P. 1
Idade Contemporânea

Idade Contemporânea

|Views: 2|Likes:
Published by Anne Oliveira

More info:

Published by: Anne Oliveira on Jul 24, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PPTX, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

07/24/2013

pdf

text

original

Profª Fernanda Liene

Introdução
 A Idade Contemporânea, período que compreende o final

do Século XVIII até a atualidade.  As descobertas nos diversos campos da ciência, principalmente na área da saúde, foram decisivas para melhorar as condições de vida da população.  Os dogmas religiosos foram substituídos pelos ideiais de igualdade perante a lei e o governo.  O diagnóstico médico deixou de ser sustentado por uma prática médico-religiosa para se assentar em resultados pautados no conhecimento científico.

Político e Econômico Mundial  Revolução Industrial.  Revolução Francesa.  Princípios Iluministas.  Independência dos Estados Unidos.  O trabalho livre passa a ser visto como forma ideal para os homens. .Contexto Social.

 O contorno da cidade vislumbrava centros comerciais e industriais associados à miséria e ao crime. no saneamento e até mesmo no processo de adoecer das pessoas. . Político e Econômico Mundial  Essas revoluções não repercutiram apenas no modo de produção. havendo a necessidade de conter as epidemias nos bairros pobres e evitar violentas manifestações populares. necessitadas de assistência.  Os trabalhadores urbanos formavam uma multidão de pessoas pobres.Contexto Social. mas também na vida social. refletindo na forma de organização das cidades.

Contexto Social. Político e Econômico Mundial Êxodo Rural A falta de saneamento nas cidades Miséria Alteraram o perfil de adoecimento da população Péssimas condições de trabalho .

 A prática da Medicina era pouco prestigiada (não havia diferença entre o conhecimento médico e leigo). leva à intervenção do Estado nas fábricas. criando a profissão médica.  Surgem as primeiras leis que abordam a saúde do trabalhador. . foi decretada a lei que reorganizava e garantia a prática da  O trabalho em saúde tornou-se integrante do setor terciário.Saúde na Idade Contemporânea  A preocupação com a força de trabalho. em função das perdas econômicas. medicina.  Em 1892. O valor do serviço médico era muito baixo.

praga. de cuidados de enfermagem e de serviço social → Criação de hospícios. meningite.Saúde na Idade Contemporânea  Nessa época. malária e sepse pós-parto.  Philippe Pinel (1745-1826) defendeu a aceitação dos doentes mentais como pessoas necessitadas de assistência médica.  A palavra hospital era usada como sinônimo de albergue / hospedaria que tinha a função de abrigar pobres e doentes. cólera. sífilis. difteria. as doenças infectocontagiosas dominavam e eram mais comuns: tuberculose. .

Saúde na Idade Contemporânea  Na área materno-infantil altos índices de mortalidade materno-infantil.  Os estudos de obstetrícia foram incorporados à medicina e surgiram as primeiras maternidades .

 A corte veio acompanhada de 24 mil pessoas de todos os níveis.Contexto Social.  O RJ tinha poucos habitantes e poucos atrativos comerciais e de lazer. tornou o RJ a sede do governo (por ter os principais portos exportadores de açúcar. sendo que os melhores cargos ocupados pelo novo governo eram sempre dos portugueses. . Econômico e Político Brasileiro  Nas primeiras décadas do século XIX. o Brasil conservava ainda o aspecto colonial e precárias condições sanitárias. algodão e fumo).  A fuga da corte portuguesa para o Brasil em 1808.

Econômico e Político Brasileiro  Criação do Banco do Brasil em 1808.Contexto Social. .  Criação do Ministério da Guerra e de Assuntos Estrangeiros.  Criação do Tribunal da Real Junta de Comércio.  Criação da Biblioteca Nacional e do Jardim Botânico. Agricultura e Fábricas e Navegação do Estado do Brasil.  Abertura de escolas de primeiras letras e de ensino de artes e de ofícios.

.  Características da colônia essencialmente agrárias → desenvolvimento do latinfúndio e do trabalho escravo ou semiservil.Contexto Social.  O número de habitantes dobrou passando de 50 para 100 mil pessoas.  Veio a público o primeiro jornal (1808) editado na colônia. Econômico e Político Brasileiro  Melhorou o acesso aos livros → circulação das ideias.

 Em 1844 iniciou-se a construção da estrada de ferro Dom Pedro II (futura Central do Brasil).  Em 1854 começou a funcionar a primeira estrada de ferro brasileira de Mauá a Fragoso. garantindo as colheitas. . Econômico e Político Brasileiro  Em 1852 apareceu o telégrafo.  De 1830-1880.Contexto Social. Para isso era necessário manter a saúde da população. o café torna-se o principal produto de exportação para a Europa. a fim de que pudesse curar-se e voltar para o trabalho agrícola.

o Império do Brasil entra em crise (Guerra do Paraguai e campanha abolicionista).  No final do Século XIX.Contexto Social. o Brasil se aproximava do Primeiro Mundo. Econômico e Político Brasileiro  Na segunda metade do Século XIX. no qual a escravidão já era vista como um fator impeditivo do capitalismo e das relações de produção. .

barcos estrangeiros ou de outras províncias. . dessa comitiva faziam parte os médicos José Corrêa Picanço e Manoel Vieira da Silva.  Em 1810 foi criado o regimento sanitário – programa preventivo contra doenças infectocontagiosas trazidas por passageiros. guarnições de navios.A organização da saúde no Brasil do Século XIX  A configuração de uma política médica visando à saúde e ao bem-estar da população brasileira tem início com a chegada da corte portuguesa em 1808.

.  O ensino aos alunos do curso era ministrado nas enfermarias da Santa Casa de Misericórdia do Rio de Janeiro. um dos principais interesses do rei. seus corpos serviam para o ensino da anatomia.  A saúde torna-se objeto do poder central.  Os internatos eram na sua maioria indigentes e.Organização de Saúde no Brasil no século XIX  O ensino superior se inicia com a Escola de Anatomia e Cirurgia da Bahia.. em fevereiro de 1808  A criação do ensino cirúrgico foi considerada útil ao restabelecimento da saúde do povo. quando morriam.

 Localização dos hospitais em centros reorganização do seu espaço interno.Organização de Saúde no Brasil no Século XIX  Tornar a nação saudável era primordial para a manutenção das boas relações comerciais com os países europeus e para a ampliação da imigração. urbanos e  Os pacientes psiquiátricos ocupavam enfermarias improvisadas no Hospital Geral da Santa Casa de Misericórdia – péssimas condições .

. mas aos médicos. que levou 11 anos para ficar pronto (posteriormente chamado de Hospício Nacional de Alienados)  Irmãs de Caridade X Médicos  O pessoal da enfermagem não mais estaria subordinado às Irmãs de Caridade. Dom Pedro II autoriza a criação do Hospício de Pedro II.Organização de Saúde no Brasil no século XIX  Em 1841.  O ensino de Enfermagem ainda não estava institucionalizado no Brasil.

.  Com a saída das irmãs de caridade e a falta de mão de obra para assumir a instituição.Organização de Saúde no Brasil no século XIX  Teixeira de Brandão (médico psiquiatra) tem autonomia para negociar a vinda de enfermeiras legais da França para substituir as religiosas no HNA. vislumbrou-se a criação de uma escola para preparar o pessoal da enfermagem. tanto para o HNA como para os demais hospitais civis e militares do RJ.

 O ensino era realizado pelos médicos . é criada a Escola Profissional de Enfermeiros e Enfermeiras (EPEE). ficando oficialmente instituído o ensino da enfermagem no Brasil.subordinação .  Posteriormente esta escola foi denominada Escola de Enfermagem Alfredo Pinto em 1942.Organização de Saúde no Brasil no século XIX  Em 27 de setembro de 1880 através do Decreto de Lei 791.

Organização de Saúde no Brasil no século XIX  Somente com o advento da Escola de Enfermagem Anna Nery já no Sec. XX (modelo nightingaliano). seguindo uma disciplina rígida é que os enfermeiros assumem o ensino da Enfermagem .

passando a ser chamada de Anna Justina Ferreira Néri.O papel da Anna Nery para a Enfermagem Brasileira  Anna Justina Ferreira. . pertencia a uma família de nível social elevado.  Em 1844 ficou viúva (30 anos)  Em 1865 embarcou para os campos de batalha do Paraguai.  Aprendeu enfermagem no Rio Grande do Sul com as irmãs de caridade de São Vicente de Paulo. nasceu em 1814.  Casou-se em 1838 (24 anos) com Isidoro Antonio Néri. em Salvador (BA).

 Recebeu várias homenagens por sua atuação como Enfermeira na Guerra do Paraguai. . ocupada pelo Exército Brasileiro. monta uma Enfermaria modelo com seus próprios recursos oriundos da herança familiar. conferido pelos soldados.  Por seus serviços prestados durante a Guerra recebeu o título de “Mãe dos brasileiros”.O papel da Anna Nery para a Enfermagem Brasileira  Na cidade de Assunção.  Morreu no RJ em 1880.

 Teoria da Evolução de Darwin. além de vacinas e da penicilina.Descobertas Revolucionárias para o campo da Saúde  Descoberta da anestesia e do controle das infecções em ambientes hospitalares. Bactérias  Teoria da genética de Mendel .  Teoria dos micróbios de Pasteur. Noções Esterilização Assepsia Desc.

 Em 1890 o alemão Von Behring descobriu a vacina contra o tétano e a difteria.  Criação do estetoscópio em 1816 (francês Laënnec) .Descobertas Revolucionárias para o campo da Saúde  Em 1854 o médico John Snow provou que o cólera era transmitida pela água contaminada.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->