no. CROCE. [fac-simile] _______. Grams ci. 1998. 1976. _______. BADALONI. 1988. _______. Nor ber to. GRAMSCI. n. Lettere dal car ce re. Da rio. VACCA. NOGUEIRA. In: NOSELLA. Nico la. Turin: Ei naudi.

Cu ritiba. 1999 66 Carlos Eduardo VIEIRA. São Paulo: Paz e Terra. 1999.. Ray mond. abr. 1996. _____. p. Recebido em 01 maio 1999 Apro va do em 22 jul. O his to ri cis mo de Be nedetto Croce. . Tese (Dou to ra do) – Pon ti fí cia Univer si da de Ca tólica de São Pau lo.7-22.. WILLIAMS. São Pau lo. n. Re vis ta de Filo so fia. Cultura e formação humana. His to ri cis mo. 10._____. cultu ra e formação hu mana no pensa men to de Antonio Grams ci. Cul tu ra. 1992.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful