P. 1
Cancoes Pais Filhos

Cancoes Pais Filhos

|Views: 5|Likes:
Published by Diogo Winck

More info:

Published by: Diogo Winck on Aug 07, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as EPUB, PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

11/13/2015

pdf

text

original

Sumário

A Apresentação
Em três de março de 2012 me tornei pai. O Lucas foi um presente, não sei como explica-lo de outra forma. Este presente especial veio acompanhado de questionamentos, dúvidas, desejos e expectativas.
Não cabe detalhar todas estas ideias que povoam um pai de primeira viagem, exceto uma: a dúvida de como criar uma criança em meio à globalização, tecnologia, youtube e tablets garantido que ela conheça e tenha orgulho da cultura brasileira, como?
A resposta não está completa, mas os avós e bisavós do Lucas me deram parte da resposta logo no primeiro colo: as cantigas. Elas possuem a marcação da nossa cultura. Trazem por vezes palavras, agora, incomuns e costumes, agora, esquecidos.
Eu me lembrava de alguns trechos. A Galinha Pintadinha me lembrou de outros (e meu deu minutos preciosos de sossego ). Entretanto eu sabia que tinha muito mais. Fui à trás.
Esta material é o que eu consegui achar vasculhando na internet. Pouquíssimo do que tem neste texto é meu, além da organização e formatação. Espero que curtam e cantem muito.
Licença
Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 3.0: Atribuição, Não Comercial, Compartilha Igual e Não Adaptada. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/.
As Canções
Indiozinhos
Um, dois, três indiozinhos
Quatro, cinco, seis indiozinhos
Sete, oito, nove indiozinhos
Dez num pequeno bote
Iam navegando pelo rio abaixo
Quando um jacaré se aproximou
E o pequeno bote dos indiozinhos
Quase, quase virou
MARCHA SOLDADO
Marcha Soldado
Cabeça de Papel
Se não marchar direito
Vai preso pro quartel
O quartel pegou fogo
São Francisco deu sinal
Acuda, Acuda, Acuda
A bandeira nacional

