You are on page 1of 10

História do Cinema Cinema Americano – Studio System – grandes produtoras com um volume exorbitante funcionam umas com as outras

-> DREAM FACTORY Studio System – Modelo empresarial classic das grandes produtoras americanas 1929-1949 (data vigente do Studio System) Studio System começa com o The Jazz Singer com Al Jolson -> 1º filme sonoro (Filme da Warner Bros.) 3 ramos de produção na mesma empresa: eg. Warner bros: distribuição produção exibição o ramo mais importante é a exibição -> mais dinheiro Exibição (salas) dividido zonas para as áreas urbanas, localizados nos centros mais importantes. Chama-se Zoning Picture Palace – melhores cinemas – dá para + pessoas, mais ornament, + caro o bilhete Estreiam nos Picture Palace os filmes -> chama-se 1st Run 2nd Run estreia em mais salas de cinema das áreas urbanas 3rd run – áreas campónias e sucessivamente… é para todos, por isso esta estratégia obriga a que todos o vejam, indiferente do tipo pessoa que eram. Esta estratégia mostra os filmes por zonas, mas não na mesma altura, obrigando, novamente a que todos vejam Filmes sonorous, mudança de prácticas nas empresas: numa parte do studio filma-se um western e a seguir uma comedia (no sound, no problem) Investimento em Barracões (agora que existe som, mudança de sistema, + custos para a adaptação) Oligopólio – acordo commercial entre 8 produtoras para terem o máximo de benifícios neste sistema industrializados 1949 – sistema jurídico – culparam as 8 empresas e ganharam o caso Enorme explosão de cinema independente nos EUA -> David O Selznik – concorrência - maneiras muito próprias e diferentes de atrair público muitos cenários na produtora Cinema Clássico – tipo de cinema narrative que conta histórias como forma de entretenimento

Back stage musical “PERSONA” a imagem artística com que o actor é identificado – eg. Gene Kelly. o Durão Revistas de Fãs – Unit Publicist são pessoa que investigam sobre as personas e inventam vidas inteiras para os actores FRANK CAPRA – O NOME ACIMA DO TÍTULO – “UM FILME DE FRANK CAPRA” não da empresa . Humphrey Bogart. uma STAR MGM – Fred Astaire. trabalho a preto e branco (+ barato) RKO – inicia o Fred Astaire que depois vai para a MGM. boris karloff 8 – United Artists – apenas distribui apesar de de vez em quando faz um filme Ajudam-se umas às outras e juntas dominam o resto da actividade GRANDE DEPRESSÃO 1929 – Cinema funciona como grande escapist com um determinado género. por isso TODAS as semanas há um filme novo) 8 empresas – as MAJORS ou Big Five(por terem os 3 ramos da actividade) empresas AUTÓNOMAS não segue ordens do MPPC as MAJORS por ordem de poder: 1 -PARAMOUNT – tem mais salas. isso é só em 1934) TECHNICOLOR 3 -MGM e LOWE – (o dono é o mesmo mas entidades diferentes) TECHNICOLOR 4 -WARNER BROS – vem em 4 porque 5 –RKO MINORS ou Little Three – mas não são pequenas . por isso mais lucro TECHNICOLOR 2 -FOX – (não 20th Century Fox. apostam no nível de produção (guarda-roupa){estes níveis de produção mais pela FOX e MGM} Paramount + NIVEIS DE PRODUÇÃO E CENÁRIOS EXÓTICOS NADA A HAVER COM A VIDA AMERICANA FOX – FILMES DE CAPA E ESPADA e Shirley Temple.põe os seus filmes nas salas das MAJORS 6 – Columbia – filmes + baratos MAS tinha o FRANK CAPRA 7 – Universal – filmes de terror – dráculas.Bordwell diz que em 1917-anos 60 já estava criada a forma base de contar histórias (apartir de Griffith + . muitos valores de pordução WB – filmes gangsters e melodramas femininos/dramas sociais.) Década de 20 – muito sucesso com filmes mas só no final da década é que foram decididas como funcionavam as 8 empresas Estas empresas lança 52 filmes por ano (cada ano tem 52 semanas.

