You are on page 1of 35

IDEALISMO

 Doutrina filosófica que coloca em primeiro

lugar o conhecimento sobre a realidade/coisas e não a realidade em si mesma;  Somente podemos conhecer com certeza nossas idéias, o mundo interior da nossa consciência, o mundo da subjeitividade.  Primeiro a essência, depois a existência.  Pitágoras (séc. VI a.C.) introduziu em sua filosofia dois elementos: mundo sensível e mundo inteligível;

 Platão: doutrina das idéias ou essências eternas e

imutáveis que se refletem no mundo cambiante dos fenômenos;  O mundo das idéias encontra-se fora da mim (acima dos céus)  A imaginação e o raciocínio eram uma espécie de percepção interior que achava coisas que existem no mundo das idéias.  Nesta visão o mundo inteligível é estável, perfeito e o mundo sensível é irregular e imperfeito;  Conclusão: supremacia do inteligível sobre o sensível

Kant (1724-1804):  conhecemos o objeto que está lá fora, não em seu íntimo, e sim como ele é transformado em idéia dentro de nós.  Essa idéia é muito mais importante, para mim, do que a realidade que ela representa, pois, para o meu conhecimento, a realidade depende da idéia que dela faço.

a idéia é o Absoluto (Deus).  A mais importante das categorias (para o raciocínio) é a relação. então a razão é a realidade. logo. Isto significa: se o real é racional.  Para Hegel a idéia é infinita – enquanto potencialidade evolutiva – vir-a-ser. então o racional é real. e a contradição é a mais universal das relações.  A idéia evolui por um processo dialético. .Hegel (1770-1831)  Se a essência da realidade é a razão.

 Já os gregos jônicos diziam que os fenômenos precisam ser explicados pelas observação da própria realidade. pelas sensações. .MATERIALISMO  O prioritário nesta corrente filosófica é a matéria. o real. Aristóteles trouxe a visão do REALISMO – na qual há dois tipos de conhecimento:  um que vem do exterior. isto é. pelo pensamento e reflexão.  outro que vem do interior. a matéria – o centro ou a substância de tudo.

 O mundo inteligível é sempre associado ao sensorial. olhar o mundo e ler nele os sinais e leis que o governam. .  Deixa-se a Teoria das causas eficientes e final e se busca entender os cosmos como organismo vivo independente de uma força motriz exterior.  Com o Renascimento chega-se a conclusão da importância de observar. O pensamento é formado por 3 operações fundamentais: a sensação. ao mundo objetivo. ao real. a imaginação e a concepção.

segundo leis naturais. e a alma não existe.Materialismo Inglês:  Francis Bacon (1561-1626) – baseia todo conhecimento no método experimental – daí Empirismo  Hobbes (1588-1679) – tudo no Universo sucede naturalmente. .  A sensação é a origem de todo conhecimento e dela derivam as formas e a própria razão.

beber. Marx (1818-1883) – Engels (1820-1899):  O primeiro fato histórico é a produção pelo homem de sua vida (comer. . antítese e síntese. vestir.  Nada evolui sem conflito interno e não existe nada estático ou fixo – tudo está sujeito a evolução dialética.Materialismo histórico-dialético:  Hegel = vir-a-ser em três fases: tese. habitar.).  K...  A consciência é produto das condições históricas e socioeconômicas. e não o contrário.  O ser social determina a consciência do ser humano.

que se tornou. XIX .  chegando a exaltação romântica da ciência. para muitos. .POSITIVISMO  Séc. o único fundamento da vida humana  quase uma religião  Principal expoente: Augusto Comte (1798-1857)  julgava ser o momento de substituir a especulação racional da filosofia pelos dados positivos das ciências.fértil no campo das ciências .inúmeras descobertas e invensões.

"O fato é divino". exigindo maior respeito para a experiência e os dados positivos. dizia Ardigò. o absoluto do fenômeno. mais ou menos. . a segunda metade do mesmo século.  Fica no mesmo âmbito imanentista do idealismo e do pensamento moderno em geral. defendendo. que ocupa. mais ou menos.Características Gerais do Positivismo  Ao idealismo da primeira metade do século XIX se segue o positivismo. espalhado em todo o mundo civilizado. o formalismo. o idealismo.  O positivismo representa uma reação contra o apriorismo.

compreende-se porque elas são fecundas no campo prático. sensível. ao contrário. técnico. uma unificação da experiência mediante a razão. quer limitar-se à experiência imediata. como já fizera o empirismo. aplicado.  o segundo. pura. .  Dada a objetividade da ciência e da história do pensamento positivista.A diferença fundamental entre idealismo e positivismo é a seguinte:  o primeiro procura uma interpretação.

graças ao desenvolvimento dos problemas econômicosociais.  Enfim. é natural se procure uma base filosófica positiva. . o positivismo teve impulso. Tenta-se aplicar os princípios e os métodos daquelas ciências à filosofia. que dominaram o mesmo século XIX. produtora de bens materiais. materialista. naturalista. para as ideologias econômico-sociais. com a esperança de conseguir os mesmos fecundos resultados. como resolvedora do problema do mundo e da vida.  Sendo grandemente valorizada a atividade econômica.

