®r… Rāmānanda Samvada EM BUSCA DA META FINAL DA VIDA

®r… Rāmānanda Samvada EM BUSCA DA META FINAL DA VIDA Por Sua Divina Graça A. C. Bhaktivedānta Swāmi Prabhupāda

Introdução "Em Busca da Meta Final da Vida" foi escrito por ®rila A.C. Bhaktivedanta Swami Prabhupāda logo depois de ele ter entrado na ordem de vida renunciada, no outono de 1959. Naquela ocasião, ®r…la Prabhupāda estava vivendo em Vndāvana-dhāma e às vezes saía para praticar mādhukar…, que significa coletar um pouco de comida de porta em porta, como a abelha que coleta um pouco de pólem em cada flor. No entanto, ®r…la Prabhupāda costumava pedir que os chefes de família lhe dessem caneta e papel para os seus escritos, em vez de arroz, dahl e chapatis solicitados normalmente pelos sādhus que praticam mādhukar…. Era com esse material que ®r…la Prabhupāda preparava seus artigos e ensaios para a sua revista "Volta ao Supremo". Alguns dos seus manuscritos foram publicados na sua revista "Volta ao Supremo", outros foram editados como livretos, como o "Fácil Viagem Para Outros Planetas." Apesar de ser incapaz de publicar tudo aquilo que escrevia, ®r…la Prabhupāda continuou escrevendo e acumulou uma pilha de manuscritos. Infelizmente, alguns desses primeiros escritos de ®r…la Prabhupāda foram perdidos depois que ele deixou ®r… Vndāvanadhāma para dar início a sua campanha mundial para propagar a consciência de KŠa. Em 1977, na véspera da partida de ®r…la Prabhupāda para a morada eterna de ®r… ®r… Rādhā-KŠa, Swāmi B.G. Narasingha encontrou este manuscrito no fundo de um velho baú no templo de Rādhā-Dāmodara. A caligrafia foi facilmente identificada como sendo de ®r…la Prabhupāda. O manuscrito original tinha mais de duzentas páginas, mas infelizmente, perderam-se umas 40 páginas. Na medida do possível, os autores da publicação em língua inglesa fizeram o possível para apresentar as palavras de ®r…la Prabhupāda da maneira como foram escritas no original, apesar das deficiências que ®r…la Prabhupāda tinha com o inglês, tentaram manter preservado o humor encantador do autor. Os Tradutores

PraŠāmas, pelo Autor Em primeiro lugar, desejo oferecer essa obra aos pés de lótus de meu mestre espiritual, Oˆ ViŠu-pāda ®r… ®r…mad Bhaktisiddhānta Saraswati Goswām… Mahāraja, que abriu minha visão espiritual e erradicou a escuridão da ignorância com a sua poderosa mensagem do mundo transcendental. É apenas pela misericórdia de Sua Divina Graça que fui capaz de remover a calamidade impessoal. Ofereço as minhas mais sinceras reverências aos pés de lótus do Senhor dos Senhores, que é o protetor das almas rendidas. O Senhor Supremo está sempre ansioso em nos conceder a fortuna do amor puro por Deus, incontaminado dos processos desviantes de especulação seca fundamentada em conhecimento empírico ou do desejo insaciável de atividades fruitivas que só visam adquirir ganhos temporários. Ele é o líder supremo da corrente de sucessão discipular na linha de ®r…la šnanda T…rtha. Ele é adorado por ®r… ®r…man Adwaita Prabhu e ®r… ®r…man Haridāsa µhākura, que são encarnações do Mahā ViŠu e de Brahmā respectivamente. Ele libera os Seus devotos de todas as aflições, assim como faz com o brāhmaŠa Vāsudeva. Ele é o liberador de Sārvabhauma Bha˜˜ācārya e do rei Pratāparudra, que estavam sofrendo as dores da renúncia material e do desfrute, respectivamente. Ofereço as minhas mais sinceras reverências aos pés de lótus do Senhor dos Senhores que aceitou superficialmente a ordem de vida renunciada (sannyāsa) para tornar efetiva a maldição de um brāhmaŠa. Na condição de sannyās…, Ele deu início ao êxtase transcendental de amor espontâneo a Deus, como experimentado por ®r…mat… RādhārāŠ… em Seu desejo amoroso de se encontrar com ®r… KŠa. Em busca desse amor espontâneo a Deus, o Senhor abandonou a associação de Sua consorte eterna ®r… Lakim… ViŠupriyā Dev…, que era tão querida por Ele, e cuja misericórdia é buscada ardentemente por todos os verdadeiros devotos de Deus, e até pelos cidadãos do céu. O Senhor aceitou a ordem de vida renunciada de acordo

com o que havia sido profetizado pelo Mahābhārata, pelos Vedas e pelo ®r…madBhāgavatam para poder nos conceder a Sua misericórdia sem causa, pois estamos habituados ao falso desfrute de fama, glória, ao sexo oposto e à riqueza nesse mundo material.

Oferecemos este livro ao nosso querido mestre espiritual instrutor ®r…la Bhaktivedanta NārayāŠa Mahāraja e a todos os seguidores sinceros de ®r…la Prabhupāda que sempre nos inspiraram em publicar essas jóias devocionais para a satisfação de ®r… Guru, sādhu e āstra.
Os editores

Em busca da meta final da vida Enquanto viajava pelo Sul da Índia, o Senhor Caitanya Mahāprabhu chegou às margens do rio Godāvar…, onde encontrou-Se com ®r… Rāmānanda Rāya, um grande devoto de ®r… KŠa. O Senhor Caitanya expressou um grande desejo de ouvir sobre ®r… KŠa dos lábios de ®r… Rāmānanda Rāya e pediu que Rāmānanda recitasse um verso das escrituras reveladas relativo à meta final da vida. Rāmānanda respondeu:

sva-dharmācaraŠe viŠu-bhakti haya
"Se uma pessoa realiza o dever prescrito à sua posição social, ela desperta a sua consciência de KŠa original." Para dar suporte a essa declaração, Rāmānanda citou um verso do ViŠu PurāŠa (3.8.9):

varnāramācāravatā purueŠa paraƒ pumān viŠur ārādhyate panthā nānyat tad-doa-kāraŠam
"A Personalidade de Deus, o Senhor ViŠu, é adorado pela realização apropriada dos deveres prescritos no sistema de varŠa e ārama. Não há outra maneira de satisfazer a Personalidade de Deus. A pessoa deve estar situada na instituição dos quatro varŠas e āramas."

O VarŠarama é colocado em risco Ao ouvir essa declaração de Rāmānanda Rāya, o Senhor Caitanya replicou que o sistema de varŠārama-dharma é externo e, dessa maneira, não é aceitável. O Senhor também rejeitou a declaração de Rāmānanda porque o sistema de

varŠārama-dharma agora é arriscado devido a influência da atual era de Kali, a
era de desavenças e lutas. No Bhāgavad-g…tā, a Personalidade de Deus declara que o sistema

varŠārama é criado por Ele, apesar de Ele não fazer parte desse sistema. Como o
sistema varŠārama é uma criação da Personalidade de Deus, não é possível que fiquemos fora dele. No entanto, as atividades perniciosas das pessoas na era de Kali podem colocar esse sistema em risco. Usamos propositadamente as palavras "colocado em risco" porque todo o sistema varŠārama ainda existe, mas numa forma refletida. No sistema varŠārama de gerenciamento social, a meta da vida é alcançar o favor do Senhor ViŠu, a Personalidade de Deus todo-penetrante. Infelizmente, no momento atual, a meta da vida é deixar a todo-penetrante Personalidade de Deus insatisfeita e, dessa maneira, ficar perpetuamente sofrendo sob as leis da natureza material. A meta do sistema varŠārama é realizar pacificamente os deveres prescritos para a humanidade e, assim, alcançar o sucesso, o favorecimento do Senhor ViŠu. Mas, quando a meta da vida é a exploração desenfreada da natureza material, toda a vida é colocada em risco porque a espécie humana está lutando contra as leis da natureza. O arranjo da natureza é tão estrito que até mesmo uma discreta violação das leis da natureza pode provocar um grande dano ao ser humano condicionado. Os seres humanos devem sempre considerar que estão vivendo sob as estritas leis da natureza. E devem sempre se lembrar que seus planos de violar as leis naturais acabam provocando tremendas dificuldades. Lamentavelmente, os seres humanos, sob a influência ilusória da natureza material, desejam dominar as leis da natureza, e, por isso, ficam cada vez mais enredados na vida condicionada. Os seres humanos tolos não vêem o defeito do assim-chamado avanço do conhecimento. Os problemas mais difíceis da vida são nascimento, morte, velhice e doença. Esses quatro problemas são uma condição permanente para as almas condicionadas. Os

seres humanos desejam controlar as leis da natureza, mas o assim-chamado avanço científico do conhecimento não pode resolver esses problemas. O aumento contínuo da população mundial na proporção de três nascimentos a cada segundo confundiu o cérebro dos líderes da sociedade. Para resolver o problema do nascimento, eles desenvolveram planos maléficos de controle da natalidade em nome de planejamento familiar, no entanto esse problema ainda não foi resolvido. Pelas leis da natureza, a população está sempre aumentando, a despeito de todos os planos e esquemas dos cientistas. Como um todo, o problema do nascimento permanece sem solução.

A Bomba Atômica da Mãe Natureza Nenhum conhecimento científico da humanidade ainda resolveu o problema da morte. O avanço do conhecimento material pode simplesmente acelerar o problema de morrer: ninguém pode salvar uma pessoa das garras cruéis da morte. A descoberta da bomba atômica e outras invenções similares dos cérebros férteis dos cientistas simplesmente aumentaram o problema da morte. Os cientistas tolos não sabem que a bomba atômica é, na verdade, um esquema da Mãe Natureza que certamente matará a população demoníaca quando esta aumentar desproporcionalmente. Os economistas modernos acreditam nas leis da natureza e confirmam que o crescimento irrestrito da população humana acabará resultando em fome, pestilência, epidemias ou guerra. Portanto, o plano dos assim-chamados estados civilizados de matar seres humanos com bombas atômicas e de hidrogênio na verdade é um plano da Mãe Natureza para punir os tolos descrentes. Tudo é automaticamente executado pela Mãe Natureza logo que o ser humano viola suas leis. No entanto, a população tola, cheia de vaidade indevida, pensa que o plano é feito por ela. Para executar sua punição severa, Mãe Natureza

dita ao cérebro humano a habilidade para inventar a bomba atômica. Tolamente, os seres humanos desejam o crédito dessas invenções, que só se destinam à punição. Aprendemos esses fatos no Bhagavad-g…tā (3.27), onde se diz que tudo é feito por prakti, ou Mãe Natureza. Mas, a entidade viva tola, cheia de vaidade devido ao conhecimento, considera-se falsamente o Criador.

O problema permanece o mesmo Sem nos aprofundarmos nos detalhes do nascimento e morte em termos dos planos científicos modernos, poderemos dizer com segurança que esse problema permanece à sua proporção original. Nada foi feito para aumentar ou diminuir esse problema. O problema da velhice e doença também não está resolvido. Quanto mais invenções a ciência moderna faz, mais aumenta a proporção relativa da doença. Podemos concluir que nascimento, morte, velhice e doença são a soma total dos problemas da existência material e nunca poderão ser resolvidos por qualquer plano feito pelos seres humanos. Se um ser humano deseja resolver todos os problemas da existência material, deve aceitar o conselho do Senhor Supremo de que, só através da plena rendição a Ele, podemos nos salvar das condições punitivas das leis da natureza material

Castas pervertidas O sistema de varŠārama-dharma, como mencionado nas escrituras, visa alcançar o favor do Senhor ViŠu. Essa é a única solução para o problema do nascimento e da morte. O arriscado sistema de varŠārama-dharma produziu uma forma pervertida, normalmente conhecida como sistema de castas. O sistema de

castas agora é representado pelos diplomatas, os soldados, os capitalistas e os trabalhadores. Os políticos ou os melhores cérebros planejadores da raça humana assumiram a posição dos brāhmaŠas. Obviamente, o brāhmaŠa possui o melhor cérebro para resolver os problemas da humanidade, mas os políticos só estão usando a melhor parte dos seus cérebros para executar seus planos egoístas. Evitando as ordens do Senhor Supremo, eles só estão provocando desordens na sociedade. Os grupos militares são uma falsa representação dos katriyas, que se destinam a dar proteção ao grande público. No entanto, os líderes militares de cada país estão sugando o sangue das massas, impondo impostos pesados, insuportáveis, ao invés de darem qualquer proteção verdadeira. Os capitalistas, que representam os vaiyas, ao invés de acumular dinheiro para propiciar a vontade do Senhor ViŠu, acumulam uma fortuna enorme só para sua própria gratificação dos sentidos. Como resultado disso, inúmeros problemas, como polícias políticas que exploram as massas, estão se disseminando pelo mundo afora. Os trabalhadores são uma representação pervertida dos ™dras, que estão servindo aos capitalistas sob a pressão de inúmeras obrigações. Eles estão sempre se insurgindo para fazer um ajuste da situação trabalhista através de movimentos políticos. O sistema de varŠārama -dharma ainda não está no ostracismo como muitos desejam, mas o sistema todo agora está pervertido, com os políticos ocupando a posição dos brāhmaŠas; os militares na posição dos katriyas; os capitalistas na posição dos vaiyas e os trabalhadores comuns na posição dos

™dras. O sistema está todo pervertido com a atitude contrária às leis naturais
assumida pela humanidade. Isso está espoliando a atmosfera para o progresso pacífico da vida humana. No momento, o sistema de varŠārama-dharma pervertido não pode de maneira alguma satisfazer a Personalidade Suprema, ViŠu. Portanto, ninguém pode escapar da ação policial da Mãe Natureza, a despeito de quão perito possa ser na ciência material.

O verdadeiro VarŠarama O sistema

varŠārama,

criado

pela

Personalidade

de

Deus,

é

espiritualmente significativo porque quando todos os varŠas e aramas cooperam, a sociedade tem facilitada a liberação das garras de māyā, ou ilusão. Isso é feito por todos os varŠas e āramas para o desempenho do plano de Deus. O brāhmaŠa é considerado a boca do virāt-purua (o aspecto cósmico da Personalidade de Deus). Os katriyas são os braços, os vaiyas são o estômago e os ™dras são as pernas. O funcionamento da boca é reconhecido pelo som. Portanto, a função dos brāhmaŠas e dos sannyās…s é transmitir o som transcendental dos Vedas, para que cada ser humano possa saber o que é em relação ao Supremo. Pela transmissão do som transcendental, os seres humanos irão saber que, na natureza material, sua verdadeira identidade é superior a matéria. E, dessa maneira, irão conhecer o seu relacionamento eterno com o Supremo. Conhecendo isso, se dedicarão a desempenhar o plano de Deus, ao invés de servirem à energia ilusória, com a falsa noção de estarem se assenhorando dela. Seguir o plano de Deus ajudará a alma condicionada a se livrar das garras de māyā e entrar no reino de Deus para uma vida eterna de bem-aventurança e conhecimento. Toda a entidade viva nesse mundo material está desejando vida eterna, conhecimento e bem-aventurança, mas é iludida pela energia ilusória. O plano de Deus visa conceder, àqueles que chegaram à forma de vida humana, a oportunidade de se livrarem da existência material. Como os katriyas são os braços do virāt-puria, o seu dever é proteger o corpo inteiro e cooperar com a boca, com o estômago e com as pernas. O sistema de varŠārama é um plano espiritual de cooperação para o benefício mútuo e, portanto, é essencial que seja mantido com a sua dignidade original. Como ele está agora, ele anda pervertido e doente. Os brāhmaŠas se desligaram do corpo do virāt-purua porque não transmitem o som transcendental dos Vedas. A cabeça que é cortada do corpo

certamente não pode produzir nenhum som. Uma cabeça morta, apesar de ser chamada de brāhmaŠa, não tem nenhum valor como cabeça. Analogamente, aqueles brāhmaŠas que simplesmente declaram ser brāhmaŠas devido a um costume hereditário, também não têm valor como brāhmaŠas, porque não têm poder para funcionar como a boca de Deus. Da mesma maneira, todo aquele que falha em desempenhar o plano de Deus, como parte integrante do virāt-purua, deve ser considerado caído e desligado de sua posição. Essas partes separadas não têm valor como bocas, estômagos ou pernas.

VarŠa e šrama rejeitados
O Senhor Caitanya rejeitou a proposta de Rāmānanda, porque na era de Kali o varŠārama-dharma é tão degradado que nenhuma tentativa de restaurar sua posição original pode ser esperançosa. Ele também o rejeitou porque o

varŠārama-dharma não tem valor em relação ao serviço devocional puro.
A segunda consideração, e a mais importante, é que mesmo se o sistema

varŠārama for observado estritamente, ainda assim não pode nos ajudar a atingir
o plano mais elevado, que é o serviço transcendental à Suprema Personalidade de Deus. O virāt-purua é uma concepção material da Personalidade de Deus e é apenas o início da realização espiritual. A realização espiritual mais elevada é a atração pelo serviço devocional à Suprema Personalidade de Deus. Essa atração pelo serviço devocional é a única necessidade que a entidade viva tem e leva automaticamente ao sentimento de desapego por todas as outras atividades. A Personalidade de Deus é adorada através do serviço devocional puro e através dessa devoção Ele se torna disponível aos Seus devotos. O serviço devocional puro é produzido pelo cultivo do conhecimento puro e de atividades sob os princípios regulativos das escrituras. Dessa maneira, o sistema varŠārama é explicado em relação à devoção pura por Bhagavān Purua, a Personalidade de

Deus ®r… KŠa, que desceu a esse mundo material para a liberação de todas as almas caídas. O Bhāgavad-g…tā (18.45-46) declara:

sve sve karmaŠy abhirataƒ saˆsiddhiˆ labbjate naraƒ sva-karma-nirataƒ siddhiˆ yathā vindati tac chnu yataƒ pravttir bhātānāˆ yena sarvam idaˆ tatam sva-karmaŠā tam abhyarcya siddhiˆ vindati mānavaƒ
"Todo ser humano alcançará a meta mais elevada da vida simplesmente por adorar a Personalidade de Deus, de quem todas as entidades vivas vieram e de quem todo cosmo é gerado e novamente dissolvido."

Adoração ao Supremo através dos deveres prescritos é o início da vida devocional e todos os sábios como Ta‰ka, Dramia, Bhāruci, Bodhāyana, Guhadeva e Kapardi aprovaram esse sistema de progresso gradual. Todas as autoridades do passado fizeram seus comentários sobre os Vedas de acordo com esse princípio. As autoridades da seita de vaiŠavas Rāmānuja também confirmam isso: "A maneira mais fácil de se alcançar a Verdade Absoluta é o cultivo de conhecimento sobre a Verdade Absoluta, conforme o estabelecido pelas escrituras, enquanto se realiza simultaneamente o dever prescrito. Esse processo é quase que a realização direta do caminho do serviço devocional. A realização da Verdade Absoluta pela observância apropriada do sistema varŠārama não significa aceitar apenas a ordem renunciada da vida, sannyāsa, mas significa que todo mundo pode

alcançar a meta mais elevada através da realização do seu dever prescrito. A realização apropriada não significa necessariamente tomar sannyāsa." Depois de ser indagado pelo Senhor Caitanya, para definir o mais alto padrão de perfeição na vida humana, Rāmānanda Rāya assumiu a causa das pessoas comuns e sustentou a utilidade do varŠārama-dharma citando o ViŠu PurāŠa. Ele disse que a execução dos deveres de acordo com o varŠārama-dharma deve ser considerado como conducente à mais elevada perfeição da vida. No entanto, como o sistema varŠārama é um problema no mundo material na era de Kali, o Senhor Caitanya desejava distingui-lo das atividades devocionais, que, por natureza, são transcendentais. Levando em consideração a natureza transcendental do serviço devocional — a mais elevada perfeição da vida — o Senhor Caitanya declarou que o sistema de varŠārama-dharma é externo. O Senhor Caitanya desejava que os seres humanos fizessem um maior avanço no processo de realização espiritual, mais do que é possível com a execução de varŠārama-dharma. Apesar de a perspectiva do varŠārama-dharma ser satisfazer o todo-penetrante Senhor ViŠu, ele não menciona explicitamente o serviço devocional prestado diretamente à Personalidade de Deus. Sem se estar engajado especificamente no serviço devocional, até mesmo a realização apropriada do varŠārama-dharma pode nos conduzir a aceitar tanto o aspecto pessoal, quanto o aspecto impessoal do Supremo. A realização impessoal da Verdade Absoluta irá bloquear o progresso do serviço devocional. Portanto, o Senhor Caitanya não quis arriscar a vida humana nesse caminho e rejeitou o

varŠārama-dharma como sendo externo.
A rejeição de ®r… Caitanya Mahāprabhu da validade do varnārama-dharma indicado por Rāmānanda deve sugerir um processo de auto-realização mais elaborado.

O confuso Impersonalismo Seguindo a insinuação do Senhor Caitanya, Rāmānanda Rāya citou um verso do Bhagavad-g…ta (9.27) sobre o processo de dedicar todo o nosso karma (atividades fruitivas) a ®r… KŠa, a Personalidade de Deus.

uat karoi yad anāsi yaj juhoi dadāsi yat yat tapasyasi kaunteya yat kuruva mad-arpaŠam
"Ó filho de Kunt…, tudo o que você fizer, tudo o que comer, tudo o que você oferecer ou der, bem como todas as austeridades que você realizar, faça como uma oferenda a Mim." Dar e receber significa uma pessoa dando e outra pessoa recebendo. Esse aspecto distinto dos relacionamentos entre as entidades vivas e a Personalidade de Deus é uma concepção mais clara do relacionamento apropriado com a Verdade Absoluta do que aquele que é encontrado no varŠārama-dharma. A atual era de Kali é quase que completamente impregnada com a idéia do aspecto impessoal da Verdade Absoluta. A escola māyāvāda liderou a divulgação dessa idéia, com propaganda sistemática, desde o tempo de ®r…pād ®a‰karācārya. As pessoas de natureza demoníaca, que agora estão florescendo em todas as partes do mundo, têm saboreado essa confusa idéia mais por interesse pessoal do que com qualquer propósito espiritual. Devido as condições infecciosas da era de Kali, praticamente todas as pessoas materialistas do mundo são ateístas e imorais Na Kali-yuga predominam a conexão ilegítima com o sexo ilícito, matança de animais, intoxicação e jogos de azar. Os materialistas são quase todos notórios por todos esses tipos de trabalhos

nefastos, a despeito da assim-chamada educação e conhecimento. Na linguagem do Bhagavad-g…ta eles são duktina, qualificados de maneira errada. Quando as atividades dos seres humanos estão voltadas para a auto-realização, elas estão na direção certa. Atividade errada quer dizer se enredar cada vez mais nas condições da natureza material. Kti significa aquele que é qualificado e du significa a maneira errada. Portanto, a palavra composta duktina significa aquele que está qualificado na maneira errada.

