You are on page 1of 26

Paz entre os lençóis

Descubra a cura e a transformação através das relações sexuais
Por Marnia Robinson Traduzido por Paulo Anderson

Tradução feita somente dos capítulos do livro de Marnia que tratam de assuntos como masturbação e magnetismo sexual, a tradução e revisão de texto foram feito por Paulo Anderson com a ajuda do Google Tradutor, o que não garante a perfeição da tradução para nossa língua, mais a revisão feita fez que se tornasse o mais próximo possível do original.

@2012 – paulo_anderson_2@hotmail.com

Você já reparou que os relacionamentos íntimos parecem estar amaldiçoados? Você se casa com alguém realmente maravilhoso, a quem você está certo que você pode amar para sempre. No entanto, depois de um tempo começa a existir uma estranha tensão e distância em conjunto, em um deles ou em ambos aparecem a certeza de que você tenha escolhido a pessoa errada e que precisa de mais 'espaço' no relacionamento. Você pode permanecer casado, e tolerar o status quo, ou você pode se divorciar e começar a sair de novo, o padrão indesejável, no entanto, permanece.

A mídia assegura-nos que poderíamos corrigir o problema com melhores habilidades de comunicação, aconselhamento regular, ou infâncias alteradas. Na verdade, precisamos aprender a fazer amor de forma diferente. A fonte do nosso mal-estar recorrente é um script inconsciente à espreita no sistema límbico que faz parte do sistema primitivo de cada cérebro dos mamíferos. Aqui estamos neuroquimicamente programados para cair no amor com paixão intensa, formar vínculos temporários, reproduzir... E depois cair fora do amor.

Por que a evolução nos moldou para nos tornar infelizes? A evolução não fez isto! Pelo menos não diretamente. Tem, no entanto, nos moldado a aumentar a variedade genética de nossos filhos... Por parceiros em constante mudança. Ao longo dos milênios de mudanças climáticas e de novas estirpes da doença, este programa sutil aumenta significativamente

as chances de que os genes sobrevivem a sua viagem através de inúmeras gerações. Tão bem sucedido é (aos olhos da evolução), que praticamente nenhum dos animais são monogâmicos. Testes de DNA revelaram que ratos silvestres, mesmo socialmente monogâmicos e cisnes ocasionalmente brincam quando ninguém está olhando.

O padrão de atração romântica intensa, assuntos breves, e sofrimento do volume de negócios também foram observados em sociedades de caçadores-coletores que se acredita serem os melhores representantes de nossos ancestrais, como o Kung do Kalahari e Mehináku da América do Sul. Agora que o divórcio é mais fácil e leva menos estigma social, o nosso programa evolutivo inato é rapidamente reafirmar-se em todo o mundo.

Além da biologia
No entanto, a biologia não precisa nos governar, e que seria melhor para o nosso bem-estar individual, se isso não aconteceu. Estudos mostram que pessoas casadas vivem mais com menos vícios e baixas taxas de doença do que suas contrapartes individuais. Eles tendem a ser melhor financeiramente. As famílias estáveis são também mais benéficas para as crianças. (O padrão de relações agitadas provavelmente trabalhou poucas dificuldades sobre as crianças para os milhões de anos que viviam em tribos, mas as crianças em famílias de hoje insulares são bastante vulneráveis quando os vínculos parentais desintegram-se).

Bem-estar material não é a única questão. Muitos de nós temos um yden para ir além do roteiro de nossos genes egoístas e perceber o nosso potencial. É um desejo intrínseco de mais em nossas vidas do que apenas a propagação da prosperidade da espécie ou mesmo maior, a saúde e o bem-estar das crianças. Chame-lhe um anseio espiritual... Fundamental saber que as relações sexuais representam um potencial inexplorado. Como o mestre taoísta Lao Tzu colocou há mais de 2300 anos atrás, temos

tempo para "oportunidade para o homem e a mulher para levantar uns aos outros para o reino da felicidade e plenitude".

Enterrado no esoterismo de diversas culturas (não apenas os antigos chineses, mas também os primeiros cristãos, e até mesmo alguns pioneiros ocidentais sociais do século 19) está uma maneira de enganar este programa biológico utilizando as relações sexuais. Agora a pesquisa sobre a neuroquímica do sexo está a apontar para a validade dessa sabedoria esquecida. Vejamos como as recomendações dos conselheiros sexuais do passado se alinham com a neurociência recente sobre o centro de recompensa do cérebro. Então vamos considerar uma fórmula que você pode usar para experimentar uma outra maneira de fazer amor.

O que, não diverte?
O conceito-chave dos sábios sexuais é esta: os muitos benefícios do sexo vêm de coito regular, afetuoso, enquanto os riscos ocultos decorrem de orgasmo. Observando a fadiga pós-orgásmica e desejos aumentaram depois do sexo, os taoístas e hindus praticantes / Tantra Tibetano, logicamente concluiu que a perda do sêmen foi o culpado por trazer estes sentimentos de esgotamento / privação. Uns, pois, concluiu que o orgasmo não representava nenhum problema para as mulheres, mas que os homens tinham muito a ganhar com a relação sexual controlada. No entanto, ambas as tradições também mantêm sussurros dos benefícios espirituais para as mulheres de evitar o orgasmo. E alguns folclore taoísta (não ensinado por Lao Tzu) informa que uma mulher definitivamente perde energia através do orgasmo, que um amante inteligente pode aprender a "roubar" a reforçar-se às custas dela.

