Anatomia Humana

Miologia

„
A miologia estuda as massas
macroscópicas de células
musculares que formam estruturas
por nós conhecidas como músculos.
Os músculos são especializados em
contração e relaxamento, fazendo
assim, com que os segmentos do
corpo se movam por encurtamento
da distância que existe entre suas
extremidades fixadas. Os músculos
são os elementos ativos do
movimento, enquanto os ossos são
os elementos passivos do mesmo.

Os músculos não determinam
apenas a locomoção do corpo, mas
também a posição e postura do
esqueleto.
Ao decompormos o movimento
muscular, nos deparamos com três
estruturas que são responsáveis e
atuantes entre si por tal movimento:
„
motoneurônio
„
junção neuromuscular
„
contração muscular

Quando analisamos tais elementos, não podemos
deixar de citar ainda a existência de tipos
musculares diversos, com funções também
diversas entre si, que são:
Músculos voluntários/involuntários
Estriado
Cardíaco
Viscerais (liso)
O músculo cardíaco assemelha-se ao estriado
histologicamente, mas é involuntário.
Componentes anatômicos dos músculos estriados
(esqueléticos)
Porção média (ventre muscular)
Extremidade (tendões e aponeuroses)

Tendões e Aponeuroses
São estruturas que prendem o músculo ao
esqueleto. Quando a extremidade do
músculo é cilindróide recebe o nome de
tendão e quando é laminar recebe o nome
de aponeurose. As principais
características de tais estruturas são:
Esbranquiçados
Brilhantes
Resistentes
Inextensíveis
Tecido conjuntivo denso
Rico em fibras colágenas

„
Os tendões e aponeuroses podem se
prender a outras estruturas do corpo, não
precisando restringir-se apenas aos ossos.
Estruturas tais como cartilagens, cápsulas
articulares, septos intermusculares,
derme, tendão de outro músculo, etc.,
podem receber a inserção dos tendões e
aponeuroses. Em um grande número de
músculos, as fibras dos tendões são tão
reduzidas que se tornam pouco visíveis.
„
Em alguns músculos aparecem tendões
interpostos a ventres de um mesmo
músculo que não servem para fixação ao
esqueleto (ex.: reto abdominal).

Fáscia Muscular
„
É uma lâmina de tecido conjuntivo que
envolve cada músculo. A fáscia muscular
tem sua espessura variada de músculo
para músculo, dependendo de sua função.
Às vezes a fáscia é muito espessada e
serve para a inserção do músculo no osso.
Para que os músculos possam exercer
eficientemente um trabalho de tração ao
se contrair, é necessário que eles estejam
dentro de uma bainha elástica de
contenção, papel executado pela fáscia
muscular.

„
Outra função das fáscias é permitir o
fácil deslizamento dos músculos
entre si. Em certos locais as fáscias
musculares apresentam
prolongamentos que se fixam no
osso e são denominados “septos
intermusculares”. Estes separam
grupos musculares em lojas ou
compartimentos e ocorrem
freqüentemente nos membros.

Origem e Inserção
„
Origem C Peça óssea que não se
desloca. Ponto fixo
„
InserçãoC Peça óssea que se
desloca. Ponto móvel
„
Nos membros, geralmente a origem
é proximal e a inserção distal.


Classificação do Músculos
„
OQuanto a forma e arranjo das
fibras
ƒ
Disposição paralela das fibras
• Músculos longos (sartório)
• Músculos largos (glúteo máximo)
• Leque (peitoral maior)
• Disposição oblíqua das fibras
• Unipenado (Extensor longo dos dedos do pé)
• Bipenado (Reto da coxa)

„
OQuanto a origem
ƒ
Quando se originam por mais de um
tendão
• Bíceps
• Tríceps
• Quadríceps

„
OQuanto a inserção
• Quando inserem-se por mais de um
tendão
• Bicaudados (2 tendões)(m. fibular longo)
‚
Policaudados (3 ou mais tendões)(m. flexor
longo dos dedos do pé)


„
OQuanto ao ventre muscular
• Alguns músculos apresentam mais de um
ventre muscular, com tendões
intermediários situados entre eles
• Digástricos (digástrico)
• Poligástricos (reto do abdome)

„
OQuanto a ação
• Dependente da ação principal
resultante da contração do músculo.
• Flexor
• Extensor
• Adutor
• Abdutor
• Rotador medial
• Rotador lateral
• Pronador
• Supinador
• Flexor dorsal
• Flexor plantar

Coordenação Motora
„
À ação muscular conjunta,
responsável pela produção de
movimentos definidos, damos o
nome de coordenação motora, por
isso a análise de um simples
movimento se torna complexa
quando analisada do ponto de vista
muscular.

Classificação Funcional dos
Músculos
ƒ
.Agonista - Quando um músculo é o
agente principal na execução de um
movimento.
ƒ
.Antagonista - Quanto um músculo se
opõe ao trabalho de um agonista, seja
para regular a rapidez ou a potência da
ação deste agonista.
ƒ
Sinergista - Quando um músculo atua
no sentido de eliminar algum
movimento indesejado que poderia ser
produzido pelo agonista

Músculos da Cabeça
2 Grupos:
¬cutâneos ou dérmicos (cuticulares ou da
mímica).
¬responsáveis pela expressão fisionômica.
¬são superficiais.
¬pelo menos uma de suas inserções faz-se
na cútis(pele).
¬mastigadores (movimentam a mandíbula).
¬pelo menos uma de suas inserções faz-se
neste osso.
¬são profundos, isto é, situados dentro da
fáscia profunda.