Educado significa ateísta

A educação material avançada produz inúmeros graduados, pósgraduados, professores e outras assim-chamadas pessoas iluminadas, mas a maioria delas está sendo educada erroneamente. O resultado é que quanto mais elas são educadas, mais elas se tornam ateístas e imorais. Além do mais, as pessoas assim educadas praticamente não têm fé nas injunções das escrituras, não têm respeito pelos sábios auto-realizados que deixaram atrás de si inúmeras obras literárias valiosas, que são consideradas a caixa-forte da cultura espiritual. Para desviar ainda mais essas pessoas educadas erroneamente, os pāaŠ…s, ou ateístas disfarçados de instrutores espirituais, os encorajam no método errado de vida. Isso já havia sido previsto no ®r…mad-Bhāgavatam (12.4.43-44). ®ukadeva Gosvām… se dirigiu ao rei Par…k…t: "Ó meu rei, na era de Kali, quase todas as pessoas que estão destinadas a morrer não adoram a Absoluta Personalidade de Deus, que é o Senhor do universo e que é obedecido respeitosamente por todos os semideuses como Brahmā, Mahādeva, Indra e outros. Infelizmente, as pessoas da era de Kali adoram pāaŠ…s, que interpretam erroneamente os ensinamentos dos Vedas com cultura ateísta. Essas pessoas, infectadas com as atividades pecaminosas da era de Kali, não adoram a Personalidade de Deus, cuja simples lembrança do santo nome — até por uma pessoa moribunda, uma pessoa em

perigo ou uma pessoa caindo — pode livrá-las de todo sofrimento e pecado e leválas à meta mais elevada da vida." Os pāaŠ…s tiveram muito sucesso em direcionar erroneamente as assimchamadas pessoas iluminadas da Kali-yuga. Eles produziram ou manufaturam inúmeros avatāras, ou encarnações de Deus, à sua escolha e sem qualquer referências dos āstras (escrituras) e propagam a idéia falsa de uma liberação impessoal como sendo a meta mais elevada da existência.

®a‰kara perplexo

Esses impersonalistas da era atual se declaram seguidores de ®r…pād ®a‰karācārya, mas mesmo se ®a‰karācārya aparecesse agora, iria ficar perplexo ao ver os seus seguidores. Na verdade, esses impersonalistas são todos ateístas e materialistas. Eles não têm mais nada a ver com a verdadeira escola brahmavāda de ®a‰kara, ou com a bhāgavata samprādaya representada pelos ācāryas vaiŠavas. A concepção impessoal da Verdade Absoluta, como proposta pela escola

brahmavāda, tropeça logo no primeiro passo rumo ao avanço espiritual. O
conceito impersonalista de brahmavāda de ®a‰karācārya teve algum significado porque ele enfatizou a renúncia às atividades materiais. O seu exemplo ideal de renúncia, como ele praticou e ensinou pessoalmente, teve um grande significado para as pessoas demoníacas da era de Kali, mas os impersonalistas da atualidade não seguem Sa‰karācārya nem os āstras. No entanto, eles pregam algo que não apenas é absurdo sob todos os aspectos espirituais, como também incentiva o desfrute material, que eles tentam encobrir com vestes rubras e renúncia. Esses supostos seguidores de ®r…pād Sa‰karācārya são condenados pelo próprio Sa‰karācārya, porque vestiram-se de rubro apenas para poder encher suas barrigas.

Os impersonalistas ateístas têm provocado um dano tremendo para o avanço espiritual em potencial das pessoas em geral. Portanto, os impersonalistas se tornaram o alvo principal de reforma para o pacífico movimento de sa‰k…rtana do Senhor Caitanya.

A Verdade Absoluta é Pessoal A Verdade Absoluta é, em última instância, uma pessoa que é suprema e todo-poderosa. Ele é chamado Puottama. O Brahman impessoal é a refulgência do Seu corpo e o Paramātmā localizado, ou Superalma, é a Sua parte plenária. Esse é o veredicto de todos os āstras, especialmente Bhagavad-g…ta, ®r…mad-Bhāgavatam e de todas as outras escrituras transcendentais desse gênero. Todo movimento de

sa‰k…rtana do Senhor Caitanya visa dar grande importância à Personalidade de
Deus e ao Seu serviço transcendental. Por isso, o Senhor Caitanya sempre considerou a concepção impessoal da Verdade Absoluta como um impedimento no caminho das atividades devocionais. Ele considerou o sistema de varŠārama-

dharma como sendo externo, porque mesmo se o varŠārama-dharma fosse
assumido apropriadamente, ainda assim não se poderia ter uma concepção clara da Personalidade de Deus. A sugestão de Rāmānanda, referindo-se ao verso do Bhagavad-g…ta que recomenda oferecer tudo a KŠa, avança definitivamente para a concepção da Personalidade de Deus, mas, ainda assim, a prática dessa concepção não é completamente transcendental. Dessa maneira, a concepção de varŠārama-

dharma muito dificilmente pode elevar o praticante à plataforma espiritual
transcendental. Portanto, o Senhor Caitanya considerou isso `externo' e rejeitou a concepção material da Personalidade de Deus.

Nenhuma idéia clara As pessoas grosseiramente materialistas não podem compreender como é possível abandonar os resultados do trabalho. É impossível para os materialistas grosseiros se separarem de suas posses, adquiridas através dos seus esforços pessoais. Esses materialistas grosseiros só podem obter a informação de que devem abandonar o resultado do seu trabalho para a Personalidade de Deus. Mas, como eles não têm uma idéia clara da Personalidade de Deus, ou do processo de como dar o resultado dos seus esforços para a Personalidade de Deus, para eles é muito difícil praticar essa concepção. Quando o Senhor Caitanya rejeitou a segunda sugestão — oferecer diretamente os frutos das nossas atividades para Deus, ainda que indiretamente através do sistema varŠārama — Rāmānanda, então, apresentou a terceira sugestão. Ele propôs que as pessoas comuns, que estão completamente dedicadas em agir para lucro e desfrute, incrementassem suas vidas abandonando o processo de continuar vivendo no mundo material oferecendo os frutos do trabalho a Deus. Para fundamentar essa idéia, Rāmānanda citou um loka do ®r…mad-Bhāgavatam (11.11.32):

ājñāyaivaˆ guŠān doān mayādi˜ān api svakān dharmān saˆtyajya yaƒ sarvān māˆ bhajet sa ca sattamaƒ
Nesse verso, a Personalidade de Deus diz: "Os deveres ocupacionais estão descritos nas escrituras religiosas. Se alguém analisá-los, poderá compreender suas qualidades e falhas e abandoná-los completamente para prestar-Me serviço. Uma pessoa assim é aceita como um santo da mais alta ordem."

Essa concepção está fundamentada no fato de que a aceitação do serviço devocional ao Supremo é, em suma, a etapa mais elevada da perfeição religiosa. Por realizar os deveres religiosos, se quisermos alcançar a devoção pura, poderemos ser considerados sādhus, ou santos de primeira classe.

Aceitar Sannyāsa Rāmānanda sugeriu que devemos abandonar as práticas que regem o sistema de varŠārama-dharma e aceitar sannyāsa. A aceitação de sannyāsa significa renunciar à vida materialista e, ao fazer isso, a pessoa deve se dedicar inteiramente ao serviço ao Supremo. Para sustentar essa idéia, Rāmānanda citou o verso que mencionamos do ®r…mad-Bhāgavatam. Ele também sustentou a sua sugestão com outro loka do Bhagavad-g…ta (18.66):

sarva-dharmān parityajya mām ekaˆ araŠaˆ vraja ahaˆ tvāˆ sarva-pāpebhyo mokayiyāmi mā ucaƒ
Aqui, a Personalidade de Deus deseja que todo mundo abandone as outras considerações religiosas e se dedique completa e exclusivamente a segui-lO. "Eu o protegerei de todas as dificuldades originárias da renúncia às outras atividades. Você não tem nada a temer."

Avançar mais Para os materialistas, um avanço na consciência pode ser tanto o desejo de se retirar das atividades materiais quanto o de permanecer num local onde não seja

perturbado pelos modos da natureza material. O rio Virajā é o limite externo do mundo material, onde não existe a perturbação provocada pelos modos da natureza. O mundo material é a criação da energia externa do Senhor Supremo e VaikuŠ˜ha, o mundo espiritual, é uma criação da energia interna do Senhor Supremo. O rio Virajā está situado entre o mundo material e o mundo espiritual, é a fronteira externa tanto do mundo material quanto do mundo espiritual. No entanto, a renúncia sem alguma dedicação positiva é imperfeita e não pode dar ao candidato o resultado desejado de amor a Deus. A meta do Senhor Caitanya é levar as pessoas ao mundo espiritual. Portanto, a sugestão de Rāmānanda, que não leva as pessoas para além da fronteira de VaikuŠ˜ha, também foi rejeitada pelo Senhor. Negar as atividades materiais, ou tornar-se desinteressado em atividades materiais não quer dizer obrigatoriamente aceitar atividades espirituais positivas. Atividades espirituais dependem completamente de compreensão espiritual. As pessoas que não têm realização do mundo espiritual não podem se sustentar ao abandonar todas as outras atividades. Elas devem ter alguma atividade transcendental positiva. De outra maneira, apenas negando as atividades materiais de religiosidade, não as ajudarão na realização espiritual. Esse tipo de renúncia simplesmente provocará um vazio em suas vidas e novamente elas acabarão sendo atraídas por atividades materiais devido a necessidade de verdadeiras atividades espirituais. Esse tipo de realização espiritual é outro tipo de concepção impessoal e, portanto, acaba não sendo adequada para o devoto precavido.

Devoção mista Rāmānanda, tendo realizado o desejo do Senhor Caitanya, então sugeriu um processo mais incrementado, denominado `devoção calculada' (jñāna-mira-

bhakti). Dirigido por um sentimento falso de unidade com a Verdade Absoluta, o

filósofo empírico tenta fazer um estudo analítico da situação cósmica para encontrar a Verdade Absoluta. Quando procede dessa maneira ele fica animado com sua auto-realização. Os sintomas da realização perfeita da Verdade Absoluta, que promovem a pessoa ao estágio do serviço devocional puro à Personalidade de Deus, são descritos no Bhagavad-g…tā (18.54). Isso foi citado por Rāmānanda como um incremento à sugestão de renúncia ao karma:

brahma-bh™taƒ prasannātmā na ocati na kā‰kati samaƒ sarveu bh™teu mad-bhaktiˆ labhate parām
"O praticante que realizou a Verdade Absoluta como o Brahman indiferenciado não se lamenta por nenhuma perda material, nem tem o desejo de nenhum ganho material. Ele é imparcial diante de todos os objetos do mundo material e essa condição o torna apto a ser promovido para o serviço devocional puro ao Senhor Supremo." No entanto, o estado de consciência de brahma-bh™ta também não é um estado completamente transcendental de existência espiritual. A consciência supramental, como a que existe no reino espiritual de VaikuŠ˜ha, é algo mais desenvolvido. O estado brahma-bh™ta de consciência é indubitavelmente livre da consciência material grosseira e apesar de tanger a Verdade Absoluta, indicando um sentimento transcendental, essa não é a verdadeira posição transcendental para a realização de atividades em VaikuŠ˜ha. Portanto, ela também é externa. O Senhor Caitanya deseja que a entidade viva fique livre de todo tipo de consciência material, incluindo a de se preocupar com conhecimento empírico e com atividades fruitivas. Devemos permanecer em consciência pura, pois até

mesmo uma insignificante mácula de consciência material provoca uma concepção impessoal da Verdade Absoluta. Em todos estes diferentes estágios de consciência material, apenas argumentos imaginários predominam sobre a Personalidade de Deus Absoluta. Os argumentos imaginários são esforços que prejudicam o serviço devocional puro ao Senhor Supremo, e que, portanto, até mesmo o estado de liberação, como o que acabamos de mencionar, é externo. Este estado de liberação é algo como o estágio de convalescência de uma doença. Se uma pessoa convalescente não toma as precauções necessárias, pode ter uma nova recaída da doença e pode prejudicar toda a tentativa de recuperação. No estado de liberação brahma-bh™ta, a pessoa ainda não obteve um local de repouso aos pés de lótus da Personalidade de Deus. Portanto, ainda está numa fase insustentável e corre o risco da cair novamente em atividades materiais. Sendo assim, isso é externo e essa quarta sugestão de Rāmānanda também foi rejeitada pelo Senhor Caitanya.

Devoção livre de conhecimento Rāmānanda então sugeriu o início do serviço devocional puro sem a contaminação de conhecimento empírico ou atividades fruitivas. Para sustentar essa sugestão, Rāmānanda citou uma declaração de Brahmā durante suas preces de arrependimento diante de ®r… KŠa, a Personalidade de Deus:

jñāne prayāsam udapāsyanamanta eva j…vanti san-mukharitāˆ bhavad…ya-vārtām stāne stitāƒ ruti-gatāˆ tanu-vā‰-manobhir ye prāyao `jita jito `py asi tais tri-lokyām

"Ó meu Senhor! Aqueles devotos que abandonaram completamente a tentativa de se tornarem idênticos a Você pelo cultivo de conhecimento empírico e que simplesmente tentam ouvir sobre Suas glórias da boca de santos autorealizados, e que vivem uma vida virtuosa, podem alcançar facilmente o Seu favor, apesar de Você ser inconquistável por qualquer um nesses três mundos." (±B 10.14.3)

Esse estágio de cultivo de serviço devocional direto foi aceito pelo Senhor Caitanya. Todos os estágios, descritos anteriormente para se cultivar a realização espiritual, foram rejeitados pelo Senhor Caitanya com muita lógica. No entanto, o Senhor aceitou o método universal de ouvir as glórias da Personalidade de Deus em todas as circunstâncias quando proferidas por almas auto-realizadas e que devemos abandonar a tentativa de nos tornarmos idênticos a Deus. O veneno da tentativa de nos tornarmos idênticos ao Supremo mata o núcleo do serviço devocional. Quem quer que deseje realmente se dedicar ao serviço devocional amoroso transcendental ao Supremo, deve abandonar essa idéia definitivamente. No Caitanya-caritāmta, está dito que a idéia de se tornar idêntico ao Supremo é o tipo mais ousado de pretensão e até mesmo a menor evolução dessa idéia eliminará completamente o prospecto de serviço devocional. Esse é o equívoco mais perigoso na vida espiritual e devemos abandonar logo essa idéia.

Ouvir de almas auto-realizadas Uma entidade viva pura, sendo sempre servil ao Todo-poderoso Senhor Supremo ®r… KŠa, deve ouvir com respeito e reverência o som transcendental emanado da boca de uma alma auto-realizada descrevendo as glórias da Personalidade de Deus. Apenas uma alma auto-realizada pode produzir o efeito

poderoso do som transcendental. Os devotos devem viver uma vida honesta em todos os aspectos com seus corpos, mentes e palavras. Esses são os métodos simples de cultivo da realização espiritual até o seu ponto mais elevado. O Senhor Caitanya aprovou esse método simples para todas as classes de pessoas, sem qualquer distinção de casta, credo, cor ou educação. A única qualificação essencial para a cultura espiritual é que os praticantes devem abandonar a idéia de se tornarem idênticos a Deus. Essa idéia de se tornar idêntico a Deus geralmente só é adquirida através do filosofar empírico, caso contrário todo ser humano sente naturalmente que Deus é maior e que ele está sempre numa posição servil a todos os desejos divinos. Até mesmo uma grande personalidade como o Mahātmā Gandhi sempre falou em termos de "Deus é grande." Gandhi costumava dizer: "Nenhuma folha de grama se move sem a sanção de Deus." Portanto, a idéia imaginária de se tornar idêntico a Deus é uma criação mental do filósofo empírico e é devida a sua vaidade. Caso contrário, a idéia não tem substância. A idéia de se tornar igual a Deus é artificial e uma pessoa de coração simples sempre é contra essa idéia. Rejeitar a idéia de ser igual a Deus é natural e ninguém tem que fazer uma tentativa especial para acabar com essa tolice. A qualificação seguinte é ser gentil e humilde quando ouvir de uma alma auto-realizada. O Bhagavad-g…tā é diretamente a mensagem transcendental de Deus e o devoto previdente deve receber essa mensagem com toda gentileza e humildade de uma alma auto-realizada. O método de receber a mensagem do Senhor Supremo, como mencionada no quarto capítulo do Bhagavad-g…tā, é ouvir da corrente de sucessão discipular. Lá está dito que esse sistema de realização espiritual foi primeiramente revelado a Vivasvām, o deus do sol, que a transmitiu para Manu, o pai da humanidade. Manu transmitiu para o seu filho Ikvāku. Pelo método transcendental de sucessão discipular, o sistema foi realizado por todos os rājasis, os reis santos. Infelizmente,

a corrente foi quebrada e a mensagem teve que ser novamente recebida, começando por Arjuna, o amigo e devoto de ®r… KŠa. A qualificação do aspirante a devoto para ouvir a mensagem transcendental não depende de nascimento, herança, educação, casta, credo, cor ou nacionalidade, mas irá depender da humildade e da felicidade de se encontrar a fonte apropriada para receber a mensagem transcendental. O mistério da mensagem, como mencionado no Bhagavad-g…tā, deve, portanto, ser compreendido em termos da realização de Arjuna e de ninguém mais. A realização de Arjuna também é mencionada no Bhagavad-g…tā e quem quer que fale na linha dessa realização deve ser considerada uma alma auto-realizada. A mensagem do Bhagavad-g…tā é para ser ouvida de uma alma auto-realizada e não de qualquer especulador de assuntos estéreis, que dê significados imaginários a ela. Uma tentativa incompetente de ouvi-la será simplesmente uma perda de tempo. O devoto deve sempre tomar cuidado para ter a certeza de quem fala e se essa pessoa está na linha da sucessão discipular transcendental denominada paramparā. A qualificação do devoto em potencial deve ser a de viver uma vida honesta com o seu corpo, mente e palavras, que só irá depender da misericórdia do Senhor Supremo.

O amor espontâneo pelo Senhor Supremo O estágio preliminar de cultivo do serviço devocional sem qualquer mácula de conhecimento especulativo foi aceito pelo Senhor Caitanya que, então, pediu a Rāmānanda Rāya que continuasse a desenvolver o tema do sentimento de serviço nos estágios cada vez mais elevados de amor ao Senhor Supremo até que chegasse ao estágio mais elevado. Então Rāmānanda respondeu que o progresso nessa linha terminará no serviço amoroso ao Senhor Supremo. Cada entidade viva tem, no coração, um amor eterno pelo Senhor Supremo. O cultivo espiritual é a tentativa de

reviver esse amor eterno adormecido até chegarmos ao estágio de espontaneidade. No início desse estágio é importante receber a mensagem transcendental da fonte apropriada — de uma alma auto-realizada. Depois de receber a mensagem transcendental, essa concepção tem que ser desenvolvida até o estágio espontâneo de amor ao Senhor Supremo. Rāmānanda descreve o processo com as seguintes palavras:

nānopacāra-kta-p™janam ārta-bandhoƒ premāiva bhakta-hdayaˆ sukha-vidrutaˆ syāt yāvat kud asti ja˜hate jara˜hā pipāsā tāvat sukhāya bhavato nanu bhakya-peye
"Enquanto o estômago estiver faminto, existe o prazer de comer e beber. Analogamente, enquanto o extático amor espontâneo pelo Senhor Supremo estiver presente na mente do devoto, a adoração ao Senhor Supremo com todo tipo de parafernália se torna a verdadeira causa da felicidade." (Padyāval… 13)

O significado dessa declaração é que a fome é a causa do prazer em comer. Analogamente, o amor espontâneo pelo Senhor Supremo é a causa de todo prazer de cultivo espiritual. ®r… Rāmānanda Rāya citou outro loka:

kŠa-bhakti-rasa-bhāvitā matiƒ kr…yatāˆ yadi kuto `pi labhyate tatra laulyam api m™lyam ekalaˆ janma-ko˜i-suktair na labhyate
"A inteligência para se alcançar o serviço amoroso ao Senhor Supremo pode ser adquirida onde quer que esteja disponível. O preço dessa aquisição é o desejo intenso para alcançar esse estágio da vida. Esse desejo intenso de prestar serviço

amoroso à Personalidade de Deus é muito, muito raro porque se desenvolve devido ao acúmulo de inúmeras atividades meritórias purificantes em milhões de vidas." (Padyavāl… 14)

O desejo de prestar serviço amoroso à Personalidade de Deus é um desejo de valor inconcebível e que leva à mais elevada perfeição espiritual. Ele é observado muito raramente no decorrer da vida. O Senhor Caitanya, sendo a encarnação mais magnânima da Personalidade de Deus, cheio de bondade e devido a Sua misericórdia sem causa para com as almas caídas dessa era de Kali, está pronto para conceder o mais elevado benefício da vida, através do simples método de ouvir e cantar as glórias da Personalidade de Deus. Esse é o início do método transcendental, que leva gradualmente ao estágio de amor espontâneo ao Senhor Supremo.

Dāsya-prema
Para desenvolver a concepção, o Senhor Caitanya pediu a Rāmānanda para ir adiante. E assim, Rāmānanda primeiramente sugeriu o serviço devocional chamado dāsya-prema, ou a doçura transcendental de servidão. E citou um verso do ®r…mad-Bhāgavatam, proferido por Durvāsā Muni quando, orgulhoso de pertencer à casta dos brāhmaŠas, invejava o devoto puro Mahārāja Ambar…a, um rei e chefe de família, da casta dos katriyas. Durvāsā Muni desejava criar uma situação difícil para Mahārāja Ambar…a usando seus podres místicos. Quando Ambar…a Mahārāja foi colocado numa situação difícil, a arma de disco do Senhor ViŠu, a sudarana cakra, apareceu para salvar Mahārāja Ambar…a e atacou Durvāsā devido ao seu ato maldoso de criar problemas a um vaiŠava devoto puro. Assim que Durvāsā estava sendo atacado pela sudarana cakra do Senhor ViŠu, ele se deu conta do equívoco de achar que

um devoto puro seria menos qualificado do que um místico como ele. No fim, Durvāsā foi perdoado por Mahārāja Ambar…a que era de natureza muito compassiva e que sempre perdoava todo mundo. Durvāsā Muni, ao se desfazer da sua falsa idéia de predomínio de casta, louvou a Personalidade de Deus e o Seu relacionamento doce com o Seu devoto puro. Ele disse: "Para um devoto puro da Personalidade de Deus nada é impossível porque simplesmente por ouvir o Seu nome transcendental, uma pessoa se purifica de todos os vícios." O significado é que se a pessoa pode se purificar de todos os pecados simplesmente por ouvir o santo nome do Senhor Supremo, o que seria impossível para o Seu servo que está se dedicando constantemente a Seu serviço? Durvāsā Muni reconheceu a supremacia de um servo do Senhor Supremo sobre qualquer tipo de yog…, para não dizer sobre um jñān… ou sobre um karm… (especulador filosófico ou trabalhador fruitivo). A bem-aventurança transcendental que é desfrutada por um servo da Personalidade de Deus foi descrita por ®r… Yāmunācārya: "Ó meu Senhor, quando sentirei que sou um servo Seu, confiável e absolutamente fervoroso e viverei sempre em felicidade transcendental por obedecer constantemente Suas ordens depois de me liberar completamente de todos os desejos de especulação mental?"

