You are on page 1of 1

Fichamento: MOTTA, Joo Maurcio. Auditoria: Princpios e tcnicas. So Paulo: Atlas, 1998. P. 43 a 49 (Controle Interno).

--Relao com auditoria: A auditoria toma como base os controles internos para fundamentar sua avaliao. Dependendo da abrangncia dos controles, estudos aprofundados e avaliao sobre tais controles internos devero ser feitos para a determinao da extenso dos testes aos quais se restringiro os procedimentos de auditoria (p. 42). --Definio: Ver p. 42 (Definio conforme AICPA) Plano de organizao + Mtodos e procedimentos. 43--Classificao: Controles contbeis (referentes salvaguarda do ativo e a fidedignidade dos registros financeiros) e controles administrativos (referentes eficincia operacional e obedincia s diretrizes administrativas). Controles contbeis: Para proteger o ativo, um dos princpios fundamentais dos controles internos diz respeito segregao de funes: o controle contbil depende necessariamente, em grande parte, da eliminao das oportunidades de se ocultarem falhas ou erros (p. 44). ---Influncias no trabalho do auditor: a amplitude e a natureza de um trabalho de auditoria so fundamentalmente influenciadas pelo sistema de controle interno em uso (p.44). Ou seja, quanto mais detalhado, completo e confivel for o sistema de controles internos, menor ser a extenso dos procedimentos que a auditoria precisar realizar. Isso influencia tambm na data em que a auditoria deve ser idealmente realizada: caso os controles internos sejam insatisfatrios, importante que a auditoria seja realizada em data prxima do balano ou na prpria data do encerramento do exerccio (p.44). Quando houver um sistema de controles internos, este dever ser utilizado pelo auditor, que ir primeiramente identificar os sistemas utilizados, test-los em um volume compatvel com o fluxo de atividades realizadas na empresa e identificar a execuo, reviso e aprovao das operaes esto seguindo realmente as previses normativas: Ser nesta etapa do trabalho de auditoria que o auditor identificar se as funes esto sendo executadas de maneira adequada e se as revises e aprovaes esto devidamente evidenciadas nos documentos (p.48). A partir de ento, poder o auditor concluir pela confiabilidade dos controles, determinando de forma precisa se os sistemas de controle interno oferecem a segurana desejvel para o registro das operaes e para a produo de demonstrativos financeiros igualmente confiveis (p. 49).