I CONSENSO DE TERMOS EM FISIOTERAPIA RESPIRATÓRIA

Comissão de Diretrizes e Terminologia em Fisioterapia Respiratória e Terapia Intensiva

Coordenador: Dr. Renato Pereira da Costa - SP

Colaboradores:  Dr. Antônio Adolfo Castro- SP  Dra. Maria Ignêz Zanetti Feltrim- SP  Dra. Patricia Dayrel Neiva-MG  Dra. Sara Lúcia Silveira de Menezes – RJ

INTRODUÇÃO A especialidade Fisioterapia Respiratória apresenta um número

expressivo de cursos e profissionais habilitados o que contribue para a origem de enorme quantidade de termos técnicos. O emprego destes termos advem de regionalismos e, por vezes, diretamente da grafia dos originais traduzidos da língua estrangeira ou em forma de neologismo baseado na experiência do autor. Assim, observamos que em publicações de periódicos e livros da especialidade, não há uniformização de termos utilizados na Fisioterapia Respiratória, o que, algumas vezes, dificulta o entendimento entre os profissionais. A criação de um “código” comum entre todos os fisioterapeutas desta especialidade pode facilitar a comunicação diária, evitando divergências e exercendo, certamente, um efeito de organização, baseado na criação de um caminho comum para o entendimento..

OBJETIVO Elaborar um documento consensual baseado no parecer técnico dos

Fisioterapeutas sócios da SOBRAFIR, que atuam nas áreas de ensino, assistência e pesquisa.

Foram consultados todos os sócios quites da Associação Brasileira de Fisioterapia Cardiorrespiratória e Fisioterapia em Terapia Intensiva (SOBRAFIR. Relacionou-se 34 termos referentes à técnicas e recursos para remoção de secreção brônquica. totalizando 365 indivíduos. Os dados receberam tratamento estatístico. seis (6) de treinamento muscular respiratório e seis (6) sobre aerossolterapia. estipulando-se o intervalo de confiança para os item de cada questão. agora ASSOBRAFIR). partindo-se do levantamento realizado pelo fisioterapeuta Renato Pereira da Costa no ano 2002. por ocasião da apresentação de sua dissertação de mestrado pela Universidade Federal de São Paulo (UNIFESP/EPM).MATERIAL E MÉTODO Para estruturação deste documento. no período de abril a maio de 2006. . obtendo-se as freqüências absoluta (n) e relativa (%). o valor porcentual (%) assumiu concordância significativa do termo em questão. realizou-se um estudo descritivo baseado na aplicação de um questionário. que relacionava os termos utilizados em Fisioterapia Respiratória no Brasil. 16 relacionados à técnicas e recursos para expansão pulmonar. o material também foi submetido a análise de 95 indivíduos não sócios para que fossem grupo controle da amostra. por via postal. totalizando 62 termos. Para se evitar qualquer possibilidade de favorecimento.

RJ= 8% SC=10. previamente selecionados. 1.00% MS= 2.00% MA= 2. outros 95 questionários foram aplicados para um grupo de fisioterapeutas em dois hospitais. Os Estados de Sergipe.RESULTADOS Dos 365 questionários enviados 98 foram respondidos e encaminhados à secretaria da SOBRAFIR em São Paulo. Espírito Santo. Mato Grosso do Sul.70% Figura 1. Estes foram nomeados como não-sócios. Outros Estados como Pernambuco.00% CE= 2. conforme ilustra a figura 1. Goiás. Maranhão.20% PE= 2. 24% para do Estado de Minas Gerais.00% SP= 36. Distribuição de respostas dos questionários pelos Estados do país. Ceará responderam 2% dos questionários enviados.00% MG=23. totalizando 26. Rio Grande do Sul e Alagoas responderam 1% dos questionários enviados.8% de aderência ao estudo. para completar o estudo e incluí-los como grupo controle da amostra acima. 8% para o Estado do Rio de Janeiro e 6% para o Estado do Paraná.00% RS=1. Adicionalmente.00% SE=1.50% ES= 1.00% AL. 10% para o Estado de Santa Catarina.00% GO=1.00% PR= 6% PA=2. Pará. A taxa de resposta por regiões da federação/país foi de 37% para o Estado de São Paulo. .