Sakhya-prema
O Senhor Caitanya ficou satisfeito com a explicação de Rāmānanda sobre a servidão transcendental à Personalidade de Deus e pediu a ele para continuar avançando. Rāmānanda, então, explicou serviço devocional amoroso espontâneo prestado como amigo da Personalidade de Deus. Isso se denomina sakhya-premā ou a rasa transcendental de amizade com a Personalidade de Deus. rāya kahe —

"sakhya-prema — sarva-sādhya-sāra" Sakhya-prema é superior a dāsya-prema no
seguinte aspecto: apesar de em dāsya-prema existir um relacionamento

transcendental com o Senhor Supremo, como um amo e um servo, ela inclui o sentimento de que "o Senhor Supremo é o meu amo." Portanto, em dāsya-prema há a consciência da grandeza da Personalidade de Deus e esse dāsya-prema está misturado com o sentimento de medo e reverência por Ele. Em sakhya-prema o sentimento de medo e reverência está ausente e prevalece um sentimento de igualdade que é um avanço sobre dāsya-prema. Há uma citação do ®r…mad-Bhāgavatam (10.12.11) sobre o tema de sakhya-prema que diz:

itthaˆ satāˆ brahma-sukhānubh™tyā dāsyaˆ gatānāˆ para-daivateŠa māyāritānāˆ nara-dārakeŠa sārdhaˆ vijahruƒ kta-puŠya-puñjāƒ
"A Personalidade de Deus ®r… KŠa, que é experimentado pelos filósofos empíricos como um sentimento impessoal de bem-aventurança transcendental, que é a Suprema Personalidade de Deus para os devotos que se relacionam com Ele como um amo e servo, e que é uma criança humana comum para as pessoas sob a ilusão da energia externa, está brincando na rasa de amizade com os vaqueirinhos de Vraja que alcançaram esse estágio da vida depois de muitos, mas muitos atos meritórios acumulados em muitas e muitas vidas."

Vātsalya-prema
O Senhor Caitanya aprovou esse avanço e pediu para Rāmānanda ir mais além no desenvolvimento dos relacionamentos transcendentais. Sakhya-prema é um avanço nas doçuras transcendentais quando comparado a dāsya-prema, mas

vātsalya-prema, afeto paternal, é ainda mais avançado do que sakhya-prema.

Rāmānanda Rāya então descreveu um verso do ®r…mad-Bhāgavatam onde é descrita a excelência de vātsalya-prema:

mandaƒ kim akarod mahodayam reya evaˆ mahodayam yaodā vā mahā-bhāgā papau yasyāƒ stanaˆ hariƒ
"Ó brāhmaŠa, é complicado tentar compreender quais atividades piedosas Nanda Mahārāja realizou para poder ter Hari (®r… KŠa) como filho. Também é complicado tentar compreender Yaodādev…, a quem a Suprema Personalidade de Deus ®r… KŠa se dirige como "Mãe" e cujo seio é sugado com afeição filial." Aqui há outra citação do ®r…mad-Bhāgavatam (10.9.20):

nemaˆ viriñco na bhavo na r…r apy a‰ga-saˆrayā prasādaˆ lebhire gop… yat tat prāpa vimukt…dāt
"Dessa maneira a Personalidade de Deus ®r… KŠa, que foi alcançado por uma senhora vaqueira Yaodādev…, nunca O foi por semideuses como Brahmā ou ®iva, ou mesmo por Lakm…dev…, que é a consorte eterna da Personalidade de Deus NārāyaŠa." Isso significa que ®r…mati Yaodādev… e Nanda Mahārāja adoraram a Personalidade de Deus com a concepção de "pais do Senhor Supremo." No cristianismo é aceito o "Senhor Supremo como um pai" e no hinduísmo há a adoração da akti, a energia externa do Senhor Supremo, aceita-se "o Senhor

Supremo com aspecto maternal." Essas duas sombras de vātsalya-prema são materiais e produtos da energia externa. Elas são um tipo de representação pervertida do verdadeiro vātsalya-prema, porque por essa concepção material de "paternidade" ou de "maternidade" do Senhor Supremo, os adoradores visam extrair serviço do Todo-poderoso. O espírito de desfrute e o espírito de renúncia são os fatores predominantes na existência material. O espírito de desfrute é cultivado pelos karm…s, pessoas dedicadas às atividades fruitivas, e o espírito de renúncia é cultivado pelos jñān…s, os filósofos empíricos, que já enjoaram de se dedicarem a atividades fruitivas. Tanto os karm…s quanto os jñān…s são, portanto, materialistas porque ambos mantêm o espírito de serem servidos pela Verdade Absoluta. Para satisfazer suas próprias concepções, ambos exigem algo da Verdade Absoluta que se destina a ser servido por todas as entidades vivas. Ele não está para servir as entidades vivas. As entidades vivas são mencionadas no Bhagavad-g…tā como sendo partes integrantes da Verdade Absoluta. As partes integrantes devem prestar serviço ao todo. É absurdo que as partes integrantes pensem que vão se tornar idênticas ao todo ou que vão extrair serviço do todo. A entidade viva parte integrante, quando incapaz de prestar serviço devocional, é desligada do todo. Portanto, o espírito de exigir serviço da Verdade Absoluta é um sintoma de se estar desligado da Verdade Absoluta, ou, em outras palavras, estar sob o domínio da energia externa do Senhor Supremo. Essa política e exigências dos materialistas, através da concepção de "paternidade" ou de "maternidade" do Senhor Supremo, é uma tênue tentativa de reviver o relacionamento eterno com o Senhor Supremo; no entanto, essas concepções estão longe da concepção de "filialidade" (dependência) do Senhor Supremo como a exibida por Nanda e Yaoda. A concepção de "filialidade do Senhor Supremo" é cem por cento espiritual, é pura rasa transcendental. Não há nenhuma exigência que Nanda ou Yaoda façam para a Personalidade de Deus. Eles Lhe oferecem serviço puro e simples acalentando-O como um bebê. Sob a influência de Yogamāyā, a energia interna do

Senhor Supremo, eles pensam que ®r… KŠa nada mais é do que o seu filho afetuoso e dependente deles. O serviço dos pais para um filho dependente é sempre espontâneo e descompromissado.

Mādhurya-prema
O Senhor Caitanya admitiu a superioridade de vātsalya-prema sobre

sakhya-prema, e pediu a Rāmānanda que prosseguisse na plataforma das doçuras
transcendentais. O Senhor disse:

prabhu kahe — "eho uttama, āge kaha āra" rāya kahe, "kāntā-prema sarva-sādhya-sāra"
"Por enquanto, você explicou muito bem o desenvolvimento transcendental gradual, as relações eternas com a Personalidade de Deus. Mas há uma concepção mais elevada do que vātsalya-prema na suprema rasa transcendental, que é o serviço transcendental mais elevado." Ao ouvir essa sugestão do Senhor Caitanya, Rāmānanda declarou que o relacionamento conjugal com o Senhor Supremo é a forma mais elevada de serviço amoroso prestado à Personalidade de Deus. O processo de desenvolvimento de um relacionamento transcendental com o Senhor Supremo é compreendido gradualmente. O sentimento de amor pelo Senhor Supremo como o amo pessoal (ānta-prema), não se desenvolve simplesmente por aceitar as glórias da Personalidade de Deus e estabelecer o serviço a Ele na rasa transcendental de quietude. ®ānta-prema é o estado de apreciação pacífica das glórias da Personalidade de Deus.

Em dāsya-prema, ou servidão transcendental ao Senhor Supremo, o sentimento de intimidade com o Senhor Supremo ainda não se desenvolveu. Tanto em sakhya-prema, a amizade transcendental com o Senhor Supremo, quanto em

vātsalya-prema, afeto paternal, o sentimento de aproximação irrestrita para serviço
amoroso não está desenvolvido. Portanto, a perfeição completa dos relacionamentos transcendentais ainda não é verificada. A plenitude do serviço, sem o impedimento de todas as restrições convencionais, só se desenvolve em

mādhurya-prema, o serviço amoroso transcendental em amor conjugal.
Desta maneira, por ordem do Senhor Caitanya, Rāmānanda começou a explicar a natureza de mādhurya-prema, e citou um verso do ®r…mad-Bhāgavatam, onde Uddhava fala da boa fortuna das amigas vaqueirinhas de KŠa, que se derretiam de êxtase ao ouvirem Uddhava descrever as atividades de KŠa. Uddhava disse:

nāyaˆ riyo '‰gau nitānta-tateƒ prasādaƒ svar-yoitāˆ nalita-gandha-rucāˆ kuto `nyāƒ rāsotsave `sya bhuja-daŠda-gh…ta-kaŠ˜ha labdhāiāˆ ya udagād-vraja-sundar…Šām
"A felicidade transcendental que foi concedida às belas donzelas de Vraja, que tiveram a oportunidade de serem abraçadas pelos fortes braços de ®r… KŠa na ocasião da dança da rāsa-l…lā, nunca foi experimentada nem por Lakim…, que reside no peito da Personalidade de Deus NārāyaŠa. Nem esse prazer jamais foi sentido pelos anjos do céu, de cujos corpos desprendem o aroma das flores de lótus. O que dizer então de beldades comuns?" (®r…mad-Bhāgavatam 10.47.60) Citando outra passagem do ®r…mad-Bhāgavatam (10.82.2), Rāmānanda disse:

tāsām āvirabh™c chauriƒ smayamāna-mukhāmbujaƒ pitāmbara-dharaƒ sragvi sākān manmatha-manmathaƒ
"®r… KŠa, que é o encantador de Cupido, vestido em trajes amarelos, usava uma guirlanda de flores e, de repente, apareceu na Sua forma eternamente sorridente em meio às vaqueirinhas, que estavam sofrendo devido à separação dEle depois da rāsa-l…lā." Dessa maneira, Rāmānanda Rāya resumiu todos os diferentes

relacionamentos transcendentais com o Senhor Supremo e disse que todos eles são meios para se alcançar o favor de ®r… KŠa. Um devoto num relacionamento em particular com o Senhor Supremo deverá considerar este seu relacionamento como sendo o mais elevado, mas quando todos os relacionamentos transcendentais são avaliados e comparados com uma visão neutra, a diferença de intensidade entre eles pode ser estimada.

Arrogantes ateístas Atualmente, uma classe de asuras (pessoas ateístas que têm natureza demoníaca) estão se aventurando a ser pregadores de realização espiritual, propagando uma nova teoria de que a Verdade Absoluta é um tema de realização pessoal e que não importa o tipo de realização que alguém tenha. Essa idéia surgiu do pensamento demoníaco que nega diretamente qualquer causa pessoal para a criação. A descrição de tais asuras está no décimo-sexto capítulo do Bhagavad-g…tā. Os asuras não acreditam na existência da Personalidade de Deus, sob cuja direção ocorre a criação.

De acordo com os asuras, tudo no mundo é devido a casualidade e não existe fundamento na crença que Deus tenha feito a criação do universo. As diferentes teorias filosóficas sobre a criação, levadas adiante pelos ateístas, são atividades de ginástica especulativa. Como eles dizem que determinar a Verdade Absoluta é um assunto de realização pessoal, o assim-chamado favorecimento do Senhor Supremo pode ser alcançado de qualquer maneira que possa ser concebida por um simples especulador. Eles dizem que existem inúmeros caminhos para se realizar Deus, ou a Verdade Absoluta, tantos quantos os especuladores que existam nesse mundo. Rāmānanda Rāya certamente não é um desses especuladores e sua menção de "vários meios para alcançar o favor do Senhor Supremo" não sugere que o favor transcendental do Senhor Supremo possa ser alcançado por qualquer método especulativo de um filósofo empírico, ou de um arrogante em atividades espirituais. Em nome do culto da devoção do Senhor Caitanya, surgem inúmeros especuladores como esses que destacamos. Os "vários meios", como sugeridos por Rāmānanda, não são uma adequação de falsos meios para se alcançar o favor do Senhor Supremo adotados por Caitanyas de imitação. "Vários meios" são mencionados em ligação com as doçuras perfeitas de amor, denominadas ānta-

prema, dāsya-prema, sakhya-prema, vātsalya-prema e mādhurya-prema.
As cinco rasas transcendentais de serviço amoroso são possíveis apenas depois que a pessoa transcende o estágio de impedimentos materiais, conhecidos como anarthas (sentimentos indesejáveis que existem no coração). Aqueles que não têm acesso ao serviço transcendental ao Senhor Supremo pensam, equivocadamente, que processos inventados são iguais aos estágios de autorealização de amor ao Senhor Supremo que citamos. Esse equívoco desses arrogantes é apenas um sinal do seu infortúnio.

O sentimento de doçura A análise das cinco rasas transcendentais que acabamos de citar também é feita na obra Bhakti-rasāmta-sindhu. Lá está dito que as rasas transcendentais são experimentadas de cinco maneiras progressivas. No entanto, até um certo ponto, uma rasa é experimentada como a mais doce de todas. Uma análise prática foi feita por ®r…la KŠadāsa Kavirāja Gosvām… com o seguinte exemplo: "Éter, ar, fogo, água e terra são cinco elementos diferentes. O som é experimentado no éter. O som e o tato são experimentados no ar. Som, tato e forma são experimentados no fogo. Som, tato, forma e paladar são experimentados na água. E som, tato, forma, paladar e aroma são experimentados na terra. A terra tem as qualidades de todos os elementos. A análise é que a qualidade de cada elemento se desenvolve através dos outros pelo desenvolvimento gradual, mas ao menos um, o elemento terra, possui todas as qualidades." Da mesma maneira, os sentimentos transcendentais experimentados no estágio de ānta-prema se desenvolvem mais no estágio de dāsya-prema e, então, no de sakhya-prema. Eles são ainda mais desenvolvidos em vātsalya-prema e finalmente se desenvolvem completamente no estágio de mādhurya-prema, que inclui todas as outras rasas experimentadas em todos os outros estágios devocionais. De acordo com o ®r…mad-Bhāgavatam (10.82.45), a Personalidade de Deus fica completamente endividada com o serviço amoroso transcendental prestado no humor de mādhurya-prema. A Personalidade de Deus disse:

mayi bhaktir hi bh™tānām amtatvāya kalpate di˜yā yad āsin mat-sneho bhavatināˆ mad-āpanaƒ

"O serviço devocional amoroso prestado a Mim é, em si mesmo, a vida eterna da entidade viva. Minhas queridas vaqueirinhas, a afeição que vocês têm em seus corações por Mim é o único motivo de terem alcançado o Meu favor."

No Bhagavad-g…tā (4.11) está dito:

ye yathā māˆ prapadyante tāˆs tathaiva bhajāmy aham mama vartmānuvartante manuyāƒ pārtha sarvaaƒ
A Personalidade de Deus declara que Ele é experimentado na proporção em que a pessoa se rende a Ele. O Senhor reciproca em Suas diferentes manifestações com os sentimentos particulares dos Seus devotos.

Charlatanice em ciência espiritual Os filósofos materialistas desse mundo, pela via da especulação mental, decidiram que Deus pode ser alcançado por qualquer meio de cultivo espiritual. De acordo com eles, não importa qual seja o método de atividade fruitiva, especulação filosófica empírica, yoga mística, meditação, penitência ou qualquer outro método; todos eles finalmente conduzem ao objetivo mais elevado. O exemplo que eles geralmente dão, para manter sua teoria, é mais ou menos assim: "Podem existir inúmeras vias e se qualquer uma delas for seguida, certamente o destino desejado será alcançado". Mais explicitamente, eles dizem que Deus é representado de várias formas tais como o Senhor Rāmacandra, o Brahman impessoal, a deusa Kāl…, Durgā, Mahādeva, GaŠea e muitas outras, e que adorar qualquer uma delas tem o mesmo valor.

Outro exemplo que eles usam ligado a isso é que um homem pode ter muitos nomes e se ele é chamado por qualquer um deles, ele responde ao chamado. Essas declarações dos charlatães em ciência espiritual são como as tentativas vocais indistintas de um bebê espiritual. A voz indistinta de um bebê pode ser muito agradável para os especuladores mentais, mas os espiritualistas competentes rejeitam esse balbuciar infantil tolo.

Apego pelos semideuses

O Bhagavad-g…tā declara (9.25):

yānti deva-vratā devān pitn yānti pit-vratāƒ bh™tāni yānti bh™tejyā yānti mad-yājino `pi mām
Os adoradores dos semideuses como GaŠea, Surya e Indra acabam alcançando as moradas desses deuses. Eles irão para os planetas dos respectivos semideuses das suas adorações, enquanto que o devoto de ®r… KŠa alcançará a morada de ®r… KŠa. Portanto, os mundanos evitam o Bhagavad-g…tā. Eles se esquecem que estão sob as condições da energia externa. E assim, adoram os semideuses motivados pelo desejo de lucro material, desenvolvem um apego ilusório por esses semideuses e acabam sendo desviados do verdadeiro caminho para o progresso — alcançar a Personalidade de Deus. Apegados dessa maneira, os adoradores dos diferentes semideuses são forçados a perambular por diferentes esferas do mundo material e se submeterem aos rigores de repetidos nascimentos e mortes.

Aqueles que aspiram alcançar a Personalidade de Deus e que, portanto, O adoram com o serviço devocional amoroso, certamente O alcançarão. A verdadeira explicação é que a pessoa alcança o resultado da qualidade da sua adoração e todos os resultados não são os mesmos, como imaginam os especuladores mentais. Aqueles que aspiram os resultados de religiosidade, desenvolvimento econômico, gratificação dos sentidos e esforços para se salvarem, não podem esperar alcançar o mesmo destino que os devotos puros transcendentais. O resultado da religiosidade é a felicidade temporária na vida humana. O resultado de desenvolvimento econômico é incrementar as facilidades para a gratificação dos sentidos. E o resultado da gratificação dos sentidos é a frustração, que leva ao desejo de liberação. O resultado da salvação é imergir no Brahman impessoal. Mas, o resultado de ser um devoto de ®r… KŠa é alcançar o serviço devocional eterno à Personalidade de Deus. Há uma enorme diferença entre esses diversos resultados e ela não pode ser compreendida pelos mundanos.

Mahāmāyā e Yogamāyā Mahāmāya, a mãe ou causa desse mundo material, e os semideuses delegados são apenas diferentes energias externas, ou agentes da Suprema Personalidade de Deus. Sob a direção da Personalidade de Deus, esses agentes realizam suas respectivas funções na administração das leis universais. Essa é a informação que nos dá o Bhagavad-g…tā, onde a Personalidade de Deus declara que, sob Sua direção, a energia material produz esse mundo material e que toda a administração dos universos acaba sendo controlada por Ele dessa maneira. A energia interna do Senhor Supremo é diferente. Isso também é explicado no Bhagavad-g…tā — há uma outra energia permanente do Senhor Supremo que nunca é destruída, mesmo depois da aniquilação de toda a manifestação cósmica. Essa energia interna é diferente de Mahāmāyā e é chamada Yogamāyā.

O universo permanente é uma criação de yogamāyā. Aqueles que desejam o serviço devocional amoroso puro à Personalidade de Deus devem pedir pela misericórdia de yogamāyā. Aqueles que desejam satisfazer seus próprios desejos, ou aqueles que desejam se fundir ao Brahman impessoal — por estarem enjoados de tentar satisfazer os sentidos — adoram mahāmāyā ou os semideuses predominantes respectivamente. As donzelas de Vraja adoraram yogamāyā para terem o filho do rei de Vraja como seu esposo ou amante, enquanto as pessoas que seguem o sistema de

varŠārama-dharma material adoram mahāmāyā, a Deidade superintendente do
mundo material, para se aliviarem do sofrimento. Existe uma enorme diferença entre os resultados obtidos por essas duas variedades de adoração e a tentativa de igualar atividades diametralmente opostas é como a de olhos ictéricos enxergar tudo amarelado. Essa é a visão de uma pessoa ignorante.

O Nome é Absoluto

Às vezes um homem simpático é chamado de "Cupido." Nesse caso, o nome não tem qualquer significado. Mas esse nunca é o caso da Personalidade de Deus. Sendo o Absoluto, todos os Seus diferentes aspectos também são absolutos. Não há qualquer diferença entre Ele, Seus nomes e Seus aspectos. Ele é conhecido por diferentes nomes. Ele é conhecido como o Brahman, Paramātmā, o criador Todopoderoso, NārāyaŠa, Gop…nātha, KŠa, Govinda e muitos outros nomes. Apesar de cada nome do Absoluto ser absoluto em si mesmo, o adorador de Deus como Criador do Universo não pode saborear a mesma bem-aventurança daqueles que O adoram como NārāyaŠa. "O Criador do Universo" é o nome preferido pelas pessoas materialistas, pois ele é adequado para quem quer a gratificação sensorial. A concepção de Criador não é completamente representada pela concepção de Senhor Supremo. A concepção de "Criador" é uma função da

energia externa do Senhor Supremo. Se Ele é concebido como o Brahman impessoal, não podemos ter qualquer informação sobre as Suas potências. Sua bem-aventurança, conhecimento, qualidades e forma não estão completamente representadas no aspecto impessoal do Senhor Supremo. O Paramātmā também não é uma concepção que representa completamente o Senhor Supremo. No Bhagavad-g…tā (18.61), o Paramātmā é descrito como o Senhor Supremo localizado no coração de todas as entidades vivas; Ele é apenas uma representação parcial da Personalidade de Deus, NārāyaŠa. Então, novamente, o adorador de NārāyaŠa também não pode saborear a bem-aventurança transcendental experimentada no serviço a ®r… KŠa.

Rasābhāsa

Os devotos puros de ®r… KŠa não desejam adorar NārāyaŠa, em cuja personalidade a doçura transcendental de ®r… KŠa está de certa forma encoberta. As vaqueirinhas nunca se dirigem a ®r… KŠa como o "esposo de RukmiŠ…." Isso para elas seria intolerável. RukmiŠ…-ramaŠa e ®r… KŠa podem ser a mesma Personalidade de Deus na opinião mundana, mas eles não são saboreados igualmente. Se alguém os confunde por ignorância, este é um defeito no sabor das doçuras transcendentais denominado rasābhāsa. As pessoas que têm alguma sensibilidade da delicada natureza transcendental do Senhor Supremo não cometem o equívoco da rasābhāsa como as pessoas da massa ignorante.