Pirulito Que Bate Bate
Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
Quem gosta de mim é ela
Quem gosta dela sou eu
Pirulito que bate bate
Pirulito que já bateu
A menina que eu gostava
Não gostava como eu
Pula, Pula pipoquinha
Pula, Pula pipoquinha
Que eu também
Quero pular!
Pula, Pula pipoquinha
Pra crescer e estourar!
Samba Lelê
Samba Lelê está doente
Está com a cabeça quebrada
Samba Lelê precisava
De umas dezoito lambadas
Samba , samba, Samba ô Lelê
Pisa na barra da saia ô Lalá
Samba , samba, Samba ô Lelê
Pisa na barra da saia ô Lalá
Ó Morena bonita,
Como é que se namora ?
Põe o lencinho no bolso
Deixa a pontinha de fora
Ó Morena bonita
Como é que se casa
Põe o véu na cabeça
Depois dá o fora de casa
Ó Morena bonita
Como é que cozinha
Bota a panela no fogo
Vai conversar com a vizinha
Ó Morena bonita
Onde é que você mora
Moro na Praia Formosa
Digo adeus e vou embora
Loja do Mestre André
Ai olé , ai olé
Foi na loja do mestre André
Ai olé , ai olé
Foi na loja do mestre André
Foi na loja do mestre André
Que eu comprei um pianinho
Plim, plim, plim, um pianinho.
Ai olé , ai olé
Foi na loja do mestre André
Foi na loja do mestre André
Que eu comprei um violão
Dão, dão, dão um violão
Plim, plim, plim, um pianinho
Ai olé , ai olé
Foi na loja do mestre André
Foi na loja do mestre André
Que eu comprei uma flautinha
Fá, flá, flá, uma flautinha
Dão, dão, dão um violão
Plim, plim, plim, um pianinho
Ai olé , ai olé
Foi na loja do mestre André
Foi na loja do mestre André
Que eu comprei uma tamborzinho
Dum, Dum, Dum, um tamborzinho
Fá, flá, flá, uma flautinha.
Dão, dão, dão um violão
Plim, plim, plim, um pianinho
Ai olé , ai olé
Foi na loja do mestre André
O Cravo e a Rosa
O Cravo brigou com a rosa
Debaixo de uma sacada
O Cravo ficou ferido
E a Rosa despedaçada
O Cravo ficou doente
A Rosa foi visitar
O Cravo teve um desmaio
A Rosa pôs-se a chorar
Capelinha de Melão
Capelinha de Melão
É de São João
É de Cravo, é de Rosa
É de Manjericão
São João está dormindo
Não acorda não !
Acordai, acordai,
Acordai, João !
Ciranda Cirandinha
Ciranda Cirandinha
Vamos todos cirandar
Vamos dar a meia volta
Volta e meia vamos dar
O Anel que tu me destes
Era vidro e se quebrou
O amor que tu me tinhas
Era pouco e se acabou
Por isso dona Rosa
Entre dentro desta roda
Diga um verso bem bonito
Diga adeus e vá se embora
Dona Aranha
A dona aranha
Subiu pela parede
Veio à chuva forte
E a derrubou.
Já passou a chuva
E o sol já vem surgindo
E a dona aranha
Continua a subir
Ela é teimosa
Desobediente
Sobe ,sobe, sobe
Nunca está contente!
A dona aranha
Desceu pela parede
Veio à chuva forte
E a derrubou
Já passou a chuva
O sol já vem surgindo
E a dona aranha
Continua a descer
Ela é teimosa
E desobediente
Desce, desce, desce
E nunca esta contente
Eu Vi o Sapo
Eu vi o sapo
Na beira do rio
De camisa verde
Sentindo frio
Não era sapo
Nem perereca
Era o Luquinha
Só de cueca!
Nesta Rua
Se esta rua se esta rua fosse minha
Eu mandava, eu mandava ladrilhar
Com pedrinhas, com pedrinhas de brilhante
Para o meu, para o meu amor passar
Nesta rua, nesta rua, tem um bosque
Que se chama, que se chama, Solidão
Dentro dele, dentro dele mora um anjo
Que roubou, que roubou meu coração
Se eu roubei, se eu roubei seu coração
É porque tu roubaste o meu também
Se eu roubei, se eu roubei teu coração
É porque eu te quero tanto bem
Seu Lobo
Vamos passear no bosque
Enquanto seu lobo vem
Seu lobo está em casa?
Tô!
O que está fazendo?
Estou acordando...
Vamos passear no bosque
Enquanto seu lobo vem
Seu lobo está em casa?
Tô!
O que está fazendo?
Estou tomando banho...
Vamos passear no bosque
Enquanto seu lobo vem
Seu lobo está em casa?
Tô!
O que está fazendo?
Estou escovando os dentes...
Vamos passear no bosque
Enquanto seu lobo vem
Seu lobo está em casa?
Tô!
O que está fazendo?
Estou botando a roupa...
Vamos passear no bosque
Enquanto seu lobo vem
Seu lobo está em casa?
Tô!
O que está fazendo?
Estou colocando os sapatos
Vamos passear no bosque
Enquanto seu lobo vem
Seu lobo está em casa?
Tô!
O que está fazendo?
Está abrindo a porta...
Fui ao Mercado
Fui ao mercado comprar café
E a formiguinha subiu no meu pé
Eu sacudi, sacudi, sacudi
Mas a formiguinha não parava de subir
Fui ao mercado comprar batata roxa
E a formiguinha subiu na minha coxa
Eu sacudi, sacudi, sacudi
Mas a formiguinha não parava de subir
Fui ao mercado comprar limão
E a formiguinha subiu na minha mão
Eu sacudi, sacudi, sacudi
Mas a formiguinha não parava de subir
Fui ao mercado comprar jerimum
E a formiguinha subiu no meu bumbum
Eu sacudi, sacudi, sacudi
Mas a formiguinha não parava de subir
Atirei o Pau no Gato
Atirei o pau no gato tô, tô
Mas o gato tô, tô
Não morreu reu, reu
Dona Chica cá
Admirou-se se
Do berro, do berro que o gato deu
Miau !
Boi da Cara Preta
Boi, boi, boi
Boi da cara preta
Pega essa criança
Que tem medo de careta
.
Fui ao Tororó
Fui ao Tororó beber água não achei
Achei linda Morena
Que no Tororó deixei
Aproveita minha gente
Que uma noite não é nada
Se não dormir agora
Dormirá de madrugada
Oh ! Dona Maria,
Oh ! Mariazinha, entra nesta roda
Ou ficarás sozinha !
Sozinha eu não fico
Nem hei de ficar !
Por que eu tenho o Lucas
Para ser o meu par !
Pezinho
Ai bota aqui
Ai bota aqui o seu pezinho
Seu pezinho bem juntinho com o meu (BIS)
E depois não vá dizer
Que você se arrependeu ! (BIS)
Cai, Cai Balão
Cai, cai balão, cai, cai balão
Na rua do sabão
Não Cai não, não cai não, não cai não
Cai aqui na minha mão !
Cai, cai balão, cai, cai balão
Aqui na minha mão
Não vou lá, não vou lá, não vou lá
Tenho medo de apanhar !
Boi da Cara Preta
Boi, boi, boi
Boi da cara preta
Pega esta criança que tem medo de careta
Não , não , não
Não pega ele não
Ele é bonitinho, ele chora coitadinho
Pintinho Amarelinho
Meu pintinho amarelinho
Cabe aqui na minha mão,
Na minha mão.
Quando quer comer bichinho
Com seus pezinhos
Ele cisca o chão.
Ele bate as asas
Ele faz Piu-Piu
Mas tem muito medo é do gavião.
Ele bate as asas
Ele faz Piu-Piu
Mas tem muito medo é do gavião.
Terezinha de Jesus
Terezinha de Jesus deu uma queda
Foi ao chão
Acudiram três cavalheiros
Todos de chapéu na mão
O primeiro foi seu pai
O segundo seu irmão
O terceiro foi aquele
Que a Tereza deu a mão
Terezinha levantou-se
Levantou-se lá do chão
E sorrindo disse ao noivo
Eu te dou meu coração
Dá laranja quero um gomo
Do limão quero um pedaço
Da morena mais bonita
Quero um beijo e um abraço
Papagaio Louro
Papagaio louro de bico dourado
Manda essa cartinha para o meu namorado
Se tiver dormindo, bata na porta.
Se tiver acordado, deixa recado.
Peixe Vivo
Como pode o peixe vivo
Viver fora da água fria?
Como pode o peixe vivo
Viver fora da água fria?
Como poderei viver?
Como poderei viver?
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Por me verem assim chorando
Por me verem assim chorando
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Os pastores desta aldeia
Já me fazem zombaria
Por me verem assim chorando
Por me verem assim chorando
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Sem a tua, sem a tua
Sem a tua companhia
Caranguejo
Palma, palma, palma
Pé, pé, pé
Roda, roda, roda,
Caranguejo, peixe é
Caranguejo não é peixe
Caranguejo peixe é
Caranguejo não é peixe
Na vazante da maré.
Ora Palma, palma, palma,
Ora Pé, pé, pé
Ora roda, roda, roda,
Caranguejo peixe é,
A Barraquinha
Vem, vem, vem Sinhazinha
Vem, vem para provar
Vem, vem, vem Sinhazinha
Na barraquinha comprar
Pé de moleque queimado
Cana, aipim, batatinha
Ó quanta coisa gostosa
Para você Sinhazinha
Sapo Jururu
Sapo Jururu na beira do rio
Quando o sapo grita, ó Maninha, diz que está com frio.
A mulher do sapo é quem está lá dentro
Fazendo rendinha, ó Maninha, pro seu casamento.
Alecrim
ALECRIM, ALECRIM DOURADO
QUE NASCEU NO CAMPO
SEM SER SEMEADO
FOI MEU AMOR
QUEM ME DISSE ASSIM
QUE A FLOR DO CAMPO
É O ALECRIM
Cachorrinho
Cachorrinho está latindo lá no fundo do quintal Cala a boca, Cachorrinho, deixa o meu benzinho entrar Ó Crioula lá ! Ó Crioula lá, lá !
Ó Crioula lá ! Não sou eu quem cai lá !
Atirei um cravo n’água de pesado foi ao fundo
Os peixinhos responderam: Viva D. Pedro Segundo!!
Ó Crioula lá ! Ó Crioula lá, lá !
Ó Crioula lá ! Não sou eu quem cai lá !
O Meu Galinho
Há três noites que eu não durmo, ola, lá !
Pois perdi o meu galinho, ola,lá !
Coitadinho, ola, lá ! Pobrezinho, ola, lá !
Eu perdi lá no jardim.
Ele é branco e amarelo, ola, lá !
Tem a crista vermelhinha, ola, lá !
Bate as asas, ola, lá ! Abre o bico, ola lá !
Ele faz qui-ri-qui-qui.
Já rodei em Mato Grosso, ola, lá !
Amazonas e Pará, ola, lá !
Encontrei, ola, lá ! Meu galinho, ola, lá !
No sertão do Ceará !
Que é de Valentim
Que é de Valentim ? Valentim Trás Trás
Que é de Valentim ? É um bom rapaz
Que é de Valentim ? Valentim sou eu !
Deixa a moreninha, que esse par é meu !
Roda Pião
O Pião entrou na roda, ó pião ! (bis)
Roda pião, bambeia pião ! (bis)
Sapateia no terreiro, ó pião ! (bis)
Mostra a tua figura, ó pião ! (bis)
Faça uma cortesia, ó pião ! (bis)
Atira a tua fieira, ó pião ! (bis)
Entrega o chapéu ao outro, ó pião ! (bis)
Meu Limão, Meu Limoeiro
Meu limão, meu limoeiro
Meu pé de jacarandá
Uma vez, tindolelê!
Outra vez, tindolalá!
Pombinha Branca
Pombinha branca, que está fazendo?
Estou lavando a louça para o casamento
A louça é muita, sou vagarosa.
Minha natureza é de preguiçosa.
Pombinha branca, que está fazendo?
Estou lavando a roupa para o casamento
Vou me lavar,
Vou me secar,
Vou à janela
Pra namorar
Passou um homem
De terno branco
Chapéu de lado
Meu namorado
Mandei entrar
Mandei sentar
Cuspiu no chão!
Limpa aí seu porcalhão!
Tenha mais educação.
Escravos de Jó
Escravos de Jó jogavam caxangá
Tira, bota deixa o Zé Pereira ficar
Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá Guerreiros com guerreiros fazem zigue zigue zá A Barata diz que tem
A Barata diz que tem sete saias de filó
É mentira da barata, ela tem é uma só
Ah ra ra, Oh ro ró, ela tem é uma só !
A Barata diz que tem um sapato de veludo
É mentira da barata, o pé dela é peludo
Ah ra ra, Uh ru ru, o pé dela é peludo !
A Barata diz que tem uma cama de marfim
É mentira da barata, ela tem é de capim
Ah ra ra, Ih ri ri ela tem é de capim
A Barata diz que tem um anel de formatura
É mentira da barata, ela tem é casca dura
Ah ra ra , uh ru ru, ela tem é casca dura
A Barata diz que tem o cabelo cacheado
É mentira da barata, ela tem coco raspado
Ah ra ra, oh ro ró, ela tem coco raspado

Pai Francisco
Pai Francisco entrou na roda
Tocando o seu violão
Dlin dlin don don, Dlin dlin don don
Vem de lá Seu Delegado
E Pai Francisco foi pra prisão.
Como ele vem todo requebrado
Parece um boneco desengonçado
Como ele vem todo requebrado
Parece um boneco desengonçado
A canoa virou
A Canoa virou
Pois deixaram ela virar
Foi por causa da Lucinha
Que não soube remar
Se eu fosse um peixinho
E soubesse nadar
Eu tirava a (nome da pessoa)
Do fundo do mar
Siri pra cá
Siri pra lá
Lucinha é belo
E quer casar
Borboletinha
Borboletinha
Tá na cozinha
Fazendo chocolate
Para a vizinha
Poti, poti
Perna de pau
Olho de vidro
Nariz de pica pau
Casinha
Fui morar numa casinha- nha
Infestada- da de cupim- pim- pim
Saiu de lá- lá- lá
Uma lagartixa- xá
Olhou pra mim
Olhou pra mim e fez assim:
Atchumm!
Sai piaba
Sai, sai, sai
Ó piaba
Saia da lagoa
Bota a mão na cabeça
Outra na cintura
Dá um remelexo no corpo
Dá uma umbigada
Na outra
O Sapo Não Lava o Pé
O sapo não lava o pé
Não lava porque não quer
Ele mora lá na lagoa
Não lava o pé porque não quer
Mas que chulé!!
Coelhinho
De olhos Vermelhos
De pelo branquinho
Orelhas bem grande
Eu sou o coelhinho
Sou muito assustado
Porém sou guloso
Por uma cenoura
Eu fico manhoso
Eu pulo pra frente
Eu pulo pra trás
Dou mil cambalhotas
Sou forte demais
Comi uma cenoura
Com casca e tudo
Tão grande ela era
Fiquei barrigudo
Bom Velhinho/ Sapatinho de Natal
Autor: Octávio Filho
Deixei meu sapatinho
Na janela do quintal
Papai Noel deixou
Meu presente de Natal
Como é que Papai Noel
Não se esquece de ninguém?
Seja rico ou seja pobre
O velhinho sempre vem...
O velhinho sempre vem
Anoiteceu o sino gemeu
Autor: Assis Valente
Anoiteceu o sino gemeu
A gente ficou feliz a rezar
Papai Noel vê se você tem
A felicidade pra você me dar
Eu pensei que todo mundo
Fosse filho de papai Noel
Bem assim felicidade eu pensei
Que fosse uma brincadeira de papel
Já faz tempo que eu pedi
Mas o meu Papai Noel não vem
Com certeza já morreu
Ou então felicidade é brinquedo que não tem.
Noite Feliz
Autor: Gruber/ Mohr, 1818
Verão em Português:.. Sinzig
Noite Feliz, Noite Feliz
Ó Senhor
Deus do amor
Pobrezinho nasceu em Belém
Eis na lapa Jesus nosso bem
Dorme em paz, ó Jesus
Dorme em paz, ó Jesus
Noite Feliz, Noite Feliz
Ó Jesus
Deus da luz
Quão afável é teu coração
Que quisestes nascer nosso irmão
E a nós todos salvar
E a nós todos salvar
Noite feliz, Noite feliz
Eis que no ar Vem cantar
Aos pastores Seus anjos no céu
Anunciando a chegada de Deus
De Jesus Salvador
De Jesus Salvador
As Referências
Além da memória coletiva, encontrei bom material em:
• h ttp://www.qdivertido.com.br/cantigas.php
• h ttp://www.alzirazulmira.com/cantigas.htm
• h ttp://www.infoescola.com/folclore/cantigas-de-roda/
• h ttp://www.brinquedoteca.org.br/si/site/000504/p/Cantigas
A foto da capa pertence a limaoscarjulie - http://www.flickr.com/photos/limaoscarjuliet/

Document Outline

Licença
Indiozinhos
Marcha Soldado
Pirulito Que Bate Bate
Pula, Pula pipoquinha
Samba Lelê
Ó Morena bonita,
Loja do Mestre André
O Cravo e a Rosa
Capelinha de Melão
Ciranda Cirandinha
Dona Aranha
Eu Vi o Sapo
Nesta Rua
Seu Lobo
Fui ao Mercado
Atirei o Pau no Gato
Boi da Cara Preta
Fui ao Tororó
Pezinho
Cai, Cai Balão
Boi da Cara Preta
Pintinho Amarelinho
Terezinha de Jesus
Papagaio Louro
Peixe Vivo
Caranguejo
A Barraquinha
Sapo Jururu
Alecrim
Cachorrinho
O Meu Galinho
Que é de Valentim
Roda Pião
Meu Limão, Meu Limoeiro
Pombinha Branca
Escravos de Jó
A Barata diz que tem
Pai Francisco
A canoa virou
Borboletinha
Casinha
Sai piaba
O Sapo Não Lava o Pé
Coelhinho
Bom Velhinho/ Sapatinho de Natal
Anoiteceu o sino gemeu
Noite Feliz

Sumário

A Apresentação Em três de março de 2012 me tornei pai. O Lucas foi um presente, não sei como explica-lo de outra forma. Este presente especial veio acompanhado de questionamentos, dúvidas, desejos e expectativas. Não cabe detalhar todas estas ideias que povoam um pai de primeira viagem, exceto uma: a dúvida de como criar uma criança em meio à globalização, tecnologia, youtube e tablets garantido que ela conheça e tenha orgulho da cultura brasileira, como? A resposta não está completa, mas os avós e bisavós do Lucas me deram parte da resposta logo no primeiro colo: as cantigas. Elas possuem a marcação da nossa cultura. Trazem por vezes palavras, agora, incomuns e costumes, agora, esquecidos. Eu me lembrava de alguns trechos. A Galinha Pintadinha me lembrou de outros (e meu deu minutos preciosos de sossego ). Entretanto eu sabia que tinha muito mais. Fui à trás. Esta material é o que eu consegui achar vasculhando na internet. Pouquíssimo do que tem neste texto é meu, além da organização e formatação. Espero que curtam e cantem muito. Licença Este trabalho está licenciado sob uma Licença Creative Commons 3.0: Atribuição, Não Comercial, Compartilha Igual e Não Adaptada. Para ver uma cópia desta licença, visite http://creativecommons.org/licenses/by-nc-sa/3.0/. As Canções Indiozinhos Um, dois, três indiozinhos Quatro, cinco, seis indiozinhos Sete, oito, nove indiozinhos Dez num pequeno bote Iam navegando pelo rio abaixo Quando um jacaré se aproximou E o pequeno bote dos indiozinhos Quase, quase virou MARCHA SOLDADO

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->