MÚSCULOS CUTÂNEOS DA CABEÇA
„
Subdividem-se em:
ƒ
Músculos dérmicos
do crânio
ƒ
Músculos dérmicos
da face

„
MÚSCULOS DÉRMICOS DO CRÂNIO
„
Sobre o periósteo da calvária há uma
membrana esbranquiçada e
resistente (gálea aponeurótica) que
juntamente com a pele e tecido
conjuntivo denso formam o escalpo.
A gálea separa-se da calota craniana
por tecido conjuntivo frouxo, o que
permite ao escalpo mover-se sobre o
crânio.

ƒ
Anterior e posteriormente o escalpo é
constituído por fibras musculares, a cujo
o conjunto se dá o nome de músculo
occipito-frontal.
‚
Origem e inserção: o ventre occipital
tem origem na linha da nuca e o ventre
frontal insere-se na pele da fronte.
‚
Ação: eleva os supercílios, enruga a
fronte (também chamado de músculo
da atenção).

MÚSCULOS AURICULARES (anterior,
superior e posterior)
‚
· músculo auricular superior
(temporoparietal):
‚
insere-se na borda superior da gálea.
‚
· músculo auricular anterior
(aurículotemporal).
‚
· músculo auricular posterior (auricular
nucal).
„
¬ movimentam o pavilhão auricular.
„
¬ são de difícil identificação.

Músculos da Expressão da Face
„
I - esfíncter palpebral (órbita)
ƒ
A. músculo orbicular do olho.
ƒ
ação: fechamento ativo das
pálpebras.
ƒ
B. músculo levantador da pálpebra
superior.
ƒ
ação: abertura da pálpebra.

„
II - esfíncter das narinas (nariz)
„
A. depressor do septo.
„
B. porção alar do músculo nasal
(dilatador).
ação: ambos são responsáveis pela
abertura das narinas.
„
C. compressor do nariz.
ação: constrição das narinas.

„
III - esfíncter labial (rima bucal)
„
A. bucinador (contração dos lábios)
‚
ação: comprimem as bochechas contra a
maxila e a mandíbula para manter o
alimento entre os dentes e a língua.
Importantes no assobiar e soprar.
„
B. orbicular da boca (contração dos
lábios).
‚
N forma o esfíncter elíptico em torno da
boca.

Outros músculos da expressão da face
• Risório - Retrai o ângulo da boca
lateralmente (riso forçado).
• Or.: Fáscia massetérica
• Ins.: Ângulo da boca
• Depressor do ângulo da boca - Traciona
o ângulo da boca inferiormente
(tristeza).
• Or.: Base da mandíbula
• Ins.: Ângulo da boca e lábio inferior

• Zigomático maior - Traciona o ângulo da
boca superior e lateralmente como
numa risada.
• Or.: Osso zigomático (face lateral)
• Ins.: Ângulo da boca
• Levantador do ângulo da boca - Eleva o
ângulo da boca e acentua o sulco
nasolabial.
• Or.: Maxila, fossa canina
• Ins.: Musculatura do ângulo da boca e lábio
superior


Zigomático menor - Auxilia na
elevação do lábio superior e acentua
o sulco nasolabial.
• Or.: Face lateral do osso zigomático
• Ins.: Ângulo da boca

Levantador do lábio superior - Eleva
e everte o lábio superior e dilata a
narina.
• Or.: Margem infra-orbital
• Ins.: Asa do nariz e lábio inferior

• Levantador do lábio superior e da asa
do nariz - Eleva e everte o lábio
superior, e dilata a narina.
• Or.: Maxila, processo frontal
• Ins.: Asa do nariz e lábio superior

Depressor do lábio inferior - Deprime o
lábio inferior.
• Or.: Base da mandíbula
• Ins.: Lábio inferior
• Mentual - Eleva a pele do mento e faz
protusão do lábio inferior.
• Or.: Eminências alveolares dos dentes incisivos
laterais inferiores
• Ins.: Cútis do mento

Músculos Mastigadores
„
. Temporal
‚
Or.: Linha temporal inferior
‚
Ins.: Processo coronóide da mandíbula.
ƒ
Ação: Eleva a mandíbula para a
mastigação


„
. Masseter: é um músculo
quadrilátero e potente. Situa-se
lateralmente ao ramo da mandíbula.
‚
Or.: Arco zigomático
‚
Ins.: Face lateral do ramo da mandíbula
ƒ
ação: Elevação e projeção anterior da
mandíbula.

„
. Pterigóideo Medial
‚
Or.: Face medial da lâmina lateral do
processo pterigóide
‚
Ins.: Face medial do
‚
ângulo da mandíbula.
‚
Ação: Fechar a mandíbula

„
. Pterigóideo Lateral
‚
Or.: Face lateral da lâmina lateral do
processo pterigóide
‚
Ins.: Anteriormente ao colo da mandíbula e
cápsula articular da ATM.
ƒ
Ação: Os mm. Mastigadores têm por
função o abaixamento e elevação da
mandíbula.

MÚSCULOS DO PESCOÇO
„
Dividem-se em:
• Anteriores
• Laterais (paravertebrais)
• Posteriores
• Pré-vertebrais

MÚSCULOS ANTERIORES DO PESCOÇO (9)
• Platisma (1)
• Supra-hióideos (4)
• Infra-hioideos (4)
‚
Platisma → é o único músculo cutâneo
(dérmico) do pescoço.
• origem: cútis da região da mandíbula.
• inserção: cútis ao nível da clavícula, cruza em x
com as fibras do esternocleidomastoideo.
• ação: contração repuxa para frente e para cima a
pele do pescoço ou abaixa a pele na região do
mento.

