P. 1
Aula 01 - Introdução ao Geoprocessamento Utilizando o ArcGIS

Aula 01 - Introdução ao Geoprocessamento Utilizando o ArcGIS

|Views: 4|Likes:
Published by Luiz Felipe Lomanto

More info:

Published by: Luiz Felipe Lomanto on Sep 17, 2013
Copyright:Attribution Non-commercial

Availability:

Read on Scribd mobile: iPhone, iPad and Android.
download as PDF, TXT or read online from Scribd
See more
See less

09/17/2013

pdf

text

original

Sistema de Informações Geográficas: Introdução ao ArcGIS

Rafael da Silva Nunes - PUC-Rio rsngeo@hotmail.com

Cartografia

A Cartografia e o Homem
o o o

A noção de mundo A representação do homem no espaço Formas de se perceber o espaço geográfico

Representações da Superfície Terrestre  GLOBO: representação cartográfica sobre uma superfície esférica. com grau de precisão compatível com a escala. culturais e ilustrativos. em conseqüência. a escala possa ser considerada constante. subdividida em folhas delimitadas por linhas convencionais . com finalidade cultural e ilustrativa. político-administrativos. delimitada por elementos físicos. dos aspectos geográficos. naturais. MAPA: representação no plano. destinada aos mais variados usos. temáticos. em escala média ou grande. em escala pequena. PLANTA: que representa uma área de extensão suficientemente restrita para que a sua curvatura não precise ser levada em consideração. dos aspectos artificiais e naturais de uma área.paralelos e meridianos com a finalidade de possibilitar a avaliação de pormenores. e que. CARTA: representação no plano.    . culturais e artificiais de uma área. dos aspectos naturais e artificiais de uma figura planetária. normalmente em escala pequena.

..) A B Nível do mar (alterado pelas marés.) Para medir: • distância entre pontos • localização Superfície de referência . . vales... diferenças de gravidade.Representação terrestre Distâncias a pontos de referência Mas. . A Terra tem uma forma altamente irregular e que se altera constantemente.. Superfície topográfica da Terra (alterada por montanhas..

Geóide “É a forma da figura da Terra. em média. sem atração de outros corpos celestes (sol e a lua: sem mares. . ondas) e supostamente adentrando os continentes” (BITTENCIURT. considerando que a superfície dos oceanos está em repouso. sem variação de pressão atmosférica. 1994) É a superfície de potencial gravitacional constante e que. coincide com o valor médio do nível médio das águas do mar.

. sendo o modelo matemático mais simples na representação da Terra.Geóide Forma da terra sem água ou nuvens (satélite ERS-1) Tentativa de Adequação Elipsóide é uma forma de representar a Terra correspondendo a uma esfera achatada nos pólos e intumescida no equador.

.Geóide Geóide: Superfície equipotencial (gravidade) ao nível imperturbado dos mares.

O elipsóide de revolução é uma figura que se pode obter pela rotação de uma elipse pelo seu semi-eixo menor. .Elipsóide de Revolução A figura geométrica usada na geodesia que mais se aproxima da figura da Terra é o elipsóide de revolução. Um elipsóide de revolução que descreva a figura da Terra é chamado de elipsóide de referência.

Tipologias da Superfície Terrestre .

Vários países adotaram elipsóides de parâmetros ligeiramente diferentes: há vários datums. Superfície da Terra Ponto de Origem Elipsóide Ponto de Origem .Sistema Geodésico de Referência Sistema Geodésico de Referência: Datum (horizontal. vertical).

MG): datum oficial Córrego Alegre (MG): antigo datum oficial WGS84: datum do sistema GPS Aratu (BA): desenvolvido pela Petrobras SIRGAS: Sistema de Referência Geocêntrico para as Américas).Sistema Geodésico de Referência Datums Horizontais mais usados no Brasil: o o o o o SAD69 (Chuá. Datum Vertical: o Marégrafo de Imbituba (SC) . novo datum oficial (em implantação).

Sistema Geodésico de Referência .

Sistema Geodésico de Referência Diferenças médias entre o SAD-69 e o SIRGAS .

. .Sistema de Coordenadas Os sistemas de coordenadas são necessários para expressar a posição de pontos sobre uma superfície. esfera ou um plano. seja ela um elipsóide. É com base em determinados sistemas de coordenadas que descrevemos geometricamente a superfície terrestre.. Latitude / Longitude UTM Outros ?! .