Não é possível reciprocar

Apesar de a Personalidade de Deus reciprocar de acordo com os sentimentos de diferentes devotos, em seus diferentes estágios de serviço amoroso,

Ele declarou a Sua inabilidade de reciprocar com os sentimentos das gop…s, as donzelas de Vraja que O servem na capacidade de mādhurya-prema. Ao se dirigir às donzelas de Vraja, a Personalidade de Deus ®r… KŠa disse:

na pāraye `haˆ niravadya-saˆyujāˆ sva-sādhu-ktyaˆ vibudhāyuāpi vaƒ yā mābhajan durjaya-geha-‰khalāƒ saˆvcya tad vaƒ pratiyātu sādhunā
"Minhas queridas vaqueirinhas, o seu amor por Mim é imaculadamente puro e não será possível que recompense vocês pelo nobre serviço que Me prestaram, nem mesmo em muitas vidas futuras, porque vocês sacrificaram os laços da vida familiar para Me alcançarem. Sou incapaz de quitar a dívida que tenho por aceitar o seu amor. Portanto, por favor, satisfaçam-se com suas próprias atividades meritórias." (®r…mad-Bhāgavatam 10.32.21) A beleza de ®r… KŠa aumenta na associação das vaqueirinhas de Vraja, apesar do próprio ®r… KŠa ser a última palavra em beleza. Isso é confirmado pelo ®r…mad-Bhāgavatam (10.33.6):

tatrātiuubhe tābhir bhagavān devak…-sutaƒ madhye maŠ…nāˆ haimānāˆ mahā-mārakato yathā
"Apesar de a Personalidade de Deus, que é o filho de Devak…, ser a última palavra em beleza, quando Ele está em meio as vaqueirinhas de Vraja, Ele parece ser a jóia mais valiosa de um diadema de ouro."

O Senhor Caitanya agora estava completamente satisfeito com a declaração de Rāmānanda Rāya sobre mādhurya-prema, que é o ápice dos relacionamentos no serviço transcendental amoroso com Personalidade de Deus. No entanto, Ele esperava algo mais de Rāmānanda e pediu que ele continuasse. Rāmānanda ficou atônito com esse extraordinário pedido do Senhor Caitanya. Ele não conhecia nenhum devoto que pudesse saber mais do que isso. Mas, como era muito experiente nesse assunto, Rāmānanda começou a ir mais adiante por misericórdia do Senhor Caitanya.

O servidor mais elevado Já tendo discutido as qualidades superexcelentes das doçuras

transcendentais, conhecidas como mādhurya-prema, e a impossibilidade de ®r… KŠa em recompensar o serviço das imaculadas vaqueirinhas de Vraja, Rāmānanda então continuou na mesma linha, numa tentativa de discutir o serviço prestado por ®r…mati RādhārāŠ…, a mais elevada serva entre todas as demais vaqueirinhas. ®r… KŠa, a Verdade Absoluta Suprema, a Personalidade de Deus, é completo em ānanda-cinmaya-rasa-ujjvala-vigraha: Sua forma eterna exibe com plenitude a Sua existência, conhecimento e bem-aventurança transcendentais através de Sua própria potência interna, que é chamada hlādin…-akti. ®r…mati RādhārāŠ… é a Deidade que controla essa potência de felicidade do Senhor Supremo. A natureza jovial da energia de ®r… KŠa e o próprio ®r… KŠa são idênticos, mas Eles apareceram separadamente com o propósito de desfrutarem um do outro. Portanto, ®r… ®r… Rādhā-KŠa são duas partes componentes da mesma entidade divina. Sem ®r…mati RādhārāŠ…, KŠa é incompleto e sem ®r… KŠa, RādhārāŠ… é incompleta. Portanto, os dois não podem se separar um do

outro. Eles se combinam como um só em ®r… Caitanya Mahāprabhu para satisfazer essa verdade transcendental.

O mais magnânimo É muito difícil compreender a l…lā de ®r… ®r… Rādhā-KŠa, mas o Senhor Caitanya é o mais liberal, magnânimo, misericordioso e o maior benfeitor de todas as entidades vivas dessa era de Kali. Ele está distribuindo prontamente o segredo mais elevado do mundo espiritual e só precisamos aceitá-lo. O Senhor Caitanya veio nos propiciar o caminho mais fácil para recebermos o Seu presente mais valioso. A primeira qualificação é que devemos descartar a idéia de sāyujya-mukti, ou nos fundirmos ao Brahman impessoal. A segunda qualificação é que simplesmente devemos ouvir todas essas mensagens transcendentais com um humor completamente submisso, de uma pessoa que seja um devoto competente na sucessão discipular de ®r…la R™pa Gosvām…. E a terceira e última qualificação é que sejamos puros em todos os nossos relacionamentos na vida, sem nos afetarmos com a influência infecciosa da era de Kali. Uma pessoa que tenha essas três qualificações simples terá um sucesso fenomenal em entrar no plano da misericórdia sem causa do Senhor Caitanya Mahāprabhu. Qualquer desvio das qualidades que citamos fechará a porta de entrada, a despeito de quanto possamos tentar compreendê-lO pelo poder das nossas qualificações mundanas. Sem essas três qualificações citadas ninguém pode entrar na l…lā do Senhor Caitanya. Aqueles que tentaram entrar nela, negligenciando as qualidades essenciais, são conhecidos como āula, bāula,

karttābhajā, neā, sakh…-bhek…, daravea, sāŠi, sahajiyā, smārta, gosvām…s de casta, ativāi, c™ādāri, gaurā‰ga-nāgar… e inúmeros outros. Tais pessoas devem ser
consideradas simples imitadoras da l…lā de ®r… Caitanya Mahāprabhu. Infelizmente,

elas estão confundindo as massas ignorantes que já estão condenadas pela influência da era de Kali.

Não é para pessoas comuns ®r…mati RādhārāŠ… é a gop… mais importante e o Seu serviço amoroso específico é a mais alta expressão de mādhurya-prema. Portanto, é melhor que o praticante neófito no campo devocional não tente compreender as intimidades do serviço confidencial de ®r…mati RādhārāŠ…. No entanto, com a expectativa de que no futuro os devotos submissos e competentes compreenderão o serviço de ®r…mati RādhārāŠ…, essas discussões confidenciais estão descritas no Caitanya-caritāmta, que foi escrito por ®r…la KŠadāsa Kavirāja Gosvām…. Os devotos que têm a boa fortuna suficiente para terem despertado o serviço espontâneo ao Senhor Supremo, rāgānugā-bhakti, e que desenvolveram uma atração por mādhurya-prema, poderão seguir os passos das associadas confidenciais de ®r…mati RādhārāŠ… e das Suas assistentes chamadas mañjar…s. O êxtase que foi sentido por ®r…mati RādhārāŠ… quando se encontrou com Uddhava, em Vraja, no Seu triste humor de separação de ®r… KŠa é personificado no Senhor Caitanya. Ninguém deve imitar os sentimentos transcendentais do Senhor Caitanya porque é impossível que uma entidade viva alcance esse estágio. No entanto, no estágio de consciência desenvolvida, podemos simplesmente seguir Seus passos. Essas são as instruções dadas pelos devotos experientes e autorealizados na linha de ®r…la R™pa Gosvām….

Uma vaqueirinha especial Rāmānanda Rāya então explicou um loka do Padma PurāŠa:

yathā rādhā priyā viŠos tasyāƒ kuŠaˆ priyaˆ tathā sarva-gop…u saivaikā viŠor atyanta-vallabhā
"®r…mati RādhārāŠ… é a vaqueirinha mais amada de ®r… KŠa. Não apenas ®r…mati RādhārāŠ…, mas o lago conhecido como ®r… RādhākuŠa é tão querido por ®r… KŠa quanto a própria Sr…mat… RādhārāŠ…." Rāmānanda Rāya então citou outro loka do ®r…mad-Bhāgavatam (10.30.28):

anayārādhiti n™naˆ bhagavān harir …varaƒ yan no vihāya govindaƒ pr…to yām anayad rahaƒ
"Minhas caras amigas, a vaqueirinha que acaba de ser levada para um local solitário por ®r… KŠa, nos deixando de lado, deve ter prestado um serviço mais valioso do que o nosso."

®r… Rādhā é o nome específico de uma vaqueirinha muito especial que presta os serviços mais confidenciais a ®r… KŠa. Ao ouvir essas duas declarações de Rāmānanda, o Senhor Caitanya entrou em êxtase e disse:

prabhu kahe — āge kaha, unite pāi sukhe ap™rvāmta-nad… vahe tomāra mukhe
"Por favor, continue, estou sentindo muita felicidade com a sua maneira de explicar. É como se um rio de bem-aventurança estivesse fluindo de sua língua."

O Senhor Caitanya acrescentou:

curi kari'rādhāke nila gop…-gaŠera are anyāpeka haile premera gāhatā nā sphure
"®r… KŠa levou embora ®r…mati RādhārāŠ… porque a natureza do amor que Ela sentia por Ele foi perturbada pela presença das outras gop…s. Se KŠa pode abandonar a companhia das outras gop…s por causa de ®r…mati RādhārāŠ…, sei que Ele tem um apego especial pelo amor dEla." Quando o passatempo transcendental da rāsa-l…lā continuou, ®r… KŠa imaginou que, na presença de todas as gop…s, os relacionamentos amorosos confidenciais com ®r…mati RādhārāŠ… não seriam possíveis. Ele imaginou que, na presença das outras gop…s, a intensidade dos relacionamentos amorosos privados não poderiam ser saboreados. Por essa razão, ®r… KŠa seqüestrou ®r…mati RādhārāŠ… daquela assembléia de gop…s e separou-Se de todas elas.

À procura de ®r… KŠa

Rāmānanda Rāya disse que não há comparação do amor de ®r…mati RādhārāŠ… em todo universo. Ela não queria ser igual a todas as gop…s. Portanto, num humor de ira erótica, Ela deixou a arena da rāsa-l…lā. Era desejo de ®r… KŠa que ®r…mati RādhārāŠ… satisfizesse a Sua necessidade de rāsa-l…lā, mas, quando Ela foi embora, ®r… KŠa ficou perturbado e num humor de tristeza. Ele deixou a arena da rāsa-l…lā para procurar ®r…mati RādhārāŠ…. Rāmānanda Rāya citou dois outros versos do G…tā-govinda (3.1,2):

kaˆsārir api saˆsāra-

vāsanā-baddha-‰khalām rādhām ādhāya hdaye tatyāja vraja-sundar…ƒ itas-tatas tām anustya rādhikām ana‰ga-vāŠa-vraŠa-khinna-mānasaƒ ktānutāpaƒ sa kalinda-nandin… ta˜ānta-kuñje viasāda mādhavaƒ
"O inimigo de Kaˆsa (®r… KŠa) ficou agitado com o desejo de liberar Seus pais, Vasudeva e Devak…, da prisão em Mathurā e abandonou a companhia das belas donzelas de Vraja, mantendo ®r…mati RādhārāŠ… em Seu coração." "Afligido pelas flechas de Cupido e infeliz por ter desprezado e maltratado RādhārāŠ…, Mādhava (®r… KŠa) começou a procurá-lA pelas margens do Yamunā. Quando Ele não conseguiu encontrá-lA, entrou nos bosques de Vndāvana e começou a Se lamentar." Essas declarações referem-se a passatempos transcendentais da

Personalidade de Deus muito, mas muito elevados e podem parecer histórias comuns sobre heróis e heroínas mundanos. Todas as Suas atividades podem parecer o comportamento luxurioso de homens e mulheres comuns, mas essa é a tolice da concepção mundana. O quadro completo é o de serviço transcendental amoroso à Personalidade de Deus com os sentidos puros, completamente livres das designações mundanas e limpos de todos os afazeres mundanos. Somente um devoto elevado, que está absolutamente purificado pelos princípios regulativos de serviço devocional, e que alcançou o estágio de realizar a natureza degradada das atividades eróticas mundanas, pode saborear esses afazeres supramundanos,

apesar de eles serem descritos numa linguagem que é ininteligível para o público em geral. A alegria do Senhor Caitanya ao saborear estas declarações de Rāmānanda Rāya é a prova de que eles estão no mais elevado grau de expressão espiritual. Portanto, os leitores devem se precaver em não rebaixar esses temas para o nível de afazeres mundanos. Rāmānanda Rāya continuou explicando que, pelo estudo criterioso dos dois versos citados, podemos ficar sabendo que a rāsa-l…lā é realizada em companhia de inúmeras vaqueirinhas, mas, apesar disso, a Personalidade de Deus prefere permanecer especificamente com ®r…mati RādhārāŠ…. Sabendo disso, o coração do devoto fica absorto em uma alegria transcendental, que pode ser comparada a uma mina de néctar. Ao ouvir sobre esses relacionamentos amorosos transcendentais, os corações dos devotos experientes se enchem de uma alegria supramundana inexplicável. Eles sentem que ®r… KŠa tem igual afeição por todas as gop…s, mas é atraído por ®r…mati RādhārāŠ… de uma maneira especial, apesar de Ela ter com Ele uma relação um tanto astuta e ao mesmo tempo contraditória. Portanto, Ela é quem dá a maior contribuição para a rāsa-l…lā.

Do lado de ®r…mati RādhārāŠ… Isso pode ser compreendido através do estudo da literatura competente, que descreve os passatempos transcendentais do Senhor Supremo. Na arena da dança da rāsa, ®r… KŠa se distribui em inúmeras expansões prakāa para manter-Se entre cada uma das gop…s. Ele também se mantém ao lado de ®r…mati RādhārāŠ…. As expansões prakāa do Seu corpo transcendental são idênticas, mas a personalidade ao lado de Sr…mat… RādhārāŠ… é a Sua forma original, svayam-r™pa. ®r… KŠa é igual com todo mundo nos relacionamentos comuns, mas, devido ao

conflitante amor extasiante por ®r…mati RādhārāŠ…, existem elementos opostos. Isso está descrito no Ujjvala-n…lamaŠi da seguinte maneira:

aher iva gatiƒ premŠaƒ svabhāva-ku˜ilā bhavet ato hetor aheto ca y™nor māna udañcati
"Os caminhos tortuosos dos assuntos amorosos se parecem com os movimentos de uma serpente. Como, por exemplo, os dois diferentes tipos de ira — a ira com causa e a ira sem causa — que surgem nos relacionamentos amorosos entre um rapaz e uma moça." Seguindo esses princípios, ®r…mati RādhārāŠ…, num humor de ira erótica, deixou a arena da rāsa-l…lā com um sentimento de apego devocional. Por isso, ®r… Hari também ficou louco atrás dEla, com a mente perturbada devido a ira imotivada. O desejo de ®r… KŠa era desfrutar o passatempo transcendental da

rāsa-l…lā em sua plenitude, e a pedra fundamental de toda construção era ®r…mati
RādhārāŠ…. Sem a presença dEla a rāsa-l…lā é um transtorno. Portanto, a ausência de ®r…mati RādhārāŠ… fez com que ®r… KŠa deixasse a arena para ir à procura dEla. ®r… KŠa foi incapaz de encontrar ®r…mati RādhārāŠ… e, depois de muita procura, Ele se encheu de aflição devido a flechada de Cupido e começou a Se lamentar profundamente devido a ausência dEla. Esse fato prova que o coração transcendental de ®r… KŠa não fica saciado nem sequer ao desfrutar em meio a muitos milhões de jovens vaqueirinhas. Sendo assim, a intensidade do Seu amor por ®r…mati RādhārāŠ… é impossível de ser descrita. Todas as declarações citadas a respeito da l…lā transcendental de ®r… ®r… Rādhā-KŠa deliciaram imensamente o Senhor Caitanya e Ele ficou completamente satisfeito com o Seu encontro com Rāmānanda Rāya.

prabhu kahe — ye lāgi' āilāma tomā-sthāne sei saba tattva-vastu haila mora jñāne ebe se jānilu‰ sadhya-sādhana-nirŠaya āge āra āche kichu, unite mana haya kŠera svar™pa' kaha 'rādhāra svar™pa' `rasa' kon tattva, `prema' — kon tattva-r™pa kpā kari' ei tattva kaha ta' āmāre tomā-vinā keha ihā nir™pite nāre
O Senhor Caitanya disse para Rāmānanda: "Agora fiquei sabendo a verdade sobre a l…lā de ®r… KŠa e ®r…mati RādhārāŠ… e este foi o motivo de Me aproximar de você. Compreendi a verdade sobre a meta mais elevada a ser alcançada e também a maneira de alcançá-la. Portanto, Me explique, por favor, a natureza divina de ®r… KŠa e também a de ®r…mati RādhārāŠ…. Faça o favor de explicar também a verdade sobre as doçuras dos relacionamentos amorosos supramundanos. Ninguém pode explicar tudo isso, exceto você. Portanto, peço-lhe que Me faça esse favor devido a sua ilimitada misericórdia."

O Guru do Senhor Caitanya O método de aproximação e a maneira humilde exibida pelo Senhor Caitanya ao indagar a Rāmānanda Rāya é o modo como devemos nos aproximar de um tattva-dari competente ou um mestre de conhecimento transcendental. Isso está confirmado no Bhagavad-g…tā (4.34):

tad viddhi praŠipātena paripranena sevayā

upadekyanti te jñānaˆ jñāninas tattva-dar…naƒ
No Bhagavad-g…tā está recomendado se aproximar de um mestre espiritual para se obter conhecimento supramundano, sob a proteção de serviço e rendição acompanhados de perguntas relevantes. O Senhor Caitanya, como mestre ideal, fazia demonstração prática dos ensinamentos do Bhagavad-g…tā, nos ensinando com a Sua aproximação de Rāmānanda Rāya. Ele mostra que a pessoa, desejosa de conhecer a ciência transcendental, não deve se aproximar do mestre espiritual com orgulho das suas aquisições materiais ou da sua educação mundana, que são muito insignificantes para um mestre espiritual situado transcendentalmente, de quem devemos nos aproximar com muita atenção, para poder compreender a ciência da devoção. Se alguém se aproxima de um mestre espiritual competente com vaidade ou orgulho mundano da sua descendência, riqueza, educação ou beleza pessoal e sem a qualificação necessária de rendição, serviço e indagações relevantes, certamente essa pessoa vai ser honrada externamente pelo mestre espiritual, mas ele irá se recusar em conceder o conhecimento transcendental ao estudante que, por sua atitude de vaidade mundana, se torna desqualificado. Um estudante orgulhoso é, na realidade, um ™dra e não terá acesso ao conhecimento espiritual se não dispor das qualificações que mencionamos. Por isso, um estudante ™dra, ao invés de se habilitar para receber a misericórdia do mestre espiritual, vai para o inferno devido a sua vaidade mundana. Rāmānanda Rāya nasceu numa família de ™dras e também era um ghasta em termos de sistema varŠārama-dharma. O Senhor Caitanya apareceu numa família de brâmanes de Navadv…pa e agora estava no mais elevado estágio, no

ārama de sannyāsa. Portanto, em termos de sistema varŠārama, Rāmānanda
Rāya estava numa posição inferior, enquanto o Senhor Caitanya estava numa posição superior. No entanto, como Rāmānanda era um mestre na arte do

conhecimento transcendental, o Senhor Caitanya se aproximou dele como alguém deve se aproximar de um guru. Ele fez isso para o benefício de todo mundo.

O verdadeiro estudante da Verdade O Senhor Caitanya desceu a esse mundo mortal como o mestre espiritual ideal e assim os Seus ensinamentos são muito importantes. Os estudantes que realmente desejam avanço na vida espiritual devem prestar muita atenção nesses relacionamentos. Rāmānanda Rāya, como um verdadeiro vaiŠava, possuia sempre uma humildade natural e assim, ao ser indagado pelo Senhor Caitanya, ele disse:

rāya kahe — ihā āmi kichui nā jāni tumi yei kahāo, sei kahi āmi vāŠ… tomāra ikāya pai yena uka-pā˜ha sākāt preraŠa kara, jihvāya kahāo vāŠ… ki kahiye bhāla-manda, kichui nā jāni
"Meu Senhor, não tenho nenhuma informação sobre o mundo

transcendental, mas posso explicar simplesmente aquilo que Você me inspira dizer. Sou como um papagaio e posso repetir apenas aquilo que Você me mandar dizer. Você é a própria Personalidade de Deus e é muito difícil compreendê-lO e como Você brinca. A inspiração que Você cria em mim e o vocabulário que Você faz sair da minha boca só Você é quem conhece. Eu não me conheço, nem o que falo e nem o que penso."

O Senhor Caitanya, novamente assumindo Seu humor de um verdadeiro estudante da Verdade, respondeu para Rāmānanda Rāya:

prabhu kahe — māyāvād… āmi ta' sannyāsi bhakti-tattva nāhi jāni, māyāvāde bhāsi sārvabhauma-sa‰ge mora mana nirmala ha-ila kŠa-bhakti-tattva kaha, tā‰hāre puchila te‰ho kahe — āmi nāhi jāni kŠa-kathā sabe rāmānanda jāne, te‰ho nāhi ethā tomāra ˜hāñi āilā‰a tmāra mahimā uniyā tumi more stuti kara `sannyās…' jānyā kibā vipra, kibā nyās…, ™dra kene naya yei kŠa-tattva-vettā, sei `guru'haya `sannyās…' baliyā more nā karila vañcana kŠa-rādhā-tattva kahi'p™rŠa kara mana
"Sou um sannyās… māyāvād… que é ateísta por natureza. E como tal, estou sempre flutuando na Minha teoria de Māyā e Brahman, sem qualquer acesso à ciência do serviço devocional. Pela Minha associação com Sārvabhauma Bha˜˜ācārya, tive a boa fortuna de purificar Meu coração. Quando pedi a ele para falar sobre os tópicos transcendentais da l…lā de ®r… KŠa e ®r…mati RādhārāŠ…, ele Me pediu para vim conversar com você. Ele o recomendou como o melhor entre aqueles que conhecem essa ciência, e lamentou a sua ausência em Pur…. Portanto, vim procurá-lo depois de ouvir suas glórias. Agora você está Me louvando porque sou um sannyās…, mas não importa se a pessoa é um brāhmaŠa, um sannyās… ou um ™dra. Se a pessoa conhece a arte e a ciência das atividades devocionais, ela é totalmente habilitada para se tornar um mestre espiritual competente. Portanto, por favor, não tente Me evitar porque sou um sannyās…. Tenha a bondade de satisfazer Meu desejo descrevendo completamente as glórias da l…lā realizada por ®r… KŠa e ®r…mati RādhārāŠ…."

