You are on page 1of 2

Doenças transmitidas por vetores – Bactérias

Agente etiológico e doença

Estrutu ra Antigên ica e Morfolo gia
Espiroquet as, Gram (-), endoflagelo (periplasm a). Reação cruzada entre as cepas. Lipoproteín as e proteínas de membrana s externa de expressão diferencial.

Patogênese

Manifestações clinicas

Outras

Leptospira interrogans Leptospirose Doença de Weil

Borrelia burgdorferi Borreliose Doença de Lyme

Borrelia recurrentis Febre recorrente

Variação da expressão de lipoproteín as e proteínas de membrana.

A transmissão depende da região geográfica, porém sempre tem que ter o vetor (urina). Incubação de 1 a 2 semanas. Entrada por cortes/ferimentos em pele e mucosa e ingestão(menor importância). Transmissão por picada (indolor) de carrapatos por mais de 24horas ou infecção transplacentária (parto pré-maturo). Incubação de 3 a 32 dias (anos). Dividida em 3 fases: inicial, tardia e crônica. Na fase tardia pode ocorrer alterações cutâneas denominadas acrodermatite crônica atrófica (ACA). Transmissão por picada de carrapatos (epidêmica) ou piolho (endêmica).

Fase 1 : Instalação nos órgãos parenquimatosos(principal- mente fígado e rins). Causa disfunção dos órgãos devido a hemorragia e necrose tecidual podendo apresentar icterícia. Fase 2 : ‘meningite asséptica’- intensa cefaleia, rigidez na nuca e pleocitose do LCR. Pode ter recidiva da nefrite e hepatite, bem como das lesões cutâneas e oculares. Doença de Lyme: crônica, horrenda, que produz fadiga, dor constante, perda de memória, possível paralisia, psicose, cegueira e até morte. Na fase inicial ocorre lesões cutâneas e eritema migratório com sintomas generalizados. Na fase tardia ocorre manifestações neurológicas (meningite “asséptica”, paralisia de Bell – VII par craniano), cardíacas, oftalmicas e articulares (artralgia e artrite). Na fase crônica ocorre quadros crônicos da fase tardia podendo ocorrer doença desmielinizante, neuropatia do nervo óptico, encefalites multifocais, etc. Febre recorrente/intermitente acompanhada de dores de cabeça, corpo e nas articulações, náuseas e calafrios. Incubação de 3 a 10 dias. Recuperação após imunidade (recorrência é diagnostico diferencial). Na infecção do piolho ocorre febre, icterícia, hipertrofia do fígado e do baço, inflamação do coração e IC – icterícia mais comum na recaída. Tifo: Epidêmico transmitido por piolho, com forma sistêmica e prostração graves – 2 semanas de febre (fatal >40 anos). Endêmica transmitida por pulga, forma mais branda e raramente fatal. Febre maculosa brasileira: Transmitida por carrapato estrela. Semelhante ao tifo, com incubação de 2 a 14 dias. Infecção bastante grave: Infecção bastante grave com erupção cutânea centrípeta + febre alta, vômitos, dores musculares e de cabeça, manchas vermelhas pelo corpo, hemorragias, podendo levar a morte. Doença infecciosa aguda moderadamente grave que se manifesta de forma localizada ou em vários órgãos ao mesmo tempo. Ocorre ferida ulcerada (indolor) no local da picada e aumento de volume dos gânglios linfáticos (íngua). Os sintomas são febre alta, mal-estar repentino, calafrios, dores de cabeça e cansaço. Raramente tem tosse, dor de garganta, conjuntivite, vômitos e diarreia. Gastroenterite com incubação de 4-7 dias (multiplicação no íleo) e sintomas de febre, fezes ás vezes sanguinolentas, diarreia, dores abdominais, náuseas e vômitos. Infecções extra-intestinais são septicemia, artralgia, artrite, eritema nodoso, endocardite.

Tratamento com hidratação e antibiótico terapia. Bactérias permanecem na água por semanas. Crianças se infectam normalmente por contato com CÃO, por isso faz-se a VACINAÇÃO do animal. Tratamento com antibiótico via oral (inicial) ou intravenosa (tardia). Evasão dos testes de rotina e podem mimetizar TODA, esclerose múltipla, artrite reumatoide, lúpus e esquizofrenia.

Roedores são os principais reservatórios. Tratamento com antibióticos oral ou intravenosos. Sequelas: problemas cardíacos, renais, nervos, visão e abortos. Parasitas intracelulares obrigatórios. Estrutura similar a Gram (-). Tratamento com antibióticos (Tc), cuidados de saúde para as possíveis complicações.

Rickettsia prowazekii (epidêmica) e R. typhi (epidêmica)

Tifo
Rickettsia rickettsi

Febre Maculosa brasileira

LPS, proteína de membrana externa (OmpA e OmpB), adesina, fosfolipase De hemolisina C.

Inoculo pelo vetor (repasto por 4h). Fagocitose e multiplicação nas células endoteliais (vasos) com liberação por lise. Coagulação intravascular disseminada causando oclusão vascular até.

Francisella tularensis Tularemia

Transmissão por carrapatos. Bactéria é fagocitada e rompem os edossomos e atingem o citosol, no qual sofrem extensa replicação. A bactéria pode ser liberada por morte celular ou volta a vacúolos. Bastonetes Gram (-), pleomórfico s e curtos, microaerófi los ou anaeróbios facultativos . LPS com atividade endotoxica, sistema de secreção tipo III e antígenos V e W. Transmissão por ingestão de alimentos, bebidas ou fômites contaminados (Y.E) e por alimentos contaminados com fezes de animais (Y.P)

Bioterrorismo. Tratamento com antibiótico (Eri). Importante controle dos vetores

Yersinia enterocolítica e Y. pseudotuberculosi s Doença diarreica

Tratamento de hidratação e antibióticos em casos mais graves.

Incubação de 2 a 7 dias. .Yersinia pestis Peste Pneumônica Peste Negra (Bulbônica) Transmissão pela inoculação pela pulga contaminada. exsudato com sangue e pus. Replicação e inchaço do linfonodo (bubão) e ulceração na picada. coagulação intravascular. dor de cabeça. Tratamento com aminoglicosídeos e tetraciclina. náuseas e vômitos. Ocorre sepse. bubões. mal-estar. insuficiência renal. pneumonia e meningite. Os sintomas de peste pneumônica são febre. Os sintomas da peste bubônica são febre. dor de cabeça. Forma hemorragia abaixo da pele com enegrecimento e descoloração tecidual (protease Pra interfere com a coagulação do sangue). cardíaca. dor no peito e fraqueza muscular. Bioterrorismo categoria A. Investigar animais infectados. vetores e contatos humanos. hipotensão. dispneia. Vacinas inativadas. alteração do estado mental. tosse com sangue. Morte de 100% dos casos não tratados.