Língua Portuguesa – Prof.

Marcelo Maciel de Almeida – Graduado em Letras (Português-Inglês) e pós-graduado em Linguística, ambos pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

ESCOLA ESTADUAL PAULO JOSÉ DERENUSSON – “VENCENDO DESAFIOS, CONQUISTANDO VITÓRIAS”. AVALIAÇÃO DE LÍNGUA PORTUGUESA: REDAÇÃO PROF. MARCELO MACIEL DE ALMEIDA NOME: ___________________________________________________________ SÉRIE: 3º _____ DATA: ________

I- Complete o texto abaixo com palavras do quadro que o antecede: - dissertativo - argumentativo - Introdução - Desenvolvimento ou argumentação - ponto de vista - Tese - Estratégias argumentativas

- ponto de vista - Conclusão - Argumento

O TEXTO DISSERTATIVO-ARGUMENTATIVO É um texto opinativo que defende um a) ________________ sobre determinado assunto. Nele, a opinião é fundamentada com explicações e argumentos, tentando convencê-lo de que a ideia defendida está correta. É preciso, portanto, expor e explicar ideias. Daí a sua dupla natureza: é b) ________________ porque defende uma tese, uma opinião, e é c) ________________ porque se utiliza de explicações para justificá-la. A redação atenderá às exigências de elaboração de um texto dissertativo-argumentativo se: 1 – apresentar uma tese, desenvolver justificativas para comprovar essa tese e uma conclusão que dê um fecho à discussão elaborada no texto, compondo o processo argumentativo. 2 – utilizar estratégias argumentativas para expor o problema discutido no texto e detalhar os argumentos utilizados. d) ________________: É a ideia que você vai defender no seu texto. Ela deve estar relacionada ao tema e deve estar apoiada em argumentos ao longo da redação. e) ________________: É a justificativa utilizada por você para convencer o leitor a concordar com a tese defendida. Cada argumento deve responder à pergunta “por quê?” em relação à tese defendida. Ex.: o autor é contra a pena de morte (tese). Porque ... f) ________________são todos os recursos (verbais e não verbais) utilizados para envolver o leitor/ouvinte, para impressioná-lo, para convencê-lo melhor, para persuadi-lo mais facilmente, para gerar credibilidade, etc. ESTRUTURA DO TEXTO DISSERTATIVO ARGUMENTATIVO 1- g) ________________: apresentação da ideia ou ponto de vista que será defendido. Apresenta um parágrafo. 2- h) ________________: desenvolvimento do ponto de vista para tentar persuadir o leitor (citar exemplos, recorrer a opiniões de especialistas, fornecer dados, etc.). Apresenta dois ou três parágrafos. 3- i) ________________: fechamento do texto, coerente com o desenvolvimento, com os argumentos apresentados. Apresenta um parágrafo. ESQUEMA-PADRÃO É um guia no qual colocamos, em frases sucintas, o roteiro a ser seguido para a elaboração do texto. Não se confunde com rascunho. Cada texto dissertativo-argumentativo, dependendo do tema e da argumentação, pede um esquema.
ESQUEMA I TÍTULO 1º PARÁGRAFO: TEMA + ARGUMENTO 1 + ARGUMENTO 2 2º PARÁGRAFO: DESENVOLVIMENTO DO ARGUMENTO 1 3º PARÁGRAFO: DESENVOLVIMENTO DO ARGUMENTO 2 4º PARÁGRAFO: REAFIRMAÇÃO DO TEMA + OBSERVAÇÃO FINAL ESQUEMA II TÍTULO 1º PARÁGRAFO: APRESENTAÇÃO DO TEMA 2º PARÁGRAFO: CAUSA (COM EXPLICAÇÕES ADICIONAIS) 3º PARÁGRAFO: CONSEQUÊNCIA (COM EXPLICAÇÕES ADICIONAIS) 4º PARÁGRAFO: REAFIRMAÇÃO OBSERVAÇÃO FINAL DO TEMA +

ESQUEMA III TÍTULO 1º PARÁGRAFO: APRESENTAÇÃO DO TEMA 2º PARÁGRAFO: ASPECTOS FAVORÁVEIS 3º PARÁGRAFO: ASPECTOS CONTRÁRIOS 4º PARÁGRAFO: POSICIONAMENTO PESSOAL RELAÇÃO AO TEMA + OBSERVAÇÃO FINAL

EM

ESQUEMA IV TÍTULO 1º PARÁGRAFO: APRESENTAÇÃO DO TEMA 2º PARÁGRAFO: ÉPOCA MAIS DISTANTE 3º PARÁGRAFO: ÉPOCA MAIS PRÓXIMA E ÉPOCA ATUAL 4º PARÁGRAFO: RETOMADA DO TEMA AGORA SOB UMA PERSPECTIVA HISTÓRICA

