O Tantra com Instruções Simples e Práticas

Com as práticas ensinadas aqui, um dia, de repente, a flor do Tantra acontecerá. Um sannyasin que planeja transformar o centro de Ioga que ele coordena em um Centro de Meditação de Osho, disse que ele estava confuso sobre o Tantra hindu e budista que ele tentou praticar. Ele disse que às vezes havia muita tensão no seu centro sexual e ele não soube o que fazer em relação a isto. O Tantra budista e o Tantra hindu são totalmente diferentes. Só o nome é o mesmo. Se você estiver confuso sobre eles, isso pode criar um conflito muito grande em seu corpo. Esqueça ambos, mm? Porque será difícil você se colocar em harmonia entre estes dois, eu lhe darei um método simples. Não se preocupe sobre o Tantra hindu ou budista. No ato sexual, três coisas devem ser lembradas. Antes do ato sexual, medite. Nunca entre no ato sexual sem meditar; caso contrário, o amor permanecerá sexual. Antes de você for de encontro à mulher, você deve subir ao ponto mais alto de sua consciência, porque então a união acontecerá em um plano mais elevado. Durante pelo menos quarenta minutos fique sentado, olhando para a parede, em meia luz de forma que possa ser trazido um ar de mistério. Sente-se silenciosamente e não mova o seu corpo; permaneça como uma estátua. Então quando você estiver no ato sexual, o corpo se moverá, assim permita se mover para o outro extremo, primeiro sem movimento e, então, o corpo ganha impulso para se mover profundamente. Então, o desejo se torna tão vibrante que, o corpo inteiro, toda fibra está pronta para se mover. Então, só assim, o orgasmo tântrico é possível. Você pode colocar uma música, a música clássica poderá ajudar; algo que dê um ritmo muito sutil ao corpo. Torne a respiração tão lenta quanto possível porque quando você está em um ato amoroso, a respiração se torna profunda e rápida. Então, apenas reduza a velocidade, mas não force, caso contrário a respiração voltará a se intensificar rapidamente. Simplesmente sugira que ela se reduza. Meditem juntos, se ambos estiverem se sentindo meditativos, este é o momento para amar. Assim você nunca se sentirá tenso e a energia estará fluindo naturalmente. Se você não estiver se sentindo meditativo, não se deixe levar ao ato sexual. A meditação não está acontecendo naquele dia, esqueça então tudo sobre o ato sexual amoroso. As pessoas fazem, simplesmente, o oposto. Quase sempre os casais brigam antes do ato sexual. Elas ficam com raiva umas das outras e trazem todos os tipos de conflito - e então elas se movem para o sexo, e é claro se torna um ato sexual não amoroso. Elas caem muito baixo em suas consciências, então, é claro que o ato sexual sem amor não pode satisfazer. Será

frustrante

e

você

sentirá

uma

tensão.

A segunda coisa é: quando você estiver em um ato sexual amoroso, antes de você começá-lo, reverencie a parceira e deixe-a reverenciá-lo. Assim, depois da meditação, reverencie, olhe bem um para o outro, totalmente nus, em adoração mútua, porque o Tantra não pode acontecer entre um homem e uma mulher, só pode ser entre um Deus e uma Deusa. É um gesto, mas muito significante. Toda atitude tem que ser sublime de forma que você desapareça. Toque os pés do seu parceiro, ponha guirlandas de flores neles. O homem é transformado em Shiva e a mulher é transformada em Shakti. Agora sua humanidade é irrelevante, sua forma é irrelevante, seu nome é irrelevante; você é apenas pura energia. A adoração traz esta energia para o foco. E não finja. A adoração tem que ser de verdade. Não pode ser apenas um ritual, caso contrário você perderá. O Tantra não é um ritual. Há muito ritual nele, mas o Tantra não é um ritual, entenda bem isto. Você pode repetir o ritual. Você pode se curvar aos pés dela e pode tocá-los; isso não ajudará. Deixe que o gesto seja profundamente significante. Realmente olhe para ela. Ela não é mais sua esposa, não é mais sua namorada, não é mais uma mulher, não é mais um corpo, mas uma configuração de energia. Deixe que ela fique, primeiro, divina, e então se dirija para o ato sexual amoroso com ela. Então o amor mudará a qualidade, se tornará divino. Esta é toda a metodologia do Tantra. Então no terceiro passo você se dedica ao ato sexual amoroso em si. Mas deixe que este ato de amor seja mais como um acontecimento do que como um fazer. A expressão 'fazer amor' é feia. Como você pode fazer amor? Não é um fazer; não é uma ação. É um estado. Você pode estar nele, mas você não pode fazê-lo. Você pode se mover nele, mas você não pode fazê-lo. Você pode amar, mas você não pode manipular o ato de amor. A mente ocidental tenta manipular tudo. Até mesmo se a mente ocidental vier a encontrar Deus algum dia, Deus estará em dificuldade. Eles vão tentar arreá-lo de um modo ou de outro, manipulá-lo, então eles o colocarão de um jeito, que ele tenha algum uso, algum propósito utilitário. Até mesmo o amor se tornou um tipo de fazer. Não é por aí. Quando você estiver no amor, seja possuído. Mova-se lentamente, toque os corpos um do outro; brinque com seus corpos. O corpo é como um instrumento musical. Não tenha pressa. Deixe as coisas crescerem por si mesmas. Se você se move lentamente, de repente ambas energias se elevam juntas, como se algo as possuíssem. Acontecerá imediatamente e simultaneamente, ao mesmo tempo. Então, só assim o Tantra é possível. Mova-se agora para o amor. Sinta a energia descendo sobre você e deixe a energia ter seu movimento. Às vezes você vai querer grunhir, dê um grunhido