Mas voltando à teoria da perda do sêmen. No entanto, parece lógico, a moderna neurociência revela que ele é falho. Sentimentos de esgotamento, a privação, irritabilidade e desarmonia durante os dias após

um encontro apaixonado não são devido à perda de sêmen. Elas derivam mudanças naturais das neuroquímicas no cérebro, que acompanham a fertilização orientado sexo. A precipitação não se limita ao fenômeno. Ela pode aparecer de vez em quando por dias, ou até duas semanas e que pode tornar as mulheres mais reativa, carente, e simplesmente difícil de viver, também. Como a ligação entre causa e efeito é sutil e tardia, não fazemos a conexão.

Nem, a rigor, é orgasmo o gatilho. O gatilho é uma onda (ou surtos) da dopamina. Este neuroquímico poderoso, que dirige o centro de recompensa do cérebro, é o 'pé no acelerador "do nosso desejo sexual. Ele também impele todos os vícios. No caso do sexo, a dopamina alta equivale a excitação, intenso desejo. Ela nos obriga a um comportamento de fertilização sejam quais forem os riscos. Isto não é para dizer que a dopamina é má. Em níveis moderados nos dá um apetite saudável de comida e água e um sabor para todos os aspectos da vida. Muito do que, no entanto, não é uma coisa boa.

Missão cumprida no orgasmo, os níveis de dopamina despencam. Esta é a forma do nosso corpo de nos trazer de volta ao equilíbrio depois de muita estimulação. Se a dopamina ficou muito alta o tempo todo, poderia nos deixar loucos, altos níveis de dopamina estão associados com esquizofrenia, fetiches, agressão e ansiedade. No entanto, quando a dopamina cai para um nível muito baixa depois de ter sido muito alta pode causar sintomas obsessivo-compulsivos, distúrbios do pensamento, e ansiedade e sintomas depressivos. No mínimo ele pode alterar radicalmente o nosso humor e percepção do outro. É por isso que os sábios sexuais do passado recomendou a meta de equilíbrio, em vez de nosso ciclo familiar, dependência de emoções intensas... e ressacas. Eles aprenderam que, se você não empurrar o sua dopamina muito alta, então não deixe cair para muito baixo. Ele flutua em níveis confortáveis que ajudam você a alcançar seus objetivos e mantê-lo alegre e entusiasmado com a vida.

Após o orgasmo, uma segunda neuroquímica, chamado prolactina, suprime a dopamina, agindo como um mecanismo de saciedade sexual em homens e mulheres. Curiosamente, os nossos corpos produzem 400 vezes mais prolactina após o orgasmo com a relação sexual do que com a masturbação. Em outras palavras, a masturbação nos deixa sentir mais saciado do que com a relação sexual, talvez porque nós não cumprimos nossa missão de fertilização.

A prolactina não é o único "pé no freio" do nosso desejo sexual incitandonos a voltar nossa atenção para caça / coleta e educação dos filhos. Depois de saciedade sexual, receptores de andrógenos (para testosterona) na mesma parte do cérebro pode diminuir para até uma semana, afetando adversamente a libido. (Libido e testosterona governam para homens e mulheres). Prolactina alta e menos (efeitos a partir de) testosterona pode alterar o humor, também. Os pacientes cujos prolactina é conhecido por ser elevado sofrem de ganho de peso, a ansiedade, impotência e depressão... os casais tipicamente queixam-se de muitas coisas como as suas relações para se adaptar à dor de cabeça da separação emocional.

Agora você vê porque você se importa o que sua neuroquímica está fazendo durante e depois do sexo? Os neuroquímicos governam como você se sente e como você se sente determina o que você vê. Quando você está surgindo com a dopamina em um estado de grande excitação, seu amante parece mais excitante. Quando sua neuroquímica em ressaca entra em ação, no entanto, você tende a ver seu parceiro menos excitante. Claro, você não necessariamente projeta seu sofrimento póspaixão para o seu amante. Você pode encontrar o seu chefe, em vez impossível ou pressão em seus filhos.

Normalmente, no entanto, os nossos romances seguem um ciclo viciante, o que conduz a um fenômeno observado em vários mamíferos e em ambos os sexos. Os cientistas chamam de "efeito Coolidge'. É a tendência dos companheiros para encontrar um parceiro romântico sexualmente mais interessante do que aquele com o qual eles têm a saciedade sexual experiente.

Este programa evolutivo, é claro, aumenta a variedade genética da nossa descendência.

Em humanos, o Efeito Coolidge muitas vezes se parece com isso: por um tempo, nós usamos uns aos outros para obter uma 'correção' de confiança de dopamina sempre que sentimos os efeitos de uma ressaca sexual. As extremidades de lua de mel, no entanto, no dia em que começar a imaginar que nosso companheiro é a fonte de nossa inquietação. Os psicólogos chamam essa tendência de ver os outros através da luz de nosso próprio estado de "projeção" da mente.

Para resumir, os níveis de dopamina (neurotransmissores e outros) regem atração e repulsão. Quando você escolhe a fertilização orientada pelo sexo, você fazer um passeio de montanha-russa na neuroquímica. Nada disso acontece na parte lógica do seu cérebro. O cérebro, emocionalmente sutil automaticamente altera sua percepção.

Este programa evolutivo é praticamente a mesma em todos os mamíferos. Atração / busca (dopamina) leva a fertilização. Pós-orgasmo neuroquímicos (queda de dopamina e testosterona) levar ao desejo de separação. Pense em um jantar de féria. De antemão você está com fome, com antecipação, depois que você come muito, você não quer ver mais nenhum outro pedaço de torta.