9-99.9-79.4) 86. percussão torácica.7) 99% (94.3-95.3) 90.8% (83.3) 95.Dos 62 termos pesquisados 41 (66.6-82.4% (82.6-95.5) 95.3) 84.6-98.4) 90. tosse provocada.5-100) 86. Sócio (IC) Tosse Tosse voluntária Tosse assistida Tosse provocada Ciclo ativo das técnicas de respiração 96. digito percussão.6-84. Sócio (IC) Não-Sócio (IC) Drenagem Postural Percussão torácica Tapotagem Digito percussão 100% (97-100) 90.2) Vibração 97% (91.2) 76.4-86.6) Compressão 98% (92.5-98.7% (89.4-97) torácica Porcentagem (intervalo de confiança).3-99.8% (82-95) 76. Porcentagem de concordância dos termos sobre as técnicas para remoção de secreção brônquica nos grupos de sócios e não-sócios.8-95. valor este de corte indicando diferença estatisticamente significante.2) 73. Tanto para sócios como para não-sócios a concordância do termo ocorreu com valor maior que 64%.2) 70.8% (91-99.6% (85.4-99. Porcentagem de concordância dos termos sobre as técnicas para remoção de secreção brônquica nos grupos de sócios e não-sócios.3% (66. vibração.2% (59. Os termos drenagem postural.5) Porcentagem (intervalo de confiança).6-84.8% (71.5% (82.8) 78.8% (89.3% (68.1%) apresentaram significância estatística quanto à concordância ao termo em questão. Os termos tosse.4-88.6% (66. .9% (76-91. Técnicas de Remoção de Secreção Brônquica Tabela 1.9% (91.7% (78. ciclo ativo das técnicas de respiração.8) 80. tosse assistida.7% (78. 1. Tabela 2. tapotagem. tosse voluntária.7% (63. compressão torácica são mostrados na tabela 1.4-92.7) 89.4-92.7) Não-Sócio (IC) 96. estão descritos na tabela 2.8) 92.

8) 90. drenagem autógena.9-99. . está ilustrado na tabela 3.6-93.7) Não-Sócio (IC) 88% (79.9) 85% (76-91. expiração lenta total com a glote aberta em decúbito infralateral. Tabela 3.5) 88.6-94. receberam os porcentuais de concordância conforme descritos na tabela 4.3% (69. máscara de pressão expiratória positiva. expiração com pressão positiva nas vias aéreas. expiração lenta prolongada.2-97) Porcentagem (intervalo de confiança).7% (80.5% (85.1) Expiração prolongada lenta 89.8% (82-95) 92. As técnicas de higiene das fossas nasais com soro fisiológico. flutter.O nivel de concordância dos termos correspondentes às técnicas de aumento do fluxo expiratório.1-95.6-87. Porcentagem de concordância dos termos sobre as técnicas para remoção de secreção brônquica nos grupos de sócios e não-sócios.7% (83.2) 79. Sócio (IC) Aumento do fluxo expiratório Drenagem autógena Expiração lenta total com a glote aberta em decúbito infralateral 98% (92.

8-93.2-97) Máscara de 82.8% (65. exercícios de expansão torácica localizada.9-89.8% (70.3) 79.6-98.6) 92.9% (88. Porcentagem de concordância dos termos sobre as técnicas para remoção de secreção brônquica nos grupos de sócios e não-sócios.Tabela 4. expiração abreviada.2) Manobra com pressão zero ao final da expiração Aspiração nasotraqueal Aspiração traqueal Aspiração orotraqueal 99% (94. 90.5-98.5) As técnicas de manobra com pressão zero ao final da expiração. . apresentam nível de concordância conforme demonstrados na tabela 5.9% (81-94. soluços inspiratórios. Porcentagem de concordância dos termos sobre as técnicas de higiene das fossas nasais nos grupos de sócios e não-sócios.3) 100% (96.5-100) 94. Sócio (IC) 76.9-99.6) aéreas Porcentagem (intervalo de confiança).2-87.7) Não-Sócio (IC) 75.7-84.3) 95.8% (73. 2.9-100) 96.7% (86.8% (90.8% (67.6-95. Sócio (IC) Higiene das fossas nasais com soro fisiológico Flutter Não-Sócio (IC) 82.8) Porcentagem (intervalo de confiança).5% (85.6) pressão expiratória positiva Expiração com pressão positiva nas vias 87. Técnicas para Reexpansão Pulmonar Os termos correspondentes aos exercícios respiratórios dos tipos exercício diafragmático.7-97.7-89.6-98. aspiração nasotraqueal.7% (89. aspiração orotraqueal.4) 93. tem seu nível de concordância descritos na tabela 6. aspiração traqueal.3) 94.9% (88. inspiração em tempos.4% (82. Tabela 5.7) 88.9% (79.7% (73.2-84.

incentivador inspiratório.8) 86.1) abreviada Porcentagem (intervalo de confiança). descompressão torácica abrupta localizada. Tabela 7.8-88.3% (56. Uso de Pressão Positiva .4) 98.4% (67.9) inspiratório Porcentagem (intervalo de confiança).5) 93.9% (94.9) tempos Expiração 92.4% (81.3) 75. Não-Sócio (IC) 96.6) 89.5% (66.5% (65. Sócio (IC) Exercício com ventilação desde CRF Descompressão torácica abrupta localizada Não-Sócio (IC) 66. Porcentagem de concordância dos termos sobre os exercícios respiratórios nos grupos de sócios e não-sócios.9-98.4-95.8% (91-99.7% (86.9% (85.8) expansão torácica localizada Soluços 76.5) inspiratórios Inspiração em 95.6) 71. Sócio (IC) Exercício 90.Tabela 6.2-100) Incentivador 96% (90-98.6) 82.6-83.9% (83.8-97.7-97.9% (89.6) 77.7-89. 3.7% (73.7-92.8% (72.9-84.8) Os termos referentes aos exercícios com respiração desde a CRF.3-94. tem sua concordância descrita na tabela 7. Porcentagem de concordância dos termos referentes as técnicas para reexpansão pulmonar nos grupos de sócios e não-sócios.3% (77.1-75.6-85.8% (61.4-80.8) diafragmático Exercícios de 81.

8-99.9% (84.2-97) 95% (88.Expiração com pressão positiva nas vias aéreas.5% (85. Treinamento muscular Respiratório .2% (78.2) 4.3) 91. Tabela 8. Tabela 9.6% (86.6) Porcentagem (intervalo de confiança). O termo estimulação elétrica diafragmática apresenta seu nível de concordância conforme descrito na tabela 9. Sócio (IC) Expiração com pressão positiva nas vias aéreas Respiração por pressão positiva intermitente Pressão positiva contínua nas vias aéreas Ventilação não invasiva com duplo nível pressórico nas vias aéreas Não-Sócio (IC) 91.7-96.4) 92. Não-Sócio (IC) 87.3) 98% (92.8-93. respiração por pressão positiva intermitente. Porcentagem de concordância do termo sobre técnica para reexpansão pulmonar nos grupos de sócios e não-sócios. pressão positiva contínua nas vias aéreas e ventilação nãoinvasiva com duplo nível pressórico nas vias aéreas são termos que apresentam grau de concordância conforme mostrado na tabela 8.9% (81-94.9) 88% (79.6-97.6-98.6-93.9-96. Sócio (IC) Estimulação elétrica 88. Porcentagem de concordância dos termos sobre técnicas que utilizam pressão positivas para reexpansão pulmonar nos grupos de sócios e não-sócios.8) 96% (90-98.9) 93.3) diafragmática Porcentagem (intervalo de confiança).5% (83.

1% (61.6-81. treinamento com respiração espontânea em tubo “T”.4) global Treinamento em ventilação mecânica por 73. Sócio (IC) Inaladores com 77.8-80. Sócio (IC) Treinamento por condicionamento físico 82. 6. Tabela 11.1% (67.8% (83.7) tubo “T” Porcentagem (intervalo de confiança).3) 6.3-95.1) 72.2-77.4-89.3% (80-94) ultrasônicos apresentam nível de concordância demonstado na tabela 11.2% (67.2-85. Inaloterapia e Aerossolterapia Os termos inaladores com aerossol dosimetrado e nebulizadores Não-Sócio (IC) 67. treinamento em ventilação mecânica por regulagem de sensibilidade. Porcentagem de concordância dos termos de aerossolterapia nos grupos de sócios e não-sócios.8% (55.7) 77.A concordância sobre os termos treinamento por condicionamento físico global.3% (71.5% (63. Tabela 10.9) 88.9) regulagem da sensibilidade Treinamento com respiraçãoespontânea em 90. Porcentagem de concordância dos termos técnicas para treinamento de músculos respiratórios nos grupos de sócios e não-sócios.4-85) aerossol dosimetrado Nebulizadores 96% (90-98. está ilustrada na tabela 10. Não Concordância com os Termos .5% (73.8-88.9) ultrasônicos Porcentagem (intervalo de confiança) Não-Sócio (IC) 81.

