You are on page 1of 5

CARVALHO, J. M. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Rio de Janeiro: Ed. Civilização Brasileira, 2004.

O percurso da construção da democracia no Brasil tem sido acidentado. Com o intuito de reconstruir, mesmo que de forma imperfeita, a introdução da noção de direitos no Brasil será preciso voltar ao passado. Segundo Freyre, formou-se no Brasil a partir da colonização portuguesa uma sociedade agrária
na estrutura, escravocrata na técnica de exploração econômica e híbrida de índio - e mais tarde de negro -, na composição. A sociedade brasileira era profundamente dividida entre senhores e escravos com um contingente insignificante de homens livres entre os extremos antagônicos. É nesse sentido que o autor afirma que “Nossa maior contradição é a do senhor e do escravo”. A partir de 1532, a colonização portuguesa do Brasil, caracteriza-se pelo domínio quase exclusivo da família rural ou semirural. A família, não o indivíduo, nem tampouco o Estado nem nenhuma companhia de comércio, é desde o século XVI o grande fator colonizador no Brasil, a unidade produtiva, o capital que desbrava o solo, instala fazendas, compra escravos, bois, ferramentas, a força social que se desdobra em política, constituindo-se na aristocracia colonial mais poderosa da América. Têm-se aí as bases da família patriarcal brasileira. Para Holanda 1, onde a família patriarcal sempre

esteve presente, o desenvolvimento da urbanização ia acarretar um desequilíbrio social, cujos efeitos permanecem vivos ainda hoje. Através da nossa história podemos acompanhar o predomínio das vontades particulares que encontram seu ambiente próprio em círculos fechados e pouco acessíveis a uma ordenação impessoal. Dentre esses círculos está a família, o que se exprimiu com mais força em nossa sociedade. Para o autor, nem mesmo as instituições democráticas que pretendem assentar a sociedade em normas anti-particularistas, foram capazes de desmontar o processo particularista da família patriarcal, tão presente em nossa sociedade. Portanto a contribuição brasileira para a civilização será de cordialidade. O conceito de homem cordial formulado por Holanda expressa uma das características mais importantes da cultura brasileira: o predomínio do afeto em detrimento da técnica ou da meritocracia. Assim, o homem cordial O processo de construção da democracia no Brasil intensificou-se após o fim da ditadura militar em 1985 e teve como resultado a disseminação da palavra cidadania. Devido à banalização do termo houve um esvaziamento de seu significado, significado esse que sequer havia sido incorporado ao imaginário político nacional. Os cientistas políticos costumam caracterizar um país como democrático se há em funcionamento um conjunto de regras que estabelecem quem está autorizado a tomar as decisões coletivas e com quais procedimentos. A democracia seria a montagem de um determinado número de normas que definem antecipadamente os atores e a forma do jogo e onde se indaga: Quem vota? Onde se vota? Com quais procedimentos? Essa concepção de democracia é a que chamamos de procedimental ou eleitoral e foi essa concepção de democracia que pareceu suficiente ao povo brasileiro após a promulgação da Constituição Federal de 1988 quando um forte ideário participativo foi fomentado e um entusiasmo cívico tomou conta do país. Naquele momento, a tão esperada ascensão social dos economicamente desprivilegiados pareceu possível.
1

HOLANDA, S. B. - Raízes do Brasil, RJ. JOSÉ OLIMPIO, 1979 - 13ª ED.