Isto é como a biologia faz você cair fora do amor. A neuroquímica determina o seu desejo para a monogamia, e escolhendo o equilíbrio e muito carinho você pode fortalecer e manter sua atração um pelo outro. Além de que a abstinência de orgasmo (em oposição a toque, com desejo) auxilia na obtenção do equilíbrio, porque aumenta a produção de outro neurotransmissor importante: a oxitocina.

Apelidado de "hormônio do aconchego", a oxitocina protege e cura o corpo e a alma. Originalmente conhecido por estimular o trabalho e ejeção do esperma, também pode induzir efeitos semelhantes de antistress, como a redução da pressão arterial e níveis do cortisol (hormônio do estresse). Isto, por sua vez, aumenta a imunidade à doença. A oxitocina aumenta o limiar da dor, acalma e estimula vários tipos de interação social positiva, incluindo profundos laços emocionais. Além disso, promove o crescimento e de cura. Quando injetado em roedores viciados em drogas, a oxitocina também facilita a dependência e sintomas de abstinência. A exposição repetida a oxitocina provoca efeitos benéficos duradouros.

Aliás, quando a dopamina cai para um nível muito baixo (depois de um surto de paixão), o mesmo acontece com a oxitocina e fazem os amantes perder seus desejos de proximidade. Em contraste, quando a dopamina permanece em níveis ideais, ajuda a manter os níveis de oxitocina também.

Sexólogos do passado
Observadores anteriores descobriram um ponto fraco em nosso projeto, bem como os potenciais ganhos de superá-la com o sexo, gentil e carinhoso. Por exemplo, Lao Tzu ensinou na Hua Hu Ching que a relação sexual comum é um “grande salto para trás", porque os amantes colocam toda a sua energia sobre os órgãos sexuais. Seja qual for a energia física que se acumulam, ela é sumariamente descarregada (ao invés de

beneficiá-los). “Ele também observou que sexo regular se dissipa em distúrbios de pequenas energias - prenunciando por 2300 anos, as descobertas neuroquímicas descritas acima”.

A solução? Fazer amor por diversão sem se esforçar para o orgasmo. O resultado dessa prática, ele afirma, é "a melhoria da saúde, emoções harmonizadas, a cessação dos desejos e impulsos, e, ao mais alto nível, a integração transcendente do corpo inteiro da energia". Enquanto meu marido e eu ainda não podemos afirmar a transcendência, temos experimentado todos os outros benefícios que ele enumera.

John Humphrey Noyes, um pioneiro americano social de meados do século 19, chegou às mesmas conclusões, independentemente de Lao Tzu. “Em Continência Masculina ele escreveu que, se a relação sexual normal começa em espírito logo termina em carne e sentimentos de exaustão”. Isso explica o processo de "refrescar", que acontece entre os amantes após o casamento e, muitas vezes termina em indiferença e repulsas.

Em contraste com tudo isso, os amantes que utilizam os seus órgãos sexuais simplesmente como os servos de suas naturezas espirituais, abstendo-se do ato propagativo exceto quando a procriação se destina, pode desfrutar da mais alta bem-aventurança da comunhão sexual por qualquer período de tempo, sem saciedade ou exaustão, e assim a vida de casado pode tornar-se permanentemente mais doce que o namoro ou até mesmo a lua de mel.

Alice Bunker Stockham, MD (Karezza: Ética do Casamento, 1902) e J. William Lloyd (O Método Karezza, 1931) expandiu em observações dos Noyes, esclarecendo que as mulheres também se beneficiam evitando o orgasmo. Lloyd diz, “Depois do orgasmo, a mulher é menos magnética,

entusiasmada e deliciosa com um parceiro”... E muitas vezes logo se torna indiferente, deprimida ou irritável.

Textos antigos mostram que até mesmo Jesus ensinou essa sabedoria e seu potencial espiritual oculto. Por exemplo, o Evangelho de Filipe, um dos evangelhos gnósticos descobertos no Alto Egito, cerca de 60 anos atrás, diz: Neste mundo a união é homem e mulher, o lugar do poder e da fraqueza. Tudo vai ser vestida de luz quando entrar no mistério do abraço sagrado. ... [Sacramento da câmara nupcial], o abraço que encarna a união oculta... não é só uma realidade da carne, pois não há silêncio neste abraço. Ela não surge por impulso ou desejo, é um ato de vontade.

Tente algo velho
Terapeutas sexuais de hoje ajudam amantes que têm sexo comum, com ênfase nas preliminares e orgasmo. O treinamento garante que desprezam, ou modificam, a sabedoria profunda descrito acima para se adaptar às normas que definiu. No entanto, a rápida deterioração das relações íntimas sugere que pode ser sábio para olhar além do que se sente bem (brevemente) para a recompensa do centro do nosso cérebro, e considerar o seu efeito em longo prazo sobre os nossos sindicatos.

O centro de recompensa do cérebro evoluiu muitos milhões de anos atrás. Ele foi projetado para conduzir os nossos antepassados para pegar alimentos altamente calóricos, oportunidades de procriação, colegas de adicionais, e ganhos de curto prazo em ambientes onde tais opções eram muitas vezes escassas. Este centro primitivo do cérebro não está bem equipado para a tentação constante de dopamina para as emocionantes tentações da vida moderna: o fast food abundante, a pornografia, os vários parceiros potenciais, cartões de crédito e assim por diante. Assim

como devemos escolher nossas dietas com um olho para equilibrar, apesar da disponibilidade das nossas sobremesas favoritas, nós nos beneficiamos se escolhermos o equilíbrio em nossa vida amorosa.