„
Supra-hioideos →ação: elevam o osso hióide e
com ele a laringe durante a fase involuntária da
deglutição. São eles:
‚
Digástrico
• Or.:Ventre posterior: processo mastóide do
temporal
– Ventre anterior: fossa digástrica da mandíbula
• Ins.:Os dois ventres unem-se no tendão
intermediário que é ligado por alça fibrosa ao
corpo do hióide.
• Estilo-hióideo
• Or.: Processo estilóide
• Ins.: Hióide, junção do corpo e corno maior
• Milo-hióideo
• Or.: Linha milo-hioidea
• Ins.: Rafe mediana no assoalho da boca
‚
Gênio-hióideo
• Or.: Sínfise mentual
• Ins.: Corpo do hióide

‚
Infra-hioideos →ação: abaixar a laringe,
abaixar o osso hióide, abaixar o assoalho da
boca e fixadores do hióide.
‚
Esterno-hióideo
• Or.: Posteriormente, no manúbrio
• Ins.: Borda inferior do corpo do hióide
‚
Omo-hióideo
• Or.:Ventre inferior: borda superior da escápula
– Ventre superior: no tendão intermediário
• Ins.:Ventre inferior: tendão intermediário
– Ventre superior: borda inferior do corpo do
hióide

• Esternotireóideo
• Or.:Posteriormente no manúbrio
• Ins.:Cartilagem tireóide da laringe
‚
Tireo-hioideo
• Or.:Cartilagem tireóide da laringe
• Ins.:Corno maior do hióide
• Obs.: os supra e os infra juntos mantêm o osso
hióide propiciando base firme para os
movimentos da língua.

Músculos Laterais do Pescoço
‚
1.Esternocleidomastoideo
• or.: processo mastóide e osso occipital.
• Ins.: manúbrio do esterno e ¼ medial da
clavícula.
• ação: flexão da cabeça.
‚
2. Escalenos (músculos paravertebrais)
• Escalenos anterior (C3-C6), médio (C1-C7),
posterior (C4-C6)
• origem: processo transversos das vértebras
cervicais.
• inserção: face superior da 1ª costela (anterior e
médio). Face superior da 2ª costela (posterior).
• ação: flexionam lateralmente a coluna vertebral
na inspiração forçada elevam a 1ª e 2ª costelas.

Múculos Posteriores do Pescoço
‚
. Multífido
• Or.: Todos os processos transversos e sacro
• Ins.: Processos espinhosos de todas as vértebras
(do áxis até L5)
‚
. Esplênio da cabeça
• Or.: Processos espinhosos cervicais inferiores e
ligamento nucal
• Ins.: Processo mastóide do temporal
‚
. Esplênio do pescoço (extensão inclinação
lateral e rotação da cabeça.)
• Or.: Processos espinhosos torácicos superiores
• Ins.: Processos transversos cervicais inferiores

‚
. Semi-espinhal da cabeça (extensor da
cabeça)
• Or.: Processos transversos cervicais
• Ins.: Parte medial da linha nucal superior do
occipital
‚
. Semi-espinhal do pescoço (extensor do
pescoço)
• Or.: Processos transversos das seis vértebras
torácicas superiores
• Ins.: Processos espinhosos da terceira até a
quinta vértebra cervical

„
Há ainda alguns músculos curtos situados inferiormente à
base do crânio e conhecidos como suboccipitais:
ƒ
. Reto posterior menor da cabeça
‚
Or.: Arco posterior do Atlas
‚
Ins.: Linha nucal inferior
ƒ
. Reto posterior maior da cabeça
‚
Or.: Espinha do Áxis
‚
Ins.: Linha nucal inferior
ƒ
. Oblíquo superior da cabeça
‚
Or.: Processo transverso do Atlas
‚
Ins.: Linha nucal inferior
ƒ
. Oblíquo inferior da cabeça
‚
Or.: Espinha do Áxis
‚
Ins.: Processo transverso do Atlas
„
Obs.: São músculos pequenos e profundos, formam um triângulo
situado inferiormente na cabeça que é o “trigono suboccipital”.
Fazem a extensão e inclinação da cabeça.

Músculos pré-vertebrais do pescoço
‚
1. Longo da cabeça (reto anterior maior da
cabeça)
• origem: parte basilar do osso occipital.
• inserção: C3-C6 (processos transversos).
‚
2.Longo do pescoço
‚
divide-se em três fascículos:
• Fáscia oblíquos superiores.
• origem: atlas.
• inserção: C3-C5.
• Fáscia vertebrais.
• origem: C2-C4.
• inserção: C5-T3.
• Fáscia oblíquos inferior.
• origem: C5-C6
• inserção: T1-T3.

‚
. Reto anterior da cabeça
• origem: parte basilar do occipital.
• inserção: massa lateral do atlas.
‚
. Reto lateral da cabeça
• origem: parte basilar do occipital.
• inserção: processo transverso do atlas.
‚
Todos flexionam a cabeça ou a porção
cervical da coluna quando a contração e
bilateral ou a inclina quando contrai de um
só lado

Músculos do Membro Superior
„
4 grupos: ¬Ombro ¬ Braço
¬ Antebraço ¬ Mão
MÚSCULOS DO OMBRO
„
1. Deltóide
„
Or.:1/3 lateral da clavícula (deltóide anterior),acrômio
(deltóide medial) e espinha da escápula
„
Ins.:tuberosidade deltóidea ao nível de ½ da diáfise do
úmero
„
Ação:abdução do braço e acessório na flexão e extensão.


2. Supraespinhal
Or.: fossa supraespinhal
Ins.: tuberosidade maior do úmero
Ação: auxilia a deltóide na abdução.
3. Infraespinhal:
Or.: fossa infraespinhal
Ins.: tuberosidade maior do úmero
Ação: rotação lateral do braço.
4. Redondo Menor:
Or.: borda lateral da escápula
Ins.: tuberosidade maior do úmero (faceta inferior)
Ação: rotação lateral do braço.
5. Redondo Maior:
Or.: ângulo inferior da escápula
Ins.: crista da tubérculo menor
Ação: adução do braço.
6. Subescapular:
Or.: toda a extensão da fossa subescapular
Ins.: tubérculo menor do úmero
Ação: rotação medial do braço.