Além do VarŠārama Nos ensinamentos do Senhor Caitanya, especialmente nessa era de Kali, a passagem que citamos, onde está dito que não importa se uma pessoa é um

brāhmaŠa, sannyās… ou um ™dra. A qualificação para um mestre espiritual é que
ele deve ser completamente versado na arte e ciência do serviço devocional. Isso é revolucionário para os estereotipados, para os assim-chamados mestres espirituais que prevalecem entre as massas na Índia. O método exploratório que ainda prevalece está com os seus dias contados diante da verdade estabelecida pelo Senhor Caitanya e Seus devotados seguidores. O fato é que uma pessoa que é completamente familiarizada sobre KŠa pode se tornar um mestre espiritual tanto iniciador quanto instrutor. Não importa se uma pessoa é um brāhmaŠa, katriya, vaiya ou ™dra. Não importa se é um

brahmacār…, ghasta, vānaprastha ou se é um sannyās…. A única qualificação de um
mestre espiritual é o seu conhecimento da verdade sobre ®r… KŠa. A qualificação certamente não repousa em sua situação particular em termos de sistema de

varŠārama-dharma.
Essa ordem do Senhor Caitanya, apesar de aparentemente revolucionária para os oportunistas retrógrados, não é de maneira alguma contra as injunções das escrituras. Seguindo esse princípio, o próprio Senhor Caitanya tomou iniciação de ®r…pād Ÿvara Pur… e o Senhor Nityānanda e Advaita Prabhu tomaram iniciação de ®r…pād Mādhavendra Pur… Gosvām…. Rasikānānda Prabhu tomou iniciação de ®r…la ®yāmananda Prabhu, que apareceu numa família que não era de brāhmaŠas e ®r… Ganga NārāyaŠa Cakravart… e RāmakŠa Bha˜˜ācārya tomaram iniciação de ®r…la Narottama dāsa µhākura, que também aparecera numa família que não era de

brāhmaŠas. Na literatura ancestral está escrito que não há considerações sobre a
hereditariedade pra se tornar um mestre espiritual. No Mahābharata e em outras obras históricas, existem inúmeros exemplos de gurus não-hereditários e a determinação da casta pela qualidade ao invés do

nascimento. No ®r…mad-Bhāgavatam (7.11.35), está declarado que uma pessoa deve ser classificada como pertencente a um varŠa em particular ou a uma casta em termos da sua qualificação:

yasya yad-lakāŠaˆ proktaˆ puˆso varŠābh…vyañjakam yad anyatrāpi dyeta tat tenaiva vinirdiet
De acordo com o Bhagavad-g…tā, um brāhmaŠa realmente qualificado possui nove qualidades, um katriya sete qualidades, um vaiya três qualidades e um ™dra apenas uma qualidade. Portanto, sempre que determinadas qualidades são encontradas ou desenvolvidas, a pessoa que possuir essas qualidades deve ser qualificada como tal. Aceitando essa fórmula das escrituras, os vaiŠavas aceitam o mestre espiritual de acordo com a sua familiaridade no conhecimento sobre ®r… KŠa. As qualidades de um brāhmaŠa aparecem naturalmente, e, como tal, um mestre espiritual completamente familiarizado nesse assunto não pode ser nada além do que um brāhmaŠa qualificado. A falsa noção que sem ser um brāhmaŠa de casta uma pessoa não pode se tornar um mestre espiritual é, portanto, um grande equívoco. Uma pessoa nascida numa família de ™dras pode se tornar um mestre espiritual se adquiriu o conhecimento necessário sobre ®r… KŠa. Às vezes verifica-se que um vaiŠava puro não se submete às formalidades do sistema varŠārama-dharma e não aceita os princípios regulativos desse sistema, mas isso não quer dizer que ele não seja um brāhmaŠa ou um mestre espiritual competente. Os vaiŠavas determinam o varŠārama de uma pessoa simplesmente pelos seus sintomas e não pelo seu nascimento. As pessoas tolas são incapazes de reconhecer esses vaiŠavas qualificados e, portanto, o Senhor Caitanya enfatiza especificamente esses pontos. Não há diferença essencial entre os princípios regulativos encontrados no Hari-bhakti-vilasā e nas declarações do

Senhor Caitanya. A diferença é forjada pela especulação mental de pessoas ignorantes.

Quem é um šcārya Alguns estudantes tolos têm aceitado as declarações do Senhor Caitanya condicionalmente. Segundo eles, o mestre espiritual completamente familiarizado na ciência de KŠa, e que não tenha nascido numa família de brāhmaŠas, pode ser um mestre espiritual instrutor, mas não pode ser um mestre espiritual iniciador. Eles não sabem que não existe uma grande diferença entre as duas classes de mestres espirituais. Segundo eles, um iniciador de casta, ou um gosvām… de casta, em função da sua hereditariedade, torna-se o verdadeiro mestre espiritual, enquanto que uma pessoa que saiba tudo sobre ®r… KŠa só pode se tornar um instrutor. Eles imaginam ingenuamente que a posição do mestre espiritual iniciador é maior do que a do mestre espiritual instrutor. No entanto, o assunto é discutido com muita clareza e de maneira conclusiva no Caitanya-caritāmta (šdil…lā 1.47):

ikā-guruke ta' jāni kŠera svar™pa antaryām…, bhakta-re˜ha — ei dui r™pa
"Devemos saber que o mestre espiritual instrutor é a Personalidade de Deus, ®r… KŠa. Ele se manifesta como a Superalma e como o maior devoto do Senhor." No Manu-saˆhitā, a qualificação de um ācārya é descrita da seguinte maneira: "Um mestre espiritual é um brāhmaŠa duas vezes nascido, habilitado para treinar seus discípulos para instruir as pessoas sobre os Vedas." No Vāyu PurāŠa, o ācārya está descrito da seguinte maneira: "Quem conhece a essência das escrituras, estabelece a verdade sobre elas e conduz as suas atividades de acordo com os princípios regulativos das escrituras, é denominado um ācārya."

O ācārya, ou mestre espiritual, é uma encarnação autorizada da Personalidade de Deus. Ele não deve ser considerado uma porção plenária do Senhor Supremo, mas ao mesmo tempo o mestre espiritual é certamente muito querido e próximo do Senhor Supremo. O ācārya aparece diante do discípulo como um representante fidedigno do Senhor Supremo. Um ācārya assim não tem outro dever além de servir à Personalidade de Deus e de dar abrigo ao discípulo desejoso em seguir a causa de Deus. Se uma pessoa se transforma num pretenso mestre espiritual, sem estar completamente dedicada ao serviço da Personalidade de Deus, ninguém deve aceitá-lo como um guru e essa sua atividade não deve ser reconhecida. O caráter de um guru deve representar o do Senhor Supremo e isso será evidenciado pela dedicação completa ao serviço da Personalidade de Deus. Um verdadeiro ācārya às vezes é invejado pelas massas de gratificadores dos sentidos. No entanto, o

ācārya é uma extensão não-diferente do corpo transcendental da Personalidade de
Deus. Quem quer que inveje um mestre espiritual assim certamente sofrerá as conseqüências de ficar afastado das bênçãos da Personalidade de Deus. O mestre espiritual, apesar de ser um servidor eterno do Senhor Caitanya, deve sempre ser tão respeitado quanto o Senhor Caitanya. O mestre espiritual é a personalidade que exibe a natureza do Senhor Caitanya. Nunca devemos concluir que o mestre espiritual é exatamente igual e a mesma coisa que o Senhor Supremo, como pensam os filósofos māyāvād…s. Os vaiŠavas aceitam o mestre espiritual em termos da filosofia acintya-bhedābheda-tattva, com a simultânea igualdade e diferença da Personalidade de Deus.

®ikā e D…kā Um mestre espiritual que dá instruções sobre os princípios regulativos do serviço devocional é chamado ikā-guru, ou mestre espiritual instrutor. Uma

pessoa que não está dedicada ao serviço da Personalidade de Deus e que é viciada em maus hábitos não pode ser um mestre espiritual. O mestre espiritual instrutor é de dois tipos: (1) uma alma auto-realizada dedicada constantemente ao serviço à Personalidade de Deus e, (2) uma alma em consciência pura que está constantemente oferecendo instruções favoráveis ao serviço ao Senhor Supremo. A instrução para o serviço do Senhor também é de dois tipos : (1) instrução sobre o objetivo do serviço e, (2) instrução sobre os princípios regulativos do serviço. O mestre espiritual que conecta a entidade viva com a Personalidade de Deus ®r… KŠa através da iniciação é chamado d…kā-guru, ou mestre espiritual iniciador. Não há diferença entre o mestre espiritual iniciador e o mestre espiritual instrutor. Ambos são objeto de abrigo para o discípulo e os dois são āraya

vigraha, ou a personalidade em cujo abrigo se estabelece o relacionamento eterno
com o Senhor Supremo, e onde se aprende o processo de aproximação ao Senhor Supremo através do serviço devocional. Pensar que um mestre espiritual é mais puro do que o outro é ofensivo. O mestre espiritual iniciador simbólico é ®r…la Sanātana Gosvām…, quem inicia o devoto no serviço de Madana-mohana. ®r…la R™pa Gosvām… é o mestre espiritual instrutor, que instrui o devoto com os seus versos no Bhakti-rasāmta-sindhu como prestar serviço a Rādhā-Govinda. Portanto, ninguém pode pensar que ®r…la Sanātana Gosvām… é maior do que ®r…la R™pa Gosvām… e vice-versa. Ambos são nossos mestres espirituais e nos iniciam no serviço transcendental amoroso ao Senhor Supremo. Quando o Senhor Caitanya menciona a palavra guru, mestre espiritual, Ele quer dizer tanto o ikā-guru quanto o d…kā-guru e não apenas um deles.

Quem não é VaiŠava não é Guru De acordo com o Hari-bhakti-vilāsa, um devoto puro do Senhor Supremo nunca é um ™dra. Por outro lado, se alguém não se dedica ao serviço à Personalidade de Deus, é definitivamente um ™dra, mesmo que tenha nascido em

outra posição do varnārama-dharma. Um brāhmaŠa na plataforma de

varŠārama-dharma, apesar de poder ser muito perito em observar todos os
detalhes das seis funções específicas atribuídas aos brāhmaŠas pelas escrituras, não pode ser aceito como mestre espiritual se não é um vaiŠava. Mas se um intocável

caŠāla (comedor de cães) se torna um vaiŠava, ele pode ser aceito como mestre
espiritual. Um devoto puro do Senhor Supremo, apesar de nascido numa família de ™dras, pode ser o mestre espiritual dos outros três varŠas. Rāmānanda Rāya, estando sempre ciente da sua tarefa transcendental, nunca está sujeito a ser iludido pela energia ilusória do Senhor Supremo. Ele pôde compreender os sentimentos do Senhor Caitanya e, pela vontade dEle, desejou avançar mais. Ele disse:

rāya kahe — āmi — na˜a, tumi — s™tra-dhāra yei mata nācāo, taiche cāhi nācibāra mora jihvā — v…Šā-yantra, tumi — v…Šā-dhār… tomāra mane yei u˜he, tāthāi uccāri
"Meu Senhor, sou como um boneco que dança e Você é quem comanda os cordões. Deixe-me dançar como Você deseja. Minha língua é como uma v…Šā (um instrumento musical de cordas) e Você a está tocando. Tenha a bondade de me fazer vibrar com a nota que Você deseja produzir." Rāmānanda continuou:

prama …vara kŠa — svayam bhagavān sarva-avatār…, sarva-kāraŠa-pradhāna ananta vaikuŠ˜ha, āra ananta avatāra ananta brahmāŠa ihā‰ — sabāra ādhāra

sac-cid-ānanda-tanu, vrajendra-nandana sarvaivarya-sarvaakti-sarvarasa-p™rŠa …vara paramaƒ kŠa, sac-cid-ānanda-vigrahaƒ anādir ādir govindaƒ, sarva-kāraŠa-kāraŠam vndāvane `aprākta navina madana' kāma-gāyatr… kāma-b…je yā‰ra upāsana
"®r… KŠa é a Suprema Personalidade de Deus, a causa de todas as causas. Ele se expande em inúmeras porções plenárias conhecidas como encarnações. Ele é a origem de inúmeros planetas VaikuŠ˜ha, inúmeras encarnações e inúmeros universos. Ele é a forma transcendental de existência, conhecimento e bemaventurança. Ele é conhecido como o filho do rei de Vraja. Ele é completo em si mesmo com todas as opulências, todos os poderes e todas as rasas divinas. Como está declarado no Brahmā-saˆhitā, Ele é o Senhor Supremo Primordial e a causa de todas as causas. ®r… KŠa é o Cupido transcendental e o residente de ®r… Vndāvana. Ele é adorado pelos sons transcendentais produzidos pelo proferir do

kāma-gāyatr… e kāma-b…ja."

A Vndāvana Eterna

Vndāvana, a residência de ®r… KŠa, é descrita no Brahmā-saˆhita da seguinte maneira (5.56):

riyaƒ kāntāƒ kāntaƒ parama-puruaƒ kalpa-taravo drumā bh™mi cintāmaŠi-gaŠa-may… toyam amtam kathā gānaˆ nātyaˆ gamanam api vaˆ… priya-sakh… cid-ānandaˆ jyotiƒ param api tad āsvādyam api ca

sa yatra k…rādbhiƒ sravati na hi yatrāpi samayaƒ bhaje veta-dv…paˆ tam aham iha golokam iti yaˆ vidantas te santaƒ kiti-virala-cārāƒ katipaye
Na morada transcendental de Vndāvana tudo é consciente. Apesar de aparecer no mundo material, ela existe eternamente, mesmo durante a aniquilação do mundo material. Esta declaração está confirmada no Bhagavad-g…tā (8.20). Em Vndāvana, as vaqueirinhas são desfrutadas por ®r… KŠa, e ali Ele é o único desfrutador porque Ele é a Pessoa Suprema. As árvores de Vndāvana são todas árvores dos desejos e a terra é feita de cantāmaŠi, as pedras de toque que realizam todos os desejos. Em Vndāvana a água é néctar, as palavras são canções, o andar é dança e a flauta é eternamente a companhia constante de ®r… KŠa. As luminárias do céu são transcendentais e bem-aventuradas. Tendo isso em mente, devemos sempre tentar compreender Vndāvana onde mesmo um momento nunca é perdido, porque nenhum momento se vai, e, assim, também não existe a limitada concepção de futuro. Portanto, a Vndāvana-dhāma que podemos experimentar nesse mundo mortal é um tema de estudo profundo e o significado de Vndāvana só pode ser conhecido pelos devotos puros. Portanto, adoremos Vndāvana. A Vndāvana-dhāma que se manifesta no mundo material não é realizada pelos nossos sentidos materiais, que estão sempre prontos para desfrutar da matéria. Quando estamos inspirados pela atitude transcendental apropriada de serviço a Madana-mohana, podemos conhecer a verdadeira Vndāvana. Como ela é muito difícil de se compreender, ®r…la Narottama dāsa µhākura nos ensinou, com suas atividades, a chorar pela misericórdia do Senhor Nityānanda Prabhu. Pela misericórdia do Senhor Nityānanda, podemos nos liberar da consciência de tentar desfrutar desse mundo material. Esse espírito de desfrute é conhecido como

saˆsāra-vāsanā. Quando nos livramos do saˆsāra-vāsanā, nos livramos da
mentalidade de apenas comer, dormir, temer e perseguir outros hábitos para

gratificação dos sentidos. Quando isso é feito, a mente do devoto se purifica da infecção material e, nesse estado mental, podemos ver a verdadeira Vndāvanadhāma situada nesse mundo mortal.

Cupido e o Kāma-Gāyatr…

O Cupido eterno, ®r… KŠa, é eternamente diferente do Cupido material. O Cupido material só produz prazer temporário, mas assim que perde o ímpeto, logo em seguida nos traz de volta à estupidez material. Mas, o Cupido eterno está sempre ativo e o prazer transcendental é sempre crescente e se renova constantemente. Esse prazer existe eternamente e não está sujeito às leis da natureza material. O prazer transitório, que se obtém do Cupido material, é o objeto de desfrute dos materialistas, mas o Cupido transcendental é servido eternamente porque Ele é ®r… KŠa, a própria Personalidade de Deus. Gāyatr… significa aquilo que libera das garras dos anseios materiais. Por cantar o kāma-gāyatr…: kl…ˆ kāma-devāya vidmahe pupa-bāŠāya dh…mah… tan no

`nangaƒ pracodayāt — o som transcendental composto de vinte quatro letras e
meia, nos conectamos com o serviço a Madana-mohana (kāma-devāya). A natureza do serviço prático é realizada em conexão com Govinda (pupa-bāŠāya). E no estágio de perfeição do serviço, estamos conectados com Gop…nātha (ana‰gaƒ), aquele que atrai as vaqueirinhas. A descrição do kāma-gāyatr… no Brahmā-saˆhitā é vívida. O kāma-gāyatr… foi cantado primeiramente pelo Senhor Brahmā, antes de ele ter criado o universo material. A sua consciência pura foi despertada devido aos seus relacionamento, atividades e objetivo final no serviço à Personalidade de Deus. Quando ele se concentrou em cantar o som transcendental do kāma-gāyatr…, ele adquiriu a habilidade para criar o universo, e assim ele compôs o Brahmā-saˆhitā louvando as glórias de Govinda, a Personalidade de Deus.

O arranjo científico do kāma-gāyatr… é descrito no Brahmā-saˆhitā. Ele diz que o kāma-gāyatr… supramundano, combinado com o kāma-b…ja (o núcleo do amor transcendental), é o meio transcendental de adoração pelo qual servimos o eternamente jovem Cupido transcendental, Madana-mohana. ®r… Vivanātha Cakravart… µhākura explicou a representação simbólica do kāma-b…ja "kliˆ," a referência do Bhad Gautam…ya tantra é a seguinte: K é KŠa, o macho agressivo supremo, que possui uma forma corporificada de plena eternidade, conhecimento e bem-aventurança; a letra I é Rādhā, a suprema fêmea receptiva, que é eternamente Vndāvanevar…, ou a princesa mais majestosa de ®r… Vndāvana; a letra L é considerada como ānandātmaka-prema-sukha, ou a felicidade de amor extasiante de Rādhā e KŠa na forma de pura felicidade e bem-aventurança; e a letra ¤ é a expressão de cumban-ānanda-mādhurya, ou a doçura extasiante do Seu beijo mais bem-aventurado. Quando o kāma-b…ja é acrescentado ao gāyatr…, ele se torna uma oração transcendental para a adoração de ®r… ®r… Rādhā-KŠa. Rāmānanda Rāya continuou falando: "®r… KŠa tem várias energias, três delas são as mais proeminentes. Elas são conhecidas como energia interna, energia externa e energia marginal; ou a potência de conhecimento pleno da vida, a potência de escuridão ou ignorância e a potência da entidade viva." No ViŠu PurāŠa, essas potências também são mencionadas. A energia interna e a energia marginal são consideradas energias superiores, enquanto a energia externa, ou a potência de escuridão , é chamada de energia inferior.

Hlādin…, Sandhin… e Samvit ®r… KŠa é originalmente uma pessoa com plena existência, conhecimento e bem-aventurança transcendentais Sua energia interna, ou a potência de pleno conhecimento, é manifesta de três maneiras diferentes: hlādin…, sandhin… e samvit, que representam bem-aventurança, existência e conhecimento transcendentais

respectivamente. No ViŠu PurāŠa, isso é confirmado da seguinte maneira: "Ó Senhor, em Você, que é todo-penetrante, as energias hlādin…, sandhin… e samvit estão todas cientes. Suas partes integrantes, as entidades vivas, obtiveram o poder das formas pervertidas de hlādin…, sandhin… e samvit. Elas acabaram caindo sob a influência das três qualidades da energia externa, porque as entidades vivas estão sujeitas a serem influenciadas pela energia ilusória conhecida como māyā. No entanto, em Você essas três energias são transcendentais às qualidades de māyā."

Quem é o Mais Elevado A energia hlādin… significa a potência de prazer e por esta energia, que é Sua propriedade, ®r… KŠa se capacita a desfrutar e se envolver em sentimentos de felicidade. A energia hlādin… é a causa da felicidade transcendental para o devoto que se dedica ao serviço transcendental ao Senhor Supremo. A energia hlādin…, na Sua forma concentrada, é a corporificação do amor ao Senhor Supremo, que produz as emoções transcendentais de bem-aventurança e conhecimento. Esse amor transcendental pelo Senhor Supremo no seu estado maduro é chamado

mahābhāva e ®r…mati RādhārāŠ… é a mahābhāva personificada. Portanto, o Ujjvalan…lamaŠi (4.3) A descreve da seguinte maneira:

tayor apy ubhayor madhye rādhikā sarvathādhikā mahābhāva-svar™peyaˆ guŠair ativar…yas…
"Dentre as vaqueirinhas, ®r…mati RādhārāŠ… e ®r…mati Candrāval… são as

gop…s principais. Dentre as duas, ®r…mati RādhārāŠ… é a mais elevada porque Sua
posição é a de mahābhāva, ou o estágio mais elevado de amor ao Senhor Supremo.

Nenhuma outra vaqueirinha possui qualidades tão elevadas quanto ®r…mati RādhārāŠ…."

premera `svar™pa-deha'— premera-vibhāvita kŠera preyas…-re˜hā jagate vidita
"®r…mati RādhārāŠ… é o amor por Deus personificado. Ela é feita de puro amor por Deus. Portanto Ela é celebrada no universo como a mais querida por ®r… KŠa."

O Brahmā-saˆhitā (5.37) A descreve da seguinte maneira:

ānanda-cinmaya-rasa-pratibhāvitābhis tābhir ya eva nija-r™patayā kalābhiƒ goloka eva nivasty akhilātma-bh™to govindam ādi-puruaˆ tam ahaˆ bhajami
"Eu adoro o Senhor Govinda, que em Sua forma original reside em Sua morada chamada Goloka, juntamente com as vaqueirinhas transcendentais, que estão sempre inspiradas pelos sentimentos de bem-aventurança e conhecimento transcendentais. Este Govinda é o Senhor Supremo todo-penetrante." ®r…mati RādhārāŠ… também é descrita por ®r…la Raghunātha dāsa Gosvām… em seu Premāmbhoja-maranda: "A identidade de ®r…mati RādhārāŠ… é a personificação do serviço a ®r… KŠa para satisfazer todos os desejos dEle. Suas associadas como Lalitā, Viākhā e outras amigas são símbolos da Sua expressão de serviço muito íntimo. A manifestação da Sua primeira juventude desabrochando, surge como resultado de Ela usar o cosmético feito com a afeição por ®r… KŠa. O Seu primeiro banho (matinal) é na

água nectárea da energia da juventude. O desenvolvimento gradual de Sua beleza jovial é o néctar do Seu banho da tarde. O Seu banho da noite é tomado com a água da juventude em desenvolvimento, e desta maneira os três estágios de Sua juventude desabrochando são comparados com os Seus banhos três vezes ao dia, classificados com os nomes de kāruŠyāmta, tāruŠyāmta e lāvaŠyāmta. Essa é a descrição do Seu corpo transcendental."

Qualidades de ®r…mati RādhārāŠ…

No que se refere ao Seu vestuário, ele é descrito em duas partes. Uma é feita com o rubror de Sua jovialidade e coberta de modéstia com o tecido de Suas tranças negras (yāma), que se convertem numa coberta azulada, e a segunda é chamada uttaria, que é vermelha devido ao extremo apego pela companhia de ®r… KŠa. Seus seios estão cobertos pelo Seu sari na forma da afeição e ira contra KŠa. A Sua beleza pessoal é comparada à ku‰kuma (um cosmético especial) e Sua amizade por Suas associadas é comparada à polpa de sândalo. A doçura da Sua calma sobriedade é comparada à cânfora. Esses três ingredientes decorando o corpo de ®r…mati RādhārāŠ… — ku‰kuma, pasta de sândalo e cânfora — provocam um sempre crescente vislumbre em Sua beleza jovial. Externamente, Ela é muito astuta e contraditória, enquanto o Seu coração é submisso. Ela fala palavras cruéis para o Seu amante, no entanto, o Seu coração se revela pelo fluir das lágrimas de Seus olhos. Essa emoção é chamada

dh…rādh…rātmaka. Os graus dessa emoção particular variam de intensidade e são
chamados praghoa, madhya e mugdha, respectivamente. O Seu batom é a cor vermelha dos Seus lábios devido a Sua profunda atração por KŠa. Os sintomas externos dos Seus sentimentos transcendentais tais como alegria, riso, agitação e choro são Suas companheiras constantes. Suas

diferentes qualidades podem ser divididas em quatro categorias: (1) qualidades pertencentes à Sua pessoa, (2) qualidades pertencentes a Suas palavras, (3) qualidades pertencentes à Sua mente e, (4) qualidades pertencentes ao Seu relacionamento com os outros. Ela possui seis qualidades em relação à Sua pessoa, três qualidades em relação à Sua fala, duas em relação à Sua mente, e seis no que se refere ao Seu relacionamento com os outros. A descrição dessas diferentes qualidades são dadas mui vívidamente no Ujjvala-n…lamaŠi. Para evitar o aumento do volume desse livro, não vamos nos ater detalhadamente a esse tema. ®r…mati RādhārāŠ… sempre mantém em Seu coração o sentimento de prema-

vaicittya, um sentimento de medo da separação, mesmo enquanto está na
companhia de Seu consorte. Ela é eternamente uma jovenzinha entre 16 e 20 anos de idade. Esse período é chamado kaiora. Ela vive perambulando, com Suas mãos repousando nos ombros de Suas amigas vaqueirinhas. Ela está sempre sendo atendida amorosamente pelas amigas, e Sua mente está sempre repleta com os passatempos transcendentais de ®r… KŠa. Sua alegria permanente é a fragrância de Seu corpo e Ela está constantemente sentada sobre a armação de cama do Seu orgulho peculiar de se lembrar constantemente de ®r… KŠa. A constante lembrança do nome, fama e qualidades de ®r… KŠa são os brincos que A decoram. As glórias do nome, fama e qualidades de ®r… KŠa estão sempre inundando Sua fala. Ela mantém ®r… KŠa estimulado com a bebida celestial do cantar incessante das Suas qualidades. Em suma, Ela é o reservatório do amor puro por KŠa e Ela é plena e completa com todas as qualificações necessárias para tanto. Ela é o símbolo perfeito da representação do amor puro pelo Senhor Supremo. Esse fato é descrito no Govinda-l…lāmta (11.122) na forma de perguntas e respostas:

kā kŠasya praŠaya-janibh™ƒ r…mat… rādhikaikā kāsya preyasy anupama-guŠā rādhikaikā na cānyā

jaihmyaˆ kee di taralatā ni˜huratvaˆ kuce `syā vāñcā-p™rtyai prabhavati hare rādhikaikā na cānyā
P: Quem é a força geratriz do amor por ®r… KŠa? R: Ela é ®r…mati RādhārāŠ…. P: Quem é qualitativamente a mais querida por ®r… KŠa? R: É ®r…mati RādhārāŠ… e ninguém mais. O cabelo de ®r…mati RādhārāŠ… é bem ondulado, Seus olhos vivem se movendo agitados, Seus seios são firmes e sendo assim somente Ela é quem pode satisfazer todos os desejos do todo-atrativo Hari.

yā‰ra saubhāgya-guŠa vāñche satyabhāmā yā‰ra ˜hāñi kalā-vilāsa ikhe vraja-rāmā yā‰ra saundaryādi-guŠa vāñche lakm…-pārvat… yā‰ra pativratā-dharma vāñche arundhat… yā‰ra sadguŠa-gaŠāne kŠa nā pāya pāra tā‰ra guŠa gaŠibe kemane j…va chāra
Rāmānanda Rāya concluiu a descrição das qualidades de ®r…mati RādhārāŠ… dizendo que Ela é invejada por Satyabhāmā devido a Sua boa-fortuna inigualável, e foi apenas por causa dEla que todas as vaqueirinhas de Vraja aprenderam a arte de atrair um amante. Até mesmo Pārvat… e Lakm…, que têm uma beleza superexcelente, desejam possuir as qualidades dEla, Sua beleza e alcançar o nível da Sua castidade. Até mesmo ®r… KŠa falha em calcular as qualidades de ®r…mati RādhārāŠ…. Portanto, como é possível que um mortal avalie as Suas qualidades? Ao ouvir essa declaração de Rāmānanda Rāya, o Senhor Caitanya disse:

prabhu kahe — jānilu‰ kŠa-rādhā-prema-tattva unite cāhiye du‰hāra vilāsa-mahattva

"Fiquei sabendo da essência do amor entre ®r…mati RādhārāŠ… e ®r… KŠa. Agora desejo ouvir algo sobre os Seus passatempos transcendentais."

Qualidades de ®r… KŠa Rāmānanda Rāya respondeu que ®r… KŠa é dh…ra-lalita, uma pessoa que é muito inteligente, sempre jovial, perito em fazer piadas, livre de todas as ansiedades e muito submisso aos Seus amados. Suas caraterísticas sempre se manifestam nos Seus passatempos eróticos transcendentais. Por isso Ele se dedica constantemente em desfrutar com ®r…mati RādhārāŠ…, fazendo a perfeição da brincalhona idade de kaiora. Esse estágio das atividades de ®r… KŠa é descrito por ®r…la R™pa Gosvām… da seguinte maneira:

vācā s™cita-arvar…-rati-kalā-prāgalbhyayā rādhikāˆ vr…ā-kuñcita-locanāˆ viracayann agre sakh…nām asau tad-vakoruha-citra-keli-makar…-pāŠitya-pāraˆ gataƒ kaioraˆ saphali-karoti kalayan kuñje vihāraˆ hariƒ
"®r… KŠa desfruta com perfeição a idade da Sua adolescência em passatempos com ®r…mati RādhārāŠ…, nas veredas de Vndāvana. Ele leva vantagem sobre as vaqueirinhas devido a Sua perícia na arte de pintar. Ele faz ®r…mati RādhārāŠ… fechar os olhos de vergonha diante das amigas dEla, por falar palavras que descrevem as atividades amorosas dos dois na noite anterior. Então, enquanto Ela está quase inconsciente num desmaio, ®r… KŠa, mostrando o limite mais elevado da Sua esperteza, pinta os seios dEla com vários tipos de makaras (peixes místicos)."

As atividades amorosas mais elevadas Ao ouvir essas palavras, o Senhor Caitanya disse:

prabhu kahe — eho haya, āge kaha āra rāya kahe — ihā va-i buddhi-gati nāhi āra
"Sim, está bem, mas por favor continue." Rāmānanda respondeu: "Creio que minha inteligência é incapaz de ir além disso!" O estágio que ainda deve ser descrito é o de prema-vilāsa-vivarta, o sentimento de atração original amadurecida pelo sentimento de separação. "Não sei se esse tipo de descrição será do Seu agrado." Ao dizer isso Rāmānanda cantou uma canção de sua autoria, cujo significado é o seguinte:

pahileli rāga nayana-bha‰ge bhela anudina bāhala, avadhi nā gela nā so ramaŠa, nā hāma ramaŠ… duŠhu-mana manobhava peala jāni' e sakhi, se-saba prema-kāhin… kānu-˜hāme kahabi vichurala jāni' nā kho‰jaluˆ d™t…, nā kho‰jaluŠ ān da‰hukeri milane madhya ta pā‰ca-bāŠa ab sohi virāga, tu‰hu bheli d™t… su-purukha-premaki aichana r…ti
"Oh, quando Nos encontramos pela primeira vez, a atração foi despertada por um simples olhar, e essa atração não conhece limites em sua evolução, porque

esta atração é devida a Nossa inclinação. Nem KŠa nem Eu mesma somos a causa dessa atração espontânea, mas ela surgiu e como o Cupido está ferindo os nossos corações. Agora estamos separados um do outro. Ó minha querida amiga, se você pensa que ®r… KŠa Se esqueceu de Mim completamente, vá dizer-Lhe que logo de início nunca precisamos de qualquer negociação, nem jamais fomos em busca de qualquer mensagem. O próprio Cupido foi o agente do Nosso encontro. Mas, bolas! Naquele momento, Ó Minha amiga, você está fazendo o trabalho de mensageira quando a Nossa atração é mais desejável do que antes." Esse tipo de sentimento durante a separação do amante e da amada é chamado prema-vilāsa-vivarta, que é o sentimento mais elevado nas trocas amorosas. Eis aqui uma outra descrição, vinda do fundo do coração, do mesmo prema-

vilāsa-vivarta, feita por ®r…la R™pa Gosvām… em seu Ujjvala-n…lamaŠi: rādhāyā bhavata ca citta-jatun… svedair vilāpya kramād yuñjann adri-nikuñja-kuñjara-pate nirdh™ta-bheda-bhramam citrāya svayam anvarañjayad iha brahmāŠda-harmyodare bh™yobhir nava-rāga-hi‰gula-bharaiƒ ‰gāra-kāruƒ kt…
"Oh, o rei dos piratas (®r… KŠa) reside nas veredas da colina de Govardhana! O criador do universo, que é muito perito na arte da decoração, fez derreter a cobertura do seu coração e do de ®r…mati RādhārāŠ… com a perspiração

dos sintomas e emoções transcendentais, e assim removeu a falsa concepção de dualidade. Com essas atividades maravilhosas, Ele pintou os seus corações para fazer maravilhas no universo." A explanação do sentimento de prema-vilāsa-vivarta só pode ser realizada no estado de consciência pura, livre de todos os equívocos materiais. Esse tema transcendental não pode ser realizado num estado de consciência em que tanto o corpo sutil quanto o corpo grosseiro estão sendo influenciados pelos corpo e mente materiais. A consciência externa em relação à inteligência e à mente materiais é diferente da alma pura. As doçuras desse tema transcendental são saboreados pelos sentidos dedicados ao serviço divino à Personalidade de Deus.

Consciência Positiva O estado de consciência pura, desfrutado no serviço transcendental ao Senhor Supremo, é apenas parcialmente manifesto nos impersonalistas através da sua negativa em se dedicar ao enredamento material. A concepção impessoal negativa é simplesmente um antídoto para a ilusão material, ela não tem apoio positivo. Esse estado de consciência pode ser um tanto iluminante, mas não pode alcançar a consciência positiva da alma em seu estado puro. A atração pela matéria é passageira e inferior, e, portanto, é melhor descrita como apenas uma passagem para o amor. A aparente felicidade do mundo material é, na realidade, infelicidade. No entanto, a infelicidade transcendental experimentada em prema-vilāsa-vivarta nada tem a ver com a infelicidade em sua concepção material. Concluindo essa explanação de prema-vilāsa-vivarta, o estágio mais elevado de relacionamentos transcendentais, o Senhor Caitanya disse:

prabhu kahe — `sādhya-vastura avadhi'ei haya tomāra prasāde ihā jānilu‰ nicaya

`sādhya-vastu' `sādhana'vinu keha nāhi pāya kpā kari' kaha, rāya, pābāra upāya
"Agora compreendo o limite mais elevado da meta definitiva da vida. Isso foi possível pela sua graça. A meta não pode ser alcançada sem o esforço do devoto e a misericórdia de um devoto puro. Portanto, deixe-me saber, por favor, a maneira de se alcançar essa meta mais elevada." Rāmānanda continuou:

rāya kahe — yei kahāo, sei kahi vāŠ… ki kahiye bhāla-manda, kichui nā jāni tribhuvana-madhye aiche haya kon dh…ra ye tomāra māyā-nā˜e ha-ibera sthira mora mukhe vaktā tumi, tumi hao rotā atyanta rahasya, una, sādhanera kathā rādhā-kŠera l…lā ei ati g™hatara dāsya-vātsalyādi-bhāve nā haya gocara sabe eka sakh…-gaŠera ihā‰ adhikāra sakh… haite haya ei l…lāa vistāra sakh… vinā ei l…lā pu˜a nāhi haya sakh… l…lā vistāryā, sakh… āsvādaya sakh… vinā ei l…lāya anyera nāhi gati sakh…-bhāve ye tā‰re kare anugati rādhā-kŠa-kuñjasevā-sādhya sei pāya sei sādhya pāite āre nāhika upāya

"Meu Senhor, não sei qual a maneira de me aproximar da meta definitiva da minha vida, mas falei para Você tudo aquilo que Você desejou que eu falasse. Não sei dizer se falei certo ou se falei errado. Ninguém, nesses três mundos, pode evitar dançar conforme o Seu desejo. Na verdade, Você falou através de minha boca e é maravilhoso que Você também tenha sido a audiência. Portanto, deixe dizer que os passatempos transcendentais de ®r…mati RādhārāŠ… e ®r… KŠa são extremamente misteriosos e confidenciais. Até mesmo aqueles que estão dedicados ardentemente no serviço de dāsya, sakhya ou vātsalya rasas não podem entrar na essência de Seus passatempos. Apenas os associados eternos de ®r…mati RādhārāŠ…, as vaqueirinhas de Vraja, têm autorização para entrar nesse mistério, porque esses passatempos transcendentais se desenvolvem na sua associação. A realização completa das doçuras de todos os passatempos transcendentais dependem das atividades das associadas de ®r…mati RādhārāŠ…. São elas quem expandem esses passatempos e desfrutam o seu desenrolar; somente elas. Portanto, se alguém desejar alcançar esse estágio de vida transcendental, tem que se dedicar ardentemente ao serviço dessas associadas (as gop…s). Somente quem segue esse princípio pode se tornar uma serviçal de ®r…mati RādhārāŠ… e de ®r… KŠa nas veredas de Vndāvana. Quanto a isso não há outra alternativa."

A felicidade mais intensa No Govinda-l…lāmta (10.17), está dada a seguinte descrição:

vibhur api sukha-r™paƒ sva-prakāo `pi'bhāvaƒ kaŠam api na hi rādhā-kŠayor yā te svāƒ pravahati rasa-pu˜iˆ cid-vibh™tir iveaƒ rayati na padam āsāˆ kaƒ sakh…nāˆ rasa-jñaƒ

"Os passatempos transcendentais de Rādhā e KŠa são tão refulgentes quanto a própria Personalidade de Deus. Enquanto o Senhor Supremo Todopoderoso é glorificado pela Sua manifestação de diversas energias e potências, os passatempos de Rādhā e KŠa são glorificados em associação das sakh…s ou as amigas de ®r…mati RādhārāŠ…." As atividades das sakh…s são maravilhosas. Elas não desejam qualquer desfrute pessoal com ®r… KŠa mas ficam felizes apenas com a união do Casal Divino. Por unirem ®r…mati RādhārāŠ… com ®r… KŠa, as sakh…s desfrutam milhares de vezes mais felicidade do que poderiam ter com o contato direto com ®r… KŠa. Esse é outro mistério dos passatempos transcendentais de Rādhā e KŠa. ®r…mati RādhārāŠ… é como uma planta trepadeira dos desejos, abraçando a árvore dos desejos de ®r… KŠa, e as sakh…s são as folhas, ramos e flores da trepadeira dos desejos. Portanto, naturalmente, quando a trepadeira dos desejos é regada em sua raiz, pela água nectárea dos passatempos de ®r… KŠa, seus ramos, flores e folhas são nutridos automaticamente. Sendo assim, as sakh…s não precisam fazer nenhum arranjo em separado para o seu desfrute. Por outro lado, a felicidade das flores e folhas é maior do que a trepadeira original. Isso é explicado no Govinda-l…lāmta (10.16):

sakhyaƒ r…-rādhikāyā vrajakumuda-vidhor hlādin…-nāma-akteƒ sārāˆa-prema-vallyāƒ kisalayadala-pupādi-tulyāƒ sva-tulyāƒ siktāyāˆ kŠa-l…lāmta-rasanicayair ullasantyām amuyāˆ jātollāsāƒ sva-sekācchata-guŠam adhikaˆ santi yat tan na citram

"Não há utilidade em regar as folhas e flores de uma árvore sem regar a raiz da árvore. As folhas e flores são nutridas automaticamente quando se rega a raiz da árvore. Analogamente, sem a união de ®r…mati RādhārāŠ… e ®r… KŠa, não há felicidade para as sakh…s. Quando Rādhā e KŠa estão unidos, a felicidade das

sakh…s é milhões de vezes maior do que quando elas estão associadas pessoalmente
com KŠa."

Um grande mistério

Há um grande mistério nesses passatempos transcendentais: a própria ®r…mati RādhārāŠ… promove a união das Suas associadas com ®r… KŠa, apesar das

sakh…s não terem esse desejo. Ao fazer isso, ®r…mati RādhārāŠ… desfruta de mais
felicidade do que se Ela mesma se unisse com ®r… KŠa, e por esse motivo as

sakh…s aceitam esse arranjo para a felicidade dEla. Através desses arranjos mútuos
de ®r… Rādhā e das sakh…s, ®r… KŠa fica ainda mais feliz e, portanto, o arranjo todo faz com que Rādhā e KŠa se tornem mais estimulados em Seus passatempos transcendentais. O amor divino natural das vaqueirinhas por ®r… KŠa não deve jamais ser considerado ou comparado com a luxúria material. Os dois, amor e luxúria, são explicados com termos semelhantes porque parecem semelhantes, mas o Bhaktirasāmta-sindhu (1.2.285) explica de outra maneira:

premaiva gopa-rāmāŠāˆ kāma ity agamat prathām ity uddhavādayo `py etaˆ vāñchanti bhagavat-priyāƒ

"As pessoas costumam descrever e compreender o amor das vaqueirinhas por ®r… KŠa sob a luz da luxúria mundana, mas, na verdade, ele é diferente porque esse padrão de amor por ®r… KŠa foi desejado até pelos devotos mais elevados como Uddhava e outros." Luxúria mundana se destina ao desfrute pessoal. O amor transcendental pelo Senhor Supremo se destina à felicidade da Personalidade Suprema, ®r… KŠa. Portanto, há uma enorme diferença entre as duas coisas. As vaqueirinhas de Vraja não tinham desejo de se satisfazerem pessoalmente ao entrar em contato com ®r… KŠa, no entanto, elas estavam sempre prontas a prestar todo tipo de serviço para o benefício de ®r… KŠa. Algo que esteja aquém desse espírito é considerado luxúria. Como está confirmado no ®r…madBhāgavatam, desejo mundano é luxúria mundana. Nos Vedas, os três modos da natureza — bondade, paixão e ignorância — são descritos em diferentes termos de acordo com o desejo de diferentes benefícios: seguidores, filhos, riqueza e tudo mais. Isso tudo nada mais é do que diferentes categorias de luxúria mundana. Essa luxúria é apresentada na linguagem florida dos Vedas como religiosidade. A luxúria pode ter diversos nomes: altruísmo, karma-kaŠa, trabalho fruitivo, obrigações sociais, desejo de liberação, tradição familiar, afeição pelos parentes e medo de ser castigado e admoestado pelos parentes. Essas são diferentes formas de luxúria que existem sob o nome de religiosidade. Não há nada nessas atividades, exceto o desejo de gratificação dos sentidos.

Rendição No Bhagavad-g…tā, a instrução final é para que se abandone toda variedade de religião e siga-se a Personalidade de Deus sem reservas. No início do Bhagavadg…tā, a Personalidade de Deus proclamou que Ele desce à Terra sempre que houver

o aparecimento e atividades irreligiosas. E que Ele faz isso para proteger os fiéis, erradicar os descrentes e restabelecer os princípio de religiosidade. Essas duas declarações parecem contraditórias. A Personalidade de Deus desce à Terra para proteger a religiosidade e no entanto aconselha a Arjuna a abandonar todas as variedades de religião. Entretanto, a explicação é muito clara. Rendição completa à vontade da Personalidade de Deus sem qualquer reserva é o principal princípio religioso. Todas as outras atividades, como altruísmo, não são, na verdade, religiosas. Sendo assim, a Personalidade de Deus aconselha Arjuna a abandoná-las. Elas são diferentes formas de luxúria mundana, apresentadas suntuosamente vestidas como religiosidade. Portanto, deve haver uma convicção transcendental de sentir-se como servo eterno do Senhor Supremo e seguir essa convicção significa seguir as ordens de ®r… KŠa como Ele aconselha no Bhagavad-g…tā. Enquanto houver o sentimento de sermos os desfrutadores das nossas atividades, tais atividades devem ser compreendidas como diferentes formas de luxúria mundana. Render-se completamente ao desejo de ®r… KŠa não nos torna uma máquina inerte, sem qualquer ímpeto. Ou seja, o sentimento de estarmos eternamente dedicados ao serviço de ®r… KŠa nos dá o ímpeto transcendental para obedecermos a vontade do Senhor Supremo através do meio divino do mestre espiritual, que em propósito é idêntico a ®r… KŠa. Isso só é possível quando estamos inspirados pelo amor puro pelo Senhor Supremo, o que é chamado

vyavasāyātmikā-buddhi, inteligência supramundana que assegura sucesso nas
atividades espirituais.

Imitadores A maneira artificial de se decorar com as roupas de sakh…, como costuma ser feito por determinados mundanos chamados sakh…bhek… ou gaurā‰ga-nāgar…, não é

inspirada por inteligência supramundana. Essa decoração artificial do corpo, que se destina a ser aniquilado, certamente não pode satisfazer os sentidos transcendentais de ®r… KŠa. Isso é, portanto, um capricho mundano assumido por pessoas pouco inteligentes, pseudo-devotos, e não pode conduzir ao estágio transcendental das vaqueirinhas de Vraja. Já discutimos em detalhes que as formas de ®r…mati RādhārāŠ… e Suas várias associadas chamadas sakh…s são compostas de substância divina e que, portanto, suas atividades se destinam ao serviço de ®r… KŠa. Suas atividades nunca devem ser comparadas com as atividades superficiais do mundo material. ®r… KŠa é a Todo-atraente Personalidade de Deus conhecida como o encantador do universo e ®r…mati RādhārāŠ… é conhecida como a encantadora do encantador do universo. Os esforços imitativos de uma pessoa mundana para se tornar uma sakh… são estritamente proibidos por ®r…la J…va Gosvām… em seu comentário sobre o Bhaktirasāmta-sindhu. O verdadeiro devoto deve, portanto, ser alertado para não imitar o vestuário das sakh…s como meio de bhajana ou adoração. Essa atividade é ofensiva e estritamente proibida. Os sentimentos transcendentais das vaqueirinhas, mencionado no ®r…madBhāgavatam (10.31.19), são os seguintes:

yat te sujāta-caraˆāmburuhaˆ staneu bh…tāƒ anaiƒ priya dadh…mahi karkaeu tenā˜av…m a˜āsi tad vyathate na kiˆ svit k™rpādibhir bhramati dh…r bhavad-āyuāˆ naƒ
"Ó meu querido, os Seus pés de lótus, que são muito macios e que estão colocados sobre os nossos seios rígidos, agora estão caminhando pelas florestas de Vndāvana e assim sentindo as dores de tropeçar em pedregulhos. Isso está nos provocando muita ansiedade porque Você é a nossa própria vida."