Caso contrário, nos tornamos fantoches involuntários do poderoso programa evolutivo do cérebro primitivo. Seus sinais altos nos enganam. Nosso bem-estar não está mais nas emoções e parceiros. Isto é porque o ciclo sexual não é simplesmente preliminares e orgasmo. O programa subjacente, na verdade nos impele para as preliminares, a procriação irresponsável, ressaca da neuroquímica, separação e emocional frequentemente nos determinam a procurar a "felicidade" na forma de uma nova neuroquímica.

Felizmente, como outros descobriram através dos tempos, podemos aprender a sustentar a monogamia por dentro. Nas palavras de J. “William Lloyd, instrutor do “concurso sem orgasmo”, torna o casamento mais delicioso do que o namoro, mais romântico do que cortejar, e mantém uma lua de mel, sem fim gratificante”.

Como aplicar os princípios da cura da sexualidade na vida cotidiana Intrigado com esta sabedoria do passado, meu marido e eu decidimos experimentar. Os benefícios têm sido sutil, mas poderosa. Não há mais fermento ou infecções do trato urinário para mim, um fim a uma dependência de longo prazo e depressão crônica para ele.

Aqui está o que fizemos para fazer a transição: Dormimos juntos todas as noites e as duas primeiras semanas não fizemos amor. (Para reforçar a nossa determinação, na verdade nós mantivemos nossa roupa íntima e até um short por cima.) Cada noite, envolvido em uma troca afetuosa de atenção amorosa. Por exemplo, a gente se

revezava dando massagens nos pés do outro, meditamos juntos, e até dançamos juntos. Este período de duas semanas nos permitiu tanto para voltar ao equilíbrio antes de passar para a relação sexual.

Quando fizemos adicionamos as relações na terceira semana fizemos amor de acordo com uma agenda, pulando pelo menos um ou dois dias entre os encontros. Cada noite também continuamos com alguma forma de generosidade, mais sem preliminares. As noites de relações sexuais não acabou por ser vital para ficar com esta forma de fazer amor. Eles servem para nos lembrar (e nossos cérebros primitivos) que uma troca não orientada de afeto parece, e como satisfazer isso, também, pode ser.

Agora que estamos "com o programa ', continuamos a fazer amor em uma programação. Nós também fazemos questão de trocar muito carinho nas relações sexuais não-noites. Quando afastou-se esta rotina, percebemos que a biologia tende a assumir, aquecendo-nos e deixando-nos frustrados. Em suma, fomos mais uma vez produzindo muito oxitocina dopamina e muito pouco para acalmar as ânsias de atendimento. A dopamina é o 'jogo' neuroquímico, o sexo de maneira espontânea tende a aumentar os níveis de dopamina. Por outro lado, saber quando você vai fazer amor é como saber quando você vai ter uma boa refeição, que torna mais fácil esperar com expectativa delicioso, mas sem frustração ou o sentimento que você deve agarrar cada oportunidade.

Talvez a contribuição mais importante para a nossa consistência foi uma forte motivação para mudar. Estávamos completamente cansado do carrossel de altos e baixos do relacionamento e ansiava por intimidade harmoniosa.

Enquanto isso, vou tocar em alguns aspectos da masturbação que as revistas das bancas deixam de mencionar, mesmo que esta discussão seja um pouco prematura. Como o próximo capítulo irá explicar, a estimulação genital intensa provoca alterações neuroquímicas que provocam o vício. Assim, apesar do prazer inicial fornecer um clímax rápido, é o estímulo do vício que deixa o sentimento privado em outro nível. Podemos rapidamente nos tornar viciados em masturbação e concluir que o orgasmo é o ponto desejado de todo viciado em estimulação física. Depois da masturbação temos uma rápida sensação de bem-estar, porém, logo em seguida temos outras sensações negativas tais como desânimo, sentimentos dolorosos de inferioridade, obstinação, desconfiança, cinismo, exaustão, apatia, insônia e assim por diante. Poucos de nós conectamos estes sentimentos com os orgasmos frequentes. Mas na verdade, podemos estar certos de que a masturbação não teve efeitos nocivos sobre nós. No entanto, até que sejamos livres de qualquer vício, não podemos avaliar com precisão os seus efeitos.

Quando eu fui para uma universidade distante comecei me masturbando cerca de quatro vezes por dia. Meu nível de paranoia cresceu visivelmente. Certo dia alguém me disse, "Bom dia, Scott," Me lembro de ter perguntado "O que ele realmente quer dizer com isso?" Então eu comecei a usar muitas drogas e desistir da faculdade depois de meu primeiro ano. – Scott

Dois dos meus amigos que eram viciados em masturbação foram pesquisados para achar a causa de uma depressão inexplicável. A depressão fornece um terreno fértil para outros vícios, como maconha e álcool. Então, como eu alegremente dizia às pessoas: "Nunca se sinta mal por se masturbar”. “Ele vai fazer você se sentir mal o suficiente.” E vai fazê-lo ou não se sentir culpado por isso. O sentimento de culpa é apenas uma versão da ressaca pós-orgasmo. Pode muito bem ter outra forma... Como uma certeza de que você está sendo tratado injustamente pelo seu desejo, para as substâncias insalubres, ou sentindo-se incapaz de lidar.

Combinar o conhecimento sobre essa ressaca com um novo otimismo sobre a relação íntima vai fazer você achar relativamente fácil abandonar quaisquer outras tentativas de autossuficiência e passar propositadamente para a união.

O orgasmo é orgasmo
Para ter certeza que a idade biológica é um adversário formidável. Frustrado pela alienação desconcertante entre os sexos, muitos de nós têm tomado o assunto em nossas mãos. Como você poderia esperar, a masturbação acabou por ser outro dos principais pontos cegos, mas vamos começar essa parte da história, como eu fiz, a partir de um ponto de vantagem moderno. Se você ainda não conferiu as revistas nas bancas de jornal por um tempo, você pode ter perdido o fato de que a masturbação é atualmente apontada como uma doença psicológica, especialmente para as mulheres (a verdade clitorial: O mundo secreto na ponta dos dedos e do sexo para um: a alegria da autoestima), mas também como terapia para casais. Mesmo os católicos que serão os últimos a abandonar a noção absurda de que a masturbação é pecado, então o velho e bom sexo solitário parece ser a solução óbvia... para todas as pessoas. Por exemplo, é uma opção pronta quando sua ressaca pós-orgásmica te faz ter a percepção de que seu atual parceiro seja sexualmente desinteressante. Ele também permite que você descubra como ter os orgasmos mais explosivos possíveis. Te permite demonstrar para seu amante atleta de que ele pode ser substituído e colocar ele para baixo. Para muitos de nós é uma certeza de que vamos tranquilizar nosso fogo. E, claro, é uma forma de aliviar a frustração sexual debaixo dos lençóis. Infelizmente todas essas racionalizações podem levar você longe do gol de uma harmonia feliz com outra pessoa.

Quanto mais você correr atrás da gratificação genital explosiva, mais perto da erupção o vulcão da separação vai ficar entre vocês. E, talvez o mais surpreendente de tudo, quanto mais você se masturbar, mais você diminui o seu poder de atrair um parceiro que está conectando com você em algo que seja mais do que apenas sexo. Em suma, se você é empurrado pra fora de um avião ou optar por pular, você vai precisar de fazer uma aterrissagem difícil. Assim, a masturbação regular não é o meio ideal de uso da energia sexual. Isto, naturalmente, não significa que você deve ter medo de tocar em seus órgãos genitais, descobrir onde estão as coisas, ou ter vergonha do que eles são capazes de fazer. Mas continuando a pesquisa e viagens saiba que o gatilho é de quaisquer benefícios se você quiser usar o sexo para se curar. Para explorar todo o seu potencial, você terá que mover o seu foco principal de seus órgãos genitais para o seu coração, então porque não começar? A solução definitiva para a frustração sexual é regular, trocas nutritivas com um amante, e, se você está sem um parceiro, há sugestões para o interino mais adiante neste capítulo.

Como aumentar o seu magnetismo sexual
Como diz o ditado, semelhante atrai semelhante. Então, se você quiser atrair um relacionamento com um potencial de intercâmbio equilibrado (em oposição a uma inclinação de amigos na super estimulação mútua), alcançar e tocar alguém. Quando parar de se masturbar, o nosso magnetismo sexual aumenta. Alguns dos homens mais sedutores das Índias Ocidentais se orgulham de usar seu sexo appel para chamar as mulheres para eles. Eles são bem sucedidos, em parte porque a masturbação não faz muito parte de sua cultura. Então, se você é macho da fêmea, não tenha medo de recarregar a sua bateria. Irá aumentar o seu carisma. Você vai fazer mais um esforço para se conectar com os outros, e quanto mais você fizer, melhor você vai se sentir.

A masturbação é um sintoma de sentido recorrente e privação da humanidade. Como um amigo explicou: "Outros estão recebendo prazer que eu não tenho, então eu vou cuidar de mim." Infelizmente, o sentido atendente de isolamento emocional muitas vezes cria um ciclo de autoperpetuar. O mal-estar que acontece após o orgasmo pode fazer a gente se esconder em nossas cavernas - até mesmo se pensarmos que realmente queremos um parceiro. Como um amigo alemão (que se masturbava muito frequentemente) colocou: Obrigado por seu conselho, mas eu não posso correr atrás de uma mulher fora da minha toca como um coelho. Eu sou bem cauteloso em relação aos meus pensamentos em mulheres de qualquer jeito. Por que eu deveria desistir da privacidade acolhedora do meu apartamento por uma mulher exuberante? - Kai

Seu apartamento era apertado e dominado por seu computador com as suas várias assinaturas de sites pornográficos. Uma tumba proporciona refúgio, mas tem suas limitações. A linha inferior? Quanto mais recuar em nosso próprio mundo privado de autogratificação e auto piedade, o menos provável estamos de atrair um amante. A união com outra pessoa oferece o potencial para satisfação do que a gestão de nossa energia sexual sozinha não pode oferecer. Num nível mais profundo, todos sabemos disso. Caso contrário, fazê-lo você mesmo não faria com que você estivesse lendo um livro sobre relacionamentos. Nossas necessidade seriam atendidas. Um homem com quem falei tinha colocado todos juntos: "Eu sei que quando eu tiver a necessidade incontrolável de me masturbar, é porque eu deixei passar a oportunidade de me conectar profundamente com alguém." Como veremos em um capítulo posterior, pesquisas médicas já confirmaram que o toque carinhoso de outra pessoa realmente diminui os hormônios do estresse que bombam dentro de nosso corpo quando, por exemplo, almoçamos enquanto estamos irritados, notícias ruins. Então, se você tem sido um masturbador por um tempo, declare um

intervalo, e depois tente um dueto. Enquanto isso, encontre um massagista. Uma pausa na ação pode ter suas próprias recompensas. Quando visitei Findhorn, uma comunidade espiritual, na Escócia, os visitantes retornaram reclamando que os sentimentos espirituais que eles tinham experimentado durante os workshops anteriores ria desaparecer depois que chegasse em casa. Uma criança de nove anos, Scot, me ajudou a ver que parte da magia de Findhorn foi provavelmente a abstinência não-usual dos visitantes. Como meu amigo disse, ele sofria de "encontrar-tesão", enquanto ele estava lá porque ele teve que dividir um quarto durante uma semana com outro homem a quem ele nunca conheceu. E ele estava ocupado com atividades melosas de grupo a cada dia. A combinação levou a masturbação fora de cogitação para a semana do workshop. E ele se sentia maravilhoso até logo depois que ele chegou em casa, quando as depressões e falta de foco misteriosamente retornaram. Minha abstinência continua (mesmo sem perdas seminais noturnas, o que me surpreende). Agora o que eu sinto falta, mais do que sexo selvagem, é de momentos de ternura com uma mulher. Mas a ternura e a intimidade não viciam, enquanto o orgasmo sim. E você não quer ser proposta apenas com ninguém, porque você precisa de uma pessoa que realmente se sinta bem. Então, agora, após algumas semanas sem me masturbar, eu me sinto curado. Pela primeira vez na minha vida, eu posso esperar. Isso explica o que aconteceu na festa da noite passada? Duas mulheres insistiram em me dar seus números de telefone! Antes, eu sempre tinha que fazer a pergunta.

Enquanto isso o que eu faço?

Se você deseja atrair um parceiro para tenta resta nova abordagem, você precisa da carga magnética que você perderia na masturbação. Assim, por um mês, pelo menos, você deve ver a masturbação como algo que você tem que parar a fim de aumentar seu magnetismo pessoal. Enquanto isso, o que você faz se você estiver cheio de energia vital, ter encontrado um parceiro em potencial e ainda não pode aconchegar-se com ele ou não conseguir dormir? Aqui estão algumas técnicas que alguns consideraram úteis, mas tenha em mente que eles são auxílios temporários e não pode verdadeiramente substituir a união: - Fazer alguma atividade que envolve movimentos como artes marciais, dança, yoga, tai chi, ou alguma outra prática disciplinada. - Conscientemente deve circular sua energia sexual sempre que se sentir desconfortavelmente despertado. Feche os olhos, aperte os músculos em torno de seu períneo, e atrair a energia até a sua coluna para o topo da sua cabeça. Então, imagine desenhando-o na frente de seu corpo e armazenando-o em seu umbigo. (alguns especialistas recomendam inalar como você tirar a energia na sua espinha e exalar como você tirar a energia na frente de você). Outros recomendam inalar como você desenha-lo através do seu coração, a apertar os músculos em torno de seu períneo e expirando como a energia sobe sua espinha. Descubra o que funciona melhor para você.) - Fazer algum trabalho espiritual para abrir o seu coração e curar quaisquer ressentimentos remanescentes. - Troca de atenção amorosa com o sexo oposto, mesmo antes de seu próximo parceiro aparecer. Comece dando. Convide um amigo do sexo oposto para fazer um passeio. Dê uma massagem nos pés, sem amarras. Abrace muito. Faça um favor a um amigo não solicitado. Tais ações não só garantem que as coisas boas voltam para você, mas também te dão algo produtivo para fazer com a sua energia sexual reprimida. À medida que flui para fora em serviço genuíno você vai perceber que as suas tensões são aliviadas enquanto seu coração permanece aberto.

Se você não consegue parar completamente de ter orgasmos, não desanime... encontre um parceiro. Exceto quando já se está em um relacionamento, e o parceiro nunca tentou te masturbar (e a depressão era um problema constante). Outros amigos homens relatam que, se não aliviarem-se, eles tendem a trabalhar em exaustão. Quando eu era celibatário por longos períodos de tempo, eu meio que correram para baixo. Eu tendia a ficar resfriado, me sentia mais ansioso, menos desejo de realização e, eventualmente, ter orgasmos durante o sonho. Mesmo uma prática espiritual rigorosa não é garantia de sucesso de abstinência. Um dos meus amigos fez a meditação transcendental há anos e foi também sem um parceiro. Ele notou que a sua prática levaria para estados mais elevados e maior de felicidade. Depois de algumas semanas, no entanto, a sua energia sexual ia começar a fazê-lo sentir como se estivesse ficando louco. Assim, ele se masturbava e se sentia melhor por cerca de uma semana. Uma vez que ele ouviu que os resíduos radioativos de plástico estavam sendo eliminados e botou na cabeça de que seu travesseiro de espuma de borracha ia causar câncer. Ele ficou acordado por noites. Nenhuma lógica seria consolá-lo. Ele viveu um pesadelo. Após uma semana de angústia como este, ele começava a rir de tudo que ele tinha medo. Então ele iria se sentir melhor e melhor até o próximo ciclo. Durante anos, ele tem evitado a única cura: a união. Ele se sente muito frágil, muito trancado em seu mundo privado da meditação e da masturbação, para entrar em um relacionamento. É fácil concluir que ele tem outros problemas, mas tenho visto melhorias radicais nos níveis de paranoia, de confiança e de autoestima em amigos que cortaram este hábito aparentemente inofensivo. Então, por que não experimenta com o aumento da sua força de vontade? Se você tem um orgasmo, quanto tempo é que até que você tenha seu próximo orgasmo durante o sonho? Você pode usar esse intervalo como a base de uma agenda. Alguns taoístas propuseram horários de ejaculação para os homens que variam

de acordo com idade e estação do ano. E um artigo, Edgar Cayce recomenda um hiato de seis a oito semanas. Em todo caso, aqui é uma "regra da mão." Acessível se o sinal abaixo parece confuso para você, ele aumenta intervalos entre auto rituais de prazer. Afinal, o que você tem a perder por mudar seus hábitos por um tempo e ver como você se sente? Como um amigo disse: "Não custa nada, e na pior das hipóteses eu passaria por alguns poucos orgasmos genitais." Se você se decidir cortar, se torna mais fácil para si mesmo - evite ter pensamentos sexuais excitantes, pare de despir mentalmente os outros, e se livre do seu vibrador. Resolutamente oriento se livrar claro de toda a pornografia e filmes com sexo pesado que você tem. Tais passatempos são poderosos gatilhos e criam desejos para você se masturbar até chegar ao orgasmo. E quando você faz chegar perto de um parceiro, não suponha que você terá mais controle se você se masturbar em primeiro lugar. Masturbação desestabiliza-lo e reduz suas vistas. Tente a abordagem lenta e sem esforço recomendado no Capítulo 12. Agora que você tem alguma experiência em os perigos insuspeitos da forma como atualmente lidar com a nossa frustração sexual inata, vamos olhar novamente para as circunstâncias da humanidade do ponto de vista da biologia evolutiva.

Resumo
* A ressaca causada pelo orgasmo está mais presente no ato da masturbação do que no relacionamento sexual * Apesar de seu retorno em curto prazo, o orgasmo pode agravar a carência, reações emocionais exageradas fazendo se distanciar dos bons comportamentos. * A Masturbação pode aumentar os sentimentos de inferioridade, malestar, ou irritabilidade, promovendo o isolamento social e o vício.

* Evitar a masturbação aumenta o magnetismo sexual e diminui a depressão.

Conversando com a autora Marnia sobre o livro Paz entre os lençóis:
NOTA: Também visite esta página se você tiver perguntas sobre a prática da relação sexual controlada.

Do que se trata o livro “Paz entre os lençóis?

É uma explicação clara e precisa de por que os relacionamentos que começam com tanto potencial muitas vezes acabam em sentimentos falhos na comunicação, frustração e dor. Paz entre os lençóis oferece uma solução: fazer amor de forma diferente.

O que quer dizer "fazer amor de forma diferente?"
A solução que proponho existe em torno de milhares de anos, pelo menos desde o tempo dos antigos taoístas chineses. Basicamente, é a chave para evitar o excesso de estimulação do centro de prazer / recompensa do cérebro primitivo - o que significa evitar o “pico” da fertilização / orgasmo em favor de uma abordagem mais relaxada para o ato sexual. O orgasmo convencional desencadeia um ciclo escondido de estimulação e recuperação mais estressante (a "ressaca") em nossos relacionamentos. Presenciamos esta ressaca imediatamente em uma noite, mas em relacionamentos amorosos ela tende a ocorrer ao longo do tempo, que eu chamo de efeito "chuva ácida". A centelha queima de um relacionamento, deixando uma concha vazia e geralmente muitos ressentimentos. Acredito que isso explica por que "os casamentos sem sexo são uma epidemia", segundo o Dr. Phil Oprah.

Você está dizendo que há um problema com o sexo?
Sim, se o relacionamento harmonioso é o seu objetivo, você não pode simplesmente "fazer o que vem naturalmente" no quarto. Olhe para o louvadeus. A fêmea pica a cabeça do macho quando se acasalam. Isso é totalmente normal, e cumpre o objetivo da biologia de garantir que ele entregue o seu esperma, mas faz para relações muito curtas. Biologia tem dois objetivos básicos para os nossos relacionamentos: gestações (mais genes transmitidos) e parceiros de mudança (mais variedade genética). Nos relacionamentos isso se traduz em "amor quente" seguido de "ressaca", que leva à separação. (Pamela Anderson e Tommy Lee, Billy Bob e Angelina). A biologia não dá a mínima sobre o companheirismo, a harmonia ou a fidelidade. Por isso, põe o stress sobre os nossos relacionamentos apenas para cumprir suas metas. E tudo está acontecendo em nossos cérebros, e não em nossos órgãos genitais. E é isto aí que precisamos reprogramar.

O que exatamente seu programa propõe?
Ele tem dois elementos. Primeiro, há um período de transição com muito carinho físico, mas sem relações sexuais. Em segundo lugar, os amantes reprogramam suas respostas para a excitação sexual usando a relação sexual, deliberadamente planejada - biologia para não pegar as rédeas novamente. Paz entre os lençóis inclui três semanas de atividades para os casais fazerem juntos, como eles reprogramarem. A ênfase está em altruísmo - que tem poderosas recompensas. Por exemplo, a prestação de cuidados dos pais de primatas em cada uma das espécies mais tempo ao vivo, seja homem ou mulher. Cultivar mais benefícios do doador. Dê uma olhada em "Depoimentos", para ver como isto pode satisfazer ambos os parceiros.

Como pode evitar o orgasmo pode curar?
É realmente evitar o ciclo de altos e baixos que cura. Ressacas sexuais levam a:
• • • • • •

medo de se aproximar, irritabilidade, exaustão, naggy / necessitados comportamento, desejo sexual insaciável (enquanto parceiro sente devorado, utilizado ausência de resposta sexual (enquanto o parceiro se sente frustrado,

egoisticamente como uma "correção"), e mal amada e, muitas vezes, infiel)

Essas ressacas são estressantes. Nos deixam na defensiva, tristes, doentes - e nos afastam uns dos outros em algum nível. Ao evitar essas ressacas evitando o orgasmo durante a masturbação e relacionamentos sexuais podemos conseguir:
• • • • • • •

relacionamentos sólidos / apoio, imunidade melhorada à doença, diminuição de dependência / pode cair vícios, menos drama (maior harmonia), proximidade alegre, otimismo, sentido de que "tudo está bem com o mundo", e atração mútua de confiança - não apenas com base em uma

dependência física

Como você suprime o orgasmo?
Você não suprime o orgasmo. Você ponta dos pés em torno dele, como você gradualmente estabelece uma nova resposta neural para a excitação sexual. Se você está tendo de "suprimir", você está indo muito perto da borda.

Por que alguém iria querer aprender isso?
Para preservar e aprofundar as relações. Podemos optar por proteger as nossas relações em vez de deixar a biologia evolutiva nos seduzir em trazer o pior no outro - e, em seguida, dividir ... ou estagnação na miséria. Para obter os benefícios de saúde - 70 milhões de americanos sofrem de Síndrome X, que é devido ao stress. Intimidade saudável é provado ser uma das melhores proteções contra a doença e morte prematura. (É um fator mais importante do que o exercício, dieta melhorada, constituição genética, medicamentos, cirurgia ou parar de fumar, de acordo com Dean Ornish, MD).

Este livro é para todos?
Ele foi projetado para quem está cansado do caos nos relacionamento. E com certeza muitos de nós passamos por isto. Por exemplo, o Census Bureau previu em 2002 que um em cada dois casamentos que acontecem atualmente vai acabar em divórcio. Na verdade, a taxa de divórcio quadruplicou em apenas 40 anos, e agora o percentual de pessoas que nunca se casam está aumentando drasticamente. Descontraído costumes sociais / religiosas, combinado com o que temos acreditado era um foco saudável no sexo quente, são responsáveis por esta tendência - dado o nosso projeto biológico.

Casais mais felizes também pode usar as idéias do livro para explorar o potencial oculto em sua relação com:
• • • • • •

curar o outro dos efeitos do stress, ajudar a superar os vícios, diminuir brigas, aumentar os risos, ganhar energia, melhorar a imunidade, longevidade e aumentar a consciência espiritual.

Você está competindo contra os livros que insistem "quanto mais, melhor" quando se trata de orgasmo.
A biologia tem nos deixado profundamente hipnotizado. Nós somos como bêbados que esperam que, se ficar bêbado, podemos evitar a dor de nossas ressacas. Mas nossos corpos realmente preferem o equilíbrio exuberante - não elevações intensas e baixas. Eventualmente, durante a estimulação nos alcança - daí as estatísticas sobre casamento agora que há menos estigma social ligado ao divórcio. Dopamina demais (a neuroquímica atrás da excitação sexual e de todos os vícios), eventualmente, leva à parada programada ou doença. Esquizofrenia, fetiches sexuais, vício sexual, e dano do nervo em usuários de cocaína, estão todos ligados a altos níveis de dopamina. Demasiada de uma coisa boa não é necessariamente melhor.

O que você espera alcançar ao escrever este livro?
• • • •

Restaurar o otimismo das pessoas sobre relacionamentos íntimos Capacitá-los a se recuperar de vícios, depressão crônica e outras Mostre-lhes como a redescobrir, ou preservar a harmonia alegre e Ajude-os a perdoar os amantes do passado, e ressentimentos de

doenças relacionadas ao estresse. atração mútua de seus romances iniciais lançamento. O problema não é nós, é a nossa programação biológica - e há uma maneira em torno dela

O que o levou a escrever este livro?
Um relacionamento especialmente maravilhoso que se transformou em algo estranho logo após que o sexo entrou em cena - o tempo todo. Eu sabia por experiência que isso não era incomum. E que as soluções do costume: uma

melhor comunicação, mais paixão, negociar, ou apenas tentando ignorar o problema, não estavam funcionando. Quanto mais eu aprendia sobre as tradições antigas que ligavam esta muito "atração / afastar" dinâmica ao orgasmo convencional, e quanto mais eu aprendia sobre a neuroquímica do cérebro, o mais óbvio o problema – e a solução - se tornou. Aqueles antigos eram mais espertos do que os sexólogos modernos. Além disso, meu marido e eu ter experimentado a cura notável com esta abordagem. Para mim não infecção do trato urinário mais ou infecção por fungos. Para ele, o alcoolismo não mais ou depressão. E nós gostamos de aprender.

Como se pode evitar o orgasmo aumentar a consciência espiritual?
O orgasmo promove o comportamento viciante, o medo que não vai conseguir o que achamos que precisamos - e, portanto, o egoísmo. Nós nos comportamos como estupidamente como o ex-presidente Clinton. E então voltamos o que temos dado para fora. O progresso espiritual é dependente de altruísmo, "Faça aos outros o que gostaria que fizessem a você". Como você recuperar e reforçar o seu equilíbrio interior com esta prática você vai se sentir com uma sensação natural de abundância e coragem. É mais fácil e mais fácil de tomar decisões em todas as áreas de sua vida. O bom karma que você ganha também volta para você. Finalmente, calma interior permite alinhar mais facilmente com a vontade divina e sua vida flui de forma mais suave.

Link do Livro Original no Google Books
http://books.google.com.br/books? id=FC2ytqCLvlAC&printsec=frontcover&dq=peace+between+sheets&hl=ptBR&sa=X&ei=4Uc9T-jFIMrUgAepyJmmCA&ved=0CDIQ6AEwAA#v=onepage&q=peace %20between%20sheets&f=false