Músculos do Braço
GRUPO ANTERIOR:
1. Bíceps braquial :estes dois ventres têm dimensões
diferentes e denominam-se “porção longa” e “porção
curta”.
· Porção longa:
Or.: tuberosidade supraglenoidal da escápula
· Porção curta:
Or.: processo coracóide
Ins.:tuberosidade do rádio
Ação:flexão do antebraço sobre o braço e acessoriamente
abdução do braço e supinação do antebraço.


2. Coracobraquial:
Or.: processo coracóide
Ins.: 1/3 medial da borda medial do úmero
Ação: flexão e adução do ombro.
3. Braquial:
Or.: face ântero-medial do úmero
Ins.: processo coronóide da ulna
Ação: flexão do antebraço sobre o braço.

GRUPO POSTERIOR:
1.Tríceps (3 ventres): Porção longa
Porção lateral
Porção medial
Or.:porção longa, tubérculo infraglenoidal da
escápula
Or.:porção lateral e medial, face posterior do
úmero acima do sulco para o n. radial.
Ins.:olécrano da ulna.
Ação.:extensão do antebraço sobre o braço
(cotovelo).

MÚSCULOS DO ANTEBRAÇO
(MÚSCULOS EPITROCLEANOS)
2 grupos
· Anterior
· Posterior
1. Músculos anteriores do antebraço:
pronação do antebraço, flexão da
articulação radiocárpica e flexão dos dedos
da mão.

Pronador redondo
Or.: porção umeral: crista supracondilar
medial do úmero e epicôndilo medial.
porção ulnar: processo coronóide da
ulna
Ins.: 1/3 médio da face lateral do rádio
Ação.: pronação do antebraço.
Pronador quadrado
Or.: face anterior da ulna
Ins.: face anterior do rádio
Ação.: pronação do antebraço.

Flexor superficial dos dedos
Or.: Porção úmero-ulnar: epicôndilo medial e face
medial do processo coronóide.
Porção radial: parte proximal da borda
anterior do rádio
Ins.: Por 4 tendões (perfurados) na 2ª falange dos
dedos II, III, IV, V.
Ação: Flexão dos 4 últimos dedos

Flexor superficial dos dedos

Flexor profundo dos dedos
Or.: Faces anterior e medial da ulna e membrana
interóssea
Ins.:Por 4 tendões (perfurados) na 3ª falange dos dedos
II, III, IV, V.
Ação: Flexão dos 4 últimos dedos
Flexor ulnar do carpo
Or.: Epicôdilo medial,olécrano,margem posterior
da ulna.
Ins.: Osso pisiforme (ligamento sobre este osso)
Ação: Flexor do carpo
Flexor radial do carpo
Or.: Epicôndilo medial, fáscia do antebraço
Ins.: Face palmar da base do 2º metacarpo.
Ação: Flexor do carpo

Flexor profundo dos dedos

Palmar longo
Or.: Epicôndilo medial, fáscia do antebraço
Ins.: Aponeurose palmar
Ação: Flexor do carpo
Flexor longo do polegar
Or.:Face anterior do rádio, membrana interóssea
do antebraço, epicôndilo medial
Ins.: Falange distal do polegar
Ação: Flexor do polegar

2. Músculos posteriores do antebraço:
superficial
profundo
Ancôneo
Or.: epicôndilo lateral do úmero
Ins.: face posterior da ulna
Ação.: extensão do antebraço.
Braquiorradial (supinador longo)
Or.: epicôndilo lateral
Ins.: processo estilóide do rádio
Ação.: flexão do antebraço sobre o braço.


Extensores do carpo:
Extensor radial longo do carpo
Or.: Margem lateral do úmero, epicôndilo
lateral, septo intermuscular lateral do braço
Ins.: Face dorsal da base do segundo
metacarpo.
Ação: Dorsiflexão e abdução para o lado
radial
Extensor radial curto do carpo
Or.: Epicôndilo lateral do úmero
Ins.: Face dorsal do terceiro metacarpo
Ação: Dorsiflexão e abdução para o lado
radial

Extensor ulnar do carpo
Or.: Epicôndilo lateral do úmero, fáscia do
antebraço
Ins.: Face dorsal da base do quinto metacarpo
Ação: Dorsiflexão e abdução para o lado ulnar
Extensor comum dos dedos
Or.: Epicôndilo lateral e fáscia do antebraço
Ins.: Aponeurose dorsal do 2º ao 5º dedos.
∗ IMPORTANTE: Na inserção deste m. seu
tendão se trifurca e a lingüeta medial do tendão
se insere na face posterior da 2ª falange e as
outras inserem-se de cada lado da falange distal
(3ª falange).

Extensor do dedo mínimo
or.: epicôndilo lateral
ins.: aponeurose dorsal do 5º dedo
ação: extensão do 5º dedo

GRUPO PROFUNDO
Supinador
Or.: Epicôndilo lateral do úmero
Ins.: Face anterior do rádio e tuberosidade do rádio.
Ação: Supinação
.Abdutor longo do polegar
Or.: Face posterior da ulna, do rádio e membrana
interóssea
Ins.: Base metacarpal do polegar
Ação: Extensão do polegar e adução para o lado radial
.Extensor curto do polegar
Or.: Face posterior do rádio e membrana interóssea do
antebraço
Ins.: Falange proximal do polegar
Ação: Extensão do polegar

Extensor longo do polegar
Or.: Face posterior da ulna, membrana
interóssea do antebraço
Ins.: Falange distal do polegar
Ação: Extensão do polegar
Extensor do índex
Or.: Face posterior da ulna, membrana
interóssea do antebraço
Ins.: Aponeurose dorsal do dedo índex
Ação: Extensão do índex

Músculos do Tórax
„
O tórax localiza-se na região superior
do tronco, é definido anteriormente
pelo osso esterno, lateralmente
pelas costelas e posteriormente pela
coluna vertebral. Seu interior é a
cavidade torácica, onde
encontramos estruturas anatômicas
nobres, tais como o coração e os
pulmões. Os mm. da região do tórax
dividem-se em ântero-laterais,
posteriores, da goteira vertebral e
costais.