Tabela 12.7% 49% 23.2% 30.5% oral de alta freqüência Porcentagem (intervalo de confiança) Na tabela 13 estão os percentuais referentes aos termos ventilação percussiva intrapulmonar.1% 6.2% 13.4% 73. Porcentagem de não-concordância dos termos referentes às técnicas e recursos para remoção de secreção brônquica nos grupos de sócios e não-sócios.3% 8.2% Desconhece Sócio Não-Sócio 20. compressão da parede torácica por alta freqüência.7%) deles.8% 2.6% 36.6% 73.1% 29% Punho percussão direta Punho percussão indireta Autopercussão Sucussão torácica Fricção traqueal expiratória Desobstrução rinofaríngea retrógrada Glossopulsão retrógrada 6.4% Oscilação 5.7% 35.1% 9.6% 79.1% 6.Não houve concordância com a denominação do termo em 24 (38. exercício com ventilação desde o volume resídual e exercícios com tempos respiratórios equivalentes.4% 9.6% 19. Discorda Sócio Não-Sócio 20. Em todos os termos não concordantes constatou-se que o desconhecimento dos termos superava os valores de discordância.4% 24.6% 55. .6% 34. este fato ocorreu em ambos os grupos pesquisados.7% 10.1% 16% 29.3% 45.6% 29. hiperinflação manual com vibração. Os termos não concordantes estão apresentados na tabela 12.5% 46.3% 19.4% 60. exercício intercostal.

6% 59.3% 11.7% respiratórios equivalentes Porcentagem (intervalo de confiança) 18.4% Exercício com ventilação 18.Tabela 13. Discorda Não-Sócio Sócio Ventilação percussiva intrapulmonar Compressão da parede torácica por alta freqüência Hiperinflação manual com vibração Exercício intercostal 2% 10% Desconhece Sócio Não-Sócio 58.2% 8.3% 12.3% 23.6% 64.4% 1% 12.3% desde o volume residual Exercício em tempos 8. esforço dependente de fluxo.4% 23. Tabela 14. Porcentagem de não-concordância dos termos sobre treinamento de músculos respiratórios nos grupos de sócios e não-sócios.8% 22.1% 54. Porcentagem de não-concordância dos termos sobre técnicas e recursos para remoção de secreção brônquica e reexpansão pulmonar nos grupos de sócios e não-sócios.8% 37.2% 17. esforço dependente de pressão.8% 12.7% 21. .7% Na tabela 14 estão os percentuais de não concordância referentes aos termos hiperpnéia voluntária isocápnica.4% 16.4% 6.5% 14.

6% 65.8% 39.9% 60.2% 37.3% dependente de pressão Porcentagem (intervalo de confiança) Desconhece Sócio Não-Sócio 54. nebulizadores a jato de grande volume e atomizadores.Discorda Sócio Não-Sócio Hiperpnéia voluntária 18.4% dos termos sobre Desconhece Sócio 21.6% 46.1% Não-Sócio 5.2% 14. nebulizadores a jato de pequeno volume.2% 12.9% 42.3% Porcentagem (intervalo de confiança) DISCUSSÃO .5% 5% 1.4% Na tabela 15 estão os percentuais de não-concordância referentes aos termos inaladores de pó seco.8% 79.5% 5. Tabela 15.1% 2.1% 6.6% 2.9% 82.1% 5.2% isocápnica Esforço 9.1% 75.7% 32.1% dependente de fluxo Esforço 10.7% Não-Sócio 30. Porcentagem de não-concordância aerossolterapia nos grupos de sócios e não-sócios.8% 38. Discorda Sócio Inaladores de pó seco Nebulizadores a jato de pequeno volume Nebulizadores a jato de grande volume Atomizadores 4.

agregou-se sugestões para os termos não-concordantes em análise. o que configurou o I Consenso de Termos em Fisioterapia Respiratória. realizou-se plenária para apresentação dos resultados. Os termos punho percussão direta e punho percussão indireta foram aprovados e. flutter e soluços inspiratórios. CONCLUSÕES . Em relação ao termo hiperinflação manual com vibração discutiu-se a etimologia da palavra aceitando-se tanto hiperinflação como hiperinsulflação. O termo votado para substituí-lo foi o de oscilação oral de alta freqüência interna e externa. O termo flutter foi questionado pela plenária por ser marca registrada de um produto manufaturado por um determinado fabricante. realizado em setembro de 2006 na cidade de Curitiba. O termo soluços inspiratórios foi rejeitado por não exprimir exatamente o que o exercício reproduz. estando ambas corretas segundo a lingua portuguesa. Apesar deste entendimento. O termo vibração associada a esta técnica foi questionado. Nesta ocasião. o público ressaltou a necessidade de debater dois (2) termos concordantes.Durante o 13º Simpósio Internacional de Fisioterapia Respiratória. e sugeriu-se o referido na literatura de língua inglesa como hiperinflação/hiperinsulflação manual com compressão e hiperinflação/hiperinsulflação manual. O termo votado para substituí-lo é o de inspirações em tempos com ou sem pausa. plenária. mesmo estando entre os termos não concordantes pois foi considerada a melhor denominação para representar a técnica.

3.2% termos tiveram concordância significativa para um total de 193 pessoas pesquisadas.De 62 termos consultados 66. que são amplamente divulgadas para o uso em nosso meio. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .Os termos não concordantes entre sócios e não sócios relacionaram-se principalmente ao desconhecimento do termo do que de discordância.Os termos acordados configuraram as recomendações da Assobrafir a partir do I Consenso de Termos em Fisioterapia Respiratória. 2.1.

1997. J Pneumol 1996. Cuello G A. 7- Cuello A F. Romaldini H. 56- Costa D. Levy M O. Edinburgh: Churchill Livinstone. Physiotherapy for respiratory and cardiac problem. Diaz M R. Técnicas para incrementar la función muscular respiratoria. et al. 1998. Luque L. Inc. Ciesla N. Chicago: Year Book Medical Publishers. J Pneumol 1983. Imle P C. Parreira V F. Sarmiento A L R. 2- Jardim J R B.1- Jardim J R B.1998. 3- Feltrim M I Z. 1999. Fisioterapia respiratória em unidade de terapia intensiva. 10. 22(5):273-276. Ratto O R. Kinesiologia científica 1986. São Paulo: 2001. Atualização da proposta para unificação dos símbolos pneumológicos no Brasil. São Paulo: Atheneu. Rio de Janeiro: Revinter. Ratto O R. 2ª ed. Boletim informativo da ALAT 2002. L.1978. 14: 1-14. Pryor J A. Masciantonio L.Fisioterapia respiratória: Consenso de Lyon 19942000 [tradução]. Gea J. 9- Mackenzie C F. Muhr E. . 4- Webber B A. Romaldini H. 8- Slutzky.São Paulo: Panamericana. 9 (1):45-51.Frownfelter D L. O diafragma e demais músculos respiratórios: Uma visão clínica de sua estrutura e função. Chest physical therapy and pulmonary rehabilitation. Proposta para unificação dos símbolos pneumológicos no Brasil. 1: 21-29. Klemic N. Fisioterapia respiratória básica.C. Fisioterapia respiratória nas enfermidades neuromusculares.

7ª ed. p. vibratory shaking. 20. 1988. 19. 2ª ed. 1984. 17.. .Polisuk J. Paiva D.Lisboa C. Eur J Respir Dis 1985. 349-350. p. Eur Respir J 1989. 8: 2-9.Azeredo C A C. 4ª ed.11. p.Orlandini O. 66: 147.Gaskel D V. Percussão e Vibração. et al. Borzone G. 2 suppl 70: 595s-598s. 1994. Webber B A. Fisioterapia respiratória.825-829. 3ª ed. Paiva D.Imle P C. Lopez V M. Fundamentos da terapia respiratória de Egan. Bateman J R M. 63 (1): 188-20. Tecklin J S. Boletim informativo da ALAT 2000. 12. et al.184-194. Pequeno dicionário de termos médicos.Irwin S. 13. 15. 1988.Scanlan C L.89-98.Sutton P. In: Mackenzie C F. Assessment of percussion. and breathing exercises in chest physiotherapy. Testi R. Goldfeld S. 14. Rio de Janeiro: Livraria Atheneu. São Paulo: Panamericana. 18. Treinamento muscular inspiratório. p. 2000. Rio de Janeiro: Colina. Perino B. Fisioterapia respiratoria em unidade de terapia intensiva. Clarke S W. Chest physiotherapy: a review. Ciesla N. Old and new in chest physiotherapy.Sutton P P. 16. Wilkins R L. São Paulo: Manole. Eur J Respir Dis1982. Fisioterapia respiratória: Guia do Brompton Hospital. Stoller J K. Fisioterapia cardiopulmonar. São Paulo: Manole. Rio de Janeiro: Panamed/ SUAM 1984.

