You are on page 1of 6

brasil_estacao.

qxd

29/8/2005

15:02

Page 26

B R A S I L

DDG ARQUITETURA

RIO DE JANEIRO, RJ

TERMINAL HIDROVIÁRIO DA PRAÇA XV

2004

ENTRE A PRAÇA E O MAR
UMA ESTAÇÃO DE BARCOS NO CENTRO DO RIO DE JANEIRO ESTABELECE A COMUNICAÇÃO ENTRE A CIDADE E NITERÓI, LIGANDO A PRAÇA XV À ESTAÇÃO CHARITAS, DESENHADA POR NIEMEYER
POR VALENTINA FIGUEROLA

perspectiva

C

oncluído em novembro do ano passado, o terminal hidroviário da Praça XV,no Centro do Rio de Janeiro, ocupa um antigo vazio entre construções ecléticas do início do século 19 e a frente marítima.De autoria do escritório carioca DDG,integrado pelos arquitetos Celio Diniz,Eduardo Canellas,Eduardo Dezouzart e Tiago Gualda, o projeto trouxe à tona o diálogo entre o novo e o velho. Como intervir, de maneira contemporânea e atual,sem prejudicar a percepção visual de uma arquitetura antiga?

A resposta a essa pergunta surgiu a partir da ocupação do terreno por diagonais,coberturas leves e retangulares levemente apoiadas em colunas delgadas de aço, que insinuam um movimento em ziguezague até o mar. A solução agradou ao júri da 6a Premiação Jovens Arquitetos que concedeu, em 2004, uma menção honrosa ao projeto. O DDG Arquitetura foi fundado em 2001, após seus integrantes terem vencido o concurso público para a revitalização do Circo Voador, tradicional equipamento cultural carioca desti-

nado a shows e espetáculos.Como filosofia,eles se propõem a "buscar soluções projetuais inovadoras,adequadas ao clima e às características do local,de maneira a diminuir a fronteira entre a nova construção e a paisagem". Na estação,próximo ao oceano,o movimento em ziguezague é interrompido por uma cobertura que se projeta em direção ao horizonte num gesto contemplativo. Diniz explica que, inicialmente,havia proposto uma ocupação do terreno com formas curvas. "No entanto, isso exigiria a calandragem dos perfis e chapas de

26 ARQUITETURA&URBANISMO SETEMBRO 2005

brasil_estacao. profundas fundações foram necessárias para suportar os fortes ventos da região Fotos: DDG Arquitetura SETEMBRO 2005 ARQUITETURA&URBANISMO 27 . a estação ocupa o terreno por diagonais e tem coberturas leves e retangulares levemente apoiadas em colunas delgadas de aço.qxd 29/8/2005 15:02 Page 27 Implantada entre duas construções ecléticas do início do século 19. Apesar do aspecto delicado da estrutura.

Alfred Agac he Praça XV de Novembro Rua da Assemblé ia Praça XV de Novembro Baía de Guanabara Av. RJ TERMINAL HIDROVIÁRIO DA PRAÇA XV 2004 Rua 1o de Mar ço Av.qxd 29/8/2005 15:02 Page 28 B R A S I L DDG ARQUITETURA RIO DE JANEIRO. Presidente Antonio Carlo s Rua São José Av.brasil_estacao. Erasmo Braga Rua Dom Man uel implantação 0 50 elevação sul elevação leste 0 5 2 5 0 2 28 ARQUITETURA&URBANISMO SETEMBRO 2005 .

SETEMBRO 2005 ARQUITETURA&URBANISMO 29 . "Sob a cobertura. A incidência constante de ventos fortes tornou necessária a adoção de uma fundação profunda executada com estacas de concreto. construtora que executou o terminal. explica o arquiteto Eduardo Aquino. rótulas metálicas garantem um ajuste perfeito entre as colunas e o bloco de concreto da fundação". as vigas de perfis metálicos foram contraventadas para estabilidade da estrutura. Com altura de 60 cm. Ele explica que as colunas metálicas menores.qxd 29/8/2005 15:02 Page 29 B 8 9 8 A 1 6 7 8 3 4 A 5 2 8 B 0 5 10 térreo 1 corredor de acesso à estação 2 bilheteria 3 roletas 4 estação 5 chefe da estação 6 bar 7 varanda 8 jardins 9 corredor de saída corte AA corte BB 0 5 0 2 5 RESISTENTE A VENTOS E UMIDADE Na estação hidroviária da Praça XV. foram colocadas chapas metálicas que servem de base para a soldagem das colunas. Sobre os blocos de concreto da fundação. as coberturas inclinadas são suportadas por colunas tubulares de aço. que receberam uma pintura esmalte após a aplicação de um primer ou promotor de aderência. coordenador de obras da Cael. as que atravessam paredes de concreto. também servem como dutos para escoamento de água pluvial.brasil_estacao.

psicológico – era lidar com a inevitável comparação feita entre a estação da Praça XV e a de Charitas. afirma um dos autores da estação carioca. outro desafio enfrentado pela equipe – neste caso. na Ilha do Governador. restaurante e terraço. tem como objetivo desafogar o intenso tráfego de veículos de Niterói. as coberturas permitem o fluxo livre e ininterrupto 30 ARQUITETURA&URBANISMO SETEMBRO 2005 . várias vezes ao dia por três embarcações. configuram coberturas independentes que sombreiam pequenas construções de concreto. RJ. o que encareceria a obra". planos metálicos inclinados. que integra o Caminho Niemeyer. no centro do Rio de Janeiro. salão panorâmico de embarque de passageiros.qxd 29/8/2005 15:02 Page 30 B R A S I L DDG ARQUITETURA RIO DE JANEIRO. Cerca de 6 mil pessoas deslocam-se diariamente do Terminal de Barcas da Praça XV. em um espaço de 2 mil m². RJ TERMINAL HIDROVIÁRIO DA PRAÇA XV 2004 Fotos: DDG Arquitetura UMA ESTAÇÃO NO CAMINHO NIEMEYER Uma das onze obras que integram o Caminho Niemeyer. O cliente. uma das metas do escritório. até a estação de Charitas. inaugurado em 1997. Além do orçamento e prazos reduzidos. o Terminal Hidroviário de Charitas oferece. lojas de conveniência. Prova disso é o convite feito a DDG para realizar o projeto da Estação Hidroviária de Cocotá. A criação de linhas de ônibus integradas com as barcas visa a aliviar o trânsito intenso da região. a concessionária de transporte hidroviário de passageiros Barcas. fica evidente na estação da Praça XV. em Niterói. aprovou o resultado final. Lá. "Car- regamos uma grande responsabilidade". projetada pelo célebre arquiteto Oscar Niemeyer para o Sul de Niterói. área de circulação e apoio. A travessia da Baía de Guanabara. aço.brasil_estacao. justifica o arquiteto. A busca por soluções baseadas em conceitos bioclimáticos. Em conjunto com cobogós aplicados no nível térreo. Fazem parte do Caminho Niemeyer o Museu de Arte Contemporânea. o Teatro Popular. levemente "ancorados" em paredes e colunas. a Fundação Oscar Niemeyer e o Centro Petrobrás de Cinema. feita em apenas 15 minutos.

que tiveram de ser especialmente tratadas para resistir à corrosão provocada pela umidade. Algumas das colunas tubulares de aço foram inclinadas para quebrar a regularidade da estrutura Arquitetura: DDG Arquitetura – Celio Diniz. devemos lutar para implementar os conceitos em que acreditamos.qxd 29/8/2005 15:02 Page 31 da brisa marítima. A nova construção é delimitada pelas circulações de acesso e saída. concreto: Supermix. As coberturas inclinadas apóiam-se em colunas tubulares de aço. Eduardo Dezouzart e Tiago Gualda Estagiária: Carolina Baltar Cliente: Barcas S.47 m² FICHA TÉCNICA O fechamento com elemento vazado e as coberturas sombreiam e permitem o fluxo constante da brisa do mar. metais sanitários: Deca e Fabrimar. a equipe aprendeu muito sobre a relação cliente-arquiteto. esquadrias de alumínio. mas sem esquecer que a obra é do cliente.669. postes de iluminação: Casarão Lustres. estrutura metálica: Pedra Grande Engenharia. Ao projetar a estação da Praça XV. tintas: Sherwinn Williams perspectiva *Veja endereços no final da revista SETEMBRO 2005 ARQUITETURA&URBANISMO 31 . "Como recém-formados. que sempre tem a palavra final". policarbonato e telhas: Pedra Grande Engenharia. DADOS TÉCNICOS Estação Hidroviária Praça XV Local: Praça XV. piso cerâmico: Cecrisa.brasil_estacao. que torna os espaços agradáveis. conclui Celio Diniz. guarda-portões e guarda-corpos: Solfrane. Rio de Janeiro Data de projeto: julho de 2004 Data da conclusão da obra: dezembro de 2004 Área construída: 1. vigas. cobogós: Neo-Rex. cobertas com policarbonato. equipamentos de segurança: Trevo. Construtora: Cael Arquitetura e Construções Projeto estrutural: Conplan Engenharia Fornecimento e montagem da estrutura metálica: Pedra Grande Engenharia Paisagismo: Movle FORNECEDORES Ar-condicionado: Glacial. Eduardo Canellas. as coberturas contam com algumas colunas inclinadas.A. Fundações. Para quebrar a regularidade formal da estrutura. revestimentos: Gail e Cecrisa. louças: Deca. paredes estruturais e pilares foram dimensionados para resistir a ventos de até 150 km por hora. luminárias: Casarão Lustres. ventilados e arejados.