Peitoral Maior
Or.: ½ medial da clavícula, cartilagens costais
1-6 e aponeurose do m. oblíquo externo.
Ins.: Tubérculo maior do úmero
Ação: Adução, flexão e extensão do ombro
Peitoral Menor
Or.: Próximo às cartilagens costais 2-5
Ins.: Borda medial do processo coracóide
Ação: Depressão e rotação inferior da
escápula.

MÚSCULOS ANTEROLATERAIS
DO TÓRAX

Subclávio
Or.: Cartilagem costal da primeira
costela (união com a costela)
Ins.: Sulco da face inferior da clavícula
Ação: Fixa a clavícula na articulação
esternoclavicular e auxilia na
depressão do ombro.
Serrátil Anterior
Or.: Digitação da face externa das 8
costelas superiores
Ins.: Face posterior do ângulo superior,
borda medial e ângulo inferior da
escápula
Ação: abdução e rotação superior da
escápula

m. serrátil anterior

TÓRAX (VISTA LATERAL
TÓRAX (VISTA LATERAL)

Trapézio
Or.: Linha nucal superior, protuberância
occipital externa, ligamento nucal e
processos espinhosos de T7-T12.
Ins.: 1/3 lateral da clavícula, acrômio e
espinha da escápula.
Ação: Elevação (feixes superiores), depressão
(feixes inferiores) e adução da escápula
(feixes médios).

Trapézio

MÚSCULOS POSTERIORES
MÚSCULOS POSTERIORES
DO TÓRAX (DORSO)
DO TÓRAX (DORSO)

Grande Dorsal
Or.: Processos espinhosos de T7-T12,
crista ilíaca e aponeurose tóracolombar.
Ins.: Crista do tubérculo menor do
úmero e sulco intertubercular
Ação: Extensão, adução e rotação
medial do braço

Levantador da Escápula
Or.: Processos transversos de C1-C4
Ins.: Borda medial da escápula da espinha até
o ângulo superior.
Ação: Elevação da escápula
Rombóide Menor
Or.: Processos espinhosos de C6 e C7
Ins.: Borda medial da escápula próximo a
espinha
Ação: Elevação e retração da escápula

Músculos Rombóides e
Levantador da Escápula

mm. rombóides

Rombóide Maior
Or.: Processos espinhosos da 4 vértebras
torácicas superiores
Ins.: Borda medial da escápula da espinha até o
ângulo inferior.
Serrátil Póstero-superior (Pequeno denteado)
Or.: Ligamento nucal e processos espinhosos de
C7 até as vértebras torácicas superiores.
Ins.: 2 a 5 costelas
Ação: Sem participação individual
Serrátil Póstero-inferior
Or.: Processos espinhosos das vértebras
torácicas inferiores
Ins.: 4 últimas costelas
Ação: nenhuma


Eretor da Espinha
Or.: Inicia-se ao nível do sacro dirigindo-se para
cima até a parte baixa do pescoço
Ins.: Toma inserção em diversos pontos ao longo
da goteira vertebral
Ação: Extensão, inclinação lateral ou rotação da
coluna vertebral
Transverso Espinhal
Or. e Ins.: Do sacro até a segunda vértebra
cervical. Suas fibras ligam o processo transverso
de uma vértebra com o processo espinhoso da
vértebra suprajacente.
Ação: Extensão, inclinação lateral ou rotação da
coluna vertebral

m. transverso espinhal

Interespinhais
Or. e Ins.: Ligam o processo espinhoso de uma
vértebra ao processo espinhoso da vértebra
vizinha.
Ação: Extensão, inclinação lateral ou rotação da
coluna vertebral
Intertransversais
Or. e Ins.: Unem os processos transversos entre
si (de cada lado).
Ação: Extensão, inclinação lateral ou rotação da
coluna vertebral

¯ mm. interespinhais
mm. intertransversais =

Músculos paravertebrais e costais

Levantadores das costelas
Or.: Processo transverso
Ins.: Face externa da costela subjacente (da
C7 até a T11)
Ação: Elevam as costelas, influindo na
respiração
Intercostais Externos
Or.: Borda inferior da costela
Ins.: Borda superior da costela subjacente
Ação: Elevação das costelas e participam na
inspiração

Intercostais Internos
Or.: Borda inferior da costela
Ins.: Borda superior da costela subjacente
Ação: Abaixamento das costelas, contribuindo
para a expiração. Suas fibras cruzam em X
as fibras dos intercostais externos, isto é,
dirigem-se de cima para baixo
Subcostais
Or.: Face interna de uma costela
Ins.: Face interna da costela subjacente
Ação: Abaixamento das costelas, contribuindo
para a expiração.
Transverso do Tórax
Or.: Face posterior e no processo xifóide do
esterno
Ins.: Face interna da 2
a
a 6
a
costelas.
Ação:Reforça a parede do tórax e auxilia na
expiração

RETO DO ABDÔMEN (grande reto anterior do
abdômen)
Or.: processo xifóide, 5ª e 6ª cartilagens
costais.
Ins: sínfise e crista púbica
Ação: flexão do tronco sobre a coxa
É poligástrico - bainha do reto (aponeurose)
proveniente dos músculos oblíquo externo,
interno e transversal. A aponeurose vai até a
região média onde insere-se e forma a “linha
alba”.

