P. 1
integrais_discretas

integrais_discretas

|Views: 1|Likes:
Published by Daniel Viana

More info:

Published by: Daniel Viana on Jun 16, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as DOC, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

06/15/2015

pdf

text

original

Olimpíada Brasileira de Matemática

X semana olímpica – 21 a 28 de janeiro de 2007

Eduardo Poço Integrais discretas – Níveis III e U
Integral discreta: dizemos que F ( n) é integral discreta de f ( n) se e somente se:
F (n +1) − F (n) = f (n) , para n inteiro (a princípio)

Da mesma forma, dizemos que f ( n) é a derivada discreta de F ( n) . Notação:

∑ f ( n) = F ( n)

n

Utilidade: conhecida a integral discreta F ( n) da função f ( n) , temos condições de fazer o somatório:

∑ f (k ) = F (b + 1) − F (a) , a e b inteiros
k =a

b

A integral discreta transforma uma soma em soma telescópica. Sabendo de algumas propriedades, é possível trabalhar dinamicamente com integrais discretas para obter fórmulas novas a partir de outras conhecidas. Aqui, não queremos provar que uma função dada é integral discreta de outra, pois essa verificação é simples. Queremos obter ferramentas que nos possibilitem ACHAR integrais discretas de forma rápida, para no final poder calcular o valor de um somatório que tenha surgido de algum problema. Em alguns casos, é suficiente saber a “cara” da integral discreta (ou seja, se é um polinômio, exponencial etc). Algumas integrais discretas (o exercício de verificação é simples):

∑c = cn
∑q n =
n

n

∑n.n! = n! ∑ log
n a

n

qn q −1

n = log a ( n − 1)!

e todas elas diferem por uma constante. n ) = ∂ n ∑ f ( x. existem várias integrais discretas para uma dada função. n) uma função das variáveis x e n. então: ∑∂x n ∂ f ( x. lembre-se que podemos somar constantes do lado direito e continuar com uma integral discreta. se a função tiver derivada nessa variável: . A igualdade nos fornece uma integral discreta para a função do lado esquerdo. Exemplo: 2 n e 2 n + 1 são integrais discretas de f (n) = 2 n . f (n) + b. derivável na variável x. n ) ∂x Podemos usar a própria variável n.k  − cos kn −  2  ∑ sen kn = k  2 sen  2 n n sen ( 2n − 1) ∑ sen 2 n = 2 − 4 sen 1 n n  n   ∑ k  =      k + 1 n k  sen kn −  2 ∑ cos kn =   k   2 sen  2 n n sen ( 2n − 1) ∑ cos 2 n = 2 + 4 sen 1 n n + k  n + k   ∑  n  =      n −1  n Propriedades 1) Assim como integrais contínuas (as primitivas). para constantes a e b. 3) Integral discreta do produto (por partes): sendo então: n n n n ∑ f ( n) = F ( n) e ∑ g ( n ) = G ( n) . n n n ∑ F (n) g (n) = F (n)G (n) − ∑ f (n)G (n +1) Exemplo: Calcule ∑ n sen n e n ∑n n 2 sen n . Verifique pela definição! 2) Integração discreta é uma transformação linear: ∑[ a.g (n)] = a∑ f (n) + b∑ g (n) . comparando com o cálculo de ∫ x sen xdx e ∫x 2 sen xdx 4) Sendo f ( x.

n)dx ) = ∫  ∑ f ( x. queremos sua integral discreta ∑n n m . Usando a propriedade que nos permite trocar a integral discreta com a contínua (escolhendo a própria variável n como variável de integração contínua): . e ainda assim faremos um trabalho algébrico grande..d d n f ( n ) = ∑ dn ∑ f ( n) dn n Exemplo: Calcule ∑nx n n . com x uma constante em relação a n. Inicialmente. 5) Seguindo um caminho análogo. ( −1) k +1 xn = ln 2 + ∫ dx Exemplo: Prove que ∑ k k =1 −1 x − 1 n 0 Aplicação: Soma de potências consecutivas. + n m k =1 n Há uma fórmula recursiva em que podemos calcular S m (n) a partir de valores anteriores (tente prová-la como exercício): m −1  m + 1 ( m + 1) S m (n) = (n + 1) m+1 −1 − ∑  k  S k (n) k =0   O problema dessa fórmula é a praticidade: precisamos de todas as funções anteriores. n) dx + Cn n n   Para alguma constante C.. temos que:   ∑ ( ∫ f ( x. conseguimos obter S m (n) a partir de S m −1 ( n) apenas com um trabalho aritmético. Essa constante é encontrada através de valores iniciais conhecidos das funções. Seja a seguinte função: S m (n) = ∑ k m = 1m + 2 m + . se queremos S m (n) . Com integrais discretas.