SAMUEL GOLDWYN – hipotecava a casa para fazer os filmes. grandes produções e orçamentos. em termos de qualidade. empréstimo de actores a outra companhias Goldwin – cria empresa e vende-a. técnicos e actores importantes (GONE WITH THE WIND) Classe A – longa metragens. preto e branco. Produtores Independentes .DAVID O SELZNICK – produção muito reduzida . nem podem entrar no studio. MAS NÃO DO OGNOPÓLIO -------“-------Qualidade dos filmes: filmes prestígio – duração 1h30. orçamento limitado.MONOGRAM Ao lado da Poverty Row. O QUE INTERESSA É A EXIBIÇÃO E NÃO A PRODUÇÃO Controlo em Nova Iorque – dá o orçamento annual para cada produtora. cores. funciona como veículos para stars (REBECCA) Série B – duração limitada. prolongamento do contracto. MAYER MOGUL NA WB – JACK WARNER MOGUL NA FOX – DARRYL ZANUCK MOGUL NA PARAMOUNT – ADOLPH ZUCKOR Actores castigados -> ostracismo total.REPUBLIC . SISTEMA AO INVÉS. FILME COM SÉRIE A E B – DOUBLE BILL (bilhete) Exploitation films . Dirige sector da produção e da distribuição HOLLYWOOD são só as produções MOGULS MOGUL NA COLUMBIA – HARRY COHN MOGUL NA MGM – LOUIS B.Organização administrativa está investida na produção. fracos recursos técnicos Newsreels Cartoons SÉRIE B – complement que antecede o filme principal.Walt Disney TUDO ISTO FAZ PARTE DO STUDIO SYSTEM. nome não retirado e continua a trabalhar como independente POVERTY ROW Conjunto de empresas de baixo orçamento e pouco interesse artístico (série B) . Muitos poucos filmes produzidos .

Clark Gable IRVING THALBERG – head of production Empresário e estético Supervisionário 52 filmes por ano Antecipa o sucesso dos filmes Jogo de cintura – faço um filme com tudo o que a produtora quer em troca de ter um filme com mais carta branca Screball comedy Sullivan’s Travel Final feliz – muito usado – final feliz PARA o PÚBLICO Estrutura do Cinema clássico americano – estética. eg. A única coisa que sabem é que tem uma Star. OS GÉNEROS AJUDAM A CRIAR A DIVERSIDADE Cinema “censurado” – organismo MPPDA – organismo que determina as conjunções gerais do sistema americano. estrutura narrativa – mainstream – adoptado para uma comunicação fácil com o público Roosvelt – NIRA (1933-1935.Harmonia .Contar histórias .Estratégias para gastar menos dinheiro em época de depressão Block Booking – vender filmes por pacotes – saída garantia para tudo o que é produzido -> realizadores independentes desfavorecidos por não terem filmes de série b Blind Buying – compra-se filmes que não se conhece. auto regula internamente os filmes – código hayes – Liga de Decência (limpar a sociedade dado os problemas no Cinema Mudo – ousaram em exibir mais mulheres por causa da Grande Depressão) Planos não muito longos nem muito curtos – 12s por média por plano Imagem tratada por os três pontos de luz – Fill Light. abolida pelo tribunal Americano) Poder central que pretendia melhorar as condições económicas de todo o tipo de indústrias – propiciona monopólios – oligarquias DURANTE 10 ANOS CINEMA CLÁSSICO AMERICANO Conjunto de normas instituídas na actividade que se segue minuciosamente: David Bordwell 5 princípios: . bonita a imagem. key Light e back Light – High Lighting – Imagem com bastante iluminação . estilista.Clareza – fluído.características gerais seguidas em todos – mas diversidade na história.Público ligado ao protagonista Filmes parecidos entre uns e os outros. final feliz (fábrica de sonhos – produtos que deveriam ser o mais semelhantes possíveis) .

pouco importa Causalidade – tudo com razão de acontecer Progressão – ritmo mais rápido motivação – Backstory – causalidade psicológica do passado que o motiva Prazos – todos os filmes têm um prazo interno que é instituído pelo argumento “momentum” Não há voice off. eles agem e reagem (nada de dizer tudo através dos diálogos – só assim é que percebemos aquilo que estão a pensar). Screwball comedy) – o guião é o grande catalisador deste género.. somos A narrativa do filme Atirados logo para a história. Poucos grandes planos (+ de mulheres do que de homens) MAS NÃO UM MUITO GRANDE PLANO! NUNCA Verosimilhança narrativa – desde que faça um mínimo de sentido. não a interpretação campo-contra-campo ou amorcé. não há acasos e coincidências – excepto o screwball comedy In media res – a história começa a meio História Vs. mas flashbacks muito frequentemente – informação adulterada. NUNCA HÁ FLASHFORWARDS. mas prontes As coisas não acontecem sem motivações. Enredo O que aconteceu às personagens. hesitações Repetem muitas vezes o nome do protagonista Montagem invisível – não se nota nas mudanças de planos Nós sabemos mais que as personagens - .. não é propenso ao acaso. bonita e cria fluidez (acompanha a acção. para agarrar O espectador Obedece aos raccords (de movimento) e que a técnica é muito bem escondida – “Cinema da Transparência” Cumpre a regra dos 180º e dos 30º .Som limpo – Banda sonora – 1 – diálogos audíveis – as pessoas não se interrompem 2 – Música – fundamental “como se fosse wallpaper” – tapa as imperfeições.ou não existe uma variação visual do plano Movimentos de câmara motivados – normalmente acompanham personagens Não havia fillage nem focos (lentes zoom) tudo muito focado – especialmente o protagonista Figurantes muito secundários Personagens nunca virados de costas para a câmara – o espectador ver o melhor possível o que está no ecrã – SEMPRE O MELHOR PONTO DE VISTA Não há pausas. esperas. reforça o storytelling – instrumento vocálico do destino)– orquestral e tradicional vienense Interpretação contida – dependendo do género (eg.