PIRAMIDAL DO ABDÔMEN
Or.: corpo do púbis.
Ins.: parte inferior da linha alba.
Ação: mantém tensionada a linha alba
OBLÍQUO EXTERNO
Or.: 8 últimas costelas, interdigitando-se
com os músculos serrátil anterior e
grande dorsal.
Ins.: fibras póstero-inferiores na crista ilíaca
e fibras ântero-superiores na bainha do
reto e linha alba.
Ação: Flexão e rotação do tronco para o lado
contrário da contração.

Mm. Abdominais (m. oblíquo externo)

OBLÍQUO INTERNO
Or.: aponeurose tóraco-lombar
Ins.: bainha do reto.
Ação: flexão e rotação do tronco para o
mesmo lado da contração
TRANSVERSO DO ABDÔMEN
Or.: face interna das 6 últimas cartilagens
costais
aponeurose tóraco-lombar
crista ilíaca.
Ins.: bainha do reto.
Ação: flexão lateral (auxiliar dos oblíquos)

mm. abdominais (m. oblíquo interno)

mm. abdominais (m. transverso do abdômen)

„
Na região abdominal a única parte óssea do
abdômen é a coluna vertebral, logo; os músculos
desta região têm, também, por função, a
proteção visceral, além de colaborar com os
músculos do dorso nos movimentos do tronco e
na manutenção da posição ereta. Estes músculos
ainda estabilizam a pelve quando, em decúbito
dorsal ou ventral, se movem os membros
inferiores. São músculos laminares.


mm. abdominais

m. reto anterior do abdômen

No homem os testículos localizam-se
externamente à parede da pelve e o ducto
ejaculador encontra-se dentro da cavidade
pélvica. Torna-se então necessária a existência
de um túnel através da parede do abdômen para
permitir a passagem do ducto deferente (que
conduz os espermas até o ducto ejaculatório). A
tal passagem se dá o nome de canal inguinal. Na
mulher o canal inguinal é ocupado pelo
ligamento redondo do útero e alguns filetes
nervosos, o canal é uma área potencialmente
fraca no sexo masculino. Podendo surgir as
hérnias inguinais.
Nesta região encontramos três áreas distintas:

Subdivide-se em dois grupos:
GRUPO SUPERFICIAL (com músculos já descritos
anteriormente, situados por trás da coluna
vertebral e é composto por fibras de um músculo
que se coloca posteriormente no abdômen).
(grande dorsal, serrátil, póstero-inferior, oblíquo
externo, oblíquo interno, transverso do abdômen,
porção lombar dos músculos da goteira
vertebral).

GRUPO PROFUNDO
Íliopsoas (psoas ilíaco) - bíceps
Ventre medial (psoas maior).
Or.: T 12 - L 4.
Ventre lateral (ilíaco)
Or.: fossa ilíaca.
Ins.: de ambos: trocânter menor do fêmur.
Ação: flexão da coxa sobre o tronco e vice-
versa.
Obs.: o ilíopsoas do gado vacum constitui o filé
mignon.

m. psoas maior

psoas menor
Or.: T 12-L 1.
Ins.: eminência iliopúbica.
Ação: auxilia o psoas maior.
quadrado lombar
Or.: 12ª costela.
Ins.: crista ilíaca
Ação: auxilia na inclinação lateral do corpo e
abaixa a 12ª costela.

Diafragma (músculo amplo que separa a cavidade
torácica da cavidade abdominal.)
Or./Ins.: rebordo inferior da caixa torácica (osso
esterno, face interna das 6 últimas costelas e L 2
e L 3). A região central também é tendínea e
denomina-se “centro frênico”.
O diafragma é atravessado por três tubos e
apresenta
três orifícios correspondentes:
a) hiato aórtico (artéria aorta): situado medialmente à
frente dos corpos vertebrais.
b) hiato esofágico (esôfago): logo à frente do aórtico.
c) forâme da veia cava (veia cava): à direita do hiato
esofágico.

Múscul os da pare de i nf erio r
Múscul os da pare de i nf erio r
(perín eo)
(perín eo)
Região situada inferiormente ao
diafragma pélvico.
Nesta região há dois septos:
loja superficial do períneo
fáscia profunda do períneo

músculos que ocupam a loja superfic ial
do perín eo
MÚSCULO TRANSVERSO SUPERFICIAL DO
PERÍNEO
Or.: Face interna do ramo do ísquio
Ins.: centro tendíneo do períneo.
Ação: não é importante.
MÚSCULO ÍSQUIO CAVERNOSO
Or.: face interior do ramo do ísquio, envolve o
pênis e...
Ins.: no corpo cavernoso do pênis.
Ação: auxilia na manutenção da ereção do
pênis.

MÚSCULO BULBO ESPONJOSO
Or./Ins.: parte no centro tendíneo do períneo
e o restante na rafe mediana do contorno do
bulbo do pênis.
Ação: auxilia na ejaculação e manutenção da
ereção do pênis

Músculos da FÁSCIA PROFUNDA DO PERÍNEO
MÚSCULO TRANSVERSO PROFUNDO DO
PERÍNEO:
Ação: fixação do centro tendíneo.
MÚSCULO ESFÍNCTER DA URETRA
Or. e Ins.: A parte membranácea da uretra
com fibras circundantes esfinctérias
Ação: auxilia na expulsão das últimas gotas
de urina ou sêmen da parte membranosa da
uretra.

