You are on page 1of 4

H.

BERNARDO LOPES

No caso de se ter Φ(a ) = 0 deverá proceder-se como em ;

 b=sen(nθ) ou b=cos(nθ)

Neste caso, há que ter presente que:

e inθ + e −inθ e inθ − e −inθ
sen(nθ ) = ∧ cos( nθ ) =
2 2

e recorrer, de novo, ao ponto ;

 b é um polinómio de grau m, em n

Neste caso, adopta-se para solução particular:

u p (n) = ( B0 + B1 ∆ +...+ Bm ∆m ) Pm (n)

até que ∆m+1 Pm ( n) = 0;

 b=anPm(n)

Neste caso, toma-se para solução particular de (1):

1
u p ( n) = a n P ( n)
Φ(aE ) m

continuando, depois, nos termos do ponto . E este resultado aplica-
se, mesmo que em b apareça uma outra função que não um polinó-
mio. ♥

Os exemplos que se seguem ilustram o que acaba de expor-se
neste teorema.

EXEMPLO Tome-se a equação:

127
H. BERNARDO LOPES

un + 2 − 5un +1 + 6un = 7 n .
        
(1)

A solução geral da equação homogénea correspondente é:

uh (n; C1 , C2 ) = C1 2 n + C2 3n .

Dado que b=7n, e que Φ( E ) = E 2 − 5E + 6 , tem-se:

Φ(7) = 7 2 − 5 × 7 + 6 = 20 ≠ 0

pelo que uma solução particular de (1) é:

7n
u p ( n) = .
20
Logo, a solução geral de (1) é:

7n
un = C1 2 + C2 3 + . ♥
n n
20

EXEMPLO Seja, desta vez, a equação:

un + 2 − 5un +1 + 6un = 2 n .
        
(1)

Tal como no exemplo anterior, a solução geral da equação homo-
génea correspondente a (1) é:

uh (n; C1 , C2 ) = C1 2 n + C2 3n .

Porém, neste caso, b=2n, e sendo Φ( E ) = E 2 − 5E + 6 , virá:

Φ(2) = 2 2 − 5 × 2 + 6 = 0 .

128
H. BERNARDO LOPES

DEFINIÇÃO
TEOREMA
COROLÁRIO
EXEMPLO
EXERCÍCIO 69
PARTE I
EQUAÇÕES COM DIFERENÇAS FINITAS
CAPÍTULO 10
FUNDAMENTOS MATEMÁTICOS
INTRODUÇÃO

129
H. BERNARDO LOPES

130