Esse é um exemplo do padrão de sentimentos das vaqueirinhas de Vraja e demonstra que a própria vida delas se destina ao serviço de ®r… KŠa sem qualquer mácula ou idéia de gratificação dos sentidos. Existem 64 itens diferentes de serviço devocional regulativo. O devoto gradualmente desenvolve o direito de entrar no serviço transcendental do Senhor Supremo por ter fé implícita na observância dos princípios regulativos. A avidez em servir como os associados eternos de ®r… KŠa, tais como as vaqueirinhas, dão ao devoto o direito de servir a ®r… KŠa dessa maneira. Por esse serviço ardente ao Senhor Supremo, é imprescindível deixar as práticas dos princípios reguladores do

varŠārama-dharma mundano.

Rāgānugā
Na morada transcendental de Vraja, a residência eterna de ®r… KŠa, os habitantes servem ®r… KŠa em diferentes doçuras de serviço amoroso. Raktaka Parada serve na doçura de dāsya-prema. MadhumaŠgala Sakhā, Sr…dāma e Sudāma servem na sakhya-prema, enquanto Nanda e Yaoda servem ®r… KŠa na doçura de vātsalya-prema. Qualquer devoto que seja atraído por um desses sentimentos devocionais irá obter a meta desejada na hora da perfeição. Um exemplo vívido disso são os rutis (os Upaniads personificados). Os rutis ficaram convencidos que sem seguir os passos das vaqueirinhas de Vraja, ®r… KŠa não é alcançado. Naquele momento, eles adotaram o serviço espontâneo (rāgānugā) para seguirem os passos das gop…s objetivando alcançar prema pelo filho do rei de Vraja. Os rutis, que obtiveram o serviço transcendental ao Senhor Supremo por seguirem os passos das gop…s, são descritos no ®r…mad-Bhāgavatam (10.87.23):

nibhta-marum-mano `ka-dha-yoga-yujo hdi yan munaya upāsate tad arayo `pi yayuƒ smaraŠāt

striya uragendra-bhoga-bhuja-daŠa-viakta-dhiyo vayam api te smāƒ samado `‰ghri-saroja-sudhāƒ
"Os inimigos da Personalidade de Deus, que se lembram dEle constantemente com um sentimento de inimizade, entram na refulgência do Brahman impessoal, que também é alcançada pelos filósofos empíricos e místicos, pelo processo de controlar a mente e os sentidos estritamente com a prática de yoga e meditando no Brahman impessoal. Mas, as vaqueirinhas, as donzelas de Vraja, foram hipnotizadas pela beleza venenosa dos braços serpentiformes de ®r… KŠa e assim alcançaram o néctar dos Seus pés de lótus. Nós também seguimos o caminho das vaqueirinhas e estamos bebendo o suco nectáreo dos pés de lótus da Personalidade de Deus." O significado desse verso é que os rutis seguiram o caminho das gop…s e, quando alcançaram a perfeição, obtiveram corpos como aqueles das vaqueirinhas. Depois de obterem esses corpos transcendentais, eles foram capazes de desfrutar da companhia de ®r… KŠa em bem-aventurança.

Trocando de corpo

O avanço da ciência material no campo da cirurgia permite que seja possível a mudança de um corpo humano de masculino para feminino ou vice-versa. O desejo de mudar de corpo dessa maneira é um tipo de luxúria mundana. Essa idéia luxuriosa é um reflexo pervertido da idéia transcendental de mudar de corpo, como foi o caso dos rutis. A idéia de mudar de corpo de uma forma para outra é bem viável até por meio da mente materialista. Portanto, através do desenvolvimento espiritual a possibilidade de mudança de corpo para o melhor é ainda maior.

A conclusão perfeição espiritual que citamos está descrita no ®r…madBhāgavatam (10.9.21):

nāyaˆ sukhāpo bhagavān dehināˆ gopikā-sutaƒ jñānināˆ cātma-bh™tānāˆ yathā bhaktimatām iha
"®r… KŠa, que é o filho de ®r…mati Yaodādev…, é mais facilmente alcançável pelas pessoas que se dedicam ao serviço devocional espontâneo do que pelas pessoas dedicadas às especulações filosóficas empíricas."

Portanto, quem aceita o exemplo estabelecido pelas vaqueirinhas de Vraja e sempre medita nos passatempos transcendentais de ®r… ®r… Rādhā-KŠa dia e noite, enquanto vive em Vraja, ali servindo-Os até que obtenha o corpo de uma

sakh… e sirva diretamente Rādhā e KŠa."

Uma vida eterna de êxtase O corpo supramundano é transcendental ao corpo grosseiro e ao corpo sutil da entidade viva, e é adequado para o serviço amoroso de ®r… ®r… Rādhā-KŠa. A transmigração da alma de um corpo para outro ocorre na existência material de acordo com as atividades fruitivas, que são desenvolvidas sob a influência dos três modos da natureza. No Bhagavad-g…tā, a transmigração da alma de um corpo para outro está descrita vívidamente. A mente carrega a alma para outro corpo, assim como o ar leva os aromas. Na hora da morte, o estado mental é muito importante. A mente vive absorta num determinado tipo de pensamento, sentimento e desejos que estão sempre vinculados com as atividades diárias.

O estado da mente na hora de abandonar o corpo depende do modo de pensar, dos sentimentos e dos desejos. Os devotos são aconselhados a pensar continuamente, dia e noite, sobre os passatempos transcendentais de Rādhā e KŠa e, assim, suas mentes permanecerão absortas nesse tipo de pensamento, sentimentos e desejos. Dessa maneira será possível que a entidade viva entre no reino de Rādhā e KŠa para associar-se diretamente com Eles, a fim de prestarLhes serviço amoroso num sentimento particular que ela cultivou durante sua vida. Na existência material, a mente está sempre condicionada a pensar no desfrute material. Portanto, a mente tem que se dedicar em contemplar temas transcendentais que não têm conexão com os três modos da natureza. Os passatempos divinos de Rādhā e KŠa e as atividades das vaqueirinhas de Vraja, estão acima das três qualidades da natureza material. Quando a mente está dedicada em pensar, sentir e desejar estar conectada com temas transcendentais, a entidade viva com certeza acabará obtendo o serviço a Rādhā e KŠa. Os deva-vratās, as pessoas que estão situadas no modo da bondade, adoram os semideuses como Brahmā e ®iva, e alcançam as moradas desses semideuses. Os

pit-vratās, as pessoas que estão situadas no modo da paixão para desfrutarem do
mundo material e que adoram os ptis, antepassados que já partiram desse mundo, alcançam as diferentes moradas dos ptis. Os bh™tejyās, adoradores de animais e fantasmas, que estão situados no modo da escuridão e ignorância, também alcançam seus respectivos destinos no mundo material. Mas, os devotos da Personalidade de Deus ®r… KŠa alcançam a morada suprema, que é eterna.

Ninguém jamais volta depois de alcançar essa morada.

Qualquer outra esfera que se alcance é considerada uma morada temporária, pois será aniquilada após o tempo limitado de duração, ou os

residentes dessas esferas serão obrigados a retornar à Terra depois de terem exauridos os resultados de suas atividades piedosas passadas. No que diz respeito aos bh™tejyās, eles estão condenados a andar sem destino por essa terra ou nas regiões inferiores do universo. O Senhor Caitanya oferece a todas as pessoas da era de Kali, que são por natureza muito desafortunadas em todos os aspectos, o benefício mais elevado da vida. Portanto, aquelas que aproveitarem essa oportunidade deverão ser consideradas as almas mais afortunadas. Por seguir os princípios das atividades devocionais propostas por Rāmānanda Rāya, sob ordem do Senhor Caitanya, todo ser humano pode alcançar a vida eterna de êxtase em companhia da Personalidade de Deus em diferentes rasas transcendentais como desfrutam os cidadãos de Vraja ou Goloka Vndāvana, a morada eterna de ®r… KŠa.

Lakm…dev… não é admitida Sem seguir os passos das gop…s, ninguém pode obter o corpo espiritual de uma sakh… e prestar serviço a ®r… KŠa, mesmo se o serviço devocional for prestado no humor de opulência. Um exemplo vívido disso é o de ®r… Lakm…dev…, que desejou entrar nos passatempos transcendentais da rāsa-l…lā de ®r… KŠa. No entanto, como Lakm…dev… não seguiu os passos das vaqueirinhas de Vraja, ela não conseguiu entrar. Essa declaração de Rāmānanda Rāya fez com que o Senhor Caitanya se derretesse de êxtase e por isso Ele o abraçou. Tanto Rāmānanda Rāya quanto o Senhor Caitanya ficaram tomados de alegria transcendental e lágrimas caíam dos seus olhos. Eles passaram a noite inteira conversando sobre esse assunto, quando a manhã chegou, os dois foram cuidar dos seus afazeres. Quando o Senhor Caitanya estava partindo, Rāmānanda caiu aos Seus pés de pediu-lhe fervorosamente o seguinte:

`more kpā karite tomāra ihā‰ āgamana dina daa rahi' obha mora du˜a mana tomā vinā anya nāhi j…va uddhārite tomā vinā anya nāhi kŠa-prema dite'
"Você veio até aqui para me conceder a Sua graça divina; portanto, fique aqui, por favor, por mais pelo menos dez dias e veja se a minha mente poluída está correta. Ninguém além de Você pode liberar as almas caídas e nesse mundo, a não ser Você, ninguém pode conceder-lhes as doçuras transcendentais de amor ao Senhor Supremo." O Senhor Caitanya respondeu:

prabhu kahe — āilā‰a uni' tomāra guŠa kŠa-kathā uni, uddha karāite mana yaiche unilu‰, taiche dekhilu‰ tomāra mahimā rādhā-kŠa-premarasa-jñānera tumi s…mā daa dinera kā-kathā yāvat āmi jiba' tāvat tomāra sa‰ga chāite nāriba n…cāle tumi-āmi thākiba eka-sa‰ge sukhe goŠāiba kāla kŠa-kathā-ra‰ge
"Vim ver você, depois de ter ouvido sobre a sua reputação de devoto puro, para poder purificar a Minha mente ouvindo a mensagem transcendental de ®r… KŠa. Acabei de confirmar a Minha informação ao ver e ouvir você. Você é o zênite do conhecimento transcendental no que se refere aos passatempos de Rādhā e KŠa. Portanto, não será possível que Eu deixe a sua companhia jamais, o que dizer de dez dias. Vamos viver juntos em N…lācala (Jagannātha Pur…) e passar o

nosso tempo em felicidade perfeita, sempre falando sobre o tema dos passatempos divinos de Rādhā e KŠa."

Perguntas e respostas perfeitas Assim, Rāmānanda Rāya e o Senhor Caitanya se separaram pela manhã e à noitinha se encontraram novamente. O encontro ocorreu num local solitário e a conversa começou da mesma maneira: como perguntas e respostas. O Senhor Caitanya perguntava e Rāmānanda respondia. P: Qual é a essência do conhecimento no campo das atividades educacionais? R: Não existe qualidade de conhecimento superior ao conhecimento que visa alcançar o serviço devocional a ®r… KŠa. P: Qual é a maior fama? R: A maior fama de uma entidade viva é a reputação de ser um devoto de ®r… KŠa. P: Qual é a posse mais valiosa da vida, entre tudo aquilo que se pode ter nesse mundo? R: Quem possui amor transcendental por Rādhā e KŠa é considerada a pessoa mais rica do mundo. P: Qual é o pior tipo de tristeza, entre todas as tristezas e angústias da vida? R: Não há tristeza maior do que a infelicidade criada pela separação dos devotos de ®r… KŠa. P: Quem é mais perfeitamente liberado, entre todas as almas liberadas do universo? R: Aquele que tem amor transcendental por ®r… KŠa é a mais elevada de todas as almas liberadas. P: Qual é a melhor canção que uma pessoa pode cantar?

R: A essência de todas as canções é cantar as glórias transcendentais de Rādhā e KŠa. P: Qual é o maior benefício que uma pessoa pode alcançar? R: Não há benefício maior do que a associação com os devotos que se dedicam ao serviço a ®r… KŠa. P: Quem deve ser lembrado constantemente pela entidade viva? R: A pessoa deve sempre se lembrar do nome, fama e qualidades transcendentais de ®r… KŠa. P: No que uma entidade viva deve meditar? R: O tipo mais perfeito de meditação é meditar nos pés de lótus de Rādhā e KŠa. P: Onde uma entidade viva deve viver com exclusividade, evitando todas as outras moradas? R: Ela deve viver em Vndāvana, onde os passatempos transcendentais da

rāsa-l…lā são realizados perpetuamente.
P: O que uma entidade viva deve ouvir, deixando de lado todos os outros temas? R: Deve ouvir sobre os passatempos amorosos recíprocos de Rādhā e KŠa e esse deve ser o único assunto de recepção aural para uma entidade viva. P: Qual é o objeto mais adorável dentre todos os objetos adoráveis? R: O objeto mais adorável são os nomes combinados de Rādhā e KŠa. P: O que ocorre com as pessoas que desejam a liberação e com aquelas que desejam gratificação sensorial? R: Quem deseja a liberação alcança um corpo imóvel (como uma pedra ou montanha) e as outras alcançam um corpo celestial (de acordo com Gautama Buddha, liberação significa ficar como uma pedra, sem qualquer percepção sensorial. Esse é o clímax da filosofia budista) Essas perguntas e respostas contêm a essência do conhecimento transcendental confirmado pelas escrituras autorizadas.

A Pessoa mais erudita O desenvolvimento gradual das atividades educacionais deve ser estimado da seguinte maneira: brahma-vidya, ou o conhecimento que a alma espiritual é superior ao conhecimento do mundo físico; conhecimento sobre a Personalidade de Deus é superior ao conhecimento do Brahman impessoal ou espírito; e o conhecimento sobre ®r… KŠa e Seus passatempos é superior ao conhecimento da Personalidade de Deus ViŠu. No ®r…mad-Bhāgavatam está declarado que o trabalho mais elevado é aquele que satisfaz os sentidos de ®r… Hari e a educação mais elevada é ensinar sobre Ele. Aquele que aprendeu os nove processos diferentes do serviço devocional — ouvir, cantar, lembrar, servir os pés de lótus do Senhor, adorar, orar, se tornar um servo, desenvolver a amizade com o Senhor e render-se completamente a Ele — deve ser considerada a pessoa mais erudita.

Fama A fama que uma pessoa recebe por ser devoto de ®r… KŠa é descrita na escritura autorizada, o Garua PurāŠa:

kalau bhāgavataˆ nāma durlabhaˆ naiva labhyate brahma-rudra-padotk˜aˆ guruŠā kathitaˆ mama

"Ouvi do meu mestre espiritual que na era de Kali será muito difícil encontrar uma pessoa famosa por ser um devoto de ®r… KŠa, apesar dessa posição ser melhor do que a posição de Brahmā ou de ®iva."

®r… Nārada Muni disse:

janmāntara-sahasreu yasya syād buddhir …d… dāso `haˆ vāsudevasya sarvāl lokān samuddharet
"Uma pessoa que se considera um servo eterno da Personalidade de Deus Vāsudeva (uma concepção adquirida depois de milhares de nascimentos) pode liberar todas as almas caídas na existência material."

No Bhagavad-g…tā também está confirmado que uma pessoa que é realmente um mahātmā, grande alma, tendo compreendido perfeitamente que Vāsudeva é o Senhor de todos universos, é raramente encontrada. Depois de muitos e muitos nascimentos em que foi adquirindo conhecimento, ela se rendeu a ®r… KŠa a Personalidade de Deus. No šdi PurāŠa, está declarado que as almas liberadas, inclusive os rutis, seguem os devotos puros de ®r… KŠa. No Bhan-nārad…ya PurāŠa está declarado:

adyāpi ca muni-re˜hā brahmādyā api devatāƒ
"Até agora, mesmo o melhor dos munis (sábios) ou semideuses como Brahmā e outros não podem compreender a influência do devoto que se rendeu ao serviço transcendental ao Senhor ViŠu."

No Garua PurāŠa está declarado:

brāhmaŠānāˆ sahasrebhyaƒ satra-yāj… viiyate satra-yāj…-sahasrebhyaƒ sarva vedānta-pāragaƒ sarva-vedānta-vit-ko˜yā viŠu-bhakto viyyate vaiŠavānāˆ sahasrebhya ekānty eko viiyate
"Dentre muitos, muitos milhares de brāhmaŠas, aquele que é perito na realização de sacrifícios é considerado o melhor. Dentre milhares de tais

brāhmaŠas peritos na realização de sacrifícios, um que tenha assimilado todo o
conhecimento védico é considerado o melhor. Dentre todas as pessoas que se aprimoraram no conhecimento védico, uma pessoa que é devota de ViŠu, a Personalidade de Deus, é considerada a melhor. E dentre muitos, muitos milhares de adoradores de ViŠu, aquele que é um vaiŠava puro ou um devoto exclusivo de ®r… KŠa é o melhor, porque só ele alcançou o estágio mais elevado denominado paraˆ-dhāma, que é descrito no Bhagavad-g…tā pelo próprio ®r… KŠa."

No ®r…mad-Bhāgavatam está declarado que o significado de se adquirir o conhecimento de todos os rutis e de se dedicar em todos os outros caminhos de cultivo espiritual é o de se tornar um viciado no processo de ouvir as qualidades, nomes e fama transcendentais de Mukunda (®r… KŠa). Nas preces de NārāyaŠa-l…lā está declarado que um devoto puro não deseja estar situado sequer na posição de Brahmā se tiver que se privar do serviço devocional ao Senhor Supremo. Ou seja, o devoto puro prefere se tornar um pequeno inseto se, nesse tipo de vida, puder se dedicar ao serviço devocional ao Senhor Supremo.

Todos não são iguais A fama de Prahlāda Mahārāja como devoto do Senhor Supremo é descrita no Skanda PurāŠa pelo Senhor ®iva: "Nem eu posso saber como é ®r… KŠa realmente. Somente os devotos O conhecem, e entre todos os devotos, Prahlāda é o melhor." No Bhad-bhāgavatāmta, ®r…la Sanātana Gosvām… diz que acima de Prahlāda, os PāŠavas são melhores devotos e que os Yadus são melhores do que os PāŠavas. Dentre todos os Yadus, Uddhava é o melhor devoto e as donzelas de Vraja são ainda melhores do que Uddhava. Portanto, elas são as mais elevadas entre todos os devotos. No Bhad-vāmana, Brahmā fala aos is da seguinte maneira:

a˜i-vara-sahasrāŠi mayā taptaˆ tapaƒ purā nanda-gopa-vraja-str…Šāˆ pāda-reŠ™palabdhaye
"Tentei, da melhor maneira que pude, me submeter a austeridades por 60 mil anos para poder ser capaz de obter a poeira dos pés das donzelas de Vraja, as vaqueirinhas e do rei Nanda. No entanto, não obtive as bênçãos da poeira de seus pés. Portanto, creio que eu, ®iva e Lakm… não somos iguais a elas." No šdi PurāŠa, a Personalidade de Deus diz:

na tathā me priyatamo brahmā rudra ca pārthiva na ca lakm…r na cātmā ca yathā gop…-jano mama

"Não há ninguém mais querido para Mim do que as vaqueirinhas de Vraja — nem mesmo Brahmā, ®iva, Lakm… e nem mesmo o Meu Eu."

Seguir ®r…la R™pa Gosvām… Dentre todos os habitantes de Vraja, ®r…mati RādhārāŠ… é a mais querida de todos. ®r…la R™pa Gosvām… é o servo mais confidencial de ®r…mati RādhārāŠ… e, portanto, é muito querido pelo Senhor Caitanya. Os seguidores dos passos de ®r…la R™pa Gosvām… são conhecidos como devotos r™pānugas. Esses devotos r™pānugas são elogiados no ®r… Caitanya-candrāmta (127) da seguinte maneira:

āstāˆ vairāgya-ko˜ir bhavatu ama-dama-kānti-maitry-ādi-ko˜is tattvānudhyāna-ko˜ir bhavatu vā vaiŠav… bhakti-ko˜iƒ ko˜y-aˆo `py asya na syāt tad api rimac-caitanyacandra-priya-caraŠanakha-jyotir āmoda-bhājām
"As pessoas que são apegadas aos raios das unhas refulgentes dos dedos dos pés de lótus dos amados e prezados devotos do Senhor Caitanya são, por si mesmos, qualificados com todas as qualidades transcendentais. Mesmo renúncia poderosa, equanimidade, controle dos sentidos, tolerância, meditação e outras grandes qualidades semelhantes, que são encontradas nos devotos de ViŠu, não se comparam a um milionésimo dos seus atributos transcendentais."