Língua Portuguesa – Prof. Marcelo Maciel de Almeida – Graduado em Letras (Português-Inglês) e pós-graduado em Linguística, ambos pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

Proposta nº 1 Leia o seguinte Informe Especial de Zero Hora do dia 24 de outubro de 2007. Celular na aula Um dos debates mais desafiadores da sociedade moderna é o que ora se trava em torno do uso de telefone celular por alunos em sala de aula. Crianças e adolescentes, apoiados por alguns pais, não querem abrir mão da possibilidade de se manter ligados durante o período de classe. Os professores, contrariados, argumentam que a troca de mensagens, a audição de músicas, o uso do aparelho como máquina fotográfica e eventuais chamadas tiram a concentração dos jovens. As escolas agem timidamente, especialmente as particulares, temerosas de desagradar a clientela. Neste ambiente, surge a tentativa do Legislativo de equacionar o problema com a criação de uma lei disciplinadora. Não há dúvida de que disciplina é a palavra-chave, mas o ideal é que ela seja alcançada por meio do diálogo e de um compromisso entre as partes. Agora, elabore um texto dissertativo-argumentativo, respondendo a seguinte questão: Deve haver restrições ao uso do telefone celular em locais públicos? Para escrever seu texto, parta de sua experiência pessoal e considere a importância do telefone celular na sociedade moderna. Lembre-se que o celular pode, em diferentes situações do dia-a-dia, ser útil ou prejudicial aos cidadãos. II- O texto abaixo responde à proposta nº 1. Nele, foram omitidos alguns itens lexicais e gramaticais. Complete os espaços de modo que o texto apresente coesão e coerência. A que classe gramatical pertencem esses itens? O bom uso do celular deve ser garantido por leis Atualmente, a telefonia móvel ocupa lugar de destaque (a) ___________ sociedade. De artigo supérfluo, ele passou a ser um importante meio de comunicação de nossos tempos estando largamente disseminado – quase todos possuem um, seja para trabalhar, (b) ___________ para encontrar alguém num local público, seja para simplesmente conversar. Mas, com tantos usuários, o mau uso acaba sendo comum, o que leva (c) ___________ uma necessidade: limitar os celulares em lugares públicos, através de leis. A maioria das pessoas já passou (d) ___________ alguma situação em que se sentiu prejudicada pelo barulho do celular de outro. Eu, por exemplo, estive semana passada no cinema e presenciei uma situação (e) ___________: o telefone de um espectador tocou bem durante um momento de suspense do filme. Por que ele não (f) ___________ desligou ao começar a projeção? Até podemos imaginar que o cidadão passasse por alguma situação (g) ___________ que exigisse atendimento rápido, (h) ___________ para isso bastaria deixar o aparelho no modo vibrador e atendê-(i) ___________ fora da sala. Por isso, a coibição do uso indiscriminado do celular é medida benéfica. (j) ___________ leis, tanto no âmbito municipal quanto no estadual, (k) ___________ proíbem seu uso em espetáculos e no trânsito de veículos, mas elas deveriam valer também para outras situações, como em salas de aula (l) ___________ em restaurantes. A par disso, as leis já existentes deveriam ser observadas com mais rigor, diminuindo assim a sensação de impunidade que estimula novas práticas delituosas. O celular veio para facilitar a vida do homem, tendo se mostrado essencial na vida social e profissional. (m) ___________, para que ele cause mais benefícios que malefícios, seu uso precisa ser controlado por uma legislação inteligente e bem aplicada. O bom-senso dos indivíduos, por si só, não consegue frear as más práticas desta tecnologia. Proposta nº 2 Eutanásia: quem decide a hora certa de morrer? As denúncias envolvendo a médica Virgínia Helena de Souza, acusada de antecipar a morte de pacientes na UTI do Hospital Evangélico de Curitiba, Paraná, reacenderam, neste ano, a polêmica sobre um assunto antigo: a eutanásia. A palavra de origem grega significa boa morte e refere-se ao direito que os indivíduos teriam de optar por encerrar a vida de modo antecipado e sem dor. Isso é visto por muitos como um alívio aos doentes incuráveis que sofrem exageradamente, por longos tempos, no aguardo da morte. Há países, como Holanda e Bélgica, nos quais a eutanásia é legalizada, mas, no Brasil, é crime. O tema desperta muitas discussões: se estiver consciente, o doente tem o direito de decidir quando parar de viver? E se estiver inconsciente, a família poderia ter esse direito? Caso fosse legalizado, quem teria a tarefa de ajudar o doente a provocar a própria morte? E os médicos, como deveriam agir, já que juraram defender a vida? Queremos saber a sua opinião sobre o assunto. Leia os textos de apoio e depois escreva uma dissertação argumentativa de 25 a 30 linhas. Posicione-se, defenda seu ponto de vista com argumentos bem fundamentados e apresente propostas indicando como a sociedade deve lidar com essa questão. Legislação brasileira O Código Penal Brasileiro Atual não fala em eutanásia explicitamente, mas em "homicídio privilegiado". Os médicos dividem a prática da morte assistida em dois tipos: ativa (com o uso de medicamentos que induzam à morte) e passiva ou ortotanásia (a omissão ou a interrupção do tratamento). Hodiernamente, no