indications. Kinoshita T. Improving the ketchup bottle method with positive pressure. Wiggins J. Kinésithérapie respiratoire de l’ enfant: Les techniques de soins.Postiaux G.48. Bruxelas: De Boeck. Positive expiratory pressure mask therapy: theoretical and practical considerations and review of the literature. 36 1218-1229.Gava M E. 22. Fisioterapia cardiorrespiratória prática. 28. Estudo analítico dos efeitos fisiológicos e da utilização do aparelho Flutter VRP1. . Stovring S. Respir Care 1991. Fisioterapia em Movimento 1998. 25. Guidées par l’ auscutation pulmonaire. and recommendations.1998. 39 (5): 45-57.American Association For Respiratory Care: Clinical practice guidelines: Directed cough. 23. Falk P. 2: 350p. 11 (1): 37 . Geddes D M. PEP. J. Fifer L. Webber B A. p.21.1990. Rio de Janeiro: Revinter. 27. Oral high freqüency oscillation (OHFO) as an aid to physiotherapy in chronic bronchitis with airflow limitation. A review of clearence: New techiniques. Ortenzi L. 1997. 29. Hoffman G. 26.Postiaux G. 24. Kinésithérapie respiratoire et auscultation pulmonarie nouvelles approches cliniques: Methodologiques et technologiques chez l’ adulte.Pryor J A.Falk M. Respir Care 1994.Hardy K K. 38: 495-499. Respir Care 1993. Thorax 1989. Andersen J B.Ellis E. in cystic fibrosis. Eur J Respir Dis 1984.Mahlmeister M. Alison. 65: 423-432. l’ enfant et nourrisson. Fink J. 127-128. Bruxelas: De Boeck.

São Paulo: Manole. Corde 1982. 31. 35. 32.Cuello A F.Azeredo C A C.30. Luque L.Zadai C C. Masciantonio L. São Paulo: Manole. Chest physiotherapy by bag sqeezing method 1968.1993. 3: 48-60. . Fisioterapia Respiratória Moderna. Diaz M R. et al. 1992. AARC Clinical Practice Guideline. Intermittent positive pressure breathing. 54: 355. Clinics in physical therapy: Pulmonary management in physical therapy. New York: Churchill Livingstone. Fisioterapia respiratória no hospital geral. p. 36. 141146. 34. Patrones respiratorios en distintas afecciones. 2ª ed. Respir Care 1993.Hilling L et al. Masciantonio L. Kinesiologia científica 1986. Clinical practice guideline.115-116. Use of positive airway pressure adjuncts to bronchial hygiene therapy. 148-150.American Association for Respiratory Care. 38 (5): 516-520. 2000.Cuello G A. 1: 21-29. 125-126.Clement A J. 38 (11): 11891195. Técnicas para incrementar la función muscular respiratoria. Muhr E. Respir Care 1993. Hubsch S K. 33. Cuello A F. Cuello G A. 37.Azeredo C A C.

Chest 2001. Franco F M M. 519-527.Dicionário Houaiss da língua portuguesa. Eur J Nucl Med 1992. p. In: Cherniak N S.Stanley. 43. Lipworth B J.1999. Pulmonary nuclear medicine. Medicina Intensiva 1991. 19: 586-589. Estimulación diafragmatica elétrica transcutanea. 101 (2): 516-521. New York: McGraw-Hill. Mendonza S M. B. History and evolution of aerosolized therapeutics: Overview and introduction. Nebulizer performace.Lisboa C. Threshold pressure training. airway and systemic effects of salbutamol given by a novel nebulizer system (Ventstream).Flynn M G.Newnham D M.Cuello A F. Rehabilitation of the patient with respiratory disease. breathing pattern. Ventilatory muscle training. Masciantonio L. . 39. pharmokinetics. and exercise performance in chronic airflow obstruction. Miller R F. 41. 42. 44. 2001. Barzone. Thorax 1994.38. Altose M D. 95: 535540. 40. Chest 1989.O’doherty H J. Barter C E. Chest 1992. Villar M S.Waldhorn R E. 45.Houaiss A. Nocturnal nasal intermittent positive pressure ventilation with bi-livel positive pressure (BiPAP) in respiratory failure. 8 (4):194-202. et al. Rio de Janeiro: Objetiva. 49: 762-770. Homma I.F. 120 (3): 87s-88s.