A verdadeira riqueza O povo em geral, que é conduzido pelos ditames da mente para desfrute material, deseja acumular dinheiro para, dessa maneira, obter a gratificação sensorial. No entanto, com intelecto transcendental puro, pode-se perceber o verdadeiro valor do dinheiro e se notar que não há riqueza maior do que o amor por Rādhā e KŠa. Aqui estão algumas citações para manter a concepção do

āstra: kim alabhyaˆ bhagavati prasanne r…-niketane prasanne r…-niketane tathāpi tat-parā rājan na hi vāñchanti kiñcana
"Apesar de tudo estar à disposição dos devotos da Personalidade de Deus, eles não desejam nada para a gratificação dos seus sentidos."( ®r…mad-Bhāgavatam 10.39.2)

mām anārādhya duƒkhārtaƒ ku˜umbāsakta-mānasaƒ sat-sa‰ga-rahito martyo vddha-sevā-paricyutaƒ
"As almas condicionadas estão sempre infelizes, no apego aos parentes. Como elas não Me adoram, ficam privadas da associação de devotos puros e do Meu serviço."

sva-jivanādhikaˆ prārthyaˆ r…-viŠu-jana-sa‰gataƒ

vicchedena kaŠaˆ cātra na sukhāˆaˆ labhāmahe
"A associação dos devotos de ViŠu é mais valiosa do que a minha vida, porque, ficando privado dessa associação por um momento, não sinto sequer a mais tênue felicidade," (Bhad-bhāgavatāmta 1.5.44)

muktānām api siddhānāˆ nārāyaŠa-parāyaŠaƒ sudurlabhaƒ praāntātmā kotivapi mahāmune
"Dentre milhões de grandes sábios que são almas liberadas, é muito difícil se encontrar um devoto do Senhor NārāyaŠa." (®r…mad-Bhāgavatam 6.14.5)

anugrahāya bh™tānāˆ mānuaˆ deham āsthitaƒ bhajate tād…ƒ kr…ā yāƒ rutvā tat-paro bhavet
"A Personalidade de Deus, para poder conceder a misericórdia para Seus devotos, aparece nessa terra e manifesta Seus passatempos para que os devotos possam ficar atraídos por Ele e por Seus passatempos." (®r…mad-Bhāgavatam 10.33.37)

ata ātyantikaˆ kemaˆ pcchāmo bahvato `naghāƒ saˆsāre `smin kaŠārdho `pi sat-sa‰gaƒ evadhir nŠām

"Ó Pessoa mais auspiciosa, estou pedindo a Você a bênção mais elevada. Desejo ter a associação dos Seus devotos puros, porque a associação dos Seus devotos, mesmo que por um momento, é a coisa mais valiosa desse mundo." (®r…mad-Bhāgavatam 11.2.28)

tasmāt sarvātmanā rājan hariƒ sarvatra sarvadā rotavyaƒ k…rtitavya ca smartavyo bhagavān nŠām
"Ó rei, a Personalidade de Deus Hari é para ser ouvida, glorificada e lembrada por todos os seres humanos em todas as épocas, em todos os lugares e em todas as circunstâncias." (®r…mad-Bhāgavatam 2.2.36)

tasmād ekena manasā bhagavān sātvatāˆ patiƒ rotavyaƒ k…rtitavya ca dhyeyaƒ p™jya ca nityadā
"A Personalidade de Deus, que é o mantenedor dos devotos puros, é para ser ouvida e glorificada, meditada e adorada com toda a atenção o tempo todo." (®r…mad-Bhāgavatam 1.2.14)

āsām aho caraŠa-reŠu-juām ahaˆ syāˆ vndavane kim api gulma-latauadh…nām yā dustyajaˆ svajanam ārya-pathaˆ ca hitvā bejur mukunda-padav…ˆ rutibhir vimgyām

"Meu desejo é me tornar uma folha de grama ou uma trepadeira nas florestas de Vraja. Dessa maneira, será possível que eu receba a poeira dos pés daquelas grandes personalidades que são adoradas pelos pés de um grande liberador, Mukunda. A poeira dos pés dessas grandes personalidades é desejada até pelos rutis. Deixando de lado a afeição pelos seus entes queridos, que normalmente é impossível de se deixar, as gop…s de Vraja sacrificam tudo para a satisfação de ®r… KŠa." (®r…mad-Bhāgavatam 10.47.61)

vokr…itaˆ vraja-vadh™bhir idaˆ ca viŠoƒ raddānvito `nuŠuyād atha varŠayed yaƒ bhaktiˆ parāˆ bhagavati pratilabhya kāmaˆ hd-rogam āv apahinoty acireŠa dh…raƒ
"Uma pessoa que, com atitude reverencial, ouve os passatempos transcendentais de ®r… KŠa com as donzelas de Vraja da boca de um devoto puro e depois os descreve, alcança o serviço devocional amoroso supramundano pelo Senhor Supremo com muita rapidez e, dessa maneira, afasta do seu coração os desejos luxuriosos de gratificação dos sentidos." (®r…mad-Bhāgavatam 10.33.40)

etāvān eva loke `smin puˆsāˆ dharmaƒ paraƒ smtaƒ bhakti-yogo bhagavati tan-nāma-grahaŠādibhiƒ
"O dever mais elevado de todo ser humano nesse mundo é se dedicar ao serviço amoroso à Personalidade de Deus e cantar o Seu santo nome." (®r…madBhāgavatam 6.3.22)

O conhecimento especulativo proibicionista, seco, é comparado aos frutos amargos da árvore de nima. Esse fruto é impróprio para o consumo humano, mas é muito adequado para outros seres, como os corvos, que estão situados num modo de vida argumentativo, rude. A especulação filosófica estéril é como o gralhar dos corvos. Por outro lado, os brotos da mangueira recém-florida, que são doces e perfeitamente palatáveis, são comparados ao serviço devocional amoroso ao Senhor Supremo. Desta maneira, esses frutos são saboreados pelos devotos puros de ®r… KŠa, que são comparados aos papagaios que sempre cantam docemente. Filosofia especulativa seca é a única recompensa para os jñān…s empíricos desafortunados e o sumo nectáreo do serviço devocional amoroso ao Senhor Supremo é a bebida dos devotos afortunados. Portanto, o Senhor Caitanya e Rāmānanda Rāya novamente passaram toda a noite em alegria transcendental, falando sobre ®r… KŠa e Seus passatempos. Às vezes eles choravam, às vezes dançavam, absortos em transe extasiante e, dessa maneira, a noite passou. Pela manhã, tanto Rāmānanda quanto o Senhor Caitanya foram cumprir seus respectivos deveres e à noitinha se encontraram novamente.

Iluminando o coração Depois de falar por alguns minutos, Rāmānanda caiu aos pés do Senhor Caitanya e apresentou-Lhe a sua realização interior:

eta tattva mora citte kaile prakāana brahmāke veda yena paāila nārāyaŠa antaryām… …varera ei r…ti haye bāhire nā kahe, vastu prakāe hdaye

"Ó Senhor, Você iluminou meu coração com várias verdades e me fez capaz de expressá-las como o conhecimento fundamental de Rādhā e KŠa, a essência do amor divino. Anteriormente, de maneira semelhante, Você iluminou o coração de Brahmā com o conhecimento védico. O Senhor que é o companheiro constante das entidades vivas como a Superalma faz tudo isso devido a Sua misericórdia imotivada e irrestrita. Ele não surge exteriormente, face a face, mas nos ilumina internamente." Isso está confirmado no Bhagavad-g…tā. A Personalidade de Deus diz que, para poder mostrar um favor especial ao devoto, Ele ilumina seu coração com o conhecimento transcendental. E bem no início do maravilhoso ®r…mad-Bhāgavatam (1.1.1), é feita a seguinte declaração muito importante:

janmādy asya yato `nvayād itarata cārtev abhijñaƒ svarā˜ tene brahma hdā ya ādi-kavaye muhyanti yat s™rayaƒ tejo-vāri-mdāˆ yathā vinimayo yatra tri-sargo `mā dhāmnā svena sadā nirasta-kuhakaˆ satyaˆ paraˆ dh…mahi
"A Verdade Absoluta, a Personalidade de Deus, é o único soberano independente e auto-suficiente dentre todas as entidades vivas. É apenas Ele quem ilumina o coração de Brahmā, que é o poeta original e o cantor dos hinos védicos. É somente Ele quem confunde a cada instante todo tipo de acadêmicos empíricos. É somente nEle que é possível a combinação dos cinco elementos — terra, fogo, água, ar e éter. E somente Ele que é reconhecido como a verdadeira causa da energia interna, da energia externa e da energia marginal. Portanto, vamos orar por abrigo aos pés de lótus do Senhor ®r… KŠa, que está livre de qualquer mácula de ilusão devido ao poder de Sua própria energia. Ele é a Verdade Absoluta, a causa do conhecimento puro em todos os aspectos da criação, manutenção e aniquilação.

Essa é a única conclusão lógica que deve ser cuidadosamente compreendida quer pela abordagem direta, quer pela abordagem indireta."

Eu tenho uma dúvida Rāmānanda Rāya então solicitou ao Senhor:

eka saˆaya mora āchaye hdaye kpā kari'kaha more tāhāra nicaye pahile dekhilu‰ tomāra sannyāsi-svar™pa ebe tomā dekhi muñi yāma-gopa-r™pa tomāra sammukhe dekhi kāñcana-pañcālikā tā‰ra gaura-kāntye tomāra sarva a‰ga hākā tāhāte praka˜a dekho‰ sa-vaˆi vadana nānā bhāve cañcala tāhe kamala-nayana ei -mata tomā dekhi'haya camatkāra akapa˜e kaha, prabhu, kāraŠa ihāra
"Meu Senhor, ainda tenho uma dúvida em meu coração e espero que Você tenha a bondade de removê-la com Sua misericórdia. Primeiro vi Você aparecer como um sannyās…, mas agora estou vendo-O como ®yāmasundara, o vaqueirinho. Agora O vejo como uma boneca dourada e Seu corpo todo parece estar coberto com um matiz dourado. Estou vendo que Você carrega uma flauta em Sua boca e Seus olhos de lótus estão se movendo incessantemente devido a vários êxtases. Estou realmente vendo Você dessa maneira e isso é maravilhoso. Meu Senhor, por favor, me fale francamente qual é o motivo disso."

O Senhor respondeu que aqueles que estão profundamente absortos no relacionamento amoroso com KŠa são todos devotos de primeira classe. Como resultado natural do amor pelo Senhor Supremo, eles realizam a presença do seu adorável Senhor ®r… KŠa em todo lugar, eles O vêem em todos os objetos móveis e inertes. Os objetos de sua observação não se parecem como antes, mas parecem diferentes quando relacionados com ®r… KŠa. Aqui fazemos algumas citações a esse respeito, do ®r…mad-Bhāgavatam:

sarva-bh™teu yaƒ payed bhagavad-bhāvam ātmanaƒ bh™tani bhagavaty ātmany ea bhāgavatottamaƒ
"O devoto de primeira classe percebe a presença de ®r… KŠa, que é a vida de todas as vidas, em todo lugar e em ®r… KŠa eles percebem a presença de todas os objetos animados e inanimados." (®r…mad-Bhāgavatam. 11.2.45)

vana-latās tarava ātmani viŠuˆ vyañjayantya iva pupa-phalāhyāƒ praŠata-bhāra-vi˜apā madhu-dhārāƒ prema-h˜a-tonavo vavuƒ sma
"As árvores e trepadeiras da floresta cheias de flores e frutos se prostraram diante do Senhor com o sentimento que ®r… KŠa é o seu ar vital. Num humor de alegria transcendental e de felicidade extasiante, as árvores e trepadeiras desprenderam uma enorme quantidade de mel em Sua presença. Isso só foi possível devido ao amor puro que elas sentiam pelo Senhor Supremo." (®r…madBhāgavatam 10.35.9)

O Senhor Caitanya continuou a falar:

rādhā-kŠe tomāra mahā-prema haya yāhā‰ tāhā‰ rādhā-kŠa tomāre sphuraya
"Você tem uma consideração profunda por Rādhā e KŠa e, portanto, pode notar a presença dEles em todos os lugares o tempo todo." Rāmānanda Rāya, no entanto, não estava satisfeito com essa resposta do Senhor Caitanya, apesar das palavras do Senhor certamente estarem corretas, de acordo com o āstra. Então ele disse:

raya kahe — prabhu tumi chāa bhāri-bh™ri mora āge nija-r™pa nā kariha curi rādhikāra bhāva-kānti kari'ang…kāra nija-rasa āsvādite kariyācha avatāra nija-g™ha-kārya tomāra — prema āsvādana ānua‰ge prema-maya kaile uddhāra ebe kapa˜a kara —tomāra kona vyavahāra
"Meu Senhor, por favor abandone esse caminho tortuoso de revelar Sua verdadeira personalidade. Tenha a bondade de não tentar esconder Sua verdadeira identidade. Sei quem Você é: Você é o próprio ®r… KŠa encoberto com a compleição de ®r…mati RādhārāŠ…. Você desceu para saborear o êxtase dos Seus passatempos transcendentais com Ela. O propósito principal do Seu aparecimento é o de saborear os sentimentos do amor dos Seus devotos por Você e simultaneamente distribuir este amor através dos três mundos. Você veio me ver por Sua conta, portanto, como agora deseja se esconder de mim?"

O Senhor Caitanya é Revelado Nisso, o Senhor Caitanya sorriu e Se revelou como Rasarāja, o rei de todas as rasas divinas e também o Seu outro Eu, ®r…mati RādhārāŠ…, que é Mahābhāva, o amor pelo Senhor Supremo personificado. Então Ele Se revelou na forma do Casal Divino unido — ®r… KŠa aparecendo com o sentimento e a cor de ®r…mati RādhārāŠ….

rādhā kŠa-praŠaya-viktir hlādin… aktir asmād ekātmānāv api bhuvi purā deha-bhedaˆ gatau tau caitanyākhyaˆ praka˜am adhunā tad-dvayaˆ caikyam āptaˆ rādhā-bhāva-dyuti-suvalitaˆ naumi kŠa-svar™pa
"Os passatempos amorosos de Rādhā e KŠa são manifestações transcendentais da potência interna de prazer do Senhor. Apesar de Rādhā e KŠa serem iguais em Sua identidade, Eles se separaram eternamente. Agora essas duas personalidades transcendentais se uniram novamente na forma de ®r… KŠa Caitanya. Eu me prostro ante Ele, que Se manifestou com os sentimentos e a compleição de ®r…mati RādhārāŠ…, apesar de ser o próprio ®r… KŠa."

O Senhor Caitanya Se revelou como quem é dois e dois em um. Essa é a manifestação mais singular da Verdade Absoluta. Somente aqueles que são afortunados o bastante podem vir a conhecer ®r… KŠa Caitanya, bem como ®r… ®r… Rādhā-KŠa, pela misericórdia de Rāmānanda Rāya e servi-lOs nas Suas formas eternas que se uniram. Rāmānanda Rāya desmaiou de êxtase ao ver essa manifestação singular da forma divina do Senhor Caitanya e foi tomado de emoção transcendental. Desfalecido, ele caiu ao solo. Naquele momento, o Senhor Caitanya tocou o corpo

de Rāmānanda e o trouxe de volta a si. Rāmānanda ficou novamente atônito ao ver o Senhor Caitanya na forma de um sannyās…. O Senhor então abraçou Rāmānanda e o acalmou, dizendo que ninguém além de Rāmānanda, jamais havia visto aquela forma combinada transcendental. O Senhor Caitanya disse que Rāmānanda Rāya sabia tudo sobre Seus passatempos e que, portanto, Ele exibira aquela Sua forma singular.

gaura a‰ga nahe mora — rādhā‰ga-sparana gopendra-suta vinā te‰ho nā spare anya-jana tā‰ra bhāve bhāvita kari'ātma-mana tabe nija-mādhurya kari āsvādana tomāra ˜hāñi āmāra kichu gupta nāhi karma lukāile prema-bale jāna sarva-marma gupte rākhiha, kāhā‰ nā kario prakāa āmāra bātula-ce˜ā loke upahāsa āmi — eka bātula, tumi — dvit…tya bātula ataeva tomāya āmāya ha-i sama-tula
"Ó Rāmānanda, não sou apenas uma pessoa de compleição clara que está aparecendo diante de você. Sou a mesmíssima personalidade de ®r… KŠa e exibo esta forma eternamente, que está imbuída com o matiz corporal de ®r…mati RādhārāŠ…. Ninguém pode tocar ®r…mati RādhārāŠ…, a não ser ®r… KŠa. Portanto, Eu Me adorno com os sentimentos de ®r…mati RādhārāŠ… para, assim, desfrutar de Mim mesmo. Nessa forma eterna Eu também saboreio a doçura de ®r… KŠa. Mas, por favor não revele esse meu segredo! Um homem comum pode rir de Mim nessa Minha tentativa maluca. Quanto a isso, sou certamente o maior louco e você está

na mesma situação. E como nós dois estamos na mesma categoria, não há diferença entre você e Eu."

Uma mina de néctar Dessa forma, o Senhor desfrutou da companhia de Rāmānanda Rāya enquanto discutiu sobre ®r… KŠa continuamente por dez dias. Essas conversas que ocorreram entre Rāmānanda Rāya e o Senhor Caitanya são muito, mas muito confidenciais. São conversas sobre Vraja-dhāma, o local onde os passatempos transcendentais de ®r…mati RādhārāŠ… e ®r… KŠa se manifestam eternamente. Nessas conversas, o êxtase que flui em Vraja-dhāma foi discutido completamente. Também há inúmeras outras conversas entre Rāmānanda e o Senhor Caitanya, que são impossíveis para qualquer pessoa compreender. Em suma, esses temas são como uma mina de informações preciosas, que produzem uma jóia atrás da outra, para o benefício de toda humanidade. A mina dessa conversa é comparada a um reservatório interminável de minerais preciosos. Conforme a mina vai sendo escavada os minerais preciosos de diferentes categorias vão surgindo na forma de cobre, bronze, prata, ouro e finalmente pedras de toque. Nessas conversas entre Rāmānanda Rāya e o Senhor Caitanya, os minerais preciosos foram escavados tanto nas discussões preliminares quanto nas conclusões. Nas conversas preliminares, Em Busca da Meta Final da Vida, a idéia de seguir as divisões morais e sociais da sociedade é comparada ao cobre, ou a mãe dos metais. A idéia de oferecer os resultados do trabalho a ®r… KŠa (karma-yoga) é comparada ao bronze. A idéia de renunciar ao mundo e assumir a karma-

sannyāsa é comprada à prata. A idéia de serviço devocional misturado com
conhecimento especulativo (jñāna-mira-bhakti) é comparada ao ouro e finalmente, o serviço devocional sem mistura com qualquer conhecimento empírico (jñāna-™nya-bhakti) é comparado à pedra de toque.

Nas discussões conclusivas, a mesma comparação é feita em relação aos diferentes sentimentos transcendentais no serviço devocional. A concepção de

dāsya-prema é comparada ao cobre, sakhya-prema ao bronze, vātsalya-prema à
prata, e mādhurya-prema ao ouro. E finalmente, os passatempos transcendentais de ®r… ®r… Rādhā e KŠa são comparados à pedra de toque. A admissão nessa pedra de toque de jñāna-™nya-bhakti pode ser alcançada pelo devoto perseverante que tenha a energia, tolerância, boa associação e honestidade necessárias para esse propósito. Com todas essas qualificações necessárias, a pedra de toque é facilmente alcançável. No dia seguinte, o Senhor Caitanya pediu permissão a Rāmānanda Rāya para continuar Sua viagem para o Sul da Índia. O Senhor também pediu a ele que seguisse a seguinte instrução:

viaya chāiyā tumi yāha n…lācale āmi t…rtha kari'tā‰hā āsiba alpa-kāle dui-jane n…lācale rahiba eka-sa‰ge sukhe go‰āiba kāla kŠa-kathā-ra‰ge
"Por favor vá para N…lācala (Jagannātha Pur…), e afaste-se das suas atividades mundanas. Irei para lá assim que terminar minha viagem. Vamos ficar juntos em N…lacala e passar o nosso tempo com muita alegria, conversando sobre os passatempos transcendentais de Rādhā e KŠa." Ao dizer isso, o Senhor Caitanya abraçou Rāmānanda e o mandou para casa, depois Ele foi repousar o resto da noite. Na manhã seguinte, o Senhor Caitanya visitou o templo local de Hanumān, prestou respeitos à Deidade e então partiu em Sua viagem para o Sul da Índia. Durante a presença do Senhor Caitanya em Vidyānagara, a cidade onde vivia Rāmānanda Rāya, todos os eruditos de diferentes escolas filosóficas se

converteram em devotos de KŠa e abandonaram suas antigas maneiras de pensar. Depois da partida do Senhor Caitanya, Rāmānanda ficou tomado de tristeza devido a separação do Senhor e, dessa maneira, manteve-se afastado de todas as rotinas de trabalho, ficando completamente absorto em meditar profundamente no Senhor. Esse é um pequeno esboço do encontro ocorrido entre Rāmānanda Rāya e ®r… Caitanya Mahāprabhu. Os temas instrutivos e transcendentais que foram discutidos entre eles são completamente sublimes e simples ao mesmo tempo. Qualquer pessoa afortunada que possa tirar proveito das revelações feitas nessas conversas alcançará a perfeição da vida. Uma vez que esse assunto tenha sido ouvido com uma atitude reverencial, não mais será possível abandonar a ambição espiritual de alcançar a morada de Rādhā e KŠa. Por ouvir essa pequena narrativa, podemos entrar na essência do romance transcendental e no amor puro pelo Senhor Supremo. A coisa mais importante para se compreender nessa discussão é o segredo do aparecimento do Senhor Caitanya nesse mundo e a essência do movimento de sa‰k…rtana.

Apenas uma pessoa fervorosa pode entrar nas complexidades desses tópicos e fé é o princípio básico para fazer progresso no estado supramental de amor transcendental em separação. A l…lā de Rādhā e KŠa é transcendental e confidencial. Quem tem fé no Senhor Caitanya, e no processo que Ele recomenda para a elevação na vida espiritual, pode entrar no serviço confidencial ao Casal Divino, que é todo-atrativo para os devotos puros. Mas, devemos compreender que essas conversas entre o Senhor Caitanya e Rāmānanda Rāya não são nenhuma invenção mental ou a criação de especuladores mentais que não estão na cadeia de sucessão discipular e que estão duvidando da

Verdade Absoluta. Ninguém que tenha a tendência básica de se dedicar aos argumentos mundanos pode entrar nos recônditos desses tópicos. Eles estão acima da abordagem materialista. Como o tema que tratamos é supramundano, não é possível compreendê-lo sem que se alcance o estado supramundano. Ninguém precisa tentar compreender os temas transcendentais através de extenuante manipulação acadêmica do cérebro e da mente, porque tanto o cérebro quanto a mente mundanos são inúteis quando tentam alcançar o estado supramental. Somente o serviço ao Senhor Supremo e aos Seus agentes pode nos ajudar a experimentar a revelação da Verdade. A especulação metal, que só produz falsos resultados, simplesmente provoca distúrbios. O tema transcendental discutido por ®r… Rāmānanda Rāya e pelo Senhor Caitanya é propriedade apenas dos devotos fervorosos de ®r… KŠa que têm uma folha de serviços na vida devocional. Todas as glórias ao Senhor Caitanya e ao Senhor Nityānanda Prabhu, a ®r… Advaita Prabhu e a todos os devotos do Senhor Caitanya, que são conhecidos como gaura-bhaktas. O Senhor Caitanya, com a arma de disco da Sua misericórdia exclusiva, liberou os habitantes do Sul da Índia, que se posicionavam como elefantes atacados pelos crocodilos das diversas seitas religiosas. Dessa maneira, o Senhor Caitanya os converteu ao vaiŠavismo e continuou Seu percurso pelo Sul da Índia, onde visitou inúmeros locais sagrados de peregrinação. Todas as glórias a ®r…la Prabhupāda e a todo guru-paramparā! Hare KŠa. ®r… Gaura ±a Bhuja bhajana kutir. Guarujá, no auspicioso Rāmanavām… de 1999.