90o.Latitude É o ângulo proveniente da medição entre o Paralelo de Referência (Equador) e o Paralelo de Interesse. O paralelo a 0o corresponde ao Equador. 90o ao Pólo Norte e . Equador é o paralelo que divide a Terra em dois hemisférios: Norte e Sul. ao Pólo Sul Os paralelos jamais se cruzam .

A leste do meridiano de origem. A oeste.Longitude Greenwich É o ângulo proveniente da medição entre o Meridiano de Referência (Meridiano de Greenwich) e o Meridiano de Interesse. os meridianos são medidos por valores crescentes até + 180o.180o . suas medidas são decrescentes até o limite mínimo de .

. .Assim. Cada ponto da superfície terrestre é localizado na interseção de um meridiano com um paralelo..

Cada uma delas possui 8 graus na direção sul-norte (exceto zona X que tem 12 graus) . não uma única Baseado em projeções transversas de Mercator com 2 meridianos de referência   Cobre a Terra entre 80° S e 84° N (não cobre as regiões polares) Os pólos são cobertos pelo sistema estereográfico (azimutal) universal polar   Em UTM. Cada uma delas tem 6°  Existem 20 zonas de latitude varrendo as latitudes de 80°S a 84°N e denotadas pelas letras de C a X. existem 60 zonas norte-sul.Universal Transversal de Mercator   Sistema de projeção muito usado: várias projeções. omitindo a letra O. cada um delas de 6° de longitude Existem 60 zonas de projeção longitudinal numeradas de 1 a 60 começando em 180° Oeste.

.

Universal Transversal de Mercator .

estiramentos.Projeções Cartográficas  As projeções cartográficas são uma necessidade imposta devido a impossibilidade de transformar uma superfície esferoidal (como a da Terra) em um plano (como o do mapa) sem provocar rupturas. dobras e outras deformações imprevisíveis. Um sistema de Projeção cartográfica é uma transformação matemática executada sobre uma superfície plana provocando o mínimo de deformações. Área ou Forma Representação da Casca da Tangerina na “esfera” e no “plano” apresentarão distorções.  Distância. .

Projeções Cartográficas • Planas Polar Equatorial Horizontal • Cônicas Normal Transversa Horizontal • Cilíndricas Equatorial Transversa Horizontal .

Equador Equador Polos Áreas Temperadas .

Projeções Cartográficas o Projeções mais usadas no Brasil o UTM (Universal Transverse Mercator) o cartas topográficas Cônica conforme de Lambert o cartas ao milionésimo o cartas aeronáuticas Policônica o mapas temáticos o mapas políticos o o .

Projeções Cartográficas .

.

.

.

.

Projeções Cartográficas .

Policônica .

Projeção UTM (Universal Tranverse Mercator) .

realizando duas órbitas diárias. No entanto. a partir daí o GPS foi aberto para uso dos civis e essa margem caiu para entre 5 m e 20 m. o Junção de dois programas: o TIMATION – Marinha 621B .NAVSTAR/GPS o Sistema de posicionamento desenvolvido pelo Departamento de Defesa dos Estados Unidos em fins da década de 1970 para fins militares (aumentar a precisão dos mísseis). cada qual orbitando a Terra à aproximadamente 19.Força Aérea o Até o início de 2000 o sistema tinha margem de erro (proposital) de cerca de 100 metros. o Fornece a posição e o tempo de modo instantâneo e contínuo sobre toda a superfície da Terra. . oO GPS é baseado em 27 satélites (24 + 3 backups).300m.

.

oMede-se o tempo que o sinal demora para chegar do satélite até o receptor e a seguir. oO cálculo da posição da estação terrestre é realizado pelo processo de trilateração. . divide-se pela velocidade de propagação do sinal.NAVSTAR/GPS oOs receptores fixam a posição calculando o tempo de percurso dos sinais de rádio até pelo menos três satélites GPS.

O Geoprocessamento .

.Definição: Geoprocessamento  Geoprocessamento representa a área do conhecimento que utiliza técnicas matemáticas e computacionais para tratar a informação geográfica  Informações sobre dados com distribuição geográfica: MAPAS.  Desenvolvimento de tecnologias computacionais para tratar estas informações: GEOPROCESSAMENTO.

criação de previsões razoáveis e geração de informações especializadas. Apoio à decisão para equacionar problemas sócioeconômicos. Monitoramento e análise de diversos fenômenos. urbanos ou ambientais.Utilidade do Geoprocessamento  Identificação e a classificação de situações espaciais de interesse.   .