agudo. Às vezes você vai começar a dizer coisas, diga. Às vezes gemidos começarão a sair, ou algum gesto; permita. Vai ser uma coisa enlouquecedora, mas a pessoa tem que se permitir, é só energia extravasando. E não tenha nenhum medo, porque é por sua permissão que isto está acontecendo. No momento que você queira parar, pare, portanto você nunca perderá o controle consciente, a permissão é sua. E quando deuses estão em amor é algo quase selvagem. Não há nenhuma regra, nenhum regulamento. A pessoa se move no momento. Nada é tabu. . . nada é inibido. Tudo que acontece naquele momento é belo e é sagrado; tudo que, eu digo, incondicionalmente. Se você traz a sua mente nisto, você destruirá o amor completamente. Se você tem vontade de repente, de chupar o dedo dela e você diz ' Que tolice’ Então você trouxe a mente. Você pode ter vontade de chupar os seios dela, ou se permitir a outros movimentos mais ousados; nada errado nisto. Ninguém sabe o que vai acontecer. Você é simplesmente deixado no vórtice divino. Ele o levará e o levará onde quer que Ele queira. Você está simplesmente disponível, pronto para se mover nele. Você não dirige. . . você se tornou, simplesmente, um veículo. Deixe as energias se encontrarem em seus próprios modos. O homem deve ficar fora disto e se entregar à pura energia. Você não só estará no ato sexual pelos órgãos genitais; você estará no ato sexual amoroso com todo o seu corpo. Este é o significado de shivalingam: nenhum rosto, nenhuma mão, nenhum pé--só o símbolo fálico. Quando Shiva fez amor ele se tornou o falo-- todo do corpo dele. É muito belo. Nenhum rosto, nada. Tudo desapareceu. Não é que você só esteja usando seus órgãos genitais; o sexo se esparramou por toda parte. Você é tão parte dele quanto seus pés o são. Você se tornou um falo. Você não é mais um homem; você é só energia. Ela também é não é mais uma mulher; só energia, uma vulva é uma coisa muito selvagem. Se você medita antes e então adora um ao outro, como deuses, não há nenhum perigo; tudo se moverá naturalmente. Você atingirá a um orgasmo de pico que você nunca conheceu. Às vezes você experienciará um orgasmo tão grande no qual o corpo inteiro pulsa e treme. Pouco a pouco você alcança um clímax; novamente você se acalma isto limpará todo o seu ser, todo o sistema. Às vezes não haverá nenhuma ejaculação mas o orgasmo estará lá. Há dois tipos de orgasmo o orgasmo de pico e o orgasmo de vale. No orgasmo de pico você terá uma ejaculação e sua parceira também terá uma ejaculação de energias sutis. No orgasmo de vale você não terá ejaculação. Será um orgasmo passivo. . . muito silencioso, muito sutil. A palpitação estará lá mas quase imperceptível. No orgasmo de pico você se sentirá muito, muito extático. No orgasmo de vale você se sentirá muito, muito calmo. E ambos são necessários; ambos são os

dois aspectos do Tantra. Todo pico tem seu vale, e todo vale tem seu pico. Um pico não pode existir sem o vale ou viceversa. Não se preocupe muito em ter ou não uma ejaculação. A mente ocidental tende também a estar muito preocupada se isto está acontecendo e sente que algo está errado quando não acontece e as linhas tântricas de influência hindu preocupam-se em não ejacular. Todo o segredo é estar totalmente no ato sexual e deixar certas coisas nas mãos de Deus; pois é o negócio Dele. O seu negócio é só desfrutar, se encantar, e celebrar. E quando acontece e ambos alcançam um orgasmo profundo, não saia de perto de sua parceira. Depois do orgasmo, permaneça dentro dela e descanse por alguns instantes. Este relaxamento, este descanso é muito, muito profundo. Depois de um orgasmo o relaxamento que se segue é como um vale. Você esteve no maior pico e agora você voltou para o vale. É muito frio, está na sombra e você relaxa. E, realmente, muito acontece depois do orgasmo. . . uma fusão, um derretimento. Os corpos estão cansados, exaustos, gastos. A mente está em choque. É quase como um choque elétrico. Quando você sai deste estado de amor, agora reze, faça uma prece, juntos; termine com uma oração. A diferença é que quando você meditar,no início, você medita separadamente e ela medita separadamente, porque a meditação não pode ser feita junta. Meditação é um esforço sozinho. Não é uma relação. Assim você pode estar meditando junto mas ainda assim você medita só; você está só e ela está só. Então você reverencia um ao outro. Isso é de novo diferente. O outro se torna o objeto de adoração então você vai para o ato sexual com amor e você fica totalmente perdido. Você não é você mesmo; ela não se é ela mesma, ninguém sabe quem é quem. Todos estão perdidos em um remoinho de energias. A polaridade homem e mulher não é mais uma polaridade, os limites se fundem, se entrosam. Às vezes você se sentirá como se fosse uma mulher e ela se sentirá como se fosse um homem. Às vezes ela vem por cima de você. Às vezes você fica passivo e ela fica ativa e as mudanças de papel acontecem. É um grande drama de energias. Todos estão perdidos, abandonados. Então você sai daquela experiência íntima; reze junto, faça uma prece, de novo, unidos. E a quarta coisa, apenas agradeça à existência, a Deus, ao universo. E nunca reclame. Tudo que acontece é perfeito. Não diga 'Isto não aconteceu. Isto deveria ter acontecido.' Quem somos nós? Ele sabe melhor. Apenas agradeça, tudo que acontece; agradeça... tenha uma profunda gratidão. Curve-se e ponha sua cabeça na terra e permaneça por alguns momentos em profundo agradecimento. Meditação é só. Na adoração, na reverência o outro é importante, e na oração ambos rezam e agradecem à existência. Assim estas três

coisas têm que estar envolvidas. Elas criarão a ecologia na qual o Tantra acontece. E é suficiente, uma vez por semana, este é um ritual magnífico. Se você está se movendo para o Tantra então nenhum outro amor deve ser permitido caso contrário há um dissipar de energias. Mas sempre que você quiser estar em um ato sexual amoroso, tenha certeza que você tenha tempo suficiente. Não deve ser feito com pressa. Não deve ser como trabalho. É um jogo, brinque, e estas energias são tão sutis que se você estiver com pressa, nada acontece. O Tantra não é um fragmento, você não pode praticá-lo a menos que você crie a situação. É como uma flor. Você tem que semear, cuidar da planta e molhá-la diariamente. Você olha se o sol é suficiente ou não. Você não pode trazer a flor, mas você pode criar a situação na qual, um dia, a flor surge e o botão se abre. Portanto, estas três coisas: semear, cuidar da planta, molhá-la e se preocupar continuamente com ela; com cuidado, protegendo-a. Então, um dia, de repente, a flor do Tantra acontecerá. E agora eu vou estar envolvido com você (O Centro de Meditação Osho), então não há nenhum problema. Eu estou acompanhando você. Osho, Darshan Diaries Beloved of my Heart Chapter#17 ‘Put Yourself Aside’ Tradução de Swami Anand Goloka
Copyright © 2009 Osho International Foundation

Sign up to vote on this title
UsefulNot useful