MÚS CULOS DOS ME MBROS INFERIOR ES
4 Grupos: Quadril, coxa, perna e pé
MM. DO QUADRIL:
2 Grupos: MM. da fossa ilíaca e mm. da região
glútea.
Os mm. da fossa ilíaca são os músculos
constituintes da parede posterior do abdômen
(psoas ilíaco, psoas menor e quadrado lombar)
MM. DA REGIÃO GLÚTEA
Todos se inserem no trocânter maior do fêmur, a
exceção do glúteo máximo (grande glúteo) que
se insere na tuberosidade glútea na diáfise do
fêmur

Glúteo Máximo
Or.: Linha glútea posterior, face posterior do
sacro e cóccix e ainda no lig.
sacrotuberal
Ins.: Tuberosidade glútea na diáfise do
fêmur
Ação: Rotação lateral da coxa, extensão e
hiperextensão do quadril
Quando o glúteo máximo fixa o fêmur, ele levanta a
pelve sobre a coxa (extensão da coxa) o que é
muito importante para a bipedestação.

Glúteo médio
Or.: Entre as linhas glúteas anterior e
posterior e espinha ilíaca ântero-
superior
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação medial e abdução do
quadril
Glúteo mínimo
Or.: Entre as linhas glúteas anterior e
posterior e espinha ilíaca ântero-
superior
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação medial e abdução do
quadril

Piriforme (piramidal)
Or.: Face pélvica do sacro
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação lateral do quadril
Gêmeo superior
Or.: Espinha do ísquio
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação lateral do quadril

Obturatório Interno
Or.: Face pélvica do sacro
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação lateral do quadril
Gêmeo inferior
Or.: Tuberosidade do ísquio
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação lateral do quadril

Obturatório externo
Or.: Contorno do forâme obturado
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação lateral do quadril
Quadrado da coxa
Or.: Tuberosidade do ísquio
Ins.: Trocânter maior do fêmur
Ação: Rotação lateral do quadril
Os mm. da região glútea são inervados pelos
nervos ciático e obturador e fazem, como ação
principal a rotação lateral da coxa.

3 Grupos:
Anterior (flexão da coxa e extensão da
perna)
Medial (adução da coxa)
Posterior (Extensão da coxa e flexão da
perna)

Tensor da Fáscia Lata
Or.: Espinha ilíaca ântero-superior e crista
ilíaca
Ins.: Trato ílio-tibial
Ação: Abdução e rotação medial
Sartório
Or.: Espinha ilíaca ântero-superior
Ins.: Borda medial da tuberosidade da tíbia
Ação: Flexão da coxa

Quadríceps :
Reto Anterior
Or.: Espinha ilíaca ântero-inferior
Vasto Lateral
Or.: Trocânter maior e linha áspera do fêmur
Vasto Intermédio
Or.: Linha áspera
Vasto Medial
Or.: Linha áspera
Ins.: O quadríceps se insere na base da patela
Ação: Extensão do joelho e flexão do quadril.

m. quadríceps

Grácil (reto interno)
Or.: Corpo da pube
Ins.: Face medial da tíbia
Ação: Adução e flexão do quadril
Pectíneo
Or.: Linha pectínea da pube
Ins.: Linha pectínea do fêmur
Ação: Auxilia na extensão do quadril
Adutor Longo (adutor médio)
Or.: Corpo da pube
Ins.: Linha áspera do fêmur
Ação: Adução do quadril

mm. da região ântero-medial da coxa

Adutor Curto
Or.: Corpo e ramo inferior da pube
Ins.: Linha áspera do fêmur
Ação: Adutor do quadril
Adutor Magno
Or. Porção adutora: Ramo inferior da pube
Or. Porção extensora: Tuberosidade do
ísquio
Ins. Porção adutora: Linha áspera do fêmur
Ins.Porção extensora:Linha supracondilar
medial e tubérculo adutório

Bíceps da coxa (crural)
Or. Porção longa: Tuberosidade do ísquio
Or. Porção curta: Linha áspera do fêmur
Ins.: Cabeça da fíbula
Ação: Extensão do quadril e flexão do
joelho
Semitendinoso
Or.: Tuberosidade do ísquio
Ins.: Face medial da diáfise da tíbia
Ação: Extensão do quadril e flexão do
joelho
Semimembranoso
Or.: Tuberosidade do ísquio
Ins.: Côndilo medial da tíbia
Ação: Extensão do quadril e flexão do
joelho

mm. da região posterior da coxa

MM. DA PERNA
A face medial da perna é ocupada pela tíbia que é
recoberta diretamente pelos tegumentos, não
existindo, portanto, músculos deste lado.
A musculatura divide-se em três grupos (lojas)
musculares:
Anterior (flexores do pé e extensores dos
dedos)
Lateral
Posterior (extensores do pé e flexores dos
dedos)

MM. anteri ores da perna
Tibial anterior
or.: face lateral da tíbia
ins.: primeiro metatarso
ação: flexão, adução e inversão do pé
Extensor longo do hálux
or.: 1/3 médio da fíbula e membrana
interóssea
ins.: base da falange distal do hálux
ação: extensão do hálux e flexão do pé

Extensor longo dos dedos (extensor comum
dos dedos)
or.: ¾ proximais da fíbula, côndilo lateral da
tíbia e membrana interóssea
ins.: por 4 tendões, um para cada um dos 4
dedos laterais, nas bases das falanges médias
e distais.
ação: Extensão dos 4 últimos dedos,
acessoriamente flete e everte o pé
Fibular terceiro
or.: 1/3 inferior da fíbula
ins.: base do 5º metatarso
ação: auxilia na ação do extensor longo dos
dedos

Retináculo dos extensores
Os tendões dos 4 músculos citados
anteriormente atravessam anteriormente a
região do tornozelo, necessitam ser contidos para
não se deslocarem para frente, por ocasião da
contração das fibras musculares. São dois
retináculos ou ligamentos , um superior e outro
inferior, dispondo-se o inferior na altura dos
maléolos e o superior alguns centímetros acima,
que fazem tal função de retenção.