.....? Quais as áreas com declividade acima de 20%?  Condição: O que está.......? Qual o melhor caminho para a linha do metrô?  Padrões: Qual o padrão.? Qual a população desta cidade?  Tendência: O que mudou..? O que acontece com o clima se desmatarmos a Amazônia?  Localização: Onde está.Funcionalidades  Roteamento: Qual o melhor caminho.? Qual a distribuição da dengue em Fortaleza?  Modelos: O que acontece se.? Esta terra era produtiva há cinco anos atrás? .

  . e o conceito de risco associado a uma área geográfica específica é utilizado. provavelmente pela primeira vez. John Snow. crurgião naval Escocês escreve em 1768 “An Essay on Diseases Incidental to Europeans in Hot Climates” Neste trabalho. o primeiro epidemiologista moderno.Histórico  James Lind. se buscou explicações para a distribuição espacial de doenças. em 1854: mapeamento de riscos da epidemia de cólera em Londres.

.

 Década de 50 .Barateamento e evolução de computadores pessoais bem como o avanço da informática possibilitaram a consolidação do uso da tecnologia. Década de 60 .Primeiras tentativas de automação no processo de manipulação de dados geográficos (Inglaterra: botânica e EUA: volume de tráfego). Década de 80 . diminuição dos custos e surgimento de novas tecnologias de aquisição de dados servem como incentivos ao maior uso da tecnologia. porém o alto custo de hardware e software na época eram forte restrição ao desenvolvimento da tecnologia. Década de 90 – Constante evolução de hardware e software.     . esta década marca também finalmente a popularização dos SIGs no Brasil. porém o tamanho dos computadores ainda limitava o uso a empresas públicas e privadas. Década de 70 .Evolução do hardware e o surgimento dos CADs alavancaram a difusão dos SIGs.Surgem os primeiros SIGs no Canadá (inventário de recursos naturais).

.Sistema de Análise Geo-Ambiental (SAGA) MaxiDATA .MaxiCAD.VISION e ORACLE INPE . 1991 – SPRING. Xavier (UFRJ) e visita de R.. dbMapa CPqD/TELEBRÁS .     .  A tecnologia se desenvolveu a partir do início da década de 80:  Prof.1984-1990 .No Brasil.Sistema Automatizado de Gerência da Rede Externa (SAGRE) .SITIM e SGI.Tomlinson (criador do 1o SIG) UFRJ .

análises. Nota: Um GIS em si não cria soluções. mas gera um ambiente multidisciplinar de trabalho onde informações aparentemente de difícil integração são atualizadas pela sua localização espacial.E o que é um SIG ?  Um Sistema de Informações Geográficas é um ambiente computacional onde representações do real são inseridas e armazenadas permitindo manipulações. Manipulação e Integração de dados espaciais. acompanhamentos ações e conclusões. .

A Estrutura de um SIG .

 Consulta e Análise: ferramentas analíticas e ambiente para a definição de consultas  Visualização e Plotagem: mecanismos para a geração de mapas e relatórios. edição. .A Estrutura de um SIG  Interface com o usuário: meio de interação do usuário com o sistema. por onde executa suas operações.  Entrada e Integração de Dados: mecanismos para a aquisição (importação.  Gerência de Dados Espaciais: mecanismos responsáveis pelo armazenamento e recuperação de dados.) e integração de dados no banco de dados. conversão. registros das operações num SIG. etc. e manutenção da integridade dos dados.

Estrutura de um SIG: Montagem de um Projeto  Modelagem: definição do problema e dos dados necessários para equacioná-lo. Análise e Manipulação: etapa de inteligência. Aquisição de Dados: imagens de satélite. criação de conhecimento a partir das informações estruturadas no banco de dados. Estruturação do Ambiente: criação do banco de dados. digitalização de mapas. etc. aerofotogrametria. produção de novas informações.    . definição da estrutura do banco de dados e das funções necessárias para a manipulação dos dados. e seleção/construção das das ferramentas computacionais. dados de GPS. topografia.

Aquisição CAD GPS Integração Análise Visualização Detecção Remota SIG Desktop Mapping VR e WWW .

CAD x SIG CAD • Coordenadas de papel • Regularidades nos objetos • Desenhos sem atributos SIG • Projeções cartográficas • Topologia do espaço • Atributos descritivos .

As Gerações dos SIG´s .

Primeira Geração de SIG´s • Tecnologia • sistemas orientados a projetos • ênfase em entrada de dados e geração de mapas • Utilização • mapeamento básico e temático • entrada de dados sem ligação com banco de dados • inacessibilidade dos dados .

. transação particionada) • ambiente multi-plataforma (unix..).Segunda Geração de SIG´s • Tecnologia • integração com SGDB relacionais • linguagem de consulta: SQL + extensões espaciais • controle de transações (transação longa gerência de versões..windows. • interfaces em janelas • Utilização • impõe reorganização institucional • SIG faz gerência de informações da empresa • BD corporativo integrado ao SIG .

Terceira Geração de SIG´s • Tecnologia • gerenciamento de grandes bases de dados • bancos de dados distribuídos e federativos • interoperabilidade .diversos SIGs • orientado a troca de dados entre instituições e sociedades . interface via WWW • BD corporativo integrado ao SIG .Bibliotecas Geográficas Digitais • Utilização • redes locais e remotas.

topologia e geometria (coordenadas geográficas. índice pluviométrico anual. Atributos Espaciais: guardam informação sobre localização.Dados Espaciais Dados Espaciais: São compostos tanto por uma base locacional. tais como tipos de rochas. Atributos Temporais: referem-se à idade do objeto de estudo. que não são de localização nem temporais. Atributos: descrição do fenômeno – representação num banco de dados. coordenadas de projeção ou coordenadas retangulares com a origem local. . entre outros. à data ou à freqüência da aquisição. Atributos Temáticos: referem-se a outras propriedades das entidades. Localização: dimensão espacial de um fenômeno – representação na superfície terrestre. quanto por uma base de atributos.

.

sendo elas a representação vetorial e a representação matricial. Representação Vetorial Representação Matricial . pontos ou polígonos. de tal forma que o computador saiba a que elemento ou objeto pertence determinada célula.Representação dos Dados Espaciais Existem duas formas de representar geometricamente os dados espaciais. Representação Vetorial: Reprodução de elementos e objetos o mais próximo possível da realidade. Cada célula passa a possuir um valor referente ao atributo estudado. Representação Matricial: A existência de uma malha quadriculada regular compondo inúmeras células. constituindo-se da existência de linhas.

Percepção Representação Modelos de Dados Vetorial Matricial Pontos Linhas Modelo ras ter Modelo vectorial Modelo ras ter Mod Polígonos .

Representação Vetorial  O território não é contínuo e as entidades são representadas por pontos. linhas ou polígonos .

Vantagens e Desvantagens: Representação Vetorial  Algumas Vantagens  Rigor geométrico  Ligação de atributos Alguns Inconvenientes  Complexidade  Diversidade de formatos Origens  Digitalização  Recolha directa (ex: GPS)  Conversão raster-vetor   .

Representação Matricial  O modelo matricial é espacialmente abrangente e procede à uniformização do território Cada entidade corresponde a uma célula de uma matriz (grid) estruturada por linhas e colunas   Para georreferenciar:     Coordenada de um canto nº de linhas nº de colunas Dimensão das células .

a distância tempo. classe de espaço de um PDM. etc.Modelos de Dados Matriciais  As células podem conter valores discretos ou contínuos que representam:  uma classificação  Ex: tipo de vegetação. etc. ocupação do solo.  uma medida  Ex: população residente. Valores discretos Valores contínuos .

Definição de Diferentes “Riscos” .

Vantagens e Desvantagens: Representação Matricial  Algumas Vantagens   Uniformização  Simplificação da Realidade Aplicação de algoritmos  Alguns Inconvenientes   Rigor geométrico “Peso” da informação  Origens    Imagens de satélite Conversão vetor-raster Rasterização .

• Modelo de dados que se interpõe entre a realidade e a base de dados de um SIG.Produto Final: Mapa Mapa: • Modelo simplificado da realidade. • Uma representação. de uma seleção de entidades abstratas relacionadas com a superfície da Terra. Mapa Temático Mapa Numérico Mapa Cadastral Mapa de Rede . normalmente em escala.

>10%} N Classes de Solos Areias Quartzosas Álicas Areias Qaurtzosas Hidromórficas Álicas Areias Qaurtzosas Hidromórficas Distróficas Glei Pouco Húmico Distrófico Latossolo Vermelho-Escuro Álico Latossolo Vermelho-Escuro Distr ófico Latossolo Roxo Distrófico Latossolo Vermelho-Amarelo Álico Latossolo Vermelho-Amarelo Distrófico Podzólico Vermelho-Amarelo Álico Podzólico Vermelho-Amarelo Distrófico Podzólico Veremelho-Amarelo Eutrófico Solos Litólicos Álicos Solos Litólicos Distr óficos Solos Litólicos Eutróficos 30 0 30 60 Kilometers .} • ordinal: escala de medida mapa de classes de declividade {0-5%. área urbana.Mapa Temático Distribuição espacial qualitativa da grandeza em estudo. Domínio do atributo: • nominal: lista de valores mapa de uso do solo {floresta. pasto. 5-10%. etc.

