P. 1
Trabalho 1.Xlsx

Trabalho 1.Xlsx

|Views: 1|Likes:
Published by Ana Catarina

More info:

Published by: Ana Catarina on May 21, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOCX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

05/21/2013

pdf

text

original

BIOMECÂNICA COMPUTACIONAL Trabalho Nº____ Mestrado em Tecnologia Biomédica Ramo Biomecânica e Reabilitação 1º Ano, 2º Semestre 2012/2013 _________________________________________________________________________________________________________________

ANÁLISE DA FIXAÇÃO INTERNA DE UM OSSO FRATURADO ATRAVÉS DE UMA PLACA DE FIXAÇÃO COM 4 PARAFUSOS
A. Autor1, A. Autor2, A. Autor3
Número do autor1, Número do autor2, Número do autor3 Autor1@aluno.pt; Autor2@aluno.pt; Autor3@aluno.pt

Palavras-chave: Fratura, Placa de fixação, Zona de regeneração, Maple.

Resumo. O objetivo do presente trabalho é o estudo da aplicação de uma placa de fixação numa zona fraturada, utilizando diversos carregamentos para verificar a espessura ótima da placa, de forma a promover a rápida regeneração óssea.

Abstract. This document provides the necessary information and instructions for the preparation of the Computational Biomechanics reports. The report should be written in Portuguese using the MSWord text processor or equivalent. The first page is reserved for the article title, the author description, keywords and abstract with 200 words. The abstract should be written in Portuguese and English. The report text should begin at the top of the second page. These instructions are available on intranet.

1

porem se inverte na idade avançada em virtude da osteoporose pós-menopausa [2]. as vértebras e ossos da face) são aqueles que possuem formas que não se enquadram em nenhuma das outras três categorias [1. curto. sendo que o objetivo do tratamento seja favorecer o processo de consolidação para que se obtenha a cura da lesão o mais rápido possível. os ossos do tarso e do carpo) são aproximadamente tão largos e densos quanto compridos. a imobilização da fratura e a reabilitação da fratura. Os ossos curtos (por exemplo. 2]. as costelas. A incidência é maior no sexo masculino. devido a uma exposição maior aos traumas. possuindo menos espaços e mais matriz óssea que o tecido esponjoso. ou seja. Correspondem a uma divisão brusca e violenta de um osso ou cartilagem. O tecido ósseo esponjoso tem a característica de possuir pequenos espaços ou cavidades rodeadas por matriz óssea. achatado ou irregular. ana Cada osso. pode ser classificado como longo. 2]. dando ao tecido uma aparência esponjosa uniforme. Os ossos longos (por exemplo.2. O tecido ósseo compacto é denso e forte. Os ossos achatados (por exemplo. acontece uma perda da 2 . Existem diversos tipos de fraturas.A. As placas ósseas formam redes abertas de osso esponjoso chamadas trabéculas [1. Osso Existem dois tipos de tecido ósseo. As fraturas são causadas por uma força aplicada ao tecido ósseo com intensidade suficiente para vencer a sua resistência. a tíbia e o perónio) são mais compridos do que largos e consistem de uma haste. o rádio. Autor 1. o compacto e o esponjoso. 1. o úmero. de acordo com a sua forma. (Figura 1). O osso consegue regenerar por si mesmo de forma natural. dependendo de diversos parâmetros. INTRODUÇÃO As fraturas surgem com o aparecimento de esqueletos rígidos na Natureza. o externo e as omoplatas) possuem uma forma relativamente achatada e são geralmente curvados. e duas extremidades denominadas de epífises. Fracturas As fraturas são provocadas por traumatismos ou movimentos bruscos que exercem sobre o osso uma força superior à que este consegue suportar. Os ossos irregulares (por exemplo.1. O tratamento de uma fratura envolve determinados passos como a redução da fratura. certos ossos do crânio. ou diáfise. Ana 1.

Uma fractura incompleta de um osso longo é chamada de fractura “em galho verde”. então. Uma fractura dos ossos metatársicos sem traumatismo confirmado é conhecida como fractura por esgotamento ou marcha [2]. O processo de reparação da fratura. dando inicio ao seu tratamento.3]. dependendo de a linha de fractura estender-se parcial ou inteiramente transversalmente na substância óssea.3. denomina-se consolidação que compreende várias fases. A fractura patológica ocorre no local de uma doença óssea e sem violência externa. A lesão resultante pode ser comparativamente menos. ana 1. a rutura só ocorre perante a produção de uma força mecânica que ultrapassa a sua resistência. Além destes termos gerais.2. um tipo específico comum é a fractura cominutiva. oblíqua. na qual o osso fica fracturado em vários fragmentos de pequenas dimensões. Os ossos apresentam uma estrutura sólida mas como contém um certo grau de flexibilidade. Ana 1. uma fractura exposta é a mais perigosa das duas. longitudinal ou espiral. Autor continuidade óssea. ou fechada (simples) se tal não ocorrer. Tipos de fracturas É possível distinguir vários tipos de fracturas. consoante determinados parâmetros. 3 . e são. As fracturas são classificadas de acordo com a localização ou direcção da linha de fractura no osso. Pelo facto de haver maior possibilidade de infecção. quando se trata de um ferimento de pele ou de uma contusão muscular.A. o osso dispõe de vários mecanismos capazes de reparar a fratura.  De acordo com o grau de rutura do osso: Uma fractura pode ser completa ou incompleta. contudo ela pode ser ainda mais séria do que a própria fractura quando ossos quebrados rompem uma artéria ou perfuram um órgão [2. Uma fractura por compressão ocorre quando duas faces opostas do osso são comprimidas.1.  Segundo o grau de comunicação das extremidades ósseas fracturadas com o exterior: Uma fractura pode ser aberta (exposta) se o osso quebrado faz protrusão da pele. A fractura normalmente é acompanhada por um dano do tecido mole adjacente. Reparação das fracturas Sempre que as extremidades dos ossos ficam próximas umas das outras ou de preferência alinhadas. denominadas transversa.

sendo que o objetivo do tratamento seja favorecer o processo de consolidação para que se obtenha a cura da lesão o mais rápido possível.13]. talas. O tratamento de uma fratura envolve alguns passos como. ou seja.11. ou externa através de ligaduras de gesso. imobilização da fratura e reabilitação da fratura. A redução da fratura consiste na reconstituição do osso através da união e alinhamento dos segmentos deslocados. um treino progressivo através de exercícios específicos para fortalecer os músculos e recuperar a flexibilidade das articulações retornando á função da área afetada [7. Existem diversos métodos de imobilização de acordo com a zona em causa. Depois de realizar a redução da fratura é necessário imobilizar a fratura de modo a favorecer uma correta união dos fragmentos no menor tempo possível.4. Autor Jorge 1. Visto que a imobilização provoca um desgaste na zona em causa. Tratamento das fracturas O osso consegue regenerar por si mesmo de forma natural. 4 . Pode ser por exemplo por fixação interna através de implantes metálicos (placas de metal). redução da fratura.12.A. afetando os músculos e articulações é necessário fazer uma reabilitação. tração contínua e fixadores externos.

comprimento (Lp) = 50 [mm] e considerando diferentes espessuras (t).A. a gama de valores a utilizar é a seguinte:  Para a análise e resolução do problema assume-se que o material da placa de fixação é Aço-inoxidável com um Módulo de Elasticidade (Ep) =210 [GPa]. Assim. EXPLICAÇÃO DO PROBLEMA Assumindo uma placa de fixação em Aço-inoxidável para promover uma mais rápida e eficaz regeneração de um osso fracturado foi-nos proposta a análise e discussão das dimensões que deveriam ser utilizadas para optimizar o tratamento de acordo com as cargas exercidas sobre o mesmo. 3.9Eb. 20 e 30 [Nm][9]. com 15 [mm] de largura (dp). respectivamente. para efeitos comparativos. O objectivo final desta análise será o cálculo e comparação dos valores das forças nos parafusos utilizados para a fixação da placa bem como a tensão axial (S3) verificada na zona de formação do calo (Z1) e no local mais distante da mesma (Z2). considera-se que o módulo de elasticidade do osso é Eb=21 [GPa]. 5 . 4 e 5 [mm] [9]. 10. e o módulo de elasticidade na zona de fratura Ebc=0. nomeadamente 2.  Como se admite que neste problema ocorre um processo de cicatrização óssea com formação de calo em torno da fractura.   As cargas consideradas serão. Autor 2. M=1. Admite-se ainda que a distância entre cada par de parafusos é a=15 [mm] e que o diâmetro externo do fémur (Do) = 33 [mm] e o diâmetro interno do fémur (Di) = 18 [mm].

Autor 3.A. ESQUEMAS 6 .

EQUAÇÕES 7 . Autor 4.A.

18E-02 1.77E+04 6.27E-02 1.27E+01 -3.15E+05 1.003 0.004 W [N] -3.03E+01 -5.08E-02 1.005 0.63E+04 1.22E-02 1.13E-02 1. RESULTADOS M [Nm] t [m] 0.17E+04 7.15E+04 1.002 0.003 0.004 0.77E+03 3.08E-02 1.85E+04 1. Autor 5.66E+00 -1.55E+01 -6.13E-02 1.82E+00 -3.13E-02 1.82E+01 -7.71E+05 2.005 0.002 0.02E+03 2.18E-02 1.85E+05 σ3 (zona 2) *Pa+ 3.18E-02 1.05E-02 1.17E+05 7.A.13E-02 1.002 0.03E+00 -5.27E-02 1.35E+05 1 10 20 8 .32E+00 -2.003 0.49E+05 9.29E+05 3.26E+05 2.85E+05 1.06E+01 C (zona1) [m] C (zona2) [m] 1.09E-02 1.13E-02 1.09E-02 1.66E-01 -1.49E+04 9.05E-02 1.98E+05 1.27E+00 -3.24E+04 6.22E-02 1.13E-02 σ3 (zona 1) *Pa+ 2.24E+03 6.08E-02 1.004 0.02E+04 5.63E+05 1.22E-02 1.27E-02 1.

Constata-se também que para o momento mais baixo.82E+01 -9.003 0.002 0.60E+02 1.09E+01 -1.005 -1. isto para a mesma espessura. De referir também que a força W cresce linearmente com o crescimento do momento.44E+05 5.002 0.09E-02 1. Autor 30 0. É possível verificar que a força W aumenta com o carregamento utilizado e também com a espessura da placa.18E-02 1.13E-02 1. A força W é igual na zona fraturada e na zona não fraturada.22E-02 1.005 0.20E+05 7.003 Espessura 0.A.08E-02 1.81E+05 1.00E+00 0.00E+01 4.52E+05 2. momento igual a 1. a força W é muito baixa. ou seja.77E+05 1.27E-02 1.56E+05 3.16E+02 -1.55E+05 9.33E+05 Força W 2.05E-02 1.004 0.48E+05 2.005 M=1 M=10 M=20 M=30 Gráfico 1: Força exercida pelos parafusos consoante a carga utilizada.00E+01 0.05E-02 1.90E+05 4. o gráfico anterior é suficiente para retirar a informação da força W.004 0.75E+02 1. quando o momento aumenta para o dobro a força W também duplica.10E+01 -3. 9 .13E-02 1. por isso.09E-02 1.00E+02 1.20E+02 8.

A distância ao eixo neutro é igual para qualquer momento. apenas varia com a espessura da placa. A diferença entre as distâncias nas duas zonas é bastante próxima para qualquer espessura mas não igual. principalmente para as espessuras mais baixas onde a diferença é mais variável.30E-02 1. a distância ao eixo neutro é maior na zona não fraturada do que na zona onde ocorreu a fratura.002 0. Em ambas as zonas estudadas.004 0. a distância ao eixo neutro diminui com o aumento da espessura da placa de uma forma não linear. sendo diferente na zona fraturada e na zona não fraturada.A. Para a mesma espessura da placa.00E-02 0.003 Espessura 0. porém as variações não são muito acentuadas.005 Gráfico 2: Distância do osso ao eixo neutro na zona fraturada e não fraturada.10E-02 C' 1. Autor Eixo Neutro 1.20E-02 C 1. 10 .

com um aumento de 10 vezes do momento. 5.50E+05 5. de tamanho 12 e espaçamento 14 entre linhas.003 Espessura 0.00E+04 1.003 Espessura 0. Portanto.005 0.00E+05 M=10 3. e varia com as cargas utilizadas e com a espessura da placa. A tensão axial é diferente nas zonas estudadas.00E+06 7.00E+05 2.00E+04 0.004 0.00E+00 0.00E+05 4.004 0.00E+05 σz1 σz1 σz2 σz2 0.003 Espessura 0.A.005 Gráfico 3: Tensão axial 3 variando com os carregamentos na zona fraturada e na zona não fraturada.005 σz1 σz1 σz2 σz2 0.00E+04 4. mas sem variações bruscas.002 0. Autor M=1 4. A tensão axial diminui com o aumento da espessura da placa de uma forma não linear.002 0.00E+05 2.00E+04 2. com o aumento deste a tensão axial aumenta.00E+00 0. TEXTO O texto normal tem o estilo Normal-BM332: é escrito a uma só coluna. é justificado em ambos os lados e a fonte é Times New Roman. aumentando de forma linear com o momento.005 M=20 8.00E+05 3.002 0. a tensão axial aumenta 10 vezes também.002 0.004 0.00E+05 1. fraturada e não fraturada.00E+00 0.00E+05 1.003 Espessura 0. 11 .50E+05 0. Já em relação ao carregamento.00E+00 M=30 6.004 0.00E+05 2.

encostados à direita (estilo Equação-BM332). Tanto o bordo superior da figura como o bordo inferior da legenda devem distar 12 pontos do resto do texto. EQUAÇÕES As equações devem ser centradas. As figuras devem ser numeradas consecutivamente e devem ter legendas. Tanto o bordo superior da tabela como o bordo inferior da legenda devem distar 12 pontos do resto do texto. centradas. Mês Janeiro Fevereiro Março Local Braga Porto Faro Atividade Conferência Teatro Música Tabela 1. centradas. FIGURAS As figuras podem ser inseridas no meio do texto do artigo.Tabela-BM332).Tabela-BM332). Autor A primeira linha de cada parágrafo deve ter a indentação de 0. perto do local onde são referidas. centrados na parte inferior das mesmas.A.Fig. 7. A distância entre cada tabela e a sua legenda deve ser de 6 pontos. TABELAS As tabelas devem ser numeradas consecutivamente e devem ter as respetivas legendas. fora da mancha do texto (estilo Num. Figura 1. NUMERAÇÃO DAS PÁGINAS Os números das páginas devem ser escritos em Times New Roman 12. 6. em Times New Roman 10 (estilo Leg.Fig. A distância entre cada figura e a sua legenda deve ser de 6 pontos.5 cm. em Times New Roman 10 (estilo Leg. As legendas devem ser escritas sob a figura. Não há espaçamento adicional entre parágrafos. O exemplo seguinte é uma equação com uma única linha: Ax  2b (1) O exemplo seguinte é um grupo de equações alinhadas: Ax  2b Ay  c  d (2) 9. devem distar 6 pontos do resto do texto tanto por cima como por baixo e devem ser numeradas consecutivamente com números entre parêntesis. Exemplo de uma tabela. 12 .Pág-BM332). As legendas devem ser escritas sob as tabelas. Logótipo do IPB. 8.

no final de um texto citado. Instituto Politécnico de Bragança.wikipedia.wikipedia. Projecto de Dispositivos Médicos. Universidade Presbiteriana Mackenzie. Autor 10. REFERÊNCIAS [1] Página Web: https://pt. Estudo de aço inoxidável aplicado como implante ortopédico. Buffoni. FORMATO DAS REFERÊNCIAS As referências devem aparecer de forma sequencial. Universidade Federal Fluminense. [4] S. Piloto. 13 .A. Tensões de flexão nas vigas. O estilo das referências é o Referências-BM332 e o do título dessa secção final é Título.S. Couto.O. [3] Página Web: http://pt. A.org/wiki/A%C3%A7o_inoxid%C3%A1vel (consultada em 04/04/2013).L. entre parêntesis rectos [1] ou [2]. [5] P. de Araújo.A.org/wiki/Linha_neutra (consultada em 04/04/2013). por números.Referências-BM332. [2] T.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->