que é a concepção política. da enumeração material dos votos (sufrágio universal). à massa .a vontade popular se manifesta através do número.  E delas dependem. mais ou menos. da quantidade. em que a soberania é atribuída ao povo. . florescidos igualmente no âmbito natural do positivismo. também os sistemas político-econômico-sociais.  Na democracia moderna . Daí decorrem necessariamente concepções morais hedonistas e utilitárias.

e a história da humanidade é acionada por interesses materiais. enfim. . econômicos (materialismo histórico). O liberalismo. produtora de bens materiais. utilitários.sustenta também a livre concorrência econômica através da lida mecânica. que sustenta a liberdade completa do indivíduo .  Para o socialismo. morais e religiosos. e não por interesses espirituais. do conflito material das forças econômicas. o centro da vida humana está na atividade econômica.enquanto não lesar a liberdade alheia .

porém. . quer nos meios quer no fim. para o bem-estar material. de um progresso concebido naturalisticamente.como nele já acreditava o idealismo.  Trata-se.Ordem e Progresso  Acredita o positismo firmemente no progresso .

uma "filosofia fenomenológica". próprias do positivismo. . Husserl concebeu a fenomenologia como método para confrontar o psicologismo na lógica. com o método fenomenológico. no estudo de seus objetos ideais.  Pretende que a Filosofia se liberte do psicologismo.FENOMENOLOGIA  Como matemático e lógico. utilize a observação e a sistematização. que não seja ciência do mundo físico mas que. criando. no entanto.  Husserl mais tarde ampliou a fenomenologia à totalidade do pensamento humano.

e mesmo a experimentação.  É uma ciência a priori e muito importante. ou o cientista.  Mas. estão dizendo sobre o mundo físico. uma ciência de objetos ideais. pois tem que haver a filosofia para dizer se é verdade ou falsidade o que a ciência empírica.A fenomenologia é. portanto. o que são esses objetos ideias aos quais se aplica a observação. segundo Husserl? .

independentemente de que uma mesa exista ou tenha existido no mundo real externo. intencional. Os objetos ideais têm realidade. de modo que em sua consciência existe uma mesa. contêm um "ser". e podem ser examinados e classificados.  As coisas existem em nossa consciência como "objetos ideais" perpétuos. Quando o homem pensa um objeto. "mesa". por exemplo. . tem um pensamento  um pensamento voltado para uma coisa específica que ele imagina e define. são entes.

mas que. como fenômenos mentais.  Tudo que podemos saber do mundo resume- se a esses fenômenos. para Husserl. que existiam apenas no "mundo inteligível". a esses objetos ideais. . estão na mente humana. designados por uma palavra que representa a sua "significação".Fenômenos mentais  São como os universais de Platão. fora do alcance do homem.

. nos anos cinqüenta e sessenta. a fenomenologia de Husserl significou um interesse novo no fenômeno da consciência.EXISTENCIALISMO  Existencialismo difundiu-se como o pensamento mais radical a respeito do homem na época contemporânea. com e .  A corrente existencialista assimilou ainda uma influência da cuja figura principal. .  Para o existencialismo.  Surgiu em meados do século XIX com o pensador dinamarquês (1813-1855) e alcançou seu apogeu após a Segunda Grande Guerra.

e aí está a influência da fenomenologia .  Há uma preocupação com o sentido ou o objetivo das vidas humanas. um fundamento igual à da filosofia oriental. a experiência interior ou subjetiva . .é considerada mais importante do que a verdade "objetiva".Os postulados principais dessa corrente filosófica que são:  A primeira é o ser humano enquanto indivíduo. mais que com verdades científicas ou metafísicas sobre o universo.  Assim. e não com as teorias gerais sobre o homem.

a ameaça permanente de sofrimento. da origem à ansiedade. como os objetos que o próprio homem cria. a liberdade conseqüente da indeterminação. O homem não foi planejado por alguém para uma finalidade.  O homem se faz em sua própria existência. à descrença em si mesmo e ao desespero.  A falta de sentido.  nenhuma explicação final pode ser dada para o fato de ele ser da maneira que é. é irracional e absurdo. ou pelo menos está além de nossa total compreensão. mediante um projeto.  O mundo. . como nós o conhecemos.

 há uma ênfase na liberdade dos indivíduos como a sua propriedade humana distintiva mais importante.  Kierkegaard contribuiu com a idéia original do existencialismo de que não existe qualquer predeterminação com respeito ao homem.  e que esta indeterminação e liberdade levam o homem a uma permanente angústia. da qual não pode fugir  Kierkegaard sustentou a importância suprema do indivíduo e das suas escolhas lógicas ou ilógicas. .