04 0. batimetria. temperatura em graus Celsius razão: referência natural peso. distância.49 52 º 30' W 17 º S 20 º S 55 º 30' W N 20 º S 30 0 30 60 Kilometers 52 º 30' W . temperatura em graus Kelvin NDVI 55 º 30' W 17 º S -0.Mapa Numérico Distribuição espacial quantitativa da grandeza em estudo. Domínio do atributo: intervalo: referência arbitrária altimetria.

. . bairros . hospitais . edificações .vias.Mapa Cadastral Contêm objetos geográficos individuais: .escolas.países.setores censitários . municípios. embarcações . estados.lotes. Suporte para mapeamento de objetos.. equipamentos urbanos ..veículos.

transformadores. alimentadores • postes. utilizado para redes conectadas. chaves • Rede viária • trechos de logradouros • interseções . Objetos endereçados no espaço: • Rede de distribuição elétrica • rede primária • rede secundária • sub-estações.Mapa de Rede Contêm objetos com topologia arco-nó.

ArcGIS 9.3 .

Produtos do ArcGIS Desktop Produtos ArcGIS ArcInfo Mais Funcionalidades -Estende as funcionalidades do ArcView e ArcEditor para incluir geoprocessamento avançado. Aplicativos Integrados existentes em todos os produtos ArcEditor -Inclui todas as funcionalidades do ArcView mais capacidades de edição avançada. . Janela de ferramentas presente em ambos aplicativos ArcCatalog Aplicativo para acessar e administrar bancos de dados geográficos. Arctoolbox ArcView -Fornece ferramentas para análise e mapeamento juntamente com ferramentas para edição simples e geoprocessamento. ArcMap Aplicativo para realizar análises e criar mapas.

ArcCatalog. imagens de satélite. entre outros).Além disto. ArcMap e ArcToolbox o ArcCatalog (visuzalização e gerência de dados) O ArcCatalog permite o usuário organizar e acessar toda informação geoprocessada (tais como arquivos. seleção de elementos. . o ArcMap (mapeamento e manipulação de dados) É neste ambiente que todas as ações tais como análise de mapeamento.modelação e análise O ArcToolbox inclui uma série de ferramentas como sobreposição. por localização ou por atributos) e edições se dão. processamento topológico e conversão de dados. modelos. o ArcToolbox espacial) (conversão. metadados. o ArcCatalog contém uma série de ferramentas que permitem uma gerência inteligente da base de dados. seleções (sejam elas espaciais. projetos.

ArcCatalog
 • • •

Visualização do Banco de Dados Procura Gerencia Cria

ArcMap
 

Visualização Execução de ações
• • • •

Visualização Edição Consulta Análise

ArcToolbox
 • • • • •

Configura e Executa ações diversas: Ferramentas de análise Ferramentas de Conversão Ferramentas de gerência de dados Ferramentas de análise espacial Ferramentas de análise estatística ....

Interface do ArcCatalog .

COVERAGE .MXD CAD SHAPEFILE MDT GEODATABASE RASTER .

armazemdedados.br/CDSR/ Catálogo de imagens de satélite de diferentes sensores ópticos disponibilizadas pelo Instituto Nacional de Pesquisa Espacial . estudos e pesquisas aplicadas ao Rio de Janeiro.ibge.gov. ou de fora dela.esri.rj.rio.com Site da web da ESRI para acesso aos fóruns e patches do ArcGis.shtm Ambiente de disponibilização de dados em diferentes formatos fornecidos pelo Insituto Brasileiro de Geografia e Estatística http://www.br/home/geociencias/cartografia/manual_nocoes/indice...ibge.htm Link para "Noções Básicas de Cartografia" (vou tentar conseguir a versão em PDF) ler principalmente os trechos referentes à representação cartográfica e processos cartográficos. http://www. http://www.Sites de Interesse http://www.dgi.html Link para o ArcGis Server (ArcGis em ambiente Web).com/software/arcgis/arcgisserver/index. que também explica o processo fotogramétrico de aquisição de imagens de satélite e afins).br/home/download/geociencias.br/ Concebido para reunir contribuições não apenas do IPP-RIO. http://www. . mas de toda a comunidade da Prefeitura. que produz estatísticas.inpe.esri. http://www.gov. mapas.gov.

You're Reading a Free Preview

Download
scribd
/*********** DO NOT ALTER ANYTHING BELOW THIS LINE ! ************/ var s_code=s.t();if(s_code)document.write(s_code)//-->