Língua Portuguesa – Prof. Marcelo Maciel de Almeida – Graduado em Letras (Português-Inglês) e pós-graduado em Linguística, ambos pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

caso de um médico realizar eutanásia, o profissional pode ser condenado por crime de homicídio – com pena de prisão de 12 a 30 anos – ou auxílio ao suicídio – prisão de dois a seis anos. No mesmo diploma legal, a Eutanásia passiva, tema de nosso maior interesse, está atualmente tipificada como crime previsto no artigo 135, intitulado omissão de socorro. "Art. 135. Deixar de prestar assistência, quando possível fazê-lo sem risco, à criança abandonada ou extraviada, ou a pessoa inválida ou ferida, ao desamparado ou em grave e eminente perigo; ou não pedir, nesses casos socorro da autoridade pública: Pena – detenção, de um a seis meses, ou multa. Parágrafo único. A pena é aumentada da metade, se da omissão resultar lesão corporal de natureza grave, e triplica, se resulta a morte." Bem próximo da eutanásia está o suicídio assistido, mas não se confundem. Nem o suicídio assistido se confunde com a indução, instigação ou auxílio ao suicídio, crime tipificado no artigo 122 do Código Penal. Na eutanásia, o médico age ou omite-se. Dessa ação ou omissão surge diretamente a morte. No suicídio assistido, a morte não depende diretamente da ação de terceiro. Ela é consequência de uma ação do próprio paciente, que pode ter sido orientado ou auxiliado por esse terceiro. [Egov - Portal de e-governo, inclusão digital e sociedade do conhecimento ] ORIENTAÇÕES E GABARITO PARA O PROFESSOR A redação receberá nota zero se apresentar pelo menos uma das características: - fuga total ao tema; - não obediência à estrutura dissertativo-argumentativa; - texto desrespeitando o número mínimo e o número máximo de linhas; - desrespeito aos direitos humanos; - folha de redação em branco, mesmo que tenha sido escrita no rascunho; e - impropérios, desenhos ou outras formas propositais de anulação. Que competências serão avaliadas? O desempenho dos alunos será avaliado em 5 itens: 1: Demonstrar domínio da norma padrão da língua escrita. 2: Compreender a proposta de redação e aplicar conceitos das várias áreas de conhecimento, para desenvolver o tema dentro dos limites estruturais do texto dissertativo-argumentativo. 3: Selecionar, relacionar, organizar e interpretar informações, fatos,opiniões e argumentos em defesa de um ponto de vista. 4: Demonstrar conhecimento dos mecanismos linguísticos necessários para a construção da argumentação. 5: Elaborar proposta de intervenção para o problema abordado, respeitando os direitos humanos. REFERÊNCIAS: Eutanásia: quem decide a hora certa de morrer? Disponível em http://educacao.uol.com.br/bancoderedacoes/eutanasia-quem-decide-a-hora-certa-de-morrer.jhtm Acesso no dia 10/06/2013 Redação: tudo o que você precisa saber para se dar bem. Disponível em http://portal.aprendiz.uol.com.br/2012/11/01/redacao-do-enem-tudo-o-que-voce-precisa-saber-para-se-darbem/ Acesso no dia 10/06/2013

GABARITO Ia) ponto de vista b) argumentativo c) dissertativo d) Tese e) Argumento f) Estratégias argumentativas g) Introdução h) Desenvolvimento ou Argumentação i) Conclusão IIa) na (junção da conjunção “em” com o artigo definido “a”).

Língua Portuguesa – Prof. Marcelo Maciel de Almeida – Graduado em Letras (Português-Inglês) e pós-graduado em Linguística, ambos pela Universidade Federal de Uberlândia (UFU)

b) seja (conjunção coordenada alternativa) c) a (preposição) d) por (preposição) e) desagradável ou outra palavra de mesmo valor (adjetivo) f) o (pronome oblíquo) g) emergencial ou outra palavra de mesmo valor (adjetivo) h) mas (conjunção coordenada adversativa) i) lo (pronome oblíquo) j) Há (verbo haver) k) que (pronome relativo) l) e (conjunção coordenada aditiva) m) mas/porém/todavia/contudo/entretanto (conjunção coordenada adversativa).

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful