You are on page 1of 4

~!

n~~~
~ r~ v<~;;,:<tJO( Qn P~~h.n.l;D }) rpW

CCDRn ,~::;;1 U ~
COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E
-----
DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO NORTE __ •__ .•.•.•
,
P_.;~~_ -.;:."W_.........-- __
.• ~_·__ ·

Exm" Senhor
Presidente da Câmara Municipal da
Póvoa de Varzim
Praça do Almada
4490-438 PÓVOA DE VARZIM

Sua referência Sua comunicação Nossa referência


DSOT/DSIRT
14.05.08
or n° 4761 ID 461522

AssuntolSubject Plano de Pormenor da Zona E54 do Plano de Urbanização da Póvoa de Varzim (PUPV).
Relatório dos Factores Críticos para a Decisão (FCD) - Âmbito da Avaliação Ambiental
Estratégica

Em resposta ao pedido formulado no ofício supra mencionado de 2008.04.1 I, pela Câmara Municipal da
Póvoa de Varzim, serve o presente para comunicar o parecer desta CCDR sobre o enquadramento do
Plano de Pormenor em referência, nos critérios de qualificação para efeitos de Avaliação Ambienta!.

O documento aqui em análise "Relatório dos Factores Críticos para a Decisão (FCD) - Âmbito da Avaliação
Ambiental Estratégica", afigura-se como um estudo bem elaborado, coerente e sistemático, de acordo
com a metodologia adoptada (Guia de Boas Práticas para Avaliação Ambiental Estratégica - Orientações
Metodológicas), face ao avançado grau de desenvolvimento da proposta de PP e à escala de trabalho,
constituindo uma base razoável para desenvolvimento futuro do relatório ambienta!.

Não obstante, e tendo em consideração que esta é uma fase fundamental da AA em questão,
permitimo-nos as seguintes sugestões:

I. No âmbito da AA associada ao PPE54, foram definidos, entre outros, os objectivos:

-sugerir um programa de gestão e monitorização estratégica

MINISTÉRIO DO AMBIENTE.
DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E
DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

RUA RAINHA D. ESTEFÂNIA. 251 ·4150-304 PORTO· WWW.CCDR-N.PT


TEL.: 226 086 300 . FAX: 226 086 301 . E-MAIL: GERAL@CCDR-N.PT
CCDRn
COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E
DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO NORTE

..(:.
Em sua substituição, parece mais correcta a utilização do conceito "valid5çãõ everi{tcàçaO do -desempenho
daAA"

-promover decisões integradoras, articulando [actores de ordem técnica e valores politico-culturais

Não se compreende o significado e o contexto do termo "político", no conceito "valores politico-culturais"

2. Ao analisar-se a escolha do@ssociados a cada um dos instrumentos identificados no 0~


podemos discutir que poderiam ser outros e não apenas, os seleccionados no âmbito deste estudo.
Senão vejamos:

Para o vector "qualificação da paisagem urbana" os FA "solo", "bens materiais" ou a "inter-relação património
cultural/paisagem"

Para o vector "valorização do espaço público" os FA "solo", "bens materiais", "património cultural" ou
"população"

Para o vector "defesa da orla costeira" os FA "biodiversidade", "população" ou "[actores climáticos"

Neste sentido. entende-se que as razões que orientaram e/ou condicionaram a opção tomada deveriam
estar explicitadas e integradas no respectivo contexto. permitindo a sua melhor compreensão.

3. Pode-se igualmente questionar. por omissão de justificação no documento, o uso do conceito


"Vectores Estratégicos e de Sustentabilidade" versus conceito "Factores Críticos de Decisão".
aparentemente de significado paralelo ou análogo e, por isso, ambíguo.

4. Da informação constante no relatório FCD, resulta pouco clara a justificação das opções tomadas,
nomeadamente em relação aos Factores Críticos (FC) identificados. principalmente no que se refere ao
FC "Orla Costeira", já que os objectivos estratégicos do Plano enumerados se reportam essencialmente
ao "miolo" da área do plano (edificado, equipamentos, sistema de praças, unidade ho eLeiJ:a.-tr:á(e-,gQ.
estacionamento, infra-estruturas, ... ), constatando-se que. ao longo do texto, não surge explícito e
---- ..
fundamentado o enquadramento das intervenções face ao objectivo de recomposição de imagem de
excelência da frente marítima e respectivas interacções com a orla costeira.

Neste sentido, considera-se que esta vertente d~eria ser devidamente tratada em sede de Relat~rio
Ambiental (RA). de modo a que se consiga perceber og~e_ motivou as opções efe~~.u~devendo as
",,"--, ------- '- -
mesmas serem adequadamente acompanhadas da respectiva avaliação e seguimento.

MINISTÉRIO DO AMBIENTE,
DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E
DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

RUA RAINHA D. ESTEFÂNIA, 251 ·4150-304 PORTO· WWW.CCDR-N.PT


TEL.: 226 086 300 . FAX: 226 086 301 . E-MAIL: GERAL@CCDR-N.PT
CCDRn
COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E
~
~ r--- ~-~."~""
-_. __._-~
DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO NORTE

r ~---~~._----~._~~
f ;~2 ::7::::./CS/CJ1PI)

5. No que se refere à figura I I, e tendo em consideração os objJetivos-2~:~a~;~?~s, ..documentos


constituintes do QRE, bem como as questões estratégicas identificadas, entende-se que:

-estando em análise a viabilidade de instalação de uma unidade hoteleira e sendo identificados como
Indicadores de avaliação a "Tip%gia de oferta turística" e a "Quantidade da oferta turística", o "Turismo"
deveria ser constituído como Critério;

-sendo a "Mobilidade/Acessibilidade" um Critério, e determinante na implementação do PP, como


Indicadores de Avaliação, deveriam igualmente surgir indicadores relacionados com a articulação da rede
viária e com o estacionamento.

6. No que se refere aos indicadores de avaliação, considera-se que na sua definição se deverá atentar à
sua mensurabilidade e representatividade, de modo a permitir aferir do cumprimento ou não dos
objectivos de sustentabilidade. A disponibilidade e acesso à informação também deverão ser tidos em
consideração.

7. Este estudo é omisso na definição de uma estratégia de comunicação, que devera estar presente em
todas as fases do processo de AA, ou seja, na identificação de um quadro de envolvimento de entidades
e/ou autoridades competentes, com responsabilidades nestas matérias e, ainda, de agentes relevantes,
r interessados e participativos.
t
1
Nesta fase, além do estabelecimento da estratégia de comunicação referida, as entidades deverão
t pronunciar-se sobre definição dos FCD que estabelecem o alcance da AA, bem como do seu nível de
pormenorização a realizar através dos respectivos critérios de avaliação e indicadores, para posterior
análise e avaliação (fase seguinte).

Entende-se assim que, no capítulo 5. Envolvimento Público e Institucional, deveria constar uma indicação
explícita às fases de consulta pública e institucional a que as peças em avaliação irão ser submetidas.

7. Por último, sugere-se a rectificação de dois lapsos:

-no "índice Geral" - ponto 5.2., onde se lê "Durante o Processo de Revisão do Plano", dever-se-á ler "Durante
o Processo de Elaboração do Plano", de acordo com o título inscrito na pág. 21;

-na pág. 17, "Figura 9 - Diagnóstico Preliminar", onde refere os Factores Ambientais, associados ao
PROT/PU, para o Vector Estratégico e de Sustentabilidade "Qualificação da Paisagem Urbana", o FA
Património Cultural, aparece separado do Património Arquitectónico, apresentado como um FA

MINISTERIO DO AMBIENTE.
DO ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO E
DO DESENVOLVIMENTO REGIONAL

RUA RAINHA D. ESTEFÂNIA. 251 ·4150-304 PORTO· WWW.CCDR-N.PT


TEL.: 226 086 300 . FAX: 226 086 30 I . E-MAIL: GERAL@CCDR-N.PT
CCDRn
COMISSÃO DE COORDENAÇÃO E
DESENVOLVIMENTO REGIONAL DO NORTE

autónomo. De acordo com a alínea e), do n" I, do art? 6°, do DL n° 23212007, de 15 de Junho, o FA
Património Cultural, inclui o Património Arquitectónico e Arqueológico, constituindo um único Factor
Ambiental "Património Cultural".

Mais se informa que o presente parecer inclui a posição da entidade responsável pela futura
Administração de Região Hidrográfica, ainda integrada na estrutura da CCDR-N.

Com os melhores cumprimentos.

CNP!'}
~--_._-_._----j
~ :t2.s (e/GS/Cl1P~')

o:r
L__ 23-05-:2008
.. .....J
des iços de Ordenamento do Território

Célia Ramos

MMC/MAC

8•
" MINISTERIO DO AMBIENTE.
DO ORDENAMENTO
DO DESENVOLVIMENTO
DO TERRlTÓRlO
REGIONAL
E

RUA RAINHA D. ESTEFÂNIA, 251 ·4150-304 PORTO· WWW.CCDR-N.PT


TEL.: 226 086 300 . FAX: 226 086 30 I . E-MAIL: GERAL@CCDR-N.PT

Related Interests