Fibular curto
or.: 2/3 distais da fíbula
ins.: base do 5º metatarso
ação: eversão do pé
Fibular longo
or.: cabeça e 2/3 proximais da diáfise da
fíbula
ins.: cuneiforme medial e 1º metatarso
ação: flexão e eversão do pé

Tríceps sural
a1. gastrocnêmio
a2. sóleo
a1. Gastrocnêmio
- porção lateral (gêmeo externo)
or.: côndilo lateral do fêmur
ins.: tub. do calcâneo
- porção medial (gêmeo interno)
or.: logo acima do côndilo medial do
fêmur
ins.: tub. do calcâneo

a2. sóleo
or.: parte proximal e posterior da fíbula,
na linha do sóleo
ins.: tuberosidade do calcâneo
ação: flexor plantar (ele só pode agir na
flexão do joelho quando não estiver sustentando
peso, isto é, na postura bípede ele não pode agir
sobre a perna).

Plantar
or.: face poplítea do fêmur, acima do côndilo
lateral
ins.: tendão calcâneo
ação: a ação do músculo plantar é
insignificante no homem.
Poplíteo
or.: dentro da cápsula fibrosa da articulação
do joelho, da superfície lateral do côndilo lateral
do fêmur e menisco lateral.
ins.: face posterior proximal da tíbia, acima
da linha do sóleo.
ação: fazendo ponto fixo na tíbia rota
lateralmente o fêmur e ponto fixo no
fêmur rota mediamente a tíbia.

Flexor longo dos dedos
or.: 1/3 médio da face posterior da tíbia
ins.: por 4 tendões, cada um deles se fixando
na base da falange distal dos dedos II a V.
Ação: Flexão dos dedos do pé
Flexor longo do hálux
or.: 2/3 inferiores, posteriormente na fíbula
ins.: base da falange distal do hálux
ação: flexão do hálux

Tibial posterior
or.: 2/3 proximal da face posterior da tíbia e
da fíbula e membrana interóssea.
ins.: tuberosidade navicular, todos os
cuneiformes e base do II, III e IV metatarsos.
ação: inversor do pé (levantador da borda
medial do pé). Acessoriamente é extensor e
adutor.
Retináculo flexor
Entre o maléolo medial e o calcâneo encontram-
se as fibras de reforço da fáscia que mantém em
posição os tendões dos três últimos músculos.

A musculatura divide-se em músculos do dorso e
da planta.
MM do dorso do pé:
Extensor curto dos dedos
Or.: Face dorsal e lateral do calcâneo
Ins.: Aponeurose dorsal dos dedos médios
Ação: Extensão dos dedos
Extensor curto do hálux
Or.: Face dorsal do calcâneo
Ins.: Falange proximal do hálux
Ação: Extensão do hálux

MM. da pl ant a do pé
MM. da região plantar medial do pé:
Abdutor do hálux
Or.:Tuberosidade do calcâneo
Ins.: Falange proximal do hálux
Ação: abdução do hálux
Flexor curto do hálux
Or.: Face plantar dos ossos cuneiformes medial,
intermédio e lateral
Ins.: duas cabeças em ambos os ossos sesamóides e
falange proximal do hálux
Ação: Flexão do hálux
Adutor do hálux
Or.: Face plantar do osso cuneiforme lateral
Ins.: Osso sesamóide lateral e falange proximal do
hálux
Ação: Abdução do hálux

MM. da regi ão plantar lateral do pé
Abdutor do dedo mínimo
Or.: Processo lateral da tuberosidade do calcâneo e
aponeurose plantar
Ins.: Margem lateral da falange proximal do dedo
mínimo
Ação: abdução, flexão e oposição do dedo mínimo
Flexor curto do dedo mínimo
Or.: Base do osso quinto metatarso
Ins.: Falange proximal do dedo mínimo
Ação: Flexão do dedo mínimo
Oponente do dedo mínimo
Or.: Base do osso quinto metatarso
Ins.: Margem lateral do osso quinto metatarso
Ação: Oponência do dedo mínimo

MM. da região pl antar m édia do pé
Flexor curto dos dedos
Or.: Processo medial da tuberosidade do calcâneo e
aponeurose plantar
Ins.: Por quatro tendões finos, atravessados pelos
tendões do músculo flexor longo dos dedos, inseridos
na falange média do II ao IV dedos.
Ação: Flexor dos dedos
Quadrado da planta
Or.: Duas cabeças da face plantar do calcâneo e do
ligamento plantar longo
Ins.: Margem lateral do tendão do músculo flexor longo
dos dedos.
Ação: Auxilia o músculo flexor longo dos dedos

Lumbricais do pé (4)
Or.: Dos lados mediais dos tendões do
músculo flexor longo dos dedos, o músculo
lumbrical I com uma cabeça os outros com
duas.
Ins.: lado medial da falange proximal do 2º ao
5º dedos
Ação: flexor das falanges proximais dos
dedos do pé.

Interósseos do pé (7) (dividem-se em interósseos
dorsais e plantares)
Músculos interósseos dorsais I a IV
Or.: Por duas cabeças nas faces laterais
opostas dos ossos do metatarso.
Ins.: Na base das falanges proximais II a IV e
irradiando-se nas aponeuroses
extensoras dos dedos
correspondentes.
Ação: abduz os dedos do eixo longitudinal em
relação ao 2º dedo do pé.

Músculos interósseos plantares I a III
Or.: Lado medial dos ossos metatarsais III a V
Ins.: lado medial da base das falanges
proximais III a V e irradiando-se nas
aponeuroses extensoras dos dedos
correspondentes.
Ação: flexão das falanges proximais dos
dedos do pé.
A cútis desta região é muito espessa e resistente e
apresenta interiormente uma aponeurose plantar
ocupando a porção média da região plantar.

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful