P. 1
não gosto de plágio 3

não gosto de plágio 3

|Views: 1,155|Likes:
Published by denise bottmann
posts publicados no blog http://naogostodeplagio.blogspot.com de 10 de novembro de 2008 a 29 de janeiro de 2009
posts publicados no blog http://naogostodeplagio.blogspot.com de 10 de novembro de 2008 a 29 de janeiro de 2009

More info:

Published by: denise bottmann on May 21, 2009
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as TXT, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

02/21/2013

pdf

text

original

NÃO GOSTO DE PLÁGIO UM BLOG DE UTILIDADE PÚBLICA CONTRA PLÁGIOS DE TRADUÇÃO.

ALGUMAS VÍTIMAS: MONTEIRO LOBATO, GODOFREDO RANGEL, LÍVIO XAVIER, LIGIA JUNQUEIRA, OSCAR MENDES, ODORICO MENDES, MÁRIO QUINTANA, GALEÃO COUTINHO, JAMIL ALMANSUR HADDAD, BORIS SCHNAIDERMAN, CARLOS PORTO CARREIRO, PÉRICLES EUGÊNIO DA SILVA RAMOS, WILSON LOUSADA, CASIMIRO FERNANDES, HERNÂNI DONATO, LEONIDAS HEGENBERG, LEONEL VALLANDRO, ARAÚJO NABUCO, OCTAVIO MENDES CAJADO, MODESTO CARONE, BRENNO SILVEIRA, JACÓ GUINSBURG, BENTO PRADO JR. "daddy, tell me how a wolf looks: for such i never saw yet." (grimmelshausen, simplicissimus; goodrick) "sr. simplício, tem ali fora um sujeito..." (feliciano de castilho, o doente de cisma) 29/01/2009 coisas legais Tito Lívio, História de Roma, Livro I. trad. Mônica Costa Vitorino edição bilíngue, pela Crisálida Editora que legal! POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS jardim dos livros reproduzo aqui as providências anunciadas pelo sr. luiz fernando emediato, responsável editorial do grupo geração, a respeito de a arte da guerra e o essencial do alcorão, títulos do selo jardim dos livros, do referido grupo. Alertados pela fraude das traduções de livros da Jardim - e agora pelo renomado Jorio Dauster, que sempre admirei - mandamos avaliar as traduções. Já identificamos os problemas e tomamos a decisão (já anunciada para a senhora) de determinar a nossos sócios que: 1. Retirem do mercado os livros "contaminados". 2. Providenciem novas traduções para os livros que valem a pena manter à disposição dos leitores. Luiz Fernando Emediato pedi ao sr. luiz fernando emediato uma estimativa de prazo. (isso porque, por exemplo, a martin claret sempre dizia que ia retirar de circulação seus plágios, e no fim acabava nunca tirando.) são casos muito diferentes, naturalmente, e a gente sempre torce pelo melhor. POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 28/01/2009 alô, alô, realengo uma coisa interessante, por ora apenas um detalhe, mas que achei curioso. a nova (in)cultural, como a grande desbravadora da rota do plagiato industrial, solertemente acompanhada pelo meliante martin claret, sempre e sempre perpetrou suas delinquências em cima de obras com o original em domínio público. concentrava-se no roubo de traduções, poupando-se a dor de cabeça e o valor de renovar contratos com as editoras legítimas detentoras dos direitos de publicação das tradução ou, em caso das editoras extintas, com os legítimos sucessores desses direitos.

mesmo a pífia tentativa do sr. fábio cyrino, da landmark, de se arrogar a "coautoria" tradutória de persuasion com a deslavada cópia da tradução de isabel sequeira, ou seu suposto abuso dos termos do contrato tido e havido com a revisora carolina caires coelho, segundo informa ela, no caso da escancarada cópia de o morro dos ventos uivantes, movem-se no campo de obras em domínio público. a grande novidade trazida em julho de 2008 pelo jardim dos livros, como selo da geração editorial, é praticar o saque explícito em cima de traduções de obras atuais, remotamente afastadas de qualquer futura data para entrar em domínio público. então, donas editoras preocupadas com a concorrência predatória, atenção aí: esse tipo de tubaína não está apenas poupando lá seus tostões nos contratos de cessão de direitos das traduções, mas pelo visto, ao menos no caso de o essencial do alcorão, dispensa-se sequer de se preocupar com os direitos da obra originária. afora os dois aspectos principais: tratar a nós leitores feito papalvos e detonar qualquer possibilidade de consolidação de um patrimônio intelectual do país. e depois sou eu que faço "acusações injustas"? acorda lá, seu luiz emediato, e veja se o jardim dos livros que o sr. comprou não veio infestado de erva daninha. como dizem, quem avisa amigo é, e o sr. devia era mais me agradecer. limpe o joio, e dê continuidade àquela sua tão relembrada iniciativa de recall em 2000, arranque ligeiro esse matagal que infesta seu jardim, dê as devidas satisfações ao povo que entregou seu dinheirinho para comprar tais coisas, e toque o barco em frente, com dignidade. pois isso quem é de bem não merece. imagem: http://www.ckagricola.com/ckagricola/arquivos/tubarao.jpg POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 27/01/2009 o milheiro das letras esta eu encontrei no todoprosa, o blog de literatura de sérgio rodrigues: a lista dos mil romances que the guardian decretou definitivamente imperdíveis. muito divertida! minha amiguinha raquel do jane austen em português vai gostar: os seis livros da senhorita estão lá. imagem: www.hex.com.br POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS sobre o essencial do alcorão houve uma notícia que achei importante, pois, além de se tratar de mais um plágio em circulação no mercado, iludindo o leitor e ludibriando sua boa-fé, parece indicar o surgimento de mais um fantasma na praça. trata-se do plágio apontado por joana canêdo na edição o essencial do alcorão, de thomas cleary, pelo jardim dos livros, selo da geração editorial (conforme consta em seu release), aqui noticiado em 23 de janeiro. reproduzo os comentários de joana: "Não precisei ir além da primeira página no cotejo. Para não dizer que não tem uma vírgula fora do lugar, na última linha da página tem uma vírgula a mais antes do 'etc.'. Além disso, eles atualizaram a referência bibliográfica para a norma abnt corrente - quanta presteza! Diga-se de passagem, até a nota do tradutor é idêntica. Curioso como duas pessoas diferentes conseguem não só fazer a mesma tradução, mas tb bolar a mesma nota! Se ainda não está convencida, digo com todas as letras: não são em absoluto duas traduções; é a mesma tradução letra por letra.Tá bom, eles inovaram na edição: cortaram a introdução no meio e criaram um

capítulo novo que começa no parágrafo em que a introdução havia sido interrompida. Outra novidade é uma nota que na edição de 1993 não tem autoria indicada (o que dá a entender que se trata de uma nota do autor), agora devidamente assinada por Pedro H. Berwick! Ok, talvez eu esteja exagerando, já que as notas do autor estão devidamente organizadas no final do capítulo da ed. de 1993 e devidamente reproduzidas nos rodapés da ed. de 2008." comparando-se os scans aqui publicados com a introdução e o primeiro capítulo disponíveis para download no site geração online, fica evidente que se trata de uma cópia da tradução de leila v. b. gouvêa, publicada pela best seller em 1993, lançada no jardim dos livros em julho de 2008 em nome de "pedro h. berwick". meus votos de que o grupo responsável pelo selo tome rápidas providências para retirar o livro de circulação e fazer uma errata pública avisando os leitores sobre o fato. imagem: museu do plágio POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS les belles-lettres POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 26/01/2009 mais claro impossível Denise, Excelente sua resposta, clara e objetiva. Não resta dúvida de que, ao adquirir a Jardim dos Livros e continuar a publicar as obras que passaram a seu controle no bojo dessa operação, a Editora Geração passou a ser responsável pela distribuição do plágio da Arte da Guerra. Caso seus dirigentes não soubessem que a tradução era um miserável embuste, basta que reconheçam esse fato, suspendam imediatamente a venda da obra conspurcada e encomendem novo texto em português junto a um dos muitos bons tradutores que estão por aí – sem prejuízo de buscar reparação judicial junto aos que lhe venderam um produto tóxico. Jorio Dauster PS – Você está autorizada a publicar essa mensagem no blog. POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS esclarecimentos dos esclarecimentos a afirmação dos drs. armando mendonça e gerson mendonça neto de que são inverídicos os fatos narrados no blog, em que eu teria feito acusações levianas contra seus clientes e sem comprometimento com a verdade dos fatos, não procede. pelas seguintes razões: - as informações sobre o livro a arte da guerra, que consta no catálogo do grupo geração, foram extraídas do site geração online. - as informações de que a geração editorial, em sociedade com a editora leitura, adquiriu 50% da antiga editora jardim dos livros, convertendo-a em selo do grupo geração, também foram extraídas do site geração online. - as informações sobre a responsabilidade específica da editora geração pela parte editorial do grupo geração foram igualmente extraídas do mesmo comunicado no site geração online. - as informações sobre a prática de plágio utilizada na obra a arte da guerra pela

jardim dos livros foram extraídas da matéria "o pega-pega da arte da guerra", de adam sun, na revista piauí, n. 22. - as informações sobre a manutenção da obra a arte da guerra no catálogo ativo do grupo geração foram extraídas do informativo publishnews. - as datas de referência: a. da formação do grupo geração, com a transformação da editora jardim dos livros em selo editorial do grupo e a definição da responsabilidade editorial específica a cargo da editora geração; b. da denúncia de plágio da obra a arte da guerra, feita por adam sun; c. da divulgação dos resultados comerciais do grupo geração para o ano de 2008, com destaque para a referida obra a arte da guerra, são respectivamente os meses de março, julho e novembro de 2008. - as informações referentes ao teor e à cronologia das datas acima citadas foram extraídas: a. do site geração online; b. da revista piauí; c. do site da publishnews. - as informações sobre os números de isbns estampados na obra, seja em paperback ou em formato pocket, foram extraídas do site geração online, já mencionado, e do site da agência brasileira do isbn, na fundação biblioteca nacional, além de verificação adicional feita em consulta aos sites de várias livrarias, a saber, livraria cultura, fnac e curitiba (n/c). as discrepâncias apontadas no nãogostodeplágio resultaram das comparações entre essas fontes. não posso crer que todas essas fontes sejam levianas ou inverídicas. meu trabalho de consulta e pesquisa se baseou nas referências acima citadas, que foram sistematicamente mencionadas neste blog. quanto às conclusões objetivas a partir de tais informações, parecem-me acima de qualquer margem de dúvida. esclareço também que não é meu propósito levantar acusações contra quem quer que seja. não faço trabalho de promotoria; faço pesquisas editoriais - quando constato eventuais irregularidades, apropriações, fraudes e falsificações, venho a público e apresento os fatos. por fim, quanto à conceituação utilizada neste blog para definir os casos de irregularidades comprovadas, ela se baseia em dois elementos: a. a convicção implícita e explícita de que o livro é um bem cultural e social da máxima importância, regulamentado por leis e normas que devem ser acatadas e cumpridas pelas editoras e seus responsáveis; b. as acepções dicionarizadas dos termos, aplicados aos casos pertinentes após análise cuidadosa dos fatos objetivos. não sou diretora de consciência de ninguém - mas, como cidadã preocupada com a idoneidade editorial brasileira submetida a fortes abalos desde 1995, expresso constantemente meus votos de que as editoras envolvidas interrompam essas práticas lesivas e contribuam para a restauração da credibilidade do livro no país. POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS notificação sexta-feira no final da tarde recebi um e-mail que trazia o título "notificação". como ele especificava que seu conteúdo era sigiloso e proibia a divulgação de seu teor, no mesmo dia solicitei ao remetente autorização para publicá-lo no blog, pois a matéria tratada dizia respeito a dados divulgados publicamente no nãogosto, sob minha responsabilidade.

hoje recebi a gentil autorização de divulgá-lo com seus esclarecimentos. Prezada Senhora Denise Bottman Na qualidade de advogados de Luiz Fernando Emediato e Editora Geração de Comunicação Integrada Comercial Ltda., vimos, pela presente, esclarecer serem inverídicos os fatos narrados na matéria veiculada no blog Não gosto de plágio¸ em que, de forma leviana e sem o comprometimento com a busca da verdade real, foram feitas acusações contra nossos clientes. O Grupo Geração e Luiz Fernando Emediato não possuem nenhuma ligação com a publicação referenciada. Já a Editora Geração apenas adquiriu o selo O Jardim dos Livros muito tempo depois da publicação da arte da guerra. Por fim, vale ressaltar ser positiva a livre manifestação das pessoas, sendo que eventuais excessos com falsas acusações, calúnias e difamações serão prontamente refutadas, com medidas judiciais objetivando o resguardo à honra e dignidade das pessoas atacadas. Atenciosamente Armando Mendonça Gerson Mendonça Neto Advocacia POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 24/01/2009 fórum nacional do direito autoral, atualizando legal! o minc, em seu fórum nacional do direito autoral, disponibilizou ontem em seu blog os vídeos com as diversas apresentações feitas durante o seminário "autores, artistas e seus direitos", realizado no rio de janeiro em 27 e 28 de outubro do ano passado. veja aqui. a exposição de sheyla barretto, em nome da abrates e do antigo assinadotradutores, é rápida, sucinta e densa. a meu ver, alguns pontos estão meio atropelados, e não entendi direito. em todo caso, acho importante a sugestão de que a legislação referente aos direitos autorais passe a incluir cláusulas sobre a necessária proteção contra terceiros que os titulares dos direitos patrimoniais das obras devem assumir como responsabilidade sua. trocando em miúdos, no caso do livro: se o autor da obra (no original ou na tradução, tanto faz; a lei protege ambos por igual) cede os direitos de exploração comercial a uma editora, cabe a ela defender a integridadade dessa obra contra eventuais plágios, contrafações, apropriações indébitas, falsificações ideológicas e assim por diante. até final de setembro de 2008 participei do grupo do assinado-tradutores. por discordar da orientação sindicalizante que alguns membros pretendiam imprimir ao trabalho, resolvi me afastar. mas a elaboração da pauta a ser apresentada no fórum do minc se deu no começo e meados de setembro, e participei ativamente dela. esses pontos da pauta apresentada no seminário, referentes especificamente à necessidade de proteção dos direitos das obras cedidas, têm como pano de fundo as seguintes referências: - o livro não é apenas um bem material. ele é também, e talvez principalmente, um

bem imaterial, que se insere dentro do patrimônio intelectual de uma sociedade e do mundo todo. dentro de um determinado prazo, que pode variar de 50 a 100 anos após a morte do autor, dependendo do país, aquela obra entra em domínio público e passa a integrar o patrimônio cultural não só do próprio país, mas de toda a humanidade. deixa de ser propriedade particular de um determinado indivíduo ou de uma determinada empresa, e pode ser livremente reproduzida por qualquer pessoa física ou jurídica, desde que respeitada sua integridade (basicamente, respeitados os direitos morais do autor). - ou seja, desde a sua criação, a obra do espírito traz dentro de si esse sinete indelével, essa marca definidora de sua inserção social, e ela passará a integrar o patrimônio intelectual de toda a sociedade, decorrido o prazo permitido por lei para sua exploração comercial em caráter de exclusividade. - ora, é esse caráter de bem imaterial, de fruto da criação do espírito humano, que distingue uma obra intelectual dos bens estritamente materiais. vocês imaginam a coca-cola em domínio público? naturalmente a patente é protegida, e existem direitos de propriedade industrial muito bem definidos, garantindo a exploração comercial privada daquela mercadoria pelo tempo que for. então o ponto é: quando um autor cede os direitos patrimoniais (isto é, de exploração comercial) de sua obra a uma editora, ele jamais cede os direitos morais - basicamente, seu nome como autor. o nome é, por lei, um direito indissociável, intransferível e inalienável de qualquer ser humano, que vale a qualquer tempo. [é por isso que o plágio é tido como o mais grave crime contra as obras do espírito, pois fere um direito de personalidade absolutamente básico e essencial, a saber, o direito do autor à sua identidade de pessoa, expressa no nome.] * * aliás, é por isso que obras anônimas não são protegidas pela lei, pois, na ausência de nome, escapam à definição jurídica de pessoa e a qualquer responsabilidade civil. e é por isso que é feio ser anônimo - ao lado dos direitos, há os deveres, naturalmente. como anônimo, perde-se qualquer direito, mas sobretudo foge-se a qualquer responsabilidade. mas, como a obra não é um simples bem material, e sim uma criação do espírito que integra o patrimônio intelectual da humanidade, ela não pode ser tratada a mesmo título de um bem material. assim, quando o autor cede sua obra para ser explorada comercialmente, e reserva para si esse seu direito inalienável de personalidade o nome -, espera-se que a editora respeite esse direito que não lhe foi transferido. geralmente isso acontece, as editoras costumam respeitar o direito moral do autor. o problema é que, nesses últimos 15 anos no brasil, com a onda de plágios que tem assolado o país, muitas editoras, mesmo sendo lesadas pelos plágios de concorrentes desleais, não querem, não podem ou não conseguem defender seus próprios direitos patrimoniais e muito menos os direitos morais daquela obra que está em seu catálogo. é uma situação complicada. muitas vezes o autor morreu, não tem descendentes, ou os descendentes não se interessam em fazer respeitar o nome do falecido, a editora considera que não vale a pena se desgastar ou acionar a concorrente fraudadora e assim por diante. assim, o aspecto principal de uma obra do espírito, que é sua inserção e pertença à sociedade, fica ao deus-dará. é este cenário de impunidade que favorece a proliferação do plagiato no brasil. o aspecto que eu gostaria de ver contemplado na legislação autoral brasileira é a garantia de que o cessionário (isto é, o comprador) dos direitos de exploração da obra irá protegê-la contra ilicitudes de terceiros.

durante a apresentação no seminário do fórum nacional, sheyla barretto deu ênfase à reversão da titularidade ao cedente - na verdade, creio que isso seria meio ineficaz, embora seja uma possibilidade a ser contemplada. de meu ponto de vista, eu acharia mais eficaz e mais compatível com a própria natureza de uma obra intelectual que, constatada a eventual negligência ou incapacidade do cessionário em defendê-la contra terceiros, ela passasse a integrar o patrimônio cultural do país a título de obra em domínio público. sempre faço uma comparação mental entre comprar um carro e adquirir os direitos de exploração comercial de uma obra: um carro, se você compra, você pode fazer o que quiser - largar, detonar, cuidar, botar fogo, deixar que roubem, fazer seguro, não fazer seguro. você é dono dele. agora uma obra não - você nunca a compra inteira, compra apenas o direito de reproduzi-la e vender essas reproduções - é o chamado copyright. então você nunca é proprietário completo da obra: é mais ou menos como se você fosse um depositário da confiança do autor, com o compromisso implícito de defendê-la. resumindo: eu gostaria que esse compromisso implícito se tornasse explícito na reforma da lda.

uma dúvida que já me levantaram algumas vezes: se uma obra está em domínio público, então qual é o problema do plágio? são duas coisas diferentes. entrar em domínio público significa que qualquer pessoa pode reproduzir aquela obra sem pagar direitos autorais, pois ela pertence a toda a sociedade. já o plágio significa ferir um direito que nunca deixa de existir, mesmo após a morte da pessoa: o direito ao nome. ou seja, se miguel de cervantes está em domínio público, isso não significa que ele deixou de ser miguel de cervantes e que você pode publicar dom quixote dizendo que foi você ou zequinha da silva que escreveu o livro. imagens: http://www.kingsgrave.com/; calder, maquette III, national gallery; iluminuras, biblioteca vaticana POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 23/01/2009 the spectacled bear fábio cyrino, o autonomeado "co-autor" de persuasão de jane austen, na edição da landmark que é uma cópia mal disfarçada da tradução de isabel sequeira, publicada pela europa-américa, agora ganha fama internacional. POSTADO POR DENISE 3 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão/ best seller 6 POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão/ best seller 5 POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão/ best seller 4 POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão/ best seller 3

POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão/ best seller 2 POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão / best seller 1 para ampliar, clique em cima da imagem. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS o essencial do alcorão / jardim dos livros a geração editorial disponibiliza em seu site o primeiro capítulo do livro chamado o essencial do alcorão, para visualizar ou baixar em pdf. reproduzo aqui apenas a página de rosto: THOMAS CLEARY O ESSENCIAL DO ALCORAO O COR A Ç ÃO DO I S L Ã Tradução de Pedro H. Berwick e a página de créditos: Título original: The Essential Koran: The Heart of Islam Copyright © Thomas Cleary, 1993 Licença editorial para Jardim dos livros Editora Ltda. Todos os direitos reservados. Editor: Cláudio Varela Diretor executivo: Ado Varela Projeto gráfico: Vanderlucio Vieira Revisão: Luciara Assis Tradução: Pedro H. Berwick CIP-BRASIL. CATALOGAÇÃO-NA-FONTE SINDICATO NACIONAL DOS EDITORES DE LIVROS, RJ C56e Cleary, Thomas F., 1949 O essencial do Alcorão : o coração do Islã / Thomas Cleary ; tradução Pedro H. Berwick. - São Paulo : Jardim dos Livros, 2008. il. ; Tradução de: The essential Koran ISBN 978-85-60018-14-7 1. Alcorão. 2. Islamismo. I. Título. 08-1911. CDD: 297.122 CDU: 297.18 16.05.08 19.05.08 006059 Nenhuma parte desta publicação poderá ser reproduzida sem a prévia autorização da editora, por escrito, sob pena de constituir violação do copyright (Lei 5.988). Impresso no Brasil Belo Horizonte – 1ª edição – julho / 2008 Todos os direitos reservados, no Brasil, à © Jardim do livros Editora Ltda. http://www.jardimdoslivros.com.br/ – editorial@jardimdoslivros.com.br o texto para cotejo pode ser visto ou baixado aqui. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS como funciona o voluntariado cívico-cultural minha querida amiga joana canêdo é uma figura. não a conheço, mas adoro!

ela apareceu quando o assinado-tradutores já estava se desmilinguindo - tentou bravamente dar uma ordem razoável à pauta de pontos que eu havia montado para enviar ao fórum dos direitos autorais do minc. e se a sheyla carvalho da abrates conseguiu fazer uma apresentação decente no seminário do minc, foi por mérito seu e sobretudo por mérito da joana, que até o último momento corrigiu, montou, botou as coisas em ordem, pôs em powerpoint minimamente inteligível. que figura! que generosidade e espontaneidade e eficiência! bom, perdemos contato por alguns meses. retomamos nesta semana. eu estava aqui alucinando com os meandros do submundo editorial, com as tubaínas venenosas do livro, e tentando manter um certo foco. aí, revendo umas suspeitas conexões entre a nova cultural, via best-seller, e a jardim dos livros, topei com algo que me pareceu ser mais um ectoplasma das letras. bom, hoje a joana me informa sobre suas pesquisas. meu deus, como é bom sentir gente ao lado, batalhando junto, e como é bom saber que a gente não é louca e que tem outras pessoas que também não se conformam com os descalabros. depois que passar a aflição de mais um desmascaramento da bandidagem editorial brasileira, postarei um cotejo detalhado. na versão inicial deste post, eu tinha redigido uma informação errada, envolvendo a dpl/golden books, que retirei agora. este plágio a que me refiro é da jardim dos livros, selo da geração editorial. imagem: matisse POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 22/01/2009 a ambiguidade ontológica do (i)mortal arnaldo niskier no ano passado, com um intervalo de três meses e meio entre a redação e o despacho da missiva, recebi aqui em casa um envelope contendo uma linda moção da academia brasileira de letras, cheia de lindos timbres - "ad immortalitatem" - com a assinatura em tinta de verdade do presidente cícero sandroni, expressando a "grande preocupação" da academia à qual "pertencem alguns dos mais ilustres tradutores brasileiros", declarando "emprestar seu integral apoio" ao protesto contra os plágios de tradução, em defesa da "nobre atividade que vem sendo achincalhada por casas editoriais indignas de seu nome". bom, quem acompanha este humilde blog e minha persistência de moscardo na questão dos plágios sabe muito bem que mandei individualmente a todos os imortais um histórico e dossiê das fraudes cometidas nessa infeliz terra do plagiato desbragado, e até hoje continuo a infernizá-los com meus boletins informativos. ou seja, nenhum deles pode alegar ignorância. então a pergunta é: o sr. cícero sandroni, como presidente da academia brasileira de letras, ao me enviar aquelas cartas, estava falando em nome de quem? de todos os imortais? da maioria dos imortais? de alguns imortais? dele mesmo? pois o ilustre imortal arnaldo niskier está presente, lépido e fagueiro, na chapa mais espantosa que já vi na vida, concorrendo a um cargo na vice-presidência da câmara brasileira do livro.

resumindo: O IMORTAL NISKIER É CONTRA OU A FAVOR DOS PLÁGIOS? se ele for contra os plágios, que renuncie à sua infamante candidatura na chapa com editores que publicam ou mantêm em catálogo obras plagiadas, na disputa pelo comando da principal entidade do livro no país. se ele for a favor dos plágios, que renuncie condignamente à sua cadeira na academia brasileira de letras. em suma: não tem como adotar as duas posições ao mesmo tempo - ou se aceita ou se repudia o plágio. imagem: carmen miranda POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS viva legal letrinhas vieram, e disseram: estamos tristes, estamos nos sentindo meio desmoralizadas, queremos de volta nossa integridade alfabética. aí avançou uma, e depois outra e mais outra. deram-se as mãozinhas e disseram: "nós, c, b e l, agora queremos dizer Campanha pelo Bom Livro!" depois vieram umas outras meio abatidas e disseram: "nós também queremos ser outra coisa, hoje em dia é uma bagunça, ninguém respeita f, b nem n, assim não dá! agora somos a Frente das Boas Normas!" atropelando logo atrás, quatro letrinhas pálidas, esbaforidas, gritaram meio arquejantes: "dia e noite temos pesadelos com revólveres e metralhadoras, isso não é vida de letra que preste, agora nós, a, b, d e r, damos Acolhida Belamente Democrática às Reivindicações do povo que quer ler trechinhos em xerox sem ir para a cadeia!" e lá no fundo, amontoadinhas, cambaleantes, escorando-se umas nas outras de tão fracas que estavam suas perninhas, quatro esquálidas letrinhas mal e mal conseguiam murmurar: "Ih, Sem Biotônico, Neca..." só que, pelo jeito, as pobres letrinhas continuarão tão abusadas e violentadas quanto os leitores brasileiros que não gostam de comprar livros plagiados e quanto o pobre patrimônio intelectual do país, entregue à cupidez de editoras que publicam e mantêm plágios em seus catálogos. pois acabei de receber o clipping da publishnews, informando que a chapa que tem plagiador, sonegador de isbn, vira-casacas da academia brasileira de letras, foi homologada para disputar o comando da câmara brasileira do livro. DONA CBL, QUE POUCA VERGONHA! em continuando essa descarada compactuação da câmara brasileira do livro com o maior crime intelectual que existe, a saber, o plágio, e com o fomento à concorrência desleal no mercado, que é a ocasião mais propícia de se ludibriar o leitor vendendo gato por lebre, sentir-me-ei plenamente autorizada a me referir a ela como "aquela desavergonhada". imagens: http://www.ada.com.br/; emoticon, faint POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 21/01/2009 martin claret fashion a foto é boa, mas o livro ...

quanto à verdadeira paternidade desse moby dick em português, é de péricles eugênio da silva ramos, e não do tal alex marins que consta aqui no exemplar que tenho em mãos, igual ao da moça da foto. POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS coisas boas hoje a europeana retorna ao ar. lembram quando foi lançada? ficou por pouco tempo, a visitação foi tão gigantesca que deu tilt. agora volta reconfigurada: http://www.europeana.eu/portal/ e algum dia teremos também a brasiliana digital. legal! imagem: logo da europeana POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 20/01/2009 retificação procedo hoje a uma retificação: o nome de carolina caires coelho foi excluído da lista das pessoas que assinam plágios, e nos respectivos cotejos da obra em questão passam a constar apenas os nomes das editoras. embora apareça como responsável pela tradução de o morro dos ventos uivantes, tanto na ficha catalográfica quanto na página de créditos do exemplar impresso da editora landmark, informa ela que seu contrato com a referida editora foi exclusivamente para a revisão de texto. tendo seu nome indevidamente utilizado nos créditos de tradução, cabe à editora vir a público e expor as razões para o fato. cabe-lhe também a retirada imediata dos exemplares em circulação, uma errata para as livrarias, a imprensa e os leitores, além da atribuição dos verdadeiros créditos de tradução. em meu modesto entender, seria também conveniente eximir publicamente a profissional de qualquer responsabilidade pelo plágio. com a palavra a editora landmark. obs.: naturalmente eu me reservo o direito de retirar tais retificações, caso elas se revelarem indevidas, baseadas apenas em minha boa vontade e boa-fé. POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS só finalizando pela incontabilésima vez, quero deixar absoluta, meridianamente claro que não tenho nada a ver com a seara editorial. se os empresários se comem entre eles, se um fala mal do outro, se outro fala mal de um e por aí afora, it's not my bísnis, como dizem.

o ponto é um só: o livro vai para o leitor. tem que ir certo, idôneo, dentro da lei. os editores têm alguma dúvida a respeito? vão lá e briguem em suas entidades, briguem com o governo, mas enquanto isso publiquem livros certos, idôneos e dentro da lei. posto isso, e para finalizar esses meus comentários intrometidos sobre as eleições na cbl, meu estado de choque perante a candidatura do sr. fábio cyrino e do sr. emediato à direção da referida entidade atingiu níveis estratosféricos quando reli

a composição da chapa. pois foi aí que notei que o postulante à presidência é o sr. armando antongini filho, apresentando-se pela editora leitura. bom, vários meses atrás o sr. emediato da geração editorial anunciou a meio mundo que estava se unindo justamente à editora leitura para comprar a jardim dos livros.* então tudo o que falei até agora sobre minhas dúvidas quanto à probidade da geração editorial, a meu ver, pode se aplicar igualmente à editora leitura, pois são elas juntas, em sociedade, que comandam o selo jardim dos livros. em suma: viva o plágio! do acoitamento à prática, da cabeça aos pés, da presidência à diretoria, passando pela vice-presidência da principal entidade do livro no brasil. aiai, amiguinhos, sobrou para nós. * "a Geração Horizonte, e Nessa fusão, editorial, e editorial de já está em nova parceria: associou-se com a editora Leitura, de Belo juntas compraram metade da Jardim dos Livros, de São Paulo. [...] a Leitura cuidará da parte comercial e logística; a Geração, da área a Jardim dos Livros da área comercial em São Paulo e da direção livros de negócios."

imagens: www.fransmelk.nl; smiley, faint; www.portugues.iphotostock.com POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 19/01/2009 como é mesmo? livro tem dois documentos de identidade obrigatórios por lei: a ficha catalográfica e o número de isbn. refleti um pouco sobre isso num post de algum tempo atrás. então fico meio espantada que algumas editoras nem dêem muita pelota para isso. ainda em estado de choque com a notícia de que ilustres luminares praticantes ou acoitadores do plágio pretendem assumir a direção da cbl, resolvi dar uma olhadinha na jardim dos livros, que virou um selo da geração editorial. a editora divulga em seu site 17 obras pelo dito selo "jardim dos livros", com os respectivos isbns. mas, se vc for ao site da fbn/isbn, vai encontrar apenas 7 registros. o pior é que, destes 7 registros, apenas 1 bate com o número de isbn que aparece no site da editora. ou seja, há 6 obras com registro de número trocado ou falsificado, e 10 obras de números sem absolutamente nenhum registro. um exemplinho de consulta realizada. A vida secreta de Laszlo, Conde Drácula Autor: Roderick Anscombe. ISBN: 978-8560018-10-9 fbn/isbn: RESULTADO DA BUSCA - Nenhum registro foi encontrado. se alguém quiser se entreter com uma brincadeira triste e enfadonha, é só pegar os números usados pela editora (que estão no site dela) e comparar com os números na fbn, que são estes: 7 Publicações encontradas, distribuídas em 1 página 85-60018-00-X ARTE DA GUERRA: OS TREZE CAPÍTULOS ORIGINAIS 978-85-60018-01-7 LINGUAGEM DO AMOR - MISCELÂNEA ROMÂNTICA 978-85-60018-02-4 TESOURO DOS REMÉDIOS DA ALMA 978-85-60018-03-1 COISAS QUE VOCÊ PRECISA SABER PARA SER FELIZ 978-85-60018-04-8 A ARTE DA GUERRA - OS TREZE CAPÍTULOS ORIGINAIS - VERSÃO DE BOLSO 978-85-60018-05-5 O TOQUE DE UM ANJO - HISTÓRIAS PARA AQUECER O CORAÇÃO

978-85-60018-06-2 O PRÍNCIPE - COMENTÁRIOS DE NAPOLIÃO BONAPARTE E DA CRISTINA DA SUÉCIA e não se preocupe se não entender direito. é uma vasta confusão, não porque seja tão impossível assim ter um isbn de verdade, mas porque tem mesmo coisa esquisita no meio desse troca-troca ou nessa falta de registro. hoje em dia eu penso assim: burlou isbn, está escondendo coisa. imagem: releitura.wordpress.com POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 17/01/2009 a cruzada de todos nós quero agradecer a todas as pessoas que mantêm link em seus blogs para o nãogostodeplágio. as editoras hedra e crisálida sempre estiveram na linha de frente nessa briga, e a partir de hoje o nãogosto está também no site da l&pm, com direito a notícia em destaque e tudo. que legal, o leitor agradece! imagens: lpm.com.br; emoticon, thumb up POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS 16/01/2009 tu quoque, cbl? foi com imenso espanto que recebi o informe da publishnews sobre uma das chapas concorrendo às eleições para a presidência e diretoria da principal entidade do livro no brasil, a câmara brasileira do livro (cbl). chama-se mudança&participação, e apresenta como candidato a uma das vice-presidências o sr. luiz fernando emediato, da geração editorial, e como candidato a uma das vagas na diretoria o sr. fábio cyrino, da landmark. a geração editorial é aquela do escândalo denunciado por adam sun, na matéria sobre a arte da guerra publicada na revista piauí em julho de 2008. o jardim dos livros é um selo do grupo geração. publiquei alguns posts sobre essa matéria de adam sun. a landmark é aquela dos plágios de persuasão e de o morro dos ventos uivantes. o tempero especial da landmark é que um de seus donos, fábio cyrino, parece ter sentido grande prazer em se apresentar como "co-autor" de persuasão, que afinal de contas não passa de uma cópia, com tenuíssimas alterações, da edição da europaamérica. vejam meus posts sobre este caso e sobre o caso dos ventos uivantes. ademais, tanto a geração quanto a landmark tratam a fundação biblioteca nacional e a agência brasileira do isbn com um descaso que, a meu ver, não é a melhor recomendação para o comando de uma entidade do porte e da representatividade da cbl.* tal seria! que exemplo para o setor!

sinceramente, como cidadã, não consigo de forma alguma engolir que o atual quadro da cbl sequer tenha aceitado receber a inscrição de candidaturas que não se destacam por um firme e sólido compromisso com a mais simples ética editorial. * curiosamente, outro candidato da mesma chapa a uma das vice-presidências é o acadêmico sr. arnaldo niskier - todos devem lembrar que a academia brasileira de letras (abl) manifestou seu veemente repúdio contra o plágio de traduções. talvez o imortal niskier não tenha se dado conta da posição ambígua em que está. imagem: paul cézanne, pirâmide de crânios, www.niilismo.net POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS pois é isso

um apanhado muito bom, feito por allison roberto: a terra do cópia-cola e o tradutor ninja

imagens: emoticon, ninja; crizlai.blogspot.com POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 15/01/2009 o valor das coisas queria esclarecer umas coisas quanto ao tradutor de livros: - tradutor não é um pobre coitado nem ganha uma "merreca" - é uma profissão digna, uma atividade com uma remuneração que permite que ninguém passe necessidade: talvez você não consiga dar uma ferrari de presente para seu genro nem tomar veuve clicquot todo dia, mas mesmo assim... - tradutor não é desvalorizado, pelo contrário: o bom tradutor é disputado, e muitos livros são comprados ou apreciados pelo nome de quem o traduziu - tradutor não é só alguém que pega palavras numa língua estrangeira e põe em português: o tradutor é um dos principais agentes a criar e a definir o que é o vernáculo de qualquer país, sobretudo um país de formação colonial e língua minoritária, como o brasil - qualquer editora minimamente decente sabe que seu êxito depende de traduções que prestem: a boa editora é a primeira a valorizar o trabalho de tradução. então, por favor, gente, o nãogostodeplágio não entoa a cantilena dos mendigos.

se os tradutores lesados quiserem protestar, e deveriam querer, eles saberão o caminho a tomar. se as editoras lesadas pela concorrência desleal resolverem reagir, com certeza saberão se virar muito bem. aqui o nãogostodeplágio está preocupado com dois problemas: o do leitor que compra um livro na boa-fé e o do patrimônio intelectual do país lesado pelas falcatruas. então agradeço inúmeras manifestações compassivas em relação ao tradutor - mas digo: compaixão tem que ter é pelo leitor e por nossa parca bagagenzinha cultural. imagem: vermeer, moça com brinco de pérola POSTADO POR DENISE 3 COMENTÁRIOS então a landmark pegou gosto pela coisa? publicado inúmeras vezes no brasil, o morro dos ventos uivantes já apareceu nas traduções de rachel de queiroz, celestino da silva, vera pedroso, josé maria machado, oscar mendes, davi jardim jr., renata cordeiro com eliane alambert, levando até uma tremenda garfada da nova (in)cultural (em nome de silvana laplace, plagiando oscar mendes). a nova garfada agora quem dá é a landmark, em cima da tradução de vera pedroso (publicada pela bruguera em 1971, reeditada pela art em 1985, para o círculo do livro). no exemplar impresso, a façanha é assinada por outro nome. já na agência do isbn, como comentei na semana passada, a suposta tradução consta em nome de uma misteriosa "ana maria oliveira rosa". afora o habitual procedimento de mudar uma parte das frases iniciais dos capítulos, é um plágio sem maiores rebuços, e até reproduzindo os mesmos saltos de palavras e orações. The little party recovered its equanimity at sight of the fragrant feast. They were hungry after their ride, and easily consoled, since no real harm had befallen them. Mr. Earnshaw carved bountiful platefuls, and the mistress made them merry with lively talk. I waited behind her chair, and was pained to behold Catherine, with dry eyes and an indifferent air, commence cutting up the wing of a goose before her. Os dois visitantes voltaram a sorrir à vista da esplêndida mesa. Estavam famintos, após a viagem, e, como nada de mau lhes acontecera, não tardaram a se reanimar. O Sr. Earnshaw serviu grandes pratadas e sua esposa iniciou uma conversa animada. Eu estava atrás da cadeira dela e fiquei triste de ver Catherine, olhos secos e ar indiferente, começar a cortar uma asa de ganso. (Art, p. 76) Os dois visitantes voltaram a sorrir à vista da esplêndida mesa. Estavam famintos após a viagem e, como nada de mau lhes acontecera, não tardaram a reanimar-se. O senhor Earnshaw serviu grandes pratadas e sua esposa iniciou uma conversa animada. Eu estava atrás da cadeira dela e fiquei triste em ver Catherine, olhos secos e ar indiferente, começar a cortar uma asa de ganso. (Landmark, p. 55) Cathy was a powerful ally at home; and between them they at lenght persuaded my master to acquiesce in their having a ride or a walk together about once a week, under my guardianship, and on the moors nearest the Grange: for June found him still declining. Though he had set aside yearly a portion of his income for my young lady's fortune, he had a natural desire that she might retain - or at least

return in a short time to - the house of her ancestors [...] Por seu lado, Cathy não cessava de suplicar a mesma coisa; e ambos acabaram persuadindo o meu amo a deixá-los passear a pé ou a cavalo juntos, uma vez por semana, sob a minha guarda e na charneca vizinha à granja, pois junho veio encontrá-lo ainda mais fraco, e, embora tivesse posto de lado uma parte do seu rendimento anual para o futuro da filha, ele alimentava o desejo natural de que ela viesse a conservar a casa dos seus antepassados [...] (Art, p. 284) Por seu lado, Cathy não cessava de suplicar a mesma coisa em casa; e ambos acabaram persuadindo meu patrão a deixá-los passear a pé ou a cavalo juntos, uma vez por semana, sob a minha guarda e na charneca vizinha à granja, pois junho veio encontrá-lo ainda mais fraco, e, embora tivesse separado uma parte do seu rendimento anual para o futuro da filha, alimentava o desejo natural de que ela viesse a conservar a casa dos antepassados [...] (Landmark, p. 227) I felt stunned by the awful event; and my memory unavoidably recurred to former times with a sort of oppressive sadness. But poor Hareton, the most wronged, was the only one who really suffered much. He sat by the corpse all night, weeping in bitter earnest. He pressed its hand, and kissed the sarcastic, savage face that every one else shrank from contemplating; and bemoaned him with that strong grief which springs naturally from a generous heart, though it be tough as tempered steel. Quanto a mim, estava perplexa - e a minha memória pôs-se a recordar tempos passados, com uma espécie de opressiva tristeza. Mas foi o pobre Hareton, precisamente o mais injustiçado, o único a sofrer realmente muito. Velou o corpo durante toda a noite, chorando sem parar. Apertava-lhe a mão, beijava-lhe o rosto sarcástico e terrível, que todos os demais evitavam contemplar, e carpia-o como só sabem fazer os corações generosos, embora endurecidos como aço temperado. (Art, p. 368) Quanto a mim, estava perplexa - e minha memória pôs-se a recordar tempos passados, com uma espécie de opressiva tristeza. Mas foi o pobre Hareton, precisamente o mais injustiçado, o único a sofrer realmente muito. Velou o corpo durante a noite toda, chorando sem parar. Apertava-lhe a mão, beijava-lhe o rosto sarcástico e terrível, que todos os demais evitavam contemplar, e carpia-o como só o sabem fazer os corações generosos, embora endurecidos como aço temperado. (Landmark, p. 293) só para mostrar como as traduções são únicas e irrepetíveis - uma frase muito simples deste último trecho, "I felt stunned by the awful event", fica: - para vera pedroso: "Quanto a mim, estava perplexa"; - para rachel de queiroz: "Eu me sentia aturdida ante a pavorosa ocorrência"; - para celestino da silva: "Eu fiquei bastante impressionada com o tristíssimo acontecimento"; - para oscar mendes: "Sentia-me aturdida pelo terrível acontecimento". também fico "stunned by the awful event". não bastava o furto da persuasão de isabel sequeira, perpetrado pelo sr. fábio cyrino, que em sua singela vaidade alardeou na imprensa seu suposto trabalho de tradução, prossegue a pilhagem. ademais, se lembrarmos que a landmark é uma editora basicamente maçônica, e que "landmarks" são os princípios basilares que sustentam a doutrina da maçonaria, essa desmoralização editorial e cultural praticada pelos irmãos cyrino adquire uma faceta tristemente irônica. espero vivamente que a editora não ceda à ilusão do lucro fácil, não siga na

trilha da nova (in)cultural e da martin claret. do logro e da mentira não resulta boa coisa. srs. cyrino, assim como os senhores lançaram esses livros fraudados, venham a público e retirem essas barbaridades de circulação. imagens: museum plagiarium em solingen obs.: ver aqui as razões para a retificação deste post, feita em 20/01/2009. POSTADO POR DENISE 13 COMENTÁRIOS 14/01/2009 ah, tá Senhora Bottmann, O pessoal do serviço cultural do Consulado francês do Rio de Janeiro falou ontem com o senhor Jérémie Desjardins sobre a sua observaçao. O jornalista confondiu a editora Martins Fontes com a Martin Claret. Agradecemos lhe por ter nos mostrado esse erro. Atenciosamente, Alice Toulemonde imagem: aguadouro.blogspot.com POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 13/01/2009 a égalité com a ralé, a fraternité com a bandidagem as cenas desprezíveis, por outro lado, têm essa virtude da pedra-de-toque. agenor soares, uma das mais probas e ilustres figuras no mundo das traduções no brasil, mestre, teórico, dicionarista, orientador, referência, modesto e grande, manifesta sua integral perplexidade com a postura do governo francês. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS benesses para a delinquência o governo francês resolve financiar a delinquência editorial brasileira. saiu ontem na matéria de bolívar torres, JB online "O governo francês distribuiu 150 mil euros entre editoras brasileiras (Martin Claret, Record, Objetiva, Companhia das Letras, Jorge Zahar, entre outras) para a publicação de autores franceses de ciências humanas. Outros 30 mil euros devem ser destinados a projetos de ficção." agradeço a joana canêdo pela notícia. POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS sobre docências e indocências tenho batido um pouco forte nos orientadores que desorientam, nos professores que desensinam, nos alunos que se acomodam e assim por diante. que ninguém me leve a mal, e entendam que, se protesto, é justamente porque levo a sério o papel dos docentes, a importância das instituições de ensino, o empenho dos estudantes e tudo o mais. vamos recapitular o caso da claret. ela vinha lépida e fagueira ao longo dos anos, publicando barbaridades. um docente do departamento de filosofia da universidade de goiás, que demonstra

não ser bobo nem laxiste, que domina seu métier, conhece a bibliografia que indica, respeita o valor da integridade intelectual, sabe que é responsável pelo que diz e faz perante seus alunos, em setembro de 2007 alerta um jornal de seu estado e avisa que a república da claret é plágio da república da calouste gulbenkian, que pietro nassetti é cópia de maria helena da rocha pereira. eu jamais saberia disso, acho que 99,9999999% dos brasileiros jamais saberiam disso. claro que sempre há os pedantes que acham que sabem tudo, mas que também se acham importantes demais para se darem ao trabalho. tirando esses excêntricos parasitas, repito, acho que 99,9999999% dos brasileiros não se dariam conta do plágio. então vem esse senhor muito digno, dr. gonçalo armijos, da federal de goiás, cumpre com o que lhe parece ser seu dever profissional, intelectual e cívico, alerta o jornal opção na figura de euler de frança belém, o jornal entrevista o nefando meliante claret, publica uma matéria que marcou época, vem a folha de s.paulo e dá divulgação nacional a essa corrupção desbragada da abjeta claret apodrecendo esse segmento do mercado editorial. o resto já virou história. o que vale ressaltar é que é um digno funcionário público, um doutor de uma universidade pública mantida com dinheiro público que vem a público denunciar publicamente a fraude de que o público é vítima. é tudo público. foi dr. gonçalo armijos que veio lá de sua salinha da universidade, que saiu lá de seu departamento e de seu instituto, que pôs o nariz para fora de suas altas pesquisas, e veio a nós, brasileiros, ingênuos leitores, e disse: gente, etc.etc. meu ponto é que a universidade, sobretudo na área de filosofia, letras e ciências humanas, inegavelmente anda fazendo um papelão, nessa indecência de ser conivente com a mais baixa degradação intelectual - e, por ser conivente com os bandidos, naturalmente é bandida também. e cada docente que indica ou acoita o mais grave crime do ponto de vista intelectual, a saber, o plágio, está sendo bandido de idêntica maneira. no meu tempo, dizia-se que havia um "pacto da mediocridade" na universidade - pelo jeito, hoje em dia tem-se é um "pacto da ruindade". mas meu ponto principal é que a universidade também conta com docentes sérios, com pessoas dispostas a colaborar com a vida cultural do país, com gente que acha que o trabalho do espírito tem algum mérito e que a honestidade intelectual é um valor a ser preservado. então abaixo todos os indocentes e vivam os docentes de verdade de todo o país! POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 12/01/2009 ementas / utilidade pública como eu estava dizendo, é o professor que ensina. seguem-se alguns exemplos de ementas de curso para graduação e pós-graduação, de norte a sul do país. são recentíssimos: 2008 e 2009. como a revelação escandalosa dos plágios da martin claret, com repercussão nacional, ocorreu em outubro/novembro de 2007, não dá para alegar desconhecimento. [para ver os programas completos, clique nos respectivos links] Disciplina: PGL 3123 – Tópicos Especiais de Leitura Período: 2º semestre 2008 Roteiro de leituras dos textos clássicos [...] PLATÃO. A República. Tradução de Pietro Nassetti. São Paulo. Editora Martin. Claret 2007 ________ Apologia de Sócrates. Tradução de Jean Melville. São Paulo. Editora

Martin. Claret 2003 ________ Fedro. Tradução de Alex Marins. São Paulo. Editora Martin. Claret 2007 PLANO DE ENSINO 2008 2.2 VII – BIBLIOGRAFIA BÁSICA [...] PLATÃO. A República. São Paulo: Martin Claret, 2001. ARISTÓTELES. Ética à Nicômaco. São Paulo: Martin Claret, 2001 Ementas BIBLIOGRAFIA – APROVEITAMENTO DE ESTUDOS (1º Período) FILOSOFIA ANTIGA – CH 60h/a [...]PLATÃO. A República. Livro 7º. São Paulo. Martin Claret, 2001. Disciplina - Listagem de Ementa/Programa 2008/2 [...]MARX, Karl. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Martin Claret, 2001 PLANO DE ENSINO 2008/02 IHERING, Rudolf Von. A luta pelo direito. São Paulo: Martin Claret, 2001. LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Martin Claret, 2002. MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto do partido comunista. São Paulo, Martin Claret, 2000. [...] ROSSEAU, Jean-Jacques. Do contrato social. São Paulo: Martin Claret, 2001 [...] WEBER, Max. Ciência e política: duas vocações. São Paulo: Martin Claret, 2001. Cód.: IMS03912 Teoria Social EMENTA 2008/01 [...]WEBER, Max ([1904-5] 2001) - A ética protestante e o espírito do capitalismo, São Paulo, Editora Martin Claret PROGRAMA DA DISCIPLINA 2008/01 BIBLIOGRAFIA [...]WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. 13. ed. São Paulo: Editora Martin Claret, 2001. ÉTICA EMPRESARIAL EMENTA 2008 Bibliografia básica: [...]PLATÃO. A república. São Paulo: Martin Claret, 2002 (curiosamente o link deixou de abrir: em todo caso: é unifra, pós-graduação em finanças, disciplina de ética empresarial) FILOSOFIA POLÍTICA EMENTA 2008 Bibliografia Básica [...]HOBBES, Thomas. Leviatã. São Paulo: Martin Claret, 2002 (coleção Obra prima de cada autor). LOCKE, John. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Martin Claret, 2005 (coleção Obra prima de cada autor). MAQUIAVEL, Nicolau. O príncipe. São Paulo: Martin Claret, 2003 (coleção Obra prima de cada autor). Módulo II: DIREITOS FUNDAMENTAIS JUNHO 2008 REFERÊNCIAS Bibliográficas MONTESQUIEU. Do Espírito das Leis, Tradução: Jean Melville. São Paulo: Martin Claret, 2005. PLANO DE ENSINO 2008/01 Bibliografia Básica [...]DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. São Paulo: Martin Claret, 2006 [...] MARX, Karl; ENGELS, F. Manifesto do Partido Comunista. São Paulo: Martin Claret, 2004 EMENTA BIBLIOGRAFIA BÁSICA [...]ARISTÓTELES. Política. São Paulo: Martin Claret, 2002 PROGRAMA PÓS-GRADUAÇÃO FILOSOFIA UNB 2009/2010 ÉTICA IV. Bibliografia básica: AGOSTINHO. Confissões. São Paulo: Martin Claret, 2003. [...] PROVAS DA EXISTÊNCIA DE DEUS 5. Bibliografia: [...] Aristóteles. Ética a Nicômaco. Tradução Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret Editora, 2001. PLANO DE CURSO 2008/01 Disciplina: Literatura Latina 9. BIBLIOGRAFIA: BÁSICA ARISTOTELES. A arte poética. São Paulo, Martin Claret: s/d [...]EURIPEDES. Alceste, Electra e Hipólito. São Paulo, Martin Clarte; s/d [...]HOMERO. Ilíada. São Paulo, Martin Claret: s/d HOMERO. Odisséia. São Paulo, Martin Claret: s/d OVIDIUS. A arte de amar. São Paulo, Martin Claret: s/d ________. Metamorfoses. São Paulo, Martin Claret: s/d [...]PETRONIO. Satiricon. São Paulo.,Martin Claret: s/d PLATÃO. Fedro. São Paulo, Martin Claret: s/d PLATÃO. A república. São Paulo, Martin Claret: s/d [...]SÓFOCLES. Édipo rei e Antígona. São Paulo, Martin Claret: s/d VERGILIUS. Eneida. São Paulo, Martin Claret: s/d ADEQUAÇÃO DO PROJETO PEDAGÓGICO aprovado em set/2007 para implantação 2008 FILOSOFIA E EDUCAÇÃO Bibliografia Básica [...]MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. A Ideologia Alemã. SP:Martin Claret, 2002. Bibliografia Complementar ARISTÓTELES. Política. SP: Martin Claret, 2002. [...]DESCARTES, René Discurso do Método. SP: Martin Claret, 2002. [...]MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Manifesto Comunista. SP: Martin Claret, 2002. KANT, Immanuel. Crítica da Razão Pura. SP: Martin Claret, 2002 PLATÃO. Apologia de Sócrates. SP: Martin Claret, 2002. [...]WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. SP:Martin Claret, 2002. PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM LINGÜÍSTICA APLICADA E ESTUDOS DA LINGUAGEM - LAEL 2009/01 Argumentação e Produção de Conhecimento Ementa [...] SPINOZA, Baruch de.

Ética: demonstrada à maneira dos geômetras. Trad. Jaena Melville. São Paulo: Martin Claret PLANO DE ENSINO 2008/01 I – IDENTIFICAÇÃO DA DISCIPLINA VIII – BIBLIOGRAFIA [...] DURKHEIM, Émile. As regras do método sociológico. Coleção a obra prima de cada autor. São Paulo: Martin Claret, 2007. PROJETO DIDÁTICO-PEDAGÓGICO DO CURSO DE DIREITO FILOSOFIA DO DIREITO B I B L I O G R A F I A B Á S I C A: [...]KANT, Immanuel. Metafísica dos Costumes. Martin Claret, 2004. LOCKE, John. II Tratado Sobre o Governo. Martin Claret, 2003. PLATÃO. Apologia de Sócrates. Martin Claret, 2001. ________. A República. Martin Claret, 2001. ROUSSEAU, Jean-Jaques. Do Contrato Social. Martin Claret, 2003 1º Semestre de 2009 Mestrado do Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social – PPGAS, UFAM. Linha 3: - A Dinâmica da Cidade e o Fenômeno Urbano [...] De Coulanges, F. A Cidade Antiga. São Paulo, Ed. Martin Claret, Ltda, 2006 USP Escola de Comunicações e Artes Artes Cênicas 2008 Disciplina: CAC0237 História do Teatro II Bibliografia ARISTÓETELES Poética. São Paulo: Martin Claret, 2004. [sic] INSTRUÇÕES ESPECÍFICAS QUE REGULAMENTAM O CONCURSO PÚBLICO PARA PROFESSOR ADJUNTO OU ASSISTENTE Bibliografia:[...] Max Weber. Ética prostetante e o espírito do capitalismo. Coleção os pensadores. Martin Claret, 2001 [sic] Programa da Disciplina 2008 Bibliografia [...]DURKHEIM, Emile. As regras do método sociológico. Traduzido por Pietro Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2002. (Coleção obra-prima de cada autor). CURSO: LETRAS DISCIPLINA: TEORIA DA LITERATURA 2008/1 e 2 BIBLIOGRAFIA BÁSICA ARISTÓTELES. Poética. São Paulo: Martin Claret, 2003 PROGRAMA DE PÓS-GRADUAÇÃO EM DIREITO Bibliografia:[...]HOBBES, Thomas. Leviatã – Ou matéria, forma e poder de um Estado eclesiástico e civil. (tradução de Alex Marins). São Paulo: Editora Martin Claret, 2002 HISTÓRIA ANTIGA 2009 (anual) Referências Fontes impressas: EPICURO. Pensamentos. São Paulo: Martin Claret, 2005. MARCO AURÉLIO. Meditações. São Paulo: Martin Claret, 2005. OVÍDIO. A arte de amar. São Paulo: Martin Claret, 2003. Doutorado em Administração de Empresas Epistemologia Bibliografia Básica: DESCARTES, R. Discurso do método. São Paulo. Martin Claret, 2002. Plano de Ensino Consolidado NOCOES GERAIS DE DIREITO 2008/2 Bibliografia 12. MONTESQUIEU, C. L. de S. Do espírito das Leis. Trad. de J. Melville. São Paulo: Martin Claret, 2003. [...] 23. ROUSSEAU, J.-J. Do contrato social: ou princípios do direito político. Trad. de P. Nassetti. São Paulo: Martin Claret, 2003. 24. ROUSSEAU, J.-J. Discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens. Trad. de A. Marins. São Paulo: Martin Claret, 2006. Sociologia das Organizações Ementa Bibliografia [...] WEBER, Max. A ética protestante e o espírito do capitalismo. São Paulo: Martin Claret, 2001. Disciplina Ciência Política 2008/02 Bibliografia Complementar [...]ARISTÓTELES. Política: São Paulo: Martin Claret, 2004 [...]ROUSSEAU. Jean Jacques. Do contrato social. São Paulo: Martin Claret, 2003. Curso de Ciências Econômicas Disciplina Política 2008/1 Bibliografia Básica [...] 3. LOCKE, JOHN. Segundo tratado sobre o governo. São Paulo: Ed. Martin Claret, 2002 Direito 2008/2 bibliografia complementar ROUSSEAU, Jean Jacques. Do contrato social. São Paulo: Martin Claret, 2003. Disciplina Empreendedorismo: Teoria e Prática Bibliografia WEBER, Max. A Ética Protestante e o Espírito do Capitalismo. São Paulo. Martin Claret. 1ª Edição sinceramente não entendo, pois a claret é notória fraudadora e delinquente editorial; professor tem responsabilidade social e moral pelo que ensina; a maioria dos títulos indicados é de facílimo acesso, em edições idôneas, muitas delas inclusive mais baratas do que a infeliz claret (o grande argumento falacioso que tantos repetem). então por quê? imagem: www.absolutmartunis.blogspot.com POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS

11/01/2009 de te fabula narratur escrevi uma cartinha singela, mais singela impossível, e estou mandando para professores do brasil afora. ei-la: prezado docente: colabore na campanha contra o plágio de traduções no país. em suas ementas e bibliografias de curso, evite indicar livros de editoras suspeitas e edições fraudadas. consulte uma lista preliminar de plágios e obras sob suspeita, disponível em http://naogostodeplagio.blogspot.com/2009/01/para-fugir.html atenciosamente, denise bottmann receando que o apelo possa passar meio em brancas nuvens, gostaria de colocar duas coisas: - até por determinações socioculturais, às vezes pode acontecer que alguns professores achem esses assuntos um tanto vulgares em termos intelectuais. só que existe uma quantidade descomunal de teses, estudos e artigos de professores e alunos da usp, da unicamp, da unesp, da puc-sp, da ufsc, da ufrgs, da ufba, da ufpb, da ufrn, e de todas as ufs e pucs que se possam imaginar, usando as referências fraudulentas claretianas e novaculturalianas de uma maneira não propriamente elegante do ponto de vista intelectual. - existe também uma quantidade descomunal de ementas de curso em que inúmeros professores recomendam essas fraudes em suas bibliografias, o que é tanto mais lamentável se lembrarmos acacianamente que a função precípua da docência é ensinar os alunos. então, caro docente, antes de descartar o assunto, peço que reflita nisso também: de te fabula narratur. imagem: http://www.kunsthaus.adlerstrasse.de/ POSTADO POR DENISE 10 COMENTÁRIOS 10/01/2009 fim de semana indico poty, valêncio e um milagre acontecido, crônica de roberto gomes. além do equilíbrio entre a despretensão e a sofisticação, o humor das cenas é muito bom! imagem: valêncio xavier, maciste no inferno, capa de poty, criar edições. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 09/01/2009 errata pública? jornal o globo, 21 de dezembro de 2008. (clique na imagem para ampliar) aquele quadradinho em baixo à esquerda pretende ser a errata pública da nova (in)cultural quanto ao plágio da tradução de o vermelho e o negro. ela tinha publicado a obra algumas vezes, atribuindo a tradução a maria cristina figueiredo da silva. na verdade, era uma apropriação indevida da tradução de luiz costa lima, publicada pela bruguera.

afora que mais parece o anúncio de algum alvará da cetesb, fico me indagando como é que o povo vai se sentir suficientemente alertado sobre a retificação. afinal, foram bem uns 150 mil exemplares que foram vendidos a nós papalvos leitores, além dos distribuídos pela editora e pelo instituto ecofuturo entre escolas públicas e bibliotecas comunitárias. vocês acham que alguma biblioteca vai ver isso e corrigir os créditos em seus exemplares? POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS 08/01/2009 esta é para a letícia acho o isbn uma coisa muito legal. significa international standard book number, e é uma identificação única, exclusiva e irrepetível do livro publicado. é um sistema internacional e o número é composto assim: 978 – país – editora – livro – dígito verificador. por exemplo, o isbn de persuasão da landmark é 978-85-88781-33-7. 85 é brasil; 88781 é o código da landmark na fbn, e 33 é o número sequencial que corresponde ao 33º. livro cadastrado pela editora na agência do isbn. existe uma agência internacional que controla tudo isso. essa agência internacional designa agências na cionais, uma em cada país, que ficam com a responsabilidade de atribuir os tais números aos editores locais. no brasil, a agência nacional do isbn faz parte da fundação biblioteca nacional. quem se interessar, está tudo explicadinho no site deles. bom, este é o princípio, tal é a teoria. aí claro que, por razões profundamente incrustadas em nossa história, nossa agência nacional cadastra e atribui isbns a coisas medonhas, tipo o monte de traduções de bocage, machado de assis, josé de alencar, eça de queiroz, que a martin claret cadastrou lá em nome de pietro nassetti, marcellin talbot etc. aí, depois de ganhar o isbn, a editora publica o livro e, por lei, deve enviar um exemplar impresso para a biblioteca nacional, também na fbn. lá ele ganha uma ficha catalográfica própria e passa a fazer parte do acervo físico da bn. ou seja, o mesmo livro tem dois registros: um na agência do isbn e outro na bn. acontece que, mesmo que a fundação biblioteca nacional abrigue simultaneamente a agência do isbn e a própria biblioteca nacional, ela é incapaz de ter um sistema capaz de cruzar os dados. isso, em meus parcos conhecimentos computadorísticos, não me parece a coisa mais impossível do mundo. mas ok, a agência do isbn e a bn não cruzam seus dados, e ponto. essa falha primária da fbn traz à tona coisas interessantes. já noticiei várias delas aqui, e hoje quero mencionar um relacionado à landmark. a landmark cadastrou sua edição de o morro dos ventos uivantes na agência do isbn creditando a tradução a alguém de nome "ana maria oliveira rosa". PESQUISA NO CADASTRO DO ISBN ISBN: 978-85-88781-34-4 TÍTULO: O MORRO DOS VENTOS UIVANTES - WUTHERING HEIGHTS - EDIÇÃO BILÍNGÜI AUTOR: EMILY BRONTË

TRADUTOR: ANA MARIA OLIVEIRA ROSA EDIÇÃO: 1 ANO DE EDIÇÃO: 2007 LOCAL DE EDIÇÃO: SÃO PAULO TIPO DE SUPORTE: PAPEL PÁGINAS: 288 EDITORA: LANDMARK o problema é que, no exemplar impresso, consta que a tradução foi feita por caroline caires coelho. a fbn contribuiria muito para a transparência editorial se começasse a cruzar seus dados e a tomar providências nos casos de irregularidade. o cadastro do isbn é bom, mas seria melhor se seus dados correspondessem de fato ao livro impresso. isto é, seria melhor se o international standard book number fosse de fato um identificador numérico do livro. imagens: logo isbn; www.cityofwinkler.com POSTADO POR DENISE 7 COMENTÁRIOS 07/01/2009 landmarkismo mais sobre a landmark em jane austen em português e na flanela paulistana. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 06/01/2009 landmarkismo, estágio superior do plagiarismo? raquel sallaberry, do blog jane austen, há algumas semanas alertou aqui o nãogostodeplágio: um grupo de discussão sobre jane austen estava fazendo uma leitura de persuasão, e uma das participantes, alessandra perlatti, constatou uma grande semelhança entre a edição da landmark e a edição portuguesa da europaamérica. surpresa e indignada, alessandra perlatti enviou um e-mail à editora landmark, pedindo explicações sobre o fato. porém não obteve nenhuma resposta até o momento. sobre a landmark a landmark é uma pequena editora com um catálogo composto majoritariamente por obras de maçonaria. criada em 2001 pelos irmãos jorge e fábio cyrino, nos últimos anos tem diversificado seu catálogo com obras literárias clássicas, em edições bilíngues. são obras que, salvo uma ou duas exceções, já conheceram edições anteriores no brasil: a volta do parafuso, o morro dos ventos uivantes, o homem que queria ser rei, contos de wilde, a divina comédia, os sonetos de shakespeare, os sonetos de meditação de donne, crônicas do brasil (ou cenas brasileiras, na edição da record), orgulho e preconceito, persuasão. com a publicação de persuasão, porém, a editora landmark lança sua candidatura para integrar o triste cenário das fraudes editoriais no país. sendo este caso, ela estaria inaugurando um novo capítulo, qualitativamente distinto dos capítulos anteriores da história do plágio nesses últimos 15 anos. em termos breves e objetivos: a persuasão do sr. fábio cyrino apresenta um grau de similaridade com a tradução de isabel sequeira, publicada pela europa-américa em 1996, que lhe dá credenciais suficientes ao título de plágio. até aí, a editora landmark estaria "apenas" seguindo a trilha indicada pela editora nova (in)cultural, que nos anos 90 implantou o plágio em escala industrial: frauda-se a obra com desfaçatez, lesa-se a boa-fé do leitor, corrói-se

a credibilidade do livro no país, embolsa-se um dinheirinho não muito idôneo, prejudica-se o mercado editorial com a prática de concorrência desleal, cria-se um novo período de vigência de direitos da editora sobre a falsa tradução, cultiva-se a ignorância a curto, médio e longo prazo. a jusante, as empresas responsáveis pelos delitos, quando confrontadas com os fatos, de início costumam reagir na desconversa e depois admitem meio a contragosto: do “não sei de nada” passam para “foi um antigo funcionário”, “estamos corrigindo”, “tiramos de circulação”, “desculpas aos leitores”, “um engano técnico”, “vamos ressarcir editoras e tradutores lesados” e assim por diante. até agora, eu não tinha visto nenhum editor que, espontaneamente, tomasse a si a autoria do plágio e se orgulhasse do feito. ineditismo o fato qualitativamente novo nessa candidatura da landmark ao título de plágio é o singelo exibicionismo a montante: o diretor editorial da empresa, sr. fábio cyrino, deu uma interessantíssima entrevista sobre o trabalho que teria realizado, transpondo persuasion para o português. A Tribuna de Santos (09/06/07) "Em uma reunião para definir qual seria o próximo lançamento da Editora Landmark, o diretor editorial, Fábio Cyrino, perguntou se já havia um tradutor para o novo projeto da empresa, a edição bilíngue de Persuasão, de Jane Austen [...]. Como não havia ninguém, ele se ofereceu: 'Deixa que eu faço essa tradução'. Depois de dois meses debruçado sobre o romance, até então inédito no Brasil, Cyrino tornou-se coautor de Persuasão [...] Como Fábio Cyrino tinha conhecimento das obras de Jane Austen, a tarefa da tradução apresentou apenas as dificuldades comuns a qualquer trabalho do tipo. [...] Como no Brasil o tradutor de um livro é considerado seu co-autor, ele acredita que sua colaboração para com o último romance de Austen foi 'torná-lo acessível a mais leitores'. Antes do lançamento da edição bilíngue, os brasileiros liam a história apenas se a importassem." (reforçando: “A Editora Landmark lança, pela primeira vez no Brasil, o livro Persuasão, da inglesa Jane Austen.”) algumas retificações, de passagem: - persuasão de forma alguma era obra inédita no brasil antes da aventura da landmark. existe uma boa tradução de luiza lobo, publicada em 1971 pela bruguera em convênio com o instituto nacional do livro, na coleção “clássicos do mundo todo”, e relançada pela francisco alves em 1996. - segundo a legislação dos direitos autorais vigente no país, o tradutor não é coautor, e sim “autor de obra derivada”, o que técnica e juridicamente é muito diferente de uma co-autoria. mas o que surpreende é a rara franqueza do sr. fábio cyrino em sua entrevista: ele teria agarrado a tarefa no melhor estilo do “ ’xácumigo”, ficando “dois meses debruçado sobre o romance”. bom, como o escaneamento costuma ser um processo mais rápido, talvez esses dois meses tenham sido dedicados a recriar laboriosamente a mão a tradução de isabel sequeira. não é uma tradução muito bonita nem muito correta, não se compara de maneira alguma à de luiza lobo, mas quand même a autoria do trabalho é dela, e como tal há de se respeitá-lo. fiel ao original, ou fiel à tradução? afora o primeiro parágrafo que traz uma meia-dúzia de vocábulos distintos, o restante da edição de persuasão da landmark apresenta diferenças mínimas em relação à da europa-américa. consistem sobretudo no abrasileiramento de alguns

termos e formas de tratamento. seria necessária uma intervenção realmente miraculosa para que o tradutor brasileiro conseguisse produzir de lavra própria as mesmas gralhas de impressão, os mesmos problemas de vocabulário, os mesmos erros de entendimento do texto, os mesmos saltos de palavras e frases da tradução original. seguem alguns exemplos dessa identidade textual [em destaque, as falhas]: Thirteen years had seen her mistress of Lellynch Hall, presiding and directing with a self-possession and decision which could never have given the idea of her being younger than she was. For thirteen years had she been doing the honours, and laying down the domestic law at home, and leading the way to the chaise and four, and walking immediatly after Lady Russell out of all the drawing-rooms and diningrooms in the country. Há treze anos que era a senhora do Solar de Kellynch, supervisionando e dando ordens com uma autoconfiança e decisão que nunca poderiam ter dado a idéia de ela ser mais nova do que realmente era. Durante treze anos tinha feito as honras da casa, repreendendo, tomando a dianteira ao dirigir-se para o coche e seguindo imediatamente atrás de lady Russell ao sair de todas as salas de visitas e de jantar do país. (isabel sequeira) Há treze anos que era a senhora do Solar de Kellynch, supervisionando e dando ordens com uma autoconfiança e decisão que nunca poderiam ter dado a idéia de ela ser mais nova do que realmente era. Durante treze anos tinha feito as honras da casa, repreendendo, tomando a dianteira ao dirigir-se para o coche e seguindo imediatamente atrás de lady Russell ao sair de todas as salas de visitas e de jantar do país. (fábio cyrino) He [...] at fifty-four, was still a very fine man. Ele [...] aos 55 anos, ainda era um homem muito atraente. (isabel sequeira) Ele [...] aos 55 anos, ainda era um homem muito atraente. (fábio cyrino) She was fully satisfied of being still quite handsome as ever [...] Sabia que ainda era muito bonita [...] (isabel sequeira) Sabia que ainda era muito bonita [...] (fábio cyrino) “For they must have been seen together”, he observed, “once at Tattersal’s, and twice in the lobby of the House of Commons.” “Porque nós devemos ter sido vistos juntos”, comentou ele, “uma vez no Tattersal e duas vezes no trio da Câmara dos Comuns.” (isabel sequeira) “Porque nós devemos ter sido vistos juntos”, comentou ele, “uma vez no Tattersal e duas vezes no trio da Câmara dos Comuns.” (fábio cyrino) Such were Elizabeth Elliot’s sentiments and sensations; such the cares to alloy, the agitations to vary, the sameness and the elegance, the prosperity and the nothingness of her scene of life; such the feelings to give interest to a long, uneventful residence in one country circle, to fill the vacancies which there were no habits of utility abroad, no talents or accomplishments for home, to occupy. Estes eram os sentimentos e as sensações de Elizabeth Elliot; estas eram as preocupações que a incomodavam, a agitação que perturbava a monotonia, a elegância, a prosperidade e o vazio da cena da sua vida – estes eram os sentimentos que conferiam interesse a uma longa e rotineira residência em uma pequena localidade, preenchendo o vazio que não podia ser ocupado com hábitos de serviço no estrangeiro nem com talentos ou feitos levados a cabo no país. (isabel sequeira)

Esses eram os sentimentos e as sensações de Elizabeth Elliot; essas eram as preocupações que a incomodavam, a agitação que perturbava a monotonia, a elegância, a prosperidade e o vazio da cena da sua vida – esses eram os sentimentos que conferiam interesse a uma longa e rotineira residência em uma pequena localidade, preenchendo o vazio que não podia ser ocupado com hábitos de serviço no estrangeiro nem com talentos ou feitos levados a cabo no país. (fábio cyrino) marketing e gato escaldado afora esse ingente esforço no caso de persuasão, a landmark parece se dedicar energicamente ao trabalho de divulgação de seus lançamentos, com a assessoria de uma profissional de comunicação. conta ainda com os serviços de um escritório de design gráfico e comunicação visual praticamente exclusivo. publica as premiadas traduções lusitanas de vasco graça moura, segundo afirma, em contrato de licença com a bertrand portuguesa. desenvolve um projeto de publicação de obras dos acadêmicos da abl. mantém em seu site a minuciosa relação de todas as notícias na imprensa sobre essas edições de obras literárias. faz capas em cores fortes ou com reproduções de cartazes de filmes, de aparência chamativa. está bem distante da linha editorial de livros a preços acessíveis, e prefere apostar, pelo menos no caso de persuasão, na ingenuidade ou desatenção dos leitores. não tive ocasião de ver os outros títulos com tradução atribuída ao sr. fábio cyrino. em todo caso, são eles: uma defesa da poesia e outros ensaios, de percy shelley, em co-tradução com marcella machado de campos furtado, o estranho caso do dr. jekyll e do sr. hyde, meditações de john donne, além de alguns livros sobre maçonaria. na verdade, sinto um certo receio em folhear os demais livros do catálogo da landmark. e como fica? como leitora, acho legal ver novas editoras com garra, oferecendo títulos de fato inéditos, com traduções de qualidade, batalhando para se fazer visível no mercado. mas aqui não sei bem se é o caso. acho que, com a mesma presteza e profissionalismo com que deu entrevistas e divulgou o lançamento de persuasão, o sr. fábio cyrino faria bem em vir a público e se retratar junto a nós leitores. quem sabe poderia também proceder a uma errata pública para os exemplares já vendidos, retirar os exemplares restantes de circulação e renunciar à sua candidatura no certame do plagiato nacional. e, desta vez, não vale colocar a culpa em ex-funcionários ou alegar falha técnica. o outro lado (como nos jornais...) tentei conversar com o sr. fábio por telefone sobre a autoria da tradução. ele afirmou desconhecer o assunto: "até o momento não tivemos nenhuma reclamação a respeito; pelo contrário, a imprensa tem elogiado a tradução, prova é que já estamos na quinta reimpressão do livro". indagou se os textos eram mesmo totalmente idênticos. justificou o fato declarando que "afinal a língua portuguesa é uma só, e pode haver coisas iguais, isso é natural".* afirmou que a tradução foi feita no brasil e que "inclusive usamos revisores brasileiros". quanto ao suposto ineditismo da obra no brasil, ele disse apenas que as edições anteriores "não se encontram mais". * devo discordar desse argumento: não existe a menor possibilidade prática de existirem duas obras de tradução com tamanho grau de semelhança. qualquer pessoa que já tentou traduzir uma simples frase sabe muito bem quantas alternativas lhe

passam pela cabeça, até se decidir por qual adotará. isso vale mesmo para textos técnicos. pessoalmente eu fico meio assim, sentindo-me uma espécie de "denise, a caçadora de fraudóides". mas aí penso: "não é possível uma coisa dessas; alguém tem de fazer algo a respeito". sei lá, eu esperaria uma posição mais efetiva da imprensa, das editoras, das academias, das sociedades de leitores, do ministério público... pois só se engabela, e pronto? a prova da verdade é a desatenção ou desmemória do leitor ou o elogio da imprensa? e os fatos, onde ficam? complicado. imagem da capa disponível em http://www.livrariacultura.com.br para maior clareza, apresento mais um exemplo, o primeiro parágrafo do último capítulo: quem poderá duvidar do que se seguiu? quando dois jovens decidem casar-se, têm a certeza de que, pela perseverança, conseguirão o seu objectivo, quer sejam pobres ou imprudentes, ou mesmo, em última análise, pouco adequados ao bem-estar futuro um do outro;* e, se esses casais têm êxito, como poderiam um comandante wentworth e uma anne elliot, com a vantagem de possuírem maturidade de espírito, consciência dos seus direitos e uma fortuna que lhes conferiria a independência deixar de derrubar toda a oposição? eles poderiam, de facto, ter aniquilado uma oposição muito maior do que a que enfrentaram, pois pouco havia para os aborrecer, para além da falta de amabilidade e de carinho. sir walter não levantou qualquer objecção, e elizabeth limitou-se a mostrar-se fria e indiferente. o comandante wentworth, com vinte cinco mil libras e com um posto tão elevado que o mérito e a actividade lhe tinham granjeado, era já alguém. era agora considerado digno de cortejar a filha de um baronete tolo e perdulário que não tivera bom senso nem princípios suficientes para se manter na situação em que a providência o colocara e que actualmente só podia dar à filha uma pequena parte das dez mil libras que lhe pertenceriam no futuro. [isabel sequeira] * aqui também pulou-se uma frase do original: "this may be bad morality to conclude with, but i believe it to be truth" quem poderá duvidar do que se seguiu? quando dois jovens decidem casar-se, têm certeza de que, pela perseverança, conseguirão o seu objetivo, quer sejam pobres ou imprudentes, ou mesmo, em última análise, pouco adequados ao bem-estar futuro um do outro;* e, se esses casais têm êxito, como poderiam um capitão wentworth e uma anne elliot, com a vantagem de possuírem maturidade de espírito, consciência dos seus direitos e uma fortuna que lhes conferiria a independência deixar de derrubar toda a oposição? eles poderiam, de fato, ter aniquilado uma oposição muito maior do que a que enfrentaram, pois pouco havia para os aborrecer, para além da falta de amabilidade e de carinho. sir walter não levantou qualquer objeção, e elizabeth limitou-se a mostrar-se fria e indiferente. o capitão wentworth, com vinte cinco mil libras e com um posto tão elevado que o mérito e a atividade lhe tinham granjeado, era já alguém. era agora considerado digno de cortejar a filha de um baronete tolo e perdulário que não tivera bom senso nem princípios suficientes para se manter na situação em que a providência o colocara e que atualmente só podia dar à filha uma pequena parte das dez mil libras que lhe pertenceriam no futuro. [fábio cyrino] * aqui também pulou-se uma frase do original: "this may be bad morality to conclude with, but i believe it to be truth" POSTADO POR DENISE 33 COMENTÁRIOS

05/01/2009 suzano/ nova cultural não sei, posso não entender bem as coisas, mas pelas minhas contas dá uma quantidade imensa de fraudes espalhadas em bibliotecas comunitárias e escolas públicas pelas "empresas do bem"... Portal Celulose Online O Ecofuturo mantém o selo Ler é Preciso, o qual destina 1% de seu faturamento para financiar as bibliotecas. Entre os livros editados por esse selo, destacam-se o “Carandiru – Registro Geral”, sobre o filme do diretor Hector Babenco, e a Coleção Obras Primas, da Nova Cultural, composta de 50 clássicos da literatura universal. [...] Além das redações premiadas serem transformadas em livro, a ser publicado ainda em maio, os três primeiros colocados, assim como suas escolas e professores, receberam como prêmio a coleção Obras Primas, da Editora Nova Cultural, que reúne 53 grandes clássicos da literatura mundial. EMPRESAS DO BEM LEITURA DE QUALIDADE O mundo mágico do escritor Monteiro Lobato é o mote do concurso de redação promovido pelo Instituto Ecofuturo. A ONG, criada pela Cia. Suzano, usará a competição como ferramenta para reforçar nos alunos de 1ª a 8ª série, de todo o País, o gosto pela leitura de qualidade. Os melhores textos vão ser publicados em livro. Além disso, os alunos e as escolas vencedoras vão ganhar a coleção Obras Primas, da Editora Nova Cultural, composta por 50 títulos. Coleção Obras Primas — Instituto Ecofuturo Projetos que fazem parte do Programa Ler é Preciso > Ler é Preciso > Selo Ler é Preciso > Livros > Coleção Obras Primas Autor: Diversos Editora: Nova Cultural Ano: 2002 A coleção Obras-Primas é caracterizada pela variedade de títulos, escolhidos entre os mais expressivos da literatura mundial. Serão livros de autores consagrados, apresentados ao público em edição de luxo, com tradução primorosa e preço acessível. No mundo dos livros, Suzano busca estímulo para suas atividades O bom desempenho do projeto resultou na criação do selo Ler é Preciso. Capas dos livros que contêm esse selo identificam que 1% do preço do livro vai para os projetos sociais do Ecofuturo. A maior parceria nesse sentido foi firmada com a editora Nova Cultural quando criou a coleção Obras-Primas. São 50 títulos expressivos da literatura mundial com edição de luxo e preços acessíveis. Todos com o selo. A parceria prevê que o Ecofuturo terá direito a 900 dessas coleções. Parte delas vai suprir as 25 bibliotecas comunitárias já instaladas pelo Ecofuturo em várias cidades. ... Vencedores do concurso de redação deste ano também devem ser agraciados com a coleção. Aluna de escola estadual tem redação premiada A partir da premiação, os alunos poderão ver publicadas as suas histórias e ganhar prêmios. Os organizadores do concurso editarão um livro com as 15 primeiras redações selecionadas em cada uma das quatro categorias. Os professores e as escolas dos três primeiros colocados nas quatro categorias serão premiados com a Coleção Obras-Primas, da Editora Nova Cultural, composta por 50 clássicos da literatura universal. Desde 1998 já foram desenvolvidos três concursos de redação que envolveram mais de 4.500 crianças e mais de 5 mil escolas públicas e privadas. Secretaria de Estado da Educação Instituto Ecofuturo

Quem Somos Programa Ler é Preciso Coleção Obras Primas [1%] por simples, em 23/05/2007 A coleção Obras-Primas é caracterizada pela variedade de títulos, escolhidos entre os mais expressivos da literatura mundial. Livros — Instituto Ecofuturo Coleção Obras Primas. Projetos que fazem parte do Programa Ler é Preciso. Ler é Preciso. Bibliotecas Comunitárias. Concurso de Redação LIVROS

Escola é finalista de concurso nacional - A EE (Escola Estadual) Adelmo Almeida, de Guararapes, recebeu no último bimestre a coleção "Obras Primas", com 53 clássicos da literatura universal. Os livros fazem parte da premiação oferecida aos 67 finalistas do 5º concurso de redação "Ler é Preciso - Na pista com Ayrton Senna: a Conquista de um Sonho", promovido pelo Instituto Ecofuturo e pelo Instituto Ayrton Senna. Clássicos da literatura mundial a preço popular – Os R$ 9,90 cobrados por cada livro somente são possíveis, segundo Janice, por causa de acordo com a fábrica de papel Suzano. “A Nova Cultural e a Suzano repartiram pela metade o custo do projeto, que fica em torno de R$ 8 milhões”, diz. A contrapartida ao patrocínio da Suzano é que a Nova Cultural doará 1% da receita da coleção a uma ONG mantida pela empresa papeleira. Doará também 1.500 coleções completas para bibliotecas públicas de vários Estados brasileiros. Inicialmente, as tiragens de cada título da coleção Obras Primas serão de 60 mil exemplares. Parceria entre Nova Cultural e Cia. Suzano visa a multiplicar o universo de leitores no País - Para Christine Fontelles, assessora de comunicação corporativa e relações públicas da Cia. Suzano, a exemplo da Nova Cultural, a intenção de levar a literatura para o povo deveria ser um objetivo nacional. `Essa questão é um apelo. É preciso firmar parcerias com ONGs, governo e empresas e buscar a democratização da cultura no País`, diz. Por meio da parceria com a Nova Cultural, a cada venda de livro da coleção, 1% da receita será revertido às ações do programa "Ler é Preciso", aplicado pelo Instituto Ecofuturo, entidade criada pela Cia. Suzano para desenvolver práticas de responsabilidade social da empresa. ... Pela parceria, ainda está prevista a doação, por parte da Nova Cultural, de 1.500 coleções para 1.500 bibliotecas de todo o País. Objetivo é aproximar a literatura do leitor através da coleção Obras-Primas - A equipe da Nova Cultural está satisfeita com as vendas dos livros da coleção. De acordo com dados da assessoria de imprensa, a Obras-Primas já movimentou a produção de 2,2 milhões de títulos [em 6 meses] ... a Nova Cultural foi buscar a parceria com a Companhia Suzano de Papel e Celulose, ... que está patrocinando todo o papel. que ninguém me entenda mal: acho ótimo que as empresas desenvolvam trabalhos de responsabilidade social. mas acho também que não é só sair por aí fazendo parceria com o primeiro que passa pela frente, sem avaliar direito as coisas. de mais a mais, as fraudes da nova cultural foram denunciadas várias vezes por várias pessoas desde 2002. se a ecofuturo só agora diz "aaah, puxa vida, eu não sabia..." - bom, vou dizer o quê? sorte da dona nova cultural, então, que teve uma parceira tão confiante?

só posso torcer para que essa reunião entre ecofuturo e nova cultural resulte em alguma providência concreta para desfazer os malfeitos. imagens: instituto ecofuturo, obras-primas e selo POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 04/01/2009 sobre desmemórias retomo aqui um texto que publiquei alguns meses atrás, num outro blog. considero que continua atual, infelizmente! é um problema... teve aí um povo que não gostou muito dessa história na imprensa mostrando que grandes obras da literatura universal tinham sido publicadas em traduções antigas e consagradas, com algumas ou nenhumas alterações, mas atribuídas a outros nomes quaisquer, num claro delito de plágio, falsificação ideológica e apropriação indébita. aí, mexe daqui, mexe dali, descobre-se que não eram duas ou três obras, mas sim vinte, vinte e cinco, concentradas numa fornada de quarenta. então a coisa começa a adquirir uma dimensão um pouco mais abrangente, parecendo que não é só meio por acaso. e começa-se a publicar os cotejos mostrando que não era algo avulso, mas uma onda meio alarmante. e aí primeiro aparece uma mensagem apócrifa da nova cultural, e depois uma gerente financeira dizendo que estão verificando o que pode ter acontecido. a seguir vem a imprensa, que quer saber que coisa é essa que está acontecendo. a gente expõe. e aí a nova cultural começa a tirar de catálogo aquela coisarada toda meio esquisita. só que tudo isso ocorre em meio a entrevistas e depoimentos dos responsáveis da época, dizendo "não sei, nunca soube", "ah, não lembro", "isso não era comigo", e por aí vai. richard civita liga para um dos lesados (pelo menos é o que este me disse), pagalhe um almoço e propõe um acordo, batendo no peito, dizendo que não sabe de nada e que afinal este é um dos problemas de delegar responsabilidades. janice florido, com mais de vinte anos de casa na abril/nova cultural, responsável também por bianca, sabrina e a chamada "linha cor-de-rosa" de romances açucarados em bancas, depois alta executiva da siciliano e agora diretora da ediouro em são paulo, tem um acesso de amnésia, diz que a memória de três anos atrás lhe foge e que não lembra quem cuidava das traduções. o editor responsável da época, eliel silveira cunha, diz que nunca soube como era essa questão das traduções na coleção obras-primas. shozi ikeda, o tal diretor administrativo-financeiro, que supostamente deveria autorizar os pagamentos para os prestadores de serviços e colaboradores (entre eles os tradutores) para a empresa, desconversa e diz que estão vendo o que pode ter acontecido. gente, quanta história! o que aconteceu é simples: lançaram milhões de exemplares de grandes clássicos da literatura universal com traduções ou trechos de traduções

legítimas, mas dando os créditos a outros nomes, como fábio m. alberti, enrico corvisieri, mirtes ugeda coscodai, carmen lia lomonaco, roberto nunes whitaker, maria cristina figueiredo da silva, e mais um monte de gente, num franco procedimento plagiarista. então, o que posso dizer? se shozi ikeda, o diretor administrativo-financeiro da nova cultural, não está a par, ele bem que pode consultar os livros contábeis e de controle interno, onde devem estar registrados os pagamentos, devem estar mencionados os títulos das despesas, arquivados os recibos e as autorizações de pagamento à tesouraria, e assim por diante. numa dessas, quem sabe ele até encontra os contratos de cessão dos direitos patrimoniais dessas supostas traduções. se a publisher sra. janice florido, ex-diretora editorial da nova cultural, não lembra, o que posso dizer? que talvez não seja tão eficiente quanto a imagem que pretendeu passar para a siciliano (a qual foi vendida poucas semanas atrás para a saraiva) e para a ediouro, que a contratou para seu braço paulista. se eliel silveira cunha, o editor de tantas obras na época, junto com a coordenadora geral sra. janice florido, nem fazia idéia de onde vinham as traduções, bom.... com um pessoal desmiolado como esse, até admira que a nova (in)cultural tenha conseguido publicar alguma coisa! mas o ponto em questão não é este, de maneira alguma. se os principais encarregados da época não sabem, não lembram, pouco vem ao caso. seus atuais empregadores é que decidam o que haverão de fazer com funcionários assim. meu ponto é: lembrem ou não, saibam ou não, queiram ou não, foram vendidos (quer dizer, pagos por cidadãos brasileiros na boa fé) milhões de exemplares de obras traduzidas por mario quintana, araújo nabuco, eugênio vieira, ascendino leite, lígia junqueira, carlos porto carreiro, luiz costa lima e tantos outros, mas, com maiores ou menores alterações superficiais, como se fossem de um roberto nunes whitaker, carmen lia lomonaco, fernando corrêa fonseca, alberto maximiliano e por aí afora. meu ponto é que pessoas desembolsaram dinheiro comprando uma coisa que, na verdade, era outra. e que essas edições se apropriaram, pelo menos em dois casos, de obras que já estão em domínio público, recriando, sob novo nome, o direito exclusivo para a nova cultural de exploração comercial privada de algo que já é de toda a sociedade. e que uma parte desse dinheiro embolsado pela qualquer negociado pela sra. janice florido e cultural, foi para o instituto ecofuturo, ong celulose, para abastecer uma campanha chamada escolas e bibliotecas. nova cultural, por algum acordo pelos altos dirigentes da nova da própria parceira deles, a suzano "ler é preciso", voltada para

gente, mais que ler, é preciso saber, lembrar e respeitar. imagens: claudia67, flickr.com; www.joeduhclown.com POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 03/01/2009 teste responda a pergunta assinalando uma das alternativas abaixo.

"o que é o isbn?" a. um grande avanço na catalogação dos livros que permite a integração mundial, superando barreiras linguísticas (cf. biblioteca nacional) b. um número obrigatório nas edições que tem como função principal facilitar a venda do livro (cf. raul wasserman, ex-presidente da cbl) c. a sigla de "Ilusão Só Bobo Nutre", na linha "for english to see" (cf. o cético) d. números em série que se compram em lotes, para ser impressos em qualquer livro, para a maior comodidade do editor (cf. marino lobello, vice-presidente da cbl) e. um atestado legítimo de autenticidade da obra para o leitor (cf. o crédulo cidadão brasileiro) é fácil marcar a resposta, clique em comentário(s) e deixe ali seu palpite. imagem: limitededition68.wordpress.com POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS são paulo para quem nasceu nos anos 50/60, uma coisa lindinha! e para quem vem depois, uma idéia do que era, memórias preciosas de nando reis, na voz de marisa monte, diariamente. e um descanso das baixarias, porque, elas sim, ninguém merece!

POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 02/01/2009 a ver o problema dos plágios da nova cultural na coleção obras-primas, publicada em parceria com a suzano celulose, havia sido encaminhado ao departamento jurídico do instituto ecofuturo. o instituto ecofuturo é a ong beneficiária de 1% do faturamento com as vendas da referida coleção, verba esta que seria aplicada na campanha "ler é preciso" do dito instituto.

como não se trata de dinheiro 100% lícito, o ecofuturo e a campanha "ler é preciso" se viram em posição delicada, tanto mais que o padrinho da iniciativa, o bibliófilo josé mindlin, havia se manifestado contra a prática de plágio. [relatei esses contatos com a ecofuturo aqui.] agora recebo informação da diretoria da entidade: foi enviada carta à nova cultural solicitando esclarecimentos. em resposta, a editora entrou em contato com a ong para marcar uma reunião. a ver. imagens: http://www.obrasprimas.com.br/; smiley, rolleyes. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS

01/01/2009 para fugir uma listinha de utilidade pública: destes, mais vale fugir! LANDMARK persuasão (fábio cyrino) o morro dos ventos uivantes (ver retificação) o morro dos ventos uivantes (ana maria oliveira rosa) SAPIENZA a arte da guerra (nikko bushido) JARDIM DOS LIVROS a arte da guerra (nikko bushido) o essencial do alcorão (pedro h. berwick) o essencial de jesus (pedro h. berwick) a vida secreta de laszlo, conde drácula (pedro h. berwick) NOVA CULTURAL, a vanguarda da indústria do plágio os irmãos karamazóvi (enrico corvisieri) suave é a noite (enrico corvisieri) a mulher de trinta anos (enrico corvisieri) o retrato de dorian gray (enrico corvisieri) madame bovary (enrico corvisieri) a divina comédia (fábio m. alberti) cyrano de bergerac (fábio m. alberti) os três mosqueteiros (mirtes ugeda) ana karênina (mirtes ugeda) ivanhoé (roberto nunes whitaker) uma vida, maupassant (roberto domenico proença) lord jim (carmen lia lomonaco) naná (roberto valeriano) tom jones (jorge pádua conceiçao) seis personagens à procura de autor (fernando corrêa fonseca) o falecido mattia pascal (fernando corrêa fonseca) o morro dos ventos uivantes (silvana laplace) contos de voltaire (roberto domenico proença) werther (alberto maximiliano) fausto (alberto maximiliano) o leopardo (leonardo codignoto) o vermelho e o negro (maria cristina f. da silva) apologia de sócrates, de platão (enrico corvisieri) apologia de sócrates, de xenofonte (mirtes coscodai) ditos e feitos memoráveis de sócrates (mirtes coscodai) discurso do método (enrico corvisieri) MARTIN CLARET - bizarrices tradutórias (fbn/isbn) contos fluminenses (marcellin talbot) o primo basílio (pietro nassetti) a farsa de inês pereira (pietro nassetti) a encarnação (pietro nassetti) quincas borba (pietro nassetti) papéis avulsos (marcellin talbot) a língua e o estilo de rui barbosa (jean melville)

ressurreição (alex marins) sonetos - bocage (pietro massetti) o velho da horta (juan gonçalves) marília de dirceu (pietro nassetti) a carta de pero vaz de caminha, jaime cortesão (ed.) (pietro nassetti) MARTIN CLARET - "tradutores" sortidos memórias de sherlock holmes (john green) lisístrata e as vespas [sic] (john green) assim falava zaratustra (equipe de tradutores, 2000) os irmãos karamazovi (alexandre popov) crime e castigo (irina wisnik ribeiro e ivan petrovitch) crítica da razão pura (rodolfo schaefer/ pietro massetti na fbn)) crítica da razão prática (leopoldo holzbach, fbn) fundamentação da metafísica dos costumes (leopoldo holzbach) MARTIN CLARET e o triunvirato tradutivo cinco lições de psicanálise (pietro nassetti, fbn) o corcunda de notre-dame (pietro nassetti) a vida dos doze césares (pietro nassetti) pensamentos - pascal (pietro nassetti) eneida (pietro nassetti) dicionário filosófico - voltaire (pietro nassetti) o trovejar do silêncio (pietro nassetti) o coração das trevas (pietro nassetti) lorde jim (pietro nassetti) a letra escarlate (pietro nassetti) o pensamento de epicuro (pietro nassetti, fbn) o caminho infinito (pietro nassetti) gitanjali (pietro nassetti) jesus, o filho do homem (pietro nassetti) fábulas - esopo (pietro nassetti) o profeta - gibran (pietro nassetti) rubayat (pietro nassetti) hipólito (pietro nassetti) electra (pietro nassetti) alceste (pietro nassetti) arte poética - aristóteles (pietro nassetti) belfagor (pietro nassetti) mandrágora (pietro nassetti) a arte de amar (pietro nassetti) as aventuras de pinóquio (pietro nassetti) do sofrimento do mundo (pietro nassetti) metafísica do amor (pietro nassetti) da morte (pietro nassetti) o cão dos baskervilles (pietro nassetti) as regras do método sociológico (pietro nassetti) frankenstein (pietro nassetti) rei lear (pietro nassetti) cândido (pietro nassetti) imitação de cristo (pietro nassetti) a arte da guerra - sun-tzu (pietro nassetti) ética a nicômaco (pietro nassetti) as flores do mal (pietro nassetti) werther (pietro nassetti) o anticristo (pietro nassetti) a ética protestante e o espírito do capitalismo (pietro nassetti) a luta pelo direito (pietro nassetti)

do contrato social (pietro nassetti) o discurso do método (pietro nassetti) o manifesto comunista (pietro nassetti) ecce homo (pietro nassetti) o médico e o monstro (pietro nassetti) a utopia - th. morus (pietro nassetti) hamlet (pietro nassetti) caninos brancos (pietro nassetti, fbn) a república - platão (pietro nassetti) bola de sebo e outros contos (pietro nassetti) as aventuras de tom sawyer (pietro nassetti) histórias extraordinárias - poe (pietro nassetti) o jogador - dostoievski (pietro nassetti) assim falou zaratustra (pietro nassetti, 1999) artista da fome (pietro nassetti) apologia de sócrates (pietro nassetti, 2001) volta ao mundo em oitenta dias (pietro nassetti) o retrato de dorian gry (pietro nassetti) as viagens - marco polo (pietro nassetti) a mulher de trinta anos (pietro nassetti) a arte da prudência (pietro nassetti) o lobo do mar (pietro nassetti) o príncipe - maquiavel (pietro nassetti) a sonata a kreutzer (jean melville) dom quixote (jean melville, 2005) grandes esperanças (jean melville) germinal (jean melville) o vermelho e o negro (jean melville) paulo, o 13o. apóstolo (jean melville) do espírito das leis (jean melville) ética - spinoza (jean melville) a cidade antiga (jean melville) a dama de espadas (jean melville) a filha do capitão (jean melville) orgulho e preconceito (jean melville) andrômaca (jean melville) fedra (jean melville) o tartufo (jean melville) o sonho de uma noite de verão (jean melville) vida nova - dante (jean melville) da monarquia - dante (jean melville) a gaia ciência (jean melville) o tartufo (jean melville) balada do cárcere de reading (jean melville) de profundis (jean melville) ensaios - emerson (jean melville) otelo (jean melville) a conduta para a vida (jean melville) a arte da guerra - maquiavel (jean melville) escritos políticos - maquiavel (jean melville) as aventuras de sherlock holmes (jean melville) antígona (jean melville) édipo rei (jean melville) macbeth (jean melville) diário de um sedutor - kierkegaard (jean melville) romeu e julieta (jean melville) ciência e política: duas vocações (jean melville) um estudo em vermelho (jean melville)

as minas do rei salomão (jean melville) apologia de sócrates (jean melville, 2004) acuso - gide (jean melville) martin eden (jean melville) o livro de jó (alex marins) o livro de ouro da mitologia (alex marins) ben-hur (alex marins) moby dick (alex marins) as aventuras de huckleberry finn (alex marins) o suicídio - durkheim (alex marins) crime e castigo (alex marins na fbn) confissões - santo agostinho (alex marins) crítica da razão pura (alex marins) leviatã (alex marins) tristão e isolda (alex marins) thaïs (alex marins) as mulherzinhas (alex marins) discurso sobre a origem e os fundamentos da desigualdade entre os homens (alex marins) o livro da jângal (alex marins) a megera domada (alex marins) o último adeus de sherlock holmes (alex marins) o príncipe e o mendigo (alex marins) segundo tratado sobre o governo (alex marins) a ilha do tesouro (alex marins) para além do bem e do mal (alex marins) desobediência civil e outros ensaios (alex marins) satíricon (alex marins) dos deveres (alex marins) o desespero humano (alex marins) eugênia grandet (alex marins) meditações - marco aurélio (alex marins) manuscritos econômico-filosóficos (alex marins) fedro (alex marins) elogio da loucura (alex marins) assim falou zaratustra (alex marins, 2002) a fenomenologia do espírito (alex marins) a riqueza das nações (alex marins) o último dos moicanos (alex marins) comédia latina - plauto, terêncio (alex marins) imagem: f for fake POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS não gosto de plágio quem mais não gosta de plágio: abílio guerra adriana lisboa agenor soares dos santos alba olmi alberto da costa e silva aldo dinucci alessandra allegri alexandre barbosa de souza alice xavier allison roberto

ana resende ana suzuki ana carolina cunha lima ana maria ramiro ana miriam wuensch ana paula alves ribeiro anderson braga horta andré gazola andré medina carone angela xavier de brito anita di marco ann charlotte barbosa anna magdalena machado bracher antivan mendes artur neves teixeira aurora bernardini beatriz viégas-faria bruno costa carla kurrle carlos angelo carlos daghlian carlos nelson coutinho carmen zink bolognini caroline chang cecília campello celina portocarrero chrys chrystello claudia martinelli gama cláudia berliner cláudio daniel cláudio murilo leal cláudio willer cássio de arantes leite daniel aço davi arrigucci jr. desidério murcho dilma machado doralice lima eduardo sterzi eleonora guimarães bottmann elyzabeth thompson emiliano unzer macedo erick ramalho etelmiro castilho eugênio vinci de moraes euler frança belém everardo norões fal azevedo fátima vasco fátima aparecida de oliveira abbate federico carotti flávia nascimento francis h. aubert francisco araújo da costa francisco césar manhães monteiro francisco foot hardman galeno amorim gabriel perissé

geraldo holanda cavalcanti haroldo cantanhede helena londres heloísa gonçalves barbosa heloísa jahn heloísa mafra ferdinandt hélio de mello filho ivan cortez ivo barroso jacqueline prates rocha james emanuel albuquerque janaína pietroluongo jean cristtus portela joana canêdo joão paulo monteiro joão tomaz parreira joão ângelo oliva neto joice elias costa jorge coli jorio dauster josé lira josé antônio arantes josé augusto drummond josé veríssimo teixeira da matta josely vianna baptista julián fuks juliana saul lai pereira leda tenório da motta lenita rimoli esteves leonardo fróes letícia braun lina cerejo lucia singer luis dolhnikoff luiz costa lima lylian coltrinari mamede jarouche marcelo backes marcelo jacques de moraes marco lucchesi marco túlio castro marcos siscar marcus mazzari maria betânia amoroso maria constança pires pissarra maria cristina pires pereira maria de lourdes sette maria helena nery garcez mauri furlan mauro gama mauro pinheiro maurício ayer maurício mendonça cardozo maurício santana dias moacyr scliar myriam campello natalício barroso

nythamar fernandes de oliveira olívia niemeyer oséias silas ferraz pablo vilela patrícia reuillard paula aryana de sena paulo bezerra paulo henriques britto paulo wengorski pedro du bois pedro maciel pedro reis peterso rissatti priscila manhães priscila santos raimundo moura raquel sallaberry rejane janowitzer renata bottino renata faria renato aguiar renato pontual ricardo ferreira ricardo terra robert ewing finnegan roberto gomes rogério bettoni rosa freire d'aguiar salma tannus muchail sandra biondo saulo von randow jr. sergio flaksman sheyla barretto de carvalho solange ribeiro de oliveira suellen pareico sérgio bath sérgio pachá tatiana miranda vera pereira vera ribeiro virna teixeira wladir dupont zahidé lupinacci muzart imagem: matisse, vigne, maglm fr, flickr POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS para saber segue uma listinha de links para matérias, artigos e comentários em jornais, revistas, sites e blogs sobre os plágios editoriais. A vida de Tiago A., Pietro Nassetti, quem é você? ABI, ABI recebe denúncia de plágio em obras literárias Aletria, Nova Cultural é acusada de plágio Amigos do livro, Editora plagiou traduções de clássicos Antonio Fernando Borges, "Histórias da Meia-Noite" Blog de maurorosso, Isso é grave

Blog do C.J., Chocalho e batuques, Martin Claret e o plágio Blog do Daniel, Kafkas Blog do Vassil, O plágio da Martin Claret Brasil que lê, Notícias interessantes Cadê o revisor?, Escândalo Café Colombo, Tradutores fazem abaixo-assinado Caixa de Pandora, Mulheres alencarinas Caixa de Pandora, Um requisito de cidadania CBL, Editora de SP é acusada de plagiar mais duas obras Contraduções, Plágios e tradução Cronópios, Peterso Rissatti, "Mãos ao alto, tradutor!" De gustibus, Plágio, uma praga pior que a saúva? Encontro cultural, Tradutores protestam contra plágios Estante Virtual, Fórum Estante Virtual, Todo livreiro deveria (2) Filisteu, Martin Claret Filisteu, Três perguntas sobre a Martin Claret Flanela Paulistana, A vida deu pra trás? Abre uma editora Folha de Pernambuco, Plágio? Folha de S.Paulo, Crítico literário notifica editora em caso de plágio Folha de S.Paulo, Crítico vê plágio de versão de Quintana Folha de S.Paulo, Editora Globo pede indenização em caso de plágio Folha de S.Paulo, Editora plagiou traduções de clássicos Folha de S.Paulo, Plágio leva L&PM a processar editora Folha de S.Paulo, Tradutores protestam contra plágios Futuro do jornalismo, Plágio editorial Gaveta do autor, Martin Claret plagiou traduções de clássicos Gaveta do autor, Pseudotraduções: dinamite pura Hardmob, Traduziram um livro de Machado de Assis para o... português I don't mind a rainy day, Nunca mais vou ver tv Imprimis, Ivan Emilianovitch, uma denúncia Ivo Barroso, Flores roubadas do jardim alheio Ivo Barroso, Um Cyrano sem penacho Jane Austen em português, A palavra é... A palavra deveria ser... Jornal A Tarde, Os autores ainda não conhecem seus direitos Jornal A Tarde, Tradutores são vítimas de plágio Jornal Caiçara, Assinado: Tradutores Jornal O Comércio, Em favor da honestidade editorial Jornal O Globo, Muito em comum Jornal Opção, A República da pirataria Jornal Opção, As traduções de O Leopardo Jornal Opção, Jornal Opção na Piauí L&PM, L&PM questiona Nova Cultural sobre traduções Lendo.org, E-books? Pirataria? Que nada, o problema está nas editoras Lendo.org, Lista de plágios da Nova Cultural Ler, pensar e escrever, Traduzir é criar Li e guardei, O que foi e é notícia Livraria 30porcento, Já ouvi falar de algumas péssimas traduções ... mas cópias... assim já é demais! Marcelo Bueno de Paula, Assinado: Tradutores Margarete de Toledo Ressurreição, Direito autoral e tradução MeiaPalavra, A Terra do Cópia-Cola e o Tradutor Ninja Meia Palavra, Plágio de tradução Mondolivro, Plágio cultural Mosaico, "Crime e castigo", de Fiódor Dostoiévski Na prática a teoria é outra, Guerra dos tradutores Na prática a teoria é outra, Troféu "Clássico é clássico, e vice-versa" 2008: Pietro Nassetti

Newsletter.hette, Mais lenha na fogueira da Nova Cultural O Corvo, A indústria é pirata também o horror, o horror o pensador selvagem, a usucapião autoral Observatório da imprensa, O nome do tradutor Oficina de teatro, Martin Claret Papel de rascunho, Plágios em tradução paulodaluzmoreira, Tradução, sacação, traição Portal Vitruvius, Abaixo-assinado de profissionais da tradução Portal Vitruvius, Tradutores fazem abaixo-assinado contra plágios em traduções literárias Prosa online, A primeira tradução de Machado de Assis para o... português Prosa online, Plágios, tradutores e índios Publishnews, Dia de comemoração para os tradutores Recanto das palavras, Editora acusada de plágio Recanto das palavras, Novo caso de plágio em tradução Revista Piauí, O pega-pega da Arte da Guerra Simplicíssimo, Juventude, identidade e crise Tal a fuga, A praga do plágio Talqualmente, Por falar em debates interessantes The Spectacled Bear, Brazilian Translator of Jane Austen Accused of Plagiarism Tradutor Profissional, O mistério de Ivanhoé Tradutor Profissional, O mistério de Ivanhoé II Traduzindo o juridiquês, Uma tradução do Bruxo do Cosme Velho? comentários União Brasileira de Escritores, UBE, Movimento Assinado-Tradutores Vermelho.Carne, Hoje, nosso dia! Véspera de nada, Como se portar em uma livraria Véspera de nada, Este blogue está em campanha Walter Cruz, Dia do tradutor Wikipedia, Editora Martin Claret Zero Hora, Mundo Livro, Tradutores, traidores (literalmente) imagem: www.sublackwell.co.uk

POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS outras vítimas mais traduções surripiadas de: leila v. b. gouvêa, vera pedroso, isabel sequeira, maria irene szmrecsányi, tamás szmrecsányi, antônio pinto de carvalho, ricardo iglésias, éverton ralph, joão baptista de mello e souza, eça de queiroz, adolfo casais monteiro, sodré viana, neide smolka, paulo m. oliveira, blásio demétrio, fernando de aguiar, maria francisca ferreira de lima, maria helena rocha pereira, sarmento de beires, josé duarte, margarida garrido esteves, luísa derouet, rodrigo richter, artur morão, olinda gomes fernandes, joaquim machado, octany silveira da mota, silvio meira, cunha medeiros, natália nunes, de souza fernandes, suely bastos, ivan emilianovitch schawirin (contrafação), marcílio marques moreira (contrafação), jaime bruna, líbero rangel de andrade, carlos chaves, sérgio milliet, moacyr werneck de castro, josé augusto drummond, luiz costa lima, joão paulo monteiro, ymaly salem chammas, sylvio deutsch. imagem: http://grandarcanum.blogspot.com POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS

para visitar blogs e sites de quem também não gosta de plágio: ¡Drops da Fal! 25 linhas em branco Agulha - Revista de Cultura Além do Fantástico Blog do Galeno Cadê o Revisor? Cantar a Pele de Lontra IV Caquis Caídos Catando Poesias Celina Portocarrero Criar Edições Crisálida Editora Cronópios Dias de voragem EDITORATRIX Estúdio Realidade Farol Comunitário Blog Filisteu Flanela Paulistana implicante Jane Austen em português Lendo.org Lenita Esteves Ler, pensar e escrever LPM meiapalavra Mundo forasteiro nada convencional o horror, o horror papel de rascunho Ponto de Tradução plagiarius REFLEXÕES retrolectro 3.0 tal a fuga vermelho carne - ano dois Vitruvius Viva Vox imagem: www.loneprairie.net POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS os nomes de espectros e de gente de carne e osso: são os que constam nos plágios ou bizarrices de tradução na agência do isbn e/ou nos livros impressos. alberto maximiliano alex marins alexandre popov ana maria oliveira rosa carmen lia lomonaco enrico corvisieri

fábio cyrino fábio m. alberti fernando corrêa fonseca irina wisnik ribeiro ivan petrovitch jean melville john green jorge luís penha jorge pádua conceição juan gonçalves leonardo codignoto leopoldo holzbach marcellin talbot maria cristina f. da silva mirtes ugeda (mirtes coscodai) nikko bushido pedro h. berwick pietro nassetti roberto domênico proença roberto nunes whitaker roberto valeriano rodolfo schaefer silvana laplace imagem: herzog, nosferatu POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS FELIZ 2009! chagall, vitrais para jerusalém POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 31/12/2008 encerrando o ano (mais chatterley) em 2 posts anteriores, e isso, é certo? e richter, comentei a edição de o amante de lady chatterley, atualmente na coleção de bolso da record, e solenemente plagiada pela martin claret sob as complacentes barbas de sua colega. continuei um pouco as pesquisas, e a história dessa tradução recua ainda mais no tempo. a tradução que aparece na civilização brasileira em nome de rodrigo richter, em 1959, na verdade foi publicada inicialmente em 1938, pela agência minerva. a página de rosto dessa edição de 1938 já traz os dizeres "versão integral inexpurgada", e na página da imprenta consta "versão autorizada". não consta o nome do tradutor. a agência minerva publica uma segunda edição em 1941 e uma terceira em 1946, com o apêndice "em defesa de 'lady chatterley'". em 1956 o título reaparece na civilização brasileira, onde segue sua carreira por algumas décadas. é apenas em 1959 que se acrescenta o nome "rodrigo richter" como tradutor, o qual se mantém até hoje, no catálogo da record. acho o caso ainda mais interessante. trata-se de uma tradução que vem desde 1938, tendo portanto completado 70 anos de existência.

quanto ao verdadeiro tradutor, que se manteve anônimo por vinte anos, não posso afirmar nada. rodrigo richter pode ser um pseudônimo, pode ser um nome emprestado, pode ser alguém de verdade. isso, decerto, a record há de saber melhor do que eu. quanto à sua edição inicial em 1938, o curioso é que foi publicada pela agência minerva. em seu reduzidíssimo catálogo, constam na mesma época a publicação de um livro de l. bertrand, a maçonaria, seita judaica: suas origens, sagacidade e finalidades anticristãs (1938), em alardeada tradução do integralista e antisemita gustavo barroso, e o famosíssimo os protocolos dos sábios de sião (1936), anotado, comentado e "apostilado" também por gustavo barroso. na mesma década de 1930, gustavo barroso publicou várias obras pela civilização brasileira, pela nacional e pela brasiliana (as colunas do templo; brasil, colônia de banqueiros; judaísmo, maçonaria e comunismo; a história secreta do brasil em 3 vols.; história militar do brasil). até os anos 1950 fazia parte do quadro de sócios da ed. civilização brasileira. isso parece sugerir que a conexão entre a agência minerva e a civilização brasileira, com a migração de o amante de lady chatterley, teria se dado por meio de gustavo barroso. a curiosidade que fica é como, em primeiro lugar, a agência minerva teria decidido publicar em seu microcatálogo um título decididamente polêmico, ao lado de peças de propaganda anti-semita traduzidas ou "apostiladas" pelo mais ruidoso e profícuo ideólogo integralista do país. humildemente julgo que a própria vetustez da tradução em si poderia fornecer bons subsídios para o estudo de práticas tradutórias do passado. além disso, um estudo desses entrelaçamentos editoriais ajudaria a compor em mais detalhes o cenário ideológico e cultural da primeira metade do século 20. talvez resultasse algo mais interessante do que esses trabalhos de pobres aluninhos enganados, que se dedicam pacientemente a estudar as "traduções" de jean melville, alex marins, pietro nassetti, enrico corvisieri, mirtes ugeda, fábio m. alberti e così via. tanto mais fortes razões, a meu ver, para que a record proteja esse patrimônio, sob sua guarda e responsabilidade, contra a sanha dos bandoleiros claretianos e outros quaisquer. até 2009! POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 30/12/2008 trivia II ainda nas sarjetas. como disse, não que isso acrescente muita coisa, só dá um certo colorido. o monstrengo covacultural/suzano das pseudo-obras-primas teve seu lançamento alardeado com todas as trombetas em agosto de 2002. dona janice da nova cultural e dona christine do instituto ecofuturo já vinham alardeando desde 2000 o grande feito da democratização cultural que iriam promover. trataram das verbas, dos contratos, dos percentuais, só se esqueceram de uma coisa: as obras que lhes garantiriam o rico dinheirinho dos papalvos que, ao comprar tal coleção, acreditavam na promessa de estar migrando automaticamente para o mundo da alta literatura. os livrecos já estavam nas bancas, quando a nó cultural* mandou seus releases brasil afora e a revista veja, do caridoso irmão roberto civita, deu uma colher de

chá e publicou o teor da tal coleção que resgataria os oprimidos e humilhados de sua triste condição de sub-aculturados. o curioso neste release da nova (in)cultural/suzano publicado pela revista veja e reproduzido em vários outros veículos é que boa parte dele não corresponde ao que foi efetivamente (e fraudulentamente) publicado na coleção obras-primas da nova (in)cultural/suzano. pois vejam o que ela anunciava em seu release e o que fato aconteceu (sem falar dos plágios, apenas das trapalhadas na grande imprensa) - repito, o release foi publicado depois do lançamento dos primeiros volumes, quando seria de se supor que a coleção já estaria definida: - crime e castigo sairia em nome de natália nunes; saiu anônimo; - o leopardo sairia em nome de calvin carruthers (é, aquele mesmo dos filmes de terror); saiu em nome do barato trocadilho de leonardo codignoto; - tom sawyer deveria sair em tradução de "terezinha monteiro" [leia-se therezinha monteiro deutsch]; saiu no nome legítimo de luísa derouet - talvez contrafação, mas não plágio; - morte em veneza e tonio kroeger, de thomas mann, que sairiam em nome de calvin carruthers, mais uma vez, foram substituídos de última hora por as três irmãs, de tchecov, na tradução autêntica de maria jacintha; - o morro dos ventos uivantes, que sairia em nome de uma tal "dirce tashima sato", acabou saindo em nome de outra igual desconhecida "silvana laplace"; - o pobre pirandello do falecido mattia pascal e dos seis personagens, com fraude anunciada em nome de "enrico corvisieri", acabou saindo na fraude de "fernando corrêa fonseca"; - tom jones que, na ciranda bandida da cova cultural, deveria sair em nome de uma desconhecida "lucília trindade", acabou saindo no nome de outro ilustre fantasma, "jorge pádua conceição"; - werther e fausto de goethe, anunciados neste release em nome do tal fábio maximiliano alberti, acabaram saindo com o criativo pseudônimo de alberto maximiliano; - tentaram impingir a fraude de naná a vera maria renoldi, figura de carne e osso, que por alguma razão foi substituída de última hora pelo fantasmagórico roberto valeriano; - há também o ridículo caso das tragédias de shakespeare, anunciadas no release em nome de paranhos touceiros: foram publicadas na tradução legítima de beatriz viégas-farias, após uma falcatrua indizível que a nova cultural plantou em cima da lpm que, bobamente, lhes cedeu a bela tradução de beatriz em troca das ridículas fraudes de fábio alberti e enrico corvisieri; - dorian gray, que a nova (in)cultural anunciou em tradução de oscar mendes, acabou publicado em nome do inefável enrico corvisieri; - anunciada a publicação de ilusões perdidas em todos os meios de comunicação do país; a nova (in)cultural na última hora deu para trás sem qualquer explicação e lançou mais uma fraude em nome de enrico corvisieri, com a mulher de trinta anos. UFA! eis aqui o release divulgado pela revista veja: http://veja.abril.com.br/idade/exclusivo/210802/obras_primas.html o ponto é que nem a própria equipe da dona janice parecia saber o que estava fazendo. a questão era só financeira, no maior improviso de revirar os baús herdados. então montaram um release todo atrapalhado, meio à balda, com atribuições aleatórias dos créditos - depois que a coleção já havia sido lançada. tipo, nóis fais e depois vê o que é que vira. este é o conceito cultural de democratização cultural da nova cultural e do instituto ecofuturo. vixe, é cultura demais para meu caminhãozinho!

* de novo agradeço ao anônimo colaborador do blog a adequada alcunha. imagens: till eulenspiegel, www. erich_hat_jetzt_zeit.de POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 29/12/2008 trivia I não que faça muita diferença, mas vão aí uns rudimentos sobre a construção de "pseudônimos". começa assim: a cova cultural* resolve publicar a toque de caixa uma coleção tirada do baú, "obras-primas", um monstrengo montado a partir de vários pedaços de coleções anteriores da abril cultural, com o patrocínio da suzano celulose bancando 50% da edição. ela descobre que não detém os direitos de publicação de boa parte dos títulos, mas não vai se deixar desacorçoar por um detalhe desses. fácil, é só trocar os nomes dos verdadeiros tradutores por outros nomes, alguns de gente de verdade, outros inventados. afinal, que diferença faz... (isso me lembra o que me contaram do claret num encontro que ele teve com uma das inúmeras editoras lesadas: "ué, mas por que tanta história? é só uma tradução, é tudo a mesma coisa!") e assim fábio m. alberti, um fulaninho de carne e osso, assina o terceiro volume da coleção, a divina comédia, inaugurando o capítulo das fraudes na coleção covaculturaliana. é o terceiro volume, mas digo que é ele que inaugura porque os volumes anteriores (dom quixote e os trabalhadores do mar) trazem as traduções em domínio público dos dois viscondes e de machado de assis. aí dona janice resolve pular o nome da tradutora natália nunes no quarto volume, e no quinto volume ressurge o mesmo fábio m. alberti, agora em cyrano de bergerac. todos hão de convir que não são as obras mais banais do mundo, e que o tal fábio foi trêfego e ligeirinho em abocanhar essas iguarias. [em tempo, o m. é de "maximiliano": fábio maximiliano alberti.] seguem-se alguns enricos corvisieris, umas mirtes ugedas, e lá pelas tantas a turminha bem-humorada das cobras-primas fica indecisa sobre o nome a atribuir às traduções de fausto e werther, em substituição aos nomes de silvio meira e galeão coutinho. é então que tiram do chapéu um tal "alberto maximiliano" para ornar o volume de goethe nas obras-primas cova-culturais. em vista do exposto acima, a fonte de inspiração dispensa maiores esclarecimentos. uma outra solução, mais indireta, mas também mais zombeteira, foi a que a divertida trupe deu ao sumiço de rui cabeçadas nos créditos de tradução de o leopardo: criou-se o espectral leonardo codignoto. o processo mental não é difícil de acompanhar, mas é como uma piada: se explicar, perde a graça, e o leitor certamente entenderá a composição do trocadilho. já no nível do puro escárnio foi a utilização do nome "calvin carruthers". esse caso saiu na matéria do prosa&verso do globo, mas vou repetir aqui. calvin carruthers aparece como tradutor de a metamorfose do kafka nessas obras covaculturais. aviso que não fui atrás dessa tradução, não sei se é plágio ou deixa de ser, mas o uso do nome de fantasia por si só já dá um certo pano para a manga.

bom, qualquer criança sabe que o protagonista do livro se chama gregor samsa. e de que rincão do mundo algum desinfeliz resolveu desenterrar o nome de "calvin carruthers" como tradutor das vicissitudes de gregor samsa? aí, por mero acaso, você sabe que um ator chamado vic tayback fez em 1971 um filme de horror chamado blood and lace, onde representava o papel de um detetive chamado "calvin carruthers". e sabe também que no último filme do tayback antes de morrer, em 1990, seu personagem se chamava george samsa. (quem gostar dessas curiosidades, pode ver a filmografia dele.) aqui o processo mental da turminha covaculturaliana é mais elaborado, com uma triangulação das referências, mas nada muito complicado. o complicado é o despudor com que se exibe o prazer pelo escárnio. a clara sensação que a gente tem é de uma criançada pintando o diabo a quatro e achando suas molecagens muito espertas e engraçadas. o problema é quando as pequenas travessuras se põem a serviço de uma prática editorial desonesta, que atinge milhões de pessoas. aí perdem qualquer graça. *agradeço ao comentarista anônimo deste blog o bem-azado apelido de cova cultural. imagem: cordel sobre o plágio, www.globoonliners.com.br POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 26/12/2008 mudam-se os tempos... versão claret até setembro de 2008: assumo tudo, corrijo tudo, faço os ressarcimentos que forem necessários. versão claret depois de novembro de 2008: a culpa toda é de alguém que trabalhou na empresa dez anos atrás. imagens: http://www.unitedboating.com/; http://www.cityofwinkler.ca/ matéria simpática de jefferson maleski sobre usucapião autoral, e sábios conselhos: "Então não compre os livros usucapiados pelas editoras farsantes. Não financie o tráfico e o contrabando de obras literárias. E, acima de tudo, divulgue as informações aos outros". POSTADO POR DENISE 8 COMENTÁRIOS 25/12/2008 agradeço a todas as mensagens, lembranças e presentes que recebi da turminha que não gosta de plágio. ateus, cristãos, judeus, muçulmanos, budistas, o que for: paz na terra aos homens de boa vontade ainda é a mensagem mais forte que conheço, e este é meu voto a todos. chagall, le message biblique (detalhe) POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 24/12/2008 o bom combate e os bons meninos de 2008 não se decepcionarão com santa klaus.

santa klaus, de calder pois vejam lá: - luiz costa lima recebe sua indenização da nova (in)cultural pelo plágio de o vermelho e o negro, de stendhal, vergonhosamente copiado e atribuído a uma tal "maria cristina f. da silva"; - dr. marco túlio de barros e castro, advogado que atuou neste caso, avisa que está para sair na grande imprensa a errata e retratação pública da nova (in)cultural nesta espoliação a luiz costa lima; - hernâni donato, grande figura de nossa história cultural, declara que na primeira quinzena de janeiro finalmente sairá alguma proposta concreta do sr. richard civita quanto aos malfeitos da nova (in)cultural no caso de sua primorosa recriação da divina comédia, criminosamente copiada pela dita nova (in)cultural em nome de um tal "fábio m. alberti"; - elena quintana, solenemente espoliada no caso das traduções de mario quintana, coloca à frente a editora globo em defesa do nome de seu tio : contos de voltaire, tradução criminosamente atribuída pela nova (in)cultural a um tal "roberto domenico proença", e lord jim, tradução criminosamente atribuída pela nova (in)cultural a uma tal "carmen lia lomonaco"; - regina galante declara estar dando andamento a providências judiciais contra o crime cometido contra seu pai galeão coutinho, miseravelmente espoliado pela nova (in)cultural na edição de werther de goethe, e está criando uma fundação galeão coutinho, para melhor preservar sua memória; - ângela xavier de brito declara que tão logo venha ao brasil tomará as providências judiciais em defesa da obra de seu avô, carlos porto carreiro, brutalmente espoliado pela nova (in)cultural no plágio de cyrano de bergerac; - liliane mendes cajado afirma andamento para processar os crimes cometidos pela nova (in)cultural contra a memória de seu falecido marido, octavio mendes cajado, em tom jones e os três mosqueteiros, em plágios em que a nova (in)cultural atribui as traduções respectivamente a um tal "jorge pádua conceição" e à tal "mirtes ugeda coscodai"; - o advogado dr. andré meira declara estar atendendo à necessidade de uma atitude urgente em resolver o saque perpetrado contra seu avô, silvio meira, criminosamente espoliado pela nova (in)cultural em sua tradução de fausto; - oscar mendes tem seus direitos morais defendidos pela editora globo na espoliação que sofreu em sua tradução o morro dos ventos uivantes; - joão paulo monteiro toma providências para pôr cobro ao despudorado plágio de sua tradução de o leviatã perpetrado pela martin claret; - joão paulo monteiro declara que tomará providências judiciais pela apropriação criminosa praticada pela martin claret da tradução de o desespero humano, feita por seu pai adolfo casais monteiro; - a família de monteiro lobato declara ter tomado suas providências judiciais contra a criminosa apropriação da martin claret da tradução de o livro da jângal; - o advogado dr. clóvis f. da silva ramos declara estar tomando as providências judiciais cabíveis contra a criminosa apropriação praticada pela martin claret da

tradução de moby dick, feita por seu pai péricles eugênio da silva ramos; - a editora vozes declara estar procedendo às providências cabíveis em relação ao crime de plágio cometido pela martin claret contra as traduções de floriano de souza fernandes, que significa orientar-se no pensamento; resposta à pergunta: que é "esclarecimento"? e sobre um suposto direito de mentir por amor à humanidade, de kant; - a editora l&pm entra com ação cautelar contra a nova (in)cultural por contrato fraudulento em que lhe vendeu criminosamente traduções plagiadas: a divina comédia e a mulher de trinta anos; - a editora l&pm declara estar finalizando o acerto das indenizações por danos morais e materiais em acordo extra-judicial com a nova (in)cultural por contrato de venda criminosa de plágios, acima citados; - a editora globo entra com ação contra a nova (in)cultural por apropriação criminosa de cinco traduções, por danos morais e materiais, e na fase inicial de notificação extra-judicial demonstra-se insatisfeita com a posição da notificada, reservando-se o direito de dar andamento às providências que considerar necessárias; - a ediouro firma acordo extra-judicial com a martin claret, com ressarcimento financeiro à editora lesada em várias dezenas de títulos criminosamente plagiados e o compromisso de retirá-los da praça; - a editora hedra aciona a martin claret pela apropriação criminosa da introdução e notas de metamorfoses de ovídio, estando na fase de notificação extra-judicial; - a edusp veta a participação da martin claret em sua tradicional feira do livro; - a academia brasileira de letras, a união brasileira de escritores, o pen club do brasil e a academia brasileira de imprensa manifestam seu repúdio contra a prática criminosa do plágio; - o ministério da cultura e a coordenação geral dos direitos autorais do governo federal se debruçam sobre o problema; - a ong ler é preciso, da suzano celulose, parceira na criminosa escalada dos plágios na nova (in)cultural, e que tem como padrinho o bibliófilo josé mindlin (o qual considera o plágio uma prática inadmissível), encaminha o problema a seu departamento jurídico; - são publicadas mais de 10 matérias em jornais e revistas da grande imprensa ao longo de 2008 sobre os crimes de enorme vulto praticados nos últimos 15 anos pela nova (in)cultural e pela martin claret (também conhecida como mata-cultura), além de dezenas e dezenas de artigos em sites e blogs no brasil e no exterior; - cerca de 600 intelectuais brasileiros das mais diversas formações e áreas de atuação se manifestam contra as fraudes e plágios editoriais; - o problema do plágio é debatido em vários fóruns, palestras e mesas-redondas, no rio de janeiro, são paulo, campinas, são josé do rio preto, florianópolis e outras cidades. como começo, acho até bem razoável ;-) POSTADO POR DENISE 7 COMENTÁRIOS

23/12/2008 noël a todos os que não gostam de plágio, um pouco das cores e luzes de matisse.

imagem: matisse, maquette pour le vitrail nuit de noël, chapelle de vence POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 22/12/2008 richter ainda sobre o amante de lady chatterley. num post anterior (e isso, é certo?), seguindo o binômio "contra a impunidade e pela memória", comentei um pouco esse lado da impunidade, do corporativismo entre os editores, da indiferença pelo bem cultural, do desrespeito pelo leitor, expressos com clareza meridiana pela editora record, na figura de seu coordenador editorial sérgio frança. agora, um pouco o lado da memória. em termos muito despretensiosos, acho que há umas coisas que merecem atenção nessa tradução de o amante de lady chatterley em nome de rodrigo richter. pois vejam: o livro saiu por umas 10 editoras diferentes no brasil, desde 1941 até a data de hoje (mas as traduções são poucas; o que há são vários casos de licença de publicação). desde que foi publicado pela primeira vez na itália, em 1928, lady chatterley's lover (na versão final de lawrence, a chamada "terceira versão") foi proibido pela censura britânica, sendo publicado em outros países, mas na inglaterra circulando ou clandestinamente ou numa versão "expurgada" durante 30 anos. em 1959, num julgamento nos estados unidos, a suprema corte liberou a edição da obra integral no país, abrindo a brecha para novo julgamento na inglaterra, onde foi liberada em 1960. no brasil, a civilização brasileira publica em 1956 a versão integral "inexpurgada"; em 1958 sai uma versão "autorizada"; em 1959, a versão "inexpurgada" volta em nova capa e diagramação. não comparei a versão autorizada e as versões inexpurgadas, e estou citando os créditos estampados nas três edições [referências disponíveis em ana sofia mariz, pp. 134-35]. capa de eugênio hirsch, civ. brasileira, 1959 em 1964, 1966, 1972, 1982 continuam saindo edições pela civilização, sempre em nome de rodrigo richter, como tradução do original integral. ela também aparece em 1972 como o 33o. volume da coleção "imortais da literatura universal", da abril cultural. mais tarde, essa tradução em nome de rodrigo richter passa a ser publicada pela companhia editora nacional, com edições em 1974, 1977, 1980 e 1985. (deve ter mais alguma que não localizei, pois em meu exemplar de 1980 consta "4a. edição".) e aí segue-se um lapso bastante longo, 22 anos, até ser relançada em 2007, desta vez em formato pocket na coleção de bolso da record.

a meu ver, há aí um ponto interessante: trata-se de uma tradução com mais de 50 anos de idade, circulando em sucessivas reedições até o presente. mesmo não sendo propriamente um primor, de certa forma tem resistido ao teste do tempo e continua a cativar leitores. existem outras traduções: por exemplo a de fernando ximenes (ediouro) e a de glória loreto sampaio (graal), que também foram publicadas pela publifolha e pela superclássicos da abril. mas vamos seguir o fio da tradução de 1956 da civilização: pouco antes de ressurgir na record em 2007, ela sofre uma emboscada do trêfego e lampeiro salteador das estradas tradutórias. em 2005, o sr. martin claret lança o amante de lady chatterley, em circulação até hoje. trata-se de cópia literal, integral e "inexpurgada" da tradução em nome de rodrigo richter. para obter o número de isbn, martin claret cadastrou a tradução na fundação biblioteca nacional em nome daquele jean melville de triste fama. já no exemplar impresso, ele colocou um ectoplasma que atende pela alcunha de jorge luís penha. assim, richter tem seu venerando périplo, iniciado cinco décadas antes, subitamente interrompido por um bandoleiro, mas prossegue sua jornada e chega à record. a resposta da record, ao ser avisada do saque, está no post e isso, é certo?, acima indicado. então juntem tudo isso: um livro que, sob vários aspectos, é um marco da literatura mundial, passa 30 anos censurado, é editado no brasil em sua versão integral antes mesmo de cair a censura, essa tradução completa se mantém até hoje, com meio século de movimentada existência nas costas, incluindo até uma grosseira espoliação - a gente sente uma espécie de densidade nessa trajetória, que acho interessante e, quem sabe, importante de ser lembrada e resgatada. pena que hoje em dia essa tradução esteja nas mãos de uma editora que parece não dar um figo seco pela memória cultural do país e nem se mexe para defender um patrimônio intelectual que está sob sua guarda e responsabilidade. enquanto isso, o nome de rodrigo richter continua entre as vítimas arroladas na lista deste blog. [em tempo: tive muita dificuldade em localizar maiores referências sobre a pessoa de rodrigo richter. até comecei a pensar que podia ser um nom de plume, mais do que compreensível em vista das circunstâncias. mas às vezes pode ser também um daqueles segredos de polichinelo que só a tonta aqui não sabe... ] POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 21/12/2008 das defesas de tese aos exames vestibulares cisco costa, do blog filisteu, noticia o recente caso de plágio no vestibular de uma universidade federal. merece uma boa dose de reflexão. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 20/12/2008 20/12

imagem: calder, dtarpennation, flickr hoje faz um ano que foi criado o assinado-tradutores. por razões que não vêm ao caso, afastei-me dele uns três meses atrás, e há cerca de dois meses ele fechou seu acesso ao público. mas hoje não é disso que quero falar. acho bonito e importante lembrar as coisas: enquanto elas existem, a gente trabalha, cuida, vai fazendo, vai acompanhando isso com tudo na vida, a meu ver. quando elas deixam de existir, não podem ser esquecidas. então quero registrar aqui meu respeito pelo trabalho, atenção e cuidado que tantas pessoas dedicaram à luta contra o plágio naquele fórum. desde os quase 560 signatários do abaixo-assinado contra as fraudes editoriais, as centenas de apoios recebidos, o administrador fábio said, até as várias pessoas que se envolveram no trabalho concreto e diário na defesa de nosso patrimônio literário e cultural: saulo randow jr., ivo barroso, robert finnegan, mônica martins, jorio dauster, federico carotti, mauro gama e outros mais, pesquisando, cotejando, divulgando, amarrando contatos, angariando apoios, ligando, escrevendo, dando depoimentos na imprensa, correndo atrás das coisas. foi de fato um trabalho coletivo num blog coletivo em prol de uma causa coletiva. e foi digno enquanto durou, que é o que importa! POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 19/12/2008 e isso, é certo? imagens: gaelx, flickr; smiley, knockout sei de pelo menos 5 editoras que tomaram providências concretas em relação aos descalabros da nova cultural e da martin claret. ótimo, é o que se espera mesmo. assim, muito me espanta o seguinte caso. entro em contato com a editora record e digo: "refiro-me especificamente à edição de o amante de lady chatterley, de d. h. lawrence, em tradução de rodrigo richter, originalmente pertencente à civilização brasileira e depois à companhia editora nacional, cujos direitos de publicação certamente a record deve ter adquirido, visto publicar a referida obra em sua coleção 'best-bolso'. ora, acontece que a editora martin claret publica exatamente a mesmíssima tradução, sem qualquer retoque ou cosmético, atribuindo-a, porém, a um desconhecido 'jorge luís penha'. quero crer que a record há de tomar as devidas providências para que tal engodo não venha a confundir o público leitor." pois responde-me o coordenador editorial da record, sr. sérgio frança: "Nossa empresa não firmou qualquer acordo de co-edição com as editoras mencionadas em seus emails e desconhece a utilização de nossos textos por essas editoras; [a outra editora era a best-seller, quando pertencia à c.l.c., dona da nova cultural] Nossa empresa aguardará qualquer iniciativa dos interessados diretos, os tradutores dessas obras, que são os titulares dos eventuais direitos, na forma da lei." ah, então o interessado direto é o tradutor espoliado? o leitor não existe? o

compromisso com a qualidade e integridade editorial não existe? o conceito de "bem cultural" é puramente fictício? o setor editorial, na visão expressa pelo referido coordenador editorial da record, pouco se importa com a qualidade e a honestidade do mercado? e nem mesmo a concorrência desleal lhe importa? o plágio não é juridicamente definido como crime? de mais a mais, à diferença do que parece pensar o sr. sérgio frança, o interessado direto é, até onde consigo entender: - em primeiro lugar, o leitor - o qual, no entanto, está na difícil posição de não ser legitimado juridicamente para acionar a empresa delinquente, e quando avisa o titular dos direitos de publicação (a editora) que foi lesado, ainda tem de ouvir declarações no mínimo surpreendentes; - em segundo lugar, a própria editora - que se esperaria que tivesse ética empresarial suficiente para proteger o consumidor de seus produtos prevenindo e impedindo falsificações, e para proteger os direitos patrimoniais (nem digo os morais) da obra que está sob sua responsabilidade. deplorável constatar que não é assim que pensa nem se comporta um dos maiores grupos editoriais do país. em tempo: meu arrazoado se funda no pressuposto de que a record é a detentora legítima dos direitos de publicação de o amante de lady chatterley. do contrário, aí seria o fim do mundo mesmo. POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS 18/12/2008 certo! todo final de ano, a edusp promove uma feira do livro na usp, com mais de uma centena de editoras oferecendo seus livros com 50% de desconto. agora em novembro, estava prevista a participação daquela bizarra empresa que se diz editora, a martin claret, ao lado das editoras de verdade. pois consta de fonte segura que a pretensa editora recebeu um comunicado dos organizadores, participando-lhe que não poderia integrar esta décima edição da feira do livro na usp. isso mesmo, dona edusp, parabéns pelas providências. ajude a preservar a integridade e dignidade intelectual! (só para lembrar: em setembro, na feira da anpuh/usp, também com o apoio da edusp, não tinha sido bem assim) POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS 14/12/2008 será que vou ter que explicar? perfect circle, annihilation fiquei traumatizada quando acharam que defendo de alguma maneira o engessamento da cultura, e quando um pobre mental-handicapped achou que minhas imagens eram gratuitas... quanto aos handicapped ones, não posso fazer muita coisa. quanto aos demais: sou pela livre circulação da cultura, o que não significa compactuar e muito menos aceitar a mutilação da história (o que significa mutilação de nós mesmos). POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 13/12/2008 o contrário

o contrário de todas essas coisas ruins é, por exemplo, a magnífica iniciativa do viva vox, grupo de pesquisa em filosofia clássica e contemporânea (ufs). os organizadores aldo dinucci (viva vox) e alfredo julien (mnemosyne) lançaram agora em novembro a tradução de epicteto em edição bilíngüe comentada. a edição está disponível para download gratuito a todos os interessados, numa iniciativa - esta sim - de democratização do conhecimento. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 12/12/2008 e tira diploma que ninguém entenda isso como troça ou escárnio - pelo contrário, é muito sério. quero apenas mostrar a infiltração insidiosa e descontrolada da delinquência intelectual que está ocorrendo em nossas melhores instituições de ensino, vítimas da irresponsabilidade venal e criminosa de algumas editoras. vou dar um último exemplo da presença da claret, agora na mais famosa universidade pública do país. trata-se de um paciente estudo comparativo das várias traduções da poética de aristóteles em inglês, francês, italiano e português, tendo o original grego como base. pietro nassetti se faz presente na referida tese com sua "recente tradução para o português" (2003), porque, segundo o autor, embora não goze do crédito de outras traduções mais reputadas, por vezes oferece "soluções bastante interessantes". bom, essa suposta tradução de nassetti da poética de aristóteles, até onde sei, é uma apropriação da tradução feita por antonio pinto de carvalho a partir da versão francesa art rhétorique et art poétique, de jean voilquin e jean capelle, pela garnier, 1944. a tradução de antonio pinto de carvalho foi publicada pela difel em 1958, teve várias edições até 1964, e desde então tem sido constantemente reeditada pela tecnoprint e ediouro. de mais a mais, não é que antonio pinto de carvalho fosse propriamente um lépido e saltitante tradutor trafegando entre pinóquio, frankenstein, werther, quincas borba, as flores do mal etc., pois preferia trabalhar especificamente com traduções na área de filosofia. admira-me que tenha sido ignorado ou preterido em favor de uma abominável ficção. repito a pergunta feita na vulpina alma: não se pesquisam os materiais de trabalho neste país? provavelmente a resposta será a mesma, e acho que os gregos tinham razão - é pelo letes que se chega ao hades. imagem: www.virtualformaturas.com.br POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS 11/12/2008 claret vai à escola [eu de beca] e há quem escreva e defenda uma empenhada tese de doutorado na universidade federal do rio de janeiro achando que a fundamentação da metafísica dos costumes e outros escritos de kant realmente foi traduzida por um tal leopoldo holzbach. aliás, parece ser um best-seller escolar da claret, tantas são as edições e reimpressões. (digo escolar, pois não consigo imaginar a moçada tendo o mestre do idealismo transcendental como companhia favorita em final de semana.)

este volume traz também o breve artiguinho de kant sobre um suposto direito de mentir por amor à humanidade. não saberia discorrer sobre ele - mas, como leiga, acho um texto lindo, atualíssimo e delicioso de ler [verdadeiro tradutor: floriano de sousa fernandes, pela ed. vozes]. a ironia - que neste caso, infelizmente, não poderia deixar de ser barata - é a implícita paráfr ase claretiana sobre um suposto direito de plagiar por amor ao bolso e desamor à humanidade. imagens: recantodaspalavras.wordpress.com e smiley, faint. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 10/12/2008 ó vulpina alma sem pejo! não bastam as trapalhadas claretísticas na fbn/isbn com os machados, alencares, eças, gonzagas e bocages, que compõem um capítulo de bufonerias à parte e ilustram a própria definição do grotesco. todos sabem que a claret não é amiga dos direitos autorais, e não é muito fã do respeito pelos leitores. isso significa que ela trabalha basicamente com obras cujos originais caíram em domínio público, mas não se importa muito com as traduções (que na grandíssima maioria dos casos não estão em domínio público - daí a mutreta de copiá-las e tascar um nome qualquer, para burlar a legislação, economizar lá seus tostões e cultivar a ignorância do leitor). bom, mas HÁ casos também de várias traduções em domínio público: por exemplo, as traduções feitas por bocage, por machado de assis, por eça de queiroz, por odorico mendes, pelos viscondes de castilho e azevedo, e por aí afora. só que nem essas escapam: já comentei o caso da tradução do dom quixote, classicíssima, esplendorosa, dos dois viscondes supracitados, que está em domínio público faz mais de 60 anos, e que mesmo assim a claret teve a impavidez de cadastrar na fbn/isbn em nome de jean melville. só fez novo cadastro agora recentemente, com os devidos créditos aos viscondes. a tradução que eça de queiroz fez de as minas do rei salomão, que também está em domínio público faz quase 40 anos, continua circulando até hoje, pela claret, em nome de jean melville. igualmente insólito e de tremenda má-fé é o caso da tradução da ilíada, outro grande clássico das traduções em língua portuguesa, da lavra do maranhense manuel odorico mendes (1799-1864), e que circulou pela claret em nome de alex marins até data recente, quando o senhorzinho por alguma razão qualquer mandou a turminha dele devolver o crédito ao espoliado odorico. e tem que a martin claret, através de licitações públicas, abastece escolas com seus despautérios. será que ela acha mesmo que não faz mal plagiar, e que decerto tanto faz para os aluninhos, para o ensino público (e privado), se a tradução é de A ou B? será que ela acha que os professores sabem das falcatruas, e que eles também dão de ombros? mas me digam, sinceramente: desse jeito como é que alguém vai poder reclamar que nossos alunos têm formação fraca, insuficiente, e chegam à universidade com enormes lacunas? pois se as letras, o trabalho intelectual, a existência de um imenso mundo histórico-cultural parecem estar se tornando conceitos meio abstratos e antiquados? e é assim que encontramos esforçada tese de pós-graduação sobre teoria e tradução

da ilíada, num departamento de línguas clássicas e vernáculas de uma universidade federal brasileira, que traz pacientes cotejos entre o original em grego, as propostas de tradução do próprio autor, de um erudito de língua inglesa, de haroldo de campos, carlos alberto nunes e alex marins! mas como é isso? simplesmente ignora-se a existência de alguém chamado odorico mendes? e nem para se dar conta de que alex marins não existe?! e que a edição da claret é um plágio da obra de tradução de odorico?! não se pesquisam os materiais de trabalho neste país? bom, mas por que haveriam de pesquisar? pois se o que os alunos de primeiro e segundo grau lêem na escola, tanto faz se foi traduzido por eça ou nassetti, lobato ou jean melville, schnaiderman ou marins... e quando essa meninada cresce e vai à faculdade, como é que vai saber que existe uma bagagem, uma tradição, uma história das letras nacionais que passa pelas traduções, se não aprendeu isso na escola? e nesse meio tempo quantos anos esses jovens passaram lendo os "livrosclipping" da claret, entre a puberdade e a idade adulta, no segundo grau e na faculdade? sr. claret, não tenho palavras para expressar meus sentimentos em relação à sua imensa e contínua contribuição para a desmemória e incultura nacional. cabem-lhe à luva as palavras homéricas [na tradução de odorico] que dão título a este post. tenho certeza de que muita gente se entristece - de minha parte quase choro. imagem: www.afleurdepeau.com POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 09/12/2008 fiz que fui, mas acabei não fondo essa história de a imprensa "descontinuar" notícias é uma coisa... a gente fica meio no ar, pensa que a última notícia é a que está valendo, e depois nem sabe mais o que aconteceu ou deixou de acontecer. pois em 24 de setembro do ano passado a grande imprensa divulgou a nota conjunta da objetiva (santillana-prisa) e da martin claret, anunciando a intenção da objetiva em adquirir 75% da claret. só que aí veio aquele perequetê dos plágios da claret em cima do boris schnaiderman, do modesto carone, da maria helena rocha pereira, do jamil almansur haddad, das notas do ovídio da ed. hedra. em janeiro e final de fevereiro deste ano, a imprensa ainda divulgou que as negociações estavam em andamento. aí nunca mais ouvi falar nada. tive uma notícia aqui, outra ali, sobre acordos da claret com editora lesada, de retirada de títulos fraudados etc. (que na época divulguei no antigo blog assinado-tradutores). agora fui informada nestes últimos dias que a negociação se interrompeu e que a objetiva desistiu da compra. talvez a razão tenha sido o desgaste da imagem da claret. eu, de minha parte, como humilde cidadã preocupada com o tremendo lesapatrimônio intelectual e torcendo pela integridade editorial neste país, acho que a razão mais forte deveria ser, não o desgaste da imagem - que, aliás, não é gratuito nem se deu por acaso ,- e sim o catálogo tão profundamente bichado da martin claret. já pensaram que encrenca seria a objetiva arrumar tudo aquilo?!

então, para concluir, parece que a imprensa "descontinuou" a notícia simplesmente porque a negociação não se consumou. nunes que me empreste sua frase e me permita a adaptação ;-) POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS 08/12/2008 ah, mas assim não vale II e que ninguém me diga que a claret mantém nas livrarias o discurso do método com seu indescritível nassetti só porque tem junto as regras para a direção do espírito, e que o discurso do método que ela lançou agora vem com as meditações, mas não com as regras, e que é por isso que ela mantém o inconcebível nassetti! e isso é lá razão? só se for para faturar dobrado. fnac: DISCURSO DO METODO REGRAS PARA A DIRECAO DO ESPIRITO OBRA - PRIMA DE CADA AUTOR RENE DESCARTES MARTIN CLARET ISBN: 8572324089 cultura: DISCURSO DO METODO MEDITAÇOES Coleção: A OBRA PRIMA DE CADA AUTOR Autor: DESCARTES, RENE Editora: MARTIN CLARET cultura: DISCURSO DO METODO/REGRAS PARA DIREÇAO DO ESPIRITO Coleção: OBRA-PRIMA DE CADA AUTOR Autor: DESCARTES, RENE Editora: MARTIN CLARET travessa: TÍTULO: DISCURSO DO METODO / REGRAS PARA A DIREÇAO DO ESPIRITO ISBN: 8572324089 COLEÇÃO: A OBRA-PRIMA DE CADA AUTOR ANO EDIÇÃO: 2000 AUTOR: Rene Descartes complicado. vai ser difícil acreditar. afinal, se é de pequenino que se torce o pepino, que tolice supor que agora é que ela iria mudar... POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS ah, mas assim não vale! começa que, no meu mundo, até prova em contrário as pessoas falam a verdade e existe algo chamado boa-fé. então vi que a mc (chamada entre alguns círculos de "mata-cultura") estava começando a relançar títulos que ela havia fraudado em sua coleção com os nassettis e marins da vida durante quase 10 anos, e agora vinham em novas traduções.

como meu interesse é, digamos, "cívico" (sou do tempo em que a gente tinha aula de "educação moral e cívica" na escola), não hesitei em divulgar a notícia. apontando as insuficiências, dando sugestões etc., mas também saudando os novos ventos na mc. pois é, começa por aí. então continua que não vi a nova edição, não conheço o sr. paulo sérgio brandão, não encontrei nenhuma referência no google a traduções suas, a não ser o próprio elogio da loucura da mc, mas confiei e continuo a confiar que se trata de uma tradução legítima. quanto à qualidade e méritos do referido trabalho de tradução, não compete a mim avaliá-los, e sim aos conhecedores e estudiosos da obra de erasmo. mas todos sempre torcemos pelo melhor, claro, e ninguém gosta de ver circo pegar fogo. mas aí, como sou meio meticulosa e gosto de saber onde estou pisando, fui passear por algumas livrarias virtuais. comecei pela fnac, e tomei um susto: ELOGIO DA LOUCURA ERASMO DE ROTTERDAM MARTIN CLARET ISBN: 8572324046 [pois este isbn é o do plágio; a nova ed. é a 754-1] então fui para a livraria da travessa, e pimba: DADOS DO PRODUTO TÍTULO: ELOGIO DA LOUCURA ISBN: 8572324046 IDIOMA: Português. ENCADERNAÇÃO: Brochura Formato: 11,5 x 18 126 págs. COLEÇÃO: A OBRA-PRIMA DE CADA AUTOR ANO EDIÇÃO: 2000 AUTOR: Erasmo de Rotterdam não acreditei, e fui para as livrarias curitiba, e pimba de novo: Elogio da Loucura - 37 - Martin Claret Autor(es): Erasmo de Rotterdam Edição: 1 Editora: Martin Claret Ano: 2000 Páginas: 126 bom, aí fica fácil, e é meio uma comédia ou, melhor, uma farsa. acho que não ensinaram ao sr. claret que não dá para ter tudo na vida, e não dá para servir a dois senhores ao mesmo tempo, nem dá para querer o melhor dos dois mundos. ou bem ele faz uma nova edição de verdade, honesta, íntegra, válida e legítima, e tira de circulação sua tranqueiragem anterior que tanto tem contribuído para a franca deterioração de qualquer mínimo patamar de decência cultural neste país, ou bem continua com seu império da fraude próspero e vicejante. agora, querer faturar dos dois lados, aí complica e sinceramente entendo isso como dupla fraude. sinto-me desobrigada de parabenizar a editora pelos supostos ventos renovadores. na verdade, anda parecendo que é mais um capítulo da esperteza do sr. claret, para enganar os tolos como eu. se quiserem, eles é que provem o contrário, e sem cinismo.

imagens: wolfinghour.blogspot.com; smiley, sadclown POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS acaba até ficando bonito para o sr. sei lá, dizem: o ótimo é inimigo do bom. e a moral implícita é que não adianta berrar demais. por outro lado, meu coração fica miudinho, apertadinho, quando vejo, numa olhada super-rápida no google, teses, artigos, ementas de cursos, acervos de bibliotecas, concursos, licitações para o elogio da loucura daquele nassetti. será que o sr. claret não podia aproveitar os novos ventos que sopram em sua editora e começar a repor os exemplares fraudados por exemplares corretos? não podia aproveitar e se desculpar com os estudantes de graduação e pós-graduação que usaram essa edição da claret em suas teses e monografias? não podia fazer um recall geral e errata pública durante três dias em jornais de grande circulação nacional? vá fazendo um por um, sr. claret. comece com o elogio da loucura que o sr. já relançou em 2008 com tradução que parece de verdade - o sr. deve saber quantos exemplares vendeu das edições anteriores, e nem todo mundo vai se dar ao trabalho de atender a seu recall. que uns 50% das pessoas façam a troca, e olhe lá - ainda assim o sr. ficou no lucro, mas pelo menos desfaz o mal que fez, antes tarde do que nunca. e divulgue errata pública, porque aí as pessoas podem corrigir em seus exemplares, os professores em suas ementas, os bibliotecários em suas fichas etc. acaba até ficando bonito para o sr. http://jus2.uol.com.br/doutrina/texto.asp?id=6500&p=2 http://www.lahes.ufjf.br/publicacoes/Coloquio2%20PDF/Daniel%20Eveling%20da%20Silva .pdf www.fundamentalpsychopathology.org/8_cong_anais/MR_364c.pdf www.revistaea.org/artigo.php?idartigo=284&class=13 – www.unioeste.br/prppg/download/pos_nao_iniciados/Esp_cvel_FundEducacao.pdf http://www.colegionotredame.com.br/Listas/EM/Lista%20de%20material%203ª%20série%25 2... www.lle.cce.ufsc.br/congresso/trabalhos_literatura_espanhola/Veronica%20Rangel%20B arreto.doc www.portalmedico.org.br/revista/bio11v1/artigo4.2.htm www.alb.com.br/anais16/sem07pdf/sm07ss10_10.pdf 200.17.209.5:8000/cgi-bin/gw_42_13/chameleon.42.13a?host...ufpr&conf... www.metodistademinas.edu.br/proreitoriaacademica/pesquisa/P8.doc www.fiscosoft.com.br/main_index.php?home=home_artigos&m=_&nx_=&viewid=200837 www.unama.br/concurso_publico/provas_gabaritos/provas_tucurui/professor_lingua_por tuguesa.pdf www.rsirius.uerj.br/boletim2005/Boletim_9.htm www.outrostempos.uema.br/curso/adriana.doc www.intercom.org.br/papers/regionais/sul2007/resumos/R0452-1.pdf www.portalmedico.org.br/revista/bio11v1/artigo4.pdf www.alumac.com.br/biblioteca.htm www.ambito-juridico.com.br/pdf/index.php?id=813&titulo...1 www.biblioteca.ucg.br/acervo/Pesquisa.aspx?ASSUNTO=MEDIEVAL www.unimeo.com.br/biblioteca/pdf/ref_letras.pdf publique.rdc.puc-rio.br/revistaalceu/media/alceu_n16_Campos.pdf renascimento.clio.pro.br/biblioteca. www.nemed.he.com.br/acervo_doc.htm - ufpr www.orion.med.br/yogace/ytsbibli.htm http://www.unicap.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=118

bdtd.bczm.ufrn.br/tedesimplificado//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=76 www.cefetmg.br/info/downloads/PrEletronico005.2005LIVROS.pdf www.projetoradix.com.br/arq_artigo/teses/tesemarcolino.pdf libdigi.unicamp.br/document/?view=vtls000325452 teses.ufrj.br/ip_d/fatimarochaluizvianna.pdf bibtede.ufla.br/tede//tde_busca/arquivo.php?codArquivo=9 http://ibict.metodista.br/tedeSimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=285 ibict.metodista.br/tedeSimplificado/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=1019 coralx.ufsm.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=516 coralx.ufsm.br/tede/tde_busca/arquivo.php?codArquivo=515 www.ciencialit.letras.ufrj.br/trabalhos/2007/celiamattos_domquixoteaprocura.pdf 37 livros encontrados para: Editora: martin claret; Titulo: +elogio +da +loucura; Autor ou titulo: +elogio +da +loucura; 0,0243 segundo, na estantevirtual o sr. vê: 37 exemplares, é tão pouquinho... mas estão lá. ofereça a troca, ué, por que não? e assim vai, de um em um, sistematicamente. pedindo desculpas, repondo o produto, e assim por diante. aí fica bom, não concorda? imagem: www.recantodossonhos.com.br POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS algo de novo no front? a coisa que eu mais quero no mundo é que a listinha das vítimas diminua. e constato que a martin claret começou a reeditar alguns títulos de seu esdrúxulo catálogo, mas agora com traduções aparentemente verdadeiras. então, ao que parece, temos disponíveis no mercado novas edições da claret no ano de 2008, a saber: - dom quixote em 2 volumes, agora com atribuição correta da tradução dos viscondes castilho e azevedo, em domínio público, em lugar da inacreditável atribuição a jean melville no cadastro da fbn, 85-7232-643X; - elogio da loucura, já comentado em post anterior, agora em tradução de paulo sérgio brandão, em lugar do plágio perpetrado em cima de paulo m. de oliveira; - discurso do método e meditações, em tradução de roberto leal ferreira, em lugar do discurso do método e regras para a direção do espírito em tradução atribuída ao inefável nassetti. ok, parece um passo inicial. tímido, insuficiente, mas o que diminui não aumenta. isto é, se a martin claret diminuir ou parar com os plágios, já é uma boa coisa. melhor começar do que não começar, certo? ok também em relação aos leitores, a partir de agora, em relação a esses títulos relançados. ainda não ok: os leitores que compraram os plágios durante 10 anos; os tradutores plagiados que não tiveram seus direitos morais restaurados nos plágios desses 10 anos; os lares, escolas e bibliotecas com centenas e centenas e centenas de milhares desses plágios; as teses, artigos, estudos, matérias, papers, conferências, ementas escolares, bibliografias para concursos e vestibulares que usaram, usam e continuarão a usar essas edições anteriores a 2008.* ainda não ok: os outros quase 200 títulos com plágio ou contrafação que continuam

por aí, belos e formosos. ainda não ok: o ritmo. a martin claret era bem rápida, até voraz, em lançar um plágio após o outro, numa sucessão vertiginosa. em 2008 inteiro, só 3 substituições no catálogo? não é meio pouco? nesse ritmo, vão mais uns 60 e tantos anos... * este aspecto é fundamental: livro não é leite. a claret não é a parmalat. estante não é geladeira. plágio não é água oxigenada. e o prazo de validade de uma obra é indeterminado. portanto, as edições anteriores desses títulos relançados continuarão como fonte de consulta e referência bibliográfica por muitos e muitos anos. então acelere aí seu ritmo, sr. claret, que o povo está torcendo e quero começar a diminuir logo a listinha dos tombados à sanha claretiana e novaculturaliana. imagem: theshyster65, flickr, heavy influences POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS 07/12/2008 em campanha para o prêmio paulo rónai desde 1995, a fundação biblioteca nacional (fbn) entrega anualmente o prêmio paulo rónai de tradução ao autor da melhor tradução literária do ano, contemplando também a editora que publicou a obra. assim, já foram laureados vários nomes que honram nossa listinha de quem não gosta de plágio: aurora bernardini, ivo barroso, geraldo cavalcanti, marco lucchesi, mauro gama, leonardo fróes. além disso, o prêmio paulo rónai pode ser atribuído ao conjunto da obra de tradução. de minha parte, eu não teria qualquer dúvida em reconhecer a amplitude, a envergadura e a importância do conjunto da obra tradutória de três nomes. lastreio minhas indicações no histórico registrado na própria fundação biblioteca nacional. veja lá, caro leitor, se você também não concorda. para conferir minhas indicações, clique aqui e depois clique em "nome do autor". na nova tela, preencha o campo com o nome: - alex marins / aley marins / marins, alex * - jean melville / melville, jean - massetti, pietro / nassetti, pietro / nassesi, pietro / wassetti, pietro podem me achar repetitiva - mas, se eu não defender minhas convicções, quem as defenderá? paulo rónai para o triunvirato, paulo rónai para a martin claret! viva! * ooops: ia esquecendo - veja também marino, alex, rivalizando com godofredo rangel em mulherzinhas! POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 06/12/2008 quando éramos jovens

obrigada, renato. valêncio, o que dizer... valêncio era o valêncio, quer dizer, aquela figura irônica, quando conheci já grisalho, sempre meio descabelado e com ar afoito andando pela XV ou batendo o pé com impaciência nas salas da FCC, a voz meio desafinada, aflito, uma missão a cumprir e todos os filisteus lhe pondo pedras no caminho. em 1975 é criada a cinemateca do museu guido viaro. valêncio, claro, à frente, como diretor até 1988. passado todo esse tempo, talvez a cena fique meio indistinta para quem tem menos de 40 anos e, principalmente, para quem nunca morou em curitiba. e talvez se borre a lembrança do que era aquela arena heterogênea e polivalente, com valêncio, homero, chico, berê, os irmãos wagner, iwersen, fernando severo, rui, sérgio bianchi. foi uma época valente, e valêncio era o respiradouro, valêncio foi o galvanizador. e talvez seja sina do valêncio que seja lembrado sobretudo pelo seu mez da grippe, lançado em 1981, e o qual ele próprio ironizava bastante, como uma espécie de brincadeira ou provocação de enfant terrible meio cansado de uma certa autocomplacência local. e talvez seja sina do valêncio que seu fulgor, seu carisma, sua coragem em ser antipático quando precisava, sua coragem em apostar em causas azarãs, só consigam ainda cintilar genuinamente em alguns raros anais. mas talvez possa vir algum memorialista, algum historiador da cultura, algum poeta, e seja capaz de recompor seu papel de aglutinador, a liderança cultural, a tremenda e desgastante luta que ele manteve durante 13 anos à frente da cinemateca, debatendo-se entre a burocracia, a falta de verba, as críticas sempre onipresentes, as rivalidades e pequenos estrelismos da província - e mesmo assim conseguindo criar e manter o espaço cultural mais moderno, mais aberto, mais dinâmico, mais antenado com o mundo que curitiba já teve. faz parte de minha lista de agradecimentos à vida que eu tenha tido o privilégio de compartilhar tangencialmente algum tempo e algum espaço por onde esteve valêncio xavier. POSTADO POR DENISE 3 COMENTÁRIOS 05/12/2008 self-service se você tiver também pensamentos de pascal pela descerebrada claret, aproveite o embalo para corrigir a página de rosto. onde está escrito "pietro nassetti", leia-se "leonel vallandro" (ed. globo/mec). imagem: www.erich-hat-jetzt-zeit.de POSTADO POR DENISE 1 COMENTÁRIOS utilidade pública quem por acaso tiver algum exemplar do elogio da loucura de erasmo de roterdã na infeliz edição da claret, por favor corrija os créditos de tradução na primeira página: em vez de alex marins, o verdadeiro tradutor é paulo m. oliveira (atena editora). imagem: http://www.lloydgomez.com/

refiro-me à ed. 85-7232-404-6.* * "alex marins" no exemplar físico que tenho em mãos, mas cadastrada na fbn/isbn em nome de pietro wassetti, sic. [aparentemente, em 2008 a mc resolveu refazer a edição, agora em nome de paulo sérgio brandão, cadastrada na fbn sob n. 978-85-7232-754-1. não a conheço, mas espero que seja de fato uma nova tradução, de direito próprio. resta aguardar a errata e a substituição das dezenas de milhares de exemplares fraudados que têm sido vendidos pela martin claret, em edições sucessivas desde 2000, aos incautos leitores e a todas as instituições públicas e privadas de boafé.] POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 04/12/2008 quiz teste seus conhecimentos de literatura portuguesa e brasileira, e responda quem traduziu para o português as seguintes obras: - a encarnação - quincas borba - papéis avulsos - ressurreição - o velho da horta - marília de dirceu - o primo basílio - a carta de pero vaz de caminha - os sonetos de bocage - a língua e o estilo de rui barbosa - contos fluminenses confira suas respostas entrando na telinha de consulta da fbn. a seguir digite no campo em branco o código de cada obra para ter o resultado. - 72324577 - 7232447X - 72327150 - 72326715 - 72325646 - 72325115 - 7232528X - 7232500X - 72326073 - 72326960 - 72327185 divirta-se! * * já não tão divertido, talvez, é que as respostas existam, com chancela oficial e tudo. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 03/12/2008 contra o indiferentismo neste ano de pesquisas, conversei com muita gente: editores, livreiros, entidades públicas, entidades privadas, associações diversas, tradutores, herdeiros. quanto aos tradutores lesados ainda vivos ou aos herdeiros, os contatos possíveis já foram feitos. o que fizeram, fazem ou farão a respeito cabe ou coube a eles decidir.

pessoalmente não pretendo voltar a este ponto. continuarei a avisar editoras e tradutores/descendentes sempre que tiver conhecimento de alguma irregularidade. por ora, gostaria apenas de colocar minha opinião frente à reação de indiferença por parte de alguns deles: o que um "herdeiro" herda não são "direitos", não é o "direito" de dar de ombros. o que ele herda é acima de tudo um dever - o de zelar pelo que lhe foi legado, a defesa da memória. acho que é meio por isso que insisto tanto nessa história dos plágios: como brasileira, também me sinto herdeira, ainda que em minúscula parcela, do patrimônio intelectual do país, e acho que a gente tem, sim, que cuidar dele. imagem: mais matisse, www.mitmuseum.dk POSTADO POR DENISE 3 COMENTÁRIOS recapitulando prometi para um leitor que publicaria este scan comparativo da divina comédia. naturalmente não pretendo "convencer" ninguém, pois afinal quem tem olhos que veja, certo? para quem está ainda se iniciando nessa história toda, recomendo vivamente que consulte o original do dante para entender a questão com toda a clareza. [neste exemplo tomado ao acaso, trata-se do cap. XXX do purgatório.]

a tradução de hernâni donato, mais do que uma tradução, é uma vasta recriação digamos "parnasiana" dos versos tersos e enxutos de dante. é uma bela obra que chega quase a constituir uma obra originária de direito próprio, tão afastada está, em estrutura, estilo e léxico, da divina comedia italiana. assim, eventuais diferenças de termos na suposta tradução de fábio alberti não passam de tentativas cosméticas de disfarçar a cópia. esta fraude já foi admitida pela ed. nova (in)cultural, que retirou o livro de catálogo e está indenizando a editora l&pm por lhe ter cedido essa pseudotradução num contrato de sublicenciamento de direitos. resta o problema das centenas de milhares de exemplares da divina comédia fraudada, que se encontram em lares, escolas e bibliotecas, e que, a meu ver, teriam de ser substituídos num vasto recall por iniciativa da empresa responsável pelo delito e de sua parceira suzano celulose.

POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 02/12/2008 pernas pra que te quero imagem: http://gfxb.smpgfx.com/Look-Inside/covers/2888778.jpg na coluna à direita há uma listinha do bem, "eu não gosto de plágio". hoje criei uma outra, que é uma listinha com vários livros e seus respectivos supostos pretensos ditos alegados tradutores. é deles que eu fujo.

POSTADO POR DENISE 5 COMENTÁRIOS 01/12/2008 YEP!!! adoro todas as manifestações contra plágios. sem querer desmerecer nenhuma, acho que eduardo sterzi falou o que eu penso, com todas as fibras do coração e os neurônios da cabeça: "É inacreditável que nada ainda de efetivo tenha sido feito pelo Ministério Público contra a Nova Cultural e a Martin Claret, empresas descaradamente criminosas." também acho inacreditável. mas me recuso a me dar por vencida, e por isso ainda estamos aqui, certo? então, sr. ministério público, vamos nos mexer? p.s.: a figurinha acima é matisse, blusa romena POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 30/11/2008 a tournament of lies r.e.m., this is the end of the world as we know it. meio velhinho para quem gosta de rock, minhas desculpas. em todo caso, achei que seria um bom final de domingo e que ilustra bem a devastação - mas, ao contrário do michael stipes, EU don't feel fine ;-) meu afeto a todos que tampouco feel fine!

o stipes é feroz na letra. para quem se interessar: That's great, it starts with an earthquake, birds and snakes, an aeroplane Lenny Burnside is not afraid. Eye of a hurricane, listen to yourself churn world serves its own needs, don't misserve your own needs. Feed it up a knock, speed, grunt no, strength no. Ladder structure clatter with fear of height, down height. Wire in a fire, represent the seven games in a government for hire and a combat site. Left her, wasn't coming in a hurry with the furies breathing down your neck. Team by team reporters baffled, trump, tethered crop. Look at that low plane! Fine then. Uh oh, overflow, population, common group, but it'll do. Save yourself, serve yourself. World serves its own needs, listen to your heart bleed. Tell me with the rapture and the reverent in the right - right. You vitriolic, patriotic, slam, fight, bright light, feeling pretty psyched. It's the end of the world as we know it. It's the end of the world as we know it. It's the end of the world as we know it and I feel fine. Six o'clock - TV hour. Don't get caught in foreign tower. Slash and burn, return, listen to yourself churn. Lock him in uniform and book burning, blood letting. Every motive escalate. Automotive incinerate. Light a candle, light a motive. Step down, step down. Watch a heel crush, crush. Uh oh, this means no fear - cavalier. Renegade and steer clear! A tournament, a tournament, a tournament of lies. Offer me solutions, offer me alternatives

and I decline. It's the end of the world as we know it. It's the end of the world as we know it. It's the end of the world as we know it and I feel fine. The other night I tripped a nice continental drift divide. Mount St. Edelite. Leonard Bernstein. Leonid Breshnev, Lenny Bruce and Lester Bangs. Birthday party, cheesecake, jelly bean, boom! You symbiotic, patriotic, slam, but neck, right? Right. It's the end of the world as we know it. It's the end of the world as we know it. It's the end of the world as we know it and I feel fine...fine... POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS como esquecer? como sempre, matisse, à vontade na cor e na forma, como um grande tradutor entre as palavras se eu puder opinar, e sem querer desfazer de vários outros aspectos envolvidos no problema do plágio como prática editorial sistemática, concordo com francis h. aubert quando ele diz, em comentário deixado aqui no blog: "O que mais incomoda no plágio é o apagamento, a tabula rasa que faz do esforço, da dedicação, da perseverança do plagiado. Gera uma falsidade não apenas pessoal, mas histórica, que assim perde sua credibilidade." e acrescento: se se multiplicar essa tabula rasa por dezenas (godofredo rangel, casimiro fernandes, wilson lousada, mário eugênio da silva ramos, jamil almansur haddad, lívio xavier, boris schnaiderman, modesto carone e tantos, tantos outros), de toda a história da formação cultural e literária em nosso na primeira metade do século XX, e mesmo mais além... e dezenas de nomes quintana, péricles ligia junqueira, o apagamento é quase tão colonial brasil

pois como alguém pode ler essa frase tão bonita, tão à vontade em nossa língua: "Nos montes de Seeonee, ali pelas sete horas daquele dia tão quente, Pai Lobo despertava do seu longo sono, espreguiçava-se, bocejava e estirava as pernas para espantar a lombeira entorpecente." ou: "Os menores rumores nas ervas, o movimento das brisas, as notas do canto da coruja, cada arranhadura que a garra dos morcegos deixa na casca das árvores onde se penduram por um momento, a lambada n'água de cada peixinho ao dar pulos na superfície - tudo significa muito para os animais da floresta." e não reconhecer aí uma inesquecível, uma indescritivelmente bela aula de amor à própria língua? com os peixinhos, com a lambada n'água, a lombeira, o espreguiçar, os pulos? como acreditar que isso tenha sido escrito por um fantasma pavoroso, um ectoplasma apodrecido, chamado alex marins, numa das mais indecentes editoras deste país, martin claret? como esquecer monteiro lobato?

imagem: matisse, www.tounotopos.blogs.sapo.pt POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 29/11/2008 viva! antésima como sou nas técnicas bloguísticas, devo ter feito alguma coisa que desabilitou o campo dos comentários por um tempão. mas hoje, finalmente, consegui descobrir onde estava o problema (que se revelou, claro, absolutamente trivial). então fiquei toda feliz, e catei no outlook várias mensagens e comentários que tinham sido decapitados e juntei todos na explicação dada na época do sumiço. foi muito legal rever tanta força, simpatia e gentileza de tanta gente que não gosta de plágio. obgíssima a todos, e vamos tocando nosso barquinho. imagem: osentidodascoisas.blogspot.com POSTADO POR DENISE 2 COMENTÁRIOS 28/11/2008 coisas boas calder que legal! amanhã, na primavera dos livros da libre, vai ter no palácio do catete uma mesa-redonda sobre tradução literária e a formação cultural no brasil. turminha maravilhosa: gente que não gosta de plágio, colegas muito queridos celina portocarrero, marco lucchesi, oséias silas ferraz (leia-se crisálida, como moderador) e sérgio molina. POSTADO POR DENISE 4 COMENTÁRIOS angu de caroço então, para quem está acompanhando o deslindamento desse fenômeno inédito na história editorial brasileira, a saber, a instauração do plágio de traduções em escala industrial como prática sistemática, por obra e graça da editora nova cultural, há alguns dados interessantes. uma comparação entre a coleção "imortais da literatura universal" da abril cultural e a coleção "imortais da literatura universal" da nova cultural mostra o seguinte: 1. a coleção da abril cultural tem 50 títulos; a da nova cultural tem 20 títulos. 2. entre estes 20 títulos da coleção da nova cultural, 16 já tinham sido publicados na coleção da abril cultural. 3. não faziam parte da coleção dos imortais da abril: a mulher de trinta anos, as três irmãs, conto de duas cidades e mulheres apaixonadas. de qualquer maneira, à exceção de conto de duas cidades, os outros 3 tinham sido publicados em outras coleções da abril cultural: "grandes romancistas" e "teatro vivo". 4. entre os 16 títulos comuns às duas coleções (abril e nc), 2 são em português, machado de assis e eça de queirós. 5. entre os 14 títulos traduzidos comuns às duas coleções, 5 têm a mesma tradução: relações perigosas, o sol também se levanta, a idade da razão, decamerão e moll flanders.

6. os outros 9 títulos em comum entre as duas coleções (abril e nc) têm créditos de tradução diferentes: - dostoievski, irmãos karamázovi - enrico corvisieri - emily brontë, o morro dos ventos uivantes - rachel de queiroz - tolstói, ana karênina - mirtes ugeda - stendhal, o vermelho e o negro - maria cristina f. da silva - e. zola, germinal - eduardo nunes fonseca - scott fitzgerald, suave é a noite - enrico corvisieri - a. dumas, os três mosqueteiros - mirtes ugeda - oscar wilde, o retrato de dorian gray - maria cristina f. da silva/ enrico corvisieri - j. swift, viagens de gulliver - therezinha monteiro deutsch 7. as traduções de rachel de queiroz e de eduardo nunes fonseca aparecem na edição da nova cultural sob as licenças respectivas da record e da hemus. 8. restam 7 traduções aparentemente novas - 2 a cargo de enrico corvisieri, 2 a cargo de mirtes ugeda, 2 a cargo de maria cristina f. da silva (e também de enrico corvisieri, na imprenta) e 1 a cargo de therezinha monteiro deutsch. 9. após alguns cotejos, não constatei plágio na tradução de therezinha monteiro deutsch. 10. as outras 6 são plágios flagrantes. 11. quanto aos 4 títulos da nova cultural que não constavam na coleção anterior da abril cultural, 2 retomam as mesmas traduções anteriores de outras coleções da abril (as três irmãs e mulheres apaixonadas) 12. já a tradução de a mulher de trinta anos, atribuída também a enrico corvisieri, é plágio da tradução original de araújo nabuco. tabulando um pouco, numa coleção composta por um total de 20 títulos, temos: - 2 originais em português (10%) - 7 traduções repetidas (35%) - 2 traduções por licença (10%) - 2 traduções novas (10%) - 7 plágios (35%) numa coleção composta por um total de 18 títulos traduzidos, temos a seguinte distribuição: - enrico corvisieri: 22,22% * - mirtes ugeda e maria cristina da silva: 11,11% cada - todos os demais: 5,5% cada * considerando a dupla atribuição em dorian gray numa coleção de 18 títulos traduzidos, temos: - 38,88% de traduções repetidas de coleções da abril cultural - 11,11% de traduções por licença - 11,11% de traduções novas - 38,88% de traduções plagiadas. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS e por onde continuou então eu queria deixar esse ponto bem assente:

- em 1971 a abril cultural lançou sua coleção imortais da literatura universal, com 50 títulos. - em 1995, a nova cultural lançou sua coleção também chamada "imortais da literatura universal", com apenas 20 títulos. a relação completa dos "imortais da literatura universal" da nova cultural (círculo do livro), com os respectivos créditos de tradução e números de isbns, é a seguinte: 1. dostoievski, irmãos karamázovi - enrico corvisieri - 85-351-0485-2 2. emily brontë, o morro dos ventos uivantes - rachel de queiroz - 85-351-0494-1 3. honoré de balzac, a mulher de 30 anos - enrico corvisieri - 85-351-0495-X 4. tolstói, ana karênina - mirtes ugeda - 85-351-0496-8 5. ch. de laclos, relações perigosas - sérgio milliet - 85-351-0534-4 6. tchecov, as três irmãs - maria jacintha - 85-351-0502-6 7. machado de assis, brás cubas/ dom casmurro - 85-351-0553-0 8. stendhal, o vermelho e o negro - maria cristina f. da silva - 85-351-0569-7 9. e. hemingway, o sol também se levanta - berenice xavier - 85-351-0594-8 10. e. zola, germinal - eduardo nunes fonseca - 85-351-0605-7 (licença hemus) 11. scott fitzgerald, suave é a noite - enrico corvisieri - 85-351-0612-X 12. ch. dickens, conto de duas cidades - sandra luzia couto - 85-351-0628-6 13. sartre, a idade da razão - sérgio milliet - 85-351-0629-4 14. d. h. lawrence, mulheres apaixonadas - cabral do nascimento - 85-351-0660-X 15. a. dumas, os três mosqueteiros - mirtes ugeda - 85-351-0685-5 16. oscar wilde, o retrato de dorian gray - maria cristina f. da silva - 85-3510661-8 * 17. boccaccio, decamerão - torrieri guimarães - 85-351-0697-9 18. eça de queiroz, o primo basílio - 85-351-0714-2 19. j. swift, viagens de gulliver - therezinha monteiro deutsch - 85-351-0715-0 s/n. d. defoe, moll flanders - antônio alves cury - 85-351-0746-0 * esta edição do dorian gray inaugura o capítulo das trapalhadas da nova cultural: na página de rosto consta o crédito de tradução a maria cristina f. da silva, mas no verso da própria página de rosto da mesma edição, a tradução é atribuída a enrico corvisieri. quem chamou a atenção para essa trapalhada foi marcelo bueno de paula. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 27/11/2008 onde tudo começou 1. os irmãos karamázovi, círculo do livro, 1995, trad. natália nunes e oscar mendes 2. os irmãos karamázovi, círculo do livro, 1995, "trad." enrico corvisieri [clique em cima das imagens para vê-las ampliadas] é engraçado, triste e irônico: os irmãos karamázovi, de dostoievski, em tradução de natália nunes e oscar mendes (feita a partir da tradução em inglês) tinha sido publicado pela josé aguilar em 1963. 1. em 1995, o círculo do livro, empresa do grupo c.l.c. (leia-se richard civita), publicou essa tradução de natália nunes e oscar mendes em edição de capa dura. 2. no mesmo ano de 1995, a nova cultural, divisão do círculo do livro, inaugurou a coleção imortais da literatura com a publicação do mesmo os irmãos karamázovi.

a página de imprenta especificava: "licença de tradução concedida por enrico corvisieri". essa suposta tradução de enrico corvisieri, porém, era uma cópia praticamente literal, apenas com uma ou outra troca de palavras da tradução anterior de natália nunes e oscar mendes. o engraçado é que as duas edições, uma com dados corretos, outra com dados fraudados, são publicadas pela mesma empresa no mesmo ano. o triste é que, até onde vão minhas pesquisas, está aí o plágio que inaugurou a próspera carreira de fraudes da nova cultural que se prolonga há mais de uma década. e a não pequena ironia consiste no tripudio da herança editorial que richard civita recebeu de victor civita: foi exatamente com o mesmíssimo os irmãos karamázovi de dostoievski que, 24 anos antes, em 1971, a abril cultural havia inaugurado sua celebrada coleção de literatura, um marco na história editorial do país, com o devido licenciamento da josé aguilar para o uso da tradução de natália nunes e oscar mendes. * mal decorrida uma geração após o lançamento da coleção da abril e mal passados cinco anos da morte de victor civita, a nova cultural começou a implantação da galeria de seus fantasmas tradutórios que até hoje continuam a assombrar o país. * a relação dos 50 títulos que compunham a coleção da abril cultural (1971-72), com respectivos tradutores, está em: http://naogostodeplagio.blogspot.com/2008/10/continuando.html POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 26/11/2008 "é muito difícil, trabalhoso, demorado" hoje no final da tarde me liga christiane, da ed. nova cultural. a história é que em outubro liguei para o instituto ecofuturo e para dr. pedro, advogado da nova cultural, para saber em que pé estavam as coisas, o que iam fazer com os alguns milhões de fraudes descabeladas que a editora tinha impingido à sociedade, com sua coleção "obras-primas" e algumas obras da coleção "pensadores". quanto à suzano celulose (mantenedora do instituto ecofuturo) já informei abaixo as desconversas da diretoria da ong e a facilidade em proceder ao embolso de dinheiro sujo para financiar seu pretenso bom-mocismo. quanto ao dr. pedro, ele me aconselhou a falar com christiane, pois ele, como advogado, fazia parte de um escritório de advocacia que apenas prestava serviços à nova cultural e que não poderia dizer nada para não se ver "envolvido em saia justa" junto à empresa. naturalmente, então, liguei para christiane. muito urbana, muito polida, num estilo de executiva paulista que me soa tão familiar, meio "casual", sempre naquele tom de "oh, somos tão legais, como é que foi acontecer uma coisa dessas", queria vir aqui em casa, queria que eu fosse ao escritório dela, queria "olhar olho no olho" pois "conversa ao vivo é diferente", que, por mais que alguém se dissesse conhecedor de tons de voz pelo telefone, nada substituía a honestidade do contato direto - UFA!!!! - e iria me explicar tudinho só para eu entender que a nova cultural é ótima, tem as melhores intenções etc., aquela história toda. ficou que ela estava embarcando para a feira de frankfurt dentro de dois dias e que após o término da feira ela ligaria para combinarmos um encontro. eu: "sim, sim, claro", porque era evidente que ela estava apenas marcando presença e não tinha a menor intenção de comentar coisa alguma sobre as providências que a nova cultural tomaria (ou NÃO tomaria) quanto a suas gigantescas fraudes na coleção

obras-primas. claro que a feira terminou acho que faz quase um mês, nem lembrei mais da moça, pois era evidente que era só conversa para boi dormir, e hoje me liga ela - "ah, estou dando retorno, pois vc me pediu a posição da nc etc. etc.". em suma, acho que ficamos uns 40 minutos, sempre aquelas absurdidades, frases feitas, cinismo calejado, ela insistindo em encontro pessoal para ouvir o que eu tinha a dizer. tentei explicar que EU não tinha nada a dizer, ELES é que deviam ter algo a dizer. ao que christiane tentou me explicar longamente que é tudo muito difícil, trabalhoso, demorado (aliás, todo o tom da coisa tinha um ar ... assim, como dizer ... um pouco cafajeste, mas que seja - afinal, a moça é apenas uma funcionária, e certamente estava apenas executando ordens de escalão mais gabaritado em cafajestice.) a conversa foi cômica e muito irritante: resumindo, segundo christiane, os primeiros plágios (datados de 1995), na coleção "os imortais da literatura", já estavam a cargo de janice florido, e que não eram de responsabilidade da empresa, pois havia "delegação de responsabilidades", e que iriam fazer uma declaração explicando que não sabiam de nada e nem teriam como nem por que saber, visto que eram responsabilidades delegadas. como sou boazinha, orientei-a vivamente a não declarar isso em lugar algum, pois estariam apenas passando um atestado de irresponsabilidade. demorou um pouco até christiane entender e afinal concordou entusiasticamente. [isso parece sugerir que é muito entranhada a cultura do ponciopilatismo na n.c. ...] outra coisa engraçada na conversa: a certas alturas, e meio de ponto em branco, christiane promete em tom solene que as fraudes e plágios não voltariam a ocorrer; ressalvou que, "claro, não podia garantir, nunca se sabe", mas que fazia votos que não ocorressem mais. outro ponto: enfatizei muito que questão de editora lesada e tradutor plagiado não era comigo, isso eles que vissem ou deixassem de ver com os devidos interessados, e que meu escarcéu era em relação ao patrimônio cultural dilapidado e à má-fé da nova cultural contra o leitor - ou seja, ministério público e lei do consumidor em defesa dos bens culturais do país. ela então pediu uma proposta, e dei a mesma de sempre: errata pública durante 3 dias nos jornais de grande circulação no país, recall geral dos exemplares vendidos e reposição das fraudes com obras devidamente creditadas a seus verdadeiros tradutores. ela ficou de passar minha posição para a "presidência" e a "diretoria" da empresa, e manifestou seu ceticismo a respeito. trocamos saudações e ponto final. assim vão se costurando os pontos: consultei várias vezes, por telefone e e-mail, os principais envolvidos, publiquei mais de 500 posts no assassinado assinadotradutores, apresentei cotejos exaustivos etc. etc. por outro lado, a nova cultural está nesse siricotico de tentar entender o que está rolando ou vai rolar concretamente contra eles. fui clara, e disse com todas as letras. então as partes estão cientes, e ninguém vai poder dizer que foi pego de surpresa. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 17/11/2008 ai, ai, as desventuras de autores e tradutores que afligem também os leitores: http://caquiscaidos.blogspot.com/2008/11/sem-poesia-no-sbado.html

solidariedade às amigas adriana lisboa e celina portocarrero, torcendo para que tudo saia pelo melhor. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 14/11/2008 atualizando para quem está acompanhando as discussões sobre a lei do direito autoral 9610/98, no fórum nacional do direito autoral, minc, houve hoje uma atualização no blog do minc, sobre o seminário de final de outubro, que contou com a participação dos tradutores e apresentação de uma pauta de sugestões: http://www.cultura.gov.br/blogs/direito_autoral/?p=44#more-44 e galeno amorim em seu blog: http://blogdogaleno.blog.uol.com.br/ - Direitos Autorais, onde o bicho pega Não se fala em outra coisa no meio editorial que não seja a discussão em torno da proposta do Ministério da Cultura para modificar a atual legislação do direito autoral no Brasil. Pelo menos 14 entidades do livro vêm se reunindo com impecável freqüência na sede da Câmara Brasileira do Livro, em São Paulo, para avaliar o caso. - Congresso sedia debate sobre Direitos Autorais Editores, livreiros e governo têm novo encontro marcado para a próxima terçafeira, em Brasília: todos estarão lá na audiência pública convocada pela Comissão de Educação e Cultura da Câmara dos Deputados para debater as mudanças em curso na questão dos direitos autorais no País. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS feliz ano?! impressionante a desfaçatez de algumas editoras e a desmemória ou indiferentismo de alguns veículos de comunicação. assino o boletim eletrônico da publishnews, e ontem me deparei com a seguinte notícia: "Publishnews - 13/11/2008 - por Redação Feliz Ano! As editoras Geração Editorial e Leitura estão fechando o ano de 2008 com ótimas notícias. Além do seu faturamento ter mais do que triplicado, a contratação de mais um editor – Marcos Torrigo, ex-Madras e ex-Ediouro – também é motivo de comemoração para as empresas. Outro selo do grupo, o Jardim dos Livros, ainda fecha este ano celebrando o resultado obtido com a edição de A arte da guerra, de Sun Tzu. O clássico chinês chegou ao primeiro lugar em todas as listas de mais vendidos. " ora, em julho de 2008 (quer dizer, nada tão antediluviano assim), a revista piauí tinha publicado um longo artigo do saudoso jornalista e chefe de checagem adam sun mencionando justamente essa edição da jardim dos livros: "o pega-pega da arte da guerra". com sua impagável verve, adam sun alertava: "Os excessos da DPL podem parecer café pequeno ante a proeza da editora Jardim dos Livros, cuja Arte da Guerra: Os Treze Capítulos Originais, lançada em tradução e adaptação de Nikko Bushidô, é um embuste desde o frontispício até o último capítulo. O livro, de 2006, traz na capa três afirmações bombásticas: 'Tradução do

chinês', 'Campeão de vendas', 'Edição completa'. Eis uma mentira: 'Tradução do chinês'. A versão Jardim dos Livros é tradução do chinês feita através da língua de Camões mesmo. Nikko Bushidô promoveu um mega-arrastão nas versões brasileiras de Sunzi Bingfa. Simplesmente surrupiou a produção intelectual de José Sanz (Record, 1983), Mirian Paglia Costa e Caio Fernando Abreu (Cultura, 1994), Sueli Barros Cassal (L&PM, 2000) e Ana Aguiar Cotrim (Martins Fontes, 2002). Não contente, Bushidô arrebanhou também o prodigioso editor Martin Claret e seu prestativo colaborador Pietro Nassetti, tradutor de grandes habilidades, como se verá adiante. E mais: reproduziu até o erro de atribuir a Sunzi uma frase de Santo Agostinho - 'O objetivo das guerras é a paz' -, numa demonstração prática da técnica Lavoisier de tradução." o arsenal do guerreiro nikko bushido naquela ocasião, publiquei quatro ou cinco posts no agora inconsultável assinado:tradutores, detalhando alguns meandros da jardim dos livros (antiga sapienza) e outros temas correlatos. já é um absurdo inaceitável o que fez a jardim dos livros: plágio, prática lesiva ao consumidor, concorrência desleal, falsidade ideológica etc. agora, que a publishnews venha comemorar o sucesso da jardim dos livros obtido com malfeitorias?! um feliz ano?! para quem? POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 13/11/2008 a madame bovary da l&pm ontem recebi a grata notícia da publicação de madame bovary, de flaubert, pela l&pm, em tradução de ilana heineberg. a história foi a seguinte: em outubro do ano passado, descobriu-se que a madame bovary em tradução de araújo nabuco tinha sido plagiada. a editora nova cultural, em 2002, tinha pegado essa tradução consagrada de araújo nabuco, feito algumas poucas e levíssimas alterações e publicado esse plágio atribuindo a tradução a um tal "enrico corvisieri", dentro de sua coleção "obras-primas" em parceria com a suzano celulose (instituto ecofuturo). em 15 de dezembro o jornal a folha de s.paulo publicou uma matéria, "crítico vê plágio de versão de quintana", de autoria de marcos strecker, desmascarando três plágios cometidos pela nova cultural/ecofuturo na mesma coleção "obras-primas": - voltaire, contos, trad. original de mario quintana, plagiado sob nome de "roberto domenico proença" [fraude constatada por manuel da costa pinto] - edmond rostand, cyrano de bergerac, trad. original de carlos porto carreiro, plagiado sob nome de "fábio m. alberti" [fraude constatada por ivo barroso] - flaubert, madame bovary, trad. original de araújo nabuco, plagiado sob nome de "enrico corvisieri" [fraude constatada por esta que vos fala] http://recantodaspalavras.wordpress.com/2007/12/15/novo-caso-de-plagio-emtraducao/#comment-159 a peculiaridade no caso do plágio da madame bovary era que a l&pm também tinha editado exatamente o mesmo plágio da nova cultural/ecofuturo em nome de "enrico corvisieri". contatada pelo repórter da folha de s.paulo, a l&pm declarou que tinha feito uma permuta de títulos com a nova cultural. sentindo-se lesada em sua boa-fé, por ter sublicenciado traduções legítimas suas em troca de traduções falsificadas da nova cultural/ecofuturo, a editora entrou com uma ação judicial

contra a espertinha. assim, em 10 de maio de 2008, o jornal folha de s.paulo publicou a matéria "plágio leva l&pm a processar editora", de autoria de marcos strecker, sobre o contrato fraudulento com que a nova cultural havia embaído a l&pm e as medidas judiciais desta. http://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq1005200820.htm já na época em que a l&pm teve conhecimento das fraudes em que se vira involuntariamente envolvida, ela teve por bem retirar de circulação todos os exemplares de madame bovary que havia editado por sublicenciamento da nova cultural, e divulgou suas providências em seu site: http://www.lpm-editores.com.br/v3/artigosnoticias/user_exibir.asp?ID=638229 a nova cultural/ecofuturo publicou mais de 100 mil exemplares ilegais só da madame bovary, leitores saíram lesados, a memória tradutória do país foi atingida, lares, escolas e bibliotecas ainda possuem esses exemplares criminosos. saldo positivo não houve, não para as pessoas e empresas de bem. talvez para os malfeitores. foi um desgaste e uma vergonha. a nova cultural admitiu o crime a portas fechadas, mas não reparou os danos morais, materiais e culturais que causou. mas a l&pm está de parabéns pela forma como conduziu a defesa de sua integridade. e possam agora os leitores ter acesso a uma nova edição, límpida, boa e honesta. e possa nosso patrimônio literário traduzido continuar a aumentar com decência e qualidade. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 12/11/2008 fascismo x causa pública em vista do reiterado silêncio e da obtusa negativa dos responsáveis pelo assinado-tradutores em recuar na censura retroativa e na falsificação de meus arquivos no dito blog, símbolo do pior corporativismo, estreito, atrasado, oportunista e autoritário, de que tenho notícia; em vista da fácil solução adotada pelos ditos responsáveis, a saber, simplesmente vetar meu acesso pessoal e qualquer outro acesso público ao blog; em vista da responsabilidade que assumi em meu nome perante centenas e centenas de pessoas na luta contra o plágio; em vista da envergadura do saque ao patrimônio intelectual brasileiro, que constitui uma causa de amplo interesse social e público, acima de mesquinhos interesses de categoria profissional, reproduzirei aqui - para acesso livre e irrestrito - os textos de minha autoria outrora publicados no referido blog. obs.: tentarei na medida do possível seguir a ordem cronológica em que esses textos foram originalmente publicados. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 11/11/2008 ... dove sei? por que o assinado-tradutores não admite mais acesso público a seu conteúdo?

POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS 10/11/2008 nosso queridíssimo peterso não deixa barato: http://vermelhocarne.blogspot.com/2008/11/quando-du-know-che-necesita-van-en.html muito legal. POSTADO POR DENISE 0 COMENTÁRIOS Postagens mais recentes Postagens mais antigas Início Assinar: Postagens (Atom) PELA MEMÓRIA E PELA HISTÓRIA se você também não gosta de plágio, deixe seu recado aqui. CLIQUE PARA VER: • quem mais não gosta de plágio • quem assina as fraudes • outras vítimas • os livros de que mais vale fugir • matérias e notícias sobre os plágios • blogs e sites legais ASSUNTOS • abdr (10) • cotejos (71) • isbn (40) • jardim dos livros (19) • landmark (14) • livrarias (13) • martin claret (76) • melhoramentos (2) • mídia (30) • nas escolas (34) • nova cultural (54) • palimpsestos (17) • record (3) • sapienza (7) • suzano/ecofuturo (22) • utilidade pública (78) • várias bonitezas (33) • vídeos (9)

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->