5%. 2004. Silviano(org. como já se acreditou anteriormente. M. Desafortunadamente. 2009. em 2006. Civilização Brasileira.” A democracia. doi: 10. Available from <http://www. Podemos perceber que para o brasileiro. a democracia é um regime político aberto ao tempo. a pouca abrangência do saneamento básico e. assim como o direito a organização política e que há canais de participação política abertos. essa invenção é coletiva e exige a participação de todos. 2 já afirmou “aquele passado que parece longínquo. como a segurança e o emprego. Formação do Brasil Contemporâneo. José Álvaro.scielo. a confiança do povo brasileiro no Congresso Nacional é de apenas 1. J.1%. o desemprego. Uma vez que democracia envolve liberdade e procedimento e os procedimentos são elaborados e geridos por instituições. June 2008 . em movimentos sociais.br/scielo. a subversão contínua dos estabelecidos. Gabriela Piquet. Rio de Janeiro: Nova Aguilar. A democracia é o único regime político que considera o conflito como algo legítimo. Longe de ser a mera conservação de direitos.5% dos brasileiros entrevistados afirmaram que democracia significa escolher os governos na eleição. 2002.). No entanto. ao possível.. Isso porque. 2ª edição. Campinas. Coleção Intérpretes do Brasil. quase o dobro. sobretudo a persistente desigualdade social que nos assola estão longe de ser superadas. op. a adesão à democracia era de 43.6% e. Rio de Janeiro: Ed. Opin. limitam o poder do Estado. como Caio Prado Jr. em grupos de interesse e em partidos políticos e criam um contra-poder social que. . Porém. de forma um tanto quanto ingênua 4. Em sociedades democráticas indivíduos e grupos organizam-se em associações de moradores de bairro.) a liberdade e a participação não levam automaticamente. A mesma pesquisa apontou que há uma forte rejeição à idéia de ter os militares de volta ao poder e a instauração de partido único. (pág. Cit. pode ser uma ferramenta para a superação dessas questões. a desconfiança que o povo brasileiro deposita em suas instituições. nas últimas duas décadas o povo brasileiro passou a aderir mais aos ideais democráticos. 89) 4 CARVALHO. ou seja. direta ou indiretamente. CARNEIRO. a restituição permanente do social e do político. Em 1989.. Outro dado preocupante trazido pelo autor nos alerta para o fato de que 89. as pessoas confiam muito pouco nas instituições. Sendo assim. Publica. access on 27 Oct. a democracia é uma constante invenção. mas que ainda nos cerca de todos os lados” está presente e questões como a violência urbana.É inegável que hoje a manifestação do pensamento é livre. 1. Caio. às transformações e ao novo. n. 5 MOISES. ou rapidamente à resolução de problemas sociais. v. desconfiança política e insatisfação com o regime: o caso do Brasil. “o exercício de certos direitos. 14. é a criação ininterrupta de novos direitos.php?script=sci_arttext&pid=S0104-62762008000100001&lng=en&nrm=iso>. (. em sindicatos. Como afirma Carvalho3. a má qualidade da educação e saúde públicas. principalmente nas legislativas dificulta a construção democrática no Brasil. 2 PRADO JR. 1129) 3 CARVALHO. (pág. Democracia. essa adesão passou a ser de 68. Ledo engano. o simples fato de ir as urnas significa estar vivendo em um ambiente democrático. não gera automaticamente o gozo de outros. In: SANTIAGO. Esse regime político trabalha politicamente os conflitos de necessidades e interesses e procura instituí-los como direitos a fim de que sejam reconhecidos e respeitados. o analfabetismo. Cidadania no Brasil: o longo caminho. Segundo Moisés5. como a liberdade de pensamento e o voto.1590/S0104-62762008000100001.. Porém.

a transporte público.Questões cotidianas como ter acesso à água encanada. Participar da política é participar do processo em que se decide o que é melhor para toda a sociedade. a participação política não deve se restringir única e exclusivamente a escolher nossos representantes em época de eleições. o primeiro-ministro e um trabalhador podem viver na mesma rua. ao ser perguntado sobre os lugares mais interessantes que conheceu e sobre uma viagem que o tivesse marcado de forma especial. Assim sendo. As eleições são apenas meio e não fim. afirmou que havia ido a um festival de cinema na Islândia e que havia se apaixonado por aquele país. ou seja. o diretor de cinema Walter Salles. Dessa forma. Em uma entrevista recente acerca do filme Linha de Passe. é escolher os princípios que devem reger o processo de tomada de decisões estatal. É esta a democracia que interessa. a saneamento básico. passo adiante (1964-1985) . afirmou. mas também pela forma com que eles souberam se organizar enquanto sociedade. Depende de nós. eu acho: uma democracia de fato. a saúde e a educação de qualidade são determinadas por decisões políticas que são tomadas por nossos representantes depois de eleitos diretamente por nós. não basta apenas ir às urnas.” Enquanto permitirmos que os mesmos que sempre estiveram no poder continuem se perpetuando em seu exercício e mantendo um modelo social e econômico que excluí milhões. Disse que “Em Reykjavík. ou seja. a ruas asfaltadas. Passo atrás. De nada adianta escolher aquele que vai nos governar. que funciona tanto no âmbito político quanto econômico. a democracia não será uma realidade em nosso país. aquele que tomará as decisões que determinarão nossa qualidade de vida. Não só pela geografia lunar. se as ações desse governante não forem fiscalizadas durante o exercício de seu mandato.