 A verdade não é encontrada através do raciocínio lógico. segundo Hegel. é inteiramente livre. ao qual. também. mas segundo a paixão que é colocada na afirmação e sustentação dos fatos: a verdade é subjetividade. estão submetidos todos os fatos e também as ações humanas. Segundo Kierkegaard.  A conseqüência de ser a verdade subjetiva é que a liberdade torna-se ilimitada. fazer qualquer afirmativa sobre o homem. . não se conforma a um predeterminismo lógico.  Consequentemente não se pode. o homem tem diante de si várias opções possíveis.

para o homem verdadeiro. uma essência definidora do homem porque cada um se define a si mesmo e assim é uma verdade para si.Pensamento fundamental de Kierkegaard. Daí o moto conhecido que sintetiza o pensamento existencialista: "no homem. é este: inexiste um projeto básico. e que veio a se constituir em linha mestra do Existencialismo. a existência precede a essência" .

do indivíduo que é maquinalmente correto com a família e devotado ao trabalho. vários tipos de vida a escolher. dentro de três escolhas fundamentais:  o modo de vida estético. do indivíduo que não busca senão gozar a vida em cada momento.No caminho da vida há várias direções.  o modo ético. .  e o modo religioso dentro de uma consciência de fé.

 Heidegger contribuiu com seu pensamento sobre o ser e a existência. paira entre o seu nascimento e a morte que ele não pode evitar.  A angústia tem. de onde o nome dado à corrente filosófica de "Existencialismo". Para ele a angústia resulta da falta da precariedade da base da existência humana.Martin Heidegger (1889-1976) declarou-se um investigador da natureza do Ser.  A "existência" do homem é algo temporário. origem diversa da liberdade. no pensamento de Heidegger. .

.  Como uma filosofia do tempo. o existencialismo exorta o homem a existir inteiramente "aqui" e "agora". Sua vida está entre o passado (em suas experiências) e o futuro. para aceitar sua intensa "realidade humana" do momento presente. e onde seu projeto será sempre incompleto diante da morte inevitável. e o futuro não é outra coisa que visões e ilusões para dar ao nosso presente direção e propósito.  O passado representa arquivos de experiências a serem usadas no serviço do presente. sobre o qual ele não tem controle.

.Jean-Paul Sartre (1905-1980)  A idéia central de todo pensamento existencialista é que a existência precede a essência. não pode desculpar sua ação dizendo que está forçado por circunstâncias ou movido pela paixão ou determinado de alguma maneira a fazer o que ele faz.  Não existe nenhum Deus que tenha planejado o homem e portanto não existe nenhuma natureza humana fixa a que o homem deva respeitar.  Assim.  O homem está totalmente livre é o único responsável pelo que faz de si mesmo.

num dado sistema é determinado por todos os outros conceitos do mesmo sistema. . e nada significa por si próprio.  Estrutura aponta para a procura de algo estável.ESTRUTURALISMO  Parte da observação de que todo conceito. na estrutura de que faz parte e onde tem lugar definido.  O conceito só se torna inequívoco quando integrado no sistema.  O prioritário é a estrutura como total sobre as partes que compõem este total.

satisfazer a quatro condições: .  Para merecer o nome de estrutura.  Segundo Levi-Strauss (1908). mas aos modelos construídos em conformidade com esta.  Trata-se de alcançar a realidade de esquemas concretos com validade geral crescente ou através de modelos que dão expressão ou descrição daquela realidade. os modelos devem. a noção de estrutura social não se refere à realidade empírica. Fatores que possam funcionar como pontos de ligação para um conhecimento realmente científico. exclusivamente.

todo modelo pertence a um grupo de transformações.1. 4. cada uma das quais corresponde a uma modelo da mesma família. 3. de modo que o conjunto destas transformações constitui um grupo de modelos. uma estrutura oferece um caráter de sistema: ela consiste em elementos tais que uma modificação qualquer de uma deles acarreta uma modificação de todos os outros. o modelo deve ser constituído de tal modo que seu funcionamento possa explicar todos os fatos observados . as prioridades indicadas acima permitem prever de que modo reagirá o modelo. em caso de modificação de uma de seus elementos. 2.

. sua situação econômica. abstraído. tornando mais acessível para nós. mas um objeto de estudo concreto e autônomo. assim. se se quiser. sua linguagem e mesmo o funcionamento da sua psique e de sua inteligência.  “A análise da estrutura deixa de lado o puramente acidental e procura desvendar o código secreto que forma a base da multiforme atividade humana: sua organização social. suas criações artísticas. das realidades mais complicadas e.” (Maurice Corver)  O ambiente intelectualmente apreensível dentro do qual é possível percebe-la é totalmente dirigido para atividade prática. A estrutura não é uma abstração (apenas um conceito universal).

 valorização do inconsciente sobre o consciente (o inconsciente seria estruturado como uma espécie de linguagem objetiva científica)  tratamento da liberdade como uma ilusão .  tratamento do pensamento como um dado impessoal. A tendência normal desta maneira de pensar é:  diminuição da realidade do sujeito humano.Nenhum elemento da estrutura é apreensível fora da posição que ocupa no total.

.  valor excessivo que atribui aos processos de reproduções das sociedades.Críticas ao estruturalismo:  trabalhar com modelos teóricos. afastando o pesquisador da compreensão histórica dos fenômenos que analisa. deixando de lado os processos de transformação social.