Caracterizadas fisicamente (tique no olho) Cinema escapista -> preenche as expectativas do público Lado estilizado dos filmes não é demasiado óbvia Valores de produçãoo exaltados – guarda-ropa. elipses temporais A duração dos acontecimentos História e enredo -> coisas diferentes Enredo: forma de contar a história -> in media res. Não há flashforwards.Paródias – nota-se muito mais a técnica por pegar em coisas existentes e trabalhá-las You can’t take it with you Sequências separado por efeitos ópticos – separa as cenas através de um encadeado Acentua o ritmo de montagem Soft focus – nas cenas românticas. nada em aberto . direcção artística -> mente do espectador totalmente ocupada Filme noir não é um género -> classe a Géneros criam-se por criar expectativas no público Filmes normativos mas com variações A ordem dos acontecimentos – através de diálogos. daí a motivação. não altera muito a forma dos acontecimentos. nem os arrasta: só mostra aquilo que é indispensável na história. Ponto de vista: POV – plano subjectivo – ponto de vista óptico Focalização interna . imagem menos dura em termos de focagem para aumentar o elã deles A câmera re-enquadra quando alguém sai Personagens com carácter. como norma.Ponto de vista narrativa – em vários planos mostrar aquilo que uma personagem pensa e sente Quantidade de coisas que se mostra ao espectador (surpresa e suspense) A DURAÇÃO: Os efeitos ópticos como forma de marcar as cenas e sequências (o início e o fim – fade to black/white ou o encadeado que não é muito rápido) Muito fácil de se reconstruir a cadei dos acontecimentos no Cinema Clássico Tem de haver uma certa previsibilidade – introduzir prazos no filme (de forma óbvia ou subtil) de modo a criar ímpeto e energia no filme Cinema clássica – história fechadas.

“Cinema do Consenso” – algo fluído: menor consciência em termos artísticos .público a ser manipulado através das posições de câmera -> identificação com o protagonista -> perde-se na história e no filme por estar a torcer pelo protagonista . a cara dos actores) Profundidade (ponto de fuga) Volumetria (cortinas. personagens nunca cortadas Convenção de conversa: ¾ de perfil Reenquadramentos constantes Momentos de espetáculo ______ Cinema Clássico Americano: forma de entretenimento que visa a contar história Realizadores com novas ideias com a realizaçãoo. cara humana no terço superior.Aquilo que o cinema dá (experiência de escapismo) e aquilo que o espectador quer .Final feliz – instrumento gramatical mas também um gancho para o espectador voltar ao cinema Predominante uso de Montagem Alternada Establishing shot para introduzir as características lobais do espaço e a mise-enscéne das personagens nesse mesmo espaço Harmonia de escalas e de transição de planos ESPAÇO: Equilíbrio (elementos de decoração que compõem a imagem. apesar de continuarem a fazer filmes “mainstream” Cinema norte-americano – cinema de géneros – obedecem a um paradigma mais geral. o Paradigma do Cinema Clássico Americano -> todos os filmes têm PARECENÇAS mas não são iguais -> stars com personas. não há espaços vazios) Centralidade (o que está no centro da imagem. muito parecidas entre si RICHARD MALTBY – Cinema de entretenimento com características especiais: . roupa com pregas fazendo com que a imagem não seja completamente planas) A REGRA DO T: zona da imagem que é mais importante.

obstruí a visão ao espectador – atafulha o plano com objectos.grande profundidade de campo -> menos découpage . etc -> claustrofobia -> quantidade de coisas num pequeno espaço .cumpre mais o paradigma Censura – não necessariamente MPPDA -> criado em 1922 Não é censura. personagens.“The Devi is a Woman” (1965) .Não há motivações psicológicas -> mais situacional .soft focus -> esfumado nas bordas dos enquadramentos .Nevoeiro – mostra mas retira a visibilidade e todos os aspectos já referidos “The Scarlett Empress” (1934) .imponência nas escalas de plano usadas “The Magnificent Ambersons” (1942) .Joseph Sternberg .jogo de olhares sem nunca ter um two shot dos dois .iluminação trabalhada para não se ver a cara. algo que a realização trabalha . relaciona-se por aspectos comerciais e NÃO políticos .características de narração diferentes das “normas” .criar empatia com as personagens (sem diálogo.literariedade .coisas à vista para parecer mais realista “The Lady From Shanghai” (1947) .de costas para o público . dispersando o olhar do espectador -> retirar a clareza da narrativa aumentando a textura do espaço o Ambiente erótico – formas mais arredondadas o Claustrofobia o Sensualidade .espaço confuso – pouca estabilidade temporal – refaz o paradigma. não é feita pela administraçãoo local do Estado – por isso. algo raro) . especialmente .voz de uma das personagens impõe-se à do narrador .Atmosfera -> barroco por encher o espaço em excesso com objectos.“coro grego” -> aldeões quanto aos Amberson -> profetização . os olhos.

A lei.princípios orientadores . natural ou humana. obscenidade e linguagem ordinária .Roscoe “Fatty” Arbuckle – acusado por a morte de uma dama .Baseado em Saúde e Moralidade – incentivados por ligas 1915 – (no mesmo ano que o Birth of a Nation) Cinema /= notícias -> Cinema actividade de entretenimento -> censurável 1922 – MPPDA – período pleno de Cinema Mudo -> regularização da actividade em termos gerais (exibição. etc) intuito de moralizar a actividade -> tornar respeitável a todos os níveis Will Hays – conservador e principal conservador do correio. correio-mor – posto à frente da indústria em 1922 que protegesse e moralizasse a indústria 1920-1923 -> vários escândalos que incluem a MPPDA .William Desmond Taylor – Morto Holywood –> publicidade negativa Filmes com mensagens positivas para ter publicidade positiva (financiado por banqueiros) Promover os interesses comuns dos agentes da indústria cinematográfica dos EUA ao estabelecer + conceitos de parâmetros morais e artísticos na produçãoo cinematográfica mediante o valor educacional and more giberish que envolve a publicidade positiva 1924 – The Formula -> guidelines a fazer de tudo possível  filmes a serem feitos apartir de livros e peças de “tipo certo” – clássicos -> moralmente aceitáveis  não fazer publicidade enganosa com o título 1927 – regulamentação mais completa – “Don’ts and Be Carefuls” – nudez e violência – harmonizar o Cinema 1930 – Código de Produção .regulamento que vincula todos os produtores sendo conhecido como “Código Hays” -> 1 ano depois da Grande Depressão 1933 – Mesmo documento com uma aplicaçãoo mais rigorosa – Mae West .Virginia Rappe – coma alcoólico .Não será produzido nenhum filme que baixe os padrões gerais de quem o vê -> não vamos deturpar as cenas do sexo e droga -> gangsters morrem sempre . preço de bilhetes.Audltério. não deve ser ridicularizada nem se deve criar simpatia pela sua violação .Padrões correctos de vida  .Wallace Reed – overdose .

De Mille – realizador exemplar – estatuto de estrela Paramount. ao contrário da câmara transparente de André Bazin -> + níveis plásticos. MGM RKO vende cinemas -> término block booking e blind buying -> início do studio system Nicholas Ray <3 Elia Kazan <3 Otto Preminger <3 <3 <3 1953 – “The Moon is Blue” Lista negra e lista cinzenta – bode expiatório Hollywood HUAC Casablanca – Casamento – tornar a situação legítima – adultério Beijo -> sexo “Harmless Entertainment” Diferenças entre 30 e 40 / 40 e 50 -> liberal consensos -> motivações de personagens e maneira de escrever os guiões -> protagonistas obscuras com problemas pessoais Filmes com temas problemáticos em termos ideológicos Anti-herói -> problemas e problemas psíquicos -> deixa de ser um arquétipo Heroi passivo + grandes planos -> maior densidade da personagem (sejam mulhers ou homens) realismo nas personagens filmes cheios de acção – mas o mais importante é o carácter do protagonista drama torna-se + melodrama lado freudiano -> psiquismo das personagens realizadores que querem provar as suas qualidades técnicas.história O vermelho – problema psíquico 1959 – oligopólio extinto – por decreto .Joseph Breen .filmes por majors + filmes independentes .PCA – controlo em dois momentos – rodagem e montagem – seal of aproval  .que criava publicidade Pode-se não ter seal of approval Cecil B. .