em que o legislativo ou estava fechado ou era apenas decorativo. O corporativismo é particularmente forte na luta de juízes e promotores por melhores salários e contra o controle externo. Cada grupo procurou defender e aumentar seus privilégios. embora imperfeita. • Busca pelo salvador da pátria. porque há uma valorização excessiva do Poder Executivo. Pela ação dos partidos e do Congresso. os professores conseguiram aposentadoria especial. Isso porque se os direitos sociais foram implantados em períodos ditatoriais. no entanto foram lentos e não escondem o longo caminho que ainda falta percorrer. como distribuidor paternalista de empregos e favores. • Visão corporativista dos interesses coletivos. até sindicatos operários nos EUA se opuseram à legislação social. e sim como fruto da negociação de cada categoria com o governo. e na resistência das polícias militares e civis a mudanças em sua organização. Não se pode dizer que a culpa foi toda do Estado Novo. Nunca houve no Brasil reação popular contra o fechamento do Congresso. Os direitos sociais vieram primeiro. • Ausência de ampla organização autônoma da sociedade faz com que os interesses corporativos consigam prevalecer. mas perdeu-se a crença de que a democracia política resolveria com rapidez os problemas da pobreza e da desigualdade. postos em prática pelo Executivo. A representação política é refutada. (pág. haja vista que o mecanismo democrático de decisão é lento. As eleições legislativas sempre despertaram menos interesse do que as do Executivo. Dotados de liberdade. A base de tudo eram as liberdades civis. Não há indícios de saudosismo em relação à ditadura militar. Mesmo durante a Constituinte a força do corporativismo se manifestou. “O exercício continuado da democracia política. o que. considerada humilhante para o cidadão. por sua vez. Prova disso é o fato de que tanto o imposto quanto a unicidade sindical foram mantidos. O deputado é visto como um intermediário de favores pessoais perante o Executivo.Conclusão: A Cidadania na encruzilhada Houve progressos. O grande êxito de Vargas indica que sua política atingiu um ponto sensível da cultura nacional. O jogo político parece ser a arena em que os grupos de interesse buscam preservar seus privilégios e conseguir novos favores. Os aposentados conseguiram o limite de um salário mínimo nas pensões. da centralidade do Executivo. Na Inglaterra as liberdades civis vieram primeiro (habeas corpus). votaram-se os direitos sociais. Muitos direitos civis continuam inacessíveis à maioria da população. A Inglaterra precisou de séculos de aprendizado. cria-se a imagem. expadiram-se os direitos políticos consolidados pelos partidos e pelo Legislativo. Conseqüência nefastas dessa inversão: • O Estado é sempre visto como todo-poderoso. Jânio Quadros. Os direitos sociais não eram tratados como direitos de todos.” (pág. Lula. Os funcionários públicos conseguiram estabilidade no emprego. A eficácia da democracia pode ser afetada devido a essa inversão? (direitos sociais na base da pirâmide) Sim. “Cria-se uma esquizofrenia política: os eleitores desprezam os políticos. “implantados em período de supressão dos direitos políticos e de redução dos direitos civis por um ditador que se tornou popular. para o grosso da população. como repressor e cobrador de impostos ou então. garantidas por um Judiciário cada vez mais independente do Executivo. Lideranças carismáticas e messiânicas passam a ter espaço (Getúlio Vargas. 219) Depois vieram os direitos políticos. A fascinação por um Executivo forte reforça o patrimonialismo. em que os órgãos de representação política foram transformados em peça decorativa do regime. A maior expansão do direito do voto deu-se em outro período ditatorial. Tendo a liberdade como valor supremo. permite aos poucos ampliar o gozo dos direitos civis. Fernando Collor – nenhum terminou o mandato). mas continuam votando neles na esperança de benefícios pessoais”. 224) • A frágil democracia brasileira precisa de tempo. • Desvalorização do Legislativo e de seus titulares. poderia reforçar os .

sem isso não há esperanças de que a democracia sobreviva. ou seja. Há muito espaço para o aperfeiçoamento dos mecanismos institucionais de representação. Só a organização da sociedade é capaz de garantir embasamento social ao político. Cidadania não é ter direito ao consumo de bens materiais.1%. PARA ACABAR COM O CLIENTELISMO É PRECISO MOBILIZAR O CIDADÃO.5%. colocar ênfase na organização da sociedade.• • • • • • • direitos políticos. democratizando assim o poder. no entanto. essa adesão passou a ser de 68. Se o direito de comprar um telefone celular. A mesma pesquisa apontou que há uma forte rejeição à idéia de ter os militares de volta ao poder e a instauração de partido único. Em 1989. Apresentamos longa tradição de estatismo. quase o dobro. É preciso. Aceitam a via eleitoral de acesso ao poder. as perspectivas de avanço democrático se vêem diminuídas. Quase todos os militantes de esquerda armada dos anos 70 são hoje políticos adaptados aos procedimentos democráticos. um tênis.6% e. a adesão à democracia era de 43. Não há rumores de golpe e o ambiente internacional. . criando um círculo virtuoso no qual a cultura política também se modificaria. o tradicional direito político. em 2006. A sociedade deve se voltar contra o Estado clientelista. um relógio da moda consegue silenciar ou prevenir entre os excluídos a militância política. totalmente desfavorável a golpes de Estado e governos autoritários contribui para isso. 224) Nas últimas duas décadas o povo brasileiro passou a aderir mais aos ideais democráticos. Desafortunadamente. Porém.”(pág. Reduzir a desigualdade deve ser o objetivo primeiro do sistema representativo. as pessoas confiam muito pouco nas instituições. difícil de reverter de um dia para o outro. enfraquecendo a noção de supremacia do Estado. Fatores positivos: esquerda e direita parecem convictas do valor da democracia. a confiança do povo brasileiro no Congresso Nacional é de apenas 1. corporativo e colonizado. O aumento expressivo de ONG’s e o Orçamento Participativo são exemplos positivos.