. e b0 = − bk .. m +1 .. + b2 n 2 + b1n m ak −1 .∑(∫ n n m −1  n m−1  dn = ∫  ∑ n dn + Cn   ) A integral contínua pode ser realizada sem problemas:  n m−1  nm = dn + Cn ∑ m ∫ ∑n    n Renomeando a constante a ser encontrada:  n m−1  dn + Cn ∑ n = m∫  ∑n    n m contínua. + a2 n 2 + a1n . então: ∑n Com bk = Alguns valores: n m = bm+1n m+1 + bm n m + ..2. Resumindo: Se n = 0 .. fornecendo o oposto da soma dos outros coeficientes já obtidos pela integração Essa constante pode ser encontrada pela diferença entre integrais discretas quando ∑n n m −1 = am n m + am−1n m−1 + ... para k =1. k k =1 ∑ m +1 ∑1 = n n2 n − 2 2 n n3 n2 n 2 n = − + ∑ 3 2 6 n n 4 n3 n 2 ∑ n3 = 4 − 2 + 4 n n5 n 4 n3 n 4 n = − + − ∑ 5 2 3 30 n ∑n = n Aplicação: Soma de potências multiplicadas por progressão geométrica ..

+ a2 n 2 + a1n ) com as constantes ak sendo funções de x.Agora procuraremos ∑n n m x n ... e os coeficientes satisfazem bk = i =1. 1 − x k =1 n Alguns valores: ∑ nx n = ∑ n2 n 2 n n n n ( n − 1) x − nx ( x − 1) n +1 2 = xn [ ( x − 1) n − x] ..2. É natural procurar uma integral discreta com a seguinte forma: ∑n n m x n = x n ( bm n m + bm−1n m−1 + . m e b0 = m ak −1 . + b2 n 2 + b1n ) Essa forma pode ser encontrada. Observe: n n n d n m n m −1 n m n m−1 n ( ) n x = mn x + n x ln x = m n x + ln x nm xn ∑ ∑ ∑ ∑ dn Das formas iniciais de ∑n n m x n .. mas não dependendo de n.. x ≠ 1 ( x − 1) 2 = 2n ( n − 2) n ∑n 2 ∑n 2 3 = 2 n ( n 2 − 4n + 6 ) = 2 n ( n 3 − 6n 2 + 18n − 26) = 2 n ( n 4 − 8n 3 + 36n 2 − 104n + 150) n ∑n 2 4 n n . encontramos uma função da forma: ∑n n m −1 x n = x n ( am−1n m−1 + am−2 n m−2 + ... k x m ∑bk .. com x uma constante em relação a n.

assim Γ(n) = (n −1)! para n inteiro positivo.Calcule: lim ∑ n →∞ n k =1 3. sabendo que 6. A função gama satisfaz Γ( x +1) = x Γ( x) . a constante de Euler (um valor conhecido) e Γ (1) =1.Calcule as seguintes integrais discretas: n 2 a) ∑n  3     n 2 n (n −1) e) ∑ (n +1)! n n n b) ∑3  2     n f) ∑n n 2 1 +n c) 1 ∑(n + 2)n! n n 2 g) ∑ n n 1 n +1 + n 1 n  d) ∑ 2     h) n ∑ cos n cos(n + 1) sen 2 k 2.Calcule lim n→∞ ∑k k =1 n k =1 n n 4 .Problemas 1. para todo x real.Ache a derivada (contínua) da função gama Γ Γ' (1) = − γ . k =1 n 1 ( n) para n inteiro positivo.Prove que ∑ (n n =1 ∞ ∞ 2n + 1 1 h = ∑ 2 n 3 . com m inteiro positivo. k =1 lim m n →∞ n 5. .2 3 m n m+1 k − ∑ 4.Calcule m + 1 . sendo hn = 2 + n) n =1 n ∑k .2 k n ∑ k .

por definição.2. O conjunto vazio. Referências: [1] Uma referência sobre somatórios e algumas considerações históricas sobre o raciocínio humano e implementação de algoritmos em computadores: “A=B”.. tem diâmetro igual a zero. Herbert S.(OBM2002) O diâmetro de um conjunto S ⊂ R é definido como sendo D( S ) = max( S ) − min( S ) .3.7. Calcule a soma dos diâmetros de todos os subconjuntos de A = {1. Doron Zeilberger.. em função de n. n} ... Wilf